Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA"

Transcrição

1 Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

2 Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção. Possui duas entidades básicas: o Consumidor e a Firma. A preservação de todas as características específicas de cada bem na análise, impede que algumas considerações mais gerais a respeito da evolução econômica possam ser efetuadas. Com o passar do tempo surgiu-se a necessidade de obtermos respostas um pouco mais rápidas e abrangentes.

3 Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Macroeconômica: Tem por objetivo fundamental analisar como são determinadas as variáveis econômicas de maneira agregada, reunindo todos os tipos de bens produzidos. Considerando uma economia fechada, ou seja, uma economia que não mantém relações com outros países, a Macroeconomia a observa como se ela fosse constituída por quatro mercados: o Mercado de Bens e Serviços, o Mercado de Trabalho, o Mercado Monetário e de Títulos e o Mercado Cambial.

4 Objetivos Mercado de Bens e Serviços: Agregação de todos os bens da economia; Nível geral de preços. Mercado de Trabalho: Agregação de todos os tipos de trabalho; Determinação da taxa salarial e nível de emprego.

5 Objetivos Mercado Monetário e de Títulos: Moeda; Agentes econômicos superavitários e deficitários; Mercado ideal: Agentes superavitários emprestam para os deficitários; Agregam-se todos os títulos.

6 Objetivos Mercado Cambial: Também chamado de Mercado da moeda estrangeira; Oferta e demanda de divisas; Taxa de câmbio: Preço da divisa em termos da moeda nacional.

7 Objetivos Pode-se resumir os objetivos da análise Macroeconômica como sendo o de estudar como se determinam as seguintes variáveis agregadas: nível geral de preços, nível de produto, taxa de salários, nível de emprego, taxa de juros, quantidade de moeda, preço e quantidade de títulos, taxa de câmbio e quantidade de divisas.

8 Estuda / analisa a economia do país como um todo, é quem irá delinear uma política econômica para se atingir objetivos positivos para a economia e combater seus maus. Estuda as relações entre os grandes agregados: Renda Nacional; Nível de Emprego; Nível de Preços; Consumo; Poupança; Exportações; Investimentos Totais.

9 PIB, Produto Interno Bruto ou Produto Agregado: A mais conhecida dessas agregações é o PIB, que é o somatório de todos os bens produzidos na economia. Nível Geral de Preços: É o preço do Produto Agregado, é uma média de todos os preços produzidos. Mercado de trabalho: É a agregação de todos os tipos de trabalhos existentes, de onde se obtém duas variáveis macroeconômicas, a taxa salarial e o nível de emprego.

10 METAS da política Macroeconômica:

11 METAS da política Macroeconômica: Alto Nível de Emprego: Quando se tem a maioria da força de trabalho operando, o país tende a ter uma maior produção do PIB, do que se tivesse uma grande parte sem trabalho, ociosa. Inflação / Estabilidade de Preços: É definido como uma aumento contínuo e generalizado do nível geral de preços, o que provoca uma perda do poderá aquisitivo da moeda, gera distorções de toda ordem no sistema econômico. Gera: a) uma piora na distribuição de renda, pois os mais pobres possuem mais dificuldades de se protegerem da inflação e; b) uma incerteza sobre o futuro, o que desestimula os investimentos produtivos.

12 METAS da política Macroeconômica: Distribuição de Renda Socialmente Justa: A distribuição de renda resultante da atividade econômica pode não a desejada, o que pode levar o Governo a intervir por meio de impostos, subsídios e transferências, no sentido de fazer ajustes e tornar a distribuição mais justa e equitativa. Crescimento Econômico: É o aumento da capacidade produtiva da economia, na produção de bens e serviços. Quando maior o Produto Agregado da economia, mais rica é a sociedade. Para atingir essas metas, o governo deve atuar sobre a capacidade produtiva e sobre as despesas da sociedade.

13 RECOMEÇA AQUI Instrumentos de Políticas Macroeconômicas: Política Fiscal; Política Monetária; Políticas Cambial e Comercial; Política Fiscal: Decisões do Governo sobre GASTOS e TRIBUTOS. As variações nos GASTOS públicos podem ocorrer em Consumo e Investimentos do Governo. Já os tributos podem serem sentidos a partir dos aumentos ou redução dos Impostos.

14 Instrumentos de Políticas Macroeconômicas: Política Fiscal; Política Monetária; Políticas Cambial e Comercial; Política Monetária: Decisões do Governo sobre a QUANTIDADE DE MOEDA, CRÉDITO e da TAXA DE JUROS. A taxa de juros é na atualidade a principal política monetária, tendo como objetivo primordial a inflação baixa.

