tipo 2 Se precisar de insulina, não se assuste Como vai a doença Saiba como prevenir e Testemunho de quem precisa de insulina todos os dias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "tipo 2 Se precisar de insulina, não se assuste Como vai a doença Saiba como prevenir e Testemunho de quem precisa de insulina todos os dias"

Transcrição

1 ABRIL2013 N.º 07 ANO I MENSAL + Este jornal é gratuito, pelo que não pode ser comercializado + diretora-geral: Ana Santos + PT. GLA Testemunho de quem precisa de insulina todos os dias Dionaldo Azevedo arregaçou as mangas, porque é possível ter-se qualidade de vida com esta doença. Diabetes tipo 2 Se precisar de insulina, não se assuste Saiba como prevenir e tratar a diabetes tipo 2 A diabetes tipo 2 está bastante associada a estilos de vida pouco saudáveis. O ideal é prevenir a doença, mas se já a tem deve informar-se para que possa ter uma vida com qualidade. Caso precise de insulina, não se assuste. As autoridades de saúde aconselham o seu uso cada vez mais cedo para controlar melhor a glicose no sangue, para se prevenir amputações e outras complicações graves, como nos explica o endocrinologista e presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetes, José Luís Medina. Como vai a doença em Portugal As pessoas com diabetes perdem em média 7 anos de vida úteis (aquando de morte antes dos 70 anos). Só em Portugal, há um milhão de pessoas com a doença, 44 por cento das quais sem estarem diagnosticadas. Os dados são do Observatório Nacional da Diabetes de Apesar dos avanços que se têm feito sentir nos últimos anos, a diabetes tipo 2 continua a ser uma preocupação constante para as autoridades de saúde, como nos demonstra o Diretor do Programa Nacional para a Diabetes da Direção Geral de Saúde (DGS), José Manuel Boavida.

2 breves editorial Não seja indiferente: a prevenção é melhor que a doença! 7 anos é o tempo de vida que se perde, em média, quando se sofre de diabetes. A conclusão do Observatório Nacional da Diabetes 2012 não deixa margens para dúvidas: apesar dos avanços que se têm feito sentir nos últimos anos, a diabetes tipo 2 continua a matar e a causar graves problemas de saúde. O mais irrisório é estarmos perante uma doença que pode ser prevenida. Sim, na maioria das vezes, está nas nossas mãos ter ou não diabetes tipo 2. É importante ter um estilo de vida saudável e praticar exercício para afastar esta doença. Já ouviu estas recomendações muitas vezes? É verdade. Todos os dias somos bombardeados com estas duas máximas. Mas, admitamos, se as colocarmos em prática podemos evitar a diabetes tipo 2 e todas as complicações associadas a esta patologia. Nesta edição damos-lhe a conhecer melhor a doença há sempre algo a aprender, por isso não seja indiferente. Aliás, o conhecimento é essencial. Como nos dizia um dos entrevistados para o vox pop, não sabia como se prevenia essa doença que tantos problemas me tem trazido na vida. Se está a ler este jornal e já é uma pessoa com diabetes, então o melhor é controlar a doença, tomando sempre a medicação e optando por um estilo de vida mais saudável. Não abandone os tratamentos e, se precisar de insulina, não se assuste. A evidência científica é clara: a insulina deve ser administrada numa fase precoce para evitar complicações graves. Se o seu médico lhe receitar insulina, pense que a sua vida vai melhorar e deixe de pensar que este tratamento é um monstro. O monstro está nas complicações que podem surgir, como a cegueira e as amputações, quando o seu corpo já precisa mesmo deste tratamento e não o recebe. Independentemente de tudo, o mais importante é apostar na felicidade e no pensamento positivo. Estes também ajudam na prevenção e no tratamento da diabetes tipo 2. Sorria e tente ver a luz que está por detrás dos momentos mais negros! Ana Santos O sono das crianças é pior em tempo de crise As dificuldades económicas também afetam o sono dos mais pequenos, segundo a Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono. Miguel Meira e Cruz, presidente da associação, explica à Lusa que o aumento de casos de ansiedade, depressão e problemas de sono nos adultos acaba por ter consequências nas crianças. Os pais, com vários problemas gerados pela crise, acabam por dar menos importância aos hábitos de sono dos filhos. O investigador avançou ainda que a privação de sono entre os seis meses e os 12 anos poderá estar associada a défices neurocognitivos, como dificuldades de aprendizagem, confundidas com hiperatividade e défice de atenção. Relembremos que a privação do sono também aumenta a probabilidade de se sofrer de diabetes tipo 2. Como a insulina afeta a memória e a aprendizagem A via de sinalização da insulina e peptídeos semelhantes têm um papel fundamental na regulação da aprendizagem e da memória, segundo a Harvard University, nos EUA. Esta descoberta poderá ser mais um passo no desenvolvimento de tratamentos para uma série de distúrbios cognitivos, incluindo a demência. As pessoas pensam em insulina e diabetes, mas muitas síndromes metabólicas estão associadas com alguns tipos de defeitos cognitivos e distúrbios comportamentais, como a depressão ou demência. Isso sugere que os peptídeos semelhantes à insulina e a insulina podem desempenhar um papel importante na função neural, explica o coordenador da investigação, Yun Zhang. O estudo foi publicado na revista Neuron. Olho biónico dá visão a cegos Foi aprovado o primeiro olho biónico nos EUA. O novo olho destina-se a pessoas que tenham perdido a visão em resultado da retinite pigmentosa profunda, uma doença que danifica as células sensíveis à luz. O novo dispositivo transmite sem fios as imagens de uma câmara montada em óculos, permitindo que um cego possa localizar objetos, detetar movimentos, melhorar a orientação e a mobilidade, assim como discernir formas, incluindo letras grandes. Cientistas curaram a diabetes em cães Investigadores da Universidade Autónoma de Barcelona conseguiram curar a diabetes em cães com só um tratamento de terapia genética, anuncia o Ciência Hoje. O estudo, publicado na revista «Diabetes», refere que depois de um só tratamento, os animais recuperaram o seu estado de saúde, deixando de ter sintomas da doença. Os cães foram acompanhados durante quatro anos e em nenhum dos casos se registaram recaídas. FICHA TÉCNICA Esta edição é de distribuição gratuita, pelo que não pode ser vendida Subscreva o Saúde Notícias e envie-nos as suas sugestões para: Siga-nos também no Facebook Ano I 2013 Propriedade Guess What Comunicação, Lda Rua Francisco Sanches, nº55 2ºEsq 1000 Lisboa Diretora Ana Santos DESIGN E PAGINAÇÃO Alexandra Miguel Sede da Redação Rua Ramalho Ortigão, nº8 3ºEsq Lisboa Tel.: Tiragem 25 mil exemplares Periodicidade Mensal Depósito Legal: DL /10 ERC registo: Nº Contribuinte Impressão Funchalense - Empresa Gráfica, SA Rua da Capela da Nossa Senhora da Conceição, nº50 Morelena Pêro Pinheiro Colaboradores Maria João Ramires Carla Fonseca Mário Tomé Sónia Morais As opiniões, notas e comentários são da exclusiva responsabilidade dos autores ou das entidades que produziram os dados. Nos termos da Lei, está proibida a reprodução total ou parcial dos conteúdos. 2 Abril 2013

