CNC 8055T MANUAL DE SOLUÇÃO DE ERROS. Ref (bra)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CNC 8055T MANUAL DE SOLUÇÃO DE ERROS. Ref. 9905 (bra)"

Transcrição

1 MANUAL DE DE ERROS Ref (bra)

2 INDICE Erros de programação... 1 ( ) Erros de preparação e execução...29 ( ) Erros de Hardware...45 ( ) Erros de PLC...48 ( ) Erros de regulação...49 ( ) Erros nos dados das tabelas...51 Erros do modo de trabalho 8055TC...53 Indice alfabetico...65

3 ERROS DE PROGRAMAÇÃO 0001 Linha vazia. /S As distintas causas são: 1.-Quando intenta introduzir-se no programa ou executar um bloco em o qual não haja editada nenhuma informação, ou apareça somente a etiqueta (número do bloco). 2.- Dentro do «Ciclo fixo de seguimento de perfil (G66)», «Ciclo fixo de desbastado no eixo X (G68)» ou «Ciclo fixo desbastado no eixo Z (G69)» quando o parâmetro S (início do perfil) é maior que o parâmetro E (final do perfil). A solução para cada causa é: 1.- O CNC não pode introduzir-se no programa, nem executar, uma linha vazia. Se deseja introduzir uma linha sem informação no programa, usar o símbolo «;» ao princípio do bloco. O CNC não considerará o editado na sequência nesse bloco. 2.-O valor do parâmetro S (bloco onde inicia a definição do perfil) deve ser inferior ao valor do parâmetro E (bloco onde finaliza a definição do perfil) Dado inadequado. /S Durante a edição (durante a execução em programas transmitidos por DNC) As distintas causas são: 1.-Quando edita-se uma coordenada de eixo depois das condições de corte (F, S, T ou D) ou das funções «M». 2.-Quando as marcas de bloque condicional (/1, /2 ou /3) não estejam ao começo do bloco. 3.-Quando programando em código ISO, programa-se uma etiqueta (número do bloco) maior que Programando em linguagem de alto nível, programou-se na instrução RPT um número de repetições superior a A solução para cada causa é: 1/2.- Recordar que a sequência de programação é: 1.- Bloco condicional (/1, /2 ou /3). 2.- Etiqueta (N). 3.- Funções «G». 4.- Coordenadas dos eixos. (X, Y, Z ). 5.- Condições de corte (F, S, T, D). 6.- Funções «M». Não é necessário programar todos os dados. 3.- Corrigir a sintaxe do bloco. Programar as etiquetas dentro do intervalo Corrigir a sintaxe do bloco. Programar um número de repetições dentro do intervalo Ordem incorreta de dados. Durante a edição (durante a execução em programas transmitidos por DNC) A ordem pela qual programaramm-se as condições de corte, ou dados da ferramenta, é incorreta. Recordar que a sequência de programação é: F S T D Não é obrigatória a definição de todos os dados. MANUAL DE DE ERROS 1

4 0004 Não se admite mas informações neste bloco. /S As distintas causas são: 1.- Quando edita-se uma função «G» depois de uma coordenada de eixo. 2.- Quando intenta-se editar alguma informação depois de uma função «G» (ou de seus parâmetros associados) que deva ser única no bloco (ou que só admita seus próprios dados associados). 3.-Quando se atribui um valor numérico a um parâmetro que não o necessite. A solução para cada causa é: 1.-Recordar que a ordem de programação é: 1.- Bloco condicional (/1, /2 ou /3). 2.- Etiqueta (N). 3.- Funções «G». 4.- Coordenadas dos eixos. (X, Y, Z ). 5.- Condições de corte (F, S, T, D). 6.- Funções «M». Não é necessário programar todos os datos. 2.-Existem algumas funções «G» que levam uma informação associada no bloco. É provável que este tipo de funções não permitam a programação de outra informação na sequência de seus parâmetros associados. Também não será admissível a programação das condições de corte (F, S), dados da ferramenta (T, D) ou função «M». 3.-Existem algumas funções «G» que levam associados uns parâmetros que não necessitan ser definidos com valores Informação repetida. Introduziu-se num bloco o mesmo dado duas vezes. Corrigir a sintaxe do bloco. Não se pode definir num bloco duas vezes o mesmo dado Formato de dado inadequado. Durante a definição dos parâmetros de um ciclo fixo de usinagem, atribuiu-se um valor negativo a um parâmetro que admite somente valores positivos. Comprovar o formato do ciclo fixo. Em alguns ciclo fixos existem parâmetros que só admitem valores positivos Funções G incompatíveis. DETECÃO /S As distintas causas são: 1.- Quando programam-se no mesmo bloco duas funções «G» que são contrárias entre si. 2.- Quando intenta-se definir um ciclo fixo num bloco que contém uma trajetória não linear (G02, G03, G08, G09, G33). A solução para cada causa é: 1.- Existem grupos de funções «G» que não podem juntar-se no bloco, ja que representam ações contrárias entre si. Por exemplo: G01/G02: Interpolação linear e circular. G41/G42: Compensação de raio a esquerda e direita. Este tipo de funções deveram ser programadas em blocos diferentes. 2.-A definição de um ciclo fixo deve realizar-se num bloco que contenha um movimento linear. É dizer, para definir um ciclo fixo deve estar ativa a função G00 ou G01. A definição de movimentos não lineares (G02, G03, G08 e G09) pode realizar-se nos blocos que sigam a definição do perfil. 2 MANUAL DE DE ERROS

5 0008 Função G inexistente. Programou-se uma função «G» inexistente. Revisar a sintaxe do bloco e comprovar que não esta intentando editar-se uma função «G» diferente por equivocação Não se admite mais funções G. Programou-se uma função «G» depois das condições de corte ou dos dados da ferramenta. Recordar que a ordem de programação é: 1.- Bloco condicional (/1, /2 o /3). 2.- Etiqueta (N). 3.- Funções «G». 4.- Coordenadas dos eixos. (X,Y,Z ). 5.- Condições de corte (F, S, T, D). 6.- Funções «M». Não é necessário programar todos os dados Não se admite mais funções M. Durante a edição (durante a execução em programas transmitidos por DNC) Programou-se mais de 7 funções «M» num mesmo bloco. O CNC não permite programar mais de 7 funções «M» no mesmo bloco. Se necessita executar alguma outra função, editar-la em um bloco a parte. As funções «M» podem ser únicas no bloco A função G/M vai sozinha. DETECÇÇÃO Dentro do bloco existe conflito entre uma função «G» ou «M» que devem estar em solitário no bloco. Aplicar a função por separado em um bloco Programar F,S,T,D antes das funções M. Programou-se alguma condição de corte (F, S) ou dado da ferramenta (T, D) depois das funções «M». Recordar que a sequência de programação é: F S T D M Podem programar-se várias funções «M» (até 7). Não é obrigatório definir todos os dados Não programar etiquetas com parametros. Definiu-se uma etiqueta (número do bloco) com um parâmetro. A programação do número do bloco é opcional, mas não será permitido definir-la com um parâmetro. Pode definir-la mediante um número entre Não se admite número de repetições. Programou-se uma repetição de forma incorreta, ou o bloco não admite repetições. As instruções de alto nível não admitem número de repetições ao final do bloco. Para realizar uma repetição, atribuir ao bloco à repetir uma etiqueta (número do bloco), e usar a instrução RPT. MANUAL DE DE ERROS 3

6 0017 Programar: G16 eixo-eixo. Na função «Seleção do plano principal por duas direções (G16)» não se programou algum dos dois parâmetros correspondentes aos eixos. Revisar a sintaxis do bloco. Na definição da função G16, é obrigatório programar o nome dos dois eixos que definem o novo plano de trabalho Programar: G22 K(1/2/3/4) S(0/1/2). Na função«habilitação/desabilitação zonas de trabalho (G22)» não se definiu o tipo de habilitação ou desabilitação da zona de trabalho, ou atribuiu-se-lhe um valor incorreto. O parâmetro de habilitação ou desabilitação das zonas de trabalho S é obrigatório programar-lo, e pode receber os seguintes valores: - S=0: Desabilita a zona de trabalho. - S=1: Habilita como zona de não entrada. - S=2: Habilita como zona de não saída Programar zona K1, K2, K3 ou K4. /S As distintas causas são: 1.-Programou-se uma função G20, G21 ou G22 e não se definiu a zona de trabalho K1, K2, K3 ou K4. 2.-A zona de trabalho programada é menor que 0 ou maior que 4. A solução para cada causa é: 1.-O formato de programação das funções G20, G21 e G22 é: G20 K X...C±5.5 (Definição limites inferiores zonas de trabalho). G21 K X...C±5.5 (Definição limites superiores zonas de trabalho). G22 K S (Habilitação/desabilitação zonas de trabalho). Onde: - K : É a zona de trabalho. - X...C : São os eixos quais definem-se os limites. - S : É o tipo de habilitação da zona de trabalho. 2.-A zona de trabalho K pode receber somente os valores K1, K2, K3 ou K Programar G36-G39 com R+5.5. Na função G36 ou G39, não se programou o parâmetro R, ou asignou-se-lhe um valor negativo. Para definir a função G36 ou G39, é necessário definir o parâmetro R (sempre com valor positivo). G36: R= Raio de arredondado. G39: R= Distância desde o final da trajetória programada ao ponto em que realizar-se-à o chanfro Programar: G72 S5.5 ou eixo(s). /S Durante a edição (durante a execução em programas transmitidos por DNC), As distintas causas são: 1.-Quando programa-se um fator escala geral (G72) e não se define o fator de escala a aplicar. 2.-Quando programa-se um fator de escala particular (G72) a vários eixos, e a ordem em o qual foram definidos os eixos não é a correta. Recordar que o formato de programação de esta função é: - G72 S5.5 Quando aplica-se o fator de escala geral (a todos os eixos). - G72 X C5.5 Quando aplica-se o fator de escala particular a um ou vários eixos. 4 MANUAL DE DE ERROS

7 0023 Bloco incompatível com definição de perfil. Dentro do conjunto de blocos que definem um perfil, há um bloco que contém uma função «G» que não pode formar parte da definição do perfil. As funções «G» disponíveis na definição de um perfil são: G00: Início de perfil. G01: Interpolação linear. G02/G03: Interpolação circular a direitas/esquerdas. G06: Centro de circunferência em coordenadas absolutas. G08: Circunferência tangente a trajetória anterior. G09: Circunferência por três pontos. G36: Arredondado de arestas. G39: Chanfrado. G53: Programação respeito ao zero máquina. G70/G71: Programação em polegadas/milímetros. G90/G91: Programação em coordenadas absolutas/incrementais. G93: Pré-seleção da origem polar Não se admitem blocos de alto nível na definição de perfil. Dentro do conjunto de blocos que definem um perfil, programou-se um bloco em linguagem de alto nível. A definição dos perfis devem realizar-se em código ISO. Não se admitem instruções de alto nível (GOTO, MSG, RPT...) Programar: G77 eixos (de 2 a 6). Na função «Acoplagem eletrônico de eixos (G77)» não se programaram os parâmetros correspondentes aos eixos. Na programação da função G77, é necessário programar como mínimo dois eixos Programar: G93 I J. Na função «Pré-seleção da origem polar (G93)» não se programaram algum dos dois parâmetros correspondentes as coordenadas da nova origem polar. Recordar que o formato de programação desta função é: G93 I J Os valores I, J são opcionais, porém sendo programados, deve-se programar ambos, e indicam a posição da nova origem polar Não programar um ciclo fixo com G2/G3. Intentou-se executar um ciclo fixo estando ativas as funções G02, G03 ou G33. Para executar um ciclo fixo deve estar ativa G00 ou G01. É possível que na história do programa exista ativada uma função G02 ou G03. Comprovar que estas funções não cheguem ativas na definição do ciclo fixo. MANUAL DE DE ERROS 5

8 0029 G84-85: X Z Q R C [D L M F H] I K. Programaram-se incorretamente os parâmetros do ciclo «Ciclo fixo de torneado de tramos curvos (G84)» ou «Ciclo fixo de alisado de tramos curvos (G85)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não editaram-se na ordem correta. 3.- Programou-se um parâmetro que não corresponde ao formato de chamada. Neste tipo de usinagem é obrigatória a programação dos seguintes parâmetros: X-Z : Ponto inicial do perfil. Q-R : Ponto final do perfil. C : Profundidade de passada. I-K : Distância do ponto inicial ao centro do arco. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro G86-87: X Z Q R I B [D L] C [J A]. Programaram-se incorretamente os parâmetros do ciclo «Ciclo fixo de rosca longitudinal (G86)» ou «Ciclo fixo de rosca frontal (G87)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não se editaram na ordem correta. 3.- Programou-se um parâmetro que não corresponde ao formato de chamada. Neste tipo de usinagem é obrigatória a programação dos seguintes parâmetros. X-Z : Ponto inicial da rosca. Q-R: Ponto final da rosca. I : Profundidade da rosca. B : Profundidade de passada. C : Passo da rosca. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro G88-G98: X Z Q R [C D K]. Programaram-se incorretamente os parâmetros do ciclo «Ciclo fixo de ranhurado no eixo X (G88)» ou «Ciclo fixo de ranhurado no eixo Z (G89)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não se editaram na ordem correta. 3.- Programou-se um parâmetro que não corresponde ao formato de chamada. Neste tipo de usinagem é obrigatória a programação dos seguintes parâmetros: X-Z : Ponto inicial da ranhura. Q-R: Ponto final da ranhura. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro. 6 MANUAL DE DE ERROS

9 0032 G66: X Z I C [A L M H] S E. Programaram-se incorretamente os parâmetros do ciclo «Ciclo fixo de seguimento de perfil (G66)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não se editaram na ordem correta. 3.- Programou-se um parâmetro que não corresponde ao formato de chamada. Neste tipo de usinagem é obrigatória a programação dos seguintes parâmetros: X-Z : Ponto inicial do perfil. I : Material sobrante. C : Profundidade de passada. S : Bloco onde começa a descrição geométrica do perfil. E : Bloco onde finaliza a descrição geométrica do perfil. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro G68-G69: X Z C [D L M F H] S E. Programaram-se incorretamente os parâmetros do ciclo «Ciclo fixo de desbastado no eixo X (G68)» ou «Ciclo fixo de desbastado no eixo Z (G69)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não se editaram na ordem correta. 3.- Programou-se um parâmetro que não corresponde ao formato de chamada. Neste tipo de usinagem é obrigatória a programação dos seguintes parâmetros: X-Z : Ponto inicial del perfil. C : Profundidade de passada. S : Bloco onde começa a descrição geométrica do perfil. E : Bloco onde finaliza a descripção geométrica do perfil. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro G81-G82: X Z Q R C [D L M F H]. Programaram-se incorretamente os parâmetros do «Ciclo fixo de torneado de tramos retos (G81)» ou «Ciclo fixo de alisado de tramos rectos (G82)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não se editaram na ordem correta. 3.- Programou-se um parâmetro que não corresponde ao formato de chamada. Neste ciclo de usinagem é obrigatória a programação dos seguintes parâmetros: X-Z : Ponto inicial do perfil. Q-R: Ponto final do perfil. C : Profundidade de passada. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro G83: X Z I B [D K H C]. Programaram-se incorretamente os parâmetros do ciclo «Ciclo fixo de furo axial/roscado com macho (G83)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não se editaram na ordem correta. 3.- Programou-se um parâmetro que não corresponde ao formato de chamada. Neste ciclo de usinagem é obrigatória a programação dos seguintes parâmetros: X-Z : Posição de usinagem. I : Profundidade de usinagem. B : Tipo de operação a realizar. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro. MANUAL DE DE ERROS 7

10 0036 G60-G61: X Z I B Q A J [D K H C] S. Programaram-se incorretamente os parâmetros do «Ciclo fixo de furo ou rosca na cara de alisado (G60)» ou «Ciclo fixo de furo ou rosca na cara de cilindrado (G61)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não se editaram na ordem correta. 3.- Programou-se um parâmetro que não corresponde ao formato de chamada. Neste ciclo de usiangem é obrigatoria a programação dos seguintes parâmetros: X-Z : Posição de usinagem. I : Profundidade de usinagem. B : Tipo de operação a realizar. Q : Posição angular da primeira usinagem. A : Passo angular entre usinagem. J : Número de usinagens. S : Velocidade e sentido de giro da ferramenta motorizada. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro G62-G63: X Z L I Q A J [D] F S. Programaram-se incorretamente os parâmetros do «Ciclo fixo de ranhura na cara de cilindrado (G62)» ou «Ciclo fixo de ranhura na cara de alisado (G62)». As causas podem ser várias: 1.- Falta por programar algum parâmetro obrigatório. 2.- Os parâmetros do ciclo não se editaram na ordem correta. Neste tipo de usinagem é obrigatória a programação dos seguintes parâmetros: X-Z : Posição da ranhura. L : Longitude da ranhura. I : Profundidade da ranhura. Q : Posição angular da primeiro ranhura. A : Passo angular entre ranhuras. J : Número de ranhuras. F : Velocidade de avance. S : Velocidade e sentido de giro da ferramenta motorizada. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro Coordenadas incompletas. /S As distintas causas são: 1.-Durante a simulação ou a execução, quando estando ativa uma função «Interpolação circular (G02/G03)», intentou-se executar um deslocamento definido somente com uma coordenada do ponto final, ou sem definir o raio do arco. 2.- Durante a edição, quando edita-se um deslocamento circular (G02/G03) e define-se somente uma coordenada do ponto final, ou não se define o raio do arco. A solução para cada causa é: 1.- É possível que na história do programa encontre-se ativada uma função G02 ou G03. Neste caso, para realizar um deslocamento é necessário definir as duas coordenadas do ponto final ou o raio do arco. Para realizar um deslocamento linear, programar G Para realizar um deslocamento circular (G02/G03), é necessário definir as duas coordenadas do ponto final, e o raio do arco. 8 MANUAL DE DE ERROS

11 0045 Não se admitem coordenadas polares. Na função «Programação respeito ao zero máquina (G53)» definiu-se as cotas do ponto final em coordenadas polares, cilíndricas, ou coordenadas cartesianas com ângulo. Programando respeito ao zero máquina, somente podem programar-se as cotas em coordenadas cartesianas Eixo inexistente. Editou-se um bloco cuja execução implica deslocar um eixo inexistente. Comprovar que o nome do eixo editado é correto Programar eixo(s). Não se programou nenhum eixo na função na qual é necessária a programação de algum eixo. Em algumas instruções (REPOS, G14, G20, G21 ) nas quais seja obrigatória a programação de eixos Ordem de eixos incorreto. Não se programaram as coordenadas dos eixos na ordem correta, ou programou-se um eixo duas vezes no mesmo bloco. Recordar que a sequência de programação dos eixos é : X Y Z U V W A B C Não é necessário programar todos os eixos Ponto incompatível com o plano ativo. /S As distintas causas são: 1.- Quando intentou realizar-se uma interpolação circular, e o ponto final não esta incluído no plano ativo. 2.- Quando intentou realizar-se uma saida tangêncial numa trajetória que não esta incluída no plano ativo. A solução para cada causa é: 1.- É possível que definiu-se um plano mediante G16, G17, G18 ou G19. Nesse caso, somente realizar-se-ão interpolações circulares nos eixos principais que definam esse plano. Se deseja definir uma interpolação circular em outro plano, haverá que selecionar-lo previamente. 2.- É possível que definiu-se um plano mediante G16, G17, G18 ou G19. Nesse caso, somente realizar-se-ão arredondados, chanfros e entradas/saidas tangênciais em trajetórias que estejam incluídas nos eixos principais que definam esse plano. Para realizar-lo em outro plano, deverá selecionar-lo previamente Programar passo Na função «Roscado eletrônico (G33)» não programou-se o parâmetro correspondente ao passo de rosca. Recordar que o formato de programação desta função é: G33 X...C L Onde: L : É o passo da rosca. MANUAL DE DE ERROS 9

12 0054 Passo mal programado. Programou-se uma interpolação helicoidal e o valor do parâmetro correspondente ao passo de hélice é incorreto ou é negativo. Recordar que o formato de programação é: G02/G03 X Y I J Z K Onde: K : É o passo de hélice (valor sempre positivo) Não programar eixo acoplado. As distintas causas são: 1.- Quando intentou-se deslocar individualmente um eixo que encontra-se acoplado a outro. 2.- Quando mediante a função «Acoplagem eletrônico de eixos (G77)» intentou-se acoplar um eixo que ja se encontra acoplado. A solução para cada causa é: 1.- Um eixo acoplado não pode deslocar-se individualmente. Para deslocar um eixo acoplado, tem que deslocar o eixo ao que se encontra acoplado. Os eixos deslocam-se conjuntamente. Exemplo: Se acoplamos o eixo Y ao eixo X, haverá que programar um deslocamento em X para mover o Y (conjuntamente que X). Para desacoplar os eixos programar G Um eixo não pode estar acoplado a dois eixos simultâneamente. Para desacoplar os eixos, programar G Não programar eixo GANTRY. /S As distintas causas são: 1.- Quando se intenta deslocar individualmente um eixo que encontra-se associado como GANTRY a outro. 2.- Quando define-se uma operação num eixo que esta definido como GANTRY. (Definição de limites de trabalho, definição de planos ). A solução para cada causa é: 1.- Um eixo que forma GANTRY com outro não pode deslocar-se individualmente. Para deslocar um eixo associado como GANTRY a outro, tem que deslocar o eixo ao que encontra-se associado. Os eixos deslocam-se em conjunto. Exemplo: Se associa-se como GANTRY o eixo Y ao eixo X, haverá que programar um deslocamento em X para mover o Y (conjuntamente com X). Os eixos GANTRY definem-se desde parâmetro máquina. 2.-Os eixos definidos como GANTRY não podem utilizar-se na definição de operações ou deslocamentos. Estas operações se definem com o eixo ao qual esta associado o eixo GANTRY Eixo HIRTH: programar somente valores inteiros. Programou-se um giro num eixo HIRTH, e o ângulo a girar não é um número inteiro (contém decimais). Os eixos HIRTH não admitem cifras decimais. Todos os giros devem realizar-se em graus inteiros. 10 MANUAL DE DE ERROS

13 0061 ELSE não associado a IF. /S As distintas causas são: 1.- Quando programando em linguagem de alto nível, edita-se num bloco a instrução ELSE porém anteriormente não editou-se um IF. 2.- Quando programando em linguagem de alto nível, edita-se a instrução IF e não associa-se-lhe uma ação depois da condição. Recordar que os formatos de programação desta instrução são: (IF (condição) <ação1>) (IF (condição) <ação1> ELSE <ação2>) Se a condição é certa, executa-se a <ação1>, em caso contrário executa-se a <ação2> Programar etiqueta N(0-9999). Programando em linguagem de alto nível, editou-se dentro da instrução RPT ou GOTO uma etiqueta (número do bloco) que não esta compreendida no intervalo (0-9999). Recordar que o formato de programação destas instruções é: (RPT N(nº etiqueta), N(nº etiqueta)) (GOTO N(nº etiqueta)) O número de etiqueta (número do bloco) deve estar dentro do intervalo (0-9999) Programar numero de subrotina de 1 a Programando em linguagem de alto nível, editou-se dentro da instrução SUB um número de subrotina que não esta dentro do intervalo (1-9999). Recordar que o formato de programação desta instrução é: (SUB (nº inteiro)) O número de sub-rotina deve estar dentro do intervalo (1-9999) Subrotina repetida. Intentou-se definir uma subrotina existente em outro programa da memória. Na memória do CNC não pode haver duas sub-rotinas com o mesmo número de identificação, embora pertençam a programas diferentes Não se pode definir una subrotina dentro do programa principal. /S As distintas causas são: 1.- Intentou-se definir uma sub-rotina desde o modo de execução MDI. 2.- Definiu-se uma sub-rotina dentro do programa principal. A solução para cada causa é: 1.- Não podem definir-se sub-rotinas desde a opção do menú Execução MDI 2.- As sub-rotinas devem definir-se depois do programa principal ou em um programa por separado. Não podem estar definidas nem antes, nem dentro do programa principal. MANUAL DE DE ERROS 11

14 0066 Se espera uma mensagem. Programando em linguagem de alto nível, editou-se a instrução MSG ou ERROR mas não se definiu o texto da mensagem de erro que deverá exibir. Recordar que o formato de programação destas instruções é: (MSG mensagem ) (ERROR nº inteiro, texto erro ) Embora também exista a opção de programar: (ERROR nº inteiro) (ERROR texto error ) 0067 Não foi realizado um OPEN. Programando em linguagem de alto nível, editou-se uma instrução WRITE porém, previamente, não se lhe indicou onde deve executar esta ordem mediante a instrução OPEN. Previamente à instrução WRITE, deve editar-se uma instrução OPEN para indicar ao CNC onde (em qual programa) deve executar a instrução WRITE O programa não existe. Dentro do «Ciclo fixo de seguimento de perfil (G66)», «Ciclo fixo de desbastado no eixo X (G68)» ou «Ciclo fixo desbastado no eixo Z (G69)», programou-se que os perfis se encontram em outro programa (parâmetro Q ), e o programa não existe. O parâmetro Q define em que programa encontram-se definidos os perfis dos ciclos. Programando este parâmetro, deve existir esse número de programa, e também, conter as etiquetas definidas nos parâmetros S e E O programa ja existe. Este erro produz-se durante a execução, quando programando em linguagem de alto nível, intentouse criar mediante a instrução OPEN um programa existente. Cambiar o número do programa ou usar os parâmetros A/D na instrução OPEN : (OPEN P,A/D, ) Onde: - A: Acrescenta novos blocos na sequência dos já existentes. - D: Apaga o programa existente e o abre como nuevo Se espera um parametro. Durante a edição de tabelas. Introduziu-se um número de parâmetro incorreto (possívelmente falte o carácter P ), ou intentou-se realizar outra ação (deslocar-se pela tabela) antes de abandonar o modo de edição de tabelas. Introduzir o número do parâmetro a editar, ou pulsar [ESC] para abandonar este modo Parâmetro inexistente Programando em linguagem de alto nível, editou-se a instrução ERROR e se lhe atribuiu o número de erro que deve mostrar mediante um parâmetro local maior que 25 ou um parâmetro global maior que 299. Os parâmetros que utilizam o CNC são: - Locais: Globais: MANUAL DE DE ERROS

15 0075 Variável somente de leitura. Intentou-se atribuir um valor a uma variável que é somente de leitura. Para as variáveis somente de leitura não é possível atribuir-lhes nenhum valor mediante programação. Porém, seu valor pode ser atribuido a um parâmetro Saída analógica não disponível. Intentou-se escrever numa saída analógica que esta sendo utilizada pelo CNC. É possível que a saída analógica eligida esteja sendo utilizada por algum eixo ou árvore. Eligir outra saída analógica entre Programar canal 0(CNC), 1(PLC), ou 2(DNC). Programando em linguagem de alto nível, programou-se a instrução KEYSRC, mais não se lhe definiu a procedência das teclas. Quando programa-se a instrução KEYSCR, é obrigatório programar o parâmetro correspondente à procedência de teclas: (KEYSCR=0) : Teclado do CNC. (KEYSCR=1) : PLC (KEYSCR=2) : DNC O CNC permite unicamente modificar o conteúdo desta variável si a mesma encontra-se a zero Programar número do erro de 0 a Programando em linguagem de alto nível, editou-se a instrução ERROR porém não se lhe definiu o número de erro que deve mostrar. Recordar que o formato de programação desta instrução é: (ERROR nº inteiro, texto erro ) Embora também existe a opção de programar: (ERROR nº inteiro) (ERROR texto erro ) 0081 Expressão errada. Programando em linguagem de alto nível, editou-se uma expressão cujo formato não seja o correto. Corrigir a sintaxe do bloco Operação incorreta. /S As distintas causas são: 1.- Programando em linguagem de alto nível, a atribuição de um valor a um parâmetro esta incompleta. 2.- Programando em linguagem de alto nível, a chamada a uma sub-rotina esta incompleta. Corrigir (completar) o formato de atribuição de um valor a um parâmetro, ou de chamada a uma subrotina. MANUAL DE DE ERROS 13

16 0083 Operação incompleta. Programando em linguagem de alto nível, editou-se a instrução IF e não se programou a condição entre parênteses. Recordar que os formatos de programação desta instrução são: (IF (condição) <ação1>) (IF (condição) <ação1> ELSE <ação2>) Se a condição é certa, executa-se a <ação1>, em caso contrário executa-se a <ação2> Se espera =. Programando em linguagem de alto nível, introduziu-se um símbolo ou dado que não corresponde a sintaxe do bloco. Introduzir o símbolo = no lugar correspondente Se espera ). Programando em linguagem de alto nível, introduziu-se um símbolo ou dado que não corresponda a sintaxe do bloco. Introduzir o símbolo ) no lugar correspondente Se espera (. Programando em linguagem de alto nível, introduziu-se um símbolo ou dado que não corresponda a sintaxe do bloco. Introduzir o símbolo ( no lugar correspondente Se espera,. /S As distintas causas são: 1.- Programando em linguagem de alto nível introduziu-se um símbolo ou dado que não corresponde a sintaxe do bloco. 2.- Programando em linguagem de alto nível programou-se uma instrução em código ISO. 3.- Programando em linguagem de alto nível atribuiu-se uma operação a um parâmetro local maior de 25 ou um parâmetro global maior de 299. A solução para cada causa é 1.- Introduzir o símbolo, no lugar correspondente. 2.- Num bloco não pode haver instruções na linguagem de alto nível e código ISO conjuntamente. 3.-Os parâmetros que utiliza o CNC são: - Locais: Globais: Não podem utilizar-se em operações outros parâmetros que não estejam dentro desta categoria Logaritmo de número negativo ou zero. Programou-se uma operação cuja execução implica calcular o logaritmo de um número negativo ou zero. Podem-se calcular logaritmos somente de números maiores que zero. Se esta trabalhando com parâmetros, é possível que, na história do programa, esse parâmetro tenha adquirido um valor negativo ou zero. Comprovar que o parâmetro não chega a operação com esse valor. 14 MANUAL DE DE ERROS

17 0090 Raiz de número negativo. Durante a edição ou execução (durante a execução em programas transmitidos por DNC). Programou-se uma operação cuja execução implica calcular a raiz de um número negativo. Podem-se calcular raizes de números maiores ou iguais que zero. Se esta trabalhando com parâmetros, é possível que, na história do programa, esse parâmetro tenha adquirido um valor negativo. Comprovar que o parâmetro não chega a operação com esse valor Divisão por zero. Durante a edição ou execução (durante a execução em programas transmitidos por DNC). Programou-se uma operação cuja execução implica realizar uma divisão por zero. Podem-se realizar somente divisões por números diferentes de zero. Se esta trabalhando com parâmetros, é possível que, na história do programa, esse parâmetro tenha adquirido valor zero. Comprovar que o parâmetro não chega a operação com esse valor Base zero e exponencial não positivo. Durante a edição ou execução (durante a execução em programas transmitidos por DNC). Programou-se uma operação cuja execução implica elevar zero a um expoente negativo (ou zero). Pode-se elevar somente o número zero, a expoentes positivos maiores que zero. Se esta trabalhando com parâmetros, é possível que, na história do programa, os parâmetros tenham adquirido os valores citados. Comprovar que os parâmetros não chegam a operação com esses valores Base negativa e exponente não inteiro. Durante a edição ou execução (durante a execução em programas transmitidos por DNC). Programou-se uma operação cuja execução implica elevar um número negativo a um expoente não inteiro. Pode elevar-se somente números negativos a expoentes inteiros. Se esta trabalhando com parâmetros, é possível que, na história do programa, os parâmetros tenham adquirido os valores citados. Comprovar que os parâmetros não chegam a operação com esses valores Faixa ASIN/ACOS sobrepassada. Durante a edição ou execução (durante a execução em programas transmitidos por DNC). Programou-se uma operação cuja execução implica calcular o seno ou coseno de um número que não esta compreendido entre ±1. Pode somente calcular-se o seno (ASIN) ou o coseno (ACOS) de números que estejam compreendidos entre ±1. Se esta trabalhando com parâmetros, é possível que, na história do programa, o parâmetro tenha adquirido um valor fora dos valores citados. Comprovar que o parâmetro não chega a operação com esse valor Programar número de linha. Durante a edição de um programa de personalização, definiu-se uma janela mediante a instrução ODW, e não se programou a posição vertical que ocupa na tela. A posição vertical que ocupa uma janela na tela esta definida em filas (0-25) Programar número de coluna. Durante a edição de um programa de personalização, definiu-se uma janela mediante a instrução ODW, e não se programou a posição horizontal que ocupa na tela. A posição horizontal que ocupa uma janela na tela esta definida em colunas (0-79). MANUAL DE DE ERROS 15

18 0097 Programar outra softkey. Durante a edição de um programa de personalização, não se respeitou o formato de programação da instrução SK. Corrigir a sintaxe do bloco. O formato de programação é: (SK1=(texto 1), SK2=(texto 2) ) Introduzindo o carácter, depois de um (texto), o CNC espera o nombre de outra softkey Programar softkeys de 1 a 7. Durante a execução em canal de usuário. Dentro da sintaxe do bloco programou-se uma softkey que não esta dentro do intervalo 1 a 7. Podem-se programar softkeys somente dentro do intervalo 1 a Programar outra janela. Durante a edição de um programa de personalização, não se respeitou o formato de programação da instrução DW. Corrigir a sintaxe do bloco. O formato de programação é: (DW1=(asignação), DW2=(asignação) ) Introduzindo o carácter, depois de uma atribuição, o CNC espera o nome de outra janela Programar janelas de 0 a 25. Durante a execução em canal de usuário. Dentro da sintaxe do bloco programou-se uma janela que não esta dentro do intervalo 0 a 25. Podem-se programar janelas somente dentro do intervalo 0 a Programar linhas de 0 a 20. Durante a execução em canal de usuário. Dentro da sintaxe do bloco programou-se uma linha que não esta dentro do intervalo 0 a 20. Podem programar-se linhas somente dentro do intervalo 0 a Programar colunas de 0 a 79. Durante a execução em canal de usuário. Dentro da sintaxe do bloco programou-se uma coluna que não esta dentro do intervalo 0 a 79. Podem programar-se colunas somente dentro do intervalo 0 a Programar páginas de 0 a 255. Durante a execução em canal de usuário. Dentro da sintaxe do bloco programou-se uma página que não esta dentro do intervalo 0 a 255. Podem programar-se páginas somente dentro do intervalo 0 a Programar INPUT. Programando em linguagem de alto nível, editou-se a instrução IB porém não se lhe associou um INPUT. Recordar que os formatos de programação desta instrução são: (IB (expressão) = INPUT texto, formato) (IB (expressão) = INPUT texto ) 16 MANUAL DE DE ERROS

19 0105 Programar entradas de 0 a 25. Durante a execução em canal de usuário. Dentro da sintaxe do bloco programou-se uma entrada que não esta dentro do intervalo 0 a 25. Podem programar-se entradas somente dentro do intervalo 0 a Programar formato numérico. Programando em linguagem de alto nível, editou-se a instrução IB com formato não numérico. Recordar que o formato de programação desta instrução é: (IB (expressão) = INPUT texto, formato) Onde formato deve ser um número com signo, e como máximo 6 dígitos inteiros e 5 decimais. Introduzindo o carácter, depois do texto, o CNC espera o formato Não programar formatos superiores a 6.5. Durante a execução em canal de usuário. Programando em linguagem de alto nível, editou-se uma instrução IB com um formato que contenha mais de 6 dígitos inteiros, ou mais de 5 dígitos decimais. Recordar que o formato de programação desta instrução é: (IB (expressão) = INPUT texto, formato) Onde formato deve ser um número com signo, e como máximo 6 dígitos inteiros e 5 decimais Comando executável somente em canal de usuário. Intentou-se executar um bloco que contém informação executável somente desde o canal de usuário. Existem expressões específicas para os programas de personalização que podem executar-se somente dentro do programa de usuário C. usuário: não programar ajudas geométricas, compensação ou ciclos. Durante a ejecução em canal de usuário. Intentou-se executar um bloco que contém ajudas geométricas, compensação de raio/longitude, ou ciclos fixos de usinagem. Dentro do programa de personalização não é possível programar: - Ajudas geométricas nem deslocamentos. - Compensação de raio ou longitude. - Ciclos fixos Não se admitem parâmetros locais. Algumas funções admitem somente a programação com parâmetros globais. Os parâmetros globais são os incluídos na faixa Bloco não executável com outro programa em execução. Durante a execução em modo MDI. Intentou-se executar uma instrução de personalização desde o modo MDI, entretanto executa-se o programa do canal de usuário. As instruções de personalização podem executar-se somente desde o canal de usuário MANUAL DE DE ERROS 17

20 0112 WBUF executável somente em edição de usuário. Durante a edição ou execução em canal de usuário. Intentou-se executar a instrução WBUF. A instrução WBUF não é executável. Pode ser utilizada somente na fase de edição, desde a entrada de usuário Limites da tabela sobrepassados. /S Durante a edición de tabelas. As distintas causas são: 1.-Na tabela de corretores de ferramentas, intentou-se definir um corretor com número maior dos permitidos pelo fabricante. 2.- Nas tabelas de parâmetros, intentou-se definir um parâmetro que não existe. O número do corretor deve ser menor que o máximo permitido pelo fabricante Corrector: D3 X Z R F I K. Durante la edición de tabelas. Na tabela de corretores de ferramentas, não se respeitou a ordem de edição dos parâmetros. Introduzir os parâmetros da tabela na ordem correta Ferramenta: T4 D3 F3 N5 R5(.2). Durante a edición de tabelas Na tabela de ferramentas, não se respeitou a ordem de edição dos parâmetros. Introduzir os parâmetros da tabela na ordem correta Origem: G54-59 eixos (1-5). Durante a edição de tabelas. Na tabela de orígens, não se eligiu qual origem (G54-G59) se definirá. Introduzir os parâmetros da tabela na ordem correta. Para completar a tabela de orígens, primeiro eligir que origem se definirá (G54-G59) e em seguida, a posição da origem em cada eixo Função: M4 S4 bits(8). Durante a edição de tabelas. Na tabela de funções «M», não se respeitou a ordem de edição dos parâmetros. Editar a tabela segundo o formato: M1234 (sub-rotina associada) (bits de personalização) 0118 G51 [A] E Durante a execução (durante a execução em programas transmitidos por DNC). Na função «Look-Ahead (G51)» não se programou o parâmetro correspondente ao erro de contorno permitido. Neste tipo de usinagem é obrigatória a programação de: E : Erro de contorno permitido. Os demais parâmetros são opcionais. Os parâmetros devem editar-se na ordem indicada na mensagem de erro. 18 MANUAL DE DE ERROS

CNC 8055 T. Solução de erros. Ref.1507

CNC 8055 T. Solução de erros. Ref.1507 CNC 8055 T Solução de erros Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de recuperação de dados ou traduzir-se

Leia mais

CNC 8055 M. Solução de erros. Ref. 1310

CNC 8055 M. Solução de erros. Ref. 1310 CNC 8055 M Solução de erros Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de recuperação de dados ou traduzir-se

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO)

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO (CNC PROTEO) GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO () MCS Engenharia 6/9/2012 Página 1 de 17 ÍNDICE 1 PROGRAMAÇÃO ISO (CÓDIGOS G)... 3 1.1 COORDENADAS ABSOLUTAS / INCREMENTAIS (G90 / G91)... 3 1.2 ORIGENS: ABSOLUTA (G53), PEÇA

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO TC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03

MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03 MANUAL DE OPERAÇÃO E PROGRAMAÇÃO VERSÃO 2.2 08/03 PÁGINA DEIXADA EM BRANCO INTENCIONALMENTE ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 - INICIALIZAÇÃO 2 - MODO DE REFERENCIAMENTO 3 - MODO MANUAL 4 - DIRETÓRIOS - MANIPULAÇÃO

Leia mais

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO

MANUAL OPERAÇÃO FRESADORA PADRÃO V100 Página deixada em branco Intencionalmente pág.2 ÍNDICE Índice 1 - OPERAÇÃO MÁQUINA... 7 1.1 - INICIALIZAÇÃO... 7 1.2 - BUSCA DE REFERÊNCIA... 9 1.3. MODO MANUAL... 11 1.3.1 JOG... 11 1.3.2 MODO INCREMENTAL...

Leia mais

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607)

CNC 8055 / CNC 8055i MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (REF 0607) (Ref 0607) CNC 8055 / CNC 8055i (REF 0607) MANUAL DE AUTO-APRENDIZAGEM (OPÇÃO MC ) (Ref 0607) Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se,

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 MC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 MC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle

INTRODUÇÃO PROGRAMA. Os dados em um bloco de programa são chamados: a. Dados dimensionais (geométricos) b. Dados de Controle INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa como uma ferramenta deve se mover em relação à peça de trabalho

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE PROGRAMAÇÃO E OPERAÇÃO CENTROS DE USINAGEM Fanuc Série Oi INTRODUÇÃO PROGRAMA Para usinar uma peça em um centro de usinagem, informações como valores de coordenadas e outros dados técnicos informa

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi Programação de Centro de Usinagem - CNC SENAI- SP, 2002 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Roberto Simonsen do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Coordenação Dionisio Pretel Laur Scalzaretto

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

2. Painel de Operação

2. Painel de Operação 2. Painel de Operação 2.1 Introdução O painel de operação consiste das 4 partes abaixo; 2.1.1 Parte LCD/ NC 2.1.2 Parte do Teclado (parte UNIDADE MDI) 2.1.3 Parte do painel de controle da máquina 2.1.4

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

5. Programação EDE5-0612-003

5. Programação EDE5-0612-003 5.Programação 5.1 Introdução de programa Máquinas CN são aquelas que usinam peças operando servo-motor, válvula solenóide, etc. com computador. Para operar o computador livremente, é necessário usar uma

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

Fresadora CNC (denford)

Fresadora CNC (denford) Fresadora CNC (denford) Máquinas à Comando Numérico 08/01/09 - Prof. J. Gregório do Nascimento - 1 Teclado Tutor RESET apaga mensagem de alarme. Reposiciona o programa para iniciar no modo de Editor. ALFA/NUMÉRICO

Leia mais

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR

MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR MANUFATURA ASSISTIDA POR COMPUTADOR Prof. Isaac N. L. Silva Professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica - PUCRS CNC O que são Tipos e Aplicações Fabricantes O que são Controle Numérico

Leia mais

Lívia Braga Sydrião de Alencar. Bergson da Silva Matias. PET Civil

Lívia Braga Sydrião de Alencar. Bergson da Silva Matias. PET Civil MAPLE 13 Lívia Braga Sydrião de Alencar Bergson da Silva Matias PET Civil Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Histórico... 3 1.2. Interface... 3 1.3. Comandos Básicos... 7 1.3.1. Operações básicas... 7 1.4.

Leia mais

Manual do Usuário Versão 1.0 Julho 2012

Manual do Usuário Versão 1.0 Julho 2012 Manual do Usuário Versão 1.0 Julho 2012 Índice BEM-VINDOS 3 PREFÁCIO 4 CONVENÇÕES 4 CAPÍTULO 1 : ACESSO AO SISTEMA... 5 CAPÍTULO 2 : DIGITALIZAÇÃO LIVRE... 6 2.1 CONTROLE DE QUANTIDADES... 9 CAPÍTULO 3

Leia mais

Curso de Calc - Avançado Índice

Curso de Calc - Avançado Índice Índice Objetivo...2 Resultado Esperado...2 Recursos Avançados de Gráficos...3 Tipos de Gráficos...3 Rotacionar um Gráfico de Colunas 3D...4 Alterar a Iluminação nos Gráficos...5 Alterar a Escala do Eixo

Leia mais

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Introdução ao Controlo Numérico Computorizado I Conceitos Gerais João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Bibliografia Controlo Numérico Computorizado, Conceitos Fundamentais Carlos Relvas Publindústria,

Leia mais

Informações jurídicas

Informações jurídicas Fundamentos da programação 1 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/828d/802d sl Comandos de deslocamento 2 SINUMERIK SINUMERIK 840D sl/840di sl/ 828D/802D sl Manual de programação Comandos de deslocamento

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

CalcForce. Guia do Usuário. Versão 1.0. Revisão 0

CalcForce. Guia do Usuário. Versão 1.0. Revisão 0 CalcForce Guia do Usuário Versão 1.0 Revisão 0 Copyright 2012 Datatific. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Índice analítico

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

CNC 8055. Educacional. Ref. 1107

CNC 8055. Educacional. Ref. 1107 CNC 855 Educacional Ref. 7 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE FEE D % 3 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI ND LE 3 FEE D % 5 6 7 8 9 FAGOR JOG SPI

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Planilhas Eletrônicas EXCEL

Planilhas Eletrônicas EXCEL Planilhas Eletrônicas EXCEL Pasta de Trabalho Quando você inicia o excel ele automaticamente cria uma pasta de trabalho. Esta pasta de trabalho é um arquivo que pode ter até 255 planilhas. Cada planilha

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Jaime Evaristo Sérgio Crespo. Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA)

Jaime Evaristo Sérgio Crespo. Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA) Jaime Evaristo Sérgio Crespo Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA) Segunda Edição Capítulo 2 Versão 08042010 2. Introdução à Linguagem Algorítmica 2.1 Variáveis

Leia mais

- PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Programador Digital PD400_01 1

- PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Programador Digital PD400_01 1 - PD400_01 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO Manual do Programador Digital PD400_01 1 ÍNDICE SECÇÃO PG 1. Apresentação 03 2. Painel de Operação 04 2.1. Interface Touch-screen 04 3. Menu 06 3.1 Senhas

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO Modelo T (Soft V12.1x) (ref 0706) MANUAL DE PROGRAMAÇÃO Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema de

Leia mais

Página deixada intencionalmente em branco

Página deixada intencionalmente em branco Operação Torno 1 Página deixada intencionalmente em branco 2 1 - Operação Máquina... 5 1.1 - Inicialização... 5 1.2 - Busca de Referência.... 8 1.2.1 - Busca através de micros de referência.... 8 1.2.2

Leia mais

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002)

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002) Tutorial do Sistema GeoOffice Todos os direitos reservados (1999-2002) Sistema GeoOffice Sistema Topográfico Solution Softwares Tutorial Passo a Passo Conteúdo I Tabela de Conteúdos Foreword 0 Parte I

Leia mais

ÍNDICE. Microsoft Excel. Informações Gerais. Pasta de Trabalho. Formatando Página. Formatar Células. Gráficos. Criando Operações Básicas

ÍNDICE. Microsoft Excel. Informações Gerais. Pasta de Trabalho. Formatando Página. Formatar Células. Gráficos. Criando Operações Básicas ÍNDICE Microsoft Excel Informações Gerais Pasta de Trabalho Formatando Página Formatar Células Gráficos Criando Operações Básicas Sobre as Funções de Planilha Operadores em Fórmulas do Excel Operadores

Leia mais

TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS

TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS livrof90_v5 2007/3/1 10:27 page 41 #1 CAPÍTULO2 TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS Neste capítulo você encontrará: 2.1 Introdução.................. 41 Arquivo................. 42 2.2

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno CNC Programação Torno Módulo III Aula 02 Funções auxiliares As funções auxiliares formam um grupo de funções que servem para complementar as informações transmitidas ao comando através das funções preparatórias

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

Licenciamento de Uso

Licenciamento de Uso Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2002 do Centro de Computação da Unicamp e distribuído sob os seguintes termos: 1. As apostilas publicadas pelo Centro de Computação da Unicamp

Leia mais

Parte 3 do torneamento: Programação. (dialeto ISO) SINUMERIK. SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO)

Parte 3 do torneamento: Programação. (dialeto ISO) SINUMERIK. SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) SINUMERIK SINUMERIK 808D Parte 3 do torneamento: Programação (dialeto ISO) Fundamentos da programação 1 Três modos de códigos G 2 Comandos de curso 3 Comandos

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

B E X S B E X Y. Manual de Referência Rápida

B E X S B E X Y. Manual de Referência Rápida B E X S B E X Y Manual de Referência Rápida Teclas do Painel Tecla USB Lê e grava desenhos a partir da entrada USB através de um Pen Drive. Tecla numérica : 1 Tecla de Memória Gerencia os desenhos gravados

Leia mais

Capítulo Tabelas e Gráficos

Capítulo Tabelas e Gráficos Capítulo O menu de tabelas e gráficos torna possível criar tabelas numéricas de funções guardadas na memória. Poderá também utilizar funções múltiplas para criar tabelas. Como utiliza a mesma lista de

Leia mais

HeadMouse. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida

HeadMouse. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida HeadMouse Grupo de Investigação em Robótica Universidade de Lérida Manual de utilização e perguntas frequentes O que é o HeadMouse? O HeadMouse é um programa gratuito desenhado para substituir o rato convencional.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.

ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1. Ciclos de Torno ÍNDICE 1 - Ciclo Fixo... 4 1.1 - Ciclo Fixo de Faceamento... 5 1.1.1 - Faceamento simples... 8 1.1.2 - Faceamento de perfil... 10 1.2 - Ciclo Fixo de Desbaste... 15 1.2.1 - Desbaste simples...

Leia mais

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo.

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA 1. Informações Gerais. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. O item do menu Manutenção de Matrícula tem por objetivo manter

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Notas de Aula AutoCad Prof. Sérgio Viana

Notas de Aula AutoCad Prof. Sérgio Viana Área de Trabalho Juntamente com a área de trabalho, poderão estar abertas algumas barras de ferramentas nas laterais da tela, que servem de suporte ai desenho. Janelas de Comandos Figura 1 Área de trabalho

Leia mais

Microsoft Word 97 Básico

Microsoft Word 97 Básico Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região Microsoft Word 97 Básico DIMI - Divisão de Microinformática e Redes Índice: I. Executando o Word... 4 II. A tela do Word 97... 6 III. Digitando

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

4 RECURSOS AUTOMATIZADOS DO EXCEL

4 RECURSOS AUTOMATIZADOS DO EXCEL 4 RECURSOS AUTOMATIZADOS DO EXCEL 4.1 Auto Preenchimento O Excel possui um recurso de grande ajuda para quem necessita digitar uma seqüência de células cujo conteúdo é seqüencial. Esse recurso, chamado

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Algoritmos com VisuAlg

Algoritmos com VisuAlg Algoritmos com VisuAlg Prof Gerson Volney Lagemann Depto Eng de Produção e Sistemas UDESC - CCT Algoritmos com VisuAlg Introdução A linguagem VisuAlg é simples, seu objetivo é disponibilizar um ambiente

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

Módulo de Topografia Avançada. Curvas de nível.

Módulo de Topografia Avançada. Curvas de nível. Módulo de Topografia Avançada Curvas de nível. Esta ferramenta gera a triangulação e o cálculo das curvas de nível para a representação do relevo em estudo. O acesso a este recurso está no menu suspenso

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

VIDJAYA INFORMÁTICA LTDA.

VIDJAYA INFORMÁTICA LTDA. Parametrização do formato e características visuais da tabela eletrônica Área Operacional Servidor Área Espelho Terminal (2) Modelo de terminal 1 Área Operacional Modelo de terminal 2 Modelo de terminal

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca

AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp. João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca AutoLISP - IV Ambiente de programação Visual Lisp João Manuel R. S. Tavares Joaquim Oliveira Fonseca Ambiente de programação Visual Lisp O software Visual Lisp é um ambiente de programação para a linguagem

Leia mais

CNC 8055 TCO/MCO Manual de Operação

CNC 8055 TCO/MCO Manual de Operação CNC 8055 TCO/MCO Manual de Operação Ref. 0006 (bra) INDICE INTRODUÇÃO Condições de segurança...3 Condições de reenvio...5 Documentação Fagor para o CNC 8055-CO...6 1. CONFIGURAÇÕES 1.1 Conexões...2 1.2

Leia mais

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis.

Este tipo de programação é feito através da atribuição de valores à variáveis. 11 - MACRO B 11. MACRO B A função MACRO B é utilizada quando se deseja trabalhar na programação de peças complexas, famílias de peças e outras funções especiais tais como operações aritméticas, desvios

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior 2000 Mozart de Melo Alves Júnior INTRODUÇÃO O Excel 7.0 é um aplicativo de planilha desenvolvido para ser usado dentro do ambiente Windows. As planilhas criadas a partir desta ferramenta poderão ser impressas,

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica Em certa época, a planilha era um pedaço de papel que os contadores e planejadores de empresas utilizavam para colocar

Leia mais

Curso de Capacitação ao Sistema CDV. - GID Desmanches -

Curso de Capacitação ao Sistema CDV. - GID Desmanches - Curso de Capacitação ao Sistema CDV - GID Desmanches - Coordenadoria de Gestão de Desmanches Divisão de Desmanches Conteúdo Módulo 1 Como utilizar o Moodle... 4 Módulo 2 - Acessando o GID CDV... 4 Aula

Leia mais

Manual do Usuário ZKPatrol1.0

Manual do Usuário ZKPatrol1.0 Manual do Usuário ZKPatrol1.0 SOFTWARE Sumário 1 Introdução de Funções... 3 1.2 Operação Básica... 4 1.3 Seleção de idioma... 4 2 Gerenciamento do Sistema... 5 2.1 Entrar no sistema... 5 2.2 Sair do Sistema...

Leia mais

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003

Iniciação ao Comando Numérico Computadorizado. Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 1 Iniciação ao Comando Numérico SENAI-SP, 2003 Trabalho organizado pela escola SENAI Mariano Ferraz do Departamento Regional do SENAI-SP Revisão 10 / 05 / 06 Equipe responsável Coordenação Geral Adelmo

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo.

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA 1. Informações Gerais. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. O item do menu Manutenção de Matrícula tem por objetivo manter

Leia mais

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro Programmierunterstützung Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro, o suporte de programação da INDEX O suporte de programação para um trabalho prático O VirtualPro

Leia mais

Especificação do Trabalho Prático

Especificação do Trabalho Prático Especificação do Trabalho Prático O trabalho prático da disciplina consiste em desenvolver um programa utilizando a linguagem de programação C. A seguir, encontram-se a descrição do problema, a forma de

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Manual do Usuário. Telefone Sem Fio LS3 MANUAL DO USUÁRIO

Manual do Usuário. Telefone Sem Fio LS3 MANUAL DO USUÁRIO Telefone Sem Fio LS3 MANUAL DO USUÁRIO Introdução 3 1. Indicações de segurança 4 2 Instrução ao teclado e aos ícones 6 2.1 Teclado 6 2.2 Ícones 7 3 Instalação 7 3.1 Instalação do sim card 7 3.2 Carregando

Leia mais

CNC 8055 M. Novas Funções. Ref.1507 Soft: V02.2x

CNC 8055 M. Novas Funções. Ref.1507 Soft: V02.2x CNC 8055 M Novas Funções Ref.1507 Soft: V02.2x PRODUTOS DE DUPLA UTILIZAÇÃO. Os produtos fabricados pela FAGOR AUTOMATION a partir de 1 de abril de 2014, se incluídos na lista de produtos de dupla utilização

Leia mais

Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite. Excel. Profª Leticia Lopes Leite

Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite. Excel. Profª Leticia Lopes Leite Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite Excel Profª Leticia Lopes Leite 1 Indice 1 Indice 2 2 Introdução 4 2.1 Área de Trabalho 4 2.2 Barra de Ferramentas 5 2.2.1 Ferramenta Pincel 5 2.2.2 Classificar

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

Os primeiros passos com a TI-Nspire

Os primeiros passos com a TI-Nspire Os primeiros passos com a TI-Nspire 1. Cria um novo documento: pressiona a tecla HOME, c, e selecciona 6:New Doc pressionando 6 ou quando o ícone estiver seleccionado. Se tiveres outro documento aberto,

Leia mais

VirtualKeyboard. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida

VirtualKeyboard. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida VirtualKeyboard Grupo de Investigação em Robótica Universidade de Lérida Manual de utilização e perguntas frequentes O que é o VirtualKeyboard? O VirtualKeyboard é um programa gratuito que simula um teclado

Leia mais

Introdução ao Controle Numérico

Introdução ao Controle Numérico Introdução ao Controle Numérico Prof. João Paulo P. Marcicano; e-mail: marcican@usp.br Introdução O controle numérico (CN) é um método de controle dos movimentos de máquinas pela interpretação direta de

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais