Fazer face à queda dos preços das matérias-primas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fazer face à queda dos preços das matérias-primas"

Transcrição

1 Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional 3 de Maio de 216

2 Ciclos dos termos de troca das matérias-primas na África Subsariana Flutuações dos preços das matérias-primas e desempenho macroeconómico Políticas para aumentar a resiliência a choques 2

3 Percentagem do PIB África Subsariana: aumento da dependência de matérias-primas África Subsariana: Rácio exportações líquidas de matérias-primas/pib Energia Metais Alimentos e matérias-primas Total 198s 199s 2s

4 Guiné Equatorial Angola Congo, Rep. Gabão Sudão do Sul Chade Nigéria Camarões Congo, Rep. Dem. Zâmbia Botswana Namíbia Gana Mali Serra Leoa Burkina Faso Guiné Níger Zimbabwe África do Sul Percentagem do PIB Percentagem do PIB Metade dos países exportam matérias-primas extrativas África Subsariana: Rácio exportações líquidas de matérias-primas/pib, média Exportadores de energia Exportadores de metais 8 6 Energia Metais Alimentos e matérias-primas Total

5 Termos de troca das matérias-primas Grandes flutuações de preços, grande impacto Termos de troca das matérias-primas (Índice, 1 = média, mediana) Exportadores de energia subsarianos Exportadores de metais subsarianos Exportadores de energia não subsarianos Exportadores de metais não subsarianos 5

6 Choque médio nos termos de troca dos exportadores de petróleo: 2% do PIB África Subsariana: Termos de troca das matérias-primas, 2 15 (acumulado a partir de 2; pontos percentuais do PIB) 6

7 Ciclos dos termos de troca das matérias-primas na África Subsariana Flutuações dos preços das matérias-primas e desempenho macroeconómico Políticas para aumentar a resiliência a choques 7

8 Crescimento anual médio dos termos de troca das matérias-primas Forte correlação entre a atividade económica e os preços do petróleo África Subsariana: Crescimento do PIB e dos termos de troca das matérias-primas, Exportadores de energia Exportadores de metais 8 Outros países subsarianos Crescimento anual médio do PIB 8

9 Percentagem Percentagem Flutuações das matérias-primas e crescimento do PIB real África Subsariana: Crescimento do PIB real durante períodos de alta e de baixa (médias trienais) 7 África Subsariana 7 Exportadores de energia subsarianos Exportadores de energia subsarianos Períodos de alta Períodos de baixa Períodos de alta Períodos de baixa 9

10 Percentagem do PIB Variação percentual do PIB Percentagem do PIB Variação percentual do PIB Outras variáveis macroeconómicas também reagem fortemente Exportadores de energia: Variáveis macroeconómicas durante períodos de alta e de baixa (médias trienais) Balança corrente Períodos de alta Períodos de baixa 2, 1,5 1,,5,,5 1, 1,5 Reservas internacionais Períodos de alta Períodos de baixa 1 1 Saldo orçamental Total da dívida pública Períodos de alta Períodos de baixa 3 Períodos de alta Períodos de baixa 1

11 Perspetivas frágeis para os preços da energia: fortes ventos contrários África Subsariana: Efeitos do choque nos termos de troca das matérias-primas sobre os exportadores de energia e metais (pontos percentuais).3 Efeito sobre o PIB.6 Efeito sobre o rácio balança comercial/pib.8 Efeito sobre o rácio receita orçamental/pib Anos Anos Anos 11

12 Ciclos dos termos de troca das matérias-primas na África Subsariana Flutuações dos preços das matérias-primas e desempenho macroeconómico Políticas para aumentar a resiliência a choques 12

13 Percentagem de países Percentagem do PIB A flexibilidade cambial e a dívida pública baixa ajudaram a suportar os choques nos preços das matérias-primas África Subsariana: Flexibilidade cambial e dívida pública em episódios de baixa e alta resiliência do crescimento Quota de países com regime cambial flexível Alta resiliência Baixa resiliência Total da dívida pública Alta resiliência Baixa resiliência 13

14 Análise de episódios anteriores de queda dos preços: Variável dependente: Diferença no crescimento do PIB real (média) entre os três anos após o choque nos termos de troca e os três anos antes do choque (1) (2) Tamanho e tipos de choque Tamanho do choque nos termos de troca: três anos (acumulado).27***.228*** (.73) (.7) Choques causados pelo declínio dos preços das exportações ( dummy ) 2.994** 4.96*** (1.269) (1.191) Condições iniciais Reservas internacionais acima da mediana no momento t (% do PIB).335***.367*** (.121) (.138) Dívida externa alta antes do choque (4% do PIB ou mais) (1.289) (1.442) Regime cambial flexível (de facto ) no momento t 3.215** (1.253) Reações de política Crescimento do consumo real do governo durante o choque (média).356***.279** (.133) (.135) Crescimento do consumo real do governo x dívida externa alta no momento t.283*.245 (.164) (.183) Crescimento da massa monetária em sentido amplo durante o choque.57*.6 (.33) (.3) Desvalorização da taxa de câmbio nominal.138*** (.42) Colapso da taxa de câmbio: desvalorização de 45% ou mais.97***.161*** (.35) (.4) Observações (episódios de choque nos termos de troca) Países R -quadrado

15 Necessidade urgente de reação das políticas A taxa de câmbio deve ser parte desta reação, que não deve ser adiada Com a redução do espaço orçamental, é necessário um ajustamento orçamental, sobretudo nos países membros de uniões monetárias, como a CEMAC: Mobilização de receitas Racionalização dos gastos 15

16 Além das políticas imediatas, deve-se manter uma visão de mais longo prazo Além das ações de política necessárias no curto prazo, o foco deve incidir diretamente na diversificação económica Devem prosseguir os esforços para melhorar as infraestruturas e competências Para liberar o potencial de crescimento da atividade económica do setor privado, são necessários esforços redobrados para melhorar o clima de negócios e aumentar a eficiência dos gastos públicos 16

17 Muito obrigado! A edição em linha do relatório sobre as perspetivas regionais para a África Subsariana já está disponível em 17

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/410 (P) PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 3 de setembro de 2014 Fundo Monetário Internacional Washington, DC 20431 EUA Conselho

Leia mais

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2014 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 6 de fevereiro de 2014, manter as taxas de juro diretoras do inalteradas. A informação recentemente

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os desafios econômicos em 2015 1 Indicadores macroeconômicos ruins A Presidente Dilma Rouseff

Leia mais

SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO

SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO José Lúcio Alves Silveira 1 Resumo: O trabalho demonstra a possibilidade do setor público reduzir os atuais superávits primários, o que liberaria mais recursos para

Leia mais

moderadas no que respeita à inflação no médio prazo, dada a fraqueza generalizada da economia e a dinâmica monetária comedida.

moderadas no que respeita à inflação no médio prazo, dada a fraqueza generalizada da economia e a dinâmica monetária comedida. EDITORIAL Na reunião de 7 de Novembro de 2013, o Conselho do tomou uma série de decisões relativas às taxas de juro directoras do, às indicações sobre a orientação futura da política monetária (forward

Leia mais

DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE?

DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE? DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE? Josué A. Pellegrini 1 A dívida líquida do setor público (DLSP) como proporção do PIB prossegue em sua longa trajetória

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014

ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 ANÁLISE DO COMÉRCIO INTERNACIONAL CATARINENSE 2014 CENÁRIO INTERNACIONAL VARIAÇÃO ANUAL DO PIB REAL E DO VOLUME DE COMÉRCIO DE MERCADORIAS POR REGIÃO - 2011-2013 (%) (%) (%) CRESCIMENTO DO VOLUME DE IMPORTAÇÃO

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA

CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA 1 CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA 2 Sumário da Apresentação 1. Objectivos. Principais Constrangimentos ao Crescimento do Crédito Bancário em Angola. Conclusões

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS QUINZE (15) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS QUINZE (15) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA LC 2053 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone +251115-517700 Fax : +251115-517844 Website : www.africa-union.org CONSELHO EXECUTIVO Décima-Sexta Sessão

Leia mais

FATURA ENERGÉTICA PORTUGUESA

FATURA ENERGÉTICA PORTUGUESA 2015 FATURA ENERGÉTICA PORTUGUESA Nº 32 abril 2016 (página em branco) Índice 1. Sumário Executivo 2. Mercados Petrolíferos 2.1 Preços 2.2 Origens do Petróleo Bruto 3. Saldo Importador 4. Importação de

Leia mais

Gilmar Ferreira Maio de 2010

Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos de déficits e divida pública ECONOMIA DO SETOR PUBLICO Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos acima da linha (calculado pelo Tesouro): a) Déficit Nominal: Gastos totais Receitas total b) Déficit

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto Macroeconomia Prof. Regis Augusto Ely Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Fevereiro 2013 1 Componentes do produto O dispêndio total de uma economia corresponde à demanda agregada,

Leia mais

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO (2006 2009) Maio 2011 1 OBJECTIVOS Identificar as empresas gazela e as empresas de crescimento elevado (ECE) do tecido empresarial português. Caracterizar

Leia mais

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil A combinação explosiva entre inflação e recessão verificada em nível mundial durante os anos 70 motivou um interesse crescente em entender a dinâmica

Leia mais

Economia Brasileira: performance e perspectivas

Economia Brasileira: performance e perspectivas 1 Economia Brasileira: performance e perspectivas DEPECON / FIESP Janeiro de 2005. Ano PIB Total PIB Industrial 1990-4,35-8,18 1991 1,03 0,26 1992-0,54-4,22 2004: 1993 4,92 7,01 1994 5,85 6,73 1995 4,22

Leia mais

BCE Boletim Mensal Janeiro 2008

BCE Boletim Mensal Janeiro 2008 EDITORIAL Na reunião de 10 de Janeiro de 2008, o Conselho do decidiu, com base nas suas análises económica e monetária regulares, deixar inalteradas as taxas directoras do. De acordo com a informação disponibilizada

Leia mais

Cabo Verde Perfil do país EPT 2014

Cabo Verde Perfil do país EPT 2014 Cabo Verde Perfil do país EPT 4 Contexto geral Situado bem ao oeste africano, composto de uma dezena de ilhas e povoado com um pouco mais de 5 habitantes, Cabo Verde é um país de rendimento intermédio

Leia mais

Conselho de Administração do FMI Conclui a Consulta do Artigo IV de 2012 com o Brasil

Conselho de Administração do FMI Conclui a Consulta do Artigo IV de 2012 com o Brasil Nota de Informação ao Público (PIN) n 12/84 PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 20 de julho de 2012 Fundo Monetário Internacional 700 19 th Street, NW Washington, D. C. 20431 EUA Conselho de Administração do FMI

Leia mais

Destaque : os dois mundo da áfrica o rico e o pobre

Destaque : os dois mundo da áfrica o rico e o pobre Destaque : os dois mundo da áfrica o rico e o pobre Sumario A pobreza na áfrica... 3 Os governantes da áfrica subsaariana... 4 A áfrica subsaariana... 5 A áfrica do sul... 6 A probreza na áfrica GUERRAS,

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

A Economia Global no 3 o trimestre de 2014

A Economia Global no 3 o trimestre de 2014 A Economia Global no 3 o trimestre de 2014 No terceiro trimestre de 2014 a recuperação da economia mundial exibiu um comportamento moderado, mas desequilibrado. Embora se mantivessem o crescimento económico

Leia mais

Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008

Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008 Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador 1º Trimestre de 2008 De acordo com os resultados do Inquérito de Conjuntura ao Sector Industrial Exportador (I.C.S.I.E.) no 1º trimestre de 2008,

Leia mais

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000)

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) Discriminação 2001 2002 2003 Valor % PIB Valor % PIB Valor % PIB I. RECEITA

Leia mais

Macroeconomia aberta: conceitos básicos

Macroeconomia aberta: conceitos básicos Macroeconomia aberta: conceitos básicos Roberto Guena de Oliveira USP 22 de outubro de 2012 Roberto Guena de Oliveira (USP) Macro aberta: conceitos básicos 22 de outubro de 2012 1 / 25 Sumário 1 Fluxos

Leia mais

A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde. Motivação

A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde. Motivação A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Motivação 25º Aniversário do SNS Qual a sua sustentabilidade financeira? O

Leia mais

Análise Macroeconômica. AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel

Análise Macroeconômica. AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel Análise Macroeconômica AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel Programação Estrutura da Disciplina Introdução O ciclo de negócios; Fluxo circular da renda; Variáveis macroeconômicas. Estrutura da Disciplina

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2 Banco de Portugal publica Suplemento sobre Estatísticas das Administrações Públicas e divulga informação trimestral adicional O Banco de Portugal

Leia mais

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS 24 de Julho de 2008 SUMÁRIO EXECUTIVO: O Conselho de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BC) definiu ontem (23 de Junho) o

Leia mais

Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 2007

Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 2007 Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 7 Valorização Cambial não está relacionada ao setor real da economia Diante da superoferta de dólares com a qual convive a economia brasileira,

Leia mais

MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS

MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS QUANTIDADE DE PARTICIPANTES MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS Plano 1 (Ativos Totais: R$ 162,5 bilhões) PREVI Futuro (Ativos Totais: R$ 5,7 bilhões) 120.000 90.000 20.244 570 303

Leia mais

Tempo de ajustar as políticas económicas

Tempo de ajustar as políticas económicas Tempo de ajustar as políticas económicas Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional Maio de 2016 1 O crescimento mundial permanecerá

Leia mais

Economia II. A medição dos principais agregados macroeconómicos. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007

Economia II. A medição dos principais agregados macroeconómicos. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007 Economia II A medição dos principais agregados macroeconómicos Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes Setembro 2007 1 Introdução à Contabilidade Nacional 2 Diversos índices de preços Fluxo circular

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira 2015-2019

Perspectivas da Economia Brasileira 2015-2019 Perspectivas da Economia Brasileira 2015-2019 Cláudio Hamilton Matos dos Santos Diretoria de Estudos e Pesquisa Macroeconômicas IPEA Apresentação no I seminário PPA 2016-2019 Brasília, 19/05/2015 A perspectiva

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

Competitividade do subsector do caju em Moçambique

Competitividade do subsector do caju em Moçambique Competitividade do subsector do caju em Moçambique Máriam Abbas 1 04 de Setembro de 2013 1 Assistente de investigação do Observatório do Meio Rural e mestranda em Economia no Instituto Superior de Economia

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

Crescimento a várias velocidades Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana

Crescimento a várias velocidades Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana Crescimento a várias velocidades Perspectivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional Dezembro de 216 Plano geral A desaceleração Causas e consequências

Leia mais

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Carlos da Silva Costa Governador 27 março 2014 Apresentação do livro A Economia Portuguesa na União Europeia: 1986-2010" Imperativos de uma

Leia mais

CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO

CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO BOLETIM Novembro 2015 CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO Mês de Referência: 11/2015 Mês de Divulgação: 12/2015 Profa. Dra. Michelle da Silva Borges Karen Brina Borges de Deus; Luciene Maria Borges

Leia mais

Relatório de Endividamento e Disponibilidades

Relatório de Endividamento e Disponibilidades Relatório de Endividamento e Disponibilidades Dezembro 2014 DMAG DMAG DFP DFP DPCO DPCO ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da

Leia mais

O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005

O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005 O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005 José Roberto Afonso Beatriz Barbosa Meirelles Janeiro de 2006 Os indicadores fiscais tradicionalmente usados (especialmente, o cálculo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS S i ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 2º Trimestre de Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE. Documento de sessão. Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio

ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE. Documento de sessão. Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Documento de sessão ACP-EU/100.510/B/REV3/2009 18.9.2009 RELATÓRIO sobre o impacto da crise financeira nos Estados ACP Comissão do Desenvolvimento Económico, das

Leia mais

ANO 5 NÚMERO 34 FEVEREIRO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 5 NÚMERO 34 FEVEREIRO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 5 NÚMERO 34 FEVEREIRO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Os resultados apresentados pelos principais indicadores de desempenho da economia brasileira

Leia mais

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE

PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO BCE Caixa PROJEÇÕES MACROECONÓMICAS PARA A ÁREA DO EURO ELABORADAS POR ESPECIALISTAS DO Com base na informação disponível até 23 de agosto de 2013, os especialistas do prepararam projeções para a evolução

Leia mais

Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips

Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips 1. (GESTOR- 2002) Considerando, para um determinado período, uma taxa real de juros de 5% e uma taxa de inflação de 20%, a respectiva taxa nominal de juros,

Leia mais

Conference Call. Resultados do 3T14 e 9M14

Conference Call. Resultados do 3T14 e 9M14 Conference Call Resultados do 3T14 e 9M14 10/11/2014 Destaques do trimestre Aumentos do volume de vendas e da receita líquida, em reais e em moedas estrangeiras Variações dos volumes de vendas (milhões

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Análise Econômico-Financeira Apresentamos a seguir o desempenho econômico-financeiro do exercício de 2015, sob a ótica gerencial, comparando-o com o exercício de 2014. Na visão gerencial, as contas são

Leia mais

Conceitos Básicos A função BP. O Mercado Cambial. Março 2014

Conceitos Básicos A função BP. O Mercado Cambial. Março 2014 O Mercado Cambial Março 2014 1 Conceitos Básicos 2 A Função BP e a Taxa de Câmbio Representação Gráfica da Função BP Balança de Pagamentos (BP): documento onde se contabilizam as entradas e as saídas de

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE)

Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE) Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE) Introdução: Crescimento e Desenvolvimento Características do padrão de crescimento Análise da actual estratégia

Leia mais

Macroeconomia da Economia Aberta. Antony Mueller UFS Dezembro 2011

Macroeconomia da Economia Aberta. Antony Mueller UFS Dezembro 2011 Macroeconomia da Economia Aberta Antony Mueller UFS Dezembro 2011 Equilíbrio da economia fechada Y = C + I + G Y = C + T + SPR I + G = T + SPR I = (T G) + SPR T G = SGOV S = SPR + SGOV I = S Equilíbrio

Leia mais

Empresas abertas ganham fôlego para investir

Empresas abertas ganham fôlego para investir 10 ago 2006 Nº 8 Empresas abertas ganham fôlego para investir Por Marcelo Machado Nascimento Economista da área de Planejamento Bom resultado, ajudou a reduzir a vulnerabilidade externa da economia Nos

Leia mais

Desenvolvimento humano e objetivos do milênio. Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim

Desenvolvimento humano e objetivos do milênio. Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim Desenvolvimento humano e objetivos do milênio Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim A grande heterogeneidade dos países em desenvolvimento Processo de descolonização da África e na Ásia gerou vários

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes    DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (NFSP): 3 CONCEITOS

Leia mais

Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016

Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016 Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Abril de 2016 Perguntas essenciais 1. Como o setor financeiro da África Subsariana desenvolveu-se

Leia mais

Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009

Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009 Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009 Luiz Fernando de Paula Professor da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

Lista de Quadros. Capítulo I Forma predominante da taxa de juro nos empréstimos à habitação.

Lista de Quadros. Capítulo I Forma predominante da taxa de juro nos empréstimos à habitação. xi Lista de Quadros Capítulo I Quadro I.1. Quadro I.2. Quadro I.3. Quadro I.4. Quadro I.5. Quadro I.6. Forma predominante da taxa de juro nos empréstimos à habitação. Rácios de endividamento relativamente

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS MAIO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 1.1. Objetivo... 3 1.2. Princípios Gerais... 3 1.3. Metodologia... 3 1.4. Diretor e Organograma da Área de Risco... 6

Leia mais

A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil

A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil A aritmética do ajuste fiscal e o crescimento econômico no Brasil Fernando Motta Correia * RESUMO - A relação de causalidade entre programas de ajuste fiscal e crescimento econômico, na maioria das vezes

Leia mais

BCE Boletim Mensal Novembro 2011

BCE Boletim Mensal Novembro 2011 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 3 de Novembro de 2011, reduzir as taxas de juro directoras do em 25 pontos base. Embora a inflação

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

Angola BPI ESTUDOS ECONÓMICOS E E FINANCEIROS. Dezembro 2013 ANGOLA - NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO. Breves notas de uma visita recente

Angola BPI ESTUDOS ECONÓMICOS E E FINANCEIROS. Dezembro 2013 ANGOLA - NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO. Breves notas de uma visita recente BPI ESTUDOS ECONÓMICOS E E FINANCEIROS Angola Dezembro 213 ANGOLA - NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Breves notas de uma visita recente Na primeira década pós-pacificação, Angola registou um desempenho económico

Leia mais

Cenário internacional e desempenho da economia brasileira

Cenário internacional e desempenho da economia brasileira Cenário internacional e desempenho da economia brasileira Marcio José Vargas da Cruz * Marcelo Luiz Curado ** RESUMO - A possibilidade de recessão da economia norte-americana tende a resultar na redução

Leia mais

Internacionalização de empresas Por que, Quem, Para onde, Quando, Como, Que?

Internacionalização de empresas Por que, Quem, Para onde, Quando, Como, Que? Internacionalização de empresas Por que, Quem, Para onde, Quando, Como, Que? DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: 1) MINERVINI, Nicola. O Exportador. Ferramentas para Atuar com Sucesso nos Mercados

Leia mais

Análise de Políticas e Interpretação de Indicadores Macroeconómicos/ Pobreza e Desenvolvimento

Análise de Políticas e Interpretação de Indicadores Macroeconómicos/ Pobreza e Desenvolvimento Análise de Políticas e Interpretação de Indicadores Macroeconómicos/ Pobreza e Desenvolvimento Carlos Nuno Castel-Branco Segundo curso de actualização de jornalistas da área económica ISCTEM 06 de Agosto

Leia mais

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo.

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. São derivados de

Leia mais

Juros recuam diante de dados fracos no Brasil e fala de Janet Yellen nos EUA;

Juros recuam diante de dados fracos no Brasil e fala de Janet Yellen nos EUA; 18-nov-2013 Juros recuam diante de dados fracos no Brasil e fala de Janet Yellen nos EUA; Sinal de manutenção dos estímulos monetários nos EUA impede alta do dólar; Ibovespa recupera queda da semana anterior,

Leia mais

II.1.1. Síntese. II.1.2. Procura, Produção e Preços

II.1.1. Síntese. II.1.2. Procura, Produção e Preços Angola Capítulo II II.1.1. Síntese A conjuntura excepcionalmente favorável que a economia angolana vem atravessando desde o início da década em curso continuou bem patente durante o período em análise,

Leia mais

Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016

Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016 UNIDADE TÉCNICA DE APOIO ORÇAMENTAL ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA UTAO PARECER TÉCNICO n.º 2/2016 Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016 28.01.2016 Ficha técnica Este trabalho foi elaborado com base

Leia mais

Políticas Econômicas

Políticas Econômicas Políticas Econômicas Sem Mobilidade de Capital Política monetária e política fiscal em regime de câmbio fixo e em regime de câmbio flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Políticas monetária

Leia mais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais 1 São Paulo, 03 de novembro de 2011 Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais NOTA À IMPRENSA Ao contrário do que ocorreu em setembro, quando 09 cidades registraram queda no preço dos gêneros

Leia mais

Resumo Aula-tema 06: Gestão Financeira

Resumo Aula-tema 06: Gestão Financeira Resumo Aula-tema 06: Gestão Financeira A análise contábil e financeira é de extrema importância para a sobrevivência das micro e pequenas empresas, pois fornece informações importantes que possibilitam

Leia mais

CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO

CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO BOLETIM fevereiro 2016 CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO Mês de Referência: 02/2016 Mês de Divulgação: 03/2016 Profa. Dra. Michelle da Silva Borges; Tamara Lopes de Oliveira Brenner Camargo da Silva

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA 083/2015 DEFINIÇÃO DAS COTAS ANUAIS DA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA 083/2015 DEFINIÇÃO DAS COTAS ANUAIS DA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA 083/2015 DEFINIÇÃO DAS COTAS ANUAIS DA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO CDE DE 2016 Sumário 1. CONTRIBUIÇÕES... 3 2. RESUMO DAS CONTRIBUIÇÕES... 5 2 O Grupo CPFL Energia reconhece

Leia mais

Características Naturais

Características Naturais África Características Naturais Características Naturais Duas grandes sub-regiões Duas grandes sub-regiões Período Colonial: XVI e XVII Neocolonialismo: XVIII e XX Conferência de Berlim 1885: divisão

Leia mais

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou queda de 2,3% no trimestre finalizado em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais

Obrigatoriedade de visto para estrangeiros que entram na Ucrânia. País Visto obrigatório/não obrigatório Nota *

Obrigatoriedade de visto para estrangeiros que entram na Ucrânia. País Visto obrigatório/não obrigatório Nota * Obrigatoriedade de visto para estrangeiros que entram na Ucrânia País Visto obrigatório/não obrigatório Nota * 1. Áustria Não é obrigatório o Visto para estadia 2. Afganistão PD possuidores de passaporte

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU, AO CONSELHO E AO BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU, AO CONSELHO E AO BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO COMISSÃO OPEIA Bruxelas, 7.6.2016 COM(2016) 385 final ANNEX 3 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO, AO PARLAMENTO OPEU, AO CONSELHO OPEU, AO CONSELHO E AO BANCO OPEU DE INVESTIMENTO relativa ao estabelecimento

Leia mais

Embraer diz que real desvalorizado ajuda, mas é preciso cuidado

Embraer diz que real desvalorizado ajuda, mas é preciso cuidado Embraer diz que real desvalorizado ajuda, mas é preciso cuidado Por Sergio Lamucci A desvalorização do real ajuda, mas não há uma panaceia para a Embraer, afirmou ontem o presidente da companhia, Frederico

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08. Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas. Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira

Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas. Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira Nov/2012 Para que serve? Definir as quantidades de cada matéria prima necessária para

Leia mais

BCE Boletim Mensal Outubro de 2006

BCE Boletim Mensal Outubro de 2006 EDITORIAL Na reunião de 5 de, o Conselho do decidiu aumentar, em 25 pontos base, a taxa mínima de proposta aplicável às operações principais de refinanciamento do Eurosistema, que passou para 3.25%. As

Leia mais

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores 'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores Indicadores Fiscais 6 3 0 ) Indicadores Fiscais 1 Este texto integra a série Perguntas Mais Freqüentes, editada pela Gerência-Executiva

Leia mais

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008 AS S E M B L EI A D A R E P ÚBLI C A U N I D A D E T É C N I C A DE APOIO ORÇAMENTAL Ref.ª 25/UTAO/2008 Data: 7.10.2008 INFORMAÇÃO N.º 9/2008 Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo

Leia mais

Antecipações, Especulação e Regulação das Taxas de Câmbio

Antecipações, Especulação e Regulação das Taxas de Câmbio Antecipações, Especulação e Regulação das Taxas de Câmbio Overshooting da taxa cambial Bolhas especulativas Regulação pelos Bancos Centrais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Overshooting cambial

Leia mais

Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira

Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira Esta aula-tema busca um maior entendimento da história do desenvolvimento do setor externo da economia brasileira a partir do ano de 1968, quando

Leia mais

Percepções do PSWG sobre o ambiente de negócios em 2006. Jay L. Knott Director da USAID Moçambique 6 de Março de 2007

Percepções do PSWG sobre o ambiente de negócios em 2006. Jay L. Knott Director da USAID Moçambique 6 de Março de 2007 Percepções do PSWG sobre o ambiente de negócios em 2006 Jay L. Knott Director da USAID Moçambique 6 de Março de 2007 Introdução Somos o Grupo de Trabalho do Sector Privado (PSWG), criado pelo DPG em 2005

Leia mais

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 1 LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Produto potencial, produto efetivo e produtividade 2) Determinantes da produção e da produtividade de um país 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança,

Leia mais

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica.

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. Marcos Paulo Novais Silva José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho analisa a pesquisa Contas Satélite de Saúde 2005-2007, divulgada

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2016 Roteiro Internacional Bancos centrais reagem; riscos permanecem Os principais bancos centrais estão reagindo à turbulência

Leia mais