Os Alimentos Transgênicos são Perigosos? Benefícios e Preocupações!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Alimentos Transgênicos são Perigosos? Benefícios e Preocupações!"

Transcrição

1 Os defensores de culturas geneticamente modificadas alegam que a tecnologia é a única forma de alimentar um mundo cada vez mais quente e populoso. Os críticos dizem que estamos mexendo com a Natureza por nossa conta e risco. Quem está certo? Por David H. Freedman - Scientific American 2013! Robert Goldberg afunda em sua cadeira e gesticula no ar.frankensteins, monstros rastejando para fora do laboratório, diz ele. Essa é a coisa mais deprimente com que já lidei. Biólogo molecular de plantas na University of Califórnia em Los Angeles, Goldberg não está lutando contra uma psicose, mas expressando seu desespero diante da incessante necessidade de enfrentar o que considera temores falsos em relação aos riscos de culturas de organismos geneticamente modificados. O mais frustrante, diz ele, é que esse debate deveria ter terminado há décadas, quando as pesquisas produziram um fluxo de e v i d ê n c i a s t r a n q u i l i z a n t e s : H o j e enfrentamos as mesmas objeções que há 40 anos. Do outro lado do campus, David Williams, biólogo celular visionário, faz uma queixa contrária Muita ciência ingênua foi envolvida no desenvolvimento dessa tecnologia, afirma Há 30 anos não sabíamos que quando você insere qualquer gene em um genoma diferente, ele reage a isso; mas agora todo mundo que trabalha nesse campo sabe que o genoma não é um ambiente estático. Os genes inseridos são suscetíveis a alterações de várias maneiras e isso pode acontecer gerações mais tarde. O resultado, insiste ele, poderiam ser plantas potencialmente tóxicas que passam despercebidas pelos testes. Williams admite estar entre uma pequena minoria de biólogos que questiona fortemente a segurança dos transgênicos, mas afirma que isso só ocorre porque o campo da biologia molecular vegetal está protegendo seus interesses. O financiamento, proveniente em grande parte das empresas que vendem sementes transgênicas, favorece intensamente os pesquisadores que estão explorando métodos para promover ainda mais a aplicação da engenharia genética na agricultura. De acordo com Williams, os biólogos que apontam riscos de saúde ou outros perigos associados a culturas geneticamente modificadas e apenas informam ou defendem resultados e x p e r i m e n t a i s q u e i m p l i c a m a possibilidade de riscos são foco de violentos ataques à sua credibilidade, levando-os a ficarem quietos. Independentemente de Williams estar certo ou errado, uma coisa é i n e g á v e l : a p e s a r d a s e v i d ê n c i a s esmagadoras de que os transgênicos são seguros para o consumo, o debate sobre a sua utilização continua acirrado e, em algumas partes do mundo, está até se tomando mais truculento. Os céticos argumentariam que essa disputa é positiva, porque não podemos ser suficientemente cautelosos quando mexemos com a base genética do suprimento de alimentos do mundo. Mas para pesquisadores como Goldberg a persistência dos temores sobre os alimentos geneticamente modificados é apenas exasperante. Apesar das centenas de milhões de experimentos genéticos envolvendo todos os tipos de organismos da Terra e de pessoas comendo bilhões de refeições sem nenhum problema, voltamos a ser ignorantes, diz ele. Então, quem está certo: os defensores ou os críticos da modificação genética? Quando olhamos atentamente para as evidências dos dois lados e avaliamos os riscos e os benefícios, e n c o n t r a m o s u m c a m i n h o surpreendentemente claro para sair desse dilema Benefícios e Preocupações!! A maior parte da ciência envolvendo a s e g u r a n ç a d o s o r g a n i s m o s geneticamente modificados aponta em uma direção, David Zilberman, por exemplo, economista ambiental e agrícola

2 da University of California em Berkeley e u m d o s p o u c o s p e s q u i s a d o r e s considerados confiáveis pela indústria química agrícola e pelos críticos do setor, argumenta que os benefícios das culturas geneticamente modificadas superam em muito os riscos para a saúde, que até agora continuam teóricos. As culturas geneticamente modificadas baixaram os preços dos alimentos, afirma Zilberman. Elas melhoraram a segurança dos agricultores ao permitir que eles usem menos agrotóxicos; e aumentaram a produtividade do milho, do algodão e da soja de 20% a 30%, possibilitando a sobrevivência de pessoas. Se fossem adotadas mais amplamente ao redor do mundo, o preço [dos alimentos] cairia mais e menos pessoas morreriam de fome. No futuro essas vantagens se tornarão ainda mais significativas, prevê Zilberman. A Organização para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO) estima que o mundo tenha de cultivar 70% mais alimentos até 2050 só para acompanhar o crescimento populacional. Além disso, a mudança climática tornará grande parte das terras aráveis do mundo mais difíceis de cultivar. Os transgênicos, argumenta Zilberman, poderiam resultar em rendimentos maiores, crescer em terras secas e salinas, resistir a temperaturas baixas e elevadas, além de tolerar insetos, doenças e herbicidas. Apesar dessa promessa, grande parte do mundo tem proibido, restringido ou evitado os alimentos geneticamente modificados. Quase todo o milho e soja cultivados nos Estados Unidos são geneticamente modificados, mas apenas duas culturas transgênicas, o milho MON810 da Monsanto e a batata Amflora da BASF são aceitos na União Europeia, o n d e o i t o n a ç õ e s p r o i b i r a m o s transgênicos de vez. Na Ásia, inclusive na índia e na China, os governos ainda têm de aprovar a maioria das culturas geneticamente modificadas, inclusive um arroz resistente a insetos, que tem rendimento maior com menos pesticidas. Na África, onde milhões de pessoas passam fome, várias nações se recusaram a importar alimentos transgênicos, apesar de serem mais baratos (graças a rendimentos mais elevados e menor necessidade de água e pesticidas). O Quênia os proibiu completamente em meio a uma desnutrição generalizada. Nenhum país tem planos definidos para cultivar o a r r o z d o u r a d o, u m a v a r i e d a d e modificada para fornecer mais vitamina A que o espinafre (o arroz em geral não tem vitamina A), apesar de a deficiência dessa vitamina causar mais de 1 milhão de mortes por ano e meio milhão de casos de cegueira irreversível no mundo em desenvolvimento. Globalmente, apenas um décimo das lavouras do mundo inclui plantas geneticamente modificadas. Apenas quatro países - Estados Unidos, Canadá, Brasil e Argentina - cultivam 90% de todos os transgênicos do planeta. Outros países latino-americanos estão se afastando dessas plantas e até nos Estados Unidos as vozes que condenam os alimentos transgênicos estão se tomando mais fortes. Até o momento, pelo menos 20 estados estão considerando projetos de lei que obriguem produtores a informar a presença de organismos geneticamente modificados nos rótulos dos produtos. O temor que alimenta toda essa atividade tem uma longa história. O público tem estado preocupado com a segurança dos alimentos transgênicos desde que cientistas da University ofwashington desenvolveram as primeiras plantas de tabaco geneticamente modificadas nos anos 70. Em meados da década de 90, quando os primeiros produtos geneticamente modificados chegaram ao mercado, o Greenpeace, o Sierra Club, Ralph Nader, o príncipe C h a r l e s e v á r i o s c h e f s f a m o s o s assumiram posições que se destacaram contra eles. Na Europa, os consumidores ficaram particularmente alarmados: uma pesquisa realizada em 1997, por exemplo, determinou que 69% do público austríaco via sérios riscos em alimentos com organismos geneticamente modificados, em comparação com apenas 14% de

3 americanos. Na Europa, o ceticismo em relação aos transgênicos está vinculado há tempos a outras preocupações, como um ressentimento ao agronegócio americano. Não importa em que esteja baseada, a atitude europeia reverbera ao redor do mundo e influencia a política em países o n d e a s c u l t u r a s g e n e t i c a m e n t e modificadas poderiam trazer enormes benefícios. Na África, eles não se importam com o que nós, selvagens, estamos fazendo nos Estados Unidos ; declara Zilberman. Eles olham para a Europa e veem alguns países rejeitando os transgênicos, então também os rejeitam. As forças que combatem a modificação genética na Europa conseguiram apoio para o princípio da precaução, segundo o qual, dado o tipo de catástrofe resultante da liberação de uma cultura geneticamente modificada invasiva e tóxica no mundo, os esforços de desenvolvimento de transgênicos deveriam ser suspensos até que se prove que a tecnologia é absolutamente segura. Os pesquisadores médicos, no entanto, sabem que nada pode ser provado de modo realmente seguro. Só se pode descartar a possibilidade de risco significativo depois de muitos esforços infrutíferos para tentar encontrá-lo, como é o caso com as culturas de organismos geneticamente modificados. UMA FICHA LIMPA! A raça humana tem desenvolvido culturas seletivamente, alterando os genomas das plantas há milênios. Estritamente, o trigo comum é uma planta modificada pelo homem há muito tempo; ele não poderia existir fora das fazendas porque suas sementes não se dispersam. Há cerca de 60 anos os cientistas vêm utilizando técnicas mutagênicas para alterar o DNA de plantas com radiação e produtos químicos, criando linhagens de trigo, arroz, amendoim e pêras que se tornaram p r o d u t o s a g r í c o l a s d e p r i m e i r a necessidade. Essa prática suscitou pouca objeção de cientistas ou do público e não causou problemas de saúde conhecidos. A diferença é que a cultura seletiva ou técnicas mutagênicas tendem a resultar na troca ou alteração de grandes segmentos de genes. Comparativamente, a tecnologia para modificar geneticamente os organismos permite aos cientistas inserir no genoma de uma planta um único gene (ou alguns deles) de outra espécie de planta ou até de uma bactéria, de um vírus ou de um animal. Os defensores do método argumentam que essa precisão toma a tecnologia muito menos propensa a produzir surpresas. A maioria dos biólogos moleculares de plantas também alega que no caso altamente improvável de uma ameaça inesperada à saúde r e s u l t a r d e u m a n o v a p l a n t a geneticamente modificada, os cientistas a identificariam e a eliminariam rapidamente. Sabemos para onde o gene vai e podemos medir a atividade de cada gene isolado em torno dele, diz Goldberg. Podemos mostrar exatamente quais mudanças ocorrem e quais não. Além disso, embora possa parecer assustador acrescentar o DNA de um vírus a uma planta, na realidade isso não é grande coisa, afirmam os proponentes da técnica. Os vírus têm inserido seus DNAs em genomas de plantas, seres humanos e todos os outros organismos há milhões de anos e, enquanto fazem isso, eles muitas vezes também repassam os genes de outras espécies; razão pela qual o nosso próprio genoma está lotado de sequências genéticas que se originaram em vírus e espécies não humanas. Quando os críticos da modificação genética dizem que os genes não cruzam a barreira das espécies na natureza, isso é pura ignorância, diz Alan McHughen, geneticista molecular de plantas na University of Califórnia em Riverside. Pulgões de ervilhas, por exemplo, contêm genes de fungos. O triticale é um híbrido secular de trigo e centeio encontrado em algumas farinhas e cereais matinais. O próprio trigo é um híbrido entre espécies. ''A mãe Natureza faz isso o tempo todo, assim como os criadores convencionais de plantas, afirma McHughen. Será que o consumo de plantas

