O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander."

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2014 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. O comparativo anual é efetuado com base nas pesquisas mensais realizadas pela Equipe de Pesquisas do Procon, que capta as taxas de juros máximas pré-fixadas, para as modalidades empréstimo pessoal e cheque especial, praticadas no dia da coleta, para cliente pessoa física não preferencial, independente do canal de contratação, sendo que para o empréstimo pessoal o prazo do contrato é de 12 meses e para o cheque especial o período é de 30 dias. De acordo com análise comparativa das taxas de juros praticadas em 2014, observou-se que a taxa média 1 do empréstimo pessoal foi de 5,64% ao mês, indicando um acréscimo de 0,37 ponto percentual em relação à taxa média de 2013, que era de 5,27% ao mês. O ano iniciou com uma taxa média, entre os bancos pesquisados, de 5,40% e finalizou com uma taxa de 5,85% ao mês, registrando variação positiva de 8,33%. O banco que apresentou a maior taxa média 2 anual de empréstimo pessoal foi o Santander, com 6,92% a.m.; a menor taxa média foi praticada pela Caixa Econômica Federal, com 3,77% a.m.; uma diferença de 3,15 pontos percentuais, que representa uma variação de 83,55%. A taxa média 1 do cheque especial em 2014 foi de 9,26% ao mês, indicando um acréscimo de 1,24 ponto percentual em relação à taxa média de 2013, que era de 8,02% ao mês. O ano iniciou com uma taxa média, entre os bancos pesquisados, de 8,48% e finalizou com uma taxa de 10,15% ao mês, registrando variação positiva de 19,69%. O banco que apresentou a maior taxa média 2 anual de cheque especial foi o Santander, com 11,49% a.m.; a menor taxa foi praticada pela Caixa Econômica Federal, com 5,98% a.m.; uma diferença de 5,51 pontos percentuais, que representa uma variação de 92,14%. Na pesquisa de taxas de juros realizada em 2014 pelo PROCON, ao contrário do que ocorreu em 2013, constatou-se um movimento de alta desde o início do ano nas taxas médias das duas modalidades pesquisadas. No empréstimo pessoal observou-se que a taxa média mensal iniciou o ano com um percentual superior ao mesmo período do ano passado e, ao longo de 2014 apresentou alta na maioria dos meses. 1 taxa média = taxa média anual dos bancos, conforme calculado e demonstrado nas tabelas Comparativo da Taxa de Juros do Empréstimo Pessoal e Comparativo da Taxa de Juros do Cheque Especial (anexas). 2 taxa média = taxa média anual por banco, conforme calculado e demonstrado nas tabelas Comparativo da Taxa de Juros do Empréstimo Pessoal e Comparativo da Taxa de Juros do Cheque Especial (anexas). EQUIPE DE PESQUISAS/DEP/FUNDAÇÃO PROCON SP 18/12/

2 No cheque especial a taxa média mensal também iniciou o ano com um percentual superior ao mesmo período do ano passado. A trajetória de alta seguiu durante todo ano de As duas modalidades de crédito apresentaram taxas médias mensais maiores do que as do ano anterior, reflexo da alta da Taxa SELIC³. PANORAMA DO MERCADO Em janeiro de 2014, diante de uma inflação que se mostrava resistente, o COPOM (Comitê de Política Monetária) manteve o ritmo de elevação da taxa básica de juros em 0,50 p.p, para logo depois, em fevereiro, reduzir a elevação para 0,25 p.p., até a Taxa Selic ficar estabilizada em 11,00% a.a., de abril até o mês de outubro 2014, em razão da desaceleração da atividade econômica e redução das taxas mensais de inflação, segundo relatório do Banco Central. Na sétima reunião do COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central) ocorrida nos dias 28 e 29 de outubro, as autoridades monetárias decidiram elevar a taxa Selic de 11,00% para 11,25%, uma alta de 0,25 p.p., justificando que essa elevação da taxa de juros poderia diminuir a pressão inflacionária, que persistia acima da meta estipulada. Em sua última reunião do ano, o COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central), decidiu novamente elevar a taxa Selic de 11,25% para 11,75%, uma alta de 0,50 p.p., visto que a inflação não cedia e continuava acima da meta estipulada pelo governo. Cabe salientar que durante este ano diversos fatores, tais como: Copa do Mundo, eleições, crise da Petrobrás, variações nas Bolsas de Valores principalmente pela desvalorização dos papéis da Petrobrás, alta inadimplência e crise no mercado internacional, sobretudo a desaceleração de crescimento da China, que é a principal importadora de nossas commodities soja e minério de ferro; contribuíram para um cenário econômico instável. Neste final de ano, mais um fator está contribuindo para aumentar a pressão inflacionária a alta do dólar. Como boa parte dos produtos que consumimos está atrelado ao dólar, gera mais um fator para pressionar a inflação. O Banco Central brasileiro já se manifestou sobre o assunto sinalizando que fará o que for possível para conter a alta da moeda americana. 3 Taxa SELIC= é a taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia, a qual vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do COPOM. Se for o caso, o Comitê também pode definir o viés, que é a prerrogativa dada ao Presidente do Banco Central para alterar a meta para a taxa SELIC a qualquer momento entre as reuniões ordinárias. EQUIPE DE PESQUISAS/DEP/FUNDAÇÃO PROCON SP 18/12/

3 Em geral, as taxas de juros continuam altas e apresentam grandes disparidades. Sendo assim, orientamos o consumidor a refletir sobre a real necessidade na utilização destas linhas de crédito, porém, caso seja necessária a utilização destas modalidades, deve-se pesquisar e ler atentamente o contrato, para evitar futuras surpresas. Ao longo de todo este ano, procurou-se alertar o consumidor para a necessidade de planejar seu orçamento com critério, recorrendo ao crédito somente em casos de necessidade, fazendo comparações de custo-benefício e, finalmente, evitando a inadimplência. EQUIPE DE PESQUISAS/DEP/FUNDAÇÃO PROCON SP 18/12/

4 COMPARATIVO DA TAXA DE JUROS DO EMPRÉSTIMO PESSOAL Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TAXA MÉDIA ANUAL BANCOS POR BANCO Banco do Brasil 4,59% 4,72% 4,72% 4,72% 4,72% 4,72% 4,72% 5,07% 5,07% 5,07% 5,07% 5,07% 4,86% Bradesco 6,35% 6,39% 6,41% 6,41% 6,43% 6,43% 6,43% 6,43% 6,43% 6,43% 7,76% 6,45% 6,53% Caixa Econômica Federal 3,70% 3,70% 3,75% 3,75% 3,75% 3,75% 3,75% 3,85% 3,85% 3,75% 3,75% 3,91% 3,77% HSBC 5,77% 5,77% 5,87% 5,87% 5,89% 5,89% 5,89% 6,39% 6,39% 6,39% 6,39% 6,39% 6,08% Itaú 6,02% 6,10% 6,10% 6,10% 6,12% 6,12% 6,12% 6,12% 6,12% 6,12% 6,19% 6,22% 6,12% Safra 4,90% 4,90% 4,90% 4,90% 5,40% 5,40% 5,40% 5,40% 5,40% 5,40% 5,40% 5,40% 5,23% Santander 6,49% 6,49% 6,49% 6,49% 6,49% 6,49% 6,99% 7,29% 7,29% 7,49% 7,49% 7,49% 6,92% TAXA MÉDIA ANUAL DOS BANCOS 5,64% Datas das Coletas: 03/01/14, 04/02/14, 06/03/14, 04/04/14, 05/05/14, 03/06/14, 02/07/14, 04/08/14, 02/09/14, 02/10/14, 04/11/14, 04/12/14. COMPARATIVO MENSAL DA TAXA DE JUROS DO EMPRÉSTIMO PESSOAL ENTRE OS BANCOS PESQUISADOS TAXA MENSAL DOS BANCOS Mês Menor Maior Média Jan 3,70% 6,49% 5,40% Fev 3,70% 6,49% 5,44% Mar 3,75% 6,49% 5,46% Abr 3,75% 6,49% 5,46% Maio 3,75% 6,49% 5,54% Jun 3,75% 6,49% 5,54% Jul 3,75% 6,99% 5,61% Ago 3,85% 7,29% 5,79% Set 3,85% 7,29% 5,79% Out 3,75% 7,49% 5,81% Nov 3,75% 7,76% 6,01% Dez 3,91% 7,49% 5,85% EQUIPE DE PESQUISAS - DEP - PROCON -SP

5 DEP- PROCON-SP EMPRÉSTIMO PESSOAL TAXA MÉDIA ANUAL POR BANCO X TAXA MÉDIA ANUAL DOS BANCOS 4,86% 5,64% 6,53% 6,08% 6,12% 5,23% 6,92% 3,77% Taxa Média Anual por Banco Taxa Média Anual dos Bancos

6 COMPARATIVO DA TAXA DE JUROS DO CHEQUE ESPECIAL Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez TAXA MÉDIA ANUAL BANCOS POR BANCO Banco do Brasil 7,24% 7,64% 7,64% 7,95% 7,95% 7,95% 7,95% 8,95% 8,95% 8,95% 8,95% 8,97% 8,26% Bradesco 8,99% 9,03% 9,44% 9,44% 9,48% 9,48% 9,48% 9,48% 9,48% 9,62% 9,75% 9,77% 9,45% Caixa Econômica Federal 4,95% 4,95% 5,08% 5,39% 6,33% 6,33% 6,33% 6,33% 6,33% 6,33% 6,33% 7,03% 5,98% HSBC 9,95% 9,95% 10,35% 10,55% 10,57% 10,57% 10,57% 10,67% 10,67% 10,77% 11,99% 12,29% 10,74% Itaú 8,75% 9,47% 9,49% 9,65% 9,65% 9,79% 9,79% 9,79% 9,79% 9,79% 10,50% 10,50% 9,75% Safra 8,90% 8,90% 8,90% 8,90% 9,20% 9,20% 9,20% 9,20% 9,20% 9,20% 9,50% 9,50% 9,15% Santander 10,59% 10,67% 10,75% 10,75% 10,89% 10,89% 10,89% 10,99% 12,49% 12,99% 12,99% 12,99% 11,49% TAXA MÉDIA ANUAL DOS BANCOS 9,26% Datas das Coletas: 03/01/14, 04/02/14, 06/03/14, 04/04/14, 05/05/14, 03/06/14, 02/07/14, 04/08/14, 02/09/14, 02/10/14, 04/11/14, 04/12/14. COMPARATIVO MENSAL DA TAXA DE JUROS DO CHEQUE ESPECIAL ENTRE OS BANCOS PESQUISADOS TAXA MENSAL DOS BANCOS Mês Menor Maior Média Jan 4,95% 10,59% 8,48% Fev 4,95% 10,67% 8,66% Mar 5,08% 10,75% 8,81% Abr 5,39% 10,75% 8,95% Maio 6,33% 10,75% 9,15% Jun 6,33% 10,89% 9,17% Jul 6,33% 10,89% 9,17% Ago 6,33% 10,99% 9,34% Set 6,33% 12,49% 9,56% Out 6,33% 12,99% 9,66% Nov 6,33% 12,99% 10,00% Dez 7,03% 12,99% 10,15% EQUIPE DE PESQUISAS - DEP - PROCON -SP

7 DEP- PROCON-SP CHEQUE ESPECIAL TAXA MÉDIA ANUAL POR BANCO X TAXA MÉDIA ANUAL DOS BANCOS 10,74% 11,49% 9,26% 9,45% 9,75% 9,15% 8,26% 5,98% Taxa Média Anual por Banco Taxa Média Anual dos Bancos

8 EVOLUÇÃO DAS TAXAS DE JUROS DO CHEQUE ESPECIAL E DO EMPRÉSTIMO PESSOAL E DA TAXA SELIC EM 2014 Data da Coleta da Taxa Média Mensal Cheque Especial Taxa Média Mensal Empréstimo Pessoal Taxa Selic fixada pelo COPOM* Pesquisa do Procon equivalente ao ano (%) equivalente ao ano (%) % ao ano Período de vigência 03/01/ ,62 88,03 10,00 28/11/2013 a 15/01/ /02/ ,87 88,80 10,50 16/01/2014 a 26/02/ /03/ ,35 89,32 10,75 27/02/2014 a 02/04/ /04/ ,63 89,32 11,00 03/04/2014 a 28/05/ /05/ ,04 91,05 11,00 03/04/2014 a 28/05/ /06/ ,67 91,05 11,00 29/05/2014 a 16/07/ /07/ ,67 92,61 11,00 29/05/2014 a 16/07/ /08/ ,11 96,55 11,00 17/07/2014 a 03/09/ /09/ ,06 96,55 11,00 17/07/2014 a 03/09/ /10/ ,54 96,87 11,00 04/09/2014 a 29/10/ /11/ ,89 101,38 11,25 30/10/2014 a 03/12/ /12/ ,02 97,77 11,75 04/12/2014 a 21/01/2015 * Taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) vigente no respectivo período da pesquisa

9 DEP-PROCON/SP EVOLUÇÃO DAS TAXAS DE JUROS DO CHEQUE ESPECIAL EMPRÉSTIMO PESSOAL E DA TAXA SELIC EM ,62 170,87 175,35 179,63 186,04 186,67 186,67 192,11 199,06 202,54 213,89 219,02 88,03 88,80 89,32 89,32 91,05 91,05 92,61 96,55 96,55 96,87 101,38 97,77 10,00 10,50 10,75 11,00 11,00 11,00 11,00 11,00 11,00 11,00 11,25 11,75 Jan Mar Mai Jul Set Nov Taxa Média Mensal Cheque Especial equivalente ao ano (%) Taxa Média Mensal Empréstimo Pessoal equivalente ao ano (%) Taxa Selic ao ano vigente no respectivo período da pesquisa (%)

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990. Docentes das Universidades Estaduais da Bahia

Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990. Docentes das Universidades Estaduais da Bahia Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990 Docentes das Universidades Estaduais da Bahia Itapetinga, 10 de Abril de 2012 Sobre o estudo de perdas O estudo feito pelo DIEESE teve como objetivo

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Joinville 7 Considerações

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE?

DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE? DÍVIDA LÍQUIDA DO SETOR PÚBLICO DECRESCENTE SIGNIFICA POLÍTICA FISCAL SOB CONTROLE? Josué A. Pellegrini 1 A dívida líquida do setor público (DLSP) como proporção do PIB prossegue em sua longa trajetória

Leia mais

ÍNDICE DE PREÇO AO CONSUMIDOR IPC/FAPESPA RMB

ÍNDICE DE PREÇO AO CONSUMIDOR IPC/FAPESPA RMB V REUNIÃO DO GRUPO DE ESTUDOS E ANÁLISE CONJUNTURAL -GEAC ÍNDICE DE PREÇO AO CONSUMIDOR IPC/FAPESPA RMB Maria Glaucia Pacheco Moreira Diretora de Estatística, Tecnologia e Gestão da Informação DIEST/Fapespa

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Relatório de Monitoramento Maio 2015

Relatório de Monitoramento Maio 2015 Relatório de Monitoramento Maio 2015 1 Sumário Cenário Econômico Rentabilidades i. Perfil Conservador ii. Perfil Moderado iii. Perfil Agressivo iv. RaizPrev Alocação i. Divisão de Recursos por Perfil ii.

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em março/2013 frente a fevereiro/2013. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os desafios econômicos em 2015 1 Indicadores macroeconômicos ruins A Presidente Dilma Rouseff

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS

EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS SÃO PAULO, 19 DE FEVEREIRO DE 2004. EDUCAÇÃO SOBE MAIS QUE INFLAÇÃO NOS ÚLTIMOS SETE ANOS TODO INÍCIO DE ANO, PAIS, ESTUDANTES E ESPECIALISTAS EM INFLAÇÃO SE PREPARAM PARA O REAJUSTE DAS MENSALIDADES ESCOLARES

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser reduzidas em fevereiro/2012 sendo esta a terceira redução consecutiva. Estas

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou queda de 2,3% no trimestre finalizado em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO A produtividade do trabalho da indústria catarinense variou 2% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano anterior. No primeiro bimestre de

Leia mais

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA SETEMBRO/2011

ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS AO CONSUMIDOR (INPC) E A CESTA BÁSICA SETEMBRO/2011 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) apresenta os resultados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor e a Cesta Básica para a Região Metropolitana de Fortaleza.

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS 24 de Julho de 2008 SUMÁRIO EXECUTIVO: O Conselho de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BC) definiu ontem (23 de Junho) o

Leia mais

Análise: O preço dos alimentos nos últimos 3 anos e 4 meses

Análise: O preço dos alimentos nos últimos 3 anos e 4 meses 1 São Paulo, 7 de maio de 2008. NOTA À IMPRENSA Análise: O preço dos alimentos nos últimos 3 anos e 4 meses O comportamento recente do preço dos alimentícios tem sido motivo de preocupação, uma vez que

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Após terem sido reduzidas em setembro/2014 as taxas de juros das operações de crédito voltaram ser elevadas em outubro/2014.

PESQUISA DE JUROS. Após terem sido reduzidas em setembro/2014 as taxas de juros das operações de crédito voltaram ser elevadas em outubro/2014. PESQUISA DE JUROS Após terem sido reduzidas em setembro/2014 as taxas de juros das operações de crédito voltaram ser elevadas em outubro/2014. Vale destacar que em 29/10/2014 tivemos nova elevação da Taxa

Leia mais

IPES Índice de Preços ao Consumidor

IPES Índice de Preços ao Consumidor IPES Índice de Preços ao Consumidor Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPC-IPES Índice de Preços ao Consumidor de Caxias do Sul Novembro de 2015 Novembro de 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

Endividamento recua em dezembro

Endividamento recua em dezembro Endividamento recua em dezembro Em dezembro de 2011, o número de famílias que declarou possuir dívidas diminui pelo sétimo mês consecutivo permanecendo, no entanto, acima do patamar observado ao final

Leia mais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais 1 São Paulo, 03 de novembro de 2011 Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais NOTA À IMPRENSA Ao contrário do que ocorreu em setembro, quando 09 cidades registraram queda no preço dos gêneros

Leia mais

EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO DOS DOCENTES DAS UEBA S EM 2014

EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO DOS DOCENTES DAS UEBA S EM 2014 Escritório Regional da Bahia Rua do Cabral 15 Nazaré CEP 40.055.010 Salvador Bahia Telefone: (71) 3242-7880 Fax: (71) 3326-9840 e-mail: erba@dieese.org.br Salvador, 01 de Setembro de 2014 EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

5 - Preços. 5.1 - Índices gerais

5 - Preços. 5.1 - Índices gerais - Preços Índices gerais Variação % Discriminação 1999 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Mensal IGP-1,9,6 3, 1, -, -,1 1,4 1,6 IPA 1,3 4,,3 1,4 -,6 -,3 1,8,1 IPC,,7 1,3 1,,3,1 1, 1, INCC,1, 1,,6,4,9,3, IGP-M,8

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 11 de fevereiro de 2016

Análise de Custo do Crédito 11 de fevereiro de 2016 Análise de Custo do Crédito 11 de fevereiro de 2016 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil,

Leia mais

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado

Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Relatório Mercatto OABPREV RJ Fundo Multimercado Abril/11 Sumário 1. Características do Fundo Política de Gestão Objetivo do Fundo Público Alvo Informações Diversas Patrimônio Líquido 2. Medidas Quantitativas

Leia mais

TV Band 8 de janeiro Luiz Adelar Mercado de telefonia

TV Band 8 de janeiro Luiz Adelar Mercado de telefonia Assessoria de comunicação do Corecon/RS Janeiro/2009 Clipping das indicações de fontes aos meios de comunicação Não estão inseridas, neste material, as divulgações dos eventos/promoções do Corecon/RS,

Leia mais

A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária

A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária A Indústria Brasileira, Expectativas e o Canal de Transmissão de Política Monetária Julho/2009 Sumário Executivo Objetivos do trabalho: 1. Explicar o funcionamento dos canais de transmissão de política

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Semana de juros de curto prazo em alta, dólar em queda e Bolsa em moderada alta;

Semana de juros de curto prazo em alta, dólar em queda e Bolsa em moderada alta; 14-out-2013 Semana de juros de curto prazo em alta, dólar em queda e Bolsa em moderada alta; Estimamos taxa Selic em 9,75% aa em dez/2013. O risco é encerrar o ano em 2 dígitos; Inflação alta em 12 meses,

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

Governo Federal Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Ministro interino Dyogo Henrique de Oliveira

Governo Federal Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Ministro interino Dyogo Henrique de Oliveira Governo Federal Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Ministro interino Dyogo Henrique de Oliveira Fundação pública vinculada ao Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, o Ipea

Leia mais

Economia Brasileira: performance e perspectivas

Economia Brasileira: performance e perspectivas 1 Economia Brasileira: performance e perspectivas DEPECON / FIESP Janeiro de 2005. Ano PIB Total PIB Industrial 1990-4,35-8,18 1991 1,03 0,26 1992-0,54-4,22 2004: 1993 4,92 7,01 1994 5,85 6,73 1995 4,22

Leia mais

CDC é lei para bancos

CDC é lei para bancos Conta-salário A conta-salário é aberta exclusivamente pela necessidade de recebimento de salários. Com ela, o trabalhador assalariado fica livre para escolher o banco em que deseja receber seu pagamento,

Leia mais

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

relatório mensal Rio Bravo Crédito Imobiliário II Fundo de Investimento Imobiliário FII

relatório mensal Rio Bravo Crédito Imobiliário II Fundo de Investimento Imobiliário FII relatório mensal Rio Bravo Crédito Imobiliário II Fundo de Investimento Imobiliário FII Fevereiro 2014 Rio Bravo Crédito Imobiliário II Fundo de Investimento Imobiliário FII O fundo Rio Bravo Crédito Imobiliário

Leia mais

PESQUISA DE JUROS PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES

PESQUISA DE JUROS PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em abril/2014, sendo esta a décima primeira elevação seguida, quarta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais

Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPES Cesta Básica de Caxias do Sul Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais CESTA BÁSICA DE CAXIAS DO SUL Janeiro de 2012 Cesta Básica de Caxias do Sul, jan./12 UNIVERSIDADE DE

Leia mais

MÓDULO II NOÇÕES E CONCEITOS DE ECONOMIA

MÓDULO II NOÇÕES E CONCEITOS DE ECONOMIA MÓDULO II NOÇÕES E CONCEITOS DE ECONOMIA CONCEITOS BÁSICOS DE ECONOMIA INDICADORES ECONÔMICOS PIB - Produto Interno Bruto Tudo que é produzido em uma região durante o ano - Representa o valor, a preços

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC CURITIBA - PR SETEMBRO/2013 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro

Coordenação geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Ano 5 no 41 novembro/2012 Ano 5 no 41 maio/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010

Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010 1 São Paulo, 11 de janeiro de 2011. NOTA À IMPRENSA Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010 Catorze, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística

Leia mais

EXODUS Institucional -Junho/15

EXODUS Institucional -Junho/15 EXODUS Institucional -Junho/15 O contraditório poder das taxas A atividade econômica segue cambaleante. Apesar de a produção industrial ter subido levemente em maio, o índice é um dos menores desde abril/29.

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA

RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE DESEMPENHO NO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA MEDIDOR 1128541-9 UNIDADE: FÓRUM DE PICOS

Leia mais

1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS ANO 4 NÚMERO 27 MAIO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A apuração da inflação pelo IPCA tem mostrado o significativo peso dos alimentos nos aumentos

Leia mais

Departamento de Operações de Mercado Aberto

Departamento de Operações de Mercado Aberto Departamento de Operações de Mercado Aberto PAULO LAMOSA BERGER METAS PARA A INFLAÇÃO Quando a expectativa inflacionária supera a meta de inflação previamente anunciada, para um dado período de tempo,

Leia mais

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável São Paulo, FGV-SP, 10º Fórum de Economia, 30/09/2013 Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email:

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO ndicadores CN SSN 2317-7322 Ano 6 Número 3 Março de SONDAGEM NDÚSTRA DA CONSTRUÇÃO Nível de atividade da construção continua em queda A Sondagem ndústria da Construção de março de explicita o quadro de

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Junho - 2012

Cesta Básica. Boletim Junho - 2012 Cesta Básica Boletim Junho - 2012 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus reduziu 0,98%, de R$214,06 em maio passou para R$211,97 em junho (Tabela 1). A diminuição de 7,77% no preço da carne foi o

Leia mais

Relatório Mensal. 2013 Fevereiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2013 Fevereiro. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2013 Fevereiro Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS Aula 1 Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress.com

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 14 de Novembro de 2014

Análise de Custo do Crédito 14 de Novembro de 2014 Análise de Custo do Crédito 14 de Novembro de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil,

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 21 The Effects of Changes in Foreign

Leia mais

Análise de Custo do Crédito

Análise de Custo do Crédito Análise de Custo do Crédito 23 de Maio de 2013 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP elaborou um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com o

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA ACTIVIDADE

MONITORIZAÇÃO DA ACTIVIDADE MONITORIZAÇÃO DA ACTIVIDADE Realizado no âmbito da Comissão de Acompanhamento procedente do Protocolo entre o ICAP e a APCV º Semestre Comparação ANUAL Índice Introdução Actividade Geral Envolvimento das

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA ACTIVIDADE

MONITORIZAÇÃO DA ACTIVIDADE MONITORIZAÇÃO DA ACTIVIDADE Realizado no âmbito da Comissão de Acompanhamento procedente do Protocolo entre o ICAP e a APCV º Semestre Comparação ANUAL Índice Introdução Actividade Geral Envolvimento das

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

Informativo Guemach - Lar da Esperança Dezembro 2013 (relativo a agosto/2013)

Informativo Guemach - Lar da Esperança Dezembro 2013 (relativo a agosto/2013) Informativo Guemach - Lar da Esperança Dezembro 2013 (relativo a agosto/2013) Caros investidores e entusiastas do Guemach Lar da Esperança, Gostaríamos de começar o relatório deste mês comemorando a marca

Leia mais

Informativo Guemach - Lar da Esperança Outubro 2010

Informativo Guemach - Lar da Esperança Outubro 2010 Informativo Guemach - Lar da Esperança Outubro 2010 Caros investidores e entusiastas do Guemach Lar da Esperança, Segue a carteira do Guemach do mês de outubro/2010 : Ativos O mês de outubro foi o maior

Leia mais

IPC-Fipe. 3ª quadrissemana de agosto/16. 26 de agosto de 2016

IPC-Fipe. 3ª quadrissemana de agosto/16. 26 de agosto de 2016 3ª quadrissemana de agosto/16 26 de agosto de 2016 Os INFORMATIVOS ECONÔMICOS da (SPE) são elaborados a partir de dados de conhecimento público, cujas fontes primárias são instituições autônomas, públicas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI ACOES PETROBRAS 2 12.014.083/0001-57 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI ACOES PETROBRAS 2 12.014.083/0001-57 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM ACOES. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES

PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES PERSPECTIVAS MERCADO DE AÇÕES Walter Mendes de Oliveira Filho. Fevereiro 2005 1 PERSPECTIVA MERCADO DE AÇÕES A RECENTE RECUPERAÇÃO DO MERCADO DE AÇÕES BRASILEIRO ACOMPANHOU A ALTA DOS MERCADOS EMERGENTES

Leia mais

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS DO PAÍS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE (RECiFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO

Leia mais

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 )

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 ) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior ( Janeiro de 2016 ) Fevereiro de 2016

Leia mais

Evolução das Vendas do Varejo Cearense - Setembro de 2013

Evolução das Vendas do Varejo Cearense - Setembro de 2013 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Contrato de Opção de Venda sobre Índice da Taxa Média de Operações Compromissadas de Um Dia (ITC) com Lastro em Títulos Públicos Federais

Contrato de Opção de Venda sobre Índice da Taxa Média de Operações Compromissadas de Um Dia (ITC) com Lastro em Títulos Públicos Federais Contrato de Opção de Venda sobre Índice da Taxa Média de Operações Compromissadas de Um Dia (ITC) com Lastro em Títulos Públicos Federais Especificações 1. Definições Contrato (especificações): Contrato

Leia mais

Fundo de Garantia de Operações - FGO

Fundo de Garantia de Operações - FGO f. Fundo de Garantia de - FGO Fundo de Garantia de - FGO CNPJ nº 10.983.890/0001-52 O valor das garantias concedidas pelo FGO, em 2015, estão demonstrados nas tabelas I-a; I-b; I-c, I-d, I-e e 1- contratadas

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2013 Mercado de trabalho no mês de junho apresenta relativa estabilidade 1. Em junho, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de mostraram

Leia mais

Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal

Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal OBSERVATÓRIO SEDEP Estudos e Pesquisas I Set/ APRESENTAÇÃO O Observatório SEDEP é um acompanhamento de estatísticas econômico-sociais

Leia mais

Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Outubro 2013

Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Outubro 2013 Mercado de Seguros de Pessoas Dados Estatísticos Outubro 2013 Rua Senador Dantas, nº 74 11º andar Cep 20.031-205 Rio de Janeiro RJ Brasil Tel: +55 21 2510-7914 Fax: +55 21 2510-7930 e-mail: fenaprevi@fenaprevi.org.br

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Junho 2011

Cesta Básica. Boletim Junho 2011 Cesta Básica Boletim Junho 2011 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus aumentou quase 5%, de R$187,25 em maio para R$196,39 em junho (Tabela 1). A elevação no preço do tomate de 21,90% foi o que mais

Leia mais

Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015

Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015 Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015 Bradesco Custódia e Administração Gestão Visão Prev VP Finanças Telefonica-Vivo Conselho Deliberativo Comitê Investimentos Conselho Fiscal Auditoria Interna

Leia mais

IPES CESTA BÁSICA CAXIAS DO SUL. Maio de 2015. Cesta Básica de Caxias do Sul. Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais

IPES CESTA BÁSICA CAXIAS DO SUL. Maio de 2015. Cesta Básica de Caxias do Sul. Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPES Cesta Básica de Caxias do Sul Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais CESTA BÁSICA DE CAXIAS DO SUL Maio 2015 Maio de 2015 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL REITOR Prof. Evaldo

Leia mais

ANÁLISE MENSAL - IPCA

ANÁLISE MENSAL - IPCA ANÁLISE MENSAL - IPCA Março/ 2015 O índice de inflação brasileiro do mês de março avançou 1,32% em relação ao mês anterior, taxa bastante pressionada e superior aos dois primeiros meses do ano de 2015,

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação e Desemprego Profa. MS Juliana Flávia Palazzo da Costa Conceito de inflação pode ser definida como o aumento contínuo, persistente e generalizado do nível de preços. Quando o problema se torna crônico

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 25 de maio de 2017 Crédito imobiliário totaliza R$ 3,13 bilhões em abril

Leia mais

Análise de Custo do Crédito

Análise de Custo do Crédito Análise de Custo do Crédito 21 de Março de 2013 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP elaborou um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com o

Leia mais

O Retorno da Inflação à Pauta de Discussões

O Retorno da Inflação à Pauta de Discussões Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 O Retorno da Inflação à Pauta de Discussões Ao longo de toda década de 80 1 até a implementação do Plano Real em julho de 1994, a economia brasileira

Leia mais

IPES CESTA BÁSICA CAXIAS DO SUL. Março de 2016. Cesta Básica de Caxias do Sul. Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais

IPES CESTA BÁSICA CAXIAS DO SUL. Março de 2016. Cesta Básica de Caxias do Sul. Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais IPES Cesta Básica de Caxias do Sul Publicação mensal do Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais CESTA BÁSICA DE CAXIAS DO SUL Março 2016 Março de 2016 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL REITOR Prof. Evaldo

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO SIA CORPORATE CNPJ: 17.311.079/0001-74 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO SIA CORPORATE CNPJ: 17.311.079/0001-74 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO SIA CORPORATE CNPJ: 17.311.079/0001-74 Ref.: 1º semestre 2015 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR Em conformidade com o Art. 39 da Instrução CVM 472, de 31 de maio de 2008, apresentamos

Leia mais

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015 ALGODÃO Período: 06 a 0/04/205 Quadro I- PREÇO PAGO AO PRODUTOR Algodão em Pluma - (em R$/unidade) Períodos anteriores () Centros de Produção Unid. 2 Meses Mês Semana Média do mercado () Semana Atual Preço

Leia mais

BRAZIL LIFE INSURANCE-2011

BRAZIL LIFE INSURANCE-2011 BRAZIL LIFE INSURANCE-2011 MARKET SIZE AND SEGMENTATION Seguro de Pessoas Preservação da Riqueza Os seguros de Vida em Grupo, de Vida individual, Prestamista e de Viagem foram responsáveis por 89,69% do

Leia mais

Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 02/06 á 06/06 junho de 2014 - Em R$ por saca de 60Kg. Praça 02/jun 03/jun 04/jun 05/jun 06/jun Var.

Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 02/06 á 06/06 junho de 2014 - Em R$ por saca de 60Kg. Praça 02/jun 03/jun 04/jun 05/jun 06/jun Var. SOJA» MERCADO INTERNO O preço da saca de 6 Kg de soja em grãos experimentou recuo na primeira semana de junho. A cotação média no dia 6/Jun foi de R$ 62,6, valor este 3,12% inferior ao verificado em 2/Jun.

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de 2016

Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de 2016 Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 5, Nº 1 Janeiro/2016 Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de

Leia mais