Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação"

Transcrição

1 e Desemprego Profa. MS Juliana Flávia Palazzo da Costa Conceito de inflação pode ser definida como o aumento contínuo, persistente e generalizado do nível de preços. Quando o problema se torna crônico e exagerado é denominado hiperinflação. Temos ainda a deflação Que é a redução contínua, persistente e generalizada do nível de preços. Evento mais raro de acontecer, porém os Estado Unidos e outras economias o enfrentaram no final do século XIX. 1

2 Principais tipos de de demanda de custos inercial de demanda A inflação da demanda tem como causa uma expansão da Demanda Agregada, mantendo-se a Oferta Agregada constante. A economia estaria operando próxima ao pleno emprego dos recursos e a Oferta Agregada não poderia acompanhar a expansão da Demanda Agregada. de Demanda Fatores que poderiam causar a de Demanda Aumentos de renda Expansão de crédito Aumento dos gastos do governo financiado por emissão de moeda. 2

3 de custos Caracteriza-se pelo aumento dos custos de produção, independente do nível de demanda agregada. Que podem ser: Aumento de salários Aumento de insumos básicos da produção Geralmente a inflação de custos é associada à inflação de oferta Quando algum fator causa uma retração da Oferta Agregada, há um aumento no nível geral de preços na economia. de custos Para causar uma inflação de custos os insumos devem ter uma ampla participação em vários segmentos da produção. Exemplo: aumentos no preço do barril do petróleo que é a matéria-prima básica dos produtos sintéticos e o combustível é utilizado em toda a cadeia produtiva. Os choques do petróleo da década de 1970 foram os causadores do processo inflacionário em vários países do mundo, na época. Inercial Causada pela incorporação da inflação passada nas expectativas futuras de inflação. Quando os agentes econômicos acostumamse com uma taxa de inflação começam a repassá-la para as negociações futuras e formação de preços para evitar a perda de poder de compra futuro. A inflação neste caso está relacionada a uma questão de correção monetária. 3

4 Formas de combate Depende do que causa a inflação, ou seja, do tipo de inflação identificado. Como combater a inflação? de demanda de custos inercial de demanda O governo adota medidas para contrair a Demanda Agregada Redução dos gastos do governo Elevação das taxas de juros O governo utiliza a politica fiscal e a politica monetária contracionista para o combate à inflação de custos Historicamente combatida com o controle de preços e salários. No Brasil os planos econômicos da década de 1980 e 1990 tinham como instrumento o congelamento de preços e salários No curto prazo o efeito é favorável, mas no longo prazo, a pressão inflacionária acumulase e gerava uma inflação reprimida. 4

5 Inercial Adaptação das expectativas inflacionárias dos agentes econômicos para evitar o repassa à formação de preços futuros. No Brasil e em vários países do mundo o combate à inflação ocorre por meio do sistema de metas inflacionárias. A autoridade monetária estabelece o nível de inflação máximo que a economia pode operar, com alguma margem de tolerância. O Banco Central adotará todas as medidas necessárias para manter a inflação nessa meta. Desde 2005 a meta de inflação é de 4,5% a.a com tolerância para mais ou para mens de 2,5% pontos percentuais. Desemprego Tipos de desemprego Desemprego Friccional fenômeno de curto prazo Desemprego Cíclico Desemprego Sazonal Desemprego Estrutural Relacionado à incompatibilidade de capacidade entre oferta e demanda de trabalho. Atividades sofisticadas que não encontram mão de obra qualificada apesar de existirem pessoas desempregadas. 5

6 e Desemprego Pela Teoria Econômica, no curto prazo há uma relação inversa entre geração de empregos e estabilidade de preços. São objetivos econômicos conflitantes Para se obter a estabilidade de preços, há que se abrir mão do pleno emprego. Por outro lado, o alcance do pleno emprego resulta em instabilidade de preços. 6

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil A combinação explosiva entre inflação e recessão verificada em nível mundial durante os anos 70 motivou um interesse crescente em entender a dinâmica

Leia mais

Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips

Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips 1. (GESTOR- 2002) Considerando, para um determinado período, uma taxa real de juros de 5% e uma taxa de inflação de 20%, a respectiva taxa nominal de juros,

Leia mais

OBS: É IMPORTANTE A LEITURA DOS CAPÍTULOS DO LIVRO PARA MELHOR COMPREENSÃO DESTA AULA.

OBS: É IMPORTANTE A LEITURA DOS CAPÍTULOS DO LIVRO PARA MELHOR COMPREENSÃO DESTA AULA. Aula 29 14/06/2010 Cap 34 (FINAL) e Cap 35 Mankiw (2007) OBS: É IMPORTANTE A LEITURA DOS CAPÍTULOS DO LIVRO PARA MELHOR COMPREENSÃO DESTA AULA. O EFEITO DESLOCAMENTO: Figura pg 769: Se o governo eleva

Leia mais

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Prof. Francisco Mariotti CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Microeconomia. 1.1 Demanda do Consumidor.1.1.1 Preferências. 1.1.2 Equilíbrio do consumidor.

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

USO DO CRÉDITO NAS COMPRAS DE AUTOMÓVEIS E ELETRODOMÉSTICOS

USO DO CRÉDITO NAS COMPRAS DE AUTOMÓVEIS E ELETRODOMÉSTICOS USO DO CRÉDITO NAS COMPRAS DE AUTOMÓVEIS E ELETRODOMÉSTICOS Pesquisa realizada pelo SPC Brasil e a CNDL, divulgada recentemente, mostrou que há uma relação direta entre inadimplência e fatores característicos

Leia mais

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Capítulo 12: O Brasil ao Longo do Século XX: alguns fatos estilizados Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 2 Brasil ao longo do

Leia mais

Desemprego e Inflação 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre Inflação e Desemprego

Desemprego e Inflação 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre Inflação e Desemprego e 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre e taxa natural de depende das características de cada tipo de mercado: Salário mínimo Poder dos sindicatos teoria dos salários eficientes facilidade, ou não, de

Leia mais

Modelo Keynesiano Simples

Modelo Keynesiano Simples Modelo Keynesiano Simples 1. (ESAF) Considere: Y = C(Y) + I + G + X - M(Y) C(Y) = Co + 0,7.Y M(Y) = Mo + 0,5.Y I = 700 G = 200 X = 300 Co = 500 Mo = 100 Onde Y = produto; I = investimento; G = gastos do

Leia mais

Indicadores de Desempenho Dezembro de 2014

Indicadores de Desempenho Dezembro de 2014 Dezembro de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Perspectivas para a Economia Brasileira em 2015 As expectativas para o crescimento da economia brasileira em 2015 estão começando a convergir para um patamar

Leia mais

Gilmar Ferreira Maio de 2010

Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos de déficits e divida pública ECONOMIA DO SETOR PUBLICO Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos acima da linha (calculado pelo Tesouro): a) Déficit Nominal: Gastos totais Receitas total b) Déficit

Leia mais

LFG MAPS. Conceitos fundamentais 6 questões

LFG MAPS. Conceitos fundamentais 6 questões ECONOMIA Nível de importância Tema QTDE de Questões Porcentagem % 1 Conceitos fundamentais 6 27% 2 Estrutura de mercado 5 23% 3 Determinação das curvas de procura 3 14% 4 Política fiscal e monetária 2

Leia mais

Gráfico 1 - IPCA MENSAL ACUMULADO EM 12 MESES E META PARA INFLAÇÃO - 2000-2011

Gráfico 1 - IPCA MENSAL ACUMULADO EM 12 MESES E META PARA INFLAÇÃO - 2000-2011 A recente expansão do crédito, o aumento dos preços das commodities, as políticas monetárias dos EUA versus Brasil e a atual pressão inflacionária no regime de metas para a inflação Luciano Luiz Manarin

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os desafios econômicos em 2015 1 Indicadores macroeconômicos ruins A Presidente Dilma Rouseff

Leia mais

Alguns Problemas Econômicos: - Por que a expansão da moeda e do crédito pode gerar inflação? - Por que o nordestino possui uma renda per capita muito

Alguns Problemas Econômicos: - Por que a expansão da moeda e do crédito pode gerar inflação? - Por que o nordestino possui uma renda per capita muito Alguns Problemas Econômicos: - Por que a expansão da moeda e do crédito pode gerar inflação? - Por que o nordestino possui uma renda per capita muito inferior à do paulista? - Como pode uma desvalorização

Leia mais

Administração AULA- 8. Macro Economia - Políticas. Prof. Isnard Martins. Bibliografia:

Administração AULA- 8. Macro Economia - Políticas. Prof. Isnard Martins. Bibliografia: Administração AULA- 8 Macro Economia - Políticas Prof. Isnard Martins Bibliografia: Rosseti J. Introdução à Economia. Atlas 2006 Garcia e Vasconcelos Fundamentos de Economia, Saraiva 2007 1 Isnard Martins

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2014 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou queda de 2,3% no trimestre finalizado em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais

Análise Macroeconômica. AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel

Análise Macroeconômica. AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel Análise Macroeconômica AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel Programação Estrutura da Disciplina Introdução O ciclo de negócios; Fluxo circular da renda; Variáveis macroeconômicas. Estrutura da Disciplina

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato Moeda: Conceito e Funções Oferta de Moeda (Pelo BACEN e Bancos Comerciais) 1 2 Moeda Conceito e Funções Objeto de aceitação geral, utilizado na troca de bens e serviços. Aceitação

Leia mais

Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira

Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira Esta aula-tema busca um maior entendimento da história do desenvolvimento do setor externo da economia brasileira a partir do ano de 1968, quando

Leia mais

Economia Brasileira: performance e perspectivas

Economia Brasileira: performance e perspectivas 1 Economia Brasileira: performance e perspectivas DEPECON / FIESP Janeiro de 2005. Ano PIB Total PIB Industrial 1990-4,35-8,18 1991 1,03 0,26 1992-0,54-4,22 2004: 1993 4,92 7,01 1994 5,85 6,73 1995 4,22

Leia mais

O Retorno da Inflação à Pauta de Discussões

O Retorno da Inflação à Pauta de Discussões Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 O Retorno da Inflação à Pauta de Discussões Ao longo de toda década de 80 1 até a implementação do Plano Real em julho de 1994, a economia brasileira

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - MACROECONOMIA

LISTA DE EXERCÍCIOS - MACROECONOMIA LISTA DE EXERCÍCIOS - MACROECONOMIA Evolução do pensamento macroeconômico. Keynesianismo, monetarismo e escolas posteriores. Flutuações econômicas no curto prazo. Oferta e demanda agregadas. Papel das

Leia mais

Economia. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Determinação do Nível de Renda e Produto Nacionais: o Mercado de Bens e Serviços.

Economia. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Determinação do Nível de Renda e Produto Nacionais: o Mercado de Bens e Serviços. Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 13: Determinação do Nível de Renda e Produto Nacionais: o Mercado de Bens e Serviços Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte

Leia mais

A Palavra Economia... 1. Dez Princípios de Economia. Uma Casa e a Economia Enfrentam... Correlação x Causa. Decisões. Escassez... Decisões?

A Palavra Economia... 1. Dez Princípios de Economia. Uma Casa e a Economia Enfrentam... Correlação x Causa. Decisões. Escassez... Decisões? 1. Dez Princípios de Economia A Palavra Economia... Vem do grego, aquele que governa a sua casa Uma Casa e a Economia Enfrentam... Decisões? Decisões? Decisões? Decisões? Correlação x Causa Correlação:

Leia mais

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva Economia e Mercado Conceitos Seja em nosso cotidiano, seja nos jornais, rádio e televisão, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, como: -Aumentos

Leia mais

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS Prof. Maurício Felippe Manzalli Antecedentes da globalização Década de 1970 Período de crises e ajustes: Crise da inflação Ajustes monetários e produtivos Economia política

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, certas aflições por que passa a população brasileira são totalmente desnecessárias e

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, certas aflições por que passa a população brasileira são totalmente desnecessárias e Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, certas aflições por que passa a população brasileira são totalmente desnecessárias e contraproducentes. Esse é o caso da política de preços internacionais

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: 2/10 Terceira Prova.

Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: 2/10 Terceira Prova. Universidade de Brasília Departamento de Economia Disciplina: Macroeconomia II Professor: Carlos Alberto Período: 2/10 Terceira Prova Questões 1. Em Anexo a esta prova está um artigo da jornalista Claudia

Leia mais

2 estimularam-se a substituição de importações de bens de consumo duráveis, complementando-se o processo iniciado pelo Plano de Metas;

2 estimularam-se a substituição de importações de bens de consumo duráveis, complementando-se o processo iniciado pelo Plano de Metas; Segundo PND e os Planos de Estabilização 1. (ANPEC 2008) O II Plano Nacional de Desenvolvimento (II PND) foi crucial para a industrialização brasileira. A respeito do II PND são corretas as afirmativas:

Leia mais

Mecanismos de Transmissão Monetária

Mecanismos de Transmissão Monetária Mecanismos de Transmissão Monetária Mecanismos direto e indireto Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relações entre fatores monetários e reais

Leia mais

TEORIAS DA INFLAÇÃO E ÍNDICES DE PREÇO NO BRASIL

TEORIAS DA INFLAÇÃO E ÍNDICES DE PREÇO NO BRASIL TEORIAS DA INFLAÇÃO E ÍNDICES DE PREÇO NO BRASIL Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Introdução Por que é que os países são tão preocupados com a possibilidade de sofrerem processos

Leia mais

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Unidade I ECONOMIA E MERCADO Apresentação Inúmeras questões econômicas: preços; desemprego; salários; câmbio; taxa de juros; impostos. Conceito de economia oikos (casa) do grego:

Leia mais

Gestão do Valor no Capital de Giro. Brunna da Silva Ferreira

Gestão do Valor no Capital de Giro. Brunna da Silva Ferreira Gestão do Valor no Capital de Giro Brunna da Silva Ferreira Fortaleza 2013 Agendamento Apresentar o objetivo da gestão do capital de giro; Integrar a gestão dos elementos do capital de giro; Discutir o

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60 Nome da Disciplina Análise Macroeconômica I Curso Ciências Econômicas Conceitos básicos dos modelos econômicos. Contas nacionais.

Leia mais

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII CNPJ nº 13.012.312/0001-67 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do Fundo O Salus Fundo

Leia mais

GONÇALVES, A. C. Porto, DEANE, Tatiana. Taxa de Juros e Crescimento Econômico. Rio de Janeiro: FGV, 10 p. Taxa de Juros e Crescimento Econômico

GONÇALVES, A. C. Porto, DEANE, Tatiana. Taxa de Juros e Crescimento Econômico. Rio de Janeiro: FGV, 10 p. Taxa de Juros e Crescimento Econômico GONÇALVES, A. C. Porto, DEANE, Tatiana. Taxa de Juros e Crescimento Econômico. Rio de Janeiro: FGV, 10 p. Taxa de Juros e Crescimento Econômico As taxas de juros vêm sendo apontadas, há algum tempo, como

Leia mais

Gestão do Valor no Capital de Giro. Brunna da Silva Ferreira

Gestão do Valor no Capital de Giro. Brunna da Silva Ferreira Gestão do Valor no Capital de Giro Brunna da Silva Ferreira Fortaleza 2013 Agenda Apresentar o objetivo da gestão do capital de giro; Integrar a gestão dos elementos do capital de giro; Discutir o modelo

Leia mais

Relatório de Monitoramento Maio 2015

Relatório de Monitoramento Maio 2015 Relatório de Monitoramento Maio 2015 1 Sumário Cenário Econômico Rentabilidades i. Perfil Conservador ii. Perfil Moderado iii. Perfil Agressivo iv. RaizPrev Alocação i. Divisão de Recursos por Perfil ii.

Leia mais

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos CAPITULO 6 Rendimentos e repartição dos rendimentos A actividade produtiva e a formação de rendimentos A repartição funcional dos rendimentos A repartição pessoal dos rendimentos A redistribuição dos rendimentos

Leia mais

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini para os engenheiros Engenheiro Civil Valter Fanini Formação do salário dos engenheiros O contexto macro-econômico O mercado de trabalho As informações do mercado (RAIS) As normas legais O contexto macro-econômico

Leia mais

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000)

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) Discriminação 2001 2002 2003 Valor % PIB Valor % PIB Valor % PIB I. RECEITA

Leia mais

Evolução Regional das Importações de Bens de Consumo

Evolução Regional das Importações de Bens de Consumo Evolução Regional das Importações de Bens de Consumo Tabela 1 Importações brasileiras totais e de bens de consumo As importações de bens de consumo, embora persistam, em termos absolutos, em patamar inferior

Leia mais

LISTA 5B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 5B Introdução à Economia 1

LISTA 5B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 5B Introdução à Economia 1 LISTA 5B GABARITO Conceitos importantes: 1) Macroeconomia keynesiana 2) Desemprego: modalidades e interpretações 3) Demanda agregada: consumo, poupança e gastos autônomos 4) Propensão Marginal a Consumir

Leia mais

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

Aula Orçamento de produção. Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br

Aula Orçamento de produção. Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br Aula Orçamento de produção Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Orçamento de produção tem a finalidade de determinar a quantidade de produtos que

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A busca por oportunidades iguais de trabalho e renda entre homens e mulheres é o foco de discussão entre grupos feministas em todos os países. A discriminação no campo de

Leia mais

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Macroeconomia Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Introdução Introdução A

Leia mais

Vestibular CESAMA 2005/2 1 19/06/2005

Vestibular CESAMA 2005/2 1 19/06/2005 Vestibular CESAMA 2005/2 1 19/06/2005 Prova Tipo 2 16/12/2007 2 CONHECIMENTOS GERAIS 01. Uma das questões mais importantes para a economia de um estado é o conceito de valor agregado ou produto da economia.

Leia mais

A Política Monetária no Modelo de Keynes

A Política Monetária no Modelo de Keynes A Política Monetária no Modelo de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR Disciplina Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: CARVALHO, F. J. C. et.

Leia mais

a) Bens não duráveis de consumo; b) Serviços de consumo; c) Bens de consumo e investimento. Marque a alternativa que complete os espaços acima:

a) Bens não duráveis de consumo; b) Serviços de consumo; c) Bens de consumo e investimento. Marque a alternativa que complete os espaços acima: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO ECONOMIA E SEMINÁRIOS GRUPO: ECONOMIA E SEMINÁRIOS DATA: HORÁRIO: NOME DO CANDIDATO:

Leia mais

A Macroeconomia de. Antony P. Mueller UFS antonymueller@gmail.com

A Macroeconomia de. Antony P. Mueller UFS antonymueller@gmail.com A Macroeconomia de Keynes e de Kalecki Antony P. Mueller UFS antonymueller@gmail.com Modelo básico de Keynes Y = C + I + G C = f(y) C = c0 + cy I = f(i) G = Ga Y = C (Y) + I (i) + Ga C = c0 + c1y I = S

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Economia Industrial Professor(es) Professor Doutor Agostinho Celso Pascalicchio Carga horária Teoria: 02 Prática: 00 Total:

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável São Paulo, FGV-SP, 10º Fórum de Economia, 30/09/2013 Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email:

Leia mais

Políticas Econômicas

Políticas Econômicas Políticas Econômicas Sem Mobilidade de Capital Política monetária e política fiscal em regime de câmbio fixo e em regime de câmbio flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Políticas monetária

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto Macroeconomia Prof. Regis Augusto Ely Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Fevereiro 2013 1 Componentes do produto O dispêndio total de uma economia corresponde à demanda agregada,

Leia mais

EPR-07932 Economia da Engenharia I Geral Quanto a microeconomia: Quanto a macroeconomia:

EPR-07932 Economia da Engenharia I Geral Quanto a microeconomia: Quanto a macroeconomia: CAMPUS: Goiabeiras CURSO: Engenharia Civil HABILITAÇÃO: não há OPÇÃO: não há DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Departamento de Engenharia de Produção IDENTIFICAÇÃO: CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO IDEAL

Leia mais

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 1 LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Produto potencial, produto efetivo e produtividade 2) Determinantes da produção e da produtividade de um país 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança,

Leia mais

E as condições internas?

E as condições internas? A ECONOMIA CAFEEIRA: do escravismo colonial ao trabalho assalariado. Profa. Ms. Joseney Rodrigues de Queiroz Dantas Departamento de Economia/CAMEAM/UERN Condições Históricas (externas) para a Expansão

Leia mais

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Macroeconomia Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM. Gilmar Ferreira Abril 2010 Introdução Introdução A teoria

Leia mais

1 Princípios econômicos

1 Princípios econômicos Princípios Econômicos Prof. Regis Augusto Ely Agosto de 2011 - Revisão Novembro 2012 1 Princípios econômicos Princípios 1 a 4: como os indivíduos tomam decisões (teoria do consumidor). Princípios 5 a 7:

Leia mais

Aula 5: Oferta e Demanda Agregada

Aula 5: Oferta e Demanda Agregada Aula 5: Oferta e Demanda Agregada Macroeconomia Modelo de Oferta e Demanda Agregada com Preços Flexíveis Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Modelo de Demanda Agregada Modelo de Demanda Agregada O modelo IS-LM

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 43- Janeiro/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em outubro de 2014, alta de 5,4% em relação ao

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2015 Roteiro Internacional Fim da onda de afrouxamento monetário? Mercado de trabalho forte nos EUA deve levar o Federal Reserve

Leia mais

Com uma nova realidade econômica, por que o Brasil ainda tem juros tão altos?

Com uma nova realidade econômica, por que o Brasil ainda tem juros tão altos? Com uma nova realidade econômica, por que o Brasil ainda tem juros tão altos? Recomendar! Por: Equipe InfoMoney 07/12/10-16h38 InfoMoney Nos últimos anos a situação econômica do País parece ter dado um

Leia mais

Crédito habitacional acelera o investimento residencial no país

Crédito habitacional acelera o investimento residencial no país 06 nov 2006 Nº 18 Crédito habitacional acelera o investimento residencial no país Por Leandro de M. Coutinho e Marcelo M. Nascimento Advogado da SAE e economista do BNDES Setor tem grande relevância para

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 1: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 1: Agregados Macroeconômicos Aula 1: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

Considerações sobre a Lei da Partilha. Adriano Pires Junho de 2015

Considerações sobre a Lei da Partilha. Adriano Pires Junho de 2015 Considerações sobre a Lei da Partilha Adriano Pires Junho de 2015 Mudanças propostas Extinguir a obrigatoriedade da Petrobras de ter um mínimo de 30% dos campos do pré-sal que vierem a ser leiloados no

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 26/03/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O instrumento governamental da desoneração tributária 1 Desoneração, preços e consumo Um dos principais

Leia mais

3 Padrões de troca de Polanyi

3 Padrões de troca de Polanyi 3 Padrões de troca de Polanyi Na obra de Karl Polanyi, duas grandes questões se destacam: (1) a relação da sociedade com a economia em sistemas primitivos e arcaicos; (2) o estudo da transformação ocorrida

Leia mais

Noções de Microeconomia

Noções de Microeconomia Noções de Microeconomia Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado: A Demanda e a Lei da Demanda; A Curva da Demanda; A Oferta e a Lei da Oferta; A Curva da Oferta; Equilíbrio de Mercado; Elasticidades. Introdução

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos Aula 2: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Abril 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 1 2 As Medidas do PAC se dividem em 5 categorias 1) Investimento em Infra-Estrutura 2) Estímulo ao Crédito e ao Financiamento 3) Desoneração

Leia mais

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização e Internacionalização 1 Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização A globalização é um processo de interação e integração entre as pessoas, empresas e governos de diferentes nações. Processo

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO ndicadores CN SSN 2317-7322 Ano 6 Número 3 Março de SONDAGEM NDÚSTRA DA CONSTRUÇÃO Nível de atividade da construção continua em queda A Sondagem ndústria da Construção de março de explicita o quadro de

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009 ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009 51- Considere as seguintes informações extraídas de um sistema de contas nacionais, em unidades monetárias: Poupança privada: 300 Investimento privado:

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Fevereiro, 2016 Roteiro Internacional Bancos centrais reagem; riscos permanecem Os principais bancos centrais estão reagindo à turbulência

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

As despesas primárias fora de controle

As despesas primárias fora de controle POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA As despesas primárias fora de controle Jedson César de Oliveira * José Luis Oreiro ** Entre as questões mais preocupantes atualmente no que tange a condução da política

Leia mais

Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação. Leonor Trovão, Novembro 2010 Orientador: Prof. Humberto Jorge

Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação. Leonor Trovão, Novembro 2010 Orientador: Prof. Humberto Jorge Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação Leonor Trovão, Novembro Orientador: Prof. Humberto Jorge Problemas ambientais com os transportes Introdução de veículos eléctricos Utilização

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Maio de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Maio de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

Presi-2004/264 Brasília, 19 de fevereiro de 2004. Senhor Ministro,

Presi-2004/264 Brasília, 19 de fevereiro de 2004. Senhor Ministro, Presi-/ Brasília, 19 de fevereiro de. Senhor Ministro, Encaminho a Vossa Excelência esta carta aberta em cumprimento do estabelecido no Decreto º 3., de 1 de junho de 1999, que instituiu o regime de metas

Leia mais

metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Gabinete do Ministro Observatório do Mercado de Trabalho Brasília, 12 de dezembro de 2003. PANORAMA DO MERCADO DE TRABALHO EM 2003 O ano de 2003 tem sido marcado por grandes dificuldades no mercado de

Leia mais

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências.

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências. Migrações - Mobilidade Espacial Externas, internas, causas e consequências. Classificação Internas: dentro de um país. Externas: de um país para outro. De retorno: de volta ao país de origem Imigração:

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS alimento tecido economia A 3 4 economia B 2 3 A tabela acima apresenta os coeficientes técnicos de horas de trabalho da mão de obra na produção de uma unidade de alimento e de uma unidade de tecido em

Leia mais

Desenvolvimento Econômico Parte VI

Desenvolvimento Econômico Parte VI Desenvolvimento Econômico Parte VI Microcrédito Produtivo Cepal Consenso de Washington Prof. Antonio Carlos Assumpção Microcrédito Produtivo PNMPO: Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado

Leia mais

ANÁLISE MENSAL - IPCA

ANÁLISE MENSAL - IPCA ANÁLISE MENSAL - IPCA Março/ 2015 O índice de inflação brasileiro do mês de março avançou 1,32% em relação ao mês anterior, taxa bastante pressionada e superior aos dois primeiros meses do ano de 2015,

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico

Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico 1 Nesta aula-tema, vamos estudar alguns conceitos básicos da ciência econômica, suas divisões e evolução história do

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Junho 2011

Cesta Básica. Boletim Junho 2011 Cesta Básica Boletim Junho 2011 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus aumentou quase 5%, de R$187,25 em maio para R$196,39 em junho (Tabela 1). A elevação no preço do tomate de 21,90% foi o que mais

Leia mais