X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010"

Transcrição

1 PRODUTOS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE MATEMÁTICA - UMA FERRAMENTA AUXILIADORA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Naara Priscila Soares da Silva Universidade Federal de São Carlos UFSCar Resumo: Com base no projeto de pesquisa Produtos educacionais no Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática: itinerários de desenvolvimento e implementação, a partir da rede de pesquisa participante Escola-Universidade, propõe-se um estudo dos itinerários de desenvolvimento dos produtos educacionais presentes no ensino brasileiro e dos nossos próprios produtos em meio a uma rede de pesquisa participativa. Objetiva-se analisar a utilização de produtos educacionais no processo de ensino e aprendizagem, com a intenção de fazer um levantamento estatístico sobre o uso destes, pelos professores da cidade de São Carlos. Em vista do questionamento da eficácia desses produtos educacionais, é descrita a metodologia de cálculo do Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (IDESP), apontando-se a articulação que existe entre este cálculo e a avaliação de conteúdos que seriam aprendidos pelos alunos mediante avaliações escritas (SARESP). Também são analisados dados do INEP referentes à adoção de livros e outros produtos educacionais no contexto nacional e da região Sudeste. Finalmente investiga-se a autonomia docente na elaboração e implementação de tais produtos na sala de aula. Palavras-chave: Produto Educacional; Rede de Pesquisa; Ensino de Matemática. 1. INTRODUÇÃO AO PROBLEMA É nítido o crescimento constante da diversidade de recursos didáticos a serem utilizados pelos professores. Nesse contexto, a figura do professor, ao se valer unicamente do método tradicional, quadro negro e giz, como instrumento de ensino poderia vir a ser posta em segundo plano. Mas procede tal expectativa? O trabalho tratará do uso de produtos educacionais no ensino, baseados em dados fornecidos por órgãos oficiais, dentre eles a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (SEESP) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), a fim de compreender as relações existentes (ou não) entre o uso dos produtos e a melhoria do ensino e da aprendizagem. 1

2 Para tanto, faremos uma análise estatística de alguns dados acerca da utilização de recursos pedagógicos pelos professores da Educação Básica, com especial atenção naqueles que ensinam Matemática. De outro lado, nos proporemos a compreender a política pública adotada pelo atual governo do estado de São Paulo, que tem atrelado a melhoria dos índices do ensino à utilização do material escrito destinado aos estudantes na forma de apostilas. O presente trabalho será concebido e realizado em conformidade com pesquisas desenvolvidas ao longo dos anos de 2009 e 2010, a partir do projeto intitulado: Produtos educacionais no Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas e de Matemática: Itinerários de desenvolvimento e implementação, a partir da rede de pesquisa participante escola universidade vinculado ao Observatório da Educação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Participam do projeto, docentes da UFSCar, professores do ensino básico, pós-graduandos do Mestrado Profissional e licenciandos, todos eles pertencentes às áreas de Física ou Matemática. Não serão visadas conclusões em caráter definitivo, uma vez que os dados apresentados e a análise dos mesmos destinam-se ao subsídio de outras ações de pesquisa que ocorrerão no âmbito do projeto Observatório da Educação/CAPES UFSCar durante o período PRODUTOS EDUCACIONAIS Considerando as inúmeras classes que os produtos educacionais podem assumir vamos discutir algumas delas, da maneira mais breve possível O LIVRO DIDÁTICO O livro texto vem sendo utilizado praticamente desde que o ensino de ciências, dentre elas a Matemática, se disseminou na educação e tornou-se componente obrigatório do currículo escolar em diversos países do mundo. A discussão de como se implementar os produtos educacionais na educação formal não é recente. E ela não é exclusividade do Brasil. Diversas iniciativas nesse campo foram postas em prática, em certos períodos mais intensivamente do que em outros, por motivos 2

3 de caráter político, econômico e/ou outros que influenciaram positiva ou negativamente o desempenho dos projetos de ensino. Podemos considerar o livro didático a forma clássica do produto educacional. De fácil acesso, permite ao educador ter relativo controle sobre o conteúdo abordado em suas aulas, contém exercícios que a princípio deveriam ser elaborados pelo professor, fornecendo-lhe mais mobilidade para outras atividades a serem desenvolvidas em classe. E, com o ensino de Matemática não poderia ser diferente. O uso dos mesmos muitas vezes esteve vinculado a projetos educacionais elaborados por centros de pesquisa de universidades. Projetos estes tal como o Projeto Curricular da Rede Oficial de Ensino de São Paulo (2008), vinculado à SEESP, não corresponde ao uso do livro didático explicitamente, mas também propõe mudanças no currículo a partir de um produto educacional similar: apostilas. Aos professores de todas as áreas do conhecimento da rede pública estadual de ensino de São Paulo, foram distribuídas, desde 2008, edições bimestrais de apostilas, contendo sugestões de como se dariam as atividades na sala de aula. A partir de 2009, os alunos também passaram a receber as apostilas. A proposta está fundamentada nas idéias contidas nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) onde a criação de habilidades e competências dos alunos é o objetivo principal, diferente da perspectiva tradicional, onde a quantidade de conteúdos adquiridos é uma referência significativa no momento de se avaliar e julgar se determinado ensino é eficaz. Diferentemente da proposta dos PCN, a SEESP oficializou uma proposta curricular e atrelou a sua execução à utilização das apostilas pelos professores OUTROS PRODUTOS EDUCACIONAIS MAIS UTILIZADOS: Podemos citar também outros produtos que fazem parte das práticas de ensino de Matemática na Educação Básica: as atividades experimentais, a utilização de mídias como computador (com os softwares educativos devidamente instalados), jornais e/ou revistas, retroprojetor, datashow (canhão de luz), brinquedos etc. 1.2 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ENSINO NO ESTADO DE SÃO PAULO: ÍNDICE IDESP 3

4 Ao lado de iniciativas que apostam na adoção do material apostilado como produto educacional privilegiado, a SEESP tem adotado metodologias para a medição da qualidade do ensino oferecido pelas escolas públicas estaduais de São Paulo. No Brasil, a questão do acesso está praticamente resolvida, uma vez que quase a totalidade das crianças ingressa no sistema educacional. Porém o problema ainda reside nas altas taxas de repetência e na elevada proporção de adolescentes que abandonam a escola sem concluir a educação básica (FERNANDES, 2007), em suma na qualidade do ensino. No momento, diversas ações de se medir a qualidade do ensino vêm sendo empreendidas, dentre elas, o IDEB, Índice de Desenvolvimento da Educação Básica e a Prova Brasil, ambos vinculados ao Ministério da Educação (MEC). No Estado de São Paulo, iniciativas semelhantes estão em curso, dentre elas o Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP). Os conteúdos desta avaliação eram, originalmente, Matemática e Língua Portuguesa. A partir de 2008, passaram a ser avaliados outras áreas do conhecimento, dentre elas, as Ciências. Outro sistema de avaliação existente em São Paulo é o Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo (IDESP). Nele, ao invés de se avaliar individualmente o aluno, sua proposta está em medir, por meio de parâmetros préestabelecidos pela SEESP, a qualidade do ensino oferecido pela escola. No ano de 2008, a SEESP divulgou o resultado do IDESP de 2007 das turmas de 4ª e 8ª séries do Ensino Fundamental (EF) e a 3ª série do Ensino Médio (EM). Levam-se em conta dois parâmetros na aferição do índice: os denominados Índices de Desempenho (ID) e de Fluxo (IF). O primeiro toma como base o desempenho dos alunos no exame de proficiência do SARESP. Já o segundo se refere ao tempo que os alunos tiveram que aprender os conteúdos, isto é, ele está associado, entre outros fatores, como a repetência, por exemplo. O IDESP de cada escola é dado pela seguinte relação: IDESP = ID. IF (1) Vamos discutir separadamente cada um dos índices ÍNDICE DE DESEMPENHO (ID) Como dito anteriormente, esse parâmetro considera o desempenho dos estudantes de determinada escola, nos exames de Língua Portuguesa e Matemática no SARESP. A 4

5 partir da nota obtida, a SEESP criou níveis de proficiência em que os alunos podem eventualmente se enquadrar. São eles (IDESP): Abaixo do básico: Os alunos neste nível demonstram domínio insuficiente dos conteúdos, competências e habilidades requeridos para a série escolar em que se encontram; Básico: Os alunos neste nível demonstram desenvolvimento parcial dos conteúdos, competências e habilidades requeridos para a série escolar em que se encontram; Adequado: Os alunos neste nível demonstram desenvolvimento e domínio dos conteúdos, competências e habilidades requeridos para a série escolar em que se encontram; Avançado: Os alunos neste nível demonstram desenvolvimento e domínio dos conteúdos, competências e habilidades além dos requeridos para a série escolar em que se encontram; A defasagem (def js ) de cada componente curricular é dada pela distribuição dos níveis de proficiência dos alunos de acordo com a seguinte expressão: Onde os índices j e s se referem, respectivamente, a componente curricular e a etapa de escolarização; Ab, B, Ad e Av representam os quatros níveis de proficiência acima descritos. Pela equação (2), vemos que a defasagem aumenta conforme o desempenho Ab do SARESP por parte dos alunos de uma determinada escola também aumenta. O caso oposto ocorre quando a proporção de alunos com conceito Av é maior. O ID de cada componente curricular é crescente e varia numa escala de zero, que corresponde a uma defasagem é igual a três, até 10, quando a defasagem é nula. Com essas informações, é possível afirmar que o ID é dado por: O Índice de Desempenho geral obtido pela escola é dado pela média aritmética entre os IDs de cada componente curricular e etapa de escolarização: Onde ID LP representa o índice de desempenho de Língua Portuguesa e ID M o índice de desempenho de Matemática ÍNDICE DE FLUXO (IF) 5

6 A taxa média de aprovação dos alunos em cada etapa final de escolarização, coletada pelo Censo Escolar, corresponde ao parâmetro em que mede o Índice de Fluxo (IF). Matematicamente, o IF pode ser expresso da seguinte maneira: Na equação (5) temos que A i corresponde à taxa de aprovação na i-ésima série em que o aluno se encontra e n se refere ao número de séries presentes na etapa de escolarização do aluno CRITÉRIO PARA O ALCANCE DE METAS NO IDESP Como parte de um processo de avaliação para medir a qualidade do ensino dado pelas escolas da rede estadual, apenas a nota do IDESP de 2008 não bastaria para demonstrar a real situação do ensino. Para analisar a evolução das escolas, a SEESP estipulou metas a serem cumpridas pelas instituições escolares. Considerando que a utilização do material apostilado tem sido uma das principais ações da SEESP para a melhoria da qualidade de ensino, espera-se que ela tenha impacto positivo nas notas obtidas no SARESP e, portanto, nos índices de desempenho (ID) e de fluxo (IF). Ao lado do acompanhamento de professores que atuam nas escolas públicas estaduais de São Paulo, estaremos monitorando os índices IDESP das escolas localizadas na área de alcance do projeto Observatório da Educação/CAPES-UFSCar, com especial atenção para aquelas que participam do PIBID-UFSCar. 1.3 A CONTRIBUIÇÃO DO MESTRADO PROFISSIONAL NA VEICULAÇÃO DO PRODUTO EDUCACIONAL As tentativas em se buscar a melhoria do ensino de Matemática, foram e ainda são frutos de inúmeras discussões. Iniciativas como as do IDESP, anteriormente citado nesse trabalho, refletem a preocupação na qualidade da educação oferecida à população, mesmo que às vezes, esses sistemas de avaliação não estejam totalmente desprovidos de qualquer intenção política, ou ideológica de gestão (tanto pública quanto privada). Assim como nas últimas décadas o grande centro de discussão na área de ensino é a formação do estudante, 6

7 acreditamos que agora esse fator foi eclipsado pela formação continuada do professor. E quando se trata do professor de Matemática, essa discussão é muito mais intensa, sendo que o interesse por parcela significativa da população em se formar como cientista ou professor vem caindo drasticamente. O fluxo de produtos educacionais para o ensino de Matemática sempre esteve (em sua maior parte) direcionado desde os centros de ensino e pesquisa, desenvolvedores desses produtos, para os professores. Esses últimos, por sua vez, aplicariam os produtos educacionais nas suas práticas de ensino. Ou seja, os professores apenas executam idéias oriundas das universidades. Não elaboram o produto educacional que utilizam em sala de aula. Mas a ação reflexiva do professor, perante essa avalanche de produtos, é de certa maneira posta em segundo plano. Para romper com esse processo, é que foi criado o Mestrado Profissional no ensino de Ciências, na UFSCar. Em particular, o Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências Exatas (PPECE) da UFSCar, tem como um dos objetivos ( O perfil do profissional a ser formado é de um professor (...) que tenha espírito investigativo que possa buscar meios e métodos para melhoria de sua própria atuação profissional, e que possa produzir e disseminar conhecimentos e materiais para efetiva melhoria na qualidade de ensino ( ) Percebe-se, a partir da leitura desse trecho, uma mudança de paradigma quanto à prática do professor em sala de aula e a sua autonomia com respeito ao como ensinar. No texto Investigando o produto educacional participativo no mestrado profissional (vários autores, p.11) é dito que: (...) para fazer uso de inovações educacionais, (o professor) precisa estar inserido numa cultura participativa, onde ele seja protagonista na elaboração e implementação dos produtos educacionais de que irá dispor. A simples criação de novos instrumentos e técnicas de ensino aprendizagem para que estas sejam de pronto adotadas pelo professor parece, portanto, não surtir o efeito desejado, caso este não se configure como sujeito deste processo. Percebe- se que nos encontramos no paradigma do hands on (mãos na massa) direcionado aos docentes e às suas práticas 7

8 2. OBJETIVO GERAL O presente trabalho tem como principal objetivo investigar a utilização por professores da Educação Básica de produtos educacionais no ensino de matemática, nas escolas públicas do município de São Carlos, com especial atenção para aquelas que participam do PIBID-UFSCar, contribuindo assim na fase de planejamento e tomada das decisões da rede de investigação participativa (Observatório da Educação/CAPES-UFSCar) quanto aos produtos pedagógicos a serem desenvolvidos pelos professores. 2.1 QUESTÕES DE INVESTIGAÇÃO Temos como objetivos específicos, responder as seguintes questões: O que são produtos educacionais? Que uso os professores das escolas de São Carlos que lecionam Matemática fazem dos produtos educacionais? Que uso as políticas públicas atuais tem feito dos produtos educacionais que por ventura tenham sido elaborados pelos professores que lecionam Matemática, particularmente na cidade de São Carlos? 3. METODOLOGIA O trabalho será orientado tendo como eixo a utilização dos produtos educacionais. A pesquisa envolve a análise de eventos quantitativos e qualitativos. A realização do projeto será da seguinte forma: Levantamento bibliográfico a partir do tema escolhido; Elaboração da problemática e das justificativas que levaram à escolha do tema; Estudo e análise do material selecionado no levantamento bibliográfico para o refinamento que resultará na bibliografia a ser utilizada na pesquisa; Levantamento, através de entrevistas semi-estruturadas (FIORENTINI, 2006), dos produtos educacionais efetivamente em uso nos ensinos de matemática, pelos professores da educação básica, na cidade de São Carlos, priorizando aqueles que lecionam nas escolas que participam do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID UFSCar; 8

9 Levantamento de pesquisas realizadas sobre a utilização de produtos educacionais, projetos de ensino, inovações didáticas, etc. 4. RESULTADOS ESPERADOS O Ensino de Matemática, assim como o de outras disciplinas, propicia uma gama imensa de aplicação de recursos e produtos educacionais. Porém, a qualidade da educação no Brasil segue precária. Isso pode ser averiguado, no caso do estado de São Paulo, pelo índice IDESP (SILVA, 2009) de algumas escolas públicas de São Carlos, após termos apresentado a metodologia de cálculo desses índices. A simples presença do produto educacional, como por exemplo, livros didáticos, software etc no ambiente escolar parece não ser suficiente para que os estudantes aprendam Matemática, já que em muitas vezes o professor não os utiliza (como no caso do computador nas escolas privadas brasileiras e do Sudeste, por exemplo) (SILVA, 2009). Certamente, existem inúmeras causas para a não utilização desses produtos. É importante destacar a formação dos professores, em particular os de Matemática, dado que a situação é realmente preocupante uma vez que, ou não há profissionais atuantes ou os que atuam não possuem formação específica na área de ensino de Matemática. Por outro lado, a redução das políticas públicas de melhoria da qualidade de ensino à utilização de produtos educacionais do tipo livro ou apostila se mostra inadequada, uma vez que os dados do INEP (SILVA, 2009) mostraram que os mesmos já fazem parte da rotina diária dos professores sem que haja constante melhora na aprendizagem dos alunos. Nossa perspectiva é de que a evolução dos dados do IDESP, nos próximos anos, releve a insuficiência da política de melhoria do ensino adotada, atualmente, pela SEESP. Acredita-se que a criação da rede participativa entre os educadores, apostando na autonomia docente e elaboração de atividades de ensino (Moura, 2001) é parte integrante dessa formação e, possibilitando a criação de produtos educacionais que vão além dos originalmente constituídos por terceiros e aplicados (ou não) pelos professores. 5. CRONOGRAMA DE TRABALHO Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Escolha do tema X Levantamento bibliográfico X X X X X 9

10 Elaboração da justificativa X Elaboração do problema X Estudo e análise da bibliografia X X X X X X X X X Levantamento dos produtos educacionais em uso X X X X X (entrevistas) Levantamento de pesquisas, projetos de ensino, inovações X X X X didáticas, etc. Transcrição das entrevistas X X X X X X Análise dos dados coletados X X X X X X Participação em grupo de pesquisa X X X X X X X X X Participação em eventos X X X X X Redação do Relatório Final X X X X X X 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP. Disponível em: Ultimo Acesso em: 12/mar BRASIL. Ministério da Educação MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais PCN. Disponível em: Ultimo Acesso em: 12/mar BRASIL. Nota Técnica do Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo (IDESP). Disponível em: Ultimo acesso em 05/mar BRASIL. Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências Exatas (PPECE) da UFSCar. Disponível em: Ultimo acesso em 19/mar BRASIL. Secretaria do Estado da Educação, Saresp Disponível em: Ultimo acesso em: 12/mar BALKINS, M; CARDINAL, M. R.; ESTEFEN, F. A.; GARCIA, D.; LEODORO, M. P.; OLIVEIRA, N.; PALOMINO, R. C.; SILVA, O. Investigando o Produto Educacional 10

11 Participativo no Mestrado Profissional. Trabalho apresentado no X Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores. Disponível em: Ultimo acesso em 19/mar FERNANDES, R. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, FIORENTINI, D; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: Percursos Teóricos e Metodológicos. Campinas, SP, Autores Associados, MOURA, M.O. - A atividade de ensino como ação formadora in Ensinar a ensinar. São Paulo, Pioneira Thmson Learning, 2001 PALOMINO, R. C. Análise estatística de dados do INEP sobre a correlação entre o perfil profissional dos professores brasileiros que atuam na educação básica e a busca por formação continuada e inovação educacional: uma contribuição ao mestrado profissional. Monografia de Conclusão de Curso submetida ao Departamento de Física da UFSCar, SILVA, O. B. A utilização de produtos educacionais no ensino de Física um tratamento estatístico. Monografia de Conclusão de Curso submetida ao Departamento de Física da UFSCar,

Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail:

Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail: Aluno/ a: Naara Priscila Soares da Silva E-mail: naara_soares@yahoo.com.br Orient ador/ a: Profaº. Draº. Maria do Carmo de Sousa E-mail: mdcsousa@ufscar.com.br Departamento de Metodologia de Ensino Com

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms.

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. FUNDAÇÃO UNIVERSITARIA FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. Autores: Prof. Paulo Alexandre Oliveira Acad.

Leia mais

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 Em que contexto de gestão estão inseridos os usos de seus resultados? Nível

Leia mais

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Proposta Edital nº. 61/2013 Número da proposta 128395 ID Projeto - UFU Instituição de Ensino Superior Nome UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA/UFU Código INEP 17 CNPJ 25.648.387/0001-18 Categoria administrativa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR A INFORMÁTICA E A MÍDIA IMPRESSA: COMO ELAS PODEM Prudentópolis 2013 MARIA MAZUR A INFORMÁTICA

Leia mais

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1 ES R O D A C I D N I 2 O X E N A EDUCACIONAIS 1 ANEXO 2 1 APRESENTAÇÃO A utilização de indicadores, nas últimas décadas, na área da educação, tem sido importante instrumento de gestão, pois possibilita

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO MONIKE CRISTINA SILVA BERTUCCI Universidade Federal de São Carlos mobertucci@yahoo.com.br RESUMO Este artigo relata uma

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal Klêffiton Soares da Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Norte kleffitonsoares@yahoo.com

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Cenpec Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas. Projeto Equidade e políticas de melhoria da qualidade da educação: os casos do Acre e Ceará

Cenpec Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas. Projeto Equidade e políticas de melhoria da qualidade da educação: os casos do Acre e Ceará Cenpec Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas Projeto Equidade e políticas de melhoria da qualidade da educação: os casos do Acre e Ceará Introdução Estudos desenvolvidos pelo Cenpec a partir do exame

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA -PIBID-FAAT Projeto Institucional - Faculdades Atibaia FAAT Parceria entre o Ensino Superior e a Escola Pública na formação inicial e continuada

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO-GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES PARA

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

PRODUTOS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE MATEMÁTICA - UMA FERRAMENTA AUXILIAR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

PRODUTOS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE MATEMÁTICA - UMA FERRAMENTA AUXILIAR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM PRODUTOS EDUCACIONAIS NO ENSINO DE MATEMÁTICA - UMA FERRAMENTA AUXILIAR NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Naara Priscila Soares da Silva (naara_soares@yahoo.com.br) UFSCar - Matemática Graduação Profª.

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: TRABALHO DOCENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DA JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS DOS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA PAULISTA RESUMO O cenário atual do trabalho

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA

ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA ITINERÁRIOS DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Chrystian Fernando Araújo BORGES - IME/UFG cborges@mat.grad.ufg.br; Wellington Lima CEDRO - IME/UFG

Leia mais

GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO

GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO GESTÃO DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL E INDICADORES DE DESEMPENHO: CASO DA REDE MUNICPAL DE ENSINO DE ESTEIO Autoras: Elisane Cristina Kolz Rieth Lisandra Schneider Scheffer Marilan de Carvalho Moreira Observatório

Leia mais

ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007. Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes)

ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007. Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes) ANEXO AO EDITAL DE SELEÇÃO Nº 008 /2007 Projeto I - Capacitação de Professores de Educação Pré-Secundária e Secundária (Procapes) MODALIDADE /ÁREA VAGAS REQUISITOS PARA A CANDIDATURA ATIVIDADES A SEREM

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA QUIMICA AMBIENTAL NO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO DO LITORAL NORTE: UMA AVALIAÇÃO DA COMPREENSÃO DOS ALUNOS

IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA QUIMICA AMBIENTAL NO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO DO LITORAL NORTE: UMA AVALIAÇÃO DA COMPREENSÃO DOS ALUNOS IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA QUIMICA AMBIENTAL NO CURSINHO PRÉ-UNIVERSITÁRIO DO LITORAL NORTE: UMA AVALIAÇÃO DA COMPREENSÃO DOS ALUNOS PINHEIRO 1, Sara Maria Gomes FARIAS 2, Josymara Trajano MOURA 3, Luiza

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. Gestão Democrática Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade Gestão Democrática Diagnóstico Em agosto de 2002, o Fórum de Educação da Zona Leste promoveu o 2º seminário Plano Local de Desenvolvimento Educativo. Realizado no

Leia mais

Curso de Especialização em INFORMÁTICA E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO

Curso de Especialização em INFORMÁTICA E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO Curso de Especialização em INFORMÁTICA E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Ensino de Informática e Comunicação

Leia mais

Programa Ler e Escrever. Apresentação

Programa Ler e Escrever. Apresentação Programa Ler e Escrever Apresentação Mais do que um programa de formação, o Ler e Escrever é um conjunto de linhas de ação articuladas que inclui formação, acompanhamento, elaboração e distribuição de

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos

CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos CONTRIBUIÇÕES DO USO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA O ENSINO- APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA: a visão dos alunos Marli Fátima Vick Vieira 1 ; Gicele Vieira Prebianca 2 ; Tháfila Krum de

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES

UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 UM RETRATO DAS MUITAS DIFICULDADES DO COTIDIANO DOS EDUCADORES Claudia Davis: É preciso valorizar e manter ativas equipes bem preparadas

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais Avaliar é... Emitir juízo de valor sobre algo. Avaliação Econômica é... Quantificar o impacto e o retorno econômico de um projeto, com base em

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Fórum Estadual da Undime MA Gabriela Moriconi Diretoria de Estudos Educacionais INEP A Prova Docente: Breve Histórico O potencial dos concursos

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO

Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO Curso de Especialização em ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL E PRÁTICAS DE SUPERVISÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Orientação Educacional e Práticas

Leia mais

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (IDEB): METAS INTERMEDIÁRIAS PARA A SUA TRAJETÓRIA NO BRASIL, ESTADOS, MUNICÍPIOS E ESCOLAS

ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (IDEB): METAS INTERMEDIÁRIAS PARA A SUA TRAJETÓRIA NO BRASIL, ESTADOS, MUNICÍPIOS E ESCOLAS ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (): METAS INTERMEDIÁRIAS PARA A SUA TRAJETÓRIA NO BRASIL, ESTADOS, MUNICÍPIOS E ESCOLAS Reynaldo Fernandes O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb):

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas

Avaliação da Educação Básica no Brasil. Avaliação Educacional no Brasil Década de 90. Questões Básicas Avaliação da Educação Básica no Brasil Maria Inês Fini Slide 1 Avaliação Educacional no Brasil Década de 90 Estruturação e Desenvolvimento dos Sistemas de Avaliação e de Informação da Educação Básica e

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Curso de Especialização em TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Curso de Especialização em TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Curso de Especialização em TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Tutoria em Educação a Distância. OBJETIVO

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA e AÇÕES DO PACTO Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa É um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados

Leia mais