KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "KWS Inovação e Selecção. Catálogo 2014"

Transcrição

1 KWS Inovação e Selecção Catálogo 2014

2 KWS, 158 anos dedicados em exclusivo à selecçâo, multiplicação e comercialização de semente Sabia que em 2013 foi de novo lider europeu de vendas de sementes para silagem e bioenergia? manteve a segunda posição europeia em venda total de semente de milho? foi pela primeira vez lider de vendas na França e na Holanda? manteve o objetivo de investir em ID 15% da sua faturação do ano anterior? aumentou a sua presença em novos mercados como o Brasil e a China? Evolução da faturação KWS KWS China Evolução do investimento da KWS em ID de novas variedades KWS Einbeck,

3 Catálogo 2014 RUBISCO AMADEO RONALDINIO KUADRO KONSENS KALUMET Dias mais GAMA SILAGEM Variedade com aptidão grão Variedade com aptidão silagem ATLETICO ALABASTRO KWS 1393 KORIMBOS KOLUMNAS YG KAYRAS NOVO PESANDOR KLIPS KRASSUS KILLERAS Dias mais GAMA SILAGEM MIKADO KOLOSSEUS

4 RUBISCO FAO dias Grão vitreo amarelo corado Ciclo 200 precoce Planta equilibrada com espiga baixa Grão vitreo amarelo corado de qualidade Caule forte de boa sanidade Muito boa fertilidade da espiga Adaptável a sequeiros com sementeiras precoces ou regadio

5 AMADEO FAO dias Grandes produções com grão semi-dentado de qualidade Planta vigorosa Inserção baixa da maçaroca Muito boa resistência à acama Alto potencial de produção de grão em regadio, mas rustico em condições mais difíceis

6 RONALDINIO FAO dias O milho mais semeado na Europa! Muito boa tolerância ao frio no início da Primavera Permite sementeiras muito precoces e colheitas antecipadas de silagem com excelente produtividade. Boa resistência à acama radicular Plantas altas e vigorosas Excelente sanidade e muito bom stay-green É a variedade mais semeada na Europa, indicador seguro da sua adaptabilidade ambiental e estabilidade de comportamento. Sto. Tirso

7 ATLETICO Precoce, rústico e produtivo FAO 200 longo 90 dias Rendimento excepcional para o ciclo Híbrido trilíneo, rústico e precoce Planta muito alta e vigorosa Boa tolerância ao Helmintosporium Maçaroca grande de grão semivítreo Produções record de silagem em todos os ambientes ATLETICO

8 ALABASTRO Grão vitreo miúdo alaranjado FAO dias Grão miúdo de qualidade excecional Espiga muito bem recoberta e fácil conservação Planta muito sã e caule resistente Bem adaptado a sementeiras precoces

9 PESANDOR O novo 300 para silagem e grão FAO dias Híbrido vigoroso e planta equilibrada Caule são, grosso, e resistência à acama Precocidade sem sacrificar o rendimento Excelente sanidade Tolerância ao stresse Compete em produção com híbridos mais tardios Excelente produtor de grão

10 KWS 1393 O FAO 300 todo-o-terreno FAO dias Planta muito alta e vigorosa Produções elevadas de silagem precoce Muito bom em sementeiras tardias Excelente comportamento em condições difíceis Maçaroca comprida de carôlo delgado

11 KRASSUS Produtivo e estável em todos os ambientes FAO dias Planta vigorosa, folhuda, e muito equilibrada Excelente sanidade e tolerancia à helmintosporiose Ideal para sementeiras tardias ou colheitas precoces Boa tolerância ao stress Estabilidade de comportamento e competitividade comprovada nas quatro últimas campanhas Krassus: média 6 ensaios silagem 2011 / 12 59, ,4 40,6 44, ,0 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF KONSENS : média 5 ensaios silagem 2012/13

12 MIKADO Rústico, estável e muito produtivo FAO dias Híbrido rustico e muito produtivo Planta imponente e folhuda de espigas grossas Boa adaptação a todas as épocas de sementeira Produtividade alta mesmo em condições dificeis Estabilidade de comportamento em diferentes anos

13 KUADRO KUADRO 0 Rendimento e qualidade exemplares FAO MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF 73,7 KONSENS : média 5 ensaios silagem 2012/ dias Silagens com alto rendimento em grão 60 Híbrido 50 muito vigoroso com folhas largas e caule robusto ,2 36,2 Grande potencial de rendimento nas zonas mais 25,3 competitivas 20 Excelente sanidade e tolerância á helmintosporiose 0 Muito bom vigôr inicial: excelente em sementeiras precoces Kuadro: KUADRO média : média 8 8 ensaios silagem 2011/ / 13 43,0 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF 74,6 34,1 25,3 35,7 45,5 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF

14 KONSENS Imbatível para silagens de alta energia FAO dias 70 Híbrido vigoroso, com muito boa sanidade do caule e folhas ,2 Maçarocas muito grossas de carôlo delgado Alto potencial produtivo 35,4 em grão, e para silagens record em rendimentos de amido Muito bom stay green 0 21,0 40,6 44,4 Excelente emergência em sementeiras precoces MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF Konsens: KONSENS média : média 6 5 ensaios silagem 2012/ / 13 73,7 43,0 34,2 36,2 25,3 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF

15 KONSENS confirmou em 2013, e em todos os ambientes, o seu grande potencial de rendimento e qualidade Sto. Tirso Gondifelos Lemenhe Moita

16 KALUMET O máximo de stay-green e de digestibilidade Maturação suave do grão e Stay Green excecional: + FLEXIBILIDADE NA COLHEITA + DIGESTIBILIDADE Dias mais GAMA SILAGEM FAO 500 longo 115 dias Planta alta, e de folhas muito largas Grande potencial produtivo, em matéria verde, matéria seca, e amidos Caule são, grosso, e resistência à acama Boa tolerãncia à Helmintosporiose Maçarocas grandes e muito regulares Kalumet: KALUMET média : média ensaios ensaios silagem silagem 2011/ /13 78,8 43,6 35,6 32,3 25,4 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF

17 KALUMET : uma qualidade inexcedivel, confirmada nas análises dos silos da colheita 2013 Moita Ferreiró (V. Conde) Labruge (V. Conde) Barcelos

18 KORIMBOS 500 precoce: estável e muito produtivo FAO dias Planta muito equilibrada Ciclo 500 médio-precoce Dupla aptidão grão-silagem Boa resistência à acama Boa tolerância à broca e caule resistente Muito boa tolerância à Helmintosporiose Compete em produtividade com ciclos mais tardios

19 KOLUMNAS YG Novo FAO 500 Bt para grão 600 Bt, auto-protegido contra as brocas Ciclo identico a Korimbos Planta de altura média, muito equilibrada, com boa sanidade. Caule robusto e boa resistência à acama Excelente produtividade, e estabilidade de comportamento em diferentes ambientes Boa tolerancia ao stresse Maçarocas grandes e muito regulares Peso específico médio-alto

20 KAYRAS Novo FAO 600 para os regadios do Sul FAO dias Planta de altura média-alta Potencial produtivo muito elevado Muito boa sanidade do caule Grão de peso especifico médio e com boa rapidez de perca de humidade Recomendado para todas as zonas de elevado potencial produtivo Excelente vigôr inicial Possivel utilização em colheita para silo

21 KILLERAS Rendimento, energia e digestibilidade KALUMET : média ensaios silagem 2011/13 FAO ,8 Maçarocas grandes e muito regulares Planta altas e folhudas, de caule grosso Máximo stay-green 32,3 35,6 25,4 Muito boa sanidade da folha e caule Grande rendimento de amido 120 dias 43,6 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF Para todas as zonas de 600 silagem, incluindo os Açores KILLERAS : média ensaios silagem 2011/13 KILLERAS : média ensaios silagem 2011/ , , ,0 31, ,3 0 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF

22 KLIPS Um valor seguro em 600 silagem 90 FAO ,0 Grande produtor de silagem e de 60 matéria seca por ha 50 Planta muito alta e de caule robusto ,3 Maçarocas grandes e regulares 20 KILLERAS : média ensaios silagem 2011/13 25,3 125 dias Excelente sanidade e tolerância à helmintosporiose 0 35,0 44,9 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF Klips destaca-se pela sua adaptabilidade e estabilidade em diferentes zonas e condições KLIPS : média 6 ensaios silagem 2011/12 Klips : média 6 ensaios silagem 2011/12 75,2 44,7 33,1 35,8 24,8 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF

23 KOLOSSEUS Líder em Matéria Seca/ha! FAO dias Máxima produção de silagem e de matéria seca por hectare Planta vigorosa, muito alta e folhuda Muito boa sanidade e tolerância à helmintosporiose Caule grosso e robusto Muito bom stay green Kolosseus : média 8 ensaios silagem 2011/ ,7 48,0 31,8 26,9 32,2 MV t/ha MS % MS t/ha Amido % NDF

24 Distância entre sementes (cm) Tabela de Sementeira Distância entre linhas (cm) nº sementes / ha x 00 Nº sementes por m linha

25 QUADRO RESUMO DAS VARIEDADES FAO HIBRIDO DIAS APTIDÃO GRÃO APTIDÃO SILO CARACTERISTICAS RESUMIDAS PÁG. 200 RUBISCO 80 Muito precoce de grão vitreo amarelo corado AMADEO 85 Precoce, muito produtivo e com grão de qualidade RONALDINIO 90 A variedade milho mais semeada na Europa! ATLETICO 90 Uma referência de rusticidade para silagens rápidas ALABASTRO 90 Grão vitreo miúdo alaranjado de alta qualidade PESANDOR 95 Novo FAO 300 para silo e grão KWS Um FAO 300 silagem rustico e produtivo 400 KRASSUS 5 Produtivo e muito estavel em todos os ambientes MIKADO 115 Estável, rústico e muito produtivo KUADRO 115 Qualidade e rendimento exemplares KONSENS 1 Imbativel para silagens de alta energia KALUMET 118 Máximo de rendimento e stay green, com alta digestibilidade KORIMBOS 1 FAO 500 precoce, muito estável e produtivo com dupla aptidão KOLUMNAS YG 115 Novo trangénico, Bt 500, com bom dry-down KAYRAS 120 Novo FAO 600 para os regadios do Sul KILLERAS 120 Rendimento, energia e digestibiliade KLIPS 125 Um valôr seguro em 600 para silo KOLOSSEUS 125 O máximo de rendimento de silagem 23 YielGard e o logotipo são marcas registadas e usadas sob licença da Monsanto Technology LLC

26 Triticale KWS Grande massa vegetativa para grandes resultados Porte muito elevado Tolerância à acama TRIMMER COSINUS Tolerância ao frio e a condições adversas Grandes rendimentos de Matéria Seca /ha

27 notas

28 KWS O gado agradece Comerciais Norte e Centro: E. Magalhães: F. Carvalho: M. Fernandes: Comerciais Oeste, Ribatejo e Sul: T. Barros: C. Burnay: Logistica e Faturação: M. Baleia:

KWS Inovação e Selecção

KWS Inovação e Selecção KWS CATÁLOGO 2015 KWS CATÁLOGO 2015 KWS CATÁLOGO 2015 KWS CATÁLOGO 2015 KWS CATÁLO KWS Inovação e Selecção CATÁLOGO 2015 KWS no mundo: Grande expansão das atividades de investigação 2005/06 2006/07 2007/08

Leia mais

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS

para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS para que da terra germine futuro... CATÁLOGO DE MILHOS ...opção de futuro Lusosem Milhos Híbridos A gama actual da Lusosem reflecte o esforço de uma equipe de peritos em milho que ao longo dos anos tem

Leia mais

Muito mais do que imagina CATÁLOGO 2017 SEMEANDO O FUTURO DESDE Genética todo-o-terreno. Variedades para ganhar.

Muito mais do que imagina CATÁLOGO 2017 SEMEANDO O FUTURO DESDE Genética todo-o-terreno. Variedades para ganhar. Muito mais do que imagina CATÁLOGO 2017 SEMEANDO O FUTURO DESDE 1856 Genética todo-o-terreno. Variedades para ganhar. KWS NO MUNDO Mais de 180 milhões de Euros de investimento em Investigação e Desenvolvimento,

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Passo a passo na escolha da cultivar de milho

Passo a passo na escolha da cultivar de milho Passo a passo na escolha da cultivar de milho Beatriz Marti Emygdio Pesquisadora Embrapa Clima Temperado (beatriz.emygdio@cpact.embrapa.br) Diante da ampla gama de cultivares de milho, disponíveis no mercado

Leia mais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais

Aspectos Gerais e Agronômicos. Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira 05/04/2013. Silagem de Milho Aspectos Gerais Silagem de Milho na Bovinocultura Leiteira % 60 50 40 30 20 10 0 Prof. Thiago Bernardes DZO/UFLA Ciclo de Palestras em Bovinocultura de Leite e Corte Terra Jr Consultoria 31 de Janeiro de 2013 Utilização

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

Ponto de Corte do Milho para Silagem

Ponto de Corte do Milho para Silagem Setor de Forragicultura Ponto de Corte do Milho para Silagem Eng. Agr. Igor Quirrenbach de Carvalho 23/8/213 Acertar o ponto de corte é fundamental para ter alta produção de massa e alta qualidade nutricional.

Leia mais

É o MoMENto DE conseguir A MáxiMA produção. Milho grão

É o MoMENto DE conseguir A MáxiMA produção. Milho grão É o momento de conseguir a máxima. Agora, a DEKALB pode recomendar-lhe a densidade adequada e a necessidade de água em cada metro quadrado da sua quinta. Milho Grão Milho Grão / Resumo Variedades Híbrido

Leia mais

Milho - Girassol - Sorgo

Milho - Girassol - Sorgo Milho - Girassol - Sorgo 2009 Experimentação e demonstração A ROCALBA investe todos os anos em Portugal e Espanha capital económico e humano, com o propósito de testar e adaptar a determinadas zonas as

Leia mais

O controlo desde a sementeira até à pós-emergência precoce 34

O controlo desde a sementeira até à pós-emergência precoce 34 Catálogo milho 2 Índice 3 Variedades de milho grão 5 Variedades de milho silagem 18 Novidade na investigação: O controlo precoce das infestantes 27 O controlo das infestantes 33 O controlo desde a sementeira

Leia mais

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM 2014-2015 é a identificação das cultivares produzidas pela Embrapa. Elas são desenvolvidas visando alta produtividade e qualidade de grãos aliadas

Leia mais

PORTFÓLIO DE VARIEDADES

PORTFÓLIO DE VARIEDADES PORTFÓLIO DE VARIEDADES SOJA ABRIL, 2015 SEEDCORP.COM.BR VARIEDADES SEEDCORP RR IPRO EXCLUSIVIDADES SEEDCORP RR IPRO NA 5909 RG Nidera Precocidade: possibilidade de segunda safra; Máxima estabilidade em

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS VARIEDADES CTC RESUMO CTC

CARACTERÍSTICAS DAS VARIEDADES CTC RESUMO CTC CARACTERÍSTICAS DAS VARIEDADES CTC RESUMO CTC 1 Precoce, muito rica. Ambientes de produção B a D. Mudas novas no plantio e em solos arenosos/média textura para evitar falhas. Boa qualidade de caldo. CTC

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

Bayer Sementes FiberMax

Bayer Sementes FiberMax Bayer Sementes FiberMax Coord. Desenvolvimento Técnico Sementes FiberMax Planta Forte Sementes ao Botão Floral Semente: É um chip que carrega as características genéticas. Indutor de Produtividade. Características

Leia mais

DEKALB pode recomendar-lhe a densidade adequada e a necessidade de água em cada metro quadrado da sua quinta. Milho Silagem

DEKALB pode recomendar-lhe a densidade adequada e a necessidade de água em cada metro quadrado da sua quinta. Milho Silagem Chegou o momento de melhorar a sua silagem com a DEKALB. Agora,a DEKALB pode recomendar-lhe a densidade adequada e a necessidade de água em cada metro quadrado da sua quinta. Milho Silagem Milho Silagem

Leia mais

Catálogo 2013. Seja a semente.

Catálogo 2013. Seja a semente. Catálogo 2013 Seja a semente. Características dos híbridos de MILHO MARCA PIONEER HÍBRIDOS FAO FLORAÇÃO INTEGRAL TÉRMICA MATURAÇÃO SILAGEM POPULAÇÃO RECOMENDADA VIGOR À NASCENÇA RESPOSTA ÀS DENSIDADES

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente

SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente SILAGEM DE MILHO E SORGO: Opção Inteligente Marcio Pelegrini Engenheiro Agrônomo, Ms. Tecnologia de Sementes. Consultor de silagem da Santa Helena Sementes. 1 Os avanços tecnológicos cada vez mais presentes

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades Sementes de SOJA A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades de alto potencial produtivo, os produtores têm

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Comunicado Técnico 94

Comunicado Técnico 94 Comunicado Técnico 94 ISSN 0101-5605 Novembro, 2004 Sete Lagoas, MG Avaliação de Cultivares de Milho e Sorgo para Produção de Forragem Antônio Carlos Viana 1 Marco Aurélio Noce 2 As silagens de milho e

Leia mais

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 98 Cultivares de Soja

Leia mais

Guia de Produtos 2014. Região Sul

Guia de Produtos 2014. Região Sul Guia de Produtos 2014 Sul Eleita em 2013 a melhor empresa brasileira de sementes * *Revista Globo Rural Supervisores regionais Índice Mato Grosso do Sul Nicolas Alves Cornacioni (67) 8118 6043 nicolas.cornacioni@coodetec.com.br

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Sorgo Biomassa Gutemberg de Aquiles Pereira 1, Rafael A. da C. Parrella 2, Nádia

Leia mais

Índice. Variedades de sementes. Variedades de milho grão 6 Características das novas variedades. Variedades de milho silagem

Índice. Variedades de sementes. Variedades de milho grão 6 Características das novas variedades. Variedades de milho silagem Catálogo milho 2 Índice 3 Variedades de sementes 5 Variedades de milho grão 6 Características das novas variedades 23 Variedades de milho silagem 24 Tabela para determinação do número de plantas por ha

Leia mais

Webinar o Nutricionista

Webinar o Nutricionista Webinar o Nutricionista Dr. Dan Undersander PhD / Professor Universidade de Wisconsin - Madison Silagem de milho: da colheita ao silo. O que eu preciso saber para produzir o máximo de leite com minha silagem.

Leia mais

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo Sorgo de alta biomassa E( )pert em sorgo E( )periência de uma empresa sólida e focada. Com sede em Campinas/SP, a linha de produtos é comercializada sob a marca Blade, que tem autoridade quando o assunto

Leia mais

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade

Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Produção, Uso e Vantagens de Silagens de Alta Qualidade Luis Eduardo Zampar - Consultor Biomatrix A silagem de milho de alta qualidade tem sido muito utilizada por produtores de gado de corte e leite,

Leia mais

Climate Change and Market Access: Challenges in Mozambique

Climate Change and Market Access: Challenges in Mozambique Climate Change and Market Access: Smallholder Market Challenges in Mozambique Introdução 1. Processo de Produção ao Mercado 2. Efeitos das Mudanças Climáticas na Agricultura e Acesso ao Mercado 3. Acções

Leia mais

Catálogo Milho. Girassol. Sorgo.

Catálogo Milho. Girassol. Sorgo. Catálogo 2013 Milho Girassol Sorgo ÍNDICE MILHO Ciclo pág. GIRASSOL pág. AGN 720 600 3 AGN 717 600 4 AGN 625 600 5 GENESIS 600 6 WICHITA 600 7 JOLLY 500 8 KAM 500 9 PICO 400 10 ISIA 400 11 SUMBRA 400 12

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Variedades de Gramas Comerciais. Engº. Agrº. Ricardo Brandão Martins 27 9226-0213 ou 9881-9481 ricardomartins@itograss.com.br

Variedades de Gramas Comerciais. Engº. Agrº. Ricardo Brandão Martins 27 9226-0213 ou 9881-9481 ricardomartins@itograss.com.br Variedades de Gramas Comerciais Engº. Agrº. Ricardo Brandão Martins 27 9226-0213 ou 9881-9481 ricardomartins@itograss.com.br 20 cultivares Novas tecnologias BRASIL Itapetininga/SP 1 cultivar: Japonesa

Leia mais

Uma referência incontestável no milho

Uma referência incontestável no milho Nota de Imprensa Syngenta em Campo 2013: Uma referência incontestável no milho Os bons resultados obtidos pela Syngenta na campanha de milho 2012-2013 incentivam a empresa a prosseguir a sua estratégia

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS Sementes Forrageiras nature SEEDS GRAMÍNEAS AZEVÉM ANUAL (Lolium multiflorum) Gramíneas Espécie anual ou bianual de excelente qualidade forrageira e palatabilidade. De muito rápida implantação e grande

Leia mais

Catalogo milho. Norte de Portugal

Catalogo milho. Norte de Portugal Catalogo milho Norte de Portugal RAGT Uma pesquisa inovadora Mais de 200 variedades inscritas cada ano no seio de 24 espécies: milho, girassol, sorgo, gramíneas e leguminosas forrageiras, trigo duro, trigo

Leia mais

INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SELEÇÃO GENÉTICA DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DO SETOR AGRÍCOLA

INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SELEÇÃO GENÉTICA DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DO SETOR AGRÍCOLA MILHO INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SELEÇÃO GENÉTICA DE ACORDO COM AS NECESSIDADES DO SETOR AGRÍCOLA A ilosoia da CAUSSADE SEMENCES pode resumir-se em três vertentes: atividade empresarial de produção

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

D456789: N;74:<;= >:? S65A48:? AB5;54:? MINAG D6G;5H;I66 CJ=HJ5;? 6 AA4?: P5KA4: Boas Perspecvas de produção para a Campanha Agrícola 2014-15.

D456789: N;74:<;= >:? S65A48:? AB5;54:? MINAG D6G;5H;I6<H: >6 CJ=HJ5;? 6 AA4?: P5KA4: Boas Perspecvas de produção para a Campanha Agrícola 2014-15. D456789: N;74::? S65A48:? AB5;54:? MINAG D6G;5H;I66 CJ=HJ5;? 6 AA4?: P5KA4: Edição Nº 01 Campanha Agrícola 2014/15 Publicado em: 02/10/2014 B A Em Foco Boas Perspecvas de produção para a Campanha

Leia mais

Verde e amarelo: uma marca que lhe dá pressão. Filtros para compressores

Verde e amarelo: uma marca que lhe dá pressão. Filtros para compressores Verde e amarelo: uma marca que lhe dá pressão Filtros para compressores Opte sempre pela segurança na manutenção: a gama de filtros para qualquer compressor Separadores de óleo do ar Filtros de ar Filtros

Leia mais

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras

Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Cana-de-açúcar na alimentação de vacas leiteiras Roberta Aparecida Carnevalli Pesquisadora Embrapa Agrossilvipastoril Cana-de-açúcar Alimentação humana xaropes sacarose Aguardente Combustível etanol energia

Leia mais

CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM

CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM CULTIVARES DE MILHO PARA SILAGEM Solidete de Fátima Paziani, Pólo APTA Centro Norte, Pindorama/SP Aildson Pereira Duarte, Programa Milho IAC/APTA, Assis/SP Luiz Gustavo Nussio, USP/ESALQ, Piracicaba/SP

Leia mais

É por isso que o convidamos a conhecer nas próximas páginas nossos lançamentos e produtos que há anos fazem parte do nosso catálogo. Seja bem-vindo!

É por isso que o convidamos a conhecer nas próximas páginas nossos lançamentos e produtos que há anos fazem parte do nosso catálogo. Seja bem-vindo! Não é do dia para a noite que uma empresa se torna referência no seu setor, e com a Agrocinco não foi diferente. Após 15 anos de atuação no mercado brasileiro de sementes de hortaliças de alto rendimento,

Leia mais

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino

Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Paulo Monjardino O que são OGM? Organismos que são manipulados geneticamente por técnicas de biotecnologia molecular com vista a introduzir-se ou suprimir-se

Leia mais

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores

Alfaces. Brócolis, Repolhos e Couves-flores Alfaces Brócolis, Repolhos e Couves-flores Compromissos Seminis produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes conhecimento Rede global de melhoramento genético

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 Aildson Pereira Duarte (IAC, Campinas) Luiz Gustavo Nussio (USP/ESALQ, Piracicaba) Solidete

Leia mais

Colheita, Transporte e Armazenagem das Amostras de Silagem

Colheita, Transporte e Armazenagem das Amostras de Silagem Página 1 de 5 Colheita, Transporte e Armazenagem das Amostras de Silagem ALTERAÇÃO (ÕES) À ÚLTIMA VERSÃO Pág. 3 RESPONSÁVEIS PELO DOCUMENTO Nome Função Rubrica/Data Elaborado por Valentina Santos Responsável

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

Eng. Agro. Cristiano Moura Representante Comercial SP/PR

Eng. Agro. Cristiano Moura Representante Comercial SP/PR Eng. Agro. Cristiano Moura Representante Comercial SP/PR AGENDA Nexsteppe Sorgo Sacarino O que temos de novidade Como podemos ajudar o mercado? QUEM SOMOS Empresa de comercialização de sementes de sorgo,

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR)

Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Universidade Federal do Paraná Departamento de Zootecnia Centro de Pesquisa em Forragicultura (CPFOR) Determinação da matéria seca em forno de micro-ondas doméstico Por Bleine Conceição Bach e Patrick

Leia mais

Comunicado Técnico. Plantio de milho para silagem. Introdução. João Eustáquio Cabral de Miranda 1 Humberto Resende 2 José de Oliveira Valente 3

Comunicado Técnico. Plantio de milho para silagem. Introdução. João Eustáquio Cabral de Miranda 1 Humberto Resende 2 José de Oliveira Valente 3 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comunicado Técnico Dezembro, 27 ISSN 1678-3131 Juiz de Fora, MG 2002 Plantio de milho para silagem João Eustáquio Cabral de Miranda 1 Humberto Resende

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14

PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 PRODUÇÃO ECONÔMICA DE SILAGEM 2º Dia de Campo de Ovinocultura Pedro Canário/ES 29/11/14 Pergunta fundamental 1 Quanto custa produzir um quilo de carne????????? Pergunta fundamental 2 O que produz o pecuarista?

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

Qualidade dos Trigos franceses 2014

Qualidade dos Trigos franceses 2014 Qualidade dos Trigos franceses 2014 Metodologia Parceria FranceAgriMer / ARVALIS Institut du végétal ~ 260 locais representativos da colheita nacional (tamanho, situação geográfica, ) ~ 527 amostras de

Leia mais

A nova tecnologia de fertilização

A nova tecnologia de fertilização A nova tecnologia de fertilização AMIGOS E PARCEIROS, há quase 3 anos atrás, abrimos um novo capítulo na indústria agrícola com a constituição da AGROsolution. Estes últimos anos foram espantosos e instrutivos

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

I Seminário Internacional de Propriedade Intelectual em Países de Língua Portuguesa. Tema:

I Seminário Internacional de Propriedade Intelectual em Países de Língua Portuguesa. Tema: I Seminário Internacional de Propriedade Intelectual em Países de Língua Portuguesa Tema: Propriedade Intelectual em Agricultura e Conhecimentos Correlatos A RECENTE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO AGRÍCOLA

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI PROF. DR. MÁRCIO CLEBER DE MEDEIROS CORRÊA Departamento de Fitotecnia Centro de Ciências Agrárias Universidade Federal do Ceará Fortaleza - CE III Simpósio

Leia mais

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA???

Conservação de Forragem Silagem. Sistema de Produção de Carne. Produção de forragem O QUE FAZER COM ESSES ANIMAIS NA ÉPOCA SECA??? Conservação de Forragem Silagem Sistema de Produção de Carne Terminados a pasto aproximadamente 90 % Terminados em confinamentos aproximadamente 10% Produção de forragem > Quantidade Forragem > Qualidade

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

CATÁLOGO MILHO - GRÃO/SILAGEM MILHO - GIRASSOL - SORGO

CATÁLOGO MILHO - GRÃO/SILAGEM MILHO - GIRASSOL - SORGO CATÁLOGO MILHO - GRÃO/SILAGEM MILHO - GIRASSOL - SORGO ÍNDICE MILHO Ciclo pág. GIRASSOL Pág. AGN 720 600 3 ISH 715 600 4 AGN 625 600 5 SURAS 500 6 ISIA 400 7 SUMBRA 400 8 SUM 305 300 9 SUPERBIA 300 10

Leia mais

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Porto, 29 de novembro de 2014 Divisão de Variedades e Sementes PRINCÍPIOS BASE DO COMÉRCIO DE SEMENTE Inscrição de variedades Certificação de

Leia mais

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja

Culturas alternativas e plantas para fins energéticos. Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja Culturas alternativas e plantas para fins energéticos Manuel Patanita Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Beja SUMÁRIO Energias renováveis Energia da biomassa Culturas energéticas Bioetanol

Leia mais

Evolução da governança publica/privada na utilização da soja RR no Brasil

Evolução da governança publica/privada na utilização da soja RR no Brasil Evolução da governança publica/privada na utilização da soja RR no Brasil Michel FOK, Marcelo Varella, Josemar X. de MEDEIROS Apresentação Dificuldade de falar de um fenômeno já bem conhecido dos produtores

Leia mais

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO Autor 1 Renata Fernandes de Matos Autor 2 Edilza Maria Felipe Vásquez Autor 3 Leonardo Lenin Marquez de Brito

Leia mais

CONFIABILIDADE DESEMPENHO

CONFIABILIDADE DESEMPENHO CONFIABILIDADE DESEMPENHO www. magotteaux. com STRATEGIEDESIGN 09/2006 Em 1950, a MAGOTTEAUX desenvolveu as primeiras bolas fundidas ao cromo na sua planta de Vaux (Bélgica). Hoje, o grupo produz mais

Leia mais

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária

Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração Lavoura Pecuária XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Manejos da Cobertura do Solo e da Adubação Nitrogenada na Cultura do Milho para Silagem em Sistema de Integração

Leia mais

KWS - Catálogo de Milho

KWS - Catálogo de Milho KWS - Catálogo de Milho 2015 1 KWS SAAT AG KWS SAAT AG é a quarta principal empresa de melhoramento de sementes do mundo. Há mais de 150 anos no mercado, ela está presente em mais de 70 países. O objetivo

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Cultivo de Variedades de Arroz em Modo de Produção Biológico

Cultivo de Variedades de Arroz em Modo de Produção Biológico PROJECTO: Cultivo de Variedades de Arroz em Modo de Produção Biológico Lisboa 16 de Julho de 2013 Existe normalmente uma intensa actividade humana nos Estuários. Estes são fortemente poluídos por diversas

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Caixa Postal 007, 44380-000, Cruz das Almas, BA. E-mail: helton.fleck@embrapa.br 2

Analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Caixa Postal 007, 44380-000, Cruz das Almas, BA. E-mail: helton.fleck@embrapa.br 2 REDE DE MULTIPLICAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE MATERIAIS PROPAGATIVOS DE MANDIOCA COM QUALIDADE GENÉTICA E FITOSSANITÁRIA PARA O ESTADO DA BAHIA (RENIVA) AVANÇOS E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA Helton Fleck

Leia mais

Tabela 1. Raiz de mandioca Área colhida e quantidade produzida - Brasil e principais estados Safras 2005/06 a 2007/08

Tabela 1. Raiz de mandioca Área colhida e quantidade produzida - Brasil e principais estados Safras 2005/06 a 2007/08 Mandioca outubro de 2008 Safra nacional 2006/07 Na safra brasileira 2006/07 foram plantados 2,425 milhões de hectares e colhidos 26,920 milhões de toneladas - representando um crescimento de 0,87% e de

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Serra Talhada,15 Maio de 2009

Serra Talhada,15 Maio de 2009 Serra Talhada,15 Maio de 2009 PESQUISAS COM GIRASSOL EM PERNAMBUCO O Instituto Agronômico de Pesquisas IPA, iniciou no ano de 2008 pesquisas com a cultura do girassol nas regiões do Agreste, Sertão do

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RONDONÓPOLIS

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RONDONÓPOLIS TÍTULO: AVALIAÇÃO DA PRODUTIVIDADE E DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE SORGO (SORGHUM BICOLOR L.) PARA ENSILAGEM EM FUNÇÃO DE DIFERENTES ÉPOCAS DE SEMEADURA. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA

Leia mais

Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência.

Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência. Pneumáticos Industriais. Pneus especializados para máxima eficiência. Pneumáticos Industriais da Continental Os pneumáticos industriais da Continental proporcionam conforto em todas as superfícies e, como

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

Substituir este slide pelo slide de título escolhido

Substituir este slide pelo slide de título escolhido Substituir este slide pelo slide de título escolhido AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E A AGRICULTURA PORTUGUESA Ana Paiva Brandão Coimbra, 7 de Abril de 2011 1 ÍNDICE 1. Alterações climáticas 2. Alterações climáticas

Leia mais

TUBINA TORRE DE ENERGIA

TUBINA TORRE DE ENERGIA Sistema Híbrido de Geração de Energia Fotovoltaica e Eólica + Utilização de fontes de energia renováveis; + Ferramenta única de marketing ("Green + Propaganda"); + Produtos inovadores com alta qualidade;

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais