Click to edit Master title style. Apresentação Institucional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Click to edit Master title style. Apresentação Institucional"

Transcrição

1 Click to edit Master title style Apresentação Institucional Junho de 2015

2 Sobre Click to a edit ABOL Master title style Data de Fundação: 17 de Julho de

3 Associados Click to edit Master title style 3 Em ordem alfabética

4 Associados Click to edit Master title style 4 Em ordem alfabética

5 Nacionalidade Click to edit Master dos title Associados style Alemanha a Argentina Estados Unidos Brasil França 5 Japão Rússia

6 Onde estamos Click to edit Master title style ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OPERADORES LOGÍSTICOS (ABOL) Centro Empresarial Mário Garnero Torre Sul Av. Brig. Faria Lima, nº º Andar Cj. 174 Sl. 04 Cep.: Pinheiros São Paulo SP Fone: (11) / (11)

7 Posicionamento WORKSHOP DE PLANEJAMENTO Institucional ESTRATÉGICO 7

8 Missão da ABOL MISSÃO ABOL Representar, promover e desenvolver os Operadores Logísticos do Brasil para que gerem valor de forma sustentável. O QUE FAZ? PARA QUEM? POR QUE EXISTE? 8 Missão revisada no 1º Congresso de Planejamento Estratégico ABOL, em 23/05/2015

9 Visão da ABOL Ser reconhecida como a principal associação dos Operadores Logísticos do Brasil, com representação relevante e eficácia nos resultados que se propõe. 9 Visão revisada no 1º Congresso de Planejamento Estratégico ABOL, em 23/05/2015

10 Valores da ABOL Click to edit Master title style Ética empresarial e associativa. Respeito às leis nacionais e internacionais. Compromisso com a verdade e a transparência. Comprometimento com a livre concorrência. Valorização das pessoas. Comprometimento com a inovação, boas práticas e desenvolvimento tecnológico. Respeito aos associados e parceiros. Atuação responsável. 10 Valores revisados no 1º Congresso de Planejamento Estratégico ABOL, em 23/05/2015

11 Brainstorming... Mind Map Propósito da ABOL 11

12 Operador WORKSHOP DE Logístico: PLANEJAMENTO Histórico e ESTRATÉGICO definição 12

13 A Década de 80 Click to edit Master title style Que Brasil era aquele? Gestão Pública Hiperinflação Gestão Privada: Origem dos Operadores Logísticos Transporte de Carga Armazém Geral TRAs: 1987 ABTRA:

14 A Década de 80 Click to edit Master title style Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Queda do Muro de Berlim (1989) Fim da Guerra Fria ( ) 14

15 A Década de 80 Click to edit Master title style Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Queda do Muro de Berlim (1989) Fim da Guerra Fria ( ) 15

16 A Década de 80 Click to edit Master title style Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Queda do Muro de Berlim (1989) Fim da Guerra Fria ( ) 16

17 A Década de 80 Click to edit Master title style Os marcos épicos no Brasil e no Mundo? Constituição de 1988 Queda do Muro de Berlim (1989) Fim da Guerra Fria ( ) 17

18 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 A Era Collor e a Abertura de Mercado ( ) A Lei 8.630/93 e as primeiras privatizações de portos, ferrovias e rodovias a partir de Início dos anos 90 ( ) Gov. Itamar Franco (1994): Fim da Inflação 18

19 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Assunção, 1991 Mercosul Tratado de Maastricht, 1992 Comunidade Europeia 19

20 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Assunção, 1991 Mercosul Tratado de Maastricht, 1992 Comunidade Europeia 20

21 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Assunção, 1991 Mercosul Tratado de Maastricht, 1992 Comunidade Europeia 21

22 1ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Dando adeus a década perdida (1980) com a efervescência de novos tempos!!! = Formam-se os Blocos Econômicos = Tratado de Assunção, 1991 Mercosul Tratado de Maastricht, 1992 Comunidade Europeia 22

23 23 2ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Governo FHC ( ): compromisso com a estabilidade econômica. Globalização o demanda mais integração das cadeias de valor e Melhores Serviços Logísticos. Estrutura-se o conceito de Prestador de Serviços Logísticos (PSL / 3PL)

24 2ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo... 24

25 2ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo... 25

26 2ª Click Metade to edit Master da Década title style de 90 Os desdobramentos e os impactos para o setor... Primeiros PSLs / 3PLs estrangeiros aportam no Brasil Ciclos de produção / comercial se encurtam demandando um PSL / 3PL mais completo... 26

27 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style A terceirização veio para ficar!!! Criação das Agências Reguladoras: 08 anos após a Lei 8.630/

28 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) A Crise de

29 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) A Crise de Fatos 2008 políticos geram forte insegurança mundial! 29

30 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Em decorrência: A Crise de Demanda 2008 por soluções logísticas de baixo custo, elevada segurança (ISPS Code) e eficiência... Derrubada das Torres Gêmeas (11/09/2001) 30

31 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Governo Criação Lula (2003 das Agências 2010): Inserção Reguladoras das classes C e D. (08 anos após a Lei 8.630/93) Novo mercado de consumo demanda logística mais eficiente... Nova Agenda Corporativa Terceirização começa a ser vista como Competitividade melhoria de qualidade e redução de Redução de Custo custo!!! Eficiência Operacional Governança Sustentabilidade Gestão Integrada 31

32 O Click Século to edit XXI Master (a 1ª title década) style Governo Criação Lula (2003 das Agências 2010): Inserção Reguladoras das classes C e D. (08 anos após a Lei 8.630/93) Novo mercado de consumo demanda logística mais eficiente... Nova Agenda Corporativa Terceirização começa a ser vista como Competitividade melhoria de qualidade e redução de Redução de Custo custo!!! Eficiência Operacional Governança Sustentabilidade Gestão Integrada 32

33 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!! Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! 33

34 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!! Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! 34

35 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Falta de clareza dos marcos regulatórios e insegurança jurídica frustram concessões no governo Dilma!! Infraestrutura precária => gargalos e entraves ao crescimento econômico!! 35

36 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Crise na Europa, baixo crescimento dos EUA e desaceleração nos emergentes!!! Freio no crescimento econômico mundial!!! 36

37 O Click Século to edit XXI Master (os dias title style atuais) Crise na Europa, baixo crescimento dos EUA e desaceleração nos emergentes!!! Freio no crescimento econômico mundial!!! 37

38 Click to edit Master title style Assim, a figura dos Operadores Logísticos (OLs), como conhecemos hoje, vem sendo constituída ao longo dos últimos 25 anos... 38

39 O Click que to é, edit em Master síntese, title style um Operador Logístico? Operador Logístico (OL) é a pessoa jurídica capacitada a prestar, através de um ou mais contratos, por meios próprios ou por intermédio de terceiros, os serviços de transporte, armazenagem e gestão de estoque. Taxonomia conceitualizada em estudo contratado pela ABOL à KPMG, Mattos Filho Advogados e Fundação Dom Cabral (FDC), findo em 20/05/

40 Os Três Anos de ABOL Click to edit Master title style 40

41 41 Principais ações nos últimos anos A ABOL nesses últimos 3 anos 2012 Constituição da ABOL (17/06/12). Formatação da missão, visão, propósitos e objetivos. Primeiras discussões dos problemas do setor e formatação da Agenda ABOL Início dos estudos sobre a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAEs) dos Operadores Logísticos (OLs). Atuação junto ao Congresso para inclusão das CNAEs não desoneradas (Lei nº /2011), tendo sido editada a MP606.

42 Principais ações nos últimos anos Formação dos Comitês Técnicos (Sindical, Fármacos, Regulatório, RH-Pesquisa Salarial) Estudos de benchmarking (EUA, Espanha, Portugal, Argentina) e Início da edição de clipping diário e releases para a imprensa. Início dos entendimentos com MDIC, Concla / IBGE sobre CNAEs. Estudo com a Machado Associados para instruir decisões sobre desoneração da folha. Reunião com a Câmara Empresária de Operadores Logísticos (CEDOL), Buenos Aires, para embasar estudo de auto-regulação/ regulamentação dos OLs.

43 Principais ações nos últimos anos Participação da ABOL no conselho do Plano Brasil Maior - capítulo Serviços Logísticos da SCS/MDIC. Reuniões com a Presidência da Anvisa para reconhecimento do OL. Edição de artigos e realização de palestras e entrevistas. Angariamento de novos associados: Andreani, Columbia, FM Logistic, Gefco e Santos-Brasil. Reuniões com NTC&L sobre estratégias comuns e ações convergentes.

44 Principais ações nos últimos anos Início do projeto de regulamentação dos OLs (01/07/2014) com a KPMG & Mattos Filho com suporte da Fundação Dom Cabral (FDC). Realização do 1º workshop com o BNDES apresentando a ABOL e os desafios do setor. Angariamento de novo associado: RV Ímola (Grupo Sigla). Participação em vários fóruns como Intermodal 2014 e XX Fórum do ILOS. Realização do Painel Pacto pela Infraestrutura na ANTT, Brasília. Abertura de BID para contratação de Pesquisa Salarial (Club Survey), tendo sido selecionado o Hay Group (nov.2014). Participação na 31ª Conferência Internacional de Logística e Supply Chain (BVL) em Berlim, Alemanha. Visita a operadores logísticos na Alemanha durante a 31ª Conferencia (BVL) em Berlim.

45 Principais ações nos últimos anos Nomeação da ABOL como conselheira do Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da FIESP. Entrega do projeto de regulamentação dos OLs (20/05/2015) Panorama do BNDES considera a ABOL como referência para estudos e liberação de recursos para o mercado dos OLs. 1º Congresso de Planejamento Estratégico ABOL. Organização do 2º workshop com o BNDES para apresentação do projeto KPMG/MF/FDC (23/06/2015).

46 46 O estudo que WORKSHOP DE fundamentará a PLANEJAMENTO regulamentação do ESTRATÉGICO setor

47 47 Estudo ABOL Sumário Executivo Nos primeiros anos elaboramos o Estudo sobre o Panorama Setorial, Marco Regulatório e Aspectos Técnico-Operacionais. Com o BID posto no mercado em janeiro de 2014,.teve início em 01 de julho de 2014 e conclusão em 20 de março de Entregas do Estudo: 1. Contextualização do setor, taxonomia e tamanho do mercado. 2. Benchmarking referente a marco regulatório, boas práticas, certificações, estrutura etc. 3. Marco legal Brasil e mundo. 4. Norma de Pré-Qualificação do Operador Logístico (NPQ-OL). 5. Código de Boas Práticas do Operador Logístico (CBP- OL). 6. Processo de certificação e Selo ABOL. 7. Cesta de KPIs e indexadores Índice Nacional de Custos de Armazenagem e Gestão de Estoque (INCA).

48 Estudo ABOL Sumário Executivo 48 O trabalho, iniciado em 01/07/2014, foi concluído em 20/05/2015, e está estruturado em 4 volumes: Sumário Executivo (SE) Volume 1: Panorama setorial, contextualização do setor e benchmarkings internacionais (traz as entregas 1 e 2). Volume 2: Marco regulatório e análise jurídica (traz a entrega 3). Volume 3: Aspectos técnico-operacionais, normas, boas práticas, certificação e indicadores de desempenho (traz as entregas 4, 5, 6 e 7).

49 49 Números e figuras WORKSHOP DE do setor sob o PLANEJAMENTO prisma do estudo... ESTRATÉGICO

50 50 Estudo ABOL Sumário Executivo O estudo setorial resultou em 159 empresas que se enquadram na taxonomia definida para o Operador Logístico: Empresas avaliadas no Panorama Setorial Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

51 Estudo ABOL Sumário Executivo 51 Faturamento bruto & números de atores Tamanho do mercado (R$ bilhões) R$ 44,7 166 Tecnologística (OLs + frigorificados) R$ 57,0 152 ILOS R$ 53,7 193 Armstrong & Associates R$ 44,3 159 KPMG R$ 49,9 179 Média Quantidade de empresas Em valor (BBRL) Quantidade de empresas Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

52 Estudo ABOL Sumário Executivo 52 Setores mais relevantes da indústria em faturamento bruto comparáveis ao de Operadores Logísticos (OLs) - (R$ bilhões) Ranking (todos os setores): 16ª posição. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

53 Estudo ABOL Sumário Executivo 53 Setores mais relevantes de serviços em faturamento bruto comparáveis ao de Operadores Logísticos (OLs) - (R$ bilhões) Ranking (todos os setores): 6ª posição. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

54 Estudo ABOL Sumário Executivo 54 Geração de empregos diretos e indiretos Pessoal empregado (b) (c) (d) (e) (f) (a) 0 Empregos CLT Empregados terceiros Total de empregos (CLT e terceiros) Outros empregos indiretos Forma de cálculo: c = a + b; e = b + d; f = a + e Total de empregos indiretos Total de empregos (diretos e indiretos) Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

55 Estudo ABOL Sumário Executivo Setores mais relevantes da indústria em quantidade de pessoal ocupado comparáveis ao de Operadores Logísticos (OLs) (em milhares) Ranking (todos os setores): 11ª posição. 55 Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

56 56 Estudo ABOL Sumário Executivo Setores mais relevantes de serviços em quantidade de pessoal ocupado comparáveis ao de Operadores Logísticos (OLs) - (em milhares) Ranking (todos os setores): 13ª posição. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

57 Estudo ABOL Sumário Executivo 57 Tributos e encargos arrecadados R$ 2,0 bilhões Tributos R$ 7,2 bilhões Encargos trabalhistas Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

58 Estudo ABOL Sumário Executivo 58 Expectativa de investimentos - próximos 3 (três) anos por empresa Setor: Equivalente a R$608,2/ano Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

59 Estudo ABOL Sumário Executivo 59 Mix de investimentos próximos 3 (três) anos TI R$ 0,8 Outros milhão R$ 1,5 milhão Ampliação da frota R$ 4,7 milhão Ampliação de capacidade de armazenagem R$ 5,1 milhão Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

60 Estudo ABOL Sumário Executivo 60 O valor gerado pelos Operadores Logísticos (OLs). Redução de custos logísticos De acordo com a última edição do Third-Party Logistics Study, o fator de redução do custo logístico gerado pela atuação dos operadores logísticos no mundo foi de 15% em uma média geral. Considerando o anacronismo e os gargalos de infraestrutura, e empecilhos legais e burocráticos, os operadores logísticos nacionais, segundo estimativas da Fundação Dom Cabral (FDC), tem capacidade de gerar um fator de redução de custos logísticos na ordem de 9,9%. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

61 Estudo ABOL Sumário Executivo 61 O valor gerado pelos Operadores Logísticos (OLs). Redução de custos logísticos De acordo com a última edição do Third-Party Logistics Study, o fator de redução do custo logístico gerado pela atuação dos operadores logísticos no mundo foi de 15% em uma média geral. Considerando o anacronismo e os gargalos de infraestrutura, e empecilhos legais e burocráticos, os operadores logísticos nacionais, segundo estimativas da Fundação Dom Cabral (FDC), tem capacidade de gerar um fator de redução de custos logísticos na ordem de 9,9%. Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

62 Estudo ABOL Sumário Executivo 62 O valor gerado pelos Operadores Logísticos (OLs). Redução de custos logísticos R$ 700 R$ 600 R$ 63,3 R$ bilhões R$ 500 R$ 400 R$ 300 R$ 576,5 R$ 639,9 R$ 200 R$ 100 R$ 0 Gasto total atual em logística no Brasil Valor gerado pelos OLs Gasto total em logística sem a contribuição dos OLs Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

63 63 Estudo ABOL Sumário Executivo Resumo do Panorama Setorial: Tamanho do mercado de operadores logísticos (2014) 159 empresas Faturamento total estimado (2013) R$ 44,3 bilhões Faturamento médio anual por empresa (2013) R$ 278,6 milhões Empregos diretos (CLT: Terceiros: ) (2014) funcionários Empregos indiretos ( cadeias periféricas) (2014) empregos Total pessoal empregado (empregos diretos + indiretos) (2014) pessoas Tributos recolhidos (2013) R$ 7,2 bilhões Encargos trabalhistas recolhidos (2013) R$ 2,0 bilhões Investimentos previstos: próximos 3 anos (R$ 608,2 milhões) 5,7 % do faturamento bruto Gastos anuais da indústria brasileira: logística integrada (2013) R$ 118,4 bilhões Fonte: Operadores Logísticos(OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnicos (KPMG + Mattos Filho Advogados + FDC) 2015.

64 Os Comitês WORKSHOP DE Técnicos (CTs) da PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ABOL 64

65 Pilares Estratégicos da ABOL Os Comitês Técnicos (CTs): Recursos Humanos Excelência Operacional Marco Legal & Fiscal Setoriais Atuação Política e Institucional Comunicação Interna e Externa Gestão de Risco Regulatório (Fármacos) 65

66 66 Estudo - Bônus

67 Sumário Executivo do Panorama ILOS: WORKSHOP DE Operadores Logísticos e Ferrovias PLANEJAMENTO 2015 ESTRATÉGICO 67

68 Os macro números Panorama ILOS 2015 Total de Prestadores de Serviços Logísticos (PSLs): 152 empresas Receita Operacional Bruta (ROB): R$57 bilhões Nota: nos USA => USD146,4bi = 8 vezes maior Dos 10 melhores PSLs (DHL, JSL, H.SÜD/Aliança, TNT, Kuehne-Nagel, ALL, Maersk, CEVA, LUFT, Correios), somente 6 (seis) são considerados pela ABOL como Operadores Logísticos (OLs). Os 10 Melhores ILOS ROB: R$2,1bi (9 vezes maior) Tempo de mercado: 40 anos Nr. médio de clientes: Nr. médio de funcionários: Certificações: 90% Frota própria: 50% Armazém próprio: 26 unidades Os Outros PSLs ROB: R$251mi Tempo de mercado: 22 anos Numero médio de clientes: 159 Nr. médio de funcionários: Certificações: 83% Frota própria: 64% Armazém próprio: 6 unidades 68

69 69 Os espaços de oportunidade:

70 As atividades destacadas 1ª Transporte de carga (fechada). 2ª Gestão integrada das operações logísticas. 3ª Tecnologia da Informação. 4ª Armazenagem. 5ª Desenvolvimento de projetos. 6ª Ações de sustentabilidade ambiental. 7ª Cross-docking. 8ª Gestão da cadeia de suprimentos. 9ª Controle de estoques. 10ª Distribuição porta-a-porta. 11ª Logística reversa. 12ª Gerenciamento intermodal. Transporte de carga (fracionada). 13ª Logística internacional. 70

71 As atividades destacadas 1ª Transporte de carga (fechada). 2ª Gestão integrada das operações logísticas. 3ª Tecnologia da Informação. 4ª Armazenagem. 5ª Desenvolvimento de projetos. 6ª Ações de sustentabilidade ambiental. 7ª Cross-docking. 8ª Gestão da cadeia de suprimentos. 9ª Controle de estoques. 10ª Distribuição porta-a-porta. 11ª Logística reversa. 12ª Gerenciamento intermodal. Transporte de carga (fracionada). 13ª Logística internacional. 71

72 Prestadores de Serviços Logísticos (PSL) tradicionais Serviços genéricos (padronizados) Atividades únicas, isoladas (transporte e armazenagem). Foco na redução de custo de tarifa (transporte e armazenagem). Contratos de curto e médio prazo (meses ou até um ano). Prestador de Serviço Logístico (PSL) tem expertise em uma atividade (transporte ou armazenagem). Negociações rápidas para fechamento do contrato (semanas). Responsável pela contratação não tem nível gerencial/direção. Operador Logístico (OL) / Third Party Logistic Provider (3PL) Serviços sob medida (personalizados). Projetos desenvolvidos by demand. Múltiplas atividades integradas. Foco na redução do custo total e não na tarifa de um ou mais atividades. Flexibilidade de montagem de projetos. Foco na melhoria dos níveis de serviço (SLAs). Contratos de longo prazo (3, 5 anos ou mais). Entendimento na solução de problemas. Negociações demoradas (meses). 72 Nota: Adaptado de Panorama ILOS, 2015 Operadores Logísticos e Ferrovias, pág. 25.

73 Click to edit Master title style Contate-nos: Carlos Cesar Meireles Vieira Filho Diretor Executivo / CEO Fones: (11)

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 -

Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 - Brochura - Panorama ILOS Operadores Logísticos e Ferrovias Os Melhores na Percepção de seus Usuários - 2016 - Apresentação O mercado de operadores logísticos no Brasil vem crescendo junto com a economia

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Artigo publicado. na edição 29. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2012

Artigo publicado. na edição 29. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2012 Artigo publicado na edição 29 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2012 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião O crescimento dos Gastos Logísticos no Brasil e no mundo

Leia mais

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras

Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras CI1306 Pesquisa: Fomento para inovação nas Empresas Brasileiras Raoni Pereira, Hérica Righi, Marina Loures, Tiara Bicalho, Janayna Bhering, Bárbara Xavier - Núcleo de Inovação A Introdução inovação configura-se

Leia mais

Memória de Reunião. Data da Reunião: 07/03/2012 Horário: 10h00min às 12h58min Local: MDIC, 3º andar, sala 301.

Memória de Reunião. Data da Reunião: 07/03/2012 Horário: 10h00min às 12h58min Local: MDIC, 3º andar, sala 301. Memória de Reunião 1. Identificação da Reunião Data da Reunião: 07/03/2012 Horário: 10h00min às 12h58min Local:, 3º andar, sala 301. Líder da Reunião: Humberto Ribeiro / Luiz Carlos Ordem do dia: Reunião

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 e 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas

Transporte Rodoviário de Cargas. Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Transporte Rodoviário de Cargas Panorama do Setor Eficiência Energética e Metodologia de Avaliação de Empresas Panorama do Segmento de Transporte Rodoviário de Carga Brasileiro Panorama TRC Infraestrutura

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

PAEX Parceiros para a Excelência

PAEX Parceiros para a Excelência PAEX Parceiros para a Excelência Estabelecer parcerias por melhores resultados: uma prática comum na natureza e nas empresas que querem se desenvolver. CONHECA A FDC Alianças Internacionais: Uma Escola

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em LOGÍSTICA EMPRESARIAL SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 -

Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 - Brochura - Panorama ILOS Terceirização Logística no Brasil - 2014 - Apresentação A terceirização de atividades logísticas no Brasil tem sido motivada pela redução de custos e melhoria nas operações logísticas.

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Associativo. Evolução dos projetos

Programa de Desenvolvimento Associativo. Evolução dos projetos Programa de Desenvolvimento Associativo Evolução dos projetos 1 BRASIL Ambiente favorável aos negócios SISTEMA INDÚSTRIA SINDICATOS Representatividade Sustentabilidade Mais força, coesão e poder de influência

Leia mais

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Roberto A. Paranhos do Rio Branco Vice-Presidente do CONIC-FIESP São Paulo, 29 de Abril de 2014 CONIC Conselho Superior de Inovação e Competitividade

Leia mais

Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros. Zeina Latif

Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros. Zeina Latif Fórum Estadão Brasil Competitivo Comércio Exterior Como aumentar a participação do País no comércio internacional e a competitividade dos produtos brasileiros Zeina Latif 15 de Outubro de 2013 Economia

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Top Executive Compensation 2010. 19 de agosto de 2010 Leonardo Salgado Olavo Chiaradia

Top Executive Compensation 2010. 19 de agosto de 2010 Leonardo Salgado Olavo Chiaradia Top Executive Compensation 2010 19 de agosto de 2010 Leonardo Salgado Olavo Chiaradia Agenda 9h15 Abertura Alexandre Fialho, Diretor Hay Group 9h30 Top Executive Compensation Brasil 2010 Leonardo Salgado,

Leia mais

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL PROJETO SERIALIZAÇÃO Projeto Serialização DHL 1 Serialização SETRM 2015 DEUTSCHE POST DHL DHL Supply Chain é parte do Grupo Deutsche Post com presença global e extensivo portifólio em serviços Logísticos

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer 1ª. Reunião do Conselho de Competitividade Serviços Brasília, 12 de abril de 2012 Definições O PBM é: Uma PI em sentido amplo: um

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para maiores detalhes sobre o regulamento, acesse: www.revistamundologistica.com.br/premio.shtml

INTRODUÇÃO. Para maiores detalhes sobre o regulamento, acesse: www.revistamundologistica.com.br/premio.shtml Realização Patrocínio Master INTRODUÇÃO O Prêmio Rapidão Profissional de Logística do Ano, que será concedido pela revista MundoLogística ao final de 2010, visa valorizar as os profissionais da área de

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008

Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008 Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008 Jorge Cysne Alexandre Galindo Roteiro - Panorama do Setor de TI - Principais Realizações - Caracterização do APL - Plano de Desenvolvimento do APL Panorama

Leia mais

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento

Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Debate Sobre a Desoneração da Folha de Pagamento Julho de 2011 1 Debate sobre desoneração da folha de pagamento deve ser feito com cautela e tendo como ponto de partida a compensação vinculada (principal

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Av. Princesa Diana, 760 34000-000 Nova Lima MG Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho

Leia mais

Agenda 1 ANAHP. 2 Governança Corporativa. 3 Timeline. 4 Reforma Estatutária. 5 Modelo de Planejamento Estratégico

Agenda 1 ANAHP. 2 Governança Corporativa. 3 Timeline. 4 Reforma Estatutária. 5 Modelo de Planejamento Estratégico 10a Jornada Agenda 1 ANAHP 2 Governança Corporativa 3 Timeline 4 Reforma Estatutária 5 Modelo de Planejamento Estratégico 6 Modelo de Arquitetura Organizacional 7 Benefícios Governança Corporativa ANAHP

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração

Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração SOBRATEMA Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento Departamento da Indústria da Construção DECONCIC da FIESP 1 MISSÃO,

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Operadores Logísticos (OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnico-operacionais Sumário Executivo (SE)

Operadores Logísticos (OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnico-operacionais Sumário Executivo (SE) Operadores Logísticos (OLs): panorama setorial, marco regulatório e aspectos técnico-operacionais Sumário Executivo (SE) Associação Brasileira de Operadores Logísticos (ABOL) 20 de março de 2015 Realizado

Leia mais

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação

Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação PRO-REG/IBI PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM REGULAÇÃO Aspectos Institucionais e Tendências da Regulação Pedro Farias Especialista Lider em Modernização do Estado Banco Interamericano de Desenvolvimento Sebastian

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 1S11. O maior portfólio de serviços logísticos do Brasil

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 1S11. O maior portfólio de serviços logísticos do Brasil APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 1S11 O maior portfólio de serviços logísticos do Brasil JSL: Histórico e Momento Atual Abertura de Capital: Perpetuidade e Suporte ao Crescimento Início da Distribuição Urbana

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 13ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão 24 de fevereiro de 2010 Alexandre Seabra Resende

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 13ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão 24 de fevereiro de 2010 Alexandre Seabra Resende APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 13ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão 24 de fevereiro de 2010 Alexandre Seabra Resende Agenda Missão Linhas de Atuação Áreas Produtos Importância

Leia mais

FILOSOFIA EMPRESARIAL

FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL MISSÃO SACIAR NATURALMENTE A SEDE DOS GAÚCHOS. Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL VISÃO QUEREMOS SER

Leia mais

Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico

Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico Uma avaliação da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE para o Setor Farmacêutico Outubro de 2007/Maio de 2008 Ciro Mortella- Presidente Executivo Mercado Farmacêutico Mundial (12

Leia mais

Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção. 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA

Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção. 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA O Instituto Ethos Fundado em 1998 por um grupo de empresários Conselho Deliberativo

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 E 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Sem indústria não há Desenvolvimento

Sem indústria não há Desenvolvimento ESTUDOS E PESQUISAS Nº 622 Sem indústria não há Desenvolvimento Carlos Pastoriza * Fórum Nacional (Sessão Especial) O Brasil que Queremos Nova Grande Concepção: Sair da Crise e Enfrentar os Desafios do

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Transporte Rodoviário de Cargas no Brasil A percepção das empresas contratantes de transporte 2ª Edição Revisada e Ampliada em 2014 Apresentação O Panorama ILOS Transporte Rodoviário

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios

Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios MODELO DE ATUAÇÃO Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios Conceitos É a implementação (do que?) de um produto (bem ou serviço) novo ou significamente melhorado, ou processo,

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DO CONSELHO DA ABIT JANEIRO DE 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO

Leia mais

Ricardo A.C. Saur Diretor Executivo Montevideo, 5 de junho de 2007

Ricardo A.C. Saur Diretor Executivo Montevideo, 5 de junho de 2007 Ricardo A.C. Saur Diretor Executivo Montevideo, 5 de junho de 2007 Sociedade Civil sem fins lucrativos (OSCIP) Missão: promover a exportação brasileira de software e serviços correlatos, liderando a inserção

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE Projeto Corporativo Relacionamento Externo // 1 Apresentação RIALIDE 25 de novembro de 2014 1 Agenda // 2 Contextualização e Objetivos do Projeto Abordagem Metodológica Etapas do Projeto Benchmarking Segmentação

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Estratégia nas cadeias

Estratégia nas cadeias Estratégia nas cadeias da demanda ao suprimento Assim como em um ecossistema, as cadeias de valor precisam explorar suas interdependências e potencialidades. Na teoria e na vida, FDC Conheça a Fundação

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA

SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA SOFTWARE DE GESTÃO PARA BENS DURÁVEIS MANUFATURA LEVE, SUSTENTÁVEL E AUTOMATIZADA HOJE FALAREMOS SOBRE 1. INTRODUÇÃO 2. COMO FUNCIONA: MACROPROCESSO E DETALHAMENTOS 3. OFERTAS PADRÃO TOTVS 4. FATOS 1.

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

Entendemos Pernambuco.

Entendemos Pernambuco. Entendemos Pernambuco. SUMÁRIO A Empresa... 3 Produtos e Serviços... 4 Unidades Estratégicas... 7 Clientes... 8 Principais Trabalhos Realizados... 9 Equipe... 10 Outras Informações em Anexo... 11 Página

Leia mais

26 a 28 de setembro de 2014 RIOCENTRO Rio de Janeiro - RJ. Um evento paralelo da

26 a 28 de setembro de 2014 RIOCENTRO Rio de Janeiro - RJ. Um evento paralelo da 26 a 28 de setembro de 2014 RIOCENTRO Rio de Janeiro - RJ Um evento paralelo da Uma iniciativa inédita no cenário brasileiro, o evento Fenacargo Fórum Especial Nacional do Transporte de Cargas será realizado

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística.

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística. Grupo CARGO Um jeito inteligente de fazer logística. Empresas do Grupo Cargo Iniciou suas atividades em 1.980 em Córdoba Argentina, prestando serviço no segmento de Transporte Nacional e Internacional.

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO

MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO MODERNIZAÇÃO DAS RELAÇÕES DO TRABALHO 71 ANOS DA CLT - Cenário quando da edição Importante instrumento para reger as relações do trabalho no início da década de 40 Industrialização incipiente (Brasil Rural)

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Turma BNDES Engenharia Específica Regular

Turma BNDES Engenharia Específica Regular Turma BNDES Engenharia Específica Regular Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 161,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP. Ouvidoria Santos - Porto da Cidadania

Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP. Ouvidoria Santos - Porto da Cidadania Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Ouvidoria Santos - Porto da Cidadania Relatório Anual 2013 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Dados Estatísticos... 3 2.1. Quantidade de Manifestações... 3 2.2.

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA Fernando S. Marcato 23.03.2015 Três pontos principais... Gargalos da infraestrutura constituem um dos maiores entraves ao crescimento sustentado

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

ENCONTRO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA DE POLÍTICA NACIONAL DE TRANSPORTES

ENCONTRO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA DE POLÍTICA NACIONAL DE TRANSPORTES ENCONTRO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA DE POLÍTICA NACIONAL DE TRANSPORTES ABRALOG Associação Brasileira de Logística Brasília, 09 de julho de 2015. AGENDA 1. ABRALOG 2. AÇÕES DA ENTIDADE 3. MULTIMODALIDADE

Leia mais