Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés"

Transcrição

1 Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira Gustavo Augusto Lima de Campos Mariela Inés Cortés

2 Introdução Trabalhos Relacionados Abordagem Proposta Considerações Finais Conclusão Trabalhos Futuros 2

3 Agentes inteligentes são vistos como uma tecnologia promissora (Poutakidis et al 2009). As propriedades peculiares dos agentes satisfazem as necessidades empresariais modernas (Nguyen 2008). Apesar de existirem esforços no sentido de facilitar o desenvolvimento de sistemas baseados em agentes, pouco tem sido feito na direção de propor métodos para testá-los (Nguyen 2008), (Zina 2011). 3

4 Agente racional é aquele que age para alcançar o melhor resultado ou, quando há incerteza, o melhor resultado esperado (Russell e Norvig 2004). Russell e Norvig (2004) descrevem quatro tipos de agentes racionais: Agentes reativos simples Agentes reativos baseados em modelos Agentes baseados em objetivos Agentes baseados em utilidade 4

5 Devido às suas propriedades peculiares, é difícil aplicar técnicas de testes capazes de garantir a confiabilidade destes sistemas [Nguyen 2008]. Testar agentes têm relação direta com o teste dos objetivos do agente. O agente deve ser capaz de atingir suas próprias metas e agir corretamente em casos em que sua meta esperada não pode ser alcançada [Zina 2011]. 5

6 Lacuna em termos de técnicas de testes para testes agentes inteligentes [Nguyen 2008]. A abordagem proposta neste projeto considera que: O projetista estabelece a medida de avaliação do agente O agente pode possuir mais de um objetivo (e podem ser conflitantes entre si) O resultado dos testes deve indicar o desempenho dos agentes e os objetivos que não estão sendo satisfeitos 6

7 Conceber uma abordagem baseada em agentes racionais que seja capaz de contribuir com o teste de agentes racionais, gerando para o projetista informações relevantes sobre falhas, que lhe permitam executar mudanças que melhorem as propriedades reativas, de memória, orientação por metas e por utilidade, e de aprendizagem nos programas agentes racionais. 7

8 Nguyen (2008) propõe um método de análise orientada a objetivos. Propõe uma metodologia de como produzir artefatos de testes a partir das especificações dos agentes e do design, e usa estes artefatos para detectar problemas mais cedo. Pontos fracos: A abordagem não apresenta estratégias que possam testar agentes com multiobjetivos. 8

9 Zina (2011) também apresenta uma abordagem orientada a objetivos para os agentes. O autor especifica um processo de teste (Modelo V) com o intuito de gerar os casos de teste a partir dos objetivos. Pontos fracos: A abordagem não apresenta o monitoramento do comportamento do agente na execução dos casos de teste. 9

10 Nguyen et al. (2009) adota uma abordagem evolucionária para a realização dos testes de agentes autônomos. Os algoritmos genéticos são utilizados para gerar uma variedade de testes com aumento do nível de dificuldade. As funções de qualidade são usadas como funções objetivo para guiar a direção da pesquisa gerando mais desafios para os testes. Pontos fracos: A abordagem não testa casos com agentes com multiobjetivos. 10

11 Figura 1 Estrutura de papéis contidos na abordagem de teste Agente Testador: Responsável por testar e observar a execução do Agente. Agente Monitorador: Responsável por obter do Agente Testador o desempenho do Agente e realizar uma análise de qualidade quanto ao desempenho ideal em torno dos objetivos. Projetista: Responsável por implementar o agente testado, gerar casos de teste objetivamente para o teste, alimentar outras informações necessárias para o teste e a medida de avaliação do Agente. 11

12 Figura 2 Estrutura de papéis envolvidos no teste do agente Agente: Entidade central capaz de exercer ações e que deve ser testada. Ambiente: Responsável pelo cenário de execução do Agente. 12

13 Histórias com Execução do avaliação teste e cenário correspondente. Sucessor: Novo cenário de acordo com a estratégia de busca local Projetista Testador Monitorador - Agente -- Episódio História (estado, ação) Analisa o report. Monta o report: - Ambiente -- Avalia Valor de avaliação percepção - Objetivos insatisfeitos - Cenário(s) de teste percepção inicial - Episódios falhos e quais - Medida de avaliação desempenho ação os episódios ideais - Outras informações para o teste correspondentes. - Episódio (estado, ação) - Avalia Agente Ambiente Figura 3 Interação dos agentes na abordagem de teste proposta 13

14 Desenvolvimento dos agentes: Agente Testador: Arquitetura baseada em utilidade [Russel e Norvig 2004]. Agente Monitorador: Agente reativo baseado em modelos e regras condição-ação [Russel e Norvig 2004]. Evolução dos casos de teste a partir da metaheurística de Algoritmos Genéticos. 14

15 Cenário inicial: Possui apenas 2 lados (A e B) Percepções: Em que quadrado está; Se existe sujeira no quadrado. A B Ações: Mover-se para a esquerda; Mover-se para a direita; Aspirar a sujeira; Não fazer nada. Figura 4. Um mundo de aspirador de pó com apenas dois locais 15

16 Cenário inicial A B Sucessor A B Projetista Testador Monitorador Medida de avaliação: +1pt por quadrado limpo +0pt mudar de sala -1pt por não op na sala suja sujo aspira limpo E 0 = (A,s), aspira +1 aspira Report: História, Avaliação, Cenário História: E 0 = (A,s), aspira +1 E 1 = (A,l), direita +0 E 2 = (B, l), aspira +1 Avaliação: +3 Agente Aspirador Ambiente Figura 5 Exemplificação da abordagem proposta 16

17 Procedimento implícito: Figura 6 Procedimento da evolução dos testes (Fonte Adaptado NGUYEN et al, 2009) 17

18 Considerando que o agente racional deve ser capaz de realizar seus próprios objetivos, testes adequados devem ser desenvolvidos. Para a realização dos testes em agentes racionais é necessário que técnicas efetivas que tratem da natureza peculiar do agente sejam aplicadas. Considerando o resultado dos testes, o projetista poderá alterar objetivamente a estrutura interna do Agente testado. Trabalhos Futuros: Estudo de caso com a utilização da abordagem. Concepção de uma estratégia de teste capaz de testar, através de agentes racionais, a interação entre os agentes nos sistemas multiagentes. 18

19 JENNINGS, N. R.; WOOLDRIDGE, M. On agent-based software engineering. Artificial Intelligence, v. 117, p , NGUYEN, C. D.; PERINI, A.; TONELLA, P. Automated Continuous Testing of Multi-Agent Systems. In: 5th European Workshop on Multi-Agent Systems. Hammamet, NGUYEN, C. D.; PERINI, A.; TONELLA, P.; MILES, S.; HARMAN, M.; LUCK, M. Evoluctionary Testing of Autonomous Software Agents. In: 8th Int. Conf. on Autonomous Agents and Multiagent Systems. Budapest, Hungary, NGUYEN, C. D. Testing Techniques for Software Agents. PhD Dissertation. University of Trento, POUTAKIDIS, D.; WINIKOFF, M.; PADGHAM, L.; ZHANG, Z. Debugging and Testing of Multi- Agent Systems using Design Artefacts. Springer Science Business Media, LLC, RUSSELL, S.; NORVIG, P. Inteligência Artificial: uma abordagem moderna. 2 ed. São Paulo: Prentice-Hall, ZINA, H. Test Suite Generation Process for Agent Testing. Indian Journal of Computer Science and Engineering (IJCSE), Vol 2, Nº 2,

20

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

TCC04040 Inteligência Artificial. Inteligência Artificial

TCC04040 Inteligência Artificial. Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 2 Profª Bianca Zadrozny TCC04040 Inteligência Artificial Página web: http://www.ic.uff.br/~bianca/ia Material: Livro texto: Inteligência Artificial, Russell & Norvig, Editora

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com AGENTES INTELIGENTES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é tudo o que pode ser considerado capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Licenciatura em Computação Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por

Leia mais

Agentes Inteligentes. Inteligência Artificial. Exemplos. Agentes Inteligentes. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com

Agentes Inteligentes. Inteligência Artificial. Exemplos. Agentes Inteligentes. Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com Agentes Inteligentes Inteligência Artificial Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre esse ambiente por meio de atuadores. Agente Prof. Ms. Luiz Alberto Contato:

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Edirlei Soares de Lima Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes

Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes Inteligência Artificial Agentes Inteligentes Agentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre esse ambiente por meio de atuadores. em busca de um objetivo Exemplos

Leia mais

UMA ABORDAGEM FUNDAMENTADA EM AGENTES RACIONAIS PARA O TESTE DE AGENTES RACIONAIS

UMA ABORDAGEM FUNDAMENTADA EM AGENTES RACIONAIS PARA O TESTE DE AGENTES RACIONAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FRANCISCA RAQUEL DE VASCONCELOS SILVEIRA UMA ABORDAGEM FUNDAMENTADA EM AGENTES RACIONAIS

Leia mais

Agentes - Definição. Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes

Agentes - Definição. Inteligência Artificial. Agentes Inteligentes Inteligência Artificial s Inteligentes s - Definição : entidade capaz de perceber e agir em um ambiente, comunicar-se com outros agentes, motivada por um conjunto de inclinações, que pode dispor de representação

Leia mais

Ementa. Inteligência Artificial. Agentes. Agentes Inteligentes. Exemplos 8/18/2010. Mapeando percepções em ações. Aula 2 Profª Bianca Zadrozny

Ementa. Inteligência Artificial. Agentes. Agentes Inteligentes. Exemplos 8/18/2010. Mapeando percepções em ações. Aula 2 Profª Bianca Zadrozny Ementa Inteligência Artificial Aula 2 Profª Bianca Zadrozny Agentes inteligentes (Cap. 1 e 2) Resolução de problemas por meio de busca (Cap. 3, 4 e 6) Representação de conhecimento e raciocínio através

Leia mais

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 2 Agentes Inteligentes

Inteligência Artificial (SI 214) Aula 2 Agentes Inteligentes Inteligência Artificial (SI 214) Aula 2 Agentes Inteligentes Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br 2012-2015 Josenildo Silva (jcsilva@ifma.edu.br) Este material é derivado dos slides de Hwee Tou Ng,

Leia mais

Gestão de defeito: Descreva! Sumário. Introdução. Problema. Justificativa. Metodologia. Referencial teórico. Demonstração do Mantis.

Gestão de defeito: Descreva! Sumário. Introdução. Problema. Justificativa. Metodologia. Referencial teórico. Demonstração do Mantis. Gestão de defeito: Descreva! Sumário Introdução Problema Justificativa Metodologia Referencial teórico Demonstração do Mantis Introdução Não saber descrever um comportamento executado e onde está o defeito

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA

UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DESENVOLVIMENTO DE AGENTES: UM ESTUDO DE CASO NA MICROECONOMIA VANESSA M. BERNY, DIANA F. ADAMATTI, DANIELA FERREIRA GOMES, ANTONIO C. DA ROCHA COSTA RESUMO Este artigo

Leia mais

Busca em Espaço de Estados

Busca em Espaço de Estados Busca em Espaço de Estados Jomi Fred Hübner jomi@inf.furb.br FURB / BCC Introdução 2 Agente orientado a meta O projetista não determina um mapeamento entre percepções e ações, mas determina que objetivo

Leia mais

MODELAGEM DE ARQUITETURAS INTERNAS DE AGENTES DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM MAS-ML 2.0

MODELAGEM DE ARQUITETURAS INTERNAS DE AGENTES DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM MAS-ML 2.0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT MESTRADO ACADÊMICO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MODELAGEM DE ARQUITETURAS INTERNAS DE AGENTES DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM MAS-ML 2.0

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano

Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano Simulação e controle inteligente de tráfego veicular urbano Instituto de Informática - UFRGS XVII Seminário de Computação (SEMINCO) 04/11/2008 Roteiro Introdução O Simulador ITSUMO Simulação de Caso Real:

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Institucional. CS Treina www.cstreina.com.br

Institucional. CS Treina www.cstreina.com.br Institucional Agenda Por que a CS Treina? Como nós atuamos? O que nós entregamos? A CS Treina Oferecemos serviços de Treinamentos para equipes de TI. Criamos e adaptamos treinamentos especiais para atender

Leia mais

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e JEANE MENDES DA SILVA SANTOS Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e Plano de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal de

Leia mais

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco Sistemas Inteligentes Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco 1 Ao final desta aula a gente deve... Entender o que é um Agente Racional (inteligente)? Distinguir entre os vários tipos

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS Aline Ferraz da Silva 1 Carine Bueira Loureiro 2 Resumo: Este artigo trata do projeto de Trabalho

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços A empresa A FollowUp é uma empresa que presta serviços em Tecnologia da Informação (TI). O principal foco é o outsourcing de serviços de análise e desenvolvimento de sistemas computacionais.

Leia mais

(P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS: IMPLEMENTAÇÃO EM JAVA

(P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS: IMPLEMENTAÇÃO EM JAVA Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM (P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS:

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS Marcos Mitsuo Ashihara 1, Nelson Tenório Jr 2, Rita Cristina Galarraga

Leia mais

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada.

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Reinaldo A. C. Bianchi 1 Anna H. R. C. Rillo 2 1 Divisão de Automação e Inteligência Artificial - Laboratório

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

Inteligência Artificial Escola de Verão 2008. Laboratório Associado de Computação e Matemática Aplicada LAC

Inteligência Artificial Escola de Verão 2008. Laboratório Associado de Computação e Matemática Aplicada LAC Inteligência Artificial Escola de Verão 2008 Laboratório Associado de Computação e Matemática Aplicada LAC www.lac.inpe.br/~demisio/ia_lac.html Agentes Inteligentes Agente: Qualquer coisa que pode: Agente

Leia mais

Controle Inteligente no desenvolvimento de Projetos de Software

Controle Inteligente no desenvolvimento de Projetos de Software Controle Inteligente no desenvolvimento de Projetos de Software Leandro L. C. De Souza 1, Anderson C. P. Queiroz 2, Gustavo Campos 2, Mariela I. Cortés 2, Nécio L. Veras 3, Enyo J. T. Gonçalves 4, Marcos

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

MÉTRICAS DE SOFTWARE

MÉTRICAS DE SOFTWARE MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 Motivação Um dos objetivos básicos da Engenharia de Software é transformar o desenvolvimento de sistemas de software, partindo de uma abordagem artística e indisciplinada, para alcançar

Leia mais

Engenharia de Software baseada em Agentes

Engenharia de Software baseada em Agentes IV Congresso Brasileiro de Ciência da Computação CBComp 2004 (Procedimentos) Brasil ISSN Engenharia de Software baseada em Agentes Rosario Girardi Universidade Federal do Maranhão - DEINF - GESEC Av. dos

Leia mais

A experiência do TECPAR

A experiência do TECPAR Inteligência Artificial em aplicações industriais A experiência do TECPAR Dr. Eng. Milton Pires Ramos Centro de Engenharia de Sistemas Inteligentes Empresa pública vinculada à Secretaria de Estado da Ciência,

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes

Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes Modelagem de ferramentas focadas em ontologias para a EaD baseadas em teorias sociais e agentes inteligentes Ylana Kipuna dos Santos Figueiredo Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Agentes Inteligentes Agenda O que é um Agente Como Definir Agentes Arquitectura dos Agentes 1 O que é um agente Em geral um agente é qualquer entidade que: Percebe seu ambiente

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis

Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis Cinco práticas recomendadas de business intelligence para dispositivos móveis Autor: Ellie Fields, Diretora de marketing de produto da Tableau Software Junho de 2011 p2 Cinco práticas recomendadas de business

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

CAFÉ DO APOIO TEMA - TUTOR

CAFÉ DO APOIO TEMA - TUTOR CAFÉ DO APOIO TEMA - TUTOR 1. Na opinião do grupo, a oficina de formação dos tutores contribuiu para embasar a atuação desse tutor e apoiar a equipe para o aprofundamento do tema na atenção básica? Por

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Resolução de problemas por meio de busca. Capítulo 3 Russell & Norvig Seções 3.1, 3.2 e 3.3

Resolução de problemas por meio de busca. Capítulo 3 Russell & Norvig Seções 3.1, 3.2 e 3.3 Resolução de problemas por meio de busca Capítulo 3 Russell & Norvig Seções 3.1, 3.2 e 3.3 Agentes de resolução de problemas Agentes reagvos não funcionam em ambientes para quais o número de regras condição-

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Prof. Rafael Stubs Parpinelli DCC / UDESC-Joinville parpinelli@joinville.udesc.br www.joinville.udesc.br/portal/professores/parpinelli www2.joinville.udesc.br/~coca/ Agentes Inteligentes:

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

Uma Abordagem para o Planejamento, Monitoramento e Controle de Processos de Software Auxiliado por Agentes Inteligentes

Uma Abordagem para o Planejamento, Monitoramento e Controle de Processos de Software Auxiliado por Agentes Inteligentes Uma Abordagem para o Planejamento, Monitoramento e Controle de Processos de Software Auxiliado por Agentes Inteligentes Leandro Leocádio Coelho de Souza Centro de Ciências e Tecnologia, Av. Paranjana,

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Castanhal Faculdade de Sistemas de Informação Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Elisiane M. Soares,

Leia mais

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Paulo Burin 1 Orientadora: Fabiana Lorenzi 2 Resumo. Este artigo propõe a construção de uma ferramenta de software baseada na arquitetura multiagente

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Seleção de Casos de Teste para Agentes Racionais

Seleção de Casos de Teste para Agentes Racionais Francisca Raquel de Vasconcelos Silveira 1 Gustavo Augusto Lima de Campos 1 Mariela I. Cortés 1 Resumo: Apesar dos referenciais disponíveis para orientar o projeto de agentes racionais, existem poucas

Leia mais

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008

Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Como melhorar a Qualidade de Software através s de testes e integração contínua. nua. Cláudio Antônio de Araújo 22/11/2008 Objetivos Fornecer uma visão geral da área de testes de software, com ênfase em

Leia mais

Sistemas Tutores Inteligentes

Sistemas Tutores Inteligentes Sistemas Tutores Leila Cristina Vasconcelos de Andrade Jorge Juan Zavaleta Gavidia Trabalho de conclusão da disciplina Inteligência Artificial do Programa de Pós-Graduação da COPPE-Sistemas da Universidade

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Inteligência Artificial Aplicada ao Gerenciamento de Redes de Computadores

Inteligência Artificial Aplicada ao Gerenciamento de Redes de Computadores Page 1 of 14 Inteligência Artificial Aplicada ao Gerenciamento de Redes de Computadores Utilização da Metodologia para análise e projeto orientada à agente de Wooldridge, Jennings e Kinny. Sistema: Sistema

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância Short paper Autores: Luciano Lessa Lorenzoni - Apresentador luciano@faesa.br 27-3279152 Denise Frazotti Togneri togneri@zaz.com.br

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Extensão de MAS-ML para a Modelagem de Agentes BDI

Extensão de MAS-ML para a Modelagem de Agentes BDI Extensão de MAS-ML para a Modelagem de Agentes BDI Evilásio C. Júnior, Enyo J. T. Gonçalves, Yrleyjander S Lopes, Emmanuel S. Freire, Mariela I. Cortés Abstract Agents based on the Belief Desire Intention

Leia mais

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias

Agenda. Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias Agenda Visão Revolução Ágil EduScrum Visão Geral do Método Benefícios Projeto Scrum for Education Sinergias 1 Questão Central Como formar trabalhadores para o Século 21? 2 Visão Desafios do Cenário Atual

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Agentes Inteligentes: Uma Abordagem Prática com o Java Agent Development Framework

Agentes Inteligentes: Uma Abordagem Prática com o Java Agent Development Framework Agentes Inteligentes: Uma Abordagem Prática com o Java Agent Development Framework Daniel Abella Cavalcante Mendonça de Souza daniel@abella.com.br Capítulo 1. Introdução Segundo Russel e Norvig [1], um

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO DE MÁQUINA Estudos Iniciais André Filipe de Moraes Batista Disciplina de Aprendizagem de Máquina UFABC 2010 TEORIA DOS JOGOS Ramo da matemática aplicada estuda situações

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

Proposta de Trabalho Sistema de Monitoramento de animais de Estimação. Herminio Paucar Curasma (hcurasma@inf.puc-rio.br) Departamento de Informática

Proposta de Trabalho Sistema de Monitoramento de animais de Estimação. Herminio Paucar Curasma (hcurasma@inf.puc-rio.br) Departamento de Informática PUC Proposta de Trabalho Sistema de Monitoramento de animais de Estimação Herminio Paucar Curasma (hcurasma@inf.puc-rio.br) Departamento de Informática PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano

Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano Domínios TECNOLOGIA E SOCIEDADE Subdomínios/Sugestões de Exploração Tecnologia e necessidades Humanas: Tecnologia como resposta às necessidades

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

A MÁQUINA INTELIGENTE. O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br

A MÁQUINA INTELIGENTE. O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br A MÁQUINA INTELIGENTE O longo caminho do pensamento mecanizado Júlio Cesar da Silva - juliocesar@eloquium.com.br APRESENTAÇÃO Júlio Cesar da Silva Mestrando em Administração MBA em Gestão da Tecnologia

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Inteligência Artificial para Jogos Eletrônicos

Inteligência Artificial para Jogos Eletrônicos Inteligência Artificial para Jogos Eletrônicos Prof. Marcelo Henrique dos Santos O que é Inteligência Artificial? inteligência apresentada por uma entidade artificial (geralmente um computador); ramo da

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 IV Workshop de Implementadores W2-MPS.BR 2008 Marcello Thiry marcello.thiry@gmail.com Christiane von

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Software esenvolvidos à Luz das Metodologias Ágeis. Ana Liddy C C Magalhães

Gerenciamento de Projetos de Software esenvolvidos à Luz das Metodologias Ágeis. Ana Liddy C C Magalhães Gerenciamento de Projetos de Software esenvolvidos à Luz das Metodologias Ágeis Ana Liddy C C Magalhães EQPS 2004 Campinas 16/08/2004 otivação e Objetivos do Projeto Motivação Demanda pela informação dependência

Leia mais

Introdução a INGENIAS:

Introdução a INGENIAS: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA Mestrado em Ciência da Computação MCC Disciplina: Engenharia de Software Orientada a Agentes Professores:

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software O software é algo abstrato, pois são as instruções que quando executadas atingem o propósito desejado no sistema computacional. (Algoritmo). As principais características são: Complexidade:

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

Competências organizacionais

Competências organizacionais GESTÃO DO PROCESSO JUDICIAL Capacidade de coordenar e controlar as atividades processuais, entregando com eficiência e presteza a tutela jurisdicional. EXCELÊNCIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Capacidade para

Leia mais