3 diabetes no geral Uma doença silenciosa, mas prevenível A diabetes tipo 2 está bastante associada a estilos de vida pouco saudáveis. O ideal é prevenir a doença, mas se já a tem deve informar-se para que possa ter uma vida com qualidade. Caso precise de insulina, não se assuste. As autoridades de saúde aconselham o seu uso cada vez mais cedo para controlar melhor a glicose no sangue, para se prevenir amputações e outras complicações graves. José Luís Medina, endocrinologista e presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD). 12,7 por cento dos portugueses sofre de diabetes. O tipo de diabetes mais prevalente é a tipo 2, que está mais associada a estilos de vida pouco saudáveis. O principal fator de risco é o excesso de peso e a obesidade. Os portugueses têm uma vida muito sedentária e uma alimentação desequilibrada. E não tem sido fácil mudar esta realidade, afirma José Luís Medina, endocrinologista e presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD). O problema poderá tornar- -se grave e o melhor, no seu entender, é identificar os grupos de risco e reforçar junto desse grupo populacional ações de informação e formação que permitam alterar este cenário. Se não se reforçar a prevenção e as medidas de deteção precoce da doença corremos riscos de ver aumentar, todos os anos, a percentagem de pessoas com diabetes, no seu entender, tal como acontece noutros países. Em Portugal ainda não é frequente ter casos de diabetes tipo 2 em crianças e adolescentes, mas nos EUA, a prevalência é muito elevada. E deixa o alerta: Os médicos têm de estar atentos a este problema que nos pode surgir em qualquer momento. Aliás, já se começa a perceber que as taxas de prevalência nas idades mais precoces estão a aumentar em Portugal. Apesar do alerta, é com bons olhos que vê que dois terços das pessoas com diabetes têm a doença controlada, como revelou o estudo TE- DDI, realizado sob os auspícios da SPD e da Associação Portuguesa de Médicos de Medicina Geral e Familiar (APMGF). Diabetes tipo 2: o que é? Mas, afinal, que doença é esta? A diabetes tipo 2 ocorre quando o pâncreas não produz insulina suficiente e/ ou quando o organismo não consegue utilizar de forma eficaz a insulina produzida. O diagnóstico ocorre, na maioria das vezes, após os 40 anos de idade, mas pode aparecer mais cedo. Costuma estar associada ao excesso de peso e à obesidade, que são consequência de uma alimentação pouco equilibrada e saudável e de uma vida sedentária. A doença costuma ser silenciosa nos primeiros tempos, afirma José Luís Medina. A diabetes tipo 2 pode passar despercebida por muitos anos, sendo o diagnóstico muitas vezes efetuado devido à manifestação de complicações associadas ou, acidentalmente, através de um exame. Apesar de ter uma forte componente de hereditariedade, os fatores que mais contribuem para o aparecimento da doença, além do peso, é o envelhecimento, a resistência à insulina, a história familiar de diabetes, o ambiente intrauterino deficitário e a etnia. A diabetes durante a gravidez A doença pode também surgir durante a gravidez. Estas mulheres devem ser vigiadas sempre porque podem vir a ter diabetes. É a chamada diabetes gestacional que corresponde a qualquer grau de anomalia do metabolismo da glicose detetado apenas na fase da gravidez. O aumento do nível de glicose materna pode resultar em complicações para o recém-nascido, nomeadamente macrossomia (bebé muito grande), traumatismo de parto, hipoglicemia e icterícia. Apesar de o problema desaparecer na maioria dos casos, estas mulheres são sempre mais suscetíveis de ter diabetes, nos anos a seguir à gravidez. Abril

4 diabetes no geral Cuidados alimentares básicos para quem já tem diabetes: Não fique sem comer mais do que três horas durante o dia, nem nove horas durante a noite; Inclua em todas as refeições hidratos de carbono de absorção lenta; Prefira o pão de mistura a pão branco ou qualquer tipo de bolachas; Ingira frutas e vegetais diariamente; Prefira peixe a carne (opte por carnes brancas); Confecione e tempere com azeite; Evite fritos e salgados (por exemplo, folhados); Evite produtos de salsicharia, carnes e queijos gordos, natas; Reserve os doces para as ocasiões especiais; Evite refrigerantes e beba cerca de 1,5 l de água por dia; Reduza o sal e não ponha o saleiro na mesa. Fonte: Revista Diabetes Os filhos também podem ser afetados, tendo um maior risco de obesidade e de perturbações do metabolismo da glicose durante a infância e a vida adulta. Tratamento: a insulina é para o seu bem O tratamento habitual tem por base antidiabéticos orais e/ou insulina, além de um estilo de vida saudável. A adesão à terapêutica é essencial, o que nem sempre acontece. A atual crise pode levar as pessoas com diabetes e com dificuldades financeiras a reduzirem a medicação, com frequência. E não reduzem apenas os medicamentos para diabetes, mas também para a hipertensão ou o excesso de colesterol, que costumam estar associados a quadros diabéticos, alerta o endocrinologista e presidente da SPD. Ajudem-nos a prevenir a diabetes, tendo um estilo de vida saudável, quer na alimentação como na atividade física. Vigie o seu peso todas as semanas, combata o excesso de peso e a obesidade Há mitos que levam os pacientes a verem a insulina como um monstro. As pessoas assustam-se, porque se trata de um tratamento injetável. Mas a agulha é tão fina como um cabelo e mal se sente a picada. É também importante salientar que a insulina, ao contrário do que se pensa, não leva à cegueira, não faz engordar e não implica obrigatoriamente hipoglicemias constantes. A insulinoterapia não é o tratamento de primeira linha das pessoas com diabetes tipo 2 e há casos em que nunca precisam de optar por este tratamento. Nestes, ainda há a ideia pré-concebida que este tratamento significa que se está muito mal e à beira de amputações. As indicações atuais apontam para que o médico receite mais cedo a insulina, porque assim consegue-se evitar o que acontecia há uns anos. As pessoas acabavam por perder membros ou ficar cegos, por não terem feito o tratamento mais adequado numa fase precoce. Na prática, a insulina vai ajudar, não é nenhum monstro e melhora a qualidade de vida das pessoas, evitando o surgimento de complicações mais graves, como as amputações e a cegueira. Cada um deve ser responsável pela sua saúde Para este especialista, o ideal é informar e formar as pessoas para saberem lidar com a sua doença. O acompanhamento médico regular é muito importante, mas a educação terapêutica também é fundamental para garantir a confiança e a autonomia competente da pessoa com diabetes, salienta. Com informação e formação, a pessoa pode ter diabetes e uma vida de qualidade. Basta saber viver com a doença. E, claro, o melhor é prevenir. José Luís Medina deixa mesmo um alerta a toda a população: Ajudem-nos a prevenir a diabetes, tendo um estilo de vida saudável, quer na alimentação como na atividade física. Vigie o seu peso todas as semanas, combata o excesso de peso e a obesidade. Gestos que melhoram a saúde e que são um exemplo para os mais novos seguirem durante toda a vida, prevenindo o surgimento de mais casos de diabetes tipo 2: Acompanhe a sua família em passeios ao ar livre, habitue o seu filho a comer saudavelmente e a praticar atividades físicas regularmente. Independentemente dos avanços que ocorram na Medicina, a diabetes tipo 2 continua a ser uma doença prevenível, na maioria dos casos, logo o seu combate depende das autoridades de saúde, dos profissionais de saúde, mas sobretudo, de cada um de nós. Fonte: Federação Internacional da Diabetes, Abril 2013

