Finanças Municipais 2011 alguns indicadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Finanças Municipais 2011 alguns indicadores"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO DELEGAÇÃO SUB REGIONAL DO VALE DO TEJO Finanças Municipais 2011 alguns indicadores Região de Lisboa e Vale do Tejo Junho

2 Índice 1 Introdução Receitas municipais Estruturação das receitas totais municipais Receitas próprias versus outros financiamentos Receitas próprias Outros financiamentos Despesas municipais Estruturação das despesas totais municipais Despesas de funcionamento Serviço da dívida Investimento Municipal Conclusão

3 Finanças Municipais 2011 alguns indicadores 1 Introdução Este trabalho tem por objetivo evidenciar alguns indicadores de finanças municipais 2011, para a área de atuação da Região de Lisboa e Vale do Tejo (52 municípios), caraterizando se a receita e a despesa, na óptica orçamental, ao nível das NUTS III: Grande Lisboa (9 municípios), Península de Setúbal (9 municípios), Lezíria do Tejo (11 municípios), Médio Tejo (11 municípios) e Oeste (12 municípios). 1 Para o efeito recorreu se à informação disponível no site da DGAL tendo se consultado a Base de Dados da DGAL Sistema Integrado de Informação das Autarquias Locais (SIIAL), nomeadamente mapas de Controlo Orçamental da Receita (coluna receitas cobradas brutas) bem como mapas Controlo Orçamental da Despesa (coluna despesas pagas) das Prestações de Contas 2011, informação introduzida pelos municípios da RLVT na respetiva aplicação. A população e a área de um município surgem habitualmente como duas importantes variáveis associadas à receita e despesa municipal sendo, por conseguinte, tidas em conta nesta análise, tanto mais que apoiam a diminuição de possíveis enviesamentos que decorrem da análise feita unicamente com base em valores absolutos. RLVT GL PS LT MT O Área (km2) População (nº hab) Fonte: População: INE resultados definitivos Censos 2011; Fonte: Área: Carta Administrativa Oficial de Portugal 2012 valores convertidos de ha para Km2 1 GRANDE LISBOA: Amadora, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Odivelas, Oeiras, Sintra, Vila Franca de Xira MÉDIO TEJO: Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas, Vila Nova da Barquinha LEZÍRIA DO TEJO: Almeirim, Alpiarça, Azambuja, Benavente, Cartaxo, Chamusca, Coruche, Golegã, Rio Maior, Salvaterra de Magos, Santarém PENÍNSULA DE SETUBAL: Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal OESTE: Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Nazaré, Óbidos, Peniche, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras 3

4 2 Receitas municipais 2.1 Estruturação das receitas totais municipais Estrutura da receita total municipal ( ) RLVT GL PS LT MT O Receitas fiscais , , , , , ,18 Taxas, rendimentos, bens e serviços Transferências (Fundos municipais, outras) Venda de bens de investimento , , , , , , , , , , , , , , , , , ,88 Ativos financeiros , , , , , ,30 Passivos financeiros , , , , , ,19 Outras receitas , , , , , ,60 Total Receitas , , , , , ,40 Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir do relatório mapa de Controlo Orçamental da Receita Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita 4

5 Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita 5

6 RLVT Capitação das receitas totais dos municípios, por NUTS III, 2011 ( /hab) RLVT GL PS LT MT O Receitas fiscais Taxas, rendimentos, bens e serviços Transferências (fundos municipais, outras) Venda de bens de investimento Ativos financeiros Passivos financeiros Outras receitas Total Receitas Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir do relatório mapa de Controlo Orçamental da Receita Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir do relatório mapa de Controlo Orçamental da Receita 6

7 2.2 Receitas próprias versus outros financiamentos Receitas próprias As receitas próprias dos municípios englobam os recursos financeiros que os mesmos podem arrecadar, decorrendo das receitas cobradas localmente. Ao total de receitas cobradas são assim deduzidas as transferências, correntes e de capital, bem como os empréstimos contraídos. Receitas próprias dos municípios, por NUTS III, 2011 ( ) RLVT GL PS LT MT O Impostos diretos , , , , , ,99 Impostos , , , , , ,19 indiretos Taxas, , , , , , ,33 rendimentos, bens e serviços Outras receitas , , , , , ,78 Total receitas próprias , , , , , ,29 Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita 7

8 Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita 8

9 2.2.2 Outros financiamentos Para além das receitas próprias, os municípios dispõem ainda das transferências do Orçamento do Estado, podendo aceder aos fundos comunitários ou recorrer à contração de empréstimos junto da banca. Receitas Municipais Outros financiamentos, por NUTS III, 2011 ( ) RLVT GL PS LT MT O Transferências do Estado , , , , , ,27 Participação comunitária em projetos cofinanciados , , , , , ,63 Passivos financeiros , , , , , ,19 Outras transferências , , , , , ,02 Total outros financiamentos , , , , , ,11 Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita 9

10 Fonte: Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita Fonte: DGAL (SIIAL) informação produzida a partir dos relatórios mapas de Controlo Orçamental da Receita 10

11 3 Despesas municipais 3.1 Estruturação das despesas totais municipais Despesas com o pessoal Aquisição de bens e serviços Aquisição de bens de capital Transferências e subsídios RLVT Estrutura das despesas totais municipais ( ) RLVT GL PS LT MT O , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,14 Serviço da dívida , , , , , ,35 Ativos financeiros , , , , ,90 Outras despesas , , , , , ,95 Total despesas , , , , , ,47 11

12 12

13 RLVT Capitação das despesas totais dos municípios por NUTS III, 2011 ( /hab) RLVT GL PS LT MT O Pessoal Aquisição de bens e serviços Aquisição de bens de capital (investimento e outros) Transferências e subsídios Serviço da dívida Ativos financeiros Outras despesas Total despesas

14 3.2 Despesas de funcionamento As despesas de funcionamento correspondem às despesas consideradas como essenciais para o funcionamento de um município, tendo sido calculadas com base na despesa corrente, à qual foi retirada a despesa efetuada com encargos financeiros que constituem uma despesa de financiamento. RLVT Despesas de funcionamento dos municípios, por NUTS III, 2011 ( ) RLVT GL PS LT MT O Despesas com o pessoal , , , , , ,06 Aquisição de bens e serviços Transferências correntes e subsídios Outras despesas correntes Total despesas funcionamento , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,38 14

15 15

16 3.3 Serviço da dívida As despesas com o serviço da dívida reportam ao conjunto das despesas com encargos financeiros (juros) e passivos financeiros (amortizações de capital) relativas a empréstimos de curto, médio e longo prazo. RLVT Serviço de dívida municipal, por NUTS III, 2011 ( ) RLVT GL PS LT MT O Juros e outros encargos , , , , , ,70 Passivos financeiros , , , , , ,65 Total , , , , , ,35 16

17 17

18 3.4 Investimento Municipal Na análise do investimento municipal recorreu se às rubricas do classificador económico aprovado pelo POCAL. Atente se que o investimento apurado através da prestação de contas dos municípios não reflete a totalidade dos investimentos realizados pelos mesmos. Isto porque não inclui obras realizadas por administração direta, o que em certos municípios representa investimentos substanciais por parte das câmaras e também não inclui investimentos realizados pelas freguesias ao abrigo de protocolos firmados entre estas e os municípios. Com efeito, estes últimos investimentos são contabilizados como transferências de capital dos municípios. RLVT Investimento municipal por NUTS TTT (2011) ( ) RLVT GL PS LT MT O Terrenos , , , , , ,25 Habitações , , , , , ,36 Instalações de serviços , , , , , ,08 Instalações desportivas e recreativas , , , , , ,10 Mercados e instalações de fiscalização sanitária , , , , , ,85 Creches , , , , , ,95 Escolas , , , , , ,74 Viadutos, arruamentos e obras complementares , , , , , ,14 Sistemas de drenagem e , , , , , ,37 tratamento de águas residuais Iluminação Pública , , , , , ,13 Parques e Jardins , , , , , ,86 Captação e distribuição de água , , , , , ,95 Viação rural , , , ,42 Sinalização e trânsito , , , , , ,23 Infraestruturas para distribuição de energia elétrica , , , , , ,59 Infraestruturas para , , , , , ,57 tratamento e recolha de resíduos sólidos Cemitérios , , , , , ,54 Outros , , , , , ,13 Total investimento , , , , , ,26 18

19 19

20 20

21 21

22 22

23 4 Conclusão Este trabalho desenvolve uma breve caraterização das finanças municipais para a Região de Lisboa e Vale do Tejo, incindindo a sua análise sobre as NUTS III da área de atuação da CCDRLVT, respetivamente: Grande Lisboa, Península de Setúbal, Lezíria do Tejo, Médio Tejo e Oeste, reportada à prestação de contas dos municípios para Revelando se um trabalho introdutório as finanças municipais são abordadas apenas numa óptica orçamental, não patrimonial, não se apresentando também uma análise evolutiva poderá perspetivar um futuro estudo, melhor caraterizador das finanças municipais para a RLVT. 23

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI 1 15 de Maio de 2013 Auditório

Leia mais

Rede Oferta de Cursos Profissionais Ciclo de Formação 2012-2015. Concelho Escola/Entidade Formadora Curso 1.º Ano

Rede Oferta de Cursos Profissionais Ciclo de Formação 2012-2015. Concelho Escola/Entidade Formadora Curso 1.º Ano Abrantes AE Dr. Manuel Fernandes Técnico de Energias Renováveis x 1 Abrantes EP Desenvolvimento Rural de Abrantes Técnico de Gestão Equina x 1 Abrantes EP Desenvolvimento Rural de Abrantes Técnico de Processamento

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT 1001415 Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de D. Inês de Castro de Alcobaça Alcobaça Leiria 1001811 Escola Básica do 2º e 3º Ciclos com Secundária de D. Pedro I Escolas D. Pedro I Alcobaça

Leia mais

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001

Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 26 de Setembro de 2003 Movimentos Pendulares e Organização do Território Metropolitano: Área Metropolitana de Lisboa e Área Metropolitana do Porto, 1991-2001 PORTUGAL A análise dos movimentos pendulares

Leia mais

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001

MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Informação à Comunicação Social 25 de Fevereiro de 2003 MOVIMENTOS PENDULARES NA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA 1991-2001 Deslocações entre o local de residência e o local de trabalho / estudo PORTUGAL MINISTÉRIO

Leia mais

Unidade de Apoio Especializado

Unidade de Apoio Especializado Unidade de Apoio Especializado Equipa de Apoio às Escolas Lezíria do Tejo Telef.: 243352425 Escolas Fazendas de Almeirim - Almeirim Escola Básica Fazendas de Almeirim Unidade de Apoio Especializado Fazendas

Leia mais

REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS

REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS DIRECÇÃO DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS SECÇÃO I Princípios gerais Artigo 1º Âmbito do Regulamento Nos termos dos Estatutos a organização e funcionamento

Leia mais

Abrantes Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes Técnico de Apoio à Infância X

Abrantes Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes Técnico de Apoio à Infância X CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO OFERTA FORMATIVA 2011-2012 Concelho Estabelecimento de Ensino Curso Abrantes Escola Básica e Secundária Dr. Manuel Fernandes Técnico de Apoio à Infância

Leia mais

ANEXO III ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES

ANEXO III ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES ENTIDADES COM AS QUAIS A ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA TEM PROTOCOLOS DE FORMAÇÃO ENTIDADES HOSPITALARES Centro Hospitalar de Lisboa Central EPE Centro Hospitalar de Lisboa Norte EPE Centro Hospitalar

Leia mais

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04)

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) Z3 ENTRE DOURO E VOUGA (21) AVEIRO (01) VISEU (18) Z4 COIMBRA (06) LEIRIA (10) Z5 CASTELO

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013 VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 317 303 716 996 1.601 RIBEIRA BRAVA 127 127 125 123 1.558 PORTIMÃO 1.088 1.140 797 780 1.057 SANTA CRUZ 518 515 566 595 1.049 ALIJÓ 202 208 206 203 827 ÉVORA 541 623 867 843

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E 26 de Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e estáa lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal Intermunicipal Intermunicipal Área Metropolitana Intermunicipal Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal do Cávado Área Metropolitana do Porto Intermunicipal do Ave Intermunicipal do

Leia mais

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada para cobrança em 99 (Exercício de 98) Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada

Leia mais

PMP (n.º dias) a 31-12-2007

PMP (n.º dias) a 31-12-2007 (N.º 20 - Resolução de Conselho de Ministros n.º 34/, publicada no DR n.º 38, 1.ª série, de 22 de Fevereiro) Ordenado por ordem decrescente do PMP em 31-12- a 30-09- a 31-12- VILA FRANCA DO CAMPO 158 182

Leia mais

ÍNDICE. Relatório de Execução Final Pág. 1

ÍNDICE. Relatório de Execução Final Pág. 1 ÍNDICE Preâmbulo 3 1 Envolvente Sócio -Económica 6 2 O Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo 11 3 Sistema de Gestão, Acompanhamento e Controlo do Programa 17 4 - Sistema de Informação

Leia mais

CCDR LVT Lisboa, 21 de novembro de 2013. www.capitalcria*vo.com

CCDR LVT Lisboa, 21 de novembro de 2013. www.capitalcria*vo.com CCDR LVT Lisboa, 21 de novembro de 2013 www.capitalcria*vo.com CAPITAL CRIATIVO QUEM SOMOS Gestora Independente A CAPITAL CRIATIVO é uma sociedade de gestão de fundos de private equity, independente, cons*tuída

Leia mais

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1

o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 o papel das dinâmicas e estratégias residenciais no desenvolvimento territorial da área metropolitana de lisboa 1 Maria Júlia Ferreira 2 Resumo: Palavras-chave Estratégias habitacionais; territórios residenciais;

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais

Gabinetes de Inserção Profissional Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo

Gabinetes de Inserção Profissional Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo Gabinetes de Inserção Profissional Delegação Regional de Lisboa e Vale do Tejo Centro de ABRANTES ALCÂNTARA ALCOBAÇA ABRANTES MAÇÃO ALCOBAÇA ALCOBAÇA NAZARÉ Ass. Promoção e Desenvolvimento do Vale do Tejo

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO

RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO RELATÓRIO DO INQUÉRITO À HABITAÇÃO Foram entregues 328 inquéritos dos quais foram validados 309. Os inquéritos validados possuem a seguinte distribuição: Famílias com menos de 5 anos 10 Famílias entre

Leia mais

Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29

Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29 Plano Geral de Emergência da EPAL, S.A. EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Edição 02 / 2014-09-29 índice 1. DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS DO PLANO GERAL DE EMERGÊNCIA...4 1.1 INTRODUÇÃO...4

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020

O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020 O FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA NO PORTUGAL 2020 Albufeira, 7 de abril de 2015 www.capitalcriativo.com CAPITAL CRIATIVO QUEM SOMOS Gestora Independente A CAPITAL CRIATIVO é uma sociedade de gestão

Leia mais

Código - Designação Serviço Finanças

Código - Designação Serviço Finanças 01-AVEIRO 19-AGUEDA 4 01-AVEIRO 27-ALBERGARIA-A-VELHA 2 01-AVEIRO 35-ANADIA 3 01-AVEIRO 43-AROUCA 3 01-AVEIRO 51-AVEIRO-1. 1 01-AVEIRO 60-CASTELO DE PAIVA 1 01-AVEIRO 78-ESPINHO 1 01-AVEIRO 86-ESTARREJA

Leia mais

Portugal City Brand Ranking

Portugal City Brand Ranking Municípios de Bloom Consulting Desde 2003 Bloom Consulting Desde 2003 Bemvindo! Bloom Consulting Desde 2003 Bloom Consulting Sobre a empresa Com 11 anos de existência, a Bloom Consulting é uma consultora

Leia mais

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO FICHA TÉCNICA TITULO: AUTOR: EDIÇÃO: TIRAGEM: ISBN: ISBN

Leia mais

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL COMPETITIVIDADE TERRITORIAL E COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL RELATÓRIO FINAL VOLUME 3 COMPETITIVIDADE, COESÃO E CONVERGÊNCIA: A ÓPTICA ESPECÍFICA DAS REGIÕES PORTUGUESAS REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO JULHO

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015)

Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015) JAN.2012 Plano Estratégico dos Transportes (2011-2015) Transportes Públicos de Passageiros Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade - Câmara Municipal de Lisboa Plano Estratégico de Transportes (2011

Leia mais

Onde e como se vive em Portugal 2011

Onde e como se vive em Portugal 2011 Onde e como se vive em Portugal 2011 25 de junho de 2013 Onde e como se vive em Portugal 2011 De acordo com os resultados definitivos dos Censos 2011 na região de Lisboa regista-se a maior densidade populacional,

Leia mais

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO

08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO 08/Junho/2011 5ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO Aprovação do Relatório de Execução de 2010 Estrutura do Relatório de Execução 2010 Estrutura do Relatório de Execução de 2010 do PORL: 1. Apresentação

Leia mais

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20

Conselho Regional da RLVT. Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 Conselho Regional da RLVT Referencial para a elaboração do Plano de Ação Regional de Lisboa, 2014-20 19 de fevereiro de 2013 Domínios-Chave Crescimento Inteligente Crescimento Inclusivo Crescimento Sustentável

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas DRE QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada DREN BRAGA (03) Amares (0301) 150459 - Agrupamento de Escolas

Leia mais

Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 2009-2012 Escolas Profissionais Privadas - Intenções

Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 2009-2012 Escolas Profissionais Privadas - Intenções Proposta de Oferta Formativa Ensino Profissional - Ciclo de Formação 009-01 Escolas Profissionais Privadas - Intenções Família Curso Portaria Escola Profissional Localidade Turmas Actividades Agrícolas

Leia mais

Regulamento Específico. Medida Estímulo Emprego. Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de julho

Regulamento Específico. Medida Estímulo Emprego. Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de julho Regulamento Específico Medida Estímulo Emprego Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de julho 20 de agosto de 2014 Legislação aplicável: Portaria n.º 149-A/2014, de 24 de julho. ÍNDICE 1. OBJETO... 3 2. DESTINATÁRIOS...

Leia mais

Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas

Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas Estudo Prospetivo do Mercado de Reabilitação Urbana e Guia de Boas Práticas Isabel Breda Vázquez Paulo Conceição Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Porto 4.07.14 Estudo Prospetivo do Mercado

Leia mais

151506 - Agrupamento de Escolas da Lixa, Felgueiras. 151105 - Agrupamento de Escolas À Beira Douro, Gondomar

151506 - Agrupamento de Escolas da Lixa, Felgueiras. 151105 - Agrupamento de Escolas À Beira Douro, Gondomar Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Concurso Interno QZP Amarante (1301) 151099 - Agrupamento de Escolas de Amarante Amarante (1301) 152936 - Agrupamento de

Leia mais

DRE concelho Unidade_Orgânica Nomecurso ciclo duracao

DRE concelho Unidade_Orgânica Nomecurso ciclo duracao Alentejo Alandroal Escolas de Alandroal Turma V 3 2 Alentejo Alcácer do Sal Escolas de Alcácer do Sal Restauração, Bar e Cake Design 3 2 Alentejo Aljustrel Escolas de Aljustrel Curso Vocacional de Desporto,

Leia mais

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO. Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu. Mobilidade e Transporte

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO. Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu. Mobilidade e Transporte SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu Mobilidade e Transporte Uma nova campanha com um sentimento familiar Para reforçar o potencial das campanhas DO THE

Leia mais

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Concelho Amarante (1301) Amarante (1301) Amarante (1301) Amares (0301) Arcos de Valdevez (1601) Baião (1302) Baião (1302) Baião (1302) Cabeceiras de Basto

Leia mais

Cascais 1105952 Associação dos Antigos Alunos Salesianos do Estoril A tinta que vem da natureza

Cascais 1105952 Associação dos Antigos Alunos Salesianos do Estoril A tinta que vem da natureza ESCALÃO DSR CONCELHO DGEEC ESCOLA PROJETO Cascais 1105952 Associação dos Antigos Alunos Salesianos do Estoril A tinta que vem da natureza Lisboa 1106361 Externato Camilo Castelo Branco Explorar a força

Leia mais

Migrações Internas e Circulação da População: O Caso da Região de Lisboa e Vale do Tejo

Migrações Internas e Circulação da População: O Caso da Região de Lisboa e Vale do Tejo Migrações Internas e Circulação da População: O Caso da Região de Lisboa e Vale do Tejo Maria de Nazaré Oliveira ROCA e-geo Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

EDITAL N.º 41/CML/2014. (Tomada de Posição Sobre o ANTEPROJETO DE REGIME JURÍDICO DO SISTEMA DE SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS)

EDITAL N.º 41/CML/2014. (Tomada de Posição Sobre o ANTEPROJETO DE REGIME JURÍDICO DO SISTEMA DE SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS) EDITAL N.º 41/CML/2014 (Tomada de Posição Sobre o ANTEPROJETO DE REGIME JURÍDICO DO SISTEMA DE SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS) HÉLDER SOUSA SILVA, Vice-Presidente do Conselho Metropolitano

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2014

PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2014 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2014 O ano de 2014 inicia um novo ciclo de trabalho marcado por um novo mandato autárquico que trouxe uma renovação, essencialmente, no grupo de políticos que representam

Leia mais

ADOPÇÃO DA FACTURA ELECTRÓNICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Forum Picoas 6 de Novembro de 2006

ADOPÇÃO DA FACTURA ELECTRÓNICA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Forum Picoas 6 de Novembro de 2006 SEMINÁRIO A experiência, seus resultados e desafios para a EPAL Forum Picoas 6 de Novembro de 2006 Paulo Rodrigues EPAL Empresa Portuguesa das Águas Livres, SA S.A. 1 A EPAL: Quem Somos A EPAL- Empresa

Leia mais

INVESTIMENTO MUNICIPAL NA REGIÃO CENTRO 2005-2009 RESUMO

INVESTIMENTO MUNICIPAL NA REGIÃO CENTRO 2005-2009 RESUMO INVESTIMENTO MUNICIPAL NA REGIÃO CENTRO 2005-2009 Foto: António Luís Campos 2011 INVESTIMENTO MUNICIPAL NA REGIÃO CENTRO 2005-2009 Alexandra Gomes alexandra.gomes@ccdrc.pt José Alpendre jose.alpendre@ccdrc.pt

Leia mais

PRESTADORES DA ÁREA CLÍNICA

PRESTADORES DA ÁREA CLÍNICA PRESTADORES DA ÁREA CLÍNICA Em caso de URGÊNCIAS ou de Tratamentos de PRIMEIROS SOCORROS, Deverão dirigir-se preferencialmente ao Hospital Público mais próximo. DIRECÇÃO CLÍNICA Rua Barata Salgueiro, 41

Leia mais

As exigências de sustentabilidade ambiental e económica estão sempre presentes nas soluções técnicas apresentadas pela FACTORIAL.

As exigências de sustentabilidade ambiental e económica estão sempre presentes nas soluções técnicas apresentadas pela FACTORIAL. QUEM SOMOS A FACTORIAL Desenvolvimento Integrado de Projectos e Construções, Lda. foi fundada em 2006 com o objectivo de prestar serviços na área da engenharia. Actualmente, a FACTORIAL está predominantemente

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

Universidade de Lisboa Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação

Universidade de Lisboa Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade de Lisboa Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação RELATÓRIO DE ESTÁGIO A avaliação das aprendizagens na legislação e nas práticas de uma Direcção Regional de Educação Ana Carina

Leia mais

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5

ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4. 1. Vítimas por mês... 4. 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 Distrito de LISBOA 2010 ÍNDICE DEFINIÇÕES... 3 VÍTIMAS EM 2010... 4 1. Vítimas por mês... 4 2. Vítimas segundo a localização e o tipo de via... 5 3. Vítimas segundo a natureza do acidente... 6 4. Vítimas

Leia mais

Formação Profissional

Formação Profissional Formação Profissional 2009 POPH-2.3 Significado 2009 POPH-2.3 Significado ACCCRO Base Militar de Santa Margarida Município das Caldas Cevalor Município da Maia Município de Matosinhos Município da Nazaré

Leia mais

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses.

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses. - D2 A Atratividade Online dos Municípios Portugueses Portugal Bem-vindo! Since 2003 Introdução ao A Bloom Consulting desenvolveu a ferramenta (D2) de forma a obter todos os dados relevantes sobre o comportamento

Leia mais

PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Engº Carlos Prino

PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Engº Carlos Prino PneuGreen Na natureza nada se perde, Tudo se transforma. Reciclagem de Pneus Usados Soluções: - Recauchutagem - Reutilização - Valorização Energética - Reciclagem Grupo Nascimento e Mota Iniciou a sua

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 62

BOLETIM INFORMATIVO Nº 62 Av. da República, 62 F, 5º 1050 197 LISBOA Tel: 21 780 80 60 Email: embopar@embopar.pt www.embopar.pt BOLETIM INFORMATIVO Nº 62 Junho de 2014 Notícias Sociedade Ponto Verde ainda sem Licença do Estado

Leia mais

Regulamento Específico

Regulamento Específico Regulamento Específico Medida Estímulo 2013 Portaria n.º 106/2013, de 14 de março ÍNDICE 1. OBJETO... 1 2. DESTINATÁRIOS... 1 3. REQUISITOS DAS ENTIDADES EMPREGADORAS... 2 4. REQUISITOS DE ATRIBUIÇÃO...

Leia mais

PORTAGENS AS NOVAS FRONTEIRAS DE LISBOA. Revista ACP TEMA DE CAPA ID: 27641689 01-11-2009

PORTAGENS AS NOVAS FRONTEIRAS DE LISBOA. Revista ACP TEMA DE CAPA ID: 27641689 01-11-2009 Pág: 12 Área: 19,57 x 24,59 cm² Corte: 1 de 7 CONSTITUEM-SE HOJE COMO QUE NOVAS FRONTEIRAS. EM RELAÇÃO A LISBOA, ESTÃO PERFEITAMENTE DEMARCADAS. FALAMOS DAS PORTAGENS QUE RODEIAM A CAPITAL, CONDICIONANDO

Leia mais

Ranking das Escolas 2010 CESNOVA (Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa) para a SIC e Expresso Ensino Secundário - Escolas

Ranking das Escolas 2010 CESNOVA (Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa) para a SIC e Expresso Ensino Secundário - Escolas 1 Colégio Nossa Senhora do Rosário Privado Porto Porto 394 148,2 16,4 1,5 2 Colégio Luso-Francês Privado Porto Porto 302 144,1 16,4 2,0 3 Colégio do Sagrado Coração de Maria Privado Lisboa Lisboa 252 142,3

Leia mais

Setúbal, 15 de Março de 2015

Setúbal, 15 de Março de 2015 Setúbal, 15 de Março de 2015 Península de Setúbal 1 421 Km2 9 concelhos 782 044 pessoas Peso na população nacional População ativa (igual à média nacional) 7% 49% Alcochete Almada Barreiro Moita Montijo

Leia mais

Lista Oficial das Universidades e Academias Seniores reconhecidas em Portugal 1 de Setembro de 2015

Lista Oficial das Universidades e Academias Seniores reconhecidas em Portugal 1 de Setembro de 2015 1 de Setembro de 2015 Nº Nome Entidade Acolhedora 1 Universidade Sénior de Almeirim Associação Sénior de Almeirim 3 Academia de Seniores de Lisboa Associação Cultural e Social de Seniores de Lisboa 4 Academia

Leia mais

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade Preâmbulo 1. Tendo em conta que: a) desde o final de 2007 que o Governo assumiu o desenvolvimento das redes de nova geração (RGN) como uma prioridade

Leia mais

A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal

A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal 1 A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal Luís Almeida Espinoza info@linguas.com Resumo da Comunicação Nesta intervenção são abordados os problemas dos jovens tradutores

Leia mais

Aferição dos resultados internos com os externos (Básico) Evolução dos resultados escolares (Secundário)

Aferição dos resultados internos com os externos (Básico) Evolução dos resultados escolares (Secundário) Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 10-A/2015, de 19 de junho) Os Agrupamentos de Escolas / Escolas não agrupadas (que aqui serão designados, simplesmente, por Escolas )

Leia mais

Concelho Nome Morada Telefone Fax E-mail geral Site

Concelho Nome Morada Telefone Fax E-mail geral Site Ribatejo Concelho Nome Morada Telefone Fax E-mail geral Site *** Hotel de Turismo de Abrantes Largo de Santo António (00351) 241361261 (00351) 241365218 hotelabrantes@iol.pt www.hotelabrantes.pt *** Hotel

Leia mais

Inclusão e Sucesso Educativo

Inclusão e Sucesso Educativo Inclusão e Sucesso Educativo A escola pública, enquanto escola para todos, enquadra o princípio da igualdade de oportunidades, através de um conjunto de ofertas educativas que procuram responder às necessidades

Leia mais

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

para o desenvolvimento do turismo em portugal

para o desenvolvimento do turismo em portugal para o desenvolvimento do turismo em portugal Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P Sintra, 13 abril 2015 1 Do plano de ação turismo 2020 ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS TURISMO 2020: PROCESSO ABERTO E PARTICIPADO

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada QZP 1 Amarante (1301) 151099 - Agrupamento

Leia mais

REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO

REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO A reforma do Mapa Judicial, aprovada em Conselho de Ministros, insere-se num vasto conjunto de medidas legislativas na área da Justiça que o Governo já realizou

Leia mais

Lista completa das 607 escolas do 'ranking' ESCOLA / CONCELHO / NÚMERO DE EXAMES / MÉDIA DAS NOTAS

Lista completa das 607 escolas do 'ranking' ESCOLA / CONCELHO / NÚMERO DE EXAMES / MÉDIA DAS NOTAS Lista completa das 607 escolas do 'ranking' Correio da Manhã ESCOLA / CONCELHO / NÚMERO DE EXAMES / MÉDIA DAS NOTAS 1 Colégio São João de Brito Lisboa 604 135,37 2 Escola Secundária Soares dos Reis Porto

Leia mais

Comunidade Intermunicipal do Oeste. Conselho Executivo

Comunidade Intermunicipal do Oeste. Conselho Executivo 104 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO EXECUTIVO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO OESTE, REALIZADA NO DIA VINTE E OITO DE JUNHO DE DOIS MIL E DOZE -----Aos vinte e oito dias do mês de Junho de dois mil

Leia mais

Se procura casa, esta é a porta certa.

Se procura casa, esta é a porta certa. N 01 PRIMAVERA / VERÃO 2015 Popular Imóveis Se procura casa, esta é a porta certa. N 01 PRIMAVERA / VERÃO 2015 Viana do Castelo Braga Bragança Vila Real Imóveis do Norte Pág 3 Porto Aveiro Viseu Guarda

Leia mais

Crédito ao Investimento no Turismo

Crédito ao Investimento no Turismo Crédito ao Investimento no Turismo Protocolos Bancários Objecto O presente Protocolo tem por objecto a criação de uma linha de crédito, em parceria com o sector financeiro, com vista a apoiar financeiramente

Leia mais

Biografia de Salgueiro Maia. (n. 01-07-1944 m. 03-04-1992)

Biografia de Salgueiro Maia. (n. 01-07-1944 m. 03-04-1992) Biografia de Salgueiro Maia (n. 01-07-1944 m. 03-04-1992) O Tenente-coronel Fernando José Salgueiro Maia nasceu em Castelo de Vide, distrito de Portalegre, filho de Francisco da Luz Maia e de Francisca

Leia mais

Ranking das escolas com base nas notas dos exames nacionais do ensino secundário

Ranking das escolas com base nas notas dos exames nacionais do ensino secundário Ranking das escolas com base nas notas dos exames nacionais do ensino secundário Ranking feito pela TSF com base nas notas obtidas pelos alunos nos exames nacionais do ensino secundário, de acordo com

Leia mais

Crédito ao Investimento no Turismo. Protocolos Bancários

Crédito ao Investimento no Turismo. Protocolos Bancários Crédito ao Investimento no Turismo Protocolos Bancários Ficha Informativa Abril 2008 Índice Objecto... 3 Instituições de Crédito Aderentes... 3 Beneficiários... 3 Investimentos Abrangidos... 4 Investimento

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Necessidades Temporárias QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada Observações

Leia mais

Ranking das escolas com base nas notas dos exames nacionais do ensino secundário

Ranking das escolas com base nas notas dos exames nacionais do ensino secundário Ranking das escolas com base nas notas dos exames nacionais do ensino secundário Ranking feito pela TSF com base nas notas obtidas pelos alunos nos exames nacionais do ensino secundário, de acordo com

Leia mais

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas OS CONSULTORES Instituicões & Empresas Associadas: GAB. COORDENADOR da ESTRATÉGIA DE LISBOA e do PLANO TECNOLÓGICO CEDRU_Centro de Estudos e Desenvolv. Regional e Urbano McKINSEY & Company PLMJ ASSOCIADOS_Sociedade

Leia mais

ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1ª REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO Caderno I Introdução, Enquadramento e Contexto Regional e Metropolitano Volume I Julho de 2004 CÂMARA MUNICIPAL DE VILA

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Necessidades Temporárias QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada Observações

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 178 13 de Setembro de 2010 46903. Agrupamento de Escolas João Franco

Diário da República, 2.ª série N.º 178 13 de Setembro de 2010 46903. Agrupamento de Escolas João Franco Diário da República,.ª série N.º 78 de Setembro de 00 4690 de trabalho em funções públicas a tempo determinado termo resolutivo certo, a tempo parcial, de um(a) trabalhador(a) para colmatar as necessidades

Leia mais

Reunião Ordinária 28.08.2014

Reunião Ordinária 28.08.2014 ------------------------------------------------ATA Nº 15-------------------------------------------------- ----- Aos vinte e oito dias do mês de agosto de dois mil e catorze, pelas 10h30, reuniu na sua

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Mobilidade Interna QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada QZP 1 Amarante

Leia mais

N.º Trabalhadores Volume de facturação

N.º Trabalhadores Volume de facturação engenharia de comunicações Evolução da Wavecom 15 10 N.º Trabalhadores 5 0 12 7 2 2 3 2003 2004 2005 2006 2007 * 1.600.000,00 1.400.000,00 1.200.000,00 1.000.000,00 Volume de facturação 1.455.165 800.000,00000

Leia mais

POPULAÇÃO. As últimas quatro décadas do século XX foram tempos de profundas. transformações políticas, económicas e sociais na sociedade portuguesa;

POPULAÇÃO. As últimas quatro décadas do século XX foram tempos de profundas. transformações políticas, económicas e sociais na sociedade portuguesa; As últimas quatro décadas do século XX foram tempos de profundas transformações políticas, económicas e sociais na sociedade portuguesa; alterações essas, sem precedentes, que tiveram efeitos tremendos

Leia mais

Dossier. Redes e Espaços Culturais

Dossier. Redes e Espaços Culturais Dossier Redes e Espaços Culturais Janeiro/Fevereiro 2005 REDES DE PROGRAMAÇÃO CULTURAL ARTemREDE CONCEITO Rede de programação que pretende melhorar e qualificar a prestação de serviços públicos autárquicos

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA

INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA INDICADORES SOCIAIS E ECONÓMICOS DISTRITO DE LISBOA Índice 1- INDICADORES SOCIAIS Quadro Resumo do Distrito Pag. 3 Desemprego Registado Pag. 5 Prestações de Desemprego Pag. 8 Despesas Correntes com prestações

Leia mais

Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Alenquer

Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Alenquer O avolumar de problemas sociais como as bolsas de pobreza urbana e exclusão social, dos quais já tivemos a oportunidade de analisar alguns indicadores, apresentam, como um dos efeitos, o crescimento de

Leia mais

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO MOTORISTA DE VEÍC PESADOS - MERCADORIAS

OFERTAS DE EMPREGO PROFISSÃO MOTORISTA DE VEÍC PESADOS - MERCADORIAS OFERTAS DE EMPREGO Unidade Emissora: Data de Emissão N.º de Folhas CENTRO DE EMPREGO DE CALDAS DA RAINHA 2011-10-03 1 / 3 N.º OFERTA 587768934 587776648 587781346 587785698 587785790 587786523 PROFISSÃO

Leia mais

PROPOSTA DE ACORDO DE SERVIÇOS DE ALUGUER DE AUTOMÓVEIS SEM CONDUTOR AMCPN ASSOCIAÇÃO DE MORADORES E COMERCIANTES DO PARQUE DAS NAÇÕES

PROPOSTA DE ACORDO DE SERVIÇOS DE ALUGUER DE AUTOMÓVEIS SEM CONDUTOR AMCPN ASSOCIAÇÃO DE MORADORES E COMERCIANTES DO PARQUE DAS NAÇÕES PROPOSTA DE ACORDO DE SERVIÇOS DE ALUGUER DE AUTOMÓVEIS SEM CONDUTOR AMCPN ASSOCIAÇÃO DE MORADORES E COMERCIANTES DO PARQUE DAS NAÇÕES 14 DE NOVEMBRO DE 2011 IMP.DC.02 - Revisão: 1 16.01.2011 1 PROPOSTA

Leia mais

Av. Infante D. Henrique 333H, Edifício 4 Fracção 22A

Av. Infante D. Henrique 333H, Edifício 4 Fracção 22A DADOS DA EMPRESA Nome: Morada: MAIS ENGENHARIA Soluções de Engenharia, Lda Edifício Lisboa Oriente Av. Infante D. Henrique 333H, Edifício 4 Fracção 22A 1800282 Lisboa Contactos: +351 210 132 014 / 15 +351

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS DA VARIEDADE

2. CARACTERÍSTICAS DA VARIEDADE 1. INTRODUÇÃO Espécie: Pyrus Communis L. Variedade: Rocha. Variedade portuguesa obtida casualmente de semente, em 1836 no Concelho de Sintra, propagou-se a outras regiões do país, sendo o seu Solar a Região

Leia mais

Apoios financeiros - artº 9º nº3 b) da Lei-Quadro das Fundações

Apoios financeiros - artº 9º nº3 b) da Lei-Quadro das Fundações Apoios financeiros - artº 9º nº3 b) da Lei-Quadro das Fundações NIF Entidade Donativos/ Financiamentos 2009 2010 2011 503148776 ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DE LISBOA E VALE DO TEJO 166,58 0,00 0,00

Leia mais

2. COMPETITIVIDADE NAS REGIÕES PORTUGUESAS: EM BUSCA DA EFICIÊNCIA E EFICÁCIA

2. COMPETITIVIDADE NAS REGIÕES PORTUGUESAS: EM BUSCA DA EFICIÊNCIA E EFICÁCIA COMPETITIVIDADE TERRITORIAL E A COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL REGIÃO LISBOA E VALE DO TEJO 2. COMPETITIVIDADE NAS REGIÕES PORTUGUESAS: EM BUSCA DA EFICIÊNCIA E EFICÁCIA Neste ponto específico do relatório

Leia mais

REDE DE PRESTADORES DE CUIDADOS DE SAÚDE CONVENCIONADOS

REDE DE PRESTADORES DE CUIDADOS DE SAÚDE CONVENCIONADOS REDE DE PRESTADORES DE CUIDADOS DE SAÚDE CONVENCIONADOS Atenção: Trata-se de uma listagem dinâmica e meramente indicativa, sendo que todos os actos médicos deverão ser previamente aprovados pelos serviços

Leia mais

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada QZP 1 Amarante (1301) 151099 - Agrupamento

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2826 Diário da República, 1.ª série N.º 105 30 de maio de 2012 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 22/2012 de 30 de maio Aprova o regime jurídico da reorganização administrativa territorial autárquica A Assembleia

Leia mais

Instituto Politécnico de Leiria III Congresso Internacional de Turismo de Leiria e Oeste 2009

Instituto Politécnico de Leiria III Congresso Internacional de Turismo de Leiria e Oeste 2009 Instituto Politécnico de Leiria III Congresso Internacional de Turismo de Leiria e Oeste 2009 Caracterização do perfil económico-financeiro das unidades hoteleiras do Oeste. Apresentação de resultados

Leia mais