moderadas no que respeita à inflação no médio prazo, dada a fraqueza generalizada da economia e a dinâmica monetária comedida.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "moderadas no que respeita à inflação no médio prazo, dada a fraqueza generalizada da economia e a dinâmica monetária comedida."

Transcrição

1 EDITORIAL Na reunião de 7 de Novembro de 2013, o Conselho do tomou uma série de decisões relativas às taxas de juro directoras do, às indicações sobre a orientação futura da política monetária (forward guidance) e à cedência de liquidez. Em primeiro lugar, com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu reduzir a taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento do Eurosistema em 25 pontos base e a taxa de juro aplicada à facilidade permanente de cedência de liquidez em 25 pontos base, passando estas para, respectivamente, 0.25% e 0.75%. A taxa de juro da facilidade permanente de depósito não foi alterada, continuando a ser de 0.00%. Estas decisões estão em conformidade com as indicações sobre a orientação futura da política monetária fornecidas em Julho de 2013 pelo Conselho do, tendo em conta os sinais mais recentes de uma nova diminuição das pressões subjacentes sobre os preços na área do euro no médio prazo, partindo das actuais baixas taxas de inflação homólogas, inferiores a 1%. Em consonância com este cenário, a dinâmica monetária e, em particular, a dinâmica do crédito continuam a ser comedidas. Ao mesmo tempo, as expectativas de inflação relativas à área do euro no médio a longo prazo permanecem firmemente ancoradas em conformidade com o objectivo de manter as taxas de inflação abaixo, mas próximo, de 2%. Este panorama sugere que a área do euro poderá registar um período alargado de inflação baixa, seguido de um movimento ascendente gradual no sentido de taxas de inflação situadas abaixo, mas próximo, de 2%. Nessa conformidade, a orientação da política monetária permanecerá acomodatícia enquanto for necessário. Desse modo, continuará também a contribuir para a recuperação económica gradual, tal como reflectido nos indicadores de confiança referentes ao período até Outubro. Em segundo lugar, na sequência da redução das taxas de juro, o Conselho do reviu as indicações sobre a orientação futura da política monetária fornecidas em Julho e reiterou a sua expectativa de que as taxas de juro directoras do se mantenham nos níveis actuais ou em níveis inferiores durante um período alargado. Esta expectativa continua a ter por base as perspectivas globalmente 1

2 moderadas no que respeita à inflação no médio prazo, dada a fraqueza generalizada da economia e a dinâmica monetária comedida. Em terceiro lugar, o Conselho do continua a acompanhar de perto as condições do mercado monetário e o seu potencial impacto na orientação da política monetária. Está preparado para considerar todos os instrumentos disponíveis e, neste contexto, decidiu continuar a conduzir as operações principais de refinanciamento (OPR) sob a forma de procedimentos de leilão de taxa fixa com colocação total, enquanto necessário e, pelo menos, até ao final do sexto período de manutenção de 2015, em 7 de Julho de Este procedimento continuará igualmente a ser utilizado nas operações de refinanciamento de prazo especial do Eurosistema, com prazo de um período de manutenção, as quais continuarão a ser realizadas enquanto tal se revelar necessário e, pelo menos, até ao final do segundo trimestre de A taxa fixa aplicada a estas operações de refinanciamento de prazo especial será igual à taxa aplicável às OPR na altura. O Conselho do decidiu ainda que as operações de refinanciamento de prazo alargado (ORPA) com prazo de 3 meses, a colocar até ao final do segundo trimestre de 2015, serão conduzidas sob a forma de procedimentos de leilão de taxa fixa com colocação total. As taxas aplicadas às ORPA com prazo de 3 meses serão fixadas à taxa média das OPR ao longo do período de duração da ORPA correspondente. No que se refere à análise económica, o PIB real da área do euro aumentou 0.3%, em termos trimestrais em cadeia, no segundo trimestre de 2013, após seis trimestres de crescimento negativo do produto. A evolução dos indicadores de confiança baseados em inquéritos até Outubro é consistente com um crescimento continuado, embora modesto, no segundo semestre do ano. Numa análise prospectiva, espera-se que o produto continue a recuperar a um ritmo lento, devido, em particular, a uma melhoria gradual da procura interna, apoiada pela orientação acomodatícia da política monetária. A actividade económica da área do euro deverá ainda beneficiar de um reforço progressivo da procura de exportações. Além disso, as melhorias globais nos mercados financeiros desde o ano passado, tal como os progressos em termos de consolidação orçamental, parecem estar 2

3 gradualmente a surtir efeitos na economia real. Acresce que os rendimentos reais beneficiaram recentemente de uma inflação dos preços dos produtos energéticos, em geral, mais baixa. Por seu turno, o desemprego na área do euro permanece elevado e o ajustamento de balanços necessário nos sectores público e privado continuará a pesar sobre a actividade económica. Os riscos em torno das perspectivas económicas para a área do euro mantêm-se do lado descendente. A evolução das condições nos mercados monetários e financeiros mundiais e as incertezas associadas podem ter o potencial para afectar negativamente as condições económicas. Outros riscos em sentido descendente incluem preços das matérias-primas mais elevados, uma procura interna e um crescimento das exportações mais fracos do que o esperado, bem como a implementação lenta ou insuficiente de reformas estruturais nos países da área do euro. De acordo com a estimativa provisória do Eurostat, na área do euro, a inflação homóloga medida pelo Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) baixou para 0.7% em Outubro de 2013, face a 1.1% em Setembro. Esta diminuição foi mais acentuada do que o esperado e reflectiu, em particular, uma descida da inflação dos preços dos produtos alimentares, um maior decréscimo dos preços dos produtos energéticos e algum abrandamento da inflação dos preços dos serviços. Com base nos actuais preços dos futuros dos produtos energéticos, espera-se que as taxas de inflação homólogas se mantenham em níveis baixos nos próximos meses. As pressões subjacentes sobre os preços na área do euro deverão permanecer moderadas no médio prazo. Ao mesmo tempo, as expectativas de inflação relativas à área do euro no médio a longo prazo permanecem firmemente ancoradas em conformidade com o objectivo de manter as taxas de inflação abaixo, mas próximo, de 2%. Este panorama sugere que a área do euro poderá registar um período alargado de inflação baixa, seguido de um movimento ascendente gradual no sentido de taxas de inflação situadas abaixo, mas próximo, de 2%. À luz das decisões tomadas pelo Conselho do em 7 de Novembro, os riscos para as perspectivas quanto à evolução dos preços apresentam-se globalmente 3

4 equilibrados no médio prazo. Os riscos em sentido ascendente estão relacionados, em especial, com preços das matérias-primas mais elevados, bem como aumentos dos preços administrados e dos impostos indirectos mais fortes do que o esperado, e os riscos em sentido descendente com uma actividade económica mais fraca do que o antecipado. No que respeita à análise monetária, os dados relativos a Setembro confirmam o crescimento subjacente comedido do agregado monetário largo (M3) e, em particular, do crédito. O crescimento homólogo do M3 registou uma moderação em Setembro, situando-se em 2.1%, o que compara com 2.3% em Agosto. O crescimento homólogo do M1 permaneceu forte, em 6.6%, reflectindo uma preferência por liquidez, apesar de se situar abaixo do valor máximo de 8.7%, registado em Abril. As entradas líquidas de capital na área do euro continuaram a ser o principal factor a apoiar o crescimento homólogo do M3, enquanto a taxa de variação homóloga dos empréstimos ao sector privado se manteve fraca. A taxa de crescimento homóloga dos empréstimos às famílias (corrigida de vendas e titularização de empréstimos) foi de 0.3% em Setembro, permanecendo globalmente inalterada desde a viragem do ano. A taxa de variação homóloga dos empréstimos às sociedades não financeiras (corrigida de vendas e titularização de empréstimos) situou-se em -2.7% em Setembro, face a -2.9% em Agosto. De um modo geral, a dinâmica fraca dos empréstimos às sociedades não financeiras continua a reflectir sobretudo a sua relação desfasada com o ciclo económico, o risco de crédito e o ajustamento em curso dos balanços dos sectores financeiro e não financeiro. Ao mesmo tempo, o inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito, realizado em Outubro de 2013, assinala provisoriamente uma estabilização das condições de concessão de crédito às empresas e às famílias, no contexto de uma procura de empréstimos ainda fraca. Desde o Verão de 2012, registaram-se progressos consideráveis na melhoria da situação de financiamento dos bancos. A fim de assegurar uma transmissão adequada da política monetária às condições de financiamento nos países da área do euro, é fundamental que a fragmentação dos mercados de crédito da área do euro registe nova diminuição e que a capacidade de resistência dos bancos seja 4

5 reforçada, onde necessário. A avaliação completa que o realizará antes de assumir as suas funções de supervisão ao abrigo do mecanismo único de supervisão contribuirá para apoiar este processo de fomento da confiança. Melhorará igualmente a qualidade da informação disponível sobre a situação dos bancos e permitirá identificar e implementar as acções correctivas necessárias. A tomada de novas medidas decisivas com vista à consecução de uma união bancária contribuirá para restaurar a confiança no sistema financeiro. Resumindo, à luz das decisões tomadas pelo Conselho do, a análise económica indica que a área do euro poderá registar um período alargado de inflação baixa, seguido de um movimento ascendente gradual no sentido de taxas de inflação situadas abaixo, mas próximo, de 2%. O cruzamento com os sinais fornecidos pela análise monetária confirma este cenário. Em termos de políticas orçamentais, projecta-se uma nova descida do défice orçamental da área do euro, de 3.1% do PIB em 2013 para 2.5% em 2014, de acordo com as previsões económicas do Outono de 2013 da Comissão Europeia. Ao mesmo tempo, espera-se que o rácio da dívida pública da área do euro aumente de 95.5% do PIB em 2013 para 95.9% em Para que os elevados rácios da dívida pública sejam colocados numa trajectória descendente, os governos não devem desfazer os esforços desenvolvidos com vista a reduzir os défices e sustentar o ajustamento orçamental no médio prazo. A composição da consolidação orçamental deve ser orientada para medidas favoráveis ao crescimento, com uma perspectiva a médio prazo e que combinem a melhoria da qualidade e eficiência dos serviços públicos com a minimização dos efeitos distorcionários da tributação. Impõe-se também que os governos intensifiquem de forma decisiva os esforços no sentido da implementação das reformas estruturais necessárias nos mercados de trabalho e do produto. Não obstante os progressos registados na redução dos défices da balança corrente e dos diferenciais dos custos unitários do trabalho, continuam a ser imprescindíveis esforços substanciais para melhorar ainda mais a competitividade, apoiar o reequilíbrio na área do euro e criar economias mais flexíveis e dinâmicas que gerem um crescimento económico sustentável e emprego. 5

6 A edição de Novembro de 2013 do inclui um artigo, que analisa a evolução do produto potencial da área do euro desde o início da crise e examina a ligação entre a capacidade disponível na economia e a evolução em termos nominais. 6

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 6 de fevereiro de 2014, manter as taxas de juro diretoras do inalteradas. A informação recentemente

Leia mais

BCE Boletim Mensal Abril 2011

BCE Boletim Mensal Abril 2011 EDITORIAL Na reunião de 7 de Abril de 2011, o Conselho do decidiu, com base nas suas análises económica e monetária regulares, aumentar em 25 pontos base as taxas de juro directoras do, as quais manteve

Leia mais

BCE Boletim Mensal Outubro de 2006

BCE Boletim Mensal Outubro de 2006 EDITORIAL Na reunião de 5 de, o Conselho do decidiu aumentar, em 25 pontos base, a taxa mínima de proposta aplicável às operações principais de refinanciamento do Eurosistema, que passou para 3.25%. As

Leia mais

BCE Boletim Mensal Novembro 2011

BCE Boletim Mensal Novembro 2011 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 3 de Novembro de 2011, reduzir as taxas de juro directoras do em 25 pontos base. Embora a inflação

Leia mais

BCE Boletim Mensal Agosto 2011

BCE Boletim Mensal Agosto 2011 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 4 de Agosto de 2011, manter as taxas de juro directoras do inalteradas, na sequência do aumento

Leia mais

BCE Boletim Mensal Janeiro 2008

BCE Boletim Mensal Janeiro 2008 EDITORIAL Na reunião de 10 de Janeiro de 2008, o Conselho do decidiu, com base nas suas análises económica e monetária regulares, deixar inalteradas as taxas directoras do. De acordo com a informação disponibilizada

Leia mais

BCE Boletim Mensal Outubro 2005

BCE Boletim Mensal Outubro 2005 EDITORIAL Na reunião de 6 de Outubro de 2005, o Conselho do decidiu deixar inalterada, em 2.0%, a taxa mínima de proposta aplicável às operações principais de refinanciamento do Eurosistema. As taxas de

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE Caixa PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO Com base na informação disponível até 23 de agosto de 2013, os especialistas do prepararam projeções para a evolução

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

O Financiamento da Economia e as Empresas

O Financiamento da Economia e as Empresas O Financiamento da Economia e as Empresas Banco de Portugal Apresentação na CIP em 17/2/2009 Vítor Constâncio O FINANCIAMENTO DA ECONOMIA O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS O SISTEMA BANCÁRIO E O FINANCIAMENTO

Leia mais

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2007

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2007 EDITORIAL Com base na suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na sua reunião de 8 de Fevereiro de 2007, deixar inalteradas as taxas directoras do. A informação disponível

Leia mais

Habitação em recuperação e Obras Públicas em queda

Habitação em recuperação e Obras Públicas em queda Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 80 Junho

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente

Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2011 26 de janeiro de 2012 Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente O valor médio de avaliação bancária de habitação 1 do total do País

Leia mais

Em 2007, todas as publicações do BCE apresentam um motivo retirado da nota de 20.

Em 2007, todas as publicações do BCE apresentam um motivo retirado da nota de 20. Em 27, todas as publicações do apresentam um motivo retirado da nota de 2. BOLETIM MENSAL MARÇO 27 Banco Central Europeu, 27 Morada Kaiserstrasse 29 6311 Frankfurt am Main Alemanha Endereço postal Postfach

Leia mais

Projecções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema

Projecções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema Projecções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema Com base na informação disponível até 20 de Novembro de 2004, os especialistas do Eurosistema prepararam projecções

Leia mais

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008 AS S E M B L EI A D A R E P ÚBLI C A U N I D A D E T É C N I C A DE APOIO ORÇAMENTAL Ref.ª 25/UTAO/2008 Data: 7.10.2008 INFORMAÇÃO N.º 9/2008 Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo

Leia mais

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Carlos da Silva Costa Governador 27 março 2014 Apresentação do livro A Economia Portuguesa na União Europeia: 1986-2010" Imperativos de uma

Leia mais

1. Desenvolvimentos Recentes

1. Desenvolvimentos Recentes . Desenvolvimentos Recentes.. Enquadramento macroeconómico e financeiro Em 203, prosseguiu o processo de correção dos desequilíbrios económicos internos e externos da economia portuguesa Em 203, a evolução

Leia mais

Boletim Económico. Junho 2016. Lisboa, 2016 www.bportugal.pt

Boletim Económico. Junho 2016. Lisboa, 2016 www.bportugal.pt Boletim Económico Junho 2016 Lisboa, 2016 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Junho 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2016-2018

Projeções para a economia portuguesa: 2016-2018 Projeções para a economia portuguesa: 2016-2018 7 Projeções para a economia portuguesa: 2016-2018 1. Introdução As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação moderada da atividade

Leia mais

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA Com base na informação disponível até 20 de Maio de 2005, os especialistas do Eurosistema prepararam projecções

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os desafios econômicos em 2015 1 Indicadores macroeconômicos ruins A Presidente Dilma Rouseff

Leia mais

Banco de Portugal. Boletim económico. Junho de 2003. Textos de política e situação económica. Working papers 1998 a 2003... i. Estudos Económicos

Banco de Portugal. Boletim económico. Junho de 2003. Textos de política e situação económica. Working papers 1998 a 2003... i. Estudos Económicos Banco de Portugal Boletim económico Junho de 2003 Textos de política e situação económica Perspectivas para a economia portuguesa: 2003-2004.. 5 Artigos Índice de condições monetárias para Portugal...

Leia mais

Fazer face à queda dos preços das matérias-primas

Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional 3 de Maio de 216 Ciclos dos termos de troca

Leia mais

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 1.º trimestre de 2016

Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 1.º trimestre de 2016 Sistema Bancário Português Desenvolvimentos Recentes 1.º trimestre de 216 Redigido com informação disponível até 2 de junho de 216 Índice Sistema bancário português Avaliação global Indicadores macroeconómicos

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Abril de 2016

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Abril de 2016 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Abril de 2016 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados de Abril de 2016 do inquérito aos cinco grupos bancários incluídos

Leia mais

Projecções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema

Projecções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema Projecções macroeconómicas para a área do euro elaboradas por especialistas do Eurosistema Com base na informação disponível até 17 de Maio de 2004, os especialistas do Eurosistema prepararam projecções

Leia mais

BCE Boletim Mensal Janeiro 2009

BCE Boletim Mensal Janeiro 2009 EDITORIAL Na reunião de 15 de Janeiro, o Conselho do decidiu, com base nas suas análises económica e monetária regulares, reduzir a taxa de juro das operações principais de refinanciamento do Eurosistema

Leia mais

A POLÍTICA MONETÁRIA EUROPEIA

A POLÍTICA MONETÁRIA EUROPEIA A POLÍTICA MONETÁRIA EUROPEIA O Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC) é composto pelo BCE e pelos bancos centrais nacionais de todos os Estados-Membros da UE. O objetivo primordial do SEBC é a manutenção

Leia mais

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000)

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) Discriminação 2001 2002 2003 Valor % PIB Valor % PIB Valor % PIB I. RECEITA

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 127. o, n. o 2, primeiro travessão, L 157/28 DECISÃO (UE) 2016/948 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 1 de junho de 2016 relativa à implementação do programa de compra de ativos do setor empresarial (BCE/2016/16) O CONSELHO DO BANCO CENTRAL EUROPEU,

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2 Banco de Portugal publica Suplemento sobre Estatísticas das Administrações Públicas e divulga informação trimestral adicional O Banco de Portugal

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica Textos de política e situação económica INFLAÇÃO EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVAS 1. INTRODUÇÃO Em 1997, a inflação em Portugal atingiu níveis compatíveis com a estabilidade de preços. Em cumprimento do

Leia mais

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2016) 294 final.

Envia-se em anexo, à atenção das delegações, o documento COM(2016) 294 final. Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de julho de 2016 (OR. en) 11043/16 ECOFIN 696 UEM 267 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 7 de julho de 2016 para: n. doc. Com.: Assunto: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

Lista de Quadros. Capítulo I Forma predominante da taxa de juro nos empréstimos à habitação.

Lista de Quadros. Capítulo I Forma predominante da taxa de juro nos empréstimos à habitação. xi Lista de Quadros Capítulo I Quadro I.1. Quadro I.2. Quadro I.3. Quadro I.4. Quadro I.5. Quadro I.6. Forma predominante da taxa de juro nos empréstimos à habitação. Rácios de endividamento relativamente

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica A ECONOMIA PORTUGUESA EM 2 1. INTRODUÇÃO De acordo com estimativas do Banco de Portugal, divulgadas neste Boletim Económico (BE) (Quadro 1.1), o Produto Interno Bruto (PIB) apresentou em 2 um crescimento

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Taxa de Inflação Homóloga diminuiu 0,1% em Fevereiro

Taxa de Inflação Homóloga diminuiu 0,1% em Fevereiro INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE Nota de Imprensa Índice de Preços no Consumidor IPC base 2007 Fevereiro de 2016 14 de Março de 2016 Taxa de Inflação Homóloga diminuiu 0,1% em Fevereiro No

Leia mais

ACORDO SOBRE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1988

ACORDO SOBRE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1988 CONSELHO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL ACORDO SOBRE POLÍTICA DE RENDIMENTOS PARA 1988 LISBOA ACORDO Acordo de Política de Rendimentos para 1988, subscrito em 25 de Janeiro de 1988, no âmbito do Conselho

Leia mais

A Economia Global no 3 o trimestre de 2014

A Economia Global no 3 o trimestre de 2014 A Economia Global no 3 o trimestre de 2014 No terceiro trimestre de 2014 a recuperação da economia mundial exibiu um comportamento moderado, mas desequilibrado. Embora se mantivessem o crescimento económico

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2016 Roteiro Internacional Bancos centrais reagem; riscos permanecem Os principais bancos centrais estão reagindo à turbulência

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2016, em cumprimento

Leia mais

Mercado Imobiliário em Portugal

Mercado Imobiliário em Portugal Mercado Imobiliário em Portugal Outubro 2012 Este documento foi redigido com base em informação disponível até 12 de Outubro, 2012. Índice I. Enquadramento Económico II. III. IV. Mercado Imobiliário em

Leia mais

Mercado de trabalho e Situação Financeira das Empresas em degradação acentuada

Mercado de trabalho e Situação Financeira das Empresas em degradação acentuada FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

Banco de Portugal. Boletim económico. Primavera de 2005. Textos de política e situação económica. Working papers. Estudos Económicos

Banco de Portugal. Boletim económico. Primavera de 2005. Textos de política e situação económica. Working papers. Estudos Económicos Banco de Portugal Boletim económico Primavera de 2005 Textos de política e situação económica A economia portuguesa em 2004... 7 Artigos O mecanismo de transmissão da política monetária: é relevante para

Leia mais

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou queda de 2,3% no trimestre finalizado em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA 2014-2015 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO. Nº de garrafas encontradas

ECONOMIA E SOCIOLOGIA 2014-2015 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO. Nº de garrafas encontradas ECONOMIA E SOCIOLOGIA 214-215 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. Um estudante trabalha em part-time, num período de duração à sua escolha, na cantina da Escola, recebendo como contrapartida um salário de 6 /hora.

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2017, em cumprimento

Leia mais

Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008

Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008 Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008 De acordo com os resultados do Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador (I.C.S.I.E.) no 1º trimestre de 2008,

Leia mais

NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS.

NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS. Dia Internacional do Idoso 1 de Outubro de 2007 27 de Setembro de 2007 NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS. O número de idosos tem aumentado,

Leia mais

Apresentação de contas de 2014. 5 maio 2015

Apresentação de contas de 2014. 5 maio 2015 Apresentação de contas de 2014 5 maio 2015 Balanço 2014 Balanço simplificado 2014 2013 Variação 2007 Valor Peso total balanço Valor Valor % Valor Peso total balanço Ouro 12 147 11,5% 10 714 1 433 13,4%

Leia mais

Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016

Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016 UNIDADE TÉCNICA DE APOIO ORÇAMENTAL ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA UTAO PARECER TÉCNICO n.º 2/2016 Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016 28.01.2016 Ficha técnica Este trabalho foi elaborado com base

Leia mais

Relatório de Endividamento e Disponibilidades

Relatório de Endividamento e Disponibilidades Relatório de Endividamento e Disponibilidades Dezembro 2014 DMAG DMAG DFP DFP DPCO DPCO ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da

Leia mais

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII CNPJ nº 13.012.312/0001-67 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do Fundo O Salus Fundo

Leia mais

Ao Presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos, S.A. Exmo. Senhor Dr. José Agostinho de Matos. Lisboa, 31 de maio de 2013

Ao Presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos, S.A. Exmo. Senhor Dr. José Agostinho de Matos. Lisboa, 31 de maio de 2013 Ao Presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos, S.A. Exmo. Senhor Dr. José Agostinho de Matos Lisboa, 31 de maio de 2013 Assunto: Missão da Caixa Geral de Depósitos, S.A. Exmo. Senhor

Leia mais

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO EUROSISTEMA Com base na informação disponibilizada até 19 de Novembro de 2010, os especialistas do Eurosistema prepararam

Leia mais

ALTERAÇÕES 10-19. PT Unida na diversidade PT 2012/0244(COD) 12.11.2012. Projeto de parecer Paulo Rangel (PE500.374v02-00)

ALTERAÇÕES 10-19. PT Unida na diversidade PT 2012/0244(COD) 12.11.2012. Projeto de parecer Paulo Rangel (PE500.374v02-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Constitucionais 12.11.2012 2012/0244(COD) ALTERAÇÕES 10-19 Projeto de parecer Paulo Rangel (PE500.374v02-00) sobre a proposta de regulamento do Parlamento

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

Endividamento recua em dezembro

Endividamento recua em dezembro Endividamento recua em dezembro Em dezembro de 2011, o número de famílias que declarou possuir dívidas diminui pelo sétimo mês consecutivo permanecendo, no entanto, acima do patamar observado ao final

Leia mais

Resultados do 1T16. Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI

Resultados do 1T16. Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI Resultados do Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI Captação Graduação Crescimento da captação presencial (+1,9%) Penetração FIES apenas 8,4% da captação de graduação presencial,

Leia mais

EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS

EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS SÃO PAULO, 19 DE FEVEREIRO DE 2004. EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS TODO INÍCIO DE ANO, PAIS, ESTUDANTES E ESPECIALISTAS EM INFLAÇÃO SE PREPARAM PARA O REAJUSTE DAS MENSALIDADES ESCOLARES

Leia mais

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta

F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta F. RAMADA INVESTIMENTOS, S.G.P.S.,S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 508 548 527 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira anual 2010 1 A F. Ramada

Leia mais

Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital

Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital Gerenciamento de Capital Política de Gerenciamento do Risco de Capital Plano de Capital: 2012-2015 Monitoramento mensal do nível de crise de capital As projeções

Leia mais

Análise à Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2016

Análise à Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2016 UNIDADE TÉCNICA DE APOIO ORÇAMENTAL ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA UTAO PARECER TÉCNICO n.º 3/2016 Análise à Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2016 17.02.2016 Ficha técnica Este trabalho foi elaborado

Leia mais

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil A combinação explosiva entre inflação e recessão verificada em nível mundial durante os anos 70 motivou um interesse crescente em entender a dinâmica

Leia mais

Gráfico 1 - Evolução do Produto (PIB) média da % de variação anual, AMECO/Comissão Europeia

Gráfico 1 - Evolução do Produto (PIB) média da % de variação anual, AMECO/Comissão Europeia destaque: O retrato económico e social do Portugal de 2013 mostra de forma clara as consequências da política de austeridade que tem vindo a ser seguida e a quem serve. 1 A quem serve a austeridade: retrato

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/410 (P) PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 3 de setembro de 2014 Fundo Monetário Internacional Washington, DC 20431 EUA Conselho

Leia mais

Índice de Preços Turístico

Índice de Preços Turístico Índice de Preços Turístico 04 de Setembro de 2015 2º Trimestre 2015 Contacto (s): Olga Cruz Próxima edição: 16 de Outubro 2015 (3º Trim.) Olga.cruz@ine.gov.cv Raimundo Lopes Raimundo.lopes@ine.gov.cv Preços

Leia mais

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Prof. Francisco Mariotti CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Microeconomia. 1.1 Demanda do Consumidor.1.1.1 Preferências. 1.1.2 Equilíbrio do consumidor.

Leia mais

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do INVESTIMENTO ACTIVO MAIS, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Breve Descrição do produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Cursos Científico-Humanísticos Ano Lectivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA A (11º ano)

Cursos Científico-Humanísticos Ano Lectivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA A (11º ano) GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Lectivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA A (11º ano) Página 1 de 7 Competências Gerais Perspectivar a Economia no conjunto das

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS S i ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 2º Trimestre de Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO PESSOA FÍSICA

RISCO DE CRÉDITO PESSOA FÍSICA 8 DICAS PARA REDUZIR O RISCO DE CRÉDITO PESSOA FÍSICA M2M Escola de Negócios SELECIONAR CLIENTES QUE EFETIVAMENTE APRESENTEM CAPACIDADE DE PAGAMENTO PONTUAL DE SUAS DÍVIDAS É FUNDAMENTAL PARA A REDUÇÃO

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos combustíveis rodoviários no 1º Trimestre de 2013 Introdução O objetivo desta informação é analisar a evolução do

Leia mais

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional De acordo com o material estudado, responda as seguintes questões a seguir. 1. Identifique nas frases

Leia mais

Estimativa da taxa de desemprego em abril: 13,0%

Estimativa da taxa de desemprego em abril: 13,0% 2 de junho de Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego abril de Estimativa da taxa de desemprego em abril: 13,0% A estimativa provisória da taxa de desemprego para abril de situa-se em 13,0%, valor

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CURITIBA - PR SETEMBRO/2013 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3

Leia mais

O Sector da Construção em Portugal. 1º semestre

O Sector da Construção em Portugal. 1º semestre O Sector da Construção em Portugal 2015 1º semestre Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Sector da Construção em Portugal 1º Sem. 2015 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro Instituto

Leia mais

Ao crescer 6,9% em 2015, economia chinesa manteve a tendência de gradual desaceleração, com forte ajuste da indústria e do setor de construção

Ao crescer 6,9% em 2015, economia chinesa manteve a tendência de gradual desaceleração, com forte ajuste da indústria e do setor de construção INFORMATIVO n.º 47 JANEIRO de 2016 Ao crescer 6,9% em 2015, economia chinesa manteve a tendência de gradual desaceleração, com forte ajuste da indústria e do setor de construção Fabiana D Atri - Economista

Leia mais

Relatório Mensal. 2013 Fevereiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2013 Fevereiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2013 Fevereiro Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos CAPITULO 6 Rendimentos e repartição dos rendimentos A actividade produtiva e a formação de rendimentos A repartição funcional dos rendimentos A repartição pessoal dos rendimentos A redistribuição dos rendimentos

Leia mais

Economia Angolana Boletim Económico - 2º Trimestre de 2010

Economia Angolana Boletim Económico - 2º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 2º Trimestre de 2010 Fase de ajustamento continua A informação disponível à data da edição deste Boletim evidencia um comportamento da economia angolana ainda típico

Leia mais

CONJUNTURA ECONÓMICA Nº 41 - Dezembro 2015

CONJUNTURA ECONÓMICA Nº 41 - Dezembro 2015 CONJUNTURA ECONÓMICA Nº 41 - Dezembro 3º TRIMESTRE NOTA DE ABERTURAA ECONOMIA E EMPREGO Desde a entrada em vigor na U.E. e até ao início da crise (2008) Portugal registou sempre uma taxa de desemprego

Leia mais

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE

PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE Caixa PROJECÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO Com base na informação disponível até 23 de Fevereiro de 2012, os especialistas do prepararam projecções para a evolução

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe V

Linha de Crédito PME Investe V Linha de Crédito PME Investe V I - Condições gerais da Linha de Crédito PME Investe V 1. Montante das Linhas Linhas Específicas Montante Micro e Pequenas Empresas 250 milhões Geral 500 milhões Total Linha

Leia mais

GEPE MAT - Modelo de Monitorização e Reporte do MAT Breakfast com GEPEs

GEPE MAT - Modelo de Monitorização e Reporte do MAT Breakfast com GEPEs REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO DO TERRITÓRIO Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística GEPE MAT - Modelo de Monitorização e Reporte do MAT Breakfast com GEPEs Dr. Nazário Vilhena,

Leia mais

A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária

A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária Julho/2009 Sumário Executivo Objetivos do trabalho: 1. Explicar o funcionamento dos canais de transmissão de política

Leia mais

Cabo Verde Perfil do país EPT 2014

Cabo Verde Perfil do país EPT 2014 Cabo Verde Perfil do país EPT 4 Contexto geral Situado bem ao oeste africano, composto de uma dezena de ilhas e povoado com um pouco mais de 5 habitantes, Cabo Verde é um país de rendimento intermédio

Leia mais

Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas. Classificação. I II Total: Informações

Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas. Classificação. I II Total: Informações CONTABILIDADE FINANCEIRA I Tipo de Prova: Exame Data de realização: 19 de janeiro de 2015 Duração: 2 horas NOME (completo) Nº de aluno(a) Licenciatura Turma Nº da Prova Classificação Grupos I II Total:

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T16 Resiliência de Margens e do Crescimento

Teleconferência de Resultados 1T16 Resiliência de Margens e do Crescimento Teleconferência de Resultados 1T16 Resiliência de Margens e do Crescimento Exoneração de Responsabilidades Este é um documento de apoio para a audioconferência de resultados do primeiro trimestre de 2016

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (180 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (180 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (180 dias), não mobilizável antecipadamente. Caracterização

Leia mais

A Política Monetária no Modelo de Keynes

A Política Monetária no Modelo de Keynes A Política Monetária no Modelo de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR Disciplina Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: CARVALHO, F. J. C. et.

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ECONOMIA Nº 149 EDIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL SETEMBRO 2007

RELATÓRIO MENSAL DE ECONOMIA Nº 149 EDIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL SETEMBRO 2007 RELATÓRIO MENSAL DE ECONOMIA Nº 149 EDIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL SETEMBRO 2007 DESTAQUE:...2 ECONOMIA INTERNACIONAL...4 ECONOMIA NACIONAL...25 PRINCIPAIS SÍTIOS DA INTERNET CONSULTADOS...56

Leia mais

Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira

Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira Resenha Economia & Comércio 2 Celeste Cristina Machado Badaró 05 de março de 2008 Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira

Leia mais

Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2016-2020

Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2016-2020 Finanças Públicas: Situação e Condicionantes -2020 Relatório do Conselho das Finanças Públicas n.º 3/ março de O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado pelo artigo 3.º da Lei n.º22/2011,

Leia mais