5 diabetes no geral Conheça melhor a diabetes tipo 2 O que é a diabetes tipo 2? A doença surge quando o pâncreas não produz insulina suficiente e/ou quando o organismo não consegue utilizar eficazmente a insulina produzida. Pode ser assintomática, ou seja, só é detetada em exames de rotina ou quando surgem as primeiras complicações. Fatores de risco: As pessoas que têm familiares próximos com Diabetes; Os obesos ou todos os que se deixam engordar, sobretudo na barriga ; Quem tem a pressão arterial alta ou níveis elevados no sangue de colesterol; As mulheres que tiveram diabetes na gravidez ou filhos com peso à nascença igual ou superior a 4 Kg; Os doentes com algumas doenças do pâncreas ou doenças endócrinas. Sintomas e sinais: Urinar em grande quantidade e mais vezes POLIÚ- RIA; Sede constante e intensa POLIDÍPSIA; Fome constante e difícil de saciar POLIFAGIA; Sensação de boca seca XEROSTOMIA; Fadiga; Perda de peso sem explicação; Comichão (prurido) no corpo (sobretudo ao nível dos órgãos genitais); Visão turva. Como Diagnosticar a Diabetes: O diagnóstico é feito através dos sintomas que a pessoa manifesta e é confirmado com análises de sangue. Outras vezes podem não existir sintomas e o diagnóstico ser feito em exames realizados por outra causa. Complicações: Complicações microvasculares (lesões dos pequenos vasos sanguíneos): Retinopatia (problemas de visão); Nefropatia (problemas de rins); Neuropatia (problemas nos nervos); Complicações macrovasculares (lesões dos grandes vasos sanguíneos): Macroangiopatia (doença coronária, cerebral e dos membros inferiores); Hipertensão arterial; Pé diabético; Disfunção sexual: impotência, por exemplo; Infeções. Como prevenir: Praticar exercício físico, fazer caminhadas, andar mais a pé e andar menos de carro; alimentação equilibrada (comer poucos fritos e doces, comer legumes, saladas, sopa, peixe e carne magra); Moderação nas bebidas alcoólicas; Fazer várias refeições por dia, em quantidades pe- quenas; Vigiar o colesterol, a glicemia e a pressão arterial (é possível fazê-lo na farmácia, nos centros de saúde ou em casa se tiver um aparelho de medição); Evitar o stress. Mais informações: Abril

6 dados do observatório e plano da DGS Pessoas com diabetes perdem 7 anos de vida A diabetes continua a ser um problema de saúde que não pode ser esquecido, como revela o Observatório Nacional da Diabetes Para melhorar o atendimento às pessoas com diabetes e para diminuir a taxa de casos não diagnosticados, está a ser criado o processo assistencial integrado e as unidades de coordenação funcionais da diabetes entre os centros de saúde e os hospitais de referência. Maria João Ramires As pessoas com diabetes perdem em média 7 anos de vida úteis (aquando de morte antes dos 70 anos). Só em Portugal, há um milhão de pessoas com a doença, 44 por cento das quais sem estarem diagnosticadas. Os dados são do Observatório Nacional da Diabetes de Apesar dos avanços que se têm feito sentir nos últimos anos, a diabetes tipo 2 continua a ser uma preocupação constante para as autori- dades de saúde. A causa principal é a desadaptação do homem à sociedade atual, na qual não se faz uma alimentação saudável e onde o sedentarismo passou a ser prática corrente, explica o Diretor do Programa Nacional para a Diabetes da Direção Geral de Saúde (DGS), José Manuel Boavida. Um plano idêntico de Norte a Sul Para continuar a luta contra a diabetes, está a ser implementado o Programa Nacional para a Diabetes (PND), que determina medidas bem concretas de combate à doença, que devem ser seguidas em todas as regiões do país. Com este programa vamos conseguir identificar pessoas com diabetes, que nem sabem que o são, encaminhá-las para o seu médico assistente e articular a ligação entre os Cuidados de Saúde Primários (CSP) e as unidades hospitalares, explica. A causa principal é a desadaptação do homem à sociedade atual, na qual não se faz uma alimentação saudável e onde o sedentarismo passou a ser prática corrente Um dos elementos do PND é o Processo Assistencial Integrado, que tal como o nome indica, é integrado, isto é, vai permitir aplicar as boas práticas em saúde, na luta contra a diabetes, de uma forma idêntica em todas as regiões do país, de modo a evitar diferenças regionais, como se verifica atualmente. Paralelamente são criadas unidades coordenadoras funcionais (UCF), que incluem sempre um médico, um enfermeiro do ACES (Agrupamento de Centros de Saúde) e do hospital e um médico de saúde pública do centro de saúde. Esta equipa base que pode recorrer a outros profissionais, caso seja necessário, deve fazer um levantamento do estado da diabetes na sua região, a fim de se definir um pla- 6 Abril 2013

7 dados do observatório e plano da DGS internamentos e, o mais importante, é termos registado a maior queda do número de amputações dos últimos dez anos (menos 11 por cento). Regista-se também uma menor letalidade intra-hospitalar, quer como diagnóstico principal quer como diagnóstico associado, como se refere no relatório. no de intervenção, afirma José Manuel Boavida. Ainda se está numa fase inicial deste novo processo, mas, seguramente, estaremos a trabalhar a 100 por cento já no próximo ano. Questionado sobre a sustentabilidade do projeto numa época de crise, o Diretor do Programa Nacional para a Diabetes afirma que não é preciso dinheiro, mas planificação e organização. A evolução da doença nos últimos anos O Observatório Nacional da Diabetes de 2012 não deixa margens para dúvidas. A diabetes continua a ser um problema de saúde, que não pode ficar esquecido na gaveta. A prevalência da doença é de 12,7 por cento na população entre os 20 e os 79 anos, verificando-se uma maior prevalência nos homens (M-15,9% e F -10,4%). Só em 2011 morreram 4536 pessoas em Portugal devido à diabetes. Em termos de taxa de prevalência, 56 por cento dos indivíduos estão diagnosticados, enquanto 44 por cento continua sem saber que tem a doença. O facto de não se saber que se tem a doença pode ser muito grave. As pessoas acabam por a descobrir, na maioria das vezes, em exames de rotina aquando de intercorrências ou quando surgem complicações noutros órgãos. Comorbilidades que poderiam ser evitadas com um diagnóstico precoce, segundo este responsável. Evitavase mais sofrimento, melhorava-se a qualidade de vida e havia menos custos para o Serviço Nacional de Saúde (SNS). Apesar destes dados menos positivos, há também boas notícias. Assiste-se a uma redução de 6 por cento nos Verifica-se a existência de uma relação entre o escalão de IMC e a diabetes, com perto de 90 por cento da população a ter excesso de peso ou obesidade Relativamente à Rede de Cuidados de Saúde Primários do SNS de Portugal Continental, o número de pessoas com diabetes que utilizou os serviços (com pelo menos uma consulta registada em sistema) foi de (sendo nas Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) e de nas Unidades de Saúde Familiar (USF), aponta o relatório. José Manuel Boavida, Diretor do Programa Nacional para a Diabetes da Direção Geral de Saúde (DGS) Abril

8 dados do observatório e plano da DGS Outros dados a ter em conta é a prevalência da hiperglicemia intermédia conhecida como pré-diabetes que, em 2011, atingiu 26,5 por cento da população portuguesa, com idades compreendidas entre os 20 e os 79 anos (2088 mil indivíduos). Quanto à incidência, ou seja aos novos casos, verifica-se um crescimento acentuado do número na última década. Em 2011 estimava-se a existência de 652 novos casos de diabetes por 100 mil habitantes, pode lerse no relatório do Observatório. A diabetes gestacional também aumentou. A sua prevalência foi de 4,9 por cento, registando-se um acréscimo significativo nos últimos três anos. Para José Manuel Boavida, este aumento deve-se também aos hábitos da atual sociedade. Come-se de forma pouco equilibrada e somos muito sedentários. As grávidas não fogem a esta tendência. Associado ao problema da diabetes está, de facto, o excesso de peso e a obesidade. Verifica-se a existência de uma relação entre o escalão de IMC e a diabetes, com perto de 90 por cento da população a ter excesso de peso ou obesidade, refere. De acordo com o relatório, uma pessoa obesa apresenta um risco três vezes superior de desenvolver diabetes em comparação com uma pessoa com peso normal. A prevalência da doença é de 12,7 por cento na população entre os 20 e os 79 anos, verificando-se uma maior prevalência nos homens (M-15,9% e F -10,4%). Só em 2011 morreram 4536 pessoas em Portugal devido à diabetes Um problema de saúde à escala mundial A Diabetes atinge mais de 371 milhões de pessoas em todo o mundo, o que corresponde a 8,3 por cento da população mundial. Em mais de 50 por cento dos casos, a doença ainda não foi diagnosticada, de acordo com informações do Observatório Nacional da Diabetes Só em 2012, a diabetes matou 4,8 milhões de pessoas, metade das quais com menos de 60 anos. Estima-se que, em 2030, o número de pessoas com esta doença, no mundo inteiro, atinja os 552 milhões, o que representa um aumento de 49 por cento da população atingida. Para José Manuel Boavida, estes dados são bastante preocupantes e jamais poderiam ter sido previstos há 30 anos. Nenhum visionário conseguiria antever um crescimento tão acentuado da diabetes, refere. E acrescenta: A doença está presente em diferentes comunidades, em mais de 25% da população, como ilhas do Pacífico, países árabes, tribos índias. Perante estas previsões, é impossível ficar-se quieto, de braços cruzados. 8 Abril 2013

9 dados do observatório e plano da DGS A prevenção continua a ser a palavra de ordem Face a estes dados, inevitavelmente, também se registou um aumento no consumo de medicamentos para a diabetes. Nos últimos anos, em Portugal, entre 2000 e 2010, verificouse um crescimento de cerca de 24 por cento em termos de dose diária recomendada por 100 mil habitantes por dia. No relatório da diabetes, justificam-se estes dados com o aumento da prevalência da doença, o aumento do número e da proporção de pessoas tratadas, bem como as dosagens médias utilizadas nos tratamentos. Os custos com estes medicamentos têm assumido, assim, uma especial preponderância e relevância face ao crescimento efetivo do consumo, que cresceu 60 por cento. Na prática, os utentes do SNS têm encargos diretos de 18 milhões de euros com o consumo de antidiabéticos orais. Não se trata apenas de diminuir os custos do SNS com esta doença, mas, acima de tudo, de melhorar a qualidade de vida das pessoas e de evitar complicações gravíssimas, como amputações, cegueira e outras doenças crónicas debilitantes Combater a diabetes conhecendo a realidade do país O Observatório Nacional da Diabetes foi constituído em 2009 pela Sociedade Portuguesa de Diabetologia, seguindo orientações da Direcção Geral de Saúde (DGS). O objetivo era obter informações bem concretas da realidade da diabetes em Portugal. Se não soubermos bem o que se passa no terreno, não conseguimos definir políticas e medidas de saúde que vão, de fato, ao encontro das necessidades das pessoas com diabetes, afirma José Manuel Boavida. No seu entender, a criação do Observatório tem melhorado o combate à diabetes, o que se pode verificar na redução, em 11 por cento, das amputações. O conhecimento da realidade tem permitido também, fazer-se um trabalho multidisciplinar, que envolve profissionais de saúde, utentes, autarquias, escolas, o Ministério da Saúde, entre muitos outros parceiros. O melhor continua a ser a prevenção. Não se trata apenas de diminuir os custos do SNS com esta doença, mas, acima de tudo, de melhorar a qualidade de vida das pessoas e de evitar complicações gravíssimas, como amputações, cegueira e outras doenças crónicas debilitantes, salienta José Manuel Boavida. Ao longo dos anos têm sido feitas várias campanhas para dar a conhecer a diabetes, mas é preciso continuar a reforçar a ideia de que o melhor é prevenir e apostar na deteção precoce da doença. O responsável da DGS reforça ainda que a doença é silenciosa nos primeiros tempos, daí a importância do processo assistencial integrado e das UCF, que permitirão detetar atempadamente pessoas com diabetes. E para que não se perca sete anos de vida, com muitas complicações, José Manuel Boavida deixa uma mensagem: Pratique exercício físico, tenha uma alimentação saudável e controle os níveis de glicemia. Isto até é possível na farmácia. Para quem já tem a doença, aprenda a controlála, porque quem vive com a doença 24 horas por dia é o indivíduo e não o médico ou o enfermeiro. Uma mensagem que reflete as recomendações de vários estudos e da própria Organização Mundial de Saúde (OMS). Os doentes devem ser cada vez mais responsáveis pela sua saúde, deixando de lado a velha ideia de que a saúde está apenas nas mãos dos profissionais de saúde. Fonte: Observatório Nacional da Diabetes, 2012 Fonte: Observatório Nacional da Diabetes, 2012 Fonte: Observatório Nacional da Diabetes, 2012 Abril

10 o papel do enfermeiro Educar para a saúde, ouvir e dar uma palavra amiga Os medos são muitos quando se sabe que se tem diabetes. Perante as muitas dúvidas, que passam pelo que se pode comer e pela importância da insulina, o enfermeiro tem um papel fundamental na adesão à terapêutica e na adoção de estilos de vida saudáveis Isabel Correia, enfermeira da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) O grande medo é a insulina. Quem o afirma é Isabel Correia, enfermeira da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), uma associação que acompanha, de forma multidisciplinar, pessoas com diabetes e que é conhecida, a nível mundial, como um caso de boas práticas. As pessoas acham que quando se opta pela insulina é porque já estão muito mal e próximo de uma amputação ou de morrer dentro em breve, afirma. Mas nada mais de errado. As indicações médicas internacionais apontam cada vez mais no sentido de se começar a recorrer à insulina em fases mais precoces no tratamento da diabetes tipo 2. Tudo para se evitar essa perda de membros e a morte prematura, como salienta Isabel Correia. Este medo à insulina é um dos muitos desafios que Isabel Correia enfrenta todos os dias na sua profissão. Quando é necessário iniciar esta terapêutica, é necessário explicar às pessoas que se vão sentir muito melhor e que vão ter menos complicações de saúde, acrescenta. O desafio pode não ser fácil de início, mas a enfermeira garante que nunca nenhum doente acabou por dizer mesmo «não» a este tratamento. Afinal a insulina é uma amiga O enfermeiro acaba por ser o profissional de saúde que tem um contato mais próximo com os pacientes, pelo menos para explicar todas as dúvidas associadas à doença. Fazemos muita educação para a saúde. Tentamos explicar às pessoas que a diabetes não tem obrigatoriamente que lhes tirar qualidade de vida. Os tratamentos estão avançados e a doença pode ser controlada, refere. Ainda relativamente à insulinoterapia, Isabel Correia faz questão de salientar a sensação de bem-estar que as pessoas com diabetes sentem quando passam a fazer Quando é preciso iniciar insulina, é necessário explicar às pessoas que se vão sentir muito melhor e que vão ter menos complicações de saúde esta terapêutica. Quando receitada, é porque é considerada a melhor terapêutica para controlar a doença. Todos estes medos têm uma explicação. Só recentemente se passou a receitar insulina a pessoas com diabetes tipo 2 numa fase mais precoce. Logo tende-se a relembrar o caso da mãe, pai ou vizinha que, pouco tempo depois de fazer insulina, acabou por ser amputado ou por morrer, explica a enfermeira. E acrescenta: Com o passar dos tempos, percebeu-se que a insulina, quando necessária, só vem evitar perda de membros, cegueira ou morte prematura. Outro medo associado à insulina é a picada da agulha. As pessoas costumam ter medo de agulhas, mas estas são tão finas que mal se sentem, garante. O enfermeiro deve estar sempre presente Perante estes receios, o papel do enfermeiro é fundamental: Estamos sempre prontos para ajudar a pessoa, respondendo a dúvidas ou (re) ensinando a maneira como a pessoa deve injetar a insulina a si próprio. Na APDP, como se trabalha de forma multidisciplinar, quando a pessoa vem pela primeira vez tem contacto com o enfermeiro ainda antes de chegar ao consultório do médico: Quando o paciente chega, ingressa no chamado circuito de primeira vez. Realiza análises, faz uma retinografia e um electrocardiograma. E, antes da consulta médica, tem uma sessão em grupo com outras pessoas com diabetes e orientada por um enfermeiro, onde se fala sobre a diabetes, tratamento, complicações e aspectos da gestão da doença, com vista a alterar alguns comportamentos. Tem ainda uma sessão com um nutricionista onde falam sobre alimentação. Nestas sessões fala-se de tudo o que é necessário para se ter uma vida saudável e de qualidade, apesar da doença, e responde-se às dúvidas que podem existir. Além da insulinoterapia, os doentes receiam muito as hipoglicemias. No fundo, o enfermeiro acaba por ser o contato de maior proximidade. Mesmo depois da consulta de enfermagem, podem vir ter connosco. Estamos sempre disponíveis para ensinar a forma como se deve administrar a insulina, ou como fazer a pesquisa de glicemia capilar ou ajudar na gestão da diabetes. Neste papel de proximidade, a enfermeira realça a importância de haver enfermeiros formados na área da diabetologia. A APDP tem vários cursos nesta área, informa. Os problemas de adesão à terapêutica também podem acontecer por causa do excesso de medicamentos e Saber viver com diabetes tipo 2 Maria João Ramires da falta de dinheiro para os comprar. Regra geral, as pessoas têm outros problemas de saúde associados ou não à diabetes. Como têm de tomar muitos comprimidos acabam por se esquecer ou abandonar determinadas terapêuticas. Outra razão é a falta de dinheiro. Se num mês estou melhor da hipertensão ou do colesterol, não tomo esses comprimidos, e o mesmo acontece com os antidiabéticos orais, provocando uma descompensação da diabetes. A educação para a saúde também não é uma tarefa fácil. É muito difícil levar as pessoas a mudarem determinados hábitos de vida. Explicamos que não têm de deixar de comer. Só precisam de ter uma alimentação mais equilibrada e praticar exercício, explica. E continua: Quem tem diabetes tipo 2 muitas vezes já tem mais de 40 anos e outras patologias. Isso leva-as a não quererem caminhar porque está muito frio e dói-lhes os joelhos e as costas, por exemplo. Argumentos viáveis, mas que podem ser contrariados. O habitual é perceber em que alturas do dia a pessoa pode, pelo menos, caminhar. Por exemplo, se vai buscar o neto ao colégio, poderá fazê-lo a pé. Relembramos também que a atividade física não tem de ser no ginásio ou na piscina. Pode ser só ir passear até ao jardim. E os truques continuam: O exercício também se deve iniciar aos poucos. Se a pessoa não está habituada a praticar desporto e se começa com uma atividade de 30 minutos, vai cansar-se tanto, que acaba por desistir à primeira vez. É melhor ir devagar. Vale mais 10 minutos do que nada, salienta. 10 Abril 2013

