Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações"

Transcrição

1 Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1

2 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial Sumário: A. Resultado Contábil do Banco Central B. Objetivos do Banco Central i. Política Monetária ii. Política Creditícia Impactos da Crise Internacional iii. Política Cambial iv. Possíveis Efeitos Fiscais da Política Monetária C. Evolução Recente da Atividade D. Propulsores da Demanda Doméstica 2

3 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial A. Resultado Contábil do Banco Central 3

4 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial No 1º semestre de 20, o Banco Central do Brasil apresentou resultado líquido negativo de R$ 941 milhões. De acordo com a legislação aplicável, o resultado apurado no 1º semestre de 20 será coberto pelo Tesouro Nacional até eiro de No 2º semestre de 20, o Banco Central do Brasil apresentou resultado líquido positivo de R$ milhões. O resultado apurado no 2º semestre de 20 foi transferido ao Tesouro Nacional em março de 20. 4

5 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial Em R$ milhões 1º sem/20 2º sem/20 Resultado de Operações de Mercado Aberto Juros com operações com títulos Juros com operações compromissadas (22.027) (20.433) Depósitos Compulsórios (1.851) (5.210) Juros com o Governo Federal (19.120) (10.857) Resultado de Operações com Instituições em Liquidação (272) 2.8 Operações em moedas estrangeiras (OFI, outras) (9) (2.547) Outras Receitas e Despesas Administrativas (441) (1.4) Outras Receitas e Despesas Financeiras Resultado no Período (941) Fonte: BCB 5

6 R$ bilhões Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial resultado contábil semestral e do último bimestre , ,17 2 1, ,94 1º sem 20 2º sem 20 1º sem 20 Jul-Ago 20 Fonte: BCB 6

7 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial B. Objetivos do Banco Central i. Política Monetária 7

8 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial Objetivos do Banco Central Política Monetária: Cumprimento da meta de inflação estabelecida pelo CMN para 20/2010 (4,5%, com tolerância de +/- 2 pontos percentuais), condição necessária para o crescimento sustentável ao longo do tempo 8

9 % a.a. Inflação: Trajetória das Metas 10 8 IPCA (acumulado em 12 meses) expectativas ago : de mercado* 4,36% 20: 4,30% set 10 Fonte: BCB *11/9 9

10 % a.a. Taxa de Juros de Mercado swap /set 9,12 8,71 5 swap set Fonte: BM&F Bovespa 10

11 % a.a. Taxa de Juros Reais , set* Fonte: BCB *até 11/9 11

12 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial B. Objetivos do Banco Central ii. Política Creditícia 12

13 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial Objetivos do Banco Central Política Creditícia: BC tem como objetivo ampliar a oferta e o acesso da população ao crédito; não há metas formais 13

14 % do PIB Crédito/PIB abr: 45% valor mais alto desde início da série histórica, em junho de / : /jun : ,3 p.p. +1,1 p.p. 06 Fonte: BCB 14

15 R$ bilhões Crédito Imobiliário / : +41,9% /jun : + 3,8% var. no ano: +21,6% 76, Fonte: BCB 15

16 R$ bilhões Concessões de Crédito (Média Diária) 7,5 7,1 média -set 7,1 média = mar- 7,0 6,7 6,3 5,9 5,5 mar mai set nov mar mai Fonte: BCB 16

17 Concessões de Crédito para Veículos e Vendas Internas dessaz., 2003 = 100 R$ bilhões ago 03 mar 04 out 04 vendas internas (esq.) concessão de crédito (dir.) mai 05 dez fev set abr nov 1 0 Fontes: BCB e Anfavea 17

18 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial B. Objetivos do Banco Central iii. Política Cambial 18

19 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial Objetivos do Banco Central Política Cambial: Aperfeiçoamento permanente do regime de câmbio flutuante. Não há metas para a taxa de câmbio. 19

20 US$ bilhões Fluxo Cambial ,4 3,2 8,1 6,7 Abr 0,1-0,9-2,5 Jul 1,9 2,8-4,6 Out -7,2-6,4-3,0 0,8-0,8 1,4 Abr 3,1 1,11,3 Jul 3,0-1,8 Set* Fonte: BCB (* até 11/Set) 20

21 US$ bilhões Reservas Internacionais programa de compra de reservas internacionais desde 2004 ago/ 205, nível de reservas no início da crise Fonte: BCB 21

22 US$ bilhões Reservas Internacionais 200 ago/ 205,1 15/set 222,3 patamar recorde Fonte: BCB 22

23 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial B. Objetivos do Banco Central iv. Possíveis Efeitos Fiscais da Política Monetária 23

24 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial O impacto direto da taxa de juros de curto prazo nas contas públicas é apenas parte do efeito macroeconômico da política monetária; A política monetária tem impactos fiscais indiretos, por meio de seus efeitos sobre as expectativas, a inflação, a taxa de câmbio e o crescimento econômico de longo prazo; Uma maneira de se avaliar os efeitos fiscais da política macroeconômica é por meio da trajetória da dívida líquida do setor público em relação ao PIB. 24

25 % PIB Juros da Dívida Pública NFSP - Juros nominais do setor público consolidado Jul Jul Jul Jul 06 Jul Jul Jul Fonte: BCB 25

26 % do PIB Dívida Pública Líquida previsão 52 51,3 53,5 48,2 48, ,9 43, ,8 41,0 38,8 38,8 37,0 35, Fonte: Banco Central e Focus (* projeções) 26

27 % do PIB Dívida Externa Líquida do Setor Público setor público passa a ser credor líquido internacional a partir de Fonte: Banco Central 27

28 US$ bilhões Dívida Externa Total do Setor Público T03 138, T 85,8 80 1T 03 3T 03 1T 04 3T 04 1T 05 3T 05 1T 06 3T 06 1T 3T 1T 3T 2T Fonte: BCB 28

29 % do PIB Dívida Externa Líquida 30 27,3 dívida externa líquida total (pública e privada) ,4 11,9 12,7 11,6 9,0 11,5 ciclo econômico atual 6,9 milagre econômico 12,3 15,5 Brasil como credor líquido internacional ,9-1, Fonte: Banco Central 29

30 Medidas Anti-Crise Injeção de liquidez em moeda nacional Redução de depósitos compulsórios: R$ 99,8 bilhões Liquidez a instituições menores: R$ 41,8 bilhões Criação do recibo de Depósito bancário (RDB) com garantias de até R$ 20 milhões pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) Fonte: Banco Central 30

31 Injeção de Liquidez no Mercado Cambial até 8/set, em US$ bilhões aplicações resgates/compras líquido Leilões de Venda Spot 14,5 11,5 3,1 Leilões de Linha + ACCs 24,5 21,1 3,3 Total 39,0 32,6 6,4 Fonte: BCB 31

32 Injeção de Liquidez no Mercado Cambial US$ bilhões aplicações resgates líquido Derivativos cambiais Saldo 0 Fonte: BCB 32

33 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial C. Evolução Recente da Atividade 33

34 milhares Produção de Automóveis produção estoques Mar Mai Jul Set Nov Mar Mai Ago Fonte: Anfavea 34

35 milhares Venda de Veículos Mar Mai Jul Set Nov Mar Mai Ago Fonte: Fenabrave 35

36 % Vendas de Veículos 40 variação sobre mesmo mês do ano anterior média móvel de três meses Brasil Europa Japão EUA Jun Ago Out Dez Fev Abr Jun Ago Fonte: Thomson 36

37 % Produção de Veículos , , ,9 50,5 53, ,7 2,3-31,7-23,5-34,9-5,4-11,3-24,8-11,3 Reino Unido Japão EUA Alemanha Mexico China Brasil / / dez Fontes: Anfavea e associações nacionais 37

38 = 100 Produção Industrial dados dessazonalizados previsão Abr Jul Out Abr Jul Out Fontes: IBGE e Banco Central (Focus) 38

39 20 = 100 Confiança da Indústria ,5 56,4 54,4 56,6 60,1 59,4 60,3 60,4 61,8 62,0 58,1 52,5 47,4 49,4 58,2 média histórica T 06 2T 06 3T 06 4T 06 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T Fonte: CNI 39

40 Utilização da Capacidade Industrial em Países Selecionados % Tailândia Estônia Peru EUA* Euro Área Turquia Coréia do Sul Brasil / / jun/ ago/ 2T ago/ / / ago/ último dado disponível Fontes: institutos de estatística e bancos centrais *dessaz. 40

41 20 = 100 Vendas no Comércio dados dessazonalizados PMC comércio varejista Jul / Jul : +5,9% Jul / Jun : +0,5% 95 Abr Jul Out Abr Jul Out Abr Jul Fonte: IBGE 41

42 México Canadá África do Sul Reino Unido Itália Chile EUA Suíça Zona do Euro Suécia Alemanha França Noruega Polônia Japão Austrália Indonésia Rússia Índia Brasil Coréia do Sul China % Crescimento do PIB na Saída da Crise 15 variação do 2º trimestre de 20 contra trimestre anterior dados dessazonalizados Fonte: Global Data Watch (JP Morgan) e IBGE 42

43 Desemprego 13 taxa de desemprego no menor nível para o mês de ho % , Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Fonte: IBGE, PME, série iniciada em

44 % Taxa de Desemprego dados dessazonalizados 13 Brasil ,7 9,5 7 Estados Unidos Área do Euro 8,0 5 5,4 Japão 3 Jun 02 Jun 03 Jun 04 Jun 05 Jun 06 Jun Jun Jun Fontes: IBGE, BLS, Eurostat e Statistics Bureau (Japão) 44

45 milhares Criação de Empregos Formais Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Fonte: MTE (Caged) 45

46 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial D. Propulsores da Demanda Doméstica 46

47 R$ bilhões Concessões de Crédito (Média Diária) 7,5 7,1 média -set 7,1 média = mar- 7,0 6,7 6,3 5,9 5,5 mar mai set nov mar mai Fonte: BCB 47

48 2004 = 100 Massa Salarial massa salarial Jul /Jul : +4,5% salário real Jul /Jul : +3,4% Jul Fonte: IBGE 48

49 % da população Classes Média e Baixa classe média renda domiciliar de R$ a R$ classe baixa renda domiciliar de até R$ ,4 41,6 44,1 45,5 48,2 50,2 52,3 53, ,2 30,4 27,9 24,4 23,0 20,8 18,4 18, Jun 02 Jun 03 Jun 04 Jun 05 Jun 06 Jun Jun Jun Fonte: FGV-CPS 49

50 Desigualdade de Renda 0,62 índice de Gini de desigualdade de renda decresce continuamente nas regiões metropolitanas 0,60 0,60 0,58 0,58 0,57 0,56 0, Fonte: FGV-CPS (média anual, em 20 até Junho) 50

51 Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 51

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

Economia Brasileira: performance e perspectivas

Economia Brasileira: performance e perspectivas 1 Economia Brasileira: performance e perspectivas DEPECON / FIESP Janeiro de 2005. Ano PIB Total PIB Industrial 1990-4,35-8,18 1991 1,03 0,26 1992-0,54-4,22 2004: 1993 4,92 7,01 1994 5,85 6,73 1995 4,22

Leia mais

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 1 pico = 100 Valor de Mercado das Bolsas Mundiais pico 100 Atual 80 Japão 60 40 crise 1929 20

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise

Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Recuperação Econômica e Geração de Empregos no Brasil Pós-Crise Henrique de Campos Meirelles Outubro de 20 1 Brasil entrou na crise forte, com fundamentos macroeconômicos sólidos 2 US$ bilhões Reservas

Leia mais

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável São Paulo, FGV-SP, 10º Fórum de Economia, 30/09/2013 Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email:

Leia mais

Política cambial e fluxo de comércio no Brasil: perspectivas para 2013

Política cambial e fluxo de comércio no Brasil: perspectivas para 2013 Política cambial e fluxo de comércio no Brasil: perspectivas para 2013 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Novembro de 2012 DEREX

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Aula Magna FGV/SP Ministro Guido Mantega São Paulo, 28 de março de 2014 1 Trajetória da Economia Mundial Crescimento do PIB mundial, em % a.a. 12,0 10,0 Mercados emergentes

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

BRASIL NÃO TEM NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL (DE ZAGA OU DE ATAQUE): O PROBLEMA É O MEIO DE CAMPO

BRASIL NÃO TEM NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL (DE ZAGA OU DE ATAQUE): O PROBLEMA É O MEIO DE CAMPO APRESENTAÇÃO PARA CONSAD Brasil pode voltar a ganhar campeonatos RIO DE JANEIRO, 31 DE JULHO DE 2014 Octavio de Barros Diretor Estatutário e Economista-chefe BRASIL NÃO TEM NENHUM PROBLEMA INSOLÚVEL (DE

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 11/06/11 11/07/11 11/08/11 11/09/11 11/10/11 11/11/11 11/12/11 11/01/12 11/02/12 11/03/12 11/04/12 11/05/12 11/06/12 11/07/12 11/08/12 11/09/12 11/10/12

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 15/07/10 14/08/10 13/09/10 13/10/10 12/11/10 12/12/10 11/01/11 10/02/11 12/03/11 11/04/11 11/05/11 10/06/11 10/07/11 09/08/11 08/09/11 08/10/11 07/11/11

Leia mais

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 11/08/10 10/09/10 10/10/10 09/11/10 09/12/10 08/01/11 07/02/11 09/03/11 08/04/11 08/05/11 07/06/11 07/07/11 06/08/11 05/09/11 05/10/11 04/11/11 04/12/11

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os desafios econômicos em 2015 1 Indicadores macroeconômicos ruins A Presidente Dilma Rouseff

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2016 Roteiro Internacional Bancos centrais reagem; riscos permanecem Os principais bancos centrais estão reagindo à turbulência

Leia mais

O Financiamento da Economia e as Empresas

O Financiamento da Economia e as Empresas O Financiamento da Economia e as Empresas Banco de Portugal Apresentação na CIP em 17/2/2009 Vítor Constâncio O FINANCIAMENTO DA ECONOMIA O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS O SISTEMA BANCÁRIO E O FINANCIAMENTO

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

A pesquisa como ferramenta de observação de tendências. Rio de Janeiro, 03 de setembro 2009

A pesquisa como ferramenta de observação de tendências. Rio de Janeiro, 03 de setembro 2009 A pesquisa como ferramenta de observação de tendências Rio de Janeiro, 03 de setembro 2009 Agenda 1. BNP Paribas Personal Finance 2. BNP Paribas Personal Finance no Brasil 3. O Observador 4. Característica

Leia mais

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado

Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Economia Brasileira: da estabilidade macroeconômica ao crescimento sustentado Junho de 2010 Wilson R. Levorato Diretor Geral Brasil e a crise internacional: porque nos saímos tão bem? Onde estamos? Cenário

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades

Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades VI Congresso Brasileiro de Gestão Educacional GEduc 2008 São Paulo, 26 de março de 2008 Gustavo Ioschpe desembucha@uol.com.br Brasil perde o bonde da História

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2015 Roteiro Internacional Fim da onda de afrouxamento monetário? Mercado de trabalho forte nos EUA deve levar o Federal Reserve

Leia mais

DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE?

DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE? DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE? Josué A. Pellegrini 1 A dívida líquida do setor público (DLSP) como proporção do PIB prossegue em sua longa trajetória

Leia mais

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS 24 de Julho de 2008 SUMÁRIO EXECUTIVO: O Conselho de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BC) definiu ontem (23 de Junho) o

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2014 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

Indicadores Fiscais Atualizado em outubro de 2006, com dados até junho de 2006

Indicadores Fiscais Atualizado em outubro de 2006, com dados até junho de 2006 Indicadores Fiscais Atualizado em outubro de 2006, com dados até junho de 2006 Indicadores Fiscais Este texto integra a série Perguntas Mais Freqüentes, editada pela Gerência-Executiva de Relacionamento

Leia mais

Balanço do Mercado Imobiliário 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Balanço do Mercado Imobiliário 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Balanço do Mercado Imobiliário 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP ECONOMIA ANvidade Econômica Crescimento Real (%) PIB e Construção Civil 13,3 10,6 5,8 9,2 6,9 6,1 4,95,1 4,0 3,2 0,2 8,3

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história recente

Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história recente 1 set/91 set/92 set/93 set/94 set/95 set/96 set/97 set/98 set/99 set/00 set/01 set/02 set/03 set/04 set/05 set/06 set/07 set/08 set/09 set/10 set/11 set/12 Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história

Leia mais

A Coordenação de Expectativas no Regime de Metas para a Inflação no Brasil. Gerin junho de 2008

A Coordenação de Expectativas no Regime de Metas para a Inflação no Brasil. Gerin junho de 2008 A Coordenação de Expectativas no Regime de Metas para a Inflação no Brasil Gerin junho de 2008 A Coordenação de Expectativas no Regime de Metas para a Inflação no Brasil Regime de Metas para a Inflação

Leia mais

Relatório de Monitoramento Maio 2015

Relatório de Monitoramento Maio 2015 Relatório de Monitoramento Maio 2015 1 Sumário Cenário Econômico Rentabilidades i. Perfil Conservador ii. Perfil Moderado iii. Perfil Agressivo iv. RaizPrev Alocação i. Divisão de Recursos por Perfil ii.

Leia mais

Departamento de Operações de Mercado Aberto

Departamento de Operações de Mercado Aberto Departamento de Operações de Mercado Aberto PAULO LAMOSA BERGER METAS PARA A INFLAÇÃO Quando a expectativa inflacionária supera a meta de inflação previamente anunciada, para um dado período de tempo,

Leia mais

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000)

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) Discriminação 2001 2002 2003 Valor % PIB Valor % PIB Valor % PIB I. RECEITA

Leia mais

Macroeconomia aberta: conceitos básicos

Macroeconomia aberta: conceitos básicos Macroeconomia aberta: conceitos básicos Roberto Guena de Oliveira USP 22 de outubro de 2012 Roberto Guena de Oliveira (USP) Macro aberta: conceitos básicos 22 de outubro de 2012 1 / 25 Sumário 1 Fluxos

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2013 Mercado de trabalho no mês de junho apresenta relativa estabilidade 1. Em junho, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de mostraram

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2012 Crescimento da ocupação e saída de pessoas do mercado de trabalho determinam expressiva redução do desemprego 1. Em junho, as informações da Pesquisa

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

IED cresce 6,9% no primeiro trimestre de 2014

IED cresce 6,9% no primeiro trimestre de 2014 São Paulo, 28 de abril de 2014 Março de 2014 IED cresce 6,9% no primeiro trimestre de 2014 O ingresso de IED no Brasil registrou US$ 14,2 bilhões no primeiro trimestre de 2014, o que representa uma elevação

Leia mais

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou queda de 2,3% no trimestre finalizado em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional De acordo com o material estudado, responda as seguintes questões a seguir. 1. Identifique nas frases

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

Taxa de Ocupação (em %)

Taxa de Ocupação (em %) Ocupação de agosto dos hotéis cariocas atinge 66,12% Viagens de negócios e numero de turistas brasileiros tiveram aumento Os hotéis cariocas registraram 66,12% de ocupação no mês de agosto, ficando 1,06

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Habitação em recuperação e Obras Públicas em queda

Habitação em recuperação e Obras Públicas em queda Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 80 Junho

Leia mais

CUSTOS E MARGEM: O QUE ESPERAR? Foz do Iguaçu 21 de outubro de 2015 Lygia Pimentel Veterinária e consultora de mercado

CUSTOS E MARGEM: O QUE ESPERAR? Foz do Iguaçu 21 de outubro de 2015 Lygia Pimentel Veterinária e consultora de mercado CUSTOS E MARGEM: O QUE ESPERAR? Foz do Iguaçu 21 de outubro de 2015 Lygia Pimentel Veterinária e consultora de mercado ANÁLISE DE MERCADO Observando o longo-prazo AUMENTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL Datas em

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Coordenação de Contas Nacionais Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2011 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres

Leia mais

Apresentação Semanal. De 21 de março a 01 de abril de Matheus Rosignoli

Apresentação Semanal. De 21 de março a 01 de abril de Matheus Rosignoli 1 Apresentação Semanal De 21 de março a 01 de abril de 2016 Matheus Rosignoli mrosignoli@santander.com.br Indicadores e eventos da última semana Feb-10 Jun-10 Oct-10 Feb-11 Jun-11 Oct-11 Feb-12 Jun-12

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Agosto/2013 Desemprego registra redução em agosto 1. No mês de agosto, os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego para os residentes em mostraram variação

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A R Ç O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 5,2 bilhões Saldo: R$ 497,1 bilhões Financiamentos

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS INDICADORES ECONÔMICOS Índice de Preços IGP-M IGP-DI Mensal No ano Em 12 meses Mensal No ano Em 12 meses Jan. 0,39 0,39 11,87 0,33 0,33 11,61 Fev. 0,30 0,69 11,43 0,40 0,74 10,86 Mar. 0,85 1,55 11,12 0,99

Leia mais

Apresentação Semanal. De 04 a 15 de abril de Matheus Rosignoli

Apresentação Semanal. De 04 a 15 de abril de Matheus Rosignoli 1 Apresentação Semanal De 04 a 15 de abril de 2016 Matheus Rosignoli mrosignoli@santander.com.br Indicadores e eventos da última semana Mar-08 Jul-08 Nov-08 Mar-09 Jul-09 Nov-09 Mar-10 Jul-10 Nov-10 Mar-11

Leia mais

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014 Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014 Este relatório apresenta dados disponíveis em julho de 2014, mas cabe salientar que devido ao esforço de consolidação de dados

Leia mais

O que é e quais as suas vantagens e benefícios. Linha do tempo e Garantia Estendida em números

O que é e quais as suas vantagens e benefícios. Linha do tempo e Garantia Estendida em números Garantia Estendida Garantia Estendida no mundo O que é e quais as suas vantagens e benefícios Principais varejistas Linha do tempo e Garantia Estendida em números Benefícios para sociedade Volume de atendimento

Leia mais

Fator Previdenciário

Fator Previdenciário Fator Previdenciário Marco Antônio Guarita Diretor de Relações Institucionais da CNI Brasília, 26 de março de 29 Principais Pontos Equilíbrio da Previdência: mandato constitucional, exigência para o crescimento

Leia mais

A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária

A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária Julho/2009 Sumário Executivo Objetivos do trabalho: 1. Explicar o funcionamento dos canais de transmissão de política

Leia mais

Calendário de Eventos Econômicos

Calendário de Eventos Econômicos Calendário de Eventos Econômicos Horário Eventos Previsão Comentários Segunda-Feira - 08/06 08:00 FGV: IPC-S (semanal) 08:30 Bacen: Boletim Focus (semanal) 11:20 Anfavea: Produção e venda de veículos 15:00

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 11 de novembro de 2014 1 Parâmetros macroeconômicos para 2015 PIB real 3,0% PIB Nominal R$ 5.765,5 bilhões Salário

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

EXODUS Institucional -Junho/15

EXODUS Institucional -Junho/15 EXODUS Institucional -Junho/15 O contraditório poder das taxas A atividade econômica segue cambaleante. Apesar de a produção industrial ter subido levemente em maio, o índice é um dos menores desde abril/29.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919.

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919.660/0001-33 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

capítulo 1 Refinaria Abreu e Lima

capítulo 1 Refinaria Abreu e Lima capítulo 1 1 PE Refinaria Abreu e Lima 6 Quadro Macroeconômico 7 capítulo 1 A economia mundial foi marcada nos últimos quatro anos por um cenário muito adverso. Para enfrentar a crise global e seus desdobramentos

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009

Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009 Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009 Luiz Fernando de Paula Professor da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 43- Janeiro/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em outubro de 2014, alta de 5,4% em relação ao

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2016, em cumprimento

Leia mais

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores 'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores Indicadores Fiscais 6 3 0 ) Indicadores Fiscais 1 Este texto integra a série Perguntas Mais Freqüentes, editada pela Gerência-Executiva

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2016

Anuário Estatístico de Turismo - 2016 Secretaria Executiva Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2016 Volume 43 Ano base 2015 Sumário I - Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2014-2015 1.1. Chegadas de turistas

Leia mais

PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES

PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES Walter Mendes de Oliveira Filho. Fevereiro 2005 1 PERSPECTIVA MERCADO DE AÇÕES A RECENTE RECUPERAÇÃO DO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO ACOMPANHOU A ALTA DOS MERCADOS EMERGENTES

Leia mais

Programação monetária para o terceiro trimestre de 1997

Programação monetária para o terceiro trimestre de 1997 Junho 1 Programação monetária para o terceiro trimestre de A. A economia no segundo trimestre de 1. O Produto Interno Bruto (PIB) registrou queda de,6% no primeiro trimestre, relativamente ao PIB trimestral

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ORAMA DI TESOURO MASTER 12.823.610/0001-74 Informações referentes a 05/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o ÓRAMA DI TESOURO MASTER

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Resultado Primário e Resultado Nominal Programa

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Novembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO Esta análise objetiva apresentar um panorama geral do mercado de trabalho brasileiro nos últimos doze meses (março de 2014 a fevereiro de 2015) com base nos dados da Pesquisa Mensal de Emprego

Leia mais

Perspectivas para a economia brasileira em um cenário mundial adverso

Perspectivas para a economia brasileira em um cenário mundial adverso Perspectivas para a economia brasileira em um cenário mundial adverso Ministro da Fazenda Guido Mantega Comissão de Assuntos Econômicos Senado Federal Brasília, 23 de agosto de 2011 Economia mundial piorou

Leia mais

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 )

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 ) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior ( Janeiro de 2016 ) Fevereiro de 2016

Leia mais

Evolução Recente da Economia Brasileira

Evolução Recente da Economia Brasileira Evolução Recente da Economia Brasileira Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2008 1 Panorama Internacional 2 US$ bilhões EUA: Emissão de Commercial Papers (CP) por Empresas Não-Financeiras 2.400 subprime

Leia mais

Programação Monetária

Programação Monetária Diretoria Colegiada Departamento Econômico - DEPEC Programação Monetária Junho Programação Monetária para o terceiro trimestre e para o ano A. A economia brasileira no segundo trimestre de 1. A evolução

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

BRASIL E A CRISE MUNDIAL

BRASIL E A CRISE MUNDIAL BRASIL E A CRISE MUNDIAL Ministro Guido Mantega maio 2009 1 Crise não acabou, talvez pior já tenha passado Consolidação do governo Obama e ações do G20 melhoram a CONFIANÇA Enxurrada de dinheiro do FED

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Os legados da crise financeira e da crise da zona do euro ainda são visíveis em muitos países, moldando a economia mundial. Em graus variados, bancos fracos e elevados níveis de dívida

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

2 - Resumo das autorizações de trabalho temporário

2 - Resumo das autorizações de trabalho temporário 2 - Resumo das autorizações de trabalho temporário Atualizado até 30/09/2011 Atualizada até 31/12/2012 1 I - Autorizações de trabalho temporário - Geral 1 - Síntese geral das autorizações de trabalho temporário.

Leia mais

Índice fipezap de preços de imóveis anunciados

Índice fipezap de preços de imóveis anunciados Preço médio de locação inicia 2016 em queda de 0,16% Resultado de janeiro leva o Índice FipeZap de Locação a mostrar a nona queda nominal seguida na comparação com o mês anterior Os preços de locação iniciaram

Leia mais

Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990. Docentes das Universidades Estaduais da Bahia

Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990. Docentes das Universidades Estaduais da Bahia Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990 Docentes das Universidades Estaduais da Bahia Itapetinga, 10 de Abril de 2012 Sobre o estudo de perdas O estudo feito pelo DIEESE teve como objetivo

Leia mais