Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico"

Transcrição

1 Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os desafios econômicos em

2 Indicadores macroeconômicos ruins A Presidente Dilma Rouseff vai assumir seu segundo mandato com um país no qual a economia estará crescendo em ritmo muito lento (próximo de 0% a.a), com uma taxa de inflação que insiste em ficar próxima do teto do sistema de metas de inflação (6,5%.a.a), com uma taxa de investimento que não só é menor do que a média da América Latina como ainda vem caindo sistematicamente nos últimos anos, com a produção industrial retrocedendo aos níveis prevalecentes em 2007 e com um superávit primário como proporção do PIB abaixo de 0,5% para o setor público consolidado. O cenário internacional também é muito pouco animador. O forte boom nos preços das commodities internacionais, que permitiu ao Brasil acelerar a sua taxa de crescimento no período sem enfrentar problemas de restrição de balanço de pagamentos, chegou ao fim. A desaceleração prevista no crescimento da China para 2015 devido aos problemas existentes no setor imobiliário deverá reforçar a queda dos preços das commodities como o minério de ferro, aumentando ainda mais o nosso já crítico déficit em conta corrente, o qual anda atualmente por volta de 3,5% do PIB. Além disso, em algum momento ao longo do segundo semestre de 2015 o Federal Reserve o Banco Central dos Estados Unidos deverá retomar a normalização das condições monetárias, ou seja, deverá iniciar um ciclo de elevação da taxa de juros. Isso terá como efeito a 2

3 reversão dos fluxos de capitais dos países emergentes em direção a aplicações em títulos da dívida pública norte-americana. No caso brasileiro a parada súbita dos fluxos de capitais externos poderá ganhar ainda mais força caso as agências de rating internacional como a S&P rebaixem a classificação de crédito dos títulos do governo brasileiro. Os dois movimentos apresentados acima, caso se confirmem, irão atingir o balanço de pagamentos brasileiro de duas formas, o primeiro irá incrementar o déficit em conta corrente, ao passo que o segundo deverá resultar num déficit na conta de capitais! O resultado conjunto desses movimentos será uma forte pressão para a desvalorização da taxa nominal de câmbio. É provável que o Banco Central tente resistir a esse movimento da taxa de câmbio com as tradicionais operações de swap cambial e, se as mesmas se revelarem insuficientes para conter a escalada para cima da taxa de câmbio, por intermédio da venda de reservas internacionais. Teremos assim um quadro típico de crise cambial ainda em 2015: forte desvalorização da taxa de câmbio acompanhada por perda de parte significativa das reservas internacionais. Se esse cenário mais pessimista se concretizar, então 2015 será o anno horribilis para a economia brasileira, pois o PIB deverá fechar o ano com crescimento negativo, a inflação irá se acelerar ainda mais, podendo alcançar a barreira psicológica dos 10% e a taxa de desemprego irá aumentar de forma bastante significativa. 3

4 Mesmo que este cenário terrível não se confirme, o ano de 2015 será muito difícil. A Presidente Dilma Rouseff terá que iniciar o seu mandato fazendo um ajuste tanto na política fiscal como na política monetária. O ajuste fiscal é condição sine qua non para o país não ver sua classificação de risco rebaixada o que poderia detonar a parada súbita de capitais externos para o Brasil com as consequências que vimos acima. Além disso, o ajuste fiscal se faz necessário como instrumento auxiliar na política de combate a inflação, ainda mais num contexto em que a taxa de câmbio irá contribuir negativamente para a redução dos índices de inflação. Nesse contexto, o próximo Presidente da República terá que fazer um esforço para aumentar o superávit primário do setor público para, pelo menos, 2,5% do PIB, ou seja, um aumento aproximadamente R$ 90 bilhões. O impacto recessivo dessa medida será forte, principalmente no segundo semestre de Tomando como base um multiplicador fiscal de 1,3 valor que é aparentemente consensual na literatura a redução do PIB será aproximadamente igual a R$ 117 bilhões, o que significa uma contração de 2,6% do PIB. No que se refere a política monetária o Banco Central terá que retomar imediatamente o ciclo de elevação da taxa de juros para reverter as expectativas de inflação. Se for bem sucedido nessa tarefa e se a política fiscal seguir a trajetória descrita acima, então o ciclo de elevação dos juros será curto, sendo possível uma redução da taxa de juros no início do segundo semestre de Se o ajuste fiscal não for feito, contudo, o 4

5 ciclo de elevação da taxa de juros será longo, podendo a Selic alcançar um patamar como 15 ou 16% no final de Nesse cenário mais otimista, pois não prevê crise cambial, a economia brasileira deverá fechar o ano com um crescimento próximo de zero, inflação em queda, talvez próxima de 5,5%. Os fundamentos da economia brasileira, no entanto, estarão mais fortes no final de 2015, permitindo assim uma recuperação da economia brasileira em 2016 a partir do aumento das exportações de produtos manufaturados, supondo aqui que o agravamento das condições internacionais que discutimos anteriormente, embora não leve a uma crise cambial, permitirá um ajuste significativo da taxa de câmbio. Em suma, 2015 será um ano de ajuste nas contas públicas e na taxa de câmbio. Se esses ajustes forem bem feitos e, especialmente, se pudermos evitar uma crise cambial, então será possível transitar de um modelo de crescimento puxado pelo consumo para um modelo de crescimento puxado pelas exportações de manufaturados e sustentado pelo aumento do investimento público e privado. Um aumento temporário do desemprego e uma queda temporária do salário real, devido a desvalorização cambial, serão, contudo, inevitável. 5

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira

Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira Resenha Economia & Comércio 2 Celeste Cristina Machado Badaró 05 de março de 2008 Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE?

DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE? DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE? Josué A. Pellegrini 1 A dívida líquida do setor público (DLSP) como proporção do PIB prossegue em sua longa trajetória

Leia mais

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000)

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) Discriminação 2001 2002 2003 Valor % PIB Valor % PIB Valor % PIB I. RECEITA

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou queda de 2,3% no trimestre finalizado em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável São Paulo, FGV-SP, 10º Fórum de Economia, 30/09/2013 Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email:

Leia mais

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII CNPJ nº 13.012.312/0001-67 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do Fundo O Salus Fundo

Leia mais

Economia brasileira: o futuro depende da reindustrialização.

Economia brasileira: o futuro depende da reindustrialização. Economia brasileira: o futuro depende da reindustrialização. Entrevista especial com José Luis Oreiro IHU on line, 25/01/2016 Teremos de encarar de modo muito sério a reindustrialização da economia brasileira.

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2016 Roteiro Internacional Bancos centrais reagem; riscos permanecem Os principais bancos centrais estão reagindo à turbulência

Leia mais

Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips

Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips 1. (GESTOR- 2002) Considerando, para um determinado período, uma taxa real de juros de 5% e uma taxa de inflação de 20%, a respectiva taxa nominal de juros,

Leia mais

Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009

Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009 Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009 Luiz Fernando de Paula Professor da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Prof. Francisco Mariotti CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Microeconomia. 1.1 Demanda do Consumidor.1.1.1 Preferências. 1.1.2 Equilíbrio do consumidor.

Leia mais

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS 24 de Julho de 2008 SUMÁRIO EXECUTIVO: O Conselho de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BC) definiu ontem (23 de Junho) o

Leia mais

Modelo Keynesiano Simples

Modelo Keynesiano Simples Modelo Keynesiano Simples 1. (ESAF) Considere: Y = C(Y) + I + G + X - M(Y) C(Y) = Co + 0,7.Y M(Y) = Mo + 0,5.Y I = 700 G = 200 X = 300 Co = 500 Mo = 100 Onde Y = produto; I = investimento; G = gastos do

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2014 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Ao crescer 6,9% em 2015, economia chinesa manteve a tendência de gradual desaceleração, com forte ajuste da indústria e do setor de construção

Ao crescer 6,9% em 2015, economia chinesa manteve a tendência de gradual desaceleração, com forte ajuste da indústria e do setor de construção INFORMATIVO n.º 47 JANEIRO de 2016 Ao crescer 6,9% em 2015, economia chinesa manteve a tendência de gradual desaceleração, com forte ajuste da indústria e do setor de construção Fabiana D Atri - Economista

Leia mais

Uma Estratégia Keynesiana para a Sustentabilidade de Longo Prazo da Dívida Pública

Uma Estratégia Keynesiana para a Sustentabilidade de Longo Prazo da Dívida Pública Uma Estratégia Keynesiana para a Sustentabilidade de Longo Prazo da Dívida Pública José Luís Oreiro * Luiz Fernando de Paula ** Resumo: Este artigo objetiva analisar as condições necessárias para a sustentabilidade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

Investimentos, Endividamento Público e Crescimento Econômico

Investimentos, Endividamento Público e Crescimento Econômico IPEA / DIMAC-GAP 05/2009 Roberto Pires Messenberg Investimentos, Endividamento Público e Crescimento Econômico I Aspectos Conceituais A questão da sustentabilidade da política fiscal deve ser avaliada

Leia mais

10 anos de câmbio flutuante no Brasil. Senhoras e senhores,

10 anos de câmbio flutuante no Brasil. Senhoras e senhores, 10 anos de câmbio flutuante no Brasil Senhoras e senhores, 1. É uma honra participar hoje desta cerimônia que comemora o 10 o aniversário do regime de câmbio flutuante no Brasil. Ontem, dia 18 de janeiro,

Leia mais

Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 2007

Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 2007 Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 7 Valorização Cambial não está relacionada ao setor real da economia Diante da superoferta de dólares com a qual convive a economia brasileira,

Leia mais

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Capítulo 12: O Brasil ao Longo do Século XX: alguns fatos estilizados Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 2 Brasil ao longo do

Leia mais

capítulo 1 Refinaria Abreu e Lima

capítulo 1 Refinaria Abreu e Lima capítulo 1 1 PE Refinaria Abreu e Lima 6 Quadro Macroeconômico 7 capítulo 1 A economia mundial foi marcada nos últimos quatro anos por um cenário muito adverso. Para enfrentar a crise global e seus desdobramentos

Leia mais

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional De acordo com o material estudado, responda as seguintes questões a seguir. 1. Identifique nas frases

Leia mais

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 6 de fevereiro de 2014, manter as taxas de juro diretoras do inalteradas. A informação recentemente

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O instrumento governamental da desoneração tributária 1 Desoneração, preços e consumo Um dos principais

Leia mais

ANO 5 NÚMERO 34 FEVEREIRO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 5 NÚMERO 34 FEVEREIRO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 5 NÚMERO 34 FEVEREIRO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Os resultados apresentados pelos principais indicadores de desempenho da economia brasileira

Leia mais

SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO

SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO José Lúcio Alves Silveira 1 Resumo: O trabalho demonstra a possibilidade do setor público reduzir os atuais superávits primários, o que liberaria mais recursos para

Leia mais

As despesas primárias fora de controle

As despesas primárias fora de controle POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA As despesas primárias fora de controle Jedson César de Oliveira * José Luis Oreiro ** Entre as questões mais preocupantes atualmente no que tange a condução da política

Leia mais

Conselho de Administração do FMI Conclui a Consulta do Artigo IV de 2012 com o Brasil

Conselho de Administração do FMI Conclui a Consulta do Artigo IV de 2012 com o Brasil Nota de Informação ao Público (PIN) n 12/84 PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 20 de julho de 2012 Fundo Monetário Internacional 700 19 th Street, NW Washington, D. C. 20431 EUA Conselho de Administração do FMI

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto Macroeconomia Prof. Regis Augusto Ely Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Fevereiro 2013 1 Componentes do produto O dispêndio total de uma economia corresponde à demanda agregada,

Leia mais

Indicadores de Desempenho Dezembro de 2014

Indicadores de Desempenho Dezembro de 2014 Dezembro de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Perspectivas para a Economia Brasileira em 2015 As expectativas para o crescimento da economia brasileira em 2015 estão começando a convergir para um patamar

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Os legados da crise financeira e da crise da zona do euro ainda são visíveis em muitos países, moldando a economia mundial. Em graus variados, bancos fracos e elevados níveis de dívida

Leia mais

Próxima semana concentra eventos importantes na agenda internacional.

Próxima semana concentra eventos importantes na agenda internacional. 09-ago-2013 Ibovespa reaproximou-se do patamar de 49 mil pontos; Percepção de atividade econômica fraca e mensagens benignas do governo sobre a inflação contribuíram para o recuo dos juros futuros com

Leia mais

Cenário internacional e desempenho da economia brasileira

Cenário internacional e desempenho da economia brasileira Cenário internacional e desempenho da economia brasileira Marcio José Vargas da Cruz * Marcelo Luiz Curado ** RESUMO - A possibilidade de recessão da economia norte-americana tende a resultar na redução

Leia mais

Políticas Econômicas

Políticas Econômicas Políticas Econômicas Sem Mobilidade de Capital Política monetária e política fiscal em regime de câmbio fixo e em regime de câmbio flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Políticas monetária

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário FII BM Brascan Lajes Corporativas BMLC11B

Fundo de Investimento Imobiliário FII BM Brascan Lajes Corporativas BMLC11B Informativo Mensal Maio/2013 Fundo de Investimento Imobiliário FII BM Brascan Lajes Corporativas BMLC11B ConjunturaEconômica Atividade Econômica: O crescimento da atividade econômica do primeiro trimestre

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA E O SETOR DE TRABALHO TEMPORÁRIO E DE SERVIÇOS TERCEIRIZÁVEIS

A ECONOMIA BRASILEIRA E O SETOR DE TRABALHO TEMPORÁRIO E DE SERVIÇOS TERCEIRIZÁVEIS A ECONOMIA BRASILEIRA E O SETOR DE TRABALHO TEMPORÁRIO E DE SERVIÇOS TERCEIRIZÁVEIS ANÁLISE DESEMPENHO PROJEÇÕES 2008 2009 Fontes: Pesquisa Sindeprestem Relatório Fecomércio/SP IPEMA Instituto de Pesquisa

Leia mais

Paineiras Hedge FIC FIM

Paineiras Hedge FIC FIM Cenário Econômico e Perspectivas A performance do mercado no mês de setembro foi marcada pela aceleração descontrolada da taxa de câmbio no Brasil e o efeito desse movimento sobre os demais mercados locais.

Leia mais

Fazer face à queda dos preços das matérias-primas

Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional 3 de Maio de 216 Ciclos dos termos de troca

Leia mais

LFG MAPS. Conceitos fundamentais 6 questões

LFG MAPS. Conceitos fundamentais 6 questões ECONOMIA Nível de importância Tema QTDE de Questões Porcentagem % 1 Conceitos fundamentais 6 27% 2 Estrutura de mercado 5 23% 3 Determinação das curvas de procura 3 14% 4 Política fiscal e monetária 2

Leia mais

O QUE É E PARA QUE SERVE O RESULTADO PRIMÁRIO?

O QUE É E PARA QUE SERVE O RESULTADO PRIMÁRIO? O QUE É E PARA QUE SERVE O RESULTADO PRIMÁRIO? Alexandre A. Rocha, Fernando Álvares C. Dias e Marcos Mendes 1 O resultado primário é definido pela diferença entre receitas e despesas do governo, excluindo-se

Leia mais

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil A combinação explosiva entre inflação e recessão verificada em nível mundial durante os anos 70 motivou um interesse crescente em entender a dinâmica

Leia mais

Juros longos sobem na semana com piora das contas fiscais no Brasil;

Juros longos sobem na semana com piora das contas fiscais no Brasil; 02-dez-2013 Juros longos sobem na semana com piora das contas fiscais no Brasil; Dólar se aprecia frente ao real diante de sinais de fragilidade da política fiscal; Após quatro meses em alta, Ibovespa

Leia mais

Indicadores Fiscais Atualizado em outubro de 2006, com dados até junho de 2006

Indicadores Fiscais Atualizado em outubro de 2006, com dados até junho de 2006 Indicadores Fiscais Atualizado em outubro de 2006, com dados até junho de 2006 Indicadores Fiscais Este texto integra a série Perguntas Mais Freqüentes, editada pela Gerência-Executiva de Relacionamento

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Panorama econômico atual do Brasil. Walter Maciel Neto, CEO da AZ Quest

Jornada do CFO 2015 Panorama econômico atual do Brasil. Walter Maciel Neto, CEO da AZ Quest Jornada do CFO 2015 Panorama econômico atual do Brasil Walter Maciel Neto, CEO da AZ Quest JORNADA DO CFO 2015 PANORAMA ECONÔMICO ATUAL DO BRASIL São Paulo, dezembro de 2015 GESTORA INDEPENDENTE Fundada

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

BCE Boletim Mensal Outubro 2005

BCE Boletim Mensal Outubro 2005 EDITORIAL Na reunião de 6 de Outubro de 2005, o Conselho do decidiu deixar inalterada, em 2.0%, a taxa mínima de proposta aplicável às operações principais de refinanciamento do Eurosistema. As taxas de

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

Relatório Mensal. 2013 Fevereiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2013 Fevereiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2013 Fevereiro Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Com mais empresas endividadas, pedidos de recuperação judicial aumentam 30%

Com mais empresas endividadas, pedidos de recuperação judicial aumentam 30% Com mais empresas endividadas, pedidos de recuperação judicial aumentam 30% O Globo - Rio de Janeiro/RJ - ÚLTIMAS NOTÍCIAS - 18/05/2015-06:00:00 SÃO PAULO - Contas apertadas e dificuldades para pagar as

Leia mais

Relação Dívida/PIB, Ajuste Cambial e Pagamento de Juros 9.3 7.2 41.7 40. Juros nominais Ajuste cambial Dívida líquida total - saldo

Relação Dívida/PIB, Ajuste Cambial e Pagamento de Juros 9.3 7.2 41.7 40. Juros nominais Ajuste cambial Dívida líquida total - saldo 1 Introdução A composição e a duração da dívida afetam sua sustentabilidade? Que tipo de título emitido reduziria o risco de ocorrer, em algum momento no futuro, um período de insustentabilidade da dívida?

Leia mais

Administração AULA- 8. Macro Economia - Políticas. Prof. Isnard Martins. Bibliografia:

Administração AULA- 8. Macro Economia - Políticas. Prof. Isnard Martins. Bibliografia: Administração AULA- 8 Macro Economia - Políticas Prof. Isnard Martins Bibliografia: Rosseti J. Introdução à Economia. Atlas 2006 Garcia e Vasconcelos Fundamentos de Economia, Saraiva 2007 1 Isnard Martins

Leia mais

Economia Brasileira: performance e perspectivas

Economia Brasileira: performance e perspectivas 1 Economia Brasileira: performance e perspectivas DEPECON / FIESP Janeiro de 2005. Ano PIB Total PIB Industrial 1990-4,35-8,18 1991 1,03 0,26 1992-0,54-4,22 2004: 1993 4,92 7,01 1994 5,85 6,73 1995 4,22

Leia mais

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 1 LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Produto potencial, produto efetivo e produtividade 2) Determinantes da produção e da produtividade de um país 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança,

Leia mais

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores 'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores Indicadores Fiscais 6 3 0 ) Indicadores Fiscais 1 Este texto integra a série Perguntas Mais Freqüentes, editada pela Gerência-Executiva

Leia mais

Governo Federal Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Ministro interino Dyogo Henrique de Oliveira

Governo Federal Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Ministro interino Dyogo Henrique de Oliveira Governo Federal Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Ministro interino Dyogo Henrique de Oliveira Fundação pública vinculada ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, o Ipea

Leia mais

A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil

A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil Fernando Motta Correia * RESUMO - A relação de causalidade entre programas de ajuste fiscal e crescimento econômico, na maioria das vezes

Leia mais

GONÇALVES, A. C. Porto, DEANE, Tatiana. Taxa de Juros e Crescimento Econômico. Rio de Janeiro: FGV, 10 p. Taxa de Juros e Crescimento Econômico

GONÇALVES, A. C. Porto, DEANE, Tatiana. Taxa de Juros e Crescimento Econômico. Rio de Janeiro: FGV, 10 p. Taxa de Juros e Crescimento Econômico GONÇALVES, A. C. Porto, DEANE, Tatiana. Taxa de Juros e Crescimento Econômico. Rio de Janeiro: FGV, 10 p. Taxa de Juros e Crescimento Econômico As taxas de juros vêm sendo apontadas, há algum tempo, como

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2016, em cumprimento

Leia mais

Gilmar Ferreira Maio de 2010

Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos de déficits e divida pública ECONOMIA DO SETOR PUBLICO Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos acima da linha (calculado pelo Tesouro): a) Déficit Nominal: Gastos totais Receitas total b) Déficit

Leia mais

Gráfico 1 - IPCA MENSAL ACUMULADO EM 12 MESES E META PARA INFLAÇÃO - 2000-2011

Gráfico 1 - IPCA MENSAL ACUMULADO EM 12 MESES E META PARA INFLAÇÃO - 2000-2011 A recente expansão do crédito, o aumento dos preços das commodities, as políticas monetárias dos EUA versus Brasil e a atual pressão inflacionária no regime de metas para a inflação Luciano Luiz Manarin

Leia mais

O Plano Plurianual do governo Lula (2004-2007)

O Plano Plurianual do governo Lula (2004-2007) O Plano Plurianual do governo Lula (2004-2007) Maria Lucia Fattorelli Carneiro - 2003 O PPA Plano Plurianual - foi instituído pela Constituição de 1988, com o objetivo de funcionar como o instrumento de

Leia mais

Semana de juros de curto prazo em alta, dólar em queda e Bolsa em moderada alta;

Semana de juros de curto prazo em alta, dólar em queda e Bolsa em moderada alta; 14-out-2013 Semana de juros de curto prazo em alta, dólar em queda e Bolsa em moderada alta; Estimamos taxa Selic em 9,75% aa em dez/2013. O risco é encerrar o ano em 2 dígitos; Inflação alta em 12 meses,

Leia mais

Crédito habitacional acelera o investimento residencial no país

Crédito habitacional acelera o investimento residencial no país 06 nov 2006 Nº 18 Crédito habitacional acelera o investimento residencial no país Por Leandro de M. Coutinho e Marcelo M. Nascimento Advogado da SAE e economista do BNDES Setor tem grande relevância para

Leia mais

Desenvolvimento Econômico Parte VI

Desenvolvimento Econômico Parte VI Desenvolvimento Econômico Parte VI Microcrédito Produtivo Cepal Consenso de Washington Prof. Antonio Carlos Assumpção Microcrédito Produtivo PNMPO: Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado

Leia mais

O ANO DE 2015 OU COMO CONDUZIR A POLÍTICA ECONÔMICA EM UMA NAÇÃO DIVIDIDA

O ANO DE 2015 OU COMO CONDUZIR A POLÍTICA ECONÔMICA EM UMA NAÇÃO DIVIDIDA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 7 O ANO DE 2015

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2017, em cumprimento

Leia mais

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva Economia e Mercado Conceitos Seja em nosso cotidiano, seja nos jornais, rádio e televisão, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, como: -Aumentos

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

1999 Setembro 1999 1

1999 Setembro 1999 1 Setembro 1 Programação Monetária para o quarto trimestre de A. A economia no terceiro trimestre de 1. O Produto Interno Bruto (PIB) expandiu-se 0,93% no segundo trimestre de, relativamente PIB trimestral

Leia mais

N o 12 Junho 2012. PIB fraco mostra efeito prolongado da crise

N o 12 Junho 2012. PIB fraco mostra efeito prolongado da crise N o 12 Junho 2012 PIB fraco mostra efeito prolongado da crise A despeito das previsões de crescimento econômico para o Brasil em 2012, que estimavam um crescimento em torno de 3,3%, os números indicam

Leia mais

O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005

O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005 O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005 José Roberto Afonso Beatriz Barbosa Meirelles Janeiro de 2006 Os indicadores fiscais tradicionalmente usados (especialmente, o cálculo

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Análise Econômico-Financeira Apresentamos a seguir o desempenho econômico-financeiro do exercício de 2015, sob a ótica gerencial, comparando-o com o exercício de 2014. Na visão gerencial, as contas são

Leia mais

A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária

A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária Julho/2009 Sumário Executivo Objetivos do trabalho: 1. Explicar o funcionamento dos canais de transmissão de política

Leia mais

UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS. Dezembro 2008 Balanço 2008& Perspectivas 2009 Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS 1

UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS. Dezembro 2008 Balanço 2008& Perspectivas 2009 Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS 1 BALANÇO 2008 & PERSPECTIVAS 2009 UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS DEZEMBRO / 2008 Dezembro 2008 Balanço 2008& Perspectivas 2009 Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS 1 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO

Leia mais

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 CENÁRIO INTERNACIONAL VARIAÇÃO ANUAL DO PIB REAL E DO VOLUME DE COMÉRCIO DE MERCADORIAS POR REGIÃO - 2011-2013 (%) (%) (%) CRESCIMENTO DO VOLUME DE IMPORTAÇÃO

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Unidade I ECONOMIA E MERCADO Apresentação Inúmeras questões econômicas: preços; desemprego; salários; câmbio; taxa de juros; impostos. Conceito de economia oikos (casa) do grego:

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60 Nome da Disciplina Análise Macroeconômica I Curso Ciências Econômicas Conceitos básicos dos modelos econômicos. Contas nacionais.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes    DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (NFSP): 3 CONCEITOS

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2015 Roteiro Internacional Fim da onda de afrouxamento monetário? Mercado de trabalho forte nos EUA deve levar o Federal Reserve

Leia mais

EPR-07932 Economia da Engenharia I Geral Quanto a microeconomia: Quanto a macroeconomia:

EPR-07932 Economia da Engenharia I Geral Quanto a microeconomia: Quanto a macroeconomia: CAMPUS: Goiabeiras CURSO: Engenharia Civil HABILITAÇÃO: não há OPÇÃO: não há DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Departamento de Engenharia de Produção IDENTIFICAÇÃO: CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO IDEAL

Leia mais

Juros recuam diante de dados fracos no Brasil e fala de Janet Yellen nos EUA;

Juros recuam diante de dados fracos no Brasil e fala de Janet Yellen nos EUA; 18-nov-2013 Juros recuam diante de dados fracos no Brasil e fala de Janet Yellen nos EUA; Sinal de manutenção dos estímulos monetários nos EUA impede alta do dólar; Ibovespa recupera queda da semana anterior,

Leia mais

Produto, taxa de juros e Regimes Cambiais

Produto, taxa de juros e Regimes Cambiais Produto, taxa de juros e Regimes Cambiais C A P Í T U L OS 20 e 21 Prof. Alexandre Nunes Esalq/USP slide 1 Produto, taxa de juros e taxa de câmbio A partir do modelo que é uma extensão para a economia

Leia mais

A desvalorização do real será suficiente para tirar o Brasil da crise?

A desvalorização do real será suficiente para tirar o Brasil da crise? A desvalorização do real será suficiente para tirar o Brasil da crise? Paulo Springer de Freitas 1 Raul Velloso 2 A se confirmarem as expectativas, o biênio 2015/16 trará uma queda acumulada do PIB de

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009 ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009 51- Considere as seguintes informações extraídas de um sistema de contas nacionais, em unidades monetárias: Poupança privada: 300 Investimento privado:

Leia mais

Programação monetária para o terceiro trimestre de 1997

Programação monetária para o terceiro trimestre de 1997 Junho 1 Programação monetária para o terceiro trimestre de A. A economia no segundo trimestre de 1. O Produto Interno Bruto (PIB) registrou queda de,6% no primeiro trimestre, relativamente ao PIB trimestral

Leia mais

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015 ALGODÃO Período: 06 a 0/04/205 Quadro I- PREÇO PAGO AO PRODUTOR Algodão em Pluma - (em R$/unidade) Períodos anteriores () Centros de Produção Unid. 2 Meses Mês Semana Média do mercado () Semana Atual Preço

Leia mais

LISTA 7 ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 7 Introdução à Economia 1

LISTA 7 ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 7 Introdução à Economia 1 LISTA 7 Conceitos importantes: Crescimento x Desenvolvimento Distribuição pessoal x Distribuição funcional Desigualdades na distribuição; o Brasil como um caso extremo Medidas absolutas e medidas relativas

Leia mais

DEZEMBRO/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO DEZEMBRO/2015

DEZEMBRO/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO DEZEMBRO/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA DE VALORES

Leia mais

Perspectivas para a economia brasileira em um cenário mundial adverso

Perspectivas para a economia brasileira em um cenário mundial adverso Perspectivas para a economia brasileira em um cenário mundial adverso Ministro da Fazenda Guido Mantega Comissão de Assuntos Econômicos Senado Federal Brasília, 23 de agosto de 2011 Economia mundial piorou

Leia mais

A taxa de juros é a principal causa dos desequilíbrios macroeconômicos do Brasil (e ainda, o Copom pode ser substituído por um computador)?

A taxa de juros é a principal causa dos desequilíbrios macroeconômicos do Brasil (e ainda, o Copom pode ser substituído por um computador)? A taxa de juros é a principal causa dos desequilíbrios macroeconômicos do Brasil (e ainda, o Copom pode ser substituído por um computador)? Paulo Springer de Freitas 1 Quando se discutem os problemas macroeconômicos

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação e Desemprego Profa. MS Juliana Flávia Palazzo da Costa Conceito de inflação pode ser definida como o aumento contínuo, persistente e generalizado do nível de preços. Quando o problema se torna crônico

Leia mais

Análise Macroeconômica. AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel

Análise Macroeconômica. AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel Análise Macroeconômica AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel Programação Estrutura da Disciplina Introdução O ciclo de negócios; Fluxo circular da renda; Variáveis macroeconômicas. Estrutura da Disciplina

Leia mais