11 PUB

12 exige cada vez menos esforços e a alimentação é desequilibrada, com fast-food e muita comida pré-feita pelo meio. Todos estes fatores acabam por ter repercussões na saúde das pessoas. É inevitável, afirma. É caricato, mas no tempo da Guerra dos Balcãs, por exemplo, a diabetes diminuiu nesses países. As pessoas passaram a andar mais a pé e comiam pouco. A educação para a saúde é essencial no seu entender. As pessoas têm de comer várias vezes ao dia, ter uma dieta rica em legumes e peixe e pobre em gorduras e açúcar, caminhar, não abusar do álcool, controlar a tensão, o colesterol e a glicemia, alerta. Saber comer é fundamental e o médico de família tem um papel importante na educação dos doentes. As pessoas comem muito numa remedicina geral e familiar Não temer a insulina Com a crise aumenta o número de pessoas que se dirigem ao médico de família, antes de irem a outro especialista. Luiz Miguel Santiago, médico de Medicina Geral e Familiar de Coimbra, fala-nos dos casos de diabetes que aparecem no seu consultório e como a insulina é um tratamento que deve começar a ser receitado cada vez mais cedo. Luiz Miguel Santiago, médico de Medicina Geral e Familiar de Coimbra A diabetes tipo 2 é silenciosa. Descobre- -se, na maioria das vezes, em exames de rotina, quando surgem determinados problemas de saúde que obrigam a pessoa a ir ao médico ou quando há determinados sintomas. No consultório de Luiz Miguel Santiago, médico de Medicina Geral e Familiar (MGF), já passaram muitos utentes a queixarem-se de cansaço recorrente, emagrecimento apesar de comerem muito, alterações urinárias, secura na boca. Logo à primeira vista, o médico suspeita que possa estar perante um caso de diabetes. O procedimento habitual é pedir análises, para confirmar a suspeita, já que estes sintomas podem estar associados a outras patologias. Infelizmente, na atual sociedade deparamo-nos, muitas vezes, com pessoas que têm diabetes tipo 2 e que não sabem. É triste, porque trata-se de uma doença que pode ser prevenida, salienta Luiz Miguel Santiago. Evitar o medo da insulina O médico de família pode não ter o tempo desejável para fazer educação para a saúde, mas mesmo assim não deve deixar de explicar ao doente a sua patologia e como é importante aderir à terapêutica, refere. Uma questão pertinente tendo em conta que há doentes que deixam de tomar antidiabéticos orais, quando os níveis de glicemia começam a estabilizar. Alerto sempre a pessoa para o facto de que a descida dos valores se deveu aos comprimidos. Tem mesmo de os tomar. O papel do médico de família passa também por apoiar o doente quando a insulina se torna necessária. As pessoas têm muito medo da insulina. Mas se necessitam de a tomar, devem fazê-lo. Não significa que estão muito mal, mas que vão iniciar um tratamento que melhora bastante a sua qualidade de vida, aponta. Luiz Miguel Santiago reconhece que muitos colegas da MGF ainda sentem alguns constrangimentos em receitar insulina, mas as últimas orientações de saúde indicam que um uso mais precoce desta terapêutica vai prevenir muitas complicações, como amputações, cegueira e morte prematura. Tento explicar aos doentes todas as mais-valias da insulina, desmistificando aquela ideia de que é algo muito doloroso. A agulha mal se sente e a qualidade de vida melhora bastante. O especialista refere ainda que a insulina, além de melhorar a vida das pessoas, também traz benefícios ao Serviço Nacional de Saúde (SNS). Poupamos muito, porque evitamos os custos associados a amputações e todas as restantes complicações associadas à descompensação destes doentes, como os reinternamentos recorrentes. Comportamentos que põe em risco os níveis de glicemia As causas da doença são fruto da época em que vivemos. As pessoas já não andam tanto a pé, preferindo o carro mesmo em distâncias curtas, pratica-se menos exercício físico, o emprego As pessoas têm muito medo da insulina. Mas se necessitam de a tomar, devem fazê-lo. Não significa que estão muito mal, mas que vão iniciar um tratamento que melhora bastante a sua qualidade de vida, feição e depois estão muitas horas sem comer. Isto leva a uma sobrecarga do pâncreas e começam a aparecer problemas na libertação da insulina, explica. Outro hábito pouco saudável é ir para a cama ou para o sofá após o jantar. Quanto ao exercício físico, basta caminhar. As pessoas devem praticar um desporto que lhes dê prazer. Se não poderem ir para o ginásio, podem caminhar, não andar tanto de carro. Devem, no mínimo, dar quatro mil passos por dia. Claro, o ideal é fazer uma caminhada de 30 minutos, mas mais vale pouco do que nada. O excesso de peso e a obesidade também não ajudam. E para ilustrar a importância do peso no controlo deste tipo de diabetes, conta o caso de um dos doentes que acompanha regularmente: A pessoa em causa tem diabetes e tinha de tomar muitos comprimidos por dia. Perguntou-me o que podia fazer para deixar de tomar tantos fármacos. A resposta foi simples: perder peso. Assim fez e conseguiu mesmo reduzir a medicação. No excesso de peso inclui-se também a gordura abdominal. Estas pessoas têm muito mais tendência de vir a sofrer de diabetes. Todos os conselhos para uma vida saudável não servem apenas para quem tem diabetes, mas para todas as pessoas: O ideal é mudar para um estilo de vida saudável para evitar a doença. Com a crise, o médico tem recebido um número cada vez maior de doentes, daí que deixe um alerta: Os médicos de MGF devem ajudar as pessoas com diabetes e não devem ter medo de receitar a insulina, sempre que seja necessário. 12 Abril 2013

13 PUB "A Sociedade Portuguesa de Diabetologia(SPD) é uma Sociedade científica de direito privado, sem fins lucrativos. A SPD tem por objectivo essencial a intransigente defesa dos interesses científicos, sociais e morais dos seus associados e, nomeadamente, promover, cultivar e desenvolver a investigação e o ensino da Diabetologia e Ciências Afins; fomentar o convívio e troca de ideias entre sócios; dar parecer sobre todos os assuntos relacionados com a investigação e o ensino da Diabetologia e Ciências Afins. A criação de Grupos de Estudo tem tido relevo no estímulo á investigação e a realização de Reuniões, Congressos e Fórum demonstra a actividade e intenção da SPD em manter contactos e promover a educação das pessoas com diabetes e a actualização dos seus membros." R. do Salitre, 149-3ºEsq Lisboa Lisboa Telf: (das 9h às 13h) - Telem: (das 9h às 13h) - Fax:

14 testemunho A insulina melhorou bastante a minha vida Dionaldo Azevedo tem diabetes tipo 2 e já depende da insulina para controlar a doença. Ao contrário do que se possa pensar, não se sente diminuído nas suas capacidades e até acha que a insulina foi uma tábua de salvação, que lhe trouxe muito mais qualidade de vida. Maria João Ramires O meu problema é a fruta. Ainda hoje em dia custa-me imenso reduzir o seu consumo. As palavras são de Dionaldo Azevedo, 66 anos, reformado. Nunca pensou que comer muita fruta poderia fazer subir os níveis de glicemia. O homem que em criança subia às árvores para comer a fruta, vê-se agora obrigado a controlar este alimento. É impossível esquecer-se do dia em que soube que tinha diabetes. Na altura era vendedor, andava de carro o dia inteiro e ao fim-de-semana arbitrava jogos. Jamais imaginou que poderia ter a doença. Não tinha sintomas. Ou achava que não tinha. Costumava ter a boca seca, mas associava ao tabaco. O que achava mais estranho era os suores intensos e frios que tinha quando fazia algum esforço. Após uma gripe que o levou à cama coisa que não era habitual -, realizou análises de rotina. É nesse momento que a médica de família lhe dá a notícia. Estava com diabetes. Não estava nada à espera. Fazia uma alimentação minimamente equilibrada, praticava desporto. Na altura até já tinha deixado de fumar. Vida com diabetes não implica muitas restrições A notícia não era agradável, mas Dionaldo não baixou os braços. Quis saber tudo sobre a doença e como a podia tratar. O meu problema não é bem ter diabetes, mas saber se tenho tratamento. O maior medo que tenho é um dia dizerem-me que já não há nada a fazer, conta. A diabetes obrigou-o a mudar vários hábitos. Não posso comer tanta fruta, principalmente depois das principais refeições, tenho de praticar exercício e seguir à risca a medicação. Além disso, também tem outros cuidados que não eram necessários anteriormente. Tenho mais atenção às feridas, preciso de medir a glicemia, ando com rebuçados para controlar uma possível hipoglicemia. Mudanças que não o impedem de ter uma vida normal. Não se pense que quem sofre de diabetes tem uma vida cheia de restrições. Continuo a comer quase tudo. Simplesmente sei que tenho de controlar o consumo de fritos e doces e tomar medicamentos. Dionaldo faz questão de reafirmar que as pessoas com diabetes não são inválidas. Agora já não trabalho, mas mesmo quando estava empregado não tinha problemas por causa da doença. O truque está em seguir a terapêutica e ter hábitos de vida saudáveis, afirma. A dificuldade em mudar certos hábitos Apesar de ser uma doença que hoje em dia é facilmente controlada e de as atuais terapêuticas proporcionarem uma maior qualidade de vida, há mudanças que são obrigatórias e que nem sempre são fáceis. No meu caso é a fruta. É mesmo difícil controlar-me. Mas já estou melhor, garante. Outro obstáculo é o exercício físico. Quando trabalhava e era árbitro estava mais ativo. Agora, na reforma, é mais difícil ter uma vida menos sedentária. Quando está bom tempo ainda faço caminhadas de 45 minutos, mas com o frio, caminho sentado no sofá, admite. Outra dificuldade é a reação das outras pessoas. Nem todos compreendem que tenhamos de andar a ser vigiados regularmente no médico. Até que chegou o dia da insulina Dionaldo começou por tomar apenas antidiabéticos orais, além de outros medicamentos. Tenho hipertensão, o colesterol está elevado e também tenho problemas na próstata. Com tudo isto tomava, na fase inicial, 8 comprimidos por dia. Não era fácil, mas tinha que ser, pois o importante é haver um tratamento. No início deste ano, os antidiabéticos orais revelaram não ser suficientes e o médico passou-lhe insulina. Todos os dias administro a insulina antes de me deitar. Dá para 24 horas. Ao contrário do que é habitual, Dio- Ninguém precisa ter medo. É uma agulha tão fina, que mal sentimos a picada naldo não se assustou com a nova terapêutica. Volto a repetir. O meu maior medo é não ter nenhuma solução. E acrescenta: Ninguém precisa ter medo. É uma agulha tão fina, que mal sentimos a picada, esclarece. Além de não sentir dor, Dionaldo garante que se sente muito melhor desde que toma insulina. Tenho muito mais qualidade de vida e, como me explicaram nas consultas da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), estou a evitar amputações e outras complicações. Como mensagem final alerta todas as pessoas a pedirem análises ao seu médico, mesmo se não tiverem a doença, e a tomarem mais atenção aos sinais do corpo. A quem já tem a doença, pede para que procurem informação sobre a mesma e sobre todas as terapêuticas que existem e que podem melhorar a vida de quem sofre de diabetes. Não tenham medo. Sem informação acabamos por piorar e não ter qualidade de vida. 14 Abril 2013

15 < < vox pop Os (des) conhecimentos sobre diabetes tipo 2 1. Sabe o que é a diabetes tipo 2 e quais são os sintomas desta doença? 2. Sabe quais são os tratamentos que se utilizam? 3. Acha que os tratamentos são complicados? 4. Como é que se pode prevenir a diabetes tipo 2? Agripino Inácio, 61 anos, reformado, Lisboa 1. Não sei. Só ouvi falar de diabetes. Não sou diabético, mas o meu irmão é. Quanto aos sintomas, segundo o que ele me diz, tem tonturas e problemas de tensão 2. Há insulina injetável e comprimidos. 3. No caso da insulina, penso que sim. Pelo menos ao início, não deve ser fácil. Só o facto de estar a pensar que se tem de receber insulina, já deve ser uma sensação muito desagradável. 4. Não sei. < José Machado, 67 anos, reformado, Brandoa 1. Não sei nada disso. Já ouvi falar da diabetes, mas não sei nada sobre a tipo Já ouvi falar da insulina. 3. Deve ser uma grande confusão E se a pessoa toma insulina a mais? 4. Evitar o stress. A diabetes é uma doença que causa uma grande irritação. Danir, 50 anos, empregada doméstica, Odivelas 1. Sim. Causa muita sede, tonturas Sei que há muitos sintomas parecidos com outras doenças. A minha mãe teve diabetes, mas a pior de todas, aquela em que é preciso administrar insulina. 2. Insulina e comprimidos. 3. É um pouco complicado, porque a pessoa tem de deixar de comer muitas coisas, como doces. Mas já há alimentos próprios para diabéticos. No caso da insulina, também penso que não seja complicado administrar o tratamento. 4. Ter cuidado com a alimentação. Às vezes abusamos demais nos doces, embora a diabetes não tenha de ter a ver com a ingestão de muitos doces. < Maria Olinda Moreira, 59 anos, Casal São Brás, doméstica 1. Não sei. Não tenho a doença. Já ouvi falar de diabetes, mas tipo 2 2. Penso que se usa a insulina. 3. Penso que deve ser complicado. As pessoas têm que se picar todos os dias e isso deve ser doloroso. 4. Penso que se deve cortar no sal e no açúcar e comer legumes. < Manuel Pinto, 71 anos, reformado, Brandoa 1. Sei. É a que eu tenho. Faço insulina duas vezes por dia. A diabetes não dói, mas mina o corpo todo. Os sintomas, no início, não existem. Por exemplo, eu costumava ter cólicas renais e tinha de ir muitas vezes ao hospital para levar injeções. Um dia descobriram quando me fizeram análises. Na altura tinha muita sede e cansava-me muito. 2. Fazer dieta, insulina e comprimidos. 3. São fáceis. A insulina não é nenhuma complicação. Até ficamos melhor. O pior é ter de tomar tantos comprimidos por dia, porque tenho outros problemas de saúde. 4. Não sei. Lá está, não a preveni

