Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento"

Transcrição

1 Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento APDR, Mesa Redonda sobre crise e desenvolvimento regional Lisboa, 18.dezembro.2012 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto

2 12,5% 10,0% 7,5% Taxa de variação real anual - Portugal PIB PIB potencial 5,0% 2,5% 0,0% -2,5% -5,0% Fonte: AMECO 2

3 Investimento como variável crítica da(s) crise(s) % 8 6 Evolução do PIB (e contributos) e taxa de desemprego % 16 12,7 12 consumo público 4 8 Consumo privado 2 4 Investimento ,6-4 Procura externa líquida -4-8 PIB pm (variação anual) Taxa de desemprego (escala da direita) Fonte: INE NOTA: A informação deste gráfico resulta da revisão da série de Contas Nacionais apresentada pelo INE a , contrariamente aos diversos gráficos apresentados por componentes da FBCF que ainda não foram objeto desta revisão 3

4 Investimento como variável crítica da(s) crise(s) 30% 27,0% FBCF em % do PIB "Efeito PPP" FBCF pública/pib FBCF/PIB 20% 17,9% 15,9% 10% 0% 3,4% 2,6% 1,5% Efeito PPP: Alteração da forma de tratamento em contabilidade nacional de 4 PPP rodoviárias, que passaram a ser consideradas como investimento das Administrações Públicas (ver destaque INE de 23 abril 2011). Fonte: INE, Projeções da 5ª Avaliação e cálculos próprios 4

5 % % a nível mundial (Público e Privado) Variação da % FBCF (pública e privada) no PIB: Portugal -20 Privado Público -30 Público sem efeito PPP OCDE Fonte: OCDE, AMECO e cálculos próprios 5

6 Comum a todos os setores institucionais Evolução anual da FBCF - contributos por setor institucional Famílias e ISFLSF FBCF total por setores institucionais 15% Adm. Públicas Adm. Públicas Soc. não Financeiras Soc. Financeiras Famílias e ISFLSF Soc. Financeiras 2011P Soc. não Financeiras 10% 2010P FBCF Total % 0% % % P2011P -15% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Fonte: INE 6

7 Administrações subnacionais com peso 100% 75% relevante na FCBF pública FBCF por setor da Administração Pública Adm. Central sem "efeito PPP" 50% "Efeito PPP" 25% 0% Adm. Regional e Local Fonte: INE Países da OCDE Fonte: OCDE 7

8 por componentes Evolução anual da FBCF - contributos por componente Animais e plantações Outras máquinas e equipamentos Equipamento de transporte Ativos fixos incorpóreos Construção FBCF Total 15% 10% 5% 0% -5% FBCF por componentes Construção Ativos fixos incorpóreos Equipamento de transporte Outras máquinas e equipamentos Animais e plantações 2011P 2010P % P2011P -15% % 20% 40% 60% 80% 100% Fonte: INE 8

9 Comum a todas as regiões Portuguesas Contribuição das regiões para o FBCF total (em volume) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores RA Madeira Portugal 15% 10% 5% Portugal Norte Centro Lisboa Evolução média da FBCF por região (médias das taxas de variação anual) % Alentejo Algarve % -10% R. A. Açores R. A. Madeira -20% -10% 0% 10% Fonte: INE e cálculos próprios 9

10 em linha com os contributos regionais para a variação do PIB nacional Contribuição das regiões para o PIB nacional (volume) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores RA Madeira Portugal 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% -1% -2% P -3% Fonte: INE e cálculos próprios 10

11 Evolução do PIB por região PIB - média das taxas de crescimento 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% 0% -1% -2% -3% Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R.A. Açores RA Madeira Fonte: INE 11

12 Taxas de investimento por região 40% Taxas de investimento (FBCF/PIB) 30% 20% 10% 0% Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores R. A. Madeira Fonte: INE e cálculos próprios 12

13 Os problemas de financiamento 35% 25% 15% 5% Empréstimos concedidos a Sociedades não financeiras (taxas de variação anuais) Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Açores Madeira -5% -15% 2004 Set 2005 Set 2006 Set 2007 Set 2008 Set 2009 Set 2010 Set 2011 Set 2012 Set Fonte: Banco de Portugal 13

14 as dificuldades de cumprimento das % 20 obrigações Créditos vencidos das Sociedades Não Financeiras (em % créditos concedidos) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Açores Madeira 0 14 Dez-02 Jun-03 Dez-03 Jun-04 Dez-04 Jun-05 Dez-05 Jun-06 Dez-06 Jun-07 Dez-07 Jun-08 Dez-08 Jun-09 Dez-09 Jun-10 Dez-10 Jun-11 Dez-11 Jun-12 Fonte: Banco de Portugal

15 O impacto no desemprego (2011) Portugal = 12,7% 13,0 10,3 14,1 12,4 15,6 11,5 13,8 Portugal Algarve Alentejo R. A. Madeira % (2008) Portugal =7,6% 8,7 5,4 8,2 9,0 7,0 5,5 Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores 6,0 R. A. Madeira 3T2007 3T2008 3T2009 3T2010 3T2011 3T Fonte: INE 15

16 Um zoom subregional: ao investimento empresarial % 50 Taxa de investimento das empresas (FBCF/VAB) Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Fonte: INE e cálculos ICS 16

17 Um zoom subregional: ao investimento empresarial Fonte: INE, cálculos ICS e cálculos próprios 17

18 Um zoom subregional: ao investimento municipal % 50 Aquisição bens de capital no total de despesas dos municípios Portugal Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Açores Madeira Fonte: INE 18

19 Um zoom subregional: ao investimento municipal Fonte: INE e cálculos próprios 19

20 Um zoom subregional: Antes e depois da crise Fonte: INE, ICS e cálculos próprios 20

21 Um zoom subregional: Uma visão de síntese Fonte: INE, ICS e cálculos próprios 21

22 M Papel dos fundos comunitários (evolução da execução) 2,1 1,9 2,1 1,9 2,0 % 2 1,7 1,6 1,5 1,5 1,8 1,2 1, QCA II (FEDER+FSE) QCA III (FEDER+FSE) Fundo de Coesão I e II QREN Total Fundos em % do PIB (escala à direita) Fonte: IV Relatório Anual do QREN 22

23 /habitante Papel dos fundos comunitários (execução regional do QREN) 4,7% ,5% 2,6% 3,2% 1,4% 0 0,5% 0,2% Norte Centro Alentejo Lisboa Algarve R. A. Açores R. A. Madeira /habitante % PIB Fonte: Sistema Monitorização QREN 23

24 Conclusões Forte crise de investimento (público e privado); Reflete crise de confiança nacional e internacional e problemas de financiamento; Condiciona o crescimento no imediato, mas sobretudo a capacidade de crescer no futuro; Transversal a todas as regiões, mas com maior acuidade no Algarve e Madeira (efeito construção); Margem para investimento público (central, regional e local) será muito reduzida, pelo que a eficiência e eficácia do mesmo serão decisivas; Questões críticas: Investimento privado: o ambiente nacional e internacional e o bloqueio do financiamento Investimento público: verdadeiros contratos entre as diversas escalas territoriais de governo 24

25 Indicadores espacializados da crise: A crise de investimento APDR, Mesa Redonda sobre crise e desenvolvimento regional Lisboa, 18.dezembro.2012 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Coordenação de Contas Nacionais Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2011 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 22 de outubro de 2 Banco de Portugal publica Suplemento sobre Estatísticas das Administrações Públicas e divulga informação trimestral adicional O Banco de Portugal

Leia mais

Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de caso O plano operacional da Região do Norte Rui Monteiro Vasco Leite

Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de caso O plano operacional da Região do Norte Rui Monteiro Vasco Leite Fundos estruturais e convergência real: Um estudo de O plano operacional da Região do Norte 2000-2006 Rui Monteiro Vasco Leite Índice I. Convergência e divergência real da Região do Norte 2. Distribuição

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente

Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2011 26 de janeiro de 2012 Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente O valor médio de avaliação bancária de habitação 1 do total do País

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 24 Tabelas Comparativas (versão para informação e comentários)

Leia mais

Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann

Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann CONFERENCE REGIONAL POLICY AROUND THE WORLD 29 de Setembro de 2008, Porto, Alfândega Nova do Porto Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann 1. Em tempos de incerteza

Leia mais

O Financiamento da Economia e as Empresas

O Financiamento da Economia e as Empresas O Financiamento da Economia e as Empresas Banco de Portugal Apresentação na CIP em 17/2/2009 Vítor Constâncio O FINANCIAMENTO DA ECONOMIA O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS O SISTEMA BANCÁRIO E O FINANCIAMENTO

Leia mais

Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 2005/2006

Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 2005/2006 Introdução à Economia Licenciaturas de Economia 25/26 Adelaide Duarte Cap- IV Contabilidade Nacional FEUC Introdução à Economia 1 Contabilidade Nacional Conceitos elementares Produto interno e produto

Leia mais

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro de higiene e limpeza

Concurso limitado por prévia qualificação para a celebração de acordo quadro de higiene e limpeza Anexo V.1 Proposta de preços Lote 1: Fornecimento de consumíveis de casa de banho para a Região Norte Identificação do Candidato 1 2 3 4 2 1 2 1 1 Largura 5 cm Largura 6 cm,35* +,35* +,15* +,5* +,5* +,5*

Leia mais

Mercado de trabalho e Situação Financeira das Empresas em degradação acentuada

Mercado de trabalho e Situação Financeira das Empresas em degradação acentuada FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

Habitação em recuperação e Obras Públicas em queda

Habitação em recuperação e Obras Públicas em queda Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 80 Junho

Leia mais

O Sector da Construção em Portugal. 1º semestre

O Sector da Construção em Portugal. 1º semestre O Sector da Construção em Portugal 2015 1º semestre Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Sector da Construção em Portugal 1º Sem. 2015 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro Instituto

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001

ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001 Informação à Comunicação Social 25 de Janeiro de 2002 ACTIVIDADE TURÍSTICA Janeiro a Outubro de 2001 O INE apresenta os principais resultados preliminares relativos à Oferta Turística em 31 de Julho de

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais

Centro de Competência de Ciências Sociais Centro de Competência de Ciências Sociais PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA PARA A PROVA DE ECONOMIA

Leia mais

SAÚDE AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SAÚDE AEP / GABINETE DE ESTUDOS SAÚDE AEP / GABINETE DE ESTUDOS ABRIL DE 2003 Sector da Saúde O sector da saúde reveste-se, actualmente, de uma elevada importância económica representa nos países da OCDE, em média, 9 por cento do PIB

Leia mais

R e g i ã o A u t ó n o m a d o s A ç o r e s V i c e - P r e s i d ê n c i a d o G o v e r n o

R e g i ã o A u t ó n o m a d o s A ç o r e s V i c e - P r e s i d ê n c i a d o G o v e r n o R e g i ã o A u t ó n o m a d o s A ç o r e s V i c e - P r e s i d ê n c i a d o G o v e r n o S E R V I Ç O R E G I O N A L D E E S T A T Í S T I C A D O S A Ç O R E S P R O D U Ç Ã O E I M P O R T A

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU ARTI CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01

Leia mais

Quadro 2. Dormidas por tipo e categoria de estabelecimento

Quadro 2. Dormidas por tipo e categoria de estabelecimento Atividade Turística Maio 2013 15 de julho de 2013 Residentes no estrangeiro contribuem para os resultados positivos na hotelaria A hotelaria registou 1,4 milhões de hóspedes em maio de 2013, +7,0% que

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA

CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA 1 CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA 2 Sumário da Apresentação 1. Objectivos. Principais Constrangimentos ao Crescimento do Crédito Bancário em Angola. Conclusões

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO XI ASSISTÊNCIA TÉCNICA FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento

Leia mais

Linhas de Crédito. Linha Global BEI. 16 de Dezembro de 2013. Marketing Empresas e Institucionais

Linhas de Crédito. Linha Global BEI. 16 de Dezembro de 2013. Marketing Empresas e Institucionais Linhas de Crédito Linha Global BEI 16 de Dezembro de 2013 Linha Global BEI Montante Objetivo 200M - Valor máximo de enquadramento - 12,5M por empresa Apoio a projetos de investimento (prioritário) e a

Leia mais

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO 31 de Agosto de 2011 Linhas PME Investe Sector do Turismo Características Gerais e Condições de Financiamento - Linhas Específicas do Sector do Turismo - PME INVESTE

Leia mais

de habitação social em 246 Municípios, constituído por cerca de 97 mil fogos e 22 mil edifícios edifícios

de habitação social em 246 Municípios, constituído por cerca de 97 mil fogos e 22 mil edifícios edifícios Caracterização da Habitação Social em Portugal 2009 09 de Julho de 2010 Parque de habitação social em 246 Municípios, constituído por cerca de 97 mil fogos e 22 mil edifícios Em termos médios nacionais,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI LEI Nº, DE DE 2003 Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Paulo Tafner São Paulo Março de 216. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira - 214 (% do PIB) Previdência Social Brasileira

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar

Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública. Vítor Gaspar Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública Vítor Gaspar Lisboa, 24 de outubro 2012 Figura 1. Progressos significativos nos mercados de financiamento Taxas de juro das Obrigações do Tesouro

Leia mais

Como consultar? Pág. 25. Pode navegar no documento clicando nos números de página ... OS NÚMEROS DE 2014. A CGE SABER MAIS Pág. 31 NOTAS E GLOSSÁRIO

Como consultar? Pág. 25. Pode navegar no documento clicando nos números de página ... OS NÚMEROS DE 2014. A CGE SABER MAIS Pág. 31 NOTAS E GLOSSÁRIO O QUE É As pretendem apresentar, através de um conjunto de imagens simplificadas e de leitura direta, os principais resultados orçamentais e números relevantes decorrentes da execução do Orçamento (OE)

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 11,9%

Taxa de desemprego estimada em 11,9% 4 de novembro de 215 Estatísticas do Emprego 3.º trimestre de 215 Taxa de desemprego estimada em 11,9% A taxa de desemprego no 3.º trimestre de 215 foi de 11,9%. Este valor é igual ao do trimestre anterior

Leia mais

A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde. Motivação

A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde. Motivação A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Motivação 25º Aniversário do SNS Qual a sua sustentabilidade financeira? O

Leia mais

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, 14 de dezembro de 2011 Sub-setorial Transversal Educação

Leia mais

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE

Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) JOINVILLE FECOMÉRCIO SC SUMÁRIO Endividamento em Joinville 7 Considerações

Leia mais

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal Qualidade do Ar: um caso de jurisprudência para Portugal Filomena Boavida 19 maio 2015 Regulamentação da política do ar Recuperação do vapor da gasolina,

Leia mais

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015 Três Coroas Mesorregião: Metropolitana de Porto Alegre - Microrregião: Gramado-Canela Área territorial: 185,54 Km2 - Produto Interno Bruto (2013): R$ 776.096.963,00

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe V

Linha de Crédito PME Investe V Linha de Crédito PME Investe V I - Condições gerais da Linha de Crédito PME Investe V 1. Montante das Linhas Linhas Específicas Montante Micro e Pequenas Empresas 250 milhões Geral 500 milhões Total Linha

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história recente

Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história recente 1 set/91 set/92 set/93 set/94 set/95 set/96 set/97 set/98 set/99 set/00 set/01 set/02 set/03 set/04 set/05 set/06 set/07 set/08 set/09 set/10 set/11 set/12 Vivemos o mais longo ciclo de crédito da história

Leia mais

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008

INFORMAÇÃO N.º 9/2008. Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo das Administrações Públicas 2.º Trimestre de 2008 AS S E M B L EI A D A R E P ÚBLI C A U N I D A D E T É C N I C A DE APOIO ORÇAMENTAL Ref.ª 25/UTAO/2008 Data: 7.10.2008 INFORMAÇÃO N.º 9/2008 Contas Nacionais Trimestrais por Sectores Institucionais, incluindo

Leia mais

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem Resultado do ICEI - Índice de Confiança do Empresário Industrial - nas Regionais FIESP Projeto de de Opinião CNI (DEPAR/DEPECON) Introdução A Sondagem Industrial é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente

Leia mais

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES

MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, POR CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA. [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] DESIGNAÇÃO DAS RECEITAS RECEITAS CORRENTES MAPA I RECEITAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS, CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA [Alínea a) do n.º 1 do artigo 1.º] CAPÍ- IMTÂNCIAS EM EUROS GRU CAPÍ RECEITAS CORRENTES 01 IMTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01 Imposto

Leia mais

Compreender os conceitos fundamentais e a terminologia no âmbito da contabilidade de custos;

Compreender os conceitos fundamentais e a terminologia no âmbito da contabilidade de custos; CONTABILIDADE ANALÍTICA I [12003] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Pretende-se fornecer um enquadramento teórico e prático da Contabilidade de Custos ou Analítica, em particular, dos objetivos prosseguidos

Leia mais

A Contabilidade como fator de transparência na Administração Pública. Oportunidades do SNC - AP. Paula Gomes dos Santos

A Contabilidade como fator de transparência na Administração Pública. Oportunidades do SNC - AP. Paula Gomes dos Santos A Contabilidade como fator de transparência na Administração Pública Oportunidades do SNC - AP Paula Gomes dos Santos Oportunidades do SNC AP Implementar a base de acréscimo na contabilidade e relato financeiro

Leia mais

Análise à Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2016

Análise à Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2016 UNIDADE TÉCNICA DE APOIO ORÇAMENTAL ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA UTAO PARECER TÉCNICO n.º 3/2016 Análise à Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2016 17.02.2016 Ficha técnica Este trabalho foi elaborado

Leia mais

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica.

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. Marcos Paulo Novais Silva José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho analisa a pesquisa Contas Satélite de Saúde 2005-2007, divulgada

Leia mais

Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL

Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL ESTRUTURA NACIONAL 02-05-2016 RNCCI 2 REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Saúde Segurança

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 20 e 23 de junho de 2016 Analistas consultados: 24 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos combustíveis rodoviários no 1º Trimestre de 2013 Introdução O objetivo desta informação é analisar a evolução do

Leia mais

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros TEXTO PARA DISCUSSÃO Nota Técnica: O Custo Público com Reprovação e Abandono Escolar na Educação Básica Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros Pesquisadores de Economia Aplicada do FGV/IBRE Fevereiro

Leia mais

Aula 6 Contextualização

Aula 6 Contextualização Gestão Financeira Aula 6 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Fluxo de Caixa Fluxo de caixa é o conjunto de movimentações, de entradas e saídas de dinheiro, de um período determinado nas

Leia mais

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014

BCE Boletim Mensal Fevereiro 2014 EDITORIAL Com base nas suas análises económica e monetária regulares, o Conselho do decidiu, na reunião de 6 de fevereiro de 2014, manter as taxas de juro diretoras do inalteradas. A informação recentemente

Leia mais

O enquadramento legal do apoio à eficiência energética na Administração Local: financiamento das operações e regime de contratação pública

O enquadramento legal do apoio à eficiência energética na Administração Local: financiamento das operações e regime de contratação pública O enquadramento legal do apoio à eficiência energética na Administração Local: financiamento das operações e regime de contratação pública Novembro 2015 João Amaral e Almeida Complexo quadro normativo:

Leia mais

A pesquisa como ferramenta de observação de tendências. Rio de Janeiro, 03 de setembro 2009

A pesquisa como ferramenta de observação de tendências. Rio de Janeiro, 03 de setembro 2009 A pesquisa como ferramenta de observação de tendências Rio de Janeiro, 03 de setembro 2009 Agenda 1. BNP Paribas Personal Finance 2. BNP Paribas Personal Finance no Brasil 3. O Observador 4. Característica

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

GABINETE DE ESTRATÉGIA, PLANEAMENTO E AVALIAÇÃO CULTURAIS. Voluntariado Formal - Arte e Cultura em 2012. Arte. Cultura. GEPAC Setembro 2013

GABINETE DE ESTRATÉGIA, PLANEAMENTO E AVALIAÇÃO CULTURAIS. Voluntariado Formal - Arte e Cultura em 2012. Arte. Cultura. GEPAC Setembro 2013 ... Cultura GABINETE DE ESTRATÉGIA, PLANEAMENTO E AVALIAÇÃO CULTURAIS Arte Voluntariado Formal - Arte e Cultura em 2012 GEPAC Setembro 2013 TÍTULO Voluntariado Formal nas Artes e na Cultura em 2012 DIREÇÃO

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE... i ÍNDICE DE QUADROS... v ÍNDICE DE GRÁFICOS... viii 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 4 2.1. ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL EM 2012... 4 2.2. EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA...

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE TRANSGÊNICOS DEZEMBRO 2002 OPP 573 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar junto a população da área em estudo opiniões sobre os transgênicos. -

Leia mais

A Nova Política Educacional do Estado de São Paulo

A Nova Política Educacional do Estado de São Paulo A Nova Política Educacional do Estado de São Paulo Maria Helena Guimarães de Castro 1ª Jornada da Educação Tribunal de Contas do Estado de São Paulo 04 de dezembro de 2008 Panorama da Educação no Brasil

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS

A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS COM HABILITAÇÃO SUPERIOR Em Fevereiro de 2008, o GPEARI do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior publicou o segundo relatório sobre a procura de emprego

Leia mais

Dormidas e proveitos mantiveram crescimento acentuado

Dormidas e proveitos mantiveram crescimento acentuado Atividade Turística Janeiro de 2016 16 de março de 2016 Dormidas e proveitos mantiveram crescimento acentuado Os estabelecimentos hoteleiros registaram 870,7 mil hóspedes e 2,1 milhões de dormidas em janeiro

Leia mais

Orçamento é... Expressão quantitativa Plano de aquisição e uso de recursos financeiros Plano de como alocar recursos para cada unidade organizacional

Orçamento é... Expressão quantitativa Plano de aquisição e uso de recursos financeiros Plano de como alocar recursos para cada unidade organizacional Orçamento Empresarial Orçamento é... Expressão quantitativa Plano de aquisição e uso de recursos financeiros Plano de como alocar recursos para cada unidade organizacional Plano, meta, demonstrações pro-forma.

Leia mais

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO COM SEDE EM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO

Leia mais

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua

Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil Afonso Bevilaqua abril de 20 1 Metas de Inflação e Evolução da Taxa de Câmbio no Brasil 1. Metas de Inflação no Brasil 2 Metas de Inflação no Brasil

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999

ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999 Informação à Comunicação Social 26 de Junho de 2000 ACTIVIDADE TURÍSTICA 1999 Em 31 de Julho de 1999, o número total de estabelecimentos na hotelaria tradicional recenseada (Hotéis, Hotéis-Apartamentos,

Leia mais

COMO ANALISAR CORRETAMENTE O INDICADOR DE GIRO

COMO ANALISAR CORRETAMENTE O INDICADOR DE GIRO COMO ANALISAR CORRETAMENTE O INDICADOR DE GIRO Por que aumentar o giro é bom. As 2 maneiras de aumentar o giro. Como observar o efeito do aumento do giro no resultado. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Dormidas de não residentes continuam a aumentar

Dormidas de não residentes continuam a aumentar Actividade Turística Novembro de 2010 10 de Janeiro de 2011 Dormidas de não residentes continuam a aumentar No mês de Novembro de 2010 a hotelaria registou cerca de dois milhões de dormidas, valor muito

Leia mais

Dormidas e proveitos com crescimentos expressivos

Dormidas e proveitos com crescimentos expressivos Atividade Turística Junho de 2016 16 de agosto de 2016 Dormidas e proveitos com crescimentos expressivos A hotelaria registou 1,9 milhões de hóspedes e 5,5 milhões de dormidas em junho de 2016, equivalendo

Leia mais

Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016

Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016 UNIDADE TÉCNICA DE APOIO ORÇAMENTAL ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA UTAO PARECER TÉCNICO n.º 2/2016 Análise ao Esboço do Orçamento do Estado para 2016 28.01.2016 Ficha técnica Este trabalho foi elaborado com base

Leia mais

Sistema de Gestão de Reclamações da ERS

Sistema de Gestão de Reclamações da ERS Sistema de Gestão de Reclamações da ERS Narração Estatística Ano de 2013 Setor Público Índice 1. Retrato estatístico... 7 1.1 Panorama geral nacional... 7 1.1.1 Evolução do volume de reclamações recebidas...

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

Reabilitação habitacional e o setor da construção civil

Reabilitação habitacional e o setor da construção civil Reabilitação habitacional e o setor da construção civil Lisboa http://portugalfotografiaaerea.blogspot.pt/search/label/arcos%20de%20valdevez Enquadramento Sumário Reabilitação de edifícios e o setor da

Leia mais

Glossário de termos financeiros PARTE 4

Glossário de termos financeiros PARTE 4 Glossário de termos financeiros PARTE 4 Activo Qualquer bem útil ou valioso pertença de um indivíduo, empresa ou organização. Activos de curto prazo Disponibilidade de Caixa ou outros bens que a empresa

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica _ Assistência Técnica CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª 2008.05.15 5 Pág. 1 de 5 Objectivo Assegurar as condições adequadas para a gestão, acompanhamento, avaliação, monitorização

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Economia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Critérios de Classificação

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Economia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Critérios de Classificação EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase Critérios de Classificação 11 Páginas 2016 Prova

Leia mais

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo.

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. São derivados de

Leia mais

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.)

SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII. CNPJ nº 13.012.312/0001-67. (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) SALUS FUNDO DE INVESTIMENTO FII CNPJ nº 13.012.312/0001-67 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I Objeto do Fundo O Salus Fundo

Leia mais

Estados-Membros - Contrato de prestação de serviços - Contratos adjudicados - Concurso público. P-Lisboa: Produtos para cuidados pessoais

Estados-Membros - Contrato de prestação de serviços - Contratos adjudicados - Concurso público. P-Lisboa: Produtos para cuidados pessoais 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:250524-2010:text:pt:html P-Lisboa: Produtos para cuidados pessoais 2010/S 163-250524 ANÚNCIO DE ADJUDICAÇÃO DO CONTRATO

Leia mais

Boletim Económico. Junho 2016. Lisboa, 2016 www.bportugal.pt

Boletim Económico. Junho 2016. Lisboa, 2016 www.bportugal.pt Boletim Económico Junho 2016 Lisboa, 2016 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Junho 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estudos Económicos

Leia mais

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável São Paulo, FGV-SP, 10º Fórum de Economia, 30/09/2013 Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email:

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA 2014-2015 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO. Nº de garrafas encontradas

ECONOMIA E SOCIOLOGIA 2014-2015 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO. Nº de garrafas encontradas ECONOMIA E SOCIOLOGIA 214-215 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. Um estudante trabalha em part-time, num período de duração à sua escolha, na cantina da Escola, recebendo como contrapartida um salário de 6 /hora.

Leia mais

Projectos de Inovação Geral Projectos de Empreendedorismo Qualificado

Projectos de Inovação Geral Projectos de Empreendedorismo Qualificado SISTEMA DE INCENTIVOS DO QREN Grelhas de análise do mérito regional AAC N.º 04/SI/2010 SI INOVAÇÃO (INOVAÇÃO PRODUTIVA) AAC N.º 05/SI/2010 SI INOVAÇÃO (EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO) AAC N.º 06/SI/2010

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS Diretoria de Pesquisas Coordenação de Serviços e Comércio - COSEC PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PMS 18/07/2013 OBJETIVO Acompanhar o desempenho conjuntural do setor de serviços, através de indicadores mensais,

Leia mais

Orçamento da Segurança Social - 2012 Mapa XIII. Receitas do Sistema de de Protecção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade

Orçamento da Segurança Social - 2012 Mapa XIII. Receitas do Sistema de de Protecção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade Receitas do Sistema de de Protecção Social de Cidadania - Subsistema de Solidariedade Receitas Correntes 4.413.043.743,00 04 Taxas multas e Outras penalidades 13.500,00 02 Multas e outras penalidades 13.500,00

Leia mais

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO 22/02/2016 1. DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIAS BÁSICAS Dispêndio

Leia mais

1ª Conversa: Salário Mínimo. José Varejão

1ª Conversa: Salário Mínimo. José Varejão 1ª Conversa: Salário Mínimo 12 Maio, Lisboa José Varejão UPorto Objetivo e Debate Há duas (atitudes do espírito). Ambas têm as suas vantagens, mas o que me faz antipatizar ( ) com a de Settembrini, é que

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro. Resultados de Novembro de 2006

IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro. Resultados de Novembro de 2006 IMPE Indicadores das micro e pequenas empresas do Estado do Rio de Janeiro Resultados de Novembro de 2006 IMPEs Destaques dos resultados Novembro de 2006 Pagamento da primeira parcela do 13 o salário contribui

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

FÓRUM IPAI Controlo Interno e Auditoria Interna nos Hospitais EPE

FÓRUM IPAI Controlo Interno e Auditoria Interna nos Hospitais EPE FÓRUM IPAI Controlo Interno e Auditoria Interna nos Hospitais EPE LISBOA, 28 de maio de 2015 A necessidade de Controlo «( ) O controlo é essencial no Estado moderno. A boa utilização dos recursos dos contribuintes

Leia mais

Resultados do 1T16. Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI

Resultados do 1T16. Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI Resultados do Rogério Melzi Presidente Pedro Thompson Diretor Financeiro e DRI Captação Graduação Crescimento da captação presencial (+1,9%) Penetração FIES apenas 8,4% da captação de graduação presencial,

Leia mais