OS EFEITOS ARGUMENTATIVOS EM FOLDERES PUBLICITÁRIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS EFEITOS ARGUMENTATIVOS EM FOLDERES PUBLICITÁRIOS"

Transcrição

1 Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul OS EFEITOS ARGUMENTATIVOS EM FOLDERES PUBLICITÁRIOS Natália de Sousa Aldrigue Universidade Federal da Paraíba Lucienne C. Espíndola Universidade Federal da Paraíba ABSTRACT : The focus of this work is to describe the argumentative structure of turistic and promotional advertising transmitted by folder and to identify its possible efects of sense on semantic -argumentative perspective. To reach this goal we used like suport the Teory of the Argument postuleted by Ducrot (1988) and collaborators. Besides this, we fell back upon the Theory of Modalização and of the Acts of Speech. KEYWORDS: Argumantation; advertising; folder 0. Introdução Nossa pesquisa objetivou descrever a estrutura argumentativa da propaganda turística e promocional veiculada pelo folder e identificar os possíveis efeitos de sentido dela decorrentes, na perspectiva semânticoargumentativa, isto é, quais mecanismos lingüístico-discursivos marcam a direção argumentativa nesse gênero. Para tal descrição, tomaremos a noção bakhtiniana de gêneros do discurso como tipos relativamente estáveis de enunciados (BAKHTIN, 2000:279). Para alcançar o objetivo acima mencionado, nos apoiamos, sobretudo, na Teoria da Argumentação postulada por Ducrot (1988) e colaboradores, Koch (2001), entre outros lingüistas que estudam a argumentação. Esse estudo é embasado em três hipóteses 1 : todos os gêneros discursivos apresentam uma direção argumentativa marcada lingüisticamente; o processo de leitura, necessariamente, precisa dar conta dessas marcas lingüísticas para que se possa chegar a um dos possíveis sentidos do texto. 1.Fundamentação Teórica 1.1.Propaganda ou Publicidade? Há muitas controvérsias entre os que fazem comunicação no que se refere à definição de propaganda e publicidade. Fundamentalmente, propaganda pode ser definida como a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza; e publicidade é a divulgação de um produto ou serviço com o objetivo de informar e despertar interesse de compra/uso nos consumidores. Mas, no Brasil, eles fundem-se em um só; ora utiliza-se o termo propaganda, ora, publicidade Folder De acordo com Nicolau, a função do folder é proporcionar orientação para o consumidor, aumentando o seu conhecimento em relação ao produto. Quanto ao aspecto estrutural, Newton (2000) revela-nos que é comum aos folderes: capa, interior e contracapa. Na capa, encontra-se o título ou chamada composto de texto ou texto mais ilustração, cujo objetivo é motivar a leitura, fazendo com que o leitor siga adiante. Na parte interna, normalmente, encontram-se informações básicas ou detalhadas sobre o que se quer divulgar e gráficos, fotos e diagramas que irão ilustrar e reforçar o conteúdo do folder. Por último, a contracapa que traz dados institucionais como, por exemplo, logomarcas e contatos da empresa responsável pelo serviço ou produto veiculado no folder ou de eventuais patrocinadores. Já no que se refere ao conteúdo, não encontramos subsídio teórico para, entretanto, com base na análise do corpus, identificamos algumas características comuns aos folderes. Um dos aspectos pertinentes é a linguagem (escolha lexical) que varia de acordo com o público ao qual se destinam os serviços oferecidos. 1 Trabalho apresentado no 14º COLE, 2003.

2 1.3. Teoria Da Argumentação Esta pesquisa está sendo desenvolvida na perspectiva semântico-argumentativa, cujo alicerce é a Teoria da Argumentação postulada por Ascombre-Ducrot (1988) e colaboradores, para quem a argumentatividade está inscrita na própria língua. Sublinhe-se que embora o teórico e lingüista Ducrot veicule que a língua é essencialmente argumentativa, Espíndola 2 faz um adendo a essa tese: o uso da língua também é argumentativo. Quer dizer, com base nos resultados sobre as estratégias argumentativ as empregadas em alguns gêneros, constatou-se que os elementos lingüísticos não marcados no nosso discurso ou nos diversos gêneros discursivos em circulação podem ser recuperados pela análise do contexto - momento situacional, seja ele econômico, político, cultural, religioso ou social e que são responsáveis pelo prisma/intenção através do qual o locutor encaminha nossa leitura Teoria Da Modalização Para explicar o(s) efeito(s) de sentido decorrente(s) da presença de certos elementos lingüísticos nos textos em análise, buscamos subsídios na Teoria da Modalização e utilizaremos a classificação proposta por Castilho & Castilho (1992) para as modalidades epistêmicas, deônticas e os julgamentos de valor, os quais são agrupados em três tipos de modalização: 1. Modalização Epistêmica: expressa uma avaliação sobre o valor de verdade e as condições de verdade da proposição (op.cit., p. 222). Compreende três subclasses: os asseverativos, afirmativos (como, realmente, evidentemente) ou negativos (como, de jeito nenhum, de forma alguma), indicam que o falante considera verdadeiro o conteúdo de P. ; os Quase Asseverativos indicam que o falante considera o conteúdo de P quase certo, tais como: talvez, assim, possivelmente, provavelmente; os Delimitadores estabelecem o limite dos quais se deve encarar o conteúdo de P. Alguns exemplos são: quase, um tipo de, uma espécie de. 2. Modalização Deôntica: indica que o falante considera o conteúdo de P como um estado de coisas que deve, que precisa ocorrer obrigatoriamente. São exemplos de deônticos: obrigatoriamente, necessariamente. 3. Modalização Afetiva: verbaliza as reações emotivas do falante em face do conteúdo proposicional, deixando de lado quaisquer considerações de caráter epistêmico ou deôntico. Há dois tipos de modalizadores afetivos: subjetivos que expressam uma predicação dupla, a do falante em face de P e a da própria proposição, como em felizmente, infelizmente, curiosamente,etc; e os intersubjetivos que expressam uma predicação simples, assumida pelo falante em face de seu interlocutor, a propósito de P, como em sinceramente, estranhamente, francamente, lamentavelmente Teoria Dos Atos De Fala Recorremos à Teoria dos atos de Fala, postulada por J. L. Austin (1962) e Searle (1969) (Filósofos da Escola Analítica de Oxford), para explicar, nos folderes publicitários, os efeitos argumentativos veiculados por alguns verbos no modo imperativo. Para o filósofo Paul Grice (1982), a linguagem é um instrumento utilizado pelo locutor para comunicar ao seu destinatário suas intenções, nas quais está embutido o sentido. Para Austin (1962), a linguagem é uma forma de ação (todo dizer é um fazer). É pelo uso efetivo da língua, como ação humana, social e intencional que ele tenta estabelecer critérios para definir o caráter performativo da linguagem, ou seja, o poder que esta tem de praticar ações através dos atos de fala. A Teoria dos Atos de fala reflete os diversos tipos de ações humanas que se realizam através da linguagem (Koch, 1987:19). Austin distingue três tipos de atos de fala: locucionários, ilocucionários e perlocucionários. Segundo Koch (ob. cit.), os atos locucionários consistem na emissão de um conjunto de sons, organizados de acordo com as regras da língua, é o ato de pronunciá-los; o ato ilocucionário atribui a esse conjunto conteúdo ou proposição uma determinada força (de pergunta, de asserção, de ordem, de promessa etc.). Ou seja, é o valor que se reveste um enunciado; os atos perlocucionários serão aqueles destinados a exercerem efeitos sobre o interlocutor, como, por exemplo, o de persuadir, assustar, incitar, agradar etc., efeitos que podem realizar-se ou não, haja vista que somente a entonação, expressões fisionômicas e as condições gerais em que o enunciado é produzido permitirão detectar a verdadeira força do ato produzido. 2 Trabalho apresentado no 14º COLE, 2003.

3 Assim, o ato locucionário é a produção do sentido que se opõe à força do ato ilocucionário. Esses dois se distinguem do ato perlocucionário, que é a produção de um efeito sobre o interlocutor. Torna-se melhor compreendido quando colocamos da seguinte maneira: o locutório é o pronunciamento, o ilocutório é o que revela a intenção de quem diz, a força de emissão, e o perlocutório é o efeito da produção do referido ato. 2. Metodologia Foram analisados 20 (vinte) folderes turísticos e posteriormente 11 (onze) folderes promocionais, coletados entre os meses de outubro e novembro de 2003 e fevereiro de 2004, respectivamente, em uma agência de viagem e uma agência de publicidade. Feita essa coleta, selecionamos e caracterizamos, a partir de então, o folder turístico e o folder promocional partindo das poucas informações levantadas por Sampaio (1999) sobre a parte estrutural 3 e as características por nós levantadas quanto a seu conteúdo 4. Para tal, lançamos mão de alguns critérios, tais como: período, o contexto social (que abrange diferentes públicos) e as características particulares da propaganda turística veiculada pelo folder, as quais precisam ser consideradas quando da coleta do corpus. 3. Análise E Discussão Do s Resultados Legenda Verbos no modo imperativo Operadores Argumentativos Adjetivos Nossa análise está subdividida em 4 (quatro) partes para uma melhor discussão; em cada uma apresenta-se um mecanismo/recurso argumentativo relevante na análise da pro paganda veiculada pelo folder turístico e pela propaganda veiculada pelo folder promocional. Constatam-se, nas duas modalidades de folderes analisados, algumas estratégias pertinentes e relevantes. Entre elas, destacam-se o auditório, os adjetivos (modalizadores), operadores argumentativos e verbos no modo imperativo como os principais elementos responsáveis pelo direcionamento argumentativo pretendido pelo locutor. No que se refere ao auditório, temos algumas considerações a tecer. Para tanto, comecemos por defini-lo: segundo Perelman (1999:33), é como o conjunto daqueles que o orador 5 quer influenciar pela sua argumentação. Verificou-se que a linguagem da maioria dos folderes varia conforme o público alvo/auditório; isso implica dizer que, de acordo com os diferentes auditórios, serão feitas escolhas de elementos persuasivos distintos, mecanismos que influenciam de determinada maneira conforme o público ao qual se destina o folder, logo, a linguagem adapta-se ao público alvo. Para alicerçar essa constatação Perelman 6 nos diz O orador que queira agir eficazmente pelo seu discurso deve adaptar-se ao seu auditório. Em outras palavras, para que o locutor/produtor do texto/discurso alcance seus objetivos será importante que a linguagem esteja de acordo com dado interlocutor/auditório; caso contrário, poderá não ser bem compreendida, conseqüentemente, aquele não conseguirá adesão/atenção de seu interlocutor. Vejamos a aplicação dessa teoria, comparando a estruturação discursiva nos seguintes exemplos: Temos uma espécie de contraste entre os lexemas do folder 1 Comfort Fortaleza e do folder 2 Hotel Canariu s D Gaibú. O texto do primeiro (f3) 7 está, a partir da seleção do vocabulário, direcionado para um determinado público: empresários, executivos. Além disso, as facilidades oferecidas pelo Hotel (fitness center com sauna a vapor, área de eventos e convenções para até 300 pessoas, business center), bem como expressões já direcionadas, são para um auditório específico (depois de um dia de excelentes negócios, tem tudo o que você precisa par seus negócios ou suas férias) denotam para quais pessoas estão orientados os serviços do referido Hotel. Em contrapartida, o segundo texto (f4) 8 está voltado para aquelas pessoas que querem descansar sentindo o ar da 3 Folder é um folheto publicitário constituído de uma única folha, com uma ou mais dobras (1999: 333). 4 Características comuns aos folderes. 5 Deve-se entender orador como locutor. 6 Op. Cit. P Leia-se Folder 3. 8 Leia-se Folder 4.

4 natureza. Esse folder reza que, além de (você) desfrutar os benefícios trazidos pela natureza, também pode-se contar com o conforto oferecido pelo Hotel em meio à natureza. Note-se que, de acordo com o auditório, a estruturação discursiva é diferente, a escolha do vocabulário depende da necessidade interpretada pelo locutor - de cada público. Isto é, para determinados executivos que não apreciam estar em contato direto com a natureza, a melhor decisão é escolher o Comfort Fortaleza, porém, para outros que sentem a necessidade de estar próximo à natureza, a melhor opção, embora pareça não tão confortável para o primeiro grupo, é o Hotel Canariu s D Gaibú por estar localizado em meio à natureza. A diferença entre o público alvo, nos folderes analisados, parece determinar a linguagem, isto é, os serviços oferecidos apresentam-se argumentativamente de maneira diferente, ajustando-se ao auditório. Isso porque, retomando as palavras de KOCH (2001), quando atuamos sobre o outro temos determinadas intenções e são essas intenções que determinarão o modo como estruturamos o nosso discurso, logo, o efeito de sentido provocado pelos lexemas precisam ser levados em consideração porque A questão está em saber como as intenções se dão a conhecer ao ouvinte. E o problema se põe porque as palavras, as frases não dizem uma só e única coisa em todas as situações em que são usadas. (GUIMARÃES, 1995: 32) No tocante aos adjetivos, verifica-se que a grande maioria está disposta sob uma escala argumentativa. Além da visão de simples qualificadores dos substantivos eles denotam o lugar/modo de onde o locutor fala, sua opinião acerca do que está veiculando; porém isso é feito de modo que, para o interlocutor, os serviços oferecidos (pelos hotéis ou pousadas) bem como as vantagens, também por eles aferidas, pareçam estar sempre no topo. Destacamos, aqui, recortes nos quais aparecem tais adjetivos. F1 lugar ideal, delicioso passeio, melhor lugar, excelentes negócios, linda piscina, relaxante sauna a vapor, completo business center; F2 o melhor, sempre ensolarado, melhor da natureza; Todos os adjetivos acima estão sendo utilizados em favor de uma mesma conclusão, quer dizer, os argumentos, nesse caso veiculados a partir da seleção de adjetivos de intensificação 9, são postos como o que há de melhor, no topo. Desse modo, pode-se aferir que o efeito de sentido causado por esse mecanismo argumentativo é conseguir uma maior adesão junto ao provável público alvo, quer dizer, intencionalmente o locutor selecionou adjetivos que, além de denotarem sua opinião, seu olhar, também intensificam a qualidade dos serviços oferecidos. Quanto aos operadores argumentativos, encontramos, na maioria dos folderes analisados, em maior recorrência, operadores que somam argumentos a favor de uma mesma conclusão (KOCH, 2001: 32). Vejam-se os seguintes exemplos: Folder 2 (além do azul do céu (...) também todo o conforto, não só desfrutando a praia (...) como também os ambientes); Partindo do objetivo principal do folder vender um serviço, os argumentos sempre favoráveis para os vários auditórios são apresentados de maneira a somar sempre vantagens, argumentos positivos em favor de uma mesma conclusão: mostrar, quase sempre, um algo a mais, um diferencial. Essa estratégia, na perspectiva desta pesquisa, é pertinente uma vez que o locutor, para conseguir uma adesão maior junto ao virtual público/interlocutor, buscou empregar, não aleatoriamente, argumentos (somatórios) que convergem para tal objetivo. Em alguns folderes, também observamos a presença de verbos no imperativo, como uma forma de chamar o leitor, convidá-lo a conferir o que está escrito no folder; retomando as palavras de Chalhub (1987) é através principalmente da função conativa também chamada apelativa que o produtor do texto locutor se faz notar. O emprego de verbos no modo imperativo é uma tentativa de influenciar o auditório, de chamá -lo para aproveitar as vantagens oferecidas. Essa é mais uma forma de persuasão, estratégia argumentativa contida no gênero folder. Vejase um exemplo: f3 não perca este lance, por nada. Como podemos observar, os verbos citados veiculam atos ilocucionários, pois segundo a classificação de Chalhub, são destinados a persuadir, incitar, agradar o interlocutor. Esses efeitos podem ser ainda mais perceptíveis quando agregados aos verbos estão as imagens do lugar (o que ocorre na maioria dos folderes pesquisados) e expressões de satisfação. Isso permite detectar a verdadeira força do ato produzido, a entonação, expressões fisionômicas e as condições gerais em que o enunciado é produzido. 9 Neves, 2000: 204.

5 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Após seis meses de investigação acerca da estrutura argumentativa do gênero discursivo folder turístico, e posteriormente, seis meses, estudando o gênero discursivo folder promocional, podemos tecer algumas considerações. O folder turístico é um meio de divulgação de fácil manuseio, podendo ser consultado várias vezes, e de linguagem simples, direcionado, sobretudo, para o turista; sua estrutura se caracteriza por apresentar mecanismos (argumentativos) que possibilitam ao anunciante informar (persuadindo) vantagens sobre os serviços oferecidos. Dentre os quais podemos elencar: 1. a linguagem utilizada no folder adequa-se ao auditório ao qual está direcionada; 2. os adjetivos de intensificação conferem à linguagem um apelo, uma tentativa de conseguir uma maior adesão junto ao público, contribuindo de maneira significativa na construção de um dos possíveis sentidos do texto (vender uma imagem de boa qualidade dos serviços); 3. o emprego de verbos no modo imperativo é uma estratégia da qual o locutor se utiliza para chamar a atenção, convidar o interlocutor para desfrutar das vantagens dos serviços oferecidos; 4. os operadores argumentativos que somam argumentos em favor de uma mesma conclusão adicionam uma vantagem, um algo a mais em relação ao serviço oferecido. O folder promocional também segue esta mesma estrutura lingüística, sendo ainda acrescido à presença constante de datas e regulamentos da promoção, pois diferentemente do folder turístico seu período de vida é mais curto, tendo um prazo de validade. O resultado dessa pesquisa revelou-nos a importância dos possíveis efeitos de sentido gerados pelo emprego de tais estratégias. Há que evidenciar, retomando KOCH (2001), que quando interagimos através da linguagem temos intenções, objetivos a serem atingidos, pretendemos, quase sempre, causar reações, comportamentos no interlocutor é por isso que se pode afirmar que o uso da linguagem é essencialmente argumentativo 10 RESUMO: Neste trabalho objetivamos descrever a estrutura argumentativa da propaganda turística e promocional veiculada pelo folder e identificar os possíveis efeitos de sentido dela decorrentes, na perspectiva semântico-argumentativa. Para isso, nos apoiamos, na Teoria da Argumentação postulada por Ducrot (1988) e colaboradores. Além desta, recorremos à Teoria da Modalização e dos Atos de Fala. PALAVRAS-CHAVE: argumentação; publicidade; folder REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: Estética da criação verbal(trad. M. E. G.). São Paulo: Martins Fontes, CARVALHO, André & MARTINS, Sebastião. Propaganda. Belo Horizonte: Editota Lê, 1997.(coleção pergunte ao josé) DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Campinas, SP: Pontes, ESPÍNDOLA, Lucienne C. Né, (eu) acho ( que) e aí : Operadores argumentativos do texto falado. Florianópolis, p. Tese (Doutorado em Lingüística) Universidade de Santa Catarina. KOCH, Ingedore G. V. Argumentação e linguagem. 2ª. São Paulo: Cortez, SAMPAIO, Rafael. Propaganda de A a Z. Como usar a propaganda para construir marcas e empresas de sucesso. Rio de Janeiro: Campus: ABP, SANDMANN, Antonio. A Linguagem da Propaganda. São Paulo: Contexto, (Coleção Repensando a língua portuguesa). 10 Op. Cit. P. 29.

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO

INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM. NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO 1 INSTITUTO CAMPINENSE DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU CURSO DE ENFERMAGEM NOME DOS ALUNOS (equipe de 4 pessoas) TÍTULO DO PROJETO CAMPINA GRANDE-PB 2014 2 NOME DOS ALUNOS (equipe de 4

Leia mais

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva.

O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO. PALAVRAS-CHAVE: propaganda; argumentação; verbo no imperativo; sequência injuntiva. O USO DO IMPERATIVO NAS PROPAGANDAS DE CRÉDITO Diana de Oliveira MENDONÇA 1 Maíra Dévely Silva BORGES 2 Sunamita Sâmela Simplício da SILVA 3 Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras Modernas/UFRN

Leia mais

O DISCURSO SEMANTICO ARGUMENTATIVO DO FOLDER TURÍSTICO

O DISCURSO SEMANTICO ARGUMENTATIVO DO FOLDER TURÍSTICO 1977 O DISCURSO SEMANTICO ARGUMENTATIVO DO FOLDER TURÍSTICO Natália de Sousa Aldrigue Lucienne C. Espíndola 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa objetivou descrever a estrutura argumentativa da propaganda turística

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO

A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO A INFORMAÇÃO E A FORMAÇÃO BECK, Eliane Maria Cabral (UNIOESTE)² PALAVRAS-CHAVE: interpretação, interlocutor, contexto. Resumo: Pretende-se, com este trabalho, analisar a transmissão de informação expressa

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE

OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE OS MECANISMOS DE COESÃO EM CAMPANHAS DE SAÚDE Kleiton Cassemiro do Nascimento¹ DLLEM / UFRN Kleitoncass@gmail.com RESUMO Este trabalho tem como objetivo fazer uma análise dos mecanismos de coesão adotados

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

Austin: dizer é fazer

Austin: dizer é fazer Austin: dizer é fazer Referências: Austin, John L., How to do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, 1975. Rodrigues, Adriano, A Partitura Invisível, Lisboa, Colibri, 2001. Searle, John, Speech

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO 1 AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO O Sr. Asdrúbal Matrimônio, proprietário da gráfica Casamentos & Casórios Ltda., especializada em convites de casamento com dobras e cortes especiais, oferecia um

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

1ª Mostra/Concurso de Fotografia Ballace

1ª Mostra/Concurso de Fotografia Ballace 1ª Mostra/Concurso de Fotografia Ballace 1. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Dançar é uma arte do tempo e do espaço, onde todos se rendem à sua contemplação! O Ballace Produções Artísticas, atenta ao papel de fomentar

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS Adailton Almeida Barros - adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) PIBID Subprojeto/Língua Inglesa

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING

COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING COMO CRIAR UMA ESTRATÉGIA DE E-MAIL MARKETING A palavra estratégia, segundo o dicionário Informal 1, é a ação ou caminho mais adequado a ser executado para alcançar um objetivo ou meta. Para se traçar

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

A MODALIZAÇÃO NOS DISCURSOS DE UMA AUTORIDADE POLÍTICA E DE UMA AUTORIDADE RELIGIOSA

A MODALIZAÇÃO NOS DISCURSOS DE UMA AUTORIDADE POLÍTICA E DE UMA AUTORIDADE RELIGIOSA A MODALIZAÇÃO NOS DISCURSOS DE UMA AUTORIDADE POLÍTICA E DE UMA AUTORIDADE RELIGIOSA 4 Rosangela Jovino Alves 1 RESUMO: O estudo das modalidades é de fundamental importância na tentativa de reconstrução

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br ENTREVISTA À REVISTA NOVA ESCOLA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM (Esta entrevista subsidiou matéria que saiu na Revista Nova Escola de novembro de 2001) 1. O sr. considera as provas e exames instrumentos

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

Exposição nas redes sociais: uma análise à luz da Semiótica

Exposição nas redes sociais: uma análise à luz da Semiótica Exposição nas redes sociais: uma análise à luz da Semiótica Aline Akar Daniela Paula Cardoso Sandra Rocha Ribeiro Neste artigo, abordaremos uma realidade que tem ocorrido com frequência nas redes sociais:

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br FUNÇÕES DA LINGUAGEM Professor Jailton www.professorjailton.com.br Comunicação e Intencionalidade discursiva / Funções Intrínsecas do Texto Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas.

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. 2 INTRODUÇÃO Em um curto espaço de tempo, vimos o Facebook ir do zero ao status de uma das

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito

DIREÇÃO DE ARTE Prof. Breno Brito CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS2/CS3 DIREÇÃO DE ARTE Apostila 9 CRIAÇÃO PARA REVISTA E JORNAL ABRIL 2015 CRIAÇÃO PARA A MÍDIA IMPRESSA Quando se cria um anúncio, tudo precisa

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

MODALIZADORES LINGUÍSTICOS

MODALIZADORES LINGUÍSTICOS (2ª série - 2014) MODALIZADORES LINGUÍSTICOS Marianna Aguiar MODALIZADORES Os modalizadores explicitam o ponto de vista, a posição assumida pelo sujeito no enunciado. Eles sustentam o modo como o indivíduo

Leia mais

O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1

O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1 O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1 Palavras-chave: Avaliatividade. Análise de discurso. Formação continuada de professores

Leia mais

POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA

POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA POLISSEMIA E HOMONÍMIA: EMPRÉSTIMOS DENTRO DA PRÓPRIA LÍNGUA Adriane Rita dos Santos Jhesyka da Silva Furlan Luma de Fátima Sanches Maryanne Souza Carulla Paulo Henrique Alves Capelari (G- CLCA-UENP/CJ)

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA DO FOLDER TURÍSTICO - EM BUSCA DE PERSPECTIVA. Palavras chaves Folder; divulgação turística; folder turístico

AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA DO FOLDER TURÍSTICO - EM BUSCA DE PERSPECTIVA. Palavras chaves Folder; divulgação turística; folder turístico AVALIAÇÃO QUANTITATIVA E QUALITATIVA DO FOLDER TURÍSTICO - EM BUSCA DE PERSPECTIVA Clotilde Zai (clozai@bol.com.br), Maria Alcione Boiko (mariaalcione@uol.com.br), Marcio Rogério da Silva (zefinimdeiretama@yahoo.com.br),

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Projeto O COLUNIsta. PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq. Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel

Projeto O COLUNIsta. PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq. Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq Projeto O COLUNIsta Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel Bolsista: Cleiton Paulo Venâncio Ferreira Matrícula: 002205/06 Bolsista: Camila Rodrigues dos Santos Matrícula:

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO Ana Karla Pereira de MIRANDA Universidade Federal do Mato Grosso do Sul PPGMEL ak_miranda@hotmail.com Resumo:

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS Marcus Vinícius Batista Nascimento Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP RESUMO

Leia mais

Apresentação. Público. Abrangência / Tiragem Atibaia / 3.000 exemplares impressos / edição on line

Apresentação. Público. Abrangência / Tiragem Atibaia / 3.000 exemplares impressos / edição on line CMídia Kit 2015 Apresentação O que é A revista Circulô Conceitual é um periódico quadrimestral, distribuído gratuitamente em locais estratégicos da cidade. Chega para suprir as necessidades e interesses

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende

QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende QUESTIONANDO VERDADES E SENTIDOS Luciana Pereira Rezende Nosso trabalho fala da argumentação e como utilizamos recursos argumentativos dentro da linguagem, e esta argumentação traz tanto efeitos positivos

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais