Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira"

Transcrição

1 Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Paulo Tafner São Paulo Março de 216.

2 Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira (% do PIB) Previdência Social Brasileira (% do PIB) INSS (% PIB) Receita 6,1 Despesa 7,1 Resultado 1, Servidores - União Receita,5 Despesa 1,7 Resultado 1,2 Servidores - Estados e Municipios Receita 1,2 Despesa 2,1 Resultado,9 Resultado agregado Receita 7,8 Despesa 1,9 Resultado 3,1 Fonte: MPOG, MPAS, STN.

3 % PIB Previdência Social Os fatos Gráfico 1 Despesa com pagamento de benefícios (% PIB) , 7, 6, 5,5 5,6 5,6 5,9 6, 6,4 6,5 6,6 6,7 6,5 6,3 6,7 6,5 6,6 6,5 6,7 7,1 5, 4,3 4,9 4,9 4,6 4,8 5, 4, 3,4 3, 2, 1,7 2, 2,1 2, 2, 2,1 2,2 2,1 2,2 2,1 2,1 2,1 2, 2, 1,9 1,9 2, 1,9 1,9 1,7 1,7 1,7 1,,9 1,1, Fonte: MPOG, MPAS, STN e TCU. RGPS RPPS - União

4 (% do PIB) Previdência Social Os fatos Gráfico 2 Evolução das Despesas Previdenciárias Brasil (U+E+M) 14, 12, 1, 8, 6, 4, 2,, Fonte: MPOG, MPAS, STN. Despesa total RGPS (a) RPPS (b) (a). Inclui LOAS e RMV; (b). União, Estados e Municípios

5 Gastos com Previdência O que deve ser G a s t o c o m o A L T O Países com população jovem e gasto alto Países com população idosa e gasto alto p r o p o r ç ã o d o B A I X O Trajetória dos países Países com população jovem e gasto baixo Países com população idosa e gasto baixo P I B Países com população jovem Perfil etário da população Países com população idosa

6 Previdência Social Brasil: os fatos País jovem com gasto elevado

7 Por que gastamos demais? São diversos os fatores que determinam esse excessivo gasto no Brasil. Os principais fatores são: Incentivos inadequados: Regras de elegibilidade; Regras de fixação do valor do benefício; Acumulação de benefícios. Mudança demográfica; Indexação do benefício ao salário mínimo;

8 O Efeito do SM O SM indexa mais de 6% dos benefícios e mais de 4% dos gastos com Seguridade no Brasil

9 O Efeito do SM Ano Benefícios de 1 SM % quantidade % valor 2 63, 33, 21 63,9 35, , 34, ,3 34, ,9 34, ,9 36, ,9 39, 27 64,3 4, ,3 4, ,3 41, ,8 41, ,4 41, ,8 43, , 43, ,3 44,3 Em 14 anos cresceu,2%, uma média anual de 2,1%

10 O Efeito do SM Isso significa que tudo mais constante 1% de aumento real do SM implica em,44% real do gasto com benefícios. E isso tende a crescer...

11 Como são os gastos no Brasil? Tabela 3 Gastos para diversos anos (R$ milhões) /a Grupos de espécie Variação % (93/213) Taxa de crescimento médio anual TOTAL 1.537, , , ,25 3,3 7,9 BENEFÍCIOS DO RGPS , , , ,63 228,2 6,83 PREVIDENCIÁRIOS 92.3, , , ,65 229, 6,84 Aposentadorias , , , ,19 217,1 6,62 Tempo de contribuição basicamente 33.22, , ,85 indexados ,36 184, 5,97 Idade , , , ,4 252,4 7,25 ao SM. E as despesas Invalidez 9.998, , , ,8 6,5 7,15 Pensão por morte 23.65,51 crescem 34.18,96 a mais ,89 de 76.91,11 7% 229,9 6,86 Auxílios 3.1, , , ,66 471,5 1,17 Outros 177, ,23 aa 532,98 699,69 294,3 7,92 ACIDENTÁRIOS 2.915, , , 8.829,98 22,8 6,35 Aposentadorias por invalidez 584, , , ,55 344,1 8,64 Outros 2.331, , , ,43 167,4 5,62 BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS 5.617, , , ,87 493,6 1,4 LOAS e RMV 5.5,7 8.23, , ,5 499,9 1,47 Outros 92,98 166,2 21,74 22,82 118,1 4,43 Encargos Prev. União,, 214,27 24,75 N.D N.D Fonte: AEPS /a Deflacionado pelo INPC São benefícios

12 O impacto do salário mínimo Gráfico 4: Salário mínimo: dezembro Índice real base dez 1994=1 (deflator: IPCA) Desde 1994 o SM foi multiplicado por 2,6 em termos reais Fonte: Elaboração própria

13 Mudança demográfica O Brasil está atravessando mudanças na sua estrutura demográfica. Nos próximos 25 anos deixaremos de ser um país jovem.

14 ou + Mudança demográfica Gráfico 3a População segundo grupos etários (em milhões) - Brasil: , , 7,2 Até 14 anos Ativos (15 a 59 anos) Idosos (6 anos ou +) Fonte: IBGE - projeções demográfica (revisão 213).

15 ou + Mudança demográfica Gráfico 3b População segundo grupos etários (em milhões) - Brasil: , ,9 9,9 Até 14 anos Ativos (15 a 59 anos) Idosos (6 anos ou +) Fonte: IBGE - projeções demográfica (revisão 213).

16 ou + Mudança demográfica Gráfico 3c População segundo grupos etários (em milhões) - Brasil: ,1 17, ,2 Até 14 anos Ativos (15 a 59 anos) Idosos (6 anos ou +) Fonte: IBGE - projeções demográfica (revisão 213).

17 ou + Mudança demográfica Gráfico 3d População segundo grupos etários (em milhões) - Brasil: ,9 126, ,6 Até 14 anos Ativos (15 a 59 anos) Idosos (6 anos ou +) Fonte: IBGE - projeções demográfica (revisão 213).

18 ou + Mudança demográfica Gráfico 3e População segundo grupos etários (em milhões) - Brasil: ,3 138, , Até 14 anos Ativos (15 a 59 anos) Idosos (6 anos ou +) Fonte: IBGE - projeções demográfica (revisão 213).

19 Mudança demográfica Gráfico 3f População segundo grupos etários (em milhões) - Brasil: ou + 39,3 142,3 41,5 Até 14 anos Ativos (15 a 59 anos) Idosos (6 anos ou +) Fonte: IBGE - projeções demográfica (revisão 213).

20 Mudança demográfica Gráfico 3g População segundo grupos etários (em milhões) - Brasil: ou + 35,4 138,5 54,2 Até 14 anos Ativos (15 a 59 anos) Idosos (6 anos ou +) Fonte: IBGE - projeções demográfica (revisão 213).

21 ou + Mudança demográfica Gráfico 3h População segundo grupos etários (em milhões) - Brasil: Número menor do que 21 3,4 vezes maior do que 21 Serão 3,6 milhões com 9 anos ou mais e mais de 2 mil centenários ,9 128, 66, Até 14 anos Ativos (15 a 59 anos) Idosos (6 anos ou +) Fonte: IBGE - projeções demográfica (revisão 213).

22 Taxas de variação por grupos etários da população por década (% a.a.) Períodos Grupos etários e + 8 e + 9 e + Ano População em e + 9 e ,8,3 2/1 -,43 1,63 3,25 4,21 3, ,7,4 211/2-1,19,95 4,1 4,43 6, ,1,7 221/3-1,2,28 3,56 4,69 5, ,5 1,3 231/4-1,2 -,27 2,7 4,98 5, ,6 2,1 241/5-1,6 -,78 2,6 3,52 5, , 3,6 Fonte: IBGE elaboração do autor

23 Mudança demográfica Como 2/3 das aposentadorias concedidas são por idade, a indexação ao SM se acelerará nesta e na próxima década. Em boa medida o mesmo ocorrerá com pensões.

24 SM é um bom instrumento de política de combate à pobreza via SS? Como 2/3 das aposentadorias concedidas são por idade, a indexação ao SM se acelerará nesta e na próxima década. Em boa medida o mesmo ocorrerá com pensões.

25 O impacto do salário mínimo Tabela 5: Distribuição de famílias, segundo o número de crianças e recebimento de benefícios previdenciários (Brasil: 28) Tipo de Famílias Não pobres Pobres Total de famílias Famílias sem benefício ,5% 91,% Sem crianças 47,9% 17,2% Com 1 criança 32,2% 3,2% Com 2 crianças 15,8% 28,% Com 3 crianças 3,4% 14,9% Com 4 ou mais crianças,7% 9,7% Famílias com benefício ,5% 9,% Sem crianças 8,% 25,8% Com 1 criança 14,2% 28,1% Com 2 crianças 4,5% 23,1% Com 3 crianças 1,1% 14,1% Com 4 ou mais crianças,3% 8,9% Apenas 9% das famílias pobres têm algum benefício previdenciário. E para as que têm, as famílias contam com menos crianças.

26 O impacto do salário mínimo Tabela 6: Distribuição dos aposentados e pensionistas com rendimento igual a 1 salário mínimo, por décimo da distribuição de renda per capita: 213 (%) Decis de renda ( % ) Primeiro 1, Segundo 4, Terceiro 8,8 Quarto 9,2 Quinto 8,8 Sexto 29,6 Sétimo 11,8 Oitavo 11,3 Nono 11,3 Décimo 4,2 Total 1, 2% mais pobres 5, 3% mais pobres 13,8 4% mais pobres 23, 2% mais ricos 15,5 3% mais ricos 26,8 4% mais ricos 38,6 Tabela elaborada por Giambiagi, 215 O efeito do SM sobre a pobreza é muito limitado, mas tem forte impacto sobre os gastos previdenciários. Em síntese, não é um instrumento adequado para combater a pobreza É caro e atinge pouca gente pobre

27 Um pequeno exercício Tabela 7: Simulação do impacto sobre pobreza e extrema pobreza de alternativas de escolhas políticas de alocação de recursos governamentais (28-29) Valores mensais em R$ bilhões Tipo de benefício Simulação 1 Simulação 2 Reajuste do Piso pelo SM e de inflação para os demais Reajuste pela inflação para todos os benefícios Reajuste pela inflação e distribuição do saldo para o PBF Aposentadoria 15,65 16,8 16,542 16,542 Pensão 4,844 5,228 5,135 5,135 Total de benefícios 2,449 22,28 21,676 21,676 Expansão PBF,352 Total de gasto 2,449 22,28 21,676 22,28 % de pobres 26,25 25,81 25,98 25,98 % de extremamente pobres 9,89 9,78 9,8 8,5 Redução da pobreza,44,27,27 1,7% 1,% 1,% Redução da extrema pobreza,11,9 1,39 Note que a potência do instrumento é quase 13x maior De 29 até aqui o SM teve ganho real de 42%. Isso significa que o efeito acumulado de uma política social mais focalizada teria sido muito mais potente. 1,1%,9% 14,1%

28 Obrigado.

Previdência social no Brasil: desajustes, dilemas e propostas. Paulo Tafner

Previdência social no Brasil: desajustes, dilemas e propostas. Paulo Tafner Previdência social no Brasil: desajustes, dilemas e propostas Paulo Tafner São Paulo - Novembro de 2015. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira - 2014 (% do PIB) Previdência Social Brasileira

Leia mais

Cobertura de Seguridade Social

Cobertura de Seguridade Social Cobertura de Seguridade Social A cobertura de seguridade social no Brasil: uma análise da componente previdenciária Paulo Tafner e Fabio Giambiagi Buenos Aires, maio/2010 Estrutura do Sistema previdenciário

Leia mais

Previdência social no Brasil: fatos e propostas

Previdência social no Brasil: fatos e propostas Previdência social no Brasil: fatos e propostas Paulo Tafner São Paulo Junho de 2016. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira 2014-15 (% do PIB) Previdência Social Brasileira 2014-15

Leia mais

Previdência Social Brasília, junho de 2015

Previdência Social Brasília, junho de 2015 Previdência Social Brasília, junho de 2015 1 Década de 1980: A expectativa de vida ao nascer era de 62,5 anos; Transição demográfica no Brasil A maior concentração populacional estava na faixa até 19 anos

Leia mais

Fator Previdenciário

Fator Previdenciário Fator Previdenciário Marco Antônio Guarita Diretor de Relações Institucionais da CNI Brasília, 26 de março de 29 Principais Pontos Equilíbrio da Previdência: mandato constitucional, exigência para o crescimento

Leia mais

Seguridade Social na Conjuntura Atual

Seguridade Social na Conjuntura Atual Universidade de Brasília (UnB) Instituto de Ciências Humanas (IH) Departamento de Serviço Social (SER) Programa de pós-graduação em Política Social Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Seguridade Social

Leia mais

Geografia População (Parte 2)

Geografia População (Parte 2) 1. Estrutura Etária: Geografia População (Parte 2) A Transição Demográfica corresponde à mudança no perfil de idade dos habitantes, engloba proporções de crianças, jovens/adultos, idosos, homens e mulheres.

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

REFORMA DA PREVIDÊNCIA MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social REFORMA DA PREVIDÊNCIA Regra Atual, PEC n.º 40/03, Substitutivo da Comissão Especial de Reforma da Previdência, Cenários e Projeções

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS Brasília, março de 2016 SPPS Secretaria de Políticas de Previdência Social 1 CONTRIBUINTES DO RGPS 2 EVOLUÇÃO ANUAL DO NÚMERO DE CONTRIBUINTES

Leia mais

Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma

Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre Previdência: A necessidade de reforma Paulo Tafner CÂMARA FEDERAL Brasília Novembro de 2016. Previdência Social Os fatos COMECEMOS POR UMA EXCELENTE NOTÍCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA E SUAS PERSPECTIVAS

AVALIAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA E SUAS PERSPECTIVAS MPAS Ministério da Previdência e Assistência Social SPS Secretaria de Previdência Social AVALIAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA E SUAS PERSPECTIVAS Apresentação elaborada para o Seminário Desafios da Previdência.

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 1 2 As Medidas do PAC se dividem em 5 categorias 1) Investimento em Infra-Estrutura 2) Estímulo ao Crédito e ao Financiamento 3) Desoneração

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor

Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor De servidor para servidor Conhecemos o dia a dia de quem trabalha para mover o estado mais importante

Leia mais

Impacto dos rendimentos de aposentadoria e pensão na redução da pobreza rural

Impacto dos rendimentos de aposentadoria e pensão na redução da pobreza rural IMPACTO DOS RENDIMENTOS DE APOSENTADORIA E PENSÃO NA REDUÇÃO DA POBREZA RURAL ALEXANDRE GORI MAIA; MARCELLI MARIANO OLIVEIRA; ROSANGELA BALLINI; CLAUDIO SALVADORI DEDECCA; IE - UNICAMP CAMPINAS - SP -

Leia mais

A previdência do servidor público e o impacto nas finanças estaduais

A previdência do servidor público e o impacto nas finanças estaduais A previdência do servidor público e o impacto nas finanças estaduais Carlos Henrique Flory Abril de 2014 A PREVIDÊNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO ATÉ AS EMENDAS CONTITUCIONAIS DE 1998 E 2003: Mudança de ativo

Leia mais

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, 14 de dezembro de 2011 Sub-setorial Transversal Educação

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA

O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA Impactos do Bolsa Família sobre Objetivos Fim (Desenvolvimento Inclusivo Sustentável) Igualdade Olhar

Leia mais

Com a Previdência Associativa

Com a Previdência Associativa O Painel O Sinergismo do Sistema Unicred Com a Previdência Associativa A Visão do Cooperado Negócio ou Benefício Gilberto Rodrigues Pinto Central RJ/MT A Realidade dos Aposentados No Brasil A Realidade

Leia mais

A DEMOGRAFIA E AS LEIS FUNDAMENTAIS DA ECONOMIA NÃO RESPEITAM A CONSTITUIÇÃO NENHUMA CONSTITUIÇÃO

A DEMOGRAFIA E AS LEIS FUNDAMENTAIS DA ECONOMIA NÃO RESPEITAM A CONSTITUIÇÃO NENHUMA CONSTITUIÇÃO Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre a Previdência e considerações sobre incentivos (regras) e seus impactos nos gastos, na poupança e na produtividade Paulo Tafner INTITUTO TEOTONIO VILLELA

Leia mais

ipea 1 Introdução NOTA TÉCNICA Sergei Soares* 1

ipea 1 Introdução NOTA TÉCNICA Sergei Soares* 1 A Distribuição dos Rendimentos do Trabalho e a Queda da Desigualdade de 1995 a 2009 Sergei Soares* 1 1 Introdução A edição de 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro

Leia mais

Darcy Francisco Carvalho dos Santos Junho/2015.

Darcy Francisco Carvalho dos Santos Junho/2015. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Junho/2015. Fator previdenciário O fator previdenciário é o resultado de uma fórmula instituída pelo governo da época para dar um tratamento financeiro e atuarial à

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Análise Econômico-Financeira Apresentamos a seguir o desempenho econômico-financeiro do exercício de 2015, sob a ótica gerencial, comparando-o com o exercício de 2014. Na visão gerencial, as contas são

Leia mais

ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL. Cenários de Longo Prazo e suas Implicações para o Mercado de Trabalho

ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL. Cenários de Longo Prazo e suas Implicações para o Mercado de Trabalho CAPÍTULO 12 ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL Cenários de Longo Prazo e suas Implicações Mercado de Trabalho Objetivos Caracteriza o processo de transição demográfica

Leia mais

Exercícios de estrutura da população

Exercícios de estrutura da população Exercícios de estrutura da população Material de apoio do Extensivo 1. Os gráficos a seguir, extraídos do sítio eletrônico do IBGE, apresentam a distribuição da população brasileira por sexo e faixa etária

Leia mais

Previni. 1 - REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS: os autônomos e Todos os trabalhadores da área privada são seus segurados;

Previni. 1 - REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS: os autônomos e Todos os trabalhadores da área privada são seus segurados; Previdência Previdência Social :: Histórico:: Regimes de Previdência Social:: Das Patrocinadoras:: Dos Segurados:: Dos Dependentes:: Dos Benefícios Concedidos:: Do Valor da Contribuição:: Onde Requerer

Leia mais

A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U

A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U DEMONSTRAÇÃO DE DESPESA SEGUNDO CATEGORIAS ECONÔMICAS A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U B A S E D E D A D O S Sítio : www.cmfi.pr.gov.br (Câmara Municipal de

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Professora por tempo

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CÁLCULOS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CONCEITO: é o valor que serve de base de cálculo para incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias (fonte de custeio) e para o cálculo do salário benefício.

Leia mais

Efeitos do Salário Mínimo sobre a Distribuição de Renda no Brasil no Período 1995/2005 Resultados de Simulações

Efeitos do Salário Mínimo sobre a Distribuição de Renda no Brasil no Período 1995/2005 Resultados de Simulações Efeitos do Salário Mínimo sobre a Distribuição de Renda no Brasil no Período 1995/2005 Resultados de Simulações João Saboia 1 Resumo A partir de meados da década passada, o salário mínimo passou por um

Leia mais

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005..

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. Autoria: Prefeito Municipal. ALTERA O ANEXO DE METAS FISCAIS DA LEI Nº 6.081, DE 4 DE JULHO DE 2005, QUE DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Usiminas Mecânica S.A.

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Usiminas Mecânica S.A. Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2012, referente à patrocinadora Usiminas Mecânica S.A. do Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev administrado

Leia mais

Política Social e condições de vida Brasileira

Política Social e condições de vida Brasileira Política Social e condições de vida Brasileira Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos Sociais Brasília, dezembro de 2009 Política

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo.

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. São derivados de

Leia mais

Afinal o que é a DRU?

Afinal o que é a DRU? Afinal o que é a DRU? Em 2015, um debate importante está sendo promovido sobre o Financiamento da Seguridade Social, no que tange a prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU). Mas afinal

Leia mais

FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ

FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ NOSSAS AGÊNCIAS: MAUÁ RIBEIRÃO PIRES SANTO ANDRÉ SÃO CAETANO DO SUL ATENDIMENTO: População de Rio Grande da Serra Nossa Gerência: 3.000 atendimentos

Leia mais

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil 1 Porque ter um Plano de Previdência Complementar? 2 O Novo Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil Conheça

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social - RGPS e a PEC 287 de CURITIBA-PR, 14 DEZ 2016 Expositor: Luciano Fazio

O Regime Geral de Previdência Social - RGPS e a PEC 287 de CURITIBA-PR, 14 DEZ 2016 Expositor: Luciano Fazio O Regime Geral de Previdência Social - RGPS e a PEC 287 de 2016 CURITIBA-PR, 14 DEZ 2016 Expositor: Luciano Fazio 1 SUMÁRIO 1. O que é Previdência Social 2. Déficit do Regime Geral de Previdência Social

Leia mais

SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA.

SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA. SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA. Professor Joselias www.concurseiros.org Março de 2008. Um dos indicadores de saúde comumente utilizados

Leia mais

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Mineração Usiminas S.A.

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Mineração Usiminas S.A. Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2012, referente à patrocinadora Mineração Usiminas S.A. do Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev administrado

Leia mais

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 . CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS REPORTANDO-SE À ÉPOCA DOS INSTITUTOS DE APOSENTADORIA

Leia mais

mpany.com any

mpany.com any APOSENTADORIA Dos 22,3 milhões de brasileiros com mais de 60 anos, perto de 3,3 milhões, mesmo aposentados, continuam trabalhando? 39,1% dos brasileiros aposentados, entre 60 e 69 anos, ainda trabalham?

Leia mais

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, MAIO

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 11 de novembro de 2014 1 Parâmetros macroeconômicos para 2015 PIB real 3,0% PIB Nominal R$ 5.765,5 bilhões Salário

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Maio de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Maio de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Os resultados da avaliação atuarial estão posicionados em 31/12/2012.

Os resultados da avaliação atuarial estão posicionados em 31/12/2012. Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2012 do Plano de Benefícios 2 Usiprev administrado pela Previdência Usiminas foi utilizado o cadastro de dados individuais fornecido

Leia mais

As despesas primárias fora de controle

As despesas primárias fora de controle POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA As despesas primárias fora de controle Jedson César de Oliveira * José Luis Oreiro ** Entre as questões mais preocupantes atualmente no que tange a condução da política

Leia mais

Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1

Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1 1 Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1 Boletim de Pesquisa n. 2, outubro de 2009. Um projeto do Centro Internacional de Estudos

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17 SOBRE A PERDA DE VALOR DAS APOSENTADORIAS: EXISTE PERDA? Pedro Fernando Nery 1 As aposentadorias e pensões do INSS receberam nos últimos anos aumentos em ritmos muito diferentes.

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Bolsa Família, Exclusão Social, Extrema Pobreza, Pobreza, Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social.

RESUMO. Palavras-chave: Bolsa Família, Exclusão Social, Extrema Pobreza, Pobreza, Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social. Informações sobre as famílias do município de SP beneficiárias do Programa Bolsa Família, de acordo com o Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social SEDESO, referentes ao período de abril a junho de

Leia mais

O comércio varejista no período de 1996-2002

O comércio varejista no período de 1996-2002 Comentários gerais A Pesquisa Anual de Comércio PAC tem como objetivo levantar informações sobre a estrutura produtiva e econômica do segmento empresarial do comércio brasileiro. De acordo com os resultados

Leia mais

As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento. São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro

As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento. São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro Agenda Como era o FAP até 2015 Como ficou o FAP a partir de 2016 Principais Impactos na

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL É uma forma de seguro coletivo de caráter contributivo em que todos contribuem com uma parcela de seu salário e de filiação obrigatória.

Leia mais

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A.

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A. Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A. Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2012, referente

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Previdência Social no Brasil: financiamento, diagnóstico e propostas. Setembro 2007

Previdência Social no Brasil: financiamento, diagnóstico e propostas. Setembro 2007 Previdência Social no Brasil: financiamento, diagnóstico e propostas Setembro 2007 1 1) Evolução da Previdência Social 2) Diagnóstico dos problemas 3) Déficit vs. Superávit: um falso debate 4) Por que

Leia mais

NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS.

NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS. Dia Internacional do Idoso 1 de Outubro de 2007 27 de Setembro de 2007 NOS PRÓXIMOS VINTE E CINCO ANOS O NÚMERO DE IDOSOS PODERÁ MAIS DO QUE DUPLICAR O NÚMERO DE JOVENS. O número de idosos tem aumentado,

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A busca por oportunidades iguais de trabalho e renda entre homens e mulheres é o foco de discussão entre grupos feministas em todos os países. A discriminação no campo de

Leia mais

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JUNHO DE 2012 12 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade

Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade CIDOB AECID EL BRASIL DESPUES DE LULA. Éxitos y desafíos en la reducción de la pobreza y el liderazgo regional Política Social no Brasil e seus Efeitos sobre a Pobreza e a Desigualdade Lena LAVINAS Instituto

Leia mais

ANÁLISE MENSAL - IPCA

ANÁLISE MENSAL - IPCA ANÁLISE MENSAL - IPCA Março/ 2015 O índice de inflação brasileiro do mês de março avançou 1,32% em relação ao mês anterior, taxa bastante pressionada e superior aos dois primeiros meses do ano de 2015,

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 99% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE

PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE GRANDES NÚMEROS DO INSS 1.501 Agências da Previdência Social 39.392 servidores (4.730 peritos médicos) 198.000 pessoas atendidas diariamente.

Leia mais

Walter Oda Consultor Legislativo da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ESTUDO ESTUDO JUNHO/2004

Walter Oda Consultor Legislativo da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ESTUDO ESTUDO JUNHO/2004 ESTUDO ESTUDO EFEITOS PREVIDENCIÁRIOS DECORRENTES DA ALTERAÇÃO INTRODUZIDA NA METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DA TÁBUA DE MORTALIDADE DE 2002, DIVULGADA EM DEZEMBRO DE 2003 ESTUDO JUNHO/2004 Walter Oda Consultor

Leia mais

Os resultados da avaliação atuarial estão posicionados em 31/12/2012.

Os resultados da avaliação atuarial estão posicionados em 31/12/2012. Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2012 do Plano de Benefício Definido PBD administrado pela Previdência Usiminas, em razão da incorporação da Fundação Cosipa de

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Estatística e Probabilidade Administração e Ciências Contábeis 3º Semestre LISTA DE EXERCÍCIOS GRÁFICOS ESTATÍSTICOS, DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Módulo 2 1. Classifique os gráficos abaixo, de acordo com

Leia mais

Artigo Previdência e Assistência Social: Tendências de Longo Prazo

Artigo Previdência e Assistência Social: Tendências de Longo Prazo MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Artigo Previdência e Assistência Social: Tendências de Longo Prazo Vinícius C. Pinheiro Secretário de Previdência Social

Leia mais

RESULTADOS ECONÔMICOS DOS PLANOS DE SAÚDE MÉDICOS * #

RESULTADOS ECONÔMICOS DOS PLANOS DE SAÚDE MÉDICOS * # RESULTADOS ECONÔMICOS DOS PLANOS DE SAÚDE MÉDICOS * # Rodrigo Mendes Leal 1 e João Boaventura Branco de Matos 2 1. Economista do BNDES, Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental pela ENAP/MP

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL 2010 Produto Interno Bruto - PIB Corresponde ao valor a preços de mercado, de todos os bens e serviços finais produzidos em um território, num determinado período

Leia mais

PROJEÇÕES FINANCEIRAS E ATUARIAIS PARA O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RGPS

PROJEÇÕES FINANCEIRAS E ATUARIAIS PARA O REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RGPS Anexo IV Metas Fiscais IV.6 Projeções Atuariais para o Regime Geral de Previdência Social RGPS (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) PROJEÇÕES FINANCEIRAS E ATUARIAIS

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014

Política Nacional de Atenção Básica. Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014 Política Nacional de Atenção Básica Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014 A ATENÇÃO BÁSICA A AB é o nível de atenção mais próximo das pessoas e deve ser, integral, resolutiva, inserida no território e a

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social LUCIANO MARTINEZ martinezluciano@uol.com.br Fanpage: facebook.com/professorlucianomartinez

Leia mais

A NOVA DINÂMICA DOS PLANOS DE SAÚDE

A NOVA DINÂMICA DOS PLANOS DE SAÚDE A NOVA DINÂMICA DOS PLANOS DE SAÚDE Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo 1 Apresentação Esse trabalho analisa dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em

Leia mais

Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Janeiro a Outubro - Ano/2010

Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Janeiro a Outubro - Ano/2010 Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Janeiro a Outubro - Ano/2010 O Perfil do Assistido foi elaborado em 2007 para analisar os dados estatísticos da população carente que necessita dos serviços

Leia mais

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros TEXTO PARA DISCUSSÃO Nota Técnica: O Custo Público com Reprovação e Abandono Escolar na Educação Básica Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros Pesquisadores de Economia Aplicada do FGV/IBRE Fevereiro

Leia mais

PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RGPS) Análises Complementares BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2014

PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RGPS) Análises Complementares BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2014 PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RGPS) Análises Complementares BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2014 1 PERFIL DOS BENEFICIÁRIOS DO INSS POR SEXO E IDADE 2 Em dezembro de 2013, eram

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência Cresce o apoio a medidas de reforma da previdência Os brasileiros começam a tomar consciência dos problemas que a previdência pública apresenta.

Leia mais

Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Jan. a Agosto - Ano/2010

Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Jan. a Agosto - Ano/2010 Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Jan. a Agosto - Ano/2010 O Perfil do Assistido foi elaborado em 2007 para analisar os dados estatísticos da população carente que necessita dos serviços da Defensoria

Leia mais

EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016. Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm

EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016. Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016 De acordo com o edital do concurso e com a obra: Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm ITENS DO EDITAL TECNICO INSS TÓPICO DO

Leia mais

Encontro dos Representantes Regionais da Prevdata 2012. Plano de Contribuição Variável CV - Prevdata II

Encontro dos Representantes Regionais da Prevdata 2012. Plano de Contribuição Variável CV - Prevdata II Encontro dos Representantes Regionais da Prevdata 2012 Plano de Contribuição Variável CV - Prevdata II Previdência Complementar e Prevdata Sistema Previdenciário Brasileiro e a nossa realidade ENTIDADES

Leia mais

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005 O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY A Importância de Serviço Civil Estruturado Bens e Serviços Públicos Governança Reforma da Política Econômica Gasto Público Sustentabilidade Fiscal Fonte:

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011 Altera o art. 18 da Lei n 8.213, de 24 de julho de 1991, para ampliar os benefícios previdenciários devidos ao aposentado que retornar ao trabalho. Art.

Leia mais

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015 Três Coroas Mesorregião: Metropolitana de Porto Alegre - Microrregião: Gramado-Canela Área territorial: 185,54 Km2 - Produto Interno Bruto (2013): R$ 776.096.963,00

Leia mais

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Capítulo 12: O Brasil ao Longo do Século XX: alguns fatos estilizados Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 2 Brasil ao longo do

Leia mais

Dimensão e medição da pobreza extrema na Paraíba e no Brasil

Dimensão e medição da pobreza extrema na Paraíba e no Brasil Dimensão e medição da pobreza extrema na Paraíba e no Brasil Rafael Guerreiro Osorio Pesquisador da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA João Pessoa, 30 de maio de 2011 Dimensão e medição da

Leia mais

Em cada aniversário...

Em cada aniversário... Em cada aniversário... Muitos anos de vida! Expectativa de vida Expectativa de vida Em 2050, 25% da população terá mais de 60 anos. Vale a pena ficar velho? Ao mesmo tempo que ficamos felizes com a LONGEVIDADE,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS

A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS www.assimpasc.org.br A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS Santa Catarina 2011 Prezado Leitor, A previdência social constitui atualmente tema de relevada

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Desafios da Previdência. FGV Rio de Janeiro, Março 2016

Desafios da Previdência. FGV Rio de Janeiro, Março 2016 Desafios da Previdência FGV Rio de Janeiro, Março 2016 Evolução da Razão de Dependência de Idosos 2000-2060 IBGE 45 40 35 30 25 20 15 10 5 8 Despesa RGPS como % do PIB 1995-2015 7.5 7.4 7 6.5 6.4 6.7 6.9

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E SALÁRIO MÍNIMO: O QUE SE PODE FAZER, RESPEITANDO A RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA? 1

PREVIDÊNCIA SOCIAL E SALÁRIO MÍNIMO: O QUE SE PODE FAZER, RESPEITANDO A RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA? 1 1 PREVIDÊNCIA SOCIAL E SALÁRIO MÍNIMO: O QUE SE PODE FAZER, RESPEITANDO A RESTRIÇÃO ORÇAMENTÁRIA? 1 Marcelo Neri (*) Fabio Giambiagi (**) Resumo: Este artigo discute as relações existentes entre a previdência

Leia mais

Relatório de Monitoramento Maio 2015

Relatório de Monitoramento Maio 2015 Relatório de Monitoramento Maio 2015 1 Sumário Cenário Econômico Rentabilidades i. Perfil Conservador ii. Perfil Moderado iii. Perfil Agressivo iv. RaizPrev Alocação i. Divisão de Recursos por Perfil ii.

Leia mais

SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO

SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO SUPERÁVIT PRIMÁRIO E GASTOS EM EDUCAÇÃO José Lúcio Alves Silveira 1 Resumo: O trabalho demonstra a possibilidade do setor público reduzir os atuais superávits primários, o que liberaria mais recursos para

Leia mais