Click to edit Master title style. Apresentação Institucional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Click to edit Master title style. Apresentação Institucional"

Transcrição

1 Click to edit Master title style Apresentação Institucional Junho de 2015

2 Sobre Click to a edit ABOL Master title style Data de Fundação: 17 de Julho de

3 Associados Click to edit Master title style 3 Em ordem alfabética

4 Associados Click to edit Master title style 4 Em ordem alfabética

5 Nacionalidade Click to edit Master dos title Associados style Alemanha a Argentina Estados Unidos Brasil França 5 Japão Rússia

6 Onde estamos Click to edit Master title style ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OPERADORES LOGÍSTICOS (ABOL) Centro Empresarial Mário Garnero Torre Sul Av. Brig. Faria Lima, nº º Andar Cj. 174 Sl. 04 Cep.: Pinheiros São Paulo SP Fone: (11) / (11)

7 Posicionamento WORKSHOP DE PLANEJAMENTO Institucional ESTRATÉGICO 7

8 Missão da ABOL MISSÃO ABOL Representar, promover e desenvolver os Operadores Logísticos do Brasil para que gerem valor de forma sustentável. O QUE FAZ? PARA QUEM? POR QUE EXISTE? 8 Missão revisada no 1º Congresso de Planejamento Estratégico ABOL, em 23/05/2015

9 Visão da ABOL Ser reconhecida como a principal associação dos Operadores Logísticos do Brasil, com representação relevante e eficácia nos resultados que se propõe. 9 Visão revisada no 1º Congresso de Planejamento Estratégico ABOL, em 23/05/2015

10 Valores da ABOL Click to edit Master title style Ética empresarial e associativa. Respeito às leis nacionais e internacionais. Compromisso com a verdade e a transparência. Comprometimento com a livre concorrência. Valorização das pessoas. Comprometimento com a inovação, boas práticas e desenvolvimento tecnológico. Respeito aos associados e parceiros. Atuação responsável. 10 Valores revisados no 1º Congresso de Planejamento Estratégico ABOL, em 23/05/2015

11 Brainstorming... Mind Map Propósito da ABOL 11

12 Operador WORKSHOP DE Logístico: PLANEJAMENTO Histórico e ESTRATÉGICO definição 12

13 A Década de 80 Click to edit Master title style Que Brasil era aquele? Gestão Pública Hiperinflação Gestão Privada: Origem dos Operadores Logísticos Transporte de Carga Armazém Geral TRAs: 1987 ABTRA:

14 A Década de 80 Click to edit Master title style Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Queda do Muro de Berlim (1989) Fim da Guerra Fria ( ) 14

15 A Década de 80 Click to edit Master title style Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Queda do Muro de Berlim (1989) Fim da Guerra Fria ( ) 15

16 A Década de 80 Click to edit Master title style Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Queda do Muro de Berlim (1989) Fim da Guerra Fria ( ) 16

17 A Década de 80 Click to edit Master title style Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Queda do Muro de Berlim (1989) Fim da Guerra Fria ( ) 17

18 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 A Era Collor e a Abertura de Mercado ( ) A Lei 8.630/93 e as primeiras privatizações de portos, ferrovias e rodovias a partir de Início dos anos 90 ( ) Gov. Itamar Franco (1994): Fim da Inflação 18

19 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Assunção, 1991 Mercosul Tratado de Maastricht, 1992 Comunidade Europeia 19

20 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Assunção, 1991 Mercosul Tratado de Maastricht, 1992 Comunidade Europeia 20

21 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Assunção, 1991 Mercosul Tratado de Maastricht, 1992 Comunidade Europeia 21

22 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Assunção, 1991 Mercosul Tratado de Maastricht, 1992 Comunidade Europeia 22

23 23 2ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Governo FHC ( ): compromisso com a estabilidade econômica. Globalização o demanda mais integração das cadeias de valor e Melhores Serviços Logísticos. Estrutura-se o conceito de Prestador de Serviços Logísticos (PSL / 3PL)

24 2ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo... 24

25 2ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo... 25

26 2ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo... 26

27 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style A terceirização veio para ficar!!! Criação das Agências Reguladoras: 08 anos após a Lei 8.630/

28 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) A Crise de

29 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) A Crise de Fatos 2008 políticos geram forte insegurança mundial! 29

30 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Em decorrência: A Crise de Demanda 2008 por soluções logísticas de baixo custo, elevada segurança (ISPS Code) e eficiência... Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) 30

31 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Governo Criação Lula (2003 das Agências 2010): Inserção Reguladoras das classes C e D. (08 anos após a Lei 8.630/93) Novo mercado de consumo demanda logística mais eficiente... Nova Agenda Corporativa Terceirização começa a ser vista como Competitividade melhoria de qualidade e redução de Redução de Custo custo!!! Eficiência Operacional Governança Sustentabilidade Gestão Integrada 31

32 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Governo Criação Lula (2003 das Agências 2010): Inserção Reguladoras das classes C e D. (08 anos após a Lei 8.630/93) Novo mercado de consumo demanda logística mais eficiente... Nova Agenda Corporativa Terceirização começa a ser vista como Competitividade melhoria de qualidade e redução de Redução de Custo custo!!! Eficiência Operacional Governança Sustentabilidade Gestão Integrada 32

33 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!! Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! 33

34 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!! Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! 34

35 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!! Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! 35

36 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Crise na Europa, baixo crescimento dos EUA e desaceleração nos emergentes!!! Freio no crescimento econômico mundial!!! 36

37 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Crise na Europa, baixo crescimento dos EUA e desaceleração nos emergentes!!! Freio no crescimento econômico mundial!!! 37

38 Click to edit Master title style Assim, a figura dos Operadores Logísticos (OLs), como conhecemos hoje, vem sendo constituída ao longo dos últimos 25 anos... 38

39 O Click que to é, edit em Master síntese, title style um Operador Logístico? Operador Logístico (OL) é a pessoa jurídica capacitada a prestar, através de um ou mais contratos, por meios próprios ou por intermédio de terceiros, os serviços de transporte, armazenagem e gestão de estoque. Taxonomia conceitualizada em estudo contratado pela ABOL à KPMG, Mattos Filho Advogados e Fundação Dom Cabral (FDC), findo em 20/05/

40 Os Três Anos de ABOL Click to edit Master title style 40

41 41 Principais ações nos últimos anos A ABOL nesses últimos 3 anos 2012 Constituição da ABOL (17/06/12). Formatação da missão, visão, propósitos e objetivos. Primeiras discussões dos problemas do setor e formatação da Agenda ABOL Início dos estudos sobre a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAEs) dos Operadores Logísticos (OLs). Atuação junto ao Congresso para inclusão das CNAEs não desoneradas (Lei nº /2011), tendo sido editada a MP606.

42 Principais ações nos últimos anos Formação dos Comitês Técnicos (Sindical, Fármacos, Regulatório, RH-Pesquisa Salarial) Estudos de benchmarking (EUA, Espanha, Portugal, Argentina) e Início da edição de clipping diário e releases para a imprensa. Início dos entendimentos com MDIC, Concla / IBGE sobre CNAEs. Estudo com a Machado Associados para instruir decisões sobre desoneração da folha. Reunião com a Câmara Empresária de Operadores Logísticos (CEDOL), Buenos Aires, para embasar estudo de auto-regulação/ regulamentação dos OLs.

43 Principais ações nos últimos anos Participação da ABOL no conselho do Plano Brasil Maior - capítulo Serviços Logísticos da SCS/MDIC. Reuniões com a Presidência da Anvisa para reconhecimento do OL. Edição de artigos e realização de palestras e entrevistas. Angariamento de novos associados: Andreani, Columbia, FM Logistic, Gefco e Santos-Brasil. Reuniões com NTC&L sobre estratégias comuns e ações convergentes.

44 Principais ações nos últimos anos Início do projeto de regulamentação dos OLs (01/07/2014) com a KPMG & Mattos Filho com suporte da Fundação Dom Cabral (FDC). Realização do 1º workshop com o BNDES apresentando a ABOL e os desafios do setor. Angariamento de novo associado: RV Ímola (Grupo Sigla). Participação em vários fóruns como Intermodal 2014 e XX Fórum do ILOS. Realização do Painel Pacto pela Infraestrutura na ANTT, Brasília. Abertura de BID para contratação de Pesquisa Salarial (Club Survey), tendo sido selecionado o Hay Group (nov.2014). Participação na 31ª Conferência Internacional de Logística e Supply Chain (BVL) em Berlim, Alemanha. Visita a operadores logísticos na Alemanha durante a 31ª Conferencia (BVL) em Berlim.

45 Principais ações nos últimos anos Nomeação da ABOL como conselheira do Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da FIESP. Entrega do projeto de regulamentação dos OLs (20/05/2015) Panorama do BNDES considera a ABOL como referência para estudos e liberação de recursos para o mercado dos OLs. 1º Congresso de Planejamento Estratégico ABOL. Organização do 2º workshop com o BNDES para apresentação do projeto KPMG/MF/FDC (23/06/2015).

46 46 O estudo que WORKSHOP DE fundamentará a PLANEJAMENTO regulamentação do ESTRATÉGICO setor

47 47 Estudo ABOL Sumário Executivo Nos primeiros anos elaboramos o Estudo sobre o Panorama Setorial, Marco Regulatório e Aspectos Técnico-Operacionais. Com o BID posto no mercado em janeiro de 2014,.teve início em 01 de julho de 2014 e conclusão em 20 de março de Entregas do Estudo: 1. Contextualização do setor, taxonomia e tamanho do mercado. 2. Benchmarking referente a marco regulatório, boas práticas, certificações, estrutura etc. 3. Marco legal Brasil e mundo. 4. Norma de Pré-Qualificação do Operador Logístico (NPQ-OL). 5. Código de Boas Práticas do Operador Logístico (CBP- OL). 6. Processo de certificação e Selo ABOL. 7. Cesta de KPIs e indexadores Índice Nacional de Custos de Armazenagem e Gestão de Estoque (INCA).

48 Estudo ABOL Sumário Executivo 48 O trabalho, iniciado em 01/07/2014, foi concluído em 20/05/2015, e está estruturado em 4 volumes: Sumário Executivo (SE) Volume 1: Panorama setorial, contextualização do setor e benchmarkings internacionais (traz as entregas 1 e 2). Volume 2: Marco regulatório e análise jurídica (traz a entrega 3). Volume 3: Aspectos técnico-operacionais, normas, boas práticas, certificação e indicadores de desempenho (traz as entregas 4, 5, 6 e 7).

49 49 Números e figuras WORKSHOP DE do setor sob o PLANEJAMENTO prisma do estudo... ESTRATÉGICO

50 50 Estudo ABOL Sumário Executivo O estudo setorial resultou em 159 empresas que se enquadram na taxonomia definida para o Operador Logístico: Empresas avaliadas no Panorama Setorial Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

51 Estudo ABOL Sumário Executivo 51 Faturamento bruto & números de atores Tamanho do mercado (R$ bilhões) R$ 44,7 166 Tecnologística (OLs + frigorificados) R$ 57,0 152 ILOS R$ 53,7 193 Armstrong & Associates R$ 44,3 159 KPMG R$ 49,9 179 Média Quantidade de empresas Em valor (BBRL) Quantidade de empresas Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

52 Estudo ABOL Sumário Executivo 52 Setores mais relevantes da indústria em faturamento bruto comparáveis ao de Operadores Logísticos (OLs) - (R$ bilhões) Ranking (todos os setores): 16ª posição. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

53 Estudo ABOL Sumário Executivo 53 Setores mais relevantes de serviços em faturamento bruto comparáveis ao de Operadores Logísticos (OLs) - (R$ bilhões) Ranking (todos os setores): 6ª posição. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

54 Estudo ABOL Sumário Executivo 54 Geração de empregos diretos e indiretos Pessoal empregado (b) (c) (d) (e) (f) (a) 0 Empregos CLT Empregados terceiros Total de empregos (CLT e terceiros) Outros empregos indiretos Forma de cálculo: c = a + b; e = b + d; f = a + e Total de empregos indiretos Total de empregos (diretos e indiretos) Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

55 Estudo ABOL Sumário Executivo Setores mais relevantes da indústria em quantidade de pessoal ocupado comparáveis ao de Operadores Logísticos (OLs) (em milhares) Ranking (todos os setores): 11ª posição. 55 Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

56 56 Estudo ABOL Sumário Executivo Setores mais relevantes de serviços em quantidade de pessoal ocupado comparáveis ao de Operadores Logísticos (OLs) - (em milhares) Ranking (todos os setores): 13ª posição. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

57 Estudo ABOL Sumário Executivo 57 Tributos e encargos arrecadados R$ 2,0 bilhões Tributos R$ 7,2 bilhões Encargos trabalhistas Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

58 Estudo ABOL Sumário Executivo 58 Expectativa de investimentos - próximos 3 (três) anos por empresa Setor: Equivalente a R$608,2/ano Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

59 Estudo ABOL Sumário Executivo 59 Mix de investimentos próximos 3 (três) anos TI R$ 0,8 Outros milhão R$ 1,5 milhão Ampliação da frota R$ 4,7 milhão Ampliação de capacidade de armazenagem R$ 5,1 milhão Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

60 Estudo ABOL Sumário Executivo 60 O valor gerado pelos Operadores Logísticos (OLs). Redução de custos logísticos De acordo com a última edição do Third-Party Logistics Study, o fator de redução do custo logístico gerado pela atuação dos operadores logísticos no mundo foi de 15% em uma média geral. Considerando o anacronismo e os gargalos de infraestrutura, e empecilhos legais e burocráticos, os operadores logísticos nacionais, segundo estimativas da Fundação Dom Cabral (FDC), tem capacidade de gerar um fator de redução de custos logísticos na ordem de 9,9%. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

61 Estudo ABOL Sumário Executivo 61 O valor gerado pelos Operadores Logísticos (OLs). Redução de custos logísticos De acordo com a última edição do Third-Party Logistics Study, o fator de redução do custo logístico gerado pela atuação dos operadores logísticos no mundo foi de 15% em uma média geral. Considerando o anacronismo e os gargalos de infraestrutura, e empecilhos legais e burocráticos, os operadores logísticos nacionais, segundo estimativas da Fundação Dom Cabral (FDC), tem capacidade de gerar um fator de redução de custos logísticos na ordem de 9,9%. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

62 Estudo ABOL Sumário Executivo 62 O valor gerado pelos Operadores Logísticos (OLs). Redução de custos logísticos R$ 700 R$ 600 R$ 63,3 R$ bilhões R$ 500 R$ 400 R$ 300 R$ 576,5 R$ 639,9 R$ 200 R$ 100 R$ 0 Gasto total atual em logística no Brasil Valor gerado pelos OLs Gasto total em logística sem a contribuição dos OLs Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

63 63 Estudo ABOL Sumário Executivo Resumo do Panorama Setorial: Tamanho do mercado de operadores logísticos (2014) 159 empresas Faturamento total estimado (2013) R$ 44,3 bilhões Faturamento médio anual por empresa (2013) R$ 278,6 milhões Empregos diretos (CLT: Terceiros: ) (2014) funcionários Empregos indiretos ( cadeias periféricas) (2014) empregos Total pessoal empregado (empregos diretos + indiretos) (2014) pessoas Tributos recolhidos (2013) R$ 7,2 bilhões Encargos trabalhistas recolhidos (2013) R$ 2,0 bilhões Investimentos previstos: próximos 3 anos (R$ 608,2 milhões) 5,7 % do faturamento bruto Gastos anuais da indústria brasileira: logística integrada (2013) R$ 118,4 bilhões Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

64 Os Comitês WORKSHOP DE Técnicos (CTs) da PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ABOL 64

65 Pilares Estratégicos da ABOL Os Comitês Técnicos (CTs): Recursos Humanos Excelência Operacional Marco Legal & Fiscal Setoriais Atuação Política e Institucional Comunicação Interna e Externa Gestão de Risco Regulatório (Fármacos) 65

66 66 Estudo - Bônus

67 Sumário Executivo do Panorama ILOS: WORKSHOP DE Operadores Logísticos e Ferrovias PLANEJAMENTO 2015 ESTRATÉGICO 67

68 Os macro números Panorama ILOS 2015 Total de Prestadores de Serviços Logísticos (PSLs): 152 empresas Receita Operacional Bruta (ROB): R$57 bilhões Nota: nos USA => USD146,4bi = 8 vezes maior Dos 10 melhores PSLs (DHL, JSL, H.SÜD/Aliança, TNT, Kuehne-Nagel, ALL, Maersk, CEVA, LUFT, Correios), somente 6 (seis) são considerados pela ABOL como Operadores Logísticos (OLs). Os 10 Melhores ILOS ROB: R$2,1bi (9 vezes maior) Tempo de mercado: 40 anos Nr. médio de clientes: Nr. médio de funcionários: Certificações: 90% Frota própria: 50% Armazém próprio: 26 unidades Os Outros PSLs ROB: R$251mi Tempo de mercado: 22 anos Numero médio de clientes: 159 Nr. médio de funcionários: Certificações: 83% Frota própria: 64% Armazém próprio: 6 unidades 68

69 69 Os espaços de oportunidade:

70 As atividades destacadas 1ª Transporte de carga (fechada). 2ª Gestão integrada das operações logísticas. 3ª Tecnologia da Informação. 4ª Armazenagem. 5ª Desenvolvimento de projetos. 6ª Ações de sustentabilidade ambiental. 7ª Cross-docking. 8ª Gestão da cadeia de suprimentos. 9ª Controle de estoques. 10ª Distribuição porta-a-porta. 11ª Logística reversa. 12ª Gerenciamento intermodal. Transporte de carga (fracionada). 13ª Logística internacional. 70

71 As atividades destacadas 1ª Transporte de carga (fechada). 2ª Gestão integrada das operações logísticas. 3ª Tecnologia da Informação. 4ª Armazenagem. 5ª Desenvolvimento de projetos. 6ª Ações de sustentabilidade ambiental. 7ª Cross-docking. 8ª Gestão da cadeia de suprimentos. 9ª Controle de estoques. 10ª Distribuição porta-a-porta. 11ª Logística reversa. 12ª Gerenciamento intermodal. Transporte de carga (fracionada). 13ª Logística internacional. 71

72 Prestadores de Serviços Logísticos (PSL) tradicionais Serviços genéricos (padronizados) Atividades únicas, isoladas (transporte e armazenagem). Foco na redução de custo de tarifa (transporte e armazenagem). Contratos de curto e médio prazo (meses ou até um ano). Prestador de Serviço Logístico (PSL) tem expertise em uma atividade (transporte ou armazenagem). Negociações rápidas para fechamento do contrato (semanas). Responsável pela contratação não tem nível gerencial/direção. Operador Logístico (OL) / Third Party Logistic Provider (3PL) Serviços sob medida (personalizados). Projetos desenvolvidos by demand. Múltiplas atividades integradas. Foco na redução do custo total e não na tarifa de um ou mais atividades. Flexibilidade de montagem de projetos. Foco na melhoria dos níveis de serviço (SLAs). Contratos de longo prazo (3, 5 anos ou mais). Entendimento na solução de problemas. Negociações demoradas (meses). 72 Nota: Adaptado de Panorama ILOS, 2015 Operadores Logísticos e Ferrovias, pág. 25.

73 Click to edit Master title style Contate-nos: Carlos Cesar Meireles Vieira Filho Diretor Executivo / CEO Fones: (11)

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 -

Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 - Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 - Apresentação O mercado de operadores logísticos no Brasil vem crescendo junto com a economia

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA Fernando S. Marcato 23.03.2015 Três pontos principais... Gargalos da infraestrutura constituem um dos maiores entraves ao crescimento sustentado

Leia mais

FILOSOFIA EMPRESARIAL

FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL MISSÃO SACIAR NATURALMENTE A SEDE DOS GAÚCHOS. Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL VISÃO QUEREMOS SER

Leia mais

FÓRUM EXCELÊNCIA BRASIL CENTRAL

FÓRUM EXCELÊNCIA BRASIL CENTRAL FÓRUM EXCELÊNCIA BRASIL CENTRAL 04 de março de 2008 Luiz Alexandre Garcia CEO - Grupo Algar Fórum Excelência Brasil Central Algar Porque investir em Uberlândia Trabalhamos para servir a comunidade ALexandrino

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 -

Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 - Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 - Apresentação A terceirização de atividades logísticas no Brasil tem sido motivada pela redução de custos e melhoria nas operações logísticas.

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

UNIDADE TIB - TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA e UNIVERSIDADE CORPORATIVA Alberto Pereira de Castro. Brasília DF 2006

UNIDADE TIB - TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA e UNIVERSIDADE CORPORATIVA Alberto Pereira de Castro. Brasília DF 2006 UNIDADE TIB - TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA e UNIVERSIDADE CORPORATIVA Alberto Pereira de Castro Brasília DF 2006 WORKSHOP FÓRUM DAS REDES METROLÓGICAS ESTADUAIS: Diretrizes e Consolidação DAS REDES METROLÓGICAS

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 BRIGANTI ADVOGADOS é um escritório brasileiro de advogados, de capacidade e experiência reconhecidas, que nasce com um propósito distinto. Nosso modelo de negócio

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

PAEX Parceiros para a Excelência

PAEX Parceiros para a Excelência PAEX Parceiros para a Excelência Estabelecer parcerias por melhores resultados: uma prática comum na natureza e nas empresas que querem se desenvolver. CONHECA A FDC Alianças Internacionais: Uma Escola

Leia mais

O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO. Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista

O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO. Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE DO POLO INDUSTRIAL DE CUBATÃO Marco Paulo Penna Cabral Effectio, associada a Fundação Dom Cabral na Baixada Santista NA BAIXADA SANTISTA E ALTO TIETÊ Conheça a Fundação Dom

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Serviços que superam as expectativas contribuem na produção ágil e segura.

Serviços que superam as expectativas contribuem na produção ágil e segura. A CRAFT ENGENHARIA E SERVIÇOS é uma empresa arrojada, dedicada a proporcionar solução e desenvolvimento em projeto, gerenciamento, serviços para empresas de Processo Industrial, Predial e Residencial.

Leia mais

Turma BNDES Engenharia Específica Regular

Turma BNDES Engenharia Específica Regular Turma BNDES Engenharia Específica Regular Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 161,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

As melhores condições para os seus melhores negócios. www.integracaologistica.com.br. Integração Logística

As melhores condições para os seus melhores negócios. www.integracaologistica.com.br. Integração Logística Transporte e Armazéns e Armazéns Gerais Gerais As melhores condições para os seus melhores negócios www.integracaologistica.com.br Integração Logística A Empresa Transporte e Armazéns Gerais consistência

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração SOBRATEMA Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento Departamento da Indústria da Construção DECONCIC da FIESP 1 MISSÃO,

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros. Zeina Latif

Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros. Zeina Latif Fórum Estadão Brasil Competitivo Comércio Exterior Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros Zeina Latif 15 de Outubro de 2013 Economia

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

MBA: Master in Project Management

MBA: Master in Project Management Desde 1968 MBA: Master in Project Management Projetos e Tecnologia da Informação FMU Professor: Marcos A.Cabral Agenda 1 Objetivos 2 Metodologia 3 4 Avaliação Dicas gerais 5 Conteúdo Projetos e Tecnologia

Leia mais

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Roberto A. Paranhos do Rio Branco Vice-Presidente do CONIC-FIESP São Paulo, 29 de Abril de 2014 CONIC Conselho Superior de Inovação e Competitividade

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA

SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA HOJE FALAREMOS SOBRE 1. INTRODUÇÃO 2. COMO FUNCIONA: MACROPROCESSO E DETALHAMENTOS 3. OFERTAS PADRÃO TOTVS 4. FATOS 1.

Leia mais

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br Programas de Voluntariado Empresarial Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br POSICIONAMENTO APOENA Visão Ser a mais completa empresa de consultoria em Gestão Sustentável do Brasil. Missão Disseminar,

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 e 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Audiência Pública Seleção de Prestadora SMP Parceira * Operacionalização do MVNO/Correios Infraestrutura Logística A maior Rede de Logística

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Financiamento do Investimento no Brasil

Financiamento do Investimento no Brasil ESTUDOS E PESQUISAS Nº 407 Financiamento do Investimento no Brasil Carlos A. Rocca * Fórum Especial Na Grande Recessão Novo Modelo de Desenvolvimento e Grandes Oportunidades (Como em 1929): New Deal Verde.

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS

CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS CPP CERTIFIED PURCHASING PROFESSIONAL PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DO PROFISSIONAL DE COMPRAS Programa em parceria com: Certificação reconhecida pelo: Introdução O CBEC, sempre com o objetivo de cumprir com

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer 1ª. Reunião do Conselho de Competitividade Serviços Brasília, 12 de abril de 2012 Definições O PBM é: Uma PI em sentido amplo: um

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Artigo publicado. na edição 29. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2012

Artigo publicado. na edição 29. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2012 Artigo publicado na edição 29 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2012 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião O crescimento dos Gastos Logísticos no Brasil e no mundo

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi

A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi P ARCERIA B RASI A Parceria A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi firmada em 2004 com o intuito comum de expandir a atuação de ambas empresas nos países de língua portuguesa. As organizações identificam-se

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

A ARS SYSTEMS é uma empresa que tem como foco principal de atuação o fornecimento de serviços e soluções de TI.

A ARS SYSTEMS é uma empresa que tem como foco principal de atuação o fornecimento de serviços e soluções de TI. A empresa A ARS SYSTEMS é uma empresa que tem como foco principal de atuação o fornecimento de serviços e soluções de TI. A ARS SYSTEMS constrói sua história por meio de uma visão abrangente de TI, preza

Leia mais

Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD

Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD Ref.: oct, 2012 Eliane Lustosa Labtest Diagnóstica SA 15 16 de abril de 2014 PERFIL DA EMPRESA LABTEST Fundada em 1971 Pioneira na produção

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

MBA em Gestão de Ativos.

MBA em Gestão de Ativos. /biinternational /biinternational MBA em Gestão de Ativos. Unidade WTC www.biinternational.com.br O B.I. International O B.I. International é uma escola de educação executiva que propõe um Modelo Único

Leia mais

Agenda 1 ANAHP. 2 Governança Corporativa. 3 Timeline. 4 Reforma Estatutária. 5 Modelo de Planejamento Estratégico

Agenda 1 ANAHP. 2 Governança Corporativa. 3 Timeline. 4 Reforma Estatutária. 5 Modelo de Planejamento Estratégico 10a Jornada Agenda 1 ANAHP 2 Governança Corporativa 3 Timeline 4 Reforma Estatutária 5 Modelo de Planejamento Estratégico 6 Modelo de Arquitetura Organizacional 7 Benefícios Governança Corporativa ANAHP

Leia mais

Perspectivas, Desafios e Qualidade

Perspectivas, Desafios e Qualidade Perspectivas, Desafios e Qualidade 11. Encontro das Montadoras para a Qualidade Paulo Butori Presidente do Sindipeças e da Abipeças Sistemistas Tier 2 Tier 3 São Paulo, fevereiro novembro de de 2014 Agenda

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DO CONSELHO DA ABIT JANEIRO DE 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO

Leia mais

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição.

A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. A escolha é sempre sua. O conhecimento é a nossa contribuição. TURMA 3 Master in Business Administration Especialização Lato-Sensu GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO E QUALIDADE GESTÃO FARMACEUTICA EMPRESARIAL

Leia mais

Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro

Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro ESTUDOS E PESQUISAS Nº 488 Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro Carlos Alberto dos Santos * XXV Fórum Nacional (Jubileu de Prata 1988/2013) O Brasil de Amanhã. Transformar

Leia mais

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança - ABESE Entidade que representa, nacionalmente, as empresas de sistemas

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais