Escritório Central de Projetos Uma proposta para a Implantação no Governo do Estado de Mato Grosso do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escritório Central de Projetos Uma proposta para a Implantação no Governo do Estado de Mato Grosso do Sul"

Transcrição

1 Escritório Central de Projetos Uma proposta para a Implantação no Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Resumo Este artigo apresenta uma proposta de Implantação de um Escritório Central de Projetos no âmbito do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul a partir da percepção da dificuldade dos governos no gerenciamento de seus projetos que, via de regra, são descentralizados e sua evolução é de pouco conhecimento dos gestores públicos o que os impedem de atingirem seus resultados, metas e que causam grandes desperdícios de recursos público. A metodologia utilizada para o modelo apresentado foi a pesquisa bibliográfica sobre o tema, buscando a especificidade da administração pública, ou ainda, com os modelos feitos para a iniciativa privada mas, perfeitamente adaptáveis. O artigo reforça o necessário comprometimento da alta direção para o sucesso da implantação e a parceria das universidades para conduzir o processo, como forma de garantir o aprendizado e a mudança cultural desejada. Os resultados apontam que a Implantação de um Escritório Central de projetos no Âmbito do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, assim como em toda e qualquer instituição pública, é um processo não rápido e de adaptações à uma nova cultura de gestão, mas que oferece inúmeros benefícios para o governo que ganha mais eficiência, efetividade e eficácia nos seus projetos e para a sociedade que é a beneficiária direta desses projetos. Palavras-chave: Escritório de Projetos e Gerenciamento de Projetos. 1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de projetos não é uma atividade recente, mas que existe desde os tempos mais remotos na humanidade. Apesar de tanto tempo decorrido, foi apenas no último século que as técnicas do gerenciamento de projetos começaram a ser efetivamente desenhadas. Os primeiros estudos se iniciaram nas décadas de 50 e 60 e se consolidaram durante o período das duas grandes guerras mundiais onde à busca pela eficiência dos resultados se tornou uma constante. Para suprir as demandas da sociedade, os projetos passam a ser planejados e implementados de forma estruturada e, o Escritório de Gerenciamento de Projetos, ou PMO (Project Management Office), como é mais comumente conhecido, é a estrutura que as organizações podem implementar para incrementar sua capacidade de gerenciamento de projetos. A utilização de boas práticas em gerenciamento de projetos no setor público é ainda mais recente. Porém, a exigência crescente dos cidadãos por serviços públicos de qualidade reforçam a importância desta prática em todas as esferas do poder público. O Escritório de Projetos, então, é uma unidade organizacional que centraliza e coordena o gerenciamento de projetos sob seu domínio (PMI, 2004, p. 17). Para Valeriano (2005), o Escritório de Projetos é um órgão cuidadosamente implantado em uma organização

2 2 e que tem sob sua responsabilidade o apoio e a coordenação de vários projetos (VALERIANO, 2005, p.99) Outra atribuição do Escritório de Projetos, é auxiliar os gerentes de projetos e suas equipes na implementação de princípios, práticas, ferramentas e técnicas do gerenciamento de projetos (DAI, 2001 apud CARVALHO, 2005). O uso repetitivo desse conjunto de práticas define a metodologia da organização para o gerenciamento de projetos. Atingir a excelência em gerenciamento de projetos, ou mesmo sua maturidade, pode não ser possível sem um processo repetitivo que possa ser usado em todo e cada projeto, o uso contínuo da metodologia aumentará consideravelmente as chances de sucesso de uma organização e para atingir esse estágio de maturidade, as organizações devem manter e apoiar uma metodologia única para gerenciamento de projetos; e boas metodologias integram outros processos à metodologia de gerenciamento de projetos (KERZNER, 2001, p. 83). Hoje, o gerenciamento de projetos é utilizado por organizações dos mais diversos ramos de atividade, inclusive na área pública, e tem sido de fundamental importância para transformar o planejamento em resultados, otimizar a alocação de recursos, diminuir as surpresas, trazendo maior eficiência à gestão de projetos. O sistema de gestão pautado no gerenciamento de projetos e nos resultados desses, é um ingrediente crucial da capacidade de resposta a mudanças no ambiente, pois determina o modo pelo qual a administração percebe os desafios, diagnostica seus impactos, decide o que fazer e põe em prática suas decisões. (ANSOFF;MCDONNEL,1993). A gestão por resultados, já utilizada no setor privado, é perfeitamente aplicável ao setor público que normalmente padece de rumos, metas e indicadores para orientar sua atuação cotidiana. Ela permitirá unir a missão e a visão de futuro do governo e do estado aos projetos desenvolvidos, de forma a obter maior eficiência, eficácia e efetividade nas ações desenvolvidas. Para a alta administração, o valor do Escritório de Projetos será mostrado com a melhoria da taxa de sucesso dos projetos e a visibilidade da situação dos projetos. Assim, com o tempo, o Escritório tende a assumir uma posição determinante no processo de tomada de decisão, através da geração de informações mais precisas, oportunas e confiáveis, sem, contudo, substituir as funções gerenciais tradicionais (CLELAND; IRELAND, 2002). Para ser bem sucedida, porém, essa estrutura deve ser formalmente definida, estabelecida e suportada pela alta direção da organização, que deve apoiar na obtenção do comprometimento das pessoas a serem envolvidas no processo de implementação do PMO. A regra principal que se deve sempre ter em mente é que essa é uma iniciativa de mudança cultural, e que não pode ser tratada como um objetivo de curto prazo, exigindo um tempo de maturação. A meta é, na realidade, mudar a forma como as pessoas fazem gerenciamento de projetos, o que implica em mudar a cultura vigente nas organizações. Daí a importância do suporte da alta direção da organização, pois será necessário um grande esforço para mobilizar as pessoas para essa mudança. Da alta direção devem vir os rumos e declarações estratégicas da organização e o que se espera com a implantação do PMO e a determinação de urgência na mudança. Esse artigo se propõe a apresentar uma proposta de implantação no Governo do Estado de Mato Grosso do Sul de um Escritório de Projetos que possibilite a gestão por resultados e com foco no desenho de projetos como instrumento para atingimento das metas estabelecidas nos planos de ação do governo.

3 3 Através de pesquisa bibliográfica exploratória, buscou-se identificar as possibilidades e limitações da implementação desse modelo na Administração Pública, onde a discussão e os modelos ainda são recentes. A conclusão deste artigo aponta um novo enfoque metodológico que aumente substancialmente a capacidade de governar e obter resultados das instituições públicas. 2. O MATO GROSSO DO SUL Situado na Região Centro-Oeste do Brasil, Mato Grosso do Sul, uma das 27 das unidades federativas, tem a cidade de Campo Grande como sua capital. Faz divisa com o Mato Grosso seguindo os limites naturais da região que é formada por diversos rios. Com superfície de km², 78 municípios e população estimada em habitantes, limita-se a Oeste com a Bolívia e Paraguai, ao Norte com o Mato Grosso, ao Sul com o Paraguai e o Paraná e a Leste com São Paulo, Minas Gerais e Goiás. O PIB total do estado é de R$ ,00 (2004) e o per capita R$8.944,95. As principais fontes econômicas do Estado são agricultura e pecuária. A maior produção agropecuária concentra-se na região de Dourados desenvolvendo-se uma agricultura diversificada, com culturas de soja, arroz, café, trigo, milho, feijão, mandioca, algodão, amendoim e cana-de-açúcar. Nos campos limpos, pratica-se a pecuária de corte, com numeroso rebanho bovino, e os suínos assumem importância nas áreas agrícolas. No pantanal, a Oeste, estão as melhores pastagens do Estado. A maior parte da energia consumida no Estado é produzida pela hidrelétrica de Jupiá, instalada no rio Paraná, no Estado de São Paulo. As indústrias do Mato Grosso do Sul são responsáveis por 20% desse consumo. A principal atividade industrial do Mato Grosso do Sul é a produção de gêneros alimentícios, seguida da transformação de minerais não-metálicos e da indústria de madeira. Corumbá é o maior núcleo industrial do Centro-Oeste, com indústrias de cimento, fiação, curtume, beneficiamento de cereais e uma siderúrgica que trata o minério de Urucum. O Estado é servido por uma única linha ferroviária, que corta o Mato Grosso do Sul, da divisa com São Paulo, em Três Lagoas, até Santa Cruz, na Bolívia. A mesma linha serve as cidades de Campo Grande, Aquidauana e Corumbá, com um ramal em direção a Ponta Porã. O principal eixo rodoviário é o que liga Campo Grande a Porto Quinze de Novembro, no rio Paraná, e a Ourinhos SP. A navegação fluvial, que já teve importância decisiva, vem perdendo a preeminência. O principal porto é o de Corumbá, ao qual seguem-se os de Ladário, Porto Esperança e Porto Murtinho, todos no rio Paraguai. O turismo ecológico também representa uma importante fonte de receita para o Estado. A região do pantanal mato-grossense atrai visitantes do resto do país e do mundo interessados em conhecer a beleza natural na região. Mato Grosso do Sul apresentou nos últimos anos uma taxa média de crescimento superior à média anual da economia brasileira. O grande desafio é manter essa performance ao longo do tempo. A possível solução para eliminar os gargalos que impedem o crescimento acelerado é o Programa de

4 4 Aceleração do Crescimento (PAC), que é um programa do governo federal focando investimentos em infra-estrutura associados a outras medidas de política econômica. A proposta é estimular investimentos e permitir uma aceleração das taxas de crescimento brasileiro. 3 A ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DOS SUL A estrutura administrativa do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, para o desenvolvimento dos projetos e ações governamentais está constituída desde 01 de janeiro de 2007 nas seguintes secretarias de estado: SEG- Secretaria de Estado de Governo; SEMAC Secretaria de Estado de Meio-ambiente, do Planejamento e da Ciência e Tecnologia; SAD Secretaria de Estado de Administração; SES Secretaria de Estado de Saúde; SED Secretaria de Estado de Educação; SEFAZ Secretaria de Estado de Fazenda; SEHAC Secretaria de Estado de Habitação e das Cidades; SEJUSP Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública; SEPROTUR Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário da produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo; SETAS Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social; SEOP Secretaria de Estado de Obras Públicas; Essa estrutura é complementada por autarquias, fundações e empresas mistas. 4 - PORQUE IMPLANTAR ESCRITÓRIO CENTRAL DE PROJETOS NO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL? As organizações públicas, por não terem no lucro o seu principal objetivo, tendem a não dar prioridade ao desempenho e aos resultados, além destes serem difíceis de medir e controlar. No entanto, a cada dia, urge diante da instabilidade econômica e política mundial e do próprio aprimoramento e modernização da gestão pública, a necessidade de demonstrar resultados em todos os setores onde o estado interfere direta ou indiretamente e isso tem proporcionado espaço para o surgimento de uma gestão administrativa profissional, mais comumente vista no setores privado ou de economia mista. As tentativas de melhoria da gestão pública e do desempenho de governos e governantes provocaram uma oportunidade real do debate em torno da gestão pública

5 5 envolvendo segmentos do governo como um todo, do legislativo e da sociedade e que já têm gerado algumas propostas concretas de mudança. Aliada às questões financeiras, a forte pressão da sociedade civil também foi outro fator importante, visto que ela se torna cada vez mais exigente por melhorias contínuas dos processos públicos institucionais, fruto da inevitável comparação com as estruturas organizacionais do setor privado e do terceiro setor em especial, fazendo com que a administração pública busque a reestruturação dos seus processos e estabeleça um modelo gerencial com foco nos resultados em substituição progressiva ao modelo administrativo burocrático tradicional desfocado das suas funções primordiais. Desta forma, ainda que de maneira isolada, algumas prefeituras e governos estaduais brasileiros vêm adotando a gestão pública moderna voltada aos resultados com foco na prestação dos serviços primordiais e implantando escritórios de projetos públicos como instrumentos de gestão. No Mato Grosso do Sul, já há sinais, ainda que recentes, de que as políticas de gestão pública possam tornar o poder público mais alinhado com as novas perspectivas e desafios em consolidar um Estado voltado ao desenvolvimento. No governo estadual além de processos de planejamento iniciados em gestões anteriores como os Estudos de Cenários de Longo Prazo MS 2020 e seu desmembramento para os Planos Regionais de Desenvolvimento, que colaboraram para a elaboração de uma carteira de projetos estruturantes para o estado, há no atual governo, o Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE) que tem como objetivo estabelecer normas técnicas e legais para o adequado uso e ocupação do território, compatibilizando, de forma sustentável, as atividades econômicas, a conservação ambiental e a justa distribuição dos benefícios sociais. O ZEE/MS se desenvolve como ferramenta do planejamento estratégico do Estado, sob a coordenação geral da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (SEMAC). Há também, uma gama de recursos sendo investidos através de projetos e ações do Programa MS Forte que permeia todas as secretarias de estado e, além disso, há os projetos do PAC, Programa de Aceleração do Crescimento em pleno desenvolvimento, também permeando várias áreas de atuação do governo, além dos projetos próprios desenvolvidos por cada secretaria de estado. Todos esses Programas, são compostos por uma carteira de projetos que necessitam de gerenciamento para atingimento de objetivos e metas e obtenção de vantagem competitiva e melhora no desempenho da gestão e que se encontram descentralizados nas diversas unidades e secretarias de estado o que acarreta dificuldades de acompanhamento pela estrutura do governo, bem como, reduzem a capacidade dos municípios e instituições externas ao governo do estado atrelarem seu planejamento e seus projetos ao do governo do estado. O escritório de projetos apresenta como objetivo principal orientar e dar suporte aos gerentes de projetos permitindo que o governo do estado desenvolva seus projetos de forma mais eficiente e eficaz possível. O Escritório Central de Projetos no âmbito do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, surge como a estrutura organizacional que melhor atende as crescentes necessidades de ganhos de resolutividade e também a carência premente da centralização e do controle das informações necessárias para o sucesso dos projetos realizados. A gestão pública organizada para o gerenciamento de projetos e programas, atreladas ao desenvolvimento de indicadores de desempenho e a avaliação de desempenho fornece, além da medição das metas estabelecidas, subsídios para retroalimentação de

6 6 informações para o desenvolvimento de futuras metas gerenciais e, por fim, a ampliação da capacidade gerencial. Com essas perspectivas é que se apresenta a proposta deste artigo de Implantação do Escritório Central de Projetos no âmbito do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul. 5. A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO CENTRAL DE PROJETOS NO ÂMBITO DO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL O PMBOK (Project Management Body of Knowlege. ) define gerência de projetos ou gestão de projetos como sendo a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas nas atividades do projeto com objetivo de atender aos seus requisitos e define um projeto como sendo um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço, ou resultado exclusivo. A elaboração do projeto é a etapa crucial do planejamento; o desenho do projeto, o modo como ele é concebido e executado, os indicadores e metas estabelecidos, influenciam diretamente as possibilidades de sucesso de um planejamento. O projeto é antes de qualquer coisa, um compromisso de ação que ataca causas de um problema e avança para os resultados desenhados. O programa direcional de uma organização, ou o seu o conjunto coerente de projetos, operações e ações é o conjunto de meios ou atos de intervenção social capazes de gestar uma dinâmica causal de mudança situacional na direção e velocidade necessárias e suficientes para alcançar, com boa aproximação qualitativa e quantitativa, a situação-objetivo assumida como compromisso. (MATUS,1993). Dentro do novo contexto de globalização e escassez de recursos, a administração pública se vê obrigada a se tornar mais competitiva na luta pela busca de novas fontes de recursos financeiros sendo obrigada para isso a repensar seus processos internos de trabalho e estabelecer uma reestruturação completa da máquina pública de forma a viabilizar a captação de investimentos privados nacionais e internacionais e de recursos federais. 5.1 ARQUITETURA DO ESCRITÓRIO CENTRAL DE PROJETOS DO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL MS O Escritório Central de Projetos do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul e os cargos que o compõem, face à sua importância no processo de tomada de decisões e para dar legitimidade em todo o âmbito do governo, deve ser criado por Decreto assinado pelo governador do estado. Deverá ainda, o escritório, ser uma unidade central localizada junto à secretaria de governo ou ao gabinete do governador e com pequenas unidades de suporte à projetos dentro de cada secretaria de estado. A criação de unidades de suporte à projetos nas autarquias e fundações vinculadas às secretarias, ficará a critério de análise da necessidade face ao porte e complexidade de atividades dessas.

7 7 Figura 1 Localização do Escritório de Projetos e Unidades de Suporte à Projetos na estrutura administrativa do governo do estado de MS. GOVERNADORIA SECRETARIA DE GOVERNO ESCRITÓRIO CENTRAL DE PROJETOS SECRETARIA 1 SECRETARIA 2 SECRETARIA 3 SECRETARIA n Unidade de Suporte à Projetos 1 Unidade de Suporte à Projetos 2 Unidade de Suporte à Projetos 3 Unidade de Suporte à Projetos n Fonte: Elaborado pelo autor Esse modelo permitirá que os projetos de importância exclusiva às atividades rotineiras das secretarias, sejam desenvolvidos pelas equipes de gestores de projetos dessas unidades de suporte e aqueles que forem de importância estruturante e estratégica para o governo ou para o estado e permearem mais de uma secretaria, sejam desenvolvidos sob a supervisão de gerentes especialistas da equipe do escritório central. Esse mesmo modelo, poderá ser repetido para atuação na assessoria aos municípios, ou seja, quando esses necessitarem assistência para encaminhar ou desenvolver projetos rotineiros e específicos de uma determinada área, tratarão diretamente com os gestores de projetos das unidades de suporte das secretarias e quando se tratar de projetos nos municípios que componham a carteira de projetos estruturantes e estratégicos do estado, esses serão assessorados e acompanhados pelos gerentes especialistas do escritório central. Os servidores das equipes das unidades de suporte à projetos nas secretarias de estado, serão denominados gestores de projetos e os servidores responsáveis pelo gerenciamento dos projetos estratégicos no escritório central de projetos serão denominados gerentes especialistas em projetos. Ambas equipes exercerão funções envolvendo processos de gestão nas diversas áreas de conhecimento do PMBOK (escopo, tempo, custo, qualidade, risco,...). Segundo Ireland; Cleland (2002), um escritório de projetos é o que uma organização quer que ele seja, podendo ser simples, com poucas pessoas preparando e mantendo um cronograma, até várias pessoas realizando planejamento, informes, garantia da qualidade, coleta de informações de desempenho, e funcionar como um centro de comunicação para vários projetos. O escritório de projetos é definido pelas necessidades da organização e cresce de acordo com aquelas necessidades, no entanto, sua constituição gera benefícios em função da padronização de funções rotineiras de gerenciamento de projetos,

8 8 reduzindo custos e melhorando a qualidade das informações sobre o projeto transmitidas aos dirigentes. A centralização dessas funções ajuda a organização a ganhar consistência nas práticas da metodologia adotada, ajudando a suprimir deficiências em prazo, custo e qualidade em comparação a projetos isolados. 5.2 O SISTEMA DE INFORMAÇÕES DOS PROJETOS Para que o governo atinja seus objetivos, é necessário que os projetos estratégicos tornem-se fator determinante para o sucesso da organização. Assim, é de extrema importância o acompanhamento e a avaliação desses para verificar se os resultados que estão sendo obtidos estão condizentes com os objetivos predeterminados. Para esse acompanhamento e monitoramento, sugere-se que seja implementado um sistema visual de informação para acompanhamento dos projetos, tanto no que se refere ao andamento das operações como à avaliação dos impactos esperados sobre os objetivos de cada projeto. A gerência por projetos exige a implantação de um sistema ágil e significativo de acompanhamento do andamento das operações e ações. Tal sistema é constituído por indicadores de controle financeiros e não financeiros, lembrando que um indicador deve ser uma forma objetiva de medir a situação real contra um padrão previamente estabelecido e condensado. Ele só deve ter sentido e ser utilizado por um profissional completamente responsável por ele. (CARVALHO,1995). Dessa forma, serão necessários para cada projeto estabelecer no mínimo as seguintes informações: (a) quais recursos são necessários, (b) quais produtos são gerados pela execução destas atividades, (c) os resultados previstos em cada uma delas (d) quem é o responsável pela coordenação de sua execução (e) qual a linha de base do projeto e (f) quais as metas desejadas. Outras informações adicionais são necessárias como o cronograma previsto de execução, as parcerias internas e externas necessárias para obtenção dos produtos e resultados previstos. O sistema de informações montado no Escritório Central de Projetos para o acompanhamento dos projetos pelas respectivas gerências e alta direção, utiliza-se de uma rede interligando todos os órgãos do governo, permitindo a conectividade de microcomputadores e redes locais de todas as unidades. Ë uma base de dados que visa disponibilizar a todos os usuários ligados à rede de comunicação, a troca de informações sobre cada um dos projetos do governo e também, um programa destinado especificamente ao planejamento operacional, avaliação, gerenciamento e controle de projetos, que permite o acompanhamento detalhado de todas as ações do governo, de maneira integrada, dinâmica e compartilhada por todos os órgãos da administração. 6 - A IMPORTÂNCIA DAS UNIVERSIDADES NO PROCESSO O trabalho de condução de todo esse processo de mudança de paradigmas de gestão envolvendo gerenciamento de projetos exige conhecimentos multidisciplinares. Após a definição das equipes das unidades de suporte e do escritório central, os gerentes especialistas e gestores de projetos devem receber capacitação e treinamentos constantes em elaboração e gerenciamento de projetos desde o nível básico até o avançado,

9 9 respeitando-se uma programação prévia e de acordo com as necessidades e evolução das equipes. Além do processo de capacitação e treinamento, para assegurar a continuidade e funcionamento do modelo deverá ser desenvolvido o plano de carreira para a profissão de gerente especialista em projetos com formação acadêmica e de cargos de gestores de projetos de níveis diferenciados com suas respectivas atribuições. Todo esse processo envolve mais que a implementação em si do modelo de gestão, envolve o aprendizado contínuo. Desta forma, é salutar e recomendável que esse processo todo seja conduzido, orientado e acompanhado pelas universidades disponíveis no nosso estado, que além de disponibilizar de corpo profissional com competência, têm em si o domínio da informação, a didática do ensino e, principalmente, a responsabilidade de formar novos cidadãos e possíveis novos agentes e gestores públicos. Além disso, num segundo momento, a dispersão espacial dos campus universitários em todo o estado, permitirá replicar o processo e a formação de vários gestores em municípios de todas as regiões. 7 BENEFÍCIOS ESPERADOS COM O ESCRITÓRIO CENTRAL DE PROJETOS NO ÂMBITO DO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Os principais benefícios esperados com a implantação do Escritório Central de Projetos no âmbito do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, são: 1. Profissionalizar a gestão de projetos; 2. Foco no gerenciamento de projetos que requerem maior intervenção e são mais importantes; 3. Assegurar a conclusão dos projetos; 4. Compatibilizar orçamento com o planejamento; 5. Vincular com a área financeira e orçamentária; 6. Assegurar cumprimento de prazos; 7. Maior garantia de alcance das metas dos projetos; 8. Visualizar prazos e recursos previstos e realizados/utilizados; 9. Assegurar transparência de informações; 10. Disponibilizar informações em tempo real; 11. Ampliar captação de recursos; 12. Integrar secretarias, órgãos e setores; 13. Padronizar processos; 14. Evitar projetos desenvolvidos de forma isolada; 15. Alinhar ações à estratégia do governo; 16. Compartilhar ferramentas e técnicas de gerenciamento de projetos entre todos os envolvidos. 17. Otimizar de recursos e pessoas; 18. Clareza de papéis e responsabilidades. 19. Reduzir desvio de qualidade, incertezas e riscos, diminuindo os custos do projeto. 20. Informação obtida e disseminada entre os projetos e unidades, ajudando na comunicação.

10 10 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente artigo pretendeu sugerir um modelo de Escritório de Projetos para o Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio de uma pesquisa bibliográfica, supondo que esse permitirá ganhos de resolutividade, eficiência efetividade e eficácia nos projetos desenvolvidos. A pesquisa realizada sobre o tema sinalizou a possibilidade concreta da implantação do Escritório de Projetos no Governo do Estado de Mato Grosso do Sul por ser um modelo que torna extremamente oportuna a capacidade para aumentar a eficiência da gestão dos projetos no setor público. Ë importante ressaltar a necessidade de aplicação dos conceitos de melhoria contínua durante todo o desenvolvimento do modelo, já que sua própria dinâmica requer o constante aperfeiçoamento dos métodos, processos e qualificação das equipes. O treinamento e a formação dos servidores públicos nos conceitos de gerenciamento de projetos são fatores essenciais para o bom funcionamento desse modelo de gestão calcada no Escritório de Projetos; aí reside a imprescindível parceria com as universidades conduzindo e orientando esse processo. Outro ponto importante para o sucesso dos projetos e do próprio escritório central de projetos é o sistema de informações e de acompanhamento diário, semanal, mensal, trimestral e anual das ações e projetos do governo em suas mais diversas instâncias. Os gestores e gerentes de projetos devem reunir-se regularmente e avaliar o andamento de cada projeto e suas ações correspondentes e, a estratégia de governo é reavaliada anualmente em em reunião do Governador com todo o secretariado. A implantação deste modelo para o gerenciamento de projetos do governo, não é tarefa simples e demanda um grande empenho dos envolvidos e O escritório de projeto deve ter apoio dos dirigentes para sua iniciação. [...] (Ireland;Cleland,2002, p.65) Segundo Ireland (2002), a implementação se dá de cima para baixo, de modo que a autoridade a inicie e mantenha o escritório de projetos. Com a credibilidade conferida pela alta gerência, o seu sucesso dependerá do desempenho frente às expectativas dos clientes, desde os dirigentes e gerentes, até os membros das equipes de projeto e demais stakeholders, revelando a necessidade de uma estratégia de implantação. Sendo assim, a compreensão, por parte dos altos dirigentes dos benefícios da apresentação de resultados, seu envolvimento direto no aprendizado desta ferramenta e seu comprometimento na prática e divulgação da proposta apresentada é um fator chave para sua aceitação e além disso, vai determinar a rapidez com que o modelo se consolide. A criação de um Escritóro de Projetos no Governo do Estado vinculado ao gabinete do governador ou à secretaria de estado de governo, pode vir a ser uma evolução da estrutura existente, com tarefas e atribuições normatizadas e definidas, e procurando atender as novas demandas do governo em benefício da sociedade. O Escritório de Projetos pode vir a ser a unidade organizacional responsável por pensar todo o gerenciamento corporativo de projetos e por concretizar a obtenção desses benefícios. Finalmente, não há razões que justifiquem a não adoção do Escritório de Projetos no âmbito do Governo do Estado, uma vez que, trata de aprimoramento de técnicas administrativas, adequação tecnológica com resultados certamente melhores que os atuais.

11 11 REFERÊNCIAS ABNT. NBR 6022: Informação e documentação: Artigo em publicação periódica científica impressa: Apresentação. Rio de Janeiro, p. ABNT. NBR6023: Informação e documentação: Elaboração: Referências. Rio de Janeiro, p. ALBUQUERQUE, Nestor. Escritório de Projetos - Um Estudo de Caso de Implementação. Disponívelem:http://www.administradores.com.br/producao_academica/ escritoriodeprojetosumestudodecasodeimplementacao/ acesso em 29 out ANSOFF, H. I.; MCDONNELL, E. J. Implantando a administração estratégica. 2 ed. São Paulo: Atlas, CARVALHO, Hélio Gomes de, HINCA, Ariane. Escritório de projetos como ferramenta de gestão do conhecimento. Disponível em: <http:// /ppgep/ebook/artigos/19.pdf >. Acesso em: 20 out CLELAND, David; IRELAND, Lewis. Gerência de projetos. 1 edição. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, DINSMORE, P. C.; SILVEIRA NETO, F. H. Gerenciamento de Projetos Como Gerenciar seu Projeto com Qualidade, Dentro do Prazo e Custos Previstos. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004, p Escritório de Projetos. Disponível em: Acesso em 27 out Implantação do PMO (Project Management Office) nas empresas, bem como todo o suporte e acompanhamento necessário. Disponível em: Acesso em 10 out KERZNER, Harold. Gestão de Projetos: as melhores práticas. Porto Alegra: Bookman, MATUS, C. (1993) Política, Planejamento e Governo, Tomo I e II, IPEA, Brasília. PMO - A importância do escritório de projetos nas organizações. Disponível em em 05 out PMI, Project Management Institute. Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos. 3. ed. Newtown Square, Pennsylvania: Four Campus Boulevard, 2004, 32 p. Perfil de escritórios de gerenciamento de projetos em organizações atuantes no Brasil. Disponível em: < documentos/v02n01/ n2_art03.pdf.> Acesso em: 24 out QUELHAS, Osvaldo, BARCAUI, André B. Escritório de Projetos: uma visão geral. Disponível em: < Acesso em: 28 set

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso.

A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. A experiência na Implantação do Escritório de Projetos do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Vivian D. de Arruda e S. Pires Coordenadora de Planejamento do TJ/MT 23 de outubro de 2012 ESTRATÉGIAS

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ORGANIZATI ONAL AGILITY

ORGANIZATI ONAL AGILITY PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO A VANTAGEM COMPETITIVA DO GERENCIAMENTO EFICAZ DE TALENTOS ORGANIZATI ONAL ORGANIZATI ONAL AGILITY AGILITY MARÇO DE 2013 Estudo Detalhado Pulse of the Profession

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento SECRETARIA DO PLANEJAMENTO -SPG

Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento SECRETARIA DO PLANEJAMENTO -SPG MODELO DE GESTÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA DESCENTRALIZAÇÃO AÇÃO E REGIONALIZAÇÃO AÇÃO Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento Santa Catarina em dados Superfície: 95.346,2 km2 População....5.774.178

Leia mais

"A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO

A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Gaino Coordenadora PMO "A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia A Sefaz/BA é um órgão da Administração Pública Direta

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover eficiência na gestão de recursos para assegurar a realização da Estratégia, a partir de uma política organizacional de planejamento e execução

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS RELATÓRIO DE GESTÃO DA DIRETORIA DA FANUT REFERENTE AO PERÍODO DE 2011-2012: Estruturando a Faculdade de Nutrição como Unidade Acadêmica no âmbito da UNIFAL-MG DIRETORIA: Profa. Cristina Garcia Lopes Diretora

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos

A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos A necessidade de aperfeiçoamento do Sistema de Controle Interno nos Municípios como base para implantação do Sistema de Informação de Custos Torres RS 9 de julho de 2015. Mário Kemphel da Rosa Mário Kemphel

Leia mais

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4. INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.372/2012) Ministério Secretaria de Regulação e da Educação Supervisão

Leia mais

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011

Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública. André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 Governança de TI: O desafio atual da Administração Pública André Luiz Furtado Pacheco, CISA SECOP 2011 Porto de Galinhas, setembro de 2011 André Luiz Furtado Pacheco, CISA Graduado em Processamento de

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria PMSolution Consultoria Nossa Atuação Cliente Governança Corporativa Governança de TI Áreas de Conhecimento Consultoria Estratégica Gerenciamento de Projetos e Portfólio Tecnologia Capacitação Confidencial

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA)

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA) Projeto 1: Elaboração dos Planos Diretores de TI da Administração Pública de Pernambuco Projeto 2: Elaboração do Plano de Governo em TI Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 Índice 1. Gerenciamento de riscos do projeto...3 2. Gerenciamento de aquisições do projeto...4 Referências bibliográficas...5 2 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS DO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 23/2012 Aprova a implantação do Sistema de Gestão de Pessoas por Competências (SGPC) da UFPB. O Conselho Universitário

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS

IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS IDENTIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A GESTÃO DE PROJETOS Claudio Oliveira Aplicações de CRM Claudio Oliveira Apresentação Claudio Oliveira (cloliveira@usp.br) Professor da Fundação Vanzolini

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 15/05/2013-15:50:44 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Estruturar e implantar uma unidade administrativa para assessorar a alta administração do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais em relação à elaboração e ao

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop dos Resultados dos Estudos Temáticos 13-14 de dezembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Objetivos do GT10 Lógica ideal de desenvolvimento

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, POLÍTICA INSTITUIDA ATO TRT 11ª REGIÃO Nº 058/2010/SGP (Publicado DOJT 26/10/2010) Institui a Política Organizacional de Gerenciamento de Projetos no âmbito do A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Breve Currículo do Palestrante Filme Ilustrativo O Veleiro Objetivos do Tema : Projeto e Gestão Teoria x Prática de Gestão

Leia mais