Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link"

Transcrição

1 Comunicações Digitais Manual do Aluno Capítulo 7 Workboard PCM e Análise de Link Laboratório de Telecomunicações - Aula Prática 4 Sub-turma: 3 Nomes dos alunos: Tarefa 17 Ruído em um Link Digital Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com alguns formatos básicos de dados usados em telecomunicações. Será capaz de descrever o desempenho desses formatos relativamente ao ruído em um link. Estará familiarizado com alguns dos métodos básicos de chaveamento usados. Será capaz de descrever o desempenho desses métodos com relação ao ruído do link. Será capaz de fazer uma comparação crítica entre os métodos. Conseguirá falar a respeito dos efeitos do ruído em uma figura digitalizada e transmitida num link digital. As capacitações são conseguidas na execução dos exercícios desta Tarefa Exercício 1 Formato de dados Exercício 2 Chaveamento Exercício 3 Transmissão de Figuras Cada Tarefa compõe-se de três elementos hardware, software e workbook. Candidatos devem demonstrar sua capacitação completando satisfatoriamente os exercícios deste workbook. Isto envolve preencher as lacunas, completar os diagramas em bloco, executar as medições e esboçar as formas de onda. Capacitações: Conhecimentos Práticos Básicos Medições usando um Osciloscópio Conhecimentos Básicos de Medidas Medições usando um Analisador de Espectro Reconhecimento Cálculos Matemáticos em db Módulo Necessário: Análise de PCM e de links

2 Teoria Ruído em um Link Você deve ter lido a teoria da Tarefa 16 antes de prosseguir com esta. Erros num link digital são causados principalmente pelo ruído que é acrescentado durante a transmissão dos sinais, isto é, o sinal no receptor compõe-se do sinal digital desejado mais o ruído. O ruído pode ser branco, ruído de impulso ou ruído de quantização, mas pode ser somado para dar um componente total de ruído. Geralmente, o desempenho dos sistemas digitais em termos de ruído é expresso em termos de probabilidade de ocorrência de um erro, que pode ser determinado em termos de relação sinal ruído. Isto é investigado de uma forma mais quantitativa na Tarefa 19. Quando pulsos binários estão sendo recebidos num sistema de comunicações digitais existe uma probabilidade que o ruído cause um erro na decodificação do sinal. Por exemplo, se o sinal transmitido estiver no nível binário 0 e um pico de ruído com amplitude suficiente ocorrer, fazendo com que o sinal recebido apresente um nível binário 1, então um bit 1 errado vai aparecer na saída do decodificador do receptor. A probabilidade de ocorrência de erros pode ser calculada usando a teoria matemática de decisões. O modelo estatístico usado com mais freqüência para o ruído adicional em um sistema de comunicações digital é: F(n) = e n²/2i² /2πi 2 i² é a variância do ruído, e pode ser medido digitalmente ou com um medidor de potência com uma constante de tempo longa. Este modelo se aproxima de uma distribuição de Poisson, com a curva de distribuição típica em forma de sino, tendo o máximo em n=0 e com um desvio padrão de i. Pode ser demonstrado que existe um nível de decisão ótimo, isto é, um que dê a probabilidade mínima de erro, e que é dado por: dopt = (i²/a).ln(p0/p1) onde, P0 é a probabilidade de transmitir um 0 e P1 é a de transmitir um 1, e A é a amplitude do pulso. Num sistema real, dado um intervalo de tempo razoável, a probabilidade de transmitir 0s e 1s será aproximadamente a mesma, dando P0/P1 = 1. Portanto, como ln1 = 0, dopt = 0. Na prática, isto significa que a tensão ótima de detecção para determinar se um bit recebido é um 1 ou um 0, é a meio caminho entre os dois níveis de tensão esperados para os dois estados. Intuitivamente, isto pode parecer óbvio, entretanto, se o sinal recebido é conhecido por ter um número consideravelmente maior de 1s que de 0s, por exemplo, então o nível ótimo de decisão para o mínimo de erros não estaria a meio caminho.

3 Método de Modulação (Chaveamento) e Ruído ASK (Amplitude Shift Keying) é um método de modulação em amplitude, onde a amplitude do sinal depende se o bit de dados é um 1 ou um 0. A equação para tal sinal é: V(t) = h(t).cos(2πfct) Onde h(t) é uma função binária cujo valor pode ser A (amplitude) ou 0. O ruído branco pode ser representado pela equação: Vn = x(t).cos(2πfct) + y(t).sen(2πfct) Note-se que tanto x(t), quanto y(t) são variáveis aleatórias. Portanto um sinal ASK com ruído adicionado tem a equação: VASK = h(t).cos(2πfct) + x(t).cos(2πfct) + y(t).sen(2πfct) Se este sinal for detectado coerentemente, multiplicando-o com um sinal cos(2πfct), e a saída for filtrada de modo a deixar apenas o componente banda-base, o resultado é: Vout = (A ou 0) + x(t) Se houver uma probabilidade igual que qualquer bit seja um 1 ou um 0, e se s 2 representar a variância de x(t), a probabilidade de erro é dada por: Pe(ASK) = 0,5{1 k[a/(2(2s 0,5 ))]} (isto presume um nível de decisão de A/2) que é exatamente a mesma fórmula que a equação vista na Teoria da Tarefa 16. PSK (Phase Shift Keying) é um método de modulação em fase. Para o PSK o valor de h(t) será +A ou A e o nível de decisão será de 0V. Isto dá uma probabilidade de erro de: Pe(PSK) = 0,5{1 k[a/(2s 0,5 )]} Pode-se ver, das duas equações acima que, para a mesma probabilidade de erro, a relação sinal/ruído para o PSK é metade da necessária para o ASK. Portanto PSK tem uma vantagem de 3dB sobre o ASK em termos de relação sinal/ruído para a mesma taxa de erro. Uma análise semelhante para o FSK (Frequency Shift Keying), dá a equação: Pe(FSK) = 0,5{1 k[a/(2s)]} O que significa que PSK é 3dB melhor que FSK em termos de relação sinal ruído, para a mesma taxa de erro. Portanto, comparado numa base de potência média, ASK e FSK têm desempenhos idênticos em relação ao ruído, mas a mesma taxa de erro pode ser obtida com uma relação sinal/ruído 3dB menor, se PSK for utilizado. Entretanto, como um sinal ASK está presente apenas na metade do tempo, para a mesma potência média que em PSK ou FSK, a potência de pico do sinal ASK será duas vezes maior. Portanto, numa base de potência de pico, ASK dá o pior desempenho com relação ao ruído, FSK sendo 3dB melhor e PSK outros 3dB melhor que FSK. O que foi dito acima presume que foi usada detecção coerente para os três tipos de modulação. Se a detecção de envelope for usada para ASK e FSK, como é feito freqüentemente, o desempenho do ASK e FSK será marginalmente pior.

4 Formatação dos Dados Existe um número de formato diferente de dados que são usados em comunicações digitais. Alguns dos mais comuns são: Unipolar, sem retorno a zero (NRZ) Unipolar, retorno a zero (RZ) Unipolar, bifásico (split phase ou Manchester) NRZ bipolar RZ bipolar Ternário (alternate mark inversion, AMI). Todos estes são tratados com mais detalhes no workboard Formatação de Dados Digitais, Neste exercício, três desses formatos são investigados com relação ao desempenho perante ao ruído. Os três formatos são: RZ unipolar, split phase e RZ bipolar. Como explicado na Tarefa 16, o ruído tem um efeito em um sinal digital quando um erro é gerado na decisão do estado de qualquer bit recebido. As especificações de um receptor de forma que ele possa receber e decodificar os dados corretamente são: Decisão correta quanto ao estado de cada bit recebido Informação de tempo para sincronismo do relógio. Destas, a especificação para uma informação para recuperação do relógio é a mais crítica. Se o ruído causar um erro de decisão nos bits de dados, isto vai resultar numa recepção errada dos dados. Entretanto, existem métodos para detecção e correção de tais erros. Isto será investigado com mais detalhes nas Tarefas 18 a 20. Se o ruído causar uma perda da informação de relógio, os bits não podem ser amostrados nos tempos corretos, e os dados decodificados estarão totalmente incorretos. O sincronismo de palavra ou de quadro será perdido. Métodos de correção de erros não tratam de tal falha catastrófica.

5 Princípio e Objetivos do Exercício 1 Este exercício examina os efeitos do ruído em um link como função da formatação dos dados. Serão estudados os formatos Unipolar Return-to-Zero (RZ), Split Phase (biphase) e Bipolar RZ Exercício 1 (Formato dos Dados) A fonte de dados é uma onda triangular que é digitalizada e pode ser formatada clicando na caixa escolhida. Ajuste o controle de largura de banda PCM <5> ao máximo, o controle de nível de Ruído <6> ao mínimo e todos os outros controles em suas posições intermediárias. Monitore com o osciloscópio os sinais. Responda as perguntas associadas a este exercício. Você vai ter de voltar a este exercício para fazer algumas medições, de forma a responder as perguntas. Perguntas do Exercício 1 1. Deixe o gerador de ruído desligado (use o menu Condições). Monitore o ponto 27 e ajuste o controle de Dados 0 <9> de modo a obter uma forma de onda correta (parte de uma onda triangular). Alterne entre os três formatos e observe o sinal no ponto 27. Existe alguma diferença significativa entre os sinais recebidos nos três formatos sem a presença de ruído? 2. Verifique o sinal através do link. Alterne entre os três formatos e note as diferenças nos sinais digitais. As formas de onda são as que você esperaria para os três formatos? 3. Ajuste o controle de Nível de Ruído <6> ao mínimo. Selecione o formato RZ e insira ruído no link. Aumente suavemente o controle de Nível de Ruído até que o sinal recebido (no ponto 27) apenas começa a ser interrompido. Anote a posição deste controle. agora, alterne para o formato Split Phase. O sinal recebido em Split Phase é mais ou menos afetado pelo ruído que o RZ? Reajuste o controle de Nível de Ruído até que o sinal recebido apenas comece a ser interrompido, e compare a posição desse controle com o do RZ para responder esta questão. 4. Repita o procedimento usado na pergunta 2, mas com o formato RZ. Talvez você tenha de reajustar os controles <8> e <9> para manter o sincronismo. Este formato é mais ou menos afetado pelo ruído que os outros?

6 Princípios e Objetivos do Exercício 2 Este exercício examina os efeitos do ruído num link como função do método de modulação utilizado. ASK, FSK e PSK serão estudados. Métodos de Modulação Existem três tipos básicos de modulação que podem ser aplicados a uma portadora: modulação em amplitude (AM), modulação em freqüência (FM) e modulação em fase (PM). Em comunicações digitais, modulação é chamada freqüentemente de chaveamento, dando origem a: ASK, que é uma modulação em amplitude por um sinal digital. FSK, que é uma modulação em freqüência por um sinal digital. PSK, que é uma modulação em fase por um sinal digital Esta Tarefa estuda os efeitos do ruído sobre os sinais usando estes métodos de modulação. ASK (Amplitude Shift Keying) Este é um exemplo de modulação em amplitude: a amplitude do sinal depende do estado do bit de modulação. O efeito do ruído é geralmente um efeito aditivo, onde a tensão do ruído é adicionada à tensão do sinal. Isto significa que o ruído pode alterar substancialmente a amplitude do sinal recebido. Como é esta amplitude que é detectada, determinando assim a decisão a respeito do estado do bit recebido, alterações na amplitude devido ao sinal podem facilmente causar erros. Os sistemas modulados em amplitude são particularmente sensíveis a erros devido a ruído. FSK (Frequency Shift Keying) Isto é um exemplo de modulação em freqüência: a freqüência do sinal depende do estado do bit de modulação. Em um sistema modulado em freqüência, a amplitude do sinal não é tão importante, desde que seja suficiente para que seja recebida e limitada no receptor. Portanto, as alterações anteriores não vão causar erros significativos. O ruído contém componentes que causam alterações no tempo das transições da portadora, alterando realmente a freqüência do sinal. Estas alterações são pequenas comparadas com as alterações de amplitude, logo os sistemas de freqüência modulada são mais imunes aos efeitos do ruído que os sistemas modulados em amplitude. PSK (Phase Shift Keying) Isto é um exemplo de modulação em fase: a fase do sinal depende do estado do bit de modulação. Da mesma forma que a modulação em freqüência, em um sistema de modulação em fase a amplitude do sinal não é tão importante, desde que seja suficiente para ser recebida e limitada pelo receptor. Portanto alterações na amplitude não causam erros significativos. As alterações no tempo notadas para o caso da modulação em freqüência também vão causar alterações na fase instantânea do sinal. Estas alterações são pequenas comparadas com as de amplitude, e os sistemas de modulação em fase são também mais imunes aos efeitos do ruído que os sistemas de modulação em amplitude.

7 Exercício 2 (Chaveamento) A onda triangular digitalizada no gerador de informações é formatado em NRZ e o método de chaveamento pode ser escolhido clicando na caixa desejada. Ajuste o controle de largura de banda PCM <5> ao máximo, o controle de nível de ruído ao mínimo e todos os outros controles em suas posições a meio curso. Monitores com o osciloscópio os sinais. Responda as perguntas associadas a este exercício. Você vai precisar voltar a este exercício e fazer algumas medições de forma a responder as perguntas. Perguntas do Exercício 2 1. Desligue o Gerador de ruídos (use o menu Condições). Ajuste o controle de Nível de Portadora <3> para uma posição no meio do curso. Monitore o ponto 27 e ajuste os controles Dados 0 e 1, <8> e <9>, de modo a obter a forma de onda correta recebida (uma onda triangular). Alterne entre os três métodos de chaveamento e observe os sinais no ponto 27. Existe alguma diferença nos sinais recebidos sem a presença de ruído? 2. Verifique se o controle de Nível de Ruído <6> está no mínimo. Selecione ASK e adicione ruído no link. Aumente suavemente o Nível de Ruído até que o sinal recebido comece a ser interrompido. Anote a posição deste controle. Agora alterne para FSK. Reajuste o controle de Nível de Ruído até o ponto em que o sinal recebido comece a ser interrompido, e compare esta posição do controle com o obtido para ASK. O sinal recebido com FSK é mais ou menos afetado pelo ruído que com ASK? 3. Repita o procedimento usado para a pergunta número 2, mas desta vez com PSK. Esta forma de modulação é mais ou menos afetada pelo ruído que as outras.

8 Princípios e Objetivos do Exercício 3 Este exercício examina os efeitos do ruído em um link transportando dados na forma de uma figura. O link é modulado em fase, +/- 90º, link PCM com dados formatados em split phase. Inicialmente, sem a presença de ruído, os dados da figura original são transmitidos pelo link e a figura recebida é montada pixel a pixel e linha a linha. Isto pode ser visto acontecendo na tela. Quando a figura inteira foi transmitida e recebida, os dados são repetidos automaticamente. Isto continua por todo o exercício. Na prática, os dados da figura não seriam transmitidos mais de uma vez, a não ser que erros sejam encontrados e métodos de solicitações automáticas para repetição da transmissão tenham sido usados. Entretanto, neste exercício, a transmissão contínua de dados permite as alterações nos dados recebidos e os efeitos devidos ao ruído podem ser vistos mais claramente. Quando o ruído é inserido na linha, os efeitos podem ser vistos. Primeiramente, à medida que o nível de ruído aumenta suavemente, alguns erros de pixel se tornam evidentes, mas com apenas um pouco mais de ruído presente, a figura se interrompe completamente devido a uma perda total de dados e de sincronismo. O limite abrupto típico da transmissão de dados digitais pode ser verificado imediatamente. Exercício 3 (Transmissão de Figura) A fonte de dados é uma figura digitalizada de um ônibus espacial. Ela é transmitida através de um link PCM e o ruído pode ser acrescentado. O efeito do ruído pode ser visto na figura recebida. Ajuste o Nível de Portadora, Nível PCM e Largura de Banda controles <3>, <4> e <5> - no máximo, o Nível de Ruído no mínimo e todos os outros controles a meio curso. Ajuste o controle Dados 0 <9> de forma a obter uma figura na recepção e então o controle de Relógio de Bit <7> para obter a melhor resolução. Use o menu <condições> para ligar o ruído. Aumente o Nível de Ruído (controle <6>) bem devagar e observe o efeito da introdução de ruído no link. Responda as perguntas fornecidas. Você vai precisar voltar ao exercício para fazer alguns outros ajustes de forma a responder as perguntas. Perguntas do Exercício 3 1. À medida que você vai aumentando o ruído, qual é o primeiro efeito que você percebe? 2. O que está causando este efeito? 3. Aumente o ruído um pouco mais. Que efeito você percebe agora? 4. O que está causando isso? (Dica: olhe para o display led no canto superior direito do workboard)

9 Resumo Nesta Tarefa você estudou a influência que o formato e o método de modulação escolhido para um link digital têm no desempenho desse link, na presença de ruído. Sua investigação foi qualitativa, os números reais para o volume de erros devido ao ruído serão encontrados na Tarefa 19.

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170

4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído. Objetivo: Método: Capacitações: Módulo Necessário: Análise de PCM e de links 53-170 4. Tarefa 16 Introdução ao Ruído Objetivo: Método: Ao final desta Tarefa você: Estará familiarizado com o conceito de ruído. Será capaz de descrever o efeito do Ruído em um sistema de comunicações digitais.

Leia mais

1 Transmissão digital em banda base

1 Transmissão digital em banda base 1 Transmissão digital em banda base A transmissão digital oferece algumas vantagens no que diz respeito ao tratamento do sinal, bem como oferecimento de serviços: Sinal pode ser verificado para avaliar

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica

Comunicação de Dados. Aula 5 Transmissão Analógica Comunicação de Dados Aula 5 Transmissão Analógica Sumário Modulação de sinais digitais Tipos de Modulação Taxa de transmissão x Taxa de modulação Modulação por amplitude Modulação por freqüência Modulação

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA Modulação em freqüência ocorre quando uma informação em banda básica modula a freqüência ou alta freqüência de uma portadora com sua amplitude permanecendo constante.

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/51 2.3 Codificação dos dados 2.3 Codificação dos dados 2/51 2.3.1 Fonte de dados digital transmissão de dados digital Códigos de

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão

Comunicação de Dados. Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Comunicação de Dados Aula 4 Conversão de Sinais Analógicos em digitais e tipos de transmissão Sumário Amostragem Pulse Amplitude Modulation Pulse Code Modulation Taxa de amostragem Modos de Transmissão

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

CDI 20705 Comunicação Digital

CDI 20705 Comunicação Digital CDI Comunicação Digital DeModulação em Banda Base Digital Communications Fundamentals and Applications Bernard Sklar ª edição Prentice Hall Marcio Doniak www.sj.ifsc.edu.br/~mdoniak mdoniak@ifsc.edu.br

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Fundamentos de Introdução às s Noção de informação, mensagem e sinal Informação A informação é um conceito fundamental das comunicações. No entanto édifícil de definir com precisão o que

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores

Fundamentos de Redes de Computadores Fundamentos de Redes de Computadores Princípios de Comunicação de Dados Prof. Alexandre Dezem Bertozzi Divinópolis, fevereiro de 2003 1 Por que redes? É praticamente impossível não pensar em redes quando

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Modulação por Pulsos

Modulação por Pulsos Modulação por Pulsos Propriedades Amostragem de sinais Modulação por amplitude de pulso (PAM) Modulação por pulso codificado (PCM) Modulação por largura de pulso (PWM) Modulação por posição de pulso (PPM)

Leia mais

Transmissão Digital e Analógica

Transmissão Digital e Analógica Transmissão Digital e Analógica Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores I Introdução... 2 Transmissão Digital... 2 Codificação de Linha... 2 Codificação de Blocos... 4 Transmissão Digital

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

1 Modulação digital Noções básicas

1 Modulação digital Noções básicas 1 Modulação digital Noções básicas A modulação envolve operações sobre uma ou mais das três características de uma portadora (amplitude, fase, frequência). Há três técnicas básicas de modulação para transformar

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Circuitos Digitais 144L

Circuitos Digitais 144L Circuitos Digitais Notas de Aula - 02 INSTITUTO: CURSO: DISCIPLINA: Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Ciência da Computação e Sistemas de Informação Circuitos Digitais 144L 1.0 Circuitos Combinacionais.

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento

Amostragem e PCM. Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Amostragem e PCM Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Amostragem 2 Introdução O processo

Leia mais

Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP

Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP Sistemas de espalhamento espectral com saltos em frequência (FH/SS) Sílvio A. Abrantes DEEC/FEUP Saltos em frequência (FH) Se a frequência de uma portadora modulada saltar sequencialmente de valor em valor

Leia mais

05 - Camada de Física. 10 de novembro de 2014

05 - Camada de Física. 10 de novembro de 2014 05 - Camada de Física 10 de novembro de 2014 Conteúdo 2/33 3/33 Camada física Camada OSI mais baixa: PHY Natureza do meio Constituição Forma (dimensões dos fios) Parâmetros físicos (impedância, atenuação)

Leia mais

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+ Teoria de Fourier Domínio da Freqüência e Domínio do Tempo A teoria de Fourier estabelece que uma forma de onda periódica pode ser decomposta em harmônicos relacionados; senos ou cossenos em diferentes

Leia mais

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV Santa Rita do Sapucaí -MG Ilhéus - BA Ilhéus - BA Pça Linear,100 37540-000 - Santa Rita do Sapucaí-MG Brasil - (5535) 3473-3473 (5535) 3473-3474

Leia mais

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática

Utilização da Banda Passante do Meio. Multiplexação Redes. Utilização da Banda Passante do Meio. Bacharelado em Informática Bacharelado em Informática Disciplina: de Computadores Multiplexação, Modulação e Codificação Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br Utilização da Banda Passante do Meio 0 40 400 Desperdício Configuração

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso 122 8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso Nas redes WDM, os pacotes são encaminhados entre os diferentes nós da rede até o seu destino desde

Leia mais

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro

Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Obtenha medidas de potência de um sinal de fluxo abaixo DOCSIS usando um analisador de espectro Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Negação Convenções Compreendendo o monte

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

Errata. Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza

Errata. Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza Errata Livro: Transmissão Digital - Princípios e Aplicações Edição:1ª Código: 4391 Autores: Dayan Adionel Guimarães & Rausley Adriano Amaral de Souza Página 3 Primeiro parágrafo Excluir o seguinte texto

Leia mais

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR)

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) OBJETIVOS: a) entender o funcionamento de um transistor unipolar; b) analisar e entender as curvas características de um transistor unipolar; c) analisar o funcionamento de

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Diagrama de fluxo de dados na Plataforma Vicon SAGA. Terminologias de bancos de dados: Banco de Dados, Tabela, Campos, Registros

Diagrama de fluxo de dados na Plataforma Vicon SAGA. Terminologias de bancos de dados: Banco de Dados, Tabela, Campos, Registros Exercício Objetivo Aplicativo Exercício para ambientação com Sistemas de Informação e Bancos de Dados. O usuário criará modelará um banco de dados aplicado ao contexto de desastres; realizará cadastros

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 4 Camada Física Camada Física - Sinais Funções Características físicas (mecânicas e elétricas) das interfaces e dos meios. Define quais os tipos

Leia mais

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts.

Valor lógico UM (Verdade, 1): 5 Volts. Valor lógico ZERO (FALSO, 0): 0 Volts. I FUNÇÔES E LOCOS LÓGICOS I.1 - SISTEMS DIGITIS - INTRODUÇÃO Sistemas Digitais Notas de ula 1 O mundo real apresenta duas representações para as medidas. Representação analógica e a representação digital.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinaisi ula 03 Transmissão é o deslocamento de ondas eletromagnéticas em um meio físico (canal

Leia mais

Astra ThinClient Manual de Configuração

Astra ThinClient Manual de Configuração 2011 www.astralab.com.br Astra ThinClient Manual de Configuração Guia para configuração do software Astra ThinClient. Equipe Documentação Astra AstraLab 20/07/2011 1 Sumário Configurando padrões... 3 Configurando

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX

Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX Astra LX Registro de Pacientes e Médicos Guia para o acesso aos registros de Pacientes e Médicos e eliminação de dados duplicados no AstraLX 2011 Equipe Documentação Astra AstraLab 27/10/2011 Sumário Registro

Leia mais

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes 86 5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes No capítulo anterior estudamos a resposta do EDFA sob variações lentas da potência em sua entrada e vimos que é possível

Leia mais

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 1 Sumário 1. Instalando a Chave de Proteção 3 2. Novas características da versão 1.3.8 3 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 4. Executando o PhotoFacil Álbum 9 3.1. Verificação da Chave 9 3.1.1. Erro 0001-7

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

Enunciados de Problemas

Enunciados de Problemas INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES Enunciados de Problemas de Sistemas de Telecomunicações I Ano Lectivo de 2002/2003 2.17 Admita que o coeficiente de

Leia mais

DATAGEOSIS EDUCACIONAL 2005

DATAGEOSIS EDUCACIONAL 2005 DATAGEOSIS EDUCACIONAL 2005 GUIA DE USO Aula 2 1. Abra o aplicativo clicando no atalho na área de trabalho. 2. Clique no botão Novo projeto ou clique o comando - (ctrl + N). 3. NA janela DADOS DO PROJETO,

Leia mais

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060 Especificações Técnicas Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais A de Geradores de Funções/Arbitrários são capazes de gerar formas de onda senoidais, quadradas, triangulares, pulsadas e arbitrárias

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento Capítulo 12 Projeto 5 Controle de Motores de Passo A crescente popularidade dos motores de passo deve-se a sua adaptação à lógica digital. Estes dispositivos são usados em inúmeras aplicações, tais como:

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 01: DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Introdução Entende-se por raios-x, a região do espectro eletromagnético com comprimentos

Leia mais

Formatação e Modulação em Banda Básica

Formatação e Modulação em Banda Básica Formatação e Modulação em Banda Básica Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

Criando campanhas e gerando pedidos de venda com o Telemarketing

Criando campanhas e gerando pedidos de venda com o Telemarketing Criando campanhas e gerando pedidos de venda com o Telemarketing Escrito por: Paulo Antônio Leandro Florentino de Carvalho Sumário Criando uma nova campanha Adicionando novo cliente à campanha Excluindo

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL FERRAMENTA DIDÁTICA PARA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DIGITAL Diego S. Mageski diego.mageski@hotmail.com Bene R. Figueiredo bfigueiredo@ifes.edu.br Wagner T. da Costa wagnercosta@ifes.edu.br Instituto Federal

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC UFLA Universidade Federal de Lavras DEX Departamento de Ciências Exatas Bacharelado em CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC Autor: Edna Mie Kanazawa Orientador: Wilian Soares Lacerda Lavras, novembro

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Prof. Hamilton Klimach Janeiro de 2002 OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Introdução Esse osciloscópio, como qualquer outro, tem por função apresentar a representação visual da tensão

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR ACESSANDO O PORTAL DO PROFESSOR Para acessar o portal do professor, acesse o endereço que você recebeu através da instituição de ensino ou acesse diretamente o endereço:

Leia mais

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375 Redes de computadores N Laboratório 01 Luiza Eitelvein 181375 Exercícios 1) a) Teorema de Shannon : MCs = B log₂(1+s/n) 40 db = 10 log(s/n) 4 = log(s/n) S/N = 10⁴ MCs = 3100 log₂(1+10000) = 3100 ( (log

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

MEU DICIONÁRIO Sua coleção de palavras

MEU DICIONÁRIO Sua coleção de palavras 1 a a 4 a Séries Ensino Fundamental Software Necessário: Microsoft Word 2000 MEU DICIONÁRIO Sua coleção de palavras Áreas: LP Guia do professor RESUMO Para dominar a arte da leitura, as crianças devem

Leia mais

ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1

ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1 DIGIAIR PRO ISDB-T MANUAL DO USUÁRIO ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1 Conteúdo: DIGIAIR PRO ISDB-T Descrição. 3 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 LIGAR E DESLIGAR (ON/OFF) 4 1.2 FONTE DE ALIMENTAÇÃO E BATERIA 4 1.3 COMO USAR

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada Física Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Setembro de 2011 1 / 32 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Procedimento de. Diagnóstico e Configuração CP-3000. CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE

Procedimento de. Diagnóstico e Configuração CP-3000. CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE Procedimento de Diagnóstico e Configuração CP-3000 CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE Elaboração: Alfasistema Engenharia Autor: Engº Rodney P. Santos Revisão 1.1 Ano: 2005 I. DIAGNÓSTICO

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Mas para iniciar o uso do CRM é necessário efetuar algumas configurações em primeiro lugar.

Mas para iniciar o uso do CRM é necessário efetuar algumas configurações em primeiro lugar. Menu CRM O KeyInvoice tem um CRM que lhe permite efetuar, no seu programa de faturação, uma gestão de contatos, podendo converter os mesmos em Oportunidades ou Orçamentos. Este menu inclui ainda uma agenda

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

Manual Introdutório do DataStudio

Manual Introdutório do DataStudio Manual de Instruções Manual N.º 012-08107 Manual Introdutório do DataStudio Manual N.º 012-08107 Manual N.º 012-08107 Manual Introdutório do DataStudio Introdução O que é o DataStudio? O DataStudio é

Leia mais

Transmissão da Informação - Multiplexação

Transmissão da Informação - Multiplexação Volnys B. Bernal (c) 1 Transmissão da Informação - Multiplexação Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Sinal de Voz Multiplexação Técnicas de

Leia mais

Modulações digitais. Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM

Modulações digitais. Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM Modulações digitais 2 Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM Modulações digitais ASK, PSK e FSK ASK FSK Atenuador ASK 1 FSK Oscilador binária 2 binária BPSK QPSK Esasamento de 27º Oscilador

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL

MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL MANUAL DE OPERAÇÃO WCV EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS ALAMEDA DOS ANAPURUS,1939 MOEMA SÃO PAULO BRASIL TEL/FAX: (11) 535-7200 / 531-5945 / 531-8784 wcvtools@uol.com.br INDÍCE PRÓLOGO 4 REQUERIMENTO DO SISTEMA

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

Usar a Árvore Familiar do FamilySearch: Um Guia de Referência (18 de outubro de 2013)

Usar a Árvore Familiar do FamilySearch: Um Guia de Referência (18 de outubro de 2013) Usar a Árvore Familiar do FamilySearch: Um Guia de Referência (18 de outubro de 2013) FamilySearch é uma marca registrada da Intellectual Reserve, Inc. e foi registrada nos Estados Unidos da América e

Leia mais

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2)

Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2) Curso de Modulação Digital de Sinais (parte 2) Márcio Antônio Mathias Augusto Carlos Pavão IMT Instituto Mauá de Tecnologia. Introdução Dando prosseguimento à série Modulações digitais, discutiremos neste

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Sistemas Digitais 2010/2011 Instituto Superior Técnico - Universidade Técnica de Lisboa

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Sistemas Digitais 2010/2011 Instituto Superior Técnico - Universidade Técnica de Lisboa SISTEMAS DIGITAIS Ambiente de Trabalho e Portas Lógicas (Hardware) Objectivo: Este trabalho destina-se a pôr os alunos em contacto com o equipamento do laboratório, com os componentes a utilizar e com

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Passo 3: No diagrama de blocos com o menu de funções aberto (Figura anterior), abra a função express Signal Analysis e escolha Simulate signal.

Passo 3: No diagrama de blocos com o menu de funções aberto (Figura anterior), abra a função express Signal Analysis e escolha Simulate signal. TUTORIAL INTRODUÇÃO AO LABVIEW 8.2 Passo 1: Inicie o Labview. Você verá esta tela: Passo 2: Selecione blank VI (VI é a sigla de VIRTUAL INSTRUMENT). Fazendo isso você terá acesso a área de trabalho, a

Leia mais

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia

LGTi Tecnologia. Manual - Outlook Web App. Soluções Inteligentes. Siner Engenharia LGTi Tecnologia Soluções Inteligentes Manual - Outlook Web App Siner Engenharia Sumário Acessando o Outlook Web App (Webmail)... 3 Email no Outlook Web App... 5 Criar uma nova mensagem... 6 Trabalhando

Leia mais

Projeto Agenda Cidadã Exercício Prático - Criação e Consulta de Registros Vicon SAGA

Projeto Agenda Cidadã Exercício Prático - Criação e Consulta de Registros Vicon SAGA Exercício Objetivo Aplicativo Criação e consulta de registros - Vicon SAGA Exercício para ambientação com Sistemas de Informação e Bancos de Dados. O usuário criará formulários, realizará cadastros de

Leia mais

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário

Manual do Usuário do Produto EmiteNF-e. Manual do Usuário Manual do Usuário Produto: EmiteNF-e Versão: 1.2 Índice 1. Introdução... 2 2. Acesso ao EmiteNF-e... 2 3. Configurações Gerais... 4 3.1 Gerenciamento de Usuários... 4 3.2 Verificação de Disponibilidade

Leia mais

Manual MQS. Logo após colocar essas informações abrirá a página inicial do sistema:

Manual MQS. Logo após colocar essas informações abrirá a página inicial do sistema: Manual MQS Para acessar o sistema MQS na versão em PHP, basta clicar no link: www.mqs.net.br/plus. Colocar login e senha que foram fornecidos por email. Logo após colocar essas informações abrirá a página

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Especificações. Conteúdo. Compatibilidade de Tags com o GPW-100. Tabela de Revisões

Especificações. Conteúdo. Compatibilidade de Tags com o GPW-100. Tabela de Revisões Manual GPW-100 Rev. A.2 sales@acuraglobal.com Tel.: +55 11 3028-4600 Matriz: Rua Reginata Ducca, 73 09626-100 São Bernardo do Campo SP Fábrica: Doutor Domiciano Costa Moreira, 266 37500-202 Itajubá MG

Leia mais

Sistemas de Controle Digital

Sistemas de Controle Digital ADL 24 Cap 13 Sistemas de Controle Digital Vantagens dos Computadores Digitais O uso de computadores digitais na malha leva às seguintes vantagens sobre os sistemas analógicos: (1) custo, (2) flexibilidade

Leia mais

Realizar Matrícula. A cada período de matrícula o sistema solicita que o discente atualize seus dados, conforme ilustrado na tela a seguir:

Realizar Matrícula. A cada período de matrícula o sistema solicita que o discente atualize seus dados, conforme ilustrado na tela a seguir: Realizar Matrícula Sistema SIGAA Módulo Portal do Discente Usuários Discentes Esta funcionalidade permite ao usuário realizar sua matrícula on-line em turmas. Vale ressaltar que o ato de realizar a matrícula

Leia mais