Dinis Ferreira. Gestão da Sustentabilidade da Reabilitação do Edificado: Vila de Alcochete

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dinis Ferreira. Gestão da Sustentabilidade da Reabilitação do Edificado: Vila de Alcochete"

Transcrição

1

2 Dinis Ferreira Gestão da Sustentabilidade da Reabilitação do Edificado: Vila de Alcochete

3 Introdução Reabilitação e Sustentabilidade 2 conceitos relevantes na revitalização e crescimento do sector construção civil. Ambos pretendem a conservação e valorização recursos, sem que para isso se comprometa as gerações futuras, têm vindo a ganhar força com as preocupações ambientais. A Reabilitação do edificado construído, em locais onde existe excedente construção, é uma das formas que pode ter um papel predominante e onde o sector da construção pode tirar vantagem para se afirmar mercado.

4 Reabilitação em Portugal Vista: Forma muito restrita, valorizando e conservando o edificado como imagem, não tendo em conta as questões culturais, sociais, coesão territorial e ambientais; Pouco atractiva e lucrativa pelos agentes privados, tal pode ser contrariado; Benefícios ambientais, fiscais, licenciamentos camarários e taxas. Reabilitação / Oportunidades - Sustentabilidade e Reabilitação, tem vindo ganhar força face novas construções. - Vantagens da reabilitação: - Redução nº demolições => Menor produção resíduos - Redução nº novas implantações => Menor contaminação solos virgem - Redução utilização materiais => Menor consumo recursos naturais

5 Sustentabilidade da Reabilitação Conceito Reabilitação urbana surge 1975, evoluiu com necessidade proteger edificado histórico, mais tarde para responder melhorias sociais e ambientais. Posteriormente passou para uma visão global que inclui uma politica cultural e social, valorização património, protecção e melhoria ambiental. Reabilitação surge como resposta degradação social, económica e física centros históricos. Com o desenvolvimento e necessidade criar equilíbrios surge um novo modelo, assente sustentabilidade ambiental e económica, tiveram um grande impulso na procura de satisfazer necessidades da actual geração, sem comprometer as gerações futuras.

6 Sustentabilidade da Reabilitação Reabilitação urbana ganha nova importância devendo mesmo ser preferida às políticas expansão urbana. Ganha-se consciência que deve-se desenvolver os núcleos urbanos, melhorando condições habitabilidade, reabilitando e valorizando o património cultural. Importante nas actividades turismo e lazer, surgem novas oportunidades, a reabilitação pode ser auxiliada pelo turismo e toda actividade gerada a sua volta.

7 Instrumentos Jurídicos Dec-Lei 555/99 (RJUE) Regulamento Jurídico de Urbanização e Edificação Regulamento taxas Município Alcochete Programas/Financiamento (Programa Rehabita / Programa Recria / Programa Recriph / Programa Solarh) Benefícios fiscais Reabilitação Urbana (Fiscalidade) NOTA: Benefícios e incentivos a obras conservação/reabilitação.

8 Instrumentos Planeamento e Gestão territorial Planos de Urbanização / Planos de Pormenor - Servem determinadas situações, de base acções reabilitação urbana, estando a sua concretização dependente natureza e dimensão operações urbanísticas. Possibilitam sejam planeados, projectados e geridos os edifícios que se localizem na área a intervir no âmbito dos processos reabilitação urbana, definindo uma estratégia clara de valorização e qualificação do edificado.

9 Instrumentos Planeamento e Gestão territorial (SRU) Sociedade de Reabilitação Urbana Surgem mais tarde GTL(2004) com igual intuito, regulamentar e estimular parcerias público/privadas no que respeita à reabilitação urbana. São empresas geralmente municipais, pode ser criada em situações excepcionais e de interesse público uma sociedade anónima de capitais públicos em que o estado detém parceria. Têm papel orientar, elaborar estratégias intervenção e fazem mediação entre diferentes proprietários e investidores através meios legais atribuídos. Visam intervenção no edificado, condições habitabilidade, salubridade, estética e segurança, nas zonas históricas.

10 Enquadramento geográfico (Alcochete) Próximo margens rio, este concelho antigamente estava mais virado pecuária, possuindo vastas zonas rurais, com pouca densidade populacional. Alcochete constitui um dos 18 municípios (GAML) e na sub-região Península Setúbal (NUT III), confina com os concelhos: Montijo, Palmela e Benavente. Mafra A1 EN10 A1 Rio Tejo Ponte Vasco da Gama Praia do Samouco A12 Samouco Montijo Moita Barreiro IC21 Sítio Praia das Hortas dos Moinhos Alcochete Batel São Francisco IC32 IC3 EN118 Benavente F. Senhora Passil Rego da Amoreira Barroca de Alva EN4 ER5 EN119 Palmela Legenda Freguesia de Alcochete Freguesia de S.Francisco Freguesia do Samouco Limite de concelho Itinerário principal Itinerário complemetar Estrada nacional Estrada regional Via municipal Escala 1: km Cascais Sintra Oceano A5 Atlântico IC19 Oeiras Legenda Itinerário principal Itinerário complementar Estrada nacional Estrada regional Limite de concelho Escala 1: km A9 IC17 Amadora Odivelas Pt. 25 de Abril Almada Loures A8 IC17 Lisboa A2 Seixal Sesimbra Rio Tejo Pt. Vasco da Gama Barreiro Moita IC21 Vila Franca de Xira Alcochete Montijo IC32 IC3 EN118 EN118 A12 Palmela A12 Setúbal Benavente ER5 A2 EN4 Rio Sado EN119 Coruche Montijo Alcácer do Sal A6 A2 Concelho de Alcochete Grande Área Metropolitana de Lisboa

11 Resultados e discussão Quadro 1 Fonte: INE, 2001 Concelho Alcochete ocupa 128,4 km2-8,2% da área total Península Setúbal - 4,4% da área total da AML. - Constituído por 3 freguesias: Recenseamento geral população 2001, Alcochete possuía hab. - Em 2008 (estimativa) população residente , um acréscimo 40% desde 1991 Quadro 2 Evolução da população residente. Fonte: INE, 2008 Freguesias População Residente Variação da População Residente (%) Alcochete ,6 28,7 Samouco ,8 30,0 S. Francisco ,4 Total Concelho ,9 22,6

12 Expansão Urbana Vila Alcochete Crescimento populacional concelho entre 1991 e 2007 foi 40%, ocorrido partir 1998(Ponte Vasco Gama) principal acessibilidade redução distância-tempo, factor decisivo atracção novos moradores, posição privilegiada relação Lisboa, qualidade ambiental, oferta produtos imobiliários diferenciadores, disponibilidade solos urbanizáveis, preços habitação mais baixos e não se encontra descaracterizado e desorganizado como margem norte onde aumento populacional, saturação mercado habitacional, elevado preço, fraca qualidade urbanística e problemas sociais, motivaram procura noutras áreas Alcochete beneficiou ainda: localização privilegiada; estuário Tejo (área grande valor ecológico, biodiversidade, valor paisagístico); espaços agrícolas e florestais bem preservados.

13 Expansão Urbana Vila Alcochete Disponibilidade solos urbanizáveis PDM aprovado 1995, serviu expansão urbana, bem como características solos (planos, fácil remoção) favoráveis construção, motivaram empresas construção e promotores imobiliários considerassem Alcochete investimento rentável negócios.

14 Impacto da reabilitação na Vila Alcochete Apesar antiguidade parque habitacional, núcleo antigo Alcochete regista uma dinâmica residencial significativa, elevado nº obras reabilitação, ao contrário outros centros históricos. Alcochete apresenta grande vitalidade, as habitações estão ocupadas existindo apenas cerca 70 fogos devolutos, segundo levantamento CMA feito Janeiro O comércio e serviços 1ª necessidade continuam existir dando resposta habitantes, os estabelecimentos restauração aumentaram bastante, beneficiando turismo. Esta dinâmica permitiu população não envelhecesse, devido sucessão gerações seus habitantes e fixação novos moradores, que procuram na singularidade destes espaço um novo local para habitar.

15 Impacto da reabilitação na Vila Alcochete Impacto reabilitação edificado no espaço urbano irá travar crescimento malha urbana o que por sua vez iria trazer necessidades: - construir infraestruturas, equipamentos (novas escolas, hospitais, vias, ), actualmente é impensável nível sustentabilidade económica, devido ao estado actual economia global, pelo que devemos reaproveitar e melhorar o existente.

16 Conclusão Em suma, Reabilitação contribui para desenvolvimento Sustentável, com a preservação ambiental, coesão social e dinamização economias locais. Reabilitação pode contribuir, para crescimento sector construção civil. Reabilitação é uma forma desenvolvimento e progresso, estando interligada com Sustentabilidade vai ao encontro das necessidades presentes sem comprometer gerações futuras, abrindo caminho à valorização e reutilização de elementos e materiais de construção.

17 Bibliografia PDM de Alcochete Regulamento de taxas do Município de Alcochete Regulamento Jurídico de Urbanização e Edificação RJUE, Dec-Lei 555/99 Decreto-Lei nº 418/99, de 21 de Outubro Sites e Links consultados:

18 Obrigado pela vossa atenção Espero com este tema, em que me foquei na Vila Alcochete, se aplique a todo território, consciencializando que o caminho certo, será optar pela reabilitação, visto ser uma área que tem como intuito conservar e proteger edificado, a nossa identidade histórica, bem como a sustentabilidade do Planeta abrindo caminho à valorização e reutilização materiais de construção. Agradecimentos: - APOGEP - Câmara Municipal de Alcochete

Censos Resultados Preliminares. Região de Lisboa e Vale do Tejo POPULAÇÃO RESIDENTE. Informação à Comunicação Social 26 de Junho de 2001

Censos Resultados Preliminares. Região de Lisboa e Vale do Tejo POPULAÇÃO RESIDENTE. Informação à Comunicação Social 26 de Junho de 2001 Informação à Comunicação Social 26 de Junho de 2001 Censos 2001 Resultados Preliminares Região de Lisboa e Vale do Tejo POPULAÇÃO RESIDENTE A População Residente da Região de Lisboa e Vale do Tejo, cerca

Leia mais

Finanças Municipais 2011 alguns indicadores

Finanças Municipais 2011 alguns indicadores MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO DELEGAÇÃO SUB REGIONAL DO VALE DO TEJO Finanças Municipais

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

Atlas da Região de Lisboa e Vale do Tejo

Atlas da Região de Lisboa e Vale do Tejo A Economia Circular como fator de resiliência e competitividade na região de Lisboa e Vale do Tejo Atlas da Região de Lisboa e Vale do Tejo Fevereiro 2017 Estudos para uma Região RICA Resiliente, Inteligente,

Leia mais

Acesso aos Cuidados de Saúde e Nível de Saúde das Comunidades Imigrantes Africana e Brasileira em Portugal

Acesso aos Cuidados de Saúde e Nível de Saúde das Comunidades Imigrantes Africana e Brasileira em Portugal Acesso aos Cuidados de Saúde e Nível de Saúde das Comunidades Imigrantes Africana e Brasileira em Portugal Estatísticas de Imigração A informação quantitativa disponível sobre a população estrangeira residente

Leia mais

ZA6649. Flash Eurobarometer 427 (Public Opinion in the EU Regions) Country Questionnaire Portugal

ZA6649. Flash Eurobarometer 427 (Public Opinion in the EU Regions) Country Questionnaire Portugal ZA669 Flash Eurobarometer 7 (Public Opinion in the EU Regions) Country Questionnaire Portugal FL7 - FLASH SURVEY IN NUTS I AND NUTS II REGIONS - nd wave PT D Poderia dizer-me a sua idade? (ESCREVER - SE

Leia mais

1. As áreas metropolitanas no país: características e dinâmicas

1. As áreas metropolitanas no país: características e dinâmicas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto Jorge Malheiros Nuno Marques da Costa Eduarda Marques da Costa Instituto de Geografia e Ordenamento do Território Universidade de Lisboa Associação Portuguesa de

Leia mais

A (SUB)URBANIZAÇÃO QUALIFICADA AUMENTOU NOS TERRITÓRIOS METROPOLITANOS DE LISBOA E PORTO

A (SUB)URBANIZAÇÃO QUALIFICADA AUMENTOU NOS TERRITÓRIOS METROPOLITANOS DE LISBOA E PORTO Tipologia Socioeconómica das Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto 211 24 de julho de 214 A (SUB)URBANIZAÇÃO QUALIFICADA AUMENTOU NOS TERRITÓRIOS METROPOLITANOS DE LISBOA E PORTO A tipologia socioeconómica

Leia mais

CP -a articulação da AML com a Margem Sul pela TTT. (Terceira Travessia do Tejo)

CP -a articulação da AML com a Margem Sul pela TTT. (Terceira Travessia do Tejo) 9º Congresso ADFER CP -a articulação da AML com a Margem Sul pela TTT (Terceira Travessia do Tejo) Cláudia Freitas, CP Lisboa 1 e 2 Abril 2009 Índice 1. ACPLi Lisboa 1. O Serviço da CP Lisboa 2. A integração

Leia mais

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 Maria Júlia Ferreira 2 Resumo: Palavras-chave Estratégias habitacionais; territórios residenciais;

Leia mais

Rede Aga Khan para o Desenvolvimento Aga Khan Development Network

Rede Aga Khan para o Desenvolvimento Aga Khan Development Network www.akdn.org Arquitectura l Sociedade Civil l Cultura l Desenvolvimento Económico Educação l Saude l Cidades Históricasl Assitencia Humanitária Microfinança l Musica l Planeamento e Construção Desenvolvimento

Leia mais

Recursos Minerais da Área Metropolitana de Lisboa. Estado Actual do Conhecimento

Recursos Minerais da Área Metropolitana de Lisboa. Estado Actual do Conhecimento Recursos Minerais da Área Metropolitana de Lisboa Estado Actual do Conhecimento A Importância do Planeamento e Ordenamento dos Recursos Minerais Recursos minerais = património natural Promoção da importância

Leia mais

Nuno Soares Ribeiro VTM Consultores

Nuno Soares Ribeiro VTM Consultores Nuno Soares Ribeiro VTM Consultores 25 NOVEMBR0 2008 1 Índice 1. Enquadramento 2. Conceito do Sistema 3. Inserção no Território Demografia Mobilidade Geração e Troca de Viagens 4. Desenvolvimento do Traçado

Leia mais

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo Imóvel constituído por duas parcelas de terreno urbano, com vários Armazéns e Edifícios de apoio para demolição localizado na Rua José Mundet, próximo do cruzamento com a Rua José Joaquim Marques, perto

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL

QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL QUALIDADE DE VIDA NA MARGEM SUL Há quem afirme que nos últimos 40 anos não houve visão de conjunto para o desenvolvimento da Margem Sul. Sobre esta falsa questão, entendo que é necessário dizer o seguinte:

Leia mais

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade

Notas sobre a população Lisboa: Área Metropolitana e cidade Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. XXXIV (153), 2000, 1045-1055 Notas sobre a Lisboa: Área Metropolitana e cidade Em Portugal, os desequilíbrios de povoamento da são por de mais evidentes. Neste

Leia mais

Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS

Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS Aviso E EEA/2010 UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGETICO- AMBIENTAL EM EQUIPAMENTOS COLECTIVOS Instituições Particulares sem Fins Lucrativos e Associações Desportivas de Utilidade Pública

Leia mais

ÁREAS DE INFLUENCIA E POPULAÇÃO SERVIDA POR CENTROS COMERCIAIS NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA: UMA ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL

ÁREAS DE INFLUENCIA E POPULAÇÃO SERVIDA POR CENTROS COMERCIAIS NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA: UMA ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL ÁREAS DE INFLUENCIA E POPULAÇÃO SERVIDA POR CENTROS COMERCIAIS NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA ESPAÇO TEMPORAL LISBOA: UMA ANÁLISE ESPAÇO-TEMPORAL Nuno Gomes N G - e-geo GEO Faculdade F ld d d de Ciê Ciências

Leia mais

E.S.T.Barreiro Instituto Politécnico de Setúbal

E.S.T.Barreiro Instituto Politécnico de Setúbal CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA Joaquim Carapeto Recuperação e Dinamização do Centro Histórico de Palmela E.S.T.Barreiro Instituto Politécnico de Setúbal 28 de maio de 2015 Revitalização do Centro Histórico

Leia mais

O Sistema Alimentar Urbano da Área Metropolitana de Lisboa numa perspectiva de Paisagem.

O Sistema Alimentar Urbano da Área Metropolitana de Lisboa numa perspectiva de Paisagem. CONFERÊNCIA INTERNACIONAL A PEQUENA AGRICULTURA FAMILIAR: CHAYANOV REVISITADO? 27 de Outubro 2014 O Sistema Alimentar Urbano da Área Metropolitana de Lisboa numa perspectiva de Paisagem. Rosário Oliveira

Leia mais

LISTA DE CONTACTOS Lojas

LISTA DE CONTACTOS Lojas Página 1 de 6 Alfragide C.C. Alegro Alfragide, Loja 140 Av. Dos Cavaleiros 2794 971 CARNAXIDE 937 557 878 Algarve Shopping (Guia) Algarve Shopping, Loja 1323 Lanka Parque Comercial e Industrial do Algarve

Leia mais

A Região de Lisboa e Vale do Tejo em 2001: Análise dos Resultados Preliminares dos Censos

A Região de Lisboa e Vale do Tejo em 2001: Análise dos Resultados Preliminares dos Censos A Região de Lisboa e Vale do Tejo em 2001: Análise dos Resultados Preliminares dos Censos A Região de Lisboa e Vale do Tejo em 2001: Análise dos Resultados Preliminares dos Censos Resumo Os recenseamentos

Leia mais

Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro

Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro O futuro faz-se hoje Gare Marítima de Alcântara, 21 de outubro de 2016 Mário Fernandes Diretor de Planeamento da IP Acessibilidades ao Terminal do Barreiro

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as actuais 134 cidades do país e as áreas metropolitanas

Leia mais

VERSÃO PARA DISCUSSÃO PÚBLICA

VERSÃO PARA DISCUSSÃO PÚBLICA Vol. III PROT-AML Plano Regional de Ordenamento do Território da Área Metropolitana de Lisboa Relatório Estudos de Fundamentação Técnica VERSÃO PARA DISCUSSÃO PÚBLICA Ministério do Ambiente e do Ordenamento

Leia mais

TERRITÓRIO (SUB)URBANO QUALIFICADO ALARGA-SE NA AML

TERRITÓRIO (SUB)URBANO QUALIFICADO ALARGA-SE NA AML Tipologia sócioeconómica da Área Metropolitana de Lisboa 21 8 de Junho de 24 TERRITÓRIO (SUB)URBAO QUALIFICADO ALARGASE A AML Estudo com base nos dados dos Censos 21 subdivide o território da Área Metropolitana

Leia mais

FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA)

FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA) FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA) AJ AGUIAR COMERCIO GERAL LDA LOUROSA SANTA MARIA DA FEIRA AV. PRINCIPAL 300 - Artº 1248 1. Introdução O presente relatório solicitado por AJ AGUIAR COMERCIO

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015)

Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015) JAN.2012 Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015) Transportes Públicos de Passageiros Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade - Câmara Municipal de Lisboa Plano Estratégico de Transportes (2011

Leia mais

Programa de Intervenções para a Qualificação do Turismo

Programa de Intervenções para a Qualificação do Turismo NORMA DE PROCEDIMENTOS Abril de 2008 PIQTUR 09 / AL Tramitação para o acompanhamento dos contratos do Programa de Intervenções para a Qualificação do Turismo 01 / AL 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento

Leia mais

4te. Parecer sobreo POCH Programa Operacional do Capital Humano. Data: 22-05-2014 Prazo de Resposta: Registo n.

4te. Parecer sobreo POCH Programa Operacional do Capital Humano. Data: 22-05-2014 Prazo de Resposta: Registo n. J ~ PRESWENTE 0846 Assunto: Parecer sobreo POCH Programa Operacional do Capital Humano Data: 22-05-2014 Prazo de Resposta: Registo n. Entidade: T Comissão Permanente da Cultura Proc. n. 3xma. Sra. Presidente,

Leia mais

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Seminário: A Ocupação Dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Universidade de Évora Évora 12 de Novembro de 2009 :00 Índice :01 :02 Definição

Leia mais

RESULTADOS DEFINITIVOS

RESULTADOS DEFINITIVOS CENSOS 20 XV recenseamento geral da população V recenseamento geral da habitação RESULTADOS DEFINITIVOS LISBOA Instituto Nacional de Estatística Statistics Portugal FICA TÉCNICA Título Censos 20 Resultados

Leia mais

Acessibilidade e Transportes

Acessibilidade e Transportes Capítulo Acessibilidade e Transportes Nuno Marques da Costa Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa 1. As redes de transportes As redes de transportes têm vindo a alterar

Leia mais

Uma perspetiva territorial da expansão, reabilitação e arrendamento habitacionais

Uma perspetiva territorial da expansão, reabilitação e arrendamento habitacionais Seminário 12 novembro 213 Iniciativa conjunta INE LNEC Uma perspetiva territorial da expansão, reabilitação e arrendamento habitacionais Instituto Nacional de Estatística Serviço de Estatísticas Territoriais

Leia mais

Associação Tagus Universalis Portugal. Tejo Património universal da Humanidade

Associação Tagus Universalis Portugal. Tejo Património universal da Humanidade Associação Tagus Universalis Portugal Tejo Património universal da Humanidade Finalidade da Tagus Universalis Portugal Influenciar decisivamente a Sociedade Portuguesa em cooperação com a sua congénere

Leia mais

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013.

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. PORLisboa Politica de Cidades: Parcerias para a Regeneração Urbana Programa Integrados de

Leia mais

Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios

Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios NORMA DE PROCEDIMENTOS Abril de 2008 12 / OT Tramitação da vistoria para a Construção, Ampliação ou Remodelação de Cemitérios 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO LISBOA

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO LISBOA LABORATÓRIO ESTRATÉGICO LISBOA Escola de Hotelaria e Turismo LISBOA, 15 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico

Leia mais

LISBOA OCIDENTAL, SRU SOCIEDADE DE REABILITAÇÃO URBANA, EEM PONTO DE SITUAÇÃO

LISBOA OCIDENTAL, SRU SOCIEDADE DE REABILITAÇÃO URBANA, EEM PONTO DE SITUAÇÃO LISBOA OCIDENTAL, SRU SOCIEDADE DE REABILITAÇÃO URBANA, EEM PONTO DE SITUAÇÃO Lisboa, 30 de Janeiro de 2012 A Lisboa Ocidental é uma Sociedade de Reabilitação Urbana, criada pelo Município de Lisboa com

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão

Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão Reunião do Núcleo Base CCDR-LVT Lisboa, 11 de abril de 2012 ORDEM DE TRABALHOS Acompanhamento e dinamização da revisão dos PDM do OVT 1. Ponto de situação

Leia mais

Repensar as políticas públicas e o acesso à habitação

Repensar as políticas públicas e o acesso à habitação Repensar as políticas públicas e o acesso à habitação REHURB Realojamento e Regeneração Urbana Jorge Malheiros, jmalheiros@campus.ul.pt, CEG - IGOT Marina Carreiras, marinacarreiras@campus.ul.pt, CEG IGOT

Leia mais

SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa

SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa SUBSIn Utilização do InSAR na detecção e caracterização de subsidência e deslizamentos do solo na região de Lisboa Projecto FCT PTDC/CTE-GEX/65261/2006 Financiamento: Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Leia mais

Diagnóstico Social CADERNO 1. TERRITÓRIO E POPULAÇÃO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Diagnóstico Social CADERNO 1. TERRITÓRIO E POPULAÇÃO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Diagnóstico Social CADERNO 1. TERRITÓRIO E POPULAÇÃO Enquadramento Territorial. Movimento Demográfico. Estrutura Etária. População de Nacionalidade Estrangeira. Emigrantes. Mobilidade Territorial. Movimentos

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA

A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA CORONEL JOAQUIM LEITÃO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL E SOCORRO REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA RISCOS NA

Leia mais

EM 2009, 39 MUNICÍPIOS APRESENTAVAM UM PODER DE COMPRA PER CAPITA ACIMA DA MÉDIA NACIONAL

EM 2009, 39 MUNICÍPIOS APRESENTAVAM UM PODER DE COMPRA PER CAPITA ACIMA DA MÉDIA NACIONAL EM 2009, 39 MUNICÍPIOS APRESENTAVAM UM PODER DE COMPRA PER CAPITA ACIMA DA MÉDIA NACIONAL Estudo sobre o Poder de Compra Concelhio 2009 Em 2009, dos 308 municípios portugueses, 39 apresentavam, relativamente

Leia mais

Lisboa - breve história dos Planos Urbanísticos

Lisboa - breve história dos Planos Urbanísticos Lisboa - breve história dos Planos Urbanísticos 900000 800000 1981; 807937 700000 600000 500000 2011; 547631 400000 300000 200000 100000 0 900 1000 1100 1200 1300 1400 1500 1600 1700 1800 1900 2000 Planta

Leia mais

terá 750 milhões do Estado

terá 750 milhões do Estado URBANISMO Reabilitação da margem Sul terá 750 milhões do Estado Arco Ribeirinho Sul deverá gerar 95 milhões de euros de receita fiscal MIGUEL PRADO miguelprado@negocios.pt A reabilitação urbana nos concelhos

Leia mais

EDITAL N.º 35/CML/2014. (Tomada de Posição sobre o novo Mapa Judiciário)

EDITAL N.º 35/CML/2014. (Tomada de Posição sobre o novo Mapa Judiciário) EDITAL N.º 35/CML/2014 (Tomada de Posição sobre o novo Mapa Judiciário) ANTÓNIO COSTA, Presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa, no exercício das competências previstas no art.º 72º da Lei n.º 75/2013,

Leia mais

SERVIÇO DO APOIO JUDICIÁRIO

SERVIÇO DO APOIO JUDICIÁRIO Gabinete de Assessoria Jurídica 1. Movimento Processual Classificação N.º de Processos Escusas/ Dispensas/ Substituições 2043 Repartição de Honorários 293 Resposta a ofícios 477 Falta resposta Oficio 100

Leia mais

Gestão Pública da Água e Saneamento

Gestão Pública da Água e Saneamento junho de 2015 Gestão Pública da Água e Saneamento Garante Qualidade e Tarifas Mais Baixas Gestão Pública da Água e Saneamento E o projecto de Diretiva? O que lhe aconteceu? Iniciativa e luta de cidadãos

Leia mais

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 CRICAD ARSLVT CRICAD ARSLVT HOSPITAIS DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA ARSLVT LISBOA NORTE (215 157) Freguesias do Concelho de Lisboa:

Leia mais

que futuro? que tendências?

que futuro? que tendências? OFERTA E PROCURA DE EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS COLECTIVOS que futuro? que tendências? Área de 71 km 2 População residente de 174030 habitantes Principal concelho da AML sul em termos de população 11 Freguesias

Leia mais

Turismo de Natureza no Alto Minho:

Turismo de Natureza no Alto Minho: SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020 António Sá Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 Turismo de Natureza no Alto Minho: Balanço 2007-2013

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 57/X

PROJECTO DE LEI N.º 57/X PROJECTO DE LEI N.º 57/X CONFIRMA O PASSE SOCIAL INTERMODAL COMO TÍTULO NOS TRANSPORTES COLECTIVOS DE PASSAGEIROS E ACTUALIZA O ÂMBITO GEOGRÁFICO DAS RESPECTIVAS COROAS NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

Leia mais

CENTROS DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE COMPETÊNCIA GENÉRICA. Todo o tipo de conflitos de consumo

CENTROS DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE COMPETÊNCIA GENÉRICA. Todo o tipo de conflitos de consumo CENTROS DE ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO DE COMPETÊNCIA GENÉRICA Todo o tipo de conflitos de consumo Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo Atuação em todo o território

Leia mais

Lista das Entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo

Lista das Entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo Lista das Entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo (ao abrigo da Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro) - CENTROS DE ARBITRAGEM DE COMPETÊNCIA GENÉRICA Centro Nacional de Informação e Arbitragem

Leia mais

A coerência entre as várias políticas e instrumentos e o seu contributo para a coesão territorial

A coerência entre as várias políticas e instrumentos e o seu contributo para a coesão territorial IV JornadaS A coerência entre as várias políticas e instrumentos e o seu contributo para a coesão territorial SIMULACROS DECISIONAIS EM GRANDES INFRAESTRUTURAS VOLATILIDADE, PERVERSIDADE E INCONSEQUÊNCIAS

Leia mais

TEMA 5 Sócio Demografia

TEMA 5 Sócio Demografia Câmara Municipal de Sintra TEMA 5 Sócio Demografia Relatório de Caracterização e Diagnóstico do Concelho de Sintra Gabinete do Plano Diretor Municipal e Departamento de Solidariedade e Inovação Social

Leia mais

Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas

Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas CALDAS DA RAINHA - MAIO 2013 BREVE HISTÓRIA DO CONCELHO DE ODIVELAS A origem do nome: Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas senhor ; Odi palavra de origem árabe que significa curso de água e Velas

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PRIVADO

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PRIVADO CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA - CICLO DE FORMAÇÃO 2006-2009 ENSINO PRIVADO Distrito Concelho Designação da Entidade Formadora Designação do Curso Leiria Caldas da

Leia mais

Relatório de Avaliação da Implementação do PDM de 1994 de Oeiras

Relatório de Avaliação da Implementação do PDM de 1994 de Oeiras Relatório de Avaliação da Implementação do PDM de 1994 de Oeiras Índice 1 Introdução... 3 2 Metodologia... 3 3 Caracterização do Município... 4 4 Ocupação do Território... 6 4.1 Nível de preenchimento

Leia mais

Sistema Urbano. Teresa Sá Marques

Sistema Urbano. Teresa Sá Marques Sistema Urbano Teresa Sá Marques Sistema de Gestão Territorial PNPOT Relatório de Avaliação do Programa de Ação 2007-2013 DGT I. Quais são os nós do sistema urbano? Os nósdo sistema urbano no PNPOT em

Leia mais

VOLUME II Introdução e enquadramento

VOLUME II Introdução e enquadramento #$ VOLUME I RELATÓRIO SÍNTESE VOLUME II Introdução e enquadramento Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 - Enquadramento das Políticas e Instrumentos de Ordenamento Territorial VOLUME III PATRIMÓNIO NATURAL

Leia mais

Grande Lisboa 1. Amadora 2.Cascais 3.Lisboa 4.Loures 5.Mafra 6.Odivelas 7.Oeiras 8.Sintra 9. Vila F. Xira 10. Queluz 11.

Grande Lisboa 1. Amadora 2.Cascais 3.Lisboa 4.Loures 5.Mafra 6.Odivelas 7.Oeiras 8.Sintra 9. Vila F. Xira 10. Queluz 11. Nº: Com este questionário pretendemos ficar a conhecer-te um bocadinho melhor: os teus gostos, as tuas preferências, e recolher a tua opinião sobre alguns aspetos do teu CED. Podes responder de forma sincera

Leia mais

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT http://consulta-protovt.inescporto.pt/ Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT PENICHE * 06 DE NOVEMBRO DE 2008 PROT: O QUE É É um instrumento de desenvolvimento territorial

Leia mais

CURRICULUM VITAE LUISA GOMES. OA - Oficina de Arquitectura, Urbanismo, Construção e Imagens Visuais, Lda - Lisboa

CURRICULUM VITAE LUISA GOMES. OA - Oficina de Arquitectura, Urbanismo, Construção e Imagens Visuais, Lda - Lisboa CURRICULUM VITAE LUISA GOMES Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 1957 Local de Trabalho: OA - Oficina de Arquitectura, Urbanismo, Construção e Imagens Visuais, Lda - Lisboa Habilitações Literárias:

Leia mais

Frielas. Enquadramento no Concelho

Frielas. Enquadramento no Concelho Frielas de villa romana que atestava a sua importância estratégica e a qualidade das terras, todos os recantos de Frielas confirmam a transmissão de uma extensa herança material e imaterial Enquadramento

Leia mais

SEIXAL À LUPA DIAGNÓSTICO SOCIAL DO SEIXAL CAPÍTULO 2 ESTRUTURA E DINÂMICA DA POPULAÇÃO E DAS FAMÍLIAS DO CONCELHO DO SEIXAL

SEIXAL À LUPA DIAGNÓSTICO SOCIAL DO SEIXAL CAPÍTULO 2 ESTRUTURA E DINÂMICA DA POPULAÇÃO E DAS FAMÍLIAS DO CONCELHO DO SEIXAL SEIXAL À LUPA DIAGNÓSTICO SOCIAL DO SEIXAL CAPÍTULO 2 ESTRUTURA E DINÂMICA DA POPULAÇÃO E DAS FAMÍLIAS DO CONCELHO DO SEIXAL 1ª REVISÃO ÍNDICE Índice de Figuras... 1 Ficha Técnica da 1ª Revisão do Diagnóstico

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 374/VIII ELEVAÇÃO DA VILA DE AGUALVA-CACÉM A CIDADE. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 374/VIII ELEVAÇÃO DA VILA DE AGUALVA-CACÉM A CIDADE. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 374/VIII ELEVAÇÃO DA VILA DE AGUALVA-CACÉM A CIDADE Exposição de motivos A vila de Agualva-Cacém, localizada no município de Sintra, conta com cerca de 90 000 habitantes e ocupa uma

Leia mais

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano)

Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) Plano Concelhio Para a Integração de Pessoas Sem Abrigo (Plano) 2010-2013 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO E AVALIAÇÃO - 2012 CMC/DIPS Ricardo Caldeira - Coordenador do Grupo de Planeamento da Intervenção com os

Leia mais

Abril de 1998 PERFIL DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SEIXAL

Abril de 1998 PERFIL DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SEIXAL Abril de 1998 PERFIL DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SEIXAL Índice Considerações introdutórias... 5 QUEM SOMOS... 6 Quantos somos... 8 Quantos seremos... 10 O Seixal no País e na A.M.L.... 11 O maior crescimento

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I Anexo I Diretivas Diretiva Quadro da Água (DQA) Diretiva Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Diretiva 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de outubro de 2000, que estabelece um quadro de

Leia mais

Valores #N/D de Avaliação Bancária. Dezembro - 2015

Valores #N/D de Avaliação Bancária. Dezembro - 2015 Valores #N/D de Avaliação Bancária Dezembro - 2015 Valores Mensais de Avaliação Bancária: Quadro Resumo Portugal Norte Centro Alentejo Algarve Açores Madeira Valor Médio (VM) 1.043/m² 916/m² 856/m² 1.267/m²

Leia mais

S. R. Procuradoria Geral Distrital de Lisboa PRISÃO PREVENTIVA IMPACTO DA ENTRADA EM VIGOR DAS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

S. R. Procuradoria Geral Distrital de Lisboa PRISÃO PREVENTIVA IMPACTO DA ENTRADA EM VIGOR DAS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL PRISÃO PREVENTIVA IMPACTO DA ENTRADA EM VIGOR DAS ALTERAÇÕES DO CÓDIGO DE PENAL 1. Os dados respeitantes a 13 de Setembro de 2007 data que precede, em dois dias a entrada em vigor das alterações introduzidas

Leia mais

Caracterização do Concelho de Lisboa. Lisboa, Maio 2007

Caracterização do Concelho de Lisboa. Lisboa, Maio 2007 Caracterização do Concelho de Lisboa Lisboa, Maio 2007 Enquadramento geográfico Lisboa é capital de Portugal Enquadra-se nas regiões: Sintra Odivelas Loures Distrito: Lisboa UT III: Grande Lisboa UT II:

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Documento explicativo sobre o artigo 18.º que estabelece as obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa

Leia mais

ARU Sarnadela. Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana da Sarnadela

ARU Sarnadela. Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana da Sarnadela Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana da Sarnadela DGU OM Maio de 2016 2/13 Sumário: Âmbito... 3 Enquadramento Legal... 4 Delimitação e enquadramento geográfico... 4 Objetivos estratégicos

Leia mais

Luís Pisco Médico de Família Vice-Presidente ARSLVT

Luís Pisco Médico de Família Vice-Presidente ARSLVT RECEPÇÃO AOS INTERNOS DE 2016 Programa de Formação Especifica de Saúde Pública e Medicina Geral e Familiar Luís Pisco Médico de Família Vice-Presidente ARSLVT Lisboa 5 de Janeiro 2016 Região de Saúde de

Leia mais

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas

Quinta São João das Areias Rua A Nº66 R/C Sacavém Telefone: Sociedade por Quotas Resumo Nos Serviços Água, a Construbuild apresenta-se já como uma Referência a Nível deste sector. As actividades desenvolvidas nesta área relacionam-se fundamentalmente, com a Gestão de Equipamentos de

Leia mais

Transporte de Passageiros

Transporte de Passageiros Transporte de Passageiros 1997-2006 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. PARQUE DE VEÍCULOS LIGEIROS EM CIRCULAÇÃO... 4 3. EXTENSÃO DA REDE NACIONAL RODOVIÁRIA E DA REDE FERROVIÁRIA... 5 4. TRANSPORTE DE

Leia mais

Acessibilidades e Construção na Área Metropolitana de Lisboa,

Acessibilidades e Construção na Área Metropolitana de Lisboa, Acessibilidades e Construção na Área Metropolitana de Lisboa,1991-2001 Acessibilidades e Construção na Área Metropolitana de Lisboa, 1991-2001 Resumo As regiões metropolitanas constituem, nos dias de hoje,

Leia mais

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Funchal, 22 de maio de 2015 Cidade do Porto, Diagnóstico

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO RELATÓRIO DO ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

RELATÓRIO DO ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO RELATÓRIO DO ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO RELATÓRIO DO ESTADO 2007 REOTAmadora Avalia o Plano Director Municipal à luz da legislação vigente Centra-se na avaliação dos objectivos que nortearam o modelo de ordenamento - PDM Quantifica as acções

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes:

11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes: 11 Análise SWOT+T (tendência) Pontos Fortes: Principal metrópole de Portugal e terceira maior da Península Ibérica; Aglomeração de funções, equipamentos e infra-estruturas de apoio à internacionalização;

Leia mais

Informação essencial e complementar às normas de procedimento do Centro, considerando o disposto na Lei n.º 144/2015, de 8 de Setembro

Informação essencial e complementar às normas de procedimento do Centro, considerando o disposto na Lei n.º 144/2015, de 8 de Setembro Informação essencial e complementar às normas de procedimento do Centro, considerando o disposto na Lei n.º 144/2015, de 8 de Setembro A Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro (Lei RAL), cria a Rede de Arbitragem

Leia mais

REAVALIAÇÃO DA DELIMITAÇÃO ZONAS PARA AVALIAÇÃO E GESTÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

REAVALIAÇÃO DA DELIMITAÇÃO ZONAS PARA AVALIAÇÃO E GESTÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO REAVALIAÇÃO DA DELIMITAÇÃO DAS ZONAS PARA AVALIAÇÃO E GESTÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO Realizado por: Sandra Mesquita OUTUBRO, 2013 Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 2 REAVALIAÇÃO DA

Leia mais

RIBEIRINHO. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento

RIBEIRINHO. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento ACES ARCO RIBEIRINHO Caracterização e Propostas de Reestruturação Núcleo de Estudos e Planeamento 09-10-2015 Índice 1. Introdução... 3 2. ACES 10 Arco Ribeirinho... 3 2.1. População Residente... 3 2.2.

Leia mais

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007 JORNAL DA CONSTRUÇÃO Lisboa, 28 de Maio de 2007 1. LISBOA OCIDENTAL, SRU (ENQUADRAMENTO) O Município de Lisboa criou a Sociedade de Reabilitação Urbana Lisboa Ocidental, SRU, em Julho de 2004. A Empresa,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3

CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1 (Dados 2009) José António Girão* 1. AMBIENTE 2 2. DEMOGRAFIA 2 3. CONSTRUÇÃO CIVIL 3 4. ENERGIA 3 5. COMÉRCIO 3 6. ESTRUTURA EMPRESARIAL 4 7. EMPREGO 5

Leia mais

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL COMPETITIVIDADE TERRITORIAL E COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL RELATÓRIO FINAL VOLUME 3 COMPETITIVIDADE, COESÃO E CONVERGÊNCIA: A ÓPTICA ESPECÍFICA DAS REGIÕES PORTUGUESAS REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO JULHO

Leia mais

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL

JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL JOVEM AGRICULTOR/JOVEM EMPRESÁRIO RURAL AJAP Associação dos Jovens Agricultores de Portugal José Firmino B. Cordeiro 21/01/11 Idanha-a-Nova Estrutura Jovens Agricultores / Jovens Empresários Rurais Considerações

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal da AI da TTT (Margem Sul)

Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal da AI da TTT (Margem Sul) Plano de Mobilidade e Transportes Intermunicipal da AI da TTT (Margem Sul) 1ª Reunião da Comissão Executiva Museu Industrial do Barreiro 25 de junho 2012 27-06-2012 Área de Intervenção (AI) Concelho do

Leia mais

Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV

Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV IV JornadaS A coerência entre as várias políticas e instrumentos e o seu contributo para a coesão territorial Governação e Território: Conflitualidades e disfunções vistas através da imaginação do TGV

Leia mais

CONCEITO. Cada vez mais constatamos que a falta de tempo é um factor comum a muitas pessoas.

CONCEITO. Cada vez mais constatamos que a falta de tempo é um factor comum a muitas pessoas. CONCEITO Cada vez mais constatamos que a falta de tempo é um factor comum a muitas pessoas. Seja para tratar de questões pessoais, seja para realizar tarefas acessórias no âmbito profissional, o tempo

Leia mais

Percursos Curriculares Alternativos PCA Oferta Formativa 2015/2016

Percursos Curriculares Alternativos PCA Oferta Formativa 2015/2016 Distribuição da Oferta Formativa PCA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares DSR Concelho Unidade Orgânica 1º Ciclo 5º 6º 7º 8º 9º Algarve Faro Agrupamento de Escolas Tomás Cabreira 1 Algarve Faro

Leia mais