Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019"

Transcrição

1 Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública Outubro de

2 Índice 1. Introdução Objectivos, princípios e as estratégias de implementação Objectivos e princípios Boa governação à base da racionalização de quadros e simplificação administrativa Articulação com o posicionamento de desenvolvimento de um Centro e uma Plataforma Satisfazer as diversas necessidades das várias partes Desenvolvimento equilibrado entre serviços e segurança informática Organizar e colaborar os recursos comuns Implementação das estratégias Determinação dos objectivos e elaboração do planeamento Criação de mecanismo e coordenação de apoio Promover a optimização através da avaliação Conteúdo do planeamento Electronização de gestão da administração interna e dos procedimentos de actividades Desenvolvimento geral da Plataforma de gestão e serviços para os trabalhadores da função pública Construção de uma Plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel

3 Optimização e electronização do sistema de actividades interdepartamentais e dos procedimentos de actividades Reconstrução do Portal do Governo e promoção de abertura de dados Reconstrução do Portal do Governo Promoção de abertura de dados Electronização de serviços públicos Construção da Plataforma de gestão dos serviços públicos Construção do módulo e da aplicação móvel para a divulgação uniformizada de informações do governo Promover a diversificação do modelo de serviço Consulta e participação do público no aperfeiçoamento da internet Estrutura básica, segurança informática e gestão de riscos Construção e aperfeiçoamento de regimes, formação, divulgação e promoção Construção e aperfeiçoamento de regimes Formação, divulgação e promoção Conclusão

4 1. Introdução No Programa Político Eleitoral do quarto mandato do Chefe do Executivo, consta a concretização firme da governação de acordo com os princípios ter por base a população e tomada de decisão baseada em critérios científicos, a racionalização de quadros e simplificação administrativa, a optimização dos serviços públicos e elevação da eficácia da governação, de forma contínua bem como o aumento da capacidade e credibilidade governativa, nos próximos cinco anos. Determinou-se o posicionamento do desenvolvimento que centra em torno da criação de Um Centro, Uma Plataforma para promover a construção do Centro Mundial de Turismo e Lazer. E a reforma do sistema de governação e o aperfeiçoamento de meios de comunicação e do mecanismo de intercâmbio entre o Governo e as comunidades bem como a população em geral constituem não só as condições necessárias para o desenvolvimento sócio-económico de Macau mas também o principal requisito de uma boa governação da sociedade. Por esses motivos, foram também apresentados os objectivos e trabalhos prioritários, como criação de um mecanismo de diálogo e intercâmbio de vários níveis, impulsionando a participação do público, racionalização de quadros e simplificação administrativa, diminuindo qualquer etapa administrativa desnecessária e integrando o procedimento funcional com uma maior homogeneidade ; o melhoramento do mecanismo de colaboração interdepartamental para que sejam promovidas o diálogo e a colaboração com o objectivo de elevar a eficiência administrativa e aperfeiçoar o regime dos trabalhadores dos serviços públicos, de forma contínua. Esses objectivos e trabalhos prioritários não só estão relacionados com os vários projectos de acção governativa, e os objectivos e resultados que se pretendem atingir dependem do governo electrónico, por isso, torna-se necessário proceder ao planeamento geral do desenvolvimento do governo electrónico e assegurar uma boa articulação entre os diversos trabalhos. 4

5 Após vários anos de desenvolvimento do governo electrónico da RAEM, são notórios os resultados nos 6 domínios, construção de regimes, estruturas básicas, segurança informática, electronização de gestão da administração interna e dos procedimentos de actividades, electronização de serviços públicos, Portal do Governo e participação nos trabalhos de electronização, entre outros, no entanto, com o rápido e permanente desenvolvimento das tecnologias de informação, aumentam-se as exigências em relação aos serviços electrónicos por parte dos decisores das políticas do Governo, serviços públicos, população, visitantes e empresas, de modo que o Governo da RAEM deve ter um maior empenho no desenvolvimento do governo electrónico, designadamente a electronização dos procedimentos, dos serviços prestados, comunicação entre a população e o Governo para elevar a eficiência administrativa e a qualidade dos serviços, satisfazendo as diversas necessidades das partes interessadas. De facto, da análise sobre a experiência de desenvolvimento do governo electrónico a nível mundial e de estudos efectuados por instituições, pode-se concluir que a promoção e aplicação da tecnologia nos projectos de prestação de serviços one stop, cidade inteligente, portal do governo, abertura de dados, segurança informática, gestão de riscos, computação e serviços em nuvem, meios sociais e mega dados constituem uma tendência. A fim de promover plenamente o desenvolvimento do governo electrónico na RAEM e tendo em conta as exigências encontradas nas acções governativas bem como as necessidades do governo e da população, a Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública (adiante designada por SAFP) procedeu a uma revisão da situação de desenvolvimento do governo electrónico da RAEM, uma análise da tendência deste desenvolvimento a nível mundial e tendo como referência a experiência de outros países sobre esta matéria, e no pressuposto da necessidade de se articular completamente o desenvolvimento da administração pública com as orientações das acções governativas no futuro, apresenta o Documento de Consulta sobre o do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau (adiante designado por documento de consulta), a qual foi submetida a uma consulta interna com a duração de 1 mês, entre 30 de Junho e 31 de Julho de Após ter recebido e analisado as opiniões e o plano do governo electrónico dos próximos 5 anos de cada serviço, o SAFP elaborou o Planeamento Geral do 5

6 Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 (adiante designado por Planeamento Geral) com base no documento de consulta, introduzindo alterações e ajustamentos conforme as informações recolhidas durante a consulta, que serve como uma orientação geral para o desenvolvimento gradual do governo electrónico da RAEM. O Planeamento Geral abrange os objectivos, princípios e estratégias referentes ao desenvolvimento do governo electrónico da RAEM nos próximos cinco anos bem como os 6 trabalhos no âmbito do governo electrónico que serão desenvolvidos nos próximos cinco anos. Face às exigências das acções governativas e características específicas do desenvolvimento do governo electrónico, o planeamento tem como orientação a prestação de serviços e a colaboração, ou seja, ao desenvolver serviços que satisfaçam as necessidades das partes interessadas, promove-se também a colaboração entre os diversos serviços públicos, os prestadores e os utentes dos serviços. Em simultâneo, através do mecanismo de coordenação e colaboração, coordenar os diferentes recursos dos diferentes serviços a fim de implementar os diversos projectos, aproveitando o mecanismo de avaliação para impulsionar o melhoramento contínuo dos trabalhos. Enquanto os serviços públicos estão a aperfeiçoar os procedimentos das suas actividades, simplificar as formalidades administrativas, explorar e proporcionar mais serviços electrónicos ao público, o Planeamento Geral irá focar-se na orientação do desenvolvimento do governo electrónico num sentido amplo, proporcionando os módulos comuns, sistemas de plataforma comum, instalação de estruturas e hardwares bem como os serviços e regimes jurídicos necessários; promover a optimização e electronização do sistema de actividades interdepartamentais e dos procedimentos das actividades; reforçar a formação, divulgação e promoção do governo electrónico com o objectivo de orientar os serviços públicos no contínuo desenvolvimento do governo electrónico. Desta maneira, conjugando com a coordenação, cooperação e o funcionamento eficaz do mecanismo da avaliação, o Planeamento Geral irá articular-se com o planeamento do governo electrónico de cada serviço, satisfazendo a exigência das acções governativas de concretizar o desenvolvimento pleno do governo electrónico. 6

7 No processo de implementação do Planeamento Geral, serão aproveitados a página electrónica com temática específica e os diversos meios eficazes para recolher as opiniões acerca do governo electrónico, nomeadamente as opiniões da população em geral, ajustando desta forma, os respectivos projectos e o calendário da implementação do Planeamento Geral, satisfazendo as novas exigências das diferentes partes interessadas. 7

8 2. Objectivos, princípios e as estratégias de implementação 2.1. Objectivos e princípios Partindo das experiências de outros países ou regiões, o desenvolvimento do governo electrónico tem uma relação estreita com as diferentes fases da reforma da administração pública do país ou região, como também com o plano geral das acções governativas. Por esse motivo, aproveitando a revisão do estado de desenvolvimento do governo electrónico da RAEM e a tendência dessa evolução noutros países do mundo e conjugando o programa político eleitoral do quarto mandato do Chefe do Executivo e as Linhas de Acções Governativas do ano de 2015, definimos os objectivos e os princípios do Planeamento Geral do governo electrónico da RAEM para os próximos cinco anos: concretizar uma boa governação à base da racionalização de quadros e simplificação administrativa; desenvolver o posicionamento de Macau como um Centro e uma Plataforma ; satisfazer as diversas necessidades de todas as partes, assegurar o desenvolvimento equilibrado entre serviços e segurança informática; como também organizar e colaborar os recursos comuns, os quais constituem a base para que os serviços públicos elaborem sucessivamente e com pormenor os vários projectos de trabalho apresentados no Planeamento Geral como também o fundamento e a orientação para que os serviços públicos se adaptem na concretização do próprio plano de desenvolvimento de serviços electrónicos Boa governação à base da racionalização de quadros e simplificação administrativa Na parte da boa governação do Programa Político Eleitoral do quarto mandato Chefe do Executivo, consta a concretização firme da governação de acordo com os princípios ter por base a população e tomada de decisão baseada em 8

9 critérios científicos, a racionalização de quadros e simplificação administrativa, a optimização dos serviços públicos e elevação da eficácia da governação, de forma contínua bem como o aumento da capacidade e credibilidade governativa nos próximos cinco anos. Os trabalhos principais são: criação de um mecanismo de intercâmbio de vários níveis, impulsionando a participação do público, racionalização de quadros e simplificação administrativa, diminuindo qualquer etapa administrativa desnecessária e integrando o procedimento funcional de maior homogeneidade ; melhoramento do mecanismo de cooperação interdepartamental para que sejam promovidas a comunicação e colaboração, no sentido de elevar a eficiência administrativa e aperfeiçoar o regime dos trabalhadores dos serviços públicos, de forma contínua. A racionalização de quadros e simplificação administrativa implica trabalhos de dois níveis, racionalização de quadros e simplificação administrativa articulam-se e complementam-se. A simplificação administrativa significa reestruturação administrativa, optimização e electronização dos procedimentos, melhoramento na cooperação interdepartamental, fornecimento de mais serviços electrónicos, promovendo, através desses meios, a eficácia administrativa; no que se refere à racionalização de quadros, no âmbito do governo electrónico, a mesma visa elevar o conhecimento e o nível de participação de directores, chefias e trabalhadores sobre os serviços electrónicos, realçando a importância da cooperação recíproca, promovendo, em conjunto, o trabalho de simplificação administrativa do governo da RAEM. Para além disso, serão aproveitados diferentes meios e mecanismos de comunicação e diálogo através desses instrumentos electrónicos a fim de disponibilizar mais vias de consulta e elevar o nível de transparência bem como divulgar mais informações ao público, facilitando a obtenção de informações e promover a participação do público, concretizando o objectivo da boa governação. Por esse motivo, o Governo na implementação do Planeamento Geral do governo electrónico da RAEM e os serviços públicos quando implementam o próprio plano do governo electrónico, devem defender firmemente as ideias das acção governativa estabelecidas pelo Chefe do Executivo e a estratégia de racionalização de quadros e simplificação administrativa, nomeadamente, na promoção da electronização da gestão interna e do serviço público, devendo ainda articular-se com os trabalhos acima mencionados, simplificando os procedimentos administrativos 9

10 conforme a disponibilização dos recursos e o desenvolvimento da sociedade, promovendo a electronização com base na optimização dos procedimentos administrativos, desenvolvendo o governo electrónico de acordo com a evolução do tempo, apoiando o governo na concretização dos objectivos de uma boa governação através de várias vertentes Articulação com o posicionamento de desenvolvimento de um Centro e uma Plataforma No Relatório das Linhas de Acção Governativa para o ano económico de 2015, o Governo da RAEM salientou que, baseado na recolha de opiniões dos sectores da sociedade, apresentou oficialmente ao Governo Central, o documento do Décimo terceiro plano quinquenal do País, Capítulo de Macau. Com a elaboração e a implementação do programa, será acelerada a construção de Macau como um Centro Mundial de Turismo e Lazer e uma plataforma de serviços para a cooperação económica e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, concretizada o desenvolvimento da diversificação adequada da economia, aumentada a competitividade geral e promovida a optimização contínua das condições de vida da população. Será criada, no segundo semestre de 2015, a Comissão para a Construção do Centro Mundial de Turismo e Lazer, presidida pelo Chefe do Executivo, que terá como primeira tarefa coordenar a elaboração do plano quinquenal da construção do Centro Mundial de Turismo e Lazer baseado nos trabalhos já realizados, o qual irá abranger vários domínios, nomeadamente a habitação, o emprego, o transporte, o turismo e o lazer, e uma vez concluída a elaboração da política demográfica, que se espera a curto prazo, para que o todo o plano reflicta decisões superiores, seja totalmente integrado e operacional. No futuro, o programa anual das acções governativas das diversas áreas deverão observar estritamente os objectivos do planeamento de cinco anos, e o resultado de execução será conjugada com o sistema de gestão de desempenho. Por este motivo, sendo a promoção da construção de um Centro e uma Plataforma um objectivo do Planeamento Geral do governo electrónico, devem todos os serviços públicos, no âmbito do funcionamento eficaz do mecanismo da coordenação e colaboração do governo electrónico, examinar as suas competências 10

11 tendo em conta os cinco domínios constantes do Centro Mundial de Turismo e Lazer : a habitação, o emprego, o transporte, o turismo e o lazer, e verificar a existência ou não de competências relacionadas, e conjugá-las com o desenvolvimento do Planeamento Geral do governo electrónico para implementar um plano adequado do próprio serviço e atendendo às suas próprias necessidades. Por outro lado, depois do estabelecimento do plano quinquenal da construção do Centro Mundial de Turismo e Lazer, o Planeamento Geral do governo electrónico e o plano dos próprios serviços públicos devem ser devidamente ajustados Satisfazer as diversas necessidades das várias partes No desenvolvimento do governo electrónico da RAEM, para além de defender a boa governação à base da racionalização de quadros e simplificação administrativa e articular com o posicionamento do desenvolvimento de um Centro e uma Plataforma, ao promover a gestão interna e a electronização de serviços públicos, deverá satisfazer as diversas necessidades das várias partes, porque só desta forma se poderá contar com o apoio de todas as partes e garantir um desenvolvimento sustentável. O governo electrónico da RAEM implica o envolvimento das seguintes partes: o público, as empresas, as associações, os trabalhadores da função pública, os serviços públicos e os decisores das políticas. Como as diversas partes interagem nas actividades diárias por exemplo através dos serviços electrónicos nas relações entre os decisores das políticas e os trabalhadores que executam as políticas, nas relações entre os serviços públicos, nas relações entre os serviços públicos e os cidadãos, por esse motivo, ponderando as necessidades dos utilizadores que recorrem ao governo electrónico, deve satisfazer não só as necessidades individuais ou comuns das partes, como também, assegurar a diversificação dos serviços designadamente para que os cidadãos, possam obter e utilizar de forma rápida e acessível os serviços públicos de qualidade, devendo na concepção de serviços electrónicos, ponderar, o princípio de ter por base a população, as características específicas dos diversos serviços como os serviços de contacto directo, por telefone, computador de mesa, quiosque automático, aplicações para os telemóveis e os meios sociais online, com o objectivo de facultar serviços electrónicos diversificados. Por outro lado, na promoção desses serviços, deve-se estar atento à análise de custos-eficácia, conhecendo correctamente 11

12 o número de utilizadores que se pretende atingir, evitando um investimento excessivo em virtude de erro de cálculo das necessidades. É necessário também estabelecer mecanismos eficazes de consulta e comunicação a fim de continuar a recolher as opiniões e sugestões das partes interessadas, dos sectores profissionais e da população em geral, ajustando e optimizando oportunamente o Planeamento Geral para satisfazer concretamente as novas exigências das diversas partes Desenvolvimento equilibrado entre serviços e segurança informática As estratégias de segurança informática e gestão de riscos são as garantias básicas para o funcionamento seguro do governo electrónico da RAEM, por esse motivo, ao desenvolver novos serviços públicos electrónicos, a segurança informática terá de ser a garantia básica, adoptando medidas de prevenção; simultaneamente, a segurança informática tem de estar totalmente ajustada com o planeamento de desenvolvimento dos serviços que serão prestados, aplicando as devidas medidas, como por exemplo, ao construir a estrutura básica de um serviço electrónico, é necessário adaptar-se às necessidades de flexibilização e expansão do serviço que será prestado, por forma a garantir que o governo electrónico possa funcionar num ambiente onde reúnem os requisitos da prestação de serviço e dos critérios de segurança. Mesmo assim, os recursos investidos nas medidas de segurança informática devem respeitar o princípio da adequabilidade, devendo corresponder com a dimensão concreta do serviço do governo electrónico, para se conseguir um desenvolvimento equilibrado e sincronizado entre esses dois aspectos, demonstrando que não houve um exagero no investimento de recursos na segurança informática, tendo conseguido ao mesmo tempo garantir segurança suficiente aos serviços prestados Organizar e colaborar os recursos comuns O governo electrónico da RAEM após vários anos de desenvolvimento, já possui uma base em termos de estrutura básica, plataforma de aplicação e de dados. No entanto, uma vez que o desenvolvimento do governo electrónico vai, no futuro, 12

13 entrar numa nova fase, os serviços públicos serão confrontados com um elevado volume de trabalho de desenvolvimento da electronização. Por esse motivo, os serviços ao planearem o próprio plano do governo electrónico, devem em primeiro lugar ponderar organizar e utilizar os recursos existentes do Governo da RAEM. Em relação aos novos projectos que têm de ser executados, atendendo à frequência de utilização, ponderar se devem ser desenvolvidos de forma independente ou em conjunto com outros serviços, os quais também têm idênticas necessidades para produzirem módulos comuns, formando a Base de módulos de aplicação comum do governo, por um lado, aumenta a eficácia, evitando a repetição de investimento e desenvolvimento; e, por outro, os recursos humanos da área de informática do Governo da RAEM podem ser melhor aproveitados, gerando a ligação e conexão recíproca, o efeito de partilha e a gestão mútua, acelerando o desenvolvimento do governo electrónico da RAEM Implementação das estratégias Em poucas palavras, uma política surge após 3 etapas, elaboração, execução e avaliação, estas etapas formam um ciclo contínuo, promovendo de forma contínua a concretização e o aperfeiçoamento de uma política, para que a política consiga obter os resultados pretendidos, e satisfazer as necessidades das partes relacionadas com a política. A política do governo electrónico da RAEM, também não é uma excepção, uma vez determinados os objectivos e princípios de planeamento, torna-se ainda necessário planear de forma detalhada os projectos de trabalho, conjugando com o mecanismo de coordenação e uma avaliação adequada, porque só desta forma os diversos serviços públicos são orientados para desenvolver os seus trabalhos de acordo com o planeamento, promovendo a colaboração inter-serviços, o aperfeiçoamento e a optimização contínua dos diversos trabalhos do Planeamento Geral, para se atingir os resultados pretendidos. 13

14 Quadro: Objectivos e Princípios Determinação dos objectivos e elaboração do planeamento O Governo da RAEM congregou o consenso através de consulta, definindo os objectivos e princípios do Planeamento Geral. Em termos práticos, irá dar importância para organizar e colaborar os recursos comuns, promover a uniformização e electronização dos procedimentos administrativos internos, elevar a eficácia dos procedimentos administrativos interdepartamentais, concretizar a optimização dos procedimentos das actividades e a electronização geral dos serviços públicos, reconstruir o Portal do Governo e acrescentar mais funções, disponibilizar mais vias de acesso aos serviços electrónicos, procurar atingir os objectivos do Planeamento Geral a fim de que todas as partes interessadas possam ser beneficiadas com a implementação do Planeamento Geral. 14

15 Por esse motivo, para apresentar de uma forma clara o Planeamento Geral do desenvolvimento do governo electrónico da RAEM dos próximos cinco anos, foi elaborado o Enquadramento de desenvolvimento do governo electrónico da RAEM para demonstrar os diferentes trabalhos do planeamento e as suas relações. 15

16 Base de módulos de aplicação comum do Governo Legislação, regimes, regulamentação e critérios 譯 本 Enquadramento de desenvolvimento do governo electrónico (Apoiar o Governo para concretizar a Boa governação e construção do Centro Mundial de Turismo e lazer ) As partes relacionadas (público, empresas, associações, trabalhadores da função pública, serviços públicos e decisores das políticas) Portal do Governo e sítios dos serviços públicos (internet/aplicações móveis) Auto-atendimento (quiosques) Centro de Serviços da RAEM Centro de Informações do Governo Serviços e colaboração Plataforma de gestão dos serviços públicos Plataforma de geatão dos serviços de consulta Plataforma de serviços de dados abertos Tratamento e gestão electronizada dos serviços públicos Gestão de administração interna (plataforma de gestão e serviços para os trabalhadores da função pública) Gestão de administração interna e dos procedimentos de actividades Plataforma de gestão dos conhecimentos das aplicações informáticas Estrutura básica, segurança informática e gestão de riscos 16

17 Conforme esse quadro, o Enquadramento de desenvolvimento do governo electrónico da RAEM tem como objectivo apoiar o Governo para concretizar a boa governação e criar o Centro Mundial de Turismo e Lazer, desenvolvendo serviços e apoios como eixo, sendo apoiado por legislação, regimes, regulamentação e critérios e em conjugação com as tecnologias e os regimes de segurança informática, serão organizados e coordenados os diversos recursos comuns, criando diferentes plataformas de serviços e meios diversificados, prestando serviços correspondentes às necessidades de destinatários específicos, para que sejam satisfeitas as necessidades de todas as partes relacionadas. Os principais serviços das plataformas são: plataforma de gestão dos serviços públicos, que gere, de forma concentrada, as informações dos serviços externos dos diversos serviços públicos para facilitar a obtenção, por parte dos cidadãos, das informações necessárias designadamente para tratamento de formalidades e conhecimento do estado de tratamento de pedidos; plataforma de serviços de consulta, que será desenvolvida pelo Governo, criando módulo padrão, de sítio de consulta, e o instrumento de questionário online, com vista a estabelecer uma interacção uniformizada, podendo os cidadãos emitir as suas opiniões para que o Governo conheça e domine melhor a opinião pública e eleve o nível científico das decisões; plataforma de serviços de dados abertos, que divulga e gere, de forma uniformizada, os dados do Governo que se pretende torná-los públicos, com vista a aumentar a transparência do Governo e motivar a participação do público; e, finalmente, plataforma de gestão e serviços para os trabalhadores da função pública (vide ponto 3.1.1), que reúne as funções de gestão administrativa para a gestão financeira e pessoal para que a gestão interna da administração seja unificada e respeite os critérios padrão. Quanto aos meios de prestação de serviços, para além dos diversos locais físicos tais como os balcões de atendimento dos diversos serviços públicos, Centros de Serviços da RAEM, Centro de Informações ao Público e quiosques que estão geograficamente dispersos, existem também meios de obtenção de serviços por internet / aplicações móveis que não têm limitações geográficas. 17

18 Na organização e coordenação dos diversos recursos comuns, será criado em primeiro lugar bases de módulos de aplicação comum do governo (vide ponto 3.5) para evitar a repetição de desenvolvimento de módulos e sistemas de funções semelhantes, tendo em conta a necessidade do procedimento interno e de electronização de serviços públicos, podendo os serviços públicos aproveitar, os módulos de aplicação existentes nessas bases de módulos de aplicação comum para desenvolverem o próprio sistema compatível com as próprias atribuições. Para além disso, irá ser criada a plataforma da gestão dos conhecimentos das aplicações informáticas (vide ponto 3.5) a fim de facilitar os chefias e trabalhadores dos serviços na troca de informações, adquirir conhecimentos e apresentar opiniões, reforçando a colaboração. O funcionamento desses sistemas e plataformas irá promover, de forma eficaz, a optimização da gestão das actividades dos serviços bem como os procedimentos internos, acelerando o ritmo de desenvolvimento de tratamento e gestão, por via electrónica, dos respectivos serviços públicos prestados, elevando a qualidade dos serviços prestados ao público e a eficácia na resposta ao público Criação de mecanismo e coordenação de apoio O desenvolvimento do governo electrónico da RAEM é um projecto de trabalho integrado que exige uma distribuição racional dos trabalhos pelos serviços públicos e coordenação de apoio entre eles, por esse motivo, deve fazer uma distribuição de trabalhos através de uma estratégica moderna e integral do planeamento, bem como estabelecer um mecanismo de coordenação de diferentes níveis, organizando e coordenando a aplicação dos diversos recursos para implementar com eficácia os diversos trabalhos do planeamento. Por outras palavras, o governo electrónico utiliza as tecnologias de informação para promover o desenvolvimento das acções governativas e o desenvolvimento das actividades, o qual envolve necessariamente a organização e planeamento dos dirigentes e das chefias e, ao mesmo tempo, envolve a iniciativa de auto-aperfeiçoamento e eventualmente inovação dos trabalhadores em geral e do pessoal de informática. Por esse motivo, o estabelecimento de mecanismo de 18

19 coordenação de apoio constante no planeamento integra dois aspectos: organização e motivação. Face aos vários níveis de necessidades, a organização refere-se ao mecanismo de coordenação e apoio que funcionará a três níveis: nível interno dos serviços, nível inter-serviços e nível geral do Governo: 1) Para criar um mecanismo regular e sistemático ao nível de execução, reforçando a cooperação interdepartamental, será criado um grupo de trabalho em cada serviço público, composto por dirigentes, trabalhador de informática, chefia e trabalhadores da subunidade de actividade para garantir a coordenação e execução das tarefas, conjugando com o funcionamento do mecanismo da cooperação interdepartamental. O grupo de trabalho será responsável pela promoção da optimização e electronização dos procedimentos de trabalhos dos serviços públicos, como a gestão interna e os serviços externos, impulsionando em conjunto a cooperação interdepartamental e a optimização da gestão interna; 2) Para evitar a repetição no desenvolvimento de sistemas de uso comum e tendo em conta a distribuição racional dos recursos humanos da área informática, seguindo o princípio de organizar e coordenar a partilha dos recursos, na criação da Base de módulos de aplicação comum do governo, o SAFP será responsável pela criação da plataforma da gestão dos conhecimentos das aplicações informáticas (vide ponto 3.5) para permitir que as chefias e trabalhadores da área informática troquem informações, adquiram conhecimentos e apresentem as suas opiniões. Na implementação do Planeamento Geral do desenvolvimento do governo electrónico, quando haja necessidade de desenvolver novos módulos comuns ou actualizar as funções dos módulos da base de módulos de aplicação comum do governo, ou quando se torna necessário aproveitar alguns módulos específicos para desenvolver novos sistemas ou serviços, os serviços públicos podem colaborar entre si que possuem conhecimentos profissionais através do mecanismo de coordenação e cooperação ou da plataforma da gestão dos conhecimentos das aplicações informáticas, designando pessoal adequado para fazer parte do grupo de trabalho e desenvolver em conjunto o projecto, ou pode também concentrar o respectivo pessoal para trabalhar num serviço para desenvolver o módulo e sistema necessário num prazo determinado. Os módulos desenvolvidos podem ser integrados na base de 19

20 módulos de aplicação comum do governo, desta forma permite, por um lado, enriquecer a base de módulos e por outro, compartilhar os conhecimentos e a experiência obtidos durante o desenvolvimento de módulos com outros trabalhadores da área informática através da plataforma da gestão dos conhecimentos das aplicações informáticas. 3) A nível geral do Governo, sugere-se que, com o objectivo de aperfeiçoar o planeamento geral do governo electrónico, assegurar a adaptação dos próprios planos dos serviços públicos com o planeamento geral, coordenar e apoiar os procedimentos de actividades interdepartamental, e estabelecer regulamentação e regimes relacionados com a interconexão e interligação dos dados dos serviços electronizados one stop, a Comissão de Coordenação da Reforma da Administração Pública seja reestruturada, dando lugar à criação do grupo de trabalho de coordenação do Governo Electrónico, o qual será composto por dirigentes dos serviços com relação estreita com o desenvolvimento do Governo Electrónico, chefias da área de informática e respectivos trabalhadores, para desempenhar as funções de coordenação, colaboração e acompanhamento, em matéria de colaboração interdepartamental para a optimização dos procedimentos administrativos e dos serviços públicos prestados e electronização. Quanto à motivação, o mecanismo de coordenação contará com a adopção de duas medidas: prémios e formação. Para as medidas de prémios, será estudada a possibilidade de acrescentar no âmbito dos Prémios de Serviço Público de Alta Qualidade (existem actualmente o Prémio de Equipa Distinta, o Prémio de Prestação de Serviço de Qualidade, o Prémio de Serviço da Linha da Frente e o Prémio de Elevação de Resultados e Eficácia) um prémio respeitante aos assuntos do Governo Electrónico e um outro à Equipa do Governo Electrónico, podendo ainda criar um prémio de contributo relevante de trabalhador de tecnologia de informática, visando motivar os trabalhadores e os profissionais desta área a desenvolverem as suas potencialidades e promover o desenvolvimento de serviços electrónicos nos serviços públicos. Esta medida poderá ainda funcionar como uma motivação para os trabalhadores de tecnologia de informática no sentido de tomarem iniciativa para fazer inovações e apresentar soluções para as formas de prestação de serviços ao público, podendo os 20

21 trabalhadores interessados desenvolver a título individual ou interdepartamental, software de aplicação nesse sentido, como, por exemplo, aplicações móveis, cujo resultado será avaliado, apreciado e reconhecido para ser premiado de acordo com os níveis de aplicação concreta. Para as medidas de formação, serão organizadas faseadamente actividades de formação destinadas a dirigentes, chefias, trabalhadores da área de informática e trabalhadores da respectiva actividade para a implementação do planeamento geral, elevando a capacidade de implementação dos serviços públicos e proceder ao aperfeiçoamento permanente dos diversos trabalhos constantes do mesmo e elevar os respectivos níveis de conhecimento Promover a optimização através da avaliação A avaliação não só permite aos responsáveis da elaboração das políticas e aos decisores das políticas conhecerem a situação de desenvolvimento, os resultados da avaliação como também serve de referência para os trabalhos de aperfeiçoamento no futuro. Para que os mecanismos de coordenação e colaboração de diferentes níveis possam fazer o acompanhamento do andamento do planeamento geral e dos diversos trabalhos realizados pelos serviços públicos, bem como conhecer os resultados dos projectos em relação ao nível pretendido, permitindo a optimização dos mesmos, é imprescindível, em articulação com os mecanismos de coordenação e colaboração, criar gradualmente, um mecanismo de avaliação do desenvolvimento do governo electrónico. O mecanismo de avaliação que será criado progressivamente é composto por duas partes: avaliação do andamento do projecto e dos resultados, analisando o nível de satisfação em relação aos objectivos estabelecidos. A outra avaliação pretende avaliar os resultados da implementação do projecto e a situação geral de desenvolvimento, como por exemplo, no que respeita ao resultado produzido pelo serviço, pode-se solicitar uma terceira entidade para fazer um estudo sobre o nível de satisfação do cidadão em relação ao resultado de um serviço público, realizando a avaliação através de critérios de referência científicos e quantificáveis. A respeito da avaliação do resultado do desenvolvimento geral, irá tomar como base o enquadramento de avaliação do governo electrónico elaborado pela Universidade de 21

22 Waseda do Japão e pelo International Academy of CIO, em conjugação com outros enquadramentos de avaliação reconhecidos, designadamente no que se refere aos diferentes aspectos da cidade inteligente destacando o governo inteligente, para fazer um estudo geral e avaliar o estado de evolução e o resultado do desenvolvimento do governo electrónico. 22

23 3. Conteúdo do planeamento Conforme os objectivos e princípios do planeamento, a estratégia de implementação do planeamento, e em conjugação das partes constituintes do Enquadramento de desenvolvimento do governo electrónico, o Planeamento Geral é composto por 6 partes: 1) Electronização de gestão da administração interna e dos procedimentos de actividades; 2) Reconstrução do Portal do Governo e promoção de abertura de dados; 3) Electronização dos serviços públicos; 4) Consulta e participação pública para o aperfeiçoamento da rede; 5) Estrutura básica, segurança informática e gestão de riscos; 6) Construção e aperfeiçoamento do regime, formação, divulgação e promoção Electronização de gestão da administração interna e dos procedimentos de actividades Para se criar condições para disponibilizar serviços de qualidade aos cidadãos, no futuro, será utilizado o mecanismo de coordenação e colaboração para impulsionar a elaboração de regulamentação sobre a optimização dos procedimentos das actividades próprias dos serviços públicos, os trabalhos de electronização e respectiva execução. O SAFP, tendo em conta os serviços interdepartamentais, irá coordenar e apoiar a perspectiva optimização dos procedimentos e os trabalhos de electronização, bem como vai proporcionar ferramentas de electronização para os procedimentos interdepartamentais e a interconexão de documentos. No âmbito da electronização de gestão da administração interna, o SAFP irá, juntamente com os serviços com competências relacionadas, estudar e criar uma plataforma uniformizada de gestão electrónica, nomeadamente para as actividades relacionadas com os recursos humanos, gestão financeira e patrimonial, de documentos em papel e electrónicos, que têm um elevado nível de utilização, utilizando o modelo de armazenamento com dados padronizados e procedimentos de gestão de administração, com o objectivo de elevar a eficácia da gestão administrativa e dominar todas as respectivas actividades. 23

24 Desenvolvimento geral da Plataforma de gestão e serviços para os trabalhadores da função pública A Plataforma de gestão e serviços para os trabalhadores da função pública (adiante designada por Plataforma G2E) será um instrumento fundamental para a concretização da Gestão da administração interna electrónica e padronizada no âmbito do Enquadramento do governo electrónico da RAEM. Do ponto de vista de serviços prestados, a Plataforma G2E é uma plataforma de gestão uniforme desenvolvida com base na página do navegador (Web Base), onde se faz o armazenamento centralizado de dados e, através da encriptação segura da rede, disponibiliza a gestão integrada e electrónica de serviços a dirigentes, chefias e funcionários públicos, a qual vai ser concretizada em fases segundo os requisitos gerais constantes da gestão da administração interna, de modo a desenvolver, de forma progressiva, uma plataforma estável, com um portal uniformizado, com serviços diversificados e um funcionamento seguro. Do ponto de vista de desenvolvimento de serviços de aplicação, a Plataforma G2E é orientada para a prestação de serviços, a qual desenvolve módulos de prestação de serviços com uma elevada utilização, como por exemplo: o organograma do Governo da RAEM, o calendário dos feriados, o directório dos serviços públicos, a conta dos funcionários públicos e o controlo de acesso, a agenda pessoal, a gestão documental, gestão dos procedimentos, etc., constituindo gradualmente uma plataforma de desenvolvimento padrão que pode ser reutilizada, alargada e desenvolvida de forma contínua. Do ponto de vista de serviços prestados, a Plataforma G2E fará uma grande articulação no futuro na revisão e reforma geral do mecanismo de gestão dos trabalhadores da função pública da RAEM, desenvolvendo oportunamente novos módulos de prestação de serviços ou actualizando as funções dos módulos existentes tendo em conta a reforma do conteúdo, planeamento dos recursos humanos, recrutamento, carreira, acesso, avaliação do desempenho e formação, para criar os alicerces da electronização geral de gestão dos trabalhadores da função pública nos serviços públicos. 24

25 Actualmente, a Plataforma G2E disponibiliza os serviços de gestão de recursos humanos, gestão financeira, assinatura digital de ofícios, directório dos serviços públicos, lista de contacto dos trabalhadores, etc., e no futuro serão desenvolvidos os seguintes trabalhos: Principais projectos: a) Concluir o trabalho de serviços electrónicos para a inscrição nas acções de formação para os trabalhadores dos serviços públicos; electronização dos procedimentos para acesso dos funcionários públicos e para o pedido e a aprovação de subsídio de família. (2015) b) Integração gradual de outros dados: recolha de dados de recursos humanos, dados sobre as necessidades de recursos humanos e de formação, dados de avaliação do desempenho e acumulação de funções, como também divulgação da plataforma para utilização de outros serviços públicos. ( ) c) Optimização e electronização dos procedimentos de gestão da administração interna como por exemplo, tratamento de pedido e aprovação de ajudas de custo diárias, proposta de substituição provisória, etc. (2016) d) Desenvolver gradualmente novos módulos para prestar mais serviços, incluindo: módulo de electronização geral do processo individual dos funcionários públicos, módulo de colaboração de trabalho e módulo para avisos. ( ) e) Em conjugação com a reforma geral do mecanismo de gestão dos trabalhadores da função pública, será actualizada oportunamente as respectivas funções. ( ) Construção de uma Plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel Para responder às necessidades da gestão de documentos electrónicos e em papel provenientes da gestão da administração interna e da electronização dos 25

26 procedimentos dos serviços públicos, planeia-se construir uma plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel, de modo a permitir que os serviços possam, através desta plataforma, acompanhar e gerir melhor os documentos que se circulam entre as subunidades ou inter-serviços. De modo a acelerar a sua construção, planeia-se fazer novos desenvolvimentos, tendo por base o sistema de acompanhamento dos documentos (Document Tracking) e o Sistema de Expediente Electrónico (edocx) que já se encontram em funcionamento durante vários anos. Principais projectos: a) Novo desenvolvimento do sistema edocx, criando uma plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel para a concretização da gestão comum, monitorização dos procedimentos de trabalho interdepartamentais e localização de documentos. (2016) b) Em conjugação com a optimização dos procedimentos interdepartamentais, a plataforma será aplicada nos serviços relacionados com os procedimentos e, posteriormente, será progressivamente alargada a outros serviços públicos. ( ) Optimização e electronização do sistema de actividades interdepartamentais e dos procedimentos de actividades Para elevar a eficácia dos procedimentos administrativos interdepartamentais, aperfeiçoar de forma generalizada a colaboração interdepartamental e respectivos procedimentos, aumentar a qualidade do serviço público prestado, o Governo da RAEM vai optimizar os serviços prestados interdepartamentais através de 3 meios, uma única entidade coordenadora que recebe os pedidos de serviços, optimização dos procedimentos e reforçar a aplicação electrónica. Actualmente, quando um cidadão fizer um pedido num determinado serviço público, necessita de se dirigir a vários serviços para requerer as respectivas certidões, por exemplo dirigir-se à Direcção dos Serviços de Assuntos de Justiça para requerer certidões de registo predial e de registo civil; à Direcção dos Serviços de 26

27 Identificação para requerer certidão do registo criminal e à Direcção dos Serviços de Finanças para requerer certidão de contribuição industrial. Para facilitar a vida do cidadão, planeia-se que se inicie como local piloto de optimização os serviços sob a tutela da área de Administração e Justiça e na Direcção dos Serviços de Finanças, os quais tratam um elevado número de certidões, procedendo estudos sobre a instalação de quiosques automáticos nos postos de atendimento para apresentação de pedidos ou levantamento de documentos relacionados; ou mediante a utilização da Plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel efectuar o envio electrónico de documentos, ou aproveitar os efeitos jurídicos da data e hora do Carimbo Postal Electrónico Certificado (CPEC) da Direcção dos Serviços de Correios nos documentos electrónicos. A viabilidade dessas medidas após serem comprovadas e mediante legislação adequada, serão promovidas e implementadas na certidão interdepartamental, para se atingir o objectivo de o cidadão poder obter os serviços prestados por diversos serviços públicos num único posto de atendimento. Face aos serviços públicos que exigem colaboração interdepartamental ou apresentação de opiniões, mediante o mecanismo de coordenação e colaboração do governo electrónico, promover-se-á a optimização dos serviços intertutelas e interdepartamentais, bem como, os seus procedimentos, desenvolvendo também gradualmente a electronização da gestão da administração interna dos serviços públicos e a electronização dos procedimentos, conectando o serviço por trás do balcão entre vários serviços públicos, tornando os procedimentos mais fluídos e eficazes, proporcionando um grande apoio ao serviço do balcão de atendimento que presta serviços ao público. Além disso, utilizar-se-á a Plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel, permitindo aos serviços reforçar a monitorização do percurso de documento, criando condições favoráveis à monitorização do estado de aprovação dos serviços públicos. Em simultâneo, sugere-se a integração da plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel com a plataforma de gestão e serviços para os trabalhadores da função pública (vide o ponto deste documento), permitindo que o utente faça o pedido online e conheça também claramente o estado do seu pedido, aumentando a transparência dos procedimentos e o nível de electronização do sistema de actividades entre serviços. 27

28 Ao promover os trabalhos acima mencionados, o Governo da RAEM irá aperfeiçoar os serviços interdepartamentais relacionados com os assuntos da vida quotidiana dos cidadãos, utilizando a plataforma de gestão dos serviços públicos para fazer, passo a passo, uma conexão dos serviços relacionados com o nascimento, o casamento, a saúde e o falecimento, para que o cidadão não necessite de se dirigir a diversos serviços públicos para tratar das formalidades de pedido ou de registo. Por outro lado, no âmbito dos equipamentos de apoio, tais como: gestão de segurança informática e de riscos, troca e a partilha de dados, verificação de identidade, pagamento electrónico e quiosques automáticos, o Governo da RAEM continuará a melhorar e reforçar a integração das informações e dos procedimentos dos serviços interdepartamentais, visando reduzir os trâmites administrativos e alargar a aplicação dos procedimentos electrónicos, concretizando gradualmente a atribuição a uma única entidade para a recepção de pedidos de serviços interdepartamentais, para que o cidadão possa obter os diversos serviços interdepartamentais de one stop tanto no Centro de Serviços da RAEM ou num único posto de atendimento, resolvendo assim as questões como a entrega repetitiva de documentos, deslocação a vários serviços públicos ou impossibilidade de consulta no acompanhamento do caso. Principais projectos: a) Estudo sobre a utilização da Plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel para a transmissão de certificado electrónico pelos serviços públicos. ( ) b) Estudo sobre a integração da Plataforma de gestão comum e de troca dos documentos electrónicos e em papel com a plataforma de gestão dos serviços públicos. ( ) c) Em conjugação com o planeamento da optimização dos procedimentos interdepartamentais e da electronização dos serviços públicos, a plataforma será aplicada progressivamente noutros serviços públicos. ( ) 28

