REPRESENTAÇÕES ESPACIAIS E PAISAGENS CINEMATOGRÁFICAS DAS NARRATIVAS VISUAIS DE FAVELAS EM FILMES BRASILEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPRESENTAÇÕES ESPACIAIS E PAISAGENS CINEMATOGRÁFICAS DAS NARRATIVAS VISUAIS DE FAVELAS EM FILMES BRASILEIROS"

Transcrição

1 REPRESENTAÇÕES ESPACIAIS E PAISAGENS CINEMATOGRÁFICAS DAS NARRATIVAS VISUAIS DE FAVELAS EM FILMES BRASILEIROS Juliana Cunha Costa Estudante de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Humanidades Interculturais da Escola de Humanidades e Ciências Sociais da Jacobs University Bremen (Alemanha). E- mail: Maria Auxiliadora da Silva Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal da Bahia (UFBA - Brasil). RESUMO Os estudos culturais após a década de 1970 passam a ter uma significativa importância dentro da ciência geográfica; teorias e fundamentos passam a trabalhar com fenômenos de características culturais, sendo sua espacialidade, também, manifestada através das artes. Este trabalho tem o propósito de apresentar uma análise comparativa das paisagens cinematográficas do cinema brasileiro através das narrativas visuais de filmes que reproduziam o dia a dia nas favelas cariocas. Através da análise dos filmes foi possível perceber claramente que os discursos e as imagens dos cenários destes territórios foram se transformando ao longo das últimas décadas do século XX. Passando de uma percepção romântica, por exemplo, como em Orfeu Negro, filme dirigido pelo francês Marcel Camus em 1959, para uma visão degenerada das favelas como em Cidade de Deus dirigido por Fernando Meirelles em 2002, ou até mesmo nos filmes Tropa de Elite em 2007 e Tropa de Elite: O Inimigo Agora é Outro em 2010 dirigidos por José Padilha. Essas representações espaciais das favelas brasileiras são frequentemente simbólicas e parte de uma formação social de uma paisagem do mundo real. Palavras-chaves: Representação Espacial. Favelas. Narrativas visuais. Paisagens cinematográficas. GEOGRAFIA CULTURAL: UMA INTRODUÇÃO Segundo Claval (2008), a abordagem cultural na ciência geográfica teve o seu desenvolvimento com base nos estudos da representação, uma vez que conecta 1

2 significado e linguagem à cultura; assim, o acesso à realidade também foi possível, através das representações e imagens do mundo. No início dos anos de 1970 os geógrafos divulgaram e ampliaram os debates sobre a geografia cultural com o suporte dos estudos culturais. Esta disciplina científica definiu-se como uma importante temática dentro da grande área das ciências geográficas e, foi a partir daí, que a geografia cultural assumiu uma posição mais central nos debates da Geografia Humana. As teorias geográficas foram sustentadas pelos fenômenos de características culturais que influenciaram a configuração do espaço. Além disso, os geógrafos tiveram suporte de estudos anteriores que lidavam com contextos sociais e culturais e apresentavam a espacialidade humana através das manifestações expressas em diversas formas culturais. As inúmeras abordagens utilizadas para interpretar o espaço através das imagens em movimento, pareciam ser um estimulante caminho para que geógrafos culturais analisassem os filmes como uma técnica para entender, principalmente, como os cineastas usufruíam do uso do espaço geográfico para construção de suas narrativas o que poderia vir a ser um modo de influenciar a percepção do mundo real. Assim, os filmes mostram paisagens como representações culturais de determinada natureza e recorte espacial. Por isso as imagens em movimento podem, também, contribuir para uma expansão dos debates nos campos da geografia cultural. A favela não é um elemento original no cinema brasileiro contemporâneo, pois, o Cinema Novo já discutia as questões sociais dos pobres nos ambientes rurais e urbanos. A qualidade fascinante da geografia e da paisagem do sertão encontra o seu homólogo urbano nas periferias e favelas. Elas causam fascínio, bem como horror e repulsa (BENTES, 2003, p. 129, tradução nossa). Baseado nestes pressupostos, o presente trabalho apresentará uma análise comparativa das paisagens cinematográficas do cinema brasileiro através das narrativas visuais que reproduzem a vida cotidiana nas favelas brasileiras nos quatro filmes: Orfeu Negro (Camus, 1959, Brasil, França, Itália), Cidade de Deus (Meirelles, 2002, Brasil), Tropa de Elite - I (Padilha, 2007, Brasil) e Tropa de Elite - II: O Inimigo Agora É Outro (Padilha, 2010, Brasil). Estes filmes mostram diferentes representações espaciais de favelas brasileiras, onde estas paisagens são, frequentemente, simbólicas e fazem parte de uma formação social do mundo real. 2

3 NARRATIVAS VISUAIS E CÓDIGOS CINEMATOGRÁFICOS NOS FILMES BRASILEIROS As narrativas visuais são definidas por narrar uma história onde ela é a ação que vai significar uma série de eventos ligados pela causalidade, pela temporalidade pela sequência ou pela ordem da ocorrência. Os sinais visuais podem representar diversos significados, é por isso que eles devem ser conectados com um quadro de informação operando dentro de um contexto social, tendo como objetivo, denotar uma lógica específica. Os cineastas fazem uso de códigos específicos de cultura em suas narrativas visuais para contar uma história que é representada por um signo. Os estudos cinematográficos referem-se à ciência da interpretação de um filme, porém não devem ser tratados, trivialmente, como uma mera leitura de símbolos e sua relação com os significados pretendidos. Já as narrativas cinematográficas organizam as histórias de acordo com um conjunto de convenções que são utilizadas pelos cineastas; já os espectadores devem codificá-las e reconhecê-las como uma sequência de eventos em um determinando tempo e espaço. Essa identificação acontece como resposta à experiência do espectador de seu mundo real e também pela sua compreensão contextual de outras representações, formadas através da observação de outros conteúdos de ficção ou não-ficção. Pramaggiore e Wallis (2005) esclarecem que os códigos cinematográficos visuais e sonoros são um conjunto de ferramentas usadas pelos cineastas baseadas em um conjunto de convenções socioculturais. Os códigos visuais são classificados como: a mise-en-scène 1 (composta por seis elementos: cenário, propriedade, figurino/maquiagem, performance, luz e efeitos especiais), a cinematografia (composta por todos os elementos da expressão cinematográfica que são gerados e controlados pela câmera; são eles: enquadramento, escala, ângulo e movimento de câmera, entre tantos outros) e a edição (que envolve a união dos elementos da mise-en-scène). Os códigos sonoros são: o discurso, a música e 1 O conceito de mise-en-scène ou encenação em ação, que se originou no teatro do século XIX nos estudos cinematográficos refere-se aos elementos constitutivos que compõem uma filmagem e cria um espaço de tela específico. O cenário é, por vezes, privilegiado como o personagem principal em um filme funcionando, não apenas como um pano de fundo para a ação principal, mas como um componente expressivo da própria narrativa (PECKHAM, 2004, p. 420, tradução nossa). 3

4 o ruído. Todos eles desempenham um papel fundamental nas narrativas, mas este trabalho concentra-se, exclusivamente, na mise-en-scène, uma vez que esta influencia a experiência que o espectador terá da história dos personagens, do espaço e do tempo. O cenário é o espaço físico onde a ação do filme acontece, podendo ser tão real quanto imaginário; a configuração sugere uma representação espacial com requintes de autenticidade e qualidades espaciais. No entanto, no filme Orfeu Negro, o cenário foi contra as expectativas de uma representação da favela, pois, as casas pobres e sem infraestrutura foram transformadas em cenários como para um musical romântico. Onde a beleza e a alegria dos moradores envolveram a protagonista Eurídice que chegava ao Rio de Janeiro no período carnavalesco e logo se apaixonava pelo músico encantador Orfeu. Propriedade significa todos os objetos móveis em um cenário, que são usados pelos personagens, e possuem um grande peso simbólico operado como manifestações iconográficas de gênero. Em Cidade de Deus, Tropa de Elite I e II, as armas e os carros policiais são propriedades indispensáveis para as narrativas visuais que se especializam nas favelas cariocas; já em Orfeu Negro, o violão foi caracterizado como a propriedade principal, sendo tão utilizado pelo protagonista Orfeu quanto pelas crianças coadjuvantes do morro. Os significados simbólicos também são expressos pelo figurino e maquiagem. Podem também ser percebidos como conotações culturais que reforçam estereótipos pré-concebidos tais como outras propriedades gráficas na cena. Indicam, também, a personalidade, o status social do personagem bem como fornecem evidências sobre determinado tempo e espaço. As diferenças entre a caracterização de um policial e um suspeito criminal em filmes como Tropa de Elite I e II são claramente visíveis. Por um lado, o primeiro grupo é representado com seus uniformes pretos e intimidantes e, por outro, os suspeitos são, na maioria das vezes, retratados com suas roupas sujas. Em Orfeu Negro, é possível visualizar as fantasias que reforçavam a idade de ouro do carnaval do Rio de Janeiro, nas favelas. Performance é a área mais rica da expressão cinematográfica pois, engloba a expressão facial, postura e movimento corporal; entretanto depende de muitos fatores para ser compreendida como uma narrativa convincente. O filme Cidade de Deus foi um dos precursores a utilizar atores não-profissionais da favela, o que 4

5 preservou o aspecto mais realista, já que a linguagem destes moradores e o modo de agir foi o mesmo aplicado na performance dos papéis dos seus personagens. Este método, também, foi um utilizado em filmes como Tropa de Elite I e II, uma vez que o diretor José Padilha selecionou alguns policiais do BOPE 2, igualmente atores não-profissionais, para representar o seu real papel, durante as gravações de cenas de perseguições a suspeitos criminais. A iluminação pode gerar um efeito estético de sombra e luz e criar uma determinada atmosfera. Em Cidade de Deus as cores são escolhidas para representar tempos e ambiências diferentes. O primeiro período deste filme destaca os anos de 1960 quando a população nordestina chega à Cidade de Deus e ocorre o momento de expansão da favela. É a idade da inocência, quando se aplica uma intensidade de luz e cores douradas para descrever um ritmo descontraído, com casas simples e confortáveis, com as ruas cheias de crianças felizes e uma população vivendo em comunidade. No segundo período, nos anos 1970, as cores são mais escuras, portanto, a luz já não é tão intensa; o crime e a perversão aumentam, mas os laços comunitários continuam a existir. A favela se torna uma zona indistinta entre a lei e a ilegalidade e entre a paz e a guerra. Os anos de 1980 representam o terceiro e último período com cores acinzentadas, portanto pouca incidência de luz. A violência dentro da favela torna-se crua e é representada como algo natural aos moradores de Cidade de Deus. PAISAGENS CINEMATOGRÁFICAS COMO UMA REPRESENTAÇÃO ESPACIAL DE FAVELAS Paisagens cinematográficas também podem ser construídas - ou seja, formadas a partir do isolamento consciente e intencional e da ênfase de detalhe topográfico, e/ou da aplicação de técnicas e tecnologias específicas (escolhas de perspectivas e lentes, edição, visão, filtros, imagens geradas por ou melhoradas por computadores) (HARPER; RAYNER, 2010, p. 22, tradução nossa). De acordo com o ensaio A Morfologia da Paisagem escrita por Sauer (1925, 2008), a paisagem é uma forma geográfica de pensar sobre cultura, uma vez que 2 - O Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) é uma força de operações especiais da Polícia Militar para cada estado brasileiro. 5

6 muitas das fronteiras mundiais podem ser consideradas mais culturais do que físicas, já que durante determinados períodos da história, um mesmo ambiente físico deu origem a diversas paisagens culturais. Santos (1991) propôs uma definição de paisagem muito próxima do que se compreende, atualmente, como paisagem cultural; ela engloba volumes, cores, movimentos e sons. Desta forma, cada área habitada por grupos distintos agindo e modificando a estrutura espacial, criará diferentes paisagens culturais, que surgiram a partir de paisagens naturais moldadas pelos seres humanos, através de suas técnicas disponíveis. Com base nas definições acima mencionadas, o conceito de paisagem, sem dúvida, parece ser um terreno fértil para a Geografia Cultural, pois permite explorar os estudos culturais, uma vez que este tipo de paisagem é rica em simbolismo e em metáfora visual. A paisagem cultural é um elemento chave em qualquer narrativa visual, pois os cineastas podem obter um maior realismo das locações de filmagem; assim, o espaço reproduzido em suas narrativas preserva o aspecto de verossimilhança com o cenário real. Harper e Rayner (2010) comparam o papel dos cineastas com os cartógrafos, pois eles possuem ferramentas para orientar o público para uma paisagem bastante familiar ou recém-descoberta; os mapas e os filmes assumem e posicionam as audiências tanto ideologicamente quanto geograficamente. Assim, os mapas e os filmes abrangem a seleção, a inclusão, a omissão e a invenção de objetos, em um espaço. Uma paisagem cinematográfica é muito mais simbólica do que um simples pano de fundo espacial que complementa a descrição visual de ações e eventos em uma narrativa. Ela não é sempre uma reprodução, mas pode ser também uma descoberta ou até mesmo, uma invenção, moldada pela imaginação dos cineastas, como, por exemplo, em dois filmes de ficção científica Avatar (Cameron, 2009, EUA) e Matrix (Wachowski, 1999, EUA). Estes filmes projetaram duas fantásticas paisagens que não existem no mundo real, mas elas foram moldadas como uma associação semelhante ao mundo real. Assim, qualquer tipo de paisagem cinematográfica retrata uma paisagem simbólica que é reconhecida pelo público e [...] muitas vezes contribui para a formação social, impactando sobre as associações humanas e normas sociais (HARPER; RAYNER, 2010, p. 16, tradução nossa). De acordo com estes autores, a paisagem cinematográfica assume posição de representação em uma narrativa cinematográfica, [...] representação esta que é 6

7 produzida pela seleção ou construção ou, um amálgama dos dois e estas paisagens têm graus correspondentes de autenticidade e originalidade (HARPER; RAYNER, 2010, p. 17, tradução nossa). A repetição visual de uma determinada área retratada em filmes ou programas televisivos como ícone de uma localização geográfica, tem autonomia para designar um legado representacional que tem a função de construir e estabelecer um mapa mental ou um senso de lugar. No que concerne ao conceito de representação Hall salienta que: A representação é a produção do significado dos conceitos em nossas mentes através da linguagem. É a ligação entre conceitos e linguagem que nos permite referir-se tanto ao mundo real de objetos, pessoas ou eventos, ou mesmo para aos mundos ficcionais de objetos, de pessoas e eventos (HALL, 1997, p. 17, tradução nossa). Cada uma dessas posições teóricas oferece uma contribuição importante para o entendimento da paisagem cinematográfica de favelas, como sua representação espacial. Os quatro filmes nacionais selecionados têm em comum a representação de favelas brasileiras como pano de fundo das suas narrativas visuais. No entanto, as paisagens de favelas, ilustradas nesses filmes, são, na maioria das vezes, sustentadas na estreita definição de paisagem, baseada na intervenção humana. Estas paisagens têm mudado ao longo dos anos, uma vez que, elas são formadas por vários elementos que interagem entre si e criam uma concepção geral desta construção sociocultural. Tecnicamente falando, as paisagens cinematográficas nestes filmes brasileiros, indicam a representação simbólica ou a percepção real das favelas, pelo público. Cada indivíduo tem uma forma diferente de perceber esses lugares, que depende de seu status socioeconômico, bem como seu grau de relação com esta ambiência. Esta relação pode ser uma grande diferença entre a pessoa que apenas conhece a favela através da televisão e de imagens de filmes. A paisagem cinematográfica de favelas em narrativas visuais de filmes brasileiros, nada mais é do que uma representação dos cineastas por meio de suas experiências com o mundo. Além disso, essa mesma paisagem criada aparece como um registro realista, porém, nada mais é do que um elemento cinematográfico, esteticamente, manipulado. 7

8 De acordo com Davis (2006), no século XVIII, as áreas irregulares ocupados foram definidas como lugares caracterizados por um amálgama de habitações em ruínas, superlotação, doença e pobreza. Além disso, no século XIX os norteamericanos definiram estas áreas como sendo ocupadas por uma população miserável e criminosa. No Brasil, a expansão da cidade inicia-se como resultado de um aumento demográfico e a urbanização desorganizada causada por construções habitacionais em áreas irregulares ocupadas que gerou um crescimento informal e desordenado em parte das cidades, durante os anos de 1960 e Além disso, o fluxo de imigração de indivíduos pobres, da população de zonas rurais para os arredores das grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, de pequenas cidades para as metrópoles, do grande número de pessoas vivendo nas mesmas áreas urbanas, dentre outros, provocaram no desenvolvimento de favelas no Brasil. As favelas têm sido partes da paisagem do Rio de Janeiro há mais de um século e a maioria delas tem crescido desde a década de Um bom exemplo disto pode ser visto no Morro da Providência, que foi registrado como sendo a primeira favela, fundada em 1880 (PERLMAN, 2009). Os cenários de favelas têm desempenhado distintos e importantes papéis no filme Orfeu Negro, em comparação com Cidade de Deus e Tropa de Elite I e II. As favelas brasileiras representam os principais cenários para o desenvolvimento das narrativas dos quatro filmes selecionados; no entanto, ganharam significados diferentes. Consequentemente, crenças e sentimentos, que os espectadores associam à representação de um cenário, pode não preencher suas expectativas, uma vez que [...] o significado daquele ambiente em um filme depende do modo como ele funciona na narrativa e se relaciona com outras técnicas visuais (PRAMAGGIORE; WALLIS, 2005, p. 65, tradução nossa). ANÁLISE DAS PAISAGENS CINEMATOGRÁFICAS EM ORFEU NEGRO, CIDADE DE DEUS E TROPA DE ELITE I E II O filme Orfeu Negro foi uma adaptação do mito grego de Orfeu e Eurídice e o palco principal da narrativa é a favela do Morro da Babilônia, no bairro do Leme, no Rio de Janeiro (GATES, 2011). O diretor francês Marcel Camus recebeu do presidente brasileiro Juscelino Kubitschek apoio total do governo para produzir o 8

9 filme, o qual carrega certa visão eurocêntrica de uma negrofilia modernista em uma comunidade negra carnavalesca e exótica. O filme destaca os moradores da favela como despreocupados, festeiros e malandros. Como pode ser visto na Figura-1, os moradores de favelas vivem romanticamente a miséria encontrando uma fuga através da arte, da cultura popular, carnaval e samba. Raça e desigualdade social desempenham um papel importante na narrativa visual do filme, já que o herói Orfeu e a comunidade, representavam uma cidadania fictícia, ilusória de inclusão social, no meio de uma sociedade racista, brasileira, na década de Glauber Rocha, por exemplo, estava ciente da forma como os filmes brasileiros foram frequentemente consumidos na Europa, e do hábito dos europeus de se voltar para a cultura do mundo subdesenvolvido para satisfazer a sua nostalgia de primitivismo (BENTES, 2003, p. 87, tradução nossa). Grasse (2004) afirmou que a Bossa Nova foi imposta como uma música de fundo a fim de retratar a vida na favela, sabendo-se entretanto que neste lugar a cultura do samba durante o carnaval estava enraizada e era fortemente conectada com a música popular nos anos O autor, também, destacou que a Bossa Nova foi introduzida ao público internacional através deste filme e que o diretor francês Camus muito auxiliou para divulgar as carreiras musicais internacionais de seus compositores e intérpretes como, Antônio Carlos 'Tom' Jobim e Vinícius de Moraes. Bentes (2003) faz uma dura crítica segundo a qual o diretor de Orfeu Negro negligenciou todos os contextos históricos e sociais pelo fato de ter criado uma geografia não-realista despropositada. Neste filme, a favela do Rio de Janeiro é uma construção cinematográfica, uma justaposição de cartões postais que apresenta a paisagem da favela como um espaço de encontro democrático mítico e paradisíaco, onde a pobreza parece glamorosa até mesmo desejável. As habitações carentes e os barracos parecem encantadores amparados que são pelo pano de fundo da paisagem turística da Baía de Guanabara. Os elementos visuais do filme reforçam a favela como uma representação do paraíso perdido, uma paisagem exuberante, onde a comunidade de nobre pobre vive uma vida modesta, mas feliz em sua pobreza digna. A vida diária é transformada em celebração e tempo lúdico. No filme, a miséria é transubstanciada em primitivismo e arcaísmo. Na verdade, o sofrimento não é um elemento do filme. Os personagens 9

10 vivem de forma primitiva, mas a miséria desapareceu sob o véu de uma pobreza não-problemática (BENTES, 2003, p , tradução nossa). Ao contrário do filme Orfeu Negro, que representou o movimento do Cinema Novo, Cidade de Deus e Tropa de Elite I e II fizeram parte da nova geração ou do renascimento do cinema nacional, que abriu espaço para uma ampla gama de técnicas, gêneros, estilos e abordagens a partir de meados da década de O cinema contemporâneo representa a vida urbana e rural do ponto de vista dos marginalizados e excluídos da sociedade. Não obstante, a sociedade e os meios de comunicação, em geral, começaram a prestar mais atenção às questões que permeiam a favela somente quando atentaram mais sobre os sequestros e o comércio de drogas, problemas que têm afetado, diretamente, a vida cotidiana da população. Cidade de Deus é um filme baseado no romance escrito em 1997 por Paulo Lins e dirigido por Fernando Meirelles e Kátia Lund em O livro é o resultado de uma pesquisa em um conjunto habitacional carente; este livro é baseado em entrevistas e coletas de dados ligados à organização do tráfico de drogas e sua relação com a história da favela Cidade de Deus nos anos 1970 a O filme é dividido em três partes: a primeira reproduz a chegada de imigrantes pobres vindos da região Nordeste do Brasil e da re-locação de uma parcela da população socialmente excluída para um lugar chamado Cidade de Deus, no início da década de A representação atual de uma favela foi ilustrada na segunda e na terceira parte do filme, através das casas mal planejadas e pela falta de infraestrutura adequada. Com a continuação, no início da década de 1980, de acordo com narrativa audiovisual do filme, a Cidade de Deus tornou-se a área mais perigosa da cidade do Rio de Janeiro. Neste filme, como ilustrado na Figura - 2, a vida nas favelas urbanas brasileiras é apresentada com um grau extraordinário de realismo. Isso só foi possível, quando a linguagem das favelas foi adotada como a linguagem oficial do filme. O elenco, de atores não-profissionais de moradores de favelas desempenharam seus papéis de tal forma que, muitas vezes, chocava o público pelo realismo. As modernas técnicas cinematográficas, o ritmo frenético, e uma edição digital - com estilo semelhante daquele proveniente de propagandas televisas - constituem em importante fator de realismo deste filme. De acordo com Oliveira 10

11 (2008), o filme Cidade de Deus inaugurou o termo estética da violência e o modo como representa as favelas já passou a ser considerado como puro espetáculo para audiências voyeuristas. Cidade de Deus retrata o funcionamento interno da cultura das gangues em três favelas com a intenção de alertar a população brasileira sobre a realidade da vida que veem acontecendo nas portas de suas casas. À medida que o filme avança, a narrativa é mudada para uma ideia contemporânea do que uma favela deveria ser. Uma área repleta de pequenas casas, quadrilhas criminosas, ladrões, crianças sujas e pobres e um excesso de violência pelas ruas das favelas. No entanto, a conclusão da narrativa continua a usar a favela como um lugar de violência e miséria, embora se acredita em um esperança que pode trazer alguma coisa boa daí derivada. Diferente de Cidade de Deus, que retrata as favelas como o pano de frente do campo de batalha entre gangues de traficantes de drogas, Tropa de Elite I e II mostrou esse ambiente como um campo de batalha entre traficantes de drogas e esquadrões policiais. Em ambos os filmes, a narração é feita pelo protagonista, ou seja, o agente da lei, Capitão Nascimento, que impõe um ritmo vertiginoso à narrativa; nela o enredo e os personagens têm suas ações previstas pelo Capitão Nascimento que é revelado na diegese através da rede irregular da favela. Por um lado, o primeiro filme apresenta o Capitão como o líder do BOPE, que conduz uma perigosa missão para limpar as favelas brasileiras do tráfico de drogas com o objetivo de preparar a vinda do Papa João Paulo II ao Rio de Janeiro. Por outro lado, o segundo filme mostra que os inimigos de Nascimento não são os traficantes e moradores das favelas, mas sim o Estado e os políticos corruptos que atacam de todas as formas a população do Rio de Janeiro. Este novo tipo de criminoso urbano que detém a prática das favelas e da cidade está ferozmente imbuído com o espírito de lucro e os ganhos as margens do sistema. Estes são os soldados da Polícia Militar ou ex-policiais ou até mesmo soldados das forças armadas, que têm-se afastado, mas ainda assim usam das armas, do treinamento e da violência para dominar uma comunidade indefesa. As ações deles acontecem nos topos dos morros ou nos enredos secretos dos distantes subúrbios (SALDANHA-ÁLVAREZ, 2011, p. 18, tradução nossa). No entanto, em Tropa de Elite I e II, as favelas ainda são representadas como um ambiente controlado por traficantes de drogas, que desempenham um papel 11

12 importante na narrativa, tanto líderes comunitários, como inimigos do Estado. A prática de torturar delinquentes comumente aplicada pelo BOPE é um ponto que levanta questões do porque eles são considerados heróis por suas atitudes frente aos delinquentes. Ainda pode-se pensar que estes dois filmes parecem controversos, já que induzem a audiência a aprovar as duras e violentas atividades deste esquadrão policial, nas comunidades carentes. Assim, como analisados nestes filmes, o fenômeno da audiência voyeurística nada mais é do que uma audiência que admira os conteúdos dos filmes onde mostram a vida nas paisagens das favelas como pano de frente para a confrontação entre dois grupos: policiais contra suspeitos criminais. No que concerne à estética da violência, Cidade de Deus, como pioneiro desta técnica, e Tropa de Elite I e II mantiveram um padrão similar, pois evocam uma sensação nervosa, tensa e dinâmica da vida urbana moderna e da violência armada no Brasil, o que provoca na audiência um desejo visceral de hiper-estímulo e sensacionalismo através de cenas com requinte de crueldade e violência gratuita e crua. A vida no Rio de Janeiro ou nas grandes cidades brasileiras mudou a subjetividade do público ansioso do asfalto e do morro, excitados pela exposição constante ao perigo visto no filme, o qual inclui o cotidiano da cidade (SALDANHA-ÁLVAREZ, 2011, p , tradução nossa). CONSIDERAÇÕES A abordagem cultural na Geografia foi baseada e desenvolvida sob os estudos da representação, uma vez que combina significado e linguagem. Após a década de 1970, os estudos culturais desempenharam um papel essencial na ciência geográfica. Teorias foram apoiadas no fenômeno de características culturais e sua espacialidade poderia ser expressa através de uma vasta gama de formas artísticas como: pintura, fotografia, música, imagens em movimento, entre outras. As numerosas técnicas aplicadas para interpretar o espaço através de imagens em movimento permitiram aos geógrafos culturais investigar os filmes e compreender a maneira pela qual os cineastas apropriam-se do espaço geográfico a fim de construir suas narrativas visuais. A percepção dos espectadores do mundo real ocorre pela interpretação de um signo visual tangível que carrega vários significados e, deve 12

13 estar conectado com um quadro de informação para indicar sua interpretação específica. É através do código específico de cultura que as narrativas visuais contam uma história e os espectadores as interpretam como correta ou visionada. Os cineastas criam narrativas visuais que são entendidas pelos espectadores por meio de verossimilhança relacionadas com a sua experiência pessoal com um determinado espaço. Os códigos cinematográficos são ferramentas aplicadas por cineastas com base em um conjunto de convenções. Portanto, estes códigos são caracterizados como uma poderosa abordagem adotada pelos cineastas para reproduzir ou até mesmo para criar determinada paisagem cultural; no entanto, como representação, a paisagem também é ideologia, pois se refere às múltiplas formas de percepção que cada pessoa tem de olhar o mundo através da representação de uma paisagem. Os filmes permitem novos espaços de observações, o que darão novas visões do mundo. É evidente que a mesma paisagem geográfica pode ser virtualmente experienciada a partir de diferentes perspectivas. Assim, as técnicas dos códigos cinematográficos aplicadas pelos cineastas em suas narrativas visuais, resultam em novas ou já conhecidas paisagens culturais. Estas são reveladas, reinventadas ou até mesmo criadas ao longo de novas convenções de representação. Além disso, o tratamento estético de uma paisagem envolve a seleção, a interpretação, a omissão e a invenção de um ambiente geográfico construído pela percepção visual dos cineastas. Normalmente, a paisagem cinematográfica parece ser real ; no entanto, este espaço selecionado não deve ser considerado real, mas sim, como uma representação estereotipada ou não do real. O filme por si mesmo contribui para a definição de uma paisagem nacional, através das imaginações do senso comum. As representações da paisagem das favelas se transformaram nas últimas décadas do século XX. Em Orfeu Negro (1959) ela foi apresentada como um lugar agradável e em Cidade de Deus (2002) e em Tropa de Elite I (2007) e II (2010) como um local degradado. É inquestionável que os filmes como um produto cultural, visualmente (re)constroem o imaginário popular de uma determinada paisagem e a distribui para uma larga audiência sem uma profunda análise crítica. Por um lado, a percepção estrangeira ajudou a desenvolver uma ideia de favela como um lugar exótico e paradisíaco onde os indivíduos pobres e socialmente excluídos parecem aceitar as suas condições de vida. Contudo, não parece muito claro nos filmes, mas nestas comunidades há muita dignidade, que por vezes não parecem evidentes nos 13

14 filmes e, por isso, provocam duras críticas por parte de organizações e associações de moradores que tentam fortalecer as identidades culturais desta população a partir de práticas de afirmação social. Por outro lado, a nova geração do cinema colabora para reforçar a ideia de uma triste paisagem habitada por uma população sem dignidade e violenta. No entanto, a maioria dos filmes peca na falta de debate sobre a existência de uma extrema desigualdade social no Brasil e de uma população que faz parte de uma camada socialmente excluída aos olhos do Estado. REFERÊNCIAS BENTES, I. The Sertão and the favela in contemporary brazilian film. In: NAGIB, L (Org.). The New Brazilian Cinema. London: IB Tauris, p CLAVAL, P. Uma, ou algumas, abordagem(ns) cultural(is) na geografia humana? In: SERPA. A. (Ed.). Espaços culturais: vivências, imaginações e representações. Salvador: EdUFBA, p DAVIS, M. Planet of slums. New York: Verso, GATES, H. L. Black in Latin America. New York and London: New York University Press, GRASSE, J. Conflation and conflict in brazilian popular music: forty years between Filming Bossa Nova in Orfeu Negro and Rap in: Orfeu. Popular music, Cambridge University Press, v. 23, n. 3, p , Out Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/ > Acessado em: 9 de setembro de HALL, S. (Ed.). Cultural representations and signifying practices. London: Open University Press, HARPER, G; RAYNER, J (Eds.). Cinema and landscape. Bristol, U.K: Intellect Books, OLIVEIRA, E. K. F. An ethic of the esthetic: racial representation in brazilian cinema today. Vanderbilt e-journal of Luso-Hispanic Studies. p Disponível em: < 2> 14

15 PECKHAM, R. S. Landscape in film. In: JAMES, S; DUNCAN, J.S; JOHNSON, N. C; SCHEIN, R.H. (Eds.). A Companion to Cultural Geography. Oxford and Malden, MA: Blackwell, p PERLMAN, J. Favela: four decades of living on the edge in Rio de Janeiro. New York: Oxford University Press, PRAMAGGIORE, M; WALLIS, T. Film: a critical introduction. London: Laurence King Publishing, SALDANHA-ÁLVAREZ, J. M. A city shaped by crime? A representation of spaces and urban planning and environment of the city of Rio de Janeiro as shown on the movie Elite Squad, by Jose Padilha. Urbana affaires and public policy, v. 7, p SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, SAUER, C. The morphology of landscape. In: OAKES, T. S; PRICE, P. L (Eds.). The Cultural Geography Reader, p APÊNDICE FIGURA-1 Paisagem Cinematográfica em Orfeu Negro Posição: 00:00:30 Posição: 00:01:30 Posição: 00:02:14 Posição: 00:02:32 Posição: 00:03:11 Posição: 00:19:58 15

16 Posição: 00:28:48 Posição: 01:34:40 Posição: 01:36:53 16

17 FIGURA-2 - Paisagem Cinematográfica em Cidade de Deus Posição: 00:03:38 Posição: 00:06:01 Posição: 00:08:25 Posição: 00:34:13 Posição: 00:34:41 Posição: 00:51:26 Posição: 01:00:38 Posição: 01:38:38 Posição: 01:53:43 Posição: 01:55:16 17

18 FIGURA-3 - Paisagem Cinematográfica em Tropa de Elite Posição: 00:02:20 Posição: 00:18:34 Posição: 00:18:44 Posição: 00:34:13 Posição: 01:00:41 Posição: 01:26:00 Posição: 01:38:10 Posição: 01:45:43 Posição: 01:47:44 Posição: 01:49:50 18

19 FIGURE-4 - Paisagem Cinematográfica em Tropa de Elite: O Inimigo Agora é Outro Posição: 00:38:31 Posição: 00:38:42 Posição: 00:38:55 Posição: 00:39:04 Posição: 00:39:25 Posição: 00:45:09 Posição: 00:51:52 Posição: 01:06:07 Posição: 01:07:33 Posição: 01:08:08 19

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

CIÊNCIA GEOGRÁFICA E CINEMA: UMA ANÁLISE DOS FILMES CIDADE DE DEUS E RIO A PARTIR DA FENOMENOLOGIA E SEMIÓTICA

CIÊNCIA GEOGRÁFICA E CINEMA: UMA ANÁLISE DOS FILMES CIDADE DE DEUS E RIO A PARTIR DA FENOMENOLOGIA E SEMIÓTICA 1 CIÊNCIA GEOGRÁFICA E CINEMA: UMA ANÁLISE DOS FILMES CIDADE DE DEUS E RIO A PARTIR DA FENOMENOLOGIA E SEMIÓTICA Renan Vidal Mina - UNIFAL-MG 1 rvidalmina@gmail.com Felipe Rocha Lima - UNIFAL-MG 2 fr.limaa@hotmail.com

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO D01 (H) - Reconhecer a História como produto histórico, social e cultural e suas implicações na produção historiográfica. D02 (H) - Reconhecer o ofício do historiador como produtor do conhecimento histórico.

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Aula 05. CINEMA: profissões

Aula 05. CINEMA: profissões Aula 05 CINEMA: profissões Profissões do Cinema O cinema pode ser dividido em diversos processos, onde se envolvem diferentes tipos de profissionais: Roteiro Produção Realização Decupagem Decupagem de

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO COMANDO VERDE OPERAÇÃO ARCANJO Comando Verde o surpreenderá pela forma que apresenta críticas sociais a problemas enraizados no dia a dia brasileiro, sem que você sinta que está sendo exposto às vísceras

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Palestra de abertura do Seminário Cultura e Paz : violência, política e representação nas Américas

Palestra de abertura do Seminário Cultura e Paz : violência, política e representação nas Américas Jorge Werthein UNESCO do Brasil E-mail werthein@unesco.org..br Palestra de abertura do Seminário Cultura e Paz : violência, política e representação nas Américas Austin, 23 de março de 2003 É com prazer

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica

CECIS, LABES e a elaboração de materiais de divulgação científica Estimulando crianças a práticas preventivas da dengue: o desenho de animação como recurso para mobilização Mariana de Queiroz Bertelli, Héliton da Silva Barros, Felipe Kolb Bernardes, Virgínia Torres Schall

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA RESUMO

SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA RESUMO SHOW DA QUÍMICA: A UTILIZAÇÃO DO TEATRO COMO UMA PROPOSTA INOVADORA Paula Mantovani dos Santos 1 ; Ademir de Souza Pereira 2 UFGD/FACET Caixa Postal 533, 79.804-970 Dourados MS, E-mail: paulamantovani@live.com

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Relato de Experiência Educativa 1 JUSTIFICATIVA:

Relato de Experiência Educativa 1 JUSTIFICATIVA: Relato de Experiência Educativa Título: A Fotografia na Escola: A Escola aos olhos dos alunos Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Maria de Lourdes Poyares Labuto Cariacica-ES Série: 2 Ano do

Leia mais

AS PAISAGENS URBANAS NO CINEMA BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO UMA GEOGRAFIA DE IMAGENS E SENSAÇÕES

AS PAISAGENS URBANAS NO CINEMA BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO UMA GEOGRAFIA DE IMAGENS E SENSAÇÕES AS PAISAGENS URBANAS NO CINEMA BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO UMA GEOGRAFIA DE IMAGENS E SENSAÇÕES Octávio Schuenck Amorelli oct.schue@gmail.com Departamento de Geografia - Universidade de Brasília Pedro Branco

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO 27 Introdução CONEGLIAN, Flavio Marcelo MONASTIRSKY, Leonel Brizolla Considerando que os modos de vida do rural e do urbano

Leia mais

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas

PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS. 1. Qualificação Social 100 horas PROGRAMA TRILHA SETRE NA TRILHA DAS ARTES CURSOS DE 400 HORAS 1. Qualificação Social 100 horas INCLUSÃO DIGITAL - 30 horas (15 h de prática) Ementa: Introdução à informática, hardware e software. Descrição

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil.

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Arquivo do Estado de SP O Uso dos Documentos de Arquivo na Sala de Aula Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Mariana Ramos Apolinário 2º semestre 2013 São Paulo SP

Leia mais

Morte brasileira: a trajetória de um país

Morte brasileira: a trajetória de um país Retratos da violência Morte brasileira: a trajetória de um país A morte é um grande personagem. De capuz e foice na mão, comove plateias no mundo todo. Mas será esse mesmo o perfil da morte brasileira?

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Fotografia PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Técnicas de Comunicação Escolas Proponentes / Autores ETIC José Pacífico (Coordenador)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

3 Breve história da criminalidade nas favelas

3 Breve história da criminalidade nas favelas 3 Breve história da criminalidade nas favelas A origem das favelas no Rio de Janeiro é consensualmente datada no final do século XIX. A primeira favela foi a ocupação do Morro da Providência no centro

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS:

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS: DISCIPLINA DE ARTE OBJETIVOS: 6 ano Construir, expressar-se e comunicar-se em artes plásticas e visuais, articulando percepção, memória, imaginação, sensibilidade e reflexão. Desenvolver relação de autoconfiança

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

No ritmo da criação OPORTUNIDADE

No ritmo da criação OPORTUNIDADE Shutterstock POR BRUNO MORESCHI No ritmo da criação Nosso país ainda caminha a passos lentos quando o assunto é economia criativa. Mas as incubadoras podem ajudar a recuperar o tempo perdido Da música

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Curso: 50 CINEMA Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: criado pela Resolução n 008/CEG/2003, de 18 de dezembro de 2003 Resolução nº 020/CEG/2008, de 26/11/2008 Reconhecido

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA ESTIGMATIZAÇÃO DE JOVENS E LUGARES DA CIDADE

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA ESTIGMATIZAÇÃO DE JOVENS E LUGARES DA CIDADE A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA ESTIGMATIZAÇÃO DE JOVENS E LUGARES DA CIDADE Juliana A. Cantarino Toledo 1 Rayssa Pinto Rezende 2 Resumo O trabalho busca mostrar como a mídia em Juiz de Fora tem influenciado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS.

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. SERGIO LUIZ PEREIRA DA SILVA Memória, identidade e cultura visual: a construção da identidade

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012

EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação. Porto Alegre 2012 EMEI PROTÁSIO ALVES Linguagem - Tecnologias e Mídias na Educação Porto Alegre 2012 Jacqueline Gomes de Aguiar jacqueaguiar@smed.prefpoa.com.br Profª de Educação Infantil, alfabetizadora, de Língua e Literatura,

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL

CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL CINEARES: CINEMA, CULTURA E INTEGRAÇÃO SOCIAL Área Temática: Cultura Vânia Lionço (Coordenadora da Ação de Extensão) Vânia Lionço 1 Lowrrane Paollo Pinheiro 2 Valquíria Gandolpho Maciel do Nascimento 3

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade

Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade Cartografia do circuito das artes visuais na cidade de São Paulo: uma análise da presença da arte no espaço urbano Mariana Dell Avanzi Universidade de São Paulo mariana.avanzi@usp.br Estágio final da pesquisa

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

CEMITÉRIOS. Introdução. 1. Objetivo

CEMITÉRIOS. Introdução. 1. Objetivo CEMITÉRIOS Introdução As preocupações com o sepultamento, assim como os rituais inerentes ao luto, acompanham a história das civilizações desde os primórdios e por isso refletem o contexto social e histórico

Leia mais

Disciplinas Optativas Jornalismo

Disciplinas Optativas Jornalismo Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Jornalismo Disciplinas Optativas Jornalismo Carga horária total de optativas: 930

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA:

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ARTES VISUAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURA VISUAL MESTRADO ANO: PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Disciplina: Tópicos Especiais em Arte e Visualidades - Imagem

Leia mais

DAVIS. professor de Comunicação da Texas A&M. entrevista

DAVIS. professor de Comunicação da Texas A&M. entrevista DAVIS professor de Comunicação da Texas A&M Literacia além da mídia M V.10, N. 2015 13 Uma literacia que vá além do consumo midiático e da produção de conteúdos pelo público e que contribua com o desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

MC, PROFISSÃO DE RISCO?

MC, PROFISSÃO DE RISCO? MC, PROFISSÃO DE RISCO? O assassinato de Daniel Pellegrini (Mc Daleste) deixou marcas profundas na família do cantor e no Funk Nacional. O caso repercutiu no mundo inteiro comovendo e, por mais bizarro

Leia mais

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA.

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. SOUZA 1, Carla Farias UFSM carla_fs111@yahoo.com.br NUNES

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo

XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo XIX Encontro Regional de História da ANPUH São Paulo Autor: Profa Dra Sandra Leila de Paula Título do Trabalho: Análise Sociológica de Desenhos Infantis: uma nova perspectiva de análise para grupos de

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais