Catálogo Seja a semente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Catálogo 2013. Seja a semente."

Transcrição

1 Catálogo 2013 Seja a semente.

2 Características dos híbridos de MILHO MARCA PIONEER HÍBRIDOS FAO FLORAÇÃO INTEGRAL TÉRMICA MATURAÇÃO SILAGEM POPULAÇÃO RECOMENDADA VIGOR À NASCENÇA RESPOSTA ÀS DENSIDADES BAIXAS ALTAS APTIDÃO PARA SILAGEM VERDOR À MATURAÇÃO RAPIDEZ DE SECAGEM PESO ESPECÍFICO TOLERÂNCIA À PIRALE / SESAMIA RENDIMENTO NA CLASSE APTIDÃO P Grão/Silo P Grão P1517W (BRANCO) Grão Branco PR32B10 (BRANCO) Grão Branco PR32T Grão/Silo PR33D Grão/Silo(BT) PR33Y Grão/Silo PR33Y Grão/Silo(BT) PR32F Silo PR32W Silo PR33A Grão P Grão/Silo P0725Y Grão/Silo(BT) P Grão PR34A Grão(BT) PR34P Grão PR34B Silo PR35A Grão/Silo PR35A Grão/Silo(BT) PR35T Silo P Silo P Grão/Silo PR36V Grão/Silo(BT) PR36K Silo P Grão/Silo PR38A Grão PR38N Grão PR36Y03 (FLINT) Grão Flint PR38Y34 (FLINT) Grão Flint LAMBADA (FLINT) Grão Flint

3 Alberto Ojembarrena

4

5 milho híbrido

6 YieldGard é uma marca registada usada com licença da marca Monsanto. CRUISER é uma marca registada da SYNGENTA AG, Basileia, Suíça. PONCHO é uma marca registada da Bayer Ag, Germany. Mesurol é uma marca registada da Bayer Ag, Germany.

7 FAO CRM 115 P , um número com responsabilidade Destaca-se pelo: * Grande potencial produtivo. * Muito boa tolerância a Cephalosporium e ao vírus do nó curto (MRDV). * Muito boa qualidade do grão, associada a um peso especifico elevado. Híbrido de dupla aptidão com porte médio alto e a inserção da espiga médio-alta. Planta com folhas erectas e bom verdor final à maturação fisiológica. Espiga com elevado número de carreiras e de floração indeterminada! Variedade especialmente adaptada a zonas de altas temperaturas e a altas densidade de sementeira. CRM 115 À floração: 114 À maturação: 115 À colheita: 115 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido

8 FAO CRM 115 P1543 Destaca-se pelo: * Potencial produtivo. * Qualidade do grão. * Tolerância a doenças da folha. Notável vigor de nascença. Planta de porte médio/alto com inserção equilibrada da espiga. Planta com folhas muito erectas e de caule e raízes muito consistentes. Grão muito colorido, de altíssima qualidade e de elevado peso específico. Variedade muito tolerante ao helmintosporium, ao fusário da espiga e à broca do milho, o que se traduz numa elevada qualidade final, do grão. Bom verdor final à maturação fisiológica. Variedade especialmente indicada para a produção de pastone, graças à sua elevada densidade e à sua elevada concentração energética. CRM 115 À floração: 114 À maturação: 115 À colheita: 115 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido

9 FAO CRM 115 P1517W branco Destaca-se pelo: * Elevado potencial produtivo. * Qualidade do grão. * Tolerância ao stress hídrico. Planta de porte alto com inserção da espiga relativamente elevada. Planta com caule e raízes muito consistentes. Grão branco e de elevado peso especifico. Notável tolerância ao stress hídrico Bom verdor final à maturação fisiológica. Rápida perda de humidade do grão após a maturação fisiológica. CRM 115 À floração: 116 À maturação: 115 À colheita: 115 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido

10 FAO CRM 115 PR32B10 branco Características Ciclo FAO 600. Planta média-alta com inserção da maçaroca a meia altura da planta. Rápido crescimento inicial. Floração média na sua classe de maturação. Elevado verdor final da planta, sinónimo de sua sanidade no final do ciclo. Muito elevado potencial produtivo. Grão de elevado peso específico com excepcional qualidade do grão. FAO CRM 114 PR32F73 Características Ciclo FAO 600. Planta com uma estatura média alta com inserção de espiga média-baixa. A boa qualidade dos seus caules e raízes permite-lhe uma boa tolerância à acama fisiológica. A sua alta capacidade de produção de grão no seu ciclo permite obter uma silagem de muito alta qualidade nutricional. Alta sanidade final resultado da sua boa tolerância às principais doenças do milho. milho híbrido

11 FAO CRM 115 PR32T16 / PR33D48 * Características Ciclo FAO 600. Planta de estatura média com inserção equilibrada da maçaroca. Crescimento inicial muito vigoroso. Floração normal do seu ciclo. Período de enchimento do grão relativamente lento mas com perda de humidade final rápida. Muito boa sanidade final que resulta da sua muito boa tolerância aos fungos endémicos da cultura. Razões para semear PR32T16 e PR33D48 O seu alto potencial produtivo com uma excelente qualidade de grão. Boa adaptação a diferentes maneios da cultura em consequência da sua muito alta tolerância ao stress hídrico. Boa tolerância a viroses e a fungos do solo. Responde muito bem ao investimento em populações altas de plantas por hectare. CRM 115 À floração: 116 À maturação: 115 À colheita: 115 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido * PR33D48 - Variedade geneticamente modificada, protegida contra a broca do milho.

12 FAO CRM 115 PR33Y74 / PR33Y72* Características Ciclo FAO 600. Uma Nova Genética com um potencial produtivo muito elevado que poderá tornar possível e economicamente compensador um investimento significativo na cultura do milho. Com um bom maneio da cultura reproduz muito elevado rendimento em grão. Alta produção de grão nos diferentes ambientes de cultura demonstou a sua grande regularidade. Por isso, foi classificado como híbrido Valor Seguro na nossa rede de ensaios. A precocidade da sua floração permite uma sementeira em parceria com outros híbridos. Razões para semear PR33Y74 e PR33Y72 A confiança do nome Pioneer e dos resultados da Rede de Ensaios Pioneer. A necessidade cada vez mais importante de semear diferentes genéticas na exploração, como forma de diminuir o risco da cultura. O seu alto potencial produtivo na classe de maturação, FAO 600. A sua capacidade de manter o alto rendimento em diferentes ambientes e maneio da cultura. A sua dupla aptidão, grão e silagem. CRM 115 À floração: 114 À maturação: 115 À colheita: 115 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe * PR33Y72 - Variedade geneticamente modificada, protegida contra a broca do milho. milho híbrido

13 FAO CRM 113 PR32W86 Características Ciclo FAO 600. Planta muito alta, com uma inserção média-alta da espiga, que corresponde a uma produção em verde muito alta. Elevado vigor de crescimento inicial que conduz a um rápido estabelecimento da cultura. Floração média-tardia na classe, mas com um período curto desta fase à colheita para silagem. Potencial produtivo de grão muito alto, especialmente em condições de bom maneio da cultura, que reproduz uma muito alta qualidade de silagem. Sanidade final à colheita muito boa, demonstrada pelo seu verdor nesta fase. FAO CRM 111 Características PR33A46 Ciclo FAO 600 (precoce) Potencial produtivo muito elevado para que os agricultores mais profissionais consigam as altas produções que economicamente correspondam ao seu investimento na cultura. PR33A46 com bom maneio da cultura produz alto rendimento em grão. Precocidade no Ciclo, que quando devidamente combinado com outros híbridos permite uma organização escalonada das colheitas, tornando possível que todas elas se processem na humidade recomendada de 24-22% de humidade, na qual se obtêm os melhores rendimentos finais da cultura do milho sobretudo na sua relação custo/benefício da cultura. PR33A46 permite uma colheita mais precoce no ciclo FAO 600 porque tem um período de secagem do grão curto depois da maturação fisiológica. Regularidade de Rendimento, porque através da nossa experimentação ao longo do país, em diferentes agricultores com diferentes modos culturais, diferentes tipos de solos, com diferentes datas de sementeiras, verificámos que o híbrido PR33A46 normalmente se destacou no rendimento final de grão. Estes resultados indicam que o híbrido PR33A46 tem uma característica de rusticidade na sua adaptação a diferentes ambientes de cultura. milho híbrido

14 FAO CRM 110 P0725 / P0725Y* Destaca-se pelo: * Elevado potencial produtivo em todas as condições. * Muito boa tolerância ao morrão da bandeira e fungos na Espiga. * Qualidade e sanidade do grão. * Vigor de nascença. Planta de porte alto com inserção média/alta da espiga. Planta com folhas muito erectas e um excelente verdor final à maturação. Espiga com tendência a abrir as brácteas no final do ciclo, facilitando a perda de humidade do grão. Grande sanidade, tanto no caule como na espiga, com muita boa tolerância a fungos no grão. Grão com muito bom peso específico e com alguma tendência ao aparecimento de estrias avermelhadas. Variedade destinada tanto para zonas de elevado potencial produtivo, como para zonas onde se preveja stress hídrico. Variedade baptizada como Optimum AQUAmaxTM (variedades desenvolvidas e testadas para oferecer uma vantagem competitiva em ambientes com limitação de recursos hídricos). Estes híbridos foram obtidos por melhoramento genético convencional com a introdução de genes específicos que melhoram a eficiência na utilização da água. CRM 110 À floração: 106 À maturação: 108 À colheita: 110 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe * P0725Y - Variedade geneticamente modificada, protegida contra a broca do milho. milho híbrido

15 FAO CRM 110 P1114 / PR34A27 * Características Classe FAO 500. Planta de estatura média baixa com inserção equilibrada da maçaroca. Caules e raízes muito consistentes que lhe conferem uma muito boa resistência à acama fisiológica. Floração relativamente precoce no seu ciclo. Boa qualidade do grão com elevado peso específico. Razões para semear P1114 e PR34A27 Excelente rendimento final de grão. Sanidade final e resistência a viroses. A possibilidade de manter altos rendimentos em diferentes ambientes da cultura. Uma estratégia de semear diferentes genéticas para diminuir os riscos da cultura. CRM 110 À floração: 108 À maturação: 110 À colheita: 110 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido * PR32A27 - Variedade geneticamente modificada, protegida contra a broca do milho.

16 FAO CRM 110 PR34P88 Características Ciclo FAO 500. Planta de estatura média com inserção da espiga a meia altura da planta. Vigor inicial de crescimento elevado. Caules e raízes muito consistentes. Floração média precoce na sua classe. Espiga com tendência para formar um número elevado de carreiras. Período de secagem do grão muito curto. FAO CRM 109 PR34B39 Características Ciclo FAO 500. Planta de estatura média alta, com a inserção de espiga equilibrada. Muito forte crescimento da planta na fase inicial de desenvolvimento da cultura. Espiga com tendência a formar um elevado número de carreias de grão. Relação muito alta peso da espiga/planta. Muito boa tolerância às principais doenças da folha, que se expressa num alto verdor final da planta à colheita. milho híbrido

17 FAO CRM 107 PR35A52 / PR35A56 * Características Ciclo FAO 500 (precoce). Bom vigor de crescimento inicial. Planta de altura média com inserção equilibrada da espiga. Raízes e caules muito consistentes. Excelente verdor final, consequência da elevada sanidade da planta. Razões para semear PR35A52 e PR35A56 Excelente adaptação a diferentes ambientes. Regularidade do rendimento final. Precocidade na sua classe mostra uma boa aliança entre o rendimento e a humidade final. CRM 107 À floração: 104 À maturação: 107 À colheita: 107 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido * PR35A56 - Variedade geneticamente modificada, protegida contra a broca do milho.

18 FAO CRM 106 PR35T36 Características Planta com bom vigor inicial Planta consistente com uma inserção equilibrada da espiga Híbrido muito precoce à floração para o seu ciclo Grande capacidade de compensar as baixas densidades Significativa tolerância ao stress hídrico Boa qualidade de grão associada a um elevado peso especifico Razões para semear PR35T36 Híbrido de dupla aptidão A sua capacidade de adaptação aos mais variados ambientes culturais Tolerância ao helmintosporium O elevado potencial produtivo CRM 106 À floração: 106 À maturação: 106 À colheita: 105 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido

19 FAO CRM 104 P0319 Destaca-se pelo: * Seu potencial produtivo. * Qualidade da silagem. * Porte da planta. Muito bom vigor de nascença Planta de porte alto com inserção média da espiga. Excelente potencial produtivo em silagem. Garantia de bons parâmetros técnicos da silagem produzida. Excelente relação espiga/planta Bom verdor final, fruto da boa sanidade de planta Grande consistência de caule e raiz. Boa tolerância ao helmintosporium. Variedade com boa resposta a altas densidades de sementeira CRM 104 À floração: 103 À maturação: 103 À colheita: 104 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido

20 FAO CRM 103 P0222 Destaca-se pelo: * Seu potencial produtivo. * A sua dupla aptidão Grão/Silagem. * A sua sanidade de espiga. Híbrido de porte alto com inserção média de espiga. Excelente potencial produtivo. Excelente vigor de nascença. Caule robusto. Secagem muito rápida do grão, após a maturação fisiológica. Excelente comportamento em zonas de elevado potencial produtivo. CRM 103 À floração: 102 À maturação: 103 À colheita: 103 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido

21 FAO CRM 103 PR36V78 * Destaca-se pelo: * Potencial produtivo. * Vigor de nascença. * Protecção Bt (OGM). Planta com muito bom vigor de nascença, caule robusto e resistente, que permite colheitas tardias garantindo a estabilidade da planta. Desenvolve uma espiga com elevado número de carreiras, que graças à sua elasticidade consegue compensar as baixas densidades de plantas. Grão de bom calibre e de grande rapidez de secagem após a maturação fisiológica. É um híbrido Bt que contém o evento MON810 (YieldGard), que lhe confere a protecção contra a broca do milho durante todo o ciclo da cultura. CRM 103 À floração: 103 À maturação: 102 À colheita: 103 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe * PR36V78 - Variedade geneticamente modificada, protegida contra a broca do milho. milho híbrido

22 FAO CRM 102 P0216 Destaca-se pelo: * Seu potencial produtivo. * A sua tolerância ao stress hídrico. * A sua qualidade de grão. Híbrido de porte médio-alto, com inserção médio-alta da espiga. Ciclo similar a PR36V74 e P0222, mas com uma tendência de secagem do grão mais rápida. Espiga de grande diâmetro, com uma aparência similar a PR35A52. Grande capacidade de compensação das baixas densidades de plantas, ao nível da espiga. Grãos de grande calibre, com tendência a ter estrias vermelhas no ápice. Variedade destinada tanto para zonas de alto potencial produtivo como em zonas onde se preveja stress hídrico, em particular, no final do ciclo. CRM 102 À floração: 103 À maturação: 103 À colheita: 102 CRM População recomendada: plantas/ha Vigor à nascença Resposta às densidades baixas Resposta às densidades altas Peso específico Rendimento na classe milho híbrido

23 FAO CRM 103 PR36K67 Características Planta de estatura alta com posicionamento da espiga média alta. Caules e raízes muito fortes que lhe conferem consistência apesar da altura de planta. Bom vigor de nascença. Floração média na sua classe FAO. Boa sanidade final da planta. FAO CRM 96 PR38A24 Características Ciclo FAO 300. Planta com uma estatura média baixa com baixa inserção da espiga. Caules fortes com um bom sistema radicular. Floração média no seu ciclo, mas com um período de enchimento de grão curto. Bom peso específico induzido pela boa vitreosidade do grão. Muito boa adaptação a diferentes ambientes de cultura. milho híbrido

24 FAO CRM 94 PR38N86 Características Ciclo FAO 300. Bom vigor de emergência e correspondente crescimento inicial. Planta de estatura média, com inserção média- -alta da espiga. Sistema radicular muito forte, o que lhe confere uma boa tolerância à acama fisiológica. Bom peso específico, induzido pela sua vitreosidade. FAO CRM 90 PR36Y03 flint Características Ciclo FAO 300. Forte crescimento inicial e correspondente vigor de emergência. Planta de estatura média, com inserção média- -alta da espiga. Sistema radicular muito forte, o que lhe confere uma boa tolerância à acama fisiológica. Bom peso específico, induzido pela sua vitreosidade. milho híbrido

25 FAO CRM 83 PR38Y34 flint Características Ciclo FAO 200 (precoce). Vigor de crescimento inicial muito elevado. Planta de estatura média, com inserção média-alta da espiga. Caules muito consistentes conferem-lhe uma boa resistência à acama fisiológica. Excelente tolerância às principais doenças da cultura do milho. Grão de coloração alaranjada que lhe confere a classificação de Flint. FAO CRM 82 LAMBADA flint Características Ciclo FAO 200 (muito precoce). Muito bom vigor de emergência. Planta de estatura média com inserção da espiga a meia altura. Caules e raízes muito consistentes. Grão de pequena dimensão e com alta vitreosidade (Flint). Boa tolerância a doenças da folha e ao morrão. Muito boa adaptação a altas densidades de sementeira. milho híbrido

26

27 Inoculantes Pioneer O resultado do trabalho dos cientistas de Microbiologia da Pioneer foi a selecção de uma nova bactéria Lactobacillus buchneri, patenteada pela Pioneer Internacional, que em conjunto com a já conhecida Lactobacillus plantarum, confere aos inoculantes uma dupla eficiência em todo o processo de fermentação e conservação da silagem. inoculantes

28 Inoculantes Pioneer oferecem escolha Inoculantes específicos para cada cultura Estripes próprias e pantenteadas Silagem de Milho Silagem de Erva Silagem de Luzerna Fenos de Gramíneas e Leguminosas Pastone Multi-forragens Corn Fiber Technology 11CFT 11C33 11G22 Grass Fiber Technology 11GFT 11H50 Alfalfa Fiber Technology 11AFT B91 11A44 Aspectos chave e benefícios Reduz perdas de Matéria Seca, aumenta a Estabilidade Aeróbica e aumenta a Digestibilidade da Fibra (NDF). Reduz perdas de Matéria Seca, aumenta a Estabilidade Aeróbica, ideal para primeiros silos pelo curto período de fermentação que necessita. Melhora a qualidade da silagem, ao levar a um ph terminal baixo e um perfil fermentativo adequado a baixas perdas na fermentação e aumenta a estabilidade aeróbica. Reduz perdas de Matéria Seca, aumenta a Estabilidade Aeróbica e aumenta a Digestibilidade da Fibra (NDF). Promove uma fermentação mais rápida e eficiente, reduz as perdas de Matéria Seca, reduz a transformação de azoto em azoto amoniacal, aumentando a qualidade da proteína, aumenta a estabilidade aeróbica. Reduz perdas de Matéria Seca, aumenta a Estabilidade Aeróbica e aumenta a Digestibilidade da Fibra (NDF). Específico para feno. Diminui o risco de factores climatéricos na pré fenação, permite enfardar com maior teor de humidade, aumentando a sua qualidade. Diminui as perdas de Matéria Seca. Reduz as perdas de Matéria Seca, reduz o aquecimento, aumenta a estabilidade aeróbica, aumenta a qualidade do pastone, e reduz a percentagem de fungos e leveduras. O único Inoculante multi culturas. Constituído apenas por L. buchneri, este inoculante está especialmente direccionado para eliminar problemas de instabilidade aeróbica. Melhora fermentação Aumenta Estabilidade Aeróbica Aumenta a qualidade nutricional da silagem Aumenta a digestibilidade DI 7 da fibra Escala 1 a 9-9 = Excepcional; 1 = Mau; DI = Dados Insuficientes; - Não aplicável

29 A Tecnologia da Fibra agora também na Silagem de Luzerna! O 11AFT é um Inoculante desenvolvido pela Pioneer, específico para silagem de luzerna, que: Aumenta a Digestibilidade da Fibra (NDFD). Aumenta a Densidade Energética da forragem, ajudando à redução da incorporação de concentrados. Melhora a fermentação da silagem de luzerna O 11AFT contém uma bactéria patenteada de Lactobacillus buchneri que: Produz enzimas que digerem a fibra, à medida que se replica na silagem. Reduz as perdas de Matéria Seca e aumenta a Estabilidade Aeróbica da silagem O 11AFT também contém bactérias patenteadas de Lactobacillus plantarum, exclusivas para luzerna, formuladas para: Estimular a fermentação inicial através de uma rápida descida do ph, auxiliando a preservação de nutrientes valiosos (açúcar, amido). Reduzir a degradação da proteína. Reduzir custos da alimentação, pela diminuição da necessidade de suplementação com proteína bypass. A Investigação em animais demonstra a eficiência do 11AFT em aumentar a Digestibilidade da Fibra Digestibilidade Ruminal in situ da Silagem de Luzerna Control 11AFT 45,13 NDFD (48hr) 51,09 Fonte: Pioneer Livestock Nutrition Center, Iowa Control 52 11AFT Impacto na dieta com o 48 11AFT ,13 46 Dieta 42 original formulada para 40 kg de Custo produção ( /kg) Total de Redução leite/dia, de soja em contendo 8 kgs de silagem de luzerna. A redução do custo de alimentação é efec- NDFD 300g(48hr) NDFD (48hr) 0,5 0,15 Custo Fonte: de tratamento Pioneer Livestock com Nutrition 11AFT de Center, 8 kg Iowa de Silagem de luzerna Fonte: Pioneer Livestock Nutrition Center, Iowa tuada pela diminuição da suplementação 0,0019 com 0,0152 (11AFT - 0,0019 /kg Silagem) soja, mantendo os níveis de Energia e Proteína Custo adicional de aumentar 650 g na silagem de luzerna AFT 0,061 0,0397 Metabolizável, para os níveis originais. GANHO LÍQUIDO (ROI) Redução de soja em 300g 51,09 Custo de tratamento com 11AFT de 8 kg de Silagem de luzerna (11AFT - 0,0019 /kg Silagem) Control 11AFT 47,53 NDFD (48hr) 49,13 Fonte: Pioneer Livestock Nutrition Center, Iowa Control 50 11AFT ,53 49,13 0,10 /vaca/dia Custo ( /kg) Total 0,5 0,15 0,0019 0,0152 Custo adicional de aumentar 650 g na silagem de luzerna AFT 0,061 0,0397 GANHO LÍQUIDO (ROI) 0,10 /vaca/dia inoculantes

30 A Tecnologia da Fibra agora também na Silagem de Luzerna! O 11GFT é um Inoculante desenvolvido pela Pioneer, específico para silagem de erva e cereais, que: Aumenta a Digestibilidade da Fibra (NDFD). Aumenta a Densidade Energética da forragem, ajudando à redução da incorporação de concentrados. Melhora a fermentação da silagem de erva e cereais, aumentando também a sua estabilidade aeróbica. O 11GFT contém uma bactéria patenteada de Lactobacillus buchneri que: Produz enzimas que digerem a fibra, à medida que se replica na silagem. Reduz as perdas de Matéria Seca e aumenta a Estabilidade Aeróbica da silagem O 11GFT também contém bactérias patenteadas de Lactobacillus casei e Lactobacillus plantarum, formuladas para: Estimular a fermentação inicial através de uma rápida descida do ph, auxiliando a preservação de nutrientes valiosos (açúcar, amido). Permite reduzir custos da alimentação, pela redução da suplementação energética e proteica. % A Investigação em animais demonstra a eficiência do 11GFT em aumentar a Digestibilidade da Fibra Control 65 Control 11GFT 45 11GFT Control 65 Control Fonte: Chamber of Agriculture Schleswig-Holstein, Alemanha Fonte: Pioneer Livestock Nutrition Center, Iowa 11GFT % % 11GFT Control % % Aumento 500 da 11GFT Estabilidade Aeróbica, resultando em menor 45 aquecimento Fonte: Fonte: Chamber of Agriculture Schleswig-Holstein, Alemanha Fonte: Chamber of Agriculture Schleswig-Holstein, Control Alemanha GFT Grass* Control GFT Performence Leiteira com 11GFT Control 33, GFT 33 Grass* Fonte: Pioneer Livestock Nutrition Center, Iowa Performence Leiteira com Grass* 11GFT Barley** ,8 34 Aumento da Performance 82 Animal 32,5 31,5 30,5 33, , , ,5 31, ,5 30, ,5 29, , ,5 Horas até Horas aquecimento até aquecimento Horas até aquecimento Control 11GFT ,5 Produção de Leite (Kg/dia) ,8 Produção de Leite (Kg/dia) FCM % Control 11GFT Performence Leiteira com 11GFT Produção 33,5 de Leite Produção de Leite (Kg/dia) (Kg/dia) FCM Control 11GFT 33,5 Produção de Leite (Kg/dia) 31,8 Produção de Leite (Kg/dia) FCM 504 Barley** Control 11GFT Pioneer Hi-Bred Northern Europe, Alemanha Fonte: Pioneer Livestock Nutrition Center, Iowa Fonte: Pioneer Hi-Bred Northern 504 Europe, Alemanha Performence em Bovinos Fonte: de carne com 11GFT Pioneer Hi-Bred 8 Northern Control 7 Europe, 11GFT Barley** Alemanha 7,1 Performence em Bovinos de carne com 11GFT Control 71 2,44 11GFT 60 Performence em 7,1 Bovinos de carne com 11GFT Ingestão Matéria Ingestão/Ganho 5 8 Seca (Kg/dia) de Peso Control GFT 3 6 7, , Ingestão Matéria Ingestão/Ganho 2 Seca (Kg/dia) de Peso 1 0 Ingestão Matéria Seca (Kg/dia) 2,44 Ingestão/Ganho de Peso inoculantes

31 O inoculante Pioneer 11CFT é o 1º inoculante da nova geração de inoculantes pois actua para além da fermentação. Além da estabilidade aeróbica que proporciona à silagem, já conhecida dos nossos inoculantes, alia um aumento da Digestibilidade da Fibra (NDFd) e da ingestão de M.S. Desta forma temos um aumento da quantidade de silagem ingerida por bovinos de leite ou carne. As enzimas ferulate e acetil esterase, produzidas pela nova estirpe do Lactobacillus buchneri, que modificam a fibra das paredes celulares desagregando-a da lenhina, permitem uma digestão mais completa da fibra por parte das bactérias do rúmen. Utilização Para utilização em silagem de milho, após um período mínimo de fermentação de 60 dias, de forma a permitir que as bactérias produzam as enzimas e outros produtos finais da fermentação potenciando a digestibilidade da fibra e estabilidade aeróbica. Vantagens da utilização Estabilidade aeróbica superior a 24horas face a silagem não inoculada; Diminuição das perdas de M.S. pelo perfil fermentativo formado; Aumento da digestibilidade da fibra entre 2-7%; Aumento da ingestão entre 1,5 e 3,6 kg/vaca/dia; Aumento da digestibilidade de 4% significa aproximadamente mais 15 litros de leite/tonelada de silagem, e em média 975 litros de leite/ha. O aumento da densidade energética da silagem possibilita a diminuição da quantidade de farinha de milho na dieta, assim como a quantidade de farinha de soja, devido ao aumento da produção de proteína microbiana pela silagem de milho. Como actua? Na sua composição tem, para além do Lactobacillus casei, uma nova estirpe do Lactobacillus Buchneri capaz de produzir enzimas (ferulates e acetil esterases) que quebram as ligações entre a lenhina e a celulose e hemicelulose, à medida que se replicam na silagem. Isto permite uma digestão mais completa da fibra quando as bactérias ruminais degradam a silagem. Control 11CFT 61,25 82,3 Fonte: Pioneer Livestock Nutrition Center, Iowa 55 % Fonte: University of Florida e Lethbridge Research Center, resumo de ensaios in situ à NDFD, em 4 híbridos diferentes Impacto do 11CFT em dietas Dieta originalmente formulada para 41 kg de 65 Control Control leite/3.6% 11CFTde gordura com vacas 11CFT alimentadas 60 Custo ( /kg) Total com 28.2 kg de 82,3 silagem de milho. Foi utilizado 55 53,72 Diminuição da farinha de milho na dieta com 11CFT - 0,7 Kg/dia % 0,36 0,252 o Programa de Formulação CNCPS Diminuição da farinha de soja na dieta com 11CFT - 0,45 Kg/dia 50 51,36 0,38 0,171 61,25 e Custo/vaca/dia procedemos 28 Kg silagem de à milho remoção tratada com 11CFT 45 (11CFT de - 0,0019 farinha /Kg silagem) de 0,0019 soja 0,0532 e Diminuição da farinha de milho na dieta com 11CFT - 0,7 Kg/dia 0,042 0,147 farinha de na dieta, 40 até atingirmos valores Fonte: Pioneer Livestock Nutrition Center, Iowa Fonte: University of Florida e Lethbridge Research de GANHO produção LÍQUIDO (ROI) Center, resumo de ensaios in situ de leite e produção proteína 0,22 à NDFD, /vaca/dia em 4 híbridos diferentes microbiana no rúmen similares aos valores obtidos Nota: o ROI não inclui as vantagens adicionais: maior percentagem de forragem na dieta para melhor saúde ruminal, menores perdas de matéria seca no silo e aumento da palatabilidade da dieta. com silagens convencionais, não tratadas com 11CFT Control 11CFT 51,36 53,72 Custo ( /kg) Diminuição da farinha de milho na dieta com 11CFT - 0,7 Kg/dia 0,36 Diminuição da farinha de soja na dieta com 11CFT - 0,45 Kg/dia 0,38 Custo/vaca/dia de 28 Kg de silagem de milho tratada com 11CFT (11CFT - 0,0019 /Kg silagem) 0,0019 Diminuição da farinha de milho na dieta com 11CFT - 0,7 Kg/dia 0,042 Total 0,252 0,171 0,0532 0,147 GANHO LÍQUIDO (ROI) 0,22 /vaca/dia Nota: o ROI não inclui as vantagens adicionais: maior percentagem de forragem na dieta para melhor saúde ruminal, menores perdas de matéria seca no silo e aumento da palatabilidade da dieta. inoculantes

32 11G22 11G22 3,2 O inoculante Pioneer 11G22 tem na sua composição bactérias lácteas específicas para a silagem de erva, nomeadamente Lactobacillus buchneri, Lactobacillus plantarum e Enterococcus faecium. A bactéria L. buchneri garante uma estabilidade aeróbica mais prolongada após a abertura do silo, reduzindo o aquecimento da mesma. Utilização Aplicável em silagem de erva, em silos trincheira ou rolos plastificados, com teores de M.S. ideais até 45%. O período de fermentação deverá ser, idealmente, de pelo menos 15 dias. Aspectos chave / Vantagens da utilização Redução das perdas de M.S. em 6%, comparativamente à silagem não inoculada; Aumento significativo da estabilidade aeróbica da sua silagem após desensilamento (6 dias); Diminuição do ph terminal e melhoria do perfil fermentativo da silagem de erva. Control 9,8 Perdas de Matéria Seca % Perdas totais de Matéria Seca em silagens tratadas com 11G22. O total de Matéria Seca corresponde à soma das perdas de Matéria Seca durante a fermentação anaeróbica e a perda após exposição ao oxigénio, segundo o modelo de Honig. Dados de 19 ensaios. 11A44 O inoculante 11A44 tem na sua composição a bactéria patenteada Pioneer Lactobacillus buchneri, que pelas suas características fermentativas reduz as perdas de M.S., limita o aquecimento da silagem e, pela estabilidade aeróbica que confere à silagem, impede a deterioração e a perda de palatibilidade que daí advém. Esta estabilidade é o ponto forte deste inoculante. inoculantes Utilização Aplicável em silagens de milho, erva ou cereais. O período de fermentação deste inoculante é de 3 a 4 semanas, potenciando assim a maior estabilidade aeróbica. Aspectos chave / Vantagens da utilização Redução significativa das perdas de matéria seca que podem atingir os 25% em silagens de milho não inoculadas. Através do aumento da Estabilidade Aeróbica conseguida com o 11A44, as perdas podem ser reduzidas para apenas 5-7% (que refletem apenas as perdas de açúcares solúveis originadas pelo processo normal de fermentação); O retorno de Investimento resultante da diminuição de perdas de Matéria Seca é superior, muitas vezes, a 3:1; Útil em silagens excessivamente húmidas ou secas; Melhoria importante da estabilidade de frente de silo em casos de taxas de renovação inferiores às desejadas, ou seja, silos sobredimensionados; Estabilidade térmica, em alguns casos, superior a 150 horas após desensilamento.

33 11C33 O inoculante Pioneer 11C33 é um produto composto por um conjunto de bactérias únicas e patenteadas, Lactobacillus plantarum e Lactobacillus buchneri desenvolvidas para melhorar o perfil fermentativo da silagem. Assim potenciamos a preservação da matéria seca da silagem, antes da abertura, e diminuímos as perdas aeróbicas, depois do silo aberto. O perfil fermentativo conseguido pela L. buchneri (bactéria láctea heterofermentativa) limita substancialmente o desenvolvimento de fungos e leveduras, impede o aquecimento tanto no silo como na manjedoura. Utilização A silagem de milho é o seu alvo, principalmente em silos que se desejam estáveis a curto prazo, podendo ser abertos após 15 dias de ensilagem. Aspectos chave / Vantagens da utilização Relação Ácido Láctico: Ácido Acético equilibrada e em maiores quantidades; Redução das perdas de matéria seca em aproximadamente 4%; Aumento exponencial da estabilidade aeróbica da sua silagem após desensilamento; Aumento médio potencial de 120 kg de leite / tonelada de silagem Relação Ácido Láctico: Ácido Acético Silagem de milho não inoculada Silagem de milho inoculada com 11C33 11H50 O 11H50 é o seu Inoculante Pioneer para a silagem de luzerna que tem na sua composição um conjunto de bactérias direccionadas especificamente para esta cultura, nomeadamente Lactobacillus plantarum. Actuam de forma a obtermos uma fermentação mais rápida e eficiente que reduz as perdas de Matéria Seca, assim como as perdas por azoto amoniacal através da melhoria da qualidade da proteína Utilização Este inoculante é específico para a silagem de luzerna, compreendendo um período de fermentação de aproximadamente 40 dias. Aspectos chave / Vantagens da utilização Obtenção de um ph terminal muito inferior; Estabilidade aeróbica da silagem cerca de 25% superior comparativamente a silagem não inoculada; Redução das perdas de matéria seca em aproximadamente 4%; Diminuição da % de azoto amoniacal no azoto total ( 2,8%); Aumento da digestibilidade aparente da M.S. em cerca de 4,7%; Aumento da produção de leite. 11H50 Control Produção de Leite (3,5% gordura) Três ensaios Kansas University e Penn State University 34,3 35,2 33,/ 34 34,2 34,4 34,6 34, ,2 35,4 Significado económico: O aumento médio de produção de leite com a utilização de 11H50 é de, em média, 0,9 litros leite/dia. Este aumento é muito significativo quando se verifica que por tonelada de luzerna administrada aos animais, o aumento de produção é de mais de 20 litros. A um custo de 0.3 euros/dia, o retorno do investimento é de 6euros/ton. luzerna. A um custo aproximado de 1.58 euros/ton. do 11H50, o retorno de investimento total é de mais de 3.5:1. inoculantes

34 1155 Inoculado 1155 (20% humidade) Control (10% humidade) Fardos Redondos Grandes O inoculante 1155 é a sua solução Pioneer para o Feno de Luzerna e gramíneas. A sua composição que, entre outras, contém a bactéria Bacillus pumilus, permitindo enfardar mais cedo e maiores teores de humidade. Reduz assim as perdas de folhas da luzerna e um incremento no teor de proteína. Este aumento de humidade confere também um aumento da suavidade e palatibilidade. Utilização Inoculante para fenos. Aplicável no momento de corte ou no momento de enfardar. Os teores de humidade possíveis de enfardar variam com o tamanho e forma dos fardos. Aspectos chave / Vantagens da utilização Permite enfardar mais cedo, ou seja, com maiores teores de humidade; Reduz a queda de folhas; Aumenta o teor proteico do seu feno; Aumenta a suavidade e palatibilidade do feno; Permite reduzir os riscos do clima no processo de fenação. Vantagem Pioneer:395 kg/ha 11B91 O inoculante Pioneer 11B91 é o inoculante específico para o Pastone e Pastone Integral, que tem na sua composição as bactérias Lactobacillus plantarum e Lactobacillus buchneri. Estas são responsáveis pela melhoria na fermentação conferindo ao pastone um perfil fermentativo que melhora a sua preservação aneróbica da M.S. e diminui as perdas quando exposto ao ar. Além disso, reduz significativamente o desenvolvimento de fungos e leveduras, impedindo o aumento de temperatura. Estabilidade Aeróbica (horas) 11B91 Control 128,8 71, inoculantes Utilização O Pastone é uma matéria-prima de elevada qualidade, destinada à alimentação de Bovinos Leiteiros, de Carne e de Monogástricos, nomeadamente Suínos. Com elevado valor biológico e monetário, torna-se extremamente importante controlar o processo de fermentação, assim como, as perdas de Matéria Seca. O 11B91 está direccionado para Pastone ensilado no momento de maturação ideal, com teores de matéria seca entre 68% e 78%, com um período de fementação de 42 dias. Aspectos chave / Vantagens da utilização Permite um ph terminal do Pastone mais baixo; Redução das perdas de matéria seca; Reduz substancialmente o aquecimento do silo; Redução da incidência de fungos e leveduras.

35 girassol

36 P64HE39 Destaca-se por: * Tolerância ao herbicida tribenurão-metilo. * Híbrido alto-oleico. * Tolerância ao míldio. Híbrido de ciclo médio à floração e à maturação. Planta de porte médio com boa curvatura do caúle. Bom comportamento em diferentes ambientes. Boa adaptação quer em regime de sequeiro ou regadio. Potencial produtivo ao mesmo nível dos híbridos Express Sun convencionais. Teor em ácido oleico superior a 90%. P64LE29 Destaca-se por: * Tolerância ao herbicida tribenurão-metilo. * Híbrido linoleico. * Tolerância ao míldio e à orobanca. Híbrido de ciclo curto. Elevado potencial produtivo. Planta de porte médio-baixo. Boa curvatura do capítulo. Boa tolerância ao stress hídrico. Grande elasticidade na data de sementeira. Muito elevado teor em óleo. girassol

37 PR64A14 Características Ciclo médio-precoce à floração mas médio à colheita. Planta de estatura média alta. Muito bom vigor inicial de crescimento. Boa consistência dos caules e sistema radicular. Apresenta normalmente uma completa polinização do capítulo. Tem um período de enchimento médio longo. Razões para semear PR64A14 Um alto potencial produtivo e adaptação a diferentes ambientes de cultura. Um crescimento inicial vigoroso, que permite a sua rápida instalação. A sua floração precoce como forma de evitar o stress de calor nessa fase. Bom teor de óleo. Boa sanidade final e resistência à orobanca, mesmo a novas raças. PR64A15 Características Ciclo médio à floração e precoce à maturação fisiológica. Bom vigor inicial de crescimento. Planta de estatura média. Apresenta normalmente uma elevada percentagem de polinização do capítulo. Boa curvatura do capítulo. Razões para semear PR64A15 Muito boa tolerância em ambientes de sequeiro. Alta produtividade, boa adaptação ao regadio. Mais produção com mais óleo por hectare. girassol

38 PR64H52 Características Híbrido de ciclo médio à floração e maturação fisiológica. Planta de médio porte. Acentuada curvatura de capítulo. Alto potencial produtivo. Boa sanidade final e tolerância à orobanca. Razões para semear PR64H52 Excelente produção tanto em sequeiro como em regadio. Resistência ao míldio e boa tolerância à Phomopsis e Esclerotinia. Elevada produção de óleo. Qualidade de produto final Alto Oleíco de última geração. girassol

39 luzerna

40

41 P58N57 Características Não dormente. Porte erecto. Seleccionada pela sua resistência aos nemátodos da raiz. Resistente ao Fusarium, Phytophthora, Antracnose e afídeos. Especialmente recomendada para zonas não sujeitas à formação de geada. Razões para semear PR58N57 Alta produção: responde bem a um maneio de corte intensivo. Resistência aos nemátodos de raiz e aos principais fungos da cultura. Elevado valor proteico. Recomendações de sementeira Semear de 25 a 30 kg/ha., de modo a assegurar uma população superior de 300 plantas por m 2. P57Q53 Características Não dormente. Planta média-alta de porte erecto. Elevada área folhear com boa persistência da folha. Resistente à antracnose, muito resistente à fusariose e verticilio. Excelente resistência aos nemátodos. Razões para semear PR57Q53 Excelente rendimento forrageiro com alta fre- -quência de cortes. Tolerância a doenças da raiz. Boa tolerância ao stress hídrico. Valor proteico alto. luzerna Recomendações de sementeira Semear de 25 a 30 kg/ha., de modo a assegurar uma população superior de 300 plantas por m 2.

42 P59N59 Características Não dormente. Planta alta. Semi-erecta. Tolerante a diversas doenças da raiz, como Phytophthora e Fusarium. Muito bem adaptada a zona com influência de aridez. Razões para semear PR59N59 Excelente rendimento forrageiro com alta frequência de cortes. Tolerância a doenças da raiz. Boa tolerância ao stress hídrico. Valor proteico alto. Recomendações de sementeira Semear de 25 a 30 kg/ha., de modo a assegurar uma população superior de 300 plantas por m 2. luzerna

43 trigo

44

45 TORERO Trigo mole de 2.ª época de sementeira Razões para a sua sementeira A baixa estatura da planta confere-lhe uma grande resistência à acama fisiológica. A sua resistência à acama recomenda a sua utilização em regime de regadio, onde é possível um programa de adubação azotada maior e mais repartida sem as normais consequências de acama fisiológica. A sua boa capacidade de afilhamento permite-lhe expressar uma alta capacidade produtiva por hectare. O seu ciclo vegetativo semi-precoce, em sementeiras depois da 2ª quinzena de Novembro, permite diminuir o risco das normais primaveras secas no rendimento final da variedade. A qualidade final do grão qualifica-o como variedade de utilização média-alta para a indústria da panificação. Peso específico 79,8 W 180 P/L 0,74 JORDÃO trigo Trigo mole Razões para a sua sementeira Ciclo semi-tardio para sementeiras a partir da segunda quinzena de Outubro. Eficiência produtiva bastante elevada, com grande capacidade de resposta aos factores de produção, nomeadamente em regadio. Elevada capacidade de afilhamento, que se traduz numa grande população final e consequentemente num elevadíssimo número de grãos por m2. Peso específico normalmente alto (superior a 82Kg/hl). Muito boa tolerância às principais doenças endémicas da cultura, nomeadamente às ferrugens e Septoria tritici. Planta de altura média com boa resistência à acama. Excelente sanidade final demonstrada pelo seu verdor até à maturação. Esta característica resulta numa boa tolerância a altas temperaturas durante o período de enchimento do grão. Qualidade: Trigo panificável.

46 EUFRATES Trigo mole Razões para a sua sementeira Ciclo semi-tardio bem adaptado para sementeiras precoces. Boa capacidade de afilhamento que se traduz num elevado número de espigas por m 2. Boa qualidade de grão que se traduz num peso específico elevado. Boa tolerância às principais doenças endémicas da cultura do trigo. A qualidade final do seu grão classifica-o como Trigo Panificável. trigo

47 sorgo

48

49 NICOL(877F) Características Híbrido de Sorgo x Erva do Sudão. Ciclo médio-precoce à floração. Planta de estatura média-alta. Planta com panícula aberta. Boa tolerância a doenças do caule e raízes e ao morrão. muito rápido crescimento após os cortes ou pastoreio. Dose de sementeira: 40Kg/ha. Razões para semear NICOL (877F) Alto rendimento quer em pastoreio quer em feno. Rápida instalação da cultura pelo seu bom crescimento inicial. Alta rusticidade originada pela boa tolerância ao stress híbrico. Boa apetência do animal, devido aos seus caules tenros e doces. sorgo

50 Utilização do Milho Milho com Alto Rendimento na Extracção de Amido Milho para a indústria de Gritz Mercado "BT" (V.G.M.) Milho para Silagem com alta Energia para a Produção de Leite Pastone FAO 600 FAO 600 PR32T16 P1543 P1574 PR32T16 PR32B10 PR33Y74 PR33Y74 PR33A46 FAO 600 PR33D48 PR33Y72 FAO 600 PR32F73 PR32W86 PR33Y74 PR33Y72 PR33A46 FAO 600 P1543 PR33A46 PR33Y74 PR33Y72 FAO 500 P0725 PR35A52 PR34P88 FAO 500 P0725 P1114 FAO 500 P0725Y PR34A27 PR35A56 FAO 500 P0725 P0725Y PR34B39 FAO 500 P0725 P0725Y PR34P88 FAO 400 PR35T36 P0319 FAO 400 P0319 FAO 300 P0216 P0222 PR38A24 FAO 300 PR38N86 PR36Y03 FAO 300 PR36V78 FAO 300 PR38N86 PR36K67 FAO 300 P0216 PR38A24 FAO 200 PR38Y34 PR36Y03 LAMBADA

51

52 Pioneer Hi-Bred Sementes de Portugal, S.A. Campo Pequeno, 48-6º Esq Lisboa Tel.: Fax:

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS ...opção de futuro Lusosem Milhos Híbridos A gama actual da Lusosem reflecte o esforço de uma equipe de peritos em milho que ao longo dos anos tem

Leia mais

KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014

KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014 KWS Inovação e Selecção Catálogo 2014 KWS, 158 anos dedicados em exclusivo à selecçâo, multiplicação e comercialização de semente Sabia que em 2013 foi de novo lider europeu de vendas de sementes para

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente Marcio Pelegrini Engenheiro Agrônomo, Ms. Tecnologia de Sementes. Consultor de silagem da Santa Helena Sementes. 1 Os avanços tecnológicos cada vez mais presentes

Leia mais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira % 60 50 40 30 20 10 0 Prof. Thiago Bernardes DZO/UFLA Ciclo de Palestras em Bovinocultura de Leite e Corte Terra Jr Consultoria 31 de Janeiro de 2013 Utilização

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) EXCESSO DE PICAGEM NA SILAGEM DE MILHO: DESEMPENHO E SAÚDE DAS VACAS Elinton Weinert Carneiro Méd.

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA???

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA??? Conservação de Forragem Silagem Sistema de Produção de Carne Terminados a pasto aproximadamente 90 % Terminados em confinamentos aproximadamente 10% Produção de forragem > Quantidade Forragem > Qualidade

Leia mais

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS Sementes Forrageiras nature SEEDS GRAMÍNEAS AZEVÉM ANUAL (Lolium multiflorum) Gramíneas Espécie anual ou bianual de excelente qualidade forrageira e palatabilidade. De muito rápida implantação e grande

Leia mais

Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes

Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes Texto: Marcos André Arcari Marcos Veiga dos Santos Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes Dentre os ingredientes utilizados na alimentação de vacas leiteiras, o milho grão é o principal

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia 1.INTRODUÇÃO A correcta alimentação dos animais deve constituir uma prioridade

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENSILAGEM

BOAS PRÁTICAS DE ENSILAGEM ISSN 2318-3837 Descalvado, SP Junho, 2012 BOAS PRÁTICAS DE ENSILAGEM Autores: 1 Käthery Brennecke 1 Paulo Henrique Moura Dian 1 Liandra Maria Abaker Bertipaglia 1 Vando Edésio Soares 2 Thiago Rossi Simões

Leia mais

Guia do Campo Sementes Agroceres Milho & Sorgo. 0800156265 www.sementesagroceres.com.br

Guia do Campo Sementes Agroceres Milho & Sorgo. 0800156265 www.sementesagroceres.com.br Guia do Campo Sementes Agroceres Milho & Sorgo S I L A G E M 0800156265 www.sementesagroceres.com.br No Brasil, pela tradição dos colonizadores em agricultura, Com a globalização do mercado, a pecuária

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO E MANEJO DE SILAGENS. André de Faria Pedroso Pesquisador, Doutor; Embrapa Pecuária Sudeste

PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO E MANEJO DE SILAGENS. André de Faria Pedroso Pesquisador, Doutor; Embrapa Pecuária Sudeste PRINCÍPIOS DA PRODUÇÃO E MANEJO DE SILAGENS André de Faria Pedroso Pesquisador, Doutor; Embrapa Pecuária Sudeste I. Introdução Os bovinos precisam de um suprimento contínuo de alimento de boa qualidade

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Comunicado Técnico 94

Comunicado Técnico 94 Comunicado Técnico 94 ISSN 0101-5605 Novembro, 2004 Sete Lagoas, MG Avaliação de Cultivares de Milho e Sorgo para Produção de Forragem Antônio Carlos Viana 1 Marco Aurélio Noce 2 As silagens de milho e

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Uso de lipídeos em dietas de ruminantes

Uso de lipídeos em dietas de ruminantes Uso de lipídeos em dietas de ruminantes Sérgio Raposo de Medeiros 1 1 Pesquisador Embrapa Gado de Corte, Campo Grande, MS. A evolução das espécies ruminantes ocorreu associada à ingestão de forragens que

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG

PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Realização: PROGRAMA DO CURSO Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG Parceria: Programa do curso Pós-Graduação em Nutrição de Bovinos Leiteiros Uberlândia, MG O curso oferece 18

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo Sorgo de alta biomassa E( )pert em sorgo E( )periência de uma empresa sólida e focada. Com sede em Campinas/SP, a linha de produtos é comercializada sob a marca Blade, que tem autoridade quando o assunto

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Silagem Produção e análise econômica

Silagem Produção e análise econômica Pelotas, RS - Outubro de 2013 Silagem Produção e análise econômica Sérgio Toledo Filho Solution Manager Ruminants Estacionalidade de produção de forragem Excedente Forragem Silagem 2 Processo de ensilagem

Leia mais

The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved.

The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved. The Plant Cell, Sept. 2011, www.plantcell.org 2011 American Society of Plant Biologists. All rights reserved. Porquê estudar plantas? (TTPB1) Guião de Ensino Visão Geral As Plantas fornecem-nos oxigénio,

Leia mais

Breve Introdução sobre os OGM

Breve Introdução sobre os OGM DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE DESENVOLVIMENTO AGROALIMENTAR E RURAL DIVISÃO DE SANIDADE VEGETAL E SEGURANÇA ALIMENTAR Breve Introdução sobre os OGM O cultivo de variedades de milho geneticamente modificadas

Leia mais

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE

Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Universidade Federal de Goiás Escola de Veterinária Depto. De Produção Animal Pós-Graduação em Ciência Animal Metabolismo de Lipídios PEDRO LEONARDO DE PAULA REZENDE Zootecnista Especialista em Produção

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010

Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010 Palestrante: Nelson Backes Supervisor Técnico Comercial Tortuga Cia Zootécnica Agrária Teutônia 21 de maio de 2010 Introdução Fase monogástrica da Terneira; Base nutricional é o leite; Imunidade passiva;

Leia mais

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução As proteínas são um importante nutriente necessário para o crescimento

Leia mais

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA

AGROECONÔMICA CONSULTORIA MEIO AMBIENTE E PECUÁRIA PASTAGENS: INTENSIDADE DE MANEJO E ADEQUAÇÃO ESTRATÉGICA. O que mais impressiona na nossa pecuária de corte é a possibilidade de um uso bastante conveniente e de baixo custo das pastagens. O Brasil, um

Leia mais

de Cerveja 0 processo de maltagem é concretizado em três passos - molha, germinação e secagem. Durante

de Cerveja 0 processo de maltagem é concretizado em três passos - molha, germinação e secagem. Durante fp PRODUÇÃO Produção de Cerveja ~ 0 Processo TEXTO JOÃO PAULO MENDES {sociedade central de cervejas e bebidas) ILUSTRAÇÃO FONTE: JORNAL PÚBLICO O rei Guilherme IV da Baviera definiu em 1516, na "Reinheitsgebot"

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Qualidade dos Trigos franceses 2014

Qualidade dos Trigos franceses 2014 Qualidade dos Trigos franceses 2014 Metodologia Parceria FranceAgriMer / ARVALIS Institut du végétal ~ 260 locais representativos da colheita nacional (tamanho, situação geográfica, ) ~ 527 amostras de

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Bovinos de leite. Exognósia e Maneio Animal 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO

Bovinos de leite. Exognósia e Maneio Animal 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO Exognósia e Maneio Animal 4 de Novembro de 2008 Bovinos de leite 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO Paulo P. Cortez IV. Principais raças de aptidão leiteira Instituto de Ciências

Leia mais

Serra Talhada,15 Maio de 2009

Serra Talhada,15 Maio de 2009 Serra Talhada,15 Maio de 2009 PESQUISAS COM GIRASSOL EM PERNAMBUCO O Instituto Agronômico de Pesquisas IPA, iniciou no ano de 2008 pesquisas com a cultura do girassol nas regiões do Agreste, Sertão do

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Híbridos de milho e sorgo para silagem na alimentação de bovinos leiteiros

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Híbridos de milho e sorgo para silagem na alimentação de bovinos leiteiros PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Híbridos de milho e sorgo para silagem na alimentação de bovinos leiteiros Daniel Pizzotti Pescumo 1 e Mauricio Scoton Igarasi 2 1 Graduando do

Leia mais

2 Alimentação Básica na Pecuária de Corte

2 Alimentação Básica na Pecuária de Corte ALIMENTOS ORGÂNICOS PARA A SUPLEMENTAÇÃO DE BOVINOS Cláudio Maluf Haddad 1 Fabiana Villa Alves 2 1 Professor Doutor do Departamento de Produção Animal Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" ESALQ/USP.

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

SORGO FORRAGEIRO : OPÇÃO CERTA PARA O SEMI-ÁRIDO JOSE AVELINO SANTOS RODRIGUES EMBRAPA MILHO E SORGO

SORGO FORRAGEIRO : OPÇÃO CERTA PARA O SEMI-ÁRIDO JOSE AVELINO SANTOS RODRIGUES EMBRAPA MILHO E SORGO SORGO FORRAGEIRO : OPÇÃO CERTA PARA O SEMI-ÁRIDO JOSE AVELINO SANTOS RODRIGUES EMBRAPA MILHO E SORGO Introdução Vocação Forrageira do Sorgo Rações Ruminantes Grãos Rações Monogástricos Alimentação humana

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

Guia prático. para os agricultores

Guia prático. para os agricultores Guia prático para os agricultores Introdução Os insectos polinizadores são uma componente essencial para a polinização de muitas culturas. Ao longo dos anos, no entanto, o número de alguns insectos polinizadores

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos

Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos Ficha Informativa da Área dos Conhecimentos 1 Organização das Aulas Uma aula de Educação Física é composta por três partes sequenciais, cada uma com objetivos específicos. 1.1 Parte Inicial A parte inicial

Leia mais

USO DE ÓLEOS E GORDURAS NAS RAÇÕES

USO DE ÓLEOS E GORDURAS NAS RAÇÕES 1 USO DE ÓLEOS E GORDURAS NAS RAÇÕES 1. INTRODUÇÃO A evolução gradual dos métodos que o homem tem usado para alimentação dos animais tem proporcionado um amplo e melhor conhecimento da ciência aplicada

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE

MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE 1. Introdução MANEJO NUTRICIONAL DE BOVINOS DE CORTE Rogério Marchiori Coan 1 O complexo pecuário brasileiro de corte apresenta diversos pontos de ineficiência, destacando-se a produtividade extremamente

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite.

CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite. CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite. Origem O CONVERT* HD364 foi obtido pelo Projeto de Forragens Tropicais do CIAT (Centro Internacional de Agricultura Tropical),

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SILAGEM DE MILHO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SILAGEM DE MILHO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SILAGEM DE MILHO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE Autor: Igor Quirrenbach de Carvalho Orientador: Prof. Dr. Clóves

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Manual de Ensilagem. Manual de Ensilagem Kera. Copyright 2012 Kera Nutrição Animal

Manual de Ensilagem. Manual de Ensilagem Kera. Copyright 2012 Kera Nutrição Animal Manual de Ensilagem Manual de Ensilagem Manual de Ensilagem Kera Copyright 2012 Kera Nutrição Animal Propriedade literária reservada. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, memorizada ou

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino

Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Manejo nutricional dos ovinos Profa. Fernanda Bovino Introdução Representa até 60% custos Mais importante para o sucesso Exigências nutricionais Mantença Produção Reprodução Alimentos Nutrientes Energia,

Leia mais

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja Culturas alternativas e plantas para fins energéticos Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja SUMÁRIO Energias renováveis Energia da biomassa Culturas energéticas Bioetanol

Leia mais

33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR

33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR 33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR Eng. Agr. TUMORU SERA, AD Gerente de projetos de Melhoramento de Café tsera@iapar.br 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DOW AGROSCIENCES. Qualidade em nutrição é herança de família.

SILAGEM DE MILHO DOW AGROSCIENCES. Qualidade em nutrição é herança de família. SILAGEM DE MILHO DOW AGROSCIENCES. Qualidade em nutrição é herança de família. Guia de SilaGem 2011 DOW AGROSCIENCES SEMEANDO CONHECIMENTO Ao semear conhecimento, a Dow AgroSciences participa do processo

Leia mais

Webinar o Nutricionista

Webinar o Nutricionista Webinar o Nutricionista Dr. Dan Undersander PhD / Professor Universidade de Wisconsin - Madison Silagem de milho: da colheita ao silo. O que eu preciso saber para produzir o máximo de leite com minha silagem.

Leia mais

O controlo desde a sementeira até à pós-emergência precoce 34

O controlo desde a sementeira até à pós-emergência precoce 34 Catálogo milho 2 Índice 3 Variedades de milho grão 5 Variedades de milho silagem 18 Novidade na investigação: O controlo precoce das infestantes 27 O controlo das infestantes 33 O controlo desde a sementeira

Leia mais

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 98 Cultivares de Soja

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências

Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução Há muito que os cientistas reconhecem o papel importante que

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul

GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul GraalBio anuncia primeira planta de etanol celulósico do Hemisfério Sul Precursora da produção do biocombustível de segunda geração no Hemisfério Sul, com planta em Alagoas, GraalBio quer se tornar referência

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

A nova tecnologia de fertilização

A nova tecnologia de fertilização A nova tecnologia de fertilização AMIGOS E PARCEIROS, há quase 3 anos atrás, abrimos um novo capítulo na indústria agrícola com a constituição da AGROsolution. Estes últimos anos foram espantosos e instrutivos

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Alimentos biológicos:

Alimentos biológicos: Alimentos biológicos: bons para si, bons para a natureza Em toda a UE, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a proveniência dos alimentos que consomem e com o modo como foram produzidos. Dão importância

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais