Os impactos da economia digital na economia internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os impactos da economia digital na economia internacional"

Transcrição

1 Os impactos da economia digital na economia internacional Florencia Ferrer A ECONOMIA DIGITAL Vamos descrever alguns acontecimentos corriqueiros: Uma analista financeira em Nova Iorque observa problemas em um importante programa no qual trabalha. Antes de sair, ela envia uma mensagem de correio eletrônico a uma empresa afiliada na Índia, solicitando que o erro seja corrigido. O programador em Banglalore liga seu computador, conecta-se à estação de trabalho em Nova Iorque via satélite e, na manhã seguinte, o problema já está resolvido. O pagamento é então transferido eletronicamente de Nova Iorque para uma conta em Banglalore. (Kobrin,2002:319) Uma jovem na Alemanha compra um CD de uma loja de música virtual na França, efetuando download de um site da Web mantido na Índia. Utilizando seu cartão inteligente, ela efetua o pagamento com dinheiro eletrônico talvez em euros, talvez em dólares o qual ela deposita em um banco nas Ilhas Cayman. Em um trabalho conjunto, três arquitetos estão elaborando um projeto. Localizam-se em três países diferentes. Assinam o contrato via Internet e posteriormente realizam a atividade conjuntamente no servidor em um quarto país. O que implicam estas três atividades? Toda ou uma parte do processo de negócio foram realizados em um âmbito diferente aos conhecidos. Chamaremos a isso de ciberespaço. Podemos dizer que o ciberespaço é um novo espaço de transações que acontece na WEB, conformando-se como um mercado diferente de qualquer outro da História. Nenhum produto físico atravessou a fronteira geográfica, nenhum papel-moeda mudou de mãos. De fato, talvez não exista nenhum registro em papel dessas transações. Imaginemos agora as implicações econômicas, tributárias e políticas que a generalização desse tipo de transação poderá trazer para a sociedade contemporânea. Com esse novo espaço de transações que se concretiza - a Internet- conforma-se uma das bases do que denominamos Economia Digital. Chamamos Economia Digital à atividade de troca de informações e a realização de transações por meios eletrônicos nas funções envolvidas na cadeia de suprimento, na produção, na distribuição, em diversas formas de colaboração, no gerenciamento de processos de negócio e em algumas práticas governamentais. Podemos agora distinguir os processos que acontecem no ambiente digital: As operações envolvendo bens adquiridos pela Internet, mas cuja entrega se dá por meios nãoeletrônicos; As transações realizadas por meio da Internet envolvendo bens ou serviços cuja entrega se dá pela própria rede, de forma digital (Krakowiak, 2001:57; Receita Federal, 2003:5). 1

2 No primeiro conjunto, a Internet não adiciona novas complicações às colocadas pela reestruturação mais ampla da economia contemporânea. No segundo surgem novas dificuldades. Até agora a Economia Internacional referia-se a processos que aconteciam em espaços geográficos definidos e conhecidos. Com a consolidação da Economia Digital e o ciberespaço, onde ela se realiza, um novo espaço surge, diferente dos Estados Nacionais, diferente do mercado mundial que conhecíamos. Até agora, a localização de um ato econômico determinava a jurisdição da qual derivava boa parte da questão tributária. Com a Internet e o ciberespaço apresentam-se dificuldades para determiná-la. A questão tributária não é uma questão menor, ela é ainda um dos pilares nos quais se assentam vários processos que estruturam e organizam a Economia Internacional. Ela: 1. norteia boa parte das negociações internacionais; 2. ajuda a estruturar o comércio internacional; 3. tem importantes efeitos sobre os fluxos internacionais de capitais. Por essas razões é de central importância entender como a emergência e a consolidação da Economia Digital irão afetar as bases dos marcos de regulamentação vigente da Economia Internacional. Antes de avançar na análise, vamos mapear os principais aspectos da questão tributária. Podemos classificá-la em dois grandes blocos: tributação do consumo e tributação da renda. Localização do fato gerador. Domicílio fiscal e Estabelecimento permanente. Regulamentação adequada. Distinção entre bens e serviços QUESTÃO TRIBUTÁRIA CONSUMO Coleta de informações Supressão ou redução de intermediários Agentes de retenção Identificação de Sujeitos Intervenientes Entidade Agravamento Controle Preços de transferência RENDA Identificação e localização Sujeito interveniente Pessoa física ou jurídica Junto com os problemas de determinação de jurisdição aparece a dificuldade de localização do fato gerador. Daqui derivam os problemas para determinar domicílio fiscal e estabelecimento permanente. Como localizar o fato gerador de tributo? Como determinar o estabelecimento permanente, quando a transação foi realizada no ciberespaço? Uma página na Web instalada em um servidor pode constituirse em um estabelecimento permanente e com isso estável? Um outro problema que surge é conceitual. Nos eventos que descrevemos no começo do artigo, o ato gerador de tributos pode ser classificado de diferentes formas dependendo da legislação dentro da qual foi gerado. Estamos nos referindo principalmente a distinção entre bens e serviços. Eles são classificados de diferente forma em diferentes legislações. Um dos casos mais conhecidos é o dos softwares, em alguns países, quando são comprados em prateleiras são produtos, quando são obtidos por download são serviços. 2

3 Com isso temos o seguinte problema: se um determinado bem é produto em um país e serviço em outro, como tributar a transação internacional? Por outro lado, ainda está em discussão na OMC o tratamento ao download, que não é coberto pelo GATS. Um outro problema que afeta a questão tributária é o de coleta, tanto de informações como de tributos. Ela é dificultada pela crescente supressão ou redução dos sujeitos intermediários. O sistema tributário estava organizado a partir de uma série de agentes de retenção, quando estes são eliminados a coleta e recolhimento se vêem comprometidos. Por último, a identificação do sujeito interveniente se vê dificultada, visto que quando começam a entrar pessoas físicas como parte da cadeia, a coleta de informações se detém. Enquanto tributação de renda, o problema central é o dos Preços de Transferência. As primeiras iniciativas governamentais relativas à regulamentação de preços de transferência datam de 1929, nos EUA. A intenção era regular a manipulação de preços nas transações intercompanhias, como resposta às práticas empresariais que teriam como objetivo a redução da renda tributável. (Rosseto, 1998). A disseminação dessas práticas em outros países industrializados também pode ser apontada como fator determinante para que diversos governos da Europa adotassem medidas semelhantes. Mas só na década de 1990 é que o tema passou a fazer parte importante da agenda internacional, com a aceleração da internacionalização da economia. Por isso, a questão dos preços de transferência não é nada nova, embora com o desenvolvimento e expansão do comércio eletrônico, o problema se agrave bastante. O comércio eletrônico pode aumentar a complexidade da análise dos preços de transferência. O desenvolvimento de Intranets no âmbito de empresas multinacionais incentiva uma integração mais plena das operações dessas empresas, especialmente em termos de prestação de serviços. Isso torna ainda mais difícil para as administrações tributárias aplicar o princípio de arm s lenght, ou seja, encontrar transações entre empresas independentes compráveis àquelas realizadas entre empresas correlatas. O princípio arm s lenght não pode ser aplicado sem uma análise factual das atividades da empresa e da localização dessas atividades (localização do comprador e do vendedor, o que é dificultado com as operações eletrônicas). O problema é agravado pela existência de paraísos fiscais, os quais além de não tributarem ou subtributarem a renda das pessoas jurídicas, impedem que se identifiquem as pessoas físicas que se encontram por trás das referidas empresas, impossibilitando que aquelas sejam alcançadas pelo imposto de renda. A Internet torna mais fácil para as multinacionais transferir suas atividades para esses paraísos fiscais ou países com reduzida tributação, que podem ser geograficamente distantes de seus clientes, mas podem estar separados apenas por um clique do mouse, no ambiente virtual. 3

4 É bom lembrar que o aparecimento de paraísos fiscais tampouco é um fenômeno novo, tendo alcançado proporções consideráveis durante a década de De acordo com um estudo da receita Federal do ano de 1994, os chamados paraísos fiscais, que representavam 1,2% da população mundial e 3% do PIB mundial, detinham 26% dos ativos e eram responsáveis por 31% dos lucros líquidos das companhias multinacionais norte-americanas, embora ali trabalhassem apenas 4,3% dos seus funcionários (Receita Federal, 2001). De fato, a definição da jurisdição do fato econômico fica mais tênue nas operações on-line, tornando-se mais difícil a identificação de origem e destino da transação. A arrecadação tributária no mundo é construída no entendimento de que cada Estado tem o direito de decidir por si próprio em quanto coletar de impostos da população e das empresas dentro das fronteiras. Muitos países têm acordos tributários bilaterais com o objetivo de evitar a dupla tributação, sendo o elemento central para isso a determinação do estabelecimento permanente local de negócios fixos por meio do qual as transações de uma empresa são realizadas no todo ou em parte. Uma empresa que se dedique ao comércio eletrônico, ou que tenha uma etapa virtual na cadeia, só pode ser localizada por seu domínio. No entanto, a correspondência entre o nome do domínio e o local onde a atividade é empreendida é tênue. Sem uma identificação precisa dos contribuintes, é difícil tributar as operações. Se for possível identificar o contribuinte, mas não sua localização física no mundo, haverá a possibilidade de disputas jurisdicionais entre administrações tributárias. Somente a jurisdição onde ocorre a transação é facultada de tributar a renda da firma fornecedora de bens e serviços. É crescente a mobilidade de empresas e de certos tipos de profissionais especializados. Empresas ou pessoas operando na Internet podem mudar toda parte de sua cadeia ou podem mudar para países de baixa tributação ou paraísos tributários. Nesses casos, dois problemas se colocam: a dificuldade de se controlar e fiscalizar as receitas e lucros, via preços de transferência, na etapa virtual da cadeia de produção, freqüentemente domiciliada em um paraíso fiscal. Como dizia, essa prática não é um problema novo, mas com a expansão do comércio eletrônico o problema se agrava bastante. Companhias multinacionais podem crescentemente operar como organizações globais, com times de funcionários trabalhando por todo o mundo, remetendo projetos para os escalões inferiores e superiores por meio da Internet ou de Intranets. Isso dificultará as autoridades tributárias para que atribuam a atividade econômica ou o valor agregado a uma particular localização física. No passado, presumia-se que a companhia tinha obrigações tributárias em um país se tivesse um "estabelecimento permanente" ali. Porém, até o momento, não é claro se a presença de um servidor ou de um website qualifica essa presença. O velho método de descobrir onde a diretoria da companhia se reúne para estabelecer sua localização pode não mais funcionar, porque essas reuniões são cada vez mais conduzidas via satélite ou por intermédio da Internet. (Receita Federal, 2001) Por último, a questão tributária e principalmente as alíquotas de Imposto de Renda domésticas influenciam as decisões de investidores internacionais relativas ao local onde aplicar seus recursos. O maior impacto é o do Imposto de Renda sobre pessoas jurídicas, que podem induzir saídas de capital. Desde já, isso está relacionado à localização em paraísos fiscais. 4

5 Mas todas essas dificuldades derivam exclusivamente da emergência e consolidação da Internet? Como venho desenvolvendo em outros trabalhos (Ferrer F e 2000), a tecnologia dificilmente pode ser responsabilizada pela construção de processos sociais, econômicos e políticos. Muitos autores consideram que o desenvolvimento tecnológico obedece a uma lógica autônoma à da sociedade. Dessa forma, a Economia digital seria resultante exclusivamente do desenvolvimento da Internet e dos seus suportes técnicos. Vamos desenvolver uma outra explicação do processo. UM POUCO DE HISTÓRIA Quais são as bases da Economia Digital? Quais os desafios que o capitalismo enfrentou para ter construído esse tipo de resposta? Podemos dizer que três processos confluíram para configurar as características da Economia Digital: 1) A evolução da tecnologia da informação; 2) Um processo de longa data de internacionalização dos mercados; 3) Os processos de reestruturação das empresas para enfrentar a crise de rentabilidade da década de ECONOMIA DIGITAL REDES DE EMPRESAS INTERNACIONALIZAÇÃO DOS MERCADOS PROCESSO TECNOLOGICO O desenvolvimento e a incorporação de Tecnologia da Informação TI aos processos de negócio e a integração de suas diferentes etapas são buscas antigas das organizações. A evolução da automação nos processos de negócio pode ser enfocada em cinco processos: na década de 1950, as máquinas de comando numérico; na década de 1960/70, os controladores de processos; na década de 1980, articulação entre a automação e a monitoração do processo produtivo, na década de 1990, a integração flexível de sistemas, no início deste século o aumento qualitativo e quantitativo da conexão eletrônica entre os sistemas integrados das empresas. Paralelamente, as formas de comunicação eletrônica entre empresas começaram se desenvolvendo a partir dos sistemas EDI Electronic Data Interchange na década de 1980, e no fim da década de 1990 se intensificou com o advento da rede pública, que é a Internet. Figurativamente, podemos dizer que os sistemas EDI são redes particulares nas quais devo construir as ruas e estradas para entrar em contato com os outros. 5

6 A Internet é uma rede aberta na qual posso usar vias públicas para entrar em contato com os outros. Daqui derivam boa parte das condições de generalização da integração de negócios por este meio. O que até aqui descrevemos conformaria um dos tripés (a base técnica) da Economia Digital, mas sempre lembrando que o desenvolvimento das formas de comunicação eletrônica respondeu a um outro processo, não tecnológico e sim econômico, organizativo e social, que explicaremos a seguir. Na década de 1970 e diante da profunda crise de rentabilidade que as empresas enfrentaram, uma série de estratégias foi elaborada para sair dessa situação. Para restabelecer essa rentabilidade, as empresas multinacionais desagregaram seu sistema produtivo em diferentes regiões e estabeleceram vínculos de subcontratação na periferia do capitalismo. (Arrighi, 1997) Como parte desse processo, o comércio mundial, com uma forte base de intercâmbio interfirmas, cresceu muito mais rapidamente que os mercados internos de cada país. Com isso, a possibilidade de regular o crescimento escapou cada vez mais aos governos nacionais. Esse processo acelerou ainda mais a crise estrutural do sistema (Ferrer F. 2000). A fragmentação internacional do processo produtivo atingiu vários objetivos: reduzir custos de produção; fugir das regiões de fortes conflitos sociais e políticos 1 ; usufruir em condições mais favoráveis das vantagens comparativas de cada local. Esses processos potencializam a crise da empresa integrada verticalmente. A forma organizativa em rede já vinha acontecendo em diferentes circunstâncias (Ferrer, F. 2000), mas com esses novos fatores, o empurrão para torná-la a forma dominante estava dado. A Rede Coordenada de Empresas é a forma organizacional que as grandes corporações assumem, reunindo empresas de diferentes tamanhos e estruturas em um mesmo projeto empresarial, configurando-se como a forma organizacional das cadeias produtivas globais, recortando e anexando a uma mesma estratégia componentes diferenciados de escala e especialização, tendo em comum o elo construído pela empresa coordenadora da rede. (Ferrer, F. 2000: 6) Um dos desdobramentos da Economia Digital, o comércio eletrônico entre empresas, vem facilitar e consolidar a estrutura em rede que até agora vinha se desenvolvendo, uma vez que facilita notavelmente o intercâmbio de informações entre empresas. Por isso, facilita a fragmentação e posterior articulação dos processos de negócio. Simultaneamente a esses processos descritos, veio se desenvolvendo a internacionalização dos mercados, tendência inerente ao desenvolvimento do capitalismo. 1 Com isso, foi fragmentado o poder dos trabalhadores e conseqüentemente foi debilitada sua capacidade de negociação. 6

7 Podemos dizer que o capitalismo passou por quatro etapas de internacionalização dos mercados. Internacionalização Estados Nacionais SXIX-1914 Economia Internacional Economia Globalizada Bordeless Economy A primeira etapa iria desde fins do século XIX até a Primeira Guerra Mundial. Os Estados nacionais teriam nessa etapa condição de soberania econômica: emissão da moeda, definição da taxa de câmbio e controle de intercâmbios alfandegários. Foi uma internacionalização a partir dos Estados Nação, com soberania econômica e intercâmbio internacional de produtos 2. A segunda etapa compreenderia o período que vai desde o fim da Segunda Guerra até a década de De fato, no período entre guerras houve um impasse no processo de internacionalização, pelo que retiramos esse período do processo de internacionalização. O período é o momento da consolidação do modelo de produção em massa, com a conseqüente expansão internacional da sua base. Nessa época, as empresas multinacionais começam a operar em uma verdadeira base mundial, localização plurinacional de suas atividades, de seus ciclos inteiros de produtos, incluídas as dimensões comerciais e financeiras, utilizando as diferenças nacionais para otimizar equipamentos e maximizar sua produção. Nessa etapa não se pode falar simplesmente de intercâmbio de produtos finais, visto que as empresas estabelecem um tecido de intercâmbio mundial. Na fase de expansão do capitalismo do pós-guerra, a enorme quantidade de lucros gerada, articulada ao consumo de massa, foi em parte investida na produção. Como ocorrera no final da década de 1920, período também marcado pela crise, ao cessar a expansão, permaneceu um excessivo investimento na produção. Para equilibrar-se, o capitalismo reduziu salários e mão-de-obra. Conseqüentemente, diminuiu o volume da produção. Ou seja, o processo de acumulação ajustou-se em um patamar inferior. Em meados da década de 1960, os ganhos de produtividade começaram a decair na maioria dos ramos industriais dos países capitalistas desenvolvidos. Os aumentos reais de salário prosseguiam, impulsionados pela crescente capacidade de mobilização e combatividade dos assalariados. Nessas condições, as taxas de lucro das empresas começaram a decair. Como conseqüência, também decaíram os investimentos. 2 A produção mundial cresceu quatro vezes entre 1800 e 1913, e o comércio mundial, trinta. (Ferrer Aldo, 2000: 362). 7

8 As greves e mobilizações das décadas de 1960 e 70 frearam a tentativa dos empresários de fazer com que os trabalhadores pagassem a conta da crise. 3 Diante da crise de rentabilidade, as empresas aumentavam os preços, que pelos acordos assinados, aumentavam os salários. Isso acelerava a espiral inflacionária que acompanhou a crise, incrementando o poder de atração de atividades especulativas, o que de fato começou na década de Todo o equilíbrio do modelo (fordismo) estava sendo questionado pelo esgotamento interno do sistema. Esse modelo exigia uma regulação dentro de cada Estado Nação, visto que o Estado era a peça chave equilibradora dos conflitos. Uma vez que a economia acelerou sua internacionalização, a vulnerabilidade externa somou fatores desestruturantes. Até esse momento um aumento do poder aquisitivo em um país fordista tinha como conseqüência o aumento na demanda das empresas desse país. Com a internacionalização, o sistema se desestabiliza, pois o aumento da demanda pode ser satisfeito por meio de importações. Por isso, a aceleração na expansão dos processos produtivos em direção aos países periféricos e semiperiféricos acelerou a crise do sistema. A terceira etapa iria desde a crise da década de 1970 até o começo da década de Diante da crise de rentabilidade, e como assinalamos nas páginas anteriores, as empresas multinacionais desagregaram seu processo de negócio e não só produtivo. A novidade é que se generaliza algo que era esporádico: a fragmentação do processo de negócio se dá simultaneamente a um aumento do controle e concentração, mas dissociados da propriedade generalização da terceirização e da subcontratação. Cada um dos subprocessos configura-se como uma atividade empresarial independente, mas nãoautônoma; por isso, afirmo que se aumenta a integração, relacionada ao controle do processo de negócio, mas a dissociando da propriedade. Essa é uma das razões que nos levam a afirmar que as redes de empresas se adaptam perfeitamente aos requerimentos do capitalismo contemporâneo, uma vez que permitem relacionar controle sem propriedade e, por isso, de associar integração e fragmentação do processo de negócio. Retomando o antes exposto, vários dos problemas que parecem ser originados pela emergência da Internet residem neste processo que estamos descrevendo. A supressão e redução dos agentes intermediários se aceleram com a digitalização do controle da cadeia de suprimentos, mas o problema se origina nestes processos organizacionais que descrevemos. A mesma coisa acontece com a identificação dos sujeitos intervenientes: a dificuldade se origina na fragmentação do processo de negócio dissociada da propriedade. Por último, a dificuldade de regulamentar e fiscalizar os preços de transferência reside também nessa nova modalidade organizativa, acelerada pela digitalização do processo. 3 No início desse processo, o mundo ocidental foi varrido por uma série de manifestações de contestação. O movimento de maio de 1968, na França, adquiriu um valor emblemático, da mesma forma que as mobilizações no campus universitário de Berkeley, nos Estados Unidos. Logo em seguida veio a crise dos anos 70, agravada pela crise do petróleo, combustível estratégico da economia contemporânea. Ademais, como estávamos assinalando, amplos setores da classe operária organizada e mobilizada não permitiram as reduções de salário que o capital pretendia fazer. Ver Ferrer, Florencia,

9 CRISE DOS ANOS 70: BASES DA ECONOMIA GLOBALIZADA Considero que a década de 1990 pode ser considerada o começo de uma nova etapa a que chamamos de Borderless Economy. 4 As principais características seriam: a criação do ciberespaço, resultante tanto dos processos tecnológicos como da reestruturação organizacional que descrevemos; a crescente internacionalização da atividade econômica com uma nova base de fragmentação/concentração/dissociação da propriedade; um notável aumento dos fluxos comerciais e investimento direto estrangeiro, expressão dos processos descritos; liberalização do comércio, desregulação dos serviços de massa e do mercado financeiro; consolidação de diversos fóruns supranacionais, como espaços de negociação e regulamentação. 4 Tomamos esta definição de Renato Ruggiero. 9

10 A desregulação do mercado financeiro, facilitada pelo uso da TI, leva a uma clara conexão deste setor. A desregulação dos grandes serviços internacionais de massa, como telecomunicações, transporte aéreo e marítimo, turismo, entre outros, gera um mercado que até a década de 1990 tinha características nacionais 5. Por outro lado, os notáveis avanços nas tentativas de regulamentação supranacionais, resumidas nos trabalhos da OMC e pelo incremento dos tratados regionais. A criação da OMC representa a tentativa real de criação de instâncias supranacionais de regulamentação da economia internacional 6. CONCLUSÕES: VELHOS PROBLEMAS NOVAS SOLUÇÕES Com o antes exposto, quisemos explicitar as causas dos problemas que enfrentamos a partir da emergência da Economia Digital. Diagnosticar corretamente um processo nos ajuda a encontrar com maior precisão soluções e caminhos a seguir, daqui a necessidade de desmistificar tanto causas como conseqüências tecnológicas, desvinculadas de processos econômicos, políticos e sociais. A tecnologia sempre é um instrumento, um meio e como tal devemos tratá-la. Muitas das dificuldades de regulamentação da Economia Digital derivam de velhos problemas, um dos principais é a regulamentação da ação das empresas transacionais. Vários anos atrás, Luiz Olavo Baptista se referia ao problema. "Símbolo do calendário do ano tripartite, adotado pelos gregos, a Quimera tinha cabeça de leão, corpo de cabra e posterior de serpente, o que fez tornar-se sinônimo de impossibilidade lógica, de utopia. Assim também é a regulamentação da empresa transnacional no quadro das relações internacionais, tais como as vemos hoje." (Baptista, 1987 : 15) Como ele desenvolve, a empresa transnacional não tem personalidade jurídica própria. Ela é composta de certo número de subsidiárias e tem uma ou mais sedes, constituídas em diversos países, de acordo com a legislação local que lhes dá personalidade jurídica e, por isso, nacionalidade. Por essa razão, ele conclui que sob o prisma estritamente jurídico-positivo não existe empresa transnacional. Mas por outro lado, ela atua sim com unidade de ação, subordinando a ação local a sua estratégia global de negócio. Dessa forma, a dificuldade de regulamentação dos preços de transferência - uma velha preocupação, agravada agora com a virtualização de partes do processo a ser controlado reside neste poder nas mãos das corporações: serem as detentoras do controle do processo de negócio, alocando segundo as melhores condições de realização cada subprocesso. A transnacionalização da economia, protagonizada por empresas multinacionais, acompanhando a conformação de um mercado mundial de mercadorias e serviços exige uma tentativa de regulamentação do mesmo alcance. A Economia Digital é já no seu nascimento um processo internacional, por isso a maior parte das respostas aos problemas que ela origina derivarão de negociações internacionais. 5 Na maioria dos países, acabaram os monopólios nacionais que controlavam esses serviços, provocando uma mudança profunda. 6 Com falou numa palestra a Profa. Vera Thorstensen...a OMC é a primeira instituição que tem dentes, referindo-se ao que ela pode punir a quem não seguir as regras, tendo dessa forma capacidade de ação real, a diferença da OIT ou outras organizações supra-nacionais. 10

11 O novo espaço que surge com a Internet o chamado ciberespaço deve ser regulamentado a uma forma diferente à do comércio internacional, uma vez que muda alguns dos princípios nos quais se assentava. É muito difícil fazer com que a Internet respeite barreiras geográficas, dessa forma os processos que nela acontecem respondem a outra lógica, diferente à que determinava a economia internacional até agora. As transformações no mundo econômico levam a grandes mudanças no mundo jurídico, por isso a regulamentação até agora vigente sofre alguns impactos que levam à necessidade de intensificar as discussões nos diferentes fóruns supranacionais. Em última instância, o problema que enfrentamos é o da desconexão entre a lógica do espaço geográfico e a lógica de funcionamento do ciberperspaço. Muito temos a fazer, muito temos ainda para entender. BIBLIOGRAFIA ALBERTIN, Alberto Luiz, 2002, Comércio Eletrônico, Editora Atlas, São Paulo. ARAUJO, José Tavares, 2001, Trade and Competition in B2B Markets, Trade Unit of Organization of American States. ARRIGHI, Giovanni, 1997a, O longo século XX, Unesp, São Paulo. BAPTISTA, Luiz Olavo, 1987, Empresa Transnacional e Direito, Editora Revista dos Tribunais, São Paulo. CASTELLS, Manuel, CARNOY Martin, COHEN Stephen & CARDOSO Fernando Henrique, 1993, The New Global Economy in the Information Age, Penn State Press, USA. CASTELLS, Manuel, 2001, The Internet Galaxy, Oxford Books, Grã Bretanha. COHEN, Stephen, 2000, Tools for Thought: Whats Is New and Important About the E-Conomy, BRIE Working Papers, DEARING, Brian, 1990, The Strategic Benefits of EDI, The Journal of Business Strategy, jan-fev. 1990: 4-6. DUPAS, Gilberto, 20001, Ética e Poder na Sociedade da Informação, Editora Unesp, São Paulo. FARIAS, Pedro, 2001, Electronic Goverment: the Brazilian Policy, III Global Forum, Napoles, Italia. FERRER, Aldo, 2000, Historia de la Globalización II, Fondo de Cultura Económica, Buenos Aires. FERRER, Florencia, 1998, Reestruturação Capitalista. Caminhos e descaminhos da Tecnologia da Informação, Moderna, São Paulo. FERRER, Florencia, 2000, A Teia Não virtual. A Organização em Rede e o Capitalismo Contemporâneo, Tese de Doutorado, FFLCH/USP, São Paulo. FORRESTER Report, The, 2000, Forrester Research Inc. USA. GOLDSTEIN, Andrea & O CONNOR, David, 2000, E Commerce for development: prospect and policy issues. OCDE, GOVERNMENT OF USA, 2001, A Framework for Global Electronic Commerce, GRECO, Marco Aurélio & SILVA MARTINS, Ives Gandra, 2001, Direito e Internet, Editora Revista dos Tribunais, São Paulo. Grupo de Trabalho Novas Formas Eletrônicas de Interação, 20/09/2000, Proposta de Política de Governo Eletrônico para o Poder Executivo Federal, Ministério de Planejamento. 11

12 HELLERSTEIN, Walter & SHACKENLFORD Francis, 2001, (12/09) University of Georgia School of Law, ELECTRONIC COMMERCE AND THE CHALLENGE FOR TAX ADMINISTRATION, paper apresentado no United Nations Ad Hoc Group of Experts on International Cooperation in Tax Matters in Genebra, Suíça. KRAKOWIACK, Leo & KRAKOWIACK, Ricardo, 2001, Tributação Aduaneira e Problemas Jurídicos Decorrentes da Informatização do Comércio Exterior, em Direito e Internet, Editora Revista dos Tribunais, São Paulo. MANN, Catherine, 2000a, Global Electronic Commerce, Institute for International Economics, Washington. MATTOO, Aaditya & SCHUKNECHT, Ludget, 2001, Trade Policies for Electronic Commerce, World Bank, OCDE, 1999, The Economic and social Impact of Electronic Commerce, Paris, OCDE, RECEITA FEDERAL, 2201, Estudos de Direito Tributário. Tributação do Comércio Eletrônico, ROSSETO Vicente, 1998, Preços de Transferência: comentários a Lei N o /96, RUGGIERO, Renato, Revista General de la Evolución del entorno comercial internacional, 15/11/2002. SILVA JUNIOR, Ronaldo Lemos da & WAISBERG, Ivo, organizadores, 2001, Comércio Eletrônico, Instituto dos Advogados de São Paulo, São Paulo. TAPSCOTT, Don, 2000, Economia Digital, Makron Books, São Paulo. U.S. DEPARTMENT OF COMMERCE, 2000, Digital Economy 2000, economics and Statistics Administration, VENTURA, Luiz Henrique, 2001, Comércio e contratos eletrônicos, EDIPRO, São Paulo. RESEÑA BIOGRAFICA Florencia Ferrer é doutora em Sociologia Econômica pela USP. É pesquisadora associada do CAENI Centro de Altos Estudos das Negociações Internacionais- da USP, onde realiza trabalhos sobre Economia Digital. Publicou Reestruturação Capitalista. Caminhos e descaminhos da Tecnologia da Informação pela Editora Moderna. 12

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica

o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica o GUIA COMPLETO da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica sumário >> Introdução... 3 >> Nota fiscal eletrônica: o começo de tudo... 6 >> Nota fiscal de consumidor eletrônica (NFC-e)... 10 >> Quais as vantagens

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br 1. Introdução O advento dos microprocessadores disseminou a informática a tal ponto

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

BPOS GUIA DE REFERÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL. 12 de abril de 2010

BPOS GUIA DE REFERÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL. 12 de abril de 2010 BPOS GUIA DE REFERÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL 12 de abril de 2010 Página 1 de 11 A Microsoft Informática Ltda. ( Microsoft Brasil ), subsidiária brasileira da Microsoft Corporation solicitou ao escritório

Leia mais

Tributação no cenário internacional: Um olhar sobre o Comércio Eletrônico

Tributação no cenário internacional: Um olhar sobre o Comércio Eletrônico Tributação no cenário internacional: Um olhar sobre o Palestrante Patrícia Maria Ruivo Rocha Secretaria da Receita Federal II Seminário de Política Tributária Brasília Junho / 2005 Sociedade da Informação

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aulas 3 e 4 Administração da Empresa Digital Parte I Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Qual é o papel

Leia mais

CURSO DE DATAWAREHOUSE TRABALHO FINAL

CURSO DE DATAWAREHOUSE TRABALHO FINAL CURSO DE DATAWAREHOUSE TRABALHO FINAL GRUPO I &- COMMERCE 1 REVISÃO 2 1/6/2000 Foram revistos os itens : Introdução Problemas e soluções propostas REVISÃO 3/4 19/6/2000 E 27/04/2000 versão final Foram

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA

ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA ESTABELECENDO UM NEGÓCIO NOS EUA Escritórios de Advocacia Zara 111 John Street, Suite 510, New York, NY 10038 Tel: 1-212-619 45 00 Fax: 1-212-619 45 20 www.zaralawny.com 1 Introdução A recente queda do

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL

MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL Fatores que tornam o sistema tributário regressivo Fatores que potencializam a evasão fiscal Mitos são assim: alguém cria, outros repetem e os demais acreditam e passam adiante.

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO O termo globalização surgiu no início dos anos 80, nas grandes escolas de administração de empresas dos Estados Unidos (Harvard, Columbia, Stanford, etc.), como referência às oportunidades de

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 BRIGANTI ADVOGADOS é um escritório brasileiro de advogados, de capacidade e experiência reconhecidas, que nasce com um propósito distinto. Nosso modelo de negócio

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

BEPS, na perspectiva dos países não desenvolvidos

BEPS, na perspectiva dos países não desenvolvidos BEPS, na perspectiva dos países não desenvolvidos VI Congresso Internacional de Direito Tributário Internacional Instituto Brasileiro de Direito Tributário IBDT São Paulo, 19 de agosto de 2015 Everardo

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO. BLOG: www.boscotorres.com.br EMAIL: bosco.torres@hotmail.com. 3. Globalização 1

GLOBALIZAÇÃO. BLOG: www.boscotorres.com.br EMAIL: bosco.torres@hotmail.com. 3. Globalização 1 GLOBALIZAÇÃO CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. 3. Globalização 1 SUMÁRIO Globalização

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais

MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais MBA Gestão de Negócios, Comércio e Operações Internacionais Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 24/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

HARMONIZAÇÃO FISCAL: COMPETIÇÃO OU COORDENAÇÃO NOS PAÍSES DO MERCOSUL

HARMONIZAÇÃO FISCAL: COMPETIÇÃO OU COORDENAÇÃO NOS PAÍSES DO MERCOSUL Banco Interamericano de Desenvolvimento Departamento de Integração e Programas Regionais Divisão de Integração, Comércio e Programas Hemisféricos HARMONIZAÇÃO FISCAL: COMPETIÇÃO OU COORDENAÇÃO NOS PAÍSES

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

PACOTE DE ACELERAÇÃO BRASIL

PACOTE DE ACELERAÇÃO BRASIL PACOTE DE ACELERAÇÃO BRASIL Entendemos que, quando você entrar no complexo ambiente legal e tributário brasileiro, você precisa de um suporte confiável e do conselho dos melhores especialistas em cada

Leia mais

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1: FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES 1 Os sistemas de informação (SI) utilizam hardware, software, redes de telecomunicações, técnicas de administração de dados computadorizadas e outras formas de

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce

Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce Capítulo 3 Sistemas de E-Commerce 3.1 Fundamentos do Comércio Eletrônico Introdução O comércio eletrônico é mais do que a mera compra e venda de produtos online. Em lugar disso, ele engloba o processo

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 11 Sistemas de E-business Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob licença Creative Commons

Leia mais

Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros

Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ desnacionalização bancária No final

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Inovação tecnológica na reforma do setor público: o sistema eletrônico de aquisições

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO O investimento direto estrangeiro tornou-se, desde o inicio de 90,

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO

VISÃO GERAL DO CAPÍTULO CAPÍTULO 8.I Sistemas de e-commerce VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O propósito deste capítulo é descrever e apresentar os componentes básicos do processo de sistemas de e-commerce, e explicar importantes tendências,

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil

O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil Tendências e Estratégias do AgroDistribuidor Matheus Alberto Cônsoli, PhD 29 de Julho de 2013 www.agrodistribuidor.com.br

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton

www.portaldoaluno.info GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton GERENCIAMENTO EM TI Professor: André Dutton 1 BASES TECNOLÓGICAS Direcionadores do uso de tecnologia da informação. Uso de Tecnologia da Informação nas organizações. Benefícios do uso de Tecnologia de

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

Soluções com valor estratégico

Soluções com valor estratégico Soluções com valor estratégico Contexto O ambiente económico e empresarial transformou-se profundamente nas últimas décadas. A adesão de Portugal à U.E., a adopção do euro e o mais recente alargamento

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

1.4. A Política Económica na era da globalização:os grandes desafios e restrições

1.4. A Política Económica na era da globalização:os grandes desafios e restrições POLÍTICA ECONÓMICA E ACTIVIDADE EMPRESARIAL Licenciaturas em Economia e em Gestão 1. O contexto histórico e teórico da Moderna Política Económica 1. O contexto histórico e teórico da Moderna Política Económica

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Relatório Global sobre os Salários 2012/13

Relatório Global sobre os Salários 2012/13 Relatório Global sobre os Salários 212/13 Salários e crescimento equitativo Organização Internacional do Trabalho Genebra Principais tendências nos salários A crise continua a refrear os salários Em termos

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 La crisi globale e il feticcio della regolamentazione nell esperienza europea e in quella del Sud America. Flávio Bezerra

Leia mais

Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem?

Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem? Le Monde diplomatique edição portuguesa, II Série, n.º 60 (Outubro) Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem? Ricardo Paes Mamede Economista, co autor do blog Ladrões de Bicicletas (ladroesdebicicletas.blogspot.com)

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil?

Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil? 74 Por que é tão Difícil se Promover uma Reforma Tributária mais Ampla no Brasil? 23.10.1997 Fala-se em reforma tributária no Brasil, no entanto se avança tão pouco ainda, se comparada às necessidades

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia XIX Simpósio Transnacional de Estudos Científicos Aracaju 21 de Setembro de 2009 Prof. Dr. Antony Mueller UFS Soberania do Estado

Leia mais

Inteligência Competitiva e Tecnológica

Inteligência Competitiva e Tecnológica Inteligência Competitiva e Tecnológica Gilda Massari Coelho, Lúcia Regina Fernandes, Cícera Henrique da Silva, Vera Lúcia Maria Lellis A globalização constitui uma chave essencial para explicar os fenomênos

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais