DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência Nota Metodológica nº 24

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24"

Transcrição

1 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 24 Tabelas Comparativas (versão para informação e comentários) Versão 1

2 Como já mencionado na Nota Metodológica nº 1 - Apresentação da do Sistema de Contas Nacionais, referência 2000, a nova série do sistema de contas nacionais SCN que o IBGE divulgou caracteriza-se pela amplitude das atualizações introduzidas, pois realiza a mudança entre um SCN que vinha sendo estimado através, basicamente, da extrapolação por índices de volume e preço para o novo sistema que é referenciado por fontes anuais que fornecem dados a preços correntes e, desta forma, estabelecem um marco que permite controlar a evolução das série do SCN, evitando viéses característicos do uso de índices de volume e preço por períodos demasiado longos. A série das contas nacionais divulgada em março de 2007 incorpora em sua compilação as seguintes ações: i) classificação de produtos e atividades integrada com a CNAE. ii) iii) iv) Dados das pesquisas anuais contínuas realizadas pelo IBGE: Pesquisa Anual da Indústria (PIA), Pesquisa Anual de Serviços (PAS), Pesquisa Anual de Comércio (PAC) e Pesquisa Anual da Indústria da Construção (PAIC). Os resultados destas pesquisas foram integrados no SCN como referência para os valores correntes da parcela da produção coberta por estas pesquisas. Dados da declaração de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (DIPJ) para complementar o universo e para a construção das contas das empresas. Dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2002 como referência para o consumo das famílias. v) Uso de software específico para contas nacionais permitindo a articulação direta entre as operações de bens e serviços e setores institucionais. vi) vii) viii) ix) Desagregação dos trabalhos por modo de produção o que possibilita a realização de estimativas considerando determinadas características das unidades produtivas. 1 Desenvolvimento da metodologia de cálculo do consumo de capital fixo pelas Administrações Públicas e Instituições Privadas sem Fins de Lucro tornando com isso possível estimar seus valores de produção brutos. Distribuição dos Serviços de Intermediação Financeira Indiretamente Medidos pelos utilizadores, possibilitando a eliminação do setor fictício Dummy Financeiro. Atualização das metodologias de cálculo de índices de volume. 1 Vide Nota Metodológica nº 5 Modo de Produção. ii

3 Com o objetivo de facilitar a análise dos novos resultados pelos usuários de contas nacionais, o IBGE apresenta algumas tabelas comparativas, para o período , contendo os dados tanto da série antiga quanto da nova série. A análise destes resultados deve ser realizada mantendo-se em vista que diversas mudanças realizadas fazem com que a comparabilidade dos dados seja limitada. As tabelas apresentadas no arquivo anexo foram geradas procurando compatibilizar os resultados de forma que se chegasse a uma classificação de atividades e produtos similar. São exemplos dos impactos das mudanças realizadas nos resultados a nova classificação adotada que não tem uma relação exata com a classificação da série antiga do SCN, a distribuição do Dummy Financeiro entre consumo final e intermediário e a redistribuição deste por atividade econômica, a separação das Instituições Privadas sem Fins de Lucro a Serviço das Famílias do Consumo das Famílias, a reclassificação do COFINS de imposto por atividade para imposto por produto etc. Desta forma, recomenda-se a leitura das Notas Metodológicas como apoio a interpretação das comparações apresentadas. SCN: Abaixo estão listadas as tabelas disponíveis com os dados da série antiga e da nova série do Tabela 1 - Economia Nacional - Conta de bens e serviços Tabela 4 - Composição do Produto Interno Bruto sob as três óticas Tabela 5 - Produto Interno Bruto, Produto Interno Bruto per capita, população residente e deflator Tabela 6 - Componentes do PIB pela ótica da despesa - variação real anual Tabela 7 - Produto Interno Bruto - PIB e formação bruta de capital fixo - FBCF Tabela 8 - Componentes da formação bruta de capital a preços correntes Tabela 9 - Participação das atividades no valor adicionado a preços básicos Tabela 10 - Variação em volume do valor adicionado a preços básicos, segundo as classes e atividades Tabela 11 - Variação de preços do valor adicionado a preços básicos, por classes e atividades Tabela 14 - Principais agregados das Contas Nacionais, por setor institucional Tabela 15 - Principais indicadores das Contas Nacionais iii

4 Tabela 1 - Economia Nacional - Conta de bens e serviços Recursos ( R$) Operações e saldos Usos ( R$) (continua) Produção Importação de bens e serviços Impostos sobre produtos (-) Subsídios aos produtos Consumo intermediário Despesa de consumo final Formação bruta de capital fixo Variação de estoque Exportação de bens e serviços Total Produção Importação de bens e serviços Impostos sobre produtos (-) Subsídios aos produtos Consumo intermediário Despesa de consumo final Formação bruta de capital fixo Variação de estoque Exportação de bens e serviços Total Produção Importação de bens e serviços Impostos sobre produtos (-) 289 Subsídios aos produtos Consumo intermediário Despesa de consumo final Formação bruta de capital fixo Variação de estoque (-) Exportação de bens e serviços Total

5 Tabela 1 - Economia Nacional - Conta de bens e serviços Recursos ( R$) Operações e saldos Usos ( R$) Produção Importação de bens e serviços Impostos sobre produtos (-) 339 Subsídios aos produtos Consumo intermediário Despesa de consumo final Formação bruta de capital fixo Variação de estoque Exportação de bens e serviços Total Produção Importação de bens e serviços Impostos sobre produtos (-) 837 Subsídios aos produtos Consumo intermediário Despesa de consumo final Formação bruta de capital fixo Variação de estoque Exportação de bens e serviços Total Produção 2005(1) Importação de bens e serviços Impostos sobre produtos (-) Subsídios aos produtos Consumo intermediário Despesa de consumo final Formação bruta de capital fixo Variação de estoque (-) Exportação de bens e serviços Total (1) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. (conclusão) 2

6 Tabela 4 - Composição do Produto Interno Bruto sob as três óticas Valor ( R$) Componentes do Produto Interno Bruto (1) (1) A - Ótica da produção (1) Produto Interno Bruto Produção Impostos, líquidos de subsídios, sobre produtos Consumo intermediário (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) B - Ótica da despesa Produto Interno Bruto Despesa de consumo final Despesa de consumo das famílias edas ISFLSF Despesa de consumo da administração pública Formação bruta de capital Formação bruta de capital fixo Variação de estoque (-) (-) Exportação de bens e serviços Importação de bens e serviços (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) C - Ótica da renda Produto Interno Bruto Remuneração dos empregados Salários Contribuições sociais efetivas Contribuições sociais imputadas Rendimento misto bruto Excedente operacional bruto Impostos líquidos de subsídios sobre a produção e importação (1) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 3

7 Tabela 5 - Produto Interno Bruto, Produto Interno Bruto per capita, população residente e deflator Produto Interno Bruto Produto Interno Bruto per capita Deflator Ano Preços correntes R$ População residente R$ hab. (1) Preços do ano anterior Variação real anual (%) Preços correntes Preços do ano anterior Variação real anual (%) Variação anual (%) , , , , ,7 (-) 0,2 7, , , ,7 (-) 0,2 9, , , ,8 0,4 10, , , ,3 1,2 10, , , ,3 (-) 0,9 15, , , ,3 (-) 0,3 13, (2) , , ,0 3,4 8, , , ,4 4,2 8, (2) , , ,0 0,8 7, (2) , , ,3 1,5 7,5 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais e Coordenação de População e Indicadores Sociais. (1) População estimada para 1º de julho - revisão (2) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 4

8 Tabela 6 - Componentes do PIB pela ótica da despesa - variação real anual Variação real anual (%) Componentes do Produto Interno Bruto (1) (1) Produto Interno Bruto 1,3 1,3 1,9 2,7 0,5 1,1 4,9 5,7 2,3 2,9 Despesa de consumo final 0,6 1,2 0,0 2,6 (-) 0,8 (-) 0,3 3,0 3,9 2,7 4,1 Despesa de consumo das famílias (1) 0,5 0,7 (-) 0,4 1,8 (-) 1,5 (-) 0,7 4,1 3,8 3,1 4,7 Despesa de consumo da administração pública 1,0 2,7 1,4 4,7 1,3 1,2 0,1 4,1 1,6 1,9 Despesa de consumo das ISFLSF... 1,1... 7,2... (-) 6,1... 4, Formação bruta de capital fixo 1,1 0,4 (-) 4,2 (-) 5,2 (-) 5,1 (-) 4,6 10,9 9,1 1,6 3,6 Exportação de bens e serviços 11,2 10,0 7,9 7,4 9,0 10,4 18,0 15,3 11,6 10,1 Importação de bens e serviços (-) 1,2 1,5 (-) 12,3 (-) 11,9 (-) 1,7 (-) 1,6 14,3 14,4 9,5 9,3 (1) Na série antiga o consumo das ISFL está incluído no consumo das famílias. (2) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 5

9 Tabela 7 - Produto Interno Bruto - PIB e formação bruta de capital fixo - FBCF Ano 2000 Preços correntes Preços do ano anterior Variação real anual ( R$) FBCF/PIB ( R$) FBCF/PIB (%) PIB FBCF (%) PIB FBCF (%) PIB FBCF , , , ,2 1,3 1, (1) (1) 2005 (1) , ,7 1,3 0, , ,3 1,9 (-) 4, , ,7 2,7 (-) 5, , ,3 0,5 (-) 5, , ,5 1,1 (-) 4, , ,8 4,9 10, , ,8 5,7 9, , ,5 2,3 1, , ,2 2,9 3,6 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais e Coordenação de População e Indicadores Sociais. (1) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 6

10 Tabela 8 - Componentes da formação bruta de capital a preços correntes Componentes da formação bruta de capital Especificação (1) (1) (1) Formação bruta de capital Formação bruta de capital fixo Construção Máquinas e equipamentos Outros Variação de estoque (-) (-) Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais e Coordenação de População e Indicadores Sociais. (1) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 7

11 Tabela 9 - Participação das atividades no valor adicionado a preços básicos Participação no valor adicionado a preços básicos (%) Classes e atividades (1) (1) (1) 01 Agropecuária 7,7 5,6 8,0 6,0 8,2 6,6 9,4 7,4 9,6 6,9 8,0 5,6 Indústria 36,1 27,7 35,9 26,9 36,0 27,1 36,8 27,8 37,2 30,1 37,9 30,3 02 Extrativa mineral 2,5 1,6 2,7 1,5 3,2 1,6 3,7 1,7 4,0 1,9 4,6 2,6 03 Transformação 21,6 17,2 21,5 17,1 22,0 16,9 23,0 18,0 23,0 19,2 23,0 18,4 04 Prod. e distrib. de eletricidade, gás e água 3,3 3,4 3,5 3,0 3,4 3,3 3,2 3,4 3,3 3,9 3,4 4,2 05 Construção civil 8,7 5,5 8,1 5,3 7,5 5,3 6,9 4,7 7,0 5,1 6,9 5,2 Serviços 56,3 66,7 56,1 67,1 55,7 66,3 53,8 64,8 53,1 63,0 54,1 64,0 06 Comércio 7,1 10,6 7,1 10,7 7,2 10,2 7,3 10,6 7,5 11,0 7,2 10,7 07 Transporte, armazenagem e correio 2,6 4,9 2,6 5,0 2,4 4,8 2,3 4,7 2,1 4,7 1,9 4,9 08 Serviços de informação 2,6 3,6 2,6 3,5 2,6 3,6 3,0 3,6 2,9 3,8 2,9 4,2 09 Interm. financeira, seguros, prev. complem. e serv. rel. 5,2 6,0 6,3 6,8 7,2 7,5 6,6 7,1 6,3 5,8 7,7 6,8 10 Ativ. imobiliárias e aluguel 12,2 11,3 11,4 10,7 10,6 10,2 9,7 9,6 9,0 9,1 8,5 8,8 11 Outros Serv. 10,8 15,4 10,7 14,9 10,3 14,6 9,9 14,0 10,1 13,8 10,3 13,4 12 Adm., saúde e educação públicas 15,7 14,9 15,5 15,5 15,4 15,5 15,0 15,1 15,4 14,7 15,6 15,1 Valor adicionado a preços básicos 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Impostos líquidos sobre produtos 12,2 15,4 12,7 16,4 12,2 16,1 11,5 15,6 11,7 16,5 12,1 16,0 Produto interno bruto 112,2 115,4 112,7 116,4 112,2 116,1 111,5 115,6 111,7 116,5 112,1 116,0 (1) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 8

12 Tabela 10 - Variação em volume do valor adicionado a preços básicos, segundo as classes e atividades Variação em volume do valor adicionado a preços básicos (%) Classes e atividades (1) (1) (1) Valor Adicionado Bruto 1,2 1,4 2,3 3,1 0,7 1,2 4,6 5,6 2,1 2,8 01 Agropecuária 5,9 6,1 5,7 6,6 4,7 5,8 5,3 2,3 0,7 1,0 Indústria (-) 0,6 (-) 0,6 2,6 2,1 (-) 0,1 1,3 6,3 7,9 2,5 2,1 02 Extrativa mineral 3,8 2,2 7,0 11,6 3,0 4,7 (-) 1,0 4,3 11,3 9,8 03 Transformação 0,7 0,7 3,7 2,4 1,1 1,9 7,8 8,5 1,2 1,1 04 Prod. e distrib. de eletricidade, gás e água (-) 5,9 (-) 6,2 3,1 2,9 2,8 4,0 4,6 8,4 3,7 5,0 05 Construção civil (-) 2,8 (-) 2,1 (-) 2,1 (-) 2,2 (-) 5,6 (-) 3,3 5,7 6,6 1,3 1,2 Serviços 1,8 1,9 1,6 3,2 0,7 0,8 3,3 5,0 2,0 3,4 06 Comércio 0,4 (-) 0,0 (-) 0,4 (-) 0,0 (-) 2,0 (-) 0,5 8,1 7,5 3,3 3,5 07 Transporte, armazenagem e correio 1,7 2,4 3,5 2,8 1,5 (-) 3,1 5,0 5,9 3,2 4,3 08 Serviços de informação 10,9 5,3 10,2 5,0 1,9 4,4 (-) 1,7 5,5 0,1 4,3 09 Interm. financeira, seguros, prev. complem. e serv. rel. 0,8 1,2 2,1 2,3 0,6 (-) 4,8 4,2 3,7 2,4 6,5 10 Ativ. imobiliárias e aluguel 2,1 4,5 0,5 4,4 1,4 3,4 1,6 3,9 2,5 4,1 11 Outros Serv. 1,8 (-) 0,6 1,0 4,5 0,5 0,7 5,7 5,4 1,3 3,4 12 Adm., saúde e educação públicas 0,9 3,2 1,7 3,6 1,1 3,0 0,7 3,8 1,6 1,0 (1) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 9

13 Tabela 11 - Variação de preços do valor adicionado a preços básicos, por classes e atividades Variação de preços do valor adicionado a preços básicos (%) Classes e atividades (1) (1) (1) Valor Adicionado Bruto 7,0 7,9 10,2 10,4 15,5 14,1 8,4 7,3 7,1 8,1 01 Agropecuária 6,6 10,1 10,0 18,3 26,9 21,8 10,4 3,7 (-) 9,9 (-) 10,2 Indústria 8,4 7,0 10,4 12,0 18,9 17,4 7,9 13,6 8,6 9,6 02 Extrativa mineral 15,2 (-) 1,1 23,3 11,2 32,0 18,1 22,1 21,5 14,0 36,7 03 Transformação 7,5 8,2 10,9 9,3 20,3 21,2 5,3 11,4 7,9 5,3 04 Prod. e distrib. de eletricidade, gás e água 19,8 3,0 6,9 22,2 8,1 14,8 9,8 18,4 7,8 14,1 05 Construção civil 4,2 7,8 6,0 15,5 13,0 6,0 8,6 15,5 7,8 11,2 Serviços 6,2 8,2 10,1 9,0 11,6 11,9 8,4 4,9 9,0 9,3 06 Comércio 8,4 10,4 15,2 8,3 20,1 20,9 7,0 9,7 1,8 4,0 07 Transporte, armazenagem e correio 5,3 10,9 3,0 5,2 9,9 16,3 (-) 2,8 7,6 (-) 3,2 12,0 08 Serviços de informação (-) 4,2 0,9 1,6 10,5 34,2 12,6 9,4 14,0 10,2 16,6 09 Interm. financeira, seguros, prev. complem. e serv. rel. 29,0 23,5 27,3 22,0 6,0 15,1 3,6 (-) 10,3 29,8 22,8 10 Ativ. imobiliárias e aluguel (-) 1,2 (-) 1,0 4,7 4,6 4,6 5,2 3,2 2,7 1,4 4,1 11 Outros Serv. 5,4 6,4 6,7 6,7 11,2 10,5 9,4 6,0 10,2 4,0 12 Adm., saúde e educação públicas 6,2 10,3 10,0 10,0 12,3 9,2 15,5 6,0 9,2 13,2 (1) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 10

14 Tabela 14 - Principais agregados das Contas Nacionais, por setor institucional Agregados macroeconômicos Valor ( R$) Produto interno bruto (1) Valor adicionado bruto Empresas não-financeiras Empresas financeiras Administração pública Famílias Dummy financeiro (-) (-) (-) (-) ISFLSF Remuneração dos empregados Empresas não-financeiras Empresas financeiras Administração pública Famílias ISFLSF Excedente operacional bruto (mais rendimento misto) Empresas não-financeiras Empresas financeiras Administração pública Famílias (mais rendimento misto) Dummy financeiro (-) (-) (-) (-) ISFLSF Saldo das rendas primárias brutas (Renda nacional bruta) (2) Empresas não-financeiras Empresas financeiras Administração pública Famílias ISFLSF Renda disponível bruta Empresas não-financeiras Empresas financeiras Administração pública Famílias ISFLSF Poupança bruta Empresas não-financeiras Empresas financeiras Administração pública (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) Famílias ISFLSF Formação bruta de capital Empresas não-financeiras Empresas financeiras Administração pública Famílias ISFLSF Capacidade(+)/Necessidade(-) líquida de financiamento (-) (-) (-) (-) (-) (-) Empresas não-financeiras (-) (-) (-) (-) (-) (-) Empresas financeiras Administração pública (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) (-) Famílias (-) ISFLSF (-) (-) (1) O Produto Interno Bruto (PIB) corresponde ao somatório do valor adicionado pelos setores institucionais acrescido dos impostos, líquidos de subsídios, sobre produto. (2) Para o total da economia, o saldo das rendas primárias brutas corresponde à Renda nacional bruta. 11

15 Tabela 15 - Principais indicadores das Contas Nacionais Em percentual (%) Principais relações (2) (2) (2) Variação em volume do PIB Remuneração / PIB Excedente operacional bruto + rendimento misto bruto/ PIB Poupança / PIB Poupança / renda disponível bruta Taxa de autofinanciamento (poupança / formação bruta de capital fixo) Taxa de investimento (formação bruta de capital fixo / PIB) Necessidade de financiamento / PIB Carga tributária bruta (impostos + contribuições / PIB)(1) Carga tributária líquida (impostos + contribuições - subsídios - benefícios - transferências às IPSFL / PIB)(1).... 1,3 1,3 1,9 2,7 0,5 1,1 4,9 5,7 2,3 2,9 37,9 40,5 37,0 40,6 36,1 39,8 35,6 39,5.. 39, ,0 45,4 45,9 44,5 46,5 45,3 47,5 45,9.. 45, ,3 14,0 16,8 13,5 18,5 14,7 20,4 16,0 23,2 18,5 22,2 17,1 17,8 14,3 17,4 14,0 19,2 15,1 21,0 16,4 23,9 19,0 22,8 17,6 89,8 83,1 86,0 79,4 101,1 89,6 114,6 104,4 108,9 114,8 108,0 105,3 19,3 16,8 19,5 17,0 18,3 16,4 17,8 15,3 21,3 16,1 20,6 16,3 4,2 4,2 4,5 4,5 1,1 1,4 (-) 0,7 (-) 0,3 (-) 2,0 (-) 1,4 (-) 1,7 (-) 1,2 31,6 30,4 33,4 31,9 34,9 32,3 34,0 31,9.. 32, ,4 17,0 18,2 18,2 19,6 18,3 18,7 17,3.. 18,7.... (1) Não inclui as contribuições sociais imputadas. (2) Resultado das Contas Nacionais Trimestrais. 12

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Coordenação de Contas Nacionais Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2011 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 11

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 11 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 11 Atividade de Construção Civil (versão para informação e comentários)

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL 2010 Produto Interno Bruto - PIB Corresponde ao valor a preços de mercado, de todos os bens e serviços finais produzidos em um território, num determinado período

Leia mais

Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS

Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS Aulas 3-6 MACROECONOMIA X CONTAS NACIONAIS Macroeconomia: explica

Leia mais

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo.

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. São derivados de

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos Aula 2: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Abril 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 1: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 1: Agregados Macroeconômicos Aula 1: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Janeiro 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DE MINAS GERAIS 2010 RELATÓRIO ANUAL

PRODUTO INTERNO BRUTO DE MINAS GERAIS 2010 RELATÓRIO ANUAL PRODUTO INTERNO BRUTO DE MINAS GERAIS 2010 RELATÓRIO ANUAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS A RESPEITO DOS RESULTADOS DE 2010 A Fundação João Pinheiro (FJP), através do Centro de Estatística e Informações (CEI),

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 2005/2006

Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 2005/2006 Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 25/26 Adelaide Duarte Cap- IV Contabilidade Nacional FEUC Introdução à Economia 1 Contabilidade Nacional Conceitos elementares Produto interno e produto

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil

Sistema de Contas Nacionais Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2004-2008 Coordenação de Contas Nacionais Rio, 05/11/2010 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres de 2010, HOJE - ano 2008

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais

Centro de Competência de Ciências Sociais Centro de Competência de Ciências Sociais PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA PARA A PROVA DE ECONOMIA

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS OBJETIVO Acompanhar o desempenho conjuntural do setor de serviços, através de indicadores mensais, a partir

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DOS MUNICÍPIOS

PRODUTO INTERNO BRUTO DOS MUNICÍPIOS ISSN: 1983-2168 - Ano: 2013 - Mês: Fevereiro N 59 PRODUTO INTERNO BRUTO DOS MUNICÍPIOS Com base em estudo do IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA SÉRIE RELATÓRIOS METODOLÓGICOS VOLUME

Leia mais

Síntese do panorama da economia brasileira 3

Síntese do panorama da economia brasileira 3 Síntese do panorama da economia brasileira 3 O - PIB, no ano de 2012, acumulou crescimento de 1,0% em relação ao ano anterior. Em 2011, o crescimento acumulado no ano havia sido de 2,7%. Em função desse

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DOS MUNICÍPIOS NOVA BASE Bahia: 2010-2013

PRODUTO INTERNO BRUTO DOS MUNICÍPIOS NOVA BASE Bahia: 2010-2013 PRODUTO INTERNO BRUTO DOS MUNICÍPIOS NOVA BASE Bahia: 2010-2013 A Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) divulga o Produto Interno Bruto (PIB) dos municípios baianos, na nova base,

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS 18/07/2013 OBJETIVO Acompanhar o desempenho conjuntural do setor de serviços, através de indicadores mensais,

Leia mais

Contas Nacionais. Professor Gilmar Ferreira Curso de Exercícios de Macroeconomia - ESAF

Contas Nacionais. Professor Gilmar Ferreira Curso de Exercícios de Macroeconomia - ESAF Contas Nacionais 1. (ESAF- AFRF - 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Investimento bruto total: 700 Depreciação: 30 Déficit do balanço de pagamentos

Leia mais

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 ENCONTROS DE ATUALIDADES ECONÔMICAS O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 Prof. Dr. Laumar Neves de Souza Diagrama do

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2013 Mercado de trabalho no mês de junho apresenta relativa estabilidade 1. Em junho, as informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego de mostraram

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Agosto/2013 Desemprego registra redução em agosto 1. No mês de agosto, os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego para os residentes em mostraram variação

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

Contabilidade Social

Contabilidade Social Contabilidade Social Prof. Regis Augusto Ely Agosto de 2011 - Revisão Novembro de 2012 1 Contabilidade Social A contabilidade social, ou nacional, é um instrumental que permite mensurar a totalidade das

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica n.

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica n. DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica n.º 23 Expansão da Produção (versão para informação e comentários)

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica.

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. Marcos Paulo Novais Silva José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho analisa a pesquisa Contas Satélite de Saúde 2005-2007, divulgada

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA na região metropolitana do Rio de Janeiro entre 2010 e 2011 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JANEIRO DE

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Junho/2012 Crescimento da ocupação e saída de pessoas do mercado de trabalho determinam expressiva redução do desemprego 1. Em junho, as informações da Pesquisa

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE número 42 2012 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 4

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 4 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 4 Classificação de Produto e Atividade (versão para informação

Leia mais

Estimativas e Projeções do PIB Paraense 2014-2020

Estimativas e Projeções do PIB Paraense 2014-2020 VII REUNIÃO DO GRUPO DE ESTUDOS E ANÁLISE CONJUNTURAL GEAC Estimativas e Projeções do PIB Paraense 20142020 Maria Glaucia P. Moreira Diretora de Estatística e de Tecnologia e Gestão da Informação FAPESPA

Leia mais

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO

AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 AGOSTO DE 2013 2 LIGEIRA REDUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO PIB

PRODUTO INTERNO BRUTO PIB PRODUTO INTERNO BRUTO PIB PIAUÍ 2013 2 Nota metodológica das Contas Regionais referência 2010 A divulgação da série das Contas Regionais do Brasil referência 2010 dá continuidade ao projeto de implantação

Leia mais

Restrições de Investimento:.

Restrições de Investimento:. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O ORAMA DI TESOURO MASTER 12.823.610/0001-74 Informações referentes a 05/2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o ÓRAMA DI TESOURO MASTER

Leia mais

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos CAPITULO 6 Rendimentos e repartição dos rendimentos A actividade produtiva e a formação de rendimentos A repartição funcional dos rendimentos A repartição pessoal dos rendimentos A redistribuição dos rendimentos

Leia mais

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015 Três Coroas Mesorregião: Metropolitana de Porto Alegre - Microrregião: Gramado-Canela Área territorial: 185,54 Km2 - Produto Interno Bruto (2013): R$ 776.096.963,00

Leia mais

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini para os engenheiros Engenheiro Civil Valter Fanini Formação do salário dos engenheiros O contexto macro-econômico O mercado de trabalho As informações do mercado (RAIS) As normas legais O contexto macro-econômico

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03/2013. IPCA e INPC AMPLIAÇÃO DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA

NOTA TÉCNICA 03/2013. IPCA e INPC AMPLIAÇÃO DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA NOTA TÉCNICA 03/2013 IPCA e INPC AMPLIAÇÃO DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA A partir do mês de janeiro de 2014, com divulgação em fevereiro do mesmo ano, o Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor

Leia mais

Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento

Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento APDR, Mesa Redonda sobre crise e desenvolvimento regional Lisboa, 18.dezembro.2012 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto 12,5% 10,0% 7,5% Taxa

Leia mais

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%)

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 30/12/1943 - Distância da capital: 71 km - Área: 240 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Agreste Potiguar - População: 14.483 (IBGE/2007)

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março - 2006

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março - 2006 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março - 2006 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP.

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados FEVEREIRO - 216 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. A Consultoria Técnica Especializada da Câmara Municipal de Limeira apresenta os dados do

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 1 2 As Medidas do PAC se dividem em 5 categorias 1) Investimento em Infra-Estrutura 2) Estímulo ao Crédito e ao Financiamento 3) Desoneração

Leia mais

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Prof. Francisco Mariotti CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Microeconomia. 1.1 Demanda do Consumidor.1.1.1 Preferências. 1.1.2 Equilíbrio do consumidor.

Leia mais

Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas no Brasil. Observatório das MPEs SEBRAE-SP 24/11/2006

Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas no Brasil. Observatório das MPEs SEBRAE-SP 24/11/2006 Onde Estão as Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP 24/11/2006 1 As Micro e Pequenas Empresas (MPEs) na economia 98% das empresas do país 67% das pessoas ocupadas (*) 56%

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 08/05/1963 - Distância da capital: 357 km - Área: 245 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 6.997 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2012 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

O trabalhador e a inserção ocupacional na construção e suas divisões

O trabalhador e a inserção ocupacional na construção e suas divisões BOLETIM TRABALHO E CONSTRUÇÃO O trabalhador e a inserção ocupacional na construção e suas divisões Número 8 Agosto de 2016 Mercado de Trabalho e Economia Menor dinamismo Taxa de Desemprego Nível de Ocupação

Leia mais

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO

Prof. Rodrigo Marchesin. Unidade I ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Unidade I ECONOMIA E MERCADO Apresentação Inúmeras questões econômicas: preços; desemprego; salários; câmbio; taxa de juros; impostos. Conceito de economia oikos (casa) do grego:

Leia mais

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014 Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Julho/2014 Este relatório apresenta dados disponíveis em julho de 2014, mas cabe salientar que devido ao esforço de consolidação de dados

Leia mais

Cursos Científico-Humanísticos Ano Lectivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA A (11º ano)

Cursos Científico-Humanísticos Ano Lectivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA A (11º ano) GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Lectivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL ECONOMIA A (11º ano) Página 1 de 7 Competências Gerais Perspectivar a Economia no conjunto das

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF:

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS DIVIDENDOS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 INTRODUÇÃO 04 METODOLOGIA 05

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 INTRODUÇÃO 04 METODOLOGIA 05 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 INTRODUÇÃO 04 METODOLOGIA 05 ANÁLISE DE DESEMPENHO 09 ECONOMIA DE MATO GROSSO DO SUL 2003/2002 10 TABELA 1 EVOLUÇÃO DAS PRINCIPAIS CULTURAS AGRÍCOLAS DE MATO GROSSO DO SUL 11 ECONOMIA

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

Representatividade das MPEs:

Representatividade das MPEs: Representatividade das MPEs: Número de Estabelecimentos Empresarias e Mercado de Trabalho 1 CONTEXTO DAS MPES NO ESTADO DA BAHIA: Estabelecimentos empresariais MPEs: O estado da Bahia possui 174.067 estabelecimentos

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919.

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO ADVANCED 01.919.660/0001-33 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

ECONOMIA ALAGOANA CRESCE 5% EM 2012 CONFORME SEPLANDE E IBGE. Tabela 01- Variação Real do PIB de Alagoas 2008-2012 (%)

ECONOMIA ALAGOANA CRESCE 5% EM 2012 CONFORME SEPLANDE E IBGE. Tabela 01- Variação Real do PIB de Alagoas 2008-2012 (%) ECONOMIA ALAGOANA CRESCE 5% EM 2012 CONFORME SEPLANDE E IBGE Superintendência da Produção e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estudos e Pesquisas A variação real do Produto Interno Bruto (PIB) indica

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica Engenharia Econômica Aula 1: Conceitos Básicos Lucas Motta Universidade Federal de Pernambuco 23 de Março de 2015 Engenharia Econômica Definição Trata-se de um estudo econômico e financeiro de um projeto,

Leia mais

Indicadores IBGE. Pesquisa Mensal de Serviços. fevereiro 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Pesquisa Mensal de Serviços. fevereiro 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Serviços fevereiro 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos

Aula 01 Balanço de Pagamentos Aula 01 Balanço de Pagamentos 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores: 200 Importações

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS Audiência Pública - CMA/SENADO 13.04.2010 - BRASILIA-DF LDO 2010 (LEI Nº 12.017, DE 12 DE AGOSTO

Leia mais

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008 AS S E M B L EI A D A R E P ÚBLI C A U N I D A D E T É C N I C A DE APOIO ORÇAMENTAL Ref.ª 25/UTAO/2008 Data: 7.10.2008 INFORMAÇÃO N.º 9/2008 Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo

Leia mais

O comércio varejista no período de 1996-2002

O comércio varejista no período de 1996-2002 Comentários gerais A Pesquisa Anual de Comércio PAC tem como objetivo levantar informações sobre a estrutura produtiva e econômica do segmento empresarial do comércio brasileiro. De acordo com os resultados

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73 Informações referentes a Julho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 2 - AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O objetivo deste capítulo

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM da Baixada Santista 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE)

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) METODOLOGIA DE PESQUISA DE DADOS SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS CAPIXABAS FUCAPE BUSINESS SCHOOL - 2015 Av. Fernando Ferrari, 1358,

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA 2014-2015 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO. Nº de garrafas encontradas

ECONOMIA E SOCIOLOGIA 2014-2015 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO. Nº de garrafas encontradas ECONOMIA E SOCIOLOGIA 214-215 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. Um estudante trabalha em part-time, num período de duração à sua escolha, na cantina da Escola, recebendo como contrapartida um salário de 6 /hora.

Leia mais

Gilmar Ferreira Maio de 2010

Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos de déficits e divida pública ECONOMIA DO SETOR PUBLICO Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos acima da linha (calculado pelo Tesouro): a) Déficit Nominal: Gastos totais Receitas total b) Déficit

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA

ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA CURSOS SETORIAIS PARA GESTORES PÚBLICOS P MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO PLANO PLURIANUAL - PPA Profa. Nirleide Saraiva Coelho PPA 2010/2013 O Plano Plurianual de um Município é o instrumento de planejamento

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM da Baixada Santista 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Desenvolvimento humano e objetivos do milênio. Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim

Desenvolvimento humano e objetivos do milênio. Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim Desenvolvimento humano e objetivos do milênio Disciplina: Geografia IFMG Campus Betim A grande heterogeneidade dos países em desenvolvimento Processo de descolonização da África e na Ásia gerou vários

Leia mais

REFORMA TRIBUTÁRIA Desoneração da Folha de Pagamentos: Novos Setores

REFORMA TRIBUTÁRIA Desoneração da Folha de Pagamentos: Novos Setores REFORMA TRIBUTÁRIA Desoneração da Folha de Pagamentos: Novos Setores Guido Mantega Ministro da Fazenda Brasília, 04 de abril de 2013 1 Redução de tributos sobre a folha de pagamentos Estamos anunciando

Leia mais

Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004

Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004 Financiamento ao Setor de Gás e Petróleo Políticas Operacionais Março/2004 Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural PROMINP 1º Fórum Regional Rio Grande do Norte 05 de Março

Leia mais

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos?

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos? Gestão de custos Aula 1 Terminologias e Classificação em Custos Regis Garcia Mestre em Contabilidade com ênfase em Finanças pela UFPR, Especialista em Contabilidade Societária e Gerencial e em Controladoria

Leia mais

Economia II. A medição dos principais agregados macroeconómicos. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007

Economia II. A medição dos principais agregados macroeconómicos. Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes. Setembro 2007 Economia II A medição dos principais agregados macroeconómicos Francisco Camões / Sofia Vale / Vivaldo Mendes Setembro 2007 1 Introdução à Contabilidade Nacional 2 Diversos índices de preços Fluxo circular

Leia mais

Portugal. Principais Indicadores Económicos

Portugal. Principais Indicadores Económicos Portugal Principais Indicadores Económicos Julho de Índice 1 - Indicadores Macroeconómicos 2 - Previsões Macroeconómicas 3 - Valor Acrescentado Bruto 4 - Estatísticas de Emprego 5 - Indicadores de Risco

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes    DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (NFSP): 3 CONCEITOS

Leia mais

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta.

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. JULHO DE 2006 Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Análise Comparativa RAIS ANO BASE 2013 x ANO BASE 2014

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Análise Comparativa RAIS ANO BASE 2013 x ANO BASE 2014 Análise Comparativa RAIS ANO BASE 2013 x ANO BASE 2014 14/01//2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5.

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego nº 02 de 2015 Florianópolis, fevereiro de 2015.

Informativo Mensal de Emprego nº 02 de 2015 Florianópolis, fevereiro de 2015. SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SETOR DE INFORMAÇÃO E ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO Informativo Mensal de Emprego nº 02 de 2015

Leia mais

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS DO PAÍS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE (RECiFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO

Leia mais

Reforma do PIS/Cofins Questões para discussão

Reforma do PIS/Cofins Questões para discussão Reforma do PIS/Cofins Questões para discussão Apresentação para o Observatório da Reforma Tributária Centro de Cidadania Fiscal - CCiF A proposta do Governo em 2014 A proposta do Governo em 2014 Aspectos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO PRODUTIVA E DETERMINAÇÃO DAS AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E PROFISSIONAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA - PLANTEQ 2006

CARACTERIZAÇÃO PRODUTIVA E DETERMINAÇÃO DAS AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E PROFISSIONAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA - PLANTEQ 2006 CARACTERIZAÇÃO PRODUTIVA E DETERMINAÇÃO DAS AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E PROFISSIONAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA - PLANTEQ 2006 Florianópolis, junho de 2006. Contratante: SINE Contratada: Fundação

Leia mais

Informativo Caged nº 03/2011 15/03/2011 Em fevereiro foram abertas 18.914 novas vagas em Santa Catarina

Informativo Caged nº 03/2011 15/03/2011 Em fevereiro foram abertas 18.914 novas vagas em Santa Catarina Informativo Caged nº 03/2011 15/03/2011 Em fevereiro foram abertas 18.914 novas vagas em Santa Catarina No primeiro bimestre foram criados 35.803 mil postos de trabalho no Estado A geração de empregos

Leia mais