BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014"

Transcrição

1 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 6 de fevereiro de 2014, manter as taxas de juro diretoras do inalteradas. A informação recentemente disponibilizada confirma que a recuperação moderada da economia da área do euro prossegue em consonância com a anterior avaliação do Conselho do. Ao mesmo tempo, as pressões subjacentes sobre os preços na área do euro permanecem fracas e a dinâmica monetária e do crédito é comedida. As expectativas de inflação relativas à área do euro no médio a longo prazo permanecem firmemente ancoradas em conformidade com o objetivo do Conselho do de manter as taxas de inflação abaixo, mas próximo, de 2%. Como referido em ocasiões anteriores, a economia da área do euro regista presentemente um período alargado de inflação baixa, o qual será seguido de um movimento ascendente gradual no sentido de taxas de inflação situadas abaixo, mas próximo, de 2%. Quanto às perspetivas de médio prazo relativas aos preços e ao crescimento, mais informações e análises serão disponibilizadas no início de março. Dados recentes confirmam plenamente a decisão do Conselho do de manter a orientação acomodatícia da política monetária enquanto for necessário, a qual apoiará a recuperação económica gradual da área do euro. O Conselho do reitera com firmeza as indicações sobre a orientação futura da política monetária (forward guidance). Continua a esperar que as taxas de juro diretoras do permaneçam nos níveis atuais ou em níveis inferiores durante um período alargado. Esta expectativa tem por base as perspetivas globalmente moderadas no que respeita à inflação no médio prazo, dada a fraqueza generalizada da economia e a dinâmica monetária comedida. Em relação à recente volatilidade do mercado monetário e ao seu potencial impacto na orientação da política monetária, o Conselho do está a acompanhar de perto a evolução e está preparado para considerar todos os instrumentos disponíveis. De um modo geral, o Conselho do permanece firmemente determinado em manter o nível elevado de acomodação monetária e em tomar novas medidas decisivas, se necessário. 1

2 No que se refere à análise económica, após dois trimestres de crescimento positivo do PIB real, a evolução observada em dados e inquéritos recentes sugere, em geral, que a recuperação moderada continuou no último trimestre de Numa análise prospetiva, confirmou-se a anterior avaliação do Conselho do relativamente ao crescimento económico. Espera-se que o produto na área do euro recupere a um ritmo lento. Em particular, deverá verificar-se uma ligeira melhoria da procura interna, apoiada pela orientação acomodatícia da política monetária e a melhoria das condições de financiamento, bem como pelos progressos em termos de consolidação orçamental e reformas estruturais. Além disso, a inflação mais baixa dos preços dos produtos energéticos apoiará os rendimentos reais. A atividade económica deverá também beneficiar do fortalecimento gradual da procura de exportações da área do euro. Paralelamente, embora o desemprego na área do euro esteja a estabilizar, permanece ainda elevado, e o ajustamento de balanços necessário nos setores público e privado continuará a pesar sobre o ritmo da recuperação económica. Os riscos em torno das perspetivas económicas para a área do euro permanecem do lado descendente. A evolução das condições nos mercados monetários e financeiros mundiais e as incertezas associadas, em particular em economias de mercado emergentes, podem ter o potencial para afetar negativamente as condições económicas. Outros riscos em sentido descendente incluem uma procura interna e um crescimento das exportações mais fracos do que o esperado, bem como a implementação lenta ou insuficiente de reformas estruturais em países da área do euro. De acordo com a estimativa provisória do Eurostat, na área do euro, a inflação homóloga medida pelo IHPC situou-se em 0.7% em janeiro de 2014, face a 0.8% em dezembro de Esta descida ficou a dever-se sobretudo à evolução dos preços dos produtos energéticos. Em paralelo, a taxa de inflação em janeiro de 2014 foi mais baixa do que o esperado, em geral. Com base na informação atual e nos preços prevalecentes dos futuros dos produtos energéticos, espera-se que as taxas de inflação homólogas medidas pelo IHPC se mantenham em torno dos níveis atuais nos próximos meses. No médio prazo, as pressões subjacentes sobre 2

3 os preços na área do euro deverão permanecer moderadas. As expectativas de inflação relativas à área do euro no médio a longo prazo permanecem firmemente ancoradas em conformidade com o objetivo do Conselho do de manter as taxas de inflação abaixo, mas próximo, de 2%. Os riscos em sentido ascendente e descendente para as perspetivas quanto à evolução dos preços permanecem limitados e continuam a apresentar-se globalmente equilibrados no médio prazo. No que respeita à análise monetária, os dados relativos a dezembro de 2013 confirmam a avaliação no sentido de um crescimento subjacente comedido do agregado monetário largo (M3) e do crédito. O crescimento homólogo do M3 registou uma moderação em dezembro, situando-se em 1.0%, o que compara com 1.5% em novembro. As saídas de depósitos em dezembro espelharam as fortes vendas de títulos dos setores público e privado por instituições financeiras monetárias (IFM) da área do euro, o que pode estar, em parte, relacionado com ajustamentos dos bancos, em antecipação da avaliação completa dos respetivos balanços, a realizar pelo. Esta evolução afetou igualmente o crescimento homólogo do M1, o qual registou uma moderação em dezembro, situando-se em 5.8%, mas permaneceu forte. Tal como em meses anteriores, o principal fator a apoiar o crescimento homólogo do M3 foi o aumento da posição das disponibilidades líquidas sobre o exterior das IFM, que continuou a refletir o interesse acrescido dos investidores internacionais por ativos da área do euro. A taxa de variação homóloga dos empréstimos ao setor privado continuou a contrair-se. A taxa de crescimento homóloga dos empréstimos às famílias (corrigida de vendas e titularização de empréstimos) foi de 0.3% em dezembro, permanecendo globalmente inalterada desde o início de A taxa de variação homóloga dos empréstimos às sociedades não financeiras (corrigida de vendas e titularização de empréstimos) situou-se em -2.9% em dezembro, o que compara com -3.1% em novembro. Os dados de janeiro de 2014 do inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito indicam uma nova estabilização ligeira das condições de concessão de crédito às empresas e às famílias e uma descida líquida menor da procura de empréstimos pelas empresas. De um modo geral, a dinâmica fraca dos 3

4 empréstimos às sociedades não financeiras continua a refletir a sua relação desfasada com o ciclo económico, o risco de crédito e o ajustamento em curso dos balanços dos setores financeiro e não financeiro. Desde o verão de 2012, têm-se registado progressos consideráveis na melhoria da situação de financiamento dos bancos. A fim de assegurar uma transmissão adequada da política monetária às condições de financiamento nos países da área do euro, é fundamental que a fragmentação dos mercados de crédito da área do euro registe nova diminuição e que a capacidade de resistência dos bancos seja reforçada, onde necessário. Este é o objetivo da avaliação completa do, sendo que a implementação atempada de medidas adicionais com vista ao estabelecimento de uma união bancária também ajudará a restaurar a confiança no sistema financeiro. Resumindo, a análise económica confirma a expectativa do Conselho do de um período alargado de inflação baixa, seguido de um movimento ascendente gradual no sentido de taxas de inflação situadas abaixo, mas próximo, de 2%. O cruzamento com os sinais fornecidos pela análise monetária corrobora o cenário de pressões subjacentes moderadas sobre os preços na área do euro, no médio prazo. Em termos de políticas orçamentais, os países da área do euro não devem desfazer os esforços de consolidação desenvolvidos no passado e devem colocar a elevada dívida pública numa trajetória descendente a médio prazo. As estratégias orçamentais devem estar em consonância com o Pacto de Estabilidade e Crescimento e assegurar uma composição da consolidação favorável ao crescimento, que combine a melhoria da qualidade e eficiência dos serviços públicos com a minimização dos efeitos distorcionários da tributação. Quando acompanhadas pela implementação de reformas estruturais de forma determinada, estas estratégias contribuirão para apoiar a ainda frágil recuperação económica. Os governos têm, por conseguinte, de prosseguir com as reformas dos mercados de trabalho e do produto, as quais ajudarão a melhorar o potencial de crescimento da área do euro e a reduzir as elevadas taxas de desemprego em muitos países. 4

5 A edição de fevereiro de 2014 do inclui dois artigos. O primeiro debruça-se sobre as recentes extensões dos modelos utilizados pelo na sua análise monetária abrangente. O segundo analisa os padrões de desalavancagem no setor empresarial da área do euro. 5

Projeções para a economia portuguesa em 2016

Projeções para a economia portuguesa em 2016 Projeções para a economia portuguesa em 2016 95 Projeções para a economia portuguesa em 2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma desaceleração do PIB, de 1,6 por cento em 2015 para

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE Caixa 6 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO Com base na informação disponível até 22 de fevereiro de 2013, os especialistas do prepararam projeções para a evolução

Leia mais

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

1. ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS . ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS.. CONTEXTO MACROECONÓMICO Em a atividade económica permaneceu relativamente contida. O crescimento nas economias emergentes e nas economias em desenvolvimento abrandou

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE Caixa PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO As perspetivas económicas atuais revestem-se de grande incerteza, dada a sua dependência crítica das próximas decisões

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA Com base na informação disponível até 23 de novembro de 2012, os especialistas do Eurosistema prepararam projeções

Leia mais

Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom

Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom 17/01/2017 12:34 por Redação Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom Fica mantida expectativa de ciclo longo de afrouxamento, que levará a taxa básica de juros para 9,50%

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa:

Projeções para a economia portuguesa: 1 Projeções para a economia portuguesa: 2017-2019 Esta nota apresenta as projeções macroeconómicas do Banco de Portugal para o período de 2017 a 2019. A economia portuguesa deverá manter uma trajetória

Leia mais

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos

E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira. Caixa Geral de Depósitos E depois da troika? Viver com o memorando. Fernando Faria de Oliveira Caixa Geral de Depósitos Centro de Congressos de Lisboa, 4 de Julho 2011 A comportamento do mercado em relação ao risco da dívida soberana

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE DEZEMBRO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE DEZEMBRO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS DE DEZEMBRO DE 2015 PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA 1 1. PERSPETIVAS PARA A ÁREA DO EURO: VISÃO GERAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS A expetativa é de

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

Projeções macroeconómicas de março de 2016 para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE 1

Projeções macroeconómicas de março de 2016 para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE 1 Projeções macroeconómicas de março de 2016 para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE 1 1 Perspetivas para a área do euro: visão geral e principais elementos A expetativa é de que a recuperação

Leia mais

EY como uma medida da dependência energética, definida como a

EY como uma medida da dependência energética, definida como a Em Análise O Preço da Energia e o Défice da Balança Energética em Portugal Miguel Lebre de Freitas 1 Susana Salvado Walter Marques 1. Introdução Sendo a economia Portuguesa uma das economias mais abertas

Leia mais

CAIS INVEST EMPRESA PARA O DESENVOLVIMENTO DO MUNICIPIO DE SÃO ROQUE DO PICO E.E.M. EM LIQUIDAÇÃO. Relatório de Gestão 2015

CAIS INVEST EMPRESA PARA O DESENVOLVIMENTO DO MUNICIPIO DE SÃO ROQUE DO PICO E.E.M. EM LIQUIDAÇÃO. Relatório de Gestão 2015 Relatório de Gestão 2015 1. ENQUADRAMENTO ECONOMICO As projeções para a economia portuguesa publicadas pelas diversas instituições nacionais e internacionais apontam para a continuação do processo de recuperação

Leia mais

Recomendação de DECISÃO DE EXECUÇÃO DO CONSELHO. que aplica uma multa a Portugal por não tomar medidas eficazes para corrigir um défice excessivo

Recomendação de DECISÃO DE EXECUÇÃO DO CONSELHO. que aplica uma multa a Portugal por não tomar medidas eficazes para corrigir um défice excessivo COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.7.2016 COM(2016) 519 final Recomendação de DECISÃO DE EXECUÇÃO DO CONSELHO que aplica uma multa a Portugal por não tomar medidas eficazes para corrigir um défice excessivo

Leia mais

Que Bancos no Futuro?

Que Bancos no Futuro? Que Bancos no Futuro? Carlos da Silva Costa Governador Lisboa, 3 de outubro 2016 XXVI ENCONTRO DE LISBOA entre os Banco Centrais dos Países de Língua Portuguesa As instituições bancárias enfrentam atualmente

Leia mais

Clima Econômico melhora na América Latina, mas continua desfavorável Maiores avanços em relação a janeiro ocorrem no Brasil e no México

Clima Econômico melhora na América Latina, mas continua desfavorável Maiores avanços em relação a janeiro ocorrem no Brasil e no México Maio de 2017 Clima Econômico melhora na América Latina, mas continua desfavorável Maiores avanços em relação a janeiro ocorrem no Brasil e no México O Indicador Ifo/FGV de Clima Econômico da América Latina

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal abril 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema 1 junho de 2017

Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema 1 junho de 2017 Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema 1 junho de 2017 Projeta-se que a recuperação económica na área do euro prossiga, a um ritmo superior às expetativas

Leia mais

Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE setembro de

Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE setembro de Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE setembro de 2016 1 A recuperação económica na área do euro deverá prosseguir, embora com taxas de crescimento ligeiramente

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Market Sentiment 3 a Edição

Market Sentiment 3 a Edição Market Sentiment 3 a Edição 1. Como perceciona a evolução do volume de transações de ativos imobiliários, para os próximos 3 meses? Variação da evolução global do volume de transações Análise dos principais

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Estatísticas sobre o endividamento das famílias

Estatísticas sobre o endividamento das famílias Estatísticas sobre o endividamento das famílias Filipa Lima 26 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Reunião Conjunta SPES e SPEE Estatísticas sobre o endividamento das famílias ESQUEMA DA

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

Análise semanal de Mercado. Euro Stoxx 50: Expectativas em relação ao Brexit alimentam volatilidade

Análise semanal de Mercado. Euro Stoxx 50: Expectativas em relação ao Brexit alimentam volatilidade Euro Stoxx 50: Expectativas em relação ao Brexit alimentam volatilidade O índice de referência europeu flutuou nos últimos dias ao sabor das expectativas dos investidores em relação ao referendo que vai

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES EXTERNAS Comunicado de Imprensa nº 11/190 (P) PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 20 de Maio de 2011 Fundo Monetário Internacional Washington, D.C. 20431 EUA

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2.

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2. Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 76 junho

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa:

Projeções para a economia portuguesa: Projeções para a economia portuguesa: 2016-2018 1. Sumário As projeções para a economia portuguesa publicadas neste artigo apontam para a continuação de um crescimento moderado da atividade económica,

Leia mais

COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1

COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1 10 de Dezembro de 2003 COMUNICADO PUBLICAÇÃO INAUGURAL DE ESTATÍSTICAS DE TAXAS DE JURO DAS IFM DA ÁREA DO EURO 1 O Banco Central Europeu (BCE) publica hoje um novo conjunto de estatísticas harmonizadas

Leia mais

Boletim Económico. Número 6 / ,5E 7,5E

Boletim Económico. Número 6 / ,5E 7,5E Boletim Económico 30 Número 6 / 2016 6E E 3,5E 6E E E 80 100% 53% E 6E 7,5E Índice Evolução económica e monetária 2 Apreciação global 2 1 Conjuntura externa 5 2 Evolução financeira 11 3 Atividade económica

Leia mais

Relatório do Orçamento do Estado para 2014 Errata

Relatório do Orçamento do Estado para 2014 Errata Relatório do Orçamento do Estado para 2014 Errata Nota Prévia: Foi introduzida na secção do Sumário Executivo a versão final da intervenção da Senhora Ministra de Estado e das Finanças, conforme proferida

Leia mais

Portugal: mantém-se a previsão de uma recuperação moderada

Portugal: mantém-se a previsão de uma recuperação moderada 8 de mai ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: mantém-se a previsão de uma recuperação moderada Agustín García Serrador / Miguel Jiménez A debilidade da recuperação estendeu-se ao início deste ano pela deterioração

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 02 fevereiro 2017

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 02 fevereiro 2017 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 02 fevereiro 2017 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Análise do Documento de Estratégia Orçamental junho de 2014

Análise do Documento de Estratégia Orçamental junho de 2014 Análise do Documento de Estratégia Orçamental 2014-2018 junho de 2014 Cenário macroeconómico O cenário macroeconómico apresentado parece ser equilibrado e razoavelmente prudente: Previsão de crescimento

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal julho 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004 COMUNICADO Página 1 / 6 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE SETEMBRO DE 2004 02 de Novembro de 2004 Volume de Negócios aumentou 5,9% para 4.813 M. Cash-Flow Operacional cresceu 25,8% para 548 M. Resultados

Leia mais

Obras licenciadas atenuaram decréscimo

Obras licenciadas atenuaram decréscimo Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2014- Dados preliminares 12 de junho de 2014 Obras licenciadas atenuaram decréscimo No 1º trimestre de 2014 os edifícios licenciados diminuíram

Leia mais

Boletim Económico. Junho Lisboa, 2017

Boletim Económico. Junho Lisboa, 2017 Boletim Económico Junho 2017 Lisboa, 2017 www.bportugal.pt Boletim Económico Junho 2017 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de fevereiro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, de fevereiro de 3 Banco de Portugal divulga estatísticas da balança de pagamentos e da posição de investimento internacional referentes a O Banco de Portugal publica

Leia mais

Terça-Feira, 03 de janeiro de 2017

Terça-Feira, 03 de janeiro de 2017 Terça-Feira, 03 de janeiro de 2017 Bom dia, Agenda vazia no Brasil. Sem dados importantes tanto no campo econômico quanto no político para hoje, o mercado interno deve ficar de olho no mercado externo

Leia mais

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula

III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula III. Política Monetária Os sinais contraditórios da política monetária do governo Lula José Luís Oreiro No início do segundo semestre de 2004, o Banco Central do Brasil iniciou um processo de elevação

Leia mais

Julho/2012. Produtividade do trabalho na Indústria de Transformação: Maio de Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Julho/2012. Produtividade do trabalho na Indústria de Transformação: Maio de Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Julho/2012 Produtividade do trabalho na Indústria de Transformação: Maio de 2012 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Sumário Após encerrar 2011 em queda (-0,2%), a produtividade do trabalho

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 4º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 4º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 4º trimestre 2014 Apreciação Global No 4º trimestre de 2014 o setor da construção registou, à semelhança do que se observara no trimestre anterior, um comportamento

Leia mais

Análise semanal de Mercado. Euro Stoxx 50: Recuperação técnica do Brexit pode não ter fôlego para continuar

Análise semanal de Mercado. Euro Stoxx 50: Recuperação técnica do Brexit pode não ter fôlego para continuar Euro Stoxx 50: Recuperação técnica do Brexit pode não ter fôlego para continuar Os desenvolvimentos políticos do pós-brexit dominaram a semana passada. No meio de toda a incerteza e confusão política pensamos

Leia mais

INFORMAÇÃO N.º 2/2008 Dívida Pública

INFORMAÇÃO N.º 2/2008 Dívida Pública Ref.ª 8/UTAO/2008 Data: 18.03.2008 INFORMAÇÃO N.º 2/2008 Dívida Pública 1 Com propósito de apoiar a audição do Sr. Presidente do IGCP na próxima quarta-feira, a UTAO coligiu um conjunto de informação parcelar

Leia mais

Carta Econômica Trimestral

Carta Econômica Trimestral CARTA ECONÔMICA Nº 10/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, Outubro 2016 Neste final de outubro os gestores de recursos dos RPPSs, notadamente aqueles que fazem um

Leia mais

Procedimento dos Défices Excessivos (1ª Notificação de 2017)

Procedimento dos Défices Excessivos (1ª Notificação de 2017) Procedimento dos Défices Excessivos 1ª Notificação 2017 24 de março de 2017 Procedimento dos Défices Excessivos (1ª Notificação de 2017) Nos termos dos Regulamentos da União Europeia, o INE envia ao Eurostat,

Leia mais

Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema dezembro de

Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema dezembro de Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema dezembro de 2016 1 A retoma na área do euro deverá prosseguir, globalmente em consonância com as projeções de setembro

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro

Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Boletim 1112/2016 Ano VIII 01/12/2016 Desemprego em São Paulo tem leve recuo e passa de 17,5% em setembro para 17,2% em outubro Nível de ocupação melhorou porque foram gerados 111 mil postos de trabalho

Leia mais

Análise semanal de Mercado. S&P 500: Inércia da Fed dá folga para acções continuarem a subir

Análise semanal de Mercado. S&P 500: Inércia da Fed dá folga para acções continuarem a subir S&P 500: Inércia da Fed dá folga para acções continuarem a subir Esta semana decidimos guardar a análise semanal de mercado para depois dos dois eventos dos bancos centrais que decorreram ontem, devido

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal outubro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para 0,8% t/t

Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para 0,8% t/t dezembro 6 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: o PIB do 3T surpreende em alta e acelera para,8% t/t Myriam Montañez O crescimento da economia portuguesa durante o 3T de 6 alcançou os,8% t/t, um nível consideravelmente

Leia mais

EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO

EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO (0-200) EXPECTATIVAS DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO MELHORAM EM DEZEMBRO O de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) atingiu 79,9 pontos em dezembro, com queda de 1,4% em relação a novembro, descontados

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015?

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? 13/11/2014 Relatório Mensal-Novembro Rua Laplace 74, conj. 51 São Paulo - SP CEP: 04622-000 Tel.: 11-4305-03-29 E-mail: comercial@fmdassset.com.br R E L A

Leia mais

ZA4979. Flash Eurobarometer 216 (Public attitudes and perceptions in the euro area) Country Specific Questionnaire Portugal

ZA4979. Flash Eurobarometer 216 (Public attitudes and perceptions in the euro area) Country Specific Questionnaire Portugal ZA4979 Flash Eurobarometer 216 (Public attitudes and perceptions in the euro area) Country Specific Questionnaire Portugal Revised questionnaire for euro survey in euro area Q1. De uma forma geral, pensa

Leia mais

Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016

Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016 Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE INVESTIGAÇÃO 1 Sumário executivo A economia global está

Leia mais

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 1º Trimestre de 2011 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 1º Trimestre de 2011 São Paulo, dezembro de 2010 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Gustavo Loyola

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Gustavo Loyola PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola Cenário Internacional 3 Desaceleração suave nos próximos anos, mas ainda com crescimento em ritmo elevado Crescimento moderado, limitado pela necessidade

Leia mais

Resultados de junho 2015

Resultados de junho 2015 Resultados de junho No 1º semestre de, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 11,9% no faturamento real sobre o mesmo período de 2014 (já descontada a inflação). O resultado

Leia mais

Desemprego da Construção em máximo histórico

Desemprego da Construção em máximo histórico Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 62 Agosto

Leia mais

A taxa de desemprego de novembro de 2016 foi de 10,5%

A taxa de desemprego de novembro de 2016 foi de 10,5% Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego embro de 30 de janeiro de 2017 A taxa de desemprego de novembro de foi de 10,5% A taxa de desemprego de novembro de situou-se em 10,5%, menos 0,1 pontos percentuais

Leia mais

TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA

TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA José A. Ferreira Machado Inácia Pimentel Duração: 90 minutos Versão A (Responda no enunciado.) TESTE INTERMÉDIO DE MACROECONOMIA 2013-04-11 1. Ao longo das últimas décadas, os cidadãos dos países desenvolvidos

Leia mais

Boletim Económico. Dezembro Lisboa, 2016

Boletim Económico. Dezembro Lisboa, 2016 Boletim Económico Dezembro 2016 Lisboa, 2016 www.bportugal.pt Boletim Económico Dezembro 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 4 de Março de 2004 Dia Internacional da Mulher DIA INTERNACIONAL DA MULHER O Instituto Nacional de Estatística não quis deixar de se associar à comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, apresentando

Leia mais

Análise semanal de Mercado. S&P 500: Clinton vs. Trump Primeiro debate presidencial dá pontos à candidata Democrata

Análise semanal de Mercado. S&P 500: Clinton vs. Trump Primeiro debate presidencial dá pontos à candidata Democrata S&P 500: Clinton vs. Trump Primeiro debate presidencial dá pontos à candidata Democrata Fonte: BiGlobal Trade (parceiro Saxo Bank); Research BiG. Depois de na passada semana a Reserva Federal norte-americana

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2017 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

ÍNDICES DE PREÇOS NA CADEIA DE ABASTECIMENTO ALIMENTAR 1º RELATÓRIO

ÍNDICES DE PREÇOS NA CADEIA DE ABASTECIMENTO ALIMENTAR 1º RELATÓRIO ÍNDICES DE PREÇOS NA CADEIA DE ABASTECIMENTO ALIMENTAR 1º RELATÓRIO MAIO 2012 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 4 PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES... 5 I. ÍNDICES DE PREÇOS DE BENS ALIMENTARES NA PRODUÇÃO, INDÚSTRIA

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Os principais indicadores da economia brasileira: atividade econômica e política monetária Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

Demanda e oferta agregadas

Demanda e oferta agregadas Demanda e oferta agregadas Roberto Guena de Oliveira 16 de outubro de 2016 USP Flutuações econômicas de curto prazo A atividade econômica flutua de ano a ano. A taxa de crescimento anual médio da economia

Leia mais

Opinião ABC Brasil /06/2017

Opinião ABC Brasil /06/2017 23/06/2017 Internamente as questões políticas continuam sendo o foco das atenções dos mercados. Contrariando as expectativas, o Comitê de Assuntos Sociais (CAS) do Senado rejeitou, por 10 votos a 9, o

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2016/0282(COD) da Comissão dos Transportes e do Turismo

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT. Parlamento Europeu 2016/0282(COD) da Comissão dos Transportes e do Turismo Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Transportes e do Turismo 2016/0282(COD) 7.2.2017 PROJETO DE PARECER da Comissão dos Transportes e do Turismo dirigido à Comissão dos Orçamentos e à Comissão do

Leia mais

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS Sumário BALANÇO DE 2016 SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO PERSPECTIVAS 2 Como começamos 2016 BALANÇO 2016 Inflação de preços livres se manteve

Leia mais

Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento

Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento Teodora Cardoso Conferência Investimento em Portugal, Fundação Calouste Gulbenkian, 15 Março 2017 Princípios básicos: investimento

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014 Apreciação Global A análise dos diversos indicadores relativos ao primeiro trimestre de 2014, para além de confirmar a tendência de abrandamento

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO. Dezembro Lisboa, 2015

BOLETIM ECONÓMICO. Dezembro Lisboa, 2015 BOLETIM ECONÓMICO Dezembro 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Dezembro 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

Portugal: Crescimento débil e previsões sem alterações para 2016

Portugal: Crescimento débil e previsões sem alterações para 2016 fev ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Crescimento débil e previsões sem alterações para Miguel Jiménez / Agustín García / Massimo Trento A contabilidade nacional voltou a trazer um valor de crescimento débil,

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE 1 março de 2017

Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE 1 março de 2017 Projeções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do BCE 1 março de 2017 Projeta-se que a retoma na área do euro continue a ganhar firmeza a um ritmo ligeiramente superior às expetativas

Leia mais

APESAR DA CRISE, CONSTRUÇÃO CIVIL TEVE DESEMPENHO POSITIVO EM 2009

APESAR DA CRISE, CONSTRUÇÃO CIVIL TEVE DESEMPENHO POSITIVO EM 2009 APESAR DA CRISE, CONSTRUÇÃO CIVIL TEVE DESEMPENHO POSITIVO EM 2009 A crise internacional trouxe consigo impactos não desprezíveis sobre a economia brasileira, a exemplo de uma acentuada desaceleração da

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 142 milhões em 2015

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 142 milhões em 2015 Maia, Portugal 9 de março de 2016 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 142 milhões em 2015 Resultado Líquido aumenta 47% face a 2014 Resultado Direto atinge 61 milhões EBIT de 105 milhões Resultado

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de julho de 2016

INFORME ECONÔMICO 22 de julho de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Na Europa, o BCE sinalizou que pode reavaliar as medidas de estímulos monetários nas próximas reuniões. No Brasil, o Copom considerou que não há espaço para flexibilizar

Leia mais

Introdução à Macroeconomia

Introdução à Macroeconomia Introdução à Macroeconomia Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 1 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia. Universidade

Leia mais

10798/1/14 REV 1 grp/jv 1 DG B 4A / DG G 1A

10798/1/14 REV 1 grp/jv 1 DG B 4A / DG G 1A CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 18 de junho de 2014 10798/1/14 REV 1 UEM 250 ECOFIN 638 SOC 489 COMPET 391 ENV 590 EDUC 227 RECH 286 ENER 294 JAI 488 NOTA de: Secretariado-Geral para: Conselho n.º

Leia mais

Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015

Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015 ...... Síntese Económica de Conjuntura - Abril de 2015 Na Área Euro (AE), o PIB em termos reais registou uma variação homóloga de 1,0% no 1º trimestre de 2015 (0,9% no trimestre anterior). Em abril, os

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Setembro, 2015 Roteiro Internacional Brasil Desaceleração da China reduz crescimento global China: desaceleração chinesa reduz crescimento

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

ABRIL DE Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável

ABRIL DE Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Ano 21 - Número 04 ABRIL DE 2012 Taxa de desemprego mantém-se praticamente estável Em abril, a Pesquisa de Emprego e Desemprego captou relativa estabilidade da taxa

Leia mais

Análise semanal de Mercado. EURUSD: Bons indicadores económicos dão alento ao dólar

Análise semanal de Mercado. EURUSD: Bons indicadores económicos dão alento ao dólar EURUSD: Bons indicadores económicos dão alento ao dólar Na quarta-feira foram divulgados indicadores do mercado laboral norte-americano melhores que o esperado, o que motivou alguma valorização no dólar.

Leia mais

5734/17 mam/jv 1 DGG 1A

5734/17 mam/jv 1 DGG 1A Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de janeiro de 2017 (OR. en) 5734/17 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações n.º doc. ant.: 5188/17 Assunto: ECOFIN 50 UEM 14

Leia mais

Orçamento do Estado para 2003

Orçamento do Estado para 2003 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Orçamento do Estado para 2003 Síntese Outubro 2002 1 I. Enquadramento Económico I.1 Enquadramento Internacional em 2002 Retoma da actividade económica não se concretizou com a prevista

Leia mais

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011

A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 4º Trimestre de 2011 e Ano 2011 30 de março de 2012 A necessidade de financiamento da economia fixou-se em 5,1% do PIB em 2011 Em 2011,

Leia mais

EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo

EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo Boletim 1143/2017 Ano IX 31/01/2017 EPE vê reação da indústria e projeta alta do consumo Por Rodrigo Polito A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) prevê o aumento do consumo de energia do setor industrial

Leia mais

Produto Interno Bruto por setor de atividade

Produto Interno Bruto por setor de atividade Dezembro de 2011 Um ano de crescimento em meio a uma nova crise internacional A economia brasileira fechou o terceiro trimestre com crescimento acumulado no ano de 10,6%. Isso equivale a uma taxa de expansão

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 03/2016

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 03/2016 ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 03/2016 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO (RECI) Sistema de Incentivos às Empresas Inovação Produtiva Majoração «Execução do Investimento»

Leia mais