Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Enquadramento Legal. Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º)"

Transcrição

1 Emergência Acontecimento não planeado que pode causar mortes e danos significativos em Colaboradores, Clientes, Público e Infraestruturas da empresa. Poderá afectar temporariamente determinadas áreas da empresa, causando prejuízos financeiros e uma imagem negativa da mesma.

2 Enquadramento Legal Obrigações do Empregador (Código do Trabalho, artigo 273.º) Estabelecer, em matéria de primeiros socorros, de combate a incêndios e de evacuação dos trabalhadores, as medidas que devem ser adoptadas e a identificação dos trabalhadores responsáveis pela sua aplicação, bem como assegurar os contactos necessários com as entidades exteriores competentes para realizar aquelas operações e as de emergência médica. Adoptar medidas e dar instruções que permitam aos trabalhadores, em caso de perigo grave e iminente que não possa ser evitado, cessar a sua actividade ou afastar-se imediatamente do local de trabalho, sem que possam retomar a actividade enquanto persistir esse perigo...

3 Plano de Emergência Definição e Objectivos Definição Documento que reúne as informações e estabelece os procedimentos que permitem organizar e empregar os recursos humanos e materiais disponíveis, em situação de emergência Objectivos Definir a estrutura organizativa dos meios humanos e materiais para fazer face a um acidente grave Estabelecer procedimentos para gerir uma eventual situação de emergência

4 PARTE 1 Gestão do PEI Constituição de um PEI Gestão do Plano de Emergência (promulgação, controlo de revisões, índice, lista de distribuição, glossário e siglas, etc.) PARTE 2 Implantação e Descrição do Estabelecimento Enquadramento Geográfico Acessibilidades Caracterização das actividades e ocupações Identificação e avaliação dos riscos Identificação de Zonas de Risco, Pontos Críticos e Nevrálgicos Localização e caracterização das substâncias perigosas;

5 Constituição de um PEI PARTE 3 Organização da Intervenção Estrutura Operacional e Responsabilidades em Emergência Plano de Evacuação Alarme e Alerta Instruções e Procedimentos de Actuação Comunicações ANEXOS Plantas (Emergência; Linhas e Redes; Acessibilidades, Zonas de riscos, etc.) Contactos de Emergência (Internos e Externos) Fichas de Dados de Segurança

6 Fases CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ACTIVIDADES INFRAESTRUTURAS AVALIAÇÃO DE RISCOS ZONAS DE RISCO PONTOS CRÍTICOS PONTOS NEVRÁLGICOS AVALIAÇÃO, ANÁLISE E MELHORIA ANÁLISE DOS SIMULACROS AVALIAÇÃO DA OPERACIONALIDADE E EFICÁCIA DOS RECURSOS MATERIAIS MELHORIA GESTÃO DE RECURSOS RECURSOS (Humanos e Materiais) NECESSIDADES FORMAÇÃO E COMPETÊNCIAS INFRAESTRUTURAS ORGANIZAÇÃO DA EMERGÊNCIA DEFINIÇÃO DAS ACTUAÇÕES PARA EMERGÊNCIA IMPLEMENTAÇÃO DO PEI REALIZAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO REALIZAÇÃO DE SIMULACROS FUNCIONALIDADE DOS MEIOS E EQUIPAMENTOS P/ EMERGÊNCIA

7 Estrutura Operacional RESP. EMPRESA COORDENAÇÃO EMERGÊNCIA FORÇAS EXTERNAS EMERGÊNCIA VIGILANTES RESP. SECÇÃO 1ª INTERVENÇÃO MANUTENÇÃO BRIGADISTAS SOCORRISTAS

8 Implementação do PEI Elaboração do PEI Planeamento Pressupostos Recursos Humanos Meios Materiais Outros Estrutura Operacional necessidades de RH Necessidades de formação Plano de formação Necessidades de meios adicionais de acordo com as funções a desempenhar: intervenção, primeiros socorros, etc. Guias Manuais Plantas Instruções Formação Simulacros Implementação

9 Pressupostos Assegurar a implementação dos seguintes pressupostos: Sinalização de Segurança (meios e evacuação) Iluminação de Emergência Acessibilidade e desobstrução dos percursos e saídas de evacuação Plantas de Emergência Meios de Detecção e Alarme Meios de Intervenção (extintores, bocas de incêndio,...) Meios de Comunicação...

10 Princípios de Actuação Vigilantes Alarme Contactar Bombeiros ALARME Activação do PEI Coordenação Emergência Resp. Secções Equipas de Manutenção emergência Brigadas/Socorristas Coordenar as acções de emergência Decidir evacuação e fim da emergência Coordenar equipas de emergência Assegurar evacuação BOMBEIROS

11 Exercícios de Emergência - Simulacros Escolha do tipo de exercício / simulacro; Elaboração do guião de emergência; Levantamento dos recursos necessários para o exercício; Constituição das equipas de observadores; Realização do exercício / simulacro; Elaboração do relatório: Plano de acções de melhoria

12 Melhoria do Plano de Emergência Elaboração / Revisão do PEI Organização e responsabilidades Formação Treino / Simulacro Plano de Acções

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA EXPOSIÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA De 6 a 17 de Maio 2008 MUNICÍPIO DO SEIXAL CÂMARA MUNICIPAL PROTECÇÃO CIVIL MUNICIPAL É a actividade desenvolvida pelas autarquias locais, com a colaboração dos

Leia mais

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares

Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares Título 1 Projecto de SCIE e medidas de autoprotecção em lares de idosos e edifícios hospitalares 2 Sumário Breve caracterização do risco de incêndio Medidas de segurança de natureza física Projecto de

Leia mais

Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas

Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Informação a comunicar ao público sobre estabelecimento abrangido pelo regime de prevenção de acidentes graves que envolvem substâncias perigosas Porquê ler este documento? Terminal da Trafaria OZ Energia

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 PLANO DE EMERGÊNCIA S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 ÍNDICE Introdução 1 Contactos em caso de emergência.2 Ficha de caracterização da Escola Identificação do estabelecimento de ensino.3 Caracterização

Leia mais

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho

Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho Decreto do Governo n.º 1/85 Convenção n.º 155, relativa à segurança, à saúde dos trabalhadores e ao ambiente de trabalho O Governo, cumprido o disposto nos artigos 4.º e seguintes da Lei n.º 16/79, de

Leia mais

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro)

Regime Jurídico de SCIE (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de novembro) Regulamento Técnico de SCIE (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de dezembro) OBJETIVO Especificar as características e os requisitos para a elaboração de considerando estes como a associação dos Registos de Segurança, do Plano de Prevenção (ou Procedimentos de Prevenção) e do Plano

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

Instruções. Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST):

Instruções. Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST): Instruções Passos para a elaboração de uma análise custo-benefíco de um investimento em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (SH&ST): 1º Ler integralmente a folha "Instruções" Antes do preenchimento

Leia mais

1 Enquadramento Geral do Plano

1 Enquadramento Geral do Plano 1 Enquadramento Geral do Plano 1.1 Introdução Em 1992 foi elaborado um Plano de Externo (PEE) para o Complexo Industrial do Concelho de Matosinhos. A entrada em vigor da Directiva Seveso II, em 2001, originou

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO (Aprovado na 8ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal realizada em 17 de Dezembro de 1999 e na 1ª Reunião Extraordinária de Assembleia

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da sua missão, deverá

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO NA CMS. Barreiro, 05 de Maio de 2009

ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE DO TRABALHO NA CMS. Barreiro, 05 de Maio de 2009 ORGANIZAÇÃO DAS ACTIVIDADES HIGIENE E SAÚDE NA CMS Barreiro, 05 de Maio de 2009 Objectivos: Apresentar a organização interna de SHST da CMS Apresentar a experiência da CMS na organização e gestão das actividades

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 2008 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos C ONTROLO DO D OCUMENTO Ref.ª: REG-6/2010 Versão: V2 Data: 24/10/2011 Aprovado por: João Roquette Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos Capítulo I Disposições Gerais Artº 1º Objecto O presente

Leia mais

Regulamento Zelador da Cidade

Regulamento Zelador da Cidade Regulamento Zelador da Cidade Artigo 1º - Âmbito O presente normativo visa estabelecer as linhas orientadoras do grupo de voluntariado denominado Zelador da Cidade, o qual tem como entidade promotora a

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Saúde Móvel 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Saúde Móvel Promotor(es): Médicos do Mundo Sigla Saúde Móvel Morada Avenida de Ceuta (Sul), Lote

Leia mais

Plano de Contingência APPACDM de Elvas

Plano de Contingência APPACDM de Elvas Plano de Contingência APPACDM de, Setembro 2009 Índice: 1. Introdução 1 2. Objectivos e Âmbito de aplicação 2 3. Políticas e Princípios 3 4. Pressupostos 4 5. Activação do Plano 5 6. Plano de Contingência

Leia mais

Plano de Contingência UCP

Plano de Contingência UCP Universidade Católica Portuguesa Plano de Contingência UCP Lisboa Sede Campus de Sintra Residência Universitária Feminina Pandemia de Gripe A (H1N1) Lisboa-Versão02-28 Setembro 09 Índice 1. LISTA DE SIGLAS

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Florência Loureiro Setembro de 09 Pág. 1 de 11 INDICE 1 -Introdução. 2.-Caracterização do Municipio de Mondim de Basto 3.-Caracterização dos Empreendimentos 3.1-Princípios

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos Plano de Prevenção e Emergência Jardim de Infância Unidinhos Jorge Carvalho 6/2/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 OBJECTIVOS... 4 Razões:... 4 Objectivos Gerais:... 4 Objectivos Específicos:... 5 PLANO DE PREVENÇÃO...

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA

DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA DECLARAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL PROJECTO VARIANTE Á EN249-4 ENTRE O NÓ DA A5 (IC15) E A ABRUNHEIRA (Estudo Prévio) I. Tendo por base o Parecer Final da Comissão de Avaliação (CA), as Conclusões da Consulta

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009

RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRIGADA MILITAR CORPO DE BOMBEIROS RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009 Treinamento de Prevenção e Combate a Incêndios Apresentação: 1º Sgt Vanderlei Rodrigues Nunes NBR 14276/2006 -

Leia mais

Presidência da República Secretaria -Geral

Presidência da República Secretaria -Geral PLANO DE SEGURANÇA (versão simplificada para utilizadores) 1 1. Introdução Um Plano de Segurança é definido como um conjunto de medidas de autoprotecção (organização e procedimentos) tendentes a evitar

Leia mais

Manual de identidade Programa Operacional de Assistência Técnica Fundo Social Europeu

Manual de identidade Programa Operacional de Assistência Técnica Fundo Social Europeu Manual de identidade Programa Operacional de Assistência Técnica Fundo Social Europeu nota prévia Este manual tem o objectivo de contribuir para uma coerente e eficaz comunicação da identidade POAT FSE

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010)

SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010) SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Art.º 22.º do Regulamento de Estágio, publicado no Diário da República de 9 de Fevereiro de 2010) 1 SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO (Artigo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

Laboratórios das escolas portuguesas longe de respeitarem todas as regras de segurança. Equipamento e materiais aquém das necessidades.

Laboratórios das escolas portuguesas longe de respeitarem todas as regras de segurança. Equipamento e materiais aquém das necessidades. Sindicato dos Professores da Região Centro wwwsprcpt CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO E QUALIDADE DO INVESTIMENTO DO GOVERNO EM LABORATÓRIOS ESCOLARES Laboratórios das escolas portuguesas longe de respeitarem

Leia mais

FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS. 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento. 1.7. Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida

FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS. 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento. 1.7. Acesso a Estruturas e Instalador de Linhas de Vida FORMAÇÃO 2013/ 2014 1. ACESSO A ESTRUTURAS 1.1. Acesso a Estruturas 1.2. Acesso a Estruturas c/ Resgate e Salvamento 1.3. Verificação de Acesso a Estruturas 1.4. Acesso a Espaços Confinados 1.5. Instaladores

Leia mais

I CORRIDA SOLIDÁRIA CALDELAS COM VIDA REGULAMENTO

I CORRIDA SOLIDÁRIA CALDELAS COM VIDA REGULAMENTO I CORRIDA SOLIDÁRIA CALDELAS COM VIDA REGULAMENTO REGULAMENTO Artigo 1º OBJECTO 1. A equipa Os Conquistadores inseridos no Projeto Um dia pela Vida em parceria com a Liga Portuguesa Contra o Cancro e diversas

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

O Novo Posicionamento do Departamento de Segurança na Banca. Margarida Mota

O Novo Posicionamento do Departamento de Segurança na Banca. Margarida Mota Margarida Mota 1 Índice 1. Fórum de Segurança Bancária 2. Enquadramento Legal - Actividade de Segurança Privada na Banca 3. Medidas de Segurança Específicas Obrigatórias 4. Departamento de Segurança -

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 176 10 de Setembro de 2009 6167 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho A Assembleia da

Leia mais

Regulamento do Nadador Salvador. Preâmbulo

Regulamento do Nadador Salvador. Preâmbulo Regulamento do Nadador Salvador Preâmbulo Actualmente tem-se assistido a um acréscimo de utentes ás zonas balneares, inclusivamente a parques de diversões que possuem areas destinadas a banhos. As necessidades

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 11 Guia para a Elaboração de Planos Prévios de Intervenção Conceito e Organização EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2009 02 Cadernos Técnicos PROCIV #11

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 9º Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 1. O Grupo Salvador Caetano 2. A Responsabilidade Social e a SHST 3. Política de SHST 4. Estrutura de SHST 5. Responsabilidades e Responsáveis

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 090 BRIC- LX 1 Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010

GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS. José Silva Carvalho 09.04.2010 GESTÃO DO RISCO NO TRANSPORTE DE MERCADORIAS PERIGOSAS José Silva Carvalho 09.04.2010 Uma abordagem qualitativa Enquadramento do Acordo Europeu Relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE CASTRO DAIRE PARTE I, II, III, IV (Secção I) PARTE PÚBLICA Setembro de 2010 INDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 2 1. INTRODUÇÃO...2

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Trabalhador Designado Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação

Leia mais

INFORMAÇÃO A COMUNICAR AO PÚBLICO NO ÂMBITO DA DIRETIVA SEVESO

INFORMAÇÃO A COMUNICAR AO PÚBLICO NO ÂMBITO DA DIRETIVA SEVESO NO ÂMBITO DA DIRETIVA SEVESO DESIGNAÇÃO DO ESTABELECIMENTO: SIGÁS - Armazenagem de Gás, ACE A atualização deste documento apenas é garantida através do SIAQS. Salvo indicação em contrário, qualquer cópia

Leia mais

EXERCÍCIO LIVEX RODOLIZ

EXERCÍCIO LIVEX RODOLIZ Planeamento de Emergência Protecção Civil 3º Ano - 1º Semestre 2009/10 EXERCÍCIO LIVEX RODOLIZ Docente: Discentes: Manuel João Morais Ribeiro Armando João Ferreira de Sousa Aluno n.º 2070778 Filipe Augusto

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNA DA CHEMETALL S.A. SUCURSAL EM PORTUGAL

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNA DA CHEMETALL S.A. SUCURSAL EM PORTUGAL PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNA DA CHEMETALL S.A. SUCURSAL EM PORTUGAL Parte I - ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1. Introdução a. O Plano de Emergência Externo CHEMETALL, adiante designado PEECH, é um plano

Leia mais

Esta página disponibiliza conselhos sobre o modo como reduzir os riscos de incêndio no local de trabalho e informações sobre

Esta página disponibiliza conselhos sobre o modo como reduzir os riscos de incêndio no local de trabalho e informações sobre Incêndio Todos são responsáveis pela segurança contra incêndios. Esta página disponibiliza conselhos sobre o modo como reduzir os riscos de incêndio no local de trabalho e informações sobre os deveres

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do Diploma: Ministérios das Finanças e da Administração Pública, do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural

Leia mais

INTRODUÇÃO. data: objectivo: 14 de Setembro de 2007

INTRODUÇÃO. data: objectivo: 14 de Setembro de 2007 GESTÃO DE PÚBLICO INTRODUÇÃO data: 14 de Setembro de 2007 objectivo: sensibilizar para a importância da área de gestão de público, no contexto global da produção de eventos. ÍNDICE Conceitos Realização

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VILA NOVA DE GAIA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VILA NOVA DE GAIA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA PARTE NÃO RESERVADA Jun. 2010 VERSÃO 3 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN

Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN 27 de maio de 2014 Higiene e Segurança nos Laboratórios do DAN Anabela Coelho e Carla Mota Encontros com Ciência do DAN Agenda Estagiários (manuais de acolhimento) Laboratório Química Laboratório Microbiologia

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJECTO TECNOLÓGICO DENATURAL

RELATÓRIO FINAL DO PROJECTO TECNOLÓGICO DENATURAL 13 de Junho de 2011 12º G RELATÓRIO FINAL DO PROJECTO TECNOLÓGICO DENATURAL Professor responsável: - André Ramos Realizado por: - Ana Silvestre - Natacha Domingos - Nicolau Cardoso - Priscila Domingos

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA

2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DAS AÇÕES DE RESPOSTA Neste capítulo consta a estrutura organizacional de resposta aos incidentes a fim de atender a cada cenário

Leia mais

GUIAS DA MONTANHA DO PICO Parque Natural da ilha do Pico. Programa do Curso 15 Maio 2015

GUIAS DA MONTANHA DO PICO Parque Natural da ilha do Pico. Programa do Curso 15 Maio 2015 GUIAS DA MONTANHA DO PICO Parque Natural da ilha do Pico Programa do Curso 15 Maio 2015 1. Introdução e objectivos A Direcção Regional do Ambiente em parceria com o Turismo dos Açores promove o curso de

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

OFERTA FORMATIVA APRESENTAÇÃO 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS:

OFERTA FORMATIVA APRESENTAÇÃO 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS: APRESENTAÇÃO OFERTA FORMATIVA 1 FORMAÇÃO INTEREMPRESAS Á REA DA SEGURANÇ A CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS - TÉCNICOS: Curso de Segurança contra Incêndio em Edifícios (SCIE): Aplicação da Regulamentação em

Leia mais

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO Título Página Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução 4 2. Âmbito de Aplicação 5 3. Objectivos Gerais 5 4. Enquadramento Legal 6 5. Antecedentes do processo de planeamento 6 6. Articulação com

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 08 Complementar do Regime Jurídico de SCIE RESUMO Definir o tempo de resposta exigido ao socorro e os meios humanos e materiais adequados ao combate a incêndios (grau de prontidão), para

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/5 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora Pág.2/5 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade: Segurévora

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA?

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? INDICE - Enquadramento legislativo PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? - Princípios Gerais da Prevenção - Orientações da directiva estaleiros - O custo dos acidentes - Análise de riscos das

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11

ÍNDICE. Introdução 2. Deficientes mentais 3. Deficientes mentais reabilitados 5. Doentes crónicos 7. Deficientes motores 9. Deficientes visuais 11 - 1 - ÍNDICE Introdução 2 Deficientes mentais 3 Deficientes mentais reabilitados 5 Doentes crónicos 7 Deficientes motores 9 Deficientes visuais 11 Deficientes auditivos 13 Apresentação do Grupo de Trabalho

Leia mais

Regulamento do 3º Passeio de BTT WÜRTH Sintra

Regulamento do 3º Passeio de BTT WÜRTH Sintra Regulamento do 3º Passeio de BTT WÜRTH Sintra Artigo 1º (Âmbito) 1.1. O presente regulamento aplica-se ao evento desportivo 3º Passeio de BTT WÜRTH Sintra de caráter não competitivo, que irá realizar-se

Leia mais

A Nova Norma OHSAS 18001:2007. Ana Bernardo Quality Supervisor

A Nova Norma OHSAS 18001:2007. Ana Bernardo Quality Supervisor A Nova Norma OHSAS 18001:2007 TNT Express Worldwide Portugal Ana Bernardo Quality Supervisor Estrutura da Apresentação Apresentação da TNT Estrutura e Objectivos do Departamento Qualidade KPI s de Saúde

Leia mais

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente.

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. OBJECTIVOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. A Gestão da Segurança foca o indivíduo, o colaborador; Tem como objectivo a sua protecção

Leia mais

Plano de Promoção do Desempenho Ambiental. Gestão Ambiental. Sonorgás Sociedade de Gás do Norte, SA. 13 de Julho de 2010. Eng.

Plano de Promoção do Desempenho Ambiental. Gestão Ambiental. Sonorgás Sociedade de Gás do Norte, SA. 13 de Julho de 2010. Eng. Plano de Promoção do Desempenho Ambiental Gestão Ambiental 13 de Julho de 2010 Eng.º Joaquim Sá Conteúdo Apresentação da Empresa O PPDA da Sonorgás Benefícios Apresentação da Empresa 1994 Constituição

Leia mais

Construção e Energias Renováveis. Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Construção e Energias Renováveis. Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Construção e Energias Renováveis Volume III Energia Eólica (parte 3) um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1) v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração Este documento contém: Metodologia de elaboração

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular FINANÇAS

Leia mais

Cursos de Primeiros Socorros Inscrições Particulares

Cursos de Primeiros Socorros Inscrições Particulares Rua dos Douradores, 106-118 1100-207 LISBOA tel. 218 459 440 fax 218 459 458 eso.geral@cruzvermelha.org.pt Cursos de Primeiros Socorros 01 Abril 2012 Encontre a Delegação Local CVP mais próxima: www.cruzvermelha.pt

Leia mais

Higiene do Trabalho. José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira. marques@uma.

Higiene do Trabalho. José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira. marques@uma. Higiene do Trabalho José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira Uma 2004 marques@uma.pt http://www.uma.pt/jcmarques Plano Princípios Plano / bibliografia

Leia mais

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais