ESTUDO DO PLANO DIRETOR RODOVIÁRIO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Componente I Programa de Contagens Sistemáticas de Tráfego

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DO PLANO DIRETOR RODOVIÁRIO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Componente I Programa de Contagens Sistemáticas de Tráfego"

Transcrição

1

2

3

4

5 ESTUDO DO PLANO DIRETOR RODOVIÁRIO DO ESTADO DE SANTA CATARINA Componente I Programa de Contagens Sistemáticas de Tráfego Volume I.1 Concepção, Desenvolvimento e Operação do Programa Componente II Sistema de Planejamento Rodoviário Volume II.1 Sistema de Informação Rodoviária (SIR) Volume II.2 Volume II.3 Volume II.4 Volume II.5 Volume II.6 Volume II.7 Volume II.8 Volume II.9 Volume II.10 Sistemas Gerenciais do DEINFRA Sistema de Gestão dos Dados de Tráfego (GDT) Estudos Sócio-Econômicos Matrizes (ESE) Sistema de Gestão de Matrizes e de Dados (GEMADA) Sistema Intermodal de Transportes (SIT) Sistema da Condição da Malha (HDM) Sistema de Previsão da Demanda de Tráfego (SAR) Sistema de Previsão da Demanda de Tráfego (CUBE) Sistema de Avaliação Multicriterial da Malha (SMC) Componente III Plano Diretor Rodoviário Volume III.1 Síntese do Plano Diretor Rodoviário Volume III.2 Volume III.3 Volume III.4 Volume III.5 A Malha Rodoviária Atual do PDR/SC Visão do Futuro A Malha Rodoviária Futura Plano Diretor Rodoviário i

6

7 APRESENTAÇÃO

8

9 APRESENTAÇÃO O processo de planejamento de transportes deve ser entendido como um conjunto de atividades interligadas que tem por objetivo aprimorar a qualidade de vida dos cidadãos, particularmente nos aspectos relacionados ao funcionamento do Sistema de Transportes. O mesmo deve ser uma atividade contínua, que acompanha a evolução do sistema estudado, bem como da natureza de seus problemas e da eficácia das soluções adotadas. Portanto, é essencial que o planejamento seja conduzido com um enfoque sistêmico, considerando os componentes do sistema, suas relações e sua interface com o ambiente em que se insere. As principais etapas associadas ao processo de planejamento de uma forma geral são: a identificação dos problemas; a delimitação do sistema de interesse; estabelecimento de metas e objetivos para o sistema; a geração de alternativas para solução dos problemas identificados; a simulação do comportamento do sistema, em particular face as alternativas consideradas; a avaliação das alternativas estudadas; a seleção da alternativa que melhor atenda aos objetivos estabelecidos; a implantação da alternativa selecionada; e o acompanhamento da evolução do sistema visando à identificação de novos problemas. A partir da análise das características e do funcionamento dos sistemas de transportes existentes e atuantes em Santa Catarina apresentadas nos relatórios socioeconômico e de sistemas de transportes o presente estudo apresenta a visão de futuro do sistema de transporte rodoviário e dos demais modais de transporte em Santa Catarina. Apresenta também as projeções das variáveis explicativas que dão sustentabilidade aos cenários propostos. O estudo apresenta os cenários tendencial e normativo para o transporte de cargas e de passageiros além de propor uma nova matriz de repartição modal vinculada às proposições de interferências apresentadas no Plano Catarinense de Desenvolvimento 2015, no Master Plan de Santa Catarina Logística de Transportes, no Plano Nacional de Logística de Transportes e em outros estudos institucionais. O Plano Diretor Rodoviário, concebido em sinergia com as propostas de desenvolvimento do estado de Santa Catarina e do Brasil, constitui-se num importante instrumento de planejamento para racionalização e adequação da infra-estrutura rodoviária às demandas da sociedade. Florianópolis, 17 de dezembro de Engº. Vitor Fonseca Coordenador do Estudo v

10

11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

12

13 Lista de Abreviaturas e Siglas ABC Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTT Agência Nacional de Transportes Terrestres CEFET Centro Federal de Educação Tecnológica CODESUL Conselho de Desenvolvimento do Sul CNT Confederação Nacional de Transportes DETER Departamento de Transportes e Terminais DEINFRA Departamento Estadual de Infra-estrutura DENATRAN Departamento Nacional de Trânsito DNER Departamento Nacional de Estradas de Rodagem DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes EPAGRI Empresa de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural de Santa Catarina FIESC Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina GEIPOT Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IDH Índice de Desenvolvimento Humano IDH-M Índice de Desenvolvimento Humano Municipal LDO Lei das Diretrizes Orçamentárias LOA Lei Orçamentária Anual ONDEE/SC Projeto Oportunidades de Negócios para o Desenvolvimento Econômico e Estratégico de Santa Catarina PCD Plano Catarinense de Desenvolvimento PDR Plano Diretor Rodoviário PIB Produto Interno Bruto PIM-MT/SC Plano de Integração Multimodal - Ministério dos Transportes PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNLT Plano Nacional de Logística de Transportes PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PPA Plano Plurianual RFFSA - Rede Ferroviária Federal S.A. SEBRAE Serviço de Apoio às micro e Pequenas Empresas SDS Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável SDR Secretaria de Desenvolvimento Regional SIE Secretaria de Estado da Infra-estrutura SR Serviço Rodoviário (de Transporte Intermunicipal de Passageiros)

14 Plano Diretor Rodoviário Visão do Futuro SU Serviço Urbano (de Transporte Intermunicipal de Passageiros) TKU Toneladas quilômetro útil UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina UFSC Universidade Federal de Santa Catarina UNIVALI Universidade do Vale do Itajaí

15 LISTA DE FIGURAS

16

17 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 Classe de taxa de motorização das cidades catarinenses Figura 2.2 Frota de veículos das cidades catarinenses Figura 3.1- Microrregiões selecionadas para o cenário normativo Figura 4.1 Malha Ferroviária Brasileira Figura Ciclo de serviços de cabotagem

18

19 LISTA DE GRÁFICOS

20

21 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 2.1 População de Santa Catarina, por situação de domicílio Gráfico 2.2 Taxa de Motorização das Regiões Catarinenses Gráfico 2.3 Distribuição da frota catarinense por região Gráfico 2.4 Produção agrícola, lavouras temporárias e permanentes de SC Gráfico 2.5 Distribuição territorial da produção agrícola em SC Gráfico 2.6 Evolução da produção agrícola e área plantada de SC Gráfico Aumento na demanda de transporte relacionado com o crescimento do volume de carga gerado pelo crescimento da produção Gráfico 3.2 Viagens anuais de linhas regulares no transporte interestadual e internacional de passageiros entre 2000 e 2005, em Santa Catarina Gráfico 3.3 Viagens anuais de linhas regulares no transporte intermunicipal de passageiros entre 1999 e Gráfico 3.4 Tendências de crescimento do volume de veículos no transporte interestadual e internacional de passageiros em Santa Catarina Gráfico 3.5 Evolução tendencial de viagens diárias do transporte interestadual e internacional de passageiros em Santa Catarina ( ) Gráfico 3.6 Tendências de crescimento do volume de veículos no transporte intermunicipal de passageiros Gráfico 3.7 Evolução tendencial do número de viagens diárias realizadas pelas linhas regulares no transporte intermunicipal de passageiros ( ) Gráfico 3.8- Divisão percentual do motivo de viagem linhas curtas Gráfico 3.9- Divisão percentual do motivo de viagem linhas longas Gráfico 3.10 Motivos das viagens no metrô de São Paulo Gráfico 3.11 Participação modal da matriz de transportes de passageiros em nível nacional Gráfico 4.1 Matriz de Transporte Atual e Futura Gráfico 4.2 Carga transportadas em ferrovias no Brasil Gráfico 4.3- Exportações e importações do porto de Imbituba Gráfico 4.4- Exportações e importações do porto de São Francisco do Sul Gráfico 4.5- Exportações e importações do porto de Itajaí Gráfico 4.6 Comparação entre a Matriz de Repartição modal atual e proposta

22

23 LISTA DE TABELAS

24

25 LISTA DE TABELAS Tabela 1.1- Valores comparativos da produção pecuária entre os anos de 1955 e Tabela Valores percentuais da produção industrial catarinense nos anos Tabela Valores percentuais da produção industrial catarinense em Tabela 1.4- Dimensões, macrodiretrizes e áreas de atuação do Plano Catarinense de Desenvolvimento Tabela 1.5 Diretrizes da dimensão tecnologia Tabela Diretrizes da dimensão política pública Tabela Diretrizes da dimensão economia e meio ambiente Tabela Diretrizes da dimensão social Tabela 1.9 Estratégias para a área de infra-estrutura Tabela 2.1 Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil e de Santa Catarina Tabela 2.2 Estimativas populacionais, em números absolutos, do Brasil, região sul e respectivos estados 1990 a Tabela 2.3 Taxas médias geométricas de crescimento anual da população no Brasil, região sul e respectivos estados Tabela 2.4 Distribuição da população das mesorregiões em relação à população total do estado , em percentual Tabela Evolução da população catarinense para o período de 1970 a 2023 e taxas de crescimento Tabela 2.6 Produto interno bruto a preços constantes do Brasil e de Santa Catarina valor adicionado por setor econômico de Santa Catarina (em milhões de reais). 51 Tabela 2.7 Produto interno bruto per capita do Brasil, da região Sul e respectivos estados Tabela 2.8 População, PIB e PIB per capita por microrregião de SC Tabela 2.9 Participação das atividades econômicas no PIB Tabela Projeção do PIB a preços constantes dos municípios catarinenses em Data Base 2004 (em R$ mil)- (continua) Tabela 2.11 Valores absolutos de veículos e percentuais por região, Tabela 2.12 Projeção da Frota de veículos e da taxa de motorização das cidades catarinenses 2005 a 2023 (continua) Tabela 2.13 Produção agrícola de Santa Catarina (milhões ton) Tabela 2.14 Quantidade produzida, área plantada e rendimento médio das lavouras de SC Tabela 2.15 Indicadores Industriais de Santa Catarina Tabela 2.16 Taxa média de crescimento de produtos industriais catarinenses Tabela 3.1 Resumo das Matrizes de Carga do ano base (2005) e dos anos 2008, 2011, 2015 e Tabela 3.2 Características das microrregiões selecionadas para análise no cenário

26 normativo (continua) Tabela 3.3- Principais produtos, volume de carga movimentada e sua representatividade das microrregiões analisadas no cenário normativo Tabela 3.4 Incremento na geração de cargas no cenário normativo Tabela 3.5 Incremento na geração de cargas no cenário normativo Tabela 3.6 Incremento na geração de cargas no cenário normativo Tabela 3.7 Resumo geral dos dados operacionais Tabela 3.8 Características operacionais do transporte interestadual e internacional de passageiros em Santa Catarina Tabela 3.9 Viagens anuais de linhas regulares e serviços de fretamento intermunicipais entre 1999 e Tabela 3.10 Fator de crescimento do transporte interestadual e internacional de passageiros em Santa Catarina Tabela 3.11 Análise de projeções estatísticas do crescimento de viagens interestaduais e internacionais em Santa Catarina Tabela 3.12 Viagens médias diárias, relativa a dias úteis, de serviços de fretamento intermunicipais Tabela 3.13 Fator de crescimento do transporte intermunicipal de passageiros Tabela 3.14 Análise de projeções estatísticas do crescimento de viagens intermunicipais Tabela 3.15 Relação entre o número de alunos no ensino superior e viagens de serviços de fretamento que atendem as respectivas instituições Tabela Unidades de ensino da UDESC situação atual e previsão de expansão Tabela 3.17 Unidades de ensino do CEFET/SC situação atual e previsão de expansão Tabela 3.18 Meios de transporte utilizados pelos turistas que visitam Santa Catarina Tabela 3.19 Principais atrativos turísticos em Santa Catarina Tabela 4.1 Repartição modal no Brasil para cargas Tabela 4.2 Frota brasileira de caminhões e nº de registros por tipo de transportador Tabela 4.3 Rodovias brasileiras asfaltadas e estado de conservação Tabela Volume Transportado em milhões de Ton. e Produção do Transporte de Carga em Bilhões de TKU nas Ferrovias brasileiras ( ) Tabela 4.5 Repartição modal e Produção do Transporte de Carga em TKU Tabela 4.6 Trafego de cargas em ton/ano nos trechos catarinense da ALL Tabela Produção de transporte ferroviário em Santa Catarina Tabela 4.8- Movimentação de cargas nos portos catarinenses Tabela 4.9- Produção de transporte de cabotagem em Santa Catarina Tabela 4.10 Movimentação de cargas em oleodutos em Santa Catarina Tabela 4.11 Movimentação de cargas em gasoduto em Santa Catarina Tabela Movimentação de cargas nos aeroportos catarinenses

27 Tabela Total de carga movimentada em Santa Catarina Tabela Matriz de repartição modal projetada para Santa Catarina Tabela 4.15 Matriz de repartição modal projetada para Santa Catarina Tabela A.1 - Investimentos em Transportes no Vetor Sul- SC - no Período Tabela A.2- Investimentos em Transportes no Vetor Sul- SC - no Período Tabela A.3 - Investimentos em Transportes no Vetor Sul no Período Pós Tabela B.1- Cenário Tendencial da evolução do volume de carga a ser transportada em Santa Catarina Tabela B.2- Cenário Tendencial da evolução do volume de carga a ser transportada em Santa Catarina , 167 Tabela B.3- Cenário Tendencial da evolução do volume de carga a ser transportada em Santa Catarina Tabela B.4- Cenário Tendencial da evolução do volume de carga a ser transportada em Santa Catarina Tabela C.1 - Cenário Tendencial da evolução do número de viagens interestaduais e internacionais em Santa Catarina continua Tabela D.1 Cenário Tendencial da evolução do número de viagens intermunicipais em 201

28

29 SUMÁRIO

30

31 SUMÁRIO 1 VISÃO DO FUTURO PARA A MALHA RODOVIÁRIA Retrospectiva da evolução do estado de Santa Catarina Crescimento da População e da Urbanização O Crescimento e as Modificações na Economia Catarinense A Evolução do Sistema de Transportes A Evolução do Transporte Rodoviário As Condições que Contribuíram para o Desenvolvimento Catarinense Tendências e perspectivas de desenvolvimento do estado de santa Catarina Desconcentração e descentralização da gestão pública em Santa Catarina Plano Catarinense de Desenvolvimento Master Plan de Santa Catarina Logística de Transportes Plano Nacional de Logística de Transportes Outros estudos para o estado de Santa Catarina Cenários evolutivos da demanda rodoviária Cenário tendencial Cenário normativo EVOLUÇÃO SOCIOECONÔMICA Evolução da população e de sua mobilidade Indicadores sociais e econômicos Produto Interno Bruto Frota de Veículos e Taxa de Motorização Evolução dos produtos agrícolas Evolução da produção agrícola Principais culturas Localização da produção agrícola Área plantada Evolução dos produtos industriais... 86

32 3 EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO Transporte de cargas Cenário Tendencial Cenário Normativo Metodologia Transporte de passageiros Transporte individual Transporte coletivo EVOLUÇÃO DA MATRIZ DE REPARTIÇÃO MODAL Matriz de Repartição Modal no Brasil: cenário atual Matriz de Repartição Modal em Santa Catarina: cenário atual Matriz de Repartição Modal em Santa Catarina: cenários futuros Recomendações gerais REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

33 CAPÍTULO 1 - VISÃO DO FUTURO PARA A MALHA RODOVIÁRIA

34

35 1 VISÃO DO FUTURO PARA A MALHA RODOVIÁRIA A visão de futuro para o sistema de transportes e para a malha rodoviária de Santa Catarina, naturalmente depende da visão do futuro para o Estado como um todo e dentro dos diversos aspectos a considerar: política pública, educação, saúde, economia, tecnologia, segurança, meio ambiente, etc., a qual, por sua vez, está dependente do contexto geral do país e, em certa medida, da evolução global a nível mundial. Portanto, a visão do futuro contida neste trabalho procurou levar em consideração as evoluções mais realistas através de parâmetros relacionados com o desenvolvimento global a nível mundial, de América do Sul, nacional e, finalmente, estadual. É do conhecimento geral que as opções por dados futuros, por mais realistas que sejam, são sempre uma previsão, a qual deverá ser monitorada e atualizada de forma a constituir, sempre, uma base de trabalho real. Será através desse monitoramento que se chegará o mais perto possível dos objetivos pretendidos para este PDR/SC, com horizonte até ao ano de Por sua vez, as tendências de evolução de uma malha rodoviária são sempre função da evolução de aspectos sócio-econômicos que podem se alterar a partir de fatores ligados ao desenvolvimento regional, ao ordenamento territorial e à evolução da macro-economia. Face a estes aspectos, os cenários da visão do futuro considerada neste Plano Diretor Rodoviário, tiveram como base: a) a antevisão da evolução global dos fatores sócio-econômicos nos diferentes países do mundo, principalmente naqueles que têm uma relação mais forte com o Brasil em geral e com o Estado de Santa Catarina em particular, através de uma análise dos diversos aspectos ligados ao seu desenvolvimento; b) as potencialidades do Brasil como um todo; e c) os objetivos precisos do Governo do Estado de Santa Catarina que orientam a sua atuação e que são claramente expostos no Plano Catarinense de Desenvolvimento SC2015 (PDC). Em relação a este último aspecto objetivos do Governo do Estado de Santa Catarina neste trabalho foram tidos em consideração aos objetivos sintetizados na frase tornar o Estado de Santa Catarina referência em desenvolvimento sustentável, nas dimensões ambiental, econômica, social e tecnológica, promovendo a equidade entre pessoas e regiões. Sabe-se, contudo, que uma visão do futuro tem sempre fatores subjetivos, na medida em que ela depende do caráter mais ou menos sonhador ou realista de quem cria essa visão. Estadistas ou políticos famosos ficaram na história pela ousadia que tiveram em realizar sonhos que deram certo, enquanto outros ficaram famosos pela ousadia que tiveram em realizar sonhos que se tornaram elefantes brancos. A visão de futuro tomada como base para este Plano Diretor Rodoviário, além de ter em conta, como já se afirmou, a evolução global a nível mundial e a evolução do Brasil, fundamenta-se fortemente na visão de futuro do Plano Catarinense de Desenvolvimento SC2015 que constitui o documento de planejamento mais atual e com maior peso para o desenvolvimento do Estado de Santa Catarina. Este documento estabelece diretivas para as diferentes áreas de atuação do estado para o período de 2007 a 2015 e vai ser analisado mais em detalhe nos capítulos que se seguem. Na elaboração da visão do futuro para o sistema de transportes e para a malha rodoviária, foram tidos em conta os parâmetros atrás mencionados, mas é evidente que não se pode nunca dissociar a responsabilidade do estado da responsabilidade do governo federal, já que o sistema de transportes tem de ser visto como um todo e uma boa parte dos modais e da malha rodoviária (precisamente as rodovias com tráfego mais alto) são de Página 3

36 Plano Diretor Rodoviário Visão do Futuro responsabilidade da União, enquanto as rodovias estaduais, que têm uma maior extensão na malha, são de responsabilidade estadual. Para melhor se poder trabalhar numa visão do futuro, entendeu-se aconselhável analisar como evoluíram alguns aspectos sócio-econômicos no passado recente, de forma a melhor se poder antever o futuro próximo e, neste contexto, será feita uma retrospectiva da evolução do Estado de Santa Catarina nos últimos 50 anos. 1.1 Retrospectiva da evolução do estado de Santa Catarina A análise da evolução do Estado de Santa Catarina embora se concentre mais nos fatores e parâmetros mais ligados ao setor de transportes, aborda também outros aspectos gerais ligados à evolução global. A análise efetuada revela uma evolução muito rápida em praticamente todos os aspectos, sendo talvez o da população e o do setor de transportes aqueles que mais surpreenderam, como se pode constatar nos sub-capítulos que a seguir se descrevem Crescimento da População e da Urbanização Verificou-se que a população catarinense, segundo o censo de 1950, atingia habitantes, dos quais 70% localizavam-se na zona rural e 30% nas áreas urbanas, sendo que a maior cidade, Florianópolis, contava com habitantes. O censo de 2000, mostrou um quadro completamente diferente, com um crescimento bem acelerado o que provocou um grande crescimento da população, a qual chegou ao ano 2000 com habitantes, crescendo mais de 350% no período de 50 anos. As cidades cresceram de forma significativa no período considerado, aparecendo grandes cidades e áreas conurbadas, notadamente ao longo do litoral, como Joinville com habitantes, Florianópolis com , Blumenau com , Criciúma com e Chapecó com A população rural estava disseminada por toda a superfície do Estado, com diferentes graus de densidade sem, contudo, apresentar contrastes muito acentuados. Observava-se uma tendência de maiores densidades ao longo dos rios e a última corrente de povoamento constituída por italianos e alemães provenientes do Rio Grande do Sul, completava a ocupação do Planalto, última parte do Estado a ser efetivamente ocupada. Entretanto com a evolução da situação e com o sonho de melhores rendimentos as populações começaram a migrar para a região litorânea que teve um desenvolvimento mais rápido. A taxa de urbanização, que era de 30%, em 1950, passou a mais de 70% em 2003, principalmente na região do litoral e nas imediações das grandes cidades O Crescimento e as Modificações na Economia Catarinense Se forem considerados os últimos anos a economia catarinense cresceu e se modificou, adaptando-se aos desafios de uma maior integração regional, nacional e internacional. Apareceram novos produtos agrícolas e industriais e outros perderam importância ou mesmo desapareceram, como se pode verificar numa análise sucinta nos itens que seguem. Página 4

37 Agricultura a) O milho firmou sua posição de maior produto agrícola de Santa Catarina com expressivo crescimento da sua produção vinculado ao avanço da tecnologia de cultivo e a programas de incentivo governamentais. Este crescimento deveu-se tanto ao aumento da área cultivada como ao da produtividade. b) O trigo, segundo maior produto da agricultura catarinense nos anos 50, perdeu importância relativa, sendo que sua participação passou de 17% para apenas 2,1% do total da produção agrícola catarinense. Tal fato se deve à concorrência do trigo importado e a introdução de novos produtos agrícolas. c) A mandioca, terceiro maior produto agrícola de Santa Catarina em 1955, viu sua produção decrescer no período considerado, passando para o sexto lugar no ranking da produção agrícola catarinense em função de mudanças no perfil de consumo da alimentação humana e animal. d) A cana de açúcar, que já tinha certa importância nos anos 50 e 60, recebeu um grande impulso nos anos 70 e 80 quando o açúcar catarinense recebeu incentivos para a exportação. e) O feijão foi outro produto que apresentou grande decréscimo na produção graças a concorrência de outras regiões produtoras e sua substituição por outros cultivos. f) O arroz cresceu de forma expressiva, no período considerado, graças ao aumento da área plantada e também da produtividade. Ligado a um consumo sempre crescente o arroz é atualmente o segundo maior produto agrícola catarinense. g) O fumo é outro produto que apresentou crescimento de produção nos últimos 50 anos, embora tenha perdido importância relativa, retroagindo do sétimo lugar na produção agrícola, em 1955, para o nono lugar em Ligado a um consumo industrial, que incentivou sua produção, seu crescimento é relativo às necessidades dos fabricantes de cigarros. h) A batata inglesa aumentou bastante sua produção no período considerado. Importante item da alimentação, sua produção cresceu com o aumento do consumo causado pelo crescimento demográfico. Perdeu, todavia, posição relativa devido ao aparecimento de novos produtos. i) A soja foi introduzida em Santa Catarina ao final dos anos 60 e encontrou condições favoráveis para o seu crescimento. Seus subprodutos passaram a fazer parte da alimentação humana e animal do Estado e, no caso do farelo, constitui importante produto de exportação. Atualmente é o terceiro produto em quantidade produzida e deu origem à instalação de industrias de transformação cuja capacidade é muito superior ao volume de produção catarinense havendo, portanto uma importante importação de soja de outros Estados brasileiros. j) A banana, caracterizada em 1955 como o principal cultivo permanente em Santa Catarina teve condições favoráveis de crescimento devido à demanda por parte de consumidores não só de Santa Catarina como também de outros Estados. Santa Catarina é atualmente o quinto produtor em volume de produção. k) A maçã, introduzida no Estado nos anos 70, desenvolveu-se rapidamente nas regiões de clima frio do Planalto, notadamente nas áreas de Fraiburgo e São Joaquim. Organizada para atender tanto aos mercados brasileiro e de exportação, a maçã ocupa atualmente o sétimo lugar em volume de produção na agricultura catarinense. l) Quase sem significado nos anos 50, foi com a cebola, cuja produção se concentra no alto vale do Itajaí e região serrana da Grande Florianópolis, que Santa Catarina conquistou a posição de maior produtor brasileiro, sendo que sua produção, além de abastecer o Estado, é enviada a outros Estados do país. m) A produção de uva aumentou pouco no período considerado. Destinada a confecção de vinhos, cujo consumo é limitado, também sofre hoje influências da concorrência de outros centros produtores de uva catarinenses, sendo essencialmente um produto de consumo local ou regional. n) O café, que nos anos 50 apresentava uma pequena produção para consumo local, desapareceu do cenário agrícola catarinense nos anos 70. o) A laranja que nos anos 50 era disseminada por todo o território catarinense teve um crescimento expressivo no período. Sua produção se concentra atualmente no Oeste do Página 5

38 Plano Diretor Rodoviário Visão do Futuro Estado sendo em grande parte destinada a indústria de suco. p) Merecem ainda referência no atual quadro agrícola catarinense produtos que eram pouco expressivos nos anos 50, mas que apresentam atualmente certa expressão e perspectivas de crescimento. São eles: o alho, os produtos hortícolas e frutas de clima temperado Pecuária O desenvolvimento da pecuária catarinense nos últimos anos pode ser observado na Tabela 1-1 que apresenta os valores principais do setor. Tabela 1-1- Valores comparativos da produção pecuária entre os anos de 1955 e 2005 Espécie Ano Crescimento no período (em %) Bovinos (Unidade) ,55 Suínos (Unidade) ,17 Aves (galinhas e frangos) ,30 Fonte: IBGE Verifica-se na Tabela 1-1 que o crescimento no rebanho nas principais espécies foi geral. O rebanho de bovinos, que cresceu 159,55%, explica-se pelo grande incremento da pecuária leiteira que, nos anos 50, restringia-se a alguns pontos do Estado, notadamente o vale do Itajaí, e que atualmente é importante em todas as regiões. O rebanho de suínos teve um crescimento relativamente modesto, de 104,17%. Esse fato se explica por restrições do mercado e principalmente pelo grande crescimento da criação de aves que passou a concorrer nas estruturas de produção implantadas nas principais áreas produtoras, ou seja, nas regiões oeste e meio oeste. O plantel avícola foi o que apresentou um crescimento mais espetacular (2.519,30%). Isso se deve ao desenvolvimento das estruturas de produção intensiva implantadas no Estado, notadamente nas regiões oeste e meio oeste, e que passaram a oferecer o produto final por um preço acessível, o que veio a mudar o hábito alimentar da população e garantiu um mercado de exportação sempre crescente Indústria A produção industrial catarinense nos anos 50, em seu aspecto global, pode ser analisada na Tabela 1-2 onde são apresentados os valores percentuais da representatividade da produção, segundo seus diferentes ramos. Já na Tabela 1-3 se mostra a produção industrial catarinense em 2005, o que permite comparar e caracterizar a evolução. Página 6

39 Tabela Valores percentuais da produção industrial catarinense nos anos 50 Representatividade da Tipos de Indústrias Produção (em %) 01 - Extrativas minerais 8,1% 02 - Extrativas vegetais e de madeira 19,8% 03 - Alimentares 27,1% 04 - Têxteis 19,4% 05 - Metalúrgicas 3,7% 06 - Mecânicas 6,3% 07 - Minerais não-metálicos 5,6% 08 - Outras 10,0% Total 100,0% Fonte: IBGE Na análise da evolução do setor industrial, deve-se assinalar que houve um crescimento geral na indústria catarinense em todos os ramos industriais. A comparação percentual visa mostrar as diferenças de dinamismo e o impacto do aparecimento de novos ramos. Deve ser ressaltada a perda de importância relativa de ramos como o extrativismo mineral, o extrativismo vegetal e a indústria têxtil. A indústria de alimentos manteve sua posição, continuando a ser o principal gênero industrial de Santa Catarina. Por outro lado, ramos industriais que não existiam, ou eram insignificantes em 1955, são agora itens importantes na composição do quadro industrial catarinense, como é o caso dos ramos: material elétrico, móveis, vestuário, papel e papelão, plásticos, produtos químicos e material de transportes. Entre as indústrias do complexo metal-mecânico o crescimento relativo mais expressivo foi o das indústrias mecânicas. Tabela Valores percentuais da produção industrial catarinense em 2005 Tipos de Indústrias Representatividade da Produção (em %) 01 - Extrativas minerais 1,08% 02 - Extrativas vegetais e de madeira 4,69% 03 - Alimentares 27,16% 04 - Têxteis 7,56% 05 - Metalúrgicas 4,29% 06 - Mecânicas 12,27% 07 - Minerais não-metálicos 4,69% 08 - Material elétrico 9,20% 09 - Móveis 3,82% 10 - Vestuário 5,86% 11 - Papel e papelão 5,96% 12 - Plásticos 7,09% 13 - Produtos químicos 2,85% 14 - Material de transporte 3,68% 15 - Outras 5,49% Total 100,0% Fonte: IBGE Página 7

I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional

I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional I Conferência Estadual de Desenvolvimento Regional Setembro 2012 AS PESSOAS EM PRIMEIRO LUGAR BRASIL 4ª maior economia Alto grau de desigualdade Disparidade na Educação, Saúde e Renda Má divisão das riquezas

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista.

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista. Diagnóstico Regional O objetivo do diagnóstico regional é identificar as principais características: econômicas e sociais da região, bem como salientar as diferenças e semelhanças entre as 29 regiões do

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Economia de Santa Catarina A economia de Santa Catarina é diversificada, no território são desenvolvidas atividades econômicas no ramo da indústria, extrativismo (animal, vegetal e mineral), agricultura,

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS INFRAESTRUTURA, REDES DE SERVIÇOS E CIRCULAÇÃO 1) Transporte e obras públicas Minas Gerais é um Estado que tem grande extensão territorial, localização

Leia mais

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES Reestruturação do Setor de ESTRUTURA Transportes DE Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no, com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

ESTUDO DO PLANO DIRETOR RODOVIÁRIO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Componente I Programa de Contagens Sistemáticas de Tráfego

ESTUDO DO PLANO DIRETOR RODOVIÁRIO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Componente I Programa de Contagens Sistemáticas de Tráfego ESTUDO DO PLANO DIRETOR RODOVIÁRIO DO ESTADO DE SANTA CATARINA Componente I Programa de Contagens Sistemáticas de Tráfego Volume I.1 Concepção, Desenvolvimento e Operação do Programa Componente II Sistema

Leia mais

exercícios _ SANTA CATARINA

exercícios _ SANTA CATARINA exercícios _ SANTA CATARINA CONTEXTUALIZANDO SANTA CATARINA EM ATIVIDADES 1. Assinale as proposições que estiverem de acordo com a hidrografia de Santa Catarina e/ou com o mapa a seguir. HIDROGRAFIA DE

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática

Planejamento da fiscalização no TCU. Um novo paradigma em prática Planejamento da fiscalização no TCU Um novo paradigma em prática Competências do TCU(art. 70 e 71 da CF) Art. 70 - A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União

Leia mais

5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados

5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados 5.7) Programas, Planos e Projetos Colocalizados 5.7.1) Metodologia No presente item, objetiva-se identificar os programas e projetos que poderão provocar algum tipo de sinergia e/ou interferência com a

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM

MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM MACAÉ SOLUÇÕES PARA OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil - BRITCHAM 31/10/2013 1 Sumário 1 DADOS ESTATISTICOS DE MACAÉ 2 MACAÉ CIDADE DO PETRÓLEO 3 AÇÕES

Leia mais

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005):

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): Palmeiras de Goiás População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): R$ 209,1 milhões PIB per capita: R$ 11.260,00 Principais distâncias: Goiânia: 76 km

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0001 / 2008 - LDO Página: 2726 de 2993 1 de 5 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 71260001 1220 Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal Unificação das associações em uma nova entidade José Perboyre Diretor Financeiro e Administrativo Coordenador do Grupo Permanente de Logística A UBABEF Entidades

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Propostas Governamentais

Propostas Governamentais Propostas Governamentais PRINCÍPIOS DEFENDIDOS PELO FÓRUM DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO SETOR EMPRESARIAL DE MINAS GERAIS Guilherme Velloso Leão Setembro/2014 Lógica do desenvolvimento O que os candidatos

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 217 218 A partir da escolha do melhor cenário Um Pacto pelo Mais RN o Mais RN definiu

Leia mais

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB)

A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) A SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA (SEMOB) ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. SEMOB 2. POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA 3. PPA DA UNIÃO 2012-2015 4. PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 24 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 36800001 0471 Ciência, Tecnologia e Inovação para a Inclusão e Desenvolvimento

Leia mais

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO?

POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? CONECTANDO O BRASIL CONECTANDO O BRASIL POR QUE INTERIORIZAR O TRANSPORTE AÉREO? O Brasil é um país de 8 milhões de quilômetros quadrados de área. Esse imenso território demanda ser integrado por uma

Leia mais

A Dimensão Territorial do Planejamento

A Dimensão Territorial do Planejamento A Dimensão Territorial Impactos econômicos da agregação de valor da Indústria Mineral César Labuto Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Belém, 21 de fevereiro de 2013 O Território como

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Estratégia Unindo Ações OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Fortalecer a capacidade de planejamento buscando o alinhamento das esferas de governo e sociedade Incorporar

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento SECRETARIA DO PLANEJAMENTO -SPG

Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento SECRETARIA DO PLANEJAMENTO -SPG MODELO DE GESTÃO PÚBLICA PARTICIPATIVA DESCENTRALIZAÇÃO AÇÃO E REGIONALIZAÇÃO AÇÃO Fortalecer a Sociedade e Promover o Desenvolvimento Santa Catarina em dados Superfície: 95.346,2 km2 População....5.774.178

Leia mais

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO

CARTA DE RIBEIRÃO PRETO CARTA DE RIBEIRÃO PRETO O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se no município de Ribeirão Preto nos dias 19 e 20 de Outubro de 2005. O Fórum pode ser considerado

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL Senhoras e senhores É com grande satisfação que participo dessa primeira Conferência de Gerenciamento de

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012

Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de 2012 CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima - PSTM Cidade: Curitiba Data: 12 de Julho de

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO NOVEMBRO 2013 ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE SOBRE O RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE PENEDO/AL E NEÓPOLIS/SE 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. RN SUSTENTÁVEL Nº 0XX/2013 2. TÍTULO Contratação de consultoria individual especializada em Comercialização e Alianças Estratégicas 3. AÇÃO(ÕES)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Washington Reis) Institui a Política Nacional de Transporte Rodoviário de Combustíveis, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005):

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005): População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano PIB (2005): R$ 2,753 bilhões PIB per capita: R$ 8.784,00 Principais distâncias: Goiânia: 54 km Brasília: 154 km São

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO Susan Dignart Gestora Governamental - MT Cuiabá MT, dezembro de 2008 GESTÃO o que é? Muitas interpretações... Gestão = Administração: organizar os meios para atingir fins; Políticas

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE

LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Uma análise do Comitê de Logística da ABAG e de seus núcleos: Infraestrutura do Transporte Logística do Transporte Armazenagem Energia Telemática Capital

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MEC/SETEC n.º 001/2007 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS PARA APOIO AO PLANO DE EXPANSÃO DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA FASE II

CHAMADA PÚBLICA MEC/SETEC n.º 001/2007 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS PARA APOIO AO PLANO DE EXPANSÃO DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA FASE II Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Departamento de Políticas e Articulação Institucional CHAMADA PÚBLICA MEC/SETEC n.º 001/2007 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS PARA APOIO

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Geografia

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Geografia Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Geografia 51. Alternativa (B) Orientação. A questão pede a localização de países que apresentam iluminação solar oposta a do Brasil. Como estava começando o

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

SUMÁRIO PALAVRA DO GOVERNADOR 5 CONTEXTO 7. introdução 11 MELHORIA DA LOGÍSTICA 15 DIRETRIZES DE LONGO PRAZO 28 GOVERNANÇA DO PROEDES 28

SUMÁRIO PALAVRA DO GOVERNADOR 5 CONTEXTO 7. introdução 11 MELHORIA DA LOGÍSTICA 15 DIRETRIZES DE LONGO PRAZO 28 GOVERNANÇA DO PROEDES 28 1 SUMÁRIO PALAVRA DO GOVERNADOR 5 CONTEXTO 7 introdução 11 proedes 13 MELHORIA DA LOGÍSTICA 15 EDUCAÇÃO E INOVAÇÃO 18 INCENTIVOS AO DESENVOLVIMENTO 23 PoLOS ÂNCORAS DE DESENVOLVIMENTO 24 DIRETRIZES DE

Leia mais

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS...

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... 7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... INTRODUÇÃO... 1 DETERMINANTES E EVOLUÇÃO DAS DISPARIDADES REGIONAIS: ENTENDIMENTO DO PROBLE- MA... 2 A ELEIÇÃO

Leia mais

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros

A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros A importância da eficiência energética para redução de consumo de combustíveis e emissões no transporte de cargas e passageiros Brasíli, 05 de junho de 2013 1 Consumo Final Energético por Queima de Combustíveis

Leia mais