Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará."

Transcrição

1 Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará. Débora Gaspar Feitosa Freitas 1 José Nilo de Oliveira Júnior 2 RESUMO O Brasil é o principal produtor mundial de mamão e tem grande representatividade no mercado internacional. O Estado do Ceará vem se destacando pelo crescimento da produção e comercialização desta fruta, principalmente da variedade hawai, portanto este trabalho visa analisar a flutuação de preços do mamão hawai no Estado no período compreendido entre 1999 a 2002, e as margens de comercialização para este mesmo período, verificando as margens brutas, as tendências das margens e sua composição, bem como a política de margens adotadas pelos comerciantes. Os resultados encontrados mostraram que o ano de 1999 foi o que apresentou maiores preços nos três níveis de mercado, produtor, atacado e varejo.verificou-se uma tendência decrescente dos preços do mamão hawai ao longo do período analisado, bem como uma tendência decrescente das margens de comercialização, estas se mostraram maiores entre o nível de atacado e produtor do que entre atacado e varejo; constatou-se que as margens de comercialização são formadas de componentes mistos. PALAVRAS CHAVE: Mamão, Preços e Comercialização 1. INTRODUÇÃO O mamoeiro (Carica papaya L.) é uma planta herbácea tipicamente tropical que tem a característica de produção rápida e freqüente o ano inteiro. Seu fruto, o mamão, é uma boa fonte de cálcio, e vitaminas A e C, além da enzima papaína, que apresenta grande interesse por parte das indústrias têxteis, farmacêuticas e cosméticas, dessa forma, o mamão é muito apreciado tanto no mercado nacional, como internacional (ARAUJO FILHO, 2002). O Brasil é o primeiro produtor mundial de mamão, com uma produção anual em torno de 1,9 milhões de toneladas em 1999, representando um acréscimo de 154% em relação ao ano de 1990 (FRUTISÉRIES); o país situa-se também como principal fornecedor da fruta no mercado internacional, exportando principalmente para o mercado europeu. Entre os principais estados produtores destacam-se a Bahia, Espírito Santo e Paraná; no entanto, o Estado do Ceará, vem aumentando a área de plantio de mamão, em virtude das possibilidades econômicas, condições climáticas favoráveis e elevada rentabilidade da cultura. 1 Economista, Mestre em Economia Rural (UFC), aluna de Doutorado em Economia-CAEN/UFC. 2 Economista, Mestre em Economia Rural (UFC), aluno de Doutorado em Economia-CAEN/UFC, bolsista da CAPES.

2 O mamão Hawai é uma variedade de mamão que representa grande parte do mamão plantado e comercializado no Brasil. No Estado do Ceará, a preferência por esta variedade é justificada pelos consumidores, principalmente pelo reduzido tamanho do fruto, sabor e boa qualidade. Tendo em vista o crescimento da produção de mamão da variedade hawai no Estado do Ceará e aumento de sua comercialização, este trabalho procura demonstrar a variação de preços desta fruta nos últimos quatro anos, e analisar a comercialização sob a ótica das margens de comercialização nos níveis de atacado, varejo e produtor. 2. METODOLOGIA 2.1. Base de Dados Os dados obtidos basearam-se numa amostra de dados secundários dos anuários estatísticos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e da Central de Abastecimento do Ceará (CEASA/CE); Utilizou-se uma amostra de 46 meses, referentes aos períodos de Janeiro de 1999 a Outubro de Os dados coletados foram: preço real médio mensal do mamão hawai, por quilo (kg) no varejo, no atacado, e ao nível de produtor, em valores correntes para o Estado do Ceará. Os valores dos preços foram corrigidos pelo Índice Geral de Preços - IGP da Fundação Getúlio Vargas - FGV, calculados pela metodologia empregada pela SUMA ECONÔMICA e atualizados para base de valores de fevereiro de Método de Análise Análise de Preços Os preços foram dispostos em tabelas e gráficos para demonstração e comparação nos três níveis de mercado, varejo, atacado e produtor Margens de Comercialização As margens de comercialização correspondem às diferenças de preços de um nível de mercado a outro. Estas foram analisadas sob o aspecto de: margens brutas que é a diferença em valores absolutos dos preços comercializados entre os níveis de mercado; composição das margens, que corresponde ao modo de formação destas margens, no que respeita a valores fixos, percentuais ou mistos; tendência das margens de comercialização, que demonstra como as margens vêm se comportando ao longo do tempo; e políticas de margens de comercialização, que retrata se os comerciantes estão adotando políticas de margens constantes, crescentes ou decrescentes.

3 Tendência O modelo de tendência irá indicar se as margens de comercialização estão tendo uma tendência crescente ou decrescente nos últimos cinco anos. Para a verificação da tendência das margens de comercialização, utilizou-se o modelo de regressão descrito por BRANDT, Utiliza-se um modelo de regressão utilizando o método dos mínimos quadrados ordinários. Portanto foi utilizado séries temporais, onde o preço pago ao produtor é posto como variável dependente e o preço pago pelo consumidor e o tempo, como variáveis independentes. Ajustou-se um modelo do tipo: Pp = β o + β 1 Pv + β 2 t Onde: Pp = Preço pago ao produtor; Pv = Preço pago pelo consumidor; t = Tendência; Se o coeficiente parcial da variável de tendência (β 2) for estatisticamente significativo e apresentar sinal positivo, dizemos que o preço pago ao produtor tem tendência crescente, mantendo-se constante o preço pago pelo consumidor, significando uma tendência decrescente da margem de comercialização, (tendo em vista que esta é a diferença entre os níveis de mercado); Já quando o sinal do coeficiente for estatisticamente significante mas negativo, a tendência das margens de comercialização é crescente Composição das margens O modelo de composição das margens de comercialização calculado pelos métodos sistemáticos indicará se as margens são formadas por componentes fixos, percentuais ou mistos. Para a verificação da composição das margens de comercialização foi utilizado o modelo de econométrico de regressão dos mínimos quadrados ordinários, onde se empregou o preço de varejo como a variável dependente e o preço do produtor como a variável independente. De acordo com MARQUES E AGUIAR (1993), o modelo pode ser descrito como: M =Pv Pp Onde: M =Margem Total ; Pv = Preço pago no varejo; Pp = preço pago ao produtor; a) Métodos sistemáticos a. (1) Margem absoluta fixa, que é o caso de quando o intermediário adiciona uma quantia fixa ao preço pago pra obter o preço de venda: M = a (constante), então Pv = Pp +a

4 a. (2) Margem percentual fixa, é quando o valor da margem de comercialização é um percentual calculado sobre o preço de compra: M = b Pp, sendo b um percentual fixo, então Pv = Pp + bpp ou Pv = Pp (1 + b) a.(3) margens mistas, são a combinação das margens absoluta e percentual, ou seja os dois métodos são aplicados : M = a + bp ou Pv = Pp + a + bpp = a + (1+b)Pp Fazendo: a = β o e (1+ b) = β 1 Se só coeficiente β o for estatisticamente diferente de zero, dizemos que o mercado trabalha com o sistema de margens constantes. Se só o β 1 for estatisticamente diferente de zero, dizemos que o mercado trabalha com margens percentuais fixas. Se ambos os coeficientes β o e β 1 forem estatisticamente diferentes de zero, dizemos que o mercado trabalha com uma combinação dos dois sistemas. Então, o modelo para encontrar a composição das margens de comercialização é dado por: Pv = β o + β 1 P P Política de margens O modelo de política de margens de comercialização determinará se os comerciantes estão adotando margens relativas (percentuais) constantes, crescentes ou decrescentes em relação ao nível de produtor. Para determinar o tipo de política de margem, utilizou-se o modelo descrito por BRANDT, 1980, no qual é feito uma regressão simples, utilizando-se o método dos mínimos quadrados ordinários, sendo a margem de comercialização uma variável dependente do preço pago ao produtor, apresentado da seguinte forma: M c = β o + β 1 P P Onde: M c = Margem unitária de comercialização P P = preço pago ao produtor Diz-se que a política de margem é constante quando β o = 0 e β 1 > 0; a política será decrescente quando β o > 0 e β 1 > 0, e a política será de margem relativa decrescente quando β o < 0 e β 1 > 0.

5 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1. Análise de Preços Os preços do mamão hawai têm variado bastante no Estado do Ceará nos últimos quatro anos. Ao longo de um ano, o nível de produtor é o que apresenta maiores oscilações de preços, chegando a uma variação de mais de 50% de um mês ao outro, sendo que no ano de 1999, os preços desta fruta foram os mais elevados nos três níveis de mercado. Vejamos cada nível separadamente Nível de Produtor Conforme se pode observar na FIGURA 1, dos quatro anos em análise, o ano de 1999 apresenta grandes variações de preços, no qual se encontram valores entre R$0,27/kg a R$0,52/kg, representando uma variação de quase 100% num mesmo ano. Já no ano seguinte, estes preços mantiveram-se mais estáveis e em um nível mais baixo, sendo até os menores valores encontrados entre os anos em observação. De acordo com a trajetória observada no gráfico, constata-se que as maiores oscilações de preços ocorrem no primeiro semestre de cada ano, permanecendo com variações menores no segundo semestre. 0,60 0,50 0,40 0,30 0, ,10 0,00 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez FIGURA 1 Variação de preços mensais do mamão hawai (kg) ao nível de produtor no Estado do Ceará a Pelas médias anuais (QUADRO 1) também se pode verificar que o ano de 1999 apresenta maiores valores em relação aos demais e que o ano de 2002, é o que apresenta menor valor médio. Outro fato relevante, é a queda dos preços médios ao nível de produtor, onde o preço médio do ano de 2002 corresponde a 80% do preço médio praticado no primeiro ano em análise.

6 QUADRO 1 Média anual de preços pagos ao produtor do mamão hawai no Estado do Ceará. Anos Mamão Hawai (R$/kg) , , , , Nível de Atacado Nos dois primeiros anos analisados, 1999 e 2000, o mamão hawai apresenta grandes variações de preços no nível de atacado, ao passo que, nos dois anos seguintes essas variações observadas foram menores, fazendo com que os preços se mantivessem mais estáveis. Verificando a FIGURA 2, constata-se que o ano de 2002, é o que tem praticado menores preços neste nível de mercado entre os quatro últimos anos, demonstrando uma tendência decrescente dos preços de mamão hawai no atacado no Estado do Ceará. 1,60 1,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez FIGURA 2 - Variação de preços mensais do mamão hawai (kg) ao nível de Atacado no Estado do Ceará a No QUADRO 2, pode-se observar os valores médios encontrados para o quilo (kg) do mamão hawai no nível de atacado no Estado do Ceará. Semelhante ao nível de produtor, o preço médio do ano de 1999 foi o maior entre os quatro anos e o de 2002 corresponde a pouco mais de 70% do preço médio praticado no ano de Comparando com os preços médios do nível imediatamente anterior (produtor), se verifica que estes correspondem à metade dos preços praticados no nível de atacado. Esta grande diferença ou margem, pode ser atribuída a fragilidade e possibilidade de perdas durante a comercialização da fruta.

7 QUADRO 2 Média anual de preços no atacado do mamão hawai no Estado do Ceará. Anos Mamão Hawai (R$/kg) , , , ,87 Fonte: Dados da pesquisa Nível de Varejo Os preços de varejo não sofreram grandes variações no período analisado, somente o ano de 1999 apresentou oscilações maiores, como aconteceu nos dois níveis de mercado mencionados anteriormente, e também foi o que apresentou maiores valores entre os demais anos, quando o preço do quilo (kg) do mamão hawai chegou a custar R$ 1,75 no mês de fevereiro. Já no ano de 2002 os preços têm se mostrado inferiores, e para este mesmo mês, o quilo da fruta foi de apenas R$ 0,97. 2,00 1,80 1,60 1,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez FIGURA 3 Variação de preços mensais do mamão hawai (kg) ao nível de varejo no Estado do Ceará a Pelas médias anuais (QUADRO 3), verifica-se que no varejo a tendência de preços é a mesma dos níveis de atacado e varejo, sendo maior no ano de 1999 e menor no ano de 2002, chegando a corresponder a 73% do preço inicialmente analisado.

8 QUADRO 3 Média anual de preços no varejo do mamão hawai no Estado do Ceará. Anos Mamão Hawai (R$/kg) , , , ,03 Fonte: Dados da pesquisa Trajetória dos níveis de mercado De acordo com a FIGURA 4, pode-se observar que os níveis de mercado seguem exatamente a mesma trajetória de preços ao longo do período analisado. Embora seguindo a mesma trajetória, percebe-se a diferença de preços de um nível para outro de mercado, sendo maior a distância entre o nível de produtor e atacado, do que do atacado para o varejo. Tais diferenças correspondem às margens de comercialização que serão discutidas adiante. 1,60 1,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0, Produtor Atacado Varejo FIGURA 4 Trajetória de preços do mamão hawai (kg) no Estado do Ceará 1999 a Comercialização Segundo dados da CEASA/SIMA/CE o mamão hawai no Estado do Ceará apresenta uma comercialização mais forte nos meses correspondentes ao segundo semestre do ano, conforme se pode verificar no quadro abaixo. QUADRO 4 Comercialização do mamão hawai no Estado do Ceará. Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fraco Regular Forte Fonte: CEASA/SIMA/CE Disponível em

9 Embora, a comercialização desta fruta seja mais forte no segundo semestre do ano, não há evidências de relações de preços menores neste período do ano nos níveis de mercado analisados, somente o nível de produtor apresenta oscilações maiores no início do ano quando a comercialização é mais fraca Margens Brutas de Comercialização Conforme se pode observar no QUADRO 5, entre os níveis de mercado seguidos, a margem de comercialização entre o nível de produtor e atacado é bastante alta e corresponde a quase o dobro do preço que os produtores recebem pelo quilo da fruta. QUADRO 5 Margens de comercialização do mamão hawai (kg) no Estado do Ceará. Anos Pa Pp (R$) Pv Pa (R$) Pv Pp (R$) ,75 0,25 1, ,65 0,23 0, ,65 0,13 0, ,52 0,16 0,68 Já entre o nível de varejo e atacado essa margem bruta ou absoluta é bem menor. Verificase também que nas três diferenças de preços, as margens estão diminuindo ao longo do período analisado, o que fica bem visível na FIGURA 5, que corresponde à margem bruta total do mamão hawai (kg) no Estado do Ceará, que corresponde à diferença entre as médias de preços do nível de varejo (Pv) para os preços pagos ao produtor (Pp); no primeiro ano (1999) essa margem era de R$1,00 enquanto que no ano de 2002, essa mesma margem correspondeu a 68% do valor da margem inicialmente praticada. Este fato também pode ser verificado na FIGURA 4, que retrata a trajetória dos preços, podendo-se constatar uma redução da distância de um nível de mercado a outro. 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 1,00 0,88 Margem 0,78 0, FIGURA 5 Margem bruta total de comercialização do mamão hawai (kg) no Estado do Ceará.

10 Tendência das Margens de Comercialização A tendência decrescente também pode ser verificado com o modelo de tendência descrito por BRANDT (op. cit), no qual foi feita uma regressão pelos mínimos quadrados ordinários e obteve-se os seguintes resultados: Pp = - 4,67 + 9,34 Pv + 0,06 t R 2 = 0,70 Valor p (0,0364) (0,0000) (0,0023) Todos os coeficientes parciais da regressão foram significativos a um nível de 0,05 de probabilidade. O sinal positivo do coeficiente correspondente à variável tempo, indica que o preço pago ao produtor cresce quando se mantém constante o preço de varejo, correspondendo a uma tendência decrescente da margem de comercialização do mamão hawai no Estado do Ceará entre esses dois níveis de mercado, tendo em vista que a margem corresponde a diferença de preços entre eles Composição das Margens Através dos métodos sistemáticos, utilizando o modelo descrito por MARQUES e AGUIAR (op. cit), obteve-se os seguintes resultados: Pv = 0,66 + 1,07 Pp R 2 = 0,78 Valor p (0,0000) (0,0000) Os coeficientes parciais foram estatisticamente diferentes de zero e significantes a um nível de 0,01 de probabilidade, dessa forma de acordo com o modelo, constata-se que o mercado varejista trabalha com margens mistas, ou seja, combina margens fixas com margens percentuais sobre o preço do produtor. Os coeficientes β o = 0,66 e β 1 = 1,07, indicam que o os preços no varejo do mamão hawai (kg) no Estado do Ceará, são obtidos pela aplicação de uma margem de comercialização constante equivalente a R$ 0,66 mais uma margem percentual fixa de 0,07% sobre os preços pagos ao produtor Política de Margens O modelo de política de margens adotadas vem reforçar a tendência de margens decrescentes, já observadas nos itens anteriores. Foram obtidos os seguintes resultados para o período de 1999 a 2002, para o mamão hawai no Estado do Ceará: M = 0,66 0,93 Pp R 2 = 0,99 Valor p (0,0000) (0,0000) Os coeficientes foram estatisticamente significantes a um nível 0,01 de probabilidade e o sinal positivo de β o e negativo de β 1 indicam que a política de margem adotada é a de margem relativa decrescente.

11 4. CONCLUSÕES De acordo com os resultados obtidos, pode-se concluir que os preços do mamão hawai no Estado do Ceará seguem a mesma trajetória nos níveis de produtor, atacado e varejo ao longo dos anos de 1999 a 2002, sendo observados os maiores preços no ano de Verifica-se também que os preços comercializados do mamão hawai vêm decrescendo ao longo do período analisado no Estado do Ceará. Observando as médias anuais, constata-se que a diferença de preços entre os níveis de atacado e produtor é bem maior do que entre atacado e varejo, ou seja, as margens brutas de comercialização são maiores na primeira diferença. Quanto à margem bruta total do mamão hawai, conclui-se que ela apresenta tendência decrescente nos últimos quatro anos. Estas margens são formadas de componentes mistos, ou seja de um valor constante acrescido de um valor percentual sobre o preço do produtor. 5. BIBLIOGRAFIA ARAÚJO FILHO, Geraldo Correia de. [et. Al..] Produtor de Mamão Fortaleza: Edições Demócrito Rocha; Instituto Centro de Ensino Tecnológico, p. BARROS, Geraldo Santana de Camargo. Economia da Comercialização Agrícola. Piracicaba: FEALQ, p. BRANDT, Sérgio Alberto. Comercialização Agrícola. Piracicaba, Livroceres, p. CEASA/CE Central de abastecimento do Ceará. FRUTISÉRIES. Mamão. Ministério da Integração Nacional. Disponível em GUJARATI, Damodar N. Econometria básica. São Paulo: Makron books, p. IBGE, SIDRA. Banco de Dados. Disponível em MARQUES e Aguiar, Pedro Valentim. Comercialização de Produtos Agrícolas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, p. SUMA ECONÔMICA Consultoria e Publicações, n 299, março São Paulo, TRINDADE, A.V. [et al.]. Mamão. Produção: Aspectos técnicos (Frutas do Brasil: 3). Brasília: Embrapa Comunicação para transferência de Tecnologia, p.

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros

A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros A necessidade de elevar a incidência da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS sobre cigarros Estudo de Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT Maio de 2009 O Poder Executivo, através da Medida

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL CDC Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços do óleo

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Janeiro de 2014 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Julho de 2015 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Agosto de 2014 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO Nilton Marques de Oliveira 1 Carlos Antônio F. Dias 2 Antônio José Medina dos Santos Baptista 2 Resumo Este trabalho teve por objetivo

Leia mais

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF

INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF INTENÇÃO DE CONSUMO DAS FAMÍLIAS - ICF Goiânia GO Janeiro 2010 SUMÁRIO Tabela 1 - Síntese dos Resultados 3 Tabela 2 - Variações percentuais sobre o mês anterior 3 Análise dos Resultados 4 Tabela 3 - Intenção

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção aprofunda deterioração A indústria da construção continua a se deteriorar. O índice de nível de atividade e o número de empregados

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

Promessa: Controlar a Inflação

Promessa: Controlar a Inflação Promessa: Controlar a Inflação Entendimento O Conselho Monetário Nacional define uma meta de inflação anual e uma banda em torno da meta, equivalente a mais ou menos 02 pontos de percentagem. Atualmente

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais

Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Variação Estacional de Preços de Cebola nos CEASAs de Minas Gerais Pablo Forlan Vargas 1 ; Leila Trevizan Braz 2 ; Juliano Tadeu Vilela de Resende 3 ; André May 2 ; Elaine Maria dos Santos 3. 1 UNESP FCAV

Leia mais

para 2006 Everton Freire de Carvalho*

para 2006 Everton Freire de Carvalho* para 2006 Everton Freire de Carvalho* O ano de 2005 foi marcado por uma política econômica que alcançou bastante êxito, dentro dos objetivos traçados. Os principais índices de preços registraram altas

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 93 CNT 15 a 19 de Setembro de 2008 SAS Q 06 - Lote 03 - Bloco J Rua Grão Pará, 737-4º andar Ed. Camilo Cola - 2 o andar

Leia mais

GRÁFICO 3.1 IPCA: variação acumulada em doze meses e índices de difusão (médias móveis trimestrais) (Em %) 7,50 65,0 6,00 5,00 55,0 4,50. dez.

GRÁFICO 3.1 IPCA: variação acumulada em doze meses e índices de difusão (médias móveis trimestrais) (Em %) 7,50 65,0 6,00 5,00 55,0 4,50. dez. 3 INFLAÇÃO De acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação acumulada em doze meses continuou acelerando ao longo do primeiro bimestre de 2013, de modo que, em fevereiro,

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Relatório da Pesquisa Conjuntural

Relatório da Pesquisa Conjuntural -8,1% -0,4% 4, 7,8% 8,9% 9,3% 8,2% 6,6% 6,7% 6, 4,9% 3,9% I Resultado Nacional O de abril, elaborado com base nos dados das empresas associadas ao Sindipeças, registrou queda de 0,4% no faturamento real

Leia mais

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou o saldo de empregos dos principais setores da economia, através

Leia mais

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS

ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS ESTUDO SOBRE CIRCULAÇÃO DE REVISTAS MERCADO BRASILEIRO 2000 A 2011 2 Sumário 1 METODOLOGIA... 3 2 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE EXEMPLARES DE 2000 A 2011... 4 3 RECEITAS ANUAIS POR PERIODICIDADE... 5 3.1 PREÇO

Leia mais

Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia

Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia Índice de Variação Geral de Preços Departamento de Economia FEVEREIRO 2007 Índices de preços são números que agregam e representam os preços de uma determinada cesta de produtos. Sua variação mede, portanto,

Leia mais

Combustíveis BOLETIM CEPER. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi André Ribeiro Cardoso e Simone Prado Araujo

Combustíveis BOLETIM CEPER. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi André Ribeiro Cardoso e Simone Prado Araujo Neste boletim são apresentadas informações e uma breve análise sobre o comportamento dos preços dos principais combustíveis automotivos, etanol e gasolina comum, com base nos dados de preço coletados pela

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

REAJUSTE DAS CONTRAPRESTAÇÕES PECUNIÁRIAS DE CONTRATOS DE CONTRATAÇÃO COLETIVA OPERADORA: PORTO DIAS SAÚDE CNPJ: 06.145.428/0001-09 REGISTRO ANS: 41.508-1 PERÍODO DE APLICAÇÃO: Maio/2016 a Abril/2017 PERCENTUAL

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

IPES Índice de Preços ao Consumidor

IPES Índice de Preços ao Consumidor IPES Índice de Preços ao Consumidor Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPC-IPES Índice de Preços ao Consumidor de Caxias do Sul Março de 2015 Março de 2015 UNIVERSIDADE DE

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul

Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul Diretoria de Planejamento Superintendência de Planejamento Comportamento de Preços Pagos aos Produtores de Leite, Frangos e Suínos da Região Sul NT 20-02 JUNHO / 20 1 1) Tendo em vista a Resolução BACEN

Leia mais

ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS

ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS ÍNDICE DE VELOCIDADE DE VENDAS IVV DF IMÓVEIS NOVOS Setembro de 2015 Realização: Apoio: INTRODUÇÃO O Indicador de Velocidade de Vendas (IVV) do mercado imobiliário do Distrito Federal é produzido mensalmente

Leia mais

O exercício final consiste de um estudo de caso, exposto neste documento. Devem ser gerados, como resultados

O exercício final consiste de um estudo de caso, exposto neste documento. Devem ser gerados, como resultados Prof. Leonardo A. M. Moraes Exercício Final 1 Instruções O exercício final consiste de um estudo de caso, exposto neste documento. Devem ser gerados, como resultados uma pequena apresentação em Microsoft

Leia mais

PPS MSDPREV PORTFOLIO PERFORMANCE

PPS MSDPREV PORTFOLIO PERFORMANCE 1 MSDPREV ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS JAN.15 RENDA FIXA MSDPREV RF (WESTERN) CLASSIFICAÇÃO: CLUSTER RENDA FIXA ÍNDICES - MODERADO Fevereiro/14 a Janeiro/15 O histórico dos últimos

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Batata. Pelo terceiro mês consecutivo,

Batata. Pelo terceiro mês consecutivo, Batata Pelo terceiro mês consecutivo, o volume deste tubérculo negociado na CeasaMinas Grande BH passou por incrementos. Em agosto, a partir de uma oferta de mais de 14.651 toneladas obtevese uma oscilação

Leia mais

SENSUS. Relatório Síntese CNT SENSUS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97. 25 a 29 de Maio de 2009

SENSUS. Relatório Síntese CNT SENSUS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97. 25 a 29 de Maio de 2009 Pesquisa e Consultoria Relatório Síntese PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL RODADA 97 CNT 25 a 29 de Maio de 2009 SAUS Q 01 - Bloco J - Entradas 10 e 20 Rua Grão Pará, 737 4ºandar Ed. CNT - 11 o andar

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 19 a 3 de outubro de 009 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DO COMPLEXO SOJA, DE 000 A 008 GISLAINE FERNANDES GUIMARAES 1, GELTON GERALDO FERNANDES GUIMARAES, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 3, CRISTINA LELIS

Leia mais

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 Possibilidade de Comercialização de Arroz no Mercado Futuro Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 1 Estrutura

Leia mais

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário

Boletim Econômico e do Setor Portuário. Sumário Boletim Econômico e do Setor Portuário Junho de 2014 Sumário Indicadores da Economia Nacional... 2 O Produto Interno Bruto PIB no primeiro trimestre de 2014... 2 Os Índices de Inflação... 3 O Mercado de

Leia mais

Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo

Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo Comercialização do Tomate de Mesa no Entreposto Terminal de São Paulo Engenheiro Agrônomo Paulo Roberto Ferrari Centro de Qualidade, Pesquisa & Desenvolvimento Volume comercializado ETSP de frutas, hortaliças,

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

Boletim Mensal Estatísticas dos Produtos Agrícolas Comercializados na CEASA/SC Julho/2008 CEASA/SC

Boletim Mensal Estatísticas dos Produtos Agrícolas Comercializados na CEASA/SC Julho/2008 CEASA/SC Boletim Mensal Estatísticas dos Produtos Agrícolas Comercializados na CEASA/SC Julho/2008 CEASA/SC Governador do Estado Luiz Henrique da Silveira Vice-Governador Leonel Pavan Secretário de Estado da Agricultura

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 -

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Coordenação de Campo: Roberto Guerra SUMÁRIO

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE RELATÓRIO 2º TRIMESTRE FPMSMS FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS DO SUL 2º TRIMESTRE 2014 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO ------------------------------------------------------------------ 4

Leia mais

Fevereiro de 2014 INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC) MOÇAMBIQUE, (Base Dez.2010 = 100)

Fevereiro de 2014 INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC) MOÇAMBIQUE, (Base Dez.2010 = 100) INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Moçambique Fevereiro de 2015 Base: Dezembro de 2010 Instituto Nacional de Estatística Índice de Preços no Consumidor Boletim Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins

Leia mais

Construção e Comercialização

Construção e Comercialização 1 Construção e Comercialização Esta pesquisa fornece informações sobre o mercado de imóveis novos - construídos para vender. São apurados, mensalmente, os preços de oferta para venda à vista, a quantidade

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Superintendencia de Investimentos em Pólos Turisticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR - 2013 Pesquisa SETUR Maio, 2014 1 DESEMPENHO DA HOTELARIA

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA REALIZADA /2013, EM GRANDES CIDADES BRASILEIRAS, REFERENTE À PERSPECTIVA DE INTENÇÃO DE

Leia mais

AUMENTO DE TARIFA E DEMANDA DE TRANSPORTE POR ÔNIBUS URBANOS EM SÃO PAULO

AUMENTO DE TARIFA E DEMANDA DE TRANSPORTE POR ÔNIBUS URBANOS EM SÃO PAULO AUMENTO DE TARIFA E DEMANDA DE TRANSPORTE POR ÔNIBUS URBANOS EM SÃO PAULO Maurício Cadaval Como reagem os usuários do transporte coletivo urbano aos aumentos de tarifa? Teoricamente, à medida em que sobe

Leia mais

O mercado de mandioca, preços reagem. E o futuro? *

O mercado de mandioca, preços reagem. E o futuro? * O mercado de mandioca, preços reagem. E o futuro? * Foto: Acervo Biblioteca SEAGRI-BA Carlos Estevão Leite Cardoso** Lucilio Rogério Aparecido Alves*** Fábio Isaias Felipe**** Enéas Santos Melo***** O

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR Superintendência de Investimentos em Polos Turísticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR Janeiro a Dezembro de 2014 Pesquisa SETUR Janeiro,

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 5 no 43 novembro/2012 Ano 5 no 41 maio/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - DEZEMBRO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - DEZEMBRO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - AGOSTO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - AGOSTO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - MARÇO DE 2013 -

PESQUISA ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - MARÇO DE 2013 - PESQUISA DE ALUGUÉIS DE IMÓVEIS EM GOIÂNIA - - Pesquisa de Aluguéis de Imóveis em Goiânia Índice Apresentação... pág. 02 Objetivo... pág. 02 Metodologia... pág. 02 Contratos reajustados e indicadores econômicos...

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU Wadson de Menezes Santos 1 ; Maria Priscilla Celestino Silveira 1 ; Raul Santos Macedo 2 ; Christtianno de Lima Rollemberg

Leia mais

Boletim da Conjuntura Imobiliária

Boletim da Conjuntura Imobiliária MAIO DE 2015 Boletim da Conjuntura Imobiliária Brasília, junho de 2015 1 Boletim da Conjuntura Imobiliária Junho de 2015 2 Boletim da Conjuntura Imobiliária Maio de 2015 Descrição Capa: BRB - BANCO DE

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013

RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 1 RESULTADOS DE OUTUBRO DE 2013 Pesquisa realizada pelo Uni-FACEF em parceria com a Fe-Comércio mede o ICC (Índice de confiança do consumidor) e PEIC (Pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor)

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015 Dezembro/2015 1- Desempenho da Economia de Caxias do Sul A economia de Caxias do Sul, em dezembro, apresentou indicador com leve recessão no mês (-0,3%). Foi a Indústria que puxou o índice para baixo,

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: CONSTRUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: CONSTRUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: CONSTRUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO Novembro de 2009 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2016. PME Retrospectiva 2003-2015 13 anos Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento 1 (IBGE / DPE / COREN) 1 Rio de Janeiro,

Leia mais

3. Números índice. Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão

3. Números índice. Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão 1 2 Matemática Financeira e Instrumentos de Gestão Sumário 3. Números índice 12ª Aula 3.2.5 Taxa de variação Taxa de Inflação Exercícios de consolidação de conhecimentos 9 Nov. 2004 Aula 12, 9 / Nov. /

Leia mais

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE As Micro e Pequenas Empresas na Exportação Brasileira Brasil 1998-2009 EDITORIAL Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: ROBERTO SIMÕES Diretor-Presidente: PAULO TARCISO OKAMOTTO Diretor Técnico:

Leia mais