Turismo e desenvolvimento local sustentável: elementos para um debate

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Turismo e desenvolvimento local sustentável: elementos para um debate"

Transcrição

1 Número 24 Abril Maio 2004 Turismo e desenvolvimento local sustentável: elementos para um debate Conclusões da Reunião internacional de especialistas organizada pelo Programa Delnet CIF/OIT com o auspício de: Colaboração técnica:

2 SUMÁRIO 1. Introdução 2. A importância do setor turismo nos processos de planejamento estratégico de desenvolvimento dos territórios: Opiniões do grupo internacional de especialistas o o o o o o Christian Piller, Diretor do Escritório de Congressos de Salzburg e Professor de Marketing e Turismo nas Universidades de Linz e Viena (Áustria) Josep Ejarque, Diretor de Turismo Torino (Itália); Antonio Muñoz, ex Diretor de Turismo da Província de Sevilha, Governo Provincial de Sevilha (Espanha) e Diretor Geral de Planificação Turística da Junta de Andaluzia (Espanha) Jesús Arce Fernández, Diretor do Departamento de criação de produtos de turismo da Província de Sevilha (Espanha), do Governo Provincial de Sevilha (Espanha) Luis Rubio Pedraza, Chefe do Departamento de Desenvolvimento Rural do Município de Alcalá la Real e ex Diretor do Programa de Desenvolvimento Rural Integrado e Turismo da La Subbética (Espanha) José López Gallardo, Responsável pela Contratação e Patrimônio do Governo Provincial de Granada (Espanha) 3. O processo de configuração de um destino turístico o o o o o O caso da cidade de Salzburg (Áustria) O caso da cidade de Turim (Itália) O caso das Las Alpujarras (Espanha) O caso da La Subbética (Espanha) O caso da Província de Sevilha (Espanha) 4. Experiências de turismo e desenvolvimento local em Burkina Faso, Colômbia e Croácia o o o Burkina Faso: FESPACO - Festival Pan-africano de Cinema e Televisão Colômbia: Ecoturismo como alternativa a uma zona cafezeira Croácia: O Turismo na Costa da Dalmácia 5. Seleção de documentos disponíveis no Infodoc sobre turismo e desenvolvimento local 6. Instituições e eventos de interesse sobre turismo e desenvolvimento local Página 2

3 EDITORIAL Estimados leitores, Na atualidade, é cada vez mais frequente falar de desenvolvimento local baseado no turismo, e são muitos os territórios que estão protagonizando processos de recuperação e expansão econômica, graças à extraordinária evolução que está vivendo este setor. Historicamente o turismo mostrou a sua grande flexibilidade e versatilidade, ocupou posições relevantes nas economias locais e, soube satisfazer e adaptar-se às demandas do constante fluxo que o torna possível: o movimento das pessoas. Neste contexto, pode-se afirmar sem reservas, que nos encontramos perante uma importante atividade econômica, que confirmou o seu caráter transversal no panorama econômico, e se manifesta como uma oportunidade estratégica de primeira magnitude para o âmbito local. Há muitas razões para considerar que se deve prestar ao turismo um tratamento profundo e intenso, que exige de um lado, a realização de uma análise pormenorizada dos seus pressupostos e características intrínsecas, e por outro, estudar como articular os mecanismos para que façam desta atividade uma verdadeira oportunidade para o desenvolvimento sustentável dos territórios e das pessoas que neles moram. Talvez mais do que qualquer outra atividade econômica, combina dinamicamente recursos endógenos e exógenos, que corretamente vertebrados, propõem todo um catálogo de benefícios sociais, econômicos, ambientais e culturais. Contudo, temos que ser conscientes que esta atividade, se for mal planificada, e se se esquece a intervenção dos atores locais em todas as fases do processo, pode envolver determinados riscos e, por conseguinte, provocar efeitos nocivos e irrevocáveis para o desenvolvimento territorial. Respeito pelo meio-ambiente e a cultura local, são as condições indispensáveis para fazer do turismo uma atividade sustentável, mas não exclusivamente. O consenso e o diálogo a nível local, são os apêndices precisos que devem ser impulsionados entre todos, para que o desenvolvimento seja uma realidade a consolidar a médio e longo prazo. Conscientes desta realidade, Delnet desde a ano de 2001, tem constatado esta necessidade levantada por agentes locais e instituições de todo o mundo, que de um lado, pedem informação sobre os instrumentos que são indefectíveis para articular o setor turismo com o conjunto da economia local e poder medir o impacto da atividade quantitativa e qualitativamente, e por outro, conhecer experiências que se estão implementando em diferentes latitudes, para encontrar elementos comuns e/ou diferenciais que lhes possam ilustrar nos seus processos de desenvolvimento. Página 3

4 Esperamos que esta publicação possa servir como ponto de partida para realizar um breve mas intenso resumo, que nos mostre as experiências, conhecimentos e recomendações do grupo internacional de especialistas em turismo que o Delnet com o inestimável apoio da Fundação CajaGRANADA, reuniu em Granada (Espanha) no mês de fevereiro deste ano, e por outro lado nos aproxime das boas práticas da América Latina, África e Europa do Leste, para revelar de que forma estão levando a cabo as suas iniciativas em matéria de desenvolvimento local baseado no turismo. Esperamos que estas páginas criem um quadro para um debate ativo e que constituam uma válida contribuição a quem está interessado aos processos de desenvolvimento local e a uma melhor gestão local do fenômeno turístico. Boa leitura! Frans Lenglet Diretor do Departamento de Formação Centro Internacional de Formação da OIT Angel L. Vidal Delnet Manager Centro Internacional de Formação da OIT Página 4

5 1 Introdução Nos últimos anos, e devido ao crescimento do setor turístico, começou-se a falar sobre turismo sustentável que, além de abranger as perspectivas de ócio e tempo livre para os visitantes, considera uma série de postulados sócio-econômicos, meio-ambientais e culturais que concernem o destino turístico. A sustentabilidade converteu-se, portanto, num ponto de inflexão iniludível em qualquer modelo turístico que queira contribuir para o desenvolvimento local e articular respostas às demandas dos territórios e seus habitantes. Poucos setores como o turismo encontram-se perante a necessidade de resolver, na atualidade, esta difícil equação: crescimento sustentável a médio e longo prazo, e otimização dos recursos para que esta atividade econômica tenha efeitos diretos e imediatos nas suas economias. Evolução, transformação e expansão são termos inerentes ao turismo que, nos últimos anos, tem vislumbrado como o setor privado e o mercado lideram seus movimentos, fazendo que se abram novos horizontes para as suas atividades e implementando-as em territórios diferentes dos tradicionais. Isso nos leva a questionar se os modelos tradicionais de turismo se esgotaram e, consequentemente, se é necessário buscar alternativas. O turismo representa uma oportunidade para o desenvolvimento sócio-econômico de um território? A atividade turística pode contribuir com algum valor agregado em termos de criação de emprego e criação de entradas nas economias em processos de regressão e/ou reconversão? O valor estratégico do turismo enquanto motor para o desenvolvimento dos territórios tem sido observado pelos agentes locais de todo o mundo e, como consequência, demanda-se mais informação e formação para enfrentar, com garantias de êxito, as oportunidades que o turismo pode oferecer aos territórios onde atua. O Programa Delnet do CIF/OIT já recebeu inúmeras consultas sobre este assunto. Neste sentido, e desde uma perspectiva integral de desenvolvimento local, iniciou-se, graças à decisiva colaboração financeira da Fundação CajaGRANADA, uma linha de pesquisa para poder contribuir à identificação dos fatores e elementos que possam converter o setor turístico num promotor decisivo e potente do desenvolvimento local dos territórios. O primeiro passo nesse âmbito de idéias e estudos foi posto em marcha com a organização em Granada (Espanha), entre os dias 5 e 7 de Fevereiro deste ano, de uma reunião internacional de especialistas que contou com a presença dos seguintes especialistas e responsáveis de turismo a nível local: Christian Piller, Diretor do Escritório de Congressos de Salzburg e Professor de Marketing e Turismo nas Universidades de Linz e Viena (Áustria); Josep Ejarque, Diretor do Turismo Torino (Itália); Antonio Muñoz, ex Diretor de Turismo da Província de Sevilha, Governo Provincial de Sevilha (Espanha) e Diretor Geral de Planificação Turística da Junta de Andaluzia (Espanha); Página 5

6 Jesús Arce Fernández, Diretor do Departamento de criação de produtos de Turismo da Província de Sevilha, do Governo Provincial de Sevilha (Espanha); Luis Rubio Pedraza, Chefe do Departamento de Desenvolvimento Rural da Junta de Alcalá la Real e ex Diretor do Programa de Desenvolvimento Rural Integrado e Turismo da La Subbética (Espanha); José López Gallardo, Responsável pela Contratação e Patrimônio do Governo Provincial de Granada (Espanha). Ángel L. Vidal, manager do Delnet, e vários membros da equipe técnica do programa juntaram-se a esse grupo de especialistas. O objetivo principal do encontro era o de um intercâmbio de experiências e da sistematização de idéias centrais no que se refere ao turismo e ao desenvolvimento local sustentável. Num primeiro momento, as discussões estruturaram-se ao redor de três eixos principais: Turismo e desenvolvimento local sustentável. Políticas locais versus ações não planejadas. Turismo: o aspecto local, nacional e internacional. A partir das deliberações e das discussões entre a equipe Delnet e estes cinco especialistas de diferentes latitudes da Andaluzia (Espanha) e Europa, surgiu este último número do Notícias Delnet. Às conclusões da Reunião, foram incluídas várias entrevistas pessoais com estes profundos conhecedores do turismo e do desenvolvimento local, além de outras experiências de grande interesse que estão sendo desenvolvidas nos países da Europa do Leste, América Latina e África. Tais são os casos do Burkina Fasso, com o seu Festival de Cinema; o eco-turismo como alternativa econômica, na Colômbia; e o turismo costeiro na Costa de Dalmácia, na Croácia. Nos exemplos analisados desde diferentes pontos de vista, neste número do Notícias Delnet, é evidenciado como o turismo é um importante criador de riqueza e emprego a nível local. Abrange-se variadas áreas geográficas e níveis de desenvolvimento que, apesar de tudo, contam com problemas comuns na sua articulação: dificuldades de coordenação, complementaridade e colaboração entre os setores público e privado; limitações provenientes das fronteiras administrativas; necessidade de estabelecer alianças sólidas entre os territórios; bem como problemas para consciencializar toda a sociedade sobre a importância da atividade turística, entre outras questões. O Programa Delnet do CIF/OIT procura contribuir com o esclarecimento de vários conceitos básicos necessários para levar a cabo estratégias turísticas que apóiem, estimulem e consolidem os processos de desenvolvimento local que estão sendo realizados em diferentes lugares do mundo, em consonância com as regras da sustentabilidade ambiental, cultural e social. Este número do Notícias Delnet constitui o primeiro passo de uma linha de pesquisa que certamente dará frutos enriquecedores para muitos territórios, com diversos níveis de desenvolvimento. Inicia-se um interessante trabalho de exploração, rigoroso e sistemático, sobre turismo e desenvolvimento local do qual, esperamos, obter-se-á resultados de grande utilidade para os agentes sócio-econômicos locais. Página 6

7 2 A importância do setor turismo nos processos de planejamento estratégico de desenvolvimento dos territórios: Opiniões do grupo internacional de especialistas No item que trataremos a seguir, analisam-se e sistematizam-se as reflexões que surgiram na reunião internacional de especialistas em turismo e desenvolvimento local, que se realizou na cidade de Granada (Espanha), durante o mês de fevereiro de Consta de três itens, que incluem desde a análise da importância do setor turismo para o desenvolvimento local de um território, até as políticas e ações concretas para a criação de um produto turístico. Durante o transcurso das deliberações, enfatizou-se especialmente a necessidade de definir conceitos e esclarecer as confusões mais freqüentes que ocorrem em relação ao turismo e, fundamentalmente, com a interpretação conceitual que, às vezes, terminam na formulação de conclusões errôneas. 1. Reflexões prévias 1.1. A importância do setor turismo para o desenvolvimento local de um território. Diante das perguntas sobre se é importante o setor do turismo para o desenvolvimento local e por quê, os especialistas afirmam que a expansão do fenômeno turístico e o progressivo desenvolvimento que o setor teve nas últimas décadas foram uma situação comum observada em diversas latitudes de todo o mundo. A globalização sem dúvida interveio nesta expansão, onde as fronteiras são praticamente inexistentes. Essa tão extraordinária evolução tem como características a mobilidade de pessoas e recursos, o que permite afirmar, sem hesitações, que o turismo tem uma grande capacidade para mostrar-se presente e condicionar o desenvolvimento social e econômico dos territórios. Poucos sub-setores da economia desfrutam de tamanha versatilidade e flexibilidade para adaptar-se às condições próprias de cada território e de cada população. Exatamente por isso é que se fala de turismo e de oportunidade estratégica para o desenvolvimento local com cada vez maior frequência. Mas isso nem sempre foi assim. A evolução do turismo tem a ver com o papel realizado por alguns fatores econômicos e que, de forma gradual, colocaram-no no lugar que atualmente ocupa. A crise dos setores primários como a agricultura, a utilização de conceitos como a sociedade de bem-estar, o aumento do tempo livre, as reformas trabalhistas com tendência a reduzir as jornadas de trabalho, a descoberta Página 7

8 do potencial dos recursos meio-ambientais, culturais, gastronômicos, etc., são elementos que foram perfilando o comportamento do setor e do mercado turístico. Neste cenário, abre-se uma ampla variedade de possibilidades para a expansão do turismo, sempre atento às conjunturas econômicas e sociais dos territórios. Dependendo de como estes enfrentam seus processos de auge e/ou recessão econômica e suas transformações produtivas, o turismo poderá ou não se converter em uma alternativa viável. É por isso que falar de oportunidade estratégica também exige que, paralelamente, se adotem atitudes receptivas e abertas ao fenômeno do turismo e às atividades inerentes ao setor. Em outras palavras, é preciso que se produza uma transformação em termos de cultura e de mentalidade. O turismo pode ser observado desde uma perspectiva dupla: como setor e como atividade econômica. Como qualquer outra atividade que faz parte de uma economia local, precisa ser minuciosamente analisada para detectar os elementos que possam chegar a convertê-la num potente motor de desenvolvimento local. Para um território dado, o turismo pode ser um importante instrumento de geração de riqueza, em termos de criação de empresas e emprego. Entretanto, há muitos outros efeitos que o turismo pode produzir e que podem ser muito positivos; assim, pode contribuir a reforçar os valores próprios de um lugar, reafirmar a cultura local, abrir a sociedade local às influências do exterior, munir um território de valores agregados, etc. Tais efeitos requererão da confluência de uma série de circunstâncias prévias, que são necessárias para que o turismo realmente seja uma oportunidade. Por isso, é fundamental saber gerenciar a oportunidade, analisando a realidade subjacente com objetividade, para não cair na tentação de adotar modelos de desenvolvimento turístico que perturbem a harmonia do desenvolvimento sócio-econômico, agridam a cultura local, e provoquem um esgotamento acelerado dos recursos 1. Neste sentido, a homogeneização do turismo é apontada pelos especialistas como uma das ameaças reais que pairam sobre o setor O turismo como potencializador das singularidades territoriais. A capacidade de potencialização do turismo não pode ser entendida sem uma análise prévia sobre a evolução do setor ao longo do século passado, e, por tanto, das tendências dos mercados turísticos O turismo quantitativo e o turismo qualitativo Ao longo da história, a conduta dos mercados turísticos variou bastante. As tendências e preferências dos visitantes estiveram caracterizadas pelas circunstâncias econômicas e sociais da época em que viviam. 1 A Áustria é um claro exemplo de como se aproveitou e gerenciou esta oportunidade. O Turismo passou a ser a atividade econômica que substituiu com sucesso os setores tradicionais da economia, que depois de um profundo processo de recessão colocou muitos dos seus municípios numa situação econômica bastante complicada. Entretanto, é importante sublinhar que esta oportunidade foi uma solução para alguns municípios, mas não para todos. Página 8

9 Sintetizando, é possível falar da existência de duas grandes modalidades de desenvolvimento turístico, que nasceram ao longo do século passado, e que representam o comportamento dos mercados: Modelo de turismo quantitativo, também conhecido como o modelo 3 S (sun, sand, sea) (sol, areia e mar). Modelo de turismo qualitativo, também conhecido como 3 L (landscape, leisure, learning) (paisagem, ócio e aprendizagem). O primeiro deles nasceu após a Segunda Guerra Mundial e, sociologicamente, houve duas circunstâncias que originaram seu desenvolvimento e consolidação. Por um lado, os países do sul da Europa sofreram de modo muito peculiar os efeitos devastadores da guerra, que deixaram suas economias em estado alarmante. Iniciado o processo de reconstrução, estimulou-se uma passagem de divisas do norte para o sul, e um dos métodos usados para isso foi o turismo. Por outro lado, os países do sul contavam com recursos muito valiosos e escassos nos países do norte, o sol e o mar, sendo que estes são a forte demanda turística que se mantêm até hoje. As características principais desta modalidade turística são as mesmas de uma atividade de massas, e se mede em função da obtenção de maiores ingressos efetuados pelos turistas. É um modelo que não levou em conta fatores meioambientais, culturais e sociais para seu desenvolvimento e, portanto, não se pode falar desta modalidade em termos de sustentabilidade a longo prazo. O segundo deles é um modelo sobre o qual se começa a falar mais intensamente nas duas últimas décadas do século passado. O seu aparecimento ocorre de maneira desigual em distintas latitudes. Assim, por exemplo, na Áustria já se podia ver a sua presença em princípios do século XX, enquanto que na Espanha ou Itália não se começa a vislumbrá-lo até à metade da década de oitenta. As características que definem este modelo são, por um lado, um desenvolvimento respeitoso do meio-ambiente e da cultura local e, por outro, a potenciação dos valores intrínsecos de cada sociedade, buscando a singularidade do lugar turístico, etc. É um modelo incipiente, atualmente praticado por um grupo de minorias que, fundamentalmente, buscam o diferente, a peculiaridade. São duas maneiras contrapostas de entender o fenômeno turístico e que estão passando por uma evolução desigual. Por isso, apesar da co-existência atual dessas duas grandes modalidades, cada vez mais, se aprecia e se pede a substituição do turismo 3 S pelo turismo 3 L A importância de interpretar a demanda Já foi assinalado anteriormente que os comportamentos dos mercados são muito suscetíveis às circunstâncias que ocorrem no seu contexto mais próximo. E neste sentido, as transformações sociais em todos os seus âmbitos, e principalmente no terreno sócio-laboral e na consciencialização pelo respeito do meio-ambiente, fizeram com que as demandas do mercado se inclinassem para a procura de períodos mais reduzidos de férias, a escolha de destinos turísticos que nos ofereçam algo diferente, Página 9

10 alternativo ao habitual, perceber mais e melhor a integração com o meio-ambiente, conhecer outras culturas, outras formas de entender a vida. Enfim, trata-se de maximizar o tempo dedicado ao ócio. 2 Os especialistas mostram que é este o primeiro pilar para se propor uma estratégia de desenvolvimento da parte dos pequenos municípios que estão conjeturando a possibilidade de converter o turismo na alternativa econômica para seu território. Observando atentamente a tendência, poder-se-á interpretar adequadamente a demanda e então evitar propor estratégias de desenvolvimento baseadas no turismo que vão contra as preferências do mercado. Prestar atenção é um processo que se bifurca em duas direções. Compreender a demanda é tão necessário quanto considerar o território e a população local. É muito importante tentar encontrar um equilíbrio entre as necessidades de uns e outros, para evitar, por exemplo, reduzir o espaço da cultura local para o ceder à cultura do turista 3. Os especialistas observaram que nos últimos anos os destinos turísticos estão crescendo de forma exponencial, e é muito provável que tal seja consequência de terem realizado análises precipitadas e pouco ajustadas à realidade. É possível que este fenômeno seja consequência direta da aplicação de modelos de turismo gerados na Europa, como o turismo 3 S, aos países em desenvolvimento? - É possível. No entanto, é essencial levar em conta várias perspectivas antes de aventurar-se com uma resposta. Sabe-se que, em turismo, uma visão eurocêntrica se está impondo, já que a Europa conta com o principal mercado emissor de visitantes. Os países que podem ser alternativos à Europa do Sul são os países das regiões da África do Norte e América Central. O turismo 3 L é um modelo incipiente que ocupa posições importantes na Europa 4. Todavia, para os países em desenvolvimento pode não ser um modelo interessante já que não produz lucros econômicos imediatos. Pelo contrário, o turismo 3 S, enquanto gera ingressos de modo imediato, converte-se num modelo mais atrativo para esses países. Ainda assim, as desvantagens próprias desta modalidade não se neutralizam pela obtenção de maiores lucros a curto prazo. Desde o ponto de vista do turista do mercado europeu, os países em desenvolvimento contam com a vantagem do baixo custo. Entre as desvantagens pode-se destacar o fato de que, em algumas regiões, a presença real de riscos e os níveis de insegurança freiam automaticamente a vontade dos visitantes de viajarem até lá. Como conseqüência, o mercado se redireciona a lugares que ofereçam maiores garantias. 2 O mercado turístico europeu é um claro exemplo desta tendência. A substituição dos grandes períodos de férias por períodos mais curtos e freqüentes durante um ano, investindo pouco tempo na mobilização. 3 Neste sentido temos, como exemplo do que está sucedendo em alguns destinos turísticos, o caso de Las Alpujarras (Granada e Almeria Espanha, Provença França). O turismo de segunda residência pessoas de outros países que estabelecem residência no destino turístico, que neste caso concreto são cidadãos de cultura anglo-saxã -, está fazendo com que parte da cultura estrangeira se tenha mudado para a localidade turística e sua influência começa a ser notada. Já existem indicadores que mostram que, na parte ocidental deste destino, ocorre o aparecimento de fisionomias estrangeirizantes. E, para citar um caso extremo de homogeneização da oferta turística através de um produto turístico, temos o fenômeno dos clubes, que se caracterizam por oferecer um pacote integrado e completo de serviços (incluído o álcool que se consome) padronizado, sem levar em conta o lugar aonde chegam os turistas. Ou seja, oferece-se a mesma coisa se a visita é a, por exemplo, Turquia ou Espanha, sem que em nenhum momento se considere a oferta própria do local. 4 55% dos turistas ingleses viajou na temporada de 2003 sem pacotes turísticos, escolhendo a sua própria forma de fazer turismo. Esta tendência pode ser observada já há alguns anos no Reino Unido. Página 10

11 Saber interpretar os desejos do futuro visitante e analisá-los psicologicamente é o que os especialistas denominam conhecer o cliente. Este é o segundo importante pilar a ser considerado na hora de construir uma estratégia de desenvolvimento baseado no turismo. As grandes empresas de turismo, as operadoras turísticas, são especialistas em realizar este tipo de análise, antecipando-se inclusive às tendências futuras do mercado, para confeccionar ofertas que respondam adequadamente às demandas. É por isso que realizaram uma prospecção de como as operadoras turísticas têm de atuar no prazo de cinco anos. Falam da configuração futura de três grandes grupos: Operadoras superintegradas Operadoras especializadas Operadoras virtuais. As operadoras responderão a qualquer exigência relacionada às preferências e ao poder aquisitivo do turista. Desta forma, as superintegradas administrarão o turismo de massas, fazendo que os turistas não tenham que se preocupar sobre como realizar a sua viagem, o que comer, que lugares visitar, como se divertir, e tudo isso com preços bastante interessantes. As especializadas estarão dirigidas aos gostos mais requintados e com maior poder aquisitivo, alternando aventura e exotismo. Finalmente, as virtuais serão as que, através da Internet, administrarão um mercado atualmente incipiente, mas que está crescendo exponencialmente, e que se caracteriza pela redução dos custos de administração e infinitas alternativas muito acessíveis para o ócio, principalmente para os mais jovens. Portanto, levando em consideração esses elementos, pode-se deduzir que é fundamental para um país em desenvolvimento, saber como as grandes empresas do setor do turismo estão se organizando e conhecer qual é o comportamento presente e futuro do mercado. Somente desta forma, de acordo com os especialistas, um território poderá enfrentar esta oportunidade com certa garantia de sucesso. Esta mensagem deve reverberar nas administrações locais, que estarão encarregadas de transmitir esta missiva claramente para todos os atores locais e empresários de turismo que vão pôr esta atividade econômica em andamento. É tão importante como o ponto anterior convencer que o modelo de turismo escolhido vai determinar o desenvolvimento sócio-econômico do lugar e, portanto, é importante que haja o maior consenso possível sobre este aspecto. Por último, relativamente a esta questão, deve-se ser consciente de que um modelo de turismo que funciona num lugar não necessariamente funcionará corretamente em outro. Os sucessos do futuro e as singularidades de cada população e território cumprem um papel crucial O sucesso de um destino turístico emergente O nascimento de um destino turístico é um processo complexo. As dificuldades que um destino turístico emergente tem de enfrentar fazem com que este, muitas vezes, nem sequer chegue à sua etapa de maturidade. Página 11

12 O bom funcionamento de um destino emergente não é diretamente proporcional apenas ao número de turistas que receba. Este elemento é um mero indicador, uma consequência, e nunca deve ser tomado como o ponto de referência e de partida para interpretar o complexo ciclo de vida de um destino turístico 5. Por outro lado, não é fácil introduzir a priori um destino turístico emergente nos fluxos e canais dos mercados já estabelecidos. Vender algo que acaba de começar inclui muitas dificuldades e, as maiores resistências são impostas pelos grandes intermediários, que cada vez se encontram mais especializados e são mais autônomos na hora de tomar as decisões. As estratégias parciais utilizadas pelos gestores municipais das administrações locais também contribuem para esta situação um pouco caótica, já que eles insistentemente esgotam seus esforços e recursos nas atividades de promoção, deixando de lado a comercialização que não é menos importante. Além disso, há um erro bastante comum que está em acreditar que um produto turístico pode ser criado em qualquer lugar, sem levar em conta que há condições prévias 6 necessárias, como a ordenação do território, a preservação da oferta local e, por último, o planejamento de atividades que sejam viáveis e não agressivas para com o meio. Neste campo econômico, como em tantos outros, o papel das administrações públicas é vital. Elas terão que realizar um trabalho prévio, com visão de futuro, para ajudar o município, os empresários locais e sua população a estarem preparados para iniciar o caminho da atividade turística, desde a perspectiva de uma atividade profissionalizada e economicamente rentável. Portanto, as administrações locais terão que dinamizar o tecido socioeconômico da localidade, incentivando e estimulando os empresários da região, para que invistam, por exemplo, na criação de infra-estruturas de serviços turísticos através da construção de alojamentos, pousadas, restaurantes, etc.. Por outro lado, esta iniciativa vai impulsionar uma co-liderança nos processos de promo-comercialização 7 com as operadoras, utilizando para isso diversas estratégias econômicas e de comunicação (ações diretas e indiretas) 8, para que trabalhem com o destino que se pretende introduzir no mercado. Tratar-se-ia, então, de promover a criação de alianças estratégicas resolutivas que, por um lado, facilitarão a introdução do destino nos circuitos turísticos e, por outro, conservarão a capacidade por parte do município para decidir sobre o seu próprio desenvolvimento turístico A relação entre o setor do turismo e o emprego O turismo é uma forma de criar novos empregos e/ou recolocação de excedentes laborais provenientes de outros sub-setores da atividade econômica? Os especialistas 5 Um exemplo significativo é aquele representado pelo modelo desenvolvimentista de turismo implantado na Europa nos anos 70, e que atualmente está sendo submetido a profundos processos de revisão. 6 Principalmente nos países em desenvolvimento e nas zonas rurais. 7 A promo-comercialização supõe completar um ciclo que culmina com a introdução efetiva do destino turístico no mercado. Promover é a atividade de dar a conhecer e comercializar é vender. 8 Ações diretas (acordos diretos com os intermediários: agências de viagens, linhas aéreas, operadoras turísticas, ). Ações indiretas (convênios com o setor privado para estabelecer canais de cooperação nas diferentes fases da comercialização de um destino, ) Página 12

13 sublinham que há décadas que o turismo faz muito alarde da sua pujança potencial e capacidade para criar emprego. Historicamente, e graças a seu crescimento acelerado, o setor sempre exigiu e requereu uma incorporação massiva de mão-de-obra. Esta tendência continua vigente, pois há inúmeros serviços turísticos criados que devem ser atendidos. Por sua vez, está corroborada também a capacidade do setor para absorver os excedentes de trabalho provenientes de outros sub-setores econômicos. Falar da capacidade do setor neste assunto não é uma questão discutível. Entretanto, o que adquire relevância é saber como se realiza tal incorporação. Ou seja, é preciso saber que mecanismos estão sendo utilizados para ter uma mão-de-obra qualificada e suficientemente preparada. Os especialistas mostram que já não se notam os efeitos e consequências da assimilação pouco controlada de mão-de-obra no setor. Afirmam que se a mão-deobra continua sendo pouco qualificada, isso incidirá diretamente na qualidade do serviço prestado e na progressiva desvalorização do produto colocado no mercado. Na análise do problema, identificam-se algumas das causas que configuraram a realidade atual. Por um lado, ocorreram circunstâncias econômicas em alguns territórios onde um trabalhador ou trabalhadora do setor primário, dado o declínio econômico deste, passou diretamente a trabalhar no setor de turismo, inclusive chegando a converter-se num operador turístico. Esta mudança brusca aconteceu num curto lapso de tempo e, por tanto, não houve uma transição que estivesse acompanhada de programas de formação e instrução adequados. Por outro lado, em algumas regiões onde não havia uma tradição turística e, principalmente, em termos de turismo rural, começou-se a trabalhar no setor de maneira intuitiva 9 e, como consequência, a qualificação dos recursos humanos ficou relegada a um segundo plano. Essa dissociação entre a evolução da atividade econômica e a formação dos recursos humanos fica cada vez mais clara. Esta é uma discussão permanentemente aberta e que enfatiza a já questionada idoneidade e validez de qualquer pessoa para passar a formar parte da força de trabalho no setor turismo A importância da formação dos recursos humanos Em todo caso, a mão-de-obra de recente incorporação ou a que provem de outros sub-setores sofrem um problema com um denominador comum: a ausência de ofertas formativas completas e integradas, que façam jus às necessidades de qualificação dos recursos humanos e à demanda do mercado. 9 França e Áustria, no começo do seu desenvolvimento turístico, não tinham mão-de-obra especializada, já que as iniciativas empresariais provinham do âmbito familiar. Só com o passar do tempo, e quando essas atividades chegaram a um volume notável de lucro, houve uma necessidade de ampliação do negócio, e de contratação de pessoal. Foi aí que se detectou, de parte das Administrações Públicas e do setor privado, a necessidade de estabelecer uma formação específica. Deu-se categoria profissional a uma atividade que, no princípio, só era complementar à economia familiar. Página 13

14 Novamente, as administrações públicas locais vão ser as que terão que tomar as rédeas desta questão. É muito importante que, juntamente com a gestão privada, execute-se ações em dois sentidos bem distintos: Trabalho de sensibilização que, sendo promovido desde os poderes públicos e dirigido essencialmente à população local e ao setor privado, enfatize a importância que a formação dos recursos humanos tem para o setor. Uma oferta turística competitiva implica necessariamente contar com pessoas suficientemente qualificadas que saibam dar uma resposta idônea às exigências do mercado. Deste modo, as ofertas turísticas vão evoluindo em direção a um aperfeiçoamento da atividade turística. Desenhar, promover e executar programas formativos. Estes deverão ser multidisciplinares e inter-setoriais, incluindo, entre outras coisas, a promoção, a comercialização, a aprendizagem de idiomas, as tecnologias da informação e comunicação (TIC s), empreendimento, bem como as diferentes fórmulas que possam contribuir para que o pequeno empresário realize sua atividade, tais como o cooperativismo, associativismo, sociedades anônimas trabalhistas, etc. A perspectiva da formação neste setor particular exige que não esteja dirigida apenas aos recursos humanos que, de maneira direta, estão implicados na atividade turística. Deverá estar dirigida também a todas as pessoas que, mesmo que não se encontrem na frente da linha de valor de serviço prestado, também incidam com a sua atividade na qualidade do serviço. Portanto, os destinatários da formação deverão ser tanto os que se encontram na frente do atendimento (front office) como os que se encontram detrás (back office) As Agências de desenvolvimento turístico: a figura do Agente de Desenvolvimento Turístico Os especialistas coincidiram em que uma das principais dificuldades enfrentadas pelas administrações públicas é, precisamente, a do trabalho de sensibilização, diante da impossibilidade, às vezes, de compartilhar critérios com os atores locais e transmitir, de forma constante e eficaz, idéias com este intuito. Não obstante, e seguindo esta mesma linha, os especialistas também apontam que há fórmulas de sucesso mais que comprovadas e que poderiam ser uma solução válida para esta dificuldade. Eles sublinham a importância do trabalho realizado até agora pelas Agências de Desenvolvimento Local. Hoje em dia, ninguém questiona a utilidade destas estruturas e sua contribuição para os municípios onde atuam. Por isso, as administrações públicas poderiam atuar em vários sentidos: Estimular a criação das Agências de Desenvolvimento Turístico, como um dos primeiros investimentos a serem realizados pelo município que se proponha introduzir-se na atividade turística. Esta seria a agência de referência para o conjunto da sociedade civil e, particularmente, para os atores locais que estejam envolvidos na gestão turística. Criar um Departamento de Desenvolvimento Turístico no âmbito de uma Agência de Desenvolvimento Local já existente. Página 14

15 Paralelamente, e em ambos casos, criar a figura do Agente de Desenvolvimento Turístico (ADT). Esta figura profissional é imprescindível e sua principal missão é ajudar um território a formar-se empresarialmente. Entre outras coisas, o ADT pode contribuir com a geração de atividade econômica, satisfazendo, assim, uma das mais elevadas aspirações dos poderes locais. Além disso, o agente de desenvolvimento turístico, por sua própria natureza, adotaria o papel de animador turístico, proporia a realização de atividades e o desenho de estratégias alternativas às tradicionais, elaboraria a atividade turística independentemente das temporadas, procuraria um maior aproveitamento dos recursos disponíveis, conseguiria a fidelidade do cliente, entre outras coisas. As Agências de Desenvolvimento Turístico já são conhecidas em alguns países da Europa. A França é um exemplo paradigmático da sua implantação e bom funcionamento. Entretanto, trata-se de um fenômeno que não está generalizado e há muitos países que ainda não contam com esta figura. Em relação ao Agente de Desenvolvimento Turístico, os especialistas sublinham que, no caso dos países em desenvolvimento seria de suma importância a incorporação dessa figura. Contudo, ainda é necessário superar em muitos países algumas tradições do setor turístico que condicionam as estruturas econômico-organizativas, e que limitariam as funções e a eficácia operativa do ADT A medição quantitativa e qualitativa do impacto turístico A utilização de indicadores para a medição do impacto do turismo no desenvolvimento sócio-econômico de um território é um dos temas sobre os quais os especialistas mostram maior unanimidade. Eles coincidem que a medição dos indicadores quantitativos é um trabalho que, por mais que implique certas dificuldades, não é insolúvel, dado os inúmeros esforços que várias organizações e instituições têm realizado, a nível nacional e internacional, para estabelecer modelos de medição que ofereçam resultados ajustados à realidade. A Organização Mundial do Turismo 10, Agência Especializada das Nações Unidas, criou um potente instrumento denominado Conta Satélite de Turismo. Com ela, pretende-se responder às necessidades e características (para o total de um país e referidas ao período de um ano), num quadro articulado de informação de caráter econômico tanto para os que tomam decisões políticas como para os que decidem a nível empresarial. Trata-se de um novo instrumento estatístico cujo desenho, baseado num conjunto de conceitos, definições, classificações e tábuas, permite orientar os países sobre a elaboração do seu próprio Sistema de Estatísticas Turísticas (SET). Existem outros observatórios, nos níveis locais, municipais e regionais, que preferem modelos de medição distintos, detalhando os critérios que, a seu ver, devem ser incluídos nesta missão. Entretanto, pode-se afirmar que a existência de numerosos critérios, e a utilização não unânime dos mesmos, aumenta a dificuldade para realizar uma análise padronizada e para poder aceder a um sistema de interpretação único. 10 Organização Mundial do Turismo Página 15

16 O problema aparece quando o que se pretende é medir dois aspectos bem diferenciados: O impacto sócio-econômico do turismo no desenvolvimento local de um território. Os aspectos qualitativos do turismo. Muitos países, na hora de avaliar o impacto qualitativo da atividade turística, no âmbito do desenvolvimento local do seu território, enfrentam o problema de carecer de base econométrica para o poder realizar. A experiência do Observatório de Lyon (França) é um bom exemplo de medição do impacto. Outro exemplo é o Observatório da Universidade de Viena MIS (Management Information System), que também se sustenta sobre uma base econométrica. Este último observa 80 cidades de toda Europa e é mantido pelas próprias entidades promotoras. Geralmente, não se medem aspectos tão significativos como o grau de satisfação do cliente, com uma avaliação de todas as atividades que, direta ou indiretamente, estão relacionadas à atividade turística 11. Não obstante, eles são de extraordinária importância para detectar e corrigir os possíveis desvios que estejam ocorrendo na aplicação das políticas turísticas. De acordo com os especialistas, uma infra-estrutura científica de medição, a nível territorial ou local do setor, deve poder medir os fatores tangíveis e os intangíveis, e identificar as variáveis que incidam diretamente no êxito das políticas turísticas, bem como os efeitos induzidos da atividade. Em outras palavras, deve-se tender a construir modelos de medição quantitativos para medir o qualitativo. Esta é uma premissa essencial que deve estar presente desde a concepção até a implementação de um projeto turístico. Desta forma, um observatório de turismo poderá cumprir com a sua finalidade básica que é fazer um seguimento do planejamento, da gestão e da promo-comercialização do destino turístico, bem como os elementos de primeira necessidade no desenvolvimento local territorial As políticas locais de turismo, o planejamento estratégico e as ações isoladas Os problemas mais frequentes do planejamento Neste aspecto, os especialistas indicam que é necessário realizar uma reflexão prévia, que principalmente nos mostre as tendências atuais neste sentido e, como consequência, os problemas implicados. Para seguir uma sequência, a primeira dificuldade com a qual nos enfrentamos no momento de falar sobre planejamento estratégico é sua interpretação conceitual que é abordada de maneira diferente, dependendo dos atores locais que participam no processo, dentro de um mesmo território. Por planejamento estratégico entendemos um modo sistemático e participativo de administrar mudanças e de criar o melhor futuro possível para uma determinada, 11 Transportes, horários de museus, valorização de restaurantes, limpeza da cidade ou município, atenção sanitária, segurança, etc Página 16

17 organização, entidade, empresa ou território. Trata-se de um processo criativo que identifique e realize as ações mais importantes, levando em conta os pontos fortes e débeis, e os desafios e oportunidades futuras. O planejamento estratégico em turismo deve facilitar o consenso e chegar a posições comuns em assuntos como a criação do produto, a promoção, a comercialização, etc.. Por outro lado, o planejamento estratégico aplicado ao território deve estabelecer uma série de objetivos, a médio e longo prazo, sobre a organização do desenvolvimento do território em questão. Por sua vez, há que definir as ações que permitam alcançar estes objetivos, tendo em conta o comportamento provável dos meios local e externo. Por estes motivos, é extremamente necessário que a planificação turística seja contemplada e integrada no conjunto das políticas locais. Como prova de que nem sempre é assim, pode-se mencionar o exemplo do continente europeu. Geralmente, o único planejamento observado refere-se ao âmbito da promoção. A criação e o desenvolvimento do produto não fazem parte da área de planejamento. Num segundo aspecto, de fato são escassos os exemplos de planejamentos estratégicos em turismo, mas mesmo assim existem. Entretanto, na hora de buscar elementos em comum entre eles, surgem alguns déficits já desde a discussão inicial, e que estão diretamente relacionados com as conclusões obtidas a partir dos projetos de planejamento que no geral estão longe da realidade existente no território. Algumas causas deste resultado têm a ver com os consultores e consultoras encarregados de elaborar o plano estratégico. Esta tarefa muitas vezes é feita na base de discussões de laboratório e não a partir da perspectiva do estudo de campo. Ao não contarem com uma ampla participação real dos atores sócio-econômicos considerarem a participação como uma mera consulta, o resultado obtido geralmente está consideravelmente desviado da realidade A importância do planejamento estratégico em turismo Do ponto de vista do território, tanto naqueles lugares onde há um tecido empresarial turístico consolidado, como em outros onde este ainda não existe, o planejamento estratégico é imprescindível, porque através dele será possível observar os aspectos territoriais, sócio-econômicos, culturais e populacionais necessários, para desenhar, prever e executar os objetivos que se pretendem alcançar, bem como ter em mente os fatores de risco que são inerentes à atividade. Através de um plano estratégico se pretende conseguir, em última instância, um contexto territorial definido que saiba aproveitar as suas oportunidades, neutralize as ameaças que se apresentem no ambiente externo, utilizando seus pontos fortes e eliminando e/ou superando as debilidades internas. Do ponto de vista dos atores, é necessário estabelecer novas dinâmicas de planejamento e coordenação entre os setores público e privado. O diálogo deverá ser fluído entre os diversos agentes envolvidos na atividade turística e deve ser estabelecido desde o início, como base para alcançar acordos sobre o planejamento. Os canais de cooperação entre os poderes locais e suas diversas áreas facilitarão a criação de um processo participativo na tomada de decisões sobre as questões que Página 17

18 possam afetar, direta ou indiretamente, o turismo 12, o que equivale a criar uma coordenação interinstitucional. É importante considerar o que significa o planejamento estratégico em turismo. Planejamento estratégico em turismo é sinônimo de visão integral, é ir além da simples promoção. Maximizar os recursos disponíveis, arbitrando mecanismos para que cada ator que faça parte da cadeia de valor assuma as diretrizes do enfoque integral para a criação, a promoção e comercialização 13 do produto 14. Por último, em relação às ações isoladas, os especialistas apontam que o melhor seria estabelecer um planejamento estratégico, sobretudo nos destinos turísticos emergentes. Não obstante, e levando em conta que a realidade social e econômica de um território pode representar um obstáculo, as ações isoladas obtidas na base de acordos por consenso, também pode constituir uma fórmula válida e eficaz para pôr em marcha o processo. A obtenção de um acordo específico, na base de uma ação isolada, limita sua eficácia temporariamente, enquanto que no planejamento estratégico, realizado a médio e longo prazo, o nível de compromisso dos atores é maior e, em princípio, oferece maiores garantias. 2. Propostas de atuação para a construção do produto. Até agora foram realizadas várias avaliações sobre a importância do setor turismo, bem como sublinhado os elementos que precisam de uma intervenção direta por parte das administrações pública, em clara coordenação com o setor privado. Também se mostrou em que medida é preciso articular um sistema que permita construir canais para enfrentar as dificuldades e os desafios do futuro. Neste sentido, os especialistas identificam, de forma sintética, que elementos são necessários para construir um método eficaz para a gestão da atividade turística O diagnóstico prévio O diagnóstico é o primeiro passo para estabelecer uma boa política de planejamento. Para conhecer a realidade sócio-econômica de um território é essencial realizar um bom diagnóstico prévio. O diagnóstico requer a recopilação e análise de uma série de dados que ajudarão a conhecer mais e melhor a situação real, o estado das coisas e, consequentemente, contribuirá para prever e dar soluções aos problemas discutidos. Um diagnóstico prévio na área de turismo significa analisar a situação sócioeconômica do território, antes de começar a desenhar políticas estratégicas da atividade turística. Existem diversos métodos para realizar o diagnóstico. Talvez o mais amplamente conhecido por sua eficácia é a análise DAFO (SWOT), que pode ser um bom ponto de 12 Coordenação entre as áreas políticas como cultura, urbanismo, segurança. 13 Os escritórios de turismo poderiam otimizar seus lucros, realizando atividades de criação e comercialização de produtos. Estas só estão orientadas, na atualidade, à promoção. 14 As atrações como monumentos não são suficientes. É preciso desenhar boas políticas de marketing como as que estão sendo implementadas em Salzburg (Áustria) e que levaram à criação do Ano Mozart. Página 18

19 partida para analisar o território num primeiro momento e, posteriormente, analisar o destino turístico. Ou seja, observando as Debilidades, Ameaças, Fortalezas e Oportunidades, no passado, presente e no futuro, e nos níveis externo e interno. A eficácia deste sistema se dá em função do estabelecimento de uma metodologia de trabalho, concertada previamente entre todos os atores locais (formais e informais). Nesta fase, pode ser muito útil a presença de um terceiro agente externo qualificado, que poderia ser a figura do agente de desenvolvimento turístico, ou inclusive de uma consultora especializada. É muito frequente, que nos momentos preliminares de um planejamento estratégico, esteja presente a figura do facilitador, cuja missão principal, tanto nesta fase como nas posteriores, é administrar o know-how, podendo ajudar o município a tomar decisões corretas. A nível conceitual, antes de iniciar o diagnóstico, é importante esclarecer vários elementos. Por um lado, o destino turístico, que é o resultado da soma dos recursos que existem e os serviços disponíveis num amplo contexto. É necessário definir com caráter prévio os limites reais do território, sua demarcação geográfica e as fronteiras político-administrativas; perfilar qual seria a atração que um multi-destino teria, favorecendo a criação de uma nova oferta que supere as limitações territoriais. Nos processos de planejamento estratégico, a demarcação territorial se impõe às vezes DESTINO TURÍSTICO como uma realidade muito limitante. Entretanto, quando se Contexto territorial amplo fala de planejamento turístico, é preciso considerar o fato de que Recursos Serviços as fronteiras políticoadministrativas não necessariamente têm por quê coincidirem com a geografia do destino turístico. Isto é importante, porque quando se constrói um destino turístico deve-se pensar que, quando o visitante potencial viaja, ele não está condicionado pelos possíveis limites administrativos do território. Este fato constitui uma boa oportunidade estratégica de desenvolvimento e, portanto, é necessário que as administrações se esforcem para alcançarem um bom grau de comunicação e de coordenação entre elas e que consolidem as alianças administrativas requeridas para lográ-lo. Em primeira instância, para construir um destino turístico, é importante ter uma boa visão estratégica e considerar uma ampla variedade de elementos que, inevitavelmente, devem ser analisados com o intuito de elaborar uma estratégia viável. Estes elementos afetam diretamente a qualidade do destino turístico e, por tanto, a qualidade do produto que se pretende colocar no mercado A estratégia e os objetivos A estratégia define as metas que se pretendem alcançar com a planificação. Para atingir essas metas é necessário formular uma série de objetivos que, desde o aspecto mais geral até o mais específico, irão delineando os resultados e as atividades concretas de um plano estratégico. Página 19

20 Existe uma confusão muito frequente na formulação dos objetivos no âmbito do planejamento: identifica-se erroneamente os objetivos com os indicadores e, particularmente, com os econômicos. Um objetivo descreve a situação desejada pelos atores locais a longo, médio e curto prazo, e as mudanças que esses atores querem realizar em termos globais. Os indicadores são os critérios de êxito, mensuráveis e realistas, que permitirão aos atores sócio-econômicos do nosso território e da sociedade no geral monitorar e avaliar os frutos do planejamento. Como se pode ver em ambos os conceitos, o indicador será um meio que contribui a avaliar o grau de cumprimento de um objetivo e de um resultado, mas não pode ser, em si mesmo, um objetivo. E, coerentemente, um objetivo não deve estipular uma meta quantitativa concreta como, por exemplo, o aumento de um número determinado de visitantes. Por exemplo, aplicado ao âmbito do turismo, o objetivo do plano estratégico seria aumentar a contribuição líquida do setor turístico, em termos de renda, à economia local, e o grau de cumprimento do objetivo poderia ser avaliado através de indicadores tais como: aumento de 15% do número de turistas, mantendo o nível médio de despesa por turista, ou senão, aumento da despesa médio por turista de 15% mantendo-se o número de turistas. Mais detalhadamente, os resultados descrevem os efeitos esperados do planejamento para os beneficiários diretos do mesmo. Portanto, os resultados devem descrever a mudança ou mudanças que o projeto vai conseguir se for implementado com sucesso e a tempo. Por último, é preciso indicar que os objetivos específicos derivam do objetivo geral e assumem sob o mesmo uma série de resultados que se obtêm através de atividades concretas para o seu cumprimento. Há sempre várias hipóteses de risco que abrangem dificuldades próprias do desenvolvimento das políticas estratégicas num determinado momento. Visão gráfica dos objetivos, resultados e atividades Objetivo geral Objetivos específicos Resultados Resultados Atividades Atividades Atividades Atividades Página 20

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se nas dependências do Complexo Poli Esportivo Gothard Kaesemodel Junior Ferraz de Vasconcelos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL ÍNDICE 1. ANTECEDENTES... 2 2. ORGANIZADORES... 2 3. OBJETIVOS DO FÓRUM... 4 4. PARTICIPANTES... 5 5. PROGRAMA E CONTEÚDOS...

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora

A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora A Construção do Planejamento Estratégico de Turismo de Juiz de Fora * Resumo Promover o progresso e o desenvolvimento auto-sustentável por meio da geração de emprego e renda e da melhoria do meio ambiente

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ZAMORA

DECLARAÇÃO DE ZAMORA V CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTROS DE TURISMO "A Cooperação Turística como instrumento de desenvolvimento económico e social da Comunidade Ibero-Americana" 6 e 7 DE SETEMBRO DE 2005, ZAMORA (ESPANHA)

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

Gestão de Redes Sociais

Gestão de Redes Sociais Gestão de Redes Sociais Célia Schlithler Introdução Gerir é administrar, dirigir, governar. Então seria este o termo mais apropriado para as redes sociais? Do mesmo modo que governança, este termo está

Leia mais

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04)

Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Urbanização na região Estratégia Urbano-Ambiental para a América Latina e o Caribe PNUMA/UN-HABITAT (Versão 12-02-04) Contexto Regional A concentração da população da América Latina e do Caribe em áreas

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

O QUE É A METODOLOGIA GESPAR?

O QUE É A METODOLOGIA GESPAR? PROJETO BANCO DO NORDESTE/PNUD Recife/1999 Diretora Institucional SILVANA PARENTE Coordenadora Executiva TANIA ZAPATA Coordenador Técnico-Pedagógico ARTURO JORDÁN GONI O QUE É A METODOLOGIA GESPAR? Autor

Leia mais

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local -

Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais. - Desenvolvimento Local - Formação para Gestores de Associações Comerciais e Empresariais - Desenvolvimento Local - CURITIBA, MARÇO DE 2010 Capacitação para gestores de Associações Comerciais e Empresariais 1 A ASSOCIAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Évora, 22-24 de Setembro de 2005 A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Zoran Roca e José António Oliveira CEGED Centro de Estudos de Geografia e Desenvolvimento Universidade

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

APOIO ESPECIALIZADO ÀS EMPRESAS DO SETOR DO TURISMO UMA NOVA PERSPETIVA UMA NOVA ABORDAGEM

APOIO ESPECIALIZADO ÀS EMPRESAS DO SETOR DO TURISMO UMA NOVA PERSPETIVA UMA NOVA ABORDAGEM DO SETOR DO TURISMO UMA NOVA PERSPETIVA UMA NOVA ABORDAGEM PORQUÊ A CRIAÇÃO DESTA EQUIPA? Necessidade de prestar ao empresário expertise em todas as vertentes da cadeia de valor Melhor adequação dos projetos/produtos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

PROAGÊNCIA II. CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PROAGÊNCIA II. CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA PROAGÊNCIA II CURSOS EaD EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA 1. NOME DO CURSO: GESTÃO DE EMPRESAS DE AGENCIAMENTO E OPERAÇÕES TURÍSTICAS 2. OBJETIVO: o curso visa envolver os profissionais nos seguintes assuntos: - as

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 desafios e oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 desafios e oportunidades Alentejo no horizonte 2020 desafios e oportunidades Projeto VIVER Atratividade Urbana Programa de Atração de Pessoas Líder: Câmara Municipal de Elvas 1 O Projeto Atratividade Urbana encontra-se estruturado

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 OBSERVATÓRIO de TURISMO do ALENTEJO Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 Razões para a Criação do Observatório Regional de Turismo do Alentejo As lacunas da informação estatística sobre o turismo

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Convênio 76541/2011 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 0001/2013

Convênio 76541/2011 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 0001/2013 Convênio 76541/2011 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 0001/2013 Apresentação Dados disponibilizados pelo IBGE em 2002 estimaram a coleta de aproximadamente 125.281 toneladas de resíduos domiciliares por dia no Brasil

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias ÍNDICE Introdução...2 Capítulo I Programa Formação Ação para PME...3 I.1 Objetivos...3 I.2 Metodologia de Intervenção...4 I.3 Equipas de Intervenção...11

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade

Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade As orientações aqui inseridas visam à antecipação de dúvidas que possam surgir durante o processo de avaliação. Não visam substituir ou suplantar as conclusões

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS. Novembro de 2014 INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS Novembro de 2014 1 Competitividade de Destinos Emergência nos estudos sobre estratégia empresarial Indústria, empresas, países, organizações Diferentes

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO DOCUMENTO DE TRABALHO Grupo de trabalho 3 ÁREAS PROTEGIDAS POTENCIAIS ADERENTES À CETS PROGRAMA: Quinta 23 de Novembro: 10:00-13:00 h Introdução à CETS e processo de adesão 14:30-16:00 h Exemplos de Parques

Leia mais

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2

UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 UWU CONSULTING - DESCUBRA 10 RAZÕES PORQUE O OUTSOURCING TORNA A SUA EMPRESA MAIS COMPETITIVA 2 INDICE 04 O que é o Outsourcing? 09 Como o implementá-lo na sua empresa 11 Vantagens e desvantagens 13 Conclusão

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.983 TURISMO E MEIO AMBIENTE: PRINCIPIOS E CONDUTAS NORMATIVAS PARA O USUFRUTO DE RECURSOS/ATRATIVOS

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA PROGRAMA DE ELABORAÇÃO DE BALANÇOS SOCIOAMBIENTAIS INICIATIVA PRIVADA CONHEÇA MELHOR A SAÚDE SOCIOAMBIENTAL DA SUA EMPRESA E OBTENHA MAIOR CREDIBILIDADE E VISIBILIDADE!!! INVISTA O Instituto Socioambiental

Leia mais