FERRAMENTAS PARA RACIONALIZAÇÃO DE ALARMES: APLICAÇÃO EM PROJETO DE UMA UNIDADE DE REFINO DE PETRÓLEO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERRAMENTAS PARA RACIONALIZAÇÃO DE ALARMES: APLICAÇÃO EM PROJETO DE UMA UNIDADE DE REFINO DE PETRÓLEO"

Transcrição

1 FERRAMENTAS PARA RACIONALIZAÇÃO DE ALARMES: APLICAÇÃO EM PROJETO DE UMA UNIDADE DE REFINO DE PETRÓLEO Luciano André Farina TriSolutions Soluções em Engenharia Ltda Santiago Sosa González TriSolutions Soluções em Engenharia Ltda Abstract Alarm Management is nowadays a reality in Brazilian industry, which looks for safety and reliability operations. This work characterize in few word the Alarm Management cycle, dealing some available tools that can help alarm rationalization, available in DCSs, but underused in industry reality. There are also presented some assumptions used in an alarm rationalization project developed in an oil refinery process unit. Resumo O Gerenciamento de Alarmes é hoje uma realidade na indústria brasileira, que busca operações seguras e confiáveis. Este trabalho descreve sucintamente as etapas com compõem o ciclo do Gerenciamento de Alarmes e apresenta uma série de ferramentas disponíveis para a racionalização de alarmes em uma unidade industrial, descrevendo os princípios e utilidades de diversas ferramentas comumente disponíveis no sistema de controle que são subutilizadas. Apresenta-se ainda uma série de premissas assumidas na racionalização de alarmes em uma unidade de refino de petróleo. Palavras chaves: Gerenciamento de Alarmes; Racionalização; Segurança Operacional; Norma ANSI/ISA Introdução O principal objetivo do gerenciamento de alarmes (GA) é otimizar o trabalho dos operadores de unidades industriais que utilizam sistemas de supervisão e controle de processos, tipicamente SDCD (Sistema Descentralizado de Controle Digital). Retomando o conceito de que um alarme deve ser um Sinal audível e/ou visível indicativo do mal funcionamento de um equipamento ou processo ou condição anormal que requer uma resposta (norma ANSI/ISA-18.2), busca-se aumentar a segurança e confiabilidade operacional. Alguma discussão sobre em que direção anda a segurança de um processo com a adição de novos alarmes pode ser verificada em (Pinto e Farina, 2007). Este trabalho traz algumas das ferramentas disponíveis para que o GA, em sua etapa de racionalização, seja efetivo no seu objetivo. Com base em uma aplicação típica, em um projeto de Racionalização em uma unidade de uma refinaria de petróleo, são apresentados casos onde se busca trazer inteligência ao sistema de alarmes. 2 Etapas do Gerenciamento de Alarmes Segundo abordagem da norma ANSI/ISA-18.2 (Management of Alarm Systems for the Process Industries, a ser publicada ainda em 2009), o ciclo que constitui o gerenciamento de alarmes é composto por filosofia de trabalho, gerenciamento de mudanças, monitoramento e auditoria e avaliação, como ilustra a figura 1. De forma semelhante o problema é abordado por outras normas, como a EEMUA 191, e a Namur NA 102.

2 Figura 1. Ciclo de vida do Gerenciamento de Alarmes segundo a norma ISA SP18.02 Para definir a filosofia de trabalho, é necessário um documento corporativo, que guie todas as ações e objetivos do GA, sendo este fundamental para o desenvolvimento das atividades. Dentro da refinaria onde o trabalho foi executado já estava estabelecido, sendo utilizado prévia e simultaneamente em outros projetos, servindo de base para a racionalização dos alarmes. As etapas corretivas devem envolver identificação de problemas, racionalização, projeto e implementação de soluções, e treinamento dos envolvidos, um bom sistema de gerenciamento de mudanças, que deve rastrear periódica e automaticamente qualquer alteração realizada no que tange o sistema de alarmes, garante o sucesso da etapa. O monitoramento dos alarmes deve ser realizado utilizando um software capaz de avaliar o sistema e gerar relatórios, permitindo a operação, treinamento, manutenção e melhoria contínua do sistema. No projeto realizado o software de GA foi o BR-AlarmExpert, desenvolvido por uma parceria entre Petrobras e UFRN, mas o mesmo serviço pode ser realizado com outros aplicativos. As funcionalidades do software podem ser conferidas em Leitão et. al (2009). A avaliação do sistema de gerenciamento de alarmes como um todo garante a melhoria contínua do processo de GA, fechando o ciclo que o constitui, conforme a Figura 1. 3 Ferramentas para a Racionalização de Alarmes Dentro das etapas do GA, a Racionalização de Alarmes se caracteriza por integrar as definições do documento corporativo de filosofia com as ferramentas disponíveis nos sistemas da empresa, dentre as quais se destaca o SDCD. Devem-se conhecer as potencialidades do sistema quanto à configuração e tratamento de alarmes. Embora os sistemas mais modernos de controle estejam andando na direção de tornar a programação de blocos configuráveis pelo usuário cada vez mais simples (ao contrário dos antigos sistemas com linguagens proprietárias para qualquer criação de lógicas no sistema), sempre que possível deve-se utilizar as ferramentas inerentes ao sistema, principalmente pela confiabilidade. Como exemplo, podemos programar um alarme em alguns SDCDs modernos utilizando um código em VBA (Visual Basic for Applications), o que nos permite personalizar cores, animações e sons, por exemplo, para apresentação do evento ao operador, porém o uso do bloco de alarmes nativo do sistema é otimizado para a função, trabalhando da melhor forma, e tendo sido exaustivamente testado pelo fabricante, logo, configura a melhor opção. Esta mesma discussão pode ser levantada para qualquer customização, sejam definição de alarmes, controladores ou qualquer outra função desejada. Nos itens a seguir são descritos os tipos de alarmes e ferramentas disponíveis no SDCD adotado pela unidade onde o projeto foi desenvolvido e uma série de premissas assumidas no projeto que permitiram a otimização dos trabalhos buscando a racionalização.

3 3.1.Tipos de alarmes nativos do SDCD Analisando configurações nativas para alarmes no SDCD adotado pela unidade onde o projeto foi conduzido, foram definidos e analisados na etapa de racionalização os seguintes tipos de alarmes, configuráveis para cada variável de processo: HI / LO Alarme absoluto: variável apresenta um valor maior (HI) ou menor (LO) que o recomendado para a operação estável do processo, caracterizando uma condição de anormalidade. HIHI / LOLO Alarme de trip: caso transcorrer um determinado tempo após o alarme de HI ou LO e as ações corretivas não surtirem o efeito de normalização das condições indesejadas, em alguns casos será ativado um alarme de HIHI ou LOLO indicando atuação automática do sistema de segurança da unidade (trip total ou parcial). Apenas em casos específicos de grandes máquinas, ocorrem alarmes de HIHI e LOLO, que não são vinculados a trip. PVBAD Alarme de valor inconsistente: indica que o transmissor enviou um sinal fora da faixa esperada (fora dos limites de 4 a 20 ma, por exemplo), e neste caso a indicação no painel não é verdadeira. Em todos os casos, quando alguma automação é associada ao transmissor, a falha do tipo PVBAD deve levar o controle para a condição segura, definida caso a caso. DVHI / DVLO - Desvio de setpoint: indica que há um desvio da variável de processo em relação ao setpoint do controlador. Este tipo de alarme é especialmente indicado, no sentido de evitar alarmes espúrios, na substituição de alarmes absolutos quando a variável em questão é controlada e seu setpoint é variável no tempo. DISCREP Alarme de discrepância: indica que dois ou mais sinais que deveriam apresentar valores coerentes entre si, não estão respondendo de acordo com o esperado. Utilização em larga escala nos alarmes de diferença entre comando de um controlador para uma válvula e a posição real da mesma e nos alarmes de inconsistência entre instrumentos que deveriam indicar o mesmo valor (mesma variável, medida no mesmo ponto por instrumentos redundantes). FALHA Falhas de atuação/comando: indica que há uma diferença entre o estado do elemento final de controle (válvula ou motor) e o comando que foi enviado a estes. STATUS Alarme ou evento de status: indica que determinado status de um elemento, normalmente discreto, foi atingido. Como na maior parte dos casos o status é apenas a confirmação de que uma ação do operador teve sucesso, as mensagens normalmente são configuradas como eventos, e não alarmes. 3.2 Ferramentas do SDCD referentes ao sistema de alarmes Várias ferramentas nativas do SDCD permitem um melhor desempenho do sistema de alarmes, porém por desconhecimento da importância das funcionalidades e dos ganhos potenciais com o uso destas acaba por subutilizar. Segue uma descrição breve de algumas destas ferramentas. FILTROS: caso houver suspeita que o sinal esteja causando ruído um filtro pode eliminar oscilações falsas do transmissor e assim reduzir a quantidade de alarmes. Deve ser implementado com cuidado, uma vez que qualquer filtro insere um atraso temporal na medição. A figura a seguir ilustra o uso de filtros em uma variável com possível redução de alarmes de processo.

4 Figura 2. Uso de filtro para redução de alarmes espúrios BANDA MORTA: é muito indicada em variáveis de valores analógicos que flutuam através do ponto de alarme por várias vezes, logo para ser útil, a banda morta deve ser maior do que o ruído ou variação do sinal. A figura a seguir ilustra o uso de banda morta em uma variável de processo. Figura 3. Uso de banda : a diferença entre os pontos de alarme (ALM) e de retorno ao normal (RTN) evita alarmes espúrios ao operador na variável de processo (PV) ON DELAY: um alarme somente será ativado caso a variável de processo permaneça acima (ou abaixo, no caso de alarme de valor baixo) do valor configurado para alarme por mais tempo do que o valor do filtro estabelecido. Bastante útil para evitar, por exemplo, alarmes de corrente alta em partida de motores. Figura 4. Uso de On Delay para evitar alarmes espúrios

5 OFF DELAY: filtro implementado para a desativação do alarme, ou seja, quando uma variável de processo volta a seu estado normal, o alarme somente será desativado caso este permaneça neste estado por mais tempo do que valor do filtro estabelecido. SUPRESSÃO AUTOMÁTICA: automaticamente, baseado em lógicas de projeto, prevenir uma ativação de alarmes para o operador quando uma condição de alarme acontece. Como exemplo, pode-se suprimir um alarme de vazão e pressão baixas quando uma bomba, a montante desta, é desligada. ECLIPSE DE ALARMES: quando uma condição do tipo HIHI ou LOLO é alcançada, o respectivo alarme de HI ou LO pode ser suprimido automaticamente, despoluindo a tela de sumário de alarmes. 3.3 Premissas assumidas no projeto para racionalização de alarmes Uma série de premissas foi assumida durante o projeto com vistas a agilizar, esclarecer e documentar o processo de racionalização dos alarmes da unidade em estudo. Algumas das principais premissas são descritas a seguir Alarmes em indicadores: Alarmes de PVBAD em indicadores onde a variável medida possui alarme tipo HI e/ou LO foram configurados com prioridade BAIXA. Eventos tipo PVBAD de indicadores que não possuíam outro alarme foram configurados como EVENTOS. Alguns casos específicos foram avaliados individualmente Figura 5. Exemplo de indicador com alarme de processo (HI) Alarmes em malhas de controle Nos casos que o setpoint da malha é variável no tempo, foi preferida a configuração de alarmes de desvio (DVHI e/ou DVLO) à configuração de alarmes de valor absoluto (HI e/ou LO). Quando o sinal da variável de processo de uma malha de controle apresenta falha (PVBAD) a malha passa para manual. Caso a malha participe de uma configuração em cascata como escrava, a malha mestra também passa para manual, caso o instrumento em falha participe da cascata como mestre, o escravo da malha passa para modo automático. Todo tag de controlador teve configurado o alarme de PVBAD, sendo avaliada caso a caso a Criticidade.

6 . Figura 6. Exemplo de alarmes em malha de controle Alarmes de sinais discretos Para este tipo de sinal não foi utilizado alarme de PVBAD. Os alarmes de posição de válvula ON/OFF foram configurados como LOG, sendo definidas as mensagens de alarme como ABERTA ou FECHADA. Figura 7. Exemplo de alarmes em válvulas ON/OFF Alarmes de intertravamento (ou trip) Os alarmes do tipo HIHI e LOLO são utilizados para indicação de alarmes de trip, total ou parcial. Todos alarmes de intertravamento possuem um alarme precedente (HI para HIHI ou LO para LOLO), no mesmo ponto de medição mas em um conjunto sensor/transmissor independente, conforme prega a norma N2595. No exemplo a seguir, temos o instrumento A com alarme de temperatura alta, e o instrumento B com alarme de valor muito alto, indicando algum trip na unidade.

7 Os valores de HI e HIHI são configurados com uma folga suficiente para que o operador possa impedir o evento de intertravamento. Figura 8. Exemplo de alarmes de trip por temperatura alta. Os alarmes de intertravamento são todos configurados em um sistema de segurança independente, impedindo assim edição indevida de valores críticos de processo pela operação. A atuação de um intertravamento envia o sinal de atuação por uma chave, assim o operador e o sistema de alarmes são informados do evento. De outra forma, os alarmes de HI ou LO são configurados no SDCD, sendo passíveis de edição por usuários autorizados. No exemplo ilustrado, a variável B é também configurada com alarme do tipo HI. Esta configuração garante o alarme de processo mesmo que o instrumento A esteja em manutenção. Para evitar alarmes redundantes, o sistema foi projetado para que qualquer um dos alarmes de HI atuado suprima o outro. Da mesma forma, o Eclipse de alarmes garante que a atuação do trip (HIHI) suprima automaticamente qualquer alarme de HI nos instrumentos A ou B Alarmes de discrepância em elementos finais de controle Para os elementos finais de controle que possuem posicionadores inteligentes (todos na unidade em estudo), para uma válvula de controle são definidos alarmes de discrepância entre o valor enviado pelo sistema de controle (OUT do FIC, no exemplo) e a posição real do elemento (FZIT no exemplo) quando eles diferirem de um determinado percentual. Os eventos foram configurados como LOG, com aviso na tela (FALHA VÁLVULA) ao lado do elemento de controle, indicando que é necessária manutenção no sistema. A figura a seguir ilustra uma malha de controle onde se tem a válvula com posicionador inteligente, possibilitando a configuração de um alarme de discrepância. Figura 9. Sistema de controle com válvula com posicionador inteligente, possilitando a configuração de alarme de falha na válvula Alarmes de discrepância em indicadores redundantes Caso dois instrumentos que medem a mesma variável em um mesmo ponto de operação indiquem valores diferentes, é acionado um alarme de discrepância. Para efeito de configuração o alarme é definido para uma diferença superior a 10% do range do instrumento. A estratégia para configuração do alarme de discrepância consiste em enviar o sinal de todos os instrumentos para um bloco de cálculo que tem como saída a maior diferença absoluta entre cada um dos valores de cada instrumento e a mediana de todos os instrumentos. No caso de PVBAD em algum dos instrumentos, o mesmo não é considerado no cálculo da mediana. A figura a seguir ilustra o caso genérico deste tipo de configuração.

8 Figura 10. Alarme de discrepância em sistema com medições redundantes Alarmes de falha de comando: São acionados quando o operador ou alguma automação/intertravamento estiver enviando um comando para um elemento final e, após um intervalo de tempo determinado, o elemento permanecer na condição inversa ao comando. Este tipo de alarme é utilizado para válvulas de bloqueio/alívio e bombas que não possuem variador de freqüência. No exemplo da figura abaixo, a válvula XV pode ser atuada pelo comando do painel XHS ou pelo PES (sistema independente de segurança e intertravamento), através do IS04. Caso seja dado o comando de abertura da válvula e ela permaneça fechada, é acionado o alarme de falha de comando (tipo FALHA). O mesmo ocorre caso o comando de abertura não seja enviado e a válvula, por algum motivo, permaneça aberta. Figura 11. Alarme de falha de comando em válvula 4 Conclusão O trabalho apresentou conceitos básicos referentes às etapas que compõem o Gerenciamento de Alarmes, enfocando as atividades que permitem o desenvolvimento da racionalização. Verifica-se que os Sistemas Digitais de Controle Descentralizado possuem uma série de ferramentas que auxiliam a otimização do sistema de alarmes, estas, porém, muitas vezes são subutilizadas. O desperdício das funcionalidades do SDCD não é calculado por falta de conhecimento a respeito dos retornos potenciais, principalmente no que diz respeito a segurança e confiabilidade de informações.

9 Com as premissas apresentadas, verifica-se que o conceito inicial de que a racionalização de alarmes veio apenas para reduzir alarmes começa a fazer parte do passado. O foco da abordagem é trazer qualidade aos alarmes, propiciando a otimização da produção pelos operadores. Referências Bibliográficas ANSI/ISA Management of Alarm Systems for the Process Industries, 2009 EEMUA Publication 191. Alarm Systems: A Guide to Design, Management and Procurement., 1999 G.P.B. Leitão; A. Pifer; J.R.S. de Araújo, L.A. Guedes, K. Saito e L. Aquino. Sistema para análise e otimização de alarmes em plantas petroquímicas, Petro&Química, n o 313, 2009, pg PETROBRAS. Comissão de Normas Técnicas. N-2595: critérios de projeto e manutenção para sistemas instrumentados de segurança em unidades industriais, Pinto, L.D. e Farina; L.A. SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ALARMES EM UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA, ISA Show, 2007

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação EEMUA 201 GUIA DE DESIGN PARA INTERFACES HUMANAS OPERACIONAIS Versão adaptada do guia original publicado pela Associação de Usuários de Equipamentos e Materiais de Engenharia. Ricardo Schäffer Resumo -

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

Faça-Fácil: Bloco de Alarmes do ifix

Faça-Fácil: Bloco de Alarmes do ifix Faça-Fácil: Bloco de Alarmes do ifix As tags de alarmes do ifix, DA (Digital Alarm) e AA (Analog Alarm), são dedicadas à manipulação dos alarmes da aplicação. Elas apresentam campos adicionais de configuração

Leia mais

SIMULADOR DE OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESENVOLVIDO EM EXCEL

SIMULADOR DE OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESENVOLVIDO EM EXCEL SIMULADOR DE OPERAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DESENVOLVIDO EM EXCEL Gilson Vaz de Oliveira Gerente de Engenharia da EPC Automação Ltda. A simulação de situações reais evoluiu muito desde as primeiras aplicações,

Leia mais

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA Controle disponibilizado pela solução da Elipse Software contribuiu para que a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos - COGERH

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO Projeto Hospital UNIMED - RIO Construído em uma área de 30 mil m² o Hospital UNIMED RIO foi inaugurado em Dez / 2012 O Hospital tem como seus principais

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - DEFINIÇÕES SISTEMA É uma disposição, conjunto ou coleção de partes conectadas ou relacionadas de tal maneira a formarem um todo. Pode ser físico, biológico, econômico, etc. CONTROLE Estuda como agir sobre um dado

Leia mais

Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2)

Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2) Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2) Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo 1. Documentos

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Sensores e atuadores (continuação)

Sensores e atuadores (continuação) AULA 05: Sensores e atuadores (continuação) OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3:

Leia mais

CR20PW. Manual do Usuário

CR20PW. Manual do Usuário CR20PW Manual do Usuário R Índice Termostato eletrônico com saída controlada CR20PW... 3 Descrição Geral... 3 Características Técnicas... 3 Modo de Operação... 4 Programação... 4 Esquema de ligações...

Leia mais

3.ª Prática Controle (PID) DE VAZÃO EM UMA TUBULAÇÃO da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo

3.ª Prática Controle (PID) DE VAZÃO EM UMA TUBULAÇÃO da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo 1 3.ª Prática Controle (PID) DE VAZÃO EM UMA TUBULAÇÃO da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Fazer o controle (PID) de Vazão em uma Tubulação na planta

Leia mais

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11

Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Motores Energia Automação Tintas Sistema Multibombas Controle Móvel CFW-11 Manual de Aplicação Idioma: Português Documento: 10000122732 / 01 Manual de Aplicação para Sistema Multibombas Controle Móvel

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM DIGITRACE NGC-40 O NGC-40 é um avançado sistema modular

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto

STATUS CHECK. Visão Geral do Produto STATUS CHECK Visão Geral do Produto Soluções em Monitoramento da Condição Sistema StatusCheck 2.4GHz 2 Visão Geral do Sistema StatusCheck : O Status Check monitora os parâmetros de vibração e temperatura

Leia mais

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s MICROMASTER MM4 Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline USANDO O CONTROLE DE MALHA FECHADA NO MM4 O que é controle de malha fechada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo

Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Pirâmide da automação 29/1/2012. Controle automático de processo Processos industriais INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Controle automático de processo Processos Contínuos: são aqueles que possuem saídas contínuas como, por exemplo, processos de geração de energia. Processos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

CR20C. Manual do Usuário

CR20C. Manual do Usuário CR20C Manual do Usuário Descrição Geral Controlador para ar condicionado CR20C O CR20C é um controlador digital microprocessado de baixo custo e de fácil programação e instalação. O seu avançado software

Leia mais

Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital.

Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital. Calibração em Instrumentação Pneumática, Analógica, Eletrônica e Digital. Estruturada na confiabilidade. A TORR Service Center está estruturada para a manutenção na área de automação industrial e possui

Leia mais

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS "SCADA"

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS SCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE. Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de:

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE. Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de: INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS SISTEMAS DE CONTROLE Introdução Na maior parte das aplicações, um sistema de controle e composto de: a) Um medidor, que reage as variações da variável controlada;

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Aplicação do Software Proficy ifix como padrão de software supervisório nos 48 Terminais da TRANSPETRO existentes em todas as regiões do Brasil

Aplicação do Software Proficy ifix como padrão de software supervisório nos 48 Terminais da TRANSPETRO existentes em todas as regiões do Brasil Testes Definidos por Software Saber Eletrônica 436 Software para testes de próteses de válvulas cardíacas Saber Eletrônica 433 Softwares de Supervisão www.mecatronicaatual.com. br/secoes/leitura/786 AutoCad

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Presys Instrumentos e Sistemas

Presys Instrumentos e Sistemas Versão Especial Controle da média de três entradas. Setpoint programável de 32 pontos ativado pela entrada digital. Alarme de fim de ciclo. Solicitante Responsável: Depto.: As informações contidas nesta

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

Gerenciamento e Monitoramento On-line / Manutenção Preditiva em Válvulas on/off & Válvulas de Emergência

Gerenciamento e Monitoramento On-line / Manutenção Preditiva em Válvulas on/off & Válvulas de Emergência Gerenciamento e Monitoramento On-line / Manutenção Preditiva em Válvulas on/off & Válvulas de Emergência P09 Metso Ricardo Pestana Ferraz Engenheiro de Produto FCO/Valve Controls BL ricardo.ferraz@metso.com

Leia mais

¹ Logique Sistemas Rua Monte Sinai, 1920 Natal,RN,Brasil

¹ Logique Sistemas Rua Monte Sinai, 1920 Natal,RN,Brasil GERENCIAMENTO DE ALARMES: EXPERIÊNCIAS E RESULTADOS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO GUSTAVO LEITÃO¹, LUIZ AFFONSO GUEDES², KAKU SAITO³, MAURICIO FERREIRA QUÉLHAS 4, ANDRÉ LUCENA DE ALMEIDA 5 ¹ Logique Sistemas

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE

CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE CONCEITOS BÁSICOS DE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL - ENG3501 PROFª. LETÍCIA CHAVES Conceitos básicos de Instrumentação 1 INTRODUÇÃO 1.1 Histórico 1.2 Elementos de uma Malha de Controle

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser configurados e instalados em modo redundante Disponibilidade

Leia mais

!"#$%"&'("%)*&+$%,#-.") /-.%"0%".+11'(")!23456*)

!#$%&'(%)*&+$%,#-.) /-.%0%.+11'()!23456*) !"#$%"&'("%)*&+$%,#-.") /-.%"0%".+11'(")!23456*) Apresentação Dados técnicos Interface Homem-Máquina Descrição Funcional Apêndices 1 Apresentação O Controlador CDL035E foi especialmente projetado para

Leia mais

Tipos de controladores e funcionamento

Tipos de controladores e funcionamento Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ141- INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS custo Malhas Outros Processos de controle: de Separação Tipos de controladores e funcionamento

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto Aplicação da Preditiva on-line Como Ferramenta para o Aumento da Disponibilidade e Confiabilidade dos Equipamentos Rotativos em uma Empresado Ramo Petrolífero Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO SCAI Automação Ltda. INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL PRESSÃO VAZÃO GRANDEZAS

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks

Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks Diego de Oliveira Potapczuk teewe Serão apresentadas as soluções desenvolvidas pela teewe sobre a plataforma do Navisworks,

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO IBRATEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO IBRATEC IBRATEC www.sibratec.ind.br MANUAL DE INSTRUÇÕES AOB508-G21 CONTROLADOR DE TEMPERATURA E PROCESSO 1 - INTRODUÇÃO O AOB508-G21 é um controlador digital de grandezas de alta precisão que pode ser utilizado

Leia mais

MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO

MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO MANUAL DE USO DO COMUNICADOR INSTANTÂNEO GEINFO Gerência de Tecnologia da Informação E-mail geinfo@sejus.ro.gov.br Página 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ACESSANDO O SPARK... 4 3 INICIANDO UMA CONVERSAÇÃO...

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. COMO CRIAR UM ELEMENTO DE DETECÇÃO DE ARCO VOLTAICO RÁPIDO E SELETIVO, UTILIZANDO ELEMENTOS DE SOBRECORRENTE E INTENSIDADE LUMINOSA Eduardo Zanirato / Geraldo Rocha Resumo - O guia apresenta a lógica para

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

Objetivo: Orientar sobre o passo a passo de comissionamento rápidos do inversor Micromaster 440

Objetivo: Orientar sobre o passo a passo de comissionamento rápidos do inversor Micromaster 440 Micromaster 440 Comissionameto rápido Bruno Firmino- 24/03/2014 Objetivo: Orientar sobre o passo a passo de comissionamento rápidos do inversor Micromaster 440 Aviso: Este documento apresenta dicas e exemplos

Leia mais

Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja

Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja Gerenciamento Inteligente do Sensor O Gerenciamento Inteligente do Sensor, ou simplesmente ISM, é uma tecnologia digital para sistemas analíticos

Leia mais

Referência de cores Fiery

Referência de cores Fiery 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 11 de junho de 2014 Conteúdo 3 Conteúdo Introdução à referência de cores

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

!"#$%&!'()*'+,-'*./+0)*1(23'.423*'5*'3066,-'. #/7".#78./9:;.<=4/>.

!#$%&!'()*'+,-'*./+0)*1(23'.423*'5*'3066,-'. #/7.#78./9:;.<=4/>. !"#$%&!'()*'+,-'*./+0)*1(23'.423*'5*'3066,-'. #/7".#78./9:;.. Apresentação Geral Dados técnicos Sinais de Entrada e Saídas 1 Apresentação Geral A LINHA de Controladores CDL035 foi especialmente projetada

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

Wander Samuel Maass. Edson Basquiroto ORIENTADOR NA EMPRESA. Antônio Carlos Tavares SUPERVISOR NA FURB

Wander Samuel Maass. Edson Basquiroto ORIENTADOR NA EMPRESA. Antônio Carlos Tavares SUPERVISOR NA FURB AUTOMAÇÃO DE UM FORNO PARA TRATAMENTO DE CHAPAS COM CONTROLE VIA CLP E SISTEMA SUPERVISÓRIO RIO Trabalho de Estágio Supervisionado WEG INDÚSTRIAS LTDA. DIVISÃO AUTOMAÇÃO Wander Samuel Maass ACADÊMICO Edson

Leia mais

Transmissor ATLAS DVA UHF Estado-Sólido da HARRIS.

Transmissor ATLAS DVA UHF Estado-Sólido da HARRIS. Transmissor ATLAS DVA UHF Estado-Sólido da HARRIS. Esta nova série de transmissores, com potências variando entre 2,5 e 30 KW, revoluciona o mercado de transmissão UHF e já entra no Brasil com algumas

Leia mais

CONTROLADOR DIGITAL Multi-Loop. smar

CONTROLADOR DIGITAL Multi-Loop. smar CONTROLADOR DIGITAL Multi-Loop 5 INTRODUÇÃO O CD600 é um poderoso controlador digital de processos, capaz de controlar simultaneamente até malhas de controle, com até 8 blocos PID e mais de 20 blocos de

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo GE Digital Energy Power Quality Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo 2 Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo Conjuntos de Manobra em Paralelo A ligação em paralelo é uma operação,

Leia mais

Comunicado à Imprensa

Comunicado à Imprensa Industry 4.0 Página 1 de 6 Beckhoff na Hanover Messe: Hall 9 Stand F06 Indústria 4.0 Fórum: Controle baseado em PC como base tecnológica para aplicações em fabricas inteligentes Com o Indústria Integrada

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Guia de instalação, operação e manutenção do sistema de monitoramento de poços ECR. Cuidados

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO

Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO A globalização hoje se estende no mundo em todos os seus setores e mais do que nunca na indústria mundial, seja

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ATIVOS. Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação

GERENCIAMENTO DE ATIVOS. Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação GERENCIAMENTO DE ATIVOS Como usar as informações das Redes Profibus e Profinet para Diagnósticos e Manutenção de Equipamentos de Automação DIRETRIZ SUA AUTOMAÇÃO TEM INTELIGÊNCIA? SEU SISTEMA ENTREGA INFORMAÇÃO?

Leia mais

!"#$%"&'("%)*&+$%,#-.") /-.%"0%".+11'(")!234562)

!#$%&'(%)*&+$%,#-.) /-.%0%.+11'()!234562) !"#$%"&'("%)*&+$%,#-.") /-.%"0%".+11'(")!234562) Apresentação Dados técnicos Interface Homem-Máquina Descrição Funcional Apêndices 1 Apresentação O Controlador CDL035D foi especialmente projetado para

Leia mais

Quadro de Comando 24V SMD CAN ISO 9001. 32 bits. A modernização necessária para seu elevador! 240m/min. Até 48. Componentes. Alimentação.

Quadro de Comando 24V SMD CAN ISO 9001. 32 bits. A modernização necessária para seu elevador! 240m/min. Até 48. Componentes. Alimentação. Quadro de Comando Componentes SMD Processador 32 bits Alimentação 24V Até 48 Comunicação CAN pavimentos Velocidade até Apenas conexões* 240m/min 27 Empresa com Duplex, Triplex e Quadriplex ISO 9001 A modernização

Leia mais

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br

S ] Striai S indu o SS proce estão para g engenharia e S de S integrada [ Soluçõe nevesdobrasil.com.br [ Soluções integradas de Engenharia e Gestão para Processos Industriais ] [ apresentação ] A NEVES DO BRASIL Fundada em 2008 com sua unidade matriz em Americana (SP) a Neves do Brasil busca fornecer soluções

Leia mais

SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I

SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I SOFTWARE ELIPSE E3 AUTOMATIZA AS USINAS TERMELÉTRICAS TERMOMANAUS E PAU FERRO I Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para automatizar os equipamentos e processos envolvidos na geração de

Leia mais

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial Gerenciamento de software como ativo de automação industrial INTRODUÇÃO Quando falamos em gerenciamento de ativos na área de automação industrial, fica evidente a intenção de cuidar e manter bens materiais

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO

PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO RESUMO PROJETO PIMS DO PÁTIO DE MINÉRIOS UMA PODEROSA FERRAMENTA DE APOIO À MANUTENÇÃO Riberte Dias de Souza riberte.souza@arcelormittal.com ArcelorMittal Tubarão Edílson Jose Machado Correia edilson.correia@arcelormittal.com

Leia mais

1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo

1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo 1 1.ª Prática Componentes da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Conhecer os instrumentos e equipamentos industriais. 2. Conhecer o funcionamento

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5 OPERAÇÃO... 7 LIGANDO O MEDIDOR... 8 REALIZANDO AS PRIMEIRAS MEDIDAS... 8 FUNÇÕES ESPECIAIS... 8 CONFIGURAÇÃO... 10 CICLO DE

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

Presys Instrumentos e Sistemas

Presys Instrumentos e Sistemas Versão Especial Controle da média de três entradas. Setpoint programável de 32 pontos ativado pela entrada digital e alarme de fim de ciclo Solicitante Responsável: Depto.: As informações contidas nesta

Leia mais

METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais

METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais METTLER TOLEDO Tecnologia de Sensores Analíticos Digitais ISA Distrito 4 Seção Vale do Paraíba Jacareí SP Setembro de 2009 Ciro Medeiros Bruno Especialista em Desenvolvimento de Mercado Mettler Toledo

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 1 MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE As informações contidas neste documento são confidenciais e se constituem em propriedade da BLOCKSAT SISTEMAS DE SEGURANÇA LTDA

Leia mais

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus smar Fieldbus Devices Relé Fieldbus Relé Fieldbus Características Saída Discreta de Conexão direta ao FOUNDATION Fieldbus TM ; Blocos Funcionais instanciáveis para ajuste e controle discreto em campo;

Leia mais

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*)

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips, para monitoramento de ativos pessoas ou objetos

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais