Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica"

Transcrição

1 Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo esclarecer possíveis dúvidas a respeito da inspeção de remessas importadas realizada pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), bem como da atuação da DHL Express Brasil com o Serviço Anuência Express. Caso sua dúvida não esteja respondida nas questões abaixo, ou sua manifestação seja uma reclamação, elogio ou sugestão, entre em contato com nossa pelos telefones: São Paulo (Capital) - (11) Demais localidades Boa Leitura! ÍNDICE I. Sobre o Serviço Anuência Express...2 II. Sobre a Anvisa...4 III. Remessas sujeitas à Anvisa IV. Documentação necessária...7 V. Prazos importantes...9 VI. Erros no registro da Remessa...10 VII. Custos necessários para Inspeção de remessas sujeitas à Anvisa...11 VIII. Protocolação correta...13

2 I. Sobre o Serviço Anuência Express 1. O que é o Serviço Anuência Express? É uma célula da DHL Express composta por especialistas em liberação de remessas anuentes importadas e sujeitas à inspeção da Anvisa. 2. O serviço Anuência Express atende em qual tipo de envio? O serviço é exclusivo para remessas Courier que chegam via DHL Express, ou seja, por modal aéreo. 3. O que o serviço Anuência Express pode fazer por mim? O Serviço Anuência Express se responsabiliza por todo o processo de liberação da sua remessa, desde a produção e gerenciamento de toda a documentação necessária até o acompanhamento da inspeção junto ao fiscal da Anvisa. Além disso, podemos antecipar o pagamento da taxa GRU para você. Você será notificado durante todo esse processo, tendo conhecimento e visibilidade de cada estágio em que o seu produto se encontra. 4. Como tenho conhecimento sobre a inspeção da minha remessa na Anvisa? A DHL Express recebe a informação de uma possível inspeção pela própria Anvisa e envia automaticamente uma Notificação prévia para o seu . Caso essa possibilidade se confirme e a remessa seja inspecionada, enviamos então uma Primeira notificação à você. 5. Quem pode adquirir esse serviço? Qualquer importador, pessoa jurídica ou física, que tenha feito o transporte pela DHL Express. 6. Existe algum custo para adquirir esse serviço? Sim, existe um valor fixo + impostos cobrados para a liberação de cada remessa. Caso o cliente opte por antecipar o pagamento obrigatório da taxa GRU, este valor será acrescido ao valor total dos serviços + impostos. Caso você tenha interesse, entre em contato com o seu Executivo de Vendas ou com a nossa Central de Atendimento ao Cliente pelos telefones: São Paulo (Capital) (11) Demais localidades Quais são os impostos embutidos no valor do serviço? PIS, COFINS e ISS. 8. Como é feita a cobrança? Clientes que possuem conta com a DHL Express recebem um boleto, na entrega da remessa, com vencimento para 10 dias corridos. Clientes que não possuem conta com a DHL Express necessitam efetuar o pagamento à vista, ou seja, no ato da entrega da remessa.

3 9. Caso minha empresa tenha uma conta internacional, o custo do serviço e/ou impostos pode ser pago no país de origem via DDP? Não. O serviço Anuência Express e qualquer outro serviço de desembaraço devem ser pagos, obrigatoriamente, no Brasil, pelo destinatário. O DDP somente funciona para Frete e Impostos da importação. 10. Existe garantia de entrega do serviço? Sim. O valor somente será cobrado quando a remessa for entregue ao destinatário. Caso contrário, não haverá cobrança pelo serviço. 11. Quais são os procedimentos, caso o cliente não queira contratar o serviço? O cliente deve providenciar toda a documentação devidamente protocolada e assinada e encaminhar para: Caixa Postal 3088 / CEP

4 II. Sobre a Anvisa 12. O que é ANVISA? A Agência Nacional de Vigilância Sanitária é o órgão do Ministério da Saúde que possui diversas responsabilidades, dentre elas a de controlar a entrada e saída de mercadorias que afetam a saúde humana. 13. Qual é o papel da Anvisa no processo de liberação alfandegária? A ANVISA tem fundamental interveniência no processo de liberação e controle de mercadorias no âmbito sanitário do País. Tem o intuito de evitar disseminações epidemiológicas e promover a proteção da saúde da população. 14. Quais são os produtos sujeitos ao controle sanitário da ANVISA? Alimentos e suplementos alimentares* ; Cosméticos; Material biológico (Sangue, Tecidos e Órgãos); Medicamentos*; Produtos para diagnóstico in vitro: reagentes, calibradores, controles e materiais, instruções para uso ou que contribuem uma determinação qualitativa, quantitativa ou semiquantitativa de uma amostra biológica humana; Produtos médicos/correlatos: aparelhos, instrumentos e acessórios usados em medicina, odontologia e atividades afins. (Somente pela modalidade courier de importação); Saneantes; produtos de limpeza, desinfecção e desinfestação; Embalagens de alimentos e bebidas vazias. * Sejam eles sob a forma de matérias-primas, insumos, partes e peças, produtos acabados, produtos semielaborados, in natura. 15. Pessoa Física também está sujeita à inspeção? Sim. Para mais informações relacionadas à pessoa física, acesse o FAQ Anvisa Pessoa Física. 16. Quais modalidades de Importação estão sujeitas à inspeção da Anvisa? Todos os meios de importação, obrigatoriamente, contam com a inspeção da Anvisa, sejam eles por: AEROPORTOS: transportados por avião ou helicóptero vindos de qualquer parte do mundo, com destino ao Brasil; PORTO: transportados por navios vindos de qualquer parte do mundo, com destino ao Brasil; FRONTEIRAS: por veículos terrestres vindos de países que fazem fronteira com o Brasil. 17. Quais finalidades de importação do modal aéreo estão sujeitas à inspeção da Anvisa? As duas possíveis formas de importação a seguir estão sujeitas a inspeção: COURIER: Produtos (correspondentes a um dos produtos descritos no item 14) sem finalidade comercial, importados por Pessoas Jurídicas ou Físicas, podendo ser caracterizados como amostra, brinde, presente/gift, para uso próprio etc; CARGA: Produtos (correspondentes a um dos produtos descritos no item 14) com finalidade comercial, importados necessariamente por Pessoas Jurídicas, sob a forma de matérias-primas, insumos, partes e peças, produtos acabados, produtos semielaborados e produtos in natura.

5 18. Qual é a base legal desses procedimentos solicitados pela ANVISA. A Resolução (RDC) 81/2008 dispõe sobre o regulamento técnico de bens e produtos importados sob o controle sanitário. Nessa RDC o importador encontrará as informações sobre os produtos anuentes, as modalidades de importação, os termos de responsabilidade cabíveis, finalidades da importação e demais informações quanto ao procedimento adotado pela ANVISA. Outra resolução importante é a RDC 222/2006 e a sua complementação pela RDC 76/2008, que dispõem sobre os procedimentos de petição e arrecadação eletrônica no âmbito da ANVISA, dentre outras informações complementares.

6 III. Remessas sujeitas à ANVISA 19. Minha remessa não é um produto anuente do âmbito da ANVISA, mas foi selecionada para inspeção, por que isso ocorreu? A seleção de remessas sujeitas à anuência é feita com base em uma amostragem, cuja seleção é feita pelos fiscais da Anvisa e da Receita Federal, que detêm competência delegada por lei para fazê-la, ou, por indicação da empresa de remessa expressa nos termos do que dispõe o art. 29 da IN 1.073/ Preciso providenciar documentos de liberação para simples amostras ou para produtos que não são anuentes? Caso sua remessa seja selecionada para inspeção da ANVISA, a apresentação dos documentos é obrigatória, mesmo se a sua remessa seja uma simples amostra (alimento, medicamento, cosmético etc), ou um produto declarado não anuente pelo importador (ver item 21). 21. Caso minha remessa seja um produto não anuente, como devo proceder? O cliente deverá providenciar os seguintes documentos: Petição de Fiscalização (No campo classe, informar Outros Não anuente ); Termo de Responsabilidade do Capítulo XXXVIII da RDC 81/08; Declaração de uso e finalidade detalhada. 22. Como sei o dia exato em que minha remessa chegou ao país? Através do site da DHL Express () digite o número do conhecimento de embarque (WB) na caixa Rastreamento de Remessa. Dessa forma acompanhará o processo e saberá a localização de sua remessa. 23. Onde se encontra fisicamente minha remessa quando sou comunicado pela DHL Express que ela foi selecionada para inspeção da ANVISA? No Terminal Courier do Aeroporto Internacional de Guarulhos em São Paulo. A DHL Express pode acompanhar e assessorar todo o processo de sua importação Courier ou Carga Aérea com equipes dedicadas a facilitar e a agilizar a liberação da sua remessa. Para saber mais, entre em contato com seu Executivo de Vendas ou com a nossa pelos telefones: São Paulo (Capital) - (11) Demais localidades Minha remessa já passou pela inspeção da ANVISA, porque ainda precisa aguardar inspeção da Receita Federal para ser liberada? A Receita Federal e a ANVISA são órgãos governamentais que possuem funções diferentes no processo de liberação. Um exerce controle sanitário, o outro exerce controle aduaneiro. Assim, realizam controles e fazem inspeções distintas. A remessa anuente, que passou pela inspeção da ANVISA, ainda passará pela inspeção da Receita Federal e, só então, caso esteja tudo em conformidade, é que estará disponível para que a DHL Express realize a entrega.

7 IV. Documentação necessária 25. Quais os documentos que a pessoa jurídica deve providenciar para que a ANVISA inspecione sua remessa segundo a RDC 81/2008? Termo de Responsabilidade (com firmas reconhecidas do responsável legal e responsável técnico); Procuração assinada pelo representante; Licença Sanitária do endereço indicado no WB; ART (Anotação de Registro Técnico) do responsável técnico; GRU (Guia de Recolhimento da União) junto com o comprovante de pagamento; Petição de Fiscalização com assinatura simples do responsável legal. Atenção: O Termo de Responsabilidade a ser utilizado deve corresponder à finalidade da importação e ao fato gerador da GRU. Caso você contrate o serviço Anuência Express, nós facilitamos e agilizamos esse processo de forma a preparar toda a documentação para você e a gerenciar os documentos para futuras remessas. Para saber mais entre em contato com seu Executivo de Vendas ou com a nossa Central de Atendimento ao Cliente pelos telefones: São Paulo (Capital) (11) Demais localidades O que é GRU (Guia de Recolhimento da União)? Quando a pessoa jurídica importar, e o produto for anuente, a GRU deverá ser gerada. Tratando-se de produto não anuente, não haverá guia (GRU). Quanto ao valor, esse varia de acordo com o porte da empresa, que está regulamentado em legislação pertinente. Outra informação importante refere-se ao fato gerador na GRU, que corresponde a um código. Esse código deve corresponder fidedignamente à finalidade da importação da remessa em questão. Importante: A finalidade descrita no fato gerador da GRU, na petição e no termo, deve ser correspondente. Se houver divergência de finalidade a petição será indeferida, e haverá necessidade de novo recolhimento da GRU, caso o cliente mantenha seu interesse em liberar a remessa, conforme item 40. A DHL Express, por meio do serviço Anuência Express, disponibiliza um atendimento especializado em liberação de remessas que, inclusive, pode antecipar o pagamento da GRU para você. Para saber mais entre em contato com seu Executivo de Vendas ou com a nossa pelos telefones: São Paulo (Capital) (11) Demais localidades O que é ART, RRT e CRT? RRT: Registro de Responsabilidade Técnica; ART: Anotação de Responsabilidade Técnica; CRT: Certificado de Responsável Técnico. Todos são emitidos por conselhos profissionais competentes. Ex.: Conselho Regional de Farmácia, CREA etc. 28. O que é Licença Sanitária e Licença de Funcionamento? Alvará de Funcionamento, Licença Sanitária ou Licença de Funcionamento são expressões sinônimas que dizem respeito ao mesmo documento. Tal documento é emitido pela ANVISA, que autoriza o funcionamento dos estabelecimentos para, entre outras atividades, fabricar, armazenar e importar produtos sujeitos ao controle sanitário.

8 29. Como sei qual é o termo de responsabilidade que devo utilizar? O termo de responsabilidade deve ser correspondente à finalidade que a remessa terá dentro do País, cabendo ao importador verificar os termos disponíveis no site da ANVISA (www.anvisa.gov.br) e preenchê-los. 30. Para onde devem ser enviados os documentos prontos? Todos os documentos devem ser encaminhados para: Caixa Postal 3088 / CEP Posso entregar toda documentação com os dados preenchidos manualmente? A RDC 81/2008 não exige que a documentação seja digitalizada, porém, para evitar equívocos na interpretação dos dados é recomendado que a documentação seja preenchida eletronicamente. É importante que a ANVISA compreenda todas as informações prestadas. O não entendimento pode acarretar em nova exigência da documentação pela ANVISA e, consequentemente, atraso na devida entrega da mercadoria para o cliente. Contudo, para sua comodidade, a DHL Express oferece o serviço Anuência Express, que consiste no preenchimento de toda a documentação, pagamento antecipado da GRU, entre outras facilidades. Para saber mais entre em contato com seu Executivo de Vendas ou com a nossa Central de Atendimento ao Cliente pelos telefones: São Paulo (Capital) (11) Demais localidades Não preenchi todos os campos solicitados nos documentos, meu pedido pode ser indeferido pela ANVISA? É primordial que todos os campos sejam preenchidos com os dados correspondentes da remessa, a ANVISA pode indeferir o pedido, tanto no caso da ausência, como no de divergência de informações. Fique atento para que todos os documentos tenham informações correspondentes, pois caso o pedido seja indeferido será necessário um novo pagamento da GRU, conforme item 40.

9 V. Prazos importantes 33. Qual o prazo para que eu, importador, providencie todos os documentos para ANVISA? O prazo para o envio dos documentos é de 15 dias corridos, contados a partir da data da primeira notificação enviada para seu pela DHL Express. 34. O que acontece se expirar o prazo de 15 dias sem o envio dos documentos pelo importador? Após o décimo quinto dia sem a devida apresentação dos documentos a remessa retornará à origem, sem aviso prévio e sem oportunidade de extensão do prazo. 35. O que ocorre no caso de divergência/nova exigência de informações prestadas no preenchimento dos documentos à ANVISA? No caso de pessoa jurídica apresentar os documentos com divergência de informações, a ANVISA indeferirá o processo. Será necessário o envio de documentação adicional e o pagamento de nova Taxa GRU (Item 40), dentro do prazo de 10 dias corridos, caso o cliente mantenha seu interesse no desembaraço da remessa. 36. Qual o prazo de liberação da ANVISA? Uma vez enviados todos os documentos preenchidos, assinados corretamente pelo importador e enviados para a Caixa Postal 3088 / CEP , os mesmos serão protocolados pela DHL Express e encaminhados à ANVISA, que agendará e realizará a inspeção física da remessa.

10 VI. Erros no registro da Remessa 37. Minha remessa veio em nome da minha empresa, mas pertence a mim (pessoa física). Como devo proceder? Será necessário o envio de uma carta, com o papel timbrado da empresa, assinada um representante legal da mesma, declarando que a remessa não pertence à empresa, e sim a uma pessoa física (citar nome e CPF). Junto com essa carta, enviar os documentos pertinentes à pessoa física conforme orientações no FAQ Anvisa - Pessoa Física. Obs: No cabeçalho da carta favor informar: A/C ANVISA Posto Aeroportuário de Guarulhos. Enviar a carta para: Caixa Postal 3088 / CEP Minha remessa veio em meu nome, mas pertence à minha empresa (pessoa jurídica), como proceder? Será necessário o envio de uma carta, assinada por Pessoa Física, declarando que a remessa não pertence à pessoa, e sim a uma empresa (citar nome e CNPJ). Junto com essa carta devem ser encaminhados os seguintes documentos: Termo de Responsabilidade (com firmas reconhecidas do responsável legal e responsável técnico); Procuração assinada pelo representante; Licença Sanitária do endereço indicado no WB; ART (Anotação de Registro Técnico) do responsável técnico; GRU (Guia de Recolhimento da União) junto com o comprovante de pagamento; Petição de Fiscalização com assinatura simples do responsável legal. Obs: No cabeçalho da carta, favor informar: A/C ANVISA Posto Aeroportuário de Guarulhos. Enviar a Carta para: Caixa Postal 3088 / CEP

11 VII. Custos necessários para inspeção de remessa sujeita à Anvisa 39. Terei algum custo com a liberação na ANVISA? O importador, como pessoa jurídica, deve efetuar o pagamento da GRU (Guia de Recolhimento da União), em que o valor será calculado de acordo com o porte da empresa. Para saber a quantia a ser paga e efetuar o pagamento da guia o importador deve possuir cadastro no site da ANVISA e efetuar o procedimento de Peticionamento Eletrônico Emissão da GRU, conforme item 44. A DHL Express, por meio do serviço Anuência Express, disponibiliza um atendimento especializado em liberação de remessas que, inclusive, pode antecipar o pagamento da GRU para você. Para saber mais, entre em contato com seu Executivo de Vendas ou com a nossa através dos telefones: São Paulo (Capital) (11) Demais localidades Quem deve pagar a GRU? O pagamento da Guia de Recolhimento da União é de responsabilidade do importador, no caso de pessoa jurídica. No entanto, a DHL Express, por meio do serviço Anuência Express, pode antecipar o pagamento da GRU para você. Para saber mais, entre em contato com seu Executivo de Vendas ou com a nossa Central de Atendimento ao Cliente pelos telefones: São Paulo (Capital) (11) Demais localidades Como eu sei qual o valor deverei pagar para a Taxa GRU? O valor da taxa pode variar de R$5,00 a $100,00. Ser: R$ 5,00, R$ 40,00, R$ 70,00 ou R$ 100,00 (Reais). Quando as empresas se cadastram no site da ANVISA (www.anvisa.gov.br), obrigatoriamente devem mencionar o faturamento anual da empresa. Essa informação é a referência para se calcular a taxa da GRU. Quando o importador for gerar a taxa, o próprio sistema calculará o valor devido. Importante: A ANVISA exige a atualização desses dados anualmente. Caso contrário, a empresa será automaticamente inclusa na classificação GI (grupo 1), ou seja, empresas com grande faturamento, obrigando o cliente a pagar a Taxa GRU no valor máximo, que é de R$ 100,00. Obs.: Para empresas que importam material biológico, a ANVISA determina o valor devido à quantidade de material importado. Para saber mais acesse o site da ANVISA (www.anvisa.gov.br). 42. Após a emissão da GRU, quais são as formas de pagamento da guia? O pagamento da GRU poderá ocorrer de duas formas: 1) Mediante débito direto em conta corrente do Banco do Brasil, utilizando-se do próprio sistema; 2) Mediante impressão da GRU e pagamento em qualquer banco participante do sistema de compensação bancária. 43. Quando a pessoa jurídica já possuir cadastro no site da ANVISA, como faço para emitir a GRU? A partir do login e senha, criados no primeiro cadastramento, no site da ANVISA (www.anvisa.gov.br), o importador deve preencher as informações solicitadas, descrevendo os dados da remessa (classe do produto, finalidade e outros).

12 44. E no caso da pessoa jurídica ainda não possuir cadastro no site da ANVISA para emissão da GRU, qual deve ser o procedimento? Para que o importador emita a GRU será necessário cadastrar-se no site da ANVISA (www.anvisa.gov.br), preenchendo as informações solicitadas. Após o cadastramento, estará disponível, para o gestor que efetuou o cadastro, um login e uma senha, que deverão ser utilizados nos próximos acessos para emissão da GRU e do peticionamento eletrônico. Caso haja dúvidas no cadastramento da empresa no site da ANVISA, obtenha mais informações no passo a passo Cadastramento de Empresa, encaminhado como anexo pela DHL no momento da notificação. 45. Como fazer para que a DHL Express antecipe o pagamento da GRU para a minha remessa? A DHL Express pode gerar e antecipar o pagamento da GRU, mas você tem a opção de gerar a GRU e a DHL Express apenas antecipa o pagamento. Esse valor será cobrado futuramente, junto com sua fatura. Para adquirir essa e outras vantagens, contrate o serviço Anuência Express, através de seu Executivo de Vendas ou com a nossa pelos telefones: São Paulo (Capital) - (11) e Demais localidades

13 VIII. Protocolação correta 46. Qual é a diferença entre reconhecimento de firma e autenticação em cartório? O reconhecimento de firma é feito pelo cartório. Esse ato serve para conferir a assinatura que está registrada no cartório com a assinatura que está no documento apresentado para o cartorário. Já a autenticação é o ato, também feito pelo cartório, no qual o cartorário confere um documento original com uma cópia do mesmo. Se estiver em conformidade, é colocada uma etiqueta na cópia atestando que o documento é verdadeiro. 47. Que documentos autenticados devem ser apresentados? Essa exigência ocorre para os documentos RT, RRT ou CRT. Observe que os demais documentos devem ser apresentados em seu original.

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

Manual de Solicitação da Autorização de Importação Específica

Manual de Solicitação da Autorização de Importação Específica 2014 Manual de Solicitação da Autorização de Importação Específica Autorização de Importação Específica destinada a órgãos de repressão a entorpecentes, entidades importadoras de controle de dopagem, laboratórios

Leia mais

Manual de Solicitação de Autorização de Importação Específica, AEP, ADA, CNI e 2ª via de documentos

Manual de Solicitação de Autorização de Importação Específica, AEP, ADA, CNI e 2ª via de documentos 2014 Manual de Solicitação de Autorização de Importação Específica, AEP, ADA, CNI e 2ª via de documentos Autorização de Importação Específica: destinada a órgãos de repressão a entorpecentes, entidades

Leia mais

1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária. 1.2.3. Como saber o código de assunto. 1.2.4. Como saber a lista de documentos

1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária. 1.2.3. Como saber o código de assunto. 1.2.4. Como saber a lista de documentos Atualizado: 15 / 0 7 / 2013 FAQ AI 1. Importação informações Gerais 1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária 1.2. AFE para prestação de serviço em PAF 1.2.1. Quem precisa 1.2.2.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na Importação e Exportação de material de qualquer natureza,

Leia mais

PASSO A PASSO DO PETICIONAMENTO INDICE. Modalidades de Peticionamento 1. Acesso ao Sistema de Peticionamento 1

PASSO A PASSO DO PETICIONAMENTO INDICE. Modalidades de Peticionamento 1. Acesso ao Sistema de Peticionamento 1 PASSO A PASSO DO PETICIONAMENTO INDICE Modalidades de Peticionamento 1 Acesso ao Sistema de Peticionamento 1 Petição Eletrônica e Pagamento de Taxa 3 Petição e Protocolo Eletrônico 7 Petição Manual e Pagamento

Leia mais

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES CADASTRAMENTO DE EMPRESAS PERGUNTAS FREQUENTES 1 Quais são os sujeitos que devem ser cadastrados e o que cada um representa no cadastro da empresa?...2 2 Como fazer para cadastrar uma empresa?...3 3 Cliquei

Leia mais

1.1. O que é taxa de fiscalização de vigilância sanitária (TFVS)? 1.3.1. Recolhimento de taxas em dias de greve da rede bancária

1.1. O que é taxa de fiscalização de vigilância sanitária (TFVS)? 1.3.1. Recolhimento de taxas em dias de greve da rede bancária Atualizado: 28 / 05 / 2014 - FAQ AI 1. Taxa de fiscalização de vigilância sanitária 1.1. O que é taxa de fiscalização de vigilância sanitária (TFVS)? 1.2. Quem deve pagar a TFVS? 1.3. Qual é a forma de

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais

manual de cobrança e faturamento

manual de cobrança e faturamento manual de cobrança e faturamento DHL Express brasil APRESENTAÇÃO Prezado Cliente, Este material foi elaborado para ajudá-lo a entender como são geradas as faturas de cobrança, calculá-las e como serão

Leia mais

Importação de Produtos para Saúde

Importação de Produtos para Saúde Importação de Produtos para Saúde Gerência de Inspeção de Produtos e Autorização de Empresas em Portos, Aeroportos Fronteiras e Recintos Alfandegados GIPAF Mônica Cristina A. F. Duarte Organograma - ANVISA

Leia mais

Brasília, 6 de novembro de 2013

Brasília, 6 de novembro de 2013 Brasília, 6 de novembro de 2013 Gerência de Controle Sanitário no Comércio Exterior GCCOE Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados - GGPAF Alteração na forma de protocolizar

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*).

RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*). RESOLUÇÃO - RDC nº 6, de 2 de janeiro de 2001(*). Dispõe sobre o sistema de Recolhimento da Arrecadação de Taxas de Fiscalização de Vigilância Sanitária e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO

BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO Envio de Remessas Online BEM VINDOS AO DHL WEB SHIPPING GUIA DE USO webshipping.dhl.com ACESSE O DHL WEB SHIPPING DE QUALQUER LUGAR DO MUNDO. Ideal para qualquer empresa com acesso à internet, o DHL Web

Leia mais

GUIA GEGAR. - Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência de Gestão da Arrecadação GEGAR

GUIA GEGAR. - Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência de Gestão da Arrecadação GEGAR GUIA GEGAR - Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência de Gestão da Arrecadação GEGAR 1 ÍNDICE SEÇÃO I: CADASTRAMENTO...4 SEÇÃO II SENHAS E E-MAILS...6 SEÇÃO III PETICIONAMENTO...9 SEÇÃO

Leia mais

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS NA ANVISA PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRAMENTO DE EMPRESAS NA ANVISA PERGUNTAS FREQUENTES CADASTRAMENTO DE EMPRESAS NA ANVISA PERGUNTAS FREQUENTES Quais são os sujeitos que devem ser cadastrados e o que cada um representa no cadastro da empresa?...2 Como fazer para cadastrar uma empresa?...3

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que é Importação via Correio? PERGUNTAS E RESPOSTAS A importação via Correios é o serviço que lhe permite comprar/adquirir produtos de qualquer parte do mundo por meio da Internet, de catálogos ou

Leia mais

Procedimento para Peticionamento Manual na REBLAS:

Procedimento para Peticionamento Manual na REBLAS: Procedimento para Peticionamento Manual na REBLAS: Caso a empresa já esteja cadastrada no Portal da ANVISA, seguir os passos abaixo. Caso contrário, verificar o Procedimento para Cadastro de Empresas,

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET BRASIL ABRIL de 2015 Matriz Cultural do Mercado O Brasil é grande consumidor de produtos gourmet, porém existe logicamente um processo seletivo destes

Leia mais

1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro

1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro Atualizado: 22 / 04 / 2013 - FAQ - AI 1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro 1.2. Informações gerais 1.3. Tabela Ação

Leia mais

MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS)

MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS) MANUAL DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART (SP/MT/MS) Sumário 1 - Procedimentos para obter 1ª ART Eletrônica... 2 2 Como obter o Termo de Responsabilidade Técnica... 3 3 - Encaminhar documentos

Leia mais

Procedimentos para Importação de Armas e Acessórios para CACs

Procedimentos para Importação de Armas e Acessórios para CACs Procedimentos para Importação de Armas e Acessórios para CACs Prezado CAC (Colecionador, Atirador e Caçador), Todo o procedimento abaixo descrito está de acordo com o Decreto Federal Nº 3665 de 20/Nov/2000

Leia mais

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU? Atualizado: 17 / 09 / 2013 - FAQ - AI 1. Diário Oficial da União (DOU) 1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

Leia mais

Manual Prático do Usuário

Manual Prático do Usuário Página 12 Saiba mais Em quanto tempo seu cliente recebe o produto Como é emitida a Nota fiscal e recolhido os impostos Pergunte ao Suporte Todos os pedidos serão enviados em até 24 horas úteis, após a

Leia mais

Peticionamento Anvisa Integração Sistemas

Peticionamento Anvisa Integração Sistemas Peticionamento Eletrônico Peticionamento Anvisa Integração Sistemas Brasília, 09 de maio de 2014. 1. Objetivo O presente documento tem por objetivo orientar sobre os procedimentos relacionados às solicitações

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

MANUAL PARA CADASTRO E ACESSO

MANUAL PARA CADASTRO E ACESSO MANUAL PARA CADASTRO E ACESSO AO SISTEMA BOLETO - PESSOA JURÍDICA - DEZEMBRO 2009 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. CADASTRO 3 3. VINCULAR ENTIDADE 6 4. ACESSO ÀS FUNCIONALIDADES DO SISTEMA 9 4.1. NADA CONSTA

Leia mais

OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA OPERANDO COM A NOTA FISCAL ELETRÔNICA Como já é de conhecimento de todos, iniciamos nossa operação de faturamento com o novo modelo exigido pelo Governo Federal, de

Leia mais

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606 Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que Constam da Lista de Proibições RE 2605/2606 Luciana Pereira de Andrade Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência Geral de

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Passo a passo Aditamento a contrato de financiamento/empréstimo pessoal cessão de direitos e obrigações.

Passo a passo Aditamento a contrato de financiamento/empréstimo pessoal cessão de direitos e obrigações. Passo a passo Aditamento a contrato de financiamento/empréstimo pessoal cessão de direitos e obrigações. Para dar início ao processo de transferência do contrato primeiramente é necessário preencher a

Leia mais

OBJETIVO DEFINIÇÕES. Para os efeitos deste Manual, define-se como: I MAPA: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

OBJETIVO DEFINIÇÕES. Para os efeitos deste Manual, define-se como: I MAPA: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; OBJETIVO O sistema SIGVIG instituído pelo MAPA destina-se a atender a necessidade de gerenciamento e controle do recebimento, envio e fiscalização das mercadorias importadas e exportadas através dos portos,

Leia mais

MANUAL PARA CADASTRO E ACESSO

MANUAL PARA CADASTRO E ACESSO MANUAL PARA CADASTRO E ACESSO AO SISTEMA BOLETO - PESSOA FÍSICA - DEZEMBRO 2009 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. CADASTRO 3 3. ACESSO ÀS FUNCIONALIDADES DO SISTEMA 6 3.1. NADA CONSTA 8 3.2. BOLETO BANCÁRIO 8

Leia mais

Cartilha: Peticionamento Eletrônico de Importação

Cartilha: Peticionamento Eletrônico de Importação Cartilha: Peticionamento Eletrônico de Importação Gerência-Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados GGPAF Gerência de Controle Sanitário de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos

Leia mais

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV)

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV) ANEXO I TABELA DE DESCONTOS DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA IDENTIFICADOR DO PRODUTO TIPO DE EMPRESA ITENS DESCRIÇÃO DO FATO GERADOR Fato Gerador (DV) GRUPO I GRANDE GRUPO II GRANDE GRUPO

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012 Institui o protocolo eletrônico para emissão de Certificado de Registro de Medicamento e Certidão de Registro para

Leia mais

1.3. Em quais casos é possível solicitar o parcelamento? 1.4. Como saberei se minha empresa possui débitos junto à Anvisa?

1.3. Em quais casos é possível solicitar o parcelamento? 1.4. Como saberei se minha empresa possui débitos junto à Anvisa? Atualizado: 07 / 10 / 2011 - FAQ AI 1. Parcelamento de débitos em cobrança administrativa não inscritos em dívida ativa 1.1. Tipos de parcelamento de débito 1.2. Parcelamento de débito de AFE / AE 1.3.

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O PROGRAMA ISS-Londrina-DMS - Perguntas (Seqüencia Atual e Anterior) 001-001 - O que é o ISS-Londrina Declaração Mensal de Serviço? O ISS-Londrina-DMS é um sistema Integrado para gerenciamento do

Leia mais

MÓDULO CLIENTE 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4

MÓDULO CLIENTE 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4 MÓDULO CLIENTE Conteúdo 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4 2.2 HOME 4 2.3 A VALECARD 5 2.4 PRODUTOS 6 2.5 REDE CREDENCIADA 7 2.6 ROTA 9 2.7 CONTATO 9 3. EMPRESAS 11 3.1. ACESSO

Leia mais

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações:

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações: 1 de 6 Site: http://www.solucaosistemas.com.br Gerado pela Solução Sistemas - Fonte: Anvisa Acesse o Portal do Perguntas Freqüentes atualizado em 19/04/2013 Funcionalidades do SNGPC 1. Como fazer o inventário

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO 1 Índice Objetivos Informações Gerais Procedimento Contatos Referências Objetivos Este manual tem por objetivo orientar os pesquisadores a utilizar o serviço de importação direta, fornecido pelos Correios,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais RFB/SUARI/COANA/COFIA/DIDES Buenos Aires, 08 de novembro de 2011 Tópicos: 1. Panorama Atual do

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Fiscalização de Alimentos Importados nos Portos, Aeroportos e Postos de Fronteira no Brasil

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Fiscalização de Alimentos Importados nos Portos, Aeroportos e Postos de Fronteira no Brasil Fiscalização de Alimentos Importados nos Portos, Aeroportos e Postos de Fronteira no Brasil Brasília, 21 de outubro de 2014 Postos da ANVISA 77 Postos da Anvisa em todo o território que Realizam atividades

Leia mais

Segue abaixo uma notícia que também foi divulgada em 03/09/2008 sobre este assunto:

Segue abaixo uma notícia que também foi divulgada em 03/09/2008 sobre este assunto: Índice: 1- Orientações para Substituição de Responsável Técnico 2 2- Arquivo XML não aceito 2 3- Arquivo não validado por motivo de atraso na validação 3 4- Erro na transmissão de arquivos XML e problemas

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR

SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR CAIXA SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR MANUAL DO USUÁRIO DA FARMÁCIA (INTERNET) Versão 12-05/01/2015 1 ÍNDICE CAIXA CAIXA...1 CAIXA...2 CAIXA...2 1.Introdução... 2 2.Objetivo do Sistema...3 3.Usuário

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.12

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.12 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.12 Pagueban...2 Bancos...2 Configurando Contas...5 Aba Conta Banco...5 Fornecedores Referências Bancárias...7 Duplicatas a Pagar...9 Aba Geral...10 Aba PagueBan...11 Rastreamento

Leia mais

NOTA FISCAL PAULISTA. com a cópia do contrato social e do documento de identificação no Posto Fiscal da jurisdição do seu estabelecimento.

NOTA FISCAL PAULISTA. com a cópia do contrato social e do documento de identificação no Posto Fiscal da jurisdição do seu estabelecimento. NOTA FISCAL PAULISTA 1. O PROGRAMA NOTA FISCAL PAULISTA 1.1 O que é a Nota Fiscal Paulista? A Nota Fiscal Paulista é um programa de estímulo à cidadania fiscal do governo do Estado de São Paulo que concede

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Manual PME On line Movimentação Cadastral e Faturamento

Manual PME On line Movimentação Cadastral e Faturamento Manual PME On line Movimentação Cadastral e Faturamento Caro, Cliente, Obrigado, por escolher a Intermédica Sistema de Saúde S.A. como a operadora de Saúde dos seus funcionários. A Intermedica, tem como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS GERAIS - DSG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS GERAIS - DSG Of. n 1216/2008 Dicomp/DSG Belo Horizonte, 01 de outubro de 2008 Aos Dirigentes das Unidades Acadêmicas e Órgãos Administrativos UFMG Assunto: Procedimentos para importação - detalhamento Senhor Dirigente.

Leia mais

PROPOSTA DE PROCEDIMENTO Cliente: 122 FIT TELECOM Atendimento/Projeto: Proposta

PROPOSTA DE PROCEDIMENTO Cliente: 122 FIT TELECOM Atendimento/Projeto: Proposta Cliente: FIT TELECOM Data: Junho/0 Página: de.cadastrar cliente É sugerido o cadastro do cliente pelo Comercial no Integrator Web INTEGRATOR WEB/NOVO CLIENTE ) Após selecionar o ícone Novo Cliente, na

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

ilog Sistema de Gestão para Comércio Exterior domingo, 21 de abril de 13

ilog Sistema de Gestão para Comércio Exterior domingo, 21 de abril de 13 ilog Sistema de Gestão para Comércio Exterior Menu Principal Barra de ferramentas com botões para acesso rápido O sistema é multiempresa e permite que tanto o controle operacional como financeiro seja

Leia mais

SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR MANUAL DO USUÁRIO DA FARMÁCIA (INTERNET)

SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR MANUAL DO USUÁRIO DA FARMÁCIA (INTERNET) SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR MANUAL DO USUÁRIO DA FARMÁCIA (INTERNET) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA... 3 3. USUÁRIO GESTOR... 3 4. AMBIENTE DO SISTEMA - CANAL DE COMUNICAÇÃO INTERNET...

Leia mais

APLICAÇÕES WEB GUIA DO USUÁRIO

APLICAÇÕES WEB GUIA DO USUÁRIO Parte:...................................... Gabarito Assunto:............................ Atualização: Original........................ Página: 1 SIA 7.5 - Sistema Integrado de Arrecadação APLICAÇÕES

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002:

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: Circular nº 006/2.002 São Paulo, 09 de Janeiro de 2.002 DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: REGULAMENTA A LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, QUE DISPÕE SOBRE A PESQUISA, A EXPERIMENTAÇÃO, A

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

Instruções Liquidação de Contrato de Arrendamento Mercantil

Instruções Liquidação de Contrato de Arrendamento Mercantil Instruções Liquidação de Contrato de Arrendamento Mercantil Preparamos para você o passo a passo sobre o processo de liquidação contratual. Veja quais ações você precisará tomar para obter a liberação

Leia mais

Para entrar em contato conosco, basta enviar um e-mail para lojavirtual@umen.com.br, esse é o e-mail de nossa "Central de Atendimento".

Para entrar em contato conosco, basta enviar um e-mail para lojavirtual@umen.com.br, esse é o e-mail de nossa Central de Atendimento. TERMOS GERAIS DE USO Para facilitar o consumidor a realizar suas compras em nossa loja virtual, criamos os "Termos Gerais de Uso" da Loja Virtual Umen. Este documento contém os termos e as condições (o

Leia mais

Guia de importação formal. Para clientes.

Guia de importação formal. Para clientes. Guia de importação formal. Para clientes. Um cliente nos EUA recebe um pedido de envio para o Brasil não A remessa deve ser enviada como courier? sim O remetente preenche o AWB e a fatura comercial O remetente

Leia mais

SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR

SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR MANUAL DO USUÁRIO DA FARMÁCIA (INTERNET) Versão 7 18/05/2009 Revisão Geral ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA...3 3. USUÁRIO GESTOR...3 4. AMBIENTE DO SISTEMA

Leia mais

SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR

SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR SIFAP SISTEMA DE FARMÁCIA POPULAR MANUAL DO USUÁRIO DA FARMÁCIA (INTERNET) Versão 10 25/02/2011 Revisão Geral ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO DO SISTEMA...3 3. USUÁRIO GESTOR...3 4. AMBIENTE DO SISTEMA

Leia mais

Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro

Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro Brasília, 23 de maio de 2012 Augusto Bencke Geyer Valter Pereira de Oliveira Mônica Cristina A. F. Duarte* Coordenação e Redação Marcella Melo Vergne de

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO A SER APRESENTADA PARA EMISSÃO DE CERTIDÃO DE ACERVO TÉCNICO:

DOCUMENTAÇÃO A SER APRESENTADA PARA EMISSÃO DE CERTIDÃO DE ACERVO TÉCNICO: O QUE É ACERVO TÉCNICO? O Acervo Técnico é o conjunto das atividades desenvolvidas ao longo da vida do profissional, compatíveis com suas atribuições desde que registradas no Crea-ES por meio de ARTS -Anotações

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Página 1 de 191 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº. 350, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Vigilância Sanitária de Mercadorias Importadas O Diretor Presidente

Leia mais

Instruções Aditamento ao Contrato de Arrendamento Mercantil

Instruções Aditamento ao Contrato de Arrendamento Mercantil Instruções Aditamento ao Contrato de Arrendamento Mercantil Preparamos para você o passo a passo sobre o processo de rescisão contratual. Veja quais ações você precisará tomar para obter a liberação do

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 1215 Ementa: Regula as atribuições do farmacêutico na indústria e importação de produtos para a saúde, respeitadas as atividades afins com outras profissões. O

Leia mais

Que documentos deverão acompanhar a mercadoria para o Brasil? A escolha da modalidade de envio do seu pedido é fundamental

Que documentos deverão acompanhar a mercadoria para o Brasil? A escolha da modalidade de envio do seu pedido é fundamental Índice 1 - Entendendo a importação Compras no comércio eletrônico também são importações Quem pode fazer uma importação? O que pode ser importado? Quantas importações eu posso fazer? Que documentos deverão

Leia mais

Ficha Cadastral de Fornecedores

Ficha Cadastral de Fornecedores de Fornecedores Informações Jurídicas Razão Social: CNPJ: Nome Fantasia: Responsáveis legais: CPF: Responsável técnico: Nº Documento: Órgão emissor: CNES: ANS: Endereço Completo: Fone/Fax: e-mail vendas:

Leia mais

PEI Peticionamento eletrônico de importação

PEI Peticionamento eletrônico de importação PEI Peticionamento eletrônico de importação MÔNICA FIGUEIREDO P VPA F J O I NVILLE RESOLUÇÃO - RDC Nº 74, DE 2 DE MAIO DE 2016 Os processos protocolados eletronicamente deverão conter a documentação prevista

Leia mais

PORTARIA Nº 135/GSER

PORTARIA Nº 135/GSER PORTARIA Nº 135/GSER João Pessoa, 9 de junho de 2015. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA RECEITA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 3º, inciso VIII, alíneas a e g, da Lei nº 8.186, de 16 de março de

Leia mais

Passo a passo de Alteração de Responsáveis Técnico e Legal na AFE e AE.

Passo a passo de Alteração de Responsáveis Técnico e Legal na AFE e AE. Passo a passo de Alteração de Responsáveis Técnico e Legal na AFE e AE. Gerência de Autorização de Funcionamento GEAFE Brasília, junho de 2014 1º passo: acesse o sítio da ANVISA através do endereço eletrônico

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 48, de 13 de julho de 2012. D.O.U de 23/07/12 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04.11.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALÍQUOTAS DO ICMS 2.1 - Operações

Leia mais

Roteiro de Cadastros - GESTOR

Roteiro de Cadastros - GESTOR Página1 INDICE 1. MODULO EMPRESA 1.1. CADASTRO DE USUARIO --------------------------------------------------------------------- 4 1.2. CADASTRO DA EMPRESA --------------------------------------------------------------------

Leia mais

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes

A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A Implantação do Operador Econômico Autorizado no Brasil: Papel dos Anuentes 25 de setembro de 2009 Instituto Aliança Procomex - SP LYTHA SPÍNDOLA Secretária-Executiva

Leia mais

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros O que é o SISAUT/FC? MANUAL DO USUÁRIO O SISAUT/FC é o sistema por meio do qual são feitos os requerimentos para as autorizações

Leia mais

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte

1.2. Classificação da empresa segundo seu porte. 1.3.1. Quando deve ser comprovado o porte da empresa. 1.3.2. Documentação para comprovação de porte Atualizado: 15 / 06 / 2015 - FAQ AI 1. Porte 1.1. Porte da empresa 1.1.1. Faturamento Bruto Anual 1.2. Classificação da empresa segundo seu porte 1.3. Comprovação de porte 1.3.1. Quando deve ser comprovado

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO ACESSO AO SISTEMA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO ACESSO AO SISTEMA O ISS-e é um sistema completo de gestão do ISS do Município de Maringá, composto pelos módulos de: - NFS-e (Nota Fiscal de Serviços Eletrônica) - DMS-e (Declaração Mensal de Serviços Eletrônica) - AIDF-e

Leia mais

Manual do Credenciado

Manual do Credenciado Manual do Credenciado para o Eletros-Saúde 1. 2. Acesso ao ambiente online mediante senha pessoal Demonstrativo de Pagamento de Credenciado 3. Upload de lotes para o envio de arquivo XML no portal Eletros-Saúde

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA 1 NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA TUTORIAL DE USO DA FERRAMENTA ANO 2012 2 Sumário 1 Nota Fiscal de Serviços eletrônica - NFS-e... 3 1.1 Considerações Iniciais... 3 1.2 Legislação... 3 1.3 Definição...

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO

SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO Prezados Srs. Transportadores O Sistema de Registro Eletrônico faz parte de um composto ( Averbação Eletrônica + Registro Eletrônico ), que propicia a Transportadora um rápido

Leia mais

Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS

Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Sumário Parte I - Cadastro... 3 Parte II - Dúvidas frequentes... 6 1. Como fazer o inventário no SNGPC?... 6 2. A

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota EBM ASSESSORIA E CONSULTORIA EM INFORMÁTICA LTDA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA e-nota PRESTADOR / CONTADOR Versão 2.0 Índice 1. Acessar o sistema 2. Notas Eletrônicas 2.1. Emitir

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR SISTEMA INTEGRADO DE ATIVIDADES TÉCNICAS MANUAL DO USUÁRIO - CLIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR SISTEMA INTEGRADO DE ATIVIDADES TÉCNICAS MANUAL DO USUÁRIO - CLIENTE 1 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR SISTEMA INTEGRADO DE ATIVIDADES TÉCNICAS MANUAL DO USUÁRIO - CLIENTE 1º PASSO CADASTRO DE PROPRIETÁRIO E/OU RESPONSÁVEL Prezado cliente,

Leia mais

1.2.1. Envio de documentos por fax. 1.4. Quais documentos devem ser protocolizados na Anvisa. 1.4.1. Envio indevido de documentação à Anvisa

1.2.1. Envio de documentos por fax. 1.4. Quais documentos devem ser protocolizados na Anvisa. 1.4.1. Envio indevido de documentação à Anvisa Atualizado: 17 / 09 / 2013 - FAQ - AI 1. Protocolização de documentos na Anvisa 1.1. Fim da obrigatoriedade de protocolo de AFE e AE nos estados descentralizados 1.2. Formas de entrada de documentos na

Leia mais

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE C o n t r o l e E m p r e s a r i a l MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE s i s t e m a s SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITOS... 3 ENTRADA DIRETA DE PRODUTOS... 3 INCLUSÃO DE FORNECEDORES E CLIENTES...

Leia mais

GUIA BNDES FINAME LEASING

GUIA BNDES FINAME LEASING GUIA BNDES FINAME LEASING O Itaú entende que viabilizar a ampliação ou modernização de sua frota ou de seus equipamentos de seus clientes é muito importante para o relacionamento e, por isso, traz as melhores

Leia mais