UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO COPPEAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO COPPEAD"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UFRJ INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO COPPEAD A INTERNACIONALIZAÇÃO DA INDÚSTRIA DE TI BRASILEIRA: UM ESTUDO DA INFLUÊNCIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NESSE PROCESSO RICARDO COSTA VIEIRA DA SILVA MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS ORIENTADORA: Profa. Dra. Adriana Hilal RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL 2008 i

2 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1.1: CADEIA DE VALOR DO SOFTWARE... 7 FIGURA 1.2: MERCADOS DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI EM 2003 (US$ MILHÕES)... 8 FIGURA 2.1: ÍNDICE DE LOCALIZAÇÃO GLOBAL AT KEARNEY FIGURA 2.2: PRINCIPAIS MERCADOS PARA EXPORTAÇÃO DE SOFTWARES CHINESES FIGURA 2.3: CRESCIMENTO ANUAL MÉDIO DO MERCADO DE TI BRASILEIRO FIGURA 2.4: DIAMANTE DA VANTAGEM COMPETITIVA NACIONAL FIGURA 2.5: O PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA FIRMA FIGURA 2.6: ELEMENTOS MÍNIMOS PARA UMA EMPRESA NASCIDA GLOBAL SUSTENTÁVEL.. 56 FIGURA 2.7: TIPOS DE EMPREENDIMENTOS INTERNACIONAIS FIGURA 2.8: COMPROMETIMENTO COM MERCADOS ESTRANGEIROS LISTA DE TABELAS TABELA 2.1: MERCADO DE SOFTWARE EM ALGUNS PAÍSES SELECIONADOS EM TABELA 2.2: EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA INDIANA DE SOFTWARE (EM MM US$) TABELA 2.3: PRINCIPAIS POLÍTICAS ADOTADAS NA INDÚSTRIA INDIANA DE SOFTWARE TABELA 2.4: PRINCIPAIS POLÍTICAS ADOTADAS NA INDÚSTRIA CHINESA DE SOFTWARE TABELA 2.5: INVESTIMENTOS NO PROGRAMA SOFTEX 1992 A TABELA 2.6: RECURSOS INVESTIDOS E EXPORTAÇÕES - SOFTEX (1994 A 2000) TABELA 2.7: ESTÁGIOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM FIRMAS BORN GLOBAL INTENSIVAS EM CONHECIMENTO TABELA 2.8: DISTRIBUIÇÃO DE FIRMAS EXPORTADORAS NA PESQUISA TABELA 2.9: CLASSIFICAÇÃO DAS 20 MAIORES MULTINACIONAIS BRASILEIRAS ii

3 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABES BNDES BPO BRASSCOM BRIC CLT CNPq CPII DESI EMN FDC IDE ITES MCT Mercosul MNE NASSCOM OMC ONU P&D PIB PITCE PLANIN PNUD Prosoft ProTeM-CC RNP SEBRAE SEI SEPIN SINAPAD SOFTEX 2000 TELEBRÁS Associação Brasileira de Empresas de Software Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Business Process Outsourcing Brazilian Association of Software and Service Export Companies Brasil, Rússia, Índia e China (acrônimo criado pela Goldman Sachs para designar os países que terão crescimento acelerado até 2050). Consolidação das Leis do Trabalho Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Columbia Project on International Investment Desenvolvimento Estratégico em Informática Empresa Multinacional Fundação Dom Cabral Investimento Direto no Estrangeiro Information Technology Enabled Services Ministério da Ciência e Tecnologia Mercado Comum do Cone Sul Multi National Enterprise National Association of Software and Service Companies Organização Mundial do Comércio Organização das Nações Unidas Pesquisa e Desenvolvimento Produto Interno Bruto Política Industrial Tecnológica e de Comércio Exterior Plano Nacional de Informática e Automação Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas Linha de financiamento do BNDES específica para desenvolvedores de software Programa Temático Multiinstitucional em Ciência de Computação Rede Nacional de Pesquisa Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Antiga Secretária Especial de Informática, atual SEPIN Secretaria da Política de Informática e Automação Sistema Nacional de Processamento de Alto Desempenho Programa Nacional de Software para Exportação Telecomunicações Brasileiras S/A iii

4 TI TIC UNCTAD Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação e Comunicação United Nations Conference on Trade and Development iv

5 Sumário CAPÍTULO I INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO ESTUDO IMPORTÂNCIA DO ESTUDO CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE CADEIA DE VALOR DO SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DO SETOR DE SOFTWARE... 7 CAPÍTULO II REVISÃO DE LITERATURA A INDÚSTRIA DE SOFTWARE A Indústria de Software no Mundo Os BRICs e a Indústria de Software A Indústria de Software na Índia A Indústria de Software na China A Indústria de Software no Brasil AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O SETOR DE SOFTWARE A Vantagem Competitiva das Nações (Porter, 1993) Política Industrial Falhas de mercado A Política Industrial do Governo Federal O Programa Softex O BNDES e o Prosoft AS TEORIAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO O modelo da escola de Uppsala As redes de empresas As empresas nascidas globais Internalização O Paradigma Eclético da Produção Internacional Vantagens específicas de propriedade Vantagens de internalização Vantagens de localização Críticas às Teorias de Internacionalização Críticas aos Modelos de Uppsala, Redes Industriais e Born Globals Críticas ao Paradigma Eclético e Internalização Estudos sobre a internacionalização de empresas brasileiras A internacionalização das empresas nacionais (Brasil et al., 1996) Processos, pessoas e networks no Investimento Direto no Exterior (Barreto, 1998) v

6 Internacionalização de Empresas Brasileiras no Mercosul: Estudo de Caso (Pinto, 1998) Estudos sobre a Promoção de Exportações via Internacionalização (BNDES, 2005) Multinacionalização das empresas brasileiras (FDC/ CPII, 2007) ANEXO I - REFERÊNCIAS vi

7 Capítulo I Introdução vii

8 Capítulo I INTRODUÇÃO 1.1. Objetivos do Estudo Este estudo insere-se em uma corrente de pesquisas sobre o processo de internacionalização de empresas brasileiras de software. Apesar de existir uma quantidade significativa de estudos sobre internacionalização de empresas brasileiras de variados setores econômicos, poucos deles concentram-se no setor de software e uma quantidade ainda mais reduzida desses estudos procura examinar as políticas públicas implementadas pelo governo brasileiro nos últimos anos com vistas a estimular o processo de internacionalização das empresas desse segmento. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é investigar aspectos de internacionalização e influência das políticas públicas nas empresas brasileiras de software. São colocados três grupos principais de questionamentos que procuram avaliar: i) como ocorreu o processo de internacionalização dessas empresas; ii) de que forma as teorias de internacionalização existentes explicam seu processo de internacionalização e; iii) se existiu ou não influência das políticas públicas do governo brasileiro para estimular a internacionalização dessas organizações, seja via exportação de software, seja via criação de subsidiárias no exterior. Especificamente, do ponto de vista de políticas públicas, busca-se compreender o papel da criação do Programa Softex em 1993, das políticas implementadas pelo BNDES para o setor com a criação do Programa Prosoft e, por fim, investigar a política industrial instituída em 2003 pelo Governo Brasileiro, tendo o desenvolvimento do setor software como um de seus eixos estruturantes Importância do Estudo O Brasil surgiu no mercado internacional como uma colônia exportadora de commodities e assim o fez ao longo de toda a sua história. O país passou pelos ciclos do pau-brasil, açúcar, algodão, látex para produção da borracha, café, e mais recentemente soja e minério de ferro. Esse é o único país do mundo cujo nome deriva de uma commodity. A partir da década de 1930, o país logrou sucesso em implementar uma política de substituição de importações e desenvolver uma indústria de bens industrializados (Furtado, 1959). Com o recente processo de industrialização, o Brasil começou a surpreender seus congêneres mundiais com o desenvolvimento de setores industriais com alto valor agregado e a exportação de tecnologia brasileira, demandante de pessoal com elevado nível de capacitação técnica. 1

9 Constituem-se exemplos do processo de desenvolvimento de setores com alta tecnologia e exportação de produtos de alto valor agregado, a prospecção de petróleo em águas marítimas profundas, o desenvolvimento de uma indústria aeronáutica com tecnologia autóctone a partir da década de 1950, tendo as primeiras exportações já ocorrendo a partir da década de 1970 e a criação da maior indústria de Tecnologia da Informação da América Latina, que observou a criação de tecnologias tais como as urnas eletrônicas, que permitiram a completa informatização das eleições brasileiras ou a completa automatização para envio via Internet das declarações de Imposto de Renda de todo os contribuintes brasileiros. A relevância do presente estudo, de uma perspectiva teórica, está ligada aos seguintes aspectos: a importância dos estudos sobre internacionalização de empresas brasileiras de software no contexto do fenômeno da liberalização das economias dos países centrais e periféricos; a análise do processo de internacionalização de um setor demandante de alta tecnologia em um país em desenvolvimento, a luz da competição internacional colocada por outros países emergentes tais como China e Índia; o entendimento de como as políticas públicas governamentais podem influenciar esse processo para expandir a capacidade de competição brasileira nesse setor que já encontram alguns outros atores globais em estágio mais avançado tais como EUA, Alemanha, Japão, Índia, Irlanda, Israel, entre outros. Do ponto de vista prático, o presente estudo poderá contribuir para três atores principais: os agentes governamentais criadores das políticas públicas, empresários do segmento de software com vistas a expandir o mercado de atuação de suas empresas para a arena global e as entidades de classe representantes do setor. Os agentes criadores das políticas públicas podem fazer uso desse estudo para identificar pontos de melhoria das ações governamentais no setor, de forma a ampliar as possibilidades de exportações e a competitividade das empresas brasileiras no setor de software. Os empresários desse setor que desejem internacionalizar suas empresas podem utilizar o estudo com vistas a identificar os desafios da globalização de empresas nesse segmento econômico e constatar quais são os instrumentos governamentais disponíveis para apoiar o processo de internacionalização. 2

10 Por fim, as entidades de classe representantes dos principais grupos de interesse do setor de software, podem apoiar-se nesse estudo para atuarem como elementos aglutinadores e catalisadores dos interesses das empresas e dos representantes do governo brasileiro, criadores das políticas públicas nacionais para o setor Contextualização do Processo de Internacionalização Ao investigar a história econômica brasileira, é possível verificar que Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá, foi, já no século XIX, o primeiro empresário a expandir o processo de internacionalização da economia do país para além da exportação de commodities (Caldeira, 1995). Como não há estudos claramente estabelecidos para o período de Mauá, é necessário utilizar como ponto de partida para os estudos de internacionalização, somente as primeiras iniciativas da Petrobrás na década de 1970, com vistas a prospectar petróleo em outras regiões do mundo e atender às necessidades brasileiras por combustíveis fósseis (Silva, 2000). Friedrich List faz, no século XIX, uma revisão dos principais conceitos da obra de Adam Smith. Esse autor define em sua obra que os países passam por quatro grandes fases durante seu processo de desenvolvimento econômico (List, 1983) 1 : 1. Identificação de uma matéria-prima a partir da qual o país constitui sua base econômica e de transações com outras nações em nível mundial. No caso brasileiro, a partir de sua independência política, o café passou a representar esse produto no contexto da constituição e expansão da base econômica de exportação. 2. Implantação de uma política de substituição de importações para permitir o desenvolvimento de uma indústria nacional razoavelmente diversificada com bases nas receitas geradas no momento anterior do modelo. 3. Abertura da economia do país para competição direta com produtos estrangeiros, aumentando seu nível de produtividade e trazendo uma maior especialização para aqueles bens competitivos em escala internacional. 1 A versão original da obra, denominada Das Nationale System der Politischen Ökonomie, foi publicada em A indicação colocada neste trabalho refere-se à versão brasileira da obra. Essa publicação tornou Friedrich List o autor alemão mais consultado e referenciado após Karl Marx. List apresentou conceitos que faziam um contraponto às teorias de Adam Smith e Karl Marx defendendo a colaboração global entre governos e empresas. Tais teorias apresentam-se válidas, mais de 150 anos após sua publicação. 3

11 4. A partir de uma base industrial consolidada e com produtos de maior conteúdo tecnológico agregado, os países passam a internacionalizar suas empresas, buscar novos mercados para seus produtos e defender modelos liberais para outras nações que ainda não tenham vivido o processo de desenvolvimento anteriormente descrito. O Brasil viveu completamente as duas primeiras etapas desse processo em sua história. A partir da década de 1990, com a abertura comercial, a terceira etapa do processo foi implantada com razoável sucesso. Resta ao Brasil o desafio de seguir para a quarta fase desse processo e avançar no seu processo de desenvolvimento econômico. Nesse contexto, a indústria de software surge como uma das grandes alternativas de internacionalização para as empresas brasileiras. O desenvolvimento de softwares inovadores e o uso de um capital humano com elevado nível de especialização poderão permitir a competição direta com outras nações desenvolvidas ou emergentes de porte equivalente ao brasileiro. A Índia já vem trilhando, há alguns anos, esse caminho com relativo sucesso (Athreye, 2005) Caracterização do Software O software é essencialmente um serviço, uma vez que consiste na elaboração de uma série de instruções para serem executadas pelo computador e sua exploração econômica ocorre através da cessão de direitos autorais. Há inúmeras formas possíveis de classificação do software. Uma classificação comumente utilizada divide o setor em dois grandes agrupamentos: a) software e b) serviços. Tais agrupamentos ainda são sub-classificados de acordo com sua aplicação (Filho, et al., 2006). A categoria de software contempla: Aplicativos são os pacotes de aplicativos para consumidores em geral, aplicativos comerciais e industriais. Ambientes de Desenvolvimento e Implementação de Aplicações são as ferramentas utilizadas para gerenciar e definir os dados que serão mantidos nos bancos de dados e as ferramentas de desenvolvimento de novos programas. Software de Infra-Estrutura divide-se em cinco categorias, representadas por software de gerenciamento de sistemas e redes, software de segurança, software de storage e backup, software de redes e sistemas operacionais. 4

12 Software embarcado é constituído por uma solução integrada de hardware e software, tais como aqueles utilizados por centrais telefônicas e telefones celulares. Software OEM são as licenças ofertadas pelas grandes empresas multinacionais para os sistemas operacionais embutidos em computadores vendidos em lojas de varejo. Software para uso próprio Todo e qualquer software dentro de uma empresa para uso local. Firmware programas desenvolvidos em linguagem de montagem integrados ao hardware. A categoria de serviços, por sua vez, é constituída por: Consultoria é composta pelos serviços de consultoria e aconselhamento relativos à Tecnologia da Informação (TI). Integração de Sistemas define-se pela solução integrada de planejamento, design, implementação e gerenciamento de soluções de TI para atender às especificações técnicas colocadas pelo cliente. Outsourcing tarefa pela qual um fornecedor de serviços exterior à organização demandante assume a responsabilidade pelo gerenciamento e operação de parte ou toda a infra-estrutura de TI do cliente. Suporte serviços relacionados à instalação, ajustes e configuração do software, além do provimento de suporte técnico aos usuários finais. Treinamento processo de capacitação de usuários ou clientes relacionados a ferramentas de TI. BPO serviços, prestados por empresa externa, que compreendem a transferência do gerenciamento e execução de processos de trabalho ou completa função de negócios. Tal terceirização só se torna economicamente viável graças ao uso intensivo da TI, razão pela qual esses serviços recebem a qualificação de ITES (IT enabled services), sendo referidos como ITES-BPO. É possível ainda classificar o software quanto à forma de comercialização: padronizáveis, parametrizáveis, customizáveis. Os softwares padronizáveis podem ser adquiridos, instalados e utilizados imediatamente. Aqueles ditos parametrizáveis podem necessitar de algumas configurações disponíveis no produto antes de estarem prontos para utilização. Por fim, os softwares customizáveis são aqueles que podem necessitar de programação adicional para atender necessidades específicas de cada um de seus consumidores (Gutierrez, 2007). 5

13 1.5. Cadeia de Valor do Software A criação de um novo software decorre de uma demanda de mercado identificada, seja ela decorrente de uma necessidade colocada pelo cliente ou a partir de uma pesquisa de oportunidade feita pela empresa desenvolvedora de software. As grandes etapas compreendidas pelo ciclo de vida do software são: desenvolvimento, distribuição e comercialização, implantação e treinamento (Gutierrez, 2007). O desenvolvimento do software, por sua vez, é composto por cinco atividades: 1. Levantamento de requisitos, concepção do produto e especificação. 2. Projeto de arquitetura do software e da infra-estrutura necessária. 3. Programação ou codificação do software. 4. Verificação da qualidade e testes do software. 5. Homologação e elaboração de documentação para o usuário. Para a realização do desenvolvimento, é necessário que a empresa possua um ambiente propício para a implementação dos programas, com toda a infra-estrutura de equipamentos, conexões a rede e links telefônicos. A mão-de-obra deve ser qualificada, treinada nas metodologias a serem utilizadas no trabalho e eventualmente o processo de desenvolvimento da empresa deve ser certificado. Uma vez implantado, o sistema requer gastos contínuos com: atendimento e suporte ao cliente; fornecimento, suporte e manutenção de infra-estrutura; manutenção e evolução do produto. Na cadeia do software existem as empresas de produtos, serviços ou grandes usuárias de serviços de TI que muitas vezes possuem suas próprias equipes internas. As empresas podem ocupar uma ou mais classificações simultaneamente. A figura seguinte descreve a cadeia de valor do software anteriormente descrita (Gutierrez, 2007). 6

14 Figura 1.1: Cadeia de Valor do Software 1.6. A Importância do Setor de Software Em entrevista, o historiador econômico americano David Landes, autor de A Riqueza e a Pobreza das Nações afirma que:... estamos assistindo a uma mudança profunda. Os países que tiverem a oportunidade de não apenas usar, mas também de melhorar as novas tecnologias estarão em posição de vantagem na Nova Economia. Foi essa capacidade que salvou os Estados Unidos depois de anos de estagnação. Os Estados Unidos apostaram na importância do que chamamos de software. O hardware é muito importante. Mas creio que a longo prazo é o software que vai dominar. Qualquer um pode aprender como fazer um computador. Ou você pode importar uma fábrica de hardware correndo o risco de que ela se mude para o vizinho se ele oferecer trabalho mais barato... Por isso, é na área do software que os novos países devem fazer suas apostas atualmente 2. Assiste-se no início do século XXI uma transição econômica importante: a mudança de uma sociedade industrial para uma sociedade da informação ou do conhecimento. Dentro desse novo paradigma de organização social, a indústria de software surge como um importante eixo estruturante. 2 Landes, D. Entrevista concedida às páginas amarelas da Revista Veja, 22/03/

15 A indústria de software tem como característica geral a predominância de pequenas empresas. Essas empresas podem ser criadas em quaisquer regiões que possuam os requisitos básicos para sua formação, sem a necessidade de um maciço investimento de capital, bastando para isso ter um conjunto de pessoas qualificadas, alguns computadores e conexão à Internet (Araújo, et al., 2004). Por ser uma indústria relativamente recente, o software até pouco tempo era visto como um sub-componente do setor de TI. A percepção da importância do software tem crescido nas últimas décadas. Esse aumento do interesse pelo setor decorre não somente do tamanho do setor, mas também de sua taxa de crescimento e de sua contribuição para os ganhos de produtividade (Filho, et al., 2006). Na figura a seguir estão identificados os principais competidores do Brasil no mercado mundial de software e serviços de TI. A estatística compõe os dados de mercado doméstico e exportações. É possível identificar que o Canadá possui um grande mercado doméstico e uma quantidade significativa de exportações. Por outro lado, Irlanda e Índia possuem volumes de exportações muito maiores do que seus próprios mercados domésticos. Por fim, China e Brasil possuem fortes mercados internos, mas volumes de exportações que ainda não são significativos comparativamente com outros países do mundo. Figura 1.2: Mercados de software e serviços de TI em 2003 (US$ Milhões) Fonte: (A. T. Kearney, 2005) Em estudo sobre o impacto da gestão nos resultados das empresas brasileiras de software, Kubota (2007) identificou como uma das variáveis de seu estudo, a importância do perfil exportador para o resultado financeiro dessas organizações. O estudo identifica a existência de quatro grupos de empresas: i) formais, caracterizadas por serem de médio e grande porte, com baixa desempenho percebido e rentabilidade; 8

16 ii) pioneiras, possuem o segundo melhor desempenho percebido, o melhor desempenho exportador, a maior rentabilidade média e menor nível de contratação de sua força de trabalho via cooperativas ou pessoas jurídicas ; iii) desorganizadas, identificadas por empresas de pequeno porte, com avaliações menos positivas nos itens de gestão e resultados percebidos e desempenho mediano no critério de rentabilidade e iv) líderes, caracterizado por empresas de médio e grande porte, com rentabilidade mediana e avaliações positivas nos critérios de gestão. Em uma das conclusões, o autor do estudo identifica que o desempenho exportador contribui positiva e significativamente para a rentabilidade da empresa (Kubota, 2007). 9

17 Capítulo II Revisão de Literatura 10

18 Capítulo II REVISÃO DE LITERATURA 2.1. A INDÚSTRIA DE SOFTWARE A Indústria de Software no Mundo Durante os anos 1990, vários países de economia emergente desenvolveram indústria de software de proporções relevantes. Em 2001, havia vários países cujas receitas geradas por essa indústria localizavam-se entre US$ 7 e US$ 10 bilhões, incluindo Brasil, China, Coréia do Sul, Índia, Irlanda e Israel. Os três últimos, muitas vezes denominados por 3 I s destacam-se pelo rápido crescimento de suas indústrias e a alta participação das exportações nesse total. Brasil e China também registraram taxas de crescimento de dois dígitos em geração de receitas na década de 1990, mas amplamente ancorados em uma grande demanda de seus mercados domésticos ao invés de exportações para mercados mais dinâmicos (Arora, et al., 2005). A indústria de software tem sido responsável por aproximadamente 50% da indústria de Tecnologia da Informação (TI) (Arora, et al., 2001). Muito se disse sobre o surgimento da nova economia no início dos anos Por ser essa uma indústria altamente demandante de mão-de-obra com elevado grau educacional e de especialização, ela teria um potencial de modificar a forma com a qual seria gerada a riqueza das nações. Nessa nova forma de organização econômica, os principais recursos não seriam mais as máquinas, as terras ou o capital, mas sim a posse da informação e o preparo para atuação segundo esse novo paradigma de criação de riqueza. A produção de software constitui-se em mais do que mais um segmento econômico, representa o bem intermediário central na nova economia digital. Seu papel é análogo a aquele desempenhado pelos bens de capital em uma economia baseada em tecnologias mecânicas. Assim como os bens de capital, o software é caracterizado por um grande número de fornecedores especializados (serviços). Colocado de outra forma, a quantidade de empresas que produzem software ou empregam programadores é maior do que o número de firmas que normalmente se denominam empresas de software (Arora, et al., 2005). A indústria de software vem despertando muito interesse em estudos recentes, pois é uma indústria típica de países desenvolvidos. Contudo, alguns países em desenvolvimento tão díspares tão Índia, Irlanda, Israel (os 3 I s) ou mais recentemente Brasil e China vêm logrando sucesso em aumentar seus volumes exportados. Muitos desses países que vêm dedicando esforços e utilizando essa indústria para queimar 11

19 etapas no processo de desenvolver capacitações industriais e criar novas empresas baseadas no conhecimento. Por conseqüência, eles vêem aumentada a possibilidade da geração de exportações de alto valor agregado. A tabela seguinte demonstra a partir de alguns números a importância da indústria de software para esses países. Esses números trazem consigo algumas observações relevantes a serem feitas: A indústria de software é dominada pelas grandes nações desenvolvidas como EUA, Alemanha ou Japão. Não há uma relação direta entre os tamanhos dos mercados e o volume de exportações. A indústria de software representa, na média, algo entre 1% e 2% da economia da maioria dos países, com proporções mais elevadas tipicamente associadas às economias dos países mais desenvolvidos. Em alguns países em desenvolvimento, particularmente Israel e Irlanda, a País indústria de software é representada por uma participação desproporcional de suas economias. Vendas (10 6 US$) Exportações (10 6 US$) Empregados Vendas / PIB Índice de desenvolvimento da indústria a Índice de desenvolvimento da indústria doméstica b EUA** n/d ,0% 0,5 0,5 Japão* ,0% 0,8 0,8 Alemanha n/d ,2% 0,9 0,9 Reino Unido n/d n/d 1,0% 0,4 0,5 Índia ,7% 7,8 1,9 Brasil ,5% 2,2 2,2 Coréia n/d 1,8% 1,1 1,1 Irlanda / 3.500# ,4% 3,4 0,5 China ,6% 1,8 1,7 Espanha* n/d ,7% 0,4 0,4 Taiwan* n/d 1,2% 0,7 0,6 Israel* ,4% 1,8 0,5 Finlândia ,6% 0,7 0,6 Cingapura n/d 1,9% 0,7 0,5 Argentina* ,5% 0,4 0,4 México <1.000 n/d n/d <0,2% 0,2 0,2 Tabela 2.1: Mercado de software em alguns países selecionados em

20 Fonte: Adaptado de (Veloso, et al., 2003); n/d não disponível; * 2000; ** 2002; a Vendas divididas pelo tamanho da economia, medida pelo PIB, e seu nível de desenvolvimento medido pelo PIB per capita; b Mesmo que o índice anterior, mas considerando somente as vendas domésticas; # O segundo número exclui as exportações da Microsoft no país; Comparar o tamanho absoluto da indústria de software, ou até mesmo seu tamanho relativo ao PIB, contudo não demonstra precisamente o nível de sofisticação ou desenvolvimento desse segmento econômico. Dessa forma, a quinta coluna da tabela anterior fornece o índice de desenvolvimento da indústria que é calculado dividindo as receitas da indústria pelo PIB (para contabilizar seu tamanho) e então pelo PIB per capita (para contabilizar seu nível de desenvolvimento), e então multiplicado por um milhão por propósitos de normalização. Por fim, a última coluna descreve o mesmo cálculo, mas somente para a participação das vendas em relação ao mercado doméstico (Veloso, et al., 2003). Os valores desses índices sugerem que: Há uma forte proeminência dos três I s (Irlanda, Israel e Índia) confirmando o interesse que tem sido dedicado no estudo da indústria de software desses países e suas capacitações. China e Brasil demonstram uma forte evidência de um setor relativamente desenvolvido com valores elevados para o índice de desenvolvimento da indústria. O Brasil desenvolveu um mercado de software relativamente forte dado seu nível de desenvolvimento econômico quando comparado a outras economias listadas na tabela, seguido por Índia e China. Nas décadas de 1970, 1980, sob inspiração dos estudos cepalinos 3, vários países envidaram esforços para desenvolver diversos segmentos industriais de suas economias através de uma política de substituição de importações. Nesse contexto encontraram-se uma grande parte dos países latino-americanos, Espanha e alguns países do Sudeste Asiático. Países tão distintos quanto Brasil e Índia tentaram 3 A CEPAL é um organismo da ONU dedicado a estudos econômicos sobre a América Latina. Tal organismo teve influência destacada nas políticas econômicas dos governantes latinos, principalmente nas décadas de 1950, 1960 e 1970, através da sugestão da política de substituição de importações como forma de promover a rápida industrialização desses países. Os principais mentores intelectuais de tais políticas foram o argentino Raúl Presbisch e o brasileiro Celso Furtado. Os estudos de Celso Furtado constituíram a base para o Plano de Metas executado durante a gestão de Juscelino Kubitscheck como presidente do Brasil. 13

21 desenvolver suas indústrias de informática com um grande foco na produção industrial de hardware. As políticas de Índia e Brasil implementadas respectivamente nas décadas de 1970 e 1980 proibiam a importação de equipamentos de informática e protegia os produtores locais com elevadas tarifas de importação. Mas a política indiana possuía uma pequena exceção que possivelmente tenha constituído a semente o desenvolvimento de uma sólida indústria de software e uma futura elevada diferença nos desempenhos exportadores de ambos os países. Em 1972, o Governo Indiano instituiu um esquema de exportação de software que permitia a importação de hardware desde que fossem utilizados estritamente com propósitos de desenvolvimento de software (Veloso, et al., 2003). Brasil e México representam respectivamente as duas maiores economias da América Latina. Ambos os países, buscaram desenvolver suas indústrias de informática através de proteção contra a concorrência estrangeira seguindo a linha cepalina. Ambos os países introduziram na década de 1990 medidas liberalizantes com o propósito de aumentar a competição nesse setor. Mas a partir de então, cada um dos países tomou caminhos distintos na abertura de seus mercados. Dada a sua pluralidade políticopartidária, o Brasil tendeu a implementar medidas para liberalizar gradualmente seu mercado, substituindo a proteção da indústria com uma política ativa de promoção desse segmento. Por outro lado, o México decidiu adotar políticas do tipo laissez faire. Em decorrência dessas diferentes abordagens utilizadas pelos governos desses países, o Brasil logrou mais sucesso em constituir em uma indústria de informática de maior porte do que aquela identificada em seu congênere mexicano (Dedrick, et al., 2001). Na área de informática, ocorreu ao longo dos anos, uma divisão internacional do trabalho que nos remete a divisão industrial anterior colocada em termos de centro e periferia. No âmbito da indústria de informática, os países desenvolvidos (centro), em geral, se especializaram na fabricação de hardware e software, enquanto que os países em desenvolvimento (periferia) se especializaram no último (MDIC, 2002). A empresa de consultoria norte-americana AT Kearney desenvolveu um índice que mede a atratividade de cada um dos principais países no mercado de TI. Na versão mais recente desse índice de 2005, o Brasil saltou do décimo para o quinto lugar. A figura a seguir descreve o indicador denominado Global Off-shoring Attractiveness Index. 14

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Agosto / 2008 1 Definições:

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão 5 Conclusão A partir deste estudo, foi possível observar como as teorias de internacionalização puderam explicar diferentes aspectos da expansão para a China das empresas estudadas. A teoria Poder de Mercado

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global

BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global TENDÊNCIAS GLOBAIS DO SETOR DE TI-BPO 2 Empregos no Setor Milhões de Pessoas Ocupadas (1) Vendas do Setor Gasto em TIC no Brasil - USD Bi, 2008 (2) 11.7 100.3

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR

A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR Prefácio As indústrias estão deixando de

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008

Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008 Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008 Os interesses empresariais brasileiros na América do Sul Os interesses empresariais

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009 Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil 6 de outubro de 2009 1 Agenda Estado da Indústria Nacional de Informática Estímulos à Indústria Nacional

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs

Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Parcerias Tecnológicas e Inovação nas PMEs Eng. Fabián Yaksic Presidente do IPD Eletron Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Complexo Eletroeletrônico e Tecnologia da Informação Associação

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas Estudo realizado em parceria com a Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados - USP. Senado Federal Comissão de infra-estrutura Brasília, 10.08.

Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados - USP. Senado Federal Comissão de infra-estrutura Brasília, 10.08. No mundo mundo de hoje, é preciso preciso correr muito pra ficar no mesmo mesmo lugar. (Rainha (Rainha Vermelha Vermelha para a Alice) Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro.

Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro. ASSUNTO em pauta O BRIC em números P o r Sérgio Pio Bernardes Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro. É Smuito

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais