X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010"

Transcrição

1 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL Máyra Garcia Alves Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Profa. Dra. Maria do Carmo de Sousa Universidade Federal de São Carlos - Departamento de Metodologia - DME - UFSCar Resumo: Esta investigação integra a pesquisa longitudinal que está sendo desenvolvida no Projeto Observatório da Educação intitulado: Produtos educacionais no Mestrado Profissional em Ensino de Física e Matemática: itinerários de desenvolvimento, implementação e avaliação, a partir da rede de pesquisa participante Escola-Universidade. O eixo temático da pesquisa é a formação continuada de professores da Educação Básica que ensinam conceitos de Matemática. Relacionado a este eixo, foi elaborada uma proposta de estudo por meio de uma rede de pesquisa participativa formada por professores da rede pública, pós-graduandos do mestrado profissional, estudantes de graduação de licenciatura em Física e Matemática e docentes da universidade. Neste contexto, o trabalho se propõe a fazer um levantamento estatístico sobre o uso, pelos professores de matemática de São Carlos, de alguns produtos educacionais e sobre a sua participação em cursos de formação continuada. Espera-se que a análise dos dados aponte pouca e/ou maiores correlações existentes entre esta participação e outros fatores como tempo de experiência, carga horária, grau de formação, uso de recursos didáticos, etc. Palavras-chave: Produto Educacional; Rede de Pesquisa; Ensino de Matemática; INTRODUÇÃO AO PROBLEMA O presente trabalho foi concebido no contexto do projeto Observatório da Educação (CAPES), cuja proposta se enquadra no eixo temático de educação continuada de professores de Física e de Matemática. O referido projeto, encaminhado a CAPES pela Universidade Federal de São Carlos, se destina à investigação e implementação de produtos educacionais no ensino de Física e de Matemática, estudando o itinerário de desenvolvimento dos mesmos e trabalhando para melhor concebê-los por meio de uma rede participativa de investigação coletiva. Essa rede é constituída por professores da 1

2 educação básica das áreas de Física e de Matemática, pós-graduandos do curso de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas da Universidade Federal de São Carlos, graduandos das licenciaturas de Física e de Matemática e docentes da Universidade. A rede visa promover uma melhor integração entre os membros da comunidade universitária e fora dela, à medida que também promove a formação inicial e a continuada desses. Mediante o trabalho em equipe, os participantes da rede procuram desenvolver e implementar novos produtos pedagógicos que possam melhor atender às necessidades educacionais, bem como vislumbrar uma possibilidade de mudança no tipo de formação continuada que visa somente à aquisição de produtos educacionais prontos e acabados. Almeja-se a formação que visa constituir um profissional crítico e participativo, que atua no processo de desenvolvimento dos materiais didáticos. Segundo PALOMINO (2009) quando se trata da área Matemática, de acordo com dados do censo especial do INEP sobre os profissionais do magistério de 2003, apenas 24% dos professores desta disciplina, no estado de São Paulo possuíam licenciatura específica. Portanto, há uma necessidade de se investir na formação continuada destes professores. Atualmente o principal argumento de críticas na área de formação de professores está no fato de que os cursos preparam o professor para atuar como mero aplicador de receitas prontas na realidade escolar. No entanto, a articulação entre a teoria e a prática, no caso da educação, não se dá de maneira fácil, e não raras são as queixas de professores ou alunos da graduação de que as teorias e estudos feitos em âmbitos pedagógicos, ao serem aplicadas ao cotidiano real, não surtem o efeito desejado (PALOMINO, 2009). Isto ocorre visto que a concepção técnica da prática erra ao considerar soluções gerais para diagnósticos específicos. Toda realidade escolar é uma realidade situada, específica dentro de determinado contexto. Uma solução desenvolvida para determinado contexto dificilmente irá funcionar fora dele. Na área de estudo da educação, é difícil falar em problemas genéricos e soluções e teorias genéricas. Cada solução, material ou produto, portanto, deve ser desenvolvido levando-se em conta exatamente qual o contexto em que se deseja aplicá-lo. 2

3 Portanto, é importante que os cursos de formação continuada mudem o foco de ensinar teorias de soluções gerais. A formação de profissionais com atitudes críticoreflexivas visa levá-los a ter autonomia suficiente para intervir adequadamente no seu contexto específico, com a capacidade para desenvolver um produto pedagógico que venha a dar conta dos problemas daquele contexto situado. Portanto, por todos os problemas expostos anteriormente, docentes que atuam no Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas da Universidade Federal de São Carlos foram convidados, desde 2009, a integrar-se em uma rede participativa de pesquisa como instrumento para desenvolvimento e implementação de produtos pedagógicos nas escolas da região. Através da cooperação entre os membros da equipe a rede tem por objetivo promover a formação de profissionais que atuem de maneira crítica sobre a sua realidade. Para tanto, a rede participativa de pesquisa parte do princípio de que deve haver continuidade entre a pesquisa e a ação profissional. Não é a toa que a rede será configurada até 2012, de forma que 36 pessoas possam participar da mesma com bolsas de financiamento da CAPES. É óbvio que, se quisermos desenvolver diagnósticos de contextos específicos e materiais que atendam às demandas deste determinado contexto, devemos estar inseridos nele, o que clama a necessidade de uma continuidade entre a pesquisa e a ação do profissional. O método utilizado como guia da ação dos componentes da rede pode ser explicado pelo que se chama de espiral de fases. Neste método, adota-se uma série de procedimentos cíclicos que devem guiar as ações do pesquisador até que este chegue a conceber o produto pedagógico específico à sua realidade de atuação. Esse processo cíclico leva em conta o critério de continuidade entre pesquisa teórica e a prática cotidiana do professor como dito anteriormente. Inicialmente, adota-se uma teoria geral como referência, a partir da qual se deseja criar algo de relevante (PALOMINO, 2009). Essa teoria geral passa por mudanças após diversos processos de particularização visando a sanar os problemas encontrados durante cada etapa, e se torna uma teoria geral reelaborada, até que a teoria esteja boa o suficiente e, a partir dela, se possa desenvolver um produto pedagógico adequado aos problemas da realidade local. Por isso, o nome de 3

4 espiral. A cada processo de particularização ocorrem três etapas: planejamento, execução e averiguação. À etapa de planejamento correspondem as ações que visam o reconhecimento da realidade a sofrer intervenção e aos estudos que apontem tendências e auxiliem na decisão quanto à melhor teoria a ser adotada. A etapa de execução pressupõe a participação efetiva dos pesquisadores no cotidiano escolar, com ações que visam à aplicação das teorias adotadas durante a fase de planejamento, na forma de produtos educacionais ainda não definitivos. Durante a etapa de averiguação, ocorrem ações destinadas à análise quanto ao sucesso ou não da intervenção. Esta pesquisa contempla a fase de planejamento, com o fim específico de estudar o uso dos produtos educacionais ditos inovadores e, também, os hábitos dos professores da cidade de São Carlos, priorizando aqueles que lecionam nas escolas que participam do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID UFSCar em relação à sua participação nos cursos de formação continuada que visam o uso destas inovações. Como referencial, toma-se a concepção de inovação dada por Ferreti (1980) em seu trabalho A inovação na perspectiva pedagógica. Entende-se por inovação uma mudança que leve um objeto de um estágio inicial para um estágio final diferente. Esta mudança deve ser planejada e visa acrescentar uma melhoria no objeto em questão para satisfazer determinado fim. Por adequada, entendese que a mudança esteja de acordo com o contexto no qual se dará a inovação: o espaço e tempo nos quais a mudança ocorrerá. Neste sentido, nos últimos anos a educação tem passado por uma série de mudanças que podem ser consideradas como inovativas. Ainda de acordo com Ferreti (1980), estas inovações pedagógicas vêm acontecendo em vários campos. Ele as caracteriza como inovações na organização curricular, nos métodos e técnicas de ensino, nos materiais instrucionais e tecnologia educacional e inovações na avaliação educacional. Ressalta-se que pode haver várias metodologias diferentes, dependendo do que se tem como objetivo. As mudanças nas metodologias não raras vezes levam as modificações nos materiais e tecnologias utilizados em sala de aula, as ferramentas que o professor dispõe para aplicar com sucesso a sua metodologia. 4

5 Portanto, o uso adequado de materiais e tecnologias de apoio leva a aplicar com sucesso determinado método de ensino associado a determinado fim curricular. O professor então, antes de tudo, deve ter uma formação que lhe permita escolher, de maneira consciente, seus propósitos e que lhe dê flexibilidade para migrar para as metodologias e técnicas que julgar adequados. A partir do conhecimento da dinâmica que move as ações da rede participativa de pesquisa em educação e das dimensões da inovação no campo educacional e todos os fatores que a circundam, podemos delinear de maneira mais clara quais são os objetivos deste trabalho. OBJETIVOS GERAIS Em função do exposto anteriormente, este trabalho tem o objetivo de construir dados que nos ajudem a compreender a fase de planejamento e tomada das decisões da rede de investigação participativa (Observatório da Educação/CAPES-UFSCar) quanto aos produtos pedagógicos a serem desenvolvidos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Através da análise dos dados do Censo Especial sobre os Profissionais do Magistério de 2003, do INEP, pretende-se fazer um levantamento sobre os professores de matemática da cidade de São Carlos, priorizando aqueles que lecionam nas escolas que participam do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID UFSCar investigando seus hábitos em relação ao uso de produtos educacionais ditos inovadores. O levantamento tem também o objetivo de expor os dados quanto ao perfil dos professores de matemática no que diz respeito à sua participação em cursos de formação continuada. Com estes dados pretende-se constatar se esses professores usam ou não os produtos educacionais inovadores e se eles participam dos cursos de formação continuada voltados ao seu aperfeiçoamento. Também é intuito deste trabalho encontrar as correlações existentes entre a participação nos cursos de formação continuada e os dados estudados por Palomino (2009) que possam influenciar na procura pelos cursos, como carga horária dos professores, seu nível de formação, seu tempo de experiência etc. Com isso, serão produzidos subsídios 5

6 para que os outros membros da rede de investigação participativa possam tomar decisões adequadas em relação ao desenvolvimento de futuros produtos educacionais. Pretende-se com os dados levantados desenvolver futuras pesquisas mais específicas referentes ao perfil dos professores de matemática que procuram esse programa de estudos. QUESTÃO DE INVESTIGAÇÃO Este estudo pretende responder a seguinte questão: Que correlações podem ser estabelecidas diante dos dados do INEP 2003 em relação: aos professores de matemática atuantes na cidade de São Carlos das escolas, especificamente daqueles que participam do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID UFSCar, suas práticas em sala de aula tendo em vista os materiais e as metodologias utilizadas e a busca destes por cursos de capacitação? Quais são os cursos procurados pelos professores de matemática? Quais produtos educacionais são produzidos por estes professores enquanto freqüentam estes cursos? METODOLOGIA A metodologia empregada no trabalho baseia-se principalmente na análise estatística dos dados levantados no Censo Especial sobre os Profissionais do Magistério de 2003, realizado pelo INEP. Para o estudo dos hábitos dos professores de Matemática da cidade de São Carlos das escolas, com especial atenção naqueles que participam do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBID UFSCar em relação ao uso das inovações e à sua formação continuada, serão levantados os dados pertinentes ao tema. Com relação aos dados do INEP serem de 2003, a defasagem de tempo é curta se comparada com a velocidade com que acontecem as mudanças no cenário educacional. Portanto, os dados que serão levantados não perdem sua relevância. Serão levantados dados que se supõe estarem correlacionados com a participação dos professores nos cursos de formação continuada, assim como características que possam influenciar na busca dos professores pela formação adequada. 6

7 Estas correlações serão averiguadas, a partir do cálculo do coeficiente de correlação entre a participação dos professores nos cursos e a variável que se julga influenciá-la, de alguma forma. Em relação à participação dos professores em cursos de formação continuada, será realizado o seguinte levantamento: os valores percentuais dos professores de São Carlos, priorizando aqueles que lecionam matemática em escolas envolvidas com o PIBID - UFSCar, que participaram de todo e qualquer curso de formação continuada, nos últimos dez anos, ou seja, de 2000 a A partir destes dados, será possível traçar um panorama da participação, em geral, dos professores de matemática de São Carlos em relação à aplicação de inovações e formação adequada para usá-las. Portanto, para cada escola de São Carlos estudada, será feito o levantamento percentual do número de professores com licenciatura em matemática, e este levantamento será comparado com o percentual de professores de matemática participantes nos cursos de formação específica no uso de novas metodologias na mesma cidade. Ambos os dados serão comparados num gráfico cartesiano. No caso do tempo de experiência, será feito o levantamento percentual para cada escola em questão de quantos professores licenciados em matemática obtiveram o diploma há mais de 15 anos e estes, serão comparados com os de participantes nos cursos. Para o cálculo do coeficiente de correlação entre as grandezas descritas, será adotado o coeficiente Pearson, r, que estabelece o quão relacionadas estão duas variáveis, uma independente, X, e outra dependente, Y, a partir da relação: r = As letras com barras, na fórmula acima, representam as médias das grandezas. A correlação, r, que vai de -1 (totalmente negativa) até +1 (totalmente positiva), nos dará indicadores do quão fortemente relacionadas estarão as variáveis estudadas. A realização da pesquisa se dará da seguinte forma: Levantamento bibliográfico a partir do tema escolhido; Elaboração da problemática e das justificativas que levaram à escolha do tema; Estudo e análise do material selecionado no levantamento bibliográfico para o refinamento que resultará na bibliografia a ser utilizada na pesquisa; 7

8 Levantamento, através de entrevistas semi-estruturadas (FIORENTINI, 2006), dos cursos de formação continuada a partir do ano de 2000 cursados pelos professores de matemática da educação básica, na cidade de São Carlos, priorizando aqueles que lecionam nas escolas que participam do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID UFSCar; Levantamento dos tipos de cursos e materiais didáticos os professores de matemática das escolas que participam do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência - PIBID UFSCar indicariam aos professores que lecionam hoje frente às dificuldades existentes, em relação aos processos de ensino e aprendizagem de matemática; Levantamento de pesquisas realizadas sobre a utilização de produtos educacionais, projetos de ensino, inovações didáticas, etc. RESULTADOS ESPERADOS O Ensino de Matemática, assim como o de outras disciplinas, propicia uma gama imensa de aplicação de recursos e produtos educacionais, porém, a qualidade da educação no Brasil segue precária (SILVA, 2009). A simples presença do produto educacional, como por exemplo, livros didáticos, softwares etc, no ambiente escolar parece não ser suficiente para que os estudantes aprendam Matemática, já que em muitas vezes o professor não os utiliza (como no caso do computador nas escolas privadas brasileiras e do Sudeste, por exemplo). Certamente, existem inúmeras causas para a não utilização desses produtos. É importante destacar a formação dos professores de Matemática, dado que a situação é realmente preocupante uma vez que, ou não há profissionais atuantes ou os que atuam não possuem formação específica na área de ensino de Matemática (SILVA, 2009). Acredita-se então, que a criação da rede participativa entre os educadores, apostando na autonomia docente e elaboração de atividades de ensino (MOURA, 2001) é parte integrante dessa formação e, possibilitando a criação de produtos educacionais que vão além dos originalmente constituídos por terceiros e aplicados (ou não) pelos professores. Assim, espera-se que a pesquisa possa colaborar tanto na formação do licenciando pesquisador como nas discussões decorridas no grupo do Observatório de Educação em 8

9 relação à educação no âmbito da cidade de São Carlos, contribuindo assim para os próximos pesquisadores que ingressarem à rede do Observatório de Educação. FORMA DE ANÁLISE DOS RESULTADOS QUANTIDADE DE PROFESSORES E DISTRIBUIÇÃO POR IDADE: De início será apresentada a análise dos dados referentes à identificação dos professores de matemática atuantes na região Sudeste. Na seqüência, serão apresentados os dados da distribuição dos professores de matemática na cidade de São Carlos. USO DE RECURSOS DIDÁTICOS EM SALA DE AULA: Serão expostas estatísticas sobre o uso do quadro magnético ou quadro branco, do livro didático, de jornais e/ou revistas, de TV/Vídeo, do retroprojetor, do datashow, do computador, do laboratório de ciências e dos brinquedos em escolas públicas e privadas de São Carlos. FORMAÇÃO CONTINUADA PARA O USO DE NOVAS METODOLOGIAS: Os dados pretenderão demonstrar o quanto os professores que atuam no ensino de matemática nas escolas participantes do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID - UFSCar da cidade de São Carlos estão envolvidos com seu aperfeiçoamento profissional após o término de seu curso de graduação, considerando que eles podem influenciar no uso dos produtos pedagógicos já citados. GRAU DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES: Pretende-se avaliar a porcentagem relativa de professores que possuem formação em Licenciatura em matemática na cidade de São Carlos. É importante notar que estes números não se referem a professores licenciados atuantes na sua área específica de formação. TEMPO DE EXPERIÊNCIA DOS PROFESSORES: 9

10 Imagina-se que professores com diferentes tempos de interação com o cotidiano escolar possam ter diferentes visões a respeito de seu papel, tendo em vista as suas experiências. A análise e exposição dos dados serão realizadas para dois grupos distintos. Será levada em conta a experiência profissional primeiramente dos licenciados. Para cada escola, também será feita uma análise do percentual de professores considerados muito experientes. CARGA HORÁRIA DOS PROFESSORES: Pretende-se investigar se os professores de matemática da cidade de São Carlos estão trabalhando muito, pouco, ou se possuem uma carga horária aceitável. É de se esperar que essa correlação, caso exista, indique que um alto número de professores com uma alta carga horária seja acompanhado de um baixo número de professores participantes em cursos de formação ou atividades do gênero. CORRELAÇÃO DOS DADOS: Serão comparados os percentuais dos professores com graduação em licenciatura em matemática de São Carlos com os percentuais de professores que participaram de cursos de formação para o uso de novas metodologias; os percentuais de professores licenciados que terminaram sua graduação há mais de 15 anos com os percentuais de professores que participaram de cursos de formação para o uso de novas metodologias; os percentuais de professores em geral com experiência profissional superior a 15 anos com os percentuais de professores que participaram de cursos de formação para o uso de novas metodologias e, finalmente, os percentuais de professores com carga horária superior a 31 horas semanais com os percentuais de professores que participaram de cursos de formação para o uso de novas metodologias. Pretende-se com isso, através do cálculo dos coeficientes de correlação, encontrar quais destes fatores podem ou não ter influência sobre a participação dos professores de matemática da cidade de São Carlos na inovação educacional. Ressalta-se que o Projeto se iniciou em janeiro de 2010 e terá a duração de um ano. 10

11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Disponível em: Último acesso em: 12/mar BRASIL. Ministério da Educação MEC. (PCN) Parâmetros Curriculares Nacionais. Disponível em: Ultimo Acesso em: 12/mar FERRETI, Celso João. A inovação na perspectiva pedagógica. São Paulo: Editora Cortez, FIORENTINI, D; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: Percursos Teóricos e Metodológicos. Campinas, SP, Autores Associados, MOURA, M.O. - A atividade de ensino como ação formadora in Ensinar a ensinar. São Paulo, Pioneira Thmson Learning, PALOMINO, R. C. Análise estatística de dados do INEP sobre a correlação entre o perfil profissional dos professores brasileiros que atuam na educação básica e a busca por formação continuada e inovação educacional: uma contribuição ao mestrado profissional. Monografia de Conclusão de Curso submetida ao Departamento de Física da UFSCar, SILVA, O. B. A utilização de produtos educacionais no ensino de Física um tratamento estatístico. Monografia de Conclusão de Curso submetida ao Departamento de Física da UFSCar,

Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail:

Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail: Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail: mdcsousa@ufscar.com.br Departamento de Metodologia de Ensino Com

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 PRODUTOS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE MATEMÁTICA - UMA FERRAMENTA AUXILIADORA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Naara Priscila Soares da Silva Universidade Federal de São Carlos UFSCar naara_soares@yahoo.com.br

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Chrystian Fernando Araújo BORGES - IME/UFG cborges@mat.grad.ufg.br; Wellington Lima CEDRO - IME/UFG

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT Projeto Institucional - Faculdades Atibaia FAAT Parceria entre o Ensino Superior e a Escola Pública na formação inicial e continuada

Leia mais

O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA

O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA O EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO E A ESCOLA Karine Gantes Monteiro (kahh_gtm@hotmail.com) 1 Márcia Lorena Martinez (marcialorenam@hotmail.com) 2 Thaís Gonçalves D Avila (thais.avila@ig.com.br) 3 Vagner

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA PROJETO GPA-MAT-UFRGS (PERÍODO 2000-2002) GRUPO PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DA UFRGS

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

TECNOLOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

TECNOLOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES TECNOLOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Grupo de Estudo de Tecnologia e Educação Matemática - GETECMAT 15/09/2011 Camila de Oliveira da Silva Tópicos iniciais para discussão... Formação inicial do professor

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal Klêffiton Soares da Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Norte kleffitonsoares@yahoo.com

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS GRADUANDOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Wanderlânyo de Lira Barboza * Emmanuel De Sousa Fernandes Falcão ** Resumo: O presente trabalho aborda reflexões

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO MONIKE CRISTINA SILVA BERTUCCI Universidade Federal de São Carlos mobertucci@yahoo.com.br RESUMO Este artigo relata uma

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA

INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA INVESTIGANDO O ENSINO MÉDIO E REFLETINDO SOBRE A INCLUSÃO DAS TECNOLOGIAS NA ESCOLA PÚBLICA: AÇÕES DO PROLICEN EM MATEMÁTICA RESUMO Elissandra de Campos Viegas; Cibelle de Fátima Castro de Assis Universidade

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE ESPANHOL: EDUCAÇÃO BÁSICA E O CLIC/UFS. Maria da Conceição da Cruz (PIBIX/PIBID-UFS) marynni@hotmail.com Tayane dos Santos (PIBIX -UFS) tayaneyat@gmail.com Resumo:

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO EDUCAÇÃO CONTINUADA E CAPACITAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES DOS CURSOS SUPERIORES DE ENGENHARIA: INICIANDO A DISCUSSÃO Sandra Maria Dotto Stump - sstump@mackenzie.com.br

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES 152 AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: instrumento norteador efetivo de investimentos da IES Silvana Alves Macedo 1 Reginaldo de Oliveira Nunes 2 RESUMO O processo da Auto-Avaliação Institucional ainda é um

Leia mais

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS

A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS 1 A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA COMO MEDIADOR DIDÁTICO CONCEITUAL NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DOS ANOS INICIAIS Lúcia Helena Bezerra Ferreira Universidade Federal do Piauí luchbf@gmail.com RESUMO

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE (Concepções de Ciência, Professores de Química, Educação Integrada)

PALAVRAS-CHAVE (Concepções de Ciência, Professores de Química, Educação Integrada) CONCEPÇÕES SOBRE CIÊNCIA DOS PROFESSORES DE QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO DO IFG CAMPUS GOIÂNIA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO INTEGRADA. Layla Karoline Tito ALVES, Instituto de Química,layla.quimica@gmail.com.

Leia mais

O USO DA CALCULADORA EM SALA DE AULAS NAS CONTROVÉRSIAS ENTRE PROFESSORES.

O USO DA CALCULADORA EM SALA DE AULAS NAS CONTROVÉRSIAS ENTRE PROFESSORES. O USO DA CALCULADORA EM SALA DE AULAS NAS CONTROVÉRSIAS ENTRE PROFESSORES. Corina de Fátima Moreira Vieira; IFET-RP corinadefatima@gmail.com Roberto Alves Dutra; IFET-RP roberto@cefetrp.edu.br Romaro Antônio

Leia mais

O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ

O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ O NOVO ENEM E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE FÍSICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DA CIDADE DE MACEIÓ Natalya Moacyra Bittencourt Queiroz (UFAL) natalya-bittencourt@hotmail.com Elton Casado Fireman (UFAL)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A IMPORTÂNCIA DO PIBID NO CONTEXTO ENSINO APRENDIZAGEM REPORTADA POR ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO Rothchild Sousa de Morais Carvalho Filho 1 Naiana Machado Pontes 2 Laiane Viana de Andrade 2 Antonio

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem.

Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. 1 Folclore Brasileiro: Uma possibilidade de se ensinar o conceito de número na Educação Infantil em um espaço não-formal de aprendizagem. Cristiane Vinholes Jacomelli Prof(a). Dr(a) Maria do Carmo de Sousa

Leia mais

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA SILVA, José Roberto Alves da 1 - UEPA Resumo Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES

UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE PARA O ENSINO DE MATRIZES E DETERMINANTES Jailson Lourenço de Pontes Universidade Estadual da Paraíba jail21.jlo@gmail.com Renata Jacinto da Fonseca Silva Universidade Estadual

Leia mais

tempo da escola, a formação dos professores, as novas práticas pedagógicas, os discursos, ações administrativas e outras.

tempo da escola, a formação dos professores, as novas práticas pedagógicas, os discursos, ações administrativas e outras. O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA: DIÁLOGOS ENTRE A TECNOLOGIA EDUCACIONAL E A CULTURA ESCOLAR QUILES, Cláudia Natália Saes UFMS / PPGEdu natalia@uems.br GT: Educação e Comunicação / n.16 Agência Financiadora:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA Nova

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Costa, Daiene de Cássia Souza da Email: daienecassia@hotmail.com Vasconcellos, Maura Maria Morita Email: mmorita@sercomtel.com.br

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: PEDAGOGIA Disciplina: TECNOLOGIA NA SALA DE AULA I Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Histórico da informática,

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

Guia: Autores e Livros sobre Ensino de Geografia

Guia: Autores e Livros sobre Ensino de Geografia PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SUBPROJETO GEOGRAFIA/CERES Guia: Autores e Livros sobre Ensino de Geografia CAICÓ/RN 2013 Apresentação

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

BIODIGITAL: ANÁLISE E PERSPECTIVAS DE UM SITE EDUCACIONAL SOBRE A BIODIVERSIDADE DE ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS.

BIODIGITAL: ANÁLISE E PERSPECTIVAS DE UM SITE EDUCACIONAL SOBRE A BIODIVERSIDADE DE ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS. BIODIGITAL: ANÁLISE E PERSPECTIVAS DE UM SITE EDUCACIONAL SOBRE A BIODIVERSIDADE DE ECOSSISTEMAS AQUÁTICOS. Mariana Resende de Oliveira Aluna de graduação em Ciências Biológicas Licenciatura, bolsista

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UFRN A PARTIR DAS DISSERTAÇÕES E PERFIL DOS EGRESSOS

O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UFRN A PARTIR DAS DISSERTAÇÕES E PERFIL DOS EGRESSOS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA

Leia mais

SEM AULAS? E AGORA?... JOGOS MATEMÁTICOS COMO ESTRATÉGIA DE VALORIZAÇÃO DO AMBIENTE ESCOLAR

SEM AULAS? E AGORA?... JOGOS MATEMÁTICOS COMO ESTRATÉGIA DE VALORIZAÇÃO DO AMBIENTE ESCOLAR SEM AULAS? E AGORA?... JOGOS MATEMÁTICOS COMO ESTRATÉGIA DE VALORIZAÇÃO DO AMBIENTE ESCOLAR Eliane Santana de Souza 1 - UEFS annystar_@hotmail.com Nadson de Jesus Lima 2 -UEFS nado_19jl@hotmail.com Orientadora:

Leia mais

Luzinete André dos Santos LER, INTERPRETAR E PRATICAR A MATEMÁTICA

Luzinete André dos Santos LER, INTERPRETAR E PRATICAR A MATEMÁTICA Luzinete André dos Santos LER, INTERPRETAR E PRATICAR A MATEMÁTICA Iraquara Bahia 2006 Luzinete André dos Santos LER, INTERPRETAR E PRATICAR A MATEMÁTICA Projeto de Intervenção Pedagógica a Faculdade de

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI

A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI A PERCEPÇÃO DE GRADUANDOS EM PEDAGOGIA SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR EM UMA FACULDADE EM MONTE ALEGRE DO PIAUÍ - PI Kássia Hellem Tavares da Silva (*), Lorrane de Castro Miranda, Israel

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO

A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A APRENDIZAGEM DO ALUNO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO DE CASO Alexsandra Magne Rubino

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE

A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DOCENTE Raquel Silva Borges, Bolsista PET (Re) Conectando Saberes - UFU Ana Paula de Assis, Bolsista PIBID- Subprojeto

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE

O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE 1 O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO NÃO FORMAL NA MODALIDADE A DISTÂNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA DA UFRPE Recife, maio/2010 Ana Paula Teixeira Bruno Silva Universidade Federal

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM TECNOLOGIAS: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE UM GRUPO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM TECNOLOGIAS: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE UM GRUPO DE FORMAÇÃO CONTINUADA O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM TECNOLOGIAS: UM ESTUDO COM PROFESSORES DE UM GRUPO DE FORMAÇÃO CONTINUADA GT 06 Formação de professores de matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PIAIA, Thaís; RICHTER, Luciana Iniciação Científica - Curso de Ciências Biológicas financiado pelo Programa PEIPSM/UFSM Universidade Federal de Santa

Leia mais

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias Denice Aparecida Fontana Nisxota MEMEGAIS 1 denice@unemat.br, Adriana Cristina da SILVA 2 crystinaadri@hotmail.com Cleyton Borges dos SANTOS 3 cleyton.borges@gmail.com

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DO PIBID BIOLOGIA NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: RELATO DE EXPERIÊNCIA José Carlos da Silva Souza (1), Kélvia Vieira dos Santos (2), Maria

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES

A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES A GESTÃO ESCOLAR SOB O PONTO DE VISTA PEDAGÓGICO: A COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA E A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES TAMASSIA, Silvana Ap. Santana Pontifícia Universidade Católica- PUC/SP Esta pesquisa busca

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) ANEXO 8 RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE GUARULHOS SUL DISCUSSÃO

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE GUARULHOS SUL DISCUSSÃO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE GUARULHOS SUL DISCUSSÃO Metas e Estratégias Consolidação a partir do documento do FEESP com contribuições da SEESP e CEESP

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CNE/CP 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2002 (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PROPOSTA PARA (RE)CONSTRUÇÃO DOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Vitória Junho de 2003 ELEMENTOS NORTEADORES O Projeto Pedagógico de Curso explicita os fundamentos teóricometodológicos, os

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade.

Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade. Turismo em Análise, v.20, n.3, dezembro 2009 578 Relato de Grupo de Pesquisa: Pesquisa, Educação e Atuação Profissional em Turismo e Hospitalidade. Alexandre Panosso Netto 1 Karina Toledo Solha 2 Marcelo

Leia mais

A PRÁTICA DE COMPONENTE CURRICULAR NAS LICENCIATURAS

A PRÁTICA DE COMPONENTE CURRICULAR NAS LICENCIATURAS 1 A PRÁTICA DE COMPONENTE CURRICULAR NAS LICENCIATURAS RIBEIRO, Zenilda Lopes UFMT- Campus Universitário do Araguaia zenildalr@hotmail.com INTRODUÇÃO A licenciatura é uma permissão dada por uma autoridade

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR POLÍTICAS E PRÁTICAS DE INCLUSÃO ESCOLAR NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO DA UERJ: IMPACTOS SOBRE A CULTURA ESCOLAR Amanda Carlou; Suzanli Estef; Cristina Mascaro Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ carlou.amanda@gmail.com,

Leia mais

No. 034113. Linha de Pesquisa : Estrutura de Renda e Orçamento Familiar TITULO. Resumo

No. 034113. Linha de Pesquisa : Estrutura de Renda e Orçamento Familiar TITULO. Resumo No. 034113 Linha de Pesquisa : Estrutura de Renda e Orçamento Familiar TITULO "ISEP - Índice de Sharpe Escolar a Partir da Prova Brasil: Criação e Estudo". Resumo Criado em 1990, o Saeb é um sistema de

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação 1 APRESENTAÇÃO O financiamento da educação superior pública constitui-se num dos

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1 AYRES, Sandra Regina Braz; MILANESI, Irton; MILHOMEM, André Luiz Borges. Formação Docente: Uma reflexão sobre o uso das TIC no desenvolvimento de projetos de aprendizagem. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

UM ESTUDO SOBRE O USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA UM ESTUDO SOBRE O USO PEDAGÓGICO DAS TECNOLOGIAS EM CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOUZA, Jediane Teixeira de SEE-SP jediane.teixeira@terra.com.br MANRIQUE, Ana Lúcia PUC/SP manrique@pucsp.br Área

Leia mais

ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ENTENDENDO A RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Ana Paula Moreira Sousa 1 RESUMO: Este trabalho tem o intuito de divulgar, no campo científico, uma pesquisa

Leia mais

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS VIEIRA, Débora Cristina de Oliveira PUCPR mmdvieira@hotmail.com MARTINS, Pura Lúcia Oliver - PUCPR Pura.oliver@pucpr.br Eixo Temático: Didática: Teorias,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais