O Financiamento da Economia e as Empresas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Financiamento da Economia e as Empresas"

Transcrição

1 O Financiamento da Economia e as Empresas Banco de Portugal Apresentação na CIP em 17/2/2009 Vítor Constâncio

2 O FINANCIAMENTO DA ECONOMIA O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS O SISTEMA BANCÁRIO E O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS

3 Investimento e Poupança Interna (% do PIB) Investimento Poupança Défice Externo

4 Capacidade (+) ou Necessidade ( ) de Financiamento dos sector Privado, do Estado e o Défice Externo Sector Privado -2-4 Estado -6-8 Défice Externo Externo = Balança Corrente +Balança de Capital Os pontos em 2003 e 2004 correspondem a valores ajustados de medidas temporárias.

5 Capacidade (+) ou necessidade (-) de financiamento (% PIB) de Famílias e Empresas Famílias Empresas A preto estão representados os valores corrigidos de medidas temporárias em 2003 e 2004.

6 20 15 Necessidades de financiamento das sociedades não financeiras (em % do PIB) Formação bruta de capital Em percentagem do PIB Poupança financeira (1) Poupança bruta Jan-Set 2006 Fonte: INE e Banco de Portugal. Notas: Valores anuais para 2007 calculados com base nas contas nacionais trimestrais. (1) A poupança financeira corresponde à diferença entre as aplicações financeiras realizadas e as responsabilidades financeiras incorridas pelo sector no período considerado. É igual, a menos de uma discrepância estatística, ao saldo de capacidade/necessidade de financiamento apurado do lado das operações não financeiras. Jan-Set 2008

7 20 Contributos para a poupança bruta das sociedades não financeiras Em percentagem do PIB Excedente de exploração (bruto) Rendimentos de propriedade (saldo) Impostos s/rendimento e património Dos quais: Juros (saldo) -20 Outras transferências correntes (saldo) Poupança bruta Jan-Set 2006 Fonte: INE. Nota: Valores acumulados de Janeiro a Setembro e ano de 2007, com base nas contas nacionais trimestrais. O saldo corresponde à diferença entre recursos e empregos. Jan-Set 2008

8

9 Balança corrente e de capital As necessidades de financiamento externo da economia portuguesa deverão flutuar em torno de 8.5% do PIB no período O défice da balança comercial deverá reduzir se em 2009 e aumentar em 2010, reflectindo essencialmente o impacto da evolução do preço do petróleo sobre os termos de troca Bal. bens e serviços Balança de rendimentos Transferências correntes Balança de capital Saldo conjunto da balança corrente e de capital 4 2 Bal. bens energéticos Bal. bens e serviços (excl. bens energéticos) Bal. bens e serviços (e) 2010(p) (e) 2010(p)

10 POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL Grécia Portugal Espanha Áustria Finlândia Itália Países Baixos França Alemanha Em percentagem do PIB Bélgica Fonte: FMI e Banco de Portugal.

11 Dívida Pública e taxas de rentabilidade de OT a 10 anos Rácio da Dívida em Dez 08 Alemanha 64.3 Nível em Dez 07 Diferencial em pontos de base em relação à Alemanha Nível em Diferencial em pontos de base em relação à Alemanha Variação do diferencial França Holanda Áustria Bélgica Espanha Portugal Grécia Itália Irlanda

12 O FINANCIAMENTO DA ECONOMIA O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS O SISTEMA BANCÁRIO E O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS

13 Taxas de crescimento do Crédito a Particulares e Empresas não financeiras

14 Área do Euro: Crescimento do crédito a particulares e empresas Crédito a particulares (escala da direita) Crescimento trimestral anualizado (escala da direita) Crédito com titularizações (escala de direita) Crescimento com titularizações (escala da direita) Taxas mensais (escala da esquerda) Crédito a empresas (escala de direita) Crescimento trimestral anualizado (escala da direita) Taxas mensais (escala da esquerda)

15 Crescimento do crédito a Empresas não financeiras

16 Set-08 Dez-08 Taxas de variação dos empréstimos a sociedades não financeiras até 1 ano de 1 a 5 anos a mais de 5 anos Por cento Dez-03 Mar-04 Jun-04 Set-04 Dez-04 Mar-05 Jun-05 Set-05 Dez-05 Mar-06 Jun-06 Set-06 Dez-06 Mar-07 Jun-07 Set-07 Dez-07 Mar-08 Jun-08 Fonte: Banco de Portugal

17 Deterioração das perspectivas de venda Rentabilidade dos investimentos PRINCIPAL FACTOR LIMITATIVO AO INVESTIMENTO - avaliação prospectiva Empercentagemdo número total de empresas comlimitações ao investimento Capacidade de autofinanciamento Obtenção de crédito Capacidade produtiva Nível das taxas de juro Outros Fonte: INE (Inquérito ao Investimento). Os resultados apresentados para cada ano têm por base o primeiro Inquérito ao Investimento publicado no início desse ano.

18 Factores de restrição da produção na indústria transformadora Financiamento Nenhum Procura Mão de obra Material/Equip. Outros

19 30 Fluxos de financiamento das sociedades não financeiras Valores consolidados 25 Em percentagem do PIB Jan-Set 06 Títulos excepto acções Empréstimos Acções cotadas Acções não cotadas e outras participações Créditos comerciais e adiantamentos Fonte: Banco de Portugal. Jan-Set 07 Jan-Set 08

20 Dívida das sociedades não financeiras Dívida financeira (1) Dívida total (2) Em percentagem do PIB Dez Dez Dez Dez Dez Dez Dez Jun Set Dez Jun Set Dez Jun Set Fonte: Banco de Portugal. Notas: (1) Inclui empréstimos e títulos excepto acções (valores consolidados). (2) Inclui empréstimos concedidos por instituições de crédito (residentes e não residentes), empréstimos/suprimentos concedidos por empresas não residentes do mesmo grupo económico, papel comercial e obrigações emitidas por sociedades não financeiras na posse de outros sectores e créditos comerciais recebidos de outros sectores.

21 140 Dívida total das sociedades não financeiras dos países da área do euro Em percentagem do PIB Espanha Portugal Países Baixos Eslovénia França Áustria Alemanha (a) Itália Finlândia Bélgica Grécia (a) Área do euro (b) Fonte: Eurostat. Notas: Valores consolidados. Inclui empréstimos, títulos excepto acções e créditos comerciais passivos. (a) Inclui responsabilidades relativas a "Outras contas a pagar".(b) Exclui Irlanda, Luxemburgo, Malta e Chipre. Exclui também a Eslovénia para o ano de 2000.

22 100 Dívida total das Empresas não Financeiras - valores consolidados em % do PIB 90 Em percentagem do PIB Dívida total: Empréstimos Títulos excepto acções Créditos comerciais e adiantamentos Fontes: INE e Banco de Portugal

23 Sociedades Não Financeiras Rácio Acções e Outras Participações sobre o PIB (Patrimónios Financeiros consolidados) 1,6 1,5 1,4 1,3 1,2 1,23 1,30 1,31 1,25 1,16 1,14 1,24 1,28 1,40 1,48 1,34 1,1 1,03 1,0 0,9 0, Set 2008

24 Sociedades Não Financeiras Acções e Participações de Capital em % do PIB (valores consolidados) Grécia Itália Eslovénia Alemanha Áustria Espanha Holanda Portugal Finlândia Bélgica França Área Euro

25 Rácio Dívida / Capital (valores consolidados) Em percentagem Itália Eslovénia Espanha Grécia (a) Áustria Portugal Países Baixos Alemanha (a) França Finlândia Bélgica Área do euro (b) Fonte: Eurostat. Notas: Rácio entre o montante de dívida total (empréstimos, títulos de dívida e créditos comerciais passivos) e o montante de passivos financeiros relativos a acções e outras participações. (a) A dívida inclui responsabilidades relativas a "Outras contas a pagar". (b) Exclui Irlanda, Luxemburgo, Malta e Chipre. Exclui também a Eslovénia para o ano de 2000.

26 O FINANCIAMENTO DA ECONOMIA O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS O SISTEMA BANCÁRIO E O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS

27 PORTUGAL 5 4 Apreciação geral Empréstimos a PMEs Média 3 2 Empréstimos a grandes empresas Empréstimos de curto prazo Empréstimos de longo prazo Bank Lending Survey 4º trimestre de T4 2003T2 2003T4 2004T2 2004T4 2005T2 2005T4 2006T2 2006T4 2007T2 2007T4 2008T2 2008T4 ALTERAÇÕES NOS CRITÉRIOS DE APROVAÇÃO (OFERTA) 5 Área do Euro 4 Apreciação geral Empréstimos a PMEs T4 2003T2 2003T4 2004T2 2004T4 2005T2 2005T4 2006T2 2006T4 2007T2 2007T4 2008T2 2008T4 Média Empréstimos a grandes empresas Empréstimos de curto prazo Empréstimos de longo prazo

28 PORTUGAL 5 Custo de capital Média 4 3 Condições para o banco no acesso a financiamento de mercado Posição de liquidez do banco Bank Lending Survey 4º trimestre de FACTORES QUE AFECTARAM OS CRITÉRIOS DE APROVAÇÃO T4 2003T2 2003T4 2004T2 2004T4 2005T2 2005T4 2006T2 2006T4 2007T2 2007T4 2008T2 Área do Euro 2008T4 Custo de capital - Custo do capital e restrições ao balanço dos bancos Média T4 2003T2 2003T4 2004T2 2004T4 2005T2 2005T4 2006T2 2006T4 2007T2 2007T4 2008T2 2008T4 Condições para o banco no acesso a financiamento de mercado Posição de liquidez do banco

29 Indicadores do Sistema Bancário (em percentagem) Jun Set Dez Jun Set P Rácio de Solvabilidade Activos líquidos sobre passivos interbancários Bancos domésticos Crédito em incumprimento (% do crédito total) Margem Financeira em % do Activo Outros Proveitos (Comissões, LOF etc) em % do Activo Rácio de eficiência (custos adminst. sobre o produto bancário) Rendibilidade do Activo (ROA) Rendibilidade dos Capitais Próprios (ROE) Resultados antes de impostos e interesses minoritários (tvh) 7.1 (28.6) 4.5 (18.8) 1.7 (11.8) Resultado líquido do exercício (tvh)

30 Rácios de incumprimento no crédito a clientes residentes (%) Jan-99 Abr-99 Jul-99 Out-99 Jan-00 Abr-00 Jul-00 Out-00 Jan-01 Abr-01 Jul-01 Out-01 Jan-02 Abr-02 Jul-02 Out-02 Jan-03 Abr-03 Jul-03 Out-03 Jan-04 Abr-04 Jul-04 Out-04 Jan-05 Abr-05 Jul-05 Out-05 Jan-06 Abr-06 Jul-06 Out-06 Jan-07 Abr-07 Jul-07 Out-07 Jan-08 Abr-08 Jul-08 Out-08 Total Particulares - total Particulares - habitação Soc. Não financeiras

31 5.0 Incumprimento nos empréstimos a sociedades não financeiras Empréstimos vencidos e outros de cobrança duvidosa / Empréstimos, ajustados de titularização Em percentagem Em percentagem 1.0 Jan-99 Jan-00 Jan-01 Jan-02 Jan-03 Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Fonte: Banco de Portugal. Nota: (a) Estimativa do fluxo anual de novos créditos vencidos e outros de cobrança duvidosa calculada ajustando a variação do saldo de crédito vencido e outros de cobrança duvidosa dos abatimentos ao activo, em percentagem -0.5

32 1.5 Rácio de incumprimento das sociedades não financeiras Contribuição sectorial 2.5 Indústrias transformadoras Construção Em pontos percentuais Em percentagem Comércio por grosso e a retalho e reparação de automóveis Serviços de actividades imobiliárias Outros serviços prestados principalmente a empresas Outros serviços Outras actividades 0.0 Dez Dez Dez Dez Dez Set Set Set Total (escala direita) Fonte: Banco de Portugal. Nota: Corresponde ao crédito concedido por instituições de crédito residentes. Inclui créditos cedidos em operações de titularização.

33 Rácio do Crédito vencido por dimensão das Sociedades não Financeiras % Dez 2007 Dez 2008 Dez Micro empresas Pequenas empresas Médias empresas Grandes empresas

34 Margem financeira (em % do Activo) Base individual Base consolidada NIC (13 grupos/universo) 1.5

35 Mercados de instrumentos de Dívida em pontos base Diferenciais das taxas de rendibilidade de títulos de empresas financeiras e as obrigações governamentais na UEM Empresas financeiras AAA AA A BBB Jan-06 Jul-06 Jan-07 Jul-07 Jan-08 Jul-08 Jan-09 Fonte: Merrill Lynch - Datastream. em pontos base Diferenciais das taxas de rendibilidade de títulos de empresas não financeiras e as obrigações governamentais na UEM Empresas não financeiras AAA AA A BBB Jan-06 Jul-06 Jan-07 Jul-07 Jan-08 Jul-08 Jan-09 Fonte: Merrill Lynch - Datastream.

36 Nov-08 Dez Taxas de juro e custo de financiamento Novas operações - habitação Yields obrigações subordinadas de bancos portugueses Novas operações - depósitos a prazo Euribor 6 meses Set-07 Out-07 Nov-07 Dez-07 Jan-08 Fev-08 Mar-08 Abr-08 Mai-08 Jun-08 Jul-08 Ago-08 Set-08 Out-08 Ago-07 Jul-07 Em percentagem

37 Taxas de Juro de Empréstimos a Empresas não Financeiras até 1 M e Diferencial para a Euribor 3 Meses

38 Sociedades não Financeiras Taxas de Juro, Empréstimos acima de 1 M e Depósitos a Prazo Dez-03 Abr-04 Ago-04 Dez-04 Abr-05 Ago-05 Dez-05 Abr-06 Ago-06 Dez-06 Abr-07 Ago-07 Dez-07 Abr-08 Ago-08 Dez-08 Empréstimos - PT Empréstimos - Área Euro Depósitos - Área Euro Depósitos - PT em percentagem

39 35 PIB nominal e empréstimos bancários (taxas anuais de crescimento) PIB nominal 30.0 Em percentagem Empréstimos bancários a particulares e empresas não financeiras Empréstimos bancários a Empresas não Financeiras PIB

40

Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2 Banco de Portugal publica Suplemento sobre Estatísticas das Administrações Públicas e divulga informação trimestral adicional O Banco de Portugal

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Abril de 2016

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Abril de 2016 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Abril de 2016 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados de Abril de 2016 do inquérito aos cinco grupos bancários incluídos

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

GALP, UM ESCÂNDALO: ESPECULAÇÃO DÁ 156 MILHÕES DE EUROS DE LUCRO EM 2010

GALP, UM ESCÂNDALO: ESPECULAÇÃO DÁ 156 MILHÕES DE EUROS DE LUCRO EM 2010 Margem de lucro das refinarias da GALP em aumentou 80,6% por barril fazendo disparar os lucros Pág. 1 GALP, UM ESCÂNDALO: ESPECULAÇÃO DÁ 156 MILHÕES DE EUROS DE LUCRO EM RESUMO A GALP acabou de divulgar

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Carlos da Silva Costa Governador 27 março 2014 Apresentação do livro A Economia Portuguesa na União Europeia: 1986-2010" Imperativos de uma

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2014 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 6 de fevereiro de 2014, manter as taxas de juro diretoras do inalteradas. A informação recentemente

Leia mais

Mercado de trabalho e Situação Financeira das Empresas em degradação acentuada

Mercado de trabalho e Situação Financeira das Empresas em degradação acentuada FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

moderadas no que respeita à inflação no médio prazo, dada a fraqueza generalizada da economia e a dinâmica monetária comedida.

moderadas no que respeita à inflação no médio prazo, dada a fraqueza generalizada da economia e a dinâmica monetária comedida. EDITORIAL Na reunião de 7 de Novembro de 2013, o Conselho do tomou uma série de decisões relativas às taxas de juro directoras do, às indicações sobre a orientação futura da política monetária (forward

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

Apresentação de contas de 2014. 5 maio 2015

Apresentação de contas de 2014. 5 maio 2015 Apresentação de contas de 2014 5 maio 2015 Balanço 2014 Balanço simplificado 2014 2013 Variação 2007 Valor Peso total balanço Valor Valor % Valor Peso total balanço Ouro 12 147 11,5% 10 714 1 433 13,4%

Leia mais

Habitação em recuperação e Obras Públicas em queda

Habitação em recuperação e Obras Públicas em queda Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 80 Junho

Leia mais

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a)

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a) Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e (a) Peso (b) 10 6 euros Variações homólogas (%) Dif. (p.p.) Tendência (x100) (c) Média Mensal (%) (d) 2014 2015 dez/15 jan/16

Leia mais

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos Taxa Anual Nominal (TAN) Taxa Anual Efectiva (TAE) Outras condições Empréstimos a taxa variável 1. Crédito Habitação Regime Geral e Linha de Crédito Permanente

Leia mais

Portugal. Principais Indicadores Económicos

Portugal. Principais Indicadores Económicos Portugal Principais Indicadores Económicos Julho de Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores de Risco

Leia mais

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008 AS S E M B L EI A D A R E P ÚBLI C A U N I D A D E T É C N I C A DE APOIO ORÇAMENTAL Ref.ª 25/UTAO/2008 Data: 7.10.2008 INFORMAÇÃO N.º 9/2008 Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 1.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 1.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 1.º trimestre de 216 Redigido com informação disponível até 2 de junho de 216 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

SONAE INDÚSTRIA, S.G.P.S., S.A. DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DE POSIÇÃO FINANCEIRA EM 31 DE MARÇO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE 2008

SONAE INDÚSTRIA, S.G.P.S., S.A. DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DE POSIÇÃO FINANCEIRA EM 31 DE MARÇO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SONAE INDÚSTRIA, S.G.P.S., S.A. DEMONSTRAÇÕES CONSOLIDADAS DE POSIÇÃO FINANCEIRA EM 31 DE MARÇO DE 2009 E 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes expressos em euros) ACTIVO 31.03.2009 31.12.2008 ACTIVOS NÃO

Leia mais

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO 31 de Agosto de 2011 Linhas PME Investe Sector do Turismo Características Gerais e Condições de Financiamento - Linhas Específicas do Sector do Turismo - PME INVESTE

Leia mais

3. Impacto das e.iniciativas sobre o tráfego de banda larga móvel e na venda de computadores pessoais

3. Impacto das e.iniciativas sobre o tráfego de banda larga móvel e na venda de computadores pessoais 3. Impacto das e.iniciativas sobre o tráfego de banda larga móvel e na venda de computadores pessoais 3.1 Impacto das e.iniciativas sobre a intensidade do consumo de tráfego de banda larga móvel No tocante

Leia mais

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 508 548 527 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira anual 2010 1 A F. Ramada

Leia mais

Prazo Máximo - 50 anos (6) Vide (1f) - Multifunções em Simultâneo com CH - Select. Taxa Swap a 5 anos + 4,805% (3) Taxa Swap a 5 anos + 4,818% (3)

Prazo Máximo - 50 anos (6) Vide (1f) - Multifunções em Simultâneo com CH - Select. Taxa Swap a 5 anos + 4,805% (3) Taxa Swap a 5 anos + 4,818% (3) 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos Empréstimos a taxa variável - Super Crédito Habitação Taxa Variável Taxa Anual Efectiva (TAE) 4,836% (3) - Super Crédito Habitação Taxa Variável - Select 4,836%

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO

RELATÓRIO DE ENDIVIDAMENTO 31 março2013 CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAIS ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos / Aplicações Financeiras 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Limites do Endividamento 8 Endividamento

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 PRODUTOS, LANÇAMENTOS E PERFORMANCE COMERCIAL: Durante o primeiro trimestre de 2003, a Rossi Residencial

Leia mais

Mercado Monetário Interbancário

Mercado Monetário Interbancário Publicação Nº 1-28 Julho 2010 Mercado Monetário Interbancário PONTOS DE INTERESSE: Conceito Indexantes Títulos do Mercado Monetário Conceitos Importantes Os mercados monetários são aqueles em que se obtêm

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE PREÇOS. Diferenças de preços na Europa em produtos das cadeias de lojas H&M, Zara, C&A e Body Shop.

ESTUDO COMPARATIVO DE PREÇOS. Diferenças de preços na Europa em produtos das cadeias de lojas H&M, Zara, C&A e Body Shop. ESTUDO COMPARATIVO DE PREÇOS Diferenças de preços na Europa em produtos das cadeias de lojas H&M, Zara, C&A e Body Shop Maio 2009 Realizado pela Rede de Centros Europeus do Consumidor (ECC-Net) Introdução

Leia mais

Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos*

Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos* Lista de exercício nº 1 Juros simples e compostos* 1. Um investidor aplicou $1.000,00 numa instituição financeira que remunera seus depósitos a uma taxa de 5 % ao trimestre, no regime de juros simples.

Leia mais

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014 Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014 Este relatório apresenta dados disponíveis em julho de 2014, mas cabe salientar que devido ao esforço de consolidação de dados

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

Taxa de Inflação Homóloga diminuiu 0,1% em Fevereiro

Taxa de Inflação Homóloga diminuiu 0,1% em Fevereiro INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE Nota de Imprensa Índice de Preços no Consumidor IPC base 2007 Fevereiro de 2016 14 de Março de 2016 Taxa de Inflação Homóloga diminuiu 0,1% em Fevereiro No

Leia mais

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL (RETRIBUIÇÃO MÍNIMA MENSAL GARANTIDA NA REGIÃO) Taxas de Cobertura Abril 2012 ELABORAÇÃO: Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho Direção Regional do Trabalho Fevereiro

Leia mais

Economia Brasileira: performance e perspectivas

Economia Brasileira: performance e perspectivas 1 Economia Brasileira: performance e perspectivas DEPECON / FIESP Janeiro de 2005. Ano PIB Total PIB Industrial 1990-4,35-8,18 1991 1,03 0,26 1992-0,54-4,22 2004: 1993 4,92 7,01 1994 5,85 6,73 1995 4,22

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Coordenação de Contas Nacionais Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2011 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A R Ç O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 5,2 bilhões Saldo: R$ 497,1 bilhões Financiamentos

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 24 Tabelas Comparativas (versão para informação e comentários)

Leia mais

Boletim de Estatísticas

Boletim de Estatísticas 20 Anos Banco de Cabo Verde BOLETIM DE ESTATÍSTICAS 20 ANOS Banco de Cabo Verde 2012 1 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600 101 Praia Cabo Verde Tel: +238 2607000

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA

CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA 1 CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA 2 Sumário da Apresentação 1. Objectivos. Principais Constrangimentos ao Crescimento do Crédito Bancário em Angola. Conclusões

Leia mais

Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento

Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento APDR, Mesa Redonda sobre crise e desenvolvimento regional Lisboa, 18.dezembro.2012 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto 12,5% 10,0% 7,5% Taxa

Leia mais

Relatório Mensal. 2013 Fevereiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2013 Fevereiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2013 Fevereiro Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

Canal de recepção da ordem de Transferência Telefone Internet. Operador. operador S/ 5,75 5,00 1,25 1,25 Isento Isento 1,25

Canal de recepção da ordem de Transferência Telefone Internet. Operador. operador S/ 5,75 5,00 1,25 1,25 Isento Isento 1,25 13.1. Ordens de transferência Operador 1. s Internas / Nacionais em Euros 1.1 - Para conta domiciliada na própria Instituição de Crédito (inclui Isento Isento Isento Isento Isento Isento Isento s SEPA)

Leia mais

Taxa de Ocupação (em %)

Taxa de Ocupação (em %) Ocupação de agosto dos hotéis cariocas atinge 66,12% Viagens de negócios e numero de turistas brasileiros tiveram aumento Os hotéis cariocas registraram 66,12% de ocupação no mês de agosto, ficando 1,06

Leia mais

Relatório de Endividamento e Disponibilidades

Relatório de Endividamento e Disponibilidades Relatório de Endividamento e Disponibilidades Dezembro 2014 DMAG DMAG DFP DFP DPCO DPCO ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da

Leia mais

BCE Boletim Mensal Novembro 2011

BCE Boletim Mensal Novembro 2011 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 3 de Novembro de 2011, reduzir as taxas de juro directoras do em 25 pontos base. Embora a inflação

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais

Centro de Competência de Ciências Sociais Centro de Competência de Ciências Sociais PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA PARA A PROVA DE ECONOMIA

Leia mais

Economia II. A medição dos principais agregados macroeconómicos. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007

Economia II. A medição dos principais agregados macroeconómicos. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007 Economia II A medição dos principais agregados macroeconómicos Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes Setembro 2007 1 Introdução à Contabilidade Nacional 2 Diversos índices de preços Fluxo circular

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2012 Crescimento da ocupação e saída de pessoas do mercado de trabalho determinam expressiva redução do desemprego 1. Em junho, as informações da Pesquisa

Leia mais

Semana Nacional de Business Angels

Semana Nacional de Business Angels 1 Semana Nacional de Business Angels Garantia Mútua e Empreendedorismo Qualificado Estoril 26 de Setembro de 2008 António Gaspar ( Administrador Executivo da SPGM ) 2 Mais de 90% das empresas portuguesas

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável 1. Conta Corrente Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições Conta Corrente spread 5,000% a 14,800% 8,495%

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Joinville 7 Considerações

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 1.050.000 Período: Jan/08 - Ago/14 1.000.000 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

Conceitos Básicos A função BP. O Mercado Cambial. Março 2014

Conceitos Básicos A função BP. O Mercado Cambial. Março 2014 O Mercado Cambial Março 2014 1 Conceitos Básicos 2 A Função BP e a Taxa de Câmbio Representação Gráfica da Função BP Balança de Pagamentos (BP): documento onde se contabilizam as entradas e as saídas de

Leia mais

Funding da Banca Nacional. Fevereiro de 2011

Funding da Banca Nacional. Fevereiro de 2011 Funding da Banca Nacional Fevereiro de 211 Índice Parte I: Entorno Macro Difícil Parte II: Alteração de Paradigma do Funding da Banca Nacional Parte III: Financiamento Bancário Continua a Fluir Para a

Leia mais

BANCO SANTANDER TOTTA, SA 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito

BANCO SANTANDER TOTTA, SA 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) 3.1. Cartões de crédito (Euros) (ÍNDICE) Redes onde o é aceite Platinum Gold MasterCard Gold Visa Gold Exclusive 1.º Titular [Outros Titulares] 2. Emissão

Leia mais

Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história recente

Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história recente 1 set/91 set/92 set/93 set/94 set/95 set/96 set/97 set/98 set/99 set/00 set/01 set/02 set/03 set/04 set/05 set/06 set/07 set/08 set/09 set/10 set/11 set/12 Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história

Leia mais

Glossário de termos financeiros PARTE 4

Glossário de termos financeiros PARTE 4 Glossário de termos financeiros PARTE 4 Activo Qualquer bem útil ou valioso pertença de um indivíduo, empresa ou organização. Activos de curto prazo Disponibilidade de Caixa ou outros bens que a empresa

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

Ano lectivo de 2009/2010 Geografia 7ºano. A União Europeia

Ano lectivo de 2009/2010 Geografia 7ºano. A União Europeia Ano lectivo de 2009/2010 Geografia 7ºano A União Europeia A origem da UE Com o final da Segunda Guerra Mundial ( 1939-1945) e a emergência das duas grandes potências mundiais: E.U.A e União Soviética,

Leia mais

Actividade e Resultados em 2010

Actividade e Resultados em 2010 Actividade e Resultados em 2010 Ponto 1 da Ordem de Trabalhos Assembleia Geral de Accionistas 27 de Abril de 2011 I. Enquadramento II. Capital, Liquidez, Riscos III. Negócio e Reputação IV. Resultados

Leia mais

Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 2005/2006

Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 2005/2006 Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 25/26 Adelaide Duarte Cap- IV Contabilidade Nacional FEUC Introdução à Economia 1 Contabilidade Nacional Conceitos elementares Produto interno e produto

Leia mais

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES)

17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) 17.1. Depósitos à ordem Contas à ordem 0,000% 28,00% no Os juros obtidos estão sujeitos a retenção na fonte de imposto sobre o rendimento, à taxa que estiver em vigor na data de pagamento de juros. e (2)

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

A Fileira de Madeira em Portugal 2006. Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário

A Fileira de Madeira em Portugal 2006. Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário A Fileira de Madeira em Portugal 2006 Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário A economia portuguesa 2002 2003 2004 2005 2006 estimativa 2007 previsão Produto Interno Bruto 0,8-1,2 1,2

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 4T15 e 2015

Teleconferência de Resultados do 4T15 e 2015 Teleconferência de Resultados do 4T15 e 2015 17 / 02 / 2016 1 Destaques & Portfólio Destaques do 4T15 e 2015 BR Properties registra EBITDA Ajustado de R$ 614 milhões com margem de 86% em 2015 No mês de

Leia mais

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo.

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. São derivados de

Leia mais

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015 Três Coroas Mesorregião: Metropolitana de Porto Alegre - Microrregião: Gramado-Canela Área territorial: 185,54 Km2 - Produto Interno Bruto (2013): R$ 776.096.963,00

Leia mais

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional De acordo com o material estudado, responda as seguintes questões a seguir. 1. Identifique nas frases

Leia mais

Portugal. Principais Indicadores Económicos

Portugal. Principais Indicadores Económicos Portugal Principais Indicadores Económicos janeiro de 2016 Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe V

Linha de Crédito PME Investe V Linha de Crédito PME Investe V I - Condições gerais da Linha de Crédito PME Investe V 1. Montante das Linhas Linhas Específicas Montante Micro e Pequenas Empresas 250 milhões Geral 500 milhões Total Linha

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência CONTABILIDADE FINANCEIRA II Data: 7 de Janeiro de 2009 Duração: 2 horas e 30 minutos 2ª Frequência Responda a cada grupo em folhas separadas Grupo I (50 minutos 6 valores) Proceda ao lançamento no diário

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU ARTI CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

1. Identificação do projecto

1. Identificação do projecto (a preencher pelos Serviços) FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Nº da Candidatura: Data de Recepção: Assinatura do(a) Técnico(a): 1. Identificação do projecto Projecto/Empresa: Morada: Codigo Postal Telefone: E-mail:

Leia mais

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente - 5 - Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de 2.5 1.5 0.5 à ordem das famílias com prazo até 1 ano das famílias com pré-aviso até 3 meses das famílias à ordem

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Série 49 E 50 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-13

Série 49 E 50 Relatório de Acompanhamento do CRI 31-jan-13 31jan13 B) Resumo dos Valores Dez/12 Dez/12 16.170,55 110,30 16.280,85 70.662,35 482,01 71.144,36 Jan/13 Jan/13 793,09 143,85 15.487,76 0,00 697,90 71.842,26 Dez/12 Fev/13 Dez/12 Fev/13 0,00 936,94 0,00

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

Como consultar? Pág. 25. Pode navegar no documento clicando nos números de página ... OS NÚMEROS DE 2014. A CGE SABER MAIS Pág. 31 NOTAS E GLOSSÁRIO

Como consultar? Pág. 25. Pode navegar no documento clicando nos números de página ... OS NÚMEROS DE 2014. A CGE SABER MAIS Pág. 31 NOTAS E GLOSSÁRIO O QUE É As pretendem apresentar, através de um conjunto de imagens simplificadas e de leitura direta, os principais resultados orçamentais e números relevantes decorrentes da execução do Orçamento (OE)

Leia mais

Quadro 1- Preços de gasolina 95 e do gasóleo nos países da UE e carga fiscal- Janeiro 2013

Quadro 1- Preços de gasolina 95 e do gasóleo nos países da UE e carga fiscal- Janeiro 2013 O preço da gasolina 95 e do gasóleo sem impostos em Portugal continua a ser superior ao da União Europeia, enquanto a carga fiscal sobre os combustíveis em Portugal é inferior à da UE por Eugénio Rosa

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CURITIBA - PR SETEMBRO/2013 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes    DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (NFSP): 3 CONCEITOS

Leia mais

IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro. Resultados de Novembro de 2006

IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro. Resultados de Novembro de 2006 IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro Resultados de Novembro de 2006 IMPEs Destaques dos resultados Novembro de 2006 Pagamento da primeira parcela do 13 o salário contribui

Leia mais

Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal

Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal OBSERVATÓRIO SEDEP Estudos e Pesquisas I Set/ APRESENTAÇÃO O Observatório SEDEP é um acompanhamento de estatísticas econômico-sociais

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008

Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 Confab Anuncia Resultados para o Primeiro Trimestre de 2008 São Paulo, 30 de abril de 2008. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes ao primeiro

Leia mais

Reunião Apimec Exercício 2015

Reunião Apimec Exercício 2015 BANESTES S.A. Banco do Estado do Espírito Santo Reunião Apimec Exercício 2015 Disclaimer Esta apresentação poderá conter informações, estimativas e previsões acerca de estratégias, expectativas e intenções

Leia mais