4 com genes modificados permitiria que um novo DNA penetrasse no nosso? Teoricamente é possível, mas altamente i m p r o v á v e l. O s c i e n t i s t a s n u n c a encontraram material genético capaz de sobreviver a uma viagem pelo intestino humano e penetrar em células. Além disso, estamos rotineiramente em contato, e até consumimos, os vírus e bactérias cujos genes acabam em alimentos com organismos geneticamente modificados. A bactéria B. thurinsiensis, por exemplo, que produz proteínas fatais para insetos, às vezes é empregada como um pesticida natural na agricultura orgânica. Temos comido essas coisas há milhares de anos, diz Goldberg. De qualquer modo, os defensores dos transgênicos dizem que as pessoas têm consumido trilhões de r e f e i ç õ e s c o n t e n d o i n g r e d i e n t e s geneticamente modificados nas últimas décadas e nem um único caso verificado de doença foi atribuído às alterações genéticas. Mark Lynas, um famoso ativista a n t i o r g a n i s m o s g e n e t i c a m e n t e modificados que em 2012 passou a apoiar publicamente a tecnologia, ressaltou que t o d o s o s d e s a s t r e s a l i m e n t a r e s conhecidos que fizeram manchetes foram atribuídos a culturas não modificadas, como os brotos de feijão orgânicos infectados por Escherichia coli que mataram 53 pessoas na Europa em O s c r í t i c o s f r e q u e n t e m e n t e menosprezam as pesquisas americanas sobre a segurança dos alimentos geneticamente modificados, muitas vezes financiadas ou até realizadas por empresas de produtos geneticamente modificados, como a Monsanto. Grande parte da pesquisa sobre esse assunto, no entanto, vem da Comissão Europeia, o órgão administrativo da União Europeia (DE), que não pode ser tão facilmente contestada como uma instituição ligada a qualquer indústria. A Comissão Europeia financiou 130 projetos de pesquisa realizados por mais de 500 equipes independentes sobre a segurança de organismos geneticamente modificados. Nenhum desses estudos encontrou quaisquer riscos específicos nas culturas transgênicas. Muitos outros grupos dignos de crédito chegaram à mesma conclusão. Gregory Jaffe, diretor de biotecnologia do Centro para a Ciência no Interesse Público, um grupo de vigilância do consumidor baseado na ciência, de Washington, D.C., tem o cuidado de frisar que o centro não tem uma posição oficial a favor ou contra no que diz respeito a m o d i fi c a r g e n e t i c a m e n t e p l a n t a s alimentícias. No entanto, ele insiste que o registro científico é claro: atuais culturas transgênicas são seguras para o consumo e podem ser cultivadas em segurança no ambiente. A Associação Americana para o Avanço da Ciência, a Associação Médica Americana e a Academia Nacional de Ciências apoiaram, sem reservas, as culturas de organismos geneticamente modificados. Além disso, o FDA, o órgão americano regulador de alimentos e medicamentos, e seus correspondentes em vários outros países, revisaram repetidamente grandes volumes de material de pesquisas e concluíram que as culturas transgênicas não representam ameaças excepcionais à saúde. Dezenas de estudos de revisão realizados por pesquisadores acadêmicos apoiam essa opinião. O s o p o n e n t e s d e a l i m e n t o s geneticamente modificados apontam para um punhado de estudos que indicam possíveis problemas de segurança; mas revisores desacreditaram quase todos esses relatórios. Um deles foi o estudo do bioquímico vegetal Árpád Pusztaí, de 1998, então no Rowett Institute, na Escócia, que concluiu que ratos a l i m e n t a d o s c o m u m a b a t a t a geneticamente modificada sofriam de crescimento atrofiado e mudanças relacionadas ao sistema imune. No entanto, essa batata não era destinada ao consumo humano, mas desenvolvida geneticamente para ser tóxica para fins de pesquisa. Posteriormente, o instituto considerou o experimento tão desleixado que refutou suas conclusões e acusou Pusztaí de má conduta. Não faltam histórias semelhantes.

5 Mais recentemente, uma equipe liderada por Gilles- Éric Séralini, pesquisador da Universidade de Caen, na Baixa Normandia, na França, constatou em um estudo que ratos que comiam um tipo c o m u m d e m i l h o g e n e t i c a m e n t e modificado contraíram câncer a uma taxa alarmante. Mas Séralini é um antigo ativista antiorganismos geneticamente modificados, e os críticos o acusaram de se basear em uma linhagem de ratos que desenvolvem tumores com excessiva facilidade, de não utilizar ratos suficientes, não incluir grupos de controle adequados e não informar muitos detalhes do experimento, inclusive os procedimentos da análise. Após uma revisão, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar rejeitou as conclusões do estudo. Várias outras agências europeias chegaram à mesma conclusão. Se os milhos geneticamente modificados fossem tóxicos, alguém já teria notado, diz McHughen. Séraliní foi refutado por todos os que se deram ao trabalho de comentar. Alguns cientistas dizem que as objeções aos transgênicos resultam de políticas em vez de ciência; que elas são motivadas por uma oposição a que as grandes multinacionais tenham uma influência enorme sobre a oferta de alimentos, e que invocar os riscos da modificação genética apenas constitui um jeito conveniente de agitar o público contra a agroindústria. Isso nada tem a ver com ciência, diz Goldberg. Isso é sobre ideologia. O ex ativista Lynas concorda. Recentemente ele chegou a ponto de rotular a multidão antiorganismos geneticamente modificados de um movimento explicitamente anticientífico. Existe um terreno intermediário nesse debate. Muitas vozes moderadas defendem a continuação da distribuição de alimentos com organismos modificados e n q u a n t o s e m a n t ê m o u a t é s e intensificam os teste de segurança de novas culturas transgênicas. Esses defensores são a favor de uma vigilância mais severa do impacto sobre a saúde e o ambiente dos organismos geneticamente modificados já existentes, mas não definiram culturas para um escrutínio especial, frisa, Jaffe do Centro para a Ciência no Interesse Público. C o m o s g o v e r n o s e o s consumidores atacando cada vez mais as culturas transgênicas, testes adicionais podem ser o compromisso que permitirá à raça humana se beneficiar das vantagens significativas dessas culturas.

6

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

Mesa de controvérsia sobre transgênicos

Mesa de controvérsia sobre transgênicos Mesa de controvérsia sobre transgênicos Transgênicos: questões éticas, impactos e riscos para a Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e o Direito Humano à Alimentação Adequada e Saudável Posição

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

Sumário Executivo. Contaminação transgênica global persiste

Sumário Executivo. Contaminação transgênica global persiste Sumário Executivo Este é o terceiro relatório Registros de Contaminação Transgênica (http://www.gmcontaminationregister.org), que analisa casos de contaminação, plantios ilegais e liberação de organismos

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

O público-alvo são meninas de 9 a 11 anos e o serviço faz parte do Calendário Nacional de Vacinação.

O público-alvo são meninas de 9 a 11 anos e o serviço faz parte do Calendário Nacional de Vacinação. Clipping Eletrônico Segunda-feira dia 09/03/2015 Portal Acrítica Saúde - 09 de março de 2015. Fonte: http://acritica.uol.com.br/manaus/prefeitura-disponibilizaravacina-hpv-ubss_0_1316868336.html Prefeitura

Leia mais

Plantas Transgênicas

Plantas Transgênicas Plantas Transgênicas Organismo geneticamente modificado (OGM): Transgênico Organismo que recebeu um ou mais genes de outro organismo e passa a expressar uma nova característica de especial interesse. DNA

Leia mais

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas MARIA HELENA BODANESE ZANETTINI - DEPARTAMENTO DE GENÉTICA, INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, UFRGS maria.zanettini@ufrgs.br A base

Leia mais

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo São os organismos que tiveram inseridos em seu código genético, genes estranhos de qualquer outro ser vivo Isolar o gene desejado, retirando-o da molécula de DNA

Leia mais

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino O que são OGM? Organismos que são manipulados geneticamente por técnicas de biotecnologia molecular com vista a introduzir-se ou suprimir-se

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Conhecimento feito por Jornalistas

Conhecimento feito por Jornalistas Conhecimento feito por Jornalistas Lugar de jornalista não é só no jornal. É nos livros também, principalmente quando eles colocam em prática sua capacidade de informar com precisão, profundidade e didatismo.

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais

ADN. Ficha de Trabalho. 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN?

ADN. Ficha de Trabalho. 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN? Pág 1 ADN Ficha de Trabalho 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN? R: As aplicações são efectuadas em: Medicina Forense, testes de ADN e Engenharia genética. 1- Quais as potencialidades

Leia mais

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio

Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz. Soja. Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio Universidade do Pampa campus Dom Pedrito Seminários Prof. Alicia Ruiz Soja Acadêmicos:Quelem Martins, Ricardo Carneiro, Renan Régio A soja (Glycine max (L.) Merrill) que hoje é cultivada mundo afora, é

Leia mais

A Era dos Mosquitos Transgênicos

A Era dos Mosquitos Transgênicos A Era dos Mosquitos Transgênicos Depois das plantas geneticamente modificadas, a ciência dá o passo seguinte - e cria um animal transgênico. Seus inventores querem liberá-lo no Brasil. Será que isso é

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

O que há de errado com os transgênicos

O que há de errado com os transgênicos O que há de errado com os transgênicos Especialistas em genética estão modificando formas de vida, alterando artificialmente os genes para produzir plantas e animais que nunca teriam existido em um processo

Leia mais

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante.

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. 32 Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. Os OGMs liberados no meio ambiente são regulados pelas agências

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil

Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil logo_ilsi_al... Gerenciando o Monitoramento Pós-Liberação o Comercial no Brasil O Ponto de Vista da Indústria Avaliação do Risco Ambiental de Culturas Geneticamente Modificadas Geraldo U. Berger, Ph.D.

Leia mais

As árvores transgênicas

As árvores transgênicas documento informativo - wrm Arvores Transgênicas Movimento Mundial pelas Florestas As árvores transgênicas Até agora o debate sobre os organismos geneticamente modificados- também chamados de transgênicos-

Leia mais

Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência

Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência Darwin, os transgêncios e a imunodeficiência Antônio Inácio Andrioli "No curso da evolução corretamente entendida não como um processo teleológico ou rigidamente determinado, mas como um processo que contém

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Melhoramento Genético

Melhoramento Genético Melhoramento Genético Cibele Lima Douglas de Alencar Matheus Paiva Silva Pablo Medeiros Pedro Vierira César Rogério Ayres Alves O melhoramento genetico é uma ciência utilizada para a obtenção de indivíduos

Leia mais

Breve Introdução sobre os OGM

Breve Introdução sobre os OGM DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO AGROALIMENTAR E RURAL DIVISÃO DE SANIDADE VEGETAL E SEGURANÇA ALIMENTAR Breve Introdução sobre os OGM O cultivo de variedades de milho geneticamente modificadas

Leia mais

Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras

Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras Um dos grandes problema agrários do Brasil é a sua estrutura fundiária: de um lado, um pequeno número de grandes proprietários de terras A distribuição das propriedades rurais O Instituto Brasileiro de

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

O que são os «OGM s»???

O que são os «OGM s»??? O que são os «OGM s»??? Em Portugal, como em toda a União Europeia, apenas está autorizada a libertação deliberada no ambiente para o cultivo do milho geneticamente modificado, ou como vulgarmente é denominado,

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1 Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias Rubens Onofre Nodari 1 O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

OGMs no Contexto da Agro-biotecnologia - Breve explicação científica / prática - Pedro Fevereiro psalema@itbq.unl.pt

OGMs no Contexto da Agro-biotecnologia - Breve explicação científica / prática - Pedro Fevereiro psalema@itbq.unl.pt OGMs no Contexto da Agro-biotecnologia - Breve explicação científica / prática - Pedro Fevereiro psalema@itbq.unl.pt www.cibpt.org Seminário Biotecnologia Uma Inovação na Agricultura Portuguesa Feira Nacional

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010.

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010. Apresentação desenvolvida pelas graduandas em Ciências Farmacêuticas: Ana Carolina Macedo Lima, Ariane Mugnano Castelo Branco, Caroline Cardoso Mendes Souza, Clarisse Danielli Silva Albergaria, Jéssica

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015)

EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) EXERCÍCIOS PARA O 8 ANO (2015) 1- A Fábrica Celular Células de bactérias (procarióticas) e células animais (eucarióticas), apresentam semelhanças e diferenças. a) Qual a estrutura presente em ambas que

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que Exercícios Evolução - parte 2 Professora: Ana Paula Souto Nome: n o : Turma: 1) Selecione no capítulo 7 duas características de defesa de plantas. a) DESCREVA cada característica. b) Para cada característica,

Leia mais

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos DIFUSÃO DA TECNOLOGIA DE CONTROLE BIOLÓGICO DE INSETOS - PRAGAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ENSINO FUNDAMENTAL II NO MUNICÍPIO DE AREIA - PB ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues

Leia mais

The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved.

The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved. The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved. Porquê estudar plantas? (TTPB1) Guião de Ensino Visão Geral As Plantas fornecem-nos oxigénio,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA

AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA Vamos destacar nessa apresentação a questão da reprodução do feijão, já que é uma espécie Neotropical (México, América Central), onde a maioria absoluta das espécies

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001

COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001 Para obter mais informações, entre em contato com: COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001 Michael Rubinstein (202) 862-5670 / m.rubinstein@cgiar.org Adlai J. Amor Mobile:

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

COMO AS TRADINGS E AGROINDUSTRIAS PROTEGEM VARIAÇÕES DE PREÇOS COM CUSTOS DE APENAS 01 2005/06). 2% A 3% DO VALOR PROTEGIDO?

COMO AS TRADINGS E AGROINDUSTRIAS PROTEGEM VARIAÇÕES DE PREÇOS COM CUSTOS DE APENAS 01 2005/06). 2% A 3% DO VALOR PROTEGIDO? AGROVISION Brasília Prof. Clímaco Cezar (climaco23@gmail.com) PROGRAMAS: AGRORENDA E PESAGRO AGRORENDA: O SEGURO DE RENDA MUITO BARATO PARA PROTEGER OS INTERESSES DOS AGRICULTORES E DESENVOLVER O AGRONEGÓCIO

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos

Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos Os impactos das plantas transgênicas no sistema de produção de alimentos ENTREVISTA Entrevista concedida a Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos Foto: Cláudio Bezerra Produtos geneticamente

Leia mais

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Capim-marmelada e leiteiro são exemplos de grandes problemas que aconteceram nas lavouras de soja no início dos anos 80. Nesta mesma década, foram

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL. Dra. Luciana Di Ciero. e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br

HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL. Dra. Luciana Di Ciero. e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br HISTÓRICO DA BIOSSEGURANÇA NO BRASIL Simpósio sobre biossegurança de Organismos Geneticamente Modificados Dra. Luciana Di Ciero Diretora Científica da ANBIO e-mail: ldiciero@esalq.usp.br www.anbio.org.br

Leia mais

Monitoramento de variedades geneticamente modificadas

Monitoramento de variedades geneticamente modificadas Monitoramento de variedades geneticamente modificadas As falhas da Comissão Européia em proteger seus Estados-Membro O Greenpeace acusa a Comissão Européia de expor seus Estados-Membro aos riscos irreversíveis

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

Alimentos transgênicos: mitos e verdades

Alimentos transgênicos: mitos e verdades Alimentos transgênicos: mitos e verdades Celeste Aparecida Pimentel Professora do Departamento de Ciências Humanas Campus VI UNEB celesteaparecidapei@yahoo.com.br Resumo Neste estudo apresento os alimentos

Leia mais

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Banco Mundial 24 maio 2012 O exército da Macedônia era brilhante enquanto liderado por Alexandre......mas o exército romano era

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA. 2011 Dannemann Siemsen. All rights reserved.

PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA. 2011 Dannemann Siemsen. All rights reserved. PROPRIEDADE INTELECTUAL NA BIOTECNOLOGIA PROPRIEDADE INTELECTUAL Constituição Federal Cláusula de Patentes LPI 9,279/96 INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial Patentes de Fármacos e químicos

Leia mais

A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico

A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico A tecnologia da transgênese e seu respaldo jurídico Dezidério Machado Lima 1 Resumo Com o advento de novas técnicas da engenharia genética, valores de cunho ético, religioso, econômico e jurídico foram

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO - sistematização de informações disponíveis visando identificar o perigo potencial e avaliar a possibilidade de exposição.

ANÁLISE DE RISCO - sistematização de informações disponíveis visando identificar o perigo potencial e avaliar a possibilidade de exposição. ANÁLISE E IMPACTOS DO PROTOCOLO DE CARTAGENA PARA O BRASIL 41 Deise M. F. Capalbo* A análise de risco é um processo comparativo que deve ser conduzido, caso a caso, com embasamento cientifico e por processo

Leia mais

Introdução à Bioinformática. Prof. IVAné@

Introdução à Bioinformática. Prof. IVAné@ Introdução à Bioinformática Prof. IVAné@ Bioinformática União da ciência da computação com a biologia molecular É uma área nova Há 10 anos atrás o termo nem existia Depois da descoberta de Watson e Crick

Leia mais

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 CÂNCER 1) O que é? 2) Como surge? CÂNCER 1) O que é? É o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado

Leia mais

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Localização Peru Chile Bolívia Paraguai Uruguai Argentina Passo Fundo, RS O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Embrapa Trigo Rodovia

Leia mais

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO ENCARNITA SALAS MARTIN * INTRODUÇÃO AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO Agrotóxicos, defensivos agrícolas, praguicidas, pesticidas ou biocidas, são denominações de substâncias químicas naturais ou

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Altera a Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005, que regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas

Leia mais

Transgênicos. Aspectos legais, éticos e de biossegurança. Victor Martin Quintana Flores

Transgênicos. Aspectos legais, éticos e de biossegurança. Victor Martin Quintana Flores Transgênicos Aspectos legais, éticos e de biossegurança Victor Martin Quintana Flores Plantas geneticamente transformadas Aspectos relevantes das plantas transgêncas aumento da produtividade das lavouras,

Leia mais

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT

Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Empregos verdes na agricultura Peter Poschen, OIT Conceito dos empregos verdes Setores de alto potencial Agricultura: problema ou solução? Empregos verdes na agricultura do Brasil Conclusões Muito mais

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS

TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE E TRANSGÊNICOS As décadas de 1970 e de 1980 marcaram as grandes transformações por que passaria a biologia com as descobertas da organização do funcionamento e da variação

Leia mais

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso

Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas. Paulo Augusto Vianna Barroso Definido o contexto: monitoramento pós-liberação comercial de plantas geneticamente modificadas Paulo Augusto Vianna Barroso Experimentação com OGM Regulada pela Lei de Biossegurança (11.105/2005) Experimentação

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

Produção, Natureza e Sociedade: equilíbrio em busca da segurança alimentar

Produção, Natureza e Sociedade: equilíbrio em busca da segurança alimentar VI Fórum Inovação, Agricultura e Alimentos Produção, Natureza e Sociedade: equilíbrio em busca da segurança alimentar Walter Belik Instituto de Economia - Unicamp São Paulo, 14 de outubro de 2014 em milhões

Leia mais

Rede de cientistas cria "guia" do DNA

Rede de cientistas cria guia do DNA Rede de cientistas cria "guia" do DNA Pacotão de estudos faz a análise mais completa do DNA Na maior série de descobertas sobre o DNA humano desde a realização do projeto genoma humano em 2003, 442 cientistas

Leia mais

Audiência Pública Nº 02/2007

Audiência Pública Nº 02/2007 Audiência Pública Nº 02/2007 Requerimentos da CIBio da Monsanto do Brasil Ltda. para liberação comercial de algodão geneticamente modificado: Processo n o 01200.004487/04-48 - Algodão MON 1445 Processo

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

Resistência a múltiplas doenças: Plantas resistentes a quais doenças?? Resistência mal manejada: Vulnerabilidade genética das plantas

Resistência a múltiplas doenças: Plantas resistentes a quais doenças?? Resistência mal manejada: Vulnerabilidade genética das plantas Por quê estudar MELHORAMENTO DE PLANTAS VISANDO RESISTÊNCIA A DOENÇAS?? Má distribuição de alimentos Resistência a doenças maior oferta de alimentos População brasileira: Trigo resistente à ferrugem Arroz

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA

MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA MICROPROPAGAÇÃO CULTIVO IN VITRO DE BROTOS DE BATATA A batata (Solanum tuberosum, família Solanaceae) é uma planta originária da região andina. No século XVI chegou à Europa onde, depois de vencer a resistência

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV O VÍRUS DO PÂNICO

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV O VÍRUS DO PÂNICO Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV Grupo alfa DIÁRIO DE SEMMELWEIS texto 1 O VÍRUS DO PÂNICO [Numeração tâmil

Leia mais

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 CÂNCER 1) O que é? 2) Como surge? CÂNCER 1) O que é? É o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Categorias do Controle Biológico e MIP Micro biológico Nutrição Vegetal Semio químicos Controle

Leia mais

BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO. Teste 5

BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO. Teste 5 BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO PROFESSORA: Isabel Dias N.º Classificação: Teste 5 1. Considere os seguintes processos usados para obtenção de organismos. I. Substituir o núcleo de

Leia mais

CHINA. Helio Jaguaribe. Instituto de Estudos Políticos e Sociais

CHINA. Helio Jaguaribe. Instituto de Estudos Políticos e Sociais CHINA Helio Jaguaribe Instituto de Estudos Políticos e Sociais Dados Gerais A China é o país mais populoso do mundo, com mais de 1 bilhão de habitantes, terceiro maior território nacional do mundo, com

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Seleção Artificial. "A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado".

Seleção Artificial. A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado. Biotecnologia Seleção Artificial Processo conduzido pelo ser humano de cruzamentos seletivos com o objetivo de selecionar características desejáveis em animais, plantas e outros seres vivos. "A seleção

Leia mais

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin A evolução das espécies A UU L AL A Chegamos à aula! Durante as aulas do telecurso, você viu vários temas relacionados com a Biologia: genética, botânica, zoologia, fisiologia, ecologia entre outros. Finalizaremos

Leia mais