16 PUB

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

O QUE SABE SOBRE A DIABETES?

O QUE SABE SOBRE A DIABETES? O QUE SABE SOBRE A DIABETES? 11 A 26 DE NOVEMBRO DE 2008 EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO SERVIÇO DE MEDICINA INTERNA DO HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE DIABETES MELLITUS É uma doença grave? Estou em

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª. Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia.

Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª. Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia. Projeto de Resolução n.º 238/XIII/1.ª Recomenda ao Governo que implemente medidas de prevenção e combate à Diabetes e à Hiperglicemia Intermédia. O aumento da esperança de vida, conseguido através do desenvolvimento,

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

Diabetes. Introdução. Sintomas

Diabetes. Introdução. Sintomas Diabetes Introdução A diabetes desenvolve-se quando o organismo não consegue controlar a quantidade de glicose (açúcar) no sangue. Isto pode acontecer se o corpo não produzir quantidades suficientes da

Leia mais

É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença.

É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença. PORTAL DA SAÚDE Diabetes É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença. Devidamente tratada, a diabetes não impede o doente de ter uma vida

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

sobre pressão alta Dr. Decio Mion

sobre pressão alta Dr. Decio Mion sobre pressão alta Dr. Decio Mion 1 2 Saiba tudo sobre pressão alta Dr. Decio Mion Chefe da Unidade de Hipertensão do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP)

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO!

MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO! MAIO, MÊS DO CORAÇÃO MELHORE A SUA VIDA CUIDE DO SEU CORAÇÃO! 12 A 31 DE MAIO DE 2008 EXPOSIÇÃO ELABORADA PELA EQUIPA DO SERVIÇO DE CARDIOLOGIA, COORDENADA PELA ENFERMEIRA MARIA JOÃO PINHEIRO. B A R R

Leia mais

O que é diabetes mellitus tipo 2?

O que é diabetes mellitus tipo 2? O que é diabetes mellitus tipo 2? Todas as células do nosso corpo precisam de combustível para funcionar. O principal combustível chama-se glicose, que é um tipo de açúcar. Para que a glicose consiga entrar

Leia mais

Alimentação e Saúde. Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2

Alimentação e Saúde. Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2 Alimentação e Saúde Dr.ª Ana Margarida Fonseca Cardoso Nutricionista da Sub-Região de Saúde de Vila Real Centro de Saúde de Chaves nº n 2 QUANDO ADQUIRIDOS PRECOCEMENTE, OS HÁBITOS H ALIMENTARES CORRECTOS

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

Diabetes pós-transplante: O que cada paciente precisa saber

Diabetes pós-transplante: O que cada paciente precisa saber Diabetes pós-transplante: O que cada paciente precisa saber O que é o Diabetes? O diabetes é uma doença que afeta a maneira como o seu corpo produz e use um hormônio que se chama insulina. A insulina é

Leia mais

apoios ao doente diabético ORIENTAÇÕES PARA O DOENTE DIABÉTICO HOSPITAL DE EGAS MONIZ, S. A. SERVIÇO DE ENDOCRINOLOGIA

apoios ao doente diabético ORIENTAÇÕES PARA O DOENTE DIABÉTICO HOSPITAL DE EGAS MONIZ, S. A. SERVIÇO DE ENDOCRINOLOGIA 12 apoios ao doente diabético Para usufruir dos apoios previstos, os utentes diabéticos necessitam possuir o GUIA DO DIABÉTICO que é distribuído pelo CENTRO DE SAÚDE O FORNECIMENTO DOS MEDICAMENTOS PARA

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Introdução Geralmente, as pessoas descobrem estar diabéticas quando observam que, apesar

Leia mais

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle?

Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Agora que tenho diabetes... O que posso fazer para permanecer no controle? Tenho diabetes: o que isso significa, afinal? Agora que você recebeu o diagnóstico de diabetes, você começará a pensar em muitas

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Espaço Saúde SINAIS. Saiba como evitar os acidentes no primeiro ano de vida do seu bebé. O verão já lá vai, mas a vigilância continua! FRIEIRAS PÁG.

Espaço Saúde SINAIS. Saiba como evitar os acidentes no primeiro ano de vida do seu bebé. O verão já lá vai, mas a vigilância continua! FRIEIRAS PÁG. Espaço Saúde N º 7 O U T U B R O A D E Z E M B R O DE 2 0 1 3 SINAIS O verão já lá vai, mas a vigilância continua! P Á G. Saiba como evitar os acidentes no primeiro ano de vida do seu bebé 2 PÁG. 6 FRIEIRAS

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS

conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS conhecer e prevenir DIABETES MELLITUS 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

A B C. Manter-se saudável Como controlar a diabetes tipo 2 (Type 2 Diabetes)

A B C. Manter-se saudável Como controlar a diabetes tipo 2 (Type 2 Diabetes) 1 Manter-se saudável Como controlar a diabetes tipo 2 (Type 2 Diabetes) Conhece o ABCDEs? Fale com o profissional de saúde familiar sobre as metas mais saudáveis para si, bem como a forma de as alcançar

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo

Câmara Municipal de São Paulo DISCURSO PROFERIDO PELO VEREADOR NATALINI NA 195ª SESSÃO ORDINARIA, REALIZADA EM 16/11/10 GRANDE EXPEDIENTE O SR. NATALINI (PSDB) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, paulistanos que nos acompanham

Leia mais

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana HOSPITAL DAS CLÍNICAS - UFMG Programa de Reabilitação Cardiovascular e Metabólica Residência Multiprofissional em Saúde Cardiovascular CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes?

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes? Quais são os sintomas? Muita sede, muita fome, muita urina, desânimo e perda de peso. Esses sintomas podem ser observados antes do diagnóstico ou quando o controle glicêmico está inadequado. O aluno com

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1 Doentes com Diabetes mellitus 1 Estas recomendações complementam outras orientações técnicas para protecção individual e controlo da infecção pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009. Destaques - Os procedimentos

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 197/XIII/1.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 197/XIII/1.ª b Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 197/XIII/1.ª RECOMENDA AO GOVERNO A DISPONIBILIZAÇÃO DE TERAPÊUTICA COM SISTEMA DE PERFUSÃO CONTÍNUA DE INSULINA (SPCI) A TODAS AS CRIANÇAS COM DIABETES ATÉ

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog

AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog AVISO IMPORTANTE ESTA CARTILHA ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDA PARA TODOS OS PROFESSORES DO BLOG: http://www.sosprofessor.com.br/blog DICAS PARA UTILIZAÇÃO DESTA CARTILHA 1. Você pode distribuí-la para todos os

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama

O Cancro da Mama em Portugal. 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama www.laco.pt O Cancro da Mama em Portugal 1 em cada 11 mulheres em Portugal vai ter cancro da mama Cancro em Portugal 2002 O Cancro da Mama em Portugal Surgem 5000 novos casos por ano Mas. Com a deteção

Leia mais

Como viver bem com diabetes

Como viver bem com diabetes Como viver bem com diabetes Sumário 3 5 7 8 10 12 14 15 16 17 19 O que é diabetes? Como saber se tenho diabetes? Por que controlar bem o diabetes? Alimentação Por que fazer exercícios físicos? Tratamento

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem!

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Convivendo bem com a doença renal Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Nutrição e dieta para diabéticos: Introdução Mesmo sendo um paciente diabético em diálise, a sua dieta ainda

Leia mais

Problemas de sono. Características do sono

Problemas de sono. Características do sono Problemas de sono Imagem de Revista Corpore - Por uma vida melhor. Sono saudável O sono é o momento em que o corpo repousa com o intuito de recuperar energias para o dia seguinte e é um indispensável reparador

Leia mais

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DM: Conceitos Doença causada pela falta, absoluta ou relativa, de insulina no organismo. Insulina: é um hormônio, responsável pelo controle do açúcar no

Leia mais

Programa da Diabetes das FAA

Programa da Diabetes das FAA Programa da Diabetes das FAA Sabrina Coelho da Cruz Diabetologista do Hospital Militar Principal/Instituto Superior Coordenadora da Comissão da Diabetes do HMP/IS Coordenadora do Programa da Diabetes nas

Leia mais

MITOS NA ESCLEROSE MÚLTIPLA

MITOS NA ESCLEROSE MÚLTIPLA MITOS NA ESCLEROSE MÚLTIPLA i Enf.ª Dina Silva Enfermeira Responsável pelo Hospital de Dia Serviço de Neurologia Hospital Garcia de Orta MITOS NA ESCLEROSE MÚLTIPLA Os mitos na Esclerose Múltipla (EM)

Leia mais

Teresa Branco COMO VENCER A FOME EMOCIONAL

Teresa Branco COMO VENCER A FOME EMOCIONAL Teresa Branco COMO VENCER A FOME EMOCIONAL CONTEÚDOS INTRODUÇÃO 7 COMO LER ESTE LIVRO 13 PRIMEIRA PARTE :: FOME EMOCIONAL E O AUMENTO DO PESO > Capítulo 1 :: PORQUE AUMENTAMOS DE PESO? 17 SEGUNDA PARTE

Leia mais

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Governo do Estado da Bahia Jacques Wagner Secretário de Saúde do Estado da Bahia Jorge José Santos Pereira Solla Superintendência de Atenção

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL SONO COM QUALIDADE SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Sono com qualidade apresentação Uma boa noite de sono nos fazer sentir bem e com as forças renovadas. O contrário também vale. Uma péssima noite

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão 2 EM 5 ENTREVISTA COM DESTAQUES Workshop Para os + Novos Para a sua Saúde Nº 3 MAIO 2008 6 NEUROFITNESS ESPECIAL EXERCÍCIOS Newsletter Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão Fernando Pessoa... Lisboa

Leia mais

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca:

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: Nós temos atitude, e você? O Câncer do Intestino pode ser prevenido com um teste simples e indolor que pode ser realizado em sua casa. O teste é GRATUITO oferecido

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Cuidados Primários Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) pág.28 Linha de Atendimento SAÚDE 24 Complicações da Diabetes pág.

Cuidados Primários Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) pág.28 Linha de Atendimento SAÚDE 24 Complicações da Diabetes pág. 2 011 Portugal 2 Índice O Programa Nacional para a Diabetes pág.4 O Observatório Nacional da Diabetes pág. 5 Nota Introdutória pág. 5 Factos acerca da Diabetes pág. 6 O que é a Diabetes pág.6 O que é a

Leia mais

Perceção de valor das análises clínicas

Perceção de valor das análises clínicas Perceção de valor das análises clínicas Maio Abril 2013 OBJETIVOS DA INVESTIGAÇÃO» Grau de preocupação com os cuidados de saúde;» Hábitos/ comportamentos de procura de informação sobre saúde;» Hábitos

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

Caso da Maria. História Clínica Cognitivo-Comportamental. Joana Gonçalves. 7 de Março de 2008

Caso da Maria. História Clínica Cognitivo-Comportamental. Joana Gonçalves. 7 de Março de 2008 Estágio no Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do centro Hospitalar Cova da Beira História Clínica Cognitivo-Comportamental Caso da Maria 7 de Março de 2008 Joana Gonçalves Dados Biográficos: Nome:

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE

1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE World Health Professions Alliance WHPA 1CARTÃO DE MELHORIA DA SAÚDE GUIA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE WORLD HEALTH PROFESSIONS ALLIANCE WHPA C/O WORLD MEDICAL ASSOCIATION BP 63 01210 FERNEY VOLTAIRE FRANCE

Leia mais

Corpo Ás As 10 Páginas Que Vão Transformar o Seu Corpo 2013 www.luisascensao.pt

Corpo Ás As 10 Páginas Que Vão Transformar o Seu Corpo 2013 www.luisascensao.pt Corpo Ás As 10 Páginas Que Vão Transformar o Seu Corpo www.luisascensao.pt Página 1 de 10 Termos e Condições Madeira, Portugal. Autor: Luís Ascensão (o Ás). Todos os direitos reservados. Copyright 2012,

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

http://ganharpeso.info

http://ganharpeso.info Saiba Porque Não Consegue Ganhar Peso Já pensou inúmeras vezes na sua vida porque é que não consegue ganhar peso nem massa muscular) e, em 90% dos casos, terá pensado que se deve à sua genética. Se os

Leia mais

Desafio de Perda de Peso da Herbalife

Desafio de Perda de Peso da Herbalife Desafio de Perda de Peso da Herbalife Um grupo de apoio para quem quer saber mais sobre nutrição equilibrada e controlo de peso. Nutrição para uma vida melhor. O que é que tem a perder? Não se trata apenas

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Índice. 11 Introdução

Índice. 11 Introdução Índice 11 Introdução 15 CAPÍTULO 1: Perguntas e respostas sobre a diabetes tipo 2 15 O que é a diabetes? 16 O que é a insulina? 16 O que é a resistência à insulina? 17 O que significa ter pré diabetes?

Leia mais

Índice. O Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes. O Observatório Nacional da Diabetes. O que é a Pré-Diabetes?

Índice. O Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes. O Observatório Nacional da Diabetes. O que é a Pré-Diabetes? Portugal 2 Índice O Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Diabetes O Observatório Nacional da Diabetes O que é a Diabetes? O que é a Pré-Diabetes? Tipos de Diabetes pág.4 pág.5 pág.6 pág.7 pág.7

Leia mais

estimação tem diabetes?

estimação tem diabetes? Será que o seu animal de estimação tem diabetes? Informação acerca dos sinais mais comuns e dos factores de risco. O que é a diabetes? Diabetes mellitus, o termo médico para a diabetes, é uma doença causada

Leia mais

Cura Naturalmente a Diabetes Tipo 2 Em Menos De 1 Mês

Cura Naturalmente a Diabetes Tipo 2 Em Menos De 1 Mês Cura Naturalmente a Diabetes Tipo 2 Em Menos De 1 Mês A diabetes tipo II se tornou uma das doenças mais comuns nos tempos modernos. A boa notícia é que em pouco menos de um mês, seguindo um plano de alimentação

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

Doenças Cardiovasculares

Doenças Cardiovasculares Doenças Cardiovasculares doenças cardiovasculares 1 ÍNDICE O que são as doenças cardiovasculares? 1 Sabe como prevenir as doenças cardiovasculares? 2 Factores modificáveis 4 Açúcar elevado no sangue 4

Leia mais

A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS. Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS

A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS. Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS 1 A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS RESUMO Priscila Bortolozzo Sueli Caro A forma como pais e crianças enfrentam a doença crônica está associada

Leia mais