Mortal, quente e branco são adjetivos explicativos, em relação a homem, fogo e leite.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mortal, quente e branco são adjetivos explicativos, em relação a homem, fogo e leite."

Transcrição

1 Adjetivo é a classe gramatical que modifica um substantivo, atribuindo-lhe qualidade, estado ou modo de ser. Um adjetivo normalmente exerce uma dentre três funções sintáticas na oração: Aposto explicativo, adjunto adnominal ou predicativo. OS ADJETIVOS PODEM SER: Adjetivo explicativo É o adjetivo que serve para esclarecer o sentido do substantivo ou pronome a que se refere, denotando característica essencial do ser, característica inerente, ou seja, que não pode ser retirada do substantivo. Ex.: Todo homem é mortal. Todo fogo é quente. Todo leite é branco. Mortal, quente e branco são adjetivos explicativos, em relação a homem, fogo e leite. Adjetivo restritivo É o adjetivo que limita, restringe o sentido do substantivo ou pronome a que se refere, denotando qualidade adicionada ao ser, ou seja, qualidade que pode ser retirada do substantivo. Ex. Nem todo homem é inteligente. Nem todo fogo é alto. Nem todo leite é enriquecido. Inteligente, alto e enriquecido são adjetivos restritivos, em relação a homem, fogo e leite. ADJETIVO IMEDIATAMENTE APÓS O SUBSTANTIVO QUALIFICADO POR ELE Sempre que o adjetivo estiver imediatamente após o substantivo qualificado por ele, teremos o seguinte: 1) Se ele for adjetivo explicativo: deverá estar entre vírgulas funcionará sintaticamente como aposto explicativo; Ex.: "O homem, mortal, age como um ser imortal". Nessa frase, mortal é adjetivo explicativo, pois indica uma qualidade essencial do substantivo, por isso está entre vírgulas e sua função sintática é a de aposto explicativo. 2) Se for adjetivo restritivo:

2 não poderá estar entre vírgulas funcionará como adjunto adnominal. Ex.: "O homem inteligente lê mais" Já nessa frase, inteligente é adjetivo restritivo, pois indica uma qualidade adicionada ao substantivo, por isso não está entre vírgulas e sua função sintática é a de adjunto adnominal. Perceba que inteligente, apesar de não ser essencial a todos os homens, é especificamente ao universo de homens dos quais estamos falando. Caso o adjetivo restritivo esteja entre vírgulas, funcionará como predicativo. Ex.: O diretor, preocupado, atendeu ao telefone." Perceba que preocupado não é uma qualidade essencial a todos os homens nem o é ao diretor de quem estamos falando; o diretor possui a qualidade de preocupado apenas em um determinado momento - essa é a diferença entre o adjunto adnominal e o predicativo. Observe estas duas frases: "O lixo, proveniente dos hospitais, deve ter tratamento especial" "O lixo proveniente dos hospitais deve ter tratamento especial". Qual a diferença entre elas? Na primeira oração, adjetivo explicativo, todo o lixo de determinado universo deve ter tratamento especial, pois todo ele provém dos hospitais. Na segunda, adjetivo restritivo, somente o lixo proveniente dos hospitais deve ter tratamento especial, os outros não. Assim é que se estabelece a diferença entre um adjetivo explicativo e outro restritivo.

3 ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS As orações subordinadas adjetivas são aquelas que funcionam como um adjetivo, modificando o substantivo ou palavra de valor substantivo. Sempre são introduzidas pelos pronomes relativos que, onde, o qual (a qual, os quais, as quais), cujo (cuja, cujos, cujas) e podem ser denominadas de explicativas e de restritivas, tais quais os adjetivos. Oração Subordinada Adjetiva Restritiva É a oração que funciona como o adjetivo restritivo, ou seja, limita, restringe o sentido do substantivo ou pronome a que se refere, denotando uma característica adicionada ao ser. São aquelas que restringem o sentido do termo a que se referem, individualizando-o. Nessas orações não há marcação de pausa. Não pode estar entre vírgulas e funciona como adjunto adnominal. Delimita, restringe, particulariza o sentido do substantivo ou pronome a que se refere. Não vem entre vírgulas. Funciona como adjunto adnominal. Dá uma ideia de somente um grupo específico, daí a necessidade de restringir. Exemplos: a) Jamais teria chegado aqui, não fosse a gentileza de um homem que passava naquele momento. A oração em destaque restringe e particulariza o sentido da palavra "homem": trata-se de um homem específico, único. A oração limita o universo de homens, isto é, não se refere a todos os homens, mas sim àquele que estava passando naquele momento. b) O homem que é inteligente lê mais. O nome restritivo se deve ao fato de que a oração restringe o significado do substantivo anterior, ou seja, a oração apresentada significa que apenas os homens que são inteligentes leem mais, os outros não. c) O advogado que é pintor ficará uns dias por aqui. Perceba que a referência não é a um único advogado, mas somente ao advogado que tem a qualidade de ser pintor, ou seja, é como se dissesse que somente o advogado que for pintor ficará por uns dias, os outros não. Dá ideia de que há outros advogados neste local, mas eles não são pintores e não ficarão lá. Por isso é necessário restringir. É como se existissem advogados pintores e não pintores no local. d) O bolo que estava no armário desapareceu. Perceba que restringe, especifica que é somente o bolo que estava no armário que desapareceu, os outros não. Dá ideia, por exemplo, de que há outros bolos na casa, mas eles não desapareceram. Quando a pessoa a usa (adjetiva restritiva) é porque ela tem conhecimento de que há outros bolos na casa precisa restringir qual é. e) Os doces que estavam visivelmente deteriorados foram postos na lixeira. Perceba que somente os doces que estavam visivelmente deteriorados foram postos na lixeira, os outros não. Dá ideia, por exemplo, de que há outros doces na casa, mas eles não estavam deteriorados, portanto não serão postos na lixeira. Por isso é necessário restringir.

4 É assim que se comprova a existência de uma oração subordinada adjetiva restritiva: usando a expressão somente..., os outros não. Oração Subordinada Adjetiva Explicativa É a oração que funciona como o adjetivo explicativo, ou seja, esclarece o sentido do substantivo ( ou palavra de valor substantivo), denotando uma característica essencial do ser. Elas realçam um detalhe, acrescentam ao termo a que se referem uma informação que já é do conhecimento do interlocutor ou amplificam dados sobre o antecedente que já se encontra suficientemente definido. Deve estar entre vírgulas e funciona como aposto explicativo ou especificador. Esclarecem, explicitam, realçam, amplificam o sentido do substantivo ou pronome a que se refere. Devem estar entre vírgulas. Funcionam como aposto explicativo. Podem dar uma ideia de generalização ou universalização (servir para todos) ao antecedente. Podem ter a função de explicar um substantivo (antecedente) que já é definido - algo que a pessoa saiba que só há um; ou em uma situação em que ela saiba a quem está se referindo; ou quando se refere a um substantivo próprio. E é por esse termo antecedente já ser definido que não há necessidade de restringi-lo. Portanto, a intenção ao usar a adjetiva explicativa, nessas situações, será a de esclarecer, explicar, dar detalhes do objeto ou pessoa. Exemplos: a)o homem, que se considera racional, muitas vezes age animalescamente. Nesse período, a oração em destaque não tem sentido restritivo em relação à palavra "homem". Na verdade, essa oração apenas explicita uma ideia que já sabemos estar contida no conceito de "homem". b) O advogado, que é pintor, ficará uns dias por aqui." Perceba que a referência é a um único advogado, que tem a qualidade de ser pintor. É como se explicasse que aquele advogado já é definido, a pessoa usa a adjetiva explicativa porque ela já sabe a quem se está se referindo e então quer esclarecer, realçar que ele tem como qualidade ser pintor e que este ficará uns dias. c) O bolo, que estava no armário, desapareceu." Novamente perceba que a referência é a um único bolo (o que estava no armário, portanto já é restrito). É um bolo definido e a pessoa quer esclarecer que ele desapareceu. Ele já é restrito, definido (a pessoa sabe que só tem ele na casa) porque só existe ele, portanto a ideia é só explicar onde ele estava. d) Os doces, que estavam visivelmente deteriorados, foram postos na lixeira". Ou seja, todos os doces de determinado universo foram postos na lixeira, pois todos eles estavam deteriorados.

5 Saiba que: 1)A oração subordinada adjetiva explicativa é separada da oração principal por uma pausa, que, na escrita, é representada pela vírgula. É comum, por isso, que a pontuação seja indicada como forma de diferenciar as orações explicativas das restritivas: de fato, as explicativas vêm sempre isoladas por vírgulas; as restritivas, não. 2) Alguns autores alegam que as orações adjetivas restritivas são indispensáveis ao sentido da frase, ao contrário das orações adjetivas explicativas, cuja omissão não acarreta nenhum prejuízo lógico no enunciado, mas pode acarretar grave prejuízo estilístico. Obs.: Ao redigir um período escrito por outrem, é necessário levar em conta as diferenças de significado que as orações restritivas e as explicativas implicam. Em muitos casos, a oração subordinada adjetiva será explicativa ou restritiva de acordo com o que se pretende dizer. Exemplo 1: Mandei um telegrama para meu irmão que mora em Roma. No período acima, podemos afirmar com segurança que a pessoa que fala ou escreve tem, no mínimo, dois irmãos, um que mora em Roma e um que mora em outro lugar. A palavra "irmão", no caso, precisa ter seu sentido limitado, ou seja, é preciso restringir seu universo. Para isso, usa-se uma oração subordinada adjetiva restritiva. Exemplo 2: Mandei um telegrama para meu irmão, que mora em Roma. Nesse período, é possível afirmar com segurança que a pessoa que fala ou escreve tem apenas um irmão, o qual mora em Roma. A informação de que o irmão more em Roma não é uma particularidade, ou seja, não é um elemento identificador, diferenciador, e sim um detalhe que se quer realçar.

Sintaxe do período composto

Sintaxe do período composto Lição 9 Sintaxe do período composto Estudo do Período Na lição 8, fizemos uma análise interna da oração. Examinamos os termos essenciais, os integrantes e os acessórios e, para isso, utilizamos exemplos

Leia mais

2.Diferenças semânticas entre as orações subordinadas adjetivas. 3.Funções sintáticas dos pronomes relativos nas orações adjetivas.

2.Diferenças semânticas entre as orações subordinadas adjetivas. 3.Funções sintáticas dos pronomes relativos nas orações adjetivas. OITAVA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET Professora: Sandra Franco Período Composto 1.Orações Subordinadas Adjetivas. 2.Diferenças semânticas entre as orações subordinadas adjetivas. 3.Funções sintáticas dos

Leia mais

SINTAXE. Período Composto. Conjunto de orações constituído por mais de uma oração.

SINTAXE. Período Composto. Conjunto de orações constituído por mais de uma oração. SINTAXE Período Composto Conjunto de orações constituído por mais de uma oração. O período composto pode ser período composto por coordenação ou subordinação. Período composto por subordinação No período

Leia mais

Para que saber? Conhecer o papel desempenhados pelos relativos é importante porque:

Para que saber? Conhecer o papel desempenhados pelos relativos é importante porque: Pronomes relativos São aqueles que retomam um substantivo (ou um pronome) anterior a eles, substituindo-o no início da oração seguinte. Exemplos: O jogo será no domingo. O jogo decidirá o campeonato. Reunindo

Leia mais

Unidade I Corpo, movimento e linguagem na era da informação.

Unidade I Corpo, movimento e linguagem na era da informação. Unidade I Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 7.2 Conteúdo: Funções sintáticas dos pronomes relativos. 7.2 Habilidades: Aprender a classificar e identificar as funções sintáticas dos pronomes

Leia mais

Orações Subordinadas. Apostila 3, Capítulo 8 Unidades 35 a 38 (pág. 313 a 321)

Orações Subordinadas. Apostila 3, Capítulo 8 Unidades 35 a 38 (pág. 313 a 321) Orações Subordinadas d Apostila 3, Capítulo 8 Unidades 35 a 38 (pág. 313 a 321) Professora Simone 2 Período Composto por Subordinação É aquele formado por uma oração principal e uma ou mais orações subordinadas;

Leia mais

Língua Portuguesa 9º ano

Língua Portuguesa 9º ano Aula de Pronomes Moré: Hemerson Siqueira Pronomes Critério Semântico Sob o ponto de vista semântico, a classe de pronomes tem uma característica singular: trata-se de palavras quase vazias de significado.

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE SEPLAG/SE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA

ESTADO DE SERGIPE SEPLAG/SE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA ESTADO DE SERGIPE SEPLAG/SE PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA Resposta aos Recursos contra a Prova Objetiva Cargo: S01 - P.E.B. - E. F. (6º AO 9º ANO) E MÉDIO - ARTE Disciplina: LINGUA PORTUGUESA Questão Resposta

Leia mais

Complemento nominal Adjunto adnominal Objeto indireto Predicativo do sujeito Predicativo do objeto Adjunto Adverbial Agente da passiva Aposto e

Complemento nominal Adjunto adnominal Objeto indireto Predicativo do sujeito Predicativo do objeto Adjunto Adverbial Agente da passiva Aposto e Complemento nominal Adjunto adnominal Objeto indireto Predicativo do sujeito Predicativo do objeto Adjunto Adverbial Agente da passiva Aposto e Vocativo Tipos de predicado COMPLEMENTO NOMINAL OU ADJUNTO

Leia mais

Centro Educacional C.C.G. TD1-1º BIMESTRE (1º Período)

Centro Educacional C.C.G. TD1-1º BIMESTRE (1º Período) Centro Educacional C.C.G. TD1-1º BIMESTRE (1º Período) VALE: 2 pontos OBS: Devolver o TD 1 a professora no dia 16/04/09 (quinta-feira). Usar caneta azul ou preta. Não use 1- Em 1991, por ocasião da visita

Leia mais

Aposto. Professora: Caliana Medeiros

Aposto. Professora: Caliana Medeiros Aposto Professora: Caliana Medeiros É um termo que se junta a outro de valor substantivo ou pronominal para explicá-lo ou especificá-lo melhor. Vem separado dos demais termos da oração por vírgula, dois-pontos

Leia mais

Verbo que precisa de um complemento SEM preposição. Ex.: A criança encontrou o brinquedo. A criança encontrou. (o quê?) o brinquedo = objeto direto

Verbo que precisa de um complemento SEM preposição. Ex.: A criança encontrou o brinquedo. A criança encontrou. (o quê?) o brinquedo = objeto direto TRANSITIVO DIRETO Verbo que precisa de um complemento SEM preposição. Ex.: A criança encontrou o brinquedo. A criança encontrou. (o quê?) o brinquedo = objeto direto TRANSITIVO INDIRETO Precisa de um complemento

Leia mais

Adjetivo (Adjunto Adnominal)

Adjetivo (Adjunto Adnominal) PROFESSOR(A): DISCIPLINA: ALUNO(A): Nº SÉRIE: TURMA: TURNO: DATA: / /2017. ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS Uma oração subordinada adjetiva é aquela que possui valor e função de adjetivo, ou seja, que a

Leia mais

Orações Subordinadas Substantivas. Profª Grayce Rodrigues 2º Ano - EM

Orações Subordinadas Substantivas. Profª Grayce Rodrigues 2º Ano - EM Orações Subordinadas Substantivas Profª Grayce Rodrigues 2º Ano - EM Orações Subordinadas Substantivas Oração subordinada substantiva: é aquela que tem valor de substantivo e exerce, em relação à oração

Leia mais

SINTAXE Termos integrantes 1) Objeto direto: o complemento de um verbo transitivo direto. Ex.: Perdi os documentos. Encontrei-os.

SINTAXE Termos integrantes 1) Objeto direto: o complemento de um verbo transitivo direto. Ex.: Perdi os documentos. Encontrei-os. SINTAXE Termos integrantes 1) Objeto direto: o complemento de um verbo transitivo direto. Ex.: Perdi os documentos. Encontrei-os. * Objeto direto preposicionado: aquele cuja preposição não é exigência

Leia mais

Estude a revisão do 1º simulado mais as orações subordinadas substantivas

Estude a revisão do 1º simulado mais as orações subordinadas substantivas Revisão para o Simulado da 2ª bimestral Estude a revisão do 1º simulado mais as orações subordinadas substantivas 1) ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS A oração subordinada substantiva tem valor de substantivo

Leia mais

Orações Subordinadas d Adjetivas. Apostila 3, Capítulo 9 Unidades 39 e 40 (pág. 322 a 329)

Orações Subordinadas d Adjetivas. Apostila 3, Capítulo 9 Unidades 39 e 40 (pág. 322 a 329) Orações Subordinadas d Adjetivas Apostila 3, Capítulo 9 Unidades 39 e 40 (pág. 322 a 329) Professora Simone 2 Orações Subordinadas Adjetivas A sua história assustadora será contada para todos assustadora

Leia mais

SUMÁRIO PERÍODO SIMPLES............................. 01

SUMÁRIO PERÍODO SIMPLES............................. 01 SUMÁRIO Capítulo 1 PERÍODO SIMPLES... 01 Frase... 02 Oração... 02 Oração coordenada... 03 Oração justaposta... 03 Oração principal... 03 Oração reduzida... 03 Oração relativa... 03 Oração subordinada...

Leia mais

Revisão para 2ª série. Profª Sueli Oliveira Nobre Fazenda Rio Grande

Revisão para 2ª série. Profª Sueli Oliveira Nobre Fazenda Rio Grande Revisão para 2ª série p2 Profª Sueli Oliveira Nobre Fazenda Rio Grande O que é? Aquela que exerce a função sintática de um adjetivo. Os pronomes relativos (que, o qual, a qual, os quais, as quais, quem,

Leia mais

Professor Paulo Alexandre

Professor Paulo Alexandre Professor Paulo Alexandre O conteúdo dos slides a seguir foi baseado em um percurso didático para dinamizar o processo de explicação do conteúdo em sala de aula. Trata-se de um recorte teórico e aprofundado

Leia mais

Funções do Pronome Relativo Professora Cândida França

Funções do Pronome Relativo Professora Cândida França Funções do Pronome Relativo Professora Cândida França Pronomes relativos São aqueles que retomam um substantivo (ou um pronome) anterior a eles, substituindo-o no início da oração seguinte. Exemplos: O

Leia mais

Gramática Eletrônica. Os mercados brasileiro e argentino anseiam por taxas de juros mais baixas.

Gramática Eletrônica. Os mercados brasileiro e argentino anseiam por taxas de juros mais baixas. Lição 15 Concordância nominal A concordância nominal consiste também na adequação harmônica das palavras na frase. O artigo, o adjetivo, o pronome adjetivo e o numeral concordam em gênero e número com

Leia mais

Aula ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS. META Apresentar as orações subordinadas adjetivas

Aula ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS. META Apresentar as orações subordinadas adjetivas ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS Aula 5 META Apresentar as orações subordinadas adjetivas OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: reconhecer a oração adjetiva; distinguir a oração adjetiva restritiva

Leia mais

ANEXO 4 ROTEIROS DAS AULAS

ANEXO 4 ROTEIROS DAS AULAS ANEXO 4 ROTEIROS DAS AULAS 160 ESCOLA SECUNDÁRIA/3 PADRE ALBERTO NETO QUELUZ Língua Portuguesa 8.º Ano Turma C Roteiro de Aula Ano lectivo 2009/2010 Unidade didáctica : Oficina de Pontuação Duração : 90

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos Prova de Conhecimentos Específicos Leia o texto e responda às perguntas que se seguem: Texto 5 10 15 O ensino tradicional de língua portuguesa investiu, erroneamente, no conhecimento da descrição da língua

Leia mais

4. Ação recíproca 5. Outras três funções do se 6. Vozes verbais e transitividade verbal 7. Contextualizando a teoria 8. Exercícios

4. Ação recíproca 5. Outras três funções do se 6. Vozes verbais e transitividade verbal 7. Contextualizando a teoria 8. Exercícios SUMÁRIO CAPÍTULO 1 ACENTUAÇÃO GRÁFICA 1. Diferença entre acento tônico e acento gráfico 2. Palavras tônicas e palavras átonas 3. Classificação da palavra pela posição da vogal tônica 4. Timbre da vogal

Leia mais

Centro Educacional C.C.G. TD1-1º BIMESTRE (1º Período)

Centro Educacional C.C.G. TD1-1º BIMESTRE (1º Período) TD1-1º BIMESTRE (1º Período) Aluno (a): nº VALE: 2 pontos OBS: Devolver o TD 1 a professora no dia 16/04/09 (quinta-feira). Usar caneta azul ou preta. Não use 1- Leia o quadrinho de Glauco e faça o que

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO 8º ANO PARA 0 2 BIMESTRE DE 2016

ESTUDO DIRIGIDO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO 8º ANO PARA 0 2 BIMESTRE DE 2016 FUNDAÇÃO OSORIO PROFESSORA: REGINA CÉLIA DA SILVA ANDRADE ESTUDO DIRIGIDO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO 8º ANO PARA 0 2 BIMESTRE DE 2016 TEXTO TEATRAL Características: Texto escrito para ser representado Escrito

Leia mais

PONTUAÇÃO uso da vírgula. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Prof. Andriza

PONTUAÇÃO uso da vírgula. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Prof. Andriza PONTUAÇÃO uso da vírgula COMUNICAÇÃO TÉCNICA Prof. Andriza (andriza.becker@luzerna.ifc.edu.br) vídeo Vírgula É um sinal gráfico usado com duas finalidades: - Sintática: organização dos termos da oração

Leia mais

Professor Marlos Pires Gonçalves

Professor Marlos Pires Gonçalves PERÍODO COMPOSTO As orações podem ser constituídas da seguinte forma: Períodos simples» são aqueles formados por uma só oração. Exemplo: O mar estava calmo. (Aparece apenas um verbo: estava. Logo, período

Leia mais

4) Entre o verbo e o predicativo. Ex.: Eu já fui professor. Professor eu já fui.

4) Entre o verbo e o predicativo. Ex.: Eu já fui professor. Professor eu já fui. 4) Entre o verbo e o predicativo. Ex.: Eu já fui professor. Professor eu já fui. Obs.: Na inversão, aparecerá a vírgula se houver predicativo pleonástico. Ex.: Professor, eu já o fui. predicativo: professor.

Leia mais

c) O complemento nominal também se confunde com o adjunto adnominal. As diferenças serão explicitadas quando falarmos de desse termo acessório.

c) O complemento nominal também se confunde com o adjunto adnominal. As diferenças serão explicitadas quando falarmos de desse termo acessório. b) Os estudantes inexperientes podem confundir o complemento nominal o objeto indireto. Essa dúvida é facilmente resolvida. O OI completa o sentido de um verbo e o CN, o de um nome. Ex.: Necessito de ajuda.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CEB DE LOUSADA FICHA INFORMATIVA FRASE SIMPLES/FRASE COMPLEXA COORDENAÇÃO/SUBORDINAÇÃO A frase pode conter uma ou mais orações. A cada oração corresponde uma forma verbal expressa

Leia mais

Sumário. A língua portuguesa e o ensino gramatical... 1. A língua portuguesa no ensino superior... 3. O novo acordo ortográfico...

Sumário. A língua portuguesa e o ensino gramatical... 1. A língua portuguesa no ensino superior... 3. O novo acordo ortográfico... Sumário I A língua portuguesa e o ensino gramatical... 1 A língua portuguesa no ensino superior... 3 POR QUE ESTUDAR PORTUGUÊS NO ENSINO SUPERIOR... 5 Concepções de gramática... 6 O novo acordo ortográfico...

Leia mais

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III 1 O começo de tudo Em O Capital, Marx começa pela mercadoria, indicada por M. Ele começa pelo objeto da troca

Leia mais

Conteúdos: Período composto por subordinação: Orações adverbiais I e II Orações adjetivas Pronomes Relativos

Conteúdos: Período composto por subordinação: Orações adverbiais I e II Orações adjetivas Pronomes Relativos Conteúdos: Período composto por subordinação: Orações adverbiais I e II Orações adjetivas Pronomes Relativos Habilidades: Diferenciar conjunção integrante de conjunção subordinativa adverbial Identificar

Leia mais

9 ADJUNTO ADNOMINAL E COMPLEMENTO NOMINAL

9 ADJUNTO ADNOMINAL E COMPLEMENTO NOMINAL Aula ADJUNTO ADNOMINAL E COMPLEMENTO NOMINAL META Explicar a função adjetiva do adjunto adnominal, um acessório do núcleo do sujeito e de outros núcleos, mostrando as classes adjuntas. Apresentar a importância

Leia mais

1 Teoria de conjuntos e lógica

1 Teoria de conjuntos e lógica 1 Teoria de conjuntos e lógica Estes breves apontamentos dizem respeito à parte do programa dedicada à teoria de conjuntos e à lógica matemática. Embora concebidos sem grandes formalismos e com poucas

Leia mais

Orações Coordenadas. Período. Frase. Oração. Composto: Formado por duas ou mais orações. É a frase formada por uma ou mais orações

Orações Coordenadas. Período. Frase. Oração. Composto: Formado por duas ou mais orações. É a frase formada por uma ou mais orações Frase Enunciado capaz de transmitir nossas idéias, ou seja, tem sentido completo. Oração Fogo! A noite está linda. É o enunciado organizado em torno de um verbo. Ele atropelou o concorrente. Nós atropelamos

Leia mais

CLASSES GRAMATICAIS Parte 1

CLASSES GRAMATICAIS Parte 1 CLASSES GRAMATICAIS Parte 1 Professora Idilvânia 1 Existem 10 Classes Gramaticais Artigo Substantivo Adjetivo Advérbio Preposição Pronomes Verbo Conjunção Numeral Interjeição 2 ARTIGO Qualifica ou determina

Leia mais

Pausas Entonação Expressividade Clareza

Pausas Entonação Expressividade Clareza Profª Marisa Telo Pausas Entonação Expressividade Clareza Entre sujeito e verbo A busca de realização profissional é um dos principais desafios da humanidade. Entre verbo e complementos Os rapazes da

Leia mais

Classes Gramaticais: Pronomes

Classes Gramaticais: Pronomes Classes Gramaticais: Pronomes Aula ao Vivo Demonstrativos São pronomes utilizados para indicar a posição de alguma coisa (no espaço, no tempo ou no discurso) em relação às pessoas do discurso. Ex.: Este

Leia mais

APOIO PEDAGÓGICO AO NÚCLEO COMUM

APOIO PEDAGÓGICO AO NÚCLEO COMUM APOIO PEDAGÓGICO AO NÚCLEO COMUM GRAMÁTICA TRADICIONAL SINTAXE II: TERMOS INTEGRANTES E TERMOS ACESSÓRIOS Tutora: Ariana de Carvalho TERMOS INTEGRANTES A nomenclatura está relacionada com a função dos

Leia mais

Aula ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS (II)

Aula ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS (II) ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS (II) META Rever o conceito de oração subordinada substantiva. Discorrer sobre os quatro últimos tipos de orações subordinadas substantivas. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Assunto: Funções do Segundo Grau 1. Conceitos básicos Definição: É uma função que segue a lei: onde, Tipos

Leia mais

Bases Matemáticas. Daniel Miranda 1. 23 de maio de 2011. sala 819 - Bloco B página: daniel.miranda

Bases Matemáticas. Daniel Miranda 1. 23 de maio de 2011. sala 819 - Bloco B página:  daniel.miranda Daniel 1 1 email: daniel.miranda@ufabc.edu.br sala 819 - Bloco B página: http://hostel.ufabc.edu.br/ daniel.miranda 23 de maio de 2011 Elementos de Lógica e Linguagem Matemática Definição Uma proposição

Leia mais

ROTEIRO DIÁRIO SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES/ ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS. Vinheta do Projeto

ROTEIRO DIÁRIO SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES/ ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS. Vinheta do Projeto Componente Curricular: Língua Portuguesa Série/Ano Letivo: 9º ano/2014 Professor Ministrante: Joyce Camila Martins; Shirley dos Santos Vasconcelos Carga Horária: 5 horas/aula Data: 03/07 Aula: 24 Teleaula:

Leia mais

Sumário. 2. Regras para emprego do hífen...14 Exercícios para fixação...17 2.1 Quadro prático para verificação de emprego de hífen...17 Gabarito...

Sumário. 2. Regras para emprego do hífen...14 Exercícios para fixação...17 2.1 Quadro prático para verificação de emprego de hífen...17 Gabarito... Sumário Capítulo 1 Ortografia.... 1 1. Regras de acentuação gráfica...1 1.1. Acentuação dos vocábulos monossilábicos...1 1.2. Acentuação dos vocábulos oxítonos...1 1.3. Acentuação dos vocábulos paroxítonos...2

Leia mais

Aquela que exerce a função sintática de um adjetivo.

Aquela que exerce a função sintática de um adjetivo. O que é? Aquela que exerce a função sintática de um adjetivo. Os pronomes relativos (que, o qual, a qual, os quais, as quais, quem, onde, cujo, cujos, cuja, cujas, quanto, etc.) são os conectivos que iniciam

Leia mais

Conceito: é a fusão de duas vogais da mesma natureza. No português assinalamos a crase com

Conceito: é a fusão de duas vogais da mesma natureza. No português assinalamos a crase com TUDO SOBRE CRASE Conceito: é a fusão de duas vogais da mesma natureza. No português assinalamos a crase com o acento grave (`). Observe: Obedecemos ao regulamento. ( a + o ) Não há crase, pois o encontro

Leia mais

Cartilha de Acesso Rápido

Cartilha de Acesso Rápido Cartilha de Acesso Rápido (UTILIZAÇÃO SIL) Como criar um Layout na tela APRESENTAÇÃO: O SIL SISTEMA INTEGRADO DE LOGÍSTICA é uma ferramenta capaz de gerar diferenciais competitivos estratégicos ao proporcionar

Leia mais

TOKEN RING & TOKEN BUS

TOKEN RING & TOKEN BUS TOKEN RING & TOKEN BUS Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes de Comunicação 10º Ano Nome: Diogo Martins Rodrigues Ferreira 2013/2014 ÍNDICE Introdução...2 Token

Leia mais

Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE)

Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Instituto Federal Fluminense Campus Campos Centro Programa Tecnologia Comunicação Educação (PTCE) Apostila Organizada por: Ludmilla Rangel Cardoso Silva Kamila Gomes Carmem Lúcia Vieira Rodrigues Azevedo

Leia mais

Roteiro de Estudos 3 trimestre 2015 Disciplina: Língua Portuguesa - 9º. ano PROFª. Fátima Borelli

Roteiro de Estudos 3 trimestre 2015 Disciplina: Língua Portuguesa - 9º. ano PROFª. Fátima Borelli Roteiro de Estudos 3 trimestre 2015 Disciplina: Língua Portuguesa - 9º. ano PROFª. Fátima Borelli O QUE DEVO SABER: - Diferenças entre conjunção e pronome relativo; - Diferenças entre complemento nominal

Leia mais

Sumário. Edital sistematizado... 15 Apresentação da Coleção... 17 Apresentação... 19 Sobre português... 23 Um novo perfil de prova...

Sumário. Edital sistematizado... 15 Apresentação da Coleção... 17 Apresentação... 19 Sobre português... 23 Um novo perfil de prova... Sumário Edital sistematizado... 15 Apresentação da Coleção... 17 Apresentação... 19 Sobre português... 23 Um novo perfil de prova... PARTE 1 Capítulo 1 MORFOLOGIA 1... 27 Substantivo Adjetivo Advérbio

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO

RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO AULA 1 ESTUDO DA LÓGICA O estudo da lógica é o estudo dos métodos e princípios usados para distinguir o raciocínio correto do incorreto. A lógica tem sido freqüentemente

Leia mais

M A N U A L D O ADMINISTRADOR DO PORTAL

M A N U A L D O ADMINISTRADOR DO PORTAL M A N U A L D O ADMINISTRADOR DO PORTAL Versão 1.1 Sumário Introdução 1 Sobre o Administrador do Portal 1 Categorias de informação 2 Link adicional 3 Lista de arquivos 5 Anexos da licitação 9 Anexos do

Leia mais

Na prática, acha-se o sujeito fazendo-se a pergunta: Quem (Que) + verbo da oração? : Quem quebrou os discos? Pedro!

Na prática, acha-se o sujeito fazendo-se a pergunta: Quem (Que) + verbo da oração? : Quem quebrou os discos? Pedro! OS CASOS EM LATIM Segundo os gramáticos antigos, podíamos encontrar seis elementos na oração simples: 1º. O nominativo; 2º. O vocativo; 3º. O genitivo; 4º. O acusativo; 5º. O dativo; 6º. O ablativo. 1º.

Leia mais

META Discorrer sobre o conceito de oração subordinada substantiva e sobre três tipos dessas orações.

META Discorrer sobre o conceito de oração subordinada substantiva e sobre três tipos dessas orações. ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS (I) Aula 3 META Discorrer sobre o conceito de oração subordinada substantiva e sobre três tipos dessas orações. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: terminada

Leia mais

Período composto por coordenação

Período composto por coordenação Período composto por coordenação É o período composto por duas ou mais orações independentes. Estas orações podem ser assindéticas ou sindéticas. Orações coordenadas assindéticas Não apresentam conectivos

Leia mais

Confederação Nacional de Mocidade Servos uns dos outros, pelo amor Gl 5.13 Secretaria de Responsabilidade Social SUMÁRIO SALVOS PELO SANGUE

Confederação Nacional de Mocidade Servos uns dos outros, pelo amor Gl 5.13 Secretaria de Responsabilidade Social SUMÁRIO SALVOS PELO SANGUE SUMÁRIO SALVOS PELO SANGUE 1.0 Do Projeto... 02 2.0 Divulgação... 02 3.0 Culminância... 02 4.0 Sobre a doação de sangue... 03 5.0 Sobre a doação de medula... 04 6.0 Considerações finais... 04 1. Projeto

Leia mais

Cultivares(Obtenções Vegetais)

Cultivares(Obtenções Vegetais) Cultivares(Obtenções Vegetais) Por que proteger obtenções vegetais (cultivares)? O estabelecimento de um efetivo sistema de proteção de obtenções vegetais visa a encorajar o desenvolvimento de novas variedades

Leia mais

Matemática Fascículo 05 Manoel Benedito Rodrigues

Matemática Fascículo 05 Manoel Benedito Rodrigues Matemática Fascículo 05 Manoel Benedito Rodrigues Índice Revisão de Tópicos do Ensino Fundamental Exercícios...1 Dicas...2 Resoluções... Revisão de Tópicos do Ensino Fundamental Exercícios 01. Sobre o

Leia mais

SINTAXE PERÍODO SIMPLES

SINTAXE PERÍODO SIMPLES SINTAXE DO PERÍODO SIMPLES A N Á L I S E S I N T Á T I C A Sujeito: é o termo da oração com o qual o verbo concorda em pessoa (1ª, 2ª, 3ª) e número (singular, plural). O sujeito comanda a concordância

Leia mais

PROVA DISCURSIVA. CESPE CEBRASPE TRT8 Aplicação: 2016

PROVA DISCURSIVA. CESPE CEBRASPE TRT8 Aplicação: 2016 PROVA DISCURSIVA CESPE CEBRASPE TRT8 Aplicação: 2016 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, o espaço para rascunho indicado no presente caderno. Em seguida, transcreva o texto para a FOLHA

Leia mais

Menino ou menina? Exercício 1 Vamos lembrar então o que são genes e cromossomos. Volte à Aula 20 e dê as definições: a) Gene... b) Cromossomo...

Menino ou menina? Exercício 1 Vamos lembrar então o que são genes e cromossomos. Volte à Aula 20 e dê as definições: a) Gene... b) Cromossomo... A UU L AL A Menino ou menina? Quando um casal descobre que vai ter um filho, a primeira curiosidade é saber se nascerá um menino ou uma menina. Mas será que os futuros pais, ou mesmo as pessoas que não

Leia mais

Lembre-se: normalmente, o substantivo funciona como núcleo de um termo da oração, e o adjetivo, como adjunto adnominal.

Lembre-se: normalmente, o substantivo funciona como núcleo de um termo da oração, e o adjetivo, como adjunto adnominal. Estudante: Educador: Suzana Borges 8ºAno/Turma: C.Curricular: Português A concordância nominal se baseia na relação entre um substantivo (ou pronome, ou numeral substantivo) e as palavras que a ele se

Leia mais

Silogística Aristotélica

Silogística Aristotélica Silogística Aristotélica Prof. Paulo Margutti Com base na possibilidade de padronizar todas as sentenças de conformidade com os tipos A, E, I e O, Aristóteles considerava que todos os argumentos poderiam

Leia mais

EXPRESSÃO ESCRITA. O Sumário aqui presente é a continuação do que desenvolvemos na aula anterior: 1. Introdução. 2.

EXPRESSÃO ESCRITA. O Sumário aqui presente é a continuação do que desenvolvemos na aula anterior: 1. Introdução. 2. EXPRESSÃO ESCRITA Sejam bem-vindos à quarta videoaula de Expressão Escrita. Sou a Maj Anna Luiza professora de Português da Seção de Idiomas da ECEME. Esta aula se destina a você, aluno do CP/ECEME e aos

Leia mais

SUSPENSÃO DA INSCRIÇÃO DE ADVOGADO SUSPENSÃO AD ETERNUM?

SUSPENSÃO DA INSCRIÇÃO DE ADVOGADO SUSPENSÃO AD ETERNUM? SUSPENSÃO DA INSCRIÇÃO DE ADVOGADO SUSPENSÃO AD ETERNUM? Ordem de razões O número de advogados suspensos continua a aumentar consideravelmente, engrossando o número de advogados inscritos. As suspensões

Leia mais

AGENTE DA PASSIVA. É o termo da oração que se refere a um verbo na voz passiva, sempre introduzido por preposição.

AGENTE DA PASSIVA. É o termo da oração que se refere a um verbo na voz passiva, sempre introduzido por preposição. AGENTE DA PASSIVA AGENTE DA PASSIVA É o termo da oração que se refere a um verbo na voz passiva, sempre introduzido por preposição. As terras foram desapropriadas pelo governo. Sujeito (paciente) Verbo

Leia mais

http://www.brasilescola.com/gramatica/formacao-modo-imperativo.htm

http://www.brasilescola.com/gramatica/formacao-modo-imperativo.htm http://www.brasilescola.com/gramatica/formacao-modo-imperativo.htm * São muito comuns nos gêneros textuais, cuja finalidade é estimular o interlocutor a realizar certas ações ou orientá-lo quanto a procedimentos

Leia mais

Munição Referente ao Injusto Penal e Ilicitude

Munição Referente ao Injusto Penal e Ilicitude 1 UNIPOL MUNIÇÃO REFERENTE A ILICITUDE E INJUSTO PENAL Munição Referente ao Injusto Penal e Ilicitude Vamos lá! para falarmos de ILICITUDE não podemos esquecer nosso quadro do Crime nunca! PRIMEIRO DEVEMOS

Leia mais

Escrita de Relatórios

Escrita de Relatórios Guia 6 Escrita de Relatórios Auto-estudo Para o Gestor de Projecto Objectivos de aprendizagem Depois de ter lido o material do Guia de Escrita de Relatórios e ter concluído a secção de auto-estudo, será

Leia mais

- o cachorro de Davi e o gato de Charles têm o nome do dono do gato chamado Charles.

- o cachorro de Davi e o gato de Charles têm o nome do dono do gato chamado Charles. Alberto,, Charles e Davi são amigos, e cada um deles é dono de um gato e de um cachorro. O gato e o cachorro de cada um dos quatro amigos têm nomes distintos e escolhidos dentre os nomes dos três amigos

Leia mais

MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE

MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO 2010 QUESTÃO 1 Na reta numérica abaixo, há

Leia mais

Prova de Português / Comentada 8º Anos IV Unidade Tipo II Valor: 7,0 pontos

Prova de Português / Comentada 8º Anos IV Unidade Tipo II Valor: 7,0 pontos Prova de Português / Comentada 8º Anos IV Unidade Tipo II Valor: 7,0 pontos Obs: Micro: Leitura Expressiva: Prova: Não será aceita a utilização de corretivo. Não será permitido o empréstimo de material

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Informação - Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 1ª Fase 2013 9º Ano

Leia mais

Língua Portuguesa- Prof. Verônica Ferreira

Língua Portuguesa- Prof. Verônica Ferreira Língua Portuguesa- Prof. Verônica Ferreira 1 Prova: CESPE - 2013 - UNB - Vestibular - Prova 2 Julgue os itens a seguir, relativos às ideias desenvolvidas no texto acima. No 2.º parágrafo, o autor do texto

Leia mais

Adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto: termos acessórios?

Adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto: termos acessórios? Adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto: termos acessórios? Milena Torres de Aguiar Introdução Esse trabalho pretende levantar questionamentos acerca da nomenclatura termo acessório para o adjunto

Leia mais

Lógica Gramatical. Introdução à Lógica Gramatical. Gramática. Aula 01. Entendendo o Mecanismo

Lógica Gramatical. Introdução à Lógica Gramatical. Gramática. Aula 01. Entendendo o Mecanismo Lógica Gramatical Introdução à Lógica Gramatical Entendendo o Mecanismo Gramática 1 Aula 01 Olá, aluno. Aqui iniciamos o nosso Curso Lógica Gramatical. Seja bem vindo. Primeiramente, faremos uma pequena

Leia mais

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações Odilei França Graduado em Letras pela Fafipar. Graduado em Teologia pela Faculdade Batista. Professor de Língua Portuguesa para concursos públicos há 22 anos. Sintaxe do período composto: parte I Conceitos

Leia mais

Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência

Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência Prova de Francês LEII 3º Ciclo do Ensino Básico Duração da Prova: 90 minutos (escrita); 15 minutos (oral) 1.Objeto de avaliação A prova a

Leia mais

2. A Frase. Ex: Apareceram 10 marceneiros, 20 carpinteiros e 40 envernizadores.

2. A Frase. Ex: Apareceram 10 marceneiros, 20 carpinteiros e 40 envernizadores. 2. A Frase A frase é um conjunto de palavras ordenadas que transmite uma ideia com sentido, começa com letra maiúscula e termina num sinal de pontuação. Os sinais de pontuação auxiliam a leitura e esclarecem

Leia mais

SINTAXE DA ORAÇÃO. O QUE É SINTAXE? É a parte da gramática que estuda as relações entre as palavras dentro de uma frase.

SINTAXE DA ORAÇÃO. O QUE É SINTAXE? É a parte da gramática que estuda as relações entre as palavras dentro de uma frase. O QUE É SINTAXE? É a parte da gramática que estuda as relações entre as palavras dentro de uma frase. O QUE DEVEMOS APRENDER? Identificar e reconhecer os constituintes sintáticos de uma oração (sujeito,

Leia mais

Parte 05 - Técnicas de programação (mapas de Veitch-Karnaugh)

Parte 05 - Técnicas de programação (mapas de Veitch-Karnaugh) Parte 05 - Técnicas de programação (mapas de Veitch-Karnaugh) Mapas de Veitch-Karnaugh Montar circuitos lógicos a partir de tabela verdade, embora seja tarefa fácil, geral um circuito extremamente grande.

Leia mais

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2.

SOLUÇÕES N2 2015. item a) O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2015 Nível 1 1 SOLUÇÕES N2 2015 N2Q1 Solução O maior dos quatro retângulos tem lados de medida 30 4 = 26 cm e 20 7 = 13 cm. Logo, sua área é 26 x 13= 338 cm 2. Com um

Leia mais

É importante saber por que certas coisas são o que são. Quer dizer, saber por que acontecem de um jeito e não de outro. O arco-íris, por exemplo.

É importante saber por que certas coisas são o que são. Quer dizer, saber por que acontecem de um jeito e não de outro. O arco-íris, por exemplo. 1. É importante saber por que certas coisas são o que são. Quer dizer, saber por que acontecem de um jeito e não de outro. O arco-íris, por exemplo. O arco-íris pode parecer muito estranho se você não

Leia mais

UM ESTUDO DA TRANSITIVIDADE DO VERBO SER A STUDY OF THE TRANSITIVITY OF THE VERB "TO BE"

UM ESTUDO DA TRANSITIVIDADE DO VERBO SER A STUDY OF THE TRANSITIVITY OF THE VERB TO BE UM ESTUDO DA TRANSITIVIDADE DO VERBO SER A STUDY OF THE TRANSITIVITY OF THE VERB "TO BE" Alcebíades Fernandes Jr. 1 RESUMO: Em análise de estruturas sintagmáticas através de descrições linguísticas e semânticas

Leia mais

Olá! Você verá a seguir um importante treinamento que vai facilitar suas atividades diárias!

Olá! Você verá a seguir um importante treinamento que vai facilitar suas atividades diárias! Olá! Você verá a seguir um importante treinamento que vai facilitar suas atividades diárias! Ao acessá-lo pela primeira vez, procure assistir até o final. Caso não consiga, você poderá reiniciar de onde

Leia mais

A Nação é uma sociedade política e o autor do nosso livro-texto, em sua doutrina, dispõe que a Nação se compõe de dois elementos essenciais:

A Nação é uma sociedade política e o autor do nosso livro-texto, em sua doutrina, dispõe que a Nação se compõe de dois elementos essenciais: Resumo Aula-tema 02: Teoria Geral do Estado. A Teoria do Estado foi construída pela nossa história, é uma disciplina nova, embora já existissem resquícios desde a Antiguidade, mas faz pouco tempo que ela

Leia mais

Dúvidas frequentes. Quantas etapas podem ter a Avaliação de Desempenho?

Dúvidas frequentes. Quantas etapas podem ter a Avaliação de Desempenho? Dúvidas frequentes Geral O que é Avaliação de Desempenho? A Avaliação de Desempenho é o processo através do qual é possível identificar o nível de contribuição efetiva dos servidores diante da expectativa

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do MPOG/ENAP de 2015, aplicada em 30/08/2015.

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do MPOG/ENAP de 2015, aplicada em 30/08/2015. de Raciocínio Lógico do MPOG/ENAP de 2015, aplicada em 30/08/2015. Considerando a proposição P: Se João se esforçar o bastante, então João conseguirá o que desejar, julgue os itens a seguir. 43 A proposição

Leia mais

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada Resumo: Estudo do Comportamento das Funções O que fazer? 1º - Explicitar o domínio da função estudada 2º - Calcular a primeira derivada e estudar os sinais da primeira derivada 3º - Calcular a segunda

Leia mais

Gramática Eletrônica

Gramática Eletrônica Lição 5 Classes de palavras Na elaboração de um texto escrito, utilizamos palavras para exprimirem nossas idéias. De acordo com a idéia que expressam, as palavras são agrupadas, na nossa língua, em dez

Leia mais

Unidade III. Trabalho - A trajetória humana, suas produções e manifestações. LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade III. Trabalho - A trajetória humana, suas produções e manifestações. LÍNGUA PORTUGUESA FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade III Trabalho - A trajetória humana, suas produções e manifestações. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula

Leia mais

PARTE I - PROVA OBJETIVA (Valendo 5 pontos cada questão)

PARTE I - PROVA OBJETIVA (Valendo 5 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 - SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA - PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR Educação Infantil ao 5º ano ASSINATURA

Leia mais

ORAÇÕES SUBORDINADAS. Professor: Aramis de Cássio

ORAÇÕES SUBORDINADAS. Professor: Aramis de Cássio ORAÇÕES SUBORDINADAS Professor: Aramis de Cássio ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS As ORAÇÕES SUBORDINADAS funcionam sempre como um termo essencial, integrante e acessório da oração principal.

Leia mais

Gramática Eletrônica. Uma dificuldade relacionada com a regência refere-se ao fenômeno da crase. A crase só ocorre quando há a fusão de duas vogais:

Gramática Eletrônica. Uma dificuldade relacionada com a regência refere-se ao fenômeno da crase. A crase só ocorre quando há a fusão de duas vogais: Lição 12 Crase Uma dificuldade relacionada com a regência refere-se ao fenômeno da crase. A crase só ocorre quando há a fusão de duas vogais: a + a = à preposição artigo ou pronome demonstrativo a + aquele

Leia mais

Guia Prático Redução de taxa contributiva Apoio à contratação a termo de trabalhadores mais velhos e públicos específicos

Guia Prático Redução de taxa contributiva Apoio à contratação a termo de trabalhadores mais velhos e públicos específicos GUIA PRÁTICO MEDIDAS ESPECÍFICAS E TRANSITÓRIAS DE APOIO E ESTÍMULO AO EMPREGO REDUÇÃO DE TAXA CONTRIBUTIVA APOIO À CONTRATAÇÃO A TERMO DE TRABALHADORES MAIS VELHOS E PÚBLICOS ESPECÍFICOS INSTITUTO DA

Leia mais