DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1"

Transcrição

1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo desenvolver um aplicativo computacional para promover a determinação das necessidades de irrigação das culturas por meio de diferentes métodos de manejo da irrigação. O aplicativo denominado manejo irriga foi desenvolvido no ambiente Visual Basic for Applications (VBA), constituído por um conjunto de 17 planilhas. Para avaliar a eficácia do aplicativo foi simulada a demanda hídrica da cultura do melão, onde os dados foram obtidos de trabalho realizado no município de Baraúna-RN (05º S, 37º W). A simulação da demanda hídrica do melão obtida pelo aplicativo mostrou os mesmos valores obtidos no experimento, ou seja, indicando que os procedimentos matemáticos adotados no aplicativo são coerentes para determinar as necessidades hídricas das diferentes culturas. PALAVRAS-CHAVE: Evapotranspiração de referência, irrigação, manejo integrado. DEVELOPMENT OF A COMPUTER APPLICATION FOR THE CONTROL OF MANAGEMENT OF IRRIGATION ABSTRACT: This study aimed to develop software to promote the determination of irrigation needs of crops by means of different methods of irrigation. The application called "irrigation management" was developed in Visual Basic for Applications (VBA), consisting of a set of 17 worksheets. To evaluate the effectiveness of the application, we simulated the water requirements of the melon crop, where the data were obtained from work done in the municipality of Baraúna-RN (05 04' 48'' S, 37º 37' 00'' W). The simulation of demand for water melon obtained by the application showed the same values obtained in the experiment, indicating that the mathematical procedures adopted are consistent in the application to determine the water needs of different cultures. KEY WORDS: reference evapotranspiration, irrigation, integrated management 1 Trabalho de conclusão de curso de Graduação em Irrigação e Drenagem, primeiro autor. 2 Bolsista PIBICT/IFCE, Graduando em Irrigação e Drenagem IFCE Campus Iguatu, Rodovia Iguatu/Várzea Alegre, Km 05 Iguatu CE, CEP Fone (88) Doutorando em Engenharia de Sistemas Agrícolas ESALQ/USP, Piracicaba SP. 4 Bolsista PIBICT/FUNCAP, Graduando em Irrigação e Drenagem IFCE Campus Iguatu. 5 Prof. D. Sc. IFCE - Campus Iguatu.

2 INTRODUÇÃO Em algumas regiões do Brasil, principalmente no nordeste devido à concentração da estação chuvosa em apenas quatro meses, mal distribuídos espacialmente e temporalmente, o uso da irrigação se mostra como uma alternativa para o cultivo, em todo o ano. A falta de um manejo da irrigação, nessas regiões tem sido uma das principais causas do insucesso de muitos projetos. Na maioria das vezes por desconhecimento ou falta da assistência técnica ao irrigante, nem sempre é dada a devida importância a técnica de manejo. O manejo da irrigação consiste basicamente na tomada de decisão sobre quando e quanto irrigar, de modo a manter o fluxo contínuo de água no sistema solo-planta-atmosfera e, por consequência, de nutrientes (Barreto & Figueirêdo, 2010). Na estimativa da exigência hídrica pelas plantas, podem ser adotadas metodologias distintas ou a integração delas, ou seja, pela demanda atmosférica, pelo monitoramento da umidade do solo e por meio de medidas diretas do fluxo de água na planta. Essas metodologias objetivam apresentar alternativas do manejo da água nas culturas irrigadas em qualquer estádio fenológico da planta (Barreto et al., 2004). O conhecimento do consumo hídrico das culturas constitui-se numa informação preciosa no manejo da água, principalmente no momento em que ocorre forte conscientização popular do uso racional dos recursos hídricos (Silva et al., 2005). Com o grande avanço da computação, planilhas eletrônicas estão sendo cada vez mais utilizadas no manejo da irrigação como por exemplos as planilhas desenvolvidas para a programação de irrigação de culturas anuais (Albuquerque & Andrade, 2001); para o manejo da irrigação na produção integrada de caju (Miranda, 2005); para o planejamento de calendários de irrigação (Pinto et al., 2007); para o manejo da irrigação em pequenas propriedades (Conceição, 2010; Nascimento et al., 2011). O presente trabalho teve por objetivo desenvolver um aplicativo computacional para promover a determinação da necessidade de irrigação das culturas por meio de diferentes métodos de manejo da irrigação. MATERIAL E MÉTODOS O aplicativo denominado manejo irriga, foi desenvolvido no ambiente Visual Basic for Applications (VBA), constituído por um conjunto de 17 planilhas, a saber: primeira planilha é a tela inicial (Figura 1), a segunda que se destina a entrada dos dados gerais, a terceira, quarta e quinta é para o manejo com base no clima e evapotranspiração de referência (ET o ) estimada pelo método de Penman-Monteith FAO 56 com dados da estação convencional, automática e com dados mínimos (temperatura máxima e mínima do ar) respectivamente, a sexta e sétima é também para o manejo com base no clima e ET o estimada pelo método de Hargreaves-Samani e pelo Tanque Classe A, a oitava e nona é para o manejo com base na umidade do solo pelo método direto e indiretamente determinada pela tensão de água no solo com o emprego do tensiômetro, a décima e décima primeira é para o manejo integrado (clima e solo) com ET o estimada por Penman-Monteith FAO 56 com dados de estação convencional e automática,

3 respectivamente e umidade do solo determinada indiretamente pelo tensiômetro, a décima segunda e terceira é para o manejo integrado (clima e solo) com ET o estimada pelo método de Hargreaves-Samani e pelo Tanque Classe A respectivamente e umidade do solo também obtida com o tensiômetro, a décima quarta é planilha para a obtenção de valores do coeficiente da cultura (Kc), a décima quinta é planilha para a obtenção de valores do fator de disponibilidade hídrica no solo ou de esgotamento (f), a décima sexta é planilha para a obtenção de valores do coeficiente do Tanque Classe A (Kp), a décima sétima é planilha para a obtenção de valores de tensão critica das culturas (Tc). Para avaliar a eficácia do aplicativo foi simulada a demanda hídrica da cultura do melão, onde os dados foram obtidos de trabalho realizado por Mota (2010) no município de Baraúna- RN (05º S, 37º W). Foram obtidos dados do ciclo da cultura, coeficiente de cultivo (Kc) e número de dias de cada fase fenológica. Foram tomadas as medidas diárias de evaporação pelo Tanque Classe A, bem como o coeficiente do tanque. RESULTADOS E DISCUSSÕES O aplicativo parte de uma tela inicial (Figura 1), onde o usuário ao clicar em dados gerais, terá acesso a uma nova planilha para entrada de dados gerais, que devem ser informados com as respectivas unidades requeridas. Pode-se verificar na Figura 2, a demanda hídrica do meloeiro (ETc) nas diferentes fases fenológicas com a utilização do aplicativo computacional desenvolvido. Na fase inicial a demanda hídrica da cultura (ETc) foi de 17, 22 mm (15 dias), no período vegetativo de 43,68 mm (18 dias), na fase de maior demanda hídrica foi encontrado valor de 128,06 mm (18 dias) e na última fase a demanda hídrica foi da ordem de 36,83 mm (12 dias). A evapotranspiração da cultura (ETc) do meloeiro durante todo o seu ciclo foi de 225,79 mm. A ETc diária foi de 1,15, 2,43, 7,11 e 3,07 mm para os períodos inicial, vegetativo, de frutificação e de maturação, respectivamente. Em experimento os valores encontrados por Mota (2010) foram de 16,75 mm (1,12 mm dia -1 ), 43,91 mm (2,44 mm dia -1 ), 127,65 mm (7,09 mm dia -1 ) e 37,00 mm (3,08 mm dia -1 ) para o período inicial, vegetativo, frutificação e de maturação, respectivamente, totalizando 225,32 mm em todo o ciclo. Com base nos resultados obtidos com o emprego do aplicativo computacional desenvolvido e testado com os referidos dados obtidos por Mota (2010), pode-se verificar que ambos os resultados são praticamente iguais, em que a demanda hídrica da cultura do meloeiro durante todo o ciclo encontrado por Mota (2010) foi de 225,32 mm, resultado igual foi encontrado com o aplicativo manejo irriga (225,79 mm). Araújo et al. (2009) realizaram manejo da irrigação na cultura do melão e na aplicação diária de água basearam-se em percentuais da água evaporada pelo Tanque Classe A e concluíram que o rendimento dos frutos apresentaram uma relação linear crescente com os níveis de irrigação, ou seja, as maiores lâminas de irrigação proporcionaram maior rendimento dos frutos e vice-versa. Verifica-se o comportamento da distribuição da demanda hídrica do meloeiro nas suas diferentes fases fenológicas, com os resultados encontrados por Mota (2010) e simulados a partir do aplicativo computacional com as estimativas de evapotranspiração de referência obtida o Tanque Classe A (Figura 2).

4 CONCLUSÕES A simulação da demanda hídrica do melão com estimativas de evapotranspiração de referência pelo Tanque Classe A obtida pelo aplicativo desenvolvido mostrou os mesmos valores obtidos no experimento, ou seja, indicando que os procedimentos matemáticos adotados no aplicativo são coerentes para determinar as necessidades hídricas das diferentes culturas. O aplicativo computacional manejo irriga poderá possibilitar para o usuário a realização do manejo da irrigação com base em dados climáticos, com base na umidade do solo e a conjugação entre esses dois métodos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE, P. E. P.; ANDRADE, C. L. T. Planilha Eletrônica para a Programação da Irrigação de Culturas Anuais. Sete Lagoas, MG. Embrapa Milho e Sorgo, p. (Circular Técnica, 10). ARAÚJO, W. F.; OLIVEIRA, G. A.; CRUZ, P. L. S.; SILVA, W. M.; MACIEL, F. C. S. Manejo da Irrigação do meloeiro com Tanque Classe A. In: CONGRESSO NACIONAL DE IRRIGAÇÃO E DRENAGEM, 19, Montes Claros - MG. Anais... Montes Claros - MG: ABID, (CD-ROM). BARRETO, A. C.; FIGUEIRÊDO, V. B. Utilização e calibração do tensímetro digital no manejo de irrigação na cultura da manga. In: CONGRESSO NACIONAL DE IRRIGAÇÃO E DRENAGEM, 20, Uberaba - MG. Anais... Uberaba - MG: ABID, (CD-ROM). BARRETO, A. N.; FACCIOLI, G. G.; SILVA, A. A. Operação e manejo dos sistemas de irrigação. In: BARRETO, A. N.; SILVA, A. A. G.; BOLFE, E. L. A irrigação e drenagem na empresa agrícola. Aracaju: EMBRAPA Tabuleiros Costeiros; Campina Grande: EMBRAPA Algodão, p , CONCEIÇÃO, M. A. F. Planilha eletrônica para manejo da irrigação em pequenas propriedades. In: CONGRESSO NACIONAL DE IRRIGAÇÃO E DRENAGEM, 20, Uberaba - MG. Anais... Uberaba - MG: ABID, (CD-ROM). MIRANDA, F. R. Irrigacaju: Planilha Eletrônica para o Manejo da Irrigação na Produção Integrada de Caju. Fortaleza, CE: Embrapa Agroindústria Tropical, p. (Circular Técnica, 23). MOTA, J. C. A. Componentes do balanço de água em um Cambissolo cultivado com meloeiro irrigado por gotejamento, com e sem cobertura da superfície p. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas) Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. NASCIMENTO, P. S.; BASSOI, L. H.; PAZ, V. P. S. Planilha eletrônica para auxilio à tomada de decisão em manejo de irrigação localizada: Aplicação no cultivo da videira. Disponível em: Acesso em: 29 ago PINTO, F. A.; FREITAS, C. A. S.; RIBEIRO, R. S. F. Planilha eletrônica para planejamento de calendários de irrigação. In I WORKSHOP INTERNACIONAL DE INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA IRRIGAÇÃO & I CONFERÊNCIA SOBRE RECURSOS HÍDRICOS DO SEMIÀRIDO BRASILEIRO, Sobral - CE. Anais... Sobral - CE, (CD-ROM). SILVA, V. P. R.; FILHO, A. F. B.; SILVA, B. B.; CAMPOS, J. H. B. C. Desenvolvimento de um sistema de estimativa da evapotranspiração de referência. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 9, n. 4, p , 2005.

5 Figura 1: Tela inicial do aplicativo computacional manejo irriga. Figura 2: Demanda hidrica do meloeiro (ETc) com evapotranspiração de referência estimada pelo Tanque Classe A encontrada por Mota (2010) e com o emprego do aplicativo computacional.

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA PARA AS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DE TERESINA-PI E. R. GOMES 1 ; A. F. ROCHA JÚNIOR 2 ; C. A. SOARES 3 ; F. E. P. MOUSINHO 4 ; A. A. C. SALVIANO

Leia mais

FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO

FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA PARA DOIS NÍVEIS DE IRRIGAÇÃO C. A. Soares 1 ; A. F. Rocha Júnior 2 ; N. S. da Silva 2 ; E. R. Gomes 3 ; F. E. P. Mousinho 4

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Penman-Monteith. Semiárido. Evapotranspiração. Escassez de chuva. Irrigação

PALAVRAS-CHAVE: Penman-Monteith. Semiárido. Evapotranspiração. Escassez de chuva. Irrigação CALIBRAÇÃO DOS PARÂMETROS DA EQUAÇÃO DE HARGREAVES & SAMANI E ESTIMATIVA DA VARIAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA A SER APLICADO NA CULTURA DA GOIABA PARA IGUATU, CEARÁ-BRASIL Juarez Cassiano de Lima Junior¹, Antonio

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO ERLAN SILVA DE SOUSA 1, ROBERTA ARAÚJO E SILVA 2, GIRLENE FIGUEIREDO MACIEL 3, RONES GOMES NUNES 4, FRANK WYLHA LIMA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO J. R. G. de Paiva 1 ; L. F. de Figueredo 2 ; T. H. da Silva 3 ; R. Andrade 4 ; J. G. R. dos Santos 4 RESUMO: O manejo

Leia mais

MANEJO MÓVEL: UMA FERRAMENTA FACILITADORA NO MANEJO DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR GOTEJAMENTO 1

MANEJO MÓVEL: UMA FERRAMENTA FACILITADORA NO MANEJO DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR GOTEJAMENTO 1 MANEJO MÓVEL: UMA FERRAMENTA FACILITADORA NO MANEJO DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR GOTEJAMENTO 1 F. M. Gonçalves 2 ; Á. P. Timbó 3 ; R. N. T. Costa 4 ; J. W. M. Menezes 5 ; F. J. F. Canafístula 6 ; A. B.

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL (RS) ATRAVÉS DA AMPLITUDE TÉRMICA DIÁRIA D. H. Nogueira 1 ; M. G. Silva 2 ; E. R. F. Ledo 2 ; E. M. Araújo 3 ; E. M. Araújo 3 RESUMO: O presente trabalho teve como objetivo

Leia mais

MANEJO DA ÁGUA NO CULTIVO DE ALFACE IRRIGADO PELO SISTEMA DE MICROASPERSÃO

MANEJO DA ÁGUA NO CULTIVO DE ALFACE IRRIGADO PELO SISTEMA DE MICROASPERSÃO 22 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.3, n.1, p.22 29, 2009 ISSN 1982-7679 (On-line) Fortaleza, CE, INOVAGRI http://www.inovagri.org.br Protocolo 010.09 03/02/2009 Aprovado em 08/05/2009 MANEJO

Leia mais

COMPARATIVO DA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA POR DIFERENTES MÉTODOS EM SÃO JOÃO DO PIAUÍ

COMPARATIVO DA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA POR DIFERENTES MÉTODOS EM SÃO JOÃO DO PIAUÍ XLIII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 COMPARATIVO DA ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO

Leia mais

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO

EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO EFEITO DAS VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS NA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DO SUBMÉDIO DO VALE SÃO FRANCISCO Thieres G. F. da SILVA 1,4, José Edson F. de MORAIS 1, Wellington J. da S. DINIZ 1, Jannaylton E.

Leia mais

Comunicado Técnico. Introdução. Metodologia. Paulo Emílio Pereira de Albuquerque 1

Comunicado Técnico. Introdução. Metodologia. Paulo Emílio Pereira de Albuquerque 1 Comunicado Técnico 203 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2012 Foto: Paulo Emílio Pereira de Albuquerque O Aplicativo Computacional Irrigafácil Implementado Via Web para o Manejo de Irrigação dos

Leia mais

MÉTODOS DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL NA RESERVA FLORESTAL DE CAXIUANÃ, MELGAÇO PA

MÉTODOS DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL NA RESERVA FLORESTAL DE CAXIUANÃ, MELGAÇO PA MÉTODOS DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL NA RESERVA FLORESTAL DE CAXIUANÃ, MELGAÇO PA ALEXANDRA L. TAVARES 1, ANTONIO C. L. DA COSTA 2, MONIK F. DE ALBUQUERQUE 3, MARIA C. F. DE OLIVEIRA 4,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR

CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DE MICRO ASPERSOR M. A. D. Marques 1 ; L. F. S. M. Campeche 2 RESUMO: O propósito deste trabalho foi avaliar hidraulicamente o emissor da marca Agropolo de um sistema de irrigação

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA EVATRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM SANTA CATARINA

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA EVATRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM SANTA CATARINA IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA EVATRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM SANTA CATARINA Angelo Mendes Massignam 1 ; Claudia G. Camargo 2 ; Cristina Pandolfo 3, Daniel A. Malandrin 4 1 Eng. Agrônomo, PhD, Epagri/Ciram

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ

BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ BALANÇO HÍDRICO PARA A CULTURA DA MELANCIA EM CAMPOS SALES, CEARÁ R. N. F. MONTEIRO 1 ; A. S. de ANDRADE JUNIOR 2 ; K. N. LEITE 3 ; A. O. da SILVA 4 ; M. J. F. DANTAS 5. RESUMO: No Estado do Ceará, a fruticultura

Leia mais

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem.