15 Instrumentos de Políticas Macroeconômicas: Política Fiscal; Política Monetária; Políticas Cambial e Comercial; Política Cambial: São ações que busca afetar a taxa de câmbio, que se refere ao valor de troca da moeda brasileira em relação às moedas de outros países. Política Comercial: Esta trata dos estímulos às exportações e do desestímulo às importações, que podem acontecer via tarifas, créditos ou via cotas.

16 Entendendo os Modelos Macroeconômicos: Elementos: Famílias e Empresas

17 Entendendo os Modelos Macroeconômicos: Elementos: Famílias e Empresas A Atividade produtiva requer fatores produtivos (terra, capital e trabalho); Para que as firmas possam utilizar esses fatores, elas têm que pagar por eles. (pagar às famílias, detentores desses fatores). As firmas utilizam os fatores de produção adquiridos e produzem bens e serviços.

18 Representa a Renda das Famílias Macroeconomia Entendendo os Modelos Macroeconômicos: Elementos: Famílias e Empresas Remuneração Pagas Pelas Firmas às Famílias (pela utilização dos fatores de produção terra, capital e Trabalho). Salários (w) (remuneração do fator trabalho) Juros (j) (remuneração do capital monetário) Lucros (I) (remuneração do risco do empresário) Aluguéis (a) (remuneração do capital fixo)

19 Entendendo os Modelos Macroeconômicos: Elementos: Famílias e Empresas Produto Agregado Soma de todos os bens e serviços produzidos na economia em determinado período de tempo. Demanda Agregada Despesas das famílias com bens e serviços produzidos pelas firmas. Com o dinheiro que as firmas recebem com a venda desses bens e serviços, utiliza-se para as que firmas possam pagar pelos fatores de produção. (pagar às famílias, detentores desses fatores).

20 RECEITA DA VENDA DE BENS E SERVIÇOS OFERTA DE BENS E SERVIÇOS O FLUXO CIRCULAR DE RENDA MERCADO DE BENS E SERVIÇOS EMPRESAS VENDEM FAMÍLIAS COMPRAM p q DEMANDA POR BENS E SERVIÇOS BENS E SERVIÇOS ADQUIRIDOS PRODUTO AGREGADO DEMANDA AGREGADA EMPRESAS VENDEM BENS E SERVIÇOS COMPRAM SERVÇOS DE FATORES INSUMOS PARA A PRODUÇÃO ADQUIRIDOS DEMANDA POR FATORES DE PRODUÇÃO p Sistema de preços q MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO FAMÍLIAS VENDEM EMPRESAS COMPRAM FATORES DE PRODUÇÃO OFERTA DE SERVIÇOS DE FATORES DE PRODUÇÃO TERRA, TRABALHO E CAPITAL RENDIMENTOS DE FATORES SALÁRIOS, LUCROS E ALUGUÉIS FAMÍLIAS COMPRAM BENS E SERVIÇOS VENDEM SERVIÇOS DE FATORES RENDA AGREGADA

21 Fluxo Circular da Renda As empresas também investem em bens de capital, que são bens que produzem outros bens (máquinas, equipamentos, etc.). POUPANÇA (Famílias) RENDA GASTOS POUPANÇA Parte da renda também podem ser divididas em Gastos e a parte que não for consumida será a poupança.

22 Fluxo Circular da Renda Governo ARRECADAÇÃO DESPESAS SUPERÁVIT DESPESAS DÉFICIT Comércio Exterior Compras e vendas feitas com o exterior, ou seja, compras e vendas feitas com outros países.

23 MERCADO DE BENS E SERVIÇOS EMPRESAS VENDEM FAMÍLIAS COMPRAM DEMANDA POR BENS E SERVIÇOS BENS E SERVIÇOS ADQUIRIDOS PRODUTO AGREGADO DEMANDA AGREGADA Vazamentos e Injeções: Vazamentos: Poupança (S); Impostos (T); Importações (M). MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO EMPRESAS COMPRAM FATORES DE PRODUÇÃO OFERTA DE SERVIÇOS DE FATORES DE PRODUÇÃO TERRA, TRABALHO E CAPITAL RENDIMENTOS DE FATORES SALÁRIOS, LUCROS E ALUGUÉIS FAMÍLIAS COMPRAM BENS E SERVIÇOS VENDEM SERVIÇOS DE FATORES FAMÍLIAS VENDEM RENDA AGREGADA Injeções: Investimento (I); Gastos do Governo (G); Exportações (X).

24 MERCADO DE BENS E SERVIÇOS EMPRESAS VENDEM FAMÍLIAS COMPRAM DEMANDA POR BENS E SERVIÇOS BENS E SERVIÇOS ADQUIRIDOS PRODUTO AGREGADO FATORES DE PRODUÇÃO OFERTA DE SERVIÇOS DE FATORES DE PRODUÇÃO TERRA, TRABALHO E CAPITAL DEMANDA AGREGADA FAMÍLIAS COMPRAM BENS E SERVIÇOS VENDEM SERVIÇOS DE FATORES RENDA AGREGADA FAMÍLIAS VENDEM MERCADO DE FATORES RENDIMENTOS DE PRODUÇÃO DE FATORES SALÁRIOS, EMPRESAS COMPRAM LUCROS E ALUGUÉIS Vazamentos e Injeções: Vazamentos: Poupança (S); Impostos (T); Importações (M). Poupança (S): É a parcela da renda que não foi gasta com o consumo. Investimento (I): São Gastos que visam aumentar a capacidade produtiva da economia. Injeções: Investimento (I); Gastos do Governo (G); Exportações (X).

25 Identidade Macroeconômica Básica PRODUTO AGREGADO (Y) O valor de todos os bens e serviços produzidos em uma economia. = DEMANDA AGREGADA (DA) Gasto total da população com bens e serviços. = RENDA AGREGADA (Y) Valor de todos os rendimentos recebidos pela população.

26 Identidade Macroeconômica Básica PRODUTO AGREGADO (Y) O valor de todos os bens e serviços produzidos em uma economia. = DEMANDA AGREGADA (DA) Gasto total da população com bens e serviços. = RENDA AGREGADA (Y) Valor de todos os rendimentos recebidos pela população.

27 T. D. da Renda e Produto Nacional Demanda agregada DA Constitui-se nos gastos da coletividade y d = Consumo (C) + Investimento (I) + Despesas Governamentais (G) + Exportações (X) DA = C + I + G + X

28 T. D. da Renda e Produto Nacional Oferta agregada Qt. Que os produtores desejam vender no mercado OA = Renda Nacional = Produto Nacional Real Oferta Agregada é igual ao produto agregado Y + as importações M. OA = Y + M

29 T. D. da Renda e Produto Nacional Igualando a: Demanda Agrega DA = Oferta agregada OA DA = C + I + G + X = OA = Y + M Y + M = C + I + G + X Demanda Agrega Interna ou Produto Agregado Interno (Y) Y = C + I + G + X - M

30 Flutuações de Curto Prazo:

31 Flutuações de Curto Prazo:

32 O que o Governo deve fazer para economia crescer?

33 O que o Governo deve fazer para aumentar a oferta da economia Ou seja, a produção? O Governo pode também aumentar os gastos do Governo (G). Cuidado: Não aumentar muito suas dívidas para não aumentar as taxas de juros e assim diminuir os investimentos provados.

34

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Prof. Francisco Mariotti CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Microeconomia. 1.1 Demanda do Consumidor.1.1.1 Preferências. 1.1.2 Equilíbrio do consumidor.

Leia mais

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo.

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. São derivados de

Leia mais

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro

LISTA 5A. 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 1 LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Produto potencial, produto efetivo e produtividade 2) Determinantes da produção e da produtividade de um país 3) Financiamento do investimento: poupança 4) Poupança,

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 1: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 1: Agregados Macroeconômicos Aula 1: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

Economia. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Determinação do Nível de Renda e Produto Nacionais: o Mercado de Bens e Serviços.

Economia. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Determinação do Nível de Renda e Produto Nacionais: o Mercado de Bens e Serviços. Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 13: Determinação do Nível de Renda e Produto Nacionais: o Mercado de Bens e Serviços Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte

Leia mais

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto

Macroeconomia. Prof. Regis Augusto Ely. Fevereiro 2013. 1 Componentes do produto Macroeconomia Prof. Regis Augusto Ely Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Fevereiro 2013 1 Componentes do produto O dispêndio total de uma economia corresponde à demanda agregada,

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos Aula 2: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Abril 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS

Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS Aulas 3-6 MACROECONOMIA X CONTAS NACIONAIS Macroeconomia: explica

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos

Aula 01 Balanço de Pagamentos Aula 01 Balanço de Pagamentos 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores: 200 Importações

Leia mais

Administração AULA- 8. Macro Economia - Políticas. Prof. Isnard Martins. Bibliografia:

Administração AULA- 8. Macro Economia - Políticas. Prof. Isnard Martins. Bibliografia: Administração AULA- 8 Macro Economia - Políticas Prof. Isnard Martins Bibliografia: Rosseti J. Introdução à Economia. Atlas 2006 Garcia e Vasconcelos Fundamentos de Economia, Saraiva 2007 1 Isnard Martins

Leia mais

Análise Macroeconômica. AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel

Análise Macroeconômica. AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel Análise Macroeconômica AULA 1 Prof. Vladimir Fernandes Maciel Programação Estrutura da Disciplina Introdução O ciclo de negócios; Fluxo circular da renda; Variáveis macroeconômicas. Estrutura da Disciplina

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009 ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS Receita Federal 2009 51- Considere as seguintes informações extraídas de um sistema de contas nacionais, em unidades monetárias: Poupança privada: 300 Investimento privado:

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

Contabilidade Social

Contabilidade Social Contabilidade Social Prof. Regis Augusto Ely Agosto de 2011 - Revisão Novembro de 2012 1 Contabilidade Social A contabilidade social, ou nacional, é um instrumental que permite mensurar a totalidade das

Leia mais

Contas Nacionais. Professor Gilmar Ferreira Curso de Exercícios de Macroeconomia - ESAF

Contas Nacionais. Professor Gilmar Ferreira Curso de Exercícios de Macroeconomia - ESAF Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF - 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Investimento bruto total: 700 Depreciação: 30 Déficit do balanço de pagamentos

Leia mais

Fundamentos da Ciência Econômica MÓDULO III - FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Ao final do estudo deste módulo, esperamos que você possa:

Fundamentos da Ciência Econômica MÓDULO III - FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Ao final do estudo deste módulo, esperamos que você possa: Fundamentos da Ciência Econômica MÓDULO III - FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Ao final do estudo deste módulo, esperamos que você possa: Entender em que se baseia a política macroeconômica, suas metas e os

Leia mais

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado

Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva. Economia e Mercado Unidade 1 Aula 3 Profª. Mariana Cristina Silva Economia e Mercado Conceitos Seja em nosso cotidiano, seja nos jornais, rádio e televisão, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, como: -Aumentos

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos CAPITULO 6 Rendimentos e repartição dos rendimentos A actividade produtiva e a formação de rendimentos A repartição funcional dos rendimentos A repartição pessoal dos rendimentos A redistribuição dos rendimentos

Leia mais

LFG MAPS. Conceitos fundamentais 6 questões

LFG MAPS. Conceitos fundamentais 6 questões ECONOMIA Nível de importância Tema QTDE de Questões Porcentagem % 1 Conceitos fundamentais 6 27% 2 Estrutura de mercado 5 23% 3 Determinação das curvas de procura 3 14% 4 Política fiscal e monetária 2

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Profa. Lérida Malagueta

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Profa. Lérida Malagueta Unidade III ECONOMIA E MERCADO Profa. Lérida Malagueta Macroeconomia É a parte da economia que estuda o comportamento da economia como um todo, por meio de preços e quantidades absolutas. Busca analisar,

Leia mais

EPR-07932 Economia da Engenharia I Geral Quanto a microeconomia: Quanto a macroeconomia:

EPR-07932 Economia da Engenharia I Geral Quanto a microeconomia: Quanto a macroeconomia: CAMPUS: Goiabeiras CURSO: Engenharia Civil HABILITAÇÃO: não há OPÇÃO: não há DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Departamento de Engenharia de Produção IDENTIFICAÇÃO: CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO IDEAL

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 020018 4º 4 Semanal Mensal 4 60 Nome da Disciplina Análise Macroeconômica I Curso Ciências Econômicas Conceitos básicos dos modelos econômicos. Contas nacionais.

Leia mais

Macroeconomia aberta: conceitos básicos

Macroeconomia aberta: conceitos básicos Macroeconomia aberta: conceitos básicos Roberto Guena de Oliveira USP 22 de outubro de 2012 Roberto Guena de Oliveira (USP) Macro aberta: conceitos básicos 22 de outubro de 2012 1 / 25 Sumário 1 Fluxos

Leia mais

Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia. 2. Pensando como um Economista. Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia

Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia. 2. Pensando como um Economista. Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia 2. Pensando como um Economista Todo Campo de Estudo Tem a Sua Terminologia Matemática Axiomas, integral, espaço vetorial, etc.. Psicologia Ego, id, cognitivo, etc... Advocacia Intimação, habeas corpus,

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 52 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os desafios econômicos em 2015 1 Indicadores macroeconômicos ruins A Presidente Dilma Rouseff

Leia mais

Gilmar Ferreira Maio de 2010

Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos de déficits e divida pública ECONOMIA DO SETOR PUBLICO Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos acima da linha (calculado pelo Tesouro): a) Déficit Nominal: Gastos totais Receitas total b) Déficit

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 24 Tabelas Comparativas (versão para informação e comentários)

Leia mais

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional De acordo com o material estudado, responda as seguintes questões a seguir. 1. Identifique nas frases

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Economia Industrial Professor(es) Professor Doutor Agostinho Celso Pascalicchio Carga horária Teoria: 02 Prática: 00 Total:

Leia mais

Conceito: Balanço de Pagamento. Conceito: Balanço de Pagamento. Aula 1: Balanço Pagamentos e Câmbio. O Balanço de Pagamentos no Brasil

Conceito: Balanço de Pagamento. Conceito: Balanço de Pagamento. Aula 1: Balanço Pagamentos e Câmbio. O Balanço de Pagamentos no Brasil Aula 1: Balanço Pagamentos e Câmbio Macroeconomia O Balanço de Pagamentos no Brasil Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Conceito: Balanço de Pagamento O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Unidade I ECONOMIA E MERCADO Apresentação Inúmeras questões econômicas: preços; desemprego; salários; câmbio; taxa de juros; impostos. Conceito de economia oikos (casa) do grego:

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Coordenação de Contas Nacionais Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2011 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres

Leia mais

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil

Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil Conceito Âncoras Nominais e Metas de Inflação no Brasil A combinação explosiva entre inflação e recessão verificada em nível mundial durante os anos 70 motivou um interesse crescente em entender a dinâmica

Leia mais

Modelo Keynesiano Simples

Modelo Keynesiano Simples Modelo Keynesiano Simples 1. (ESAF) Considere: Y = C(Y) + I + G + X - M(Y) C(Y) = Co + 0,7.Y M(Y) = Mo + 0,5.Y I = 700 G = 200 X = 300 Co = 500 Mo = 100 Onde Y = produto; I = investimento; G = gastos do

Leia mais

Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira

Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira Resenha Economia & Comércio 2 Celeste Cristina Machado Badaró 05 de março de 2008 Banco Central anuncia novo status da dívida externa brasileira

Leia mais

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável São Paulo, FGV-SP, 10º Fórum de Economia, 30/09/2013 Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email:

Leia mais

USO DO CRÉDITO NAS COMPRAS DE AUTOMÓVEIS E ELETRODOMÉSTICOS

USO DO CRÉDITO NAS COMPRAS DE AUTOMÓVEIS E ELETRODOMÉSTICOS USO DO CRÉDITO NAS COMPRAS DE AUTOMÓVEIS E ELETRODOMÉSTICOS Pesquisa realizada pelo SPC Brasil e a CNDL, divulgada recentemente, mostrou que há uma relação direta entre inadimplência e fatores característicos

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais

Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais Aula 01 Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores:

Leia mais

A Palavra Economia... 1. Dez Princípios de Economia. Uma Casa e a Economia Enfrentam... Correlação x Causa. Decisões. Escassez... Decisões?

A Palavra Economia... 1. Dez Princípios de Economia. Uma Casa e a Economia Enfrentam... Correlação x Causa. Decisões. Escassez... Decisões? 1. Dez Princípios de Economia A Palavra Economia... Vem do grego, aquele que governa a sua casa Uma Casa e a Economia Enfrentam... Decisões? Decisões? Decisões? Decisões? Correlação x Causa Correlação:

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Disciplina Economia. Inflação. Inflação. Inflação e Desemprego. Conceito de inflação e Desemprego Profa. MS Juliana Flávia Palazzo da Costa Conceito de inflação pode ser definida como o aumento contínuo, persistente e generalizado do nível de preços. Quando o problema se torna crônico

Leia mais

Conceito: Balanço de Pagamento. Conceito: Balanço de Pagamento. Aula 1: Balanço Pagamentos e Câmbio. O Balanço de Pagamentos no Brasil

Conceito: Balanço de Pagamento. Conceito: Balanço de Pagamento. Aula 1: Balanço Pagamentos e Câmbio. O Balanço de Pagamentos no Brasil Aula 1: Balanço Pagamentos e Câmbio Macroeconomia O Balanço de Pagamentos no Brasil Gilmar Ferreira Março 2010 Conceito: Balanço de Pagamento O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das

Leia mais

Macroeconomia da Economia Aberta. Antony Mueller UFS Dezembro 2011

Macroeconomia da Economia Aberta. Antony Mueller UFS Dezembro 2011 Macroeconomia da Economia Aberta Antony Mueller UFS Dezembro 2011 Equilíbrio da economia fechada Y = C + I + G Y = C + T + SPR I + G = T + SPR I = (T G) + SPR T G = SGOV S = SPR + SGOV I = S Equilíbrio

Leia mais

Aula 26 - TP002 - Economia 31 /05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) continuação...

Aula 26 - TP002 - Economia 31 /05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) continuação... Aula 26 - TP002 - Economia 31 /05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) continuação... PASSOS PARA ACERTAR O QUE ACONTECE COM O MODELO QUANDO ALTERAMOS ALGUMA VARIÁVEL E IR BEM NA PROVA: 1- QUAL(IS) DA(S) CURVA(S)

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO Manuel Alcino Ribeiro da Fonseca THOMSON * Austrália Brasil Canadá Cingapura Espanha Estados Unidos México Reino Unido D D D Prefácio Introdução XI XIII PARTE 1

Leia mais

Políticas Econômicas

Políticas Econômicas Políticas Econômicas Sem Mobilidade de Capital Política monetária e política fiscal em regime de câmbio fixo e em regime de câmbio flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Políticas monetária

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 24 abril de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico O instrumento governamental da desoneração tributária 1 Desoneração, preços e consumo Um dos principais

Leia mais

Tema 3: Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado. Objetivos. Relembrando

Tema 3: Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado. Objetivos. Relembrando Tema 3: Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado Profa. Ma. Renata M. G. Dalpiaz Objetivos Entender o funcionamento da demanda de determinado bem ou serviço e seu relacionamento com a oferta. Compreender

Leia mais

A Macroeconomia de. Antony P. Mueller UFS antonymueller@gmail.com

A Macroeconomia de. Antony P. Mueller UFS antonymueller@gmail.com A Macroeconomia de Keynes e de Kalecki Antony P. Mueller UFS antonymueller@gmail.com Modelo básico de Keynes Y = C + I + G C = f(y) C = c0 + cy I = f(i) G = Ga Y = C (Y) + I (i) + Ga C = c0 + c1y I = S

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 2 - AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O objetivo deste capítulo

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais

Centro de Competência de Ciências Sociais Centro de Competência de Ciências Sociais PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA PARA A PROVA DE ECONOMIA

Leia mais

Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira

Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira Resumo Aula-tema 06: O Setor Externo da Economia Brasileira Esta aula-tema busca um maior entendimento da história do desenvolvimento do setor externo da economia brasileira a partir do ano de 1968, quando

Leia mais

DECOMTEC Departamento de Competitividade e Tecnologia

DECOMTEC Departamento de Competitividade e Tecnologia Departamento de Competitividade e Tecnologia Custo Brasil e câmbio valorizado: Efeitos na produtividade da Indústria de Transformação José Ricardo Roriz Coelho Vice Presidente da FIESP Diretor Titular

Leia mais

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE

CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO CAI 2,3% NO TRIMESTRE O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) apresentou queda de 2,3% no trimestre finalizado em julho, em relação ao mesmo período do ano passado.

Leia mais

Investimentos, Endividamento Público e Crescimento Econômico

Investimentos, Endividamento Público e Crescimento Econômico IPEA / DIMAC-GAP 05/2009 Roberto Pires Messenberg Investimentos, Endividamento Público e Crescimento Econômico I Aspectos Conceituais A questão da sustentabilidade da política fiscal deve ser avaliada

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: A Macroeconomia do Setor Externo: Uma Introdução

Resumo Aula-tema 04: A Macroeconomia do Setor Externo: Uma Introdução 1 Resumo Aula-tema 04: A Macroeconomia do Setor Externo: Uma Introdução Vimos até agora o quanto a globalização mudou os rumos dos negócios internacionais, promovendo o aumento das transações comerciais

Leia mais

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015 Três Coroas Mesorregião: Metropolitana de Porto Alegre - Microrregião: Gramado-Canela Área territorial: 185,54 Km2 - Produto Interno Bruto (2013): R$ 776.096.963,00

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS Aula 1 Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br Blog: keillalopes.wordpress.com

Leia mais

LISTA 5B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 5B Introdução à Economia 1

LISTA 5B GABARITO ANOTAÇÕES. Lista de Exercícios 5B Introdução à Economia 1 LISTA 5B GABARITO Conceitos importantes: 1) Macroeconomia keynesiana 2) Desemprego: modalidades e interpretações 3) Demanda agregada: consumo, poupança e gastos autônomos 4) Propensão Marginal a Consumir

Leia mais

OS AGENTES ECONÓMICOS E AS SUAS RELAÇÕES

OS AGENTES ECONÓMICOS E AS SUAS RELAÇÕES OS AGENTES ECONÓMICOS E AS SUAS RELAÇÕES Cristina Maria Jesus Carvalho Aluno Nº 21130375 Leonor Carmona Ribeiro Aluno Nº 21140297 RESUMO: Os Agentes Económicos e as suas relações estão representados num

Leia mais

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000)

LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS. Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) LEIS DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS Metas e Projeções Fiscais para Governo Central ( art. 4º, 1º da Lei Complementar nº 101, de 2000) Discriminação 2001 2002 2003 Valor % PIB Valor % PIB Valor % PIB I. RECEITA

Leia mais

MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA: ANÁLISE E PERSPECTIVAS

MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA: ANÁLISE E PERSPECTIVAS MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA: ANÁLISE E PERSPECTIVAS Luiz Fernando de Paula Equipe: Fernando Ferrari Filho, Rogério Sobreira, João Adelino de Faria, Paulo Saraiva e Aline Gomes Seminário Perspectivas da

Leia mais

Desemprego e Inflação 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre Inflação e Desemprego

Desemprego e Inflação 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre Inflação e Desemprego e 33. O Tradeoff, no Curto Prazo, entre e taxa natural de depende das características de cada tipo de mercado: Salário mínimo Poder dos sindicatos teoria dos salários eficientes facilidade, ou não, de

Leia mais

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica.

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. Marcos Paulo Novais Silva José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho analisa a pesquisa Contas Satélite de Saúde 2005-2007, divulgada

Leia mais

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Macroeconomia Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM. Gilmar Ferreira Abril 2010 Introdução Introdução A teoria

Leia mais

PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA. CARGA HORÁRIA TOTAL: 72hs TEORIA: 72hs PRÁTICA:

PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA. CARGA HORÁRIA TOTAL: 72hs TEORIA: 72hs PRÁTICA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: DCC PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA SIGLA:

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 06/A. Constitui-se num instrumento de redução do efeito multiplicador dos meios de pagamentos:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 06/A. Constitui-se num instrumento de redução do efeito multiplicador dos meios de pagamentos: 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 06/A QUESTÃO 16 Constitui-se num instrumento de redução do efeito multiplicador dos meios de pagamentos: a) Um aumento da taxa de juros no mercado de capitais.

Leia mais

Segunda Parte: Economia aberta

Segunda Parte: Economia aberta TEORIA MACROECONÔMICA II ECO1217 Aula 11 Professores: Dionísio Dias Carneiro Márcio Gomes Pinto Garcia 18/04/2006 1 Segunda Parte: Economia aberta Objetivo: estudar os fenômenos macroeconômicos (descrever

Leia mais

Conselho de Administração do FMI Conclui a Consulta do Artigo IV de 2012 com o Brasil

Conselho de Administração do FMI Conclui a Consulta do Artigo IV de 2012 com o Brasil Nota de Informação ao Público (PIN) n 12/84 PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 20 de julho de 2012 Fundo Monetário Internacional 700 19 th Street, NW Washington, D. C. 20431 EUA Conselho de Administração do FMI

Leia mais

Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex

Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

Carreira Policial. NOÇÕES DE MACROECONOMIA Aula 3

Carreira Policial. NOÇÕES DE MACROECONOMIA Aula 3 NOÇÕES DE MACROECONOMIA Aula 3 4. Conceito e finalidade da macroeconomia. Macroeconomia é a parte da economia que estuda os fenômenos que afetam a economia como um todo, envolvendo: O consumo das famílias,

Leia mais

Exercícios de Macro III

Exercícios de Macro III Acadêmico(a): Disciplina: Macroeconomia III Semestre: 5º Professor: Felipe Ferraz Vazquez Exercícios de Macro III Lista 01: Blanchard (Cap. 10 e 11) e Jones (até o item 2.2) Atenção: Esta lista foi montada

Leia mais

Economia II. A medição dos principais agregados macroeconómicos. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007

Economia II. A medição dos principais agregados macroeconómicos. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007 Economia II A medição dos principais agregados macroeconómicos Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes Setembro 2007 1 Introdução à Contabilidade Nacional 2 Diversos índices de preços Fluxo circular

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Conhecimentos Básicos em Administração Financeira: Fundamentos e Técnicas; Orçamento e Controle de Custos Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Bancários

Leia mais

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Macroeconomia Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Introdução Introdução A

Leia mais

Conceitos Básicos A função BP. O Mercado Cambial. Março 2014

Conceitos Básicos A função BP. O Mercado Cambial. Março 2014 O Mercado Cambial Março 2014 1 Conceitos Básicos 2 A Função BP e a Taxa de Câmbio Representação Gráfica da Função BP Balança de Pagamentos (BP): documento onde se contabilizam as entradas e as saídas de

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 21 The Effects of Changes in Foreign

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS GERAIS DA ECONOMIA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS GERAIS DA ECONOMIA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS GERAIS DA ECONOMIA 1. PGE Segundo Samuelson (1979), vê-se que a ciência econômica procura estudar e responder a um grande problema: o da escassez de recursos comparado

Leia mais

Economia Brasileira: performance e perspectivas

Economia Brasileira: performance e perspectivas 1 Economia Brasileira: performance e perspectivas DEPECON / FIESP Janeiro de 2005. Ano PIB Total PIB Industrial 1990-4,35-8,18 1991 1,03 0,26 1992-0,54-4,22 2004: 1993 4,92 7,01 1994 5,85 6,73 1995 4,22

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico

Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico Resumo Aula-tema 01: Ciência econômica conceitos e correntes de pensamento econômico 1 Nesta aula-tema, vamos estudar alguns conceitos básicos da ciência econômica, suas divisões e evolução história do

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica Engenharia Econômica Aula 1: Conceitos Básicos Lucas Motta Universidade Federal de Pernambuco 23 de Março de 2015 Engenharia Econômica Definição Trata-se de um estudo econômico e financeiro de um projeto,

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009

Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009 Crise financeira mundial e a América Latina Colóquio Internacional O Capitalismo com dominância financeira, IE-UNICAMP, outubro 2009 Luiz Fernando de Paula Professor da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 2007

Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 2007 Conta Financeira é Responsável por 96,6% da Entrada de Dólares em 7 Valorização Cambial não está relacionada ao setor real da economia Diante da superoferta de dólares com a qual convive a economia brasileira,

Leia mais

a) Bens não duráveis de consumo; b) Serviços de consumo; c) Bens de consumo e investimento. Marque a alternativa que complete os espaços acima:

a) Bens não duráveis de consumo; b) Serviços de consumo; c) Bens de consumo e investimento. Marque a alternativa que complete os espaços acima: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO ECONOMIA E SEMINÁRIOS GRUPO: ECONOMIA E SEMINÁRIOS DATA: HORÁRIO: NOME DO CANDIDATO:

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Maio de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Maio de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

INF1374 TRABALHO EM GRUPO

INF1374 TRABALHO EM GRUPO INF1374 TRABALHO EM GRUPO Deverão ser formadas quatro duplas. Cada dupla irá trabalhar a montagem de um data mart temático com base nos diagramas dos sistemas OLTP existentes na empresa e dos requisitos

Leia mais

Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips

Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips Aula 03 - Modelo Clássico e Curva de Phillips 1. (GESTOR- 2002) Considerando, para um determinado período, uma taxa real de juros de 5% e uma taxa de inflação de 20%, a respectiva taxa nominal de juros,

Leia mais

10 anos de câmbio flutuante no Brasil. Senhoras e senhores,

10 anos de câmbio flutuante no Brasil. Senhoras e senhores, 10 anos de câmbio flutuante no Brasil Senhoras e senhores, 1. É uma honra participar hoje desta cerimônia que comemora o 10 o aniversário do regime de câmbio flutuante no Brasil. Ontem, dia 18 de janeiro,

Leia mais

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM

Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Aula 3: Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: Modelos IS/LM Macroeconomia Modelos de Determinação de Renda de Curto Prazo: modelos keynesiano e modelos IS/LM. Gilmar Ferreira Abril 2010 Introdução

Leia mais

A Política Monetária no Modelo de Keynes

A Política Monetária no Modelo de Keynes A Política Monetária no Modelo de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR Disciplina Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: CARVALHO, F. J. C. et.

Leia mais

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII CNPJ nº 13.012.312/0001-67 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do Fundo O Salus Fundo

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS

CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS CONTROLE DE GASTOS PÚBLICOS RESULTA EM MENOR TAXA DE JUROS 24 de Julho de 2008 SUMÁRIO EXECUTIVO: O Conselho de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BC) definiu ontem (23 de Junho) o

Leia mais