Ablação da Fibrilação Atrial Gatilhos Versus Substrato

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ablação da Fibrilação Atrial Gatilhos Versus Substrato"

Transcrição

1 Ablação da Fibrilação Atrial Gatilhos Versus Substrato Verma, Atul ÍNDICE 1. Introdução 2. Ablação baseada dos Gatilhos 3. Ablação baseada no Substrato (i) Eletrogramas fracionados complexos (ii) Frequência dominante (iii) Plexo Autonômico Ganglionar 4. A necessidad de Estudos Clínicos 5. Referências

2 Introdução A ablação por radiofreqüência da fibrilação atrial (FA) emergiu como uma técnica muito efetiva para o tratamento desta atormentadora arritmia. Quando a ablação da FA foi primeiramente descrita por Haissaguere et al, quase há dez anos, a técnica foi focada na eliminação de desencadeadores de FA, se originando grandemente das veias pulmonares (VPs) 1. Nos pacientes com FA predominantemente paroxística e pouca doença cardíaca estrutural, este paradigma permanece de sucesso, com as evidências confirmando que a eliminação de todos os possíveis gatilhos via isolamento das veias pulmonares (IVP) previne com sucesso a recorrência da FA. Contudo, as altas taxas de sucesso dos procedimentos de IVP não foram reproduzidas em populações com FA mais persistente ou permanente. Nestes pacientes, tem havido mais interesse na identificação de elementos críticos do substrato atrial requeridos para manutenção da FA. Visando os alvos chamados substrato, é esperado que a ablação da FA possa conseguir melhores taxas de cura num espectro maior de pacientes. Enquanto os marcadores d substrato da FA têm sido propostos como potenciais alvos para ablação, a eficácia do uso de tais alvos não é bem conhecida. Além do mais, se tais alvos devem ser eliminados sozinhos, ou em conjunto com outros gatilhos ainda não é bem entendido. Ablação Baseada nos Gatilhos O objetivo da maioria das técnicas de Ablação da FA presentes hoje em dia é desconectar eletricamente as VPs do resto do átrio pela ablação ao redor da origem das veias. No seu artigo original Haissaguere et al demonstraram que na maioria dos pacientes com FA paroxísticas, isoladas (94%), os gatilhos focais para FA foram encontrados em uma ou mais VPs 1. Embora os locais fora das VPs também possam ser gatilhos da FA, isto é menos comum, ocorrendo em não mais do que 6-10% dos pacientes com FA paroxística 2. Logo, a maioria das técnicas de hoje em dia são focadas na ablação ao redor das veias pulmonares. Isto tipicamente envolve lesões circunferenciais ao redor e fora de todas as quatro veias pulmonares com objetivo de conseguir a desconexão elétrica entre as VPs e o átrio esquerdo (AE) 3. Embora esta técnica tenha muitos nomes e variações, incluindo isolamento antral das veias pulmonares, ablação circunferencial VP, ou isolamento extra ostial, os grupos de lesões produzidos pelos procedimentos são todos muito semelhantes. As taxas de sucesso também são similares, com uma análise combinada demonstrando sucesso numa média de 80% 4. As evidências também sugerem que o sucesso de tais procedimentos de ablação é diretamente relacionado a eliminação da condução entre as VPs e o AE. Verma et al estudaram pacientes após o isolamento antral da VP e encontraram que naqueles com desfecho com sucesso tiveram

3 significativamente mais VPs isoladas quando comparados aos que falharam 5. Além disso, os pacientes que foram responsivos as medicações antiarrítmicas tinham mais atraso na condução entre o AE e as VPs versus os que não foram responsivos. Ouyang et al também encontraram que a recorrência da condução AE-VP foi o achado predominante nos pacientes com arritmia recorrente após o isolamento antral das VPs 6. em ambos estudos, os pacientes foram curados com sucesso pelo re-isolamento do antro das VP. A maioria dos pacientes nestes estudos tinha FA paroxística e isolada. Estes resultados não são necessariamente aplicáveis para populações de FA mais resistentes. Além disso, o isolamento antral amplo das VP requer um grupo mais extenso de lesões, que apresentam riscos incluindo a perfuração e o AVC. Lesões adicionais e alternativas podem ser requeridas para modificar o substrato atrial da manutenção da FA, além da ablação gatilho-baseada. Ablação Baseada no Substrato Não existe consenso geral sobre o que exatamente constitui o substrato na FA clínica, tornando o uso deste termo algo problemático. Parece que quando a maioria dos médicos fala sobre mirar o substrato da FA, eles estão se referindo as regiões críticas ou componentes da anatomia/eletrofisiologia do átrio esquerdo que são responsáveis pela permissão da perpetuação da FA. Investigadores propuseram diferentes alvos de ablação para tentar e identificar estas regiões críticas incluindo eletrogramas complexos fracionados (ECFs), frequências dominantes (FDs), e plexo ganglionares autonômincos (PGs). (i) Eletrogramas complexos fracionados:a partir dos experimentos iniciais em animais e humanos, foi encontrado que a regiões atriais que exibem ativação muito rápida podem representar rotores críticos responsáveis pela manutenção da FA 7. Além disso, regiões que demonstram potenciais muito fragmentados, ao ponto de atividade da linha de base quase contínua, podem representar pontos pivot ou regiões de condução muito lentas responsáveis pela condução fibrilatória contínua 8. Nademanee et al foram os primeiros a descrever estes tipos de eletrogramas (EGMs) exclusivamente para ablação da FA 9. Ele definiu o chamado eletrograma complexo fracionado atrial como EGMs com (1) duas deflexões ou mais e/ou tendo perturbação da linha de base com deflexões contínuas de um complexo de ativação prolongada ou (2) ciclos de duração muito curtos (<120ms) com ou sem potenciais múltiplos. Estes EGMs também tem tipicamente voltagens muito baixas de mV. Pela ablação destes alvos, Nademanee descreveu uma taxa de sucesso de 76% aos um procedimento (91% após dois). Outros também mostraram que a adição dos eletrogramas complexos atriais a ablação pode aumentar as taxas de sucesso 10. Contudo, outros centros ainda não validaram a técnica dos ECF sozinha. Uma razão é

4 a subjetividade da identificação dos ECFs. Para este fim, algoritmos de mapeamento têm sido desenvolvidos para identificar automaticamente os ECF e os resultados inicias têm sido promissores 11 (Figura 1). Além disso, existe alguma controvérsia como o da relevância do uso dos ECF como alvo. Existe debate sobre a estabilidade temporal e espacial dos ECF e se estes EGMs representam regiões transitórias de colisão de frentes de onda ao contrário as regiões críticas, estáveis de perpetuação da FA 12. Parte do problema é que a definição de ECF varia na literatura, com alguns definindo qualquer EGM com mais de 2 componentes como ECF a despeito da duração do ciclo ou continuidade do sinal (Figura 2). Enquanto que um EGM com mais de 2 ou mais componentes podem tecnicamente ser fracionado, somente EGMs de baixa voltagem com atividade rápida ou contínua têm sido descritos como alvo de ablação ou ECF. Talvez eletrogramas atriais complexos fosse um termo melhor do que ECF para impedir a confusão. Estes eletrogramas complexos foram relatados como sendo espacialmente estáveis e sua eliminação resulta no prolongamento da duração do ciclo da FA, regularização, e possivelmente redução a longo prazo da FA 9, 13. Alguns também relataram procurar por tais sítios de atividade complexa durante o ritmo sinusal através do exame da tranformada de Fourier dos EGMs sinusais e procurando por múltiplas freqüências tardias, desviadas para direita ou chamadas de miocárdio fibrilar 14. Figura 1. Exemplos de eletrogramas que têm sido rotulados como eletrogramas complexos fracionados. Os eletrogramas em A são de baixa amplitude, com múltiplos componentes ao ponto de ser quase uma deflexão contínua do registro da linha de base. Estes eletrogramas são exemplos dos eletrogramas complexos fracionados ou ECF. Os eletrogramas em B têm dois ou três componentes e são, portanto, fracionados. Contudo, os eletrogramas não são de baixa amplitude, não existe uma atividade elétrica contínua (muitas linhas retas entre os eletrogramas), e a duração do ciclo não é particularmente curta. Logo, estes eletrogramas não seriam considerados ECF.

5 Figura 2. Exemplo de uma representação tridimensional do átrio esquerdo (visão em AP) com regiões codificadas por cor indicando áreas de atividade de complexos fracionados utilizando um algoritmo mapeamento automático (Ensite NavX, St Jude Medical, St Paul, MN). Através de realização do registro ponto-a-ponto dos eletrogramas (EGMs), o algoritmo detecta automaticamente o número de picos dos EGMs locais. Pela médias do números de picos num período de tempo de alguns segundos, um ciclo médio de duração pode ser calculado. Regiões de curtos ciclos duração (<120ms) representam regiões a atividade complexa (tanto atividade muito rápida, ou deflexões contínuas da linha de base). Estas regiões podem então ser alvos de ablação. (ii)frequência Dominante:: Tentar identificar e interpretar sinais complexos pode ser muito desafiador durante a FA. Então, alguns investigadores tentaram usar locais de FD para identificar regiões de atividade atrial de alta freqüência. Sanders et al, por exemplo, reportaram que o término da FA ou o prolongamento da duração do ciclo da FA durante a ablação foram normalmente vistos durante a ablação do sítio de FD 15. Eles também demonstraram que a distribuição das FD pode variar nos pacientes com FA paroxística ou permanente, com as FDs menos provavelmente associadas com as VPs nos pacientes não paroxísticos. Contudo, como os ECF, existem algumas questões como a estabilidade temporal e espacial das FDs. Ng et al mostraram que os valores de FD foram significativamente pressionados pelos fatores locais dos

6 EGMs, tais como a variação de amplitude, flutuação da freqüência, e disposição ou fase do EGM 16. Logo, os sítios de FD podem não se correlacionar necessariamente com as regiões atriais que exibem a atividade atrial mais rápida e complexa. Ainda não existem estudos validando a estratégia de mirar sítios de FD para a ablação da FA. (iii) Plexo Ganglionar Autonômico: Tem sido sugerido que os inputs dos plexos ganglionares que rodeiam o coração podem contribuir para ambos o início e a manutenção da fibrilação atrial (FA) 17. A estimulação de alta freqüência do plexo autonômico epicárdico pode induzir atividade deflagrada das veias pulmonares e também pode afetar os períodos refratários atriais e prover substrato para conversão do disparo das VP em FA sustentada 17. A eliminação dos inputs vagais pode prevenir a recorrência da FA vagal em modelos animais e em pacientes 18, 19. Em pacientes humanos com FA, dados recentes sugerem que a identificação e a ablação do gânglio autonômico, durante o isolamento das VP, podem melhorar o sucesso de longo prazo 20. Contudo, em outro relato, o uso sozinho da ablação de plexos ganglionares em pacientes com FA vagal teve taxa de sucesso de menos do que 30% 19. A localização destes plexos tem sido correlacionada com a presença e localização dos ECF 20, mas se mirando somente os plexos irá no final das contas ser efetivo permanece incerto. A necessidade de Estudos Clínicos Ultimamente, muitos alvos têm sido propostos para ablação da FA, cada um com suas evidências e limitações. É também muito provável que para cada estratégia existirá uma superposição nos alvos que serão ablacionados. Realizando lesões circunferenciais ao redor das VPs pode não somente isolá-las, mas também eliminar sítios de ECF e alguns inputs autonômicos. Contudo, se nós necessitamos sistematicamente adicionar outros alvos ao IVP ou se necessitamos nos mover além do IVP como regra permanece um problema um tanto controverso. O único caminho para determinar definitivamente a eficácia e utilidade de diferentes estratégias é sujeitá-las ao rigor dos estudos clínicos randomizados. Um estudo deste tipo, Substrate versus Trigger Ablation for Reduction of Atrial Fibrillation (STAR-AF), irá especificamente ver a utilidade de mirar os ECF versus IVP. Neste estudo multicêntrico comparativo, randomizado, de três braços, o IVP será comparado a ECF sozinha, assim como um procedimento híbrido combinando IVP e ECF numa população grande de FA persistente.o desfecho primário será ausência de FA em um ano. Centros Canadenses e Europeus estão agora registrando ativamente na fase piloto deste estudo e os resultados deverão estar disponíveis dentro dos próximos 1-2 anos. Referências

7 1. Haissaguerre M, Jais P, Shah DC, Takahashi A, Hocini M, Quiniou G, Garrigue S, Le Mouroux A, Le Metayer P, Clementy J. Spontaneous initiation of atrial fibrillation by ectopic beats originating in the pulmonary veins. The New England journal of medicine. Sep ;339(10): Finta B, Haines DE. Catheter ablation therapy for atrial fibrillation. Cardiology clinics. Feb 2004;22(1): , ix. 3. Verma A, Marrouche NF, Natale A. Pulmonary vein antrum isolation: intracardiac echocardiography-guided technique. Journal of cardiovascular electrophysiology. Nov 2004;15(11): Verma A, Natale A. Should atrial fibrillation ablation be considered first-line therapy for some patients? Why atrial fibrillation ablation should be considered first-line therapy for some patients. Circulation. Aug ;112(8): ; discussion Verma A, Kilicaslan F, Pisano E, Marrouche NF, Fanelli R, Brachmann J, Geunther J, Potenza D, Martin DO, Cummings J, Burkhardt JD, Saliba W, Schweikert RA, Natale A. Response of atrial fibrillation to pulmonary vein antrum isolation is directly related to resumption and delay of pulmonary vein conduction. Circulation. Aug ;112(5): Ouyang F, Antz M, Ernst S, Hachiya H, Mavrakis H, Deger FT, Schaumann A, Chun J, Falk P, Hennig D, Liu X, Bansch D, Kuck KH. Recovered pulmonary vein conduction as a dominant factor for recurrent atrial tachyarrhythmias after complete circular isolation of the pulmonary veins: lessons from double Lasso technique. Circulation. Jan ;111(2): Morillo CA, Klein GJ, Jones DL, Guiraudon CM. Chronic rapid atrial pacing. Structural, functional, and electrophysiological characteristics of a new model of sustained atrial fibrillation. Circulation. Mar ;91(5): Konings KT, Kirchhof CJ, Smeets JR, Wellens HJ, Penn OC, Allessie MA. High-density mapping of electrically induced atrial fibrillation in humans. Circulation. Apr 1994;89(4): Nademanee K, McKenzie J, Kosar E, Schwab M, Sunsaneewitayakul B, Vasavakul T, Khunnawat C, Ngarmukos T. A new approach for catheter ablation of atrial fibrillation: mapping of the electrophysiologic substrate. Journal of the American College of Cardiology. Jun ;43(11): Verma A, Patel D, Famy T, Martin DO, Burkhardt JD, Elayi SC, Lakkireddy D, Wazni O, Cummings J, Schweikert RA, Saliba W, Tchou P, Natale A. Efficacy of Adjuvant Anterior

8 Left Atrial Ablation During Intracardiac Echocardiography-Guided Pulmonary Vein Antrum Isolation for Atrial Fibrillation. J Cardiovasc Electrophysiol (in press) Verma A, Novak P, Macle L, Whaley B, Beardsall M, Wulffhart Z, Khaykin Y. Effects of ablating complex fractionated electrograms identified by a novel real-time automated mapping algorithm on atrial fibrillation cycle length, termination, and inducibility (Abstract). Can J Cardiol. 2006;22(Suppl D):162 D. 12. Rostock T, Rotter M, Sanders P, Takahashi Y, Jais P, Hocini M, Hsu LF, Sacher F, Clementy J, Haissaguerre M. High-density activation mapping of fractionated electrograms in the atria of patients with paroxysmal atrial fibrillation. Heart Rhythm. Jan 2006;3(1): O'Neill M D, Jais P, Takahashi Y, Jonsson A, Sacher F, Hocini M, Sanders P, Rostock T, Rotter M, Pernat A, Clementy J, Haissaguerre M. The stepwise ablation approach for chronic atrial fibrillation-evidence for a cumulative effect. J Interv Card Electrophysiol. Sep 2006;16(3): Pachon MJ, Pachon ME, Pachon MJ, Lobo TJ, Pachon MZ, Vargas RN, Pachon DQ, Lopez MF, Jatene AD. A new treatment for atrial fibrillation based on spectral analysis to guide the catheter RF-ablation. Europace. Nov 2004;6(6): Sanders P, Berenfeld O, Hocini M, Jais P, Vaidyanathan R, Hsu LF, Garrigue S, Takahashi Y, Rotter M, Sacher F, Scavee C, Ploutz-Snyder R, Jalife J, Haissaguerre M. Spectral analysis identifies sites of high-frequency activity maintaining atrial fibrillation in humans. Circulation. Aug ;112(6): Ng J, Kadish AH, Goldberger JJ. Effect of electrogram characteristics on the relationship of dominant frequency to atrial activation rate in atrial fibrillation. Heart Rhythm. Nov 2006;3(11): Patterson E, Po SS, Scherlag BJ, Lazzara R. Triggered firing in pulmonary veins initiated by in vitro autonomic nerve stimulation. Heart Rhythm. Jun 2005;2(6): Schauerte P, Scherlag BJ, Pitha J, Scherlag MA, Reynolds D, Lazzara R, Jackman WM. Catheter ablation of cardiac autonomic nerves for prevention of vagal atrial fibrillation. Circulation. Nov ;102(22): Scanavacca M, Pisani CF, Hachul D, Lara S, Hardy C, Darrieux F, Trombetta I, Negrao CE, Sosa E. Selective atrial vagal denervation guided by evoked vagal reflex to treat patients with paroxysmal atrial fibrillation. Circulation. Aug ;114(9): Scherlag BJ, Nakagawa H, Jackman WM, Yamanashi WS, Patterson E, Po S, Lazzara R. Electrical stimulation to identify neural elements on the heart: their role in atrial fibrillation. J Interv Card Electrophysiol. Aug 2005;13 Suppl 1:37-42.

Ablação por Cateter da Fibrilação Atrial. Técnicas e Resultados. Catheter Ablation of Atrial Fibrillation. Techniques and Results

Ablação por Cateter da Fibrilação Atrial. Técnicas e Resultados. Catheter Ablation of Atrial Fibrillation. Techniques and Results Update Atualização Ablação por Cateter da Fibrilação Atrial. Técnicas e Resultados Catheter Ablation of Atrial Fibrillation. Techniques and Results Mauricio Ibrahim Scanavacca e Eduardo Sosa Instituto

Leia mais

Ablação da Fibrilação Atrial por Cateter com Radiofreqüência Guiada por Mapeamento Espectral Endocárdico dos Ninhos de FA em Ritmo Sinusal

Ablação da Fibrilação Atrial por Cateter com Radiofreqüência Guiada por Mapeamento Espectral Endocárdico dos Ninhos de FA em Ritmo Sinusal Ablação da Fibrilação Atrial por Cateter com Radiofreqüência Guiada por Mapeamento Espectral Endocárdico dos Ninhos de FA em Ritmo Sinusal Radiofrequency Catheter Ablation of Atrial Fibrillation Guided

Leia mais

Isolation of the pulmonary veins with radiofrequency

Isolation of the pulmonary veins with radiofrequency IMAGENS EM CARDIOLOGIA Valor do Isolamento das Veias Pulmonares no Tratamento da Fibrilhação Auricular Ritmo Sinusal após Isolamento de Veia Pulmonar que se Mantém em Fibrilhação. Caso Clínico [18] PEDRO

Leia mais

No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO

No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO EPIDEMIOLOGIA Prevalência aumenta com a idade 1% na população geral 80 anos

Leia mais

OS DOENTES COM FA PERSISTENTE DE LONGA DURAÇÃO DEVEM SER CANDIDATOS A ABLAÇÃO POR CATETER? NÃO!

OS DOENTES COM FA PERSISTENTE DE LONGA DURAÇÃO DEVEM SER CANDIDATOS A ABLAÇÃO POR CATETER? NÃO! OS DOENTES COM FA PERSISTENTE DE LONGA DURAÇÃO DEVEM SER CANDIDATOS A ABLAÇÃO POR CATETER? NÃO! Mário Oliveira Laboratório de Electrofisiologia Serviço de Cardiologia - Hospital de Santa Marta Ericeira

Leia mais

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ

MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO. Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ MAPEAMENTO ELETROANATOMICO NA ABLAÇÃO Cristiane Miranda Hospital São Lucas - RJ Técnica da ablação Ao final do período, 66% dos pacientes tratados com ablação permaneceram livres dos sintomas, contra 16%

Leia mais

Artigo. Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito

Artigo. Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito rtigo Revista da SOCIEDDE DE CRDIOLOGI DO ESTDO DO RIO GRNDE DO SUL Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito *Eduardo Bartholomay **Rafael Moraes ***Guilherme Gazzoni ****Renata Etchepare

Leia mais

Índices de Onda P na Predição de Recorrência de Fibrilação Atrial após Isolamento da Veia Pulmonar

Índices de Onda P na Predição de Recorrência de Fibrilação Atrial após Isolamento da Veia Pulmonar Índices de Onda P na Predição de Recorrência de Fibrilação Atrial após Isolamento da Veia Pulmonar P Wave Indices to Predict Atrial Fibrillation Recurrences Post Pulmonary Vein Isolation Ahmed Salah, Shenghua

Leia mais

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso Sammylle Gomes de Castro Catharina Serafin e Hugo von Ziemssen 1950 primeiros marcapassos móveis com fonte de energia elétrica Auxilio dos experimentos com hipotermia

Leia mais

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. CDI AnalyST com monitoramento do segmento ST...2. EnSite Navx reduz riscos com bons resultados...

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. CDI AnalyST com monitoramento do segmento ST...2. EnSite Navx reduz riscos com bons resultados... St. Jude Medical RhythmNews Ano 2 - Volume 1 Prezado Doutor, Apresentação...1 CDI AnalyST com monitoramento do segmento ST...2 Alta fi delidade contínua no monitoramento para uma terapia efi caz EnSite

Leia mais

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [297] Avançar o guia através da agulha. Monitorizar o ECG, devido a risco de produção de arritmias. Remover a agulha deixando o fio guia. Empregar

Leia mais

Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial

Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial David Hayes, MD Mayo Clinic Rochester, MN CP1201473-1 Análises dos cenários de início Prévios de FA Reação Pós- FA Tardio (

Leia mais

SOBRE ECG EM 10 MINUTOS

SOBRE ECG EM 10 MINUTOS TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE ECG EM 10 MINUTOS Luis Lima Lobo (MV, PhD) Hospital Veterinário do Porto FMV-ULHT Congresso OMV 2013 O electrocardiográfo O sistema de condução O sistema de condução

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Introdução ao Eletrocardiograma ACD: Damito Robson Xavier de Souza Enganoso é o

Leia mais

WORKSHOP Disfunções e Pseudo-disfunções em Pacing Cardíaco ALGORITMOS DE MINIMIZAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO NO VENTRÍCULO DIREITO

WORKSHOP Disfunções e Pseudo-disfunções em Pacing Cardíaco ALGORITMOS DE MINIMIZAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO NO VENTRÍCULO DIREITO ALGORITMOS DE MINIMIZAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO NO VENTRÍCULO DIREITO Óbidos, 1 de novembro de 2013 DAVID Trial DDD 70 vs VVI 40 CDI (n = 506) MOST Trial VVIR vs DDDR (LR 60 min -1 ) DNS (n=2010) Sub-análise

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL. Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12

EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL. Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12 EXAMES COMPLEMENTARES: ECG NORMAL Diego A. H. Ortega dos Santos 07/11/12 OBJETIVOS 1) Revisar Eletrofisiologia Cardíaca 2) Compreender o ECG - Quanto aos valores - Quanto à técnica - Quanto às derivações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE: CARDIOLOGIA E CIÊNCIAS CARDIOVASCULARES. Eduardo B.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE: CARDIOLOGIA E CIÊNCIAS CARDIOVASCULARES. Eduardo B. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE: CARDIOLOGIA E CIÊNCIAS CARDIOVASCULARES Eduardo B. Saad ABLAÇÃO POR CATETER DE FIBRILAÇÃO ATRIAL GUIADA POR ECOCARDIOGRAFIA

Leia mais

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. Ablação sem Fluoroscopia...2. Otimizando o débito cardíaco...5. Congressos 2011...8.

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. Ablação sem Fluoroscopia...2. Otimizando o débito cardíaco...5. Congressos 2011...8. St. Jude Medical RhythmNews Ano 1 - Volume 4 Prezado Doutor, Apresentação...1 Ablação sem Fluoroscopia...2 Um novo método viável e seguro Otimizando o débito cardíaco...5 Novo método confi ável para ajuste

Leia mais

Miniaturização no Pacing permanente

Miniaturização no Pacing permanente Miniaturização no Pacing permanente Para onde vamos? Dr. Luis Alves Carpinteiro CHLN / HSM Miniaturização no pacing permanente A miniaturização de sistemas implantáveis para terapia de ritmo cardíaco designa

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde. Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências

Avaliação de Tecnologias em Saúde. Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Assunto: CARDIOBLATE : Sistema de Ablação Cardíaca para o Tratamento de Arritmias Canoas, Outubro de 2008 AVALIAÇÃO DA

Leia mais

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. Ensite/NAVx Eletrofisiologia sem R aio-x...2. QuickFlex μ Eletrodo de VE...6. Confirm...

RhythmNews. St. Jude Medical. Apresentação...1. Ensite/NAVx Eletrofisiologia sem R aio-x...2. QuickFlex μ Eletrodo de VE...6. Confirm... St. Jude Medical RhythmNews Ano 2 - Volume 3 Apresentação...1 Ensite/NAVx Eletrofisiologia sem R aio-x....2 Equipe do Rio Grande do Sul apresenta caso prático. QuickFlex μ Eletrodo de VE...6 Alto rendimento

Leia mais

ANALISADOR DE DESFIBRILADOR E MARCA PASSO EXTERNO

ANALISADOR DE DESFIBRILADOR E MARCA PASSO EXTERNO MODELO: IMPULSE 6000D/7000DP DESCRIÇÃO ANALISADOR DE DESFIBRILADOR E MARCA PASSO EXTERNO O analisador de Impulse 6000D e o analisador de e marca passo transcutâneo 7000DP são robustos, portáteis e testam

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Dr. José Carlos Moura Jorge Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba Bradicardia Sinusal. Doença

Leia mais

I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO:

I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO: I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO: Realidade e Tendencias Rua da Paisagem, bairro Vila da Serra, Nova Lima, 5 e 6 de novembro de 2010 DIRETOR DO CURSO DR EDUARDO BACK STERNICK BIOCOR

Leia mais

R hythmnews. St. Jude Medical. Ano 1 - Volume 1. Apresentação...1. Cateteres irrigados evitam carbonização. e coágulo... 2

R hythmnews. St. Jude Medical. Ano 1 - Volume 1. Apresentação...1. Cateteres irrigados evitam carbonização. e coágulo... 2 St. Jude Medical R hythmnews Ano 1 - Volume 1 Apresentação...1 Cateteres irrigados evitam carbonização e coágulo... 2 Prezado Dr. Gerenciar o ritmo cardíaco exige a destreza de anos de experiência com

Leia mais

INCOR REALIZA MUTIRÃO NESTE FINAL DE SEMANA PARA CORREÇÃO DE ARRITMIA

INCOR REALIZA MUTIRÃO NESTE FINAL DE SEMANA PARA CORREÇÃO DE ARRITMIA SUGESTÃO DE PAUTA INCOR Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da FMUSP São Paulo, 31 de agosto de 2012. INCOR REALIZA MUTIRÃO NESTE FINAL DE SEMANA PARA CORREÇÃO DE ARRITMIA Estima se que até 20%

Leia mais

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA () Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo FLUXO DE CORRENTE NO TÓRAX Traçado típico de um normal 1 mv 0,20 s DERIVAÇÕES

Leia mais

Dissociação atrioventricular

Dissociação atrioventricular ELETROCARDIOGRAMA Antonio Américo Friedmann I Clínica Geral do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Professor Milton de Arruda Martins) não é um diagnóstico de arritmia

Leia mais

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Figura 1: Primeiro eletrocardiograma realizado. Figura 2: Segundo eletrocardiograma realizado. Figura 3: Radiografia de tórax nas incidências

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde

Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Assunto: Comparativo entre as marcas de cardioversores desfibriladores(cdi) Canoas, setembro de 2009 Avaliação da Câmara

Leia mais

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA

Cardiologia NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA NOÇÕES DE ELETROCARDIOGRAFIA O ELETROCARDIOGRAMA É O REGISTRO DA ATIVIDADE ELÉTRICA DO CORAÇÃO Aplicações do Cardiologia Eletrocardiograma Isquemia miocárdica e infarto Sobrecargas (hipertrofia) atriais

Leia mais

O PAPEL DO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO NA FISIOPATOLOGIA DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR

O PAPEL DO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO NA FISIOPATOLOGIA DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR UNIDADE DE SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO O PAPEL DO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO NA FISIOPATOLOGIA DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR Mário Oliveira Laboratório de Electrofisiologia Serviço de Cardiologia H. Sta Marta XXXII

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

Raul José Pádua Sartini. Ablação por radiofreqüência da fibrilação atrial. paroxística: fatores determinantes da eficácia clínica a.

Raul José Pádua Sartini. Ablação por radiofreqüência da fibrilação atrial. paroxística: fatores determinantes da eficácia clínica a. 1 Raul José Pádua Sartini Ablação por radiofreqüência da fibrilação atrial paroxística: fatores determinantes da eficácia clínica a longo-prazo Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PERCUTÂNEO DAS ARRITMIAS VENTRICULARES E SUPRAVENTRICULARES

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PERCUTÂNEO DAS ARRITMIAS VENTRICULARES E SUPRAVENTRICULARES Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular DESBHCI DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO PERCUTÂNEO DAS ARRITMIAS VENTRICULARES E SUPRAVENTRICULARES Enfa. Veruska Hernandes Especialista de Produto

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar.

Boletim Científico. Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Boletim Científico SBCCV 01/09/2014 Número 04 Preditores de disfunção ventricular esquerda, após plastia mitral: efeitos da fibrilação atrial e hipertensão pulmonar. Predicting early left ventricular dysfunction

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul

ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA. Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul ELETROCARDIOGRAMA AS BASES FISIOLÓGICAS DA ELETROCARDIOGRAFIA Grupo de Fisiologia Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul AS BASES FISIOLÓGICAS

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica NT 65 Data: 08/04/2014 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0016044-91.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma (ECG) é o registro das forças INTERPRETAÇÃO BÁSICA DO ELETROCARDIOGRAMA elétricas produzidas pelo coração. O corpo age como um condutor gigante de corrente elétricas.

Leia mais

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy)

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Traduzido e adaptado por Sergio Marinzeck, Ft, M.Phty (Manip), MPAA

Leia mais

Prevenção do AVC em FA

Prevenção do AVC em FA 3 Prevenção do AVC em FA Dr. Angelo Amato Vincenzo de Paola CRM-SP 24.814 Dr. Leandro Zimerman CRM-RS 16.023 Apoio Realização 1 O Programa de Educação Continuada Excellence é um evento de educação médica

Leia mais

Arrit i m t i m as Comu om n u s E uard r o B. B. Saad Coor d nad or o d Se S rviço d o e d A r A ritmias e E s E timul u ação C ão ar d aca

Arrit i m t i m as Comu om n u s E uard r o B. B. Saad Coor d nad or o d Se S rviço d o e d A r A ritmias e E s E timul u ação C ão ar d aca Arritmias Comuns Eduardo B. Saad Coordenador do Serviço de Arritmias e Estimulação Cardíaca Centro de Fibrilação Atrial Hospital Pró-Cardíaco - Rio de Janeiro - RJ Instituto Nacional de Cardiologia - RJ

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812.

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812. ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 08 /2014 - CESAU Salvador, 23 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA:xxxPromotoria da Justiça de xxx/dispensação

Leia mais

Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila

Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila andredavila@mac.com Serviço de Arritmia e Marcapasso Centro de Fibrilação Atrial RF 1 seg Ativação Ventricular na Síndrome de Wolff-Parkinson-White I II

Leia mais

ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA:

ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA: TESE ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA: Abordagem Circunferencial Versus Isolamento Elétrico Segmentar das Veias Pulmonares. EDUARDO BARTHOLOMAY INSTITUTO

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica Data: 07/04/2014 NT/63 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0015970-37.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA

2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA 26 2 O CORAÇÃO E A ATIVIDADE ELÉTRICA CARDÍACA O coração normal (Figura 2), é um órgão predominantemente muscular que funciona como uma bomba de ejeção pulsante. A sua função é ejetar o sangue para o sistema

Leia mais

Síndrome de Wolff-Parkinson-White e outras Vias Acessórias Atrioventriculares em 1465 Pacientes Submetidos à Ablação por Radiofreqüência

Síndrome de Wolff-Parkinson-White e outras Vias Acessórias Atrioventriculares em 1465 Pacientes Submetidos à Ablação por Radiofreqüência Atié et al. 387 Síndrome de Wolff-Parkinson-White e outras Vias Acessórias Atrioventriculares em 1465 Pacientes Submetidos à Ablação por Radiofreqüência Wolff-Parkinson-White Syndrome and other Atrioventricular

Leia mais

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA

PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE. ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE ELABORAÇÃO DA PERGUNTA PASSOS PARA A PRÁTICA DE MBE Curso Avançado MBE ELABORAÇÃO DE UMA PERGUNTA CLÍNICA André Sasse sasse@cevon.com.br 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das

Leia mais

Cuiabá USO DE ESTIMULAÇÃO NEUROLÓGICA TRANSCUTÂNEOA (TENS) NO TRATAMENTO DA DOR LOMBAR CRÔNICA

Cuiabá USO DE ESTIMULAÇÃO NEUROLÓGICA TRANSCUTÂNEOA (TENS) NO TRATAMENTO DA DOR LOMBAR CRÔNICA USO DE ESTIMULAÇÃO NEUROLÓGICA TRANSCUTÂNEOA (TENS) NO TRATAMENTO DA DOR LOMBAR CRÔNICA I Elaboração Final: 2007 II Autores: Dr Valfredo da Mota Menezes III Previsão de Revisão: / / IV Tema: Tratamento

Leia mais

Principais Arritmias Cardíacas

Principais Arritmias Cardíacas Principais Arritmias Cardíacas Arritmia É qualquer mudança na freqüência ou configuração das ondas individuais do eletrocardiograma. Chamamos de arritmias cardíacas toda alteração na condução elétrica

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

VIII. Fibrilação Atrial 2 FIBRILAÇÃO ATRIAL Voce já ouviu falar de Huang Ti? Que era imperador chinês?... Pois sim meus amigos, conta a lenda que este senhor preocupado com a longevidade de seu povo, lá

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Dissertação CORRELAÇÃO ENTRE FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA E SINTOMAS NA MONITORIZAÇÃO ELETROCARDIOGRÁFICA AMBULATORIAL DE 24 HORAS

Dissertação CORRELAÇÃO ENTRE FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA E SINTOMAS NA MONITORIZAÇÃO ELETROCARDIOGRÁFICA AMBULATORIAL DE 24 HORAS Dissertação CORRELAÇÃO ENTRE FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA E SINTOMAS NA MONITORIZAÇÃO ELETROCARDIOGRÁFICA AMBULATORIAL DE 24 HORAS Marcelo Lapa Kruse INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL FUNDAÇÃO

Leia mais

:: Taquicardia ventricular catecolaminérgica

:: Taquicardia ventricular catecolaminérgica :: Taquicardia ventricular catecolaminérgica Formas específicas: Síndrome de Andersen (forma específica da síndrome de QT longo congénito com taquicardia ventricular bidireccional) Definição: A taquicardia

Leia mais

Batendo Papo sobre Holter. Bradiarritmias. Editor. Dr. José Luiz B. Cassiolato. Colaboradores

Batendo Papo sobre Holter. Bradiarritmias. Editor. Dr. José Luiz B. Cassiolato. Colaboradores Bradiarritmias Editor Dr. José Luiz B. Cassiolato Colaboradores Dr. Ivan G. Maia Dra. Fátima Dumas Cintra Dr. João Pimenta Norman Holter, pai da eletrocardiografia dinâmica, não poderia imaginar a fantástica

Leia mais

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S

THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A L O U F A S THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE PERCUTANEUS REPAIR OR SURGERY FOR MITRAL REGURGITATION EVEREST II=ENDOVASCULAR VALVE EDGE-TO-EDGE REPAIR STUDY A P R E S E N T A Ç Ã O : D R. L E A N D R O M A N D A

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

DESFIBRILADORES CARDIOVERSORES. Túlio Cunha. M. Sc. Engenharia Biomédica.

DESFIBRILADORES CARDIOVERSORES. Túlio Cunha. M. Sc. Engenharia Biomédica. DESFIBRILADORES E CARDIOVERSORES Túlio Cunha. M. Sc. Engenharia Biomédica. INTRODUÇÃO : Este é um resumo de informações importantes sobre desfibriladores e cardioversores. Consta de dados técnicos sobre

Leia mais

Oficina de Interpretação de ECG. Dr. Leandro Dias de Godoy Maia

Oficina de Interpretação de ECG. Dr. Leandro Dias de Godoy Maia Oficina de Interpretação de ECG Dr. Leandro Dias de Godoy Maia Estratégias educacionais para o desenvolvimento de habilidades APRESENTAÇÃO da habilidade DEMONSTRAÇÃO da habilidade PRÁTICA da habilidade

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES Definição: Arritmias que necessitam das estruturas localizadas acima da bifurcação do feixe de His para sua manutenção ão.

Leia mais

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA 1 RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA FREQUÊNCIA DE ARRITMIAS E ANÁLISE DE VARIABILIDADE DE FREQUÊNCIA CARDÍACA EM CÃES COM EHRLIQUIOSE MONOCÍTICA CRÔNICA FREQUENCY

Leia mais

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012

Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Hospital São Paulo Hospital do Rim e Hipertensão UNIFESP - EPM Curso de Revisão para Enfermagem em Intervenção Cardiovascular 2012 Eduardo Rodrigues

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO Alexandra Gomes Jesus Prestes, Marcelo Ricardo de Souza de Oliveira, Rodrigo Alexis

Leia mais

Sobre o tromboembolismo venoso (TVE)

Sobre o tromboembolismo venoso (TVE) Novo estudo mostra que a profilaxia estendida com Clexane (enoxaparina sódica injetável) por cinco semanas é mais efetiva que o esquema-padrão de 10 dias para a redução do risco de Tromboembolismo Venoso

Leia mais

Impacto da Ablação da Fibrilação Atrial na Pressão de Enchimento Ventricular Esquerdo e Remodelamento Atrial Esquerdo

Impacto da Ablação da Fibrilação Atrial na Pressão de Enchimento Ventricular Esquerdo e Remodelamento Atrial Esquerdo Impacto da Ablação da Fibrilação Atrial na Pressão de Enchimento Ventricular Esquerdo e Remodelamento Atrial Esquerdo Impact of Atrial Fibrillation Ablation on Left Ventricular Filling Pressure and Left

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

TEMA LIVRE ORAL DE ARRITMIA CLINICA E MÉTODOS NÃO INVASIVOS

TEMA LIVRE ORAL DE ARRITMIA CLINICA E MÉTODOS NÃO INVASIVOS TEMA LIVRE ORAL DE ARRITMIA CLINICA E MÉTODOS NÃO INVASIVOS PERIOPERATIVE MANAGEMENT OF NOVEL ORAL ANTICOAGULANTS IN PATIENTS WITH ATRIAL FIBRILLATION UNDERGOING CARDIAC DEVICE SURGERY: CANADIAN CENTERS

Leia mais

PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA

PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA PO TIFÍCIA U IVERSIDADE CATÓLICA DO PARA Á CE TRO DE CIÊ CIAS EXATAS E DE TEC OLOGIA CURITIBA 2009 GEOVA E VI ICIUS FERREIRA JHO Y KAESEMODEL PO TES ATRIUS ECG Proposta de trabalho apresentado ao curso

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 22/2014. Xarelto

RESPOSTA RÁPIDA 22/2014. Xarelto RESPOSTA RÁPIDA 22/2014 Xarelto SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Drª. Juliana Mendes Pedrosa, Juíza de Direito 0327.13.003068-4 DATA 17/01/2014 SOLICITAÇÃO O requerente está acometido de cardiomiopatia dilatada

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009

LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009 Programa Preliminar LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009 6ª FEIRA 20 de Fevereiro SALA 1 6ª FEIRA 20 de Fevereiro SALA 2 09.15 09.30 Introdução à Reunião

Leia mais

Codificação neural. Natureza da Informação UFABC. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI

Codificação neural. Natureza da Informação UFABC. Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI Codificação neural Natureza da Informação UFABC Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de NI 1 Princípios gerais do Sistema Nervoso Neurônio: unidade funcional do SNC Introdução

Leia mais

Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma

Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma Um Detector de Complexos QRS Evolutivo para o Eletrocardiograma Bruno Melo 1, Roberta Lopes 1, Luis Coradine 1 1 Universidade Federal de Alagoas, Instituto de Computação, Programa de Pós-Graduação em Modelagem

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

Síncope Neuromediada FISIOPATOLOGIA. que. Aqueles. sofrem. de entes e severos morrem mais subitamente.

Síncope Neuromediada FISIOPATOLOGIA. que. Aqueles. sofrem. de entes e severos morrem mais subitamente. TRATAMENTO FÍSICO F NAS SÍNCOPES S NEUROMEDIADAS Aqueles que sofrem de desmaios freqüentes entes e severos morrem mais subitamente. Prof. Giulliano Gardenghi, Ph.D Aforisma de Hipócrates crates,, 1000

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina Cardiologia

Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina Cardiologia Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Medicina Cardiologia ANÁLISE DO IMPACTO DO USO DA INTEGRAÇÃO DE IMAGENS AO MAPEAMENTO

Leia mais

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Dra. Fátima Dumas Cintra

Leia mais

Estudo da Perfusão e Ventilação Pulmonar em Imagens de Tomografia de Impedância Elétrica através de Modelagem Fuzzy

Estudo da Perfusão e Ventilação Pulmonar em Imagens de Tomografia de Impedância Elétrica através de Modelagem Fuzzy Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Estudo da Perfusão e Ventilação Pulmonar em Imagens de Tomografia de Impedância Elétrica através de Modelagem Fuzzy Harki Tanaka Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências

Leia mais

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia

Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia Manejo da terapia antitrombótica em pacientes submetidos a procedimentos invasivos ou cirurgia EULER MANENTI MD PhD FACC Ins2tuto de Medicina Cardiovascular Sistema de Saúde Mãe de Deus Porto Alegre Conflito

Leia mais

EFEITOS DA CRIOABLAÇÃO LOCALIZADA DE NERVOS MEDIASTINAIS PARACARDÍACOS NA INDUÇÃO DE FIBRILAÇÃO ATRIAL NEURALMENTE MEDIADA EM MODELO CANINO

EFEITOS DA CRIOABLAÇÃO LOCALIZADA DE NERVOS MEDIASTINAIS PARACARDÍACOS NA INDUÇÃO DE FIBRILAÇÃO ATRIAL NEURALMENTE MEDIADA EM MODELO CANINO 1 Tese EFEITOS DA CRIOABLAÇÃO LOCALIZADA DE NERVOS MEDIASTINAIS PARACARDÍACOS NA INDUÇÃO DE FIBRILAÇÃO ATRIAL NEURALMENTE MEDIADA EM MODELO CANINO Tiago Luiz Luz Leiria MD. MSc. 2 INSTITUTO DE CARDIOLOGIA

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

São Paulo, São José do Rio Preto, Rio de Janeiro, Porto Alegre

São Paulo, São José do Rio Preto, Rio de Janeiro, Porto Alegre 579 Recomendações do Departamento de Arritmias e Eletrofisiologia Clínica (DAEC) da Sociedade Brasileira de Cardiologia para Indicações de Implante de Marcapasso Definitivo, Escolha do Modo de Estimulação

Leia mais

Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais

Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais Análise de Tendências de Mercado por Redes Neurais Artificiais Carlos E. Thomaz 1 e Marley M.B.R. Vellasco 2 1 Departamento de Engenharia Elétrica (IAAA), FEI, São Paulo, Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

Biofísica Mecânica e Eléctrica

Biofísica Mecânica e Eléctrica Biofísica Mecânica e Eléctrica Aula 9 Licenciatura em Engenharia Biomédica - RAMO II: Electrónica Médica Paulo Mendes http://dei-s1.dei.uminho.pt/pessoas/pmendes 2005/2006 1ºS. Biofísica mecânica e eléctrica

Leia mais

Gerador de funções e osciloscópio

Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 2.1 Material Osciloscópio digital; Gerador de funções. 2.2 Introdução Na aula anterior utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO Profa. Dra. Monica Akemi Sato Pressão Arterial O que é? É a força exercida pelo sangue sobre as paredes do vaso, sofrendo mudanças contínuas durante todo o tempo,

Leia mais

Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber...

Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber... Arritmias cardíacas: o que o anestesista precisa saber... rof. Moacir Leomil Neto M.V. Msc. hd. UC Minas VES - Especialidades Veterinárias Campinas NOME DAS ARRITMIAS: Da maneira geral... Ritmo (ritmo

Leia mais

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco

Eventos mecânicos do ciclo cardíaco O músculo cardíaco Introdução As variedades de músculos cardíacos O músculo cardíaco como um sincício O longo potencial de ação e o seu platô no músculo cardíaco Introdução O coração pode ser considerado

Leia mais

Coração do Atleta é Anormal? ABORDANDO O TEMA... ABORDANDO O TEMA... Conceito de normalidade. Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais

Coração do Atleta é Anormal? ABORDANDO O TEMA... ABORDANDO O TEMA... Conceito de normalidade. Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais Coração do Atleta: o que há de novo para interpretarmos o fisiológico e o patológico? Dr. Claudio Gil Araújo ABORDANDO O TEMA... Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais Congresso do DERC Rio

Leia mais

ALEXANDRE SICILIANO COLAFRANCESCHI. Cirurgia torácica vídeo-assistida para a ablação da fibrilação atrial por

ALEXANDRE SICILIANO COLAFRANCESCHI. Cirurgia torácica vídeo-assistida para a ablação da fibrilação atrial por ALEXANDRE SICILIANO COLAFRANCESCHI Cirurgia torácica vídeo-assistida para a ablação da fibrilação atrial por radiofreqüência bipolar: Exeqüibilidade, segurança e resultados iniciais. Tese apresentada à

Leia mais