Dayan Diniz de Carvalho Graduando Dept Meteorologia/UFRJ e Bolsista do LNCC/CNPq

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dayan Diniz de Carvalho Graduando Dept Meteorologia/UFRJ e Bolsista do LNCC/CNPq ddc@lncc.br"

Transcrição

1 COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE ACÚMULO DE GRAUS-DIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Dayan Diniz de Carvalho Graduando Dept Meteorologia/UFRJ e Bolsista do LNCC/CNPq Célia Maria Paiva Prof a Dept Meteorologia/UFRJ Maria Francisca Azeredo Velloso Graduanda Dept Meteorologia/UFRJ ABSTRACT This work presents five different methods for estimating the heat accumulation in citric, pineapple, banana and corn crops, for the cities of Rio de Janeiro. The methods are compared in order to identify the best choice for the studied area. The input data for the methods were obtained by extracting the maximum temperature (Tx), minimum temperature (Tn) and mean temperature (Tm) from the climatologic normals of the Meteorology National Institute INMET of the period for all available weather stations in the state of Rio de Janeiro. The minimum and maximum basal temperatures for each culture were used too. 1 - INTRODUÇÃO Medidas de graus-dia (GDD) têm sido apresentadas como uma alternativa para o pequeno e médio agricultor, uma vez que estes resultados poderão ser utilizados como indicadores da época para o plantio e colheita, como também o local mais favorável. Diversos métodos já foram desenvolvidos para estimativa de GDD (Ometto, 193). Este trabalho tem como objetivo comparar cinco métodos de estimativa de GDD, para as culturas do citros, abacaxi, banana e milho, para as cidades do Estado do Rio de Janeiro, conforme dados obtidos através das normais climatológicas do INMET. Especificadamente pretende-se identificar, através da observação do comportamento dos métodos para todas as culturas e estações, o(s) método(s) mais coerentes em relação ao esperado teoricamente (Mota, 199) e, se possível, apontar qual foi o melhor método para o Estado do Rio de Janeiro. O trabalho se segue com a metodologia, na seção. Já na seção 3 são apresentados os resultados e, em seguida, na seção, as conclusões. - METODOLOGIA Neste trabalho foram utilizados dados das normais climatológicas do Instituto Nacional de Meteorologia INMET para o período de , utilizando-se a temperatura máxima (Tx), temperatura mínima (Tn) e temperatura média (Tm) de todas as estações disponíveis nas normais para o Estado do Rio de Janeiro. Foram utilizados 3 métodos para determinação de somas de unidades de calor com o objetivo de fornecer o melhor prognóstico de datas de plantio/colheita para as culturas do citros, abacaxi, banana e milho. Foram sugeridas ainda alterações para este trabalho em relação aos métodos 1 e originais, definindo dois novos métodos: método 1 modificado e método modificado. Seguem abaixo os métodos utilizados: Método 1: GDD = {[(Tx +Tn) / ] Tb} (1) onde, Tb é a temperatura basal mínina da cultura e GDD é o número de graus-dia. Método 1 modificado: Se Tx > Tc Tx = Tc e GDD = {[(Tx +Tn) / ] Tb} () 7

2 Senão Tx = Tx e GDD = {[(Tx +Tn) / ] Tb} (3) onde, Tc é a temperatura basal máxima da cultura. Método : Se Tx > Tc Tx = Tc (Tx Tc) e GDD = (Tx Tb) () Senão Tx = Tx GDD = (Tx Tb) (5) Método modificado: Se Tx > Tc Tx = Tc e GDD = (Tx Tb) () Senão Tx = Tx e GDD = (Tx Tb) (7) Método 3: Se Tx > Tc Tm = Tm (Tx Tb) e GDD = (Tm Tb) () Senão Tm = Tm GDD = (Tm Tb) (9) A tabela 1 abaixo mostra as temperaturas basais (mínimas e máximas) para as quatro culturas. 3 - RESULTADOS citros abacaxi banana milho Tb ( C) Tc ( C) Tabela 1: temperaturas basais máxima e mínima Após comparação de todos os métodos para todas as culturas e estações, pode-se observar que o método 1, o método 1 modificado e modificado foram os que apresentaram resultados coerentes para todas as situações estudadas (figuras 1 a 1). A partir daí, foram colocados os dados referentes ao método 1 modificado por apresentar um maior acúmulo de GDD durante o ano para todas as estações, conforme tabelas abaixo. Todos os outros métodos apresentaram, para pelo menos uma cultura, comportamento não esperado. No método para a cultura do milho observa-se um maior acúmulo de GDD durante o inverno do que no verão para quase todas as estações, com exceção da estação de Nova Friburgo que acumulou maiores valores de GDD durante o verão, conforme figura 13 abaixo. A figura 1 representa o método 3 para a cultura do abacaxi que também não foi um bom método, neste caso ocorreu um acúmulo de GDD com valores negativos para o verão, e um acúmulo positivo de GDD para o inverno, com exceção das estações de Cabo Frio e Nova Friburgo. Para Cabo Frio o comportamento foi conforme esperado, com um maior acúmulo de GDD no verão, porém para a estação de Nova Friburgo observa-se valores negativos de GDD para todo o inverno, sendo não recomendável o plantio e/ou a colheita desta cultura nesta época do ano. Pelos métodos 1, 1 modificado e modificado, a cultura de citros pode ser cultivada em todas as localidades estudadas. As culturas de milho e banana também podem ser plantadas em todas as localidades com exceção de Nova Friburgo, pelo método 1 e 1 modificado. Sendo que pelo método todas as localidades são adequadas para essas culturas. Já o abacaxi só é recomendado para Angra dos Reis, Cabo Frio, Itaperuna, Ecologia Agrícola, Ilha Guaíba e Rio de Janeiro pelos métodos 1 e 1 modificado e pelo metodo modificado essa cultura é recomendada para todos os locais analisados. JAN 13, 1,5 11,5 1,15 13,5 13,5 9,5 1 13,35 11,9 FEV 13,75 1,9 11,5 1,7 13,75 1, 9,35 1,5 13,5 1,35 MAR 13 1,75 11,5 13, ,,5 11, 13,35 11, ABR 11, 11,5 9,5 11,55 11,5 11,9, 9,75 11,5 9, MAI 9,55 1,5 7,5 9, 9,9 9,95, 7, 1, 7,3 JUN,5,5 5,,55,7,5,5 5,5,95 5,9

3 JUL 7,55,5 5,15,55 7,95,3 5,,5 5,55 AGO,1,5,1 9,1, 7,9 3,,5 9,5,5 SET,55,5,9 9,75,5 9,5, 7,55 9,1 7,5 OUT 9,5 9,5,5 1,55 9,5 11,1,75 1,1 9,15 NOV 1,7 1, 9,9 11,75 1,95 1,5 7, , 1,5 DEZ 1,15 11,5 1,55 13,5 1,15 1, 7,9 11,1 1,5 11,1 Tabela : método 1 modificado para a cultura do citros JAN, 5,5,5,1, 5,5,5,7,35,5 FEV,55 5,9,,3,5 5,95,35,5,75,95 MAR 5,75,5 5,5 5,7 1,5,55,35, ABR,,5,5,55,5,9 -,,75,5, MAI,55 3,5,5,,9,95 -,, 3,,3 JUN 1,5 1,5-1, 1,55 1,7 1,5 -,15-1,15 1,95-1,1 JUL,55 1,5-1,15 1,55,95 -,7-1, 1,5-1,5 AGO 1,1 1,5 -,9,1 1,,9-3, -,55,5 -,15 SET 1,55 1,5 -,1,75 1,5,5 -,,55,1,5 OUT,5,5 1,5 3,55,5 -,9 1,75 3,1,15 NOV 3,7 3,,9,75 3,95 5,5,15 3, 3,5 DEZ 5,15,5 3,55 5,5 5,15 5,5,9,1 5,5,1 Tabela 3: método 1 modificado para a cultura do abacaxi JAN 13, 1,7 13,9 1,1 1, , 13, 1,1 FEV 1, 13,1 1,5 1, 1, 1,9 11, 1, 1, 1, MAR 13,5 1, 13,5 15, 13,5 1, 1,9 1,5 13, 13,9 ABR 11, 11,5 11, 13,3 11, 1, 1,1 11, 11,7 MAI 1, 1,1 9, 11,9 1, 1,,9 1,3 1, 9,9 JUN 9,9,3 1, 9 11,3 5, 9,3 9,,7 JUL,,7,1 1, 9,1 1,9 5,1,9 9,3, AGO 9,3 9, 11, 9,3 1,5 1,3 9, 1 SET,9,3 9,3 11, 9 11,9,9 1,5 9 1,3 OUT 9, 9, 1, 1, 9,9 1,9 7,9 11,1 1 11, NOV 11 1,5 11,9 13, 11,5 13,9, 1,3 11, 1 DEZ 1, 11,9 1,3 1, 1,9 1, 9,5 13, 1, 13 Tabela : método 1 modificado para a cultura do banana JAN FEV MAR ABR , MAI 7 7, ,9 7 7,9 JUN 5,9 5,3 7 7,,3, 5,7 JUL 5, 5,7 5,1 7,1 7,1 5,9,3 5, 9

4 AGO 5,3, 7,3 7 3,5 7, 7 SET 5,9 5,3, ,9 7 7 OUT,, 7 7,9 7, NOV , DEZ , Tabela 5: método 1 modificado para a cultura do milho ITAPERUNA NOVA Fig. 1:GDD / citros - método 1 Fig. : GDD / abacaxi método Fig. 3 GDD / banana - método 1 Fig. GDD / milho método ITAPERUNA NOVA Fig. 5 GDD / citros método 1 modificado Fig. GDD / abacaxi método 1 modificado 9

5 1 1 1 GDD (unidadde) Fig. 7 GDD / banana método 1 modificado Fig. GDD / milho método 1 modificado gdd (graus-dia) Fig. 9 GDD / citros método modificado Fig. 1 GDD / abacaxi método modificado Fig. 11 GDD / babana método modificado Fig. 1 GDD / milho método modificado 91

6 7 gd 5 d (u ni da de ) 3 1 gd d (u ni da de ) Figura 13 GDD / milho para o método Figura 1 GDD / abacaxi para o método 3 - CONCLUSÕES Com base nas análises acima, pode-se concluir que: I. O método 1, o 1 modificado e o método modificado foram os que apresentaram resultados coerentes com a teoria de GDD, tendo acúmulos maiores no verão do que no inverno; II. O método 1 modificado foi o que apresentou maiores acúmulos de GDD; III. Os métodos e 3 não apresentaram resultados coerentes para algumas culturas, uma vez que os maiores acúmulos de GDD se deram no inverno. IV. A cultura de citros pode ser cultivada em todas as localidades estudadas. V. As culturas de milho e banana podem ser plantadas em todas as localidades com exceção de Nova Friburgo; VI. Já o abacaxi só é recomendado para Angra dos Reis, Cabo Frio, Itaperuna, Ecologia Agrícola, Ilha Guaíba e Rio de Janeiro; 5 BIBLIOGRAFIA Mota, Fernando Silveira da, 199. Meteorologia Agrícola. São Paulo; Nobel, a ed.; 37p. Ometto, JoséCamos, 193. Bioclimatologia Vegetal. São Paulo; editora agronômica Ceres, 191; p. 9

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Abstract: VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Bruno Zanetti Ribeiro 1 André Becker Nunes² 1 Faculdade de Meteorologia, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Campus Universitário

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ ANÁLISE DE TENDÊNCIAS NA TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO EM LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ WILIAN DA S. RICCE 1, PAULO H. CARAMORI 2, HEVERLY MORAIS 3, DANILO A. B. SILVA 4, LETÍCIA TRINDADE ATAÍDE 5 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO,

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, 593 o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Elza Correia Sucharov (1) Margarete O. Domingues (2) Ana Lucia M. da Silva (1) (1) Departamento de Meteorologia/UFRJ

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R.

DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. DISTRIBUIÇÃO HORÁRIA DA IRRADIÂNCIA SOLAR DIRETA, MÉDIA MENSAL, SOBRE UMA SUPERFÍCIE HORIZONTAL, EM VIÇOSA, MG 1 M. J. H. DE SOUZA 2, A. R. ALVES 3 RESUMO: O conhecimento da distribuição horária da irradiância

Leia mais

INDÍCIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS A PARTIR DO BALANÇO HÍDRICO EM JOÃO PESSOA PARAÍBA

INDÍCIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS A PARTIR DO BALANÇO HÍDRICO EM JOÃO PESSOA PARAÍBA INDÍCIOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS A PARTIR DO BALANÇO HÍDRICO EM JOÃO PESSOA PARAÍBA Raimundo Mainar de Medeiros 1 ; Alexandre Magno Teodosio de Medeiros 1 ; Maria da Conceição Marcelino Patricio 2 ; Alexandra

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MÉDIAS DIÁRIAS E MENSAIS DE TEMPERATURA DO AR OBTIDAS POR VÁRIOS MÉTODOS. (1) Departamento de Meteorologia da UFPa

COMPARAÇÃO DE MÉDIAS DIÁRIAS E MENSAIS DE TEMPERATURA DO AR OBTIDAS POR VÁRIOS MÉTODOS. (1) Departamento de Meteorologia da UFPa COMPARAÇÃO DE MÉDIAS DIÁRIAS E MENSAIS DE TEMPERATURA DO AR OBTIDAS POR VÁRIOS MÉTODOS. Dimitrie Nechet (1); Ana Claudia de Araujo Preste; Bernardino Simões Neto (1) Departamento de Meteorologia da UFPa

Leia mais

Graus-dia Estimado com Diferentes Valores de Temperatura Base na Cultura do Milho (zea mays l.)

Graus-dia Estimado com Diferentes Valores de Temperatura Base na Cultura do Milho (zea mays l.) Graus-dia Estimado com Diferentes Valores de Temperatura Base na Cultura do Milho (zea mays l.) XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Luiz M. Aguiar1

Leia mais

NÚMERO DE HORAS DE FRIO EM TRÊS AMBIENTES EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS

NÚMERO DE HORAS DE FRIO EM TRÊS AMBIENTES EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS NÚMERO DE HORAS DE FRIO EM TRÊS AMBIENTES EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS MARIA JOSÉ H. DE SOUZA 1, CLÁUDIO M. P. DE SOUZA 2, FRANCINE A. SOUSA 3, MARIA DO CÉU MONTEIRO DA CRUZ 4, ANDRÉ R.C GIANOTTI 1 Eng.

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 PEZZOPANE, J.R.M. 2 ; GALLO, P.B. 3 ; PEDRO JÚNIOR, M.J. 4 1 Trabalho parcialmente financiado

Leia mais

FREQUÊNCIA DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR ASSOCIADA A EVENTOS EL NIÑO, LA NIÑA E NEUTROS NO RIO GRANDE DO SUL

FREQUÊNCIA DA TEMPERATURA MÍNIMA DO AR ASSOCIADA A EVENTOS EL NIÑO, LA NIÑA E NEUTROS NO RIO GRANDE DO SUL FREQUÊCIA DA TEMPERATURA MÍIMA DO AR ASSOCIADA A EVETOS EL IÑO, LA IÑA E EUTROS O RIO GRADE DO SUL AA PAULA A. CORDEIRO 1, MOACIR A. BERLATO 1 Eng. Agrônomo, Mestranda do Programa de Pós-graduação em Fitotecnia,

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3

ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3 ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3 1 Graduando de Agronomia da Universidade Federal dos

Leia mais

VARIAÇÃO DIURNA DE PRECIPITAÇÃO EM MACAPÁ-AP: APLICAÇÃO EM PLANEJAMENTOS A MÉDIO E LONGO PRAZO

VARIAÇÃO DIURNA DE PRECIPITAÇÃO EM MACAPÁ-AP: APLICAÇÃO EM PLANEJAMENTOS A MÉDIO E LONGO PRAZO VARIAÇÃO DIURNA DE PRECIPITAÇÃO EM MACAPÁ-AP: APLICAÇÃO EM PLANEJAMENTOS A MÉDIO E LONGO PRAZO DIMITRIE NECHET, Universidade Federal do Pará UFPA- E-mail: dimitrie@ufpa.br RESUMO Utilizando-se de dados

Leia mais

SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA. Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo

SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA. Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo (1) Grupo de Meteorologia - Universidade Federal do Paraná Depto de Física Caixa Postal 19081 CEP 81531-990

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO ERLAN SILVA DE SOUSA 1, ROBERTA ARAÚJO E SILVA 2, GIRLENE FIGUEIREDO MACIEL 3, RONES GOMES NUNES 4, FRANK WYLHA LIMA

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

ação das temperatur e máximas na Região Nordeste do Brasil

ação das temperatur e máximas na Região Nordeste do Brasil Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.9, n.2, p.247-255, 2005 Campina Grande, PB, DEAg/UFCG - http://www.agriambi.com.br Estimativa a e espacialização ação das temperatur aturas as do

Leia mais

COMPORTAMENTO DO VENTO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE. Cristiane Nobre Prudente 1 Adma Raia 2 Ruibran Januário dos Reis 3

COMPORTAMENTO DO VENTO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE. Cristiane Nobre Prudente 1 Adma Raia 2 Ruibran Januário dos Reis 3 COMPORTAMENTO DO VENTO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Cristiane Nobre Prudente 1 Adma Raia 2 Ruibran Januário dos Reis 3 RESUMO A ação do vento é de grande importância para diversas áreas, como

Leia mais

Normais climatológicas no contexto das mudanças climáticas: Análise dos casos de São Paulo/SP e Franca/SP

Normais climatológicas no contexto das mudanças climáticas: Análise dos casos de São Paulo/SP e Franca/SP Normais climatológicas no contexto das mudanças climáticas: Análise dos casos de São Paulo/SP e Franca/SP cos José de Oliveira 1*, Francisco Vecchia 1 1 Centro de Recursos Hídricos e Ecologia Aplicada,

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TEMPORAL DA TEMPERATURA DO AR NA CIDADE DE PORTO ALEGRE NO PERÍODO DE 1960-2008

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TEMPORAL DA TEMPERATURA DO AR NA CIDADE DE PORTO ALEGRE NO PERÍODO DE 1960-2008 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TEMPORAL DA TEMPERATURA DO AR NA CIDADE DE PORTO ALEGRE NO PERÍODO DE 1960-2008 William César de Freitas da Cruz¹ Ricardo Antônio Mollmann Jr. 2 André Becker Nunes 3 1 willcesarcruz@gmail.com

Leia mais

ANÁLISES DO BALANÇO HÍDRICO DURANTE EVENTOS EXTREMOS PARA ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DE TERRA FIRME DA AMAZÔNIA ORIENTAL.

ANÁLISES DO BALANÇO HÍDRICO DURANTE EVENTOS EXTREMOS PARA ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DE TERRA FIRME DA AMAZÔNIA ORIENTAL. ANÁLISES DO BALANÇO HÍDRICO DURANTE EVENTOS EXTREMOS PARA ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DE TERRA FIRME DA AMAZÔNIA ORIENTAL. PRISCILLA N. BARRETO ¹, ROMMEL B. C. da SILVA ², WELBERT J. e S. de SOUZA³ GABRIEL

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE AS VARIÁVEIS CLIMÁTICAS (ALTITUDE, TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO) NA MESORREGIÃO SUL E SUDOESTE DE MINAS GERAIS MG

CORRELAÇÃO ENTRE AS VARIÁVEIS CLIMÁTICAS (ALTITUDE, TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO) NA MESORREGIÃO SUL E SUDOESTE DE MINAS GERAIS MG CORRELAÇÃO ENTRE AS VARIÁVEIS CLIMÁTICAS (ALTITUDE, TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO) NA MESORREGIÃO SUL E SUDOESTE DE MINAS GERAIS MG Resumo Aline de Freitas Roldão Universidade Federal de Uberlândia alineroldao@yahoo.com.br

Leia mais

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48

Grupos Disponíveis Para Venda - 25/05/2015 10:58:48 25/05/2015 10:59:09 Página 1 Grupo: 000894 Prazo: 084 Prazo Restante: 062 Assembleia Atual: 023 11/06/2015 Vencimento: 08/06/2015 Participantes: 600 Cotas Vagas: 000 Característica: 1 SORTEIO - 1 SORTEIO

Leia mais

Curso de Meteorologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió-AL. Curso de Meteorologia Agrícola, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa - MG.

Curso de Meteorologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió-AL. Curso de Meteorologia Agrícola, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa - MG. 103 EXI~NCIAS TtRMICAS DE CULTIVARES DE FEIJÃO (Phaseolus Vulgaris L.) JOsg LEONALDO DE SOUZA Curso de Meteorologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió-AL JOS~ MARIA NOUGUEIRA DA COSTA Curso de Meteorologia

Leia mais

O PROJETO SIMCAFE. Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia

O PROJETO SIMCAFE. Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia O PROJETO SIMCAFE Projeto Financiado pela: Financiadora de Estudos e Projetos Instituição Proponente:

Leia mais

3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS

3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS 3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS Natalia Fedorova; Maria Helena de Carvalho; Benedita Célia Marcelino; Tatiane P. Pereira, André M. Gonçalves; Eliane P.

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária Ano Base: 2013 Título do Projeto: Programa de Atividades Optativas Tipo

Leia mais

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 -

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Coordenação de Campo: Roberto Guerra SUMÁRIO

Leia mais

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO TATIANA DINIZ PRUDENTE 1 ALINE DE FREITAS ROLDÃO 2 ROBERTO ROSA 3 Resumo: O presente trabalho tem

Leia mais

COMUNICADO SDG Nº 02/2013

COMUNICADO SDG Nº 02/2013 COMUNICADO SDG Nº 02/2013 O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo divulga aos órgãos jurisdicionados da área municipal o calendário de obrigações para 2013 necessárias ao atendimento das exigências

Leia mais

Gestor(a): Desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira

Gestor(a): Desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira Gestor(a): Desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira Meta Meta 2 de 29 Meta 2 de 21 Meta 2 de 212 Meta 2 de 213 Descrição Identificar os processos judiciais mais antigos e adotar medidas concretas

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

POSSIBILIDADE AGROCLIMÁTICA DA CULTURA DA MANDIOCA PARA MUNICÍPIOS COM PEQUENO E GRANDE DÉFICIT HÍDRICO NO ESTADO DO PARÁ

POSSIBILIDADE AGROCLIMÁTICA DA CULTURA DA MANDIOCA PARA MUNICÍPIOS COM PEQUENO E GRANDE DÉFICIT HÍDRICO NO ESTADO DO PARÁ POSSIBILIDADE AGROCLIMÁTICA DA CULTURA DA MANDIOCA PARA MUNICÍPIOS COM PEQUENO E GRANDE DÉFICIT HÍDRICO NO ESTADO DO PARÁ L. G. C. CREÃO¹, T. X. BASTOS², N. A. PACHÊCO³ ¹Graduanda em Agronomia, Universidade

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Setembro de 2007 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Pagamentos Parcelados: Acesso ao crédito sem juros

Leia mais

EXPLICAÇÕES DA SEÇÃO B 1 B

EXPLICAÇÕES DA SEÇÃO B 1 B EXPLICAÇÕES DA SEÇÃO B 1 B Os instantes do nascer, passagem meridiana e ocaso dos planetas ( exceto Plutão ), Sol e Lua são apresentados para seis cidades brasileiras : Longitude ( W ) Latitude ( S ) o

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA D. H. Nogueira 1 ; M. G. Silva 2 ; E. R. F. Ledo 2 ; E. M. Araújo 3 ; E. M. Araújo 3 RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MODALIDADE A DISTÂNCIA CRONOGRAMA ACADÊMICO 2011 MBA EM ADMINISTRAÇÃO E MARKETING TURMAS 2011 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 22 Aula Data Evento 7/0 a 22/0 Período para solicitação de provas de 2ª chamada 23 24 25 26 27 28 29 26/jan Entrada de novos alunos + AVA (OFERTA JANEIRO 20) 30 3 3/0

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS VIRGINIA PICCININI SILVEIRA e-mail : virginia@ufpel.tche.br CLAUDIA GUIMARÃES CAMARGO e-mail : camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ.

CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ. CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ. Cícero Fernandes Almeida Vieira 1, Clodoaldo Campos dos Santos 1, Francisco José Lopes

Leia mais

PRECIPITAÇÃO INTENSA NA CIDADE DE BELÉM-PA : ESTUDO DE CASO

PRECIPITAÇÃO INTENSA NA CIDADE DE BELÉM-PA : ESTUDO DE CASO PRECIPITAÇÃO INTENSA NA CIDADE DE BELÉM-PA : ESTUDO DE CASO José Raimundo Abreu de Sousa 1, Paulo Fernando de Souza Souza 2 Dimitrie Nechet 3,Maria do Carmo Felipe de Oliveira 4 RESUMO:Belém é uma cidade

Leia mais

Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento

Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento Boletim de Pesquisa 12 e Desenvolvimento ISSN 1981-1004 Dezembro, 2006 Estimativa diária da radiação solar incidente com base no número de horas de brilho solar para a região de Bento Gonçalves, RS ISSN

Leia mais

OPERAÇÕES DE FRETE/2011

OPERAÇÕES DE FRETE/2011 JAN (lta) 213.840 213.840 48.693,90 213.840 213.840 48.693,90 FEV 48.300 48.300 4.859,10 91.839 91.839 8.767,52 722.756 722.756 45.937,39 MAR 862.895 862.895 59.564,01 142.600 142.600 12.482,77 290.232

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE 2014

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE 2014 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE 2014 O TURISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Estudo realizado em 2014 pelo Observatório de Turismo da Turisrio/Setur. Atrativos turísticos (total de visitantes)...pág.3 Atrativos turísticos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL

EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL 1 EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL João Ubiratan de Lima e Silva; Milton César Marques RESUMO O presente trabalho está fundamentado em uma pesquisa com base nos dados

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

2. DADOS E METODOLOGIA.

2. DADOS E METODOLOGIA. Análise preliminar para limitação das estações do ano sobre a cidade de São Paulo Bruno Miranda de Brito, Manoel Alonso Gan, Sérgio Henrique Franchito, Bruce Francisco Pontes da Silva Instituto Nacional

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTOS NO ESTADO DO PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTOS NO ESTADO DO PARANÁ CARACTERIZAÇÃO DO REGIME DE VENTOS NO ESTADO DO PARANÁ LÍVIA M. P. PEREIRA 1, PAULO H. CARAMORI 2, WILIAN da S. RICCE 3, DANILO A. B. SILVA 4, DAISE F. ELY 5 JONAS GALDINO 6, ANGELA B. da COSTA 7. 1 Graduanda

Leia mais

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO

USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO USO DE GRAUS-DIA PARA DETERMINAR O PONTO DE SILAGEM DO MILHO Jackson Silva e Oliveira 1, Emerson José Dornelas de Almeida 2, Fausto de Souza Sobrinho 3, Éder Cristian Malta de Lanes 4, Sarita Gonçalves

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FENOLÓGICA PRELIMINAR E EXIGÊNCIA TÉRMICA PARA OLIVEIRAS CULTIVADAS EM DIMANTINA, MG

CARACTERIZAÇÃO FENOLÓGICA PRELIMINAR E EXIGÊNCIA TÉRMICA PARA OLIVEIRAS CULTIVADAS EM DIMANTINA, MG CARACTERIZAÇÃO FENOLÓGICA PRELIMINAR E EXIGÊNCIA TÉRMICA PARA OLIVEIRAS CULTIVADAS EM DIMANTINA, MG MARIA JOSÉ H. DE SOUZA 1, MARIA DO CÉU MONTEIRO DA CRUZ 2, MIRIÃ CRISTINA PEREIRA FAGUNDES 3, RAONI PEREIRA

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin, Augusto José Pereira Filho, Departamento de Ciências Atmosféricas-IAG, Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO

AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO 18 AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO Aline F. Diniz¹ Rosângela Leal Santos² Sandra Medeiro Santo³

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE A OSCILAÇÃO DECENAL DO PACÍFICO E REGIÕES PLUVIOMETRICAMENTE HOMOGÊNEAS NO ESTADO DE ALAGOAS

RELAÇÃO ENTRE A OSCILAÇÃO DECENAL DO PACÍFICO E REGIÕES PLUVIOMETRICAMENTE HOMOGÊNEAS NO ESTADO DE ALAGOAS RELAÇÃO ENTRE A OSCILAÇÃO DECENAL DO PACÍFICO E REGIÕES PLUVIOMETRICAMENTE HOMOGÊNEAS NO ESTADO DE ALAGOAS Eliane Barbosa Santos, Ana Carla dos S. Gomes, Maria Helena C. Spyrides e Paulo Sérgio Lucio Programa

Leia mais

AUTARQUIA DO ENSINO SUPERIOR DE GARANHUNS PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS - PROUPE NOME DO AUTOR TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA

AUTARQUIA DO ENSINO SUPERIOR DE GARANHUNS PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS - PROUPE NOME DO AUTOR TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA AUTARQUIA DO ENSINO SUPERIOR DE GARANHUNS PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS - PROUPE NOME DO AUTOR TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA GARANHUNS Ano ii NOME COMPLETO DO AUTOR TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA Projeto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS CARACTERIZAÇÃO DO CLIMA DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Graziela Balda Scofield Instituto Tecnológico Aeronáutico - ITA Praça Mal. Eduardo Gomes, 5, Vila das Acácias, São José dos Campos-SP, 12228-9 e-mail:

Leia mais

ESTUDO SOBRE OCORRÊNCIAS DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO ANTÔNIO CARLOS JOBIM

ESTUDO SOBRE OCORRÊNCIAS DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO ANTÔNIO CARLOS JOBIM ESTUDO SOBRE OCORRÊNCIAS DE NEVOEIRO NO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO ANTÔNIO CARLOS JOBIM Adilson Cleômenes Rocha Instituto de Controle Do Espaço Aéreo - Divisão de Ensino cleomenes@gmail.com

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL.

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL. RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E BRONQUITES AGUDA E CRÔNICA EM MACEIÓ, AL. Deydila Michele Bonfim SANTOS 1 Thalyta Soares dos SANTOS 2, Allan Rodrigues SILVA 3, José Clênio Ferreira de OLIVEIRA

Leia mais

Tendências e Oportunidades do mercado livreiro no Brasil

Tendências e Oportunidades do mercado livreiro no Brasil Tendências e Oportunidades do mercado livreiro no Brasil A livraria no mercado de entretenimento no Brasil 23ª Convenção Nacional de Livrarias Rio de Janeiro 27 de Agosto de 2013 Claudia Bindo 1 Agenda

Leia mais

Instituto de desenvolvimento educacional de Angola IDEIA SECRETARIA ACADÊMICA

Instituto de desenvolvimento educacional de Angola IDEIA SECRETARIA ACADÊMICA Instituto de desenvolvimento educacional de Angola IDEIA SECRETARIA ACADÊMICA Curso de Especialização MBA Gestão Estratégica em Tecnologia da Informação ANO MÊS CRONOGRAMA Dia Data Disciplina ch seg 07/09/15

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS NA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS ALMEIDA, Paula Maria Moura de (Orientadora) 1 KOVAC, Marcel da Silva 2 Palavras-chave: Precipitação.

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Adeli Buriol, Galileo; Estefanel, Valduino; Heldwein, Arno Bernardo; Damé Prestes, Solismar; Carlexo Horn,

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

FENÔMENOS 2015 17 A HORA LEGAL DO FUSO DE -3 HORAS

FENÔMENOS 2015 17 A HORA LEGAL DO FUSO DE -3 HORAS FENÔMENOS 2015 17 A Jan. 2 9 Aldebarã 1 S da Lua 4 4 Terra no perihélio 5 1h53min LUA CHEIA 8 5 Júpiter 4 N da Lua 8 23 Regulus 4 N da Lua 9 15 Lua no apogeo 13 6h46min QUARTO MINGUANTE 13 7 Spica 3 S

Leia mais

Temperatura do solo e do ar

Temperatura do solo e do ar LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 6 Temperatura do solo e do ar ESALQ/USP 2009 Temperatura do ar e do solo Como vimos na aula de balanço de radiação

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE

DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE ANÁLISE DOS DADOS DE TEMPERATURA PARA DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DO METODO DE THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE Ana Lígia Chaves Silva José Roberto Gonçalves

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG CARVALHO e MATIELLO Objetivos O cafeeiro (Coffea arabica L.) é uma planta originária da Etiópia, onde se

Leia mais

Figura 1 Localização da bacia do rio São Francisco. Fonte: Acessado em 01/02/2009.

Figura 1 Localização da bacia do rio São Francisco. Fonte:<http://siscom.ibama.gov.br/msfran/uploads/images/fig1_1.jpg> Acessado em 01/02/2009. Variabilidade Temporal da Vazão e Precipitação no Alto e Baixo São Francisco Karine Mirieli dos Santos Costa Maria Elisa Siqueira Silva Elaine Rosângela da Silva Departamento de Geografia - Universidade

Leia mais

Alturas mensais de precipitação (mm)

Alturas mensais de precipitação (mm) Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos AGUASPARANÁ - Instituto das Águas do Paraná Sistema de Informações Hidrológicas - SIH Alturas mensais de precipitação (mm) Estação: Município: Tipo: Altitude:

Leia mais

ADVOCACIA GERAL DA UNIAO Procuradoria Geral da Uniao Departamento de Calculos e Pericias - DECAP ( NECAP NO ESTADO DO

ADVOCACIA GERAL DA UNIAO Procuradoria Geral da Uniao Departamento de Calculos e Pericias - DECAP ( NECAP NO ESTADO DO FICHA FINANCEIRA REFERENTE A 2002 JAN FEV MAR ABR MAI JUN 00182 ADIANT.GRATIF.NATALINA - APOS. R 1 82118 GRAT.DES.TEC.ADM.L10404/GDATA R 1 142,12 142,12 142,12 142,12 142,12 142,12 63,00 63,00 63,00 70,00

Leia mais

ESTUDO DA RADIAÇÃO SOLAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA EM SISTEMAS DESCENTRALIZADOS NO ESTADO DO AMAPÁ.

ESTUDO DA RADIAÇÃO SOLAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA EM SISTEMAS DESCENTRALIZADOS NO ESTADO DO AMAPÁ. ESTUDO DA RADIAÇÃO SOLAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA EM SISTEMAS DESCENTRALIZADOS NO ESTADO DO AMAPÁ. Derivan Dutra Marques ¹ Alaan Ubaiara Brito², Alan Cunha 3 1 Graduando em Física, bolsista de iniciação

Leia mais

Orçamento de Financiamento dos Recursos do Projecto

Orçamento de Financiamento dos Recursos do Projecto Jun-09 Jul-09 Ago-09 Set-09 Out-09 Nov-09 Dez-09 Jan-10 Fev-10 Mar-10 Abr-10 Mai-10 Jun-10 Ajudas de Custo TS nível 6 Ajudas de Custo TS nível 3 Advogado 0,00 2500,00 Portátil 1 + Office 1500,00 Portátil

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

Ferrugem asiática da soja

Ferrugem asiática da soja Curso de Treinamento em Gestão do Risco Climático no Setor Agrícola INMET Brasília, 3 a 7 de março de 2008 Ferrugem asiática da soja Informações Climáticas para o Manejo de Risco de Epidemias Prof. Emerson

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE 1 Gilsânia Cruz 1 Maria Laura Rodrigues 1 Elaine Canônica 1 Marcelo Moraes 1 RESUMO Neste trabalho é analisada a estiagem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais