A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA"

Transcrição

1 A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA CORONEL JOAQUIM LEITÃO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL E SOCORRO REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS

2 A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA RISCOS NA CIDADE DE LISBOA 2

3 RISCOS NA CIDADE DE LISBOA Indicadores de enquadramento Área: 84,4 km 2 (2,8% da área da Região de Lisboa (NUTS II)) População Residente: habitantes (19,3% da população da Região de Lisboa) População Presente: habitantes (valor estimado entre as 09h00-18h00) (Dados geográficos CAOP 2011 e estatísticos preliminares dos Censos 2011) Densidade populacional: hab/km 2 (938 hab/km 2 na região de Lisboa) 3

4 RISCOS NA CIDADE DE LISBOA Situações de risco identificadas Situações Meteorológicas extremas/adversas; Inundações; Incêndio Urbano; Incêndio Florestal; Movimentos de massa em vertentes. Transporte e Armazenamento de Matérias Perigosas; Acidente Ferroviário, Rodoviário, Aéreo e/ou Fluvial; Danos graves em estruturas; Danos graves em túneis, pontes e outras infraestruturas; Situações Actos de sabotagem / Acções Terroristas / Desacatos e distúrbios de ordem pública; Epidémicas e / ou Pandemias; Sismo /Tsunamis. 4

5 RISCOS NA CIDADE DE LISBOA Vulnerabilidade a inundações Face ao historial das ocorrências de inundações, relacionando-o com as variáveis: efeito de maré directo, declive, grau de permeabilidade, atravessamento por linha água, localização em zona húmida, sob viaduto ou à entrada/saída de um túnel, junto à foz ou constrangimento da rede de saneamento, é possível definir o grau de susceptibilidade local 5

6 RISCOS NA CIDADE DE LISBOA Risco de incêndio florestal Parque Florestal de Monsanto (PFM) como única zona crítica concelhia (Portaria n.º 1056/2004, de 19/8), que designa por zonas críticas, as manchas onde se reconhece ser prioritária a aplicação de medidas mais rigorosas de defesa da floresta contra incêndios que apresentam, em função do seu valor económico, social e ecológico. 6

7 RISCOS NA CIDADE DE LISBOA Vulnerabilidade sísmica dos solos A Carta de Vulnerabilidade Sísmica dos Solos apresenta o zonamento da cidade de Lisboa de acordo com o comportamento que os níveis de terreno superficiais apresentam face à propagação das ondas sísmicas. 7

8 RISCOS NA CIDADE DE LISBOA Movimentos de massa em vertentes A susceptibilidade de ocorrência de movimentos de vertentes encontra-se associada a diversos factores, entre eles a natureza geológica das formações, a geomorfologia e a presença ou circulação de água. É um fenómeno relativamente frequente, em especial durante os períodos de maior pluviosidade, mas normalmente não adquire grande dimensão nem produzem danos avultados. 8

9 RISCOS NA CIDADE DE LISBOA Susceptibilidade da ocorrência de incêndios em Edifícios 9

10 A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO 10

11 Áreas de Intervenção Plano Municipal 11

12 Individual - Informação Pública - Formação e Treino Áreas de Intervenção - Escalões Etários - Públicos Alvo - Meio Comunicação Local - Comunidades e Grupos - Grupos idosos, Escuteiros - Bairros - Freguesias - Brigadas de Apoio Local Alfama - Planeamento Local Emergência Municipal - Plano Municipal Emergência - Planos Sectoriais - Planos Especiais Emergência - Sistemas de Aviso e Alerta - Reorganização do modelo de Resposta Operacional. - Plano Director Municipal (PDM) - Reforma Administrativa Lisboa - Documento Orientador e Estratégico - Alojamento, Mortuária, Obras Públicas, Comunicações. - Situações Meteorológicas adversas. - Risco Sísmico, Vagas Frio, Eventos. - Criação dos conceitos SALOC, CEPS e PSA. - Menos normativo, mais flexível e estratégico. - As 53 freguesias existentes dão origem a 24 freguesias. 12

13 Plano Individual Informação Pública 13

14 Projecto Crescer (na) Segurança ESTRATÉGIA DE INTERVENÇÃO Plano Individual Informação e Sensibilização Pública (Casa do Tinoni) Destinatários: alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico. Temas desenvolvidos: Segurança na rua e em espaços públicos Segurança em casa Sismos e comportamentos de autoprotecção Prevenção de incêndios e comportamentos de autoprotecção 14

15 Plano Individual Informação e Sensibilização Pública 15

16 Plano Individual Outras actividades - Sensibilização 16

17 Plano Individual Material Pedagógico e de Informação Pública 17

18 Plano Individual Material Pedagógico e de Informação Pública 18

19 Plano Individual Formação e Sensibilização Escolas Instituições de apoio a crianças e idosos - IPSSs, SCML e SSocial Juntas de Freguesia Serviços da CML Escuteiros PSP- Escola Segura Estrutura e domínios de actuação da Protecção Civil. Risco sísmico na cidade de Lisboa e os comportamentos de autoprotecção. O Fenómeno do fogo e os comportamentos de autoprotecção. Segurança na Escola. Plano de Emergência Interno. Prevenção de Acidentes com Crianças e Idosos. 19

20 Plano Individual Outras actividades - Formação dos Presidentes das Juntas de Freguesia 20

21 Plano Individual Outras actividades - Sensibilização Museu 21

22 Plano Individual Outras actividades - Sensibilização 22

23 Plano Individual Formação e Treino Treinar Procedimentos Treinar Comportamentos 23

24 Plano Local Voluntários de Protecção Civil Objectivo: Preparação dos residentes para actuação em caso de catástrofe. Numa situação de catástrofe, existe um período de tempo até à resposta organizada dos serviços de emergência. As capacidades de prevenir, de planear, de treinar e preparar respostas em situação de catástrofe são vitais em qualquer comunidade. 24

25 Plano Local Voluntários de Protecção Civil Missão No âmbito da prevenção: Identificação de riscos e vulnerabilidades. Identificação de locais de apoio à população. Levantamento de meios e recursos. No âmbito da emergência: Apoio no resgate e evacuação da população. Primeira avaliação de danos. Acolhimento nos pontos de encontro. Apoio Logístico. Primeiros Socorros. 25

26 Plano Local Voluntários de Protecção Civil Programa de Formação» Sistema de Protecção Civil;» Planeamento Local de Emergência;» Risco Sísmico: comportamentos de autoprotecção;» O Fenómeno do Fogo: comportamentos de autoprotecção;» Manuseamento de equipamentos de combate a incêndio;» Noções Básicas de Primeiros Socorros. 26

27 Plano Local Missão: Brigadas de Apoio Local Implementar medidas de segurança contra incêndio. em centros urbanos antigos. Incentivar a participação activa da população enquanto agentes de protecção civil. Sensibilizar e informar a população sobre as medidas de minimização do risco de incêndio. Entidades Envolvidas: Juntas de Freguesia. Regimento de Sapadores Bombeiros Departamento de Protecção Civil. (Voluntários de Protecção Civil) 27

28 Plano Local Planeamento Local de Emergência Estar Preparado! Numa situação de catástrofe, existe um período de tempo até à resposta organizada dos serviços de emergência. As capacidades de prevenir, de planear, de treinar e preparar respostas em situação de catástrofe são vitais em qualquer comunidade Saber agir faz diferença! 28

29 Plano Municipal Plano Municipal de Emergência O Plano Municipal de Emergência (PME) define a actuação do sistema municipal de protecção civil, em resposta à ocorrência de um acidente grave ou catástrofe que afecte a cidade de Lisboa, relativamente a: Responsabilidades; Organização; Conceito de operações. (em fase de revisão) 29

30 Outros Planos de Emergência O SMPC dispõe ainda de outros instrumentos de planeamento para fazer face a situações de risco/vulnerabilidade: Plano de emergência para o risco sísmico; Plano sectorial da mortuária; Plano Municipal Plano de contingência para a população de rua, perante onda de frio; Plano sectorial para o alojamento de emergência Planeamento em grandes eventos culturais, desportivos e religiosos: Rock in Rio Visita do Papa 30

31 OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO 31

Idosos preparados Idosos mais protegidos!

Idosos preparados Idosos mais protegidos! Programa Municipal de Sensibilização Idosos preparados Idosos mais protegidos! Serviço Municipal de Proteção Civil de Portimão Objetivos Sensibilizar a população sénior para os riscos coletivos Promover

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA EXPOSIÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA De 6 a 17 de Maio 2008 MUNICÍPIO DO SEIXAL CÂMARA MUNICIPAL PROTECÇÃO CIVIL MUNICIPAL É a actividade desenvolvida pelas autarquias locais, com a colaboração dos

Leia mais

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos Riscos Naturais e Protecção Civil 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos 1) Riscos naturais a. Erosão / Movimentos de vertente b. Cheias c. Sismos / Falhas geológicas 1) Plano Municipal

Leia mais

II Feira. Proteção Civil de Albufeira. Dia 18 e 19 março. 09h30 18h30. EMA Espaço Multiusos de Albufeira. Dia Internacional da Proteção Civil

II Feira. Proteção Civil de Albufeira. Dia 18 e 19 março. 09h30 18h30. EMA Espaço Multiusos de Albufeira. Dia Internacional da Proteção Civil Dia Internacional da Proteção Civil II Feira Proteção Civil de Albufeira EMA Espaço Multiusos de Albufeira Dia 18 e 19 março 09h30 18h30 Inscrições: www.cm-albufeira.pt Contatos: 289 570 789 ou 289 599

Leia mais

CARTOGRAFIA DE RISCO

CARTOGRAFIA DE RISCO CARTOGRAFIA DE RISCO Mapa de Perigosidade de Incêndio Florestal e Mapa de Risco de Incêndio Florestal A Carta de Risco de Incêndio Florestal tem como objetivo apoiar o planeamento de medidas de prevenção

Leia mais

Planeamento. Avaliação

Planeamento. Avaliação Planeamento e Avaliação Planeamento e Avaliação Definição de Planeamento Fases de Planeamento Plano vs Projecto Relatório O quê? PLANEAMENTO Planear uma actividade, evento ou projecto, significa responder

Leia mais

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1. Introdução... 7 2 2. Âmbito de Aplicação... 7 3. Objetivos Gerais... 8 4. Enquadramento Legal... 9 5. Antecedentes do processo de planeamento... 9 6.

Leia mais

DIRECÇÃO MUNICIPAL DE BOMBEIROS E PROTECÇÃO CIVIL SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL CHEIAS RIO DOURO. Plano Municipal Especial de Cheias V. N.

DIRECÇÃO MUNICIPAL DE BOMBEIROS E PROTECÇÃO CIVIL SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL CHEIAS RIO DOURO. Plano Municipal Especial de Cheias V. N. CHEIAS RIO DOURO Plano Municipal Especial de Cheias V. N. Gaia I CONGRESSO INTERNACIONAL DE RISCOS MAIO 2009 Salvador Almeida Carla Bastos Concelho V. N. Gaia - Plano Municipal Especial de Cheias - PMEC

Leia mais

Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º)

Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º) Emergência Acontecimento não planeado que pode causar mortes e danos significativos em Colaboradores, Clientes, Público e Infraestruturas da empresa. Poderá afectar temporariamente determinadas áreas da

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DE SETÚBAL PARA UMA COMUNIDADE MAIS RESILIENTE AOS RISCOS AMBIENTAIS

CONTRIBUIÇÃO DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DE SETÚBAL PARA UMA COMUNIDADE MAIS RESILIENTE AOS RISCOS AMBIENTAIS CONTRIBUIÇÃO DA ESTRUTURA ECOLÓGICA DE SETÚBAL PARA UMA COMUNIDADE MAIS RESILIENTE AOS RISCOS AMBIENTAIS CONTRIBUTION OF THE ECOLOGICAL STRUCTURE OF SETÚBAL TO A MORE RESILIENT COMMUNITY TOWARDS ENVIRONMENTAL

Leia mais

Seca Sismos Vulcões Tornados Vagas de frio/calor Tempestades Tsunamis Matérias perigosas Incêndios Florestais

Seca Sismos Vulcões Tornados Vagas de frio/calor Tempestades Tsunamis Matérias perigosas Incêndios Florestais As políticas de prevenção são demasiado importantes para serem deixadas apenas no domínio dos serviços públicos competentes. KOFI ANNAN 1999 Educação para o Risco O papel da ESCOLA na prevenção de Catástrofes

Leia mais

Protecção Civil. Quais os objetivos e domínios da Proteção Civil? Como está organizada a nível Nacional? Como se organiza a nível Municipal?

Protecção Civil. Quais os objetivos e domínios da Proteção Civil? Como está organizada a nível Nacional? Como se organiza a nível Municipal? Professor Doutor António Duarte Amaro / 2015 Protecção Civil Actividade desenvolvida pelo Estado, Regiões Autónomas e autarquias locais, pelos cidadãos e por todas as entidades públicas e privadas com

Leia mais

Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios ORGANIGRAMA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VISEU

Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios ORGANIGRAMA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VISEU Comissão Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios ORGANIGRAMA DA CÂMARA MUNICIPAL DE VISEU ESTRUTURA NUCLEAR EQUIPAS MULTIDISCIPLINARES ESQUEMA PROTEÇÃO CIVIL ESQUEMA PROTEÇÃO CIVIL 1 - Compete

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VILA NOVA DE GAIA. Setembro 2012 VERSÃO FINAL

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VILA NOVA DE GAIA. Setembro 2012 VERSÃO FINAL PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL Setembro 2012 VERSÃO FINAL ÍNDICE Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução... 1 2. Âmbito de aplicação... 1 3. Objectivos gerais... 3 4. Enquadramento

Leia mais

Riscos Naturais e Riscos Geológicos

Riscos Naturais e Riscos Geológicos Riscos Naturais e Riscos Geológicos mfcp@ist.utl.pt Manuel Francisco Costa Pereira Parte 1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO A. Noção de Risco B. Perigos Naturais/Geológicos C. Riscos Geológicos D. Exemplos de

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS

PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS PLANOS MUNICIPAIS DE EMERGÊNCIA PERGUNTAS E RESPOSTAS A. PROCEDIMENTOS 1. O que é um Plano Municipal de Emergência (PME)? Um plano municipal de emergência de protecção civil é um documento formal que define

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Castelo Branco

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Castelo Branco Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Castelo Branco Parte I Enquadramento Geral do Plano 2013 nquadramento Geral do Plano (Parte I) S e r v i ç o M u n i c i p a l d e P r o t e ç ã o C i

Leia mais

Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos

Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos LIGA DOS BOMBEIROS PORTUGUESES Seminário Área Metropolitana de Lisboa: Ambiente Urbano e Riscos Lisboa Vice presidente Conselho Executivo Rui Santos Silva ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Leia mais

,8 15,1 INE, Censos /2009-7,4-8,7

,8 15,1 INE, Censos /2009-7,4-8,7 TERRITÓRIO E DEMOGRAFIA 1. Área, km² 8543 1106,8 INE, Censos 2011 2. Área por freguesia, km² STª Maria Salvador Brinches Vila Verde de Ficalho Vila Nova S. Bento Pias Vale de Vargo 154,9 287,8 93,4 103,8

Leia mais

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos

União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos União das Freguesias de Aljustrel e Rio de Moinhos Regulamento Do Serviço Vamos até Si 2014. Regulamento do serviço Vamos Até Si 1 Regulamento do Serviço Vamos até Si Preâmbulo Vamos até si é um serviço

Leia mais

Indicadores para avaliação do PDM em vigor

Indicadores para avaliação do PDM em vigor para avaliação do PDM em vigor Primeiro Objectivo Desenvolver, Diversificar e Modernizar a base produtiva Segundo Objectivo Reforço das Acessibilidades Intra-concelhias e Promover o Desenvolvimento Equilibrado

Leia mais

Comando Distrital Operações Socorro Viana do Castelo. Grupo de Trabalho para Análise da Problemática dos Incêndios Florestais

Comando Distrital Operações Socorro Viana do Castelo. Grupo de Trabalho para Análise da Problemática dos Incêndios Florestais Comando Distrital Operações Socorro Viana do Castelo Grupo de Trabalho para Análise da Problemática dos Incêndios Florestais 12 Fevereiro 2014 o Distrito Concelho Habitantes Hab/Km 2 Área 10 Concelhos

Leia mais

Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil

Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil Objectivos da Protecção Civil Domínios de Actividade Planeamento de Soluções de Emergência Aumentar os níveis de

Leia mais

Frielas. Enquadramento no Concelho

Frielas. Enquadramento no Concelho Frielas de villa romana que atestava a sua importância estratégica e a qualidade das terras, todos os recantos de Frielas confirmam a transmissão de uma extensa herança material e imaterial Enquadramento

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS ( ) CADERNOI INFORMAÇÃO DE BASE. Índice

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS ( ) CADERNOI INFORMAÇÃO DE BASE. Índice Índice Análise biofísica e socioeconómica sumária, nos aspetos com relevância para a determinação do risco de incêndio ------------------------------------------------------------- 1 1. Caracterização

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Viana do Castelo

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Viana do Castelo 2011 Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Viana do Castelo Índice Parte I - Enquadramento geral do plano... 6 1. Introdução... 7 2. Âmbito de aplicação... 8 3. Objectivos gerais... 9 4.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FELGUEIRAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FELGUEIRAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE FELGUEIRAS Felgueiras /// Agosto 2010 INDICE GERAL Sumário Executivo... Homologação. viii ix Parte I Enquadramento geral do plano 1. Introdução. 11 2.

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Barcelos

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Barcelos Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Barcelos O Plano Municipal de Emergência de Barcelos, é um plano geral, elaborado para fazer face à generalidade das situações de emergência que possam

Leia mais

Informação útil sobre Angola

Informação útil sobre Angola adso Comunicação Informação útil sobre Angola Este documento e o seu conteúdo são da responsabilidade do autor. A ADSO disponibiliza-o como suporte de informação às potencialidades do mercado angolano.

Leia mais

Operação S.Ó.S Lisboa

Operação S.Ó.S Lisboa Operação S.Ó.S Lisboa Em 2011 o Regimento de Sapadores Bombeiros e o Serviço Municipal de Protecção Civil da Câmara Municipal de Lisboa receberam 1.511 chamadas de para ocorrências designadas por abertura

Leia mais

Migrações e coesão social:

Migrações e coesão social: Conferência Horizontes para uma Área Metropolitana de Lisboa inteligente, sustentável e inclusiva 4 5 Julho 2013 Migrações e coesão social: contexto AML Maria Lucinda Fonseca CEG/IGOT UL Contexto: dinâmicas

Leia mais

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias Núcleo de Riscos e Alerta Autoridade Nacional de Protecção Civil1 Lei de Bases da Protecção Civil (Lei 27/2006, de 3 de Julho): A protecção civil é

Leia mais

Dinis Ferreira. Gestão da Sustentabilidade da Reabilitação do Edificado: Vila de Alcochete

Dinis Ferreira. Gestão da Sustentabilidade da Reabilitação do Edificado: Vila de Alcochete Dinis Ferreira Gestão da Sustentabilidade da Reabilitação do Edificado: Vila de Alcochete Introdução Reabilitação e Sustentabilidade 2 conceitos relevantes na revitalização e crescimento do sector construção

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PLANO NACIONAL DIRECTOR DE IRRIGAÇÃO 1 Lisboa, Outubro de 2011 OBJECTIVOS - Contribuir para o desenvolvimento económico e social de Angola - Garantir a sustentabilidade

Leia mais

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007 Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º Abordagem presente Trabalho em curso Perspectiva futura Artigo 5.º Novos estabelecimentos

Leia mais

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL: O CASO DA AMADORA. Luís Carvalho

A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL: O CASO DA AMADORA. Luís Carvalho A CAMPANHA INTERNACIONAL CIDADES RESILIENTES: A IMPORTÂNCIA DO NÍVEL LOCAL: O CASO DA AMADORA Luís Carvalho ÍNDICE 1. EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO DAS ESTRUTURAS/ESTRATÉGIAS INTERNACIONAIS 2. CAMPANHA INTERNACIONAL

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil. Parte I Enquadramento Geral do Plano

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil. Parte I Enquadramento Geral do Plano Parte I Enquadramento Geral do Plano 13 1. Introdução O Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Oliveira de Azeméis (adiante designado abreviadamente por PMEPCOA) é um documento formal que

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 2008 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Apercebemo-nos também que os pedidos, na sua maioria, estão distanciados dos aglomerados existentes, sobrepondo-se a áreas florestais e de incultos.

Apercebemo-nos também que os pedidos, na sua maioria, estão distanciados dos aglomerados existentes, sobrepondo-se a áreas florestais e de incultos. 72 Paredes 0,47 PP Reduzida Incultos 73 Paredes 1,10 ME Reduzida Incultos 73-b Paredes 0,44 PP Reduzida Incultos 73-c Paredes 0,31 PP Reduzida Incultos 74 Chãos de Carvalheira 1,00 PP Reduzida Incultos

Leia mais

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios.

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios. CADERNO FICHA 8. PREVENÇÃO 8.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Seminário Rugby Juvenil

Seminário Rugby Juvenil Seminário Rugby Juvenil Lisboa, 29 Outubro 2005 Escola de Rugby Projecto Operacional Formar e competir, sem formação todos os projectos futuros serão postos em causa. Sem competição não poderá haver progresso

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil 2011 PROTECÇÃO CIVIL DA COVILHÃ INDICE GERAL Nota Introdutória...3 Parte I Enquadramento geral do Plano 1. Introdução...6 2. Âmbito de aplicação...6 3.

Leia mais

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos

Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil. Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais. Luís Cecílio Santos Encontro Técnico da Rede Temática Proteção Civil Organização dos Serviços Municipais de Proteção Civil- O caso de Cascais Luís Cecílio Santos SERVIÇO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL COM PRESIDENTE DA CÂMARA SERVIÇO

Leia mais

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5 Termos de Referência 1. Oportunidade da elaboração do Plano de Pormenor do Parque Empresarial para Novas Estratégias de Localização do Investimento O Plano Director Municipal de Penela, em processo de

Leia mais

0 1 2 Km MAPA DO ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO LIMITES ADMINISTRATIVOS ENQUADRAMENTO NACIONAL

0 1 2 Km MAPA DO ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO LIMITES ADMINISTRATIVOS ENQUADRAMENTO NACIONAL MAPA DO ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO DO ENQUADRAMENTO NACIONAL Portugal Limite de Distrito Monte Agraço Elaboração: 15 de Maio de 2012 Fonte(s): CAOP 2012 - IGP (2012) MAPA Nº 01 MAPA HIPSOMÉTRICO DO ALTITUDE

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012

XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 XIX CONGRESSO SOCIEDADE, TERRITÓRIO E AMBIENTE A INTERVENÇÃO DO ENGENHEIRO 19 e 20 de outubro de 2012 SOLO DO CONCELHO DE MAFRA - CONTRIBUTO DOS SIG PARA A SUSTENTABILIDADE 1. Introdução; 2. Necessidade

Leia mais

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã

Plano de Acção 2006/2007. Rede Social Concelho da Lourinhã Plano de Acção 2006/2007 Rede Social Concelho da Lourinhã E I X O I Intervenção Dirigida a Grupos Específicos EIXO I : INTERVENÇÃO DIRIGIDA A GRUPOS ESPECIFICOS OBJECTIVO GERAL: Até Dezembro de 2007 existem

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ESCOLARES ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DAS MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO RJ-SCIE Regime Jurídico de Segurança Contra Incêndio em Edifícios

Leia mais

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Seminário: A Ocupação Dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Universidade de Évora Évora 12 de Novembro de 2009 :00 Índice :01 :02 Definição

Leia mais

1 Enquadramento Geral do Plano

1 Enquadramento Geral do Plano 1 Enquadramento Geral do Plano 1.1 Introdução Em 1992 foi elaborado um Plano de Externo (PEE) para o Complexo Industrial do Concelho de Matosinhos. A entrada em vigor da Directiva Seveso II, em 2001, originou

Leia mais

ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS

ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS ACESSIBILIDADES ENTRE A A26 E CAMINHOS RURAIS 2014/02/21 Acessibilidades a caminhos rurais Levantamento fotográfico geográfico das condições de acessibilidade a caminhos rurais interrompidos e/ou danificados

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...8 1 INTRODUÇÃO...8 2 ÂMBITO

Leia mais

Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio

Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio Modelo de Análise para Adequação dos Meios Aéreos face ao Risco Potencial de Incêndio Relatório Preliminar Ficha Técnica Autoria: Rui Almeida Recolha de Elementos: Rui Almeida(SNBPC); Grafismo e Capa:

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

G E O R I S C O A N Á L I S E, G E S T Ã O E O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O

G E O R I S C O A N Á L I S E, G E S T Ã O E O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O G E O R I S C O A N Á L I S E, G E S T Ã O E O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D O R I S C O R E L A T Ó R I O COMPÓS I T O D O D E C Â M A R A D E L OBOS PÁGINA EM BRANCO i ÍNDICE GERAL ACRÓNIMOS... iii

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Oriental www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt

Leia mais

Taxa de variação da população residente ( ) (%) por Local de residência

Taxa de variação da população residente ( ) (%) por Local de residência Taxa de variação da população residente (1991-2001) (%) Taxa de variação da população residente (1991-2001) (%) por Local de residência [(População residente 2001 - População residente 1991)/ População

Leia mais

Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas

Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas CALDAS DA RAINHA - MAIO 2013 BREVE HISTÓRIA DO CONCELHO DE ODIVELAS A origem do nome: Lenda que perdura pelos séculos Ide vêlas senhor ; Odi palavra de origem árabe que significa curso de água e Velas

Leia mais

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Índice 1. Localização e Termos de referência 2. Eixos Estratégicos e Objetivos 3. Enquadramento legal 4. Diagnóstico 5. Proposta 6. Concertação

Leia mais

Acidentes Industriais Graves: Planear por necessidade vs necessidade de planear

Acidentes Industriais Graves: Planear por necessidade vs necessidade de planear Acidentes Industriais Graves: Planear por necessidade vs necessidade de planear Carlos Mendes, 24 MAI 2010 Planear por Necessidade vs Necessidade de Planear 1 - Planeamento de Soluções de Emergência Planeamento

Leia mais

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável 1992, Junho Na Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de

Leia mais

Conferência Reabilitação Urbana Competitividade e dinâmica das cidades

Conferência Reabilitação Urbana Competitividade e dinâmica das cidades Conferência Reabilitação Urbana Competitividade e dinâmica das cidades Reabilitação, arrendamento e sustentabilidade social Helena Roseta Assembleia da República Grupo Parlamentar do PSD 19.12.2011 A globalização

Leia mais

RISCOS CLIMÁTICOS EM PORTUGAL. UMA LEITURA GEOGRÁFICA. LÚCIO CUNHA

RISCOS CLIMÁTICOS EM PORTUGAL. UMA LEITURA GEOGRÁFICA. LÚCIO CUNHA RISCOS CLIMÁTICOS EM PORTUGAL. UMA LEITURA GEOGRÁFICA LÚCIO CUNHA luciogeo@ci.uc.pt ENQUADRAMENTO Riscos Climáticos diretos: - Secas - Ondas de calor e de frio - Tempestades - Geadas - Neve e formação

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO

Rede Social PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO PARTICIPADO PRÉ DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO CONCELHO DE FAFE Com este documento pretende-se, antes de mais, efectuar uma breve e sucinta caracterização do Concelho de Fafe seguido de

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

O Futuro das AHBV e o seu Financiamento. Carlos Rabaçal Vereador da Proteção Civil e Bombeiros da CM Setúbal (AHBV Sacavém 30/05/2015) 1

O Futuro das AHBV e o seu Financiamento. Carlos Rabaçal Vereador da Proteção Civil e Bombeiros da CM Setúbal (AHBV Sacavém 30/05/2015) 1 O Futuro das AHBV e o seu Financiamento Carlos Rabaçal Vereador da Proteção Civil e Bombeiros da CM Setúbal (AHBV Sacavém 30/05/2015) 1 O QUE INVESTIMOS NOS BOMBEIROS PROFISSIONAIS A Câmara Municipal de

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO N.º 15 / SI/ 2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador MP (Mérito do Projecto) é determinado através

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil PREÂMBULO A Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho, que aprova a Lei de Bases da Protecção Civil, bem como a Lei n.º 65/2007 de 12 de Novembro (que define o

Leia mais

CLIMADAPT.LOCAL ELABORAÇÃO DE 26 ESTRATÉGIAS DE ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

CLIMADAPT.LOCAL ELABORAÇÃO DE 26 ESTRATÉGIAS DE ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CLIMADAPT.LOCAL ELABORAÇÃO DE 26 ESTRATÉGIAS DE ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS LUÍS DIAS (CCIAM/CE3C/FCUL) SESSÃO NACIONAL DE DIVULGAÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE O PROGRAMA PARA O AMBIENTE E A AÇÃO CLIMÁTICA

Leia mais

Figura n.º1 Mapa do Distrito de Aveiro. Fonte:

Figura n.º1 Mapa do Distrito de Aveiro. Fonte: Figura n.º1 Mapa do Distrito de Aveiro Fonte: http://viajar.clix.pt/geo.php?d=10&1g=pt O concelho de Estarreja encontra-se situado na Região Centro do país, na Beira Litoral; constitui parte integrante

Leia mais

RIA DE AVEIRO UM TERRITÓRIO EM PERIGO contributos para uma gestão integrada do risco

RIA DE AVEIRO UM TERRITÓRIO EM PERIGO contributos para uma gestão integrada do risco RIA DE AVEIRO UM TERRITÓRIO EM PERIGO contributos para uma gestão integrada do risco FÁTIMA LOPES ALVES CELESTE ALVES COELHO EDUARDO OLIVEIRA BRUNO SILVEIRA LISA PINTO DE SOUSA contacto: malves@ua.pt Departamento

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio.

MEMÓRIA DESCRITIVA. A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio. MEMÓRIA DESCRITIVA Descrição e justificação da solução proposta A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio. A pretensão incide sobre um terreno propriedade do

Leia mais

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte Território Área total 122 km 2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012 Perímetro 65 km2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012

Leia mais

E L A B O R A C Ã O D O M A P A D E R U Í D O C O N C E L H O D O B A R R E I R O

E L A B O R A C Ã O D O M A P A D E R U Í D O C O N C E L H O D O B A R R E I R O E L A B O R A C Ã O D O M A P A D E R U Í D O C O N C E L H O D O B A R R E I R O RESUMO NÃO TÉCNICO MAIO DE 2010 Resumo Não Técnico do Mapa de Ruído do Concelho do Barreiro - Maio de 2010 Página 1 de

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO

MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO MAPA DE RUÍDO DO CONCELHO DE CELORICO DE BASTO RESUMO NÃO TÉCNICO Equipa Técnica do Mapa de Ruído: Miguel Lopes, Director do Laboratório; Fátima Valado, Responsável Técnica da Divisão Mapa de Ruído; Eduardo

Leia mais

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT http://consulta-protovt.inescporto.pt/ Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT PENICHE * 06 DE NOVEMBRO DE 2008 PROT: O QUE É É um instrumento de desenvolvimento territorial

Leia mais

VOLUME II Introdução e enquadramento

VOLUME II Introdução e enquadramento #$ VOLUME I RELATÓRIO SÍNTESE VOLUME II Introdução e enquadramento Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 - Enquadramento das Políticas e Instrumentos de Ordenamento Territorial VOLUME III PATRIMÓNIO NATURAL

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Índice Geral

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Índice Geral Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Município de Leiria, Junho de 2010 Índice Geral Parte I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 4 1. Introdução... 4 2. Âmbito de Aplicação... 5 3. Objectivos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL CIVIL DE MOURÃO DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MOURÃO

PLANO MUNICIPAL CIVIL DE MOURÃO DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MOURÃO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE MOURÃO CÂMARA MUNICIPAL DE MOURÃO PÁGINA 2 DE 160 ÍNDICE 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 5 1.1 INTRODUÇÃO... 5 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 5 1.3 OBJETIVOS

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Tabela n.º 7 Avaliação Pedidos de Alteração Cibões.

Tabela n.º 7 Avaliação Pedidos de Alteração Cibões. Figura n.º 42 Tabela n.º 7 Avaliação Pedidos de Alteração Cibões. Identificador Localização Dimensão (ha) Classificação Viabilidade Fundamentação infraestruturas 118 Cachamontes 0,21 PP Reduzida 119 Lama

Leia mais

Historial da Legislação Acústica em Portugal

Historial da Legislação Acústica em Portugal Ruído Historial da Legislação Acústica em Portugal Lei 11/87: Lei de Bases do Ambiente (em vigor) DL 251/87: 1º Regulamento Geral Sobre o Ruído Revogado pelo 292/200 (alterado pelos DL 76/2002, DL 259/2002

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO DE CONTINGÊNCIA SANJOANINAS 2009

SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO DE CONTINGÊNCIA SANJOANINAS 2009 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO DE CONTINGÊNCIA SANJOANINAS 2009 CONCELHO DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 19 a 28 de JUNHO DE 2009 1-INTRODUÇÃO As

Leia mais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009 ao funcionamento dos órgãos e serviços, podendo comportar esforço físico; Detém responsabilidade pelos equipamentos sob sua guarda e pela

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Évora, 9 de setembro de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo

Leia mais

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil Preâmbulo A Acção Social constitui uma das cinco áreas prioritárias de intervenção da Câmara Municipal de Ílhavo no mandato 2009/2013. Não obstante

Leia mais

Decreto-Lei Nº 147/2008, de 29 de Julho - Responsabilidade Ambiental AIP 6 de Maio de 2010

Decreto-Lei Nº 147/2008, de 29 de Julho - Responsabilidade Ambiental AIP 6 de Maio de 2010 Projecto Guia Sectorial Responsabilidade Ambiental Decreto-Lei Nº 147/2008, de 29 de Julho - Responsabilidade Ambiental AIP 6 de Maio de 2010 2 Motivação dos Trabalhos Estabelecer a metodologia básica

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Desportiva

Curso de Especialização em Gestão Desportiva Curso de Especialização em Gestão Desportiva Equipamentos e instalações desportivas Módulo 2 Calendário Dia 29 Mai Dia 4 Jun Dia 5 Jun 14-16h 16-18h 18-20h Normativas referentes às características das

Leia mais

FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA)

FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA) FACOL (ANTIGA FÁBRICA DE CORTIÇA DE LOUROSA) AJ AGUIAR COMERCIO GERAL LDA LOUROSA SANTA MARIA DA FEIRA AV. PRINCIPAL 300 - Artº 1248 1. Introdução O presente relatório solicitado por AJ AGUIAR COMERCIO

Leia mais

Pré-requisitos Formação ENB

Pré-requisitos Formação ENB rmação acesso carreira de Oficial Bombeiro ingresso na carreira de bombeiro ingresso carreira Oficial Bombeiro e Programa de FO-01-V Organização e Sistemas de Comando e Controlo (Eq. Organização Jurídica

Leia mais

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3

ÍNDICE. 1.1 Apresentação do Centro...2. 1.2 Direitos...2. 1.3 - Deveres...3. 1.4 - Organização...3 ÍNDICE I - 1.1 Apresentação do Centro...2 1.2 Direitos......2 1.3 - Deveres...3 1.4 - Organização...3 II Voluntariado 2.1 Apresentação do Voluntário...4 2.2 Perfil do Voluntário...5 2.3 Funções...6 2.4

Leia mais

Limpeza e Conservação de linhas de água Um Dever de Todos. ARH do Tejo, IP Bacia Hidrográfica do Tejo Dezembro de 2011

Limpeza e Conservação de linhas de água Um Dever de Todos. ARH do Tejo, IP Bacia Hidrográfica do Tejo Dezembro de 2011 Limpeza e Conservação de linhas de água Um Dever de Todos ARH do Tejo, IP Bacia Hidrográfica do Tejo Dezembro de 2011 Limpeza e Conservação de linhas de água Um Dever de Todos 1. Objectivos 2. A importância

Leia mais