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Sérgio Weine Paulino Chaves 1 ; Benito Moreira de Azevedo 1 ; Francisco Marcus Lima Bezerra 1 ; Neuzo Batista de Morais

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 RESUMO: A ocorrência da cavitação em bombas hidráulicas traz consequências negativas

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS Ricardo Stahlschmidt Pinto Silva Bruno Coraucci Filho* Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia

Leia mais

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL*

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* BOLFE, É. L. 1 I. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer os modelos atuais de uso da terra e as modificações

Leia mais

CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEADO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO

CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEADO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO A. E. Q. Rocha 1 ; P. L. V. S. Sarmento 1 ; G. Bastos Lyra 2 ; G. B. Lyra 3 ;

Leia mais

Oobjetivo do presente trabalho foi estimar e comparar a evapotranspiração

Oobjetivo do presente trabalho foi estimar e comparar a evapotranspiração Revista da Fapese, v.3, n. 2, p. 71-76, jul./dez. 2007 71 Determinação e Comparação entre Métodos de Estimativa da Evapotranspiração de Referência para a Região de Canindé do São Francisco-SE Wagner Roberto

Leia mais

ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO INTRODUÇÃO

ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO INTRODUÇÃO ZONEAMENTO EDAFOCLIMÁTICO DA CULTURA DO COCO Nayane Rosa Gomes¹ ; André Luiz Ribas de Oliveira² ¹ Curso de graduação em Engenharia Agrícola, Bolsista PIBIC/CNPq; Campus Anápolis de Ciências Exatas e Tecnológicas

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO

ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO ANÁLISE TERMOPLUVIOMÉTRICA E BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO DOS DADOS DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA DO PEIXE TO TATIANA DINIZ PRUDENTE 1 ALINE DE FREITAS ROLDÃO 2 ROBERTO ROSA 3 Resumo: O presente trabalho tem

Leia mais

O MERCADO DE ALGODÃO ARBÓREO NO ESTADO DO CEARÁ UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA wagrotec@hotmail.com

O MERCADO DE ALGODÃO ARBÓREO NO ESTADO DO CEARÁ UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA wagrotec@hotmail.com O MERCADO DE ALGODÃO ARBÓREO NO ESTADO DO CEARÁ UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICA wagrotec@hotmail.com POSTER-Desenvolvimento Rural, Territorial e regional FRANK WAGNER ALVES DE CARVALHO 1 ; FRANCISCO DELEON DOMINGOS

Leia mais

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A CULTURA DO DENDÊ (ELAEIS GUINEENSIS JACQ.)E EFEITO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO ESTADO DO TOCANTINS Bruno Guimarães de Oliveira 1 ; Erich Collicchio 2 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE Elfride Anrain Lindner 1 ; Angelo Mendes Massignam 2 ; Daniela

Leia mais

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE 1 Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão PE - Campus Ouricuri.-

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica

VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG- campus Bambuí VIII Jornada Científica Casca de café carbonizada para produção de mudas de alface Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira (1), Fábio Pereira

Leia mais

REVENG Engenharia na agricultura, viçosa - mg, V.19 N.4, JULHO / AGOSTO 2011 329-333 p.

REVENG Engenharia na agricultura, viçosa - mg, V.19 N.4, JULHO / AGOSTO 2011 329-333 p. NOTA TÉCNICA: DESENVOLVIMENTO DE SENSOR DE NÍVEL CAPACITIVO PARA USO NO IRRIGÂMETRO Paulo Raimundo Pinto 1, José Helvecio Martins 2, Rubens Alves de Oliveira 3, Paulo Marcos de Barros Monteiro 4 RESUMO

Leia mais

COEFICIENTE DE CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA SUBSUPERFICIALMENTE EM LISÍMETRO DE DRENAGEM NO ESTADO DE GOIÁS. Apresentado no

COEFICIENTE DE CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA SUBSUPERFICIALMENTE EM LISÍMETRO DE DRENAGEM NO ESTADO DE GOIÁS. Apresentado no COEFICIENTE DE CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA SUBSUPERFICIALMENTE EM LISÍMETRO DE DRENAGEM NO ESTADO DE GOIÁS 1 Gabriel G. G. Cardoso; 2 Romenig Marcos Oliveira Domingos 1 Tecgo. em Irrigação e Drenagem,

Leia mais

SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER

SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER SOFTWARE PARA CÁLCULO DOS COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO DE PALMER Rodrigo Cézar Limeira 1, Pedro Vieira de Azevedo 2, Wagner de Aragão Bezerra 3, Josefa Morgana Viturino de Almeida 3, Lindenberg Lucena

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL RENATA RIBEIRO DO VALLE GONÇALVES 1 e EDUARDO DELGADO ASSAD 2 1 Engenheira Cartógrafa, doutoranda da Faculdade de Engenharia Agrícola Feagri /Unicamp,

Leia mais

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE COMPARAÇÃO DE MÉTODOS PARA CONVERSÃO DA EVAPORAÇÃO DO TANQUE CLASSE A EM EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO LITORAL DE PERNAMBUCO A. L. de Oliveira 1, A. H. C. do Nascimento 2, S. M. G. L. Montenegro 3,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE

CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE CARACTERIZAÇÃO DE DOIS MODELOS DE GOTEJADORES QUANTO A OCORRÊNCIA DE HISTERESE F. N. Cunha 1 ; N. F. da Silva 1 ; A. C. Ferreira 1 ; R. C. de Oliveira 1 ; M. B. Teixeira 2 ; F. A. L. Soares 2 RESUMO: O

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO EM UM CULTIVO DE BANANEIRA SUBMETIDA À SECAMENTO PARCIAL DO SISTEMA RADICULAR

DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO EM UM CULTIVO DE BANANEIRA SUBMETIDA À SECAMENTO PARCIAL DO SISTEMA RADICULAR DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO EM UM CULTIVO DE BANANEIRA SUBMETIDA À SECAMENTO PARCIAL DO SISTEMA RADICULAR Gessionei da Silva Santana 1, Eugênio Ferreira Coelho 2, Darlan Teles da Silva 3 1 Engenheiro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO PLUVIOMETRICA POR QUINQUÍDIOS DA CIDADE DE PIRENOPOLIS - GO

CARACTERIZAÇÃO PLUVIOMETRICA POR QUINQUÍDIOS DA CIDADE DE PIRENOPOLIS - GO CARACTERIZAÇÃO PLUVIOMETRICA POR QUINQUÍDIOS DA CIDADE DE PIRENOPOLIS - GO Silva, M. A. G 1* ; Guimarães Junior, J. M; 1 Esteves, A. A. M; 2 Maciel, F. L; 3 Ucker, F.E; 1,3,4 Santos, F.C.V; 1, 3,4 Correchel,

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

Produção de tomate sem desperdício de água. Palestrante Eng. Enison Roberto Pozzani

Produção de tomate sem desperdício de água. Palestrante Eng. Enison Roberto Pozzani Produção de tomate sem desperdício de água Palestrante Eng. Enison Roberto Pozzani Panorama da irrigação no Brasil Estima-se que menos de 20% dos irrigantes utilizem alguma ferramenta para controlar a

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA EM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO FIXO

DISTRIBUIÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA EM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO FIXO DISTRIBUIÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA EM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO FIXO D. C. da C. Ribeiro 1 ; P. H. P. Ribeiro 2 ; M. B. Teixeira 3 ; F. A. L. Soares 4 ; H. C. R. de Lima 5 ; R. R. Gomes Filho 6 RESUMO:

Leia mais

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL Paulo Nobukuni 1 Vicente de Paula Pereira 2 Romísio Geraldo Bouhid André 2 RESUMO ABSTRACT Dados de pluviosidade,

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

Comunicado 35 Técnico

Comunicado 35 Técnico Comunicado 35 Técnico ISSN 1516-8638 Jaguariúna, SP Maio, 2006 Estação Meteorológica Automática da Embrapa Meio Ambiente Anderson Soares Pereira 1 A Embrapa Meio Ambiente, localizada no município de Jaguariúna,

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

MODELO COMPUTACIONAL PARA DETERMINAÇÃO DO RISCO ECONÔMICO EM CULTURAS IRRIGADAS 1 RESUMO

MODELO COMPUTACIONAL PARA DETERMINAÇÃO DO RISCO ECONÔMICO EM CULTURAS IRRIGADAS 1 RESUMO MODELO COMPUTACIONAL PARA DETERMINAÇÃO DO RISCO ECONÔMICO EM CULTURAS IRRIGADAS 1 RESUMO PATRICIA ANGÉLICA ALVES MARQUES 2 JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE 3 Com o objetivo de introduzir o risco na análise de projetos

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ ANÁLISE DO POTENCIAL DE REÚSO DE EFLUENTES DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO NO ENFRENTAMENTO DA SECA NO INTERIOR DO CEARÁ Marjory Barbosa Leite Tavares (1); Alana Karen Damasceno Queroga (2); Caroliny

Leia mais

Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação.

Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação. Rendimento de melão cantaloupe cultivado em diferentes coberturas de solo e lâminas de irrigação. Saint Clair Lira Santos 1 ; José Francismar de Medeiros 1 ; Maria Zuleide de Negreiros 1 ; Maria José Tôrres

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA José Maximiano Candido Neto 1, Wagner Andre dos Santos

Leia mais

I-104 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO

I-104 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO I-10 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO Josette Lourdes de Sousa Melo (1) Engenheira Química, UFPE. Mestre em Química Analítica,

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO COM BASE NO CLIMA NA CULTURA DA MELANCIA NO MUNICÍPIO DE IGUATU-CE

MANEJO DE IRRIGAÇÃO COM BASE NO CLIMA NA CULTURA DA MELANCIA NO MUNICÍPIO DE IGUATU-CE MANEJO DE IRRIGAÇÃO COM BASE NO CLIMA NA CULTURA DA MELANCIA NO MUNICÍPIO DE IGUATU-CE J. M. Souza 1 ; M. M. Pereira 2 ; K. A. Duarte 1 ; F. N. F. B. Xerez 1 ; P. C. Viana 3 ; R. S. Arruda 4 RESUMO: O

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC Katiani Eli 1, Joabe Weber Pitz 1, Leonardo de Oliveira Neves 2, Roberto Haveroth 3,Evandro

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira 1 Centro de Ciências Agrárias-Universidade Federal do Espírito

Leia mais

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ÍTALO N. SILVA 2, JOAQUIM B. OLIVEIRA 3, ELIAKIM M. ARAÚJO 4, EDMILSON G. C. JUNIOR 4, BRUNO M. ALMEIDA

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI PROF. DR. MÁRCIO CLEBER DE MEDEIROS CORRÊA Departamento de Fitotecnia Centro de Ciências Agrárias Universidade Federal do Ceará Fortaleza - CE III Simpósio

Leia mais

Dayan Diniz de Carvalho Graduando Dept Meteorologia/UFRJ e Bolsista do LNCC/CNPq ddc@lncc.br

Dayan Diniz de Carvalho Graduando Dept Meteorologia/UFRJ e Bolsista do LNCC/CNPq ddc@lncc.br COMPARAÇÃO DE MÉTODOS DE ACÚMULO DE GRAUS-DIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Dayan Diniz de Carvalho Graduando Dept Meteorologia/UFRJ e Bolsista do LNCC/CNPq ddc@lncc.br Célia Maria Paiva Prof a Dept

Leia mais

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Página 1077 CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Ricardo Pereira Veras 1 ; Pedro Dantas Fernandes 2 ; Eduardo Maciel Oliveira Laime 3 ; Janivan Fernandes Suassuna 4

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 Luiza Teixeira de Lima Brito 2 Aderaldo de Souza Silva 3 RESUMO Técnicas de captação e armazenamento de água de

Leia mais

A UNIVERSIDADE NO PROCESSO DE INOVAÇÃO E AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE SUETÔNIO MOTA

A UNIVERSIDADE NO PROCESSO DE INOVAÇÃO E AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE SUETÔNIO MOTA A UNIVERSIDADE NO PROCESSO DE INOVAÇÃO E AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE SUETÔNIO MOTA Fortaleza Setembro / 2013 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento / 1992 Capítulo 36 da Agenda

Leia mais

MATERIAIS E METODOLOGIA

MATERIAIS E METODOLOGIA QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E A RELAÇÃO COM A PRESSÃO ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE CULTIVO DE MANGA NO MUNICÍPIO DE CUIARANA-PA SILVA, F. M. 1 ; TORRES, C.S.C. 2 ; SOUSA, A. M. L. 3 ; NUNES, H. G. G. C.

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS C.L.C. Rodrigues 1, J.E.C. Monte 1 ; P.R. Pinto 1 ; J. L. Paes 2 ; Paulo M. B. Monteiro 3 1- Instituto Federal de Minas Gerais Campus

Leia mais

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA

III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-120 - PRODUÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO A PARTIR DE FOLHAS DE CAJUEIRO E MANGUEIRA Vicente

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares

Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares Pedro Antonio Roehe Reginato 1, Marcos Imério Leão 1, Fernando Pons da Silva 2, Carlos Alvin Heine 3 1 DHH/IPH/UFRGS (imerio@iph.ufrgs.br; pedro.reginato@ufrgs.br)

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS C. R. RODRIGUES VELOSO 1, R. GEDRAITE 2 1 Bolsista PIBIC FAPEMIG/UFU, discente do curso de Engenharia Química 2 Professor da Faculdade de

Leia mais

Uso Eficiente da Água de Irrigação e da Energia Elétrica em Cultura de Milho sob Pivô Central num Plantio Comercial em Várzea da Palma, MG 1

Uso Eficiente da Água de Irrigação e da Energia Elétrica em Cultura de Milho sob Pivô Central num Plantio Comercial em Várzea da Palma, MG 1 Uso Eficiente da Água de Irrigação e da Energia Elétrica em Cultura de Milho sob Pivô Central num Plantio Comercial em Várzea da Palma, MG 1 Paulo E. P. de Albuquerque 2, Antônio C. Coutinho 3, Pedro P.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho de Híbridos Simples de Milho no Estado do Maranhão na Safra de 2010 1 Cinthia Souza Rodrigues 1, Hélio

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO CLIMÁTICO EM DOIS PERÍODOS DISTINTOS ( ) E ( ) PARA CAMPOS SALES NO CEARÁ

BALANÇO HÍDRICO CLIMÁTICO EM DOIS PERÍODOS DISTINTOS ( ) E ( ) PARA CAMPOS SALES NO CEARÁ BALANÇO HÍDRICO CLIMÁTICO EM DOIS PERÍODOS DISTINTOS (1961-1990) E (1991-2009) PARA CAMPOS SALES NO CEARÁ A. H. Francilino 1 ; M. G. Silva 2 ; E. R. F. Ledo 1 ; Y. A. Silva 1 ; T. B. Torres 3 RESUMO: Objetivou-se

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de dejetos e resíduos de origem animal como alternativa na adubação de feijão irrigado Lilian Christian Domingues de Souza 1, Alício

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas.

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. João R. Crisóstomo 1 ; Lorna F. Falcão 2 ; Fernando A. S. de Aragão 3 ; Jalmi G. Freitas 4 ; Jefté F.

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE LISÍMETROS DE PESAGEM CULTIVADOS COM CANA-DE-AÇÚCAR

CALIBRAÇÃO DE LISÍMETROS DE PESAGEM CULTIVADOS COM CANA-DE-AÇÚCAR CALIBRAÇÃO DE LISÍMETROS DE PESAGEM CULTIVADOS COM CANA-DE-AÇÚCAR C. S. Santos 1 ; T. V. e Silva 1 ; E. da S. Alves 1 ; P. F. da Silva 1 ; M. A. L. Santos 2 ; D. P. Santos 3 RESUMO: O método direto mais

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL RESUMO Enio Giotto Elódio Sebem Doádi Antônio Brena Universidade Federal de Santa

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP

ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP ANÁLISE COMPARATIVA DA ADUBAÇÃO DE COBERTURA PELOS MÉTODOS SUPERFICIAL E COVETA LATERAL EM UM PLANTIO DE Eucalyptus urograndis - GARÇA, SP FERREIRA, Renato de Araújo renato_a_f@hotmail.com GIACOMETTI,

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO MODELO DE HARGREAVES PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM JALES, SP MARCO A. F. CONCEIÇÃO 1

CALIBRAÇÃO DO MODELO DE HARGREAVES PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM JALES, SP MARCO A. F. CONCEIÇÃO 1 CALIBRAÇÃO DO MODELO DE HARGREAVES PARA A ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM JALES, SP MARCO A. F. CONCEIÇÃO 1 1 Eng. Civil, Pesquisador, Estação Experimental de Viticultura Tropical, Embrapa

Leia mais

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Rodrigo dos Santos Bezerra Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia Química, UFRJ

Leia mais

Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense

Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense 228 ISSN 0104-7647 Dezembro, 2011 Teresina, PI Foto: Milton José Cardoso Rendimento de Grãos de Híbridos Comerciais de Milho nas Regiões Sul, Centro-Sul e Leste Maranhense Milton José Cardoso 1 Hélio Wilson

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Aptidão climática do capim-búffel ¹. Palavras-chaves: Cenchrus ciliaris, exigência climática de capim-búffel, pecuária sustentável

Aptidão climática do capim-búffel ¹. Palavras-chaves: Cenchrus ciliaris, exigência climática de capim-búffel, pecuária sustentável Aptidão climática do capim-búffel ¹ Roberta Machado Santos 2, Tadeu Vinhas Voltolini 3, Francislene Angelotti 3, Magna Soelma Beserra de Moura 3, Iranildo Generino dos Santos 4, 1 Pesquisa financiada pela

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS

III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS III-150 - ESCOAMENTO SUPERFICIAL E A INFILTRAÇÃO EM SOLOS DE COBERTURA (ARENO SILTOSO E ARENOSO) USADOS EM ATERROS SANITÁRIOS Ioana Nicoleta Firta (1) Engenheira Hidráulica, pela Universidade Técnica de

Leia mais

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação.

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Manoella Ingrid de O. Freitas; Maria Zuleide de Negreiros; Josivan

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB

ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB ANÁLISE DO PROCESSO DE MISTURA DE ÁGUA E CAL UTILIZANDO O SCILAB Brunela Bonatto Milli 1, Danielly Cristina Gripa 2, George Simonelli 3, Victor Matheus Alves 4 1. Graduada em Engenharia Química pela Faculdade

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1)

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. (parte 1) 6 Sistemas de irrigação (parte 1) 6.1 Considerações iniciais Aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade necessária ao desenvolvimento das plantas nele

Leia mais

I ENCONTRO PARA REVITALIZAÇÃO DO COQUEIRO GIGANTE NO NORDESTE DO BRASIL

I ENCONTRO PARA REVITALIZAÇÃO DO COQUEIRO GIGANTE NO NORDESTE DO BRASIL 1 I ENCONTRO PARA REVITALIZAÇÃO DO COQUEIRO GIGANTE NO NORDESTE DO BRASIL E REUNIÃO TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DA REDE DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIAS PARA COQUEIRO GIGANTE PERÍODO: 31/08/2009 A 03/09/09

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais