PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005"

Transcrição

1 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da Federação levam a público seus respectivos resultados. Esta divulgação inaugura a nova série do PIB regional, incorporando as mudanças na metodologia de cálculo desse indicador, promovidas pelo IBGE nas Contas Nacionais, em Por tal razão, também foram recalculados os valores do PIB regional a partir de 2002, anteriormente divulgados. Desse modo, a série atualizada do PIB regional compreende o período de 2002 a 2005, tomando-se como base 2002, porque, a partir deste ano, todas as pesquisas econômicas anuais conduzidas pelo IBGE cujos resultados passam agora a compor as bases de informações consideradas no cálculo do PIB regional estavam em plena execução. O recálculo dos valores dos PIBs estaduais, de 2002 até 1995, será objeto de outra divulgação, programada para Mudanças metodológicas As principais mudanças metodológicas introduzidas, em consonância com as do cálculo do PIB brasileiro, fundam-se na incorporação de novas informações, como as produzidas pelas pesquisas econômicas anuais do IBGE, já mencionadas, e aquelas originárias de registros administrativos, bem como a adoção da classificação de atividades e produtos compatível com a Classificação Nacional de Atividade Econômica (CNAE). Assim, passaram a compor as fontes de informação, para o cálculo do PIB regional, as bases de dados originárias de: pesquisas econômicas anuais do IBGE (Pesquisa Industrial Anual PIA, Pesquisa Anual de Serviços PAS, Pesquisa Anual de Comércio PAC e Pesquisa Anual da Indústria da Construção PAIC); informações anuais da Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica, do Ministério da Fazenda; Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2003; Censo Agropecuário de SEADE 1

2 A introdução dessas novas fontes de dados aprimorou a qualidade da mensuração das atividades econômicas, tornando os resultados do PIB mais próximos da real situação das economias estaduais. Também concorreram para tanto as mudanças na forma de medir alguns setores, como é o caso da Administração Pública, anteriormente calculada pelo crescimento da população e que passou a ter índices específicos para seus segmentos. Outra alteração importante foi a eliminação da atividade dummy financeiro, com a distribuição proporcional do Sifim (Serviços de Intermediação Financeira Indiretamente Medidos) ao valor agregado de cada setor de atividade. Houve também a incorporação dos fundos de investimento na atividade de intermediação financeira e a produção não mercantil das instituições sem fins lucrativos na atividade serviços prestados às famílias. Mudança significativa foi a separação entre aluguéis e serviços prestados às empresas, bem como a nova forma de mensuração deste segmento, que adquiriu maior representatividade, com reflexos especialmente importantes no Estado de São Paulo. Com a separação das atividades agropecuárias e de alguns segmentos do setor de serviços, a nova série passou a apresentar a abertura do PIB em 17 setores de atividade: 1. Agricultura, silvicultura e exploração florestal 2. Pecuária e pesca 3. Indústria extrativa mineral 4. Indústria de transformação 5. Construção 6. Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana 7. Comércio e serviços de manutenção e reparação 8. Serviços de alojamento e alimentação 9. Transportes, armazenagem e correio 10. Serviços de informação 11. Intermediação financeira, seguros e previdência complementar 12. Serviços prestados às famílias e associativos 13. Serviços prestados às empresas 14. Atividades imobiliárias e aluguel 15. Administração, saúde e educação públicas 16. Saúde e educação mercantis 17. Serviços domésticos SEADE 2

3 Impactos nos resultados Com as alterações promovidas pela nova metodologia, a participação de São Paulo na composição do PIB nacional passou a ser maior do que a série antiga assinalava (Gráfico 1), mostrando que a metodologia anterior não foi capaz de acompanhar as mudanças ocorridas na economia brasileira e, sobretudo, na paulista 1. A importância de São Paulo na economia nacional pode ser verificada no Gráfico 2, que compara sua participação com a das grandes regiões do país. 40 Gráfico 1 Participação no PIB do Brasil, nas séries Antiga e Nova, e Taxas de Crescimento do PIB Estado de São Paulo (0,3) 5,9 3, Série Antiga Nova Série Taxa de Crescimento Anual Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Regionais; Fundação Seade. 1 A metodologia antiga tinha como referência o Censo de 1985, com evolução pelos indicadores de pesquisas conjunturais do IBGE e proxies para indicadores não-existentes. Com isso, a evolução dos indicadores se distanciava sobremaneira do início da série. A nova metodologia se mostra mais aderente à situação atual da economia. SEADE 3

4 Gráfico 2 Participação no PIB do Brasil Estado de São Paulo e Grandes Regiões do País ,0 50,0 40,0 30,0 20, ,0 - São Paulo Sudeste Norte Nordeste Sul Centro Oeste Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Regionais; Fundação Seade. As mudanças metodológicas também alteraram a participação dos setores na composição do valor adicionado (VA) do Estado. A principal modificação foi o maior peso de vários componentes do setor de serviços, até então sub-representado no PIB paulista, em detrimento da participação da agropecuária e, em menor medida, da indústria 2 (Tabela 1, no anexo). Evolução recente do PIB paulista Entre 2004 e 2005, o PIB do Brasil aumentou, em valores correntes, de R$ 1,94 trilhão para R$ 2,14 trilhões, e o paulista passou de R$ 643 bilhões para R$ 727 bilhões, no mesmo período. Em termos relativos, o crescimento real do PIB paulista foi de 3,6%, no período, maior, portanto, que os 3,2% registrados para o conjunto do país. Em conseqüência, a participação do PIB corrente do Estado de São Paulo no Brasil, que nos últimos anos vinha apresentando pequenas, mas sistemáticas reduções, reverteu essa tendência ao ampliar seu peso de 33,1%, em 2004, para 33,9% em O PIB per capita paulista tem se mantido muito acima da média nacional, com diferença sempre superior a 50%. Em 2005, essa diferença chegou a 54% (contra 51%, no 2 Vale salientar que a participação da indústria de transformação paulista na brasileira, em 2005, é praticamente a mesma apontada pelo Valor da Transformação Industrial, da Pesquisa Industrial Anual (44%, contra 43,9%, respectivamente), trazendo à luz mais elementos para uma discussão mais focada sobre a desconcentração industrial de São Paulo. SEADE 4

5 ano anterior), com valores de, respectivamente, R$ e R$ , para o PIB do Estado e do país. O Gráfico 3 mostra a participação de cada setor de atividade no VA estadual e no respectivo VA do Brasil, a preços correntes. É visível a importância de São Paulo na maioria desses segmentos, assim como a complexidade e a diversificação de sua economia. Mesmo a agricultura, cujo peso na formação do PIB paulista diminuiu na nova metodologia, ainda representa 1,5% da economia de São Paulo e mais de 10% do setor no Brasil. Mas é na indústria de transformação, na intermediação financeira e nos serviços (sobretudo os prestados às empresas) que a economia paulista mostra sua força, uma vez que cerca da metade do VA desses setores no Brasil é gerada em São Paulo. Também nos serviços de informação e nos de saúde e educação mercantis a participação de São Paulo no VA brasileiro supera a marca dos 40% Gráfico 3 Participação dos Setores de Atividade no VA paulista e no Respectivo Setor do Brasil Estado de São Paulo Agricultura Pecuária Ind. extrativa mineral Indústria de transformação Construção Siup (Energia, gás, água, limpeza) Comércio Serviços de aloj. e alimentação Transportes Serviços de informação Intermediação financeira Serviços prestados às famílias Serviços prestados às empresas Atividades imobiliárias e aluguel Administração pública Saúde e educação mercantis Serviços domésticos Part. em São Paulo Part. no Brasil Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Regionais; Fundação Seade. Em 2005, o crescimento do PIB paulista, em termos reais (3,6%), refletiu o desempenho positivo de praticamente todos os setores de atividade que o compõem, com exceção da agropecuária, cujo VA diminuiu 3,6%, e da construção civil, que se manteve estável em relação ao ano anterior (Tabela 5). As atividades com aumento mais expressivo foram alguns segmentos dos serviços e da indústria. SEADE 5

6 O setor de serviços apresentou expansão significativa (4,4%), quando comparado com outros setores e com o resultado total do Estado. Entre seus segmentos mais importantes, os que apresentaram maior crescimento foram os serviços prestados às empresas (6,6%) e os de intermediação financeira (5,1%). Outros segmentos, com menor peso na formação do VA do setor, também aumentaram de forma expressiva, como os serviços prestados às famílias (9,4%) e o de alojamento e alimentação (8,5%). O comércio, cuja participação é importante na formação do VA paulista (12,2%), apresentou acréscimo de 2,6%. O setor industrial, em seu conjunto, expandiu-se 2,1%, no período. Embora a indústria extrativa e a produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana tenham apresentado taxas de crescimento muito elevadas, seu peso diminuto na formação do VA industrial significa que sua contribuição para o desempenho da indústria foi modesta. Já a indústria de transformação, embora tenha crescido 1,8%, foi determinante para o resultado do conjunto do setor e a pequena contribuição dos outros dois segmentos fez com que o total da indústria superasse a sua taxa de crescimento. Mencione-se que alguns de seus segmentos apresentaram bom desempenho em função da pequena recuperação da renda do trabalho naquele ano, enquanto outros, como o farmacêutico e o de máquinas para escritório e equipamentos de informática, cresceram acima da média do setor. O setor agropecuário, como mencionado, reduziu seu VA em 3,6%, em Tal comportamento foi explicado, principalmente, pelo aumento do preço de insumos, que elevou o valor do consumo intermediário e reduziu o valor adicionado do conjunto do setor. Este fator foi amenizado pela expansão da produção e da área plantada de cana-deaçúcar, que incorporou áreas antes destinadas ao cultivo da laranja e à pecuária de corte. A laranja, apesar de beneficiada pelas perdas da citricultura norte-americana, também sofreu aumento de custos, além de ter sua área de cultivo reduzida pelo avanço da canade-açúcar. Em relação à carne bovina, o comportamento do mercado foi desfavorável, diante da ocorrência da febre aftosa no Mato Grosso do Sul, que provocou restrições ao comércio internacional e redirecionamento da produção ao mercado interno. Estas ocorrências afetaram os preços pagos ao pecuarista, que chegaram a níveis inferiores aos praticados em De forma geral, São Paulo cresceu a um ritmo mais intenso do que a média nacional, ampliando sua participação no PIB do Brasil. Seu desempenho assentou-se, SEADE 6

7 principalmente, no crescimento do setor de serviços, que passou a ser mais bem dimensionado com a nova metodologia de cálculo do PIB regional. Além das tabelas anexas, um amplo conjunto de informações estão disponíveis nos sítios da Fundação Seade (www.seade.gov.br) e do IBGE (www.ibge.gov.br) na Internet. SEADE 7

8 ANEXO DE TABELAS SEADE 8

9 Tabela 1 Participação no Valor Adicionado Bruto nas Séries Antiga e Nova, segundo Atividades Econômicas Estado de São Paulo Atividade Econômica Série Antiga Série Nova Série Antiga Série Nova Série Antiga Série Nova Agropecuária Indústria Comércio Serviços Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Regionais; Fundação Seade. Tabela 2 Participação no PIB do Brasil Estado de São Paulo e Grandes Regiões do País Ano São Paulo Sudeste Norte Nordeste Sul Centro Oeste ,6 56,7 4, ,9 8, ,1 55,8 4,8 12,8 17, ,1 55,8 4,9 12,7 17,4 9, ,9 56,5 5 13,1 16,6 8,9 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Regionais. SEADE 9

10 Tabela 3 Participação no Valor Adicionado Bruto do Brasil, segundo Atividades Econômicas Estado de São Paulo Atividade Econômica Total 33,7 33,3 32,3 33,2 Agricultura, silvicultura e exploração florestal 16,9 13,4 11,9 13,4 Pecuária e pesca 5,7 6,0 5,8 5,3 Indústria extrativa mineral 2,5 1,8 2,1 1,5 Indústria de transformação 43,5 44,1 42,7 44,0 Construção 32,6 30,8 28,6 26,9 Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana 32,6 31,8 31,2 31,9 Comércio e serviços de manutenção e reparação 34,0 32,0 31,7 33,4 Serviços de alojamento e alimentação 36,3 38,5 35,0 30,8 Transportes, armazenagem e correio 35,7 35,7 34,6 36,3 Serviços de informação 41,7 40,5 42,4 42,3 Intermediação financeira, seguros e previdência complementar 47,7 50,6 48,6 51,0 Serviços prestados às famílias e associativos 36,1 35,6 35,0 36,1 Serviços prestados às empresas 47,2 45,6 41,8 45,3 Atividades imobiliárias e aluguel 34,7 34,2 33,6 33,8 Administração, saúde e educação públicas 19,2 19,3 18,7 18,7 Saúde e educação mercantis 41,7 41,4 41,5 41,6 Serviços domésticos 31,2 31,4 31,0 32,2 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Regionais; Fundação Seade Tabela 4 Composição no Valor Adicionado Bruto a Preços Correntes, segundo Atividades Econômicas Estado de São Paulo Atividade Econômica Agricultura, silvicultura e exploração florestal 2,3 2,1 1,8 1,5 Pecuária e pesca 0,3 0,4 0,4 0,3 Indústria extrativa mineral 0,1 0,1 0,1 0,1 Indústria de transformação 21,8 23,9 25,4 24,0 Construção 5,1 4,3 4,5 4,0 Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana 3,2 3,3 3,8 3,7 Comércio e serviços de manutenção e reparação 11,4 11,3 11,8 12,2 Serviços de alojamento e alimentação 2,0 1,8 1,7 1,5 Transportes, armazenagem e correio 5,1 5,0 5,0 5,4 Serviços de informação 4,4 4,4 5,1 5,1 Intermediação financeira, seguros e previdência complementar 10,6 10,8 8,8 10,8 Serviços prestados às famílias e associativos 2,7 2,6 2,5 2,6 Serviços prestados às empresas 6,2 6,1 5,8 6,3 Atividades imobiliárias e aluguel 10,6 9,9 9,4 9,2 Administração, saúde e educação públicas 8,9 8,8 8,5 8,5 Saúde e educação mercantis 4,3 4,1 4,2 3,7 Serviços domésticos 1,1 1,1 1,2 1,2 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Regionais; Fundação Seade. SEADE 10

11 Tabela 5 Taxas de Crescimento do Valor Adicionado Bruto a Preços de 2005, segundo Setores de Atividades Econômicas Estado de São Paulo Setores e Subsetores de Atividade Econômica 2002/ / /2005 Agropecuária (2,71) 6,37 (3,58) Agricultura, silvicultura e exploração florestal (2,85) 8,56 (2,81) Pecuária e pesca (1,71) (5,78) (7,56) Indústria (0,31) 8,09 2,13 Extrativa mineral (7,30) (7,12) 15,75 Indústria de transformação 0,25 9,77 1,78 Produção e distribuição de eletricidade e gás, água, esgoto e 4,25 1,27 6,57 Construção (5,43) 4,30 0,01 Serviços (0,19) 4,80 4,37 Comércio e serviços de manutenção e reparação (0,73) 5,54 2,60 Serviços de alojamento e alimentação 3,34 3,91 8,48 Transportes, armazenagem e correio (4,19) 3,30 3,73 Serviços de informação 3,36 5,43 3,50 Intermediação financeira, seguros e previdência complementa (5,89) 4,64 5,12 Atividades imobiliárias e aluguel 3,43 3,67 5,45 Serviços prestados às empresas (1,19) 9,25 6,64 Serviços prestados às famílias e associativos (1,13) 0,49 9,42 Administração, saúde e educação públicas 3,17 3,93 1,30 Saúde e educação mercantis 0,60 5,23 4,81 Serviços domésticos 0,87 5,22 7,21 Fonte: Fundação Seade; IBGE. SEADE 11

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais. O tratamento das atividades de Serviços no SCN do Brasil

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais. O tratamento das atividades de Serviços no SCN do Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Contas Nacionais O tratamento das atividades de Serviços no SCN do Brasil Rio, 28 de novembro de 2008 Estrutura SCN do Brasil Recomendações do SCN-93, baseado nas

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 6 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 6 Conta da Produção das Atividades (versão para informação e

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos

Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Cadastros Estatísticos de Empresas construídos a partir de Registros Administrativos Maria Luiza B. Zacharias - IBGE, Brasil Segunda Reunião da Conferência de Estatística das Américas da Comissão Econômica

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE volume 29 a 2 edição Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

PDR - Critério de classificação de microrregiões

PDR - Critério de classificação de microrregiões PDR - Critério de classificação de microrregiões Na definição deste critério, procurou-se inspiração na metodologia desenvolvida por ocasião da elaboração da Política Nacional de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Por que Serviços? Serviços (% PIB) - eixo da esquerda PIB per capita ($ de 2005) - eixo da direita

Por que Serviços? Serviços (% PIB) - eixo da esquerda PIB per capita ($ de 2005) - eixo da direita Por que Serviços? Jorge Arbache 1 Bens e serviços estão se combinando por meio de uma relação cada vez mais sinergética e simbiótica para formar um terceiro produto que nem é um bem industrial tradicional,

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Diretoria de Pesquisa. Serviços 25/08/2010

Diretoria de Pesquisa. Serviços 25/08/2010 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2008 25/08/2010 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010

II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010. Base 2010 II Seminário sobre o SCN - Brasil Referência 2010 Base 2010 Coordenação de Contas Nacionais (São Paulo, 19 de junho de 2013) 1 MUDANÇA DE BASE Por que uma mudança na série? Atualização de pesos não faz

Leia mais

A relevância da indústria para o processo de desenvolvimento econômico. Nelson Marconi. Escola de Economia de São Paulo - FGV

A relevância da indústria para o processo de desenvolvimento econômico. Nelson Marconi. Escola de Economia de São Paulo - FGV A relevância da indústria para o processo de desenvolvimento econômico Nelson Marconi Escola de Economia de São Paulo - FGV Por que a indústria é relevante? Impacto sobre o PIB agregado Impacto sobre a

Leia mais

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO João Maria de Oliveira* 2 Alexandre Gervásio de Sousa* 1 INTRODUÇÃO O setor de serviços no Brasil ganhou importância nos últimos tempos. Sua taxa

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Junho 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Nova série 2000 Brasil

Sistema de Contas Nacionais Nova série 2000 Brasil Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Nova série 2000 Brasil Seminario Latino Americano de Cuentas Nacionales Ciudad de Guatemala - Guatemala, 23 al 25 de octubre de 2006 Pontos para reflexão

Leia mais

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões

O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões O Desemprego manteve relativa estabilidade em quatro regiões NOVEMBRO DE 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam que a taxa de desemprego permaneceu relativamente estável

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009

PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 2011 Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) Diretoria de Inovação (DRIN) Departamento de Acompanhamento (DAC) PERFIL DAS EMPRESAS APOIADAS PELO PROGRAMA DE SUBVENÇÃO ECONÔMICA 2006 A 2009 Janeiro/2011

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Pesquisa Anual de Serviços

Pesquisa Anual de Serviços 1 Pesquisa Anual de Serviços Perguntas e Respostas Qual o destaque da pesquisa? O setor movimentou R$ 1,1 trilhão em receita operacional líquida i, respondeu por 11 993 942 mil pessoas ocupadas e pagou

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB Superintendência de Estatísticas, GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira

Leia mais

Análise dos resultados Panorama geral

Análise dos resultados Panorama geral Análise dos resultados Panorama geral Durante o período de 2005 a 2008, o Produto Interno Bruto - PIB brasileiro passou de cerca de R$ 2,2 trilhões para R$ 3,0 trilhões, a valores correntes, com uma taxa

Leia mais

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SISTEMA NACIONAL

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Umberto Antonio Sesso Filho * Joaquim José Martins Guilhoto ** Rossana Lott Rodrigues *** Antonio Carlos

Leia mais

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2009 25/08/2011 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

Pesquisa Anual da Indústria da Construção IBGE. Data: 22/maio/2014

Pesquisa Anual da Indústria da Construção IBGE. Data: 22/maio/2014 Pesquisa Anual da Indústria da Construção Paic IBGE Data: 22/maio/2014 APRESENTAÇÃO A Pesquisa Anual da Indústria da Construção (Paic) se insere na missão institucional do IBGE, mensurando e delineando

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0.

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0. Sistema PED Maio 2012 Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Governador do

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

Estatísticas de Empreendedorismo 2008

Estatísticas de Empreendedorismo 2008 Notas técnicas estudo do empreendedorismo remonta a Cantillon, que imagina O o empreendedor como um portador de incerteza no mercado, aquele que é capaz de prever e investir no futuro, ajudando a ajustar

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 28 JUNHO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO NÚMERO 28 JUNHO DE 21 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB no primeiro trimestre desse ano, além de revelar uma taxa

Leia mais

O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006

O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006 O SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2003-2006 V Taller Regional sobre la Medición de la Sociedad de la Información en América Latina y el Caribe Roberto Neves Sant Anna IBGE Diretoria

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO

GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS JOSÉ MELO SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AIRTON ÂNGELO CLAUDINO GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Produto Interno Bruto Trimestral do Estado do Amazonas 1º Trimestre de 2014 JUNHO de 2014 GOVERNADOR

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Notas metodológicas. Objetivos

Notas metodológicas. Objetivos Notas metodológicas Objetivos Qual é a população de empresa em um determinado ano? Esta é aparentemente uma pergunta simples, entretanto, existem inúmeras questões envolvidas na definição, identificação

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL

PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 01 Resultados de janeiro de 2015 PEQUENO AUMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL 1. De acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, a taxa

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de Rondônia - 2002-2012

Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de Rondônia - 2002-2012 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão- SEPOG Gerência do Observatório e Desenvolvimento Regional - GODR Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de Rondônia

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Tabela 18 Empresas de Serviços que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Pesquisadas Estado de São Paulo 2001

Tabela 18 Empresas de Serviços que Utilizavam Computadores, segundo Atividades Pesquisadas Estado de São Paulo 2001 Tecnologia da Informação A Paer pesquisou no a difusão do uso de computadores nas empresas de serviços. Os resultados mostram que de um total de 360.988 empresas, 54,80% utilizavam computador. O serviço

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Taxa de desemprego se eleva

Taxa de desemprego se eleva MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC 1 Taxa de desemprego se eleva 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego - PED, realizada pela Fundação Seade e pelo Dieese, em parceria com o Consórcio

Leia mais

Nível de atividade. 1.1 Comércio

Nível de atividade. 1.1 Comércio Nível de atividade 1 Tabela 1.1 Índice de volume de vendas Variação percentual Discriminação Jan Fev Mar No mês 1/ Comércio varejista 0,3-0,4-1,0-0,4 Combustíveis e lubrificantes -0,9-4,9 2,7-0,1 Hiper,

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

APOIO: AGRADECIMENTOS:

APOIO: AGRADECIMENTOS: RELATÓRIO ANUAL - 2013 APOIO: AGRADECIMENTOS: BOLETIM DO COMÉRCIO Relatório Anual - 2013 Pág. 2 RELATÓRIO ANUAL - 2013 Prezados Comerciantes, Esse boletim é uma edição especial sobre o comportamento do

Leia mais

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA Miriam Belchior Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão São Paulo, 15 de julho de 2013 NOVOS MOTORES DO CRESCIMENTO Modelo brasileiro diversificou as fontes de crescimento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010 26/09/2012 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

4º Trimestre 2012 4º Trimestre 2013 Recuo na Agropecuária Pequeno recuo na agropecuária

4º Trimestre 2012 4º Trimestre 2013 Recuo na Agropecuária Pequeno recuo na agropecuária Estimativa Trimestral do PIB 4º Trimestre e ano de 2013 26.06.2014 1 Roteiro 1º Panorama de Alagoas 2º Apresentação gráfica dos dados da Estimativa Trimestral do PIB 3º Apresentação gráfica dos dados por

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE OS SERVIÇOS E OS EFEITOS MACROECONÔMICOS DA SUBSTITUIÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL AO INSS POR UMA CMF CNS/FESESP RELATÓRIO - ANO 2004 São Paulo, 4 de setembro de 2007 EQUIPE Diretor

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014 A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira Setembro de 2014 Lógica Econômica da Terceirização Contratos de Prestação de Serviços entre Empresas Criação de empregos no setor de serviços,

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais