Curto Prazo Hot Money, Desconto de Recebíveis, Cheque Especial, Conta Devedora e Conta Garantida, Limite Empresarial, Capital de Giro, ACC/ACE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curto Prazo Hot Money, Desconto de Recebíveis, Cheque Especial, Conta Devedora e Conta Garantida, Limite Empresarial, Capital de Giro, ACC/ACE"

Transcrição

1 A conta garantida funciona através de um limite de crédito rotativo atribuído à própria conta corrente ou a uma conta paralela. O limite de crédito é rotativo porque ele se restabelece à medida que o saldo devedor é coberto por novos depósitos/créditos. O prazo geralmente é de 90 dias, renovável. A taxa de juros varia de acordo com o perfil do tomador. Esta taxa é composta de uma parte fixa e outra flutuante, neste caso o CDI, que varia diariamente. Os juros são calculados diariamente de acordo com o saldo devedor e debitados/cobrados em uma data fixada em contrato, geralmente no primeiro dia útil do mês subseqüente e no vencimento do contrato. Além dos juros, incidem outros custos, como a tarifa de contrato, cobrada na concessão e nas renovações e IOF (imposto sobre operações financeiras). O tipo de garantia varia de acordo com o cadastro do tomador, podendo ser aval, recebíveis, alienação de bens, aplicações financeiras, etc. Para exemplificar os cálculos dos juros vamos supor uma taxa de CDI + 2,00% ao mês, usando como referência o mês de janeiro de No sítio da CETIP você vai encontrar o fator diário do CDI, publicado diariamente. Os juros fixos de 2,00% ao mês são decompostos em juros diários levando-se em conta o número de dias úteis do mês. Janeiro teve 20 dias úteis. Portanto, o fator diário de juros será 1, (fixos). Vamos tomar como base o CDI do primeiro dia útil de janeiro, o dia 4. Para encontrar o fator diário correspondente à parcela fixa e à flutuante, multiplicam-se os dois fatores. 1, *1, =1, Para calcular os juros do primeiro dia vamos multiplicar o saldo devedor do dia, R$ ,00 por (1, ), cujo resultado é R$131,87. A partir do segundo dia em diante a coisa se repete. Senão vejamos. Vamos pegar o saldo devedor do dia, somar os juros acumulados até o dia anterior e aplicar o fator. ( ,00+131,87) x (1, ) = 132,05. No terceiro dia é a mesma coisa. ( , , ,05) x (1, ) = 132,22. E assim sucessivamente até o último dia útil do mês. ) Captação de Recursos de Curto e Longo Prazo Curto Prazo Hot Money, Desconto de Recebíveis, Cheque Especial, Conta Devedora e Conta Garantida, Limite Empresarial, Capital de Giro, ACC/ACE Longo Prazo Leasing, Operações de Repasse (BNDES), Capital de Giro, Operações de Câmbio, Fianças, Operações Rurais, Crédito Imobiliário CHEQUE ESPECIAL MÉTODO HAMBURGUÊS Também chamada de conta garantida é uma forma de crédito rotativo no qual é definido um limite máximo de recursos que poderá ser sacado. Representa, em outras palavras, uma conta de saldo devedor, em que o cliente saca a descoberto e os juros são calculados periodicamente sobre o saldo médio utilizado. A determinação dos encargos financeiros sobre os valores devedores é geralmente processada por capitalização simples por meio do denominado método hamburguês. O exemplo ilustrativo a seguir, permite melhor entendimento do funcionamento das contas garantidas e do método hamburguês para cálculo dos juros incidentes sobre os saldos devedores. EXEMPLO

2 Admita uma conta garantida com limite de R$ ,00, contratada por 2 meses e aberta no dia 15/01. Os encargos financeiros fixados para a operação são juros nominais de 3,9% a.m., debitados ao final de cada mês, e uma taxa de abertura de crédito (TAC) de 2% cobrada no ato e incidente sobre o limite. Sabe-se que no período da operação foram realizadas as seguintes movimentações na conta garantida: MÊS 1 Dia 15 saque de $ ,00 Dia 20 saque de $ ,00 MÊS 2 Dia 01 saque de $ ,00 Dia 10 depósito de $ ,00 Dia 18 saque de $ ,00 Dia 22 saque de $ ,00 a. Construir um quadro com as várias movimentações realizadas nesta conta garantida. b. Calcular os juros pelo método hamburguês

3 SOLUÇÃO DATA HISTÓRICO DÉBITO (D) SALDO DEVEDOR NÚMERO DE DIAS Nº DE DIAS x SALDO DEVEDOR CRÉDITO (C) TAC ,00 (D) , saque ,00 (D) , saque ,00 (D) , juros 6.838,00 (D) , TOTAL DO MÊS Saque ,00 (D) , Depósito ,00 (D) Saque ,00 (D) Saque ,00 (D) TOTAL DO MÊS TOTAL DO BIMESTRE O cálculo dos juros pelo método hamburguês envolve o produto da taxa proporcional diária ( 3,9/30 % a.d.) pelo (SD x Nº dias). Assim Juros 1 = 0,0013 x ( x x 11) = 0,0013 x = Juros 2 = 0,0013 x ( ) = 0,0013 x = ,80 Total dos juros = ,80 = ,80

4 EXERCÍCIOS 1. Admita um cliente que mantenha um cheque especial com limite definido de $ ,00. Ao final do mês de junho, o banco expede um extrato de movimentação do período conforme ilustrado a seguir. Sabendo-se que esse banco cobra 3,2% a.m. de juros, determinar os encargos totais do mês que devem ser debitados na conta do cliente. Data Histórico Débito (D) Saldo (D/C) Crédito (C) Transporte ,00 (C) ,00 (C) Cheque ,00 (D) 6.000,00 (C) Cheque ,00 (D) ,00 (D) Aviso Débito ,00 (D) ,00 (D) Cheque ,00 (D) ,00 (D) Depósito ,00 (C) ,00 (D) Cheque ,00 (D) ,00 (D) Depósito ,00 (C) ,00 (D) SOLUÇÃO Data Histórico Débito (D) Saldo (D/C) Nº Dias a descoberto Nº de dias x Saldo Devedor Crédito (C) Transporte ,00 (C) ,00 (C) Cheque ,00 (D) 6.000,00 (C) Cheque ,00 (D) ,00 (D) , Aviso Débito ,00 (D) ,00 (D) , Cheque ,00 (D) ,00 (D) , Depósito ,00 (C) ,00 (D) , Cheque ,00 (D) ,00 (D) , Depósito ,00 (C) ,00 (D) ,00 TOTAL ,00 Juros Totais do Mês : (0,032/30) x ,00 = $ 2.641,07 CÁLCULO DO CUSTO EFETIVO Na operação de cheque especial, conforme comentado, é geralmente cobrada uma taxa de juros, definida em bases mensais, e também uma taxa de abertura de crédito (TAC). Esta taxa de crédito, cobrada no momento da liberação dos recursos, eleva o percentual de juros cobrado. O critério básico de se apurar o custo efetivo de uma conta garantida (cheque especial) pode ser expresso no seguinte diagrama de fluxo de caixa mensal:

5 Limite da conta (-) TAC n (meses) Juros Juros Juros Juros + Limite da conta O custo efetivo final será, evidentemente, a taxa interna de retorno deste fluxo de caixa. EXEMPLO Uma conta garantida cobra juros de 2,6% a.m., debitados mensalmente, e uma TAC de 1,5%. Determinar o custo efetivo admitindo que a conta garantida tenha sido contratada por: a. 30 dias b. 60 dias c. 90 dias SOLUÇÃO a. Para um prazo de 30 dias, tem-se o seguinte custo Limite da conta: 100,00 TAC : -1,50 Crédito Liberado: 98, (mês) 2,60 Juros 100 x 2,6% = Limite: 100,00 Total: 102,60

6 Custo Efetivo: i = = 0,0416 ou 4,16% a.m. OBS:- A comissão de abertura de crédito eleva o custo da conta garantida por 30 dias de 2,6% para 4,16% b. Para um prazo de 60 dias, tem-se: Limite da conta: 100,00 TAC : -1,50 Crédito Liberado: 98,50 2 (meses) Juros 100 x 2,6% = 2,60 Limite: 100,00 2,60 Total 102,60 Custo efetivo: 98,50 = + Resolvendo, temos i = 3,39% a.m. Na HP 12C temos: f fin f CHS g CF g CF j g CF j f IRR c. Para um prazo de 90 dias, tem-se Limite da conta: 100,00 TAC : -1,50

7 Crédito Liberado: 98, (meses) uros (100x2,6%)=2,60 J 2,60 2,60 Limite: 100,00 Total 102,60 Custo efetivo: 98,50 = Resolvendo-se: i = 3,13% a.m. f fin f CHS g CF g CF j 2.60 g CF j g CF j f IRR Por que diminuiu? Conclusão: O custo final se reduz à medida que se eleva o prazo da conta garantida. Este comportamento é explicado pela maior diluição da TAC cobrada, uma única vez, no ato de liberação do crédito, pelos meses de operação. EXERCÍCIOS Assaf p Um banco diz cobrar 3,1% a.m. por fora em suas operações de desconto de duplicatas. Apurar o custo efeetivo mensal, incluindo o IOF de 0,0041% ao dia, para os seguintes prazos de desconto: a. 20 dias b. 30 dias c. 51 dias d. 60 dias

8 Taxa média do cheque especial subiu para 8,56% A taxa média do cheque especial subiu para 8,56% este mês, segundo levantamento feito pela Fundação Procon com 14 bancos. Em novembro, a pesquisa havia registrado juros mensais de 8,38% no cheque especial. A menor taxa cobrada pelo serviço, 7,50%, foi a praticada pelo banco Bilbao Vizcaya. A pesquisa concluiu que os clientes do Banco Bandeirantes pagam o maior valor, 9,90%. A alta na cobrança da taxa de juros do cheque especial foi puxada pelo Banco do Brasil, HSBC e Caixa Econômica. Os juros mensais do BB passaram de 7,79% para 7,90%; o HSBC aumentou a taxa de 8,40% para 9,40% e a Caixa alterou o valor de 6% para 8,20%. A única queda foi feita pela Nossa Caixa Nosso Banco, que baixou de 7,95% para 7,70% ao mês. Os técnicos da Fundação Procon-SP lembram que no mês de novembro o Banespa não participou da pesquisa em função da greve de seus funcionários, o que pode ter influenciado no resultado final do comparativo. Empréstimo pessoal fica mais caro na Caixa e no BB O levantamento mostrou que os clientes da Caixa e do Banco do Brasil são os únicos que estão pagando mais caro para conseguir crédito. A taxa mensal do empréstimo pessoal da Caixa subiu de 4,10% para 4,50%; a do BB passou de 4,60% para 4,70%. HOT MONEY São empréstimos de curtíssimos prazos que os bancos fazem às empresas. Estas recorrem a essa fonte de recursos para ajustar seus fluxos de caixa. Muitas vezes chamado de dinheiro quente. A taxa de juros do HOT MONEY apresenta-se linearizada, pois é apresentada na forma de taxa mensal ao dia útil ou taxa de OVER, ou seja, a taxa efetiva de um dia útil multiplicada por 30 dias (convenção de mercado) Para financiamentos de valores elevados, geralmente a operação é contratada por um dia e renovada no dia seguinte, caso haja necessidade. Tal procedimento evita riscos para as partes em períodos de grandes oscilações nas taxas de juros. É comum, de forma a simplificar os procedimentos operacionais, para os clientes tradicionais da mesa neste produto, criar-se um contrato fixo de hot, estabelecendo as regras deste empréstimo e permitindo a transferência de recursos ao cliente a partir de um simples telex, telefonema ou fax, garantidos por uma NP já previamente assinada, evitando-se assim o fluxo corrido de papéis para cada operação. Por ser uma operação de curto prazo, o hot money tem a vantagem de permitir uma rápida mudança de posição no caso de uma mudança brusca para baixo nas taxas de juros. É uma operação conhecida como o seguro dos executivos financeiros contra o desemprego. 1) Como é feita a formação de taxa do Hot Money? A formação de taxa para o hot money é definida pela taxa do CDI do dia da operação acrescido do custo do PIS (0,75%) sobre o faturamento da operação. 2) Qual o peso da CPMF sobre o Hot Money? A CPMF tem um enorme peso no hot money, já que é cobrada duas vezes - uma vez quando o dinheiro creditado na conta do tomador de recursos for por ele utilizado e outra vez quando os recursos saírem de sua conta para quitar o débito da operação. EXEMPLO Calcular o montante para um financiamento no valor de R$ ,00 contratado com base nas taxas do hot money exibidas abaixo, por um período de 5 dias corridos e para 7 dias corridos. A B C D = C/30 E = D x B Nº de dias Nº de Taxa Mensal Taxa linear Taxa efetivano

9 corridos dias do Hot Money diária período úteis 1 1 6,978120% 0,232604% 0,232604% 2 2 6,986235% 0,232875% 0,465749% 3 3 6,994370% 0,233146% 0,699437% 4 4 7,002510% 0,233417% 0,933668% 5 5 7,010664% 0,233689% 1,168444% 6 5 5,842220% 0,194741% 1,168444% 7 5 5,007617% 0,166921% 1,168444% FV = PV (1 + i n) FV 5 = (1 + 0, x 5/30) = ,40 FV 7 = (1 + 0, x 7/30) = ,40 OBS:- As taxas do hot money são diferentes, mas a taxa efetiva no período é a mesma!!!! OVER A taxa de Over Night, mais comumente chamada de taxa de over, é a taxa de juros de um dia útil, multiplicada por 30 (convenção de mercado, pois um mês tem 23 dias úteis). É uma forma de expressar a taxa de juros muito usada no mercado financeiro, mais especificamente no mercado aberto (open market) Muitos produtos do mercado tem sua rentabilidade ou custo expresso na taxa de OVER (exemplo, CDI, HOT MONEY). Toda taxa nominal over deve informar o número de dias úteis que os juros serão capitalizados de forma que se possa apurar a taxa efetiva do período. EXEMPLO Suponha que a taxa over em determinado momento esteja definida em 5,4% a.m.. No período de referência da taxa, estão previstos 22 dias úteis. Qual a taxa efetiva do período? Solução Como a taxa over é geralmente definida por juros simples (taxa nominal), a taxa diária atinge: ao dia...taxa nominal Sabendo que no período de referência dessa taxa existem 22 dias úteis, a taxa efetiva é obtida pela capacitação composta, ou seja: i = (1 + 0,0018) 22 1 = 4,04% a.m. Em outras palavras, pode-se concluir que 4,04% representam a taxa efetiva para 22 dias úteis, ou mesmo para os 30 dias corridos do mês. Em resumo, os procedimentos de apurar a taxa efetiva dada uma taxa nominal de juros over são os seguintes: Dividir a taxa de over geralmente mensal, pelo número de dias corridos no período para se obter a taxa nominal diária;

10 Capitalizar a taxa diária pelo número de dias úteis previsto na operação. A expressão básica de cálculo da taxa efetiva é: sendo: over a taxa nominal mensal over, du o número de dias úteis previsto no prazo da operação. Por outro lado, muitas vezes é interessante transformar uma taxa efetiva em taxa de over. No exemplo acima, foi definida uma taxa nominal over de 5,4% a.m. para um período com 22 dias úteis. Com isso, calculou-se a taxa efetiva de 4,04% a.m.. Se fosse dada a taxa efetiva para se transformar em over, o procedimento de cálculo seria o inverso, ou seja: Descapitalizar exponencialmente a taxa efetiva para cada dia útil previsto na operação; Por ser nominal, e definida mensalmente, a taxa over é obtida pelo produto da taxa descapitalizada pelo número de dias corridos do mês. Aplicando-se esses procedimentos na ilustração, tem-se: i = 4,04% ao mês du = 22 dias úteis = 0,18% ao dia útil OVER = 0,18% x 30 = 5,4% a.m. A formula de cálculo da taxa over, dada uma taxa efetiva de juros, pode ser desenvolvida da seguinte forma: Substituindo os valores ilustrativos acima, chega-se aos 5,4% a.m., ou seja: = 5,4% a.m. EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1. Uma taxa over está definida em 4,8% a.m.. Para um mês de 23 dias úteis, determinar a taxa efetiva Solução = 3,75% a.m.

11 2. Converter a taxa efetiva de 4,1% a.m. em taxa over, sabendo que no período existem 21 dias úteis. Solução = 5,75% a.m. 3. Uma aplicação pelo prazo de 35 dias corridos, que incluem 26 dias úteis, remunerou o capital aplicado a uma taxa over de 4,3% a.m. Determinar a taxa efetiva mensal de juros. Solução ao dia. Os juros são capitalizados somente nos dias úteis. Os 25 dias úteis considerados na operação equivalem a: 25/35 = 0, dos 35 dias da aplicação financeira, ou a: 0, x 30 = 21,42858 dias do mês. Logo: OPERAÇÕES FINANCEIRAS COM TAXA OVER = 3,12% a.m. Ilustrativamente, suponha uma empresa que obteve um empréstimo hot money por um dia. A taxa de negociação contratada é nominal tipo over de 4,4% a.m., sendo cobrado pelo banco, ainda, um spread (comissão) de 0,1% pela intermediação da operação. O spread é um percentual cobrado pelo banco acima da taxa de negociação. É normalmente calculado para cada renovação. Sabe-se que, na prática, os encargos dessas operações envolvendo taxa over são geralmente apurados por dia segundo o critério de juros simples. O cálculo do custo efetivo processa-se: OVER = 4,4% a.m. OVER = (4,4%/30) = 0,1467% ad. Custo efetivo do empréstimo incluindo o spread cobrado: i = [(1 + 0,001467)x(1 + 0,001)] 1 = 0,247% ao dia Logo, a taxa efetiva para todo o mês, admitindo a existência de 21 dias úteis no período, e supondo também a renovação do empréstimo 21 vezes no mês pela mesma taxa de juro (e de spread), atinge: i = [(1 + 0,001467) 21 x (1 + 0,001) 21 ] 1 = 5,31% a.m. Nessas condições, pode ser estabelecida a seguinte expressão genérica de cálculo do custo efetivo final, de uma operação de empréstimo, com taxa over e cobrança de spread:

12 CDI As instituições financeiras disputam no mercado os recursos disponíveis para captação. Devido à volatibilidade das taxas dos diferentes papéis em mercado, os recursos financeiros disponíveis estarão procurando as melhores aplicações, quer seja em CDB, LC ou LI. Naturalmente, existirá, em diferentes momentos, perdas para uns e ganhos para outros. De forma a garantir uma distribuição de recursos que atenda ao fluxo de recursos demandados pelas instituições, foi criado, em meados da década de 1980, o CDI. Os Certificados de Depósito Interbancário são os títulos de emissão das instituições financeiras, que lastreiam as operações do mercado interbancário. Suas características são idênticas às de um CDB, mas sua negociação é restrita ao mercado interbancário. Sua função é, portanto, transferir recursos de uma instituição financeira para outra. Em outras palavras, para que o sistema seja mais fluido, quem tem dinheiro sobrando empresta para quem não tem. As operações se realizam fora do âmbito do BC, tanto que, neste mercado, não há incidência de qualquer tipo de imposto, as transações são fechadas por meio eletrônico e registradas nos computadores das instituições envolvidas e nos terminais da Central de Custódia e Liquidação de Títulos Privados (Cetip). A maioria das operações é negociada por um só dia, como no antigo overnight. Suas vantagens são: não haver taxação, ser rápido e seguro. Os jornais publicam, um balanço das operações realizadas diariamente, via Cetip, em papéis prefixados e em Depósitos Interfinanceiros, os CDI over. Antes dos CDI serem criados, os recursos disponíveis para captação eram disputados no mercado pelas instituições financeiras sem nenhum direcionador. Devido à oscilação das taxas dos diferentes papéis em mercado, os bancos buscavam colocar os recursos financeiros disponíveis nas melhores aplicações, seja em CDB, LCetc. De forma que houvesse uma melhor sistematização na distribuição de recursos que atendesse à demanda das instituições, foi criado o CDI. Os Certificados de Depósito Interbancário são títulos que as instituições financeiras emitem, que lastreiam as operações do mercado interbancário. Eles detêm características idênticas às dos CDB's mas com a diferença de que sua negociação é restrita ao mercado interbancário. Portanto, pode-se definir como sua função manter a fluidez do sistema, ou seja, quem tem dinheiro em excesso empresta para quem estiver precisando. Grande parte das operações é negociada com período de apenas um dia. Apesar disso, tem as vantagens de ser rápido, seguro e não sofrer nenhum tipo de taxação. Agora, os CDI's também podem ser negociados em prazos mais dilatados e com taxas pré-fixadas e pós-fixadas. Os Certificados de Depósitos Interbancários negociados por um dia, também são denominados Depósitos Interfinanceiros e detém a característica de funcionarem como um padrão de taxa média diária, a CDI over. As taxas do CDI over vão estabelecer os parâmetros das taxas referentes às operações de empréstimos de curtíssimo prazo, conhecidas como hot money que embute, na maioria dos casos, o custo do CDI over acrescido de um spread mínimo, além do custo do PIS. Ver mais detalhes no ROGÉRIO EXEMPLO Um CDI de 30 dias pré-fixado, comercializado à taxa nominal (tn) de 295% a.a. a. Qual a taxa mensal equivalente? b. Qual a taxa diária equivalente? c. Qual a taxa over equivalente?

13 Solução a. Taxa mensal equivalente (te): te = = 12,13% b. Essa mesma taxa deve ser considerada nos dias úteis do mês. Supondo o mês com 21 dias úteis para se chegar à taxa equivalente (td). td = = 0,55% taxa efetiva diária b. A taxa equivalente ao over (to) no mês será: to = td x 30 = 16,40% a.m.

14 Certificado de Depósito Interbancário - CDI Por Julio Brant Repórter, InvestShop.com O Certificado de Depósito Interbancário, CDI, é um certificado utilizado para firmar operações entre bancos. A taxa média diária do CDI é utilizada como parâmetro para avaliar a rentabilidade de fundos, como os DI, por exemplo. O CDI é utilizado para avaliar o custo do dinheiro negociado entre os bancos, no setor privado, explica Antonio Carlos Scaresi, analista da área de Tesouraria do Bradesco. Como o CDB (Certificado de Depósito Bancário), essa modalidade de aplicação pode render taxa de prefixada ou pós-fixada. Como o CDI quantifica o custo do dinheiro para os bancos em um determinado dia, ele é utilizado pelo mercado como parâmetro para fundos de renda fixa e DI. Quando o gestor informa ao investidor que um fundo rende 95% do CDI, isso significa que, ao calcular essa percentagem, o investidor poderá saber quanto rendeu ou rende o fundo, diz Scaresi. Portanto, ele pode ser considerado um parâmetro para esses fundos, que têm em sua composição grande parte de títulos pós e prefixados. Segundo Scaresi, o CDI é usado também como parâmetro para operações de Swap (contrato de troca de qualquer tipo, seja ele de moedas, commodities ou ativos financeiros), na Bolsa de Mercadoria & Futuros (BM&F) para o ajuste diário do DI futuro. Apesar de o CDI poder ser usado como parâmetro para mostrar a rentabilidade de alguns tipos de fundos de investimento, Scaresi avisa que é fundamental que o investidor conheça a composição do fundo para saber que influência tem no desempenho do investimento. Nos fundos cambiais ou derivativos, por exemplo, o CDI não tem influência nenhuma, diz. CDB Tanto o Certificado de Depósito Bancário-CDB quanto o Recibo de Depósito Bancário-RDB se caracterizam como os principais títulos emitidos por Bancos Múltiplos, Comerciais, de Investimento e Caixas Econômicas, que tem por objetivo captar recursos dos investidores (pessoas físicas e jurídicas não financeiras) através da rede de agências. Entre outras coisas, essas aplicações permitem que as instituições financeiras obtenham dinheiro para emprestarem às empresas que necessitem de numerário para financiar operações e negócios. Parte desses recursos irão financiar: o crédito direto ao consumidor CDC (via cheque especial), empréstimos para capital de giro das empresas, compra de bens e serviços e etc. Os CDB consistem em um depósito a prazo predeterminado e rentabilidade pré ou pós-fixada. Isto determina dois tipos, portanto de CDB. Os pré-fixados têm a sua rentabilidade expressas unicamente nas taxas de juros, sempre referidas ao ano. Os pós-fixados são atrelados à TR (ou IGPM), que é mensal e usada como correção, acrescida de uma taxa de juros que se refere ao ano e com prazo mínimo de um mês. Esses papéis podem ter ou não deságio na sua emissão. A tributação desses papéis, como de todos os papéis de rendas fixas, inclusive fundos, e os clubes de investimento, é composto de três alíquotas: a. Com valores decrescentes de 96% para 1 dia até 0% para prazos iguais ou superiores a 30 dias sobre o rendimento dos títulos, chamada de IOF e criada pela Portaria nº 264 de 30/06/99 do Ministério da Fazenda; b. 20% de IR sobre o que restou do rendimento, para qualquer prazo.

15 c. O CPMF que é da ordem de 0,3% sobre a aplicação. As Instituições Financeiras e as autorizadas a funcionar pelo BACEN não pagam IR na fonte sobre os ganhos nessas operações. Entre o CDB e o RDB a única diferença que existe é com relação à possibilidade de resgate. Nos contratos de CDB, caso o investidor tiver uma emergência, existe a possibilidade dele negociar o resgate antes do prazo programado. Nessa situação, o banco irá compatibilizar a taxa ao prazo em que o dinheiro foi investido. Para os RDB's essa possibilidade não existe. É importante salientar que o porte do banco é deveras importante, na medida que terá muito mais facilidades em conseguir aplicações, principalmente pelo elevado número de agências, do que um banco de pequeno porte. A saída para os pequenos seria a de oferecerem taxas mais atrativas, para aumentar o leque de investidores e clientes. Os bancos estão autorizados a oferecerem tanto CDB's pré-fixados, onde o investidor fica sabendo no ato qual será seu rendimento, quanto pós-fixado, onde ele conhecerá seu rendimento somente na hora do resgate. EXERCÍCIOS SOBRE CDB e RDB (pré-fixados) 1. Um investidor aplica R$ ,00 num CDB, com 30 dias de prazo. Sabendo-se que o Banco emitente paga uma taxa de 39% a.a., determinar o valor de resgate, o valor do imposto de renda e o valor de resgate líquido dessa operação. Solução a. Cálculo do valor de resgate Valor de resgate = Valor aplicado x (1 + i aa) n/360 = x (1 + 0,39) 30/360 = ,59 b. Cálculo do valor do Imposto de Renda Imposto = (alíquota do Imposto de Renda) x Rendimento Bruto Alíquota = 15% e Rendimento Bruto = , = 1.001,59 Imposto = 0,15 x 1.001,59 = 150,24 c. Cálculo do valor de resgate líquido Valor de Resgate Líquido = Valor de Resgate Imposto de Renda = ,59 150,24 = ,35 2. No caso do exemplo anterior, calcular as seguintes taxas mensais (para 30 dias) correspondentes à aplicação: a. Taxa efetiva bruta b. Taxa efetiva líquida Solução a. Cálculo da taxa efetiva bruta mensal

16 TEB = neste exercício., onde representa o prazo da operação em número de dias, 30 dias TEB = = = 0,0278 ou 2,78% a.m. b. Cálculo da taxa efetiva líquida mensal TEL = = 0,0236 ou 2,35% a.m. OBS:- A TEL poderia ser facilmente obtida da TEB pela multiplicação da TEB por 0,85 (1 0,15), assim TEL = TEB 0,15 x TEB = TEB x 0,85 Neste exercício, teríamos: TEL = 2,78% x 0,85 = 2,36% a.m. 3. A aplicação de R$ ,00 em RDB resulta num valor de resgate (antes do IR) de R$ ,00 no final de 32 dias. Calcular o valor do Imposto de Renda, o valor de resgate líquido e as taxas mensais efetivas, bruta e líquida. Solução a. Cálculo do Imposto de Renda e do valor de resgate líquido: Resgate Bruto = , ,00 = 434,00 IR = 15% x 434,00 = 65,10 Valor de resgate líquido = ,00 65,10 = ,90 b. Cálculo das taxas efetivas mensais, bruta e líquida TEB = ou 3,25% ou 2,76% A taxa efetiva líquida mensal também poderia ser obtida como mostramos no exemplo anterior, ou seja: TEL = 3,25% x 0,85 = 2,76% Dentre as várias aplicações pós-fixadas, NTN (Notas do Tesouro Nacional), Letras de Câmbio, Caderneta de Poupança, Debêntures, fundos de investimentos, temos os CDB e os RDB. A tributação é idêntica à das aplicações com renda pré-fixada, ou seja, Imposto de Renda de 20% sobre o

17 rendimento total. A principal diferença daquelas pré-fixadas é que neste caso o prazo mínimo de emissão dos títulos é atualmente de 120 dias e os rendimentos são calculados com base no principal corrigido pelo indexador adotado. E, como já mencionamos, vamos adotar a TR como principal indexador. Nunca se esqueça que em toda aplicação há incidência de CPMF. (atualmente 0,3% ) EXEMPLOS (pós-fixados) 1. Calcular o valor de resgate líquido (já descontado o Imposto de Renda) de uma aplicação em CDB com renda pós-fixada no valor de $ 5.000,00, pelo prazo de 120 dias, sabendo-se que o Banco paga juros de 16% ao ano. A aplicação foi feita no dia 5 de janeiro para resgate no dia 5 de maio do mesmo ano. Admitir que as TR referentes aos dias 5 dos meses de janeiro, fevereiro, março e abril tenham sido de 2,21%, 1,96%, 2,13% e 2,37%, respectivamente. Solução a. Cálculo do valor de resgate Valor de Resgate = P C (1 + i a) n/360 P C = 5.000,00 x 1,0221 x 1,0196 x 1,0213 x 1,0237 = 5.447,78 Valor de Resgate = 5.447,78 x (1,16) 120/360 = 5.724,08 b. Cálculo do Imposto de Renda IR = 15% x Renda Bruta = 0,15 x Renda Bruta Renda Bruta = Valor de Resgate Aplicação = 5.724, ,00 = 724,08 IR = 0,15 x 724,08 = 108,61 c. Cálculo do valor de resgate líquido Valor de Resgate Líquido = Valor de Resgate IR = 5.724,08 108,61 = 5.615,47 2. No dia 2 de março de 1995, o Sr. Aranha aplicou $ ,00 em RDB para resgate no dia 2 de julho (prazo de 122 dias), a uma taxa de juros de 15% ao ano. Supondo-se que os valores das TR referentes aos dias 2 dos meses de março a junho fossem respectivamente de 1,87%, 2,19%, 1,91% e 1,78%, calcular o valor de resgate líquido. Solução P C = ,00 x 1,0187 x 1,0219 x 1,0191 x 1,0178 = ,87 Valor de Resgate = ,87 x (1,15) 122/360 Rendimento Bruto = , ,00 = 1.850,09 IR = 0,15 x 1.850,09 = 277,51 Valor de Resgate Líquido = ,09 277,51 = ,58

18 Como os juros do cartão de crédito são calculados Na verdade, as empresas de cartão de crédito muitas vezes contam com o fato de que você não vai entender os seus juros são constantemente compostos. Portanto ao entender como funciona a composição de juros de cartão de crédito vai ajudar você a se auto proteger. O termo juros compostos significa que os encargos de juros são adicionados ao principal (que é o valor que inicialmente emprestado) para que a sua dívida cresça exponencialmente. Se você tem uma dívida de R$ 100 e acumula 10% de juros a cada mês, depois do primeiro mês cobrarão dez reais (100 x 0,10) de você. Com juros compostos, estes dez reais são adicionados à dívida original. Então agora a dívida é de R$ 110. No segundo mês novamente irão cobrar 10% de juros, que desta vez sai a onze reais (110 x 0,10), então agora você tem R$ 121 de dívida. Você pode ver como ele se acumular-se rapidamente! Os juros compostos tem um grande impacto sobre a forma como os juros do cartão de crédito funcionam. Qual a taxa cobrada em termos de juros? A maioria das pessoas sequer responder isso. Ela varia de banco para banco mas está em torno de 10% ao mes. Quando os juros são cobrados? A maioria dos cartões de crédito dá um período de carência para pagar o saldo listado na sua fatura de cartão de crédito. Se optar por pagar apenas o pagamento mínimo ou se pagar qualquer valor menor que o saldo total, você terá que começar pagar juros sobre o saldo remanescente. Uma vez que a data de vencimento tenha passado, qualquer dívida restante é considerado dívida rotativa e a empresa de cartão de crédito terá todo o prazer de cobrar juros sobre ele. É importante notar também que alguns contratos de cartões de crédito permitem que a empresa cobre juros sobre compras que foram parcialmente pagas. Por exemplo, se você usou cartão de crédito para comprar uma geladeira nova por R$ 500 e pagou R$ 400 no primeiro mês, ainda podem cobrar de você os juros sobre a totalidade do saldo R$ 500 até que você quitado na íntegra. você deve estar informado sobre como todos esses fatores trabalham juntos para determinar o quanto você paga de juros. Leia o contrato de seu cartão de crédito com cuidado e verifique se você sabe como funciona o cálculo de juros para o cartão. COMO CALCULAR OS JUROS DAS VENDAS A PRAZO As operadoras de cartão de crédito normalmente cobram de 3 a 5 % por cada repasse de pagamento, mas, quando é solicitada a antecipação das parcelas de uma venda a prazo, a operadora do cartão faz um desconto com juros compostos em seu pagamento. Se desejar receber as prestações antecipadas (que significa receber à vista, embora o cliente tenha optado por pagar parcelado), você poderá compensar o desconto que acontecerá, acrescentando juros no preço de venda a prazo; entretanto, a menos que possua uma calculadora financeira ou conheça as fórmulas de juros compostos, você não conseguirá calcular o valor correto das prestações. EXEMPLO INFORMAÇÕES: Preço do produto à vista: R$ 2.000,00 Taxa de antecipação: 3 % (verifique a taxa com sua operadora)

19 Quantidade de parcelas escolhidas pelo cliente: 4 CALCULANDO O VALOR DAS PARCELAS COM A CALCULADORA HP 12C (calculadora HP online) Obs: os destaques em negrito são as teclas que devem ser clicadas na calculadora. Para zerar a calculadora, tecle F e depois CLX CHS PV (Valor à vista) 3 I (Taxa de juros) 4 N (Número de parcelas) PMT = R$ 538,06 (Prestação) *Arredonde sempre para mais. Assim, o valor das prestações será de R$ 538,06, totalizando R$ 2.152,24, e você receberá o valor líquido de R$ 2.000,00, pois será o próprio cliente quem pagará as taxas do cartão. VERIFICAÇÃO DO DESCONTO Parcela 4 Valor pago pelo cliente: R$ 538,06 Valor líquido a receber: R$ 478,06 538,06 CHS FV 3 I 4 N PV = R$ 478,06Parcela 3 Valor pago pelo cliente: R$ 538,06 Valor líquido a receber: R$ 492,40 538,06 CHS FV 3 I 3 N PV = R$ 492,40 Parcela 2 Valor pago pelo cliente: R$ 538,06

20 Valor líquido a receber: R$ 507,17 538,06 CHS FV 3 I 2 N PV = R$ 507,17 Parcela 1 Valor pago pelo cliente: R$ 538,06 Valor líquido a receber: R$ 522,39 538,06 CHS FV 3 I 1 N PV = R$ 522,39 478, , , ,39 = R$ 2000,00 (com diferença de 2 centavos devido aos arredondamentos). Você sabe o quanto paga de juros e IOF no cheque especial? Aprenda a calcular. (atualizado) Financiamentos, investimentos, dívidas, cheque especial, aposentadoria O que todas estes assuntos têm em comum? Texto revisado em 16/04/2013 ajuste à nova alíquota de IOF de 23/mai/2012 A resposta? JUROS. Para tomar uma decisão correta e consciente, precisamos entender com detalhes como é feito o cálculo de juros, caso contrário poderemos estar gastando mais do que imaginamos! Ou ganhando menos do que poderíamos. Como exemplo, vamos analisar o cálculo dos juros do cheque especial. Digamos que a sua contacorrente tenha tido os seguintes saldos em um período de seis dias: Tabela 1 - Saldos conta-corrente

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 6 Reciprocidade Bancária São exigências estabelecidas pelas instituições

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER! Como se calcula a taxa de juros Over?! Como se calcula a taxa de juros CDI?! Como a taxa de juros CDI e Over se comparam? Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS

AULA 06 PRODUTOS BANCÁRIOS 1 2 Identificar os principais produtos e serviços oferecidos pelos bancos no Brasil; 3 I INTRODUÇÃO 4 II - DESENVOLVIMENTO 1. PRODUTOS BANCÁRIOS 2. TIPOS DE CONTAS 3. OPERAÇÕES ATIVAS a. Cheque Especial

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Aula 02 Juros Simples, Descontos Simples e Juros Compostos Prof.Dr. Edmilson J.T. Manganote Juros Simples Fórmula do Juros Simples e Montante S P 1 i n Taxas Equivalentes i i 1 2

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Um EMPRÉSTIMO é um contrato entre o cliente e a instituição financeira pelo qual ele recebe uma quantia que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida dos

Leia mais

3. JUROS SIMPLES. i 100

3. JUROS SIMPLES. i 100 Matemática Financeira com a Calculadora HP -12C 23 3. JUROS SIMPLES 3.1 INTRODUÇÃO 5 10 15 20 Como vimos no Capítulo 1, juros simples apresentam uma grande vantagem operacional sobre os compostos. Isso

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva.

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. 1 Segmentação do Mercado Financeiro MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL JUROS:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir

Introdução à Matemática Financeira. Valor do dinheiro no tempo. Moeda. Gastar X investir Introdução à Matemática Financeira Valor do dinheiro no tempo Moeda Antes de detalharmos a Matemática Financeira, vejamos algumas definições sobre o que são moeda e capital. Moeda é o meio que facilita

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples.

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples. TAXA PROPORCIONAL Taxas proporcionais são definidas como sendo aquelas cujos quocientes entre elas e seus respectivos períodos de capitalização, colocados na mesma unidade de tempo, são iguais. O conceito

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito 216 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS O QUE É E COMO FUNCIONA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL? O QUE É POLÍTICA MONETÁRIA? QUAIS INSTRUMENTOS O BANCO CENTRAL UTILIZA PARA INTERFERIR NO MERCADO? O QUE É ASSISTÊNCIA

Leia mais

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade

Curso Básico de Matemática Financeira. Celso H. P. Andrade Curso Básico de Matemática Financeira Celso H. P. Andrade ÍNDICE JURO... 3 FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO... 4 JURO SIMPLES... 6 JURO COMPOSTO... 7 Equivalência de Taxa de Juros... 9 DESCONTO... 10 FLUXO DE

Leia mais

e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Características gerais dos títulos de renda fixa Juros e taxa de desconto

e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Características gerais dos títulos de renda fixa Juros e taxa de desconto Matemática financeira e renda fixa 1 Capítulo Matemática financeira Juros e taxa de desconto Cálculo de juros simples versus juros compostos, taxas de juros reais versus taxas de juros nominais e efeito

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

Banco do Brasil - Cartilha de CDB CDB

Banco do Brasil - Cartilha de CDB CDB CDB O que é?... 2 Pré ou pós-fixado... 2 CDI... 3 Indicação... 3 Taxa de administração... 3 Segurança... 3 Modalidades de CDB... 4 Valor mínimo... 5 Rentabilidade... 4 Prazos... 5 Vencimento... 6 Final

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Desconto É a denominação dada a um abatimento que se faz quando um título de crédito é resgatado antes de seu vencimento. Onde: N : valor nominal; V : valor líquido; D : desconto; t : data de vencimento.

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Juros e Capitalização Simples Matemática Financeira 1 - JUROS E CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 1.1 - JUROS JURO é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Dúvida sobre o envio do Doc 3050

Dúvida sobre o envio do Doc 3050 www.bcb.gov.brinício Legislação e normas Normas do CMN e do BC Normas com caracteres especiais Circular Circular 3.493 Dúvida sobre o envio do Doc 3050 01. Quem está obrigado a enviar o Doc 3050 ao Banco

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais

Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB O que muda com o novo SPB Saiba o que não muda com o novo SPB Saiba mais * Informações de janeiro/2002 * Sumário Entenda o Novo Sistema de Pagamentos Brasileiro O Novo SPB Benefícios do Novo SPB O que é Porque mudar O que muda O que muda com o novo SPB Transferências só com

Leia mais

07/02/2015. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira

07/02/2015. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira. Matemática Financeira 3º ADMINISTRAÇÃO. Prof. José Luiz Oliveira 3º ADMINISTRAÇÃO Oliveira 3º ADMINISTRAÇÃO Oliveira PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 Inflação e Preços 2 Variação Média e Variação Ponta a Ponta 3 Número Índice e Valor Base/Reajustado 4 Regra de Três Simples/Compostas

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

renda fixa Certificado de Depósito Bancário

renda fixa Certificado de Depósito Bancário renda fixa Certificado de Depósito Bancário Certificado de Depósito Bancário Rentabilidade e proteção em um único investimento O produto Certificado de Depósito Bancário (CDB) é um título de renda fixa,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo II Capitalização Simples Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas JUROS SIMPLES O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidir apenas

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 01) (TCM/RJ Técnico de Controle Externo FJG 2003) Guilherme utilizou o limite de crédito

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1

INTRODUÇÃO: JURO FATOR DE FORMAÇÃO DE JURO. VJ = VA x j. *Taxa de juro na forma unitária j=10% => j= 10/100 => j= 0,1 2 INTRODUÇÃO: O principal conceito que orientará todo o nosso raciocínio ao longo deste curso é o conceito do valor do dinheiro no tempo. Empréstimos ou investimentos realizados no presente terão seu valor

Leia mais

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? *

Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Financiamento de automóveis: Investimento ou gasto dispendioso? * Com a queda da taxa básica de juros, a economia brasileira observa uma aceleração do crédito como nunca antes vista. Os juros em baixa

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

MENSURAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS PELO CUSTO AMORTIZADO

MENSURAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS PELO CUSTO AMORTIZADO MENSURAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS PELO CUSTO AMORTIZADO Sumário 1. Mensuração inicial pelo valor justo 2. Custos de transação 3. Mensuração subseqüente e exemplos do IASB 4. Operações pré com parcela

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. 1 RESOLUÇÃO Nº 530 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista o disposto

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1

Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Para acharmos as taxas equivalentes utilizamos a fórmula abaixo: Te = ( n Ö 1+i) 1 Onde: Te = Taxa equivalente de determinado período n = número do período i = percentual de juros do período em que você

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito 216 questões com cabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS

AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÕES Unidade I Fichamentos e Exercícios Avaliativos 2,0 Prova Escrita Individual 8,0 Unidade II Projeto Conceitual de

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos:

Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos: DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 3 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA AUTORIA: Prof Edgar Abreu CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL 2010 DA CEF 1. Funções exponenciais e logarítmicas. 2. Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos:

Leia mais

Aprenda a fazer uma pequena quantia de sua renda crescer

Aprenda a fazer uma pequena quantia de sua renda crescer Veículo: Diário do Comércio Data: 24/10/15 Aprenda a fazer uma pequena quantia de sua renda crescer Para obter um retorno próximo (ou superior) aos 14,25% da Selic, o investidor deve descobrir o prazo

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior*

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* Publicado em 2 de março de 2007 PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* 1. Sabemos que o Banco Central exige que os bancos mantenham um nível mínimo

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Juros Compostos Cálculo com Prazos Fracionários Convenção Linear Os juros compostos são usados para o número inteiro de períodos e os juros simples para a parte fracionária de períodos. Convenção Exponencial

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

Tag Along Direito de alienação de ações conferido a acionistas minoritários, em caso de alienação de ações realizada pelos controladores da companhia.

Tag Along Direito de alienação de ações conferido a acionistas minoritários, em caso de alienação de ações realizada pelos controladores da companhia. Tag Along Direito de alienação de ações conferido a acionistas minoritários, em caso de alienação de ações realizada pelos controladores da companhia. Take One Proposta de adesão para um cartão encontrado

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais