BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS ANEXOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS ANEXOS"

Transcrição

1 BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS ANEXOS

2 Tutorial Banco de Dados Geográficos ANEXO 1 - Definições no SPRING e recursos gerais Entender o modelo de dados do sistema SPRING é fundamental para este tutorial, pois os exercícios estão elaborados neste sistema. Definições no SPRING Acessar e processar rapidamente uma imagem é desejável pelos usuários de utilizam técnicas de PDI, por exemplo. Entretanto, enquanto alguns sistemas utilizam o próprio arquivo imagem para executar um tratamento, no SPRING é necessário que este arquivo seja convertido e inserido num contexto de um banco de dados geográfico. Portanto, para que o usuário possa processar uma imagem no SPRING, é obrigatório a definição de alguns itens como, Banco de Dados, Modelo de Dados com as respectivas categorias, um Projeto, e os Planos de Informações (mapas) de cada projeto. Veja definições a seguir: Banco de Dados Um banco no SPRING define um ambiente para armazenar dados geográficos, sem estar vinculado a uma área específica (semelhança a um sistema de arquivos convencional um depósitos de dados). O usuário pode definir vários bancos, mas somente um pode estar ativo em uma sessão de trabalho. O banco de dados armazena todas as definições de categorias de dados, que armazenarão aos diversos tipos de mapas, e que por sua vez são constituídas das entidades básicas geo-objetos e geo-campos. Um banco pode conter um ou mais projetos, o que permite organizar os dados por área geográfica. Fisicamente este banco corresponde a um diretório (pasta) no sistema de arquivos do computador. Por exemplo, um banco chamado Amazonia, poderia estar em: C:\springdb\Amazonia Projeto Um Projeto dentro de um banco permite especificar exatamente o espaço geográfico da área de trabalho, e é onde serão inseridos os diversos mapas (Planos de Informações) desta área (semelhança a uma gaveta de sistema de arquivos convencional cada gaveta contém dados de uma determinada área). Cada Projeto possui ainda propriedades cartográficas (projeção, datum, etc) pré-definidas pelo usuário, que são herdadas pelas informações contidas neste projeto. As Categorias (veja a seguir) de um Banco de Dados estão disponíveis para qualquer Projeto dentro deste banco. Somente um Projeto pode estar ativo em uma sessão de trabalho. Fisicamente um projeto corresponde a um sub-diretório (pasta) no sistema de arquivos do computador, debaixo do diretório de um banco. Por exemplo, um projeto chamado Manaus, do banco Amazonia, poderia estar em: C:\springdb\Amazonia\Manaus A - 2 Cursos DPI -INPE

3 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Categorias (Modelo de dados) Um banco pode conter várias categorias. Estas categorias permitem organizar os dados em tipos (modelos) diferentes. (semelhante às fichas de uma gaveta de sistema de arquivos convencional, organizadas por letras cada letra representa um tipo de dado de uma determinada área). Os tipos de categorias disponíveis são: Temático, Imagem, Numérico, Cadastral, Redes e Objetos, podendo-se definir uma ou mais do mesmo modelo, mas com nomes distintos para diferenciar a aplicação. Por exemplo, uma categoria para Solos e outra para Vegetação, sendo ambas do modelo Temático. A categoria do modelo Temático pode ser Cl 3 especializada em Classes Temáticas, por exemplo, as classes Cl 1 de um mapa de Solos, sendo associado a cada classe um visual gráfico diferente. Os dados deste modelo podem ser representados na forma matricial ou vetorial (veja figura ao Cl 2 lado). A categoria Imagem permite armazenar qualquer imagem obtida por sensores remotos (fotos aéreas ou orbitais) ou ainda imagens de modelos numéricos. Sómente a representação matricial é possível neste modelo. A categoria Numérico é utilizada para armazenamento de modelos numéricos de terreno (dados de altimetria, geo-física, geo-química etc.), que podem ser representados na forma matricial ou vetorial. As categorias Cadastral e Redes permitem especializar objetos. Os objetos de uma categoria do tipo Objeto são únicos e têm atributos em tabelas específicas, podendo estar representados em diversas escalas, em diferentes categorias cadastrais ou de redes. A forma de represenetção dos objetos é vetorial. A categoria Cadastral é utilizada para representar objetos na forma de pontos, linhas ou polígonos, por exemplo, um mapa cadastral de lotes urbanos. Já a categoria Redes trabalha somente com objetos na forma de nós e linhas, por exemplo, uma mapa de redes de eletrificação. Plano de Informação Um Plano de Informação (PI) deve pertencer a uma única Categoria do banco, entretanto podem existir vários Planos de Informações de uma mesma Categoria em um banco. Por exemplo, dois PI s de datas diferentes de uso da Terra, porém da mesma Categoria temática. Somente um PI pode estar ativo para executar qualquer operação sobre o mesmo. Fisicamente um PI corresponde a um arquivo no sistema de arquivos do computador, debaixo do sub-diretório do projeto e diretório de um banco. Por exemplo, um PI de Rios (V lin nome do arquivo fornecido pelo sistema) do projeto chamado Manaus, do banco Amazonia, poderia estar em; C:\springdb\Amazonia\Manaus\V lin Ex de PI s: Mapas de Uso de 1970 e 1980 (Temático) Bandas 3, 4 e 5 do Landsat (Imagem) Mapa altimétrico (Numérico) Mapa de fazendas (Cadastral) INPE - A - 3

4 Tutorial Banco de Dados Geográficos A figura abaixo apresenta de forma hierárquica os principais conceitos vistos acima. Observe que uma imagem dentro do SPRING corresponde a um campo de um PI, dentro de um projeto, e esta imagem tem uma representação matricial. NOTA: Lembre-se que o SPRING tem o conceito de Banco ativo, Projeto ativo e PI ativo, isto é, para processar uma imagem, deve-se ativar um Banco anteriormente criado, ativar um projeto dentro deste banco e ativar um PI de uma determinada categoria definida no banco. Visualização de mapas - PI s É através da janela Painel de Controle que os Planos de Informações e suas diferentes representações são selecionados tanto para a visualização quanto para outra operação qualquer. Para selecionar um PI, sobre o qual deseja-se efetuar alguma operação é necessário ativá-lo, ou mesmo, dependendo da operação é necessário apresentá-lo na tela ativa. Assim, utilize as duas listas do Painel de Controle : Categorias e Planos de Informação. Categorias - são apresentadas apenas as categorias do Banco de Dados ativo, as quais possuem pelo menos um Plano de Informação no projeto ativo. De acordo com a categoria, apresentam-se os PI s e suas representações disponíveis. Os parênteses ( ), ao lado da A - 4 Cursos DPI -INPE

5 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS categoria, serão preenchidos com (V) quando algum dado daquela categoria estiver selecionado. Planos de Informação - são apresentados de acordo com a Categoria selecionada acima. Abaixo da lista de PI s apresentam-se as representações disponíveis para o Plano de Informação selecionado. Ao selecionar um Plano de Informação (PI) tornam-se disponíveis as opções na barra de menu da janela principal para operar sobre aquele PI. Dependendo da operação não é necessária a visualização do dado, apenas a seleção é suficiente para operar sobre o PI ativo. Outros recursos do SPRING Ampliar a Área de Desenho Uma vez que se tenha um ou mais PI s desenhados em alguma das cinco telas, pode-se ampliar através de outra janela, o que está sendo visto. No Painel de Controle utilize os botões Ampliar para ampliar 2, 4 ou 8 vezes os dados que estão na área de desenho. Mova o cursor sobre uma das telas e terá a posição do cursor ampliada, conforme a opção selecionada. OBS: Este recurso de ampliar é bastante útil quando deseja-se localizar com maior precisão os pontos de controle no processo de registro de uma imagem. Cursor de Área O Cursor de Área (zoom) é utilizado para definir regiões a serem ampliadas na área de desenho. O zoom está habilitado quando este botão estiver ativo ou o mouse estiver com a forma de uma seta apontando para canto inferior direito (!) dentro da área de desenho. Dois pontos são necessários para estabelecer a área de zoom, o vértice superior esquerdo e o vértice inferior direito. INPE - A - 5

6 Tutorial Banco de Dados Geográficos O procedimento para efetuar um zoom requer 4 passos principais: Efetuando um zoom na área de desenho: 1. ative o Cursor de Área. em [Exibir] [Cursor de Área] ou. 2. clique com o cursor na área de desenho para definir o primeiro ponto (superior esquerdo) e arraste até a posição desejada; 3. clique novamente para definir o segundo ponto (inferior direito) da área de zoom; 4. clique em - [Executar] [Desenhar] ou botão. NOTA: Para desabilitar o cursor de zoom e voltar ao modo normal, basta clicar sobre o Cursor de Área na barra de ferramentas ou [Exibir] [Cursor de Área], ou ainda, clicar o botão do meio ou da direita, do mouse, dentro da área de desenho. Uma vez definida uma área (retângulo tracejado) de zoom, esta pode ser corrigida, antes de [Executar] [Desenhar]. Clique em qualquer das laterais ou diagonais externas do retângulo, permitindo o redimensionamento (veja as oito posições possíveis na figura abaixo). Um segundo clique é necessário para ancorar a nova posição. A área de zoom marcada pode ainda ser totalmente movida para outra posição, basta clicar na parte interna do retângulo definido, levar à nova posição e clicar novamente para ancorar a nova posição. Telas de Visualização As telas de visualização ou área de desenho são controladas no Painel de Controle, tanto quanto sua permanência na área de trabalho quanto o que está sendo apresentado. Veja a seguir alguns recursos presentes nestas telas. No rodapé das telas, logo abaixo da área de desenho, sempre estará apresentado uma mensagem indicando qual é o Plano de Informação ativo, (veja figura abaixo) ou seja, aquele sobre o qual será realizado uma operação mesmo que não esteja visualizado na tela, e à esquerda apresentam-se as coordenadas geográficas ou planas da posição do cursor, caso esteja habilitado. A - 6 Cursos DPI -INPE

7 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Para saber quais PI s encontram-se selecionados para a visualização em uma tela, basta ativá-la no Painel de Controle, e observar as marcas (V) entre parênteses nas Categorias e PI s correspondentes. Modo Auto/Pleno/Escala A apresentação de PIs na área de desenho pode ser controlada por outros parâmetros que são definidos para cada tela. Na barra de ferramentas existe um botão de opções que permite selecionar entre: Auto, Pleno e Escala. Veja o efeito de cada uma das opções: Modo Auto: o SPRING reamostra a imagem de modo a apresentá-la toda dentro das dimensões padrões da tela, do projeto ativo ou da forma do retângulo definido para um zoom. Modo Pleno: não há reamostragem, todos os pixels são apresentados, e caso a imagem não caiba nas dimensões da tela, a barra lateral poderá ser utilizada para visualização do resto da imagem. Modo Escala: os dados serão apresentados na tela na escala definida no campo equivalente, requerendo apenas que o valor da escala seja digitado. Uma mensagem fará a advertência para o caso em que não haja memória suficiente para ampliar a imagem na escala desejada, devendo-se então diminuir o fator de escala. A caixa de texto que apresenta a escala a cada visualização não poderá ser alterada a menos que a opção Escala esteja selecionada. NOTA: Ao clicar em [Executar] [Recompor] ou botão apresentação retorna para o Auto. na tela ativa, o modo de Apresentação das coordenadas Uma vez que seu projeto esteja cartograficamente definido, pode-se observar em tempo real a posição do cursor, em coordenadas geográficas ou planas, quando se move o mesmo sobre uma área de desenho (veja figura acima). Utilize o botão de opções Inativa/Planas/Geográficas, localizado na barra de ferramentas. As coordenadas são apresentadas no rodapé da tela, em metros para a opção Planas e em graus, minutos e segundos para a opção Geográficas. A opção Inativa desabilita as coordenadas do rodapé. Desenhar, Recompor e Anterior O botão Desenhar ou [Executar] [Desenhar] no menu principal atualiza os dados na tela de acordo com a seleção realizada no Painel de Controle e as características de apresentação, como escala, definidas na própria tela. Deve ser acionado a cada nova seleção, após mudança dos parâmetros de visualização, edição de dados e após definir área de zoom com o cursor. INPE - A - 7

8 Tutorial Banco de Dados Geográficos O botão Recompor ou [Executar] [Recompor] no menu principal redimensiona a apresentação dos dados em função do tamanho da tela e do retângulo envolvente do projeto ativo. Desfaz um zoom realizado através do Cursor de Área e restaura o modo de apresentação para Auto, caso esteja em Escala ou Pleno. O botão Anterior ou [Executar] [Anterior] no menu principal restaura a última ação de apresentação de um dado na tela corrente. Desfaz o último zoom realizado através do Cursor de Área ou Cursor de Vôo. Voar sobre a área de desenho O recurso de Voar através do botão ou [Exibir] [Cursor de Vôo] no menu principal, permite deslocar os dados na tela mantendo a escala de visualização, e somente tem efeito quando se aplica um zoom sobre os dados na tela ativa. O cursor passa para a forma de cruz (+) quando o recurso de voar estiver ativo. Clique em um ponto da tela e arraste o mouse até a posição desejada, liberando em seguida o botão do mouse para que a imagem seja apresentada na nova posição. Para restaurar o cursor na forma de uma seta, clique o botão da direita do mouse dentro da área de desenho ou o próprio botão de vôo. Acoplar uma Tela Acoplar uma tela no SPRING significa mostrar seu conteúdo, isto é, os PI s que estiverem selecionados no Painel de Controle, na tela principal (Tela 1), através de uma janela móvel sobre a área de desenho. Esse recurso de acoplar uma tela qualquer a tela 1, permite facilmente comparar os dados de outros PI s com o que estiver ativo e visível na janela principal do SPRING. A figura abaixo mostra na parte central da tela 1, parte de outra tela acoplada. Execute o procedimento a seguir. Visualizando uma imagem sintética na tela principal * Desmarque qualquer PI que esteja selecionado para visualização. Painel de Controle - (Ativar Tela 1) - (Categorias Imagens_TM97) - (Planos de Informação Com_Color_543) - (Sintética) para visualizar imagem colorida. SPRING - [Executar] [Desenhar] ou botão - (Ativar Tela 2) - (Categorias Uso_solo) - (Planos de Informação Uso_terra_97) - (Matriz) - (Categorias Drenagem) - (Plano de Informação Rios) - (Linhas) - (Acoplar Tela 2) A - 8 Cursos DPI -INPE

9 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS - [Exibir] [Cursor de Área] ou botão SPRING * Defina um retângulo como se fosse efetuar um zoom (veja como utilizar o Cursor de Área acima), primeiro um clique no canto superior esquerdo, mova o mouse e um segundo clique para definir o canto inferior direito desse retângulo. O mouse deve ficar livre sem mover as laterais da área definida; ** clique em um ponto qualquer dentro do retângulo e mova-o para qualquer lugar. Nesse momento o conteúdo da Tela 2 aparece na parte interna. Para liberar o mouse basta mais um clique. Sair do SPRING Para sair do SPRING o usuário não precisa se preocupar em gravar seus dados, isto é, os planos de informações que estavam sendo editados, são gravados automaticamente. Apenas arquivos auxiliares como; arquivo de contexto para uma classificação e pontos de controle para um registro, exigem a operação de Salvar os dados. Encerrando o SPRING: SPRING - [Arquivo] [Sair] * Confirme com SIM a pergunta, se realmente deseja fechar o SPRING. INPE - A - 9

10 Tutorial Banco de Dados Geográficos ANEXO 3 - Consulta a Mapa de Objetos no SPRING Os recursos de visualização dos PI s no SPRING são definidos pelo Painel de Controle, o qual possui um bom controle para a exibição de imagens, mapas temáticos e modelos numéricos de terrenos. Porém, quando trata-se de um mapa de objetos (cadastrais ou redes) o Painel de Controle controla apenas a seleção do PI e de todos os objetos dentro deste, sem permitir analisar estes objetos em função de seus atributos ou relacionamentos espaciais. Os recursos de consulta a mapas cadastrais ou redes no SPRING vão além de uma simples apresentação da categoria de objetos. Como veremos a seguir, os objetos poderão ser consultados considerando o seus atributos descritivos (por exemplo: Apresente todos as escolas que tenham mais de 1500 alunos e sejam do segundo grau onde os atributos número de alunos e grau da escola estão na própria tabela do objeto escola) ou ainda o relacionamento espacial com outros objetos (por exemplo: Quais as escolas que estão dentro do bairro Ipiranga e estão a 2000 metros do posto policial neste caso a comparação é feita com um mapa de objetos bairros e outro objeto que represente o posto policial). Muitas vezes a manipulação de uma tabela com todos os geo-objetos pode tornar-se lenta em função do volume de dados, assim foi criado o conceito de coleção de objetos. Uma coleção permite extrair da tabela de objetos somente os de interesse para o usuário, criando uma tabela auxiliar. Como exemplo, o usuário pode pedir para o sistema criar uma coleção dos polígonos de Lotes, que tenham valores de IPTU maiores que 1500, e a partir desse novo universo de objetos poderá fazer outras consultas, por exemplo, consultas espaciais, por agrupamentos ou mesmo por outros atributos. Módulos de Consulta As funções de consultas sobre um mapa de objetos inicia-se com uma seleção no Painel de Controle, passando pela criação de uma Coleção de Objetos e Controle de Visualização. A partir do Controle de Visualização o usuário terá acesso aos módulos de Consulta, Consulta Espacial, Agrupamento e Tabela. Com os objetos na Tela de Visualização o usuário pode ainda consultar o módulo Atributos do objeto (com apresentação de Atributos convencionais, além de Foto, Multimídia e URL). A figura abaixo mostra o relacionamento entre esses módulos, assim como os possíveis caminhos que o usuário pode seguir ao realizar uma consulta sobre seus objetos. Observe que existe uma dependência e uma seqüência a ser seguida entre os módulos de consulta. A - 10 Cursos DPI -INPE

11 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS PAINEL DE CONTROLE COLEÇÃO DE OBJETOS Gerar Coleção da Tabela VIZUALIZAÇÃO DE OBJETOS AGRUPAMENTO CONSULTA (por atributos) CONSULTA ESPACIAL TABELA ( todos objetos) Exportar Tabela ATRIBUTOS (do objeto) Display no Monitor Gerar PI Temático URLs Imagens Multimídia Documentos A seguir descreve-se como o usuário deve proceder na utilização de cada um destes módulos: 1. No Painel de Controle o usuário deve definir quais serão os PI s a serem apresentados na área de desenho e especialmente ativar o PI cadastral ou redes a ser consultado; 2. Sobre o PI ativo escolhido deve-se escolher uma categoria de objeto a ser consultada. Desta categoria, pode-se trabalhar com todos (opção ALL) objetos presentes no mapa ou se desejar crie uma coleção; 3. No módulo de Controle de Visualização de Objetos tem a função de comandar a visualização das categorias de objetos contidas em um PI cadastral ou redes. Caso uma coleção seja definida e aplicada, somente a categoria de objetos correspondente estará disponível neste módulo. Basicamente, se controla como e quais objetos serão visualizados. Além destes controles, este módulo é responsável pelo controle de exibição de legendas e pelo controle de ordenamento da seqüência de apresentação gráfica, assim como, para determinar qual categoria de objetos deve ser consultada, INPE - A - 11

12 Tutorial Banco de Dados Geográficos agrupada ou visualizada em forma tabular. O módulo também determina qual categoria de objetos está ativa para ser apontada e analisada sobre a tela. 4. Os módulos de Consulta, Consulta Espacial, Agrupamento, Tabela e Atributos modificam a forma de apresentação gráfica do objeto consultado. Observe na figura acima que todos os módulos refletem uma apresentação na tela do monitor, que pode ser a partir da coleção de objetos ou da pré-seleção por outro módulo. A sequencia de operações é importante para obter o resultado desejado, a menos do módulo Atributos que pode ser consultado a qualquer momento, independente dos demais. Consulta: seleciona os objetos que satisfazem a uma certa condição imposta pelo usuário com base em seus atributos descritivos, podendo combinar vários atributos na mesma expressão. O resultado com os objetos selecionados são apresentados no monitor e no módulo tabela, que podem ainda serem utilizados pelo o módulo agrupamento ou consulta espacial; Consulta Espacial: seleciona os objetos com base em seus relacionamentos topológicos, direcionais ou métricos com outros objetos, da mesma categoria ou não, no mesmo PI ou não. O resultado com os objetos selecionados são apresentados no monitor e no módulo tabela, que podem ainda serem utilizados pelo módulo agrupamento ou consulta por atributos; Agrupamento: forma grupos de objetos geográficos em função de seus atributos descritivos, a partir dos objetos definidos na coleção ou pré- selecionados por uma consulta por atributos, consulta espacial ou ambas. O resultado é apresentado somente na tela do monitor com a codificação de cores definida para cada grupo. Pode-se ainda gerar gráficos de barras ou pizza para cada objeto; Tabela: exibe todos os atributos de uma categoria de objetos, inclusive de uma tabela não-espacial que tenha sido relacionada anteriormente. Os objetos apresentados em cada linha da tabela refletem o conjunto de objetos definidos na coleção ou posteriormente selecionados por uma consulta por atributos ou consulta espacial. Um objeto pode ser apontado na tela do monitor e ser destacado na tabela ou vice-versa. Análises gráficas e estatísticas podem ser definidas sobre atributos numéricos. Pode-se ainda salvar o conteúdo da tabela em arquivos textos e ASCII- SPRING, gerar uma coleções dos objetos apresentados ou ainda um PI temático dos objetos listados na tabela. Atributos do objeto (Atributos, Foto, Multimídia e URL): exibe somente os atributos convencionais do objeto selecionado, além de atributos na forma de arquivos. O SPRING armazena apenas o local onde encontram-se os arquivo do tipo JPG, GIF, TIF, DOC, PDF, MOV, MP3, etc. para que depois possam ser visualizados. Nos tópicos a seguir apresentamos maiores detalhes sobre os módulos de consulta e os procedimentos para operação. Veja a seguir o procedimento inicial para visualizar um mapa de objetos, no caso um mapa cadastral. Visualização de um mapa de objetos: abra o Painel de Controle e selecione um PI da categoria cadastral, no exemplo um mapa de quadras urbanas; A - 12 Cursos DPI -INPE

13 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS clique nas representações Linhas e Objetos do PI selecionado, e em seguida clique Executar - Desenhar na tela ativa; clique em Consultar... para definir uma coleção ou não (veja detalhes abaixo), e em seguida Aplicar na janela Geração e Seleção de Coleção ; a janela Visualização de Objetos é apresentada após aplicar uma coleção. Por default o módulo Tabela também é apresentado; selecione uma ou mais categorias de objetos para visualização, e clique sobre respectivo botão quadrado. Esta operação faz surgir uma marca sobre o botão, indicando que a seleção teve sucesso. Para desmarcar um objeto selecionado, basta clicar sobre um botão que esteja com a marca; clique em Executar - Desenhar na tela ativa. A figura abaixo mostra um mapa cadastral com alguns objetos. NOTA: As cores dos objetos apresentadas quando no módulo de consulta aparecem inicialmente todos com a mesma cor (azul por default), mesmo que cada entidade (ponto, linha ou pológono) tenham visuais diferentes. Coleção de Objetos Uma coleção de objetos define uma parcela de todos os objetos de uma categoria de objetos. A janela Geração e Seleção de Coleção é apresentada ao usuário toda vez que um PI cadastral ou redes está ativo no Painel de Controle e se clica em Consultar... (veja figura ao lado). Sempre a janela Geração e Seleção de Coleção é apresentada, mesmo o usuário não deseje definir uma coleção, e neste caso deve optar pelo item ALL. Uma coleção é definida para apenas uma categoria de objetos, mesmo que PI ativo tenha mais de uma, e neste caso pode-se utilizar um dos três métodos: " Definir a coleção em função dos atributos da categoria de objeto selecionada, por exemplo, criar uma coleção do objeto INPE - A - 13

14 Tutorial Banco de Dados Geográficos Fazendas que tenham área maior de ha ; " Definir uma coleção através de um retângulo utilizando o Cursor de Área ( ), isto é, todas as entidades (pontos, linhas ou polígonos) que estiverem dentro deste retângulo. " Definir a coleção em função dos objetos apresentados no módulo tabela. Neste caso não é utilizado a janela Geração e Seleção de Coleção, mas sim a janela Tabela, que será apresentada mais a frente. NOTA: O sistema armazena a definição de todas as coleções em um arquivo de nome collections.dxf, e os objetos em tabelas de mesmo nome fornecido a cada coleção. Veja a seguir como proceder. " Criando uma coleção pelo atributo do objeto: ative um PI cadastral ou redes que tenham objetos a consultar, como mostrado na figura acima; clique em Consultar... no Painel de Controle. A janela Geração e Seleção de Coleção é apresentada (figura abaixo); digite o nome de uma coleção no campo Coleção: e clique em Criar; na lista Atributos escolha um e clique sobre o mesmo. Observe que em Expressão Lógica é apresentado o resultado da seleção; clique em uma Operação ( =, <>, >, >, >=, <= ); digite um valor para o atributo selecionado e clique CR, ou utilize os botões Valores: T (Todos valores da lista), E (Extremos valores mínimo e máximo de um atributo numérico) ou N (Nenhum é a opção default) para apresentar os valores na lista e em seguida selecione um; utilize um dos botões ( ), AND, OR, ( ou ) para continuar com a expressão; A - 14 Cursos DPI -INPE

15 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS clique em Gerar após definir sua expressão de consulta, para criar a coleção; " Criando uma coleção pelo Cursor de Área: ative um PI cadastral ou redes no Painel de Controle ; clique em Consultar... no Painel de Controle. A janela Geração e Seleção de Coleção é apresentada (veja figura acima); digite o nome de uma coleção no campo Coleção: e clique em Criar; clique em Exibir Cursor de Área no menu principal para ativá-lo e defina um retângulo como se fosse executar um zoom. Clique num ponto superior esquerdo e depois em um inferior direito para envolver as entidades que deseja selecionar; clique em Obter via Cursor. Observe que as coordenadas do retângulo são apresentadas abaixo. clique em Gerar para criar a coleção; Veja ainda como carregar uma coleção existente ou suprimir uma da lista. " Aplicando uma coleção existente: ative um PI cadastral ou redes no Painel de Controle ; clique em Consultar... no Painel de Controle. A janela Geração e Seleção de Coleção é apresentada (veja figura acima); selecione na lista Categorias de Objeto a que desejar consultar. Observe que somente as coleções da categoria corrente são apresentadas. Caso o PI ativo tenha associação a uma único tipo (categoria) de objeto, somente este estará na lista; selecione na lista Coleções a que desejar. O item ALL estará sempre visível, independente da categoria selecionada acima; clique em Aplicar para carregar a coleção. As janela de Visualização de Objetos e Atributos são apresentadas (veja mais a frente como utilizálas). OBS: Para suprimir uma coleção basta repetir os quatro primeiros passos acima e clicar em Suprimir. NOTA: Se não desejar utilizar nenhuma coleção, basta selecionar o item ALL na lista Coleções e clicar em Aplicar. INPE - A - 15

16 Tutorial Banco de Dados Geográficos Módulo de Controle de Visualização Após ter carregado uma coleção (opção ALL ou outra qualqer), deve-se utilizar a janela Visualização de Objetos para iniciar a análise sobre os dados. Entretanto, se uma coleção foi definida sobre um único tipo de objeto, somente este estará disponível para as ferramentas de consulta. A janela Visualização de Objetos permite controlar a ordem de apresentação das categorias de objeto (semelhante a prioridade utilizada no Painel de Controle ), assim como ativar qual será consultada (quando houver mais do que uma no mesmo PI). O controle de visualização de cada categoria de objetos é feito através do botão quadrado à esquerda do nome de cada objeto. O botão triangular é utilizado para controlar a exibição de legendas no caso de consultas por agrupamento (veja figura ao lado). Para exibir legenda de objetos e definir a ordem de apresentação Como cada categoria de objetos pode possuir um visual diferente, a interface de Controle de Visualização possui botões que permitem exibir legendas de acordo com cada categoria. Outro controle possível é dizer ao sistema qual a ordem de visualização dessas categorias, que podem existir nos PI s, pois pode haver sobreposições indesejadas. Exibindo a legenda de objetos: clique sobre o botão triangular a esquerda do nome do grupo de objetos, na janela Visualização de Objetos. Esta operação faz afundar o botão triangular e exibir a sua respectiva legenda. Desejando-se a operação contrária, basta clicar novamente sobre o mesmo botão para ocultar a legenda. A figura ao lado ilustra a interface de controle de visualização mostrando somente a legenda para Quadras. A apresentação na tela é efetuada de baixo para cima, ou seja, começa pela categoria de objetos que surge por último na lista e termina pela que aparece em primeiro na lista. Os objetos apresentados correspondem a ordem inversa da definição das categorias de objetos no Modelo de Dados. Observando-se a figura acima, pode-se notar que a ordem de apresentação na tela ativa é dada por: 1. em primeiro: Lotes; 2. em segundo: Quadras. A - 16 Cursos DPI -INPE

17 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS A ordem de desenho das categorias de objetos pode esconder ou realçar alguns objetos. Desta forma, a interface foi elaborada para permitir a troca de ordem de categoria de objetos na lista, possibilitando ao usuário impor livremente o seu ordenamento de desenho. A figura abaixo ilustra a apresentação de objetos, porém com a ordem de desenho alterada, em relação a figura acima, de modo que o objeto Quadras seja apresentado antes do Lotes. Controlando a ordem de visualização de objetos: na janela Visualização de Objetos, pressione o botão esquerdo (BE) do mouse sobre a categoria de objetos escolhida na lista e arraste até uma outra posição desejada na lista, liberando em seguida o botão do mouse. Observe que enquanto faz o arraste uma linha verde mostra do deslocamento para nova posição; clique em Executar - Desenhar na tela ativa para apresentar as alterações efetuadas na ordem dos objetos. Seleção da categoria de objetos A interface de controle de visualização, representada pela janela Visualização de Objetos também controla a seleção da categoria de objetos pretendida para ser consultada, agrupada ou visualizada em forma tabular. A categoria selecionada é aquela que aparece realçada na lista através de um retângulo de destaque. Veja na figura acima, a janela Visualização de Objetos apresentando a categoria de objetos Lotes selecionada. Selecionando uma categoria de objetos: na janela Visualização de Objetos, clique duplamente sobre uma categoria qualquer da lista. O retângulo de destaque desaparece automaticamente da antiga categoria e surge sobre a nova categoria selecionada. NOTA: Se a janela Atributos estiver aberta, observe que os dados apresentados serão substituídos pela nova categoria selecionada. INPE - A - 17

18 Tutorial Banco de Dados Geográficos Como operar os módulos de Consulta a Objetos? A figura apresentada acima mostra que a partir da janela Visualização de Objetos o usuário tem acesso aos módulos de consulta. Na barra de menu desta janela, item Editar, pode-se escolher os seguintes módulos: Consulta; Agrupamento; Consulta Espacial; Tabela. Atributos. A seguir apresentamos a operação individual destes módulos que deve ser utilizada para estudar a categoria de objetos ativa na janela Visualização de Objetos (selecionada pelo retângulo de destaque). Entretanto, veremos nos exemplos do final deste capítulo que estes módulos podem ser combinados para obter um determinado resultado. Módulo de Consulta (por atributos) Este módulo executa uma consulta com base apenas nos atributos do objeto selecionado na janela Visualização de Objetos. Não há necessidade do usuário memorizar a sintaxe da expressão de consulta, pois esta é construída interativamente por interface própria, podendo aplicar, salvar e recuperar a expressão quando desejar. NOTA: O SPRING não suporta nesta versão uma linguagem estruturada do tipo Structured Query Language (SQL). A interface de Consulta utiliza-se das funções da biblioteca do CodeBase, Access ou Oracle, e foi elaborada de modo que o usuário tenha capacidade para poder formular consultas com um mínimo de esforço. Para consultar sobre os atributos de objetos os seguintes operadores relacionais estão disponíveis: = igualdade; <> diferença; < menor que; > maior que; <= menor ou igual a; e >= maior ou igual a. Além desses operadores, encontra-se os operadores lógicos AND e OR, e também os parênteses ( ) para determinar uma ordem na formulação da consulta. Com isto consultas do tipo Quais os imóveis de São Paulo do bairro Santo Amaro (operador = ) tem valor de IPTU maior que 1000 reais (operador > ) e (operador AND) não possuem serviço de TV a cabo (operado = ) podem ser respondidas. Para formular uma consulta A janela Seleção de Objetos apresentada na figura a seguir é utilizada para selecionar os objetos. Além dos operadores, essa interface possui duas listas e um campo onde é apresentada a formulação da consulta que está sendo construída. A - 18 Cursos DPI -INPE

19 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Uma das listas da interface é utilizada para mostrar os nomes dos Atributos da categoria de objetos selecionada. A outra lista é utilizada para mostrar os Valores dos atributos que foram selecionados na primeira lista. Estas duas listas possibilitam que o usuário formule suas consultas sem a necessidade de conhecer profundamente quais são os tipos de atributos de uma certa categoria de objetos, e também sem conhecer antecipadamente os valores desses atributos. Executando uma consulta: clique em Editar na janela Visualização de Objetos e selecione o item Consulta.... A janela Seleção de Objetos é apresentada (veja figura acima); clique em um atributo na lista Atributos. Se desejar poderá ver os valores do atributo selecionado, basta clicar no botão Mostrar. Os atributos apresentados correspondem somente à categoria de objetos que ficou selecionada na janela Visualização de Objetos ; selecione um operador em Operação ( =, <>, >, >, >=, <= ). As opções são exclusivas; clique em um valor na lista Valores ou se preferir digite um valor na caixa de texto abaixo e clique em CR em seguida; para impor outras condições, basta clicar em um dos botões ( ), AND, OR, ) ou (, para compor consultas mais longas e complexas, constituídas por várias linhas de comando. Veja que a expressão é apresentada na lista Expressão Lógica da janela; clique em Executar para processar a apresentação da consulta formulada. Durante sua execução, é verificada se existem inconsistências na sua formulação. Caso seja detectada alguma irregularidade, a interface avisa o usuário através de um breve apito. Não havendo irregularidade, a consulta é aplicada. NOTA: Antes de executar uma consulta, pode-se corrigir a equação cancelando a última entrada ou toda equação, se clicar várias vezes o botão Cancelar. Veja a seguir. INPE - A - 19

20 Tutorial Banco de Dados Geográficos Cancelando parâmetros da equação de consulta: clique em Cancelar para anular os comandos da equação de consulta construída. Cada vez que o usuário pressionar esse botão, é anulado o último parâmetro da consulta. Exemplo de consulta por atributos A figura acima mostra a formulação de uma consulta realizada sobre as Quadras da cidade de Brasília, a qual tem a seguinte formulação: CG >ASA = NORTE.AND. geoancho->area < , onde, a palavra que aparece a esquerda de -> é simplesmente o nome da tabela utilizada para o relacionamento, que é facilmente interpretada da seguinte forma: quais são as quadras da ASA norte e que tem ÁREA menor que O resultado dessa consulta é ilustrado na figura a seguir, e neste exemplo cada objeto geográfico é uma região administrativa, mas por simplicidade serão eventualmente tratados apenas como quadras. NOTA: O resultado de uma consulta por atributos pode servir de filtro para outras análises, como consulta espacial ou agupamento. Observe ainda que os objetos consultados são apresentados na tabela Atributos, pois a opção de mostrar está por default em Selecionados (veja detalhes no módulo Tabela). IMPORTANTE: O visual dos objetos apresentados será sempre o da categoria de Objeto ao entrar na módulo de consulta, mesmo que cada polígono tenha uma cor diferente. Ao sair do módulo de consulta, isto é fechar a janela Visualização de Objetos, os objetos apresentados permanecerão com a consulta aplicada, assim como o visual. Se desejar poderá limpar as consultas aplicada em Executar Limpar... no menu principal (veja mais detalhes a frente). A - 20 Cursos DPI -INPE

21 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Veja a seguir como salvar e recuperar uma expressão de consulta. Para salvar, carregar e suprimir uma expressão de consulta Toda expressão de consulta pode ser aplicada novamente desde que seja armazenada em disco, pois pode-se definir um nome para cada expressão. A interface de Consulta exerce ainda duas funções através de dois botões. O botão Salvar... aciona uma nova interface, onde o usuário fornece um nome para poder salvar a expressão. O botão Carregar.. aciona a mesma interface, mudando apenas a barra de título, que possibilita ao usuário selecionar o nome de uma expressão e carregar a expressão associada no módulo de consulta. A interface utilizada para salvar e carregar expressões é ilustrada na figura abaixo. Durante as operações de salvamento e carga de expressões o usuário fica com a impressão de que existem duas interfaces, uma para salvar e outra para carregar. Entretanto, utiliza-se apenas uma interface, onde o nome (título) e a função são alteradas de acordo com o botão que o usuário pressiona na interface de Consulta (Salvar ou Carregar). Salvando uma expressão: na caixa de diálogo Consulta de Objetos, clique em Salvar..., a caixa Salvar Expressão é apresentada (veja figura acima); digite um Nome na caixa de texto; clique em Executar. Caso o nome da já exista na lista, poderá ser atualizado, responda Sim a pergunta (Arquivo existe! Continua? Sim ou Não). Carregando uma expressão existente: na janela Seleção de Objetos, clique em Carregar..., a caixa Carregar Expressão é apresentada (veja figura acima); clique em um nome na lista; clique em Executar. A expressão é apresentada na lista na janela Consulta de Objetos, podendo ser aplicada em seguida. NOTA: Caso exista alguma expressão na lista da janela Seleção de Objetos, a expressão selecionada será adicionada a existente. Suprimindo uma expressão de consulta: com a janela Carregar/Salvar Expressão aberta, selecione sobre um nome na lista e clique em Suprimir. INPE - A - 21

22 Tutorial Banco de Dados Geográficos Módulo de Consulta Espacial O módulo de Consulta Espacial permite somente a consulta sobre geoobjetos, sendo que estes podem estar associados à representações gráficas 2D (pontos, linhas e regiões). Como as operações da álgebra de geo-objetos podem envolver restrições espaciais, será fundamental caracterizar os relacionamentos espaciais, que podem ser divididos em (Güting, 1994): " relacionamentos topológicos, tais como "dentro de" e "adjacente a", invariantes a transformações biunívocas e bicontínuas (como as de escala, translação e rotação); " relacionamentos métricos, derivados das operações de distância e direção. O cálculo destas operações pressupõe sempre a existência de um espaço métrico, o que pode não ser sempre o caso. " relacionamentos direcionais, tais como "norte", "sul", "sudeste" e outros. A definição de um conjunto mínimo de operadores é objeto de muito debate na literatura: Freeman (1975) define um conjunto de 13 operadores: "à esquerda de", "à direita de", "acima" (mais alto que, sobre), "abaixo" (sob), "atrás", "próximo a", "longe de", "ao lado de" (adjacente a), "tocando", "dentro de", "fora de", "entre"; Egenhofer (1994) usa "disjunto", "encontram", "igual", "dentro de", "contém", "cobre", "coberto por" e "sobreposição". Devido à variedade de propostas, o esforço para formalizar os relacionamentos espaciais é parte fundamental da proposta de uma álgebra de geo-objetos para um conjunto bem-definido de objetos geográficos (casos "simples" de regiões sem buracos e linhas contínuas). Para a análise de relacionamentos topológicos entre elementos do tipo ponto-linha-área, utilizam-se os termos propostos por Clementini et al. (1993) que, a partir da análise das configurações possíveis entre estes elementos, propõem alguns nomes para os relacionamentos topológicos: toca, dentro de, cruza, sobrepõe e disjunto, os quais encontramse implementados no SPRING. Diz-se que um conjunto de pontos ω 1 toca outro conjunto ω 2 se a única coisa em comum entre eles está contida na união de suas fronteiras, como ilustram os exemplos da figura abaixo (a) (b) (c) 1 2 (d) (e) (f) P 1 (g) P (h) (i) Figura - Exemplos de situações topológicas que ilustram o relacionamento toca, no caso de duas áreas (a, b), duas linhas (c, d), linha e área (e, f, g), um ponto e uma linha (h) e um ponto e uma área (i). Adaptado de Clementini et al. (1993). A - 22 Cursos DPI -INPE

23 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Diz-se que um conjunto de pontos ω 1 está dentro de outro conjunto ω 2 quando a intersecção dos dois conjuntos de pontos é o próprio ω 1 (vide figura). P P P 1 P 2 Figura - Exemplos do relacionamento dentro de (contido em). Duas linhas se cruzam se sua intersecção ocorre em ponto interno de ambas (note-se que a interseção de seus pontos limites será definida como toca); de forma similar, uma linha cruza uma área se o interior da linha está parcialmente interno e parcialmente externo a esta área. Veja-se os exemplos da Figura 4.8. Diz-se que dois conjuntos de pontos ω 1 e ω 2 possuem sobreposição quando o resultado de sua intersecção é uma figura da mesma dimensão de ambos. Este relacionamento é aplicável apenas a casos de elementos homogêneos. Vejam-se os exemplos da figura abaixo. Duas figuras são disjuntas se sua intersecção é vazia (vide figura abaixo). cruza cruza cruza (a) (b) (c) sobrepõe sobrepõe sobrepõe (d) (e) (f) disjunto disjunto disjunto P 1 P 2 (g) (h) (i) Figura - Exemplos de relacionamentos: 1. Cruza entre duas linhas (a), linha e área (b, c). 2. Sobrepõe entre duas áreas (d), duas linhas (e, f). 3. Disjunto entre duas áreas (g), linha e área (h), dois pontos (i). (Adaptado de Clementini et al. (1993)) INPE - A - 23

24 Tutorial Banco de Dados Geográficos NOTA: Duas figuras são disjuntas se sua intersecção é vazia (vide Figura acima). Nesta versão do SPRING (3.5) encontra-se implementado os seguintes operadores espaciais sobre objetos: a partir da topologia das entidades geográficas (e.g. "dê-me todas as escolas municipais do bairro Jardim Satélite"); de direção ("norte", "sul"); e métricos (e.g. "dê-me todas as escolas a menos de 500 m da Via Dutra"). OBS: No caso do relacionamento direcional, são utilizados os retângulos envolventes dos objetos como elementos de comparação. O relacionamento direcional é representado por uma matrix 3x3 onde o elemento central corresponde ao retângulo envolvente do elemento base de comparação, e as outras células correspondem as seguintes posições: 1x1 - Noroeste, 1x2 - Norte, 1x3 - Nordeste, 2x1 Oeste, 2x3 - Leste, 3x1 - Sudoeste, 3x2 - Sul e 3x3 - Sudeste. A análise é feita a partir da posição da célula central da matrix que contém o elemento base, com as células ocupadas por cada elemento de comparação. Executando uma consulta espacial : visualize na tela ativa um PI de categoria Cadastral sobre o qual será feita a consulta espacial e clique em Consultar... na tela de Visualização de Objetos, clique em Editar - Consulta Espacial... escolha o tipo de Operação (Topológica, Direção ou Métrico) e o tipo de Relacionamento. Para o caso de operações topológicas só é possível selecionar um relacionamento por vez. Já para o caso de operações direcionais, vários relacionamentos da lista podem ser selecionados. No caso de operação métrica, a lista de relacionamento é desativada, e o usário deve definir um valor de distância. escolha a categoria de Objeto, o PI e a coleção (se for o caso) que serão comparados com os dados ativos da consulta. Por exemplo, imagine que os objetos sendo consultados sejam do tipo Municípios, e que se deseja saber quais Municípios são cortados por algum determinado Rio. Neste caso deve-se selecionar a categoria de objeto Rio, o plano de informação onde estão representados estes objetos, e a coleção que pode ser TUDO (representando todos objetos) ou alguma coleção que tenha sido criada préviamente (módulo para gerar coleções). selecione uma opção de consulta (tudo, nova, adiciona, refina - ver abaixo). clique em Executar. O resultado é apresentado na tela ativa. Opções de consulta: 1. Tudo: seleciona todos os objetos ativos no módulo de consulta. 2. Nova: executa um novo processo de consulta baseados nas opções selecionadas na interface, considerando todos os objetos ativos. 3. Adiciona: adiciona o novo resultado utilizando todos objetos, ao conjunto de objetos atualmente selecionados. 4. Refina: utiliza na consulta somente os objetos atualmente selecionados. A - 24 Cursos DPI -INPE

25 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Desfazendo uma consulta: na tela de Visualização de Objetos, clique em Editar - Desfazer Consultas Módulo de Agrupamento O módulo de Agrupamento controla a forma de simbolizar objetos geográficos baseado nos valores de seus atributos descritivos. Encontra-se neste módulo, seis tipos de agrupamentos: Passo Igual neste caso o sistema divide em partes iguais entre os valores mínimo e máximo da população de objetos, correspondente ao atributo escolhido; Quantil neste caso divide-se a população de objetos em partes iguais, com valores ordenados em cada parte; Estatístico neste caso calcula-se a média e desvio padrão, onde divide-se, a partir da média, em quantos desvios padrões o usuário indicar; Valor único apresenta todos os valores, não definindo um agrupamento, para atributos numéricos ou alfanuméricos. Gráfico de Torta apresenta a distribuição dois ou mais atributos numéricos de cada objeto, em relação a uma circunferência. Gráfico de Barra - utiliza-se dois ou mais atributos numéricos de cada objeto, em relação a uma circunferência. Para entender melhor os modos de agrupamentos acima, veja alguns exemplos a seguir. NOTA: Veja no módulo Tabela que o resultado se um agrupamento pode ser representado por um PI do modelo temático. Exemplos: Passo Igual Por exemplo: para os municípios do Estado de São Paulo, tem-se poucos municipios com grande concentração populacional e muitos municípios com valores medianos, portanto, teremos muitos objetos agrupados em poucas A janela do módulo de agrupamento é ilustrada na figura ao lado. Para agrupamentos feitos por Passo Igual, Estatístico e Quantil, um número máximo de até 15 partes podem ser geradas automaticamente. Já para agrupamento por Valores únicos o limite está na quantidade de cores disponíveis para apresentação de cada objeto. Para gráfico de Torta ou Barras pode-se utilizar até 10 atributos simultaneamente, com cores geradas automaticamente pelo sistema. Veja a seguir como operar cada um destes agrupamentos. INPE - A - 25

26 Tutorial Banco de Dados Geográficos Executando um agrupamento por : clique em Editar na janela Visualização de Objetos e selecione o item Agrupamento.... A janela Agrupar Objetos é apresentada (veja figura acima). Observe que a categoria de objetos selecionada na janela Visual de Objetos é destacada na barra de título da janela Agrupar Objetos, pois o agrupamento depende desta seleção; clique em um atributo na lista Atributos. Observe que o agrupamento já é apresentado, mesmo não tendo escolhido o tipo; escolha o tipo entre Passo Igual, Estatístico, Quantil e Valor único; escolha o número de partes no caso de Passo Igual, Estatístico e Quantil; clique em Executar. O resultado é apresentado na tela ativa. Desfazendo um agrupamento: clique em Desagrupar para desativar um agrupamento; clique em seguida em Executar para realmente efetuar o desagrupamento e restaurar a tela de desenho ativa. NOTA: A legenda gerada pelo agrupamento pode ser exibida também na interface do módulo de controle de visualização, isto é, na janela Visualização de Objetos. Portanto toda vez que o usuário pressiona o botão Executar na janela Agrupar Objetos, a nova legenda é repassada automaticamente para o módulo de controle de visualização (veja figura abaixo). OBS: O módulo de Agrupamento, além de realizar automaticamente os agrupamentos, também possibilita a definição manual dos limites de valores de cada grupo. A - 26 Cursos DPI -INPE

27 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Alterando os valores de agrupamento: clique duplamente nos valores de uma linha representando um grupo de geo-objetos, observe que o intervalo é apresentado na caixa de texto abaixo; altere os valores de seus limites e clique em CR; clique em Executar para visualizar a alteração. NOTA: Quando o usuário tecla valores inadequados o sistema emite um sinal, através de um apito, para que ele modifique e acerte os valores. ATENÇÃO: Há possibilidade do usuário alterar valores de agrupamentos que fiquem fora dos limites, de modo que alguns objetos geográficos não se enquadrarem em nenhum grupo gerado. Troca de visual do agrupamento Uma outra característica do módulo de agrupamento é a possibilidade de alterar a simbologias dos agrupamentos. Essa característica normalmente é usada após o usuário definir o tipo de agrupamento e seus limites. Alterando o visual manualmente: clique duplamente sobre os valores de qualquer agrupamento da lista. Observe que um retângulo destaca a linha selecionada; na janela Agrupar Objetos clique em Visual..., a janela Visuais de Apresentação Gráfica é apresentada (veja figura ao lado); altere os visuais para Áreas, Linhas e Pontos como desejar clique em Executar desta última janela para efetuar as alterações. Repita os passos acima para alterar o visual de outros agrupamentos; clique em Executar em Agrupar Objetos para apresentar na tela as alterações de visuais. Módulo de Tabela O módulo de Tabela é responsável basicamente pela apresentação de todos os atributos de uma categoria de objetos e pelo controle de plotagem de gráficos. A figura a seguir ilustra a interface deste módulo, mostrando os atributos das distritos de uma cidade. INPE - A - 27

28 Tutorial Banco de Dados Geográficos NOTA: Esta janela é aberta juntamente com a janela Visualização de Objetos após definir uma coleção. Seleção e Exibição de Dados Nesta interface o usuário pode escolher examinar os atributos de todos os objetos ou examinar os atributos daqueles objetos que satisfazem apenas à condição imposta pelo módulo de Consulta. Esta escolha é feita através do item Mostrar Todos ou Mostrar Selecionados no menu da tabela. Desta forma, utilizando-se o módulo de Consulta para mostrar, por exemplo, apenas os atributos dos distritos cuja renda familiar possui valores menores que 1500, o usuário pode escolher visualizar, no módulo de Tabela, os atributos de todos os distritos ou apenas os atributos que satisfazem à consulta. Exibindo os dados em uma tabela: selecione uma categoria de objetos na janela Visualização de Objetos ; clique em Editar na janela Visualização de Objetos e selecione o item Tabela.... A janela Atributos é apresentada (veja figura acima). Observe que a categoria de objetos selecionada na janela Visualização de Objetos é destacada na barra de título da janela Atributos: <nome da categoria de objetos>, pois a manipulação de tabela depende desta seleção. Ao apresentar a tabela pela primeira vez, todos os objetos do mapa cadastral são apresentados; clique em Mostrar - Selecionados de desejar analisar apenas os dados dos objetos que satisfizerem os parâmetros de uma equação de consulta, definida anteriormente, em Mostrar - Todos para exibir todos os objetos do PI cadastral ativo. Realce de Objetos sobre o Mapa Com o módulo de Tabela é possível selecionar objetos sobre a tabela e realçá-los graficamente sobre o mapa, ou vice-versa, clicar sobre o objeto na tela e realça-lo na tabela. Nas colunas da tabela temos valores de um certo atributo, e que cada linha da tabela A - 28 Cursos DPI -INPE

29 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS representa um certo objeto geográfico. Portanto, para selecionar um dado objeto, deve-se marcar uma linha sobre a tabela. Para realizar a seleção de objetos geográficos, até cinco (5) cores estão disponíveis. Desta forma, o módulo permite marcar individualmente até cinco grupos de objetos geográficos para serem realçados sobre o mapa, tal como ilustra a figuras abaixo. A operação de marcar linhas está sempre vinculada a uma cor e ela pode ser escolhida através do mouse. Para o usuário selecionar uma das cinco cores, basta clicar com BD (botão direito) sobre o retângulo de cor do canto esquerdo da tabela (veja detalhe na figura a seguir) para abrir o menu de cores, arraste o mouse sobre uma para escolher. Clique aqui com BD do mouse para abrir o menu Cor Veja a seguir como destacar os objetos no mapa. INPE - A - 29

30 Tutorial Banco de Dados Geográficos Realçando objetos no mapa: clique em Editar na janela Visualização de Objetos e selecione o item Tabela.... A janela Atributos é apresentada (veja figura acima); clique com BD sobre o retângulo de cor para apresentar o menu Cor, e arraste o mouse sobre cor desejada (veja figura acima); clique sobre um ou mais objetos na primeira coluna da tabela; observe que cada objeto selecionado na tabela o correspondente é destacado no mapa. NOTA: A mesma seleção pode ser feita sobre o objeto na tela de desenho. Se clicar sobre um objeto o mesmo será destacado na linha da tabela com a cor que estiver selecionada. Para selecionar e desmarcar vários objetos na tabela Utilizando-se o mouse poderá marcar facilmente um grupo de objetos geográficos que possuem um determinado atributo. Selecionando um conjunto de objetos para realce: clique no retângulo de cor para selecionar uma; clique sobre um objeto e arraste o mouse para cima ou para baixo até a posição (linha) desejada, marcando assim vários ao mesmo tempo. NOTA : A mesma operação é válida para desmarcar um grupo de objetos que estão selecionados. Desmarcando linhas selecionadas: posicione sobre a primeira coluna de qualquer objeto, e clique com o botão da direita (BD) para abrir o menu Remover e selecione em Marcas - Todas ou a Cor Corrente (veja figura abaixo). Clique aqui com BD do mouse para abrir o menu Remover ATENÇÃO: Preste atenção na cor corrente antes de executar a ação sobre a mesma, pois não existe a opção de retornar ( Undo ). Terá de refazer a seleção manualmente caso remova os objetos selecionados. A - 30 Cursos DPI -INPE

31 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Operações sobre as colunas da tabela Algumas operações estão definidas para serem aplicadas sobre as colunas da tabela de atributos. Para abrir o menu Operações escolha primeiro a coluna de atributo desejado e clique com BD (botão direito) do mouse sobre o nome deste atributo (primeira linha da tabela). Veja detalhe na figura abaixo. Clique aqui com BD do mouse para abrir o menu Operações A seguir apresentamos as operações do menu apresentado acima. Ordenamento de Objetos O comando de escolha e ordenação é feito através do mouse, possibilitando a ordenação em ordem crescente ou decrescente. Ordenando em ordem crescente: clique com botão direito (BD) sobre o nome do atributo na tabela, e no menu Operações apresentado escolha Ordenar Crescente. Ordenando em ordem decrescente: clique com botão direito (BD) sobre o nome do atributo na tabela, e no menu Operações apresentado escolha Ordenar Decrescente. Exibição de Estatísticas Outra capacidade do módulo de Tabela é a possibilidade de exibir estatísticas de qualquer coluna de atributos. Os parâmetros estatísticos apresentados são: número de amostras; número de ausentes; mínimo; mediana; máximo; soma total; média; desvio padrão; e coeficiente de variação. INPE - A - 31

32 Tutorial Banco de Dados Geográficos Exibindo estatística dos atributos: clique com botão direito (BD) sobre o nome do atributo na tabela, e no menu Operações apresentado escolha Estatística... (veja detalhes na figura acima). A janela de Relatório de Dados é apresentada (veja figura a seguir). NOTA: Para atributos alfanuméricos apenas o número de amostras e ausentes tem valores representativos. A figura a seguir mostra os dados apresentados. No relatório o usuário pode salvar os dados em um arquivo texto (ASCII), utilizando o botão Salvar.... Exibição de Gráficos Outra característica do módulo de Tabela é a capacidade para exibir gráficos. Este módulo dispõem de três formas de gráficos: histograma; dispersão; e setores ( pizza ). Gráfico de Histogramas O usuário pode escolher exibir o histograma de qualquer atributo numérico, através do uso do mouse. Utiliza-se a tela gráfica do SPRING para apresentar um gráfico. Este tipo de gráfico apresenta no eixo das coordenadas (X) o atributo selecionado, e no eixo das abcissas (Y) a freqüência em relação a população (todos os dados da coluna selecionada). A - 32 Cursos DPI -INPE

33 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Exibindo o histograma de um atributo: clique com botão esquerdo (BE) sobre o nome de um atributo numérico na tabela, para marcar a coluna, e clique novamente com botão direito (BD) sobre o nome do atributo, e no menu Operações apresentado escolha Gráfico... NOTA: Para obter o histograma de um outro atributo, o usuário deve repetir operação acima sobre este novo atributo. A duas figuras a seguir ilustram, a tabela com o realce sobre o atributo Área das quadras da cidade de Brasília, e a tela gráfica mostrando o seu histograma. Gráfico de Setores ( pizza ) Para exibir o gráfico de pizza, o usuário deve antes escolher e marcar os objetos geográficos (realçar linhas sobre a tabela). Quando se existem linhas realçadas sobre a tabela, em vez do histograma é obtido automaticamente o gráfico de pizza. Neste tipo de gráfico, o usuário pode visualizar a percentagem, por exemplo, da população ou da renda, dos bairros marcados em relação ao restante dos bairros da cidade de São Paulo. Desta forma, como o módulo tem a capacidade de marcar vários grupos de objetos utilizando-se até cinco cores, o gráfico de pizza pode mostrar a percentagem de até INPE - A - 33

34 Tutorial Banco de Dados Geográficos seis grupos de geo-objetos, isto é, até cinco grupos referentes às cinco cores, e mais o grupo restante (o grupo formado pelos geo-objetos desmarcados). A fim de manter uma ordem, as mesmas cores utilizadas para marcar os geo-objetos ou linhas da tabela são utilizadas para mostrar as respectivas porções (percentagens) no gráfico de pizza. A cor cinza é utilizada no gráfico de pizza para representar o grupo de geo-objetos que não estão marcados sobre a tabela. Exibindo o gráfico de pizza de um atributo: selecione alguns objetos marcando suas linhas (como descrito mais acima); clique com botão esquerdo (BE) sobre o nome do atributo na tabela para marcar a coluna, e clique novamente com botão direito (BD) sobre o nome do atributo, e no menu Operações apresentado escolha Gráfico... O gráfico é apresentado em seguida. NOTA: Uma vez que o usuário marcou já uma coluna de atributos, pode-se facilmente exibir outros gráficos de pizza para determinar a percentagem de outros atributos, somente repetindo o último passo acima. OBS: Um exemplo de obtenção de gráfico de pizza é ilustrado nas duas figuras a seguir, onde a primeira ilustra a interface de tabela com vários objetos marcados e a segunda mostra o resultado em forma de gráfico de pizza. A - 34 Cursos DPI -INPE

35 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Gráfico de Dispersão Outra possibilidade de exibição de gráficos é em forma de gráfico de espalhamento ou gráfico de dispersão. Este tipo de gráfico permite analisar a correlação existente entre dois atributos. Para se obter o gráfico de dispersão, o usuário deve desmarcar todas as linhas marcadas sobre a tabela e selecionar duas colunas, ou seja, marcar dois atributos, como foi feito para um acima. Definindo um gráfico de dispersão: clique com botão esquerdo (BE) sobre o nome da duas colunas com atributos numéricos para destacá-las; clique novamente com botão direito (BD) sobre o nome do atributo, e no menu Operações apresentado escolha Gráfico... O gráfico é apresentado em seguida. A figura abaixo mostra o módulo de tabela com os atributos de Perímetro e População dos bairros de uma cidade, já selecionados para a exibição do gráfico de dispersão. INPE - A - 35

36 Tutorial Banco de Dados Geográficos Segundo a figura acima, o gráfico pode ser obtido na forma: Perímetro x População ou População x Perímetro, como ilustram as figuras a seguir. Para criar um gráfico ou outro, depende de qual atributo é selecionado no momento de acionar o menu Gráfico. Figura - Gráfico de espalhamento de População x Perímetro. Figura - Gráfico de espalhamento de Perímetro x População. Remover e Mostrar colunas da tabela de Objetos Algumas vezes a tabela se torna incomoda de trabalhar quando se tem muitos atributos na mesma. O usuário pode ocultar (remover) as colunas que não deseja mostrar, e quando desejar voltar a exibi-la. Removendo uma coluna da tabela: clique com botão direito (BD) sobre o nome do atributo na tabela, e no menu Operações apresentado escolha Remover Coluna. NOTA: Ao encerrar o módulo Spring o sistema não guarda a informação de qual coluna estava oculta ou não, de modo que ao abrir a tabela novamente, todas as colunas estarão visíveis. A - 36 Cursos DPI -INPE

37 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS Mostrando uma coluna que estava oculta: clique com botão direito (BD) sobre o nome do atributo na tabela, e no menu Operações apresentado escolha Exibir Colunas... A janela Exibir Colunas é apresentada (figura ao lado). Observe que as colunas que estão ocultas não estão destacadas na lista; clique sobre um atributo na lista NOTA: Pode-se utilizar esta mesma janela para ocultar ou mostrar os atributos (colunas) da tabela, depende somente de qual item clicar na lista. Exportar os dados apresentados na Tabela Os dados que estão na tabela podem ser salvos em um arquivo texto (ASCII), basta clicar em Arquivo Exportar Como... no menu da janela Atributos. Um nome de arquivo será solicitado, informe o nome e clique em Salvar. Gerar Coleção a partir da Tabela Uma vez executada uma consulta, seja por atributos e/ou espacial, sobre um mapa de objetos, a tabela de atributos apresenta somente os objetos que atendem a tais expressões de consulta. Tais objetos poderão agora fazer parte de uma nova coleção para serem posteriormente utilizados em outra consulta. Criando uma coleção a partir da tabela: selecione os objetos desejados utilizando as janela Seleção de Objetos e/ou Consulta Espacial ; no módulo Tabela, clique em Arquivo Gerar Colação... para abrir a janela Gerar Coleção (veja figura ao lado); digite no campo Nome: uma palavra para sua coleção; clique em Executar. NOTA: Somente coleções criadas a partir do módulo Tabela são apresentadas na janela Gerar Colação, e uma coleção só poderá ser suprimida se não for a coleção que estiver em uso. OBS: Observe que a coleção criada a partir da tabela estará disponível na janela de Geração e Seleção de Coleção, entretanto, no campo Expressão Lógica estará a mesnsagem CREATED FROM TABLE, informando sua origem. INPE - A - 37

38 Tutorial Banco de Dados Geográficos Gerar PI temático Uma vez executada uma consulta, seja por atributos, espacial e ou agrupamento, sobre um mapa de objetos, pode-se criar um PI temático que represente os objetos selecionados e/ou agrupados. Para criar o PI temático existe duas situações bem distintas quando o usuário: 1. executa apenas uma consulta por atributos e/ou espacial neste caso somente os polígonos, linhas e pontos selecionados serão copiados para o PI temático, sendo estes associados a primeira classe da categoria; 2. executa um agrupamento, independente de uma consulta por atributos e/ou espacial neste caso poderá criar automaticamente uma categoria e classes associadas, utilizando como nome da classe o próprio grupo (ou fatia), ou ainda utilizar uma categoria temática existente, devendo neste caso definir a associação mais adequada. A seguir apresentados os procedimentos para as duas situações. Gerando um PI temático após executar consultas: ative no Painel de Controle uma categoria cadastral e um PI associado; clique em Consultar... e na janela Geração e Seleção de Coleção selecione uma coleção ou todos objetos (opção ALL); selecione os objetos desejados utilizando as janela Seleção de Objetos e/ou Consulta Espacial ; no módulo Tabela, clique em Arquivo Gerar PI... para abrir a janela Gerar Plano de Informação (veja figura ao lado); clique em Categoria... para escolher a qual pertencerá o PI a ser criado. A janela Lista de Categorias é apresentada (figura ao lado). Escolha uma categoria temática e clique em Executar nesta janela; digite no campo PI de Saída um nome para o mesmo; clique em Executar. NOTA: Verifique no Painel de Controle que o PI criado estará disponível para ser visualizado. Gerando um PI temático após executar um agrupamento: ative no Painel de Controle uma categoria cadastral e um PI associado; clique em Consultar... e na janela Geração e Seleção de Coleção selecione uma coleção ou todos objetos (opção ALL); A - 38 Cursos DPI -INPE

39 Tutorial Banco de Dados Geográficos - ANEXOS agrupe os objetos utilizando as janela Agrupar Objetos: <nome_objeto> ; no módulo Tabela, clique em Arquivo Gerar PI... para abrir a janela Gerar Plano de Informação (veja figura acima); se desejar criar uma nova categoria temática: # clique em Classes Automáticas, digite um nome para a categoria e clique em Criar, senão; # clique em Categoria... para escolher a qual pertencerá o PI a ser criado. A janela Lista de Categorias é apresentada. Escolha uma categoria temática e clique em Executar nesta janela; digite no campo PI de Saída um nome para o mesmo; clique em Executar. NOTA: Verifique no Painel de Controle que o PI criado estará disponível para ser visualizado. As classes criadas terão o mesmo nome do agrupamento e o mesmo visual (cor), definidos na janela Agrupar Objetos: <nome_objeto>. Módulo de Atributos do Objeto O módulo de Atributo do Objeto é utilizado para visualizar os atributos de um certo objeto geográfico. Seu funcionamento baseia-se em apontar com o mouse sobre um mapa e escolher um objeto geográfico para exibir seus atributos. Os atributos apresentados são os definidos na tabela de objetos, assim como os da tabela não-espacial, se esta segunda tabela estiver conectada. Nesta janela pode-se ainda conectar atributos na forma de arquivos digitais nos formatos JPG, TIF, GIF e BMP, e páginas HTML, arquivos de áudio e vídeo nos formatos MOV, AVI, WAV, MID, MPG e MP3, arquivos do tipo texto no formato DOC, TXT e PDF, arquivos no formato gráfico tipo DXF, DWG e CDR, finalmente, associar endereços URL. Para a visualização dos arquivos citados acima, o sistema windows ou unix deve reconhecer a extensão destes formatos, e abrirem no aplicativo correspondente. Cada atributo do objeto geográfico ocupa uma linha da janela, portanto, nesta diferentemente do módulo de tabela, onde mostra todos os objetos (veja figura ao lado). Veja a seguir como selecionar os atributos de um objeto ao clicar sobre o mesmo. INPE - A - 39

APOSTILA DE CURSO - SPRING-3.3 (versão Windows) Spring Básico. Junho de 1999 INPE

APOSTILA DE CURSO - SPRING-3.3 (versão Windows) Spring Básico. Junho de 1999 INPE APOSTILA DE CURSO - SPRING-3.3 (versão Windows) Spring Básico Junho de 1999 INPE As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações e correções sem prévio aviso. Esse documento pode ser

Leia mais

TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico. Junho de 2006 INPE

TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico. Junho de 2006 INPE TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico Junho de 2006 INPE As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações e correções sem prévio aviso. Esse documento pode ser

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS Qualquer tipo de tratamento de imagens deve ser efetuado antes de seu registro, ou seja, com a imagem original. As imagens CBERS aparecem com aspecto

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Nesse capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

AULA 2 Planos, Vistas e Temas

AULA 2 Planos, Vistas e Temas 2.1 AULA 2 Planos, Vistas e Temas Essa aula apresenta os conceitos de Plano de Informação, Vista e Tema e suas manipulações no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado na AULA 1. Abra o

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Análise de Dados do Financeiro

Análise de Dados do Financeiro Análise de Dados do Financeiro Introdução Para reunir em um só local as informações de contas a pagar e receber cadastradas e/ou geradas no sistema TTransp existe a interface de análise de dados do financeiro.

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Aula 3 - Registro de Imagem Registro é uma transformação geométrica que relaciona as coordenadas da imagem (linha e coluna) com as coordenadas geográficas (latitude e longitude)

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

MiniCurso 4 horas Introdução ao SPRING

MiniCurso 4 horas Introdução ao SPRING MiniCurso 4 horas Introdução ao SPRING Dr. Carlos A Felgueiras (carlos@dpi.inpe.br) Gerente de Desenvolvimento do SPRING DPI - Divisão de Processamento de Imagens INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

Manual Simulador de Loja

Manual Simulador de Loja Manual Simulador de Loja Índice Início Menu Loja Modelo Loja Modelo Menu Criar Minha Loja Criar Minha Loja Abrir Projeto Salvo Teste Seu Conhecimento 0 04 05 08 09 8 9 0 Início 5 4 Figura 00. Tela inicial.

Leia mais

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView Essa aula apresenta o software TerraView apresentando sua interface e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados neste documento bem como o executável

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

AULA 2 Planos, Vistas e Temas

AULA 2 Planos, Vistas e Temas 2.1 AULA 2 Planos, Vistas e Temas Essa aula apresenta os conceitos de Plano de Informação, Vista e Tema e suas manipulações no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado na AULA 1. Abra o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Registro é uma transformação geométrica que relaciona coordenadas da imagem (linha e coluna) com coordenadas geográficas (latitude e longitude) de um

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

AULA 4 Manipulando Tabelas

AULA 4 Manipulando Tabelas 4.1 AULA 4 Manipulando Tabelas Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades relativas a manipulação de tabelas de atributos no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado nas Aulas

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ ções espaciais, geraçã ção o de saídas na forma de mapas, relatórios, rios, arquivos digitais, etc; Deve prover recursos

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

Basicão de Estatística no EXCEL

Basicão de Estatística no EXCEL Basicão de Estatística no EXCEL Bertolo, Luiz A. Agosto 2008 2 I. Introdução II. Ferramentas III. Planilha de dados 3.1 Introdução 3.2 Formatação de células 3.3 Inserir ou excluir linhas e colunas 3.4

Leia mais

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone COMO USAR O MAPA COM INDICADORES DO GEOPORTAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DA BAHIA? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas do Mapa com Indicadores do GeoPortal

Leia mais

1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes

1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes 1 UNIT Universidade do Trabalhador Dr. Abel dos Santos Nunes Janelas são estruturas do software que guardam todo o conteúdo exibido de um programa, cada vez que um aplicativo é solicitado à janela do sistema

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002)

Tutorial do Sistema GeoOffice. Todos os direitos reservados (1999-2002) Tutorial do Sistema GeoOffice Todos os direitos reservados (1999-2002) Sistema GeoOffice Sistema Topográfico Solution Softwares Tutorial Passo a Passo Conteúdo I Tabela de Conteúdos Foreword 0 Parte I

Leia mais

Módulo de Georreferenciamento. Sistema. Página 1/75

Módulo de Georreferenciamento. Sistema. Página 1/75 Módulo de Georreferenciamento Sistema Página 1/75 Para iniciar o Módulo de Georreferenciamento acesse, no AutoCAD a partir do Menu flutuante >Posição >Georreferenciamento >Módulo de Georreferenciamento.

Leia mais

Vetorização no Spring

Vetorização no Spring UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE CARTOGRAFIA Laboratório de Geoprocessamento Vetorização no Spring Grazielle Anjos Carvalho Beatriz Trindade Laender Belo Horizonte,

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Ministério da Defesa Exército Brasileiro Maio/2012 Sumário 1- Introdução...2 1.1- O que é o BDGEx?...2 1.2- Entrando no Sistema...2 1.3- Apresentando a Área de Trabalho

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de OCR com separação de código de correção no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se na

Leia mais

Auto Treinamento. Versão 10.05.13

Auto Treinamento. Versão 10.05.13 Auto Treinamento Versão 10.05.13 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. CONCEITO DE BUSINESS INTELLIGENCE... 3 3. REALIZANDO CONSULTAS NO BI-PUBLIC... 4 3.2. Abrindo uma aplicação... 4 3.3. Seleções... 6 3.4. Combinando

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Autor: Emerson Soares dos Santos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Autor: Emerson Soares dos Santos INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Autor: Julho de 2010 Material para Exercícios Práticos APRENDENDO TerraView 3x tem graduação e mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso e atualmente

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa

PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO 2. BASE TEÓRICA. 2.1 Criando Mapas no Excel. 2.2 Utilizando o Mapa PRINCÍPIOS DE INFORMÁTICA PRÁTICA 08 1. OBJETIVO Aprender a utilizar mapas, colocar filtros em tabelas e a criar tabelas e gráficos dinâmicos no MS-Excel. Esse roteiro foi escrito inicialmente para o Excel

Leia mais

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 1 INDICE 1. Instalação do Software...3 2. Tela Inicial...3 3. Criando arquivo de configurações (Alt + C + C)...4 3.1 Sensores

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

Composição de Layout no Terraview

Composição de Layout no Terraview MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Executiva Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Descobrindo e analisando. Qlik Sense 1.0.3 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Descobrindo e analisando. Qlik Sense 1.0.3 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Descobrindo e analisando Qlik Sense 1.0.3 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik,

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

CURSO DE USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE TUTORIAL INTRODUÇÃO AO SPRING PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CURSO DE USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE TUTORIAL INTRODUÇÃO AO SPRING PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE TUTORIAL INTRODUÇÃO AO SPRING PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA Suely Franco Siqueira Lima Teresa Gallotti Florenzano Eliana Maria

Leia mais

Manual do Usuário. Minha Biblioteca

Manual do Usuário. Minha Biblioteca Manual do Usuário Minha Biblioteca Sumário Acesso a Minha Biblioteca... 3 Tela Principal... 3 Para que serve o ícone Minha Biblioteca?... 3 O que você encontra no campo Pesquisar?... 4 Quando utilizar

Leia mais

Menu Notas Fiscais Entradas. Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros:

Menu Notas Fiscais Entradas. Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros: Menu Notas Fiscais Entradas (não é um manual) Sugestão de Compras: 1º passo: selecionar os critérios de pesquisa e filtros: Loja desejada. Fornecedor desejado (com marcas homologadas). Filtro para ignorar

Leia mais

iconnect 3.3 Atualizações Pesquisa Dinâmica

iconnect 3.3 Atualizações Pesquisa Dinâmica iconnect 3.3 Atualizações Pesquisa Dinâmica Conteúdo iconnect 3.3 Atualizações Pesquisa Dinâmica... 3 1. Feedback do Cliente...3 1.1 Feedback do Cliente no Email da Pesquisa Dinâmica... 3 1.2 Página de

Leia mais

Microsoft Office Excel 2007

Microsoft Office Excel 2007 1 Microsoft Office Excel 2007 O Excel é um programa dedicado a criação de planilhas de cálculos, além de fornecer gráficos, função de banco de dados e outros. 1. Layout do Excel 2007 O Microsoft Excel

Leia mais

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers

1 - Crie um novo documento no ArcMap. Com o programa aberto, selecione o Dataframe Layers Conversão de Raster para Polígono usando o ArcMap Nos posts anteriores, conhecemos uma situação onde uma empresa solicita, além do produto esperado, imagens no canal alfa para geração de polígonos envolventes

Leia mais

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Desenvolvido por Hamilton Dias (31) 8829.9195 Belo Horizonte hamilton-dias@ig.com.br www.h-dias.cjb.net ÍNDICE Introdução...3 Implantação...3 Instalação...3

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 Manual do Usuário Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 1. CONFIGURAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA ACESSO... 4 2 GUIAS... 11 2.1 DIGITANDO AS GUIAS... 11 2.2 SALVANDO GUIAS... 12 2.3 FINALIZANDO UMA GUIA... 13

Leia mais

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7 1. EXCEL 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS As planilhas eletrônicas ficarão na história da computação como um dos maiores propulsores da microinformática. Elas são, por si sós, praticamente a causa da explosão

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

PDFsam. Manual de Operação. Superior Tribunal de Justiça. Fevereiro/2012 versão 01 - Manual montado por Rafael Verlangieri

PDFsam. Manual de Operação. Superior Tribunal de Justiça. Fevereiro/2012 versão 01 - Manual montado por Rafael Verlangieri PDFsam Manual de Operação Superior Tribunal de Justiça Índice Visão Geral 3 Acessando o Programa 3 Descrição da Tela Principal 4 Serviços disponíveis no PDFSAM 5 Compositor Visual de Documentos 5 Procedimento:

Leia mais

Aprendendo a Usar o ArcExplorer

Aprendendo a Usar o ArcExplorer Aprendendo a Usar o ArcExplorer O ArcExplorer é um software simples de visualização e consultas de arquivos utilizados em geoprocessamento. Muito embora seja um software livre e conseqüentemente, para

Leia mais

SISADI MÓDULO GERAL Via Inquilino Manual versão 2.0.0

SISADI MÓDULO GERAL Via Inquilino Manual versão 2.0.0 SISADI MÓDULO GERAL Via Inquilino Manual versão 2.0.0 Autoria Cristiane Caldeira Mendes Belo Horizonte 2013 Índice Introdução... 3 Objetivo... 3 Considerações Gerais... 3 Glossário de Ícones, Botões e

Leia mais

Microsoft Word INTRODUÇÃO

Microsoft Word INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O Word é uma ferramenta utilizada para o processamento e editoração eletrônica de textos. O processamento de textos consiste na possibilidade de executar e criar efeitos sobre um texto qualquer,

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU $,'(GR5HSRUW0DQDJHU Neste capítulo vamos abordar o ambiente de desenvolvimento do Report Manager e como usar os seus recursos. $FHVVDQGRRSURJUDPD Depois de instalado o Report Manager estará no Grupo de

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard.

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard. 1 Windows Movie Maker XP O Windows Movie Maker é um software de edição de vídeos que permite criar e editar filmes caseiros, inserindo efeitos, músicas, legendas e transições. O vídeo pode ser criado a

Leia mais

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso

Manual de Apoio ao Treinamento. Expresso Manual de Apoio ao Treinamento Expresso 1 EXPRESSO MAIL É dividido em algumas partes principais como: Caixa de Entrada: local onde ficam as mensagens recebidas. O número em vermelho entre parênteses refere-se

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

BrOffice.org - Impress

BrOffice.org - Impress BrOffice.org Impress 1 BrOffice.org - Impress Programa de apresentação, utilizado para criação e manipulação de slides. Os slides criados para uma eletrônica podem conter texto, gráficos, objetos, formas,

Leia mais

DRIVE CONTÁBIL NASAJON

DRIVE CONTÁBIL NASAJON DRIVE CONTÁBIL NASAJON Módulo Gestão de Documentos Versão 1.0 Manual do Usuário 1 Sumário Os Módulos do Gerenciador de NFe: Informações Básicas Primeiro Acesso: Requisitos Acesso ao Drive Contábil Nasajon

Leia mais

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word PowerPoint 2013 Sumário Introdução... 1 Iniciando o PowerPoint 2013... 2 Criando Nova Apresentação... 10 Inserindo Novo Slide... 13 Formatando Slides... 15 Inserindo Imagem e Clip-art... 16 Inserindo Formas...

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Volpe Enterprise Resource Planning

Volpe Enterprise Resource Planning Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido, traduzido ou reduzido a qualquer mídia eletrônica ou máquina de leitura, sem a expressa

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

Publicação de uma pesquisa na web

Publicação de uma pesquisa na web Publicação de uma pesquisa na web Pré-requisitos: Lista das questões Formulário multimídia A publicação de pesquisas na web possibilita que pesquisas sejam respondidas de qualquer computador com acesso

Leia mais

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14 Guia do Usuário idocsscan v.2.1.14 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 5 Instalação... 7 Inicializando a aplicação... 12 Barras de acesso e informações... 13 Teclas de atalho... 14 Barra de Ferramentas...

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

Tutorial Administrativo (Backoffice)

Tutorial Administrativo (Backoffice) Manual - Software ENTRANDO NO SISTEMA BACKOFFICE Para entrar no sitema Backoffice, digite no seu navegador de internet o seguinte endereço: http://pesquisa.webbyapp.com/ Entre com o login e senha. Caso

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

Apresentando o Sistema GeoOffice GPS Profissional

Apresentando o Sistema GeoOffice GPS Profissional Apresentando o Sistema GeoOffice GPS Profissional O Sistema GeoOfficeGPS é uma ferramenta de automação desenvolvida pela Solution Softwares LTDA-ME para auxiliar no armazenamento e manipulação de dados

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica Em certa época, a planilha era um pedaço de papel que os contadores e planejadores de empresas utilizavam para colocar

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

Tornando sites mais fáceis para visualização 16

Tornando sites mais fáceis para visualização 16 Primeiros passos com o essential Accessibility 3 O que é essential Accessibility? essential Accessibility : uma visão geral Sobre este manual Como instalar o essential Accessibility Requisitos do sistema

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Ambiente de Programação dos Painéis de Operação Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Índice 1)Introdução...2 2)Instalação do Oppe...3 3)Descrição do OPPE...4 3.1 Selecionar

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

OpenOffice Calc. Por: Leandro Dalcero

OpenOffice Calc. Por: Leandro Dalcero OpenOffice Calc Por: Leandro Dalcero Índice... 1. Iniciando o Calc 1.0 2. Componentes básico da janela do Calc...... 3. Menu Arquivo... 3.1.Novo 3.2.Abrir... 3.3.Piloto Automático...... 3.4.Fechar 3.5.Salvar......

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS 2. ENTRADA DE DADOS Os dados digitados em uma célula são divididos em duas categorias principais: constantes ou fórmulas. Um valor constante é um dado digitado diretamente na célula e que não é alterado.

Leia mais

Sistema Click Principais Comandos

Sistema Click Principais Comandos Sistema Click Principais Comandos Sumário Sumário... 1 1. Principais Funções:... 2 2. Inserção de Registro (F6):... 3 3. Pesquisar Registro (F7):... 4 3.1 Pesquisa por letras:... 5 3.2 Pesquisa por números:...

Leia mais