TEORIA DA EXCEÇÃO, RESPOSTA DO RÉU E REVELIA (NCPC)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DA EXCEÇÃO, RESPOSTA DO RÉU E REVELIA (NCPC)"

Transcrição

1 TEORIA DA EXCEÇÃO, RESPOSTA DO RÉU E REVELIA (NCPC) PROCESSO CIVIL Curso de Direito Processual Civil de Fredie Didier (2016) TEORIA DA EXCEÇÃO - Exceção está para o réu assim como ação está para o autor. Aplicando as 3 acepções de ação já vistas, teremos os 3 sentidos de exceção: PRÉ-PROCESSUAL PROCESSUAL MATERIAL (EXCEÇÃO SUBSTANCIAL) EXCEÇÃO = DIREITO ABSTRATO DE DEFESA. Sentido estático. É um conjunto de garantias (contestar, produzir provas, recorrer, direito a uma decisão de mérito etc). O réu tem direito a um procedimento adequado. EXCEÇÃO = EXERCÍCIO DO DIREITO ABSTRATO DE DEFESA EM PROCESSO JUDICIAL (DEFESA CONCRETAMENTE EXERCIDA). Ato de defender-se, qualquer que seja a defesa. Sentido dinâmico. É essa acepção que será trabalhada nesse capítulo. EXCEÇÃO SUBSTANCIAL = CONTRADIREITO DO RÉU EM FACE DO AUTOR. É um direito que se exercita contra o exercício de um outro direito, não negando-o, mas neutralizando ou extinguindo sua eficácia. Trata-se de uma espécie de defesa pela qual o réu exerce um direito, uma situação jurídica ativa, cuja peculiaridade é exatamente ser exercida contra a afirmação de um direito pelo autor. Tema afeto ao direito material. a) Exceção de contrato não cumprido (ao alegar o não cumprimento da prestação enquanto não houver o cumprimento pela outra parte, não se está negando o seu direito, mas apenas neutralizando-o). b) Prescrição (não se nega a existência da dívida, mas extingue-se a sua exigibilidade); c) Benefício de ordem do fiador (o fiador executado não nega o direito do exequente, apenas neutraliza sua pretensão ao exercer seu direito de ver os bens do devedor penhorados antes dos seus); d) Direito de retenção (não se nega que a outra parte tenha direito sobre a coisa, apenas se retém a coisa enquanto a outra parte não realiza a indenização pelas benfeitorias). e) Compensação (embora não seja unânime seu enquadramento como exceção substancial, Didier entende que a alegação do direito à compensação extingue a situação jurídica afirmada pelo autor). A exceção substancial NÃO se exercita por reconvenção: reconvenção não é um contradireito, é um direito exercitado como defesa. O mesmo se aplica ao pedido contraposto. Usucapião em defesa NÃO é exceção substancial: se eu alego usucapião em defesa, eu estou negando que o autor não tem direito, porque o proprietário sou eu. A exceção substancial, em regra, precisa ser exercida pelo réu, não podendo ser conhecida ex officio pelo juiz. Exceção: prescrição. ESPÉCIES DE DEFESA DEFESA DE MÉRITO Volta-se contra a pretensão deduzida em juízo pelo autor. Obs.: pode ter por objeto uma questão processual (ação rescisória, embargos à execução). DEFESA DE ADMISSIBILIDADE Tem por objeto os pressupostos processuais. O réu questiona a viabilidade da apreciação do mérito. 1

2 OBJEÇÕES Alegação de defesa que PODE SER CONHECIDA EX OFFICIO pelo juiz. Exemplos: decadência legal, causas de nulidade absoluta do negócio jurídico, questões relacionadas à admissibilidade. EXCEÇÃO DILATÓRIA Dilata no tempo o exercício de determinada pretensão. Exemplo: nulidade de citação, conexão, direito de retenção etc. DEFESA DIRETA O réu NÃO TRAZ FATO NOVO ao processo, negando a existência dos fatos jurídicos constitutivos do direito do autor ou as consequências jurídicas que o autor pretende retirar dos fatos que aduz. Como não há fato novo, não há necessidade de réplica após a contestação. EXCEÇÃO INTERNA Pode ser formulada no bojo dos autos em que está sendo demandado o réu. EXCEÇÕES EM SENTIDO ESTRITO A alegação de defesa que, para ser conhecida, precisa ter sido arguida pelo interessado. NÃO PODEM SER CONHECIDAS EX OFFICIO. EXCEÇÃO PEREMPTÓRIA Fulmina o exercício da pretensão. Exemplos: pagamento, decadência, prescrição, carência de ação, litispendência etc. DEFESA INDIRETA O réu traz FATO NOVO ao processo, o qual impede, modifica ou extingue o direito do autor. Há necessidade de réplica após a contestação, oportunidade em que o autor se manifestará sobre o fato novo. EXCEÇÃO INSTRUMENTAL Implica processamento autônomo, com autuação própria. Exemplo: alegação de suspeição e impedimento do juiz. RESPOSTA DO RÉU - Resposta do réu é uma designação genérica (qualquer manifestação que o réu faça sobre a demanda). Não confundir resposta do réu (gênero) com defesa ou contestação (espécie). - A resposta do réu tem lugar após a audiência preliminar de conciliação ou mediação, quando esta frustra seus objetivos ou quando não é o caso de sua designação. CONTESTAÇÃO - É através da contestação que o réu apresenta sua defesa. - Prazo de 15 DIAS, contados a partir (art. 335): Da audiência de conciliação ou de mediação, ou da última sessão de conciliação, quando qualquer parte não comparecer ou, comparecendo, não houver autocomposição. Do protocolo do pedido de cancelamento da audiência de conciliação ou de mediação apresentado pelo réu, quando a audiência não for realizada pelo desinteresse expresso de ambas as partes na conciliação (art. 334, 4º, I). Prevista no art. 231, de acordo com o modo como foi feita a citação, nos demais casos. - Se houver litisconsórcio passivo e um dos litisconsortes manifestar desinteresse na realização da audiência preliminar (art. 334, 6º), o termo inicial será, para cada um dos réus, a data de apresentação de seu respectivo pedido de cancelamento da audiência (art. 335, 1º). 2

3 - Quando a audiência preliminar não for realizada em virtude da não admissão de autocomposição (art. 334, 4º), havendo litisconsórcio passivo e o autor desistir da ação em relação a réu ainda não citado, o prazo para resposta correrá da data de intimação da decisão que homologar a desistência (art. 335, 2º). - A contestação pode ser indeferida. Exemplo: contestação intempestiva ou falta de comprovação da regularidade da representação processual da parte (como a falta de documentos que comprovem a aptidão do sócio para atuar em nome da sociedade). - Se o réu apresenta a contestação sem advogado, o juiz deve nomear um advogado dativo para ratificar a peça de defesa. O mesmo se aplica ao caso do incapaz que constituiu advogado e apresenta contestação, embora não tenha representante (cabe ao juiz nomear um curador especial). - Se a contestação for intempestiva e estiver acompanhada de documentos, embora a peça possa ser desentranhada, se for o caso, os documentos permanecem nos autos, pois o réu revel tem direito à produção de provas (súmula 231 do STF: o revel, em processo cível, pode produzir provas desde que compareça em tempo oportuno). - O art. 336 traz a REGRA DA EVENTUALIDADE OU DA CONCENTRAÇÃO DA DEFESA: Art Incumbe ao réu alegar, na contestação, toda a matéria de defesa, expondo as razões de fato e de direito com que impugna o pedido do autor e especificando as provas que pretende produzir. - Assim, o réu tem o ônus de alegar tudo quanto puder, sob pena de preclusão. Para isso, poderá cumular defesas (cumulação própria ou imprópria). Na imprópria, o réu pode formular defesas incompatíveis entre si, mas deve ser limitada pela boa-fé. Exemplo: se o réu afirma que a mercadoria entregue possui vícios, é impossível negar a sua entrega; o réu pode alegar que pagou e, na eventualidade, que a dívida está prescrita. - O art. 337 traz um rol de QUESTÕES QUE DEVEM SER ALEGADAS ANTES DA DISCUSSÃO DO MÉRITO: 1) Inexistência ou nulidade da citação; 2) Incompetência absoluta e relativa*; 3) Incorreção do valor da causa; 4) Inépcia da petição inicial; 5) Perempção; 6) Litispendência; 7) Coisa julgada; 8) Conexão; 9) Incapacidade da parte, defeito de representação ou falta de autorização; 10) Convenção de arbitragem*; 11) Ausência de legitimidade ou de interesse processual; 12) Falta de caução ou de outra prestação que a lei exige como preliminar; 13) Indevida concessão do benefício de gratuidade de justiça. 3

4 * APENAS A CONVENÇÃO DE ARBITRAGEM E A INCOMPETÊNCIA RELATIVA NÃO PODEM SER CONHECIDAS DE OFÍCIO (art. 337, 5º). - Didier faz uma crítica à intepretação literal do art O dispositivo, se interpretado literalmente, parte da premissa teórica de primazia das questões de admissibilidade em relação às questões de mérito. Contudo, a primazia deve ser do mérito. A falta de um requisito de admissibilidade que visa proteger o réu pode ser ignorada, por exemplo, se o órgão julgador puder julgar improcedente a demanda. Até mesmo porque o julgamento de improcedência pode ser mais interessante ao réu do que a extinção sem resolução do mérito. Assim, a falta de um requisito de validade somente pode gerar a invalidade do procedimento se houver prejuízo ao interesse protegido pela exigência formal que foi desrespeitada. 1) Inexistência ou nulidade de citação no máximo, o réu conseguirá a renovação do prazo para a apresentação de sua resposta (defesa dilatória). 2) Incompetência absoluta ou relativa não existe mais a diferença do CPC-73 (a incompetência relativa era alegada em instrumento distinto da contestação). Agora, relativa e absoluta serão alegadas na contestação. Vale lembrar que a relativa não pode ser conhecida de ofício. Art Havendo alegação de incompetência relativa ou absoluta, a contestação poderá ser protocolada no foro de domicílio do réu, fato que será imediatamente comunicado ao juiz da causa, preferencialmente por meio eletrônico. 1º A contestação será submetida a livre distribuição ou, se o réu houver sido citado por meio de carta precatória, juntada aos autos dessa carta, seguindo-se a sua imediata remessa para o juízo da causa. 2º Reconhecida a competência do foro indicado pelo réu, o juízo para o qual for distribuída a contestação ou a carta precatória será considerado prevento. 3º Alegada a incompetência nos termos do caput, será suspensa a realização da audiência de conciliação ou de mediação, se tiver sido designada. 4º Definida a competência, o juízo competente designará nova data para a audiência de conciliação ou de mediação. - Essa contestação é apta para adiar a audiência preliminar. A contestação não equivale ao pedido de cancelamento da audiência, que o réu poderia ter formulado, pois é possível que ele tenha interesse na autocomposição, mas apenas não aceita que a audiência preliminar se realize no foro que ele, réu, alega ser incompetente. - Note que caso o réu seja vitorioso na alegação de incompetência, este será, a princípio, o juízo competente para o processamento da causa (prevenção). Todavia, é possível que o réu indique como competente outro juízo, distinto daquele do seu domicílio. 4

5 3) Incorreção do valor da causa no CPC-73, era alegada em peça distinta. O art. 292 apresenta os critérios legais para a fixação do valor da causa. Se o réu não impugnar o valor da causa neste momento, haverá preclusão. - A decisão do juiz sobre essa alegação do réu é impugnável apenas por ocasião da apelação ou das contrarrazões (art. 1009, 1º). 4) Inépcia da petição inicial se o réu silenciar sobre este ponto, significa que ele conseguiu defenderse do que foi pedido e que a petição inicial não é inepta. 5) Perempção, litispendência e coisa julgada são requisitos processuais negativos (não podem existir para que o processo se instaure regularmente). Art º Verifica-se a litispendência ou a coisa julgada quando se reproduz ação anteriormente ajuizada. 2º Uma ação é idêntica a outra quando possui as mesmas partes, a mesma causa de pedir e o mesmo pedido. 3º Há litispendência quando se repete ação que está em curso. 4º Há coisa julgada quando se repete ação que já foi decidida por decisão transitada em julgado. 6) Conexão e continência estudados no capítulo de competência. 7) Incapacidade da parte, defeito de representação ou falta de autorização defeitos relacionados à capacidade processual. 8) Convenção de arbitragem é cláusula negocial firmada por pessoas capazes envolvendo direitos disponíveis. Não pode ser conhecida de ofício, quer se trate de cláusula compromissória, quer se trate de compromisso arbitral. Art. 337, 6º A ausência de alegação da existência de convenção de arbitragem, na forma prevista neste Capítulo, implica aceitação da jurisdição estatal e renúncia ao juízo arbitral. - A decisão que rejeita a alegação de convenção de arbitragem é impugnável por agravo de instrumento (art. 1015, III). Porém, a decisão que acolhe a alegação é uma sentença (art. 203, 1º), impugnável por apelação. - Enunciado 49 do FPPC: a competência do juízo estatal deverá ser analisada previamente à alegação de convenção de arbitragem. Observar a regra da Kompetenzkompetenz: é do juízo arbitral a competência para examinar a sua própria competência. A regra é um impedimento a priori à cognição do juízo estatal, na pendência do processo arbitral. Assim, caso o procedimento arbitral tenha sido 5

6 instaurado antes da propositura da ação, o juiz estatal, ao receber a alegação de convenção de arbitragem, suspenderá o processo, à espera da decisão do juízo arbitral sobre sua própria competência. Se o procedimento arbitral não houver sido instaurado, o juiz decidirá a questão. Se o procedimento arbitral for instaurado depois do ajuizamento da demanda perante o Poder Judiciário, mas antes da decisão do juiz a respeito da questão, o processo jurisdicional estatal também deverá ser suspenso, por idêntica razão. - A existência de convenção de arbitragem é fato que pode ser reconhecido pelo juízo arbitral, no caso em que o processo arbitral é anterior ao processo estatal, ou superveniente, mas antes da decisão do juiz estatal, ou pelo próprio órgão jurisdicional estatal, no caso de ainda não haver processo arbitral pendente. Assim, a extinção do processo jurisdicional estatal pode decorrer de uma decisão do juiz da causa ou como efeito anexo da decisão do juízo arbitral sobre a sua própria competência. 9) Ausência de legitimidade ou de interesse processual atenção às regras sobre a ilegitimidade passiva, aplicáveis a qualquer procedimento: Art Alegando o réu, na contestação, ser parte ilegítima ou não ser o responsável pelo prejuízo invocado, o juiz facultará ao autor, em 15 dias, a alteração da petição inicial para substituição do réu. Parágrafo único. Realizada a substituição, o autor reembolsará as despesas e pagará os honorários ao procurador do réu excluído, que serão fixados entre 3% e 5% do valor da causa ou, sendo este irrisório, nos termos do art. 85, 8º. Art Quando alegar sua ilegitimidade, incumbe ao réu indicar o sujeito passivo da relação jurídica discutida sempre que tiver conhecimento, sob pena de arcar com as despesas processuais e de indenizar o autor pelos prejuízos decorrentes da falta de indicação. 1º O autor, ao aceitar a indicação, procederá, no prazo de 15 dias, à alteração da petição inicial para a substituição do réu, observando-se, ainda, o parágrafo único do art º No prazo de 15 dias, o autor pode optar por alterar a petição inicial para incluir, como litisconsorte passivo, o sujeito indicado pelo réu. 10) Falta de caução ou de outra prestação que a lei exige como preliminar são exemplos: a) Não pagamento de honorários advocatícios de processo extinto sem resolução de mérito, quando o autor intente a mesma ação (art. 486, 2º); b) Não pagamento das custas processuais (art. 290); c) Não realização do depósito obrigatório na ação rescisória (art. 968, II); d) Não apresentação da caução pro expensis prevista no art ) Indevida concessão do benefício de gratuidade de justiça o NCPC não exige mais peça avulsa. 6

7 - Se a gratuidade da justiça for concedida após a petição inicial, o pedido de revogação será formulado por petição simples, no prazo de 15 dias (art. 100). - A decisão que acolhe o pedido de revogação é impugnável por agravo de instrumento (art. 101 e 1015, V). - A arguição de impedimento ou suspeição do juiz, membro do MP ou auxiliar da justiça deve ser arguida em peça distinta da contestação (será analisada no próximo resumo). - O art. 342 elenca DEFESAS QUE PODEM SER ALEGADAS APÓS A CONTESTAÇÃO: Art Depois da contestação, só é lícito ao réu deduzir novas alegações quando: II - Competir ao juiz conhecer delas de ofício; (objeções) I - Relativas a direito ou a fato superveniente; III - Por expressa autorização legal, puderem ser formuladas em qualquer tempo e grau de jurisdição. - Nesses casos, entende-se que a contestação pode ser aditada para acrescentar as defesas que podem ser alegadas após o prazo de resposta do réu. - Assim como o demandante deve formular sua petição inicial de modo claro e determinado, o demandado tem o ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO ESPECIFICADA: Art Incumbe também ao réu manifestar-se precisamente sobre as alegações de fato constantes da petição inicial, presumindo-se verdadeiras as não impugnadas, salvo se: I - não for admissível, a seu respeito, a confissão; II - a petição inicial não estiver acompanhada de instrumento que a lei considerar da substância do ato; III - estiverem em contradição com a defesa, considerada em seu conjunto. Parágrafo único. O ônus da impugnação especificada dos fatos não se aplica ao defensor público, ao advogado dativo e ao curador especial. - O curador especial e o advogado dativo, na maioria das vezes, não têm acesso imediato ao réu, o que permite a elaboração de uma defesa genérica. - Didier entende que a defesa genérica por parte do defensor público pode tornar-se fator de desequilíbrio processual injustificado: a incidência da regra deveria pressupor a dificuldade concreta de comunicação entre representante judicial e o réu, que pode não existir no caso. - A FAZENDA PÚBLICA SUBMETE-SE AO ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO ESPECIFICADA. RECONVENÇÃO - É a demanda formulada pelo réu, contra o autor, no mesmo processo em que está sendo demandado. É um incidente processual que amplia objetivamente o processo (demanda nova em processo existente). Ação e reconvenção são PROCESSADAS SIMULTANEAMENTE. 7

8 REQUISITOS DA RECONVENÇÃO 1) Requisitos da petição inicial, inerentes a qualquer demanda. 2) Existência de uma CAUSA PENDENTE. 3) Deve ser apresentada NO MESMO PRAZO DA CONTESTAÇÃO E NA MESMA PEÇA em que ela é apresentada. Contudo, o réu pode reconvir independentemente de contestar, se assim preferir (art. 343, 6º). 4) O juiz da causa principal deve ser competente em razão da matéria e da pessoa para julgar a causa. Se não o for, não haverá remessa dos autos a juízo distinto, pois a reconvenção exige uma causa pendente. 5) Deve haver compatibilidade entre o procedimento da causa principal e o procedimento da reconvenção. Se o procedimento especial se converte em ordinário após o prazo de defesa, cabe reconvenção. É o caso da reconvenção em ação monitória e ação possessória. SÚMULA 292 DO STJ: A RECONVENÇÃO É CABÍVEL NA AÇÃO MONITÓRIA, APÓS A CONVERSÃO DO PROCEDIMENTO EM ORDINÁRIO. 6) A reconvenção deve ser conexa à ação principal ou a alguma dos fundamentos de defesa. Basta a afinidade de questões. 7) Deve haver interesse processual. QUANDO O EFEITO PRÁTICO ALMEJADO PELA RECONVENÇÃO PUDER SER ALCANÇADO COM A CONTESTAÇÃO, NÃO HAVERÁ INTERESSE PARA RECONVIR. - Exemplo 1: não cabe reconvenção para alegação de exceção substancial, pois com a simples defesa o demandado pode exercer o contradireito. - Exemplo 2: na ação declaratória (dúplice), o réu não pode reconvir para pedir a declaração contrária, para isso deve apenas defender-se. A súmula 258 do STF ( é admissível reconvenção em ação declaratória ) deve ser interpretada assim: o réu não pode reconvir para pedir a negação do pedido do autor, mas pode reconvir para formular outra pretensão. - Enunciado 45 do FPPC: para se que considere proposta a reconvenção, não há necessidade de uso desse nomen iuris, ou dedução de um capítulo próprio. Contudo, o réu deve manifestar inequivocamente o pedido de tutela jurisdicional qualitativa ou quantitativamente maior que a simples improcedência da demanda inicial. 8) Deve ser cabível. A reconvenção é VEDADA NOS JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS (art. 31 da Lei 9.099/95) e no PROCEDIMENTO ESPECIAL PARA O EXERCÍDIO DO DIREITO DE RESPOSTA OU RETIFICAÇÃO DO OFENDIDO (art. 5º, 2º, II, da Lei /2015). 9) Deve haver o pagamento de despesas processuais, quando devidos. Na Justiça Federal, não é devido o pagamento de custas para reconvir. Art Na contestação, é lícito ao réu propor reconvenção para manifestar pretensão própria, conexa com a ação principal ou com o fundamento da defesa. 1º Proposta a reconvenção, o autor será intimado, na pessoa de seu advogado, para apresentar resposta no prazo de 15 dias. 2º A desistência da ação ou a ocorrência de causa extintiva que impeça o exame de seu mérito não obsta ao prosseguimento do processo quanto à reconvenção. 3º A reconvenção pode ser proposta contra o autor e terceiro. 4º A reconvenção pode ser proposta pelo réu em litisconsórcio com terceiro. 5º Se o autor for substituto processual, o reconvinte deverá afirmar ser titular de direito em face do substituído, e a reconvenção deverá ser proposta em face do autor, também na qualidade de substituto processual. 6º O réu pode propor reconvenção independentemente de oferecer contestação. 8

9 - A reconvenção deve ser proposta pelo réu (reconvinte) na mesma peça da contestação (prazo de 15 dias). Em seguida, o autor da ação principal (reconvindo) será intimado, na pessoa de seu advogado, para apresentar resposta (à reconvenção) no prazo de 15 DIAS. - No CPC-73, a reconvenção era apresentada em peça autônoma (formalismo desnecessário). - Na resposta (à reconvenção), o reconvindo poderá denunciar a lide ou proceder ao chamamento ao processo. - É possível a reconvenção da reconvenção, salvo na ação monitória (art. 702, 6º). - Embora a ação principal e a reconvenção devam ser JULGADAS NA MESMA SENTENÇA, são AUTÔNOMAS. É possível que a ação principal não tenha o mérito apreciado por algum motivo e a reconvenção prossiga normalmente ( 2º). Contudo, se ambas forem julgadas, serão julgadas na mesma sentença. - A decisão que indefere liminarmente a petição inicial da reconvenção ou a julga liminarmente improcedente não extingue o processo (decisão interlocutória, agravável). - A reconvenção deve ser dirigida contra o autor, mas pode ser dirigida contra o autor E terceiro em litisconsórcio necessário, unitário ou simples ( 3º). É possível a ampliação subjetiva do processo, contando que autor e terceiro sejam litisconsortes necessários. É que se o réu propusesse uma ação autônoma em face do terceiro, haveria a reunião de causas, em razão da conexão. - A reconvenção também pode ser proposta pelo réu E um terceiro contra o autor, em litisconsórcio facultativo unitário ativo ( 3º). O terceiro colegitimado atuaria, a rigor, como assistente litisconsorcial do réu reconvinte. O litisconsórcio, nesse caso, não pode simples por uma razão: se o terceiro formulasse uma demanda própria, distinta da demanda reconvencional proposta pelo réu, estaria escolhendo o juízo perante o qual essa demanda seria processado, em burla ao princípio do juiz natural. - O réu pode reconvir em face do substituto processual, desde que a reconvenção se dirija ao autor (substituto), mas seja fundada em pretensão que tenha em face do substituído ( 5º). PEDIDO CONTRAPOSTO RECONVENÇÃO Podem ser formulados pelo réu na mesma peça em que apresente a sua defesa. Demanda com limitação cognitiva: nos JEC e procedimento sumário, por exemplo, deve ficar restrito aos fatos da causa. Na ação possessória, admite-se apenas o pedido de indenização. Ampla cognição. Pode ter variada natureza: basta que seja conexa com a ação principal ou com os fundamentos da defesa (art. 315). É uma demanda ampla, sem restrição. REVELIA - Revelia é a NÃO APRESENTAÇÃO TEMPESTIVA DA CONTESTAÇÃO. Não confundir a revelia (fato jurídico) com os seus efeitos. 9

10 Art Se o réu não contestar a ação, será considerado revel e presumir-se-ão verdadeiras as alegações de fato formuladas pelo autor. EFEITO MATERIAL: presunção de veracidade das alegações de fato feitas pelo demandante (art. 344). Os prazos contra o réu revel que não tenha advogado fluem a partir da publicação da decisão (art. 346). EFEITOS DA REVELIA EFEITO PROCESSUAL: preclusão em desfavor do réu do poder de alegar algumas matérias de defesa (ressalvadas as matérias do art. 342). Possibilidade de julgamento antecipado do mérito, caso se produza o efeito material (art. 355, II). Art A revelia não produz o efeito mencionado no art. 344 se: I - havendo pluralidade de réus, algum deles contestar a ação; II - o litígio versar sobre direitos indisponíveis; III - a petição inicial não estiver acompanhada de instrumento que a lei considere indispensável à prova do ato; IV - as alegações de fato formuladas pelo autor forem inverossímeis ou estiverem em contradição com prova constante dos autos. - Quanto ao inciso I, o efeito só é afastado em relação ao fato comum contestado. - Se não houver o mínimo de verossimilhança e de prova para lastrear a postulação, não haverá o efeito material. A revelia não acarreta a procedência automática dos pedidos iniciais. - Didier cita outras duas situações em que a revelia não produz confissão ficta: a) Quando a citação houver sido ficta (por edital ou com hora certa) ou o réu revel tiver preso, será nomeado um curador especial para promover a defesa (art. 72, II, c/c art 341, par. único). b) Quando terceiro houver ingressado no processo como assistente do revel, hipótese em que será considerado seu substituto processual (art. 121, parágrafo único). - A revelia é ineficaz quanto às matérias que podem ser alegadas após a contestação (art. 342). - Mesmo que o réu seja revel, o autor não pode aditar ou alterar a causa de pedir, salvo promovendo nova citação do réu, a qual reabrirá o prazo de 15 dias para resposta (art. 329, II). Art Os prazos contra o revel que não tenha patrono nos autos fluirão da data de publicação do ato decisório no órgão oficial. Parágrafo único. O revel poderá intervir no processo em qualquer fase, recebendo-o no estado em que se encontrar. - Atenção: a dispensa de intimação só se aplica ao réu revel sem patrono nos autos. Se o réu aparece (com patrono nos autos) mas não contesta tempestivamente, será revel, mas o advogado deverá ser intimado dos atos ulteriores. Exemplo: o réu compareceu à audiência preliminar com seu advogado, mas não apresentou a contestação. 10

11 - Se o réu revel decidir intervir no processo, passará a ser intimado dos atos que forem praticados e poderá produzir provas. Logo, se o réu apresentar contestação intempestiva, não poderá deixar de ser intimado, mas poderá ocorrer o efeito material da revelia. - É possível ao réu revel ajuizar ação rescisória por erro de fato, se a sentença considerar existente fato que não ocorreu ou inexistente fato que tenha ocorrido. - Se houver revelia, não se poderá estender a coisa julgada à resolução da questão prejudicial incidental (art. 503, 1º, II), pois não terá havido contraditório suficiente. - É possível haver revelia na reconvenção. Ocorre que se o reconvindo (autor na ação principal) for revel na reconvenção, haverá a apreciação de fatos comuns (regra da comunhão da prova) e o juiz não poderá presumir existentes fatos que foram considerados não ocorridos por conta da instrução probatória ocorrida na ação originária. 11

AULA ) PROCEDIMENTO COMUM (art. 270 e seguintes do CPC a 318 e

AULA ) PROCEDIMENTO COMUM (art. 270 e seguintes do CPC a 318 e Turma e Ano: Master A (2015) 08/06/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 18 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 18 CONTEÚDO DA AULA: Procedimento, contestação 10)

Leia mais

AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO

AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO RESPOSTAS DO RÉU CONTESTAÇÃO; EXCEÇÃO (Incompetência relativa, suspeição

Leia mais

Contestação. Professor Zulmar Duarte

Contestação. Professor Zulmar Duarte Contestação Professor Zulmar Duarte Defesa do Réu Art. 336. Contestação Incumbe ao réu alegar, na contestação, toda a matéria de defesa, expondo as razões de fato e de direito com que impugna o pedido

Leia mais

AULA 24. Os pressupostos genéricos são a probabilidade do direito, perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo.

AULA 24. Os pressupostos genéricos são a probabilidade do direito, perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo. Turma e Ano: Master A (2015) 06/07/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 24 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 24 CONTEÚDO DA AULA: Tutela provisória : tutela

Leia mais

DA RESPOSTA DO RÉU. ESPÉCIES Contestação (Art. 300 a 303 do CPC); Reconvenção (Art. 315 a 318 do CPC); Exceção (Art. 304 a 314 do CPC).

DA RESPOSTA DO RÉU. ESPÉCIES Contestação (Art. 300 a 303 do CPC); Reconvenção (Art. 315 a 318 do CPC); Exceção (Art. 304 a 314 do CPC). DA RESPOSTA DO RÉU DISPOSIÇÕES GERAIS Uma vez efetuada a citação válida, a relação jurídica processual está completa, surgindo o ônus do réu de oferecer a defesa contra fatos e direitos sustentados pelo

Leia mais

RECONVENÇÃO - NCPC DESAPARECEM AS EXCEÇÕES

RECONVENÇÃO - NCPC DESAPARECEM AS EXCEÇÕES INTRODUÇÃO - DIREITO À AMPLA DEFESA CONSAGRADO NA CF 5º. LV - CF 5º. LV: AOS LITIGANTES, EM PROCESSO JUDICIAL OU ADMINISTRATIVO, E AOS ACUSADOS EM GERAL SÃO ASSEGURADOS O CONTRADITÓRIO E A AMPLA DEFESA,

Leia mais

LEGALE ADVOCACIA TRABALHISTA E O NOVO CPC - II

LEGALE ADVOCACIA TRABALHISTA E O NOVO CPC - II LEGALE ADVOCACIA TRABALHISTA E O NOVO CPC - II As Defesas Trabalhistas e o Novo CPC Professor: Rogério Martir Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais, Advogado militante e especializado em Direito Empresarial

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Tutela provisória II. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Tutela provisória II. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Tutela provisória II Prof. Luiz Dellore Gênero Espécies Subespécies Tutela Provisória Tutela de urgência - Tutela cautelar - Tutela antecipada Tutela de evidência -- Art. 294.

Leia mais

Tutelas no novo CPC: Liminares?

Tutelas no novo CPC: Liminares? Tutelas no novo CPC: Liminares? Valter Nilton Felix Quando os efeitos da tutela definitiva são antecipados pelo juízo, tem-se a tutela provisória, satisfativa (fornecimento de certidão negativa é ordenada

Leia mais

REVELIA (ART. 319 A 322)

REVELIA (ART. 319 A 322) REVELIA (ART. 319 A 322) Ocorre quando o réu, regularmente citado, deixa de responder à demanda. O CPC regulou esse instituto, considerando revel o réu que deixa de oferecer contestação após regularmente

Leia mais

DOS PRAZOS PROCESSUAIS NO NOVO CPC

DOS PRAZOS PROCESSUAIS NO NOVO CPC DOS PRAZOS PROCESSUAIS NO NOVO CPC 1.1 Prazos ( arts. 218 a 235 do NCPC) 1.1.2 Contagem dos prazos em dias apenas em dias úteis. Art. 219. Na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz,

Leia mais

TUTELA PROVISÓRIA NO NOVO CPC

TUTELA PROVISÓRIA NO NOVO CPC TUTELA PROVISÓRIA NO NOVO CPC Prof. Advogado. Mestre em Processo Civil pela PUC/SP. LL.M pela University of California Berkeley School of Law. DA TUTELA PROVISÓRIA Disposições gerais Art. 294 A tutela

Leia mais

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso sétimo módulo. Falaremos da petição inicial, da(s) resposta(s) do réu e do fenômeno da revelia.

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso sétimo módulo. Falaremos da petição inicial, da(s) resposta(s) do réu e do fenômeno da revelia. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 7 PETIÇÃO INICIAL. RESPOSTA DO RÉU. REVELIA. Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Intervenção de terceiros. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Intervenção de terceiros. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Intervenção de terceiros Prof. Luiz Dellore 1. Conceito: figura processual que possibilita ao terceiro participar do processo. Pode ocorrer de duas formas: a) Espontânea: terceiro

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Coordenador: Leonardo Barreto Moreira Alves MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotor de Justiça Estadual 2ª edição 2016 DIREITO PROCESSUAL CIVIL Renato Bretz Pereira 1. DO PROCESSO DE CONHECIMENTO (MPE/SP/Promotor/2015)

Leia mais

JF CONVOCADO ANTONIO HENRIQUE CORREA DA SILVA em substituição ao Desembargador Federal PAULO ESPIRITO SANTO

JF CONVOCADO ANTONIO HENRIQUE CORREA DA SILVA em substituição ao Desembargador Federal PAULO ESPIRITO SANTO Apelação Cível - Turma Especialidade I - Penal, Previdenciário e Propriedade Industrial Nº CNJ : 0101807-06.2014.4.02.5101 (2014.51.01.101807-8) RELATOR JF CONVOCADO ANTONIO HENRIQUE CORREA DA SILVA em

Leia mais

RESPOSTA DO RÉU PROCESSO CIVIL. Fred. Didier (aulas e livro) + Informativos do STF e STJ desde 2013 (Dizer o Direito)

RESPOSTA DO RÉU PROCESSO CIVIL. Fred. Didier (aulas e livro) + Informativos do STF e STJ desde 2013 (Dizer o Direito) RESPOSTA DO RÉU PROCESSO CIVIL Fred. Didier (aulas e livro) + Informativos do STF e STJ desde 2013 (Dizer o Direito) INTRODUÇÃO - Resposta do réu = qualquer manifestação que o réu faça sobre a demanda

Leia mais

Respostas do Réu: Contestação e Reconvenção Luis Fernando Guerrero Abril 2016

Respostas do Réu: Contestação e Reconvenção Luis Fernando Guerrero Abril 2016 Respostas do Réu: Contestação e Reconvenção Luis Fernando Guerrero Abril 2016 Aspectos Gerais Instrumentos fundamentais para o exercício do contraditório e da ampla defesa (art. 5º, inc. LV da CF/88),

Leia mais

DPRCIV3 Direito Processual Civil III. Questões para Fixação da Aula

DPRCIV3 Direito Processual Civil III. Questões para Fixação da Aula DPRCIV3 Direito Processual Civil III Plano de Ensino - 5. Da Resposta do Réu. Disposições Gerais. - 6. Contestação. Conteúdo e forma da contestação. Defesas processuais e de mérito. Defesas direta e indireta.

Leia mais

Teoria geral dos recursos e apelação. 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação

Teoria geral dos recursos e apelação. 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação 1. Normais fundamentais 2. Classificação 3. Princípios 4. Efeitos dos recursos 5. Apelação 1. Normais fundamentais: Duração razoável : rol AI, IRDR, RE e REsp repetitivos. Isonomia: Vinculação dos precedentes;

Leia mais

DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Formação do processo ETAPAS DA ESTABILIZAÇÃO DO PROCESSO DA FORMAÇÃO DO PROCESSO Art. 262. O processo civil começa por

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença II. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Cumprimento de sentença II. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Cumprimento de sentença II Prof. Luiz Dellore 1. Liquidação de sentença: cabível quando o título não determinar exatamente o valor devido pela condenação. Enquanto estiver pendente

Leia mais

Processo Civil Juiz de Direito

Processo Civil Juiz de Direito Audiência de Conciliação ou de Mediação Art. 334. Se a petição inicial preencher os requisitos essenciais e não for o caso de improcedência liminar do pedido, o juiz designará audiência de conciliação

Leia mais

Processo Civil Prof. Darlan Barroso Aula de Respostas do Réu 2ª Fase Civil XXIII Exame de Ordem

Processo Civil Prof. Darlan Barroso Aula de Respostas do Réu 2ª Fase Civil XXIII Exame de Ordem Enunciado aula de defesa Processo Civil Lupicínio, em 2000, realizou doação de um de seus imóveis ao sobrinho Ticio com a finalidade de permitir que ele pudesse realizar casamento com Aurélia, constando

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO 1 Nomeação à autoria arts. 62 a 69, CPC. Intervenção de terceiros Mecanismo de correção do polo passivo Dever do réu, vide art. 69, CPC. 1.1 - A nomeação

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Espera-se que o(a) examinando(a) elabore recurso de apelação, dirigido ao próprio juízo que prolatou a decisão (art. 475-M, 3.º, do CPC, art. 496, inciso I, c/c os arts. 513-521 do CPC),

Leia mais

20 (vinte) minutos para aduzir sua defesa DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. (Semana 8 do Plano de Ensino)

20 (vinte) minutos para aduzir sua defesa DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. (Semana 8 do Plano de Ensino) DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO (Semana 8 do Plano de Ensino) Professora: Maria Inês Gerardo Facebook: Maria Inês Gerardo Conteúdo Programático desta aula Defesa do reclamado: oral ou escrita; contestação;

Leia mais

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL Em virtude do novo Código de Processo Civil (Lei 13.105, de 16.3.15, que entrará em vigor em 17.3.16, passará a vigorar as novas disposições sobre a Competência Internacional, conforme os artigos abaixo

Leia mais

AULA 14. Espécies de Intervenção de terceiro no novo CPC. d) Incidente de desconsideração da personalidade jurídica

AULA 14. Espécies de Intervenção de terceiro no novo CPC. d) Incidente de desconsideração da personalidade jurídica Turma e Ano: Master A (2015) 11/05/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 14 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 14 CONTEÚDO DA AULA: denunciação da lide a) Assistência

Leia mais

Direito Processual Civil III

Direito Processual Civil III Direito Processual Civil III»Aula 19 Providências preliminares: Providências Preliminares Ação Declaratória Incidental X Providências Preliminares 1 Conceito - art. 323 do CPC - providências preliminares

Leia mais

Petição Inicial II. Professor Zulmar Duarte

Petição Inicial II. Professor Zulmar Duarte Petição Inicial II Professor Zulmar Duarte Petição Inicial Controle de Admissibilidade pelo Juiz (arts. 321, 330, 332 e 334) Petição Inicial Emenda da Inicial Juízo de Admissibilidade Improcedência Liminar

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Sentença e coisa julgada. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Sentença e coisa julgada. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Sentença e coisa julgada Prof. Luiz Dellore 1. Providências preliminares Após a inicial e contestação, pode ser que uma destas ocorram no processo: - especificação de provas, caso

Leia mais

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios.

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 08 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da

Leia mais

NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL

NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL INSTITUTOS IMPORTANTES PARA O MERCADO DE SEGUROS MARCIO MALFATTI NOVEMBRO 2016 DO INCIDENTE DE RESOLUÇÃO DE DEMANDAS REPETITIVAS IRDR DO CABIMENTO Art. 976. É cabível a instauração

Leia mais

Pratica Civil I 7º Semestre. AULA 07 Ação de Consignação em pagamento

Pratica Civil I 7º Semestre. AULA 07 Ação de Consignação em pagamento AULA 07 Ação de Consignação em pagamento TEXTO LEGAL COMPARADO TÍTULO III- DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS- CAPÍTULO I DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO Art. 539 Nos casos previstos em lei, poderá o devedor

Leia mais

Petição Inicial I. Professor Zulmar Duarte

Petição Inicial I. Professor Zulmar Duarte I Professor Zulmar Duarte Instaura a relação processual (linear) Apresenta a Demanda (causa de pedir e pedido) Litispendência (art. 312) Fixação da competência (art. 43) Requisitos Art. 319 Competência

Leia mais

CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP)

CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP) CALÚNIA (art. 138, CP) DIFAMAÇÃO (art. 139, CP) INJÚRIA (art. 140, CP) 1 PEDIDO DE EXPLICAÇÕES - não está disciplinado no CPP - art. 144, CP Se, de referências, alusões ou frases, se infere calúnia, difamação

Leia mais

EXTINÇÃO DO PROCESSO (NCPC)

EXTINÇÃO DO PROCESSO (NCPC) EXTINÇÃO DO PROCESSO (NCPC) PROCESSO CIVIL Curso de Direito Processual Civil de Fredie Didier (2016) INTRODUÇÃO - O capítulo anterior (providências preliminares e julgamento conforme o estado do processo)

Leia mais

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas.

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 24 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Antecipação de Tutela: Efetividade, Momento do Requerimento; Revogação e Modificação; Fungibilidade;

Leia mais

TJ-SP. Escrevente Técnico Judiciário. Prof. Guilherme Rittel

TJ-SP. Escrevente Técnico Judiciário. Prof. Guilherme Rittel TJ-SP Escrevente Técnico Judiciário Prof. Guilherme Rittel EDITAL DIREITO PROCESSUAL PENAL: Código de Processo Penal - com as alterações vigentes até a publicação do Edital - artigos 251 a 258; 261 a 267;

Leia mais

AULA 13. Espécies de Intervenção de terceiro no novo CPC. d) Incidente de desconsideração da personalidade jurídica

AULA 13. Espécies de Intervenção de terceiro no novo CPC. d) Incidente de desconsideração da personalidade jurídica Turma e Ano: Master A (2015) 11/05/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 13 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 13 CONTEÚDO DA AULA: assistência: simples e litisconsorcial

Leia mais

AULA ) PROCEDIMENTO COMUM (art. 270 e seguintes do CPC a 318 e

AULA ) PROCEDIMENTO COMUM (art. 270 e seguintes do CPC a 318 e Turma e Ano: Master A (2015) 22/06/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 19 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 19 CONTEÚDO DA AULA: Procedimento, fase postulatória;

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho O Artigo 45.º sofre alterações (exercício de clarificação): - pressuposto material da norma: que a pretensão do autor seja fundada

Leia mais

Quebrando a Banca Processo Civil Damião Soares

Quebrando a Banca Processo Civil Damião Soares Quebrando a Banca Processo Civil Damião Soares 2014 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 2014 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRACISCO

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRACISCO DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRACISCO INTERVENÇÃO LITISCONSORCIAL VOLUNTARIA 1.1 Intervenção de terceiros. Ex. Alunos movem ação contra a faculdade. Outra turma fica sabendo e fazem uma petição

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Fase Ordinatória. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Fase Ordinatória. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Fase Ordinatória Professor Rafael Menezes Fase Ordinatória Providências Preliminares Julgamento Confome o Estado do Processo Audiência Preliminar / Saneamento do Feito Providências

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO RECORRENTES: CLÁUDIA MÁRCIA VARGAS DA COSTA (1) BANCO CITIBANK S/A (2) RECORRIDOS : OS MESMOS EMENTA: DEVOLUÇÃO TARDIA DOS AUTOS. NÃO CONHECIMENTO DA IMPUGNAÇÃO À DEFESA. CERCEAMENTO DE DEFESA. CONFIGURAÇÃO.

Leia mais

Conteúdo: Demanda: Funções, Requisitos e Efeitos. Citação: Conceito, Funções, Natureza Jurídica, Espécies e Efeitos. Revelia: Conceito e Efeitos.

Conteúdo: Demanda: Funções, Requisitos e Efeitos. Citação: Conceito, Funções, Natureza Jurídica, Espécies e Efeitos. Revelia: Conceito e Efeitos. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 19 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Demanda: Funções, Requisitos e Efeitos. Citação: Conceito, Funções, Natureza Jurídica, Espécies e

Leia mais

ROTEIRO TUTELAS PROVISÓRIAS DE URGÊNCIA E DE EVIDÊNCIA

ROTEIRO TUTELAS PROVISÓRIAS DE URGÊNCIA E DE EVIDÊNCIA PROFESSORA: DRA. JULIANA JUSTO ROTEIRO TUTELAS PROVISÓRIAS DE URGÊNCIA E DE EVIDÊNCIA 07.05.2015 1. HISTÓRICO 1.1 1973 PRIMEIRO MOMENTO 1.2 1994 SEGUNDO MOMENTO Art. 273. O juiz poderá, a requerimento

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Execução I. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Execução I. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Execução I Prof. Luiz Dellore Inadimplemento + título executivo extrajudicial: Processo de execução. PARTE ESPECIAL LIVRO II DO PROCESSO DE EXECUÇÃO Sempre? Art. 785. A existência

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 133.536 - SP (2014/0094067-4) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES SUSCITANTE : JUÍZO FEDERAL DA 24A VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO SUSCITADO : JUÍZO

Leia mais

PRÁTICA SIMULADA II - CCJ0046 Título SEMANA 6. Descrição

PRÁTICA SIMULADA II - CCJ0046 Título SEMANA 6. Descrição PRÁTICA SIMULADA II - CCJ0046 Título SEMANA 6 Descrição 1.Defesa do Reclamado - Aspectos Gerais Inicialmente, cabe destacar que a defesa do reclamado, no âmbito do processo do trabalho, será apresentada

Leia mais

Curso de férias: Atualidades em Processo do Trabalho

Curso de férias: Atualidades em Processo do Trabalho Curso de férias: Atualidades em Processo do Trabalho FRANCISCO FERREIRA JORGE NETO Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região; Mestre pela PUC/SP; Professor na Escola Paulista de Direito

Leia mais

A citação por carta é o padrão exigido pelo legislador, quando o réu for pessoa natural, Me e empresa de pequeno porte.

A citação por carta é o padrão exigido pelo legislador, quando o réu for pessoa natural, Me e empresa de pequeno porte. Processo Civil de Conhecimento Aula III 02/03/17 A citação por carta é o padrão exigido pelo legislador, quando o réu for pessoa natural, Me e empresa de pequeno porte. Quando for empresas de grande porte

Leia mais

Pratica Jurídica Civil II 8 semestre Profa. Ana Luísa Reale confecção do conteúdo

Pratica Jurídica Civil II 8 semestre Profa. Ana Luísa Reale confecção do conteúdo AULA 3, segundo nosso plano de ensino Tutela Antecipada requerida em caráter antecedente Esta ação não possui regulamentação no CPC de 73. Trata-se de previsão inovadora em nosso sistema, regulamentada

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0079.12.039931-0/001 Númeração 0364640- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Eduardo Mariné da Cunha Des.(a) Eduardo Mariné da Cunha 16/07/0015 28/07/2015

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Revelia no Procedimento Comum Ordinário / Módulo de Conhecimento. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Revelia no Procedimento Comum Ordinário / Módulo de Conhecimento. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Revelia no Procedimento Comum Ordinário / Módulo de Conhecimento Professor Rafael Menezes Réu Ação Omissão FACULDADE OBRIGAÇÃO ÔNUS Art. 297. O réu poderá oferecer, no prazo, de

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Revisão Criminal. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Revisão Criminal. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Revisão Criminal Gustavo Badaró aula de 10.11.2015 PLANO DA AULA 1. Noções gerais 2. Condições da ação 3. Pressupostos processuais 4. Procedimento 1. NOÇÕES

Leia mais

Cumprimento provisório da sentença e competência do Juizado Especial Fazendário

Cumprimento provisório da sentença e competência do Juizado Especial Fazendário Cumprimento provisório da sentença e competência do Juizado Especial Fazendário A Lei n 12.153/09, ao disciplinar os Juizados Especiais Fazendários, omitiu-se quanto ao cumprimento da sentença, porém,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000566560 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9295174-21.2008.8.26.0000, da Comarca de Guarulhos, em que são apelantes ADRIANA PAULINO COSTA (JUSTIÇA GRATUITA),

Leia mais

Ações judiciais na locação de imóveis urbanos

Ações judiciais na locação de imóveis urbanos Ações judiciais na locação de imóveis urbanos Ação revisional de aluguel Ação de consignação de aluguel e acessórios da locação Prof. Denis Donoso Denis Donoso blogspot.denisdonoso.com.br Apresentação

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS AÇÃO MONITÓRIA DA AÇÃO MONITÓRIA Art. 700. A ação monitória pode ser proposta por aquele que afirmar, com base em prova escrita sem eficácia de título executivo, ter direito de

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0126.11.000890-4/001 Númeração 0008904- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mota e Silva Des.(a) Mota e Silva 12/11/2013 19/11/2013 EMENTA: EXTINÇÃO

Leia mais

A Execução Fiscal e o novo CPC. < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes

A Execução Fiscal e o novo CPC. < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes A Execução Fiscal e o novo CPC < competência > Prof. Mauro Luís Rocha Lopes LEF, art. 5º A competência para processar e julgar a execução da Dívida Ativa da Fazenda Pública exclui a de qualquer outro juízo,

Leia mais

RECURSO DE APELAÇÃO. Pode ser interposto contra qualquer sentença, seja ou não de mérito;

RECURSO DE APELAÇÃO. Pode ser interposto contra qualquer sentença, seja ou não de mérito; RECURSO DE APELAÇÃO O recurso de apelação é a modalidade recursal mais importante no sistema jurídico brasileiro. Através dele se atua o princípio do duplo grau de jurisdição. O Código de Processo Civil

Leia mais

Conteúdo: Antecipação dos Efeitos da Tutela: Conceito, Requisitos, Conteúdo, Legitimidade, Antecipação de Tutela em Pedido Incontroverso.

Conteúdo: Antecipação dos Efeitos da Tutela: Conceito, Requisitos, Conteúdo, Legitimidade, Antecipação de Tutela em Pedido Incontroverso. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 23 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Antecipação dos Efeitos da Tutela: Conceito, Requisitos, Conteúdo, Legitimidade, Antecipação de Tutela

Leia mais

Contestação / Reconvenção OAB 2ª. Fase

Contestação / Reconvenção OAB 2ª. Fase RESPOSTA DO RÉU Art. 299. A contestação e a reconvenção serão oferecidas simultaneamente, em peças autônomas; a exceção será processada em apenso aos autos principais. Oferecimento simultâneo de contestação

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Execução II defesa do executado. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Execução II defesa do executado. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Execução II defesa do executado Prof. Luiz Dellore PARTE ESPECIAL LIVRO II DO PROCESSO DE EXECUÇÃO TÍTULO I DA EXECUÇÃO EM GERAL TÍTULO II DAS DIVERSAS ESPÉCIES DE EXECUÇÃO TÍTULO

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Correlação entre acusação e sentença Gustavo Badaró aula de 11.08.2015 1. Noções Gerais PLANO DA AULA 2. Distinção entre fato penal e fato processual penal

Leia mais

28/04/13 <NÚMERODETOKENSNODOCUMENTO \18><COMPOSIÇÃODEACÓRDÃOEMENTA \TEXTO="(INSIRA AQUI O TÍTULO DA EMENTA)^P^

28/04/13 <NÚMERODETOKENSNODOCUMENTO \18><COMPOSIÇÃODEACÓRDÃOEMENTA \TEXTO=(INSIRA AQUI O TÍTULO DA EMENTA)^P^ Número do processo: 70050364199 Comarca: Comarca de Santa Maria Data de Julgamento: 29-08-2012 Relator: Isabel Dias Almeida ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA IDA Nº 70050364199

Leia mais

Apesar de os negros serem menos da metade dos usuários de drogas nos Estados Unidos, eles compõem muito mais da metade dos presos por causa de

Apesar de os negros serem menos da metade dos usuários de drogas nos Estados Unidos, eles compõem muito mais da metade dos presos por causa de Apesar de os negros serem menos da metade dos usuários de drogas nos Estados Unidos, eles compõem muito mais da metade dos presos por causa de drogas. Um em cada três jovens negros americanos serão presos

Leia mais

Impugnação ao Cumprimento de Sentença. André Pagani de Souza

Impugnação ao Cumprimento de Sentença. André Pagani de Souza Impugnação ao Cumprimento de Sentença André Pagani de Souza 10.05.2017 A impugnação prevista no art. 525 do CPC é um instrumento de defesa do executado na fase de cumprimento de sentença. A impugnação

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO PROCESSUAL CIVIL Reinaldo Branco de Moraes (Juiz do Trabalho do TRT12) -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

EXECUÇÃO PARA A ENTREGA DE COISA CERTA E INCERTA (Art. 621 ao 631, CPC):

EXECUÇÃO PARA A ENTREGA DE COISA CERTA E INCERTA (Art. 621 ao 631, CPC): - A petição inicial do processo de execução, além dos requisitos do art. 282, CPC, deve obedecer aos requisitos dos arts. 614 e 615, CPC: - I conter pedido expresso de citação do devedor; - II ser instruída

Leia mais

https://youtu.be/tjdwx0oqbrg Novo CPC Contestação Modelo

https://youtu.be/tjdwx0oqbrg Novo CPC Contestação Modelo Novo CPC Contestação Modelo https://youtu.be/tjdwx0oqbrg Novo CPC Contestação Modelo EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA DA COMARCA.. / UF Pular 3 linhas Processo nº Pular 10 linhas (NOME

Leia mais

CONTESTAÇÃO GENÉRICA PROCEDIMENTO ORDINÁRIO. Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de...

CONTESTAÇÃO GENÉRICA PROCEDIMENTO ORDINÁRIO. Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de... CONTESTAÇÃO GENÉRICA PROCEDIMENTO ORDINÁRIO Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de... Proc. n.º... O processo é um diálogo. Nunca haverá justiça se,havendo duas partes, apenas se ouvir a voz de uma.

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA PROCESSO DE EXECUÇÃO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA PROCESSO DE EXECUÇÃO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL PROCESSO DE EXECUÇÃO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Programa do curso 1. Cumprimento da sentença na execução por quantia certa 2. Cumprimento de sentença na execução por quantia certa na ação de alimentos

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Coisa Julgada. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Coisa Julgada. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Coisa Julgada Professor Rafael Menezes Conceitos Gerais Substantivista (Kolher) Processualista (Stein) Carnelutti Imperatividade Liebman Imutabilidade Art. 467. Denomina-se coisa

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Aula 6. Intervenção de terceiros. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Aula 6. Intervenção de terceiros. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Aula 6 Intervenção de terceiros Prof. Luiz Dellore 1. Conceito: figura processual que possibilita a terceiro participar do processo. Pode ocorrer de duas formas a) Espontânea:

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Posição legal Momento processual Necessidade, finalidade, objeto e limites Natureza jurídica Liquidação na pendência de recurso Liquidação concomitante com execução Modalidades Liquidação de sentença Sumário

Leia mais

AÇÃO PENAL. Noções preliminares e conceito. Características:

AÇÃO PENAL. Noções preliminares e conceito. Características: AÇÃO PENAL Noções preliminares e conceito Características: 1 Condições para o exercício da ação penal 1.1 Condições genéricas a) Possibilidade jurídica do pedido Art. 395. A denúncia ou queixa será rejeitada

Leia mais

AULA ) Competência de 1 Grau para exame da Tutela Provisória. 12.8) Natureza Jurídica da Decisão da Tutela Provisória

AULA ) Competência de 1 Grau para exame da Tutela Provisória. 12.8) Natureza Jurídica da Decisão da Tutela Provisória Turma e Ano: Master A (2015) 06/07/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 23 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol CONTEÚDO DA AULA: Tutela provisória : AULA 23 12.7) Competência

Leia mais

ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS

ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL DIANTE DO NOVO CPC: DESAFIOS PRESENTES E FUTUROS Clarisse Frechiani Lara Leite Formada pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) em 2002. Mestre e doutora em

Leia mais

DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA. DA AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS CPC artigos 914 / Introdução

DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA. DA AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS CPC artigos 914 / Introdução DOS PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA DA AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS CPC artigos 914 / 919 Prestação de contas: 1 - Introdução em sentido comum, prestar contas ou dar conta de alguma coisa

Leia mais

Art Os atos do juiz consistirão em sentenças, decisões interlocutórias e despachos.

Art Os atos do juiz consistirão em sentenças, decisões interlocutórias e despachos. SENTENÇA Nos termos dos artigos 162, 1º do CPC: Art. 162. Os atos do juiz consistirão em sentenças, decisões interlocutórias e despachos. 1º Sentença é o ato do juiz que implica alguma das situações previstas

Leia mais

DPRCIV3 Direito Processual Civil III. Plano de Ensino - 3. Do Indeferimento da Petição inicial. (arts. 295 a 285-A)

DPRCIV3 Direito Processual Civil III. Plano de Ensino - 3. Do Indeferimento da Petição inicial. (arts. 295 a 285-A) DPRCIV3 Direito Processual Civil III Plano de Ensino - 3. Do Indeferimento da Petição inicial. (arts. 295 a 285-A) Questões para Fixação da Aula Indeferimento da Inicial (arts. 295 a 296) 1. O art. 295,

Leia mais

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva.

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 11 EXECUÇÃO Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo.

Leia mais

Exame de Prática Processual Penal 23 de Janeiro de 2009

Exame de Prática Processual Penal 23 de Janeiro de 2009 No dia 6 de Maio de 2008, António, alegando urgente necessidade de auxiliar um seu irmão a fazer face a inesperadas despesas de saúde, convenceu Maria, com quem vivia em situação análoga à dos cônjuges,

Leia mais

Preparo efetuado. 1. Data e assinatura.

Preparo efetuado. 1. Data e assinatura. 1. RECEBIMENTO DE PETIÇÃO INICIAL (Rito ordinário) Autos n. Comarca de Preparo efetuado. 1 282). Recebo a petição inicial, por ser a mesma apta (CPC, art. Cite-se o requerido para que, caso queira, apresente

Leia mais

PANORAMA GERAL ANÁLISE CRÍTICA E CONSIDERAÇÕES DA LEI /2015

PANORAMA GERAL ANÁLISE CRÍTICA E CONSIDERAÇÕES DA LEI /2015 PANORAMA GERAL ANÁLISE CRÍTICA E CONSIDERAÇÕES DA LEI 13.105/2015 DIRETRIZES ESSENCIAIS DO NOVO CPC i) busca de celeridade / efetividade processual (art. 4 cc art. 5, LXXVIII CF) X vedação julgamento surpresa

Leia mais

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009

RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 RESOLUÇÃO CFESS Nº 548, de 23 de março de 2009 EMENTA: Institui procedimentos que deverão ser adotados no processamento das denúncias éticas que forem objeto de DESAFORAMENTO, conforme previsão do artigo

Leia mais

RESPOSTA DO RÉU CONTESTAÇÃO

RESPOSTA DO RÉU CONTESTAÇÃO RESPOSTA DO RÉU CONTESTAÇÃO ESQUELETO MEMORIZE: ENDEREÇAMENTO QUALIFICAÇÃO PRELIMINAR PREJUDICIAL MÉRITO REQUERIMENTOS FINAIS - art. 847 da CLT fala em defesa - apresentada em audiência reclamado tem 20

Leia mais

CPC 2015 X PLC Nº 168/2015

CPC 2015 X PLC Nº 168/2015 CPC 2015 X PLC Nº 168/2015 QUADRO COMPARATIVO Janeiro/2016 CPC/2015- LEI Nº 13.105 16/03/2015 PLC Nº 168, DE 2015 Art. 12. Os juízes e os tribunais deverão obedecer à ordem cronológica de conclusão para

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DEFENSORES PÚBLICOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS ADEP MG ANÁLISE PRELIMINAR DO ANTEPROJETO DE REFORMA DO CPC

ASSOCIAÇÃO DOS DEFENSORES PÚBLICOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS ADEP MG ANÁLISE PRELIMINAR DO ANTEPROJETO DE REFORMA DO CPC Nº Aspectos Positivos 1 Capítulo IV, Seção III - Da Defensoria Pública (havia a previsão específica de uma seção para tratar apenas da Defensoria Pública) Há o reconhecimento da instituição como essencial

Leia mais

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Direito Processual Civil. Analista Judiciário TRE

CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER. Direito Processual Civil. Analista Judiciário TRE CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Direito Processual Civil Analista Judiciário TRE 1) FCC Analista Judiciário Área Judiciária - TRE AP (2015) Considere a seguinte situação hipotética: Marcos, advogado recém

Leia mais

Direito Processual Civil II - Turma A

Direito Processual Civil II - Turma A Direito Processual Civil II - Turma A Regência: Professor Doutor Miguel Teixeira de Sousa 28 de Julho de 206 Duração: 2 horas Em de Janeiro de 206, A e B celebraram em Lisboa com C um contrato-promessa

Leia mais

Ações de locação e o novo CPC

Ações de locação e o novo CPC Ações de locação e o novo CPC ANSELMO PRIETO ALVAREZ Procurador do Estado de São Paulo; Mestre e Doutor em Direito Processual Civil pela Faculdade de Direito da (PUC/SP); Pós-doutor pela Universidade de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Abordagem crítica acerca dos pressupostos processuais Anderson Rico Moraes Nery 1 - INTRODUÇÃO O presente artigo tem a finalidade de fazer uma abordagem crítica acerca dos pressupostos

Leia mais

Aula 12. Art A apelação da sentença absolutória não impedirá que o réu seja posto imediatamente em liberdade.

Aula 12. Art A apelação da sentença absolutória não impedirá que o réu seja posto imediatamente em liberdade. Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 12 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 12 EFEITOS DO RECURSO Efeito Suspensivo Segundo Barbosa Moreira,

Leia mais

Aula 10. Qual o vício quando o Ministério Público oferece denúncia em face de agente que possui apenas 17 anos?

Aula 10. Qual o vício quando o Ministério Público oferece denúncia em face de agente que possui apenas 17 anos? Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 10 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 10 NULIDADES EM ESPÉCIE Art. 564. A nulidade ocorrerá nos seguintes

Leia mais