HÁ SINERGIA ENTRE CULTURAS ORGANIZACIONAIS EM FUSÕES E AQUISIÇÕES? (UM ESTUDO EMPÍRICO) *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HÁ SINERGIA ENTRE CULTURAS ORGANIZACIONAIS EM FUSÕES E AQUISIÇÕES? (UM ESTUDO EMPÍRICO) *"

Transcrição

1 HÁ SINERGIA ENTRE CULTURAS ORGANIZACIONAIS EM FUSÕES E AQUISIÇÕES? (UM ESTUDO EMPÍRICO) * Resumo Cracios Consul ** Daniel Scolese *** Jean Terceros **** O presente estudo se propõe a indicar os problemas que podem surgir na integração diante do encontro de diferentes culturas organizacionais, dado um determinado evento societário. Algumas estratégias empresariais como fusões e aquisições podem acarretar no encontro de duas culturas organizacionais distintas. Observando eventos desta natureza, em estudos de caso, constatou-se que muitas vezes oportunidades de negócios transformam-se em fracassos ou tornam-se difíceis e ineficientes. Um dos principias fatores relacionados ao insucesso dessas operações é o conflito proveniente do confronto cultural e do comportamento humano entre as diferentes organizações. A partir desta constatação utilizamos o método indutivo de pesquisa e elaboramos um questionário dirigido a profissionais executivos de diversas empresas que passaram ou estão passando por um evento societário em que haja um choque entre as suas culturas. Os resultados sugerem que esse problema é facilmente identificado e pode ser diagnosticado. Há desgastes para os profissionais envolvidos, mas a somatória das culturas indica que há uma evolução na resultante deste encontro, no final do processo. Palavras-chave: cultura organizacional, choque cultural, integração, evento, merger. Abstract The present study aims to indicate the problems that may arise in the integration before the meeting of different organizational cultures given a certain corporate event. Some business strategies such as mergers and acquisitions may result in the meeting of two different organizational cultures. Looking at events of this nature, in the case studies it was found that often business opportunities turned into failures or become difficult and inefficient. One of the main factors for failure of these operations is the conflict from the cultural confrontation and * Estudo realizado durante o curso de Mestrado em Administração com ênfase em Finanças na FECAP - FUNDAÇÃO ESCOLA DE COMÉRCIO ÁLVARES PENTEADO. ** Cracios Clinton Consul é administrador de empresas, especialista em Marketing, mestrando em Administração e finanças pela FECAP, gerente de marketing na Seara e professor na Universidade Anhembi Morumbi. *** Daniel Scolese é bacharel em Comunicação Social e de Administração de Empresas, possui MBA em Finanças com ênfase em Investimentos pela FGV, mestrando em Administração de Empresas pela FECAP. Atualmente é gerente de investimentos na área de Previdência Complementar. **** Jean Pablo Miranda Terceros é formado em Ciências Econômicas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e mestrando em Administração de Empresas pela FECAP. Trabalha na controladoria corporativa da Braskem S/A. 1

2 human behavior between different organizations. From this observation we use the inductive method of research and prepared a questionnaire for the professional executives of several companies that have gone through or are going through a corporate event where there is a clash between their cultures. The results suggest that this problem is easily identified and can be diagnosed. There is wear to the professionals involved, but the sum of cultures indicates that there is an evolution of this work shop at the end of the process. Keywords: organizational culture, culture shock, integration, event, merger. 1 Introdução As principais estratégias empresariais que podem acarretar no encontro de duas culturas organizacionais distintas estão listadas abaixo com uma breve descrição de cada uma. Neste trabalho, adotaremos a terminologia genérica de evento para qualquer uma delas: 1 Licença (ou licensing): é a concessão de direitos de uso de determinada propriedade para terceiros com o objetivo de produzi-lo, agregar valor a outro produto, serviço ou comunicação da empresa licenciada. 2 Aliança & Parceria: Uma Aliança ou Parceria Estratégica é uma associação entre duas ou mais empresas que juntam recursos e conhecimento para desenvolver uma atividade específica, criar sinergias de grupo ou como opção estratégica de crescimento. Pode também ser entendido como uma estratégia entre empresas em busca de um plano de ação para desenvolver e ajustar uma ou mais vantagens competitivas, que podem ser diferentes para cada uma. 3 Joint Venture: designa uma forma de aliança entre duas ou mais entidades juridicamente independentes com o fim de partilharem o risco de um negócio comum, associando os investimentos, as responsabilidades e os lucros de um determinado projeto. 4 Fusão: é uma combinação completa de duas ou mais empresas, cada uma delas deixando de existir legalmente, formando uma terceira empresa, com nova identidade. 5 Merger & Aquisition (M&A): trata-se da compra do controle acionário de uma empresa por outra. Os motivos e razões para as empresas implementarem uma dessas estratégias são diversos, mas podemos relacionar as principais como a busca por maior market share, superar barreiras de entrada, melhoria do custo de desenvolvimento de novos produtos, maior 2

3 velocidade de entrada em novos mercados, ganho de escala, ganho de sinergia, e maior diversificação de negócios dentre outros. Segundo Rossetti (2001), no Brasil, existem três razões principais para ocorrência destes eventos: Ganho de market-share; Maior amplitude geográfica de atuação; Crescimento com ampliação de escalas operacionais. Observando a literatura de eventos desta natureza, constatou-se que muitas oportunidades de negócios transformaram-se em fracassos; um dos principias fatores relacionados ao insucesso dessas operações é o conflito proveniente do confronto cultural entre as diferentes organizações. O diagrama abaixo ordena os diferentes tipos de eventos com o respectivo nível do impacto que o choque entre diferentes culturas exerce na integração das organizações: LICENÇA ALIANÇA PARCERIA JOINT VENTURE FUSÃO M&A BAIXO IMPACTO DE INTEGRAÇÃO ALTO Adaptação Barros, B. T. (2001) Embora esse problema seja reconhecido, ele é negligenciado por muitos dirigentes quando na condução do processo de um evento, até mesmo por desconhecerem os possíveis impactos causados pela divergência cultural. Segundo a KPMG em estudo realizado em 1999, os três fatores indicados como vitais para o sucesso em operações de M&A são: seleção do grupo de gestor, resolução das questões culturais e comunicação. Já a consultoria McKinsey (2007) aponta quatro fatores primordiais para o sucesso em M&A: retenção de talentos, comunicação eficiente, retenção de executivos e integração cultural. Do lado oposto Barros (2001), entrevistando pessoas diretamente ligadas a eventos desta natureza, mapeou os principais pontos que levam as empresas ao fracasso, partindo da avaliação incorreta do negócio, passando pela expectativa do mercado não atendida e, por fim, chegando até as questões culturais. 3

4 Para Tanure (2007), o insucesso nas operações de M&A é atribuído aos seguintes fatores: o atrito entre talento e competências, a perda de bens intangíveis, os elevados custos de transição e coordenação, a falta de sinergia e falta de ajuste cultural. Desta forma, dadas as evidências de estudos e levantamentos passados, pode-se afirmar que o encontro das culturas exerce papel fundamental na gestão de determinado evento. 2 Fundamentação teórica: a cultura e as organizações Para se entender a importância da cultura nas organizações, é necessário que vejamos algumas raízes antropológicas do conceito de cultura. Segundo Fleury et al (1996), uma corrente importante para a análise da cultura é o interacionismo simbólico, pois o indivíduo compartilha o senso comum ao perceber que existe correspondência entre os significados por ele atribuídos ao objeto e os significados atribuídos pelos outros. Assim, quando um grupo social quer transmitir a uma nova geração a sua visão, utiliza-se do universo simbólico para se obter a validade cognitiva dos seus significados e consequente legitimação pelos mais novos. Ao transportarmos este conceito de cultura das organizações para o cenário de empresas no nosso contexto atual, devemos ter uma compreensão maior da natureza da organização, suas metas, seus objetivos, além de fazer uma compreensão histórica dela para investigar incidentes que ela passou, como crises, expansões, pontos de inflexão, fatos marcantes de fracassos ou sucessos. À medida que a globalização avança, intensifica-se o debate sobre a influência das culturas nacionais na teoria e na prática organizacional. Para Wood Jr et al (1995) os princípios da administração defendiam a hipótese da convergência até a década de setenta. Nessa hipótese, tratava-se a cultura organizacional de modo independente do contexto cultural acreditando que, no futuro, as práticas administrativas estariam mais próximas umas das outras com organizações e sociedades cada vez mais parecidas, ou seja, uma conversão cultural natural nas organizações. A questão da diversidade cultural foi assumida mais tarde, na medida em que as diferenças nacionais e regionais não diminuíam, tornando-se cada vez mais acentuadas. Segundo Caldas e Motta (1997, p. 26) Os comportamentos de executivos e trabalhadores 4

5 baseiam-se em crenças, atitudes e valores e, em certa medida, verdadeiros ciclos viciosos de comportamento são causados por crenças, atitudes e valores. No caso brasileiro, a formação da cultura teve grande influência pela miscigenação formada por grupos étnicos, a forma de colonização, as implicações da economia escravocrata, latifundiária e monocultora. Como característica do país, Caldas e Motta (1997) citam o forte coletivismo da sociedade brasileira, classificando o Brasil acima do Japão neste quesito, que é tido como coletivista por excelência e das demais sociedades latino americanas, com exceção da Argentina. Com isso, as decisões das empresas brasileiras são tomadas de forma mais rápida e continuada, principalmente quando se valida pela análise comparativa de decisões tomadas por executivos brasileiros e ingleses. Conclui-se que a característica do executivo brasileiro é a tomar decisões prezando por uma interação social intensa, bem como por um envolvimento ativo dos dirigentes superiores. Entre diversas características do povo brasileiro, uma das mais fortes e que consequentemente se faz presente indiretamente na cultura das empresas é o jeitinho brasileiro. Este tema é abordado com maior profundidade por Caldas e Motta (1997), eles separam essa característica da predisposição para tirar vantagem, passar para trás e, eventualmente enganar, que classificam como malandragem. Outra abordagem é feita separando este conceito em dois significados: Primeiro, o jeitinho pode significar favorecimento ou apadrinhamento por parte de governantes, políticos, proprietários ou dirigentes de empresa, causando a ira daqueles que não conseguiram obter o mesmo privilégio. Neste sentido, o jeitinho é sempre visto como exemplo vergonhoso de uma exceção incabível. A corrupção é sempre o pior exemplo de jeitinho, como forma de espoliação do patrimônio público ou privado pelas mãos de aproveitadores. Segundo, porém o jeitinho pode ser visto como uma espécie de símbolo de esperança num mundo onde a rigidez é a norma. O jeitinho pode ser considerado, assim, uma forma de sobreviver ao quotidiano, um verdadeiro recurso de resistência cultural. Desta forma, leis, regras e normas que parecem absurdas e distâncias sociais enormes podem ser superadas pelo jeitinho. (WOOD JR, 1995, p. 47) Com a intenção de reduzir os efeitos desta e de outras características culturais nas organizações, Fleury (1991) sugere desenvolver um processo de socialização dos empregados nos padrões da cultura da empresa. Para isso, o desenvolvimento de políticas de gestão seria fundamental. Algumas boas práticas de gestão fundamentadas na estabilidade, qualificação, plano de carreira, benefícios, comunicação podem fazer com que os funcionários deixem de 5

6 ser considerados pelas empresas como mão de obra abundante, facilmente encontrados e substituíveis, passando a ser gerenciados como recurso importante para as empresas, numa visão que valoriza a cultura organizacional e a reconhece como medida essencial para o sucesso. 3 Metodologia utilizada A investigação científica depende de um conjunto de procedimentos intelectuais e técnicos (Gil, 1999, p.26) para que seus objetivos sejam atingidos: os métodos científicos. 1. Método Dedutivo (daí deriva-se o Método Hipotético Dedutivo, o qual se vincula às técnicas quantitativas de pesquisa); 2. Método Indutivo (daí deriva-se o Método Hipotético Indutivo, o qual se vincula às técnicas qualitativas de pesquisa). Característica Quantitativa Qualitativa Foco Busca explicações: do por que ; tem foco nas causas Busca explicações em: como ; tenta compreender os fenômenos, os símbolos e os significados Objeto de estudo Fatos naturais Fenômenos humanos; comportamentos Objetivos da pesquisa Amostra para estudo Instrumentos de pesquisa Testar hipóteses; Estabelecer correlações matemáticas (estatísticas) e causais entre os fatos pesquisados Representa estatisticamente uma população Experimentos e survey; Observação dirigida; Questionários fechados Compreensão; explanação; Apreensão e interpretação da relação de significações de fenômenos para os indivíduos e a sociedade Proposital, intencional, eleitos para amostras de tamanho pequeno Pesquisador como instrumento, com seus sentidos; Observação Quadro: elaboração própria adaptada a partir dos conceitos de LAKATOS e MARCONI (2003) 6

7 Metodologia qualitativa x metodologia quantitativa Trice e Beyer (1987) relacionam duas diferentes abordagens metodológicas: a abordagem qualitativa e quantitativa a duas correntes antropológicas. A abordagem quantitativa afirma que existem alguns elementos universais na cultura. Isso quer dizer que existem alguns elementos comuns em culturas de diversas organizações. Já a abordagem qualitativa propõe que somente o elemento dentro do contexto cultural possui significado e que não se podem fazer generalizações entre empresas ou organizações. A nossa opção será pela metodologia qualitativa, e o método de investigação de Hofstede (2003, p. 210) onde conclui que a cultura organizacional [...] pode ser definida como a programação coletiva da mente que distingue os membros de uma organização dos de outra. Consideramos a interpretação conceitual antropológica como a mais relevante para as empresas avaliadas. Segundo Hofstede (1991), devemos analisar a cultura organizacional dividindo-a em camadas. Desta forma, o autor afirma que os diferentes grupos e categorias a que as pessoas pertencem, ao mesmo tempo, fazem as pessoas carregarem de forma inevitável várias camadas de programações mentais que correspondem a diferentes camadas de cultura. Como se fosse uma cebola, podemos ir descascando-a e em cada camada haverá novos significados culturais, até no seu âmago encontraremos seus valores como o grande fator representante dessa cultura. Figura1 Adaptado de HOFSTEDE, G. Culture and Organizations: software of the mind (1997) 7

8 O modelo de aculturação mais adequado para ser implementado sob o ponto de vista da empresa adquirida depende de dois fatores (Nahavandi e Malezadeh, 1993). Primeiro, o quanto a empresa compradora é rica de fato, em termos de valores culturais. Segundo, a forma e a força de expressão dessa cultura organizacional. Do ponto de vista da empresa compradora, o modelo de aculturação mais apropriado depende da sua estratégia. A estratégia está relacionada ao quanto o negócio da empresa adquirida é ligado ou distinto do negócio principal da compradora, naquele momento. Isso influenciará no grau de multiculturalismo que deverá ser encontrado quando houver o choque entre elas. Entende-se aqui por multiculturalismo a atitude da empresa em aceitar (ou não) e estimular a diversidade dos valores culturais organizacionais. A Figura 2 demonstra as alternativas dos processos de aculturação para a empresa adquirente e adquirida. Elaboração própria a partir do modelo adaptado de Nahavandi e Malekzadeh (1993) Classificamos as formas de mudança cultural em três diferentes conceitos a saber: SINERGIA DOMINAÇÃO SEGREGAÇÃO Ocorre a integração cultural com base na combinação das culturas da adquirida e adquirente, sem que haja a dominação de uma delas. A integração se dá com base na predominância da cultura de um dos envolvidos, com a aquiescência do outro parceiro. Normalmente, a predominância é do adquirente sobre a adquirida. Ocorre a influência entre as culturas das empresas envolvidas, sem se buscar uma 8

9 integração entre elas. Há a imposição da empresa mais forte, mas cada parceiro influencia em parte das tarefas ou processos gerando uma nova cultura. Quadro 1 Diversidades Culturais. Fonte: Elaboração própria a partir de dados de Child e Faulkner (1998). Com base nestes conceitos elaboramos um questionário que abrange os aspectos comportamentais descritos aqui a fim de, empiricamente, observar as questões mais relevantes e determinantes na influência da cultura organizacional das empresas envolvidas. Os questionários foram direcionados a profissionais de empresas envolvidas em eventos onde houve ou está havendo neste momento a intersecção das culturas de suas empresas. Foi, portanto, utilizado o método indutivo com amostra proposital. Não segregamos função, área de atividade ou posição hierárquica nesta avaliação. Os dados coletados nos questionários foram analisados por meio da técnica de análise de conteúdo, seguindo as etapas propostas por Triviños (1995): Pré-análise consistiu na organização do material. As fontes documentais e os conteúdos foram organizados com vistas à fase seguinte; Descrição analítica consistiu na tabulação das respostas, respeitando o peso e a gradatividade sintomática das respostas, de maneira igual em todos os questionários. Interpretação inferencial consistiu na reflexão com embasamento no material empírico, estabelecendo, a partir da pontuação obtida, uma relação com cada modelo de diversidade cultural e identificando os pontos mais importantes neste processo. Questionário utilizado para avaliação do processo nos eventos Não encontramos na literatura nenhum modelo de questionário que fosse tão específico para o propósito deste trabalho, motivo pelo qual criamos um questionário estratificando o foco das perguntas em duas questões primordiais: 1) Perguntas inerentes à percepção da sinergia do evento 1 entre as empresas; 1 Evento aqui significa processo de fusão, aquisição, incorporação ou joint venture entre duas companhias distintas, tendo sido explicado isso aos entrevistados. 9

10 2) Perguntas referentes à percepção da dominação cultural entre as empresas. 3.1 Questionário de avaliação de pontos críticos para o sucesso de fusões e aquisições Perguntas referentes à sinergia 1) Qual foi o grau de mudança que você percebeu após o evento entre as empresas, de um modo geral? Muito alto Alto Médio Baixo Muito baixo 2) Qual o grau de cooperação entre os funcionários de ambas as empresas na implantação dos novos processos e sistemas? Muito alto Alto Médio Baixo Muito baixo 3) Com que intensidade você acredita que foram respeitados os valores de ambas as empresas neste processo? Muito alto Alto Médio Baixo Muito baixo 4) Como você qualificaria a comunicação para os colaboradores em relação ao processo de integração das empresas? Ótima Boa transparência Média Pouca Não foi transparência e e divulgação transparência e transparência e transparente e nem divulgação divulgação divulgação bem divulgada Perguntas referentes à dominação cultural 5) Houve alguma imposição nos costumes da empresa? Por exemplo, dresscode, estacionamento etc. Não houve imposições Poucas imposições Algumas imposições Muitas imposições 10

11 6) Qual o grau de liberdade e independência em suas atividades que prevalece na sua empresa após o evento. Total liberdade Alto grau Médio grau Baixo grau Muito baixo grau 7) Você percebeu sinergias nas áreas e nas atividades entre as empresas absorvendo características de ambas e preservando o que cada uma tem de melhor? Alta Media Baixa Nenhuma A performance sinergia sinergia sinergia sinergia piorou com o evento 8) Qual o grau de resistência das pessoas em relação às mudanças que estão ocorrendo ou ocorreram neste processo? Muito baixo Baixo Médio Alto Muito Alto 9) Você acredita que as movimentações de cargos e pessoas decorrentes do evento foram corretas e justas? Muito corretas e justas Corretas Parcialmente corretas e justas Incorretas e injustas e justas 10) Você acredita que as motivação das pessoas na empresa com o evento... Aumentou muito Aumentou um pouco Permaneceu a mesma Piorou um pouco Piorou muito 11) Você teria orgulho e convidaria um grande amigo seu para trabalhar na nova empresa pós-evento? Convidaria certamente Convidaria com ressalvas Não convidaria Aconselharia ele a não vir 3.2 Forma de aplicação do questionário 11

12 Foram encaminhados por survey e tabulados em planilha eletrônica. O público foi direcionado conforme já mencionado para profissionais que já vivenciaram este processo ou ainda envolvidos em fusões e aquisições atualmente. Foram enviados 30 convites dos quais obtivemos 21 respostas em tempo e três fora do prazo solicitado. Mesmo sem fins estatísticos, esse tamanho de amostra já é relevante para uma análise quantitativa, conforme afirmam Thomas Willians et al (2007). TABELA DIAGNÓSTICA QUADRO 2 GABARITO PERGUNTA PESO x x x Total Cada resposta possui um peso conforme quadro acima, variando de 5 a 1. E, conforme pontuação auferida atribui-se um conceito conforme abaixo: DIAGNÓSTICO DA CULTURA ORGANIZACIONAL NOS EVENTOS De 55 a 33 pontos De 33 a 22 pontos De 22 a 8 pontos Sinergia Segregação Dominação. 4 Resultados obtidos 12

13 Foram enviados 30 convites para os respondentes e o retorno foi de 80% (24 retornos de 30 enviados) do público pesquisado. Mesmo sem o propósito de construir estatística, pois a amostra foi direcionada e intencional, podemos afirmar que o tema é de interesse dos respondentes. GABARITO PERGUNTA PESO total média , , , , x 73 3, , , , x 67 3, , x 88 4,2 Total ,4 Foram 21 questionários respondidos e os conceitos para os eventos ficaram distribuídos conforme gráfico abaixo: Fonte: os autores 13

14 média 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5-4,2 3,7 3,5 3,5 3,3 3,2 3,0 3,0 2,9 2,6 2, Fonte: os autores Constatamos que em 14 questionários dos 21 válidos na avaliação dos respondentes houve sinergia no evento e em sete houve segregação. Logo 33% dos profissionais considera que a dominação cultural ocorreu nos processos de fusão e aquisição, enquanto 66% percebeu uma sinergia na cultura organizacional. O evento classificado como dominação não foi observado nenhuma vez no trabalho. Notamos também que a maior média foi observada na pergunta 11 que se refere à possibilidade de contratar um amigo para trabalhar na nova empresa pós-evento. A média mais baixa ficou para a questão 03 que questiona se foram respeitados os valores de ambas as empresas nos processos de fusão ou aquisição. Não encontramos grande variabilidade nas médias das notas dadas para as 11 questões (var = 0,198). 5 Conclusões/recomendações O presente trabalho buscou identificar a presença ou não dos possíveis conceitos que podem qualificar o encontro de duas culturas. Os resultados encontrados apontam para eventos onde houve sinergia e segregação das culturas na proporção de 3 para 1, a favor do evento que chamamos de SINERGIA. Sob essa ótica concluímos que a maioria dos eventos (66%) foi percebido pelos respondentes como sinérgicos entre as companhias, ou seja, os efeitos são benéficos para a cultura organizacional das empresas que passam pelos eventos citados no início do trabalho. Os eventos chamados de segregação e dominação (este último não apontado em nenhum caso) ainda que presentes nas respostas não representaram a maioria do comportamento pesquisado, de certo modo surpreendendo-nos, pois o senso comum em torno 14

15 deste tema é que eventos, principalmente fusões e aquisições, causam traumas culturais nas empresas e choques no seu quadro de colaboradores. A elevada nota média da resposta da questão 11 nos permite concluir que indicar um amigo para trabalhar na companhia pós-evento confirma a crença de que a empresa no novo modelo será melhor; confirmando a preferência das respostas por um comportamento de sinergia. 5.1 Limitações do estudo e sugestões para pesquisas futuras O trabalho não pode ser considerado conclusivo mas apenas indicativo a partir de um modelo empírico. Existem algumas limitações de cunho metodológico, principalmente relacionadas à amostra. A amostra pode apresentar algum viés, pois a maioria dos respondentes teve seus cargos mantidos nos processos de fusões e aquisições que vivenciaram, sendo essa uma das possibilidades para ausência de respostas apontando o evento como dominação. Considerando que o número total de respondentes foi de 80% dos convidados notamos que há grande interesse pelo tema. O pequeno número absoluto de questionários não modifica a relevância do trabalho, haja vista a alta qualificação do público clusterizado e envolvido com o tema, garantindo qualidade técnica nas respostas. Contudo, não é recomendável agregar valor estatístico sobre o trabalho. 6 Recomendações Não encontramos farto material bibliográfico sobre o tema em português, e nem exemplos recentes de companhias que tenham divulgado ou estudado e publicado de algum modo seus eventos ligados a fusões, aquisições ou joint ventures. Isso nos estimula a promover novos estudos e aprofundar as questões sociais e comportamentais nestes processos. Notadamente as preocupações financeiras e operacionais destes eventos precedem as influências culturais da companhia. A negligência disto pode dificultar a performance da nova companhia que surge, a partir da fusão de outras duas. A negação e a falta de métodos para mensuração destes impactos de um lado representam a oportunidade para novos estudos e de outro sinalizam um 15

16 provável prejuízo não auditado nestes processos, que não poderão ser identificados se não forem estudados antes, durante e depois da consolidação dos eventos entre empresas que se fundem ou se agrupam como descrevemos. Novos estudos serão mais conclusivos se puderem segregar os entrevistados por nível de responsabilidade nas organizações e também separando os que permaneceram, daqueles que se desligaram das empresas durante os processos de consolidação. Para novos estudos recomendamos a repetição do questionário para os mesmos respondentes na fase inicial e posteriormente, após a conclusão dos eventos. Isso seria também uma forma de confirmar as percepções e conclusões observadas, não restringindo a amostra apenas à visão daqueles que permaneceram na organização. 7 Referências bibliográficas BARROS, B. T. (org) Fusões, aquisições e parcerias. São Paulo: Atlas, CHILD, J.; FAULKNER, D. Strategies of cooperation: Managing alliances, networks, and joint ventures. New York: Oxford University Press, FLEURY, M. T. L. Cultura Organizacional e estratégias de mudanças: recolocando estas questões no cenário brasileiro atual. jun Disponível em: < Acesso em: 23 jun FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. M. Cultura e Poder nas Organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, KPMG Corporate Finance LTDA - MOTTA, F. C. P; CALDAS, M. P. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, ROSSETTI, Jose Paschoal. Fusões e aquisições no Brasil: as razoes e os impactos. São Paulo: Atlas, (cap.3, p 67-87) TANURE, Betania; CANÇADO, Vera L. Fusões e Aquisições: Aprendendo com a experiência brasileira. ERA Revista de administração de Empresas, vol. 45, num. 2, abriljunho, Fundação Getulio Vargas São Paulo, Brasil, WOOD JR, T. Mudança Organizacional. São Paulo: Atlas,

17 WILLIANS, T.A.et al Estatística Aplicada À Administração E Economia. 2ª ed. Cencage Learning, HOFSTEDE, G. Cultures and Organizations: Software of the mind. New York: McGraw Hill,

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas Competitiva Melhores Práticas A consolidação e a convergência estão intensificando a concretização de operações de - FA (tradicionalmente conhecidas como MA mergers and acquisitions) considerada uma das

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

A VISÃO E A PERCEPÇÃO DO COACH NO SEGMENTO PORTUÁRIO

A VISÃO E A PERCEPÇÃO DO COACH NO SEGMENTO PORTUÁRIO Revista Ceciliana Dez 2(2): 68-72, 2010 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana A VISÃO E A PERCEPÇÃO DO COACH NO SEGMENTO PORTUÁRIO Aline Jardim Pereira,

Leia mais

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS EDITORIAL Bem vindos à nossa pesquisa. No Brasil desde 2000, a Michael Page foi a primeira consultoria internacional de recrutamento

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

AUTOR(ES): IANKSAN SILVA PEREIRA, ALINE GRAZIELE CARDOSO FEITOSA, DANIELE TAMIE HAYASAKA, GABRIELA LOPES COELHO, MARIA LETICIA VIEIRA DE SOUSA

AUTOR(ES): IANKSAN SILVA PEREIRA, ALINE GRAZIELE CARDOSO FEITOSA, DANIELE TAMIE HAYASAKA, GABRIELA LOPES COELHO, MARIA LETICIA VIEIRA DE SOUSA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TECNOLOGIA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Luiz Marcatti Fevereiro/2009 GOVERNANÇA CORPORATIVA É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos

Leia mais

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS

Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS 1 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão e Tecnologia da Informação/ IFTI 1402 Turma 25 09 de abril de 2015 Proposta de Avaliação de Empresas para o uso do SAAS Raphael Henrique Duarte

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Pesquisa Qualitativa. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Pesquisa Qualitativa. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Pesquisa Qualitativa Professor: Roberto César Pesquisa Qualitativa x Quantitativa Objetivo Amostra Pesquisa Qualitativa x Quantitativa Alcança uma compreensão qualitativa

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 2 Abril 2015 Diagnóstico da Empresa O que somos, onde estamos, e onde queremos chegar. Alguns definem diagnóstico como etapa que antecede um projeto. Em questões

Leia mais

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365

Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 Rua José de Alencar, 377/06 Menino Deus 90880.481 Porto Alegre RS Brasil fone/fax [51] 3012.1365 guilherme@2dayconsultoria.com patricia@2dayconsultoria.com www.2dayconsultoria.com A p r e s e n t a ç ã

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

PERFIL DO PALESTRANTE

PERFIL DO PALESTRANTE Agenda PERFIL DO PALESTRANTE João Batista Gonçalves jbatista@en-sof.com.br Formação Acadêmica Bacharel em Administração Pós Graduado em Sistemas Mestre em Finanças Experiência Profissional 35 Anos em Tecnologia

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO

14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 14 de dezembro de 2012 MONITORAMENTO DO PROGRAMA APRENDIZ LEGAL/ FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO 1. APRESENTAÇÃO A presente proposta de projeto refere-se ao Monitoramento do Programa Aprendiz Legal idealizado

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral:

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral: 7. Conclusão A conclusão do trabalho de pesquisa, exposto através desta dissertação, perpassa por duas vertentes. A primeira está relacionada aos objetivos traçados no início do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL ELABORAÇÃO DOS PROJETOS PROFª: Daniele Dias de Oliveira Bertagnolli Mai/2012 PROJETO A palavra projeto (do latim projectu, particípio passado de projicere, lançar

Leia mais

4 Metodologia da Pesquisa

4 Metodologia da Pesquisa 79 4 Metodologia da Pesquisa Este capítulo se preocupa em retratar como se enquadra a pesquisa de campo e como foram desenvolvidas as entrevistas incluindo o universo pesquisado e a forma de analisá-las

Leia mais

3 Metodologia e Objeto de estudo

3 Metodologia e Objeto de estudo Metodologia e Objeto de estudo 36 3 Metodologia e Objeto de estudo Neste capítulo, através da explanação da metodologia de pesquisa e do objeto de estudo, serão definidas as questões centrais de estudo,

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK.

Palavras-chave: startups, gerenciamento de pessoas em projetos, processos do PMBOK. PMBOK NA GESTÃO DE RH EM STARTUPS AUTORES Elaine Cristhina Castela Oyamada Henrique Spyra Gubert Juliana da Costa e Silva Juliana Theodoro de Carvalho Leitão Ricardo Takeshita ORIENTADOR Fábio Judice CURSO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Due Diligence para Marcas e Pessoas

Due Diligence para Marcas e Pessoas Due Diligence para Marcas e Pessoas por Maximiliano Tozzini Bavaresco ABOVE BRANDING CONCEPT No mundo corporativo as fusões e aquisições estão cada vez mais corriqueiras. Volta e meia surgem notícias sobre

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D.

TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING NA ÁREA DE SEGUROS E A PENETRAÇÃO DE SEGUROS MASSIFICADOS NAS CLASSES C E D. CATEGORIA:

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação.

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação. a 9 de Dezembro Clima organizacional: uma análise comparativa entre a empresa x e a empresa y do setor varejista de eletrodomésticos e móveis, que disputam o mesmo nicho no município de Bambuí-MG Franciele

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social Título Desafios na Comunicação da Ação Social Privada 1 Autores Prof. Dr. Paulo Nassar, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e presidente da ABERJE Associação Brasileira

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais