Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira"

Transcrição

1

2 Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Capítulo 12: O Brasil ao Longo do Século XX: alguns fatos estilizados Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 2

3 Brasil ao longo do século XX forte crescimento população: multiplicada por 10 em 100 anos produção: multiplicada por 10 em 50 anos transformação estrutural urbanização industrialização Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 3

4 O Crescimento Trajetória de crescimento do Brasil está acima da média das trajetórias mundiais Taxa anual média de crescimento da população brasileira é de 2,28%, acima da média de crescimento da população mundial de 1,36%. O PIB no século XX cresceu a uma taxa média anual de 5%, também acima da média mundial que foi de 3,7% ao ano; Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 4

5 12500 Crescimento no século XX da população e produção: Brasil x Mundo (Indice 1900 = 100) PIB Brasil População Brasil PNB mundial População Mundial Fonte: Brasil: IBGE, 2000 estimativa dos autores. Mundo FMI (2000) Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 5

6 O Crescimento (2) diferentes fases do crescimento brasileiro e mundial usando o PIB per capita. Brasil x mundo: Taxas de crescimento do PIB per capita taxas anuais - períodos selecionados Brasil 2,4 2,4 4,3 1,7 Mundo 1,5 1,0 3,0 1,4 Fonte: Brasil: dados básicos IBGE, mundo: FMI (2000) Até o início dos anos 80, diminui a diferença entre o Brasil e os países desenvolvidos Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 6

7 valores em US$ a preços PPC de 1970 % PIB per capita Brasil em relação ao dos EUA 900 Evolução do PIB per capita brasileiro x norte americano Fonte: Thorp (2000) PIB per capita Brasil relação entre PIB per capita Brasileiro e norte americano Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 7

8 Oscilações no crescimento Existem descontinuidades no crescimento brasileiro ao longo do século XX. elevadíssimas taxas de crescimento no Plano de Metas (final dos anos 50) e no período do milagre econômico. crise em meados do anos 60, início dos 80 (crise da dívida externa) e início dos anos 90 (Plano Collor). Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 8

9 Crescimento da Economia Brasileira ao longo do século XX (taxas anuais) Milagre 12 Plano de Metas II PND 9 Real I GM Crise de 30 II GM Crise dos 60 Crise da dívida Collor Fonte: Dados básicos IBGE (1990) Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 9

10 Volatilidade do crescimento a volatilidade do crescimento da economia brasileira (4,5% no século), apesar de ser alta para o padrão de países industrializados, pode ser considerada baixa se comparada com outros países latino americanos. A volatilidade diminui quando o país passa de uma economia agroexportadora e avança na industrialização. Porém aumentou nas ultimas décadas Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 10

11 Brasil e América Latina: Crescimento e volatilidade médias do período - países e períodos selecionados Crescimento 4,6 4,6 3,8 7,2 7,1 2,1* 5 Brasil volatilidade 5,2 4,8 4,5 3,2 5,1 3,5* 4,5 Crescimento 6,3 4,1 3,4 3,8 2,5 1,9 3,3 Argentina volatilidade 8 9,5 5,3 4,7 4,3 5,4 6,4 Crescimento 3,6 3,7 3 4,1 3,6 5,4 3,3 Chile volatilidade 3 12,4 12,2 3,4 7 5,7 8 Crescimento 7,6 1,1 3,5 2,4 7,3-2,2 2,6 Cuba volatilidade 23,4 17,6 21,1 7 3,3 6,9 15 Crescimento 3,4 1,4 4,2 6,5 5,5 1,5 5 México volatilidade 5,7 4,1 6,4 2,5 5 3,8 4,8 Crescimento 2,3 9,2 4,2 5,7 4,7 2,2 5,9 Venezuela volatilidade 6,2 11,6 9,6 6,5 4,1 5 8 Fonte: Brasil dados básicos IBGE, outros países Thorp (2000) * inclui dados até Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 11

12 Características do crescimento brasileiro: População início do século XX - população aberta, depois dos anos 30 - população fechada população aberta: crescimento população depende do crescimento vegetativo e do fluxo migratório população fechada: fluxo migratório não é significativo década de 30 até dias de hoje: Transição demográfica e Urbanização Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 12

13 Brasil: Imigração e contribuição para o crescimento populacional ( ) Décadas média anual de entrada de imigrantes taxa de crescimento populacional contribuição da entrada de imigrantes ao crescimento populacional brasileiro * ,95% 9,19% ,95% 18,79% ,93% 33,73% ,86% 9,78% ,86% 9,10% ,50% 15,59% ,50% 4,66% ,39% 1,06% ,59% 3,25% Fonte: dados básicos IBGE (2000) * para calcular a taxa de imigração e sua contribuição ao crescimento populacional dever-se também levar em consideração as saídas de população do Brasil. Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 13

14 % população urbana taxa anual de crescimento População brasileira: crescimento e urbanização no século XX por décadas Taxa de urbanização média anual de crescimento 3,5 3 2, , , Fonte: IBGE décadas 0 Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 14

15 Características do crescimento brasileiro: PIB setorial Até anos 30 - Agricultura principal setor a dar a dinâmica do PIB Entre os anos 30 e 70 - transformação industrial: cresce a participação do setor industrial no PIB Indústria manufatureira Médias anuais de crescimento do valor agregado brasileiro: Indústria e PIB períodos selecionados ,7 6,0 8,4 6,2 1,1 6,6 6,7 PIB 6,1 3,8 7,2 7,1 2,0 5,8 5,2 Fonte: PIB IBGE; Indústria Thorp (2000) Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 15

16 Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 16

17 Período Etapas do Crescimento Econômico Brasileiro no Século XX População população aberta taxas relativamente elevadas de crescimento populacional em função do processo migratório, com fim da migração taxas caem população fechada início taxas baixas de crescimento populacional (alta natalidade mas alta mortalidade), depois acelera com queda da mortalidade Crescimento Econômico taxas elevadas mas instaveis de crescimento crescimento mais lento e mais instável (período da grande crise internacional - crescimento no Brasil maior que EUA) modelo de desenvolvimento economia agoexportadora deslocamento do centro dinâmico população fechada taxas de crescimento populacional em forte elevação (queda das taxas de mortalidade) risco de explosão demográfica forte crescimento econômico e diminuição da instabilidade (instabilidade cresce no fim do período) Processo de industrialização acelerado população fechada forte diminuição das taxas de crescimento populacional (queda da taxa de natalidade) explosão demográfica afastada desaceleração significativa do crescimento econômico com aumento da instabilidade Crise da dívida e problemas de estabilização Readaptada a partir de Thorp (2000) Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 17

18 Características do crescimento brasileiro: a inflação Industrialização é acompanhada pelo aumento de preços e relativa aceleração inflacionária Aceleração inflacionária contida entre os anos 60 e 70 Disparada da Inflação junto com retração do crescimento econômico Década de 90, depois do Plano Real, inflação volta aos patamares de antes da industrialização Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 18

19 Taxa média de inflação (escala logaritmica) Evolução da Inflação no Brasil no século XX média do IPC por décadas (escala logaritmica) * 90** * ** (estimado em 6%) Fonte: Thorp (2000), Conjuntura Econômica Décadas Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 19

20 Características do crescimento brasileiro: a balança comercial (1) No Brasil, a abalança comercial em geral foi positiva, mas em vários momentos existiram déficits comerciais No início do século as exportações de produtos primários (café) ditavam o ritmo da economia. Durante quase todo o século o Brasil teve uma grande dependência de poucos produtos primários na sua pauta de exportações (café, algodão, borracha, cacau) Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 20

21 US$ milhôes - escala logaritmíca Balança Comercial Brasileira ao longo do século XX (milhôes de doláres - escala logaritmíca) ,1 Exportações Importações 0, Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 21

22 Características do crescimento brasileiro: a balança comercial (2) Depois da década de 30 o Brasil passou por uma industrialização voltada para o mercado interno e não para exportar. Só nos anos 70 a pauta de exportações se diversifica (soja, aço etc.) diminuindo a vulnerabilidade externa do Brasil em termos de sua balança comercial. Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 22

23 Indice de Concentração de produtos primários* ( ) ,0 12, , , , , , , , ,7 60,4 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 Fonte: Thorp (2000) * participação dos dois principais produtos no total das exportações Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 23

24 Características do crescimento brasileiro: o endividamento externo Na segunda metade do século XX: Ampliação do dívida externa brasileira O coeficiente de vulnerabilidade era crescente até os anos 30, há uma redução até o início dos anos 50, depois disto ele volta a subir Este coeficiente mede a quantidade de anos de exportação necessários para pagar a dívida externa. No período recente o coeficiente depois de um diminuição, voltou a subir após o Plano Real Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 24

25 1000 Evolução da Dívida Externa Brasileira (bilhões de dolares - escala logarítmica) , Fonte: IBGE e Conjuntura Econômica Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 25

26 dívida externa/exportações Coeficiente de Vulnerabilidade na Economia brasileira Fonte: dados básicos IBGE Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 26

27 Aspecto sociais do crescimento econômico brasileiro Indicadores sociais tiveram evolução positiva ao longo do século: Porém, como visto no capítulo 4, ainda não se encontram nos mesmos patamares dos países desenvolvidos Grande mal da evolução econômica brasileira é a Injustiça - concentração de renda. Este é o Desafio do século atual Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 27

28 Brasil: Esperança de Vida e Analfbetismo ao longo do século Fonte: Thorp (2000) taxa de analfabetismo Esperança de vida Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 28

29 Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 29

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/115/

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Gustavo Loyola

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Gustavo Loyola PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola Cenário Internacional 3 Desaceleração suave nos próximos anos, mas ainda com crescimento em ritmo elevado Crescimento moderado, limitado pela necessidade

Leia mais

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 186/15 02/12/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Novembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Outubro

Leia mais

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE

Terça 11 de abril 05:00 IPC (semanal) FIPE Informe Semanal 47/217 Publicado em 13 de abril de 217 Brasil Relatório Focus 7/4/217 BACEN Agenda da Semana SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 1 de abril Terça 11 de abril 5: IPC (semanal) FIPE 9: Pesquisa

Leia mais

Geografia. A Distribuição da População Brasileira. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. A Distribuição da População Brasileira. Professor Luciano Teixeira. Geografia A Distribuição da População Brasileira Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia A DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA Demografia - Estudos de População Demografia

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS FEVEREIRO/2016 Resumo de desempenho Fevereiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No bimestre mês

Leia mais

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO...

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO... Economia do Brasil INTRODUÇÃO A economia de um país pode ser dividida em setores (primário, secundário e terciário) de acordo com os produtos produzidos, modos de produção e recursos utilizados. Estes

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Junho de 2017

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Junho de 2017 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Junho de 2017 Agosto/2017 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma alta de 1,1% em junho

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. MÁRCIO NOME N o 6 º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão anuladas.

Leia mais

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento

Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Federação Nacional dos Engenheiros (FNE) Colocar a economia no rumo do crescimento Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Barra Bonita, 25 de Novembro de 2016 BRASIL: EVOLUÇÃO DO CRESCIMENTO DO PIB (VAR.

Leia mais

EAE 0423-Economia Brasileira I. Prof. Dr. Guilherme Grandi

EAE 0423-Economia Brasileira I. Prof. Dr. Guilherme Grandi EAE 0423-Economia Brasileira I Prof. Dr. Guilherme Grandi CRISE E ESPERANÇA: 1974-1980 - DIONÍSIO DIAS CARNEIRO O capítulo está organizado em cinco seções: 1. Introdução 2. Condicionantes Externos e Internos

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JANEIRO/2016 Resumo de desempenho Janeiro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês/Ano mês anterior

Leia mais

Índices ponderados: Laspeyres. ! Para um índice de preços, é: Σ Pn Qo Σ Po Qo. Ln, 0 = A ponderação é feita pela época inicial 0

Índices ponderados: Laspeyres. ! Para um índice de preços, é: Σ Pn Qo Σ Po Qo. Ln, 0 = A ponderação é feita pela época inicial 0 Aula de hoje! Revisão: Índices Laspeyres e Paasche! Números-índices de valor! Relações entre Números-Índices! O índice Gini! Conceito de Taxa de Câmbio Nominal! Variações Cambiais! Lei do Preço Único!

Leia mais

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé).

IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). IDH e Globalização. Uma longa viagem começa com um único passo (Lao Tsé). O termo está vinculado à situação econômica e social das nações ricas ; Para atingir este estado, um país precisa de: 1. Controle

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

Variação da Despesa Assistencial

Variação da Despesa Assistencial Por Dentro da saúde suplementar Variação da Despesa Assistencial per capita Um dos maiores desafios para a sustentabilidade do mercado de saúde suplementar é o aumento progressivo dos custos médico-hospitalares

Leia mais

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti

Brasil: Conjuntura e Perspectivas. Prof. Dr. Fernando Sarti Brasil: Conjuntura e Perspectivas Prof. Dr. Fernando Sarti Centro Altos Estudos Brasil Século XXI - UNICAMP Fundação Desenvolvimento da Unicamp-FUNCAMP Brasília, Se da Andifes, 25 fevereiro 2016 Estrutura

Leia mais

Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP

Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP prof.danilopastorelli@saojudas.br características gerais intenso crescimento do PIB intenso crescimento

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

O crescimento brasileiro é sustentável?

O crescimento brasileiro é sustentável? O crescimento brasileiro é sustentável? Adalmir Marquetti * RESUMO - O presente texto discute as condições necessárias para a continuidade da retomada do crescimento nos próximos anos. Aponta-se que há

Leia mais

Carne de Frango Var. Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1%

Carne de Frango Var. Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1% Carne de Frango Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade (milhões ton) 2014 2015 Var. 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1% Per capita (kg) 42,7 43,25 1,1% 2016 Produção

Leia mais

Sustentabilidade da dívida pública: uma proposta de longo prazo José Luís Oreiro * e Luiz Fernando de Paula **

Sustentabilidade da dívida pública: uma proposta de longo prazo José Luís Oreiro * e Luiz Fernando de Paula ** Sustentabilidade da dívida pública: uma proposta de longo prazo José Luís Oreiro * e Luiz Fernando de Paula ** As escolhas em termos de política econômica se dão em termos de trade-offs, o que significa

Leia mais

A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS

A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS A VOLTA DO CRESCIMENTO: UM MOVIMENTO EM DOIS TEMPOS 02 DE DEZEMBRO DE 2016 ABIQUIM 1 Economia global está desacelerando: qual o impacto de um governo Trump? 2,6 2,3 2,1 1,8 1,6 EUA: título de 10 anos (%)

Leia mais

ANÁLISE DO IMPACTO DA ESCOLARIDADE NO CRESCIMENTO DO BRASIL

ANÁLISE DO IMPACTO DA ESCOLARIDADE NO CRESCIMENTO DO BRASIL ANÁLISE DO IMPACTO DA ESCOLARIDADE NO CRESCIMENTO DO BRASIL 1. Correlacionando o crescimento da população e o crescimento do Produto Interno Bruto desde 1900, percebe-se que há relação direta entre o crescimento

Leia mais

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA

PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA 8 PANORAMA ATUAL DA ECONOMIA GOIANA A crise econômico-financeira originada nos Estados Unidos, em 2008, denominada Crise dos Subprime, afetou toda a economia mundial. A atual crise da União Europeia, chamada

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2016

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2016 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2016 Junho/2016 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou queda de 0,1% em abril de 2016,

Leia mais

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil

Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Crise global e vulnerabilidade externa estrutural do Brasil Reinaldo Gonçalves Professor titular Instituto de Economia - UFRJ 1 2 3 Hipótese central apesar de haver melhoras nos indicadores de vulnerabilidade

Leia mais

INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX

INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX Icomex de julho, referente a junho de 2017 Número 3 12.junho.2017 Em junho, o volume exportado cresce forte e o importado desacelera. Destaques O primeiro destaque

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 173/15 30/10/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Outubro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Setembro

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Setembro de 2016

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Setembro de 2016 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Setembro de 2016 BRASIL Novembro/2016 A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma queda de 0,7% em

Leia mais

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Em 2010, segundo divulgação do IBGE, o PIB brasileiro cresceu 7,5% em relação a 2009. O PIB atingiu R$ 3,675 trilhões (ou, à taxa de câmbio de R$

Leia mais

Progresso tecnológico e crescimento CAPÍTULO. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Progresso tecnológico e crescimento CAPÍTULO. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Olivier Blanchard Pearson Education Progresso tecnológico e crescimento CAPÍTULO 12 12.1 Progresso tecnológico e taxa de crescimento O progresso tecnológico tem várias dimensões. Pode levar a: Maiores

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL

O AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL O AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL Prof : Cálidon Costa calidoncosta@gmail.com calidontur@hotmail.com O AMBIENTE ECONÔMICO GLOBAL Em 31 de dezembro de 1991, com a dissolução da União Soviética, nasceu um nova

Leia mais

Aulas 6: Energia e Desenvolvimento

Aulas 6: Energia e Desenvolvimento PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 6 Energia e Desenvolvimento slide 1 / 41 Tópicos a serem discutidos: 1. Impacto no desenvolvimento das escolhas energéticas 2. Desenvolvimento possui

Leia mais

INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Indicadores CNI INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Indústria brasileira perde participação na economia mundial A indústria brasileira continua a apresentar desempenho negativo no mercado mundial,

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

A América Latina e o ajuste estrutural apóso Consenso de Washington

A América Latina e o ajuste estrutural apóso Consenso de Washington A América Latina e o ajuste estrutural apóso Consenso de Washington Resenha Economia e Comércio / Desenvolvimento Jéssica Naime 05 de novembro de 2004 1 A América Latina e o ajuste estrutural após o Consenso

Leia mais

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 Nos nove primeiros meses de 2002, a economia brasileira cresceu 0,9% em relação ao mesmo período de. No terceiro trimestre de 2002, o aumento foi

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades.

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades. Seminário Internacional. Desarrollo Económico Territorial: nuevas praxis em América Latina y el el Caribe em el siglo XXI CEPAL/ILPES, Santiago de Chile, 19 al 21 de octubre de 2010 Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aulas 10, 11 e 12 Energia e Desenvolvimento Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi slide 1 / 35 Tópicos a serem discutidos: 1. Impacto no desenvolvimento

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Instituição: Colégio Mauá Professor: Marcelo Tatsch Disciplina: Geografia

Instituição: Colégio Mauá Professor: Marcelo Tatsch Disciplina: Geografia Otawa - Canadá Washington D.C Cidade do México - México Instituição: Colégio Mauá Professor: Marcelo Tatsch Disciplina: Geografia ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA URBANIZAÇÃO E POPULAÇÃO - formação das metrópoles

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Outubro/2011. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Outubro/2011 Cenário para as Micro e Pequenas Empresas Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Números das Micro e Pequenas Empresas no Brasil 2 Micro e pequenas empresas (até 99 funcionários)

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

Os fatos do crescimento CAPÍTULO. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Os fatos do crescimento CAPÍTULO. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Os fatos do Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 10 Os fatos do Passamos agora do estudo da determinação do produto no curto e médio prazos em que predominam as flutuações para a determinação do

Leia mais

Março/2016. Novas Projeções para Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março/2016. Novas Projeções para Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março/2016 Novas Projeções para 2016 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Atividade econômica nos últimos meses e resultado do PIB no quarto trimestre e em 2015 2 A sequencia de resultados

Leia mais

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002 CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 22 Os últimos dados sobre a evolução do crédito no Brasil mostram que o crédito no país continua caro, escasso e de prazo reduzido.

Leia mais

Geografia. Demografia - CE. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Demografia - CE. Professor Luciano Teixeira. Geografia Demografia - CE Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia DEMOGRAFIA - CE O povo cearense foi formado pela miscigenação de indígenas catequizados e aculturados após

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Algumas razões para aumentar os impostos sobre cigarros no Brasil

Algumas razões para aumentar os impostos sobre cigarros no Brasil Algumas razões para aumentar os impostos sobre cigarros no Brasil Por Roberto Iglesias, economista, consultor da ACT 1. O aumento das alíquotas de impostos sobre o cigarro gera alta do seu preço. Aumento

Leia mais

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 Sumário Prefácio, xiii i Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 1. Objetivo do estudo de economia, 2 2. Objetivos de política econômica, 3 2.1 Crescimento da produção e do emprego, 3 2.2 Controle

Leia mais

Cenários Econômicos e Ambiente dos Negócios. Prof. Antonio Lanzana Outubro 2016

Cenários Econômicos e Ambiente dos Negócios. Prof. Antonio Lanzana Outubro 2016 Cenários Econômicos e Ambiente dos Negócios Prof. Antonio Lanzana Outubro 2016 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Desenvolvimento Recente da Economia Brasileira 3. Cenários para o

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/2015 Resumo de desempenho ho 2015 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre mês mês do ano ano Mês No ano

Leia mais

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011

Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para /12/2011 Construção civil: desempenho em 2011 e perspectivas para 2012 6/12/2011 Desempenho e perspectivas A revisão do PIB Desempenho da cadeia em 2011 Perspectivas Revisão dos números do PIB 2009 Destaque: Os

Leia mais

CAPÍTULO 2 QUEM SÃO OS BRASILEIROS? PROF. LEONAM JUNIOR 7º ANO COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE

CAPÍTULO 2 QUEM SÃO OS BRASILEIROS? PROF. LEONAM JUNIOR 7º ANO COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE CAPÍTULO 2 QUEM SÃO OS BRASILEIROS? PROF. LEONAM JUNIOR 7º ANO COLÉGIO ARI DE SÁ CAVALCANTE DIFERENTES ORIGENS, UM SÓ POVO P. 21 Somos um povo miscigenado. Os povos indígenas habitavam esse território.

Leia mais

Unidade 1 Abordagem Histórica da Economia Brasileira. Economia Agroexportadora

Unidade 1 Abordagem Histórica da Economia Brasileira. Economia Agroexportadora Unidade 1 Abordagem Histórica da Economia Brasileira Economia Agroexportadora Agroexportação É a forma de inserção da economia brasileira na economia mundial desde a época colonial, passando pelo período

Leia mais

Produção e Crescimento. 24. Produção e Crescimento. Crescimento Econômico no Mundo. Crescimento no Mundo. A Regra dos 70: Exemplo.

Produção e Crescimento. 24. Produção e Crescimento. Crescimento Econômico no Mundo. Crescimento no Mundo. A Regra dos 70: Exemplo. 24. Produção e Crescimento Produção e Crescimento O padrão de vida dos indivíduos de um país depende da habilidade desse país em produzir bens e serviços Em todos os países há muita variação no padrão

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Gustavo Loyola XII CONGRESSO BRASILEIRO DE FOMENTO COMERCIAL Foz do Iguaçu (PR), abril de 2016 Estrutura 2 Cenário Internacional Cenário doméstico Conclusão Cenário

Leia mais

Mortalidade Materna no Brasil. Mario Francisco Giani Monteiro UERJ. Airton Fischmann. Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul

Mortalidade Materna no Brasil. Mario Francisco Giani Monteiro UERJ. Airton Fischmann. Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul As desigualdades sociais e a criminalização do abortamento induzido agravam os riscos de Mortalidade Materna no Brasil. Mario Francisco Giani Monteiro UERJ Airton Fischmann Secretaria de Saúde do Rio Grande

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Cenário Macroeconômico para o Agronegócio. Geraldo Barros

Cenário Macroeconômico para o Agronegócio. Geraldo Barros Cenário Macroeconômico para o Agronegócio Geraldo Barros PIB do Agronegócio: 1994/2010 R$ bilhões (de 2010) +37% 597 22(%) (28%) Fonte:Cepea Pib e Shares dos segmentos do Agronegócio 32% 33% 33% 30% 26%

Leia mais

137/15 28/08/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

137/15 28/08/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 137/15 28/08/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Agosto de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Julho

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Cenário Moveleiro. Análise econômica e suporte para as decisões empresariais. Número 01/2006. Cenário Moveleiro Número 01/2006 1

Cenário Moveleiro. Análise econômica e suporte para as decisões empresariais. Número 01/2006. Cenário Moveleiro Número 01/2006 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2006 Cenário Moveleiro Número 01/2006 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE ECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE ECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE ECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA CURSOS DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA ANO LETIVO:

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

Clima Econômico melhora na América Latina, mas continua desfavorável Maiores avanços em relação a janeiro ocorrem no Brasil e no México

Clima Econômico melhora na América Latina, mas continua desfavorável Maiores avanços em relação a janeiro ocorrem no Brasil e no México Maio de 2017 Clima Econômico melhora na América Latina, mas continua desfavorável Maiores avanços em relação a janeiro ocorrem no Brasil e no México O Indicador Ifo/FGV de Clima Econômico da América Latina

Leia mais

T O E RIA I S S D A A P O P PU P LA L ÇÃO E E DEM E O M GRAFI F A

T O E RIA I S S D A A P O P PU P LA L ÇÃO E E DEM E O M GRAFI F A Aula 3 TEORIAS DA POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA Objetivos Compreender quais são os problemas existentes na dinâmica populacional no mundo; Compreender as teorias populacionais Analisar os problemas sociais relacionados

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2014

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2014 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2014 Junho/2014 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação registrou queda de 0,5% em Abril de 2014,

Leia mais

Taxa de Câmbio Efetiva Real

Taxa de Câmbio Efetiva Real Taxa de Câmbio Efetiva Real Andréia C. O. Adami Outubro/2015 Bibliografia Cap. 8 Carvalho & Silva (1999) Cap. 10 - Gonçalves et al.(1998) Sayad, J. Comércio Internacional. In:Pinho & Vasconcellos (1996).

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2017

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2017 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2017 Março/2017 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma alta de 0,5% em janeiro

Leia mais

IDH ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO - GABARITO

IDH ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO - GABARITO IDH ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO - GABARITO 2º EM GEOGRAFIA PROF. LUIZ GUSTAVO 3º Bimestre Resposta da questão 1:[D] A elevação do IDH-M no país decorreu de fatores como a redução da mortalidade infantil

Leia mais

A população mundial. Já somos 7 bilhões.

A população mundial. Já somos 7 bilhões. A população mundial Já somos 7 bilhões. Distribuição da população Recenseamentos: fundamental para conhecer melhor a população mundial à relevante para o setor público e privado. Ocorre de forma irregular.

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008

DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008 DADOS ESTATÍSTICOS DO SETOR 2008 Setor de Sucos Jan-Dez/08 Part% Jan-Dez/07 Part% Var % ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS 33.301.385 100,00 26.622.758 100,00 20. Preparações de prods. 2.266.001 horticolas,frutas,etc.

Leia mais

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam

As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam . AS COI^ÍTAS REGIOXAIS A economia gaúcha em 2001: terceiro ano consecutivo de crescimento* Adalberto A. Mala Neto** As estimativas preliminares da FEE para o ano de 2001 no Estado indicam um crescimento

Leia mais

Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr.

Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr. Níveis de desenvolvimento. Países. Professora: Rilvania Flôr. O Nível de desenvolvimento dos países em sua maioria é medido pelo seu IDH. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Organização das Nações

Leia mais

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital William Figueiredo Divisão de Estudo Econômicos do Rio de Janeiro (DIERJ) Gerência de Estudos Econômicos (GEE) Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017 Estado do

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% aa nos últimos 17 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados

Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados Perspectivas para a indústria brasileira uma proposta baseada na exportação de manufaturados Apresentação preparada para o Seminário Perspectivas para a economia brasileira nos próximos anos, na FIESP

Leia mais

Introdução. JOHN LINDAUER, Macroeconomics

Introdução. JOHN LINDAUER, Macroeconomics Introdução A meta mais importante de um sistema econômico, que é a de produzir uma quantidade suficiente de bens e serviços, capaz de satisfazer integralmente às aspirações diversificadas e por vezes conflitantes

Leia mais

BOLETIM: Agosto/2016 Produtividade no Contexto Mundial: onde e porque a produtividade tem caído? PESQUISA DE PRODUTIVIDADE

BOLETIM: Agosto/2016 Produtividade no Contexto Mundial: onde e porque a produtividade tem caído? PESQUISA DE PRODUTIVIDADE BOLETIM: Agosto/2016 Produtividade no Contexto Mundial: onde e porque a produtividade tem caído? PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA

Leia mais

PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde

PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde PEC 241 ou PEC 55 e o Gasto em Educação e Saúde Carlos Frederico Rocha Professor da Instituto de Economia da UFRJ e Diretor da ADUFRJ (fred@ie.ufrj.br) Art. 6º da Constituição da República Federativa do

Leia mais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais

Características gerais. Características gerais. Características gerais. Crise Europeia Crise Grega. Apresentação. Características gerais Crise Europeia Crise Grega Área agricultável: 63,8% do país; Principais produtos agrícolas: trigo, milho, cevada, beterraba, azeitona, uva, tabaco, batata, tomate e banana. Recursos naturais: linhito,

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina PEIC. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Março de 2017 SUMÁRIO ANÁLISE DO

Leia mais

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Setembro/16. PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Setembro/16 PIB do 2º Trimestre e conjuntura recente Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Resultados do PIB no 2º Trimestre de 2016 2 O PIB completa sexto trimestre seguido de queda Fonte:

Leia mais

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra

Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Economia Brasileira Ciclos do Pós-Guerra Hildo Meirelles de Souza Filho Ciclos do crescimento 1947-1980, taxas de crescimento do PIB 15,0 10,0 5,0-1948 1950 1952 1954 1956 1958 1960 1962 1964 1966 1968

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 19/05/2016 Próxima Atualização 15/06/2016 Copyright 2016 Portugal Economy Probe PE Probe Preparado pelo PE Probe para

Leia mais

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental

Comparações Internacionais em Finanças Públicas e Desempenhos em áreas de atuação Governamental PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 4 Comparações Internacionais

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2016

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2016 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2016 BRASIL Abril/2016 A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma queda de 1,6% em fevereiro

Leia mais

O que falta é gestão!! Leonardo Sologuren Horizon Company

O que falta é gestão!! Leonardo Sologuren Horizon Company O que falta é gestão!! Leonardo Sologuren Horizon Company Agricultura: um banco a céu aberto? Estamos inseridos em diversos operações financeiras: Taxa de câmbio Taxa de juros Cotação em bolsas Emissão

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2015 Abril/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma queda de 0,8% em Fevereiro

Leia mais

O indicador do clima econômico melhora na América Latina, mas piora no Brasil

O indicador do clima econômico melhora na América Latina, mas piora no Brasil jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jul/06 jan/07 jul/07 jan/08 jul/08 jan/09 jul/09 jan/10 jul/10 jan/11 jul/11 jan/12 jul/12 jan/13 jul/13 jan/14 13 de Fevereiro de 14 Indicador IFO/FGV

Leia mais

IAPC VALE DO PARANHANA

IAPC VALE DO PARANHANA IAPC VALE DO PARANHANA SÍNTESE DOS INDICADORES DA PESQUISA Indicador Variação de Fevereiro de 2013 em relação a Janeiro 2013 (%) Variação da produção de Fevereiro de 2013 em relação a Fevereiro de 2012

Leia mais