Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007"

Transcrição

1 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão de fomentar, promover e liderar a cooperação entre as bibliotecas da U.Porto para melhorar a qualidade global dos serviços prestados, contribuindo assim para um incremento da qualidade e competitividade do ensino/aprendizagem e investigação. Para que isso seja uma realidade é necessário continuar: - A promover a construção de um novo modelo de biblioteca universitária concebida como parte activa e essencial de um sistema de recursos para o ensino/aprendizagem e investigação, de acordo com o primado de excelência e qualidade da U.Porto e com uma economia integrada de recursos; - A potenciar o desenvolvimento das novas tecnologias da informação e comunicação nas bibliotecas, apoiando a sua implementação e manutenção; - A incentivar a utilização dos recursos electrónicos de informação dando acesso a um conjunto de produtos e fontes de informação científica em formato electrónico, dotando os utilizadores de ferramentas que permitam a recuperação de informação pertinente; - A incrementar o nível de formação profissional dos bibliotecários melhorando o nível de conhecimento no acesso aos novos recursos de informação por parte dos utilizadores. B. Recursos Humanos e Estrutura do Serviço Para conseguir uma melhor articulação do serviço foi reformulada a estrutura de serviço e atribuídas funções distintas a cada um dos colaboradores da BVUP: Clara Macedo À Direcção do Serviço, compete: 1) Definir os objectivos de actuação do serviço que dirige, tendo em conta os objectivos gerais estabelecidos pela U.Porto; 2) Orientar, controlar e avaliar o desempenho e a eficiência dos serviços prestados, com vista à execução dos planos de actividades e à prossecução dos resultados obtidos e a alcançar; 1

2 3) Garantir a coordenação das actividades e a qualidade técnica da prestação dos serviços na sua dependência; 4) Gerir com rigor e eficiência os recursos humanos, patrimoniais e tecnológicos afectos ao seu serviço, optimizando os meios e adoptando medidas que permitam simplificar e acelerar procedimentos e promover a aproximação à comunidade que serve. Augusto Ribeiro Ao Coordenador dos Sistemas de Informação das Bibliotecas da U.Porto compete: 1) Coordenar e gerir os sistemas de informação das bibliotecas da U.Porto: Gerir e manter o sistema ALEPH; Gerir e manter o sistema Metalib; Apoiar a aquisição de hardware nas bibliotecas e centros de documentação de acordo com as especificidades destas; Gerir a aquisição de software para tratamento documental; Apoiar as tomadas de decisão na contratação de bases de dados documentais, garantindo que reúnem os requisitos técnicos necessários; Manter um observatório das soluções informáticas disponíveis para as bibliotecas e centros de documentação. 2) Coordenar suporte aos sistemas de informação das bibliotecas: Apoiar os utilizadores na utilização dos sistemas (ALEPH, Metalib, EndNote, outros); Parametrizar e configurar os sistemas (ALEPH, Metalib, outros); Integração dos sistemas de informação das bibliotecas e centros de documentação com sistemas externos. 3) Coordenação da formação nos sistemas existentes: Manter um observatório das formações em sistemas nesta área; Apoiar a criação de cursos; Criar manuais de utilização; Realizar formações específicas nestes sistemas. Manuel Montenegro Ao Responsável pelo Observatório de Recursos e Formação compete: 1) Manter um observatório de recursos, produtos e serviços de informação em formato electrónico, nas diferentes áreas disciplinares; 2

3 2) Produzir conteúdos de informação e formação para os recursos de informação disponíveis na U.Porto e de ferramentas para a sua divulgação; 3) Planear formação para utilizadores, pessoal interno e público externo à U.Porto no âmbito da área de documentação e informação, em articulação com o serviço de Formação e Organização Académica. C. Objectivos do Serviço para ) Fomentar, promover e liderar a cooperação entre as bibliotecas da U.Porto. 2) Potenciar o uso das novas tecnologias da informação e comunicação nas bibliotecas da U.Porto. 3) Permitir e incentivar o acesso electrónico a recursos de informação multidisciplinar e de qualidade. 4) Disponibilizar acções de formação de técnicos de bibliotecas e de utilizadores. 5) Promover e representar a nível nacional e internacional as bibliotecas da U.Porto. D. Acções a Realizar em 2007 Para atingir os objectivos definidos para o serviço foram previstas as seguintes acções a desenvolver durante o ano: 1) Coordenar as bibliotecas da U.Porto, fomentando, promovendo e liderando a cooperação, partilha e funcionamento uniformizado de todas as bibliotecas para melhorar a qualidade dos serviços prestados: Realizar reuniões periódicas, especificas e técnicas com os responsáveis das bibliotecas, para tomar conhecimento das necessidades de cada biblioteca, apresentar directivas e nomear grupos de trabalho em áreas específicas de modo a conseguir uma harmonização de procedimentos onde estejam envolvidos profissionais de todas as unidades orgânicas, departamentos e unidades de investigação; Manter o portal da Biblioteca Virtual devidamente actualizado para que este seja o ponto principal de acesso a toda a informação disponível nas bibliotecas da U.Porto; Manter um serviço constante de apoio técnico, logístico e personalizado aos bibliotecários, técnicos de biblioteca e utilizadores; 3

4 Elaborar regulamentos que promovam a uniformização do funcionamento das bibliotecas da U.Porto facilitando a circulação dos utilizadores e a implementação de projectos comuns que garantam a interoperabilidade dos sistemas existentes; Implementar o acesso aos utilizadores da U.Porto fora do campus, conseguindo articular a validação no sistema SIGARRA com os imperativos colocados por fornecedores e produtores de informação; Manter a colaboração e cooperação com todos os serviços da U.Porto, principalmente com os serviços da Reitoria/IRIC para rentabilizar e evitar duplicações de esforços e recursos. 2) Projecto ALEPH Implementação, parametrização e manutenção do sistema integrado para gestão de bibliotecas: Realizar reuniões específicas e técnicas para tomar conhecimento das necessidades de cada biblioteca tendo em vista a normalização dos processos de utilização do sistema, harmonizando as diferentes instalações para uma melhor interoperabilidade do catálogo comum da U.Porto; Garantir a implementação dos processos de segurança e do bom funcionamento do sistema; Parametrizar o sistema e alterar o padrão de imagem e documentos de acordo com as especificidades indicadas pelas diferentes bibliotecas; Acompanhar a evolução do sistema e participar nas reuniões que possam influenciar o seu desenvolvimento; Promover acções de formação específicas para a boa utilização do sistema; Criar soluções que facilitem a interacção dos utilizadores com o sistema de gestão integrada de bibliotecas; Planear, acompanhar e apoiar a execução do processo de upgrade para a versão 18 do sistema ALEPH. 3) Projecto Metalib: Implementar, parametrizar e manter o portal de pesquisa federada em todos os recursos acessíveis na U.Porto; Configurar os recursos disponíveis na U.Porto para que possam ser pesquisáveis a partir deste portal; 4

5 Desenvolver código que permita a recuperação de informação a partir de recursos não considerados na solução base do sistema. 4) Repositório Institucional - Open Access: Colaborar com a Universidade Digital no projecto repositório aberto da U.Porto para a criação de um repositório institucional de publicações científicas na U.Porto; Estabelecer, divulgar e incentivar procedimentos para um depósito efectivo de documentos, em conjunto com todas as bibliotecas da U.Porto; Uniformizar formas de validação dos documentos em todas as bibliotecas da U.Porto; Desenvolver funcionalidades que possibilitem a interoperabilidade dos sistemas (ALEPH, METALIB, SIGARRA); Garantir a consistência da informação existente nos vários sistemas, SIGARRA, Aleph e Repositório, sem qualquer perda de funcionalidade relativamente à produção de relatórios e futuramente de indicadores de produção científica; Evitar que a criação de conteúdos neste Repositório não implique trabalho duplicado, tanto para os docentes e investigadores como para o pessoal das bibliotecas que valida a assegura a qualidade da informação registada. 5) Plataformas e aplicações de apoio aos utilizadores: Permitir o acesso a um conjunto de ferramentas que facilitem a exploração e organização dos recursos de informação disponíveis na U.Porto; Manter o software de gestão de referências bibliográficas (EndNote); Manter uma lista organizada das publicações periódicas acessíveis na U.Porto; Gerir centralmente a informação sobre publicações periódicas assinadas pelas diferentes bibliotecas quer em papel quer em formato electrónico. 6) Biblioteca do Conhecimento Online (B-On): Manter, gerir e negociar o protocolo com a FCCN para acesso aos produtos disponibilizados a nível do consórcio nacional; 5

6 Fazer com que alguns dos recursos assinados somente pela U.Porto passem a ser subscritos através do consórcio nacional na modalidade some-for-some; Participar nos grupos de trabalho B-On nos quais a BVUP está integrada, elaborando relatórios e documentos de análise dos conteúdos, mantendo o papel de liderança nas decisões a serem tomadas a nível de consórcio; Manter a parceria na formação B-On, realizando as acções e materiais de formação que sustentem o plano de formação proposto. 7) Acesso a conteúdos electrónicos de qualidade: Manter o acesso a todos os recursos electrónicos necessários ao ensino/aprendizagem e investigação aos utilizadores da U.Porto; Acompanhar o desenvolvimento do portal do IPQ para acesso às normas tendo em vista a criação de uma biblioteca online de normas; Iniciar acesso a livros em formato electrónico, promovendo a criação de uma biblioteca base de livros em formato electrónico. 8) Formação na área da informação e documentação: Elaborar um plano de formação para profissionais da informação e de utilizadores segundo as necessidades identificadas; Responder às solicitações das Unidades Orgânicas, Departamentos e Institutos de Interface, criando canais de comunicação directa com o utilizador final dos recursos de informação; Articular o plano de formação que supra as necessidades identificadas na comunidade externa, aproveitando o know-how e o prestígio da U.Porto, aumentando a visibilidade da instituição; Elaborar materiais de apoio às acções de formação e de autoaprendizagem, produzindo guias e tutoriais que facilitem o processo de ensino/aprendizagem. 9) Observatório de Recursos: Manter um observatório de recursos, produtos e serviços de informação electrónicos, nas diferentes áreas disciplinares, de modo a seleccionar os mais adequados e optimizar o investimento efectuado; Acompanhar a evolução dos produtos e serviços de informação existentes no mercado; 6

7 Testar e avaliar os produtos e serviços que possam satisfazer as necessidades de informação dos utilizadores da U.Porto; Elaborar relatórios e estatísticas que permitam avaliar a pertinência do uso dos produtos e serviços existentes numa óptica de custo/benefício. 10) Divulgação e Representação das Bibliotecas da U.Porto: Desenvolver acções que permitam dar a conhecer novos produtos e serviços existentes no mercado; Divulgar a nível nacional e internacional o trabalho desenvolvido pelas bibliotecas da U.Porto; Promover conferências e seminários para dar a conhecer novos recursos; Participar nos diferentes eventos a nível nacional e internacional para adquirir conhecimento sobre a evolução do mercado; Participar com comunicações em eventos divulgando o trabalho realizado a nível das bibliotecas da U.Porto. 7

Plano de Formação dos Recursos Humanos da U.Porto

Plano de Formação dos Recursos Humanos da U.Porto Plano de Formação dos Recursos Humanos da U.Porto 2006 Desenvolvimento Pessoal Balanced Scorecard - Traduzir Estratégia em Acção Desenvolvimento de Competências em Gestão Estratég. para Reforço dos Proc.

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Programas de Acção. Page 34

Programas de Acção. Page 34 Page 34 Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas Transposição do novo quadro regulamentar. Acompanhamento da implementação das novas estruturas organizacionais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

O Arquivo Municipal de Lisboa: modelos em prática Inês Morais Viegas

O Arquivo Municipal de Lisboa: modelos em prática Inês Morais Viegas O Arquivo unicipal de Lisboa: modelos em prática Inês orais Viegas I ntrodução: Os Arquivos constituem a memória de uma organização, qualquer que seja a sociedade, empresa ou instituição, a fim de suportar

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS Ano Lectivo 2006 / 07 O equipamento informático afecto ao Projecto será partilhado por vários

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC

MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC 30 Dossier Tic Tac Tic Tac MODERNIZAR E MELHORAR AS ESCOLAS ATRAVÉS DAS TIC Texto de Elsa de Barros Ilustração de Luís Lázaro Contribuir para o aumento do sucesso escolar dos alunos, equipando as escolas

Leia mais

REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL

REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL I - Natureza e funções do Centro de Recursos em Conhecimento Gaia Sul 1. O Centro de Recursos em Conhecimento Gaia Sul (CRC Gaia Sul), é uma unidade organizacional da responsabilidade

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

Serviço Integrado das Bibliotecas da Universidade de Coimbra. URL: http://www.uc.pt/sibuc/

Serviço Integrado das Bibliotecas da Universidade de Coimbra. URL: http://www.uc.pt/sibuc/ URL: http://www.uc.pt/sibuc/ O Serviço Integrado das Bibliotecas da é o órgão coordenador das bibliotecas da UC. Tem como tarefa principal a gestão da informação documental da UC, designadamente a sua

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

APRESENTAÇÃO Outubro de 2012

APRESENTAÇÃO Outubro de 2012 APRESENTAÇÃO Outubro de 2012 O QUE É É A QUEM SE DIRIGE ENQUADRAMENTO CONTEÚDOS ESTATUTO EDITORIAL A EQUIPA PARTICIPE NO 365AGRO A informação assume, hoje em dia, uma importância crescente. O acesso à

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

Rui Francisco Jornadas Gabup. Porto, Junho 2005

Rui Francisco Jornadas Gabup. Porto, Junho 2005 Rui Francisco Jornadas Gabup Porto, Junho 2005 Agenda Enquadramento Objectivos Metodologia Equipa de trabalho Análise Funcional Suporte Planeamento Próximos passos Enquadramento A B-On nasceu em Abril

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública Outubro de 2015 1 Índice 1. Introdução... 4 2. Objectivos,

Leia mais

Descrição Geral do Portal Global. Centro de Informação Executiva

Descrição Geral do Portal Global. Centro de Informação Executiva Descrição Geral do Centro de Informação Executiva Canais de Compras Online Clientes Comerciais Premier PremierConnect Processo de encomenda simplificado Confirmações pontuais das encomendas Acesso a informações

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Coordenar investimentos numa perspectiva de serviço: a função de um registo nacional de obras digitalizadas. Maria Inês Cordeiro

Coordenar investimentos numa perspectiva de serviço: a função de um registo nacional de obras digitalizadas. Maria Inês Cordeiro Coordenar investimentos numa perspectiva de serviço: a função de um registo nacional de obras digitalizadas Coordenar investimentos numa perspectiva de serviço: a função de um registo nacional de obras

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

POLÍTICA DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

POLÍTICA DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA POLÍTICA DO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Grupo de Trabalho dos Bibliotecários da UNL Abril de 2009 Aprovada na Reunião de 21 de Maio de 2009 do Colégio dos Directores Política

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS EDIÇÃO Nº1/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fiscalização de obra ferramentas e metodologias 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER A construção

Leia mais

IC-Online: repositório institucional

IC-Online: repositório institucional IC-Online: história de um repositório institucional Reorganização de serviços do IPL: Bibliotecas do IPL passarem a trabalhar como uma unidade Rentabilização de esforços, recursos humanos e recursos materiais

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

Criação do OBSERVATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DO OESTE

Criação do OBSERVATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DO OESTE OBSERVATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS ASSOCIADOS DA OESTESUSTENTÁVEL Objectivo Geral: Dotar os municípios associados da OesteSustentável de mecanismos que permitam exercer

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO ÍNDICE INTRODUÇÃO Sobre o guia Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS PROCESSO METODOLÓGICO Parte I Referencial para o lançamento de produtos inovadores no mercado

Leia mais

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes

FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE. MERCADORIAS - gerentes PL ANUAL DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO PARA ACESSO À ACTIVIDADE MERCADORIAS - gerentes CAPACIDADE PROFISSIONAL CPNI C/ PC PORTÁTIL Abordar de uma forma genérica os principais aspectos subjacentes à gestão diária

Leia mais

MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2009/2010

MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2009/2010 Mediateca Plano de Actividades 2009/2010 pág. 1/6 Introdução MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2009/2010 A Mediateca estrutura-se como um sector essencial do desenvolvimento do currículo escolar e as suas

Leia mais

Bona: Chamada para a Ação

Bona: Chamada para a Ação Bona: Chamada para a Ação Texto da posição conjunta da AIEA e da OMS A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) realizou em dezembro de 2012, em Bona (Alemanha), a "Conferência Internacional de

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC Candidatura de António Dourado Pereira Correia a Director da FCTUC Programa de acção do Director da FCTUC No momento em que as regras de gestão da nossa Faculdade se alteram tão profundamente, centrando-a

Leia mais

Associação Portuguesa de Psicoterapia Centrada na Pessoa e de Counselling. Código Deontológico

Associação Portuguesa de Psicoterapia Centrada na Pessoa e de Counselling. Código Deontológico Associação Portuguesa de Psicoterapia Centrada na Pessoa e de Counselling Código Deontológico Art. 1 Princípios Gerais 1. O Psicoterapeuta e o Counsellor alicerçam as suas actividades profissionais no

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA

ENQUADRAMENTO DO IGFIJ NA JUSTIÇA PORTUGUESA 1 Boas Práticas DESMATERIALIZAÇÃO PROCESSOS NA JUSTIÇA Instituto de Gestão Financeira e Infra-Estruturas da Justiça, I.P. 2 Boas Práticas GRAÇA NAMORA Coordenadora Gabinete Sistemas de Informação 29.10.2010

Leia mais

QiDEIA C O M U N I C A Ç Ã O

QiDEIA C O M U N I C A Ç Ã O QiDEIA CREATE WHAT YOU SEE. CREATE WHAT YOU FEEL. CREATE WHAT YOU HAVE NEVER SEEN. JUST CREATE. NATHAN SAWAYA QUEM SOMOS A Qideia é uma agência de comunicação, vocacionada para a estratégia e implementação

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Promoção da Inovação Empresarial

Promoção da Inovação Empresarial Promoção da Inovação Empresarial EMP-05: Directório Empresarial!! " $ # & % Entidade Executora: MaiaInova; Responsável do sub-projecto: Mestre Miguel Canedo (mcanedo@fitembal.pt) Parceiros: AEM, AEP, Gestluz,

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1206/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos aplicáveis à identificação das aeronaves

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito A Universidade : reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito Miguel Rombert Trigo, Luis Borges Gouveia mtrigo@ufp.pt, lmbg@ufp.pt ProjEstQ, CEREM Universidade Fernando Pessoa Universidade

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Miguel Taborda - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. A NORMA NP 4457:2007 REQUISITOS

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 6308 Diário da República, 1.ª série N.º 208 28 de outubro de 2013 deve ler-se: «O valor da remuneração adicional do agente de execução destinado a premiar a eficácia e eficiência da recuperação ou garantia

Leia mais

Plano de Atividades. Ano letivo 2011 / 2012

Plano de Atividades. Ano letivo 2011 / 2012 Plano de Atividades Ano letivo 2011 / 2012 Plano de Atividades de Informática @ 2011-2012 Plano de Atividades Pretende-se com este plano promover o uso efetivo das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

Catálogo IDA de INSTRUMENTOS e TÉCNICAS COMUNS. Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA

Catálogo IDA de INSTRUMENTOS e TÉCNICAS COMUNS. Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA Interchange of Data between Administrations COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO- GERAL DA EMPRESA INTERCHANGE OF DATA BETWEEN ADMINISTRATIONS PROGRAMME Catálogo IDA de INSTRUMENTOS Interchange of Data between Administrations

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI 2007 2008 Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI Documento de suporte às funções do Coordenador TIC para o ano lectivo 2007/2008. Objectivos, recursos existentes, necessidades ao nível das TIC, actividades

Leia mais

Plano Anual Actividades. Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre

Plano Anual Actividades. Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre Plano Anual Actividades Associação de Pais e Encarregados de Educação EBI Rainha D.Leonor Lencastre 2014/2015 INDICE Nota Introdutória 3 1. Áreas de ação 4 2. Representatividade 4 3. Divulgação/Informação

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

Parcerias com selo de excelência

Parcerias com selo de excelência Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo Promor II. Rações III. Produção Animal IV. Indústria de Carnes V. Selecção Genética Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas).

Prazos para a Apresentação de Candidaturas Entre o dia 23 de Dezembro de 2011 e o dia 11 de Abril de 2012 (24 horas). SI INOVAÇÃO [Projectos PROVERE] Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 15/SI/2011 Aberto concurso para a implementação dos PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos que pretendem

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

Escola Secundária de Alves Redol

Escola Secundária de Alves Redol Escola Secundária de Alves Redol Áreas de intervenção A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular A1. Difundir os recursos junto da organização pedagógica da escola Interacção com os Departamentos /Apresentação

Leia mais

Câmara Municipal da Golegã Instituto Politécnico de Tomar PROTOCOLO. Como Primeiro Outorgante: INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR (IPT), com sede na

Câmara Municipal da Golegã Instituto Politécnico de Tomar PROTOCOLO. Como Primeiro Outorgante: INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR (IPT), com sede na Câmara Municipal da Golegã Instituto Politécnico de Tomar PROTOCOLO Entre: Como Primeiro Outorgante: INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR (IPT), com sede na Estrada da Serra, Quinta do Contador em Tomar, NIPC

Leia mais

João Moreira São Paulo, 11 de Agosto de 2005

João Moreira São Paulo, 11 de Agosto de 2005 João Moreira São Paulo, 11 de Agosto de 2005 Agenda Enquadramento Actividades Regras/Normas Desafios Caracterização Bibliotecas Vários acordos entre as instituições Académicas e Científicas e os principais

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA

MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA ONTEÚDOS drte MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Belo Horizonte Município de Boane, Província de Maputo 2014 MESTRADO EM SUPERVISÃO PEDAGÓGICA INTRODUÇÃO Bem vindo ao curso de mestrado em Supervisão Pedagógica!

Leia mais

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção

Observações. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor Data de adoção NP 4239:1994 Bases para a quantificação dos custos da qualidade CT 80 1995-01-01 NP 4397:2008 Sistemas de gestão da segurança e saúde do trabalho. Requisitos CT 42 2008-12-31 NP 4410:2004 Sistemas de gestão

Leia mais

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Regulamento da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra CAPÍTULO I Da natureza e missão da Faculdade de Medicina Artigo 1.º Natureza jurídica A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação 2011-2015 Maputo, Janeiro de 2011 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO......... 3 1.1 Contextualização............ 3 1.2 Justificativa (Porquê

Leia mais

Planificação das Atividades 2013/2014 Domínio Sub-domínio Atividades Objetivos Destinatários Dinamizadores Calendarização Recursos materiais

Planificação das Atividades 2013/2014 Domínio Sub-domínio Atividades Objetivos Destinatários Dinamizadores Calendarização Recursos materiais LEITURA E LITERACIAS Promoção Leitura BIBLIOTECA ESCOLAR MÁRIO CLÁUDIO / BIBLIOTECA ESCOLAR DA POUSA Planificação s Ativides 2013/2014 Domínio Sub-domínio Ativides Objetivos Destinatários Dinamizadores

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura

Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura Projecto de Actividades para a «Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis» Formulário de candidatura (vide instruções no URL: http://www.crie.min-edu.pt/portateis/index.htm) 1. Identificação

Leia mais

Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva

Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva Artigo 1º DEFINIÇÃO A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos da EB1/JI da Cruz da Areia é constituída

Leia mais

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE _ ENQUADRAMENTO GERAL _ Gabinete de Avaliação e Promoção da Qualidade Instituto Superior de Ciências Educativas 2011, Março Avaliação e Promoção da Qualidade ISCE

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010)

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) Foi prorrogado o prazo para apresentação de candidaturas no âmbito do Aviso N.º 03/SI/2010,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA. Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13 CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Código de Conduta e Ética Rev00 de 02/12/2014 Página 1 de 13 1. Introdução A actuação do Grupo 8, na qualidade de prestador de serviços de segurança privada pauta-se por valores

Leia mais

Seminário OEP/INPI. O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções. Em colaboração com: Apresentado por

Seminário OEP/INPI. O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções. Em colaboração com: Apresentado por Seminário OEP/INPI Apresentado por José Maria Maurício Director de Marcas e Patentes O papel dos Offices nacionais da PI na promoção da inovação e das invenções Em colaboração com: Bissau, 21 de Dezembro

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais