para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS"

Transcrição

1 para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

2 ...opção de futuro

3

4 Lusosem Milhos Híbridos

5 A gama actual da Lusosem reflecte o esforço de uma equipe de peritos em milho que ao longo dos anos tem seleccionado para si sempre as melhores variedades, de acordo com o fim a que se destinam. A permanente renovação de variedades que ano após ano lhe trazemos, está assente no conhecimento adquirido numa vasta rede de ensaios da Lusosem, e de algumas entidades independentes. Consolidámos a triagem de milhos destinados a grão, a silagem, mas não ficámos por aqui: temos soluções destinadas a usos especiais tais como os milhos waxy, variedades destinadas à produção de grits ou ainda à alimentação de aves. Do vastíssimo fluxo de variedades que anualmente os breeders da Limagrain dão a conhecer, seleccionámos no presente ano quatro novas variedades para si, as quais serão certamente um forte contributo para o incremento da sua rentabilidade como agricultor. Se necessitar de esclarecimentos adicionais, não hesite em contactar qualquer um dos técnicos da Lusosem que temos ao seu serviço. Boas colheitas são os nossos votos!

6 Desenvolvimento

7

8 FAO

9 LG Sacos disponíveis 15 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha

10 FAO 200 LG RM 80 O MAIS PRECOCE! Grão semi-redondo amarelo Comportamento Maçaroca fina e comprida com inserção baixa e próxima da cana Folhagem verde-claro Grão semi-redondo Valorização grão e silagem Forte potencial produtivo para o seu ciclo Secagem muito rápida do grão na planta (Drydown) Suporta densidades elevadas. Planta Altura das plantas: Baixa Parâmetros da fecundação Inserção da maçaroca: Baixa Grãos por fiada - 33 Fiadas - 14 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

11 LG Sacos disponíveis 15 mgv 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha

12 FAO 200 LG RM 89 N O V O NOVO HÍBRIDO PRECOCE COM EXCEPCIONAL DESEMPENHO NA PRODUÇÃO E QUALIDADE DO GRÃO Grão redondo alaranjado Comportamento Excelente vigor à nascença. Boa resistência à acama. Híbrido com bom desenvolvimento vegetativo. Planta com porte baixo. Inserção da espiga baixa e regular Valorização grão Excelente potencial para grão. Grão de excelente qualidade, alaranjado, vítreo e de qualidade. Planta Altura das plantas Baixa Inserção da maçaroca Baixa Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 36 Fiadas - 14 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

13 LG Sacos disponíveis 15 mgv 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha

14 FAO 200 LG RM 88 GRÃO VÍTREO COM ACENTUADA COLORAÇÃO VERMELHA Grão redondo avermelhado Comportamento Planta de estatura média com inserção da maçaroca média e de fácil colheita. Planta com bom estado sanitário até ao fim do seu ciclo. Elevada qualidade do grão Variedade de grão redondo com uma acentuada coloração avermelhada, alta vitreosidade e elevado peso específico. Excelente para alimentação de aves Milho excepcional para a alimentação das aves pela sua elevada fermentabilidade e cor. Planta Altura das plantas Media/alta Inserção da maçaroca Media Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 38 Fiadas - 14 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

15

16 FAO 300

17 LG Sacos disponíveis 25 mgv 50 mgv Densidades de Sementeira Grão pl/ha Silagem a pl/ha

18 FAO 300 LG RM 91 GABARITO GRÃO E SILAGEM Grão dentado amarelo Comportamento Stay-green excepcional Forte vigor de arranque Grão dentado de boa qualidade Boa precocidade Valorização grão e silagem Forte potencial produtivo quer para grão, quer para silagem Mantém qualidade da fibra em final de ciclo Tolerante à helmintosporiose Planta Altura das plantas Média/alta Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 35 Inserção da maçaroca Alta Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

19 ICEBERG Sacos disponíveis 15 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha

20 FAO 300 RM 95 ICEBERG EXCELENTE PARA MOAGEMFORNECENDO FARINHAS DE ELEVADA QUALIDADE Grão redondo branco Comportamento Planta de porte médio baixo. Elevado vigor de arranque. Resistência à acama elevada. Bom comportamento sanitário. Valorização grão Elevado potencial produtivo. Híbrido com grão redondoo, branco e endosperma duro que lhe confere uma boa valorização comercial. ELEVADO NÍVEL DE VITREOSIDADE EXCELENTE QUALIDADE PARA PANIFICAÇÃO Planta Altura das plantas Média baixa Inserção da maçaroca Baixa Parâmetros da fecundação Comprimento 24 a 30 Fiadas 14 a 16 PMG 291 g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

21

22 FAO 400

23 LG Sacos disponíveis 25 mgv 50 mgv Densidades de Sementeira Grão pl/ha Silagem a pl/ha

24 FAO 400 LG RM 102 A MÁXIMA PRODUTIVIDADE NO SEU CICLO Grão dentado amarelo Comportamento Enorme potencial de produção Grão dentado de grande dimensão e muito profundo Híbrido com bom desenvolvimento Valorização Secagem rápida do grão (drydown) Cana de boa qualidade Boa tolerância a doenças das folhas Planta Altura das plantas Alta Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 36 Inserção da maçaroca Média Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

25 "Linha de leite" LG Sacos disponíveis 25 mgv 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha Silagem a pl/ha

26 FAO 400 LG RM 105 EXCELENTE POTENCIAL E VALORIZAÇÃO DA IRRIGAÇÃO Grão dentado amarelo Comportamento Genética semi-tardia. Bom vigor à nascença. Bom estado sanitário até ao fim do seu ciclo (resistência às doenças do caule e das folhas). Resistência à acama. Valorização silagem Bom Potencial forrageiro Paredes celulares de alta digestibilidade Híbrido com bom nível de ingestibilidade Valorização grão Excelente para grão; a qualidade do grão na colheita é reconhecida e muito apreciada. Exprime ao máximo o potencial das melhores parcelas. Boa valorização da irrigação. EXPRIME AO MÁXIMO O POTENCIAL DAS MELHORES PARCELAS Planta Altura das plantas Alta Inserção da maçaroca Alta Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 41 Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

27

28 FAO 500

29 ANTISS Sacos disponíveis 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha

30 FAO 500 RM 108 ANTISS PRODUTIVIDADE, PRECOCIDADE E PORTE Grão dentado amarelo Comportamento O ANTISS, é um híbrido de imbatível produtividade É um híbrido de excepcional precocidade Porte baixo (indicado para cultivo sob pivots) Valorização Produções record Maçaroca longa e cilíndrica Grão de qualidade e com bom peso específico Planta muito sã e adaptável a diferentes condições de cultivo e solos Planta Altura das plantas Muito baixa Inserção da maçaroca Muito baixa Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 36 Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

31 LG Sacos disponíveis 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha Silagem a pl/ha

32 FAO 500 RM 109 LG N O V O RENTABILIDADE MÁXIMA EM TODOS OS ENSAIOS Grão dentado amarelo Comportamento Híbrido com excelente desempenho e elevada rentabilidade para grão. Resultados muito consistentes em todas as zonas de produção. Valorização grão Grande vigor de partida. Grão com elevado peso específico. Excelente remate da maçaroca. O elevado stay-green proporciona um bom enchimento do grão. Planta Altura das plantas Média/alta Parâmetros da fecundação Inserção da maçaroca Média Grãos por fiada - 41 Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

33 PONCHO Sacos disponíveis 25 mgv 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha Silagem a pl/ha

34 FAO 500 RM 109 PONCHO O MÁXIMO POTENCIAL PRODUTIVO Grão dentado amarelo Comportamento Planta desenvolvida com bom porte e inserção da maçaroca média. Maçaroca alongada e bem fecundada. O seu elevado vigor à nascença e rápido crescimento permitem um rápido desenvolvimento da planta. Bom estado sanitário até ao fim do seu ciclo. Resistência à acama. Rendimento Grão de qualidade com elevado peso específico. Variedade que permite uma excelente valorização da disponibilidade hídrica. Elevado potencial de produção de grão de qualidade proporciona uma elevada disponibilidade energética. EXPRIME AO MÁXIMO O POTENCIAL DAS MELHORES PARCELAS ALIA UMA GENÉTICA SEMI-TARDIA A UM ELEVADO POTENCIAL PRODUTIVO. Planta Altura das plantas Média Inserção da maçaroca Média Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 40 Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

35 GUADIANA Sacos disponíveis 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha Silagem a pl/ha

36 FAO 500 RM 110 GUADIANA ELEVADO TEOR EM AMIDO Grão dentado amarelo Comportamento Planta bem desenvolvida de porte alto. Maçaroca bem fecundada. O seu elevado vigor à nascença e velocidade de crescimento permitem um rápido desenvolvimento da planta. Bom estado sanitário até ao fim do seu ciclo. Rendimento Elevado rendimento em grão com teor elevado de amido. ÓPTIMO POTENCIAL DE PRODUÇÃO DE GRÃO DE QUALIDADE. Planta Altura das plantas Alta Inserção da maçaroca Média/Alta Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 38 Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

37

38 FAO 600

39 LG Sacos disponíveis 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha Silagem a pl/ha

40 FAO 600 LG RM 113 SANIDADE COM PRODUTIVIDADEGARANTIDA Grão dentado amarelo Comportamento Excelente nível de produtividade Planta alta com cana robusta e sã Excelente resposta a boas condições de cultivo Valorização grão e silagem Grão de qualidade e com elevado peso específico Silagem de alta qualidade com excelente digestibilidade da fibra Maçaroca comprida e com boa inserção (baixa) Excelente stay-green Planta Altura das plantas Média/alta Parâmetros da fecundação Inserção da maçaroca Média/Baixa Grãos por fiada - 39 Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

41 LG Sacos disponíveis 50 mgv Densidades de Sementeira Grão a pl/ha Silagem a pl/ha

42 FAO 600 LG RM 113 N O V O VARIEDADE Nº 1 EM PRODUÇÃO DE SILAGEM OU GRÃO Grão dentado amarelo Comportamento Máxima produção quer se trate de colheita de grão quer de silagem. Planta alta com grande sanidade da cana e de folhas compridas e largas. Fantástica resposta em boas condições de cultivo. Valorização grão e silagem Grão de excelente qualidade, amarelo dentado e profundo. Silagem de alta qualidade e indicada na nutrição de ruminantes, devido à alta digestibilidade da sua fibra. Maçaroca muito comprida e de inserção baixa. Planta Altura das plantas Média/alta Inserção da maçaroca Baixa Parâmetros da fecundação Grãos por fiada - 39 Fiadas - 16 PMG g Características Vigor à nascença Resposta a altas densidades Peso específico Stay green

43

44 Nutrição Animal Lusosem

45 PESQUISA LG A LG investe fortemente na procura de novas variedades, no sentido de proporcionar sempre as soluções mais adaptadas às necessidades específicas de cada agricultor. A sua investigação de dimensão mundial permite, em cada ano, à LG ser uma das marcas, a nível Europeu, que inscreve maior número de híbridos novos. Desde 1977 a LG fez a separação dos seus programas de investigação em milho para silagem e milho para grão. Eixos da pesquisa -Valor e qualidade tecnológica do grão: Melhor valorização industrial para as massas -Valorização em nutrição animal: Digestibilidade do milho para silagem. Ingestibilidade do milho para silagem. Para dar resposta às necessidades específicas da indústria a LG selecciona variedades de milho integrando critérios como o teor em amido no grão e qualidade sanitária do grão. Para dar resposta às necessidades específicas da produção animal, a LG integra critérios como digestibilidade, ingestibilidade, teores em energia e teor em proteínas na elaboração das variedades de milho e forragens destinados à alimentação animal. A LG distingue as melhores variedades obtidas neste processo com o prémio LG Nutrição Animal.

46 Nutrição Animal MENÇÃO LG NUTRIÇÃO ANIMAL O Logotipo LG Nutrição Animal é um símbolo de garantia de qualidade. A LG tem investido no sentido de seleccionar, qualificar e identificar as variedades de elite da sua gama a fim de que os produtores possam optimizar as suas performances. Actualmente, os milhos para silagem distinguidos com a Menção LG Nutrição Animal são reconhecidos como híbridos de qualidade superior. VALORIZAÇÃO EM NUTRIÇÃO ANIMAL Variedades LG Nutrição Animal Fibras de qualidade superior. Ao longo da segunda metade do século XX, os milhos híbridos foram sendo alvo de sucessivas melhoras em termos de genética tradicional. Ao longo dos anos 50 e 60, os Breeders das diferentes companhias conseguiram incrementar sucessivamente as produções de grão dos distintos híbridos. Nessas décadas, a preocupação das companhias no que se refere às variedades destinadas à silagem não existia. Em 1977, a Limagrain inicia a sua diferenciação em matéria de melhora genética segundo dois conceitos distintos: Grão e Silagem. Na origem desta decisão, encontravam-se os potenciais problemas causados por um excesso de amido na alimentação dos ruminantes quando comparado com a totalidade da fibra vegetal ingerida. Esta situação conduzia frequentemente à aparição de acidoses. Um bom funcionamento do rúmen permite uma excelente valorização das fibras e por seu lado uma melhor eficácia energética da silagem. Um excesso de amido faz baixar o valor do ph do rúmen originando o seu mau funcionamento e consequentemente uma má valorização das fibras FIBRAS ph DO RÚMEN AMIDO

47 Nutrição Animal MENÇÃO LG NUTRIÇÃO ANIMAL O Índice DINAG representa a digestibilidade da fibra (caule e folhas) e está relacionado com a forma como as células de lenhina se agrupam em torno das células de celulose e de hemicelulose. As bactérias existentes no rumen, responsáveis pela degradação das fibras vegetais poderão ter acesso mais ou menos facilitado às mesmas segundo a variedade em questão. Esquema da parede vegetal do milho PAREDES VEGETAIS DO MILHO Celulose e hemicelulose Lenhina Híbrido com paredes de digestibilidade média Híbrido com paredes de boa digestibilidade Ataque progressivo e à superfície por bactérias no rúmen Bactérias "Fibras" Paredes celurares mal degradadas com uma barreira lenhificada Celulose e hemicelulose Degradada 20 a 100% pelas bactérias "fibras" Lenhina sem degradação Paredes bem degradadas com uma boa lenhificação Para um mesmo teor em lenhina, as paredes celulares de um híbrido poderão ser mais ou menos acessíveis. No híbrido da direita verificamos que as células lenhina se encontram misturadas com as restantes células de celulose e hemicelulose, permitindo que estas últimas se encontrem acessíveis ás bactérias responsáveis pela sua degradação. Pelo contrário, no híbrido da esquerda, as células de lenhina estão agrupadas em torno das restantes células, dificultando o acesso da actividade microbiana às fibras digestíveis e à energia que estas mesmas poderiam disponibilizar. Existe neste caso um efeito tampão que as bactérias não conseguem transpor. Ao integrar o critério fibra na selecção de milho para silagem a LG está a seleccionar híbridos que proporcionam uma melhor digestibilidade das fibras. É de sublinhar que para as fibras serem digestíveis é necessário que as paredes celurares se encontrem acessíveis às bactérias responsáveis pela sua degradação.

48 Nutrição Animal MENÇÃO LG NUTRIÇÃO ANIMAL Para os produtores de leite e carne A experiência do líder Francês em milho para silagem ao serviço dos produtores mais exigentes A menção LG Nutrição Animal apenas é dada aos seus melhores híbridos: Critérios de Valor Agronómico Rendimento; regularidade; altura da planta; matéria seca; vigor à nascença; resistência à acama. Critérios de Valor Nutritivo Amido, Digestibilidade da matéria orgânica; Celulose bruta; Dinag; UFL/UFC

49 Lusosem TABELA PARA CÁLCULOS DA DENSIDADE DE SEMENTEIRA Densidade de sementeira grãos/hectare 65 cm entre linhas 70 cm entre linhas cm na linha Nº grãos cm na linha Nº grãos 10m lineares 10m lineares ,7 41,2 22,0 45, ,0 45,5 20,4 49, ,5 48,8 19,0 52, ,2 52,1 17,8 56, ,1 55,2 16,8 59, ,1 58,5 15,9 63, ,2 61,7 15,0 66, ,4 64,9 14,3 70,0 TABELA DE CONVERSÃO PARA MILHO GRÃO 100 Kg SECOS ATÉ À HUMIDADE de grão 19% 18% 17% 16% com a humidade CONVERTEM-SE NOS SEGUINTES KG 34% 81,48 80,49 79,52 78,57 33% 82,72 81,70 80,72 79,76 32% 83,95 82,93 81,93 80,95 31% 85,18 84,15 83,13 82,14 30% 86,42 85,37 84,34 83,33 29% 87,65 86,59 85,54 84,52 28% 88,89 87,80 86,75 85,71 27% 90,12 89,02 87,95 86,90 26% 91,36 90,24 89,16 88,10 25% 92,59 91,46 90,36 89,29 24% 93,83 92,68 91,57 90,48 23% 95,06 93,90 92,77 91,67 22% 96,30 95,12 93,98 92,86 21% 97,53 96,34 95,18 94,05 20% 98,77 97,56 96,39 95,24 19% 98,78 97,60 96,43 18% 98,80 97,62 17% 98,81 16% 15%

50 Tabelas auxiliares Densidade de sementeira grãos/hectare 75 cm entre linhas 80 cm entre linhas cm na linha Nº grãos cm na linha Nº grãos 10m lineares 10m lineares ,5 48,8 19,2 52, ,0 52,7 17,9 55, ,8 56,2 16,7 59, ,7 59,9 15,6 64, ,7 63,7 14,7 68, ,8 67,6 13,9 71, ,0 71,4 13,2 75, ,3 75,2 12,5 78,0 100 Kg SECOS ATÉ À HUMIDADE de grão 15% 14% 13% 12% com a humidade CONVERTEM-SE NOS SEGUINTES KG 34% 77,65 76,74 75,86 75,00 33% 78,82 77,90 77,01 76,14 32% 80,00 79,06 78,16 77,27 31% 81,18 80,23 79,31 78,41 30% 82,35 81,39 80,46 79,54 29% 83,53 82,56 81,61 80,68 28% 84,71 83,72 82,76 81,82 27% 85,88 84,88 83,91 82,95 26% 87,06 86,05 85,06 84,09 25% 88,24 87,21 86,21 85,22 24% 89,41 88,37 87,36 86,36 23% 90,59 89,53 88,51 87,50 22% 91,76 90,70 89,66 88,64 21% 92,94 91,86 90,80 89,77 20% 94,12 93,02 91,95 90,91 19% 95,30 94,35 93,10 92,05 18% 96,47 95,34 94,25 93,18 17% 97,65 96,51 95,40 94,32 16% 98,82 97,67 96,55 95,46 15% 98,84 97,70 96,59

51 Lusosem

52 AGROGLOBAL 2010

53 Lusosem

54 AGROGLOBAL 2012

55 AGROGLOBAL 2012

KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014

KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014 KWS Inovação e Selecção Catálogo 2014 KWS, 158 anos dedicados em exclusivo à selecçâo, multiplicação e comercialização de semente Sabia que em 2013 foi de novo lider europeu de vendas de sementes para

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente Marcio Pelegrini Engenheiro Agrônomo, Ms. Tecnologia de Sementes. Consultor de silagem da Santa Helena Sementes. 1 Os avanços tecnológicos cada vez mais presentes

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis Dos resíduos às matérias-primas rentáveis 1 Dos resíduos às matérias-primas rentáveis O aumento da população e do nível de vida previstos para as próximas décadas, pressupõem um acréscimo na procura de

Leia mais

Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes

Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes Texto: Marcos André Arcari Marcos Veiga dos Santos Mais Milho Para Produção de Leite e Menos Milho nas Fezes Dentre os ingredientes utilizados na alimentação de vacas leiteiras, o milho grão é o principal

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

GERAÇÃO POR BIOMASSA SORGO BIOMASSA COMO OPÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA BIOENERGIA

GERAÇÃO POR BIOMASSA SORGO BIOMASSA COMO OPÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA BIOENERGIA GERAÇÃO POR BIOMASSA SORGO BIOMASSA COMO OPÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA BIOENERGIA Ricardo Blandy Vice Presidente de Desenvolvimento de Mercado Nexsteppe Sementes do Brasil rblandy@nexsteppe.com 19 3324-5007

Leia mais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira % 60 50 40 30 20 10 0 Prof. Thiago Bernardes DZO/UFLA Ciclo de Palestras em Bovinocultura de Leite e Corte Terra Jr Consultoria 31 de Janeiro de 2013 Utilização

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

KWS Inovação e Selecção

KWS Inovação e Selecção KWS CATÁLOGO 2015 KWS CATÁLOGO 2015 KWS CATÁLOGO 2015 KWS CATÁLOGO 2015 KWS CATÁLO KWS Inovação e Selecção CATÁLOGO 2015 KWS no mundo: Grande expansão das atividades de investigação 2005/06 2006/07 2007/08

Leia mais

É o MoMENto DE conseguir A MáxiMA produção. Milho grão

É o MoMENto DE conseguir A MáxiMA produção. Milho grão É o momento de conseguir a máxima. Agora, a DEKALB pode recomendar-lhe a densidade adequada e a necessidade de água em cada metro quadrado da sua quinta. Milho Grão Milho Grão / Resumo Variedades Híbrido

Leia mais

Atlas Copco. Compressores de ar para fins médicos GA 5-22 MED / GA 5-15 VSD MED (5-22 kw / 7,5-30 hp)

Atlas Copco. Compressores de ar para fins médicos GA 5-22 MED / GA 5-15 VSD MED (5-22 kw / 7,5-30 hp) Atlas Copco Compressores de ar para fins médicos (5-22 kw / 7,5-30 hp) Ar para fins médicos: pureza e precisão em ambientes de cuidados de saúde críticos A área crítica da assistência a doentes requer

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt

Biotecnologia e desenvolvimento sustentável. Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt Biotecnologia e Ana Cristina Rodrigues acrodrigues@esa.ipvc.pt - Imposições legais - Opinião pública - Pressão de competitividade Actualmente: Conceito de adoptado por muitas indústrias/actividades: só

Leia mais

Isolamento HVAC. Soluções de Isolamento para Aplicações em Climatização. Nova marcação CE e nova gama de produtos ISOVER CLIM

Isolamento HVAC. Soluções de Isolamento para Aplicações em Climatização. Nova marcação CE e nova gama de produtos ISOVER CLIM Isolamento HVAC Soluções de Isolamento para Aplicações em Climatização Nova marcação CE e nova gama de produtos ISOVER CLIM Introdução Veerle Verhaert Grupo Saint-Gobain Durante mais de três séculos, a

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Tema 2 - Terra em transformação. Bloco de trabalho 7 - Diversidade nos animais: como se alimentam. 1. A figura 1 representa,

Leia mais

O Líder em Energia Limpa

O Líder em Energia Limpa > O Líder em Energia Limpa www.thecleanenergyleader.com Descubra um mundo de agricultura produtiva e sustentável Desde 2006, a New Holland é comprovadamente o Líder em energia limpa pela sua promoção activa

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Alimentação da vaca leiteira

Alimentação da vaca leiteira Alimentação da vaca leiteira A exploração leiteira consiste em atividade de converter recursos alimentares em leite, cujo valor agregado é superior a matéria-prima original. Recursos alimentares: Volumosos

Leia mais

Webinar o Nutricionista

Webinar o Nutricionista Webinar o Nutricionista Dr. Dan Undersander PhD / Professor Universidade de Wisconsin - Madison Silagem de milho: da colheita ao silo. O que eu preciso saber para produzir o máximo de leite com minha silagem.

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Verde e amarelo: uma marca que lhe dá pressão. Filtros para compressores

Verde e amarelo: uma marca que lhe dá pressão. Filtros para compressores Verde e amarelo: uma marca que lhe dá pressão Filtros para compressores Opte sempre pela segurança na manutenção: a gama de filtros para qualquer compressor Separadores de óleo do ar Filtros de ar Filtros

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

O controlo desde a sementeira até à pós-emergência precoce 34

O controlo desde a sementeira até à pós-emergência precoce 34 Catálogo milho 2 Índice 3 Variedades de milho grão 5 Variedades de milho silagem 18 Novidade na investigação: O controlo precoce das infestantes 27 O controlo das infestantes 33 O controlo desde a sementeira

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Bayer Sementes FiberMax

Bayer Sementes FiberMax Bayer Sementes FiberMax Coord. Desenvolvimento Técnico Sementes FiberMax Planta Forte Sementes ao Botão Floral Semente: É um chip que carrega as características genéticas. Indutor de Produtividade. Características

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SELEÇÃO GENÉTICA DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DO SETOR AGRÍCOLA

INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SELEÇÃO GENÉTICA DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DO SETOR AGRÍCOLA MILHO INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SELEÇÃO GENÉTICA DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DO SETOR AGRÍCOLA A ilosoia da CAUSSADE SEMENCES pode resumir-se em três vertentes: atividade empresarial de produção

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

Milho - Girassol - Sorgo

Milho - Girassol - Sorgo Milho - Girassol - Sorgo 2009 Experimentação e demonstração A ROCALBA investe todos os anos em Portugal e Espanha capital económico e humano, com o propósito de testar e adaptar a determinadas zonas as

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

DEKALB pode recomendar-lhe a densidade adequada e a necessidade de água em cada metro quadrado da sua quinta. Milho Silagem

DEKALB pode recomendar-lhe a densidade adequada e a necessidade de água em cada metro quadrado da sua quinta. Milho Silagem Chegou o momento de melhorar a sua silagem com a DEKALB. Agora,a DEKALB pode recomendar-lhe a densidade adequada e a necessidade de água em cada metro quadrado da sua quinta. Milho Silagem Milho Silagem

Leia mais

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino

Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Amendoim forrageiro - alternativas destinadas ao consumo eqüino Objetivando-se uma criação rentável e tecnicamente planejada, nada mais correto que o produtor venha a preocupar-se com a disponibilidade

Leia mais

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS ...opção de futuro Contactos Organização Sede Lusosem - produtos para agricultura, S.A. Rua General Ferreira Martins, nº 10-9º A - 1495-137 ALGÉS

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação.

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. NUTRIÇÃO DE GATOS DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3 Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. Introdução Nutrição veterinária é a ciência que tem por objetivo descobrir

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO UNIFEED: RAÇÕES COMPLETAS Amadeu Borges de Freitas Universidade de Évora, Departamento de Zootecnia 1.INTRODUÇÃO A correcta alimentação dos animais deve constituir uma prioridade

Leia mais

Da quinta para a mesa

Da quinta para a mesa The Seasons Restaurante de Formação da MUST Restauração e Formação Caminham em Paralelo Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau www.must.edu.mo Da quinta para a mesa Na primavera de 2014, o The Seasons

Leia mais

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA Um substrato para "hidroponia" é o suporte para o desenvolvimento das raízes, limitado fisicamente no seu volume, isolado do solo, capaz de proporcionar à planta

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA???

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA??? Conservação de Forragem Silagem Sistema de Produção de Carne Terminados a pasto aproximadamente 90 % Terminados em confinamentos aproximadamente 10% Produção de forragem > Quantidade Forragem > Qualidade

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Bovinos de leite. Exognósia e Maneio Animal 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO

Bovinos de leite. Exognósia e Maneio Animal 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO Exognósia e Maneio Animal 4 de Novembro de 2008 Bovinos de leite 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO Paulo P. Cortez IV. Principais raças de aptidão leiteira Instituto de Ciências

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Determinação da matéria seca em forno de micro-ondas doméstico Por Bleine Conceição Bach e Patrick

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Catálogo 2013. Seja a semente.

Catálogo 2013. Seja a semente. Catálogo 2013 Seja a semente. Características dos híbridos de MILHO MARCA PIONEER HÍBRIDOS FAO FLORAÇÃO INTEGRAL TÉRMICA MATURAÇÃO SILAGEM POPULAÇÃO RECOMENDADA VIGOR À NASCENÇA RESPOSTA ÀS DENSIDADES

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

Comunicado Técnico 94

Comunicado Técnico 94 Comunicado Técnico 94 ISSN 0101-5605 Novembro, 2004 Sete Lagoas, MG Avaliação de Cultivares de Milho e Sorgo para Produção de Forragem Antônio Carlos Viana 1 Marco Aurélio Noce 2 As silagens de milho e

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 9 O Valor Económico do Meio Ambiente O porquê da Valorização Ambiental Como vimos em tudo o que para trás

Leia mais

O FAN Press Screw Separator PSS

O FAN Press Screw Separator PSS O FAN Press Screw Separator PSS Os separadores PSS podem processar resíduos grossos com (20% de sólidos), bem como resíduos finos (abaixo de 0,1% de sólidos). A umidade dos sólidos separados pode ser ajustada

Leia mais

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi realizar um estudo

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas

ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas ARTIGO TÉCNICO Minerthal Pró-águas Suplementação protéica energética no período das águas A bovinocultura de corte brasileira tem sua produção concentrada em sistemas de pastejo e, portanto, dependente

Leia mais

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM 2014-2015 é a identificação das cultivares produzidas pela Embrapa. Elas são desenvolvidas visando alta produtividade e qualidade de grãos aliadas

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

tesa ACX plus o mundo das aplicações estruturais adesivas

tesa ACX plus o mundo das aplicações estruturais adesivas o mundo das aplicações estruturais adesivas Baseado em 75 anos de experiência na produção de fitas e soluções adesivas, a tesa tornou-se num dos fornecedores líderes mundiais em muitos campos de aplicação

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal

Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite. Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal Impacto da nutrição na qualidade da carne e do leite Marcone Costa Zootecnista - DSc Ass. Téc. Nutrição Animal 1 Introdução: Brasil exportador - carne e leite ; Saltos de produtividade; Ganhos em escala;

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

A Gestão da Carga na Sustentabilidade do Pomar

A Gestão da Carga na Sustentabilidade do Pomar 7 A Gestão da Carga na Sustentabilidade do Pomar António Ramos Escola Superior Agrária, Quinta da Sra. de Mércules, 6001-909 Castelo Branco, Portugal aramos@ipcb.pt Sumário Nesta conferência enquadra-se

Leia mais

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement.

O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 COMO: CULTIVAR SEU PRÓPRIO FERTILIZANTE E TAMBÉM ADQUIRIR FORRAGEM PARA ANIMAIS E LENHA. www.gaia-movement. O MOVIMENTO GAIA BROCHURA NO 8 Depois da colheita os galhos cortados são usados para cobrir a terra. Isto protege contra erosão, guarda a humidade e melhora a terra com matéria orgânica, assim que segura

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MANEJO ALIMENTAR DE CORDEIROS MARIANNA MIETTO MENDES 3 ZOOTECNIA INTRODUÇÃO Mercado; Período de aleitam

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa!

1. ENQUADRAMENTO. Contacte-nos hoje para saber mais. Esta é a solução de Gestão do Desempenho de que a sua Empresa precisa! 1. ENQUADRAMENTO O PERSONIS é uma solução integrada de gestão e avaliação de desempenho que foi desenhada pela GlobalConsulting e suportada por uma aplicação desenvolvida pela CENTRAR numa estreita parceria,

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Performance Ratio Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Conteúdo A Performance Ratio é uma das unidades de medida mais importantes para a avaliação da eficiência de um sistema fotovoltaico. Mais

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO Suetônio Mota (1) Engenheiro Civil e Sanitarista. Doutor em Saúde Ambiental, pela Universidade de São Paulo. Professor Titular do Centro

Leia mais