Introdução ao Design

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução ao Design"

Transcrição

1 Introdução ao Design João Arthur e Guilherme Germoglio Coordenação de Pós-graduação em Informática - COPIN 16/10/2008 João Arthur e Guilherme Germoglio 1/ 33

2 Roteiro 1 Introdução Objetivos 2 Definições Design como Processo Design como Produto Benefícios Observações 3 O Processo Técnicas de design Design de baixo nível X Design de alto nível 4 João Arthur e Guilherme Germoglio 2/ 33

3 Objetivos Objetivos Introduzir os conceitos de design Apresentar design como processo e como produto Diferenciar design de baixo nível de design de alto nível Apresentar as principais técnicas de design João Arthur e Guilherme Germoglio 3/ 33

4 Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Duas visões (Taylor e Van der Hoek [5]): Nome Verbo Stroustrup [4]: Design is the end product of the design process. João Arthur e Guilherme Germoglio 4/ 33

5 Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Design surge de uma necessidade: ministrar uma aula sobre design Problema: Guiga está sobrecarregado Solução: Terceirizar O que o cliente (Guiga) quer: Uma aula bem dada sobre o que é design e o que é design de software. João Arthur e Guilherme Germoglio 5/ 33

6 Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Design surge de uma necessidade: ministrar uma aula sobre design Problema: Guiga está sobrecarregado Solução: Terceirizar O que o cliente (Guiga) quer: Uma aula bem dada sobre o que é design e o que é design de software. João Arthur e Guilherme Germoglio 5/ 33

7 Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Design surge de uma necessidade: ministrar uma aula sobre design Problema: Guiga está sobrecarregado Solução: Terceirizar O que o cliente (Guiga) quer: Uma aula bem dada sobre o que é design e o que é design de software. João Arthur e Guilherme Germoglio 5/ 33

8 Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Design surge de uma necessidade: ministrar uma aula sobre design Problema: Guiga está sobrecarregado Solução: Terceirizar O que o cliente (Guiga) quer: Uma aula bem dada sobre o que é design e o que é design de software. João Arthur e Guilherme Germoglio 5/ 33

9 Por que projetar? Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Por que não fazer a aula diretamente? Risco Temos que projetar! Temos que avaliar o projeto! João Arthur e Guilherme Germoglio 6/ 33

10 Por que projetar? Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Por que não fazer a aula diretamente? Risco Temos que projetar! Temos que avaliar o projeto! João Arthur e Guilherme Germoglio 6/ 33

11 Por que projetar? Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Por que não fazer a aula diretamente? Risco Temos que projetar! Temos que avaliar o projeto! João Arthur e Guilherme Germoglio 6/ 33

12 Requisitos Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações 40 alunos Mensagens a serem transmitidas (conteúdo) Duração de no máximo 2 horas João Arthur e Guilherme Germoglio 7/ 33

13 Requisitos Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações 40 alunos Mensagens a serem transmitidas (conteúdo) Duração de no máximo 2 horas João Arthur e Guilherme Germoglio 7/ 33

14 Requisitos Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações 40 alunos Mensagens a serem transmitidas (conteúdo) Duração de no máximo 2 horas João Arthur e Guilherme Germoglio 7/ 33

15 Requisitos Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações 40 alunos Mensagens a serem transmitidas (conteúdo) Duração de no máximo 2 horas João Arthur e Guilherme Germoglio 7/ 33

16 Possíveis Soluções Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Alternativas para resolução do problema: Aula ao ar livre Aula prática Aula virtual Aula tradicional João Arthur e Guilherme Germoglio 8/ 33

17 Análise das possíveis soluções Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Analisar restrições CD-105 ou Hattori Tempo Conhecimento interno sobre o assunto (viabilidade) Custo Nível dos alunos Escolher solução Escolher representação João Arthur e Guilherme Germoglio 9/ 33

18 Resultado Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Template Slides: Seções Relação entre as Seções Fontes Figuras Mensagens Exemplos Metodologia a ser utilizada João Arthur e Guilherme Germoglio 10/ 33

19 Benefícios Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Avaliação prévia Facilita comunicação Facilita implementação João Arthur e Guilherme Germoglio 11/ 33

20 Observações Introdução Definições Design como Processo Design como Produto Por que Projetar? Observações Embora seja mais barato que fazer o artefato, planejar não é barato. O resultado final não é a aula, mas a sua descrição (plano de aula)! João Arthur e Guilherme Germoglio 12/ 33

21 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Software Design O foco é software Geração de modelos Diretrizes para implementação João Arthur e Guilherme Germoglio 13/ 33

22 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Caraterísticas de Software Brooks [1] identifica quatro propriedades: Complexidade: muitos estados durante a execução Conformidade: estar em conformidade com padrões, hardware, software e outros componentes Changeability: sofrer constantes mudanças Invisibilidade: não há representação visual João Arthur e Guilherme Germoglio 14/ 33

23 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Como um nome Aspectos de representação do sistema [2]: Estrutura do software (hierarquia, subprogramas etc) Algoritmos Estrutura de pacotes (organização das unidades de compilação) Interação entre os módulos João Arthur e Guilherme Germoglio 15/ 33

24 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Como uma atividade João Arthur e Guilherme Germoglio 16/ 33

25 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Como uma atividade Belady [3]: Diversificação: Geração das alternativas Convergência: Seleção das alternativas que satisfazem objetivos e restrições João Arthur e Guilherme Germoglio 17/ 33

26 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Fases Objetivos Restrições Alternativas Representações Soluções João Arthur e Guilherme Germoglio 18/ 33

27 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Técnicas Diretrizes Guias Noções de boas práticas que podem resultar em um bom design Design Patterns João Arthur e Guilherme Germoglio 19/ 33

28 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Abstração Eliminar complexidade Focar no que realmente importa Interfaces e camadas Requer habilidade e experiência. Quanto abstrair? Benefícios: facilita comunicação, análise e entedimento João Arthur e Guilherme Germoglio 20/ 33

29 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Ocultação de Informação Encapsulamento Esconder detalhes de implementação Benefícios: redução de acoplamento João Arthur e Guilherme Germoglio 21/ 33

30 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Modularização Decompor em módulos o sistema Packaging Benefícios: facilita implementação, entendimento, diminui acoplamento etc João Arthur e Guilherme Germoglio 22/ 33

31 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Separação de interesses Modularizar interesses Exemplo clássico: Log João Arthur e Guilherme Germoglio 23/ 33

32 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Acoplamento e Coesão Acoplamento: entre módulos Evitar Difícil de entender Difícil de mudar Indício para melhorar a modularização Coesão: Quão relacionada está a classe com sua responsabilidade? João Arthur e Guilherme Germoglio 24/ 33

33 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Coincidental João Arthur e Guilherme Germoglio 25/ 33

34 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Lógica João Arthur e Guilherme Germoglio 26/ 33

35 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Temporal João Arthur e Guilherme Germoglio 27/ 33

36 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Outros tipos Procedural: Tarefas que ocorrem em ordem (sozinhas não fazem sentido) Comunicação: Compartilhamento de dados Sequencial: compartilham dados de entrada e saída (pipe) Funcional: A melhor! Objetos representam um único conceito João Arthur e Guilherme Germoglio 28/ 33

37 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Separação entre política e implementação Um módulo deve lidar com política ou implementação Módulos de implementação somente devem ser responsáveis por executar algoritmos Benefícios: Facilita reuso e manutenção dos módulos de implementação Qual o padrão para esta técnica? João Arthur e Guilherme Germoglio 29/ 33

38 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Separação de interface e Implementação Contratos O Que? X Como? Benefícios: redução de acoplamento entre clientes e módulos João Arthur e Guilherme Germoglio 30/ 33

39 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Comparação Alto nível: Fase de refinamento da arquitetura Definição de módulos Interação entre os módulos Bibliotecas a serem utilizadas Paradigma de persistência Atendimento a requisitos de qualidade Baixo nível Definição dos objetos e suas responsibilidades Questões de implementação: concorrência, tratamento de falhas, definição de esquema de BD etc João Arthur e Guilherme Germoglio 31/ 33

40 O Processo Técnicas de design Baixo nível X Alto nível Quando acontece? David Budgen João Arthur e Guilherme Germoglio 32/ 33

41 Design é processo Design é descrição Projetar não é barato Exige experiência (boas e ruins) Reduz riscos João Arthur e Guilherme Germoglio 33/ 33

42 F. Brooks. No Silver Bullet: Essence and Accidents of Software Engineering. IEEE Computer, 20(4):10 19, D. Budgen. Software Design. Addison Wesley, L. Peters. In Forward to Software Design: Methods and Techniques, B. Stroustrup and A. Publishing. The C+ Programming Language. IBM SYSTEMS JOURNAL, 31(4), R. Taylor and A. van der Hoek. Software design and architecture: The once and future focus of software engineering. João Arthur e Guilherme Germoglio 33/ 33

43 Future of Software Engineering, João Arthur e Guilherme Germoglio 33/ 33

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 10 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir os conceitos de coesão e acoplamento. DESENVOLVIMENTO Projetar

Leia mais

Introdução ao Projeto. Projeto de Software. 1) Objetivos. 2) Importância. Análise e Projeto - Diferenças. Importância. Silvia Regina Vergilio - UFPR

Introdução ao Projeto. Projeto de Software. 1) Objetivos. 2) Importância. Análise e Projeto - Diferenças. Importância. Silvia Regina Vergilio - UFPR Introdução ao Projeto Projeto de Software Silvia Regina Vergilio - UFPR 1. Objetivos 2. Importância 3. Fundamentos 4. O processo de projeto 5. Métodos de projeto 6. Analisando a estrutura do software 1)

Leia mais

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Abstração Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser utilizados para descrever a estrutura lógica e física

Leia mais

Padrões. Projeto (Design) de Software

Padrões. Projeto (Design) de Software Padrões Projeto de Softwares Categorias de Padrões Processo de Tradução de modelos de análise (isentos de tecnologia, lógicos) para modelos de projeto (development-ready, físicos) Qual a Tecnologia Alvo

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio

Arquitetura de Software. Silvia Regina Vergilio Arquitetura de Software Silvia Regina Vergilio Atividades de Projeto Projeto Geral ou Preliminar: fase que traduz a especificação do sistema em termos da arquitetura de dados e de módulos. Descreve a organização

Leia mais

Análise e Projeto de Software

Análise e Projeto de Software Análise e Projeto de Software 1 Mundo Real Modelagem Elicitação Análise Problemas Soluções Gap Semântico Mundo Computacional Elicitação de Requisitos Análise de Requisitos Modelagem dos Requisitos 2 Projeto

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Requisitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Requisito O que é um REQUISITO? Em software: É a CARACTERIZAÇÃO do que o

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão DCC / ICEx / UFMG Definição de Padrões Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Um padrão é uma descrição do problema e a essência da sua solução Documenta boas soluções para problemas recorrentes

Leia mais

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introduçãoa Engenhariade Software Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA O que é Software? O que é software? São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. Um programa

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Estilos Arquitetônicos Estilos Arquiteturais Dataflow

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Arquitetura de Software

Arquitetura de Software Arquitetura de Software Jair C Leite Arquitetura e Engenharia Qual o papel da arquitetura e da engenharia... Na construção civil edifícios, pontes, estradas, etc.? Na indústria automobilística? Na indústria

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

1. DAS VAGAS: Estão disponíveis 2 (duas) vagas para Arquitetura e Montagem de Computadores e Algoritmos e Programação.

1. DAS VAGAS: Estão disponíveis 2 (duas) vagas para Arquitetura e Montagem de Computadores e Algoritmos e Programação. EDITAL 11/2015 BOLSA DE MONITORIA ARQUITETURA DE COMPUTADORES E ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO O Diretor do Colégio Politécnico da, Prof. Valmir Aita, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Universidade Federal de Uberlândia Rodrigo Reis Pereira Prof. Dr. Marcelo Almeida Maia Agenda Motivação Introdução Modelagem

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA?

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? ADEMILSON ANGELO CABRAL Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas DIEGO BEZERRA DA SILVA Discente da AEMS Faculdades

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados

Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados Etapas da Elaboração de um Projeto de Banco de Dados Apresentar os modelos de dados em rede, hierárquicos, relacionais e orientados a objetos. Demonstrar as etapas de desenvolvimento de um projeto de banco

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

Motivação. Motivação (software) Customização em massa. Outros exemplos de uso de plataformas

Motivação. Motivação (software) Customização em massa. Outros exemplos de uso de plataformas Motivação Introdução a Linhas de Produtos de Software Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br twitter.com/scbs Produtos desenvolvidos manualmente para clientes individuais atendimento as necessidades do cliente

Leia mais

Introdução Engenharia de Software

Introdução Engenharia de Software Introdução Engenharia de Software Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 EMENTA Parte 1 Conceitos de Engenharia de Software. Processo de desenvolvimento

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte

Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Uma Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas de Informações em Empresas de Pequeno e Médio Porte Autoria: Denis Silveira, Eber Schmitz Resumo: Este artigo apresenta uma Metodologia Rápida de Desenvolvimento

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO CURSO Engenharia Eletrônica MATRIZ FUNDAMENTAÇÃO LEGAL (Resolução do COEPP que aprovou a matriz curricular

Leia mais

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Design de Software e Projeto Arquitetural de Software Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Agenda 1. Contexto da Arquitetura e Projeto de Software 2. Definição de Arquitetura

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

PROJETO (OU DESIGN) DO SOFTWARE Diagrama de Estrutura

PROJETO (OU DESIGN) DO SOFTWARE Diagrama de Estrutura PROJETO (OU DESIGN) DO SOFTWARE Diagrama de Estrutura Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 PROJETO (OU DESIGN) DO SOFTWARE Na fase de projeto (ou design)

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados;

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados; PLANO DE CURSO Disciplina Competências Habilidades Bases Tecnológicas INGLÊS TÉCNICO Aumentar e consolidar o seu vocabulário ativo e passivo, através da fixação de novas palavras e expressões contidas

Leia mais

Desenho de Software. Desenho de Software 1

Desenho de Software. Desenho de Software 1 Desenho de Software Desenho de Software 1 Sumário Caracterização Conceitos fundamentais Desenho funcional e desenho OO Qualidades Desenho de Software 2 Bibliografia Pfleeger, Capítulo 6 Design the Modules

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Programa Analítico. Introdução. Origens da programação Orientada a Objetos. Paradigma procedural. Paradigma Orientado a Objetos.

Programa Analítico. Introdução. Origens da programação Orientada a Objetos. Paradigma procedural. Paradigma Orientado a Objetos. Programação II Prof. Gustavo Willam Pereira e-mail: gustavowillam@gmail.com ENG10082 Programação II 1 Ementa Programação orientada a objetos: classes e objetos, atributos e métodos, especificadores de

Leia mais

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados CONCEITOS Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados Tipos de dados, relacionamentos e restrições Operações dinâmicas alto nível: ou modelo

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista Banco de Dados Capítulo 1: Introdução Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo. Propriedades

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Stream de Dados + Pipe & Filter André Santanchè Laboratory of Information Systems LIS Instituto de Computação UNICAMP Maio 2015 Picture by Moyan Brenn [http://www.flickr.com/photos/aigle_dore/6225536653/]

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP

Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP Programação Orientada a Objetos Prof. Rone Ilídio UFSJ/CAP 1) Introdução Programação Orientada a Objetos é um paradigma de programação bastante antigo. Entretanto somente nos últimos anos foi aceito realmente

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software

Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software Usando RDL para Derivação de Produtos em uma Linha de Produtos de Software Juliano Dantas Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPE - Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Teste de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Teste de software

Leia mais

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ

Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software Uma extensão para o editor de programação BlueJ IV Encontro de Pesquisa PUCSP/TIDD 2011 Sistema de Apoio ao Ensino de Modelagem de Software. Uma extensão para o editor de programação BlueJ Autor: Luciano Gaspar - E-mail: tigaspar@hotmail.com Orientador:

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br

MC302A Modelagem de Sistemas com UML. Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br MC302A Modelagem de Sistemas com UML Prof. Fernando Vanini vanini@ic.unicamp.br Modelamento de Sistemas e Orientação a Objetos O paradigma de Orientação a Objetos oferece um conjunto de características

Leia mais

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Orientação à Objetos. Aécio Costa

Orientação à Objetos. Aécio Costa Aécio Costa O paradigma da orientação à objetos Paradigma? Um paradigma é uma forma de abordar um problema. No contexto da modelagem de um sistema de software, um paradigma tem a ver com a forma pela qual

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton Tecnologia da Informação para EPPGG 2013 Victor Dalton Edital TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: 1. Noções sobre processo de desenvolvimento de software: modelos organizacionais, stakeholders, modelagem de negócio,

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Padrões de projeto 1

Padrões de projeto 1 Padrões de projeto 1 Design Orientado Objeto Encapsulamento Herança Polimorfismo Design Patterns 2 Responsabilidades Booch e Rumbaugh Responsabilidade é um contrato ou obrigação de um tipo ou classe. Dois

Leia mais

Histórico da Orientação a Objetos Ciclo de vida de Desenvolvimento de SW

Histórico da Orientação a Objetos Ciclo de vida de Desenvolvimento de SW Histórico da Orientação a Objetos Ciclo de vida de Desenvolvimento de SW Baseado nos materiais dos profs: Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Edna Canedo Marcio de Carvalho Victorino Brasília-DF,

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software Prof. Dr. Juliano Lopes de Oliveira (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications)

Leia mais

A contribuição da Análise para Arquitetura de Software

A contribuição da Análise para Arquitetura de Software A contribuição da Análise para Arquitetura de Software IFbaiano /Campus: Catu-BA Disciplina: Análise e Projeto de SI I Professor: Cayo Pabllo Santana de Jesus. Curso: Tecnologia em Análise e desenvolvimento

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Validação

Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Validação Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Orientação a Objetos, Statechart e Validação André Pereira Engenheiro de Vendas (Grande São Paulo) Alexsander Loula Coordenador Suporte Técnico

Leia mais