29 3.2. Reconstrução do Portal do Governo e promoção de abertura de dados Para melhorar de forma contínua e atender ao aumento das necessidades diárias, serão efectuados os trabalhos de reconstrução do Portal do Governo e os serviços públicos devem empenhar-se na colaboração com os respectivos trabalhos. O Portal do Governo será direccionado para a prestação de informações e serviços, ou seja, ma demonstração das informações das competências e das actividades dos serviços públicos em articulação com os serviços prestados, mas integrando-se, de forma gradual, com a plataforma de gestão dos serviços públicos (vide o ponto deste documento), a plataforma de gestão dos serviços de consulta (vide o ponto 3.4. deste documento) e a plataforma de serviços de dados abertos (vide o ponto deste documento), de modo a facilitar o público na consulta de informações, no pedido de serviços, na consulta sobre o andamento do tratamento dos pedidos e na apresentação de opiniões sobre as políticas. Em relação à promoção de abertura de dados, o Governo da RAEM irá, mediante abertura sucessiva de dados públicos de que possui, permitir à população desenvolver a sua criatividade, aproveitar os recursos dos respectivos dados, desenvolver as diversas formas de serviços online, as aplicações móveis ou utilizá-los para outros fins Reconstrução do Portal do Governo O Portal do Governo é o sítio electrónico do Governo da RAEM virado ao público, tem servido como a única porta de divulgação de informações e serviços prestados do Governo. Para melhorar de forma contínua o Portal do Governo, o SAFP iniciou, em 2014, os trabalhos de reconstrução do Portal do Governo, tendo encarregado a Universidade de Macau, que concluiu um estudo sobre o planeamento do Portal do Governo e um relatório sobre as exigências do portal. De acordo com o referido estudo sobre o planeamento e a análise das exigências, as opiniões e sugestões recolhidas, através da consulta, junto dos serviços públicos e, do planeamento dos serviços públicos, na coordenação com as exigências estipuladas nas Instruções normativas sobre as páginas electrónicas dos serviços 29

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

Relatório de revisão do plano de trabalho e da execução de tarefas da DSFSM do ano de 2015

Relatório de revisão do plano de trabalho e da execução de tarefas da DSFSM do ano de 2015 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 澳 門 保 安 部 隊 事 務 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DAS FORÇAS DE SEGURANÇA DE MACAU Relatório de revisão do plano de trabalho e da execução de

Leia mais

1. Planos Gerais para as Zonas de Comércio Livre de Guangdong, Tianjin e Fujian, aprovados pelo Governo Central

1. Planos Gerais para as Zonas de Comércio Livre de Guangdong, Tianjin e Fujian, aprovados pelo Governo Central Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2015 Número 52 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Planos Gerais para as Zonas de Comércio Livre de Guangdong, Tianjin e Fujian,

Leia mais

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003

8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 282 6 de Dezembro de 2003 8274 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIEB N. o 282 6 de Dezembro de 2003 Portaria n. o 13/2003 de 6 de Dezembro Considerando que o DecretoLei n. o 205/96, de 25 de Outubro, vem alterar a disciplina jurídica da

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Sumário das actividades do IPIM em 2009

Sumário das actividades do IPIM em 2009 Sumário das actividades do IPIM em 2009 Tendo em consideração a situação do mercado internacional e o crescimento económico local, o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM)

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL Manual de Utilização - Gestão de Utilizador Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica

Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica. Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Relatório de Actividades do Ano de 2013 do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Conselho Consultivo da Reforma Jurídica Março de 2014 Índice 1. Resumo das actividades....1 2. Perspectivas para as actividades

Leia mais

As instituições de auditoria chinesas no desenvolvimento da auditoria de resultados

As instituições de auditoria chinesas no desenvolvimento da auditoria de resultados Comunicação da cerimónia de abertura (Bao Guoming, Directora do Departamento de Auditoria do Sector Público Administrativo do Gabinete Nacional de Auditoria da China) As instituições de auditoria chinesas

Leia mais

2 3 4 5 6 Parte I - Identificação Destina-se ao preenchimento dos dados pessoais de identificação do declarante e do seu cônjuge ou unido de facto. 1. Motivo da apresentação da declaração (1) Início do

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA

BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA Administração n.º 47, vol. X III, 2000-1.º, 263-271 BREVE INTRODUÇÃO AO SISTEMA DA GESTÃO DE DOCUMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MACAU PROVISÓRIA Iong Chi Seng, Lao Chon Pio e Lao Sok Chi* A Câmara Municipal

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

Quadro da Política do Desenvolvimento das Indústrias Culturais

Quadro da Política do Desenvolvimento das Indústrias Culturais Região Administrativa Especial de Macau Quadro da Política do Desenvolvimento das Indústrias Culturais Governo da Região Administrativa Especial de Macau Índice 1. Prefácio... 2 2. Posicionamento macroscópico

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa transferência comuns. No que toca à rede regional, a cooperação já foi iniciada há algum tempo com o projecto do Sistema Regional de Transferência e Tecnologia que está em curso. No âmbito da rede este

Leia mais

Direcção dos Serviços das Forças de Segurança de Macau Carta de Qualidade

Direcção dos Serviços das Forças de Segurança de Macau Carta de Qualidade 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 澳 門 保 安 部 隊 事 務 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DAS FORÇAS DE SEGURANÇA DE MACAU Direcção dos Serviços das Forças de Segurança de Macau Carta

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

IPIM. Resultado do Inquérito do Grau de Satisfação de 2014

IPIM. Resultado do Inquérito do Grau de Satisfação de 2014 IPIM Resultado do Inquérito do Satisfação de 2014 1. Objectivos do inquérito O Inquérito sobre o grau de satifação do público de Macau incide num dos Programas da Carta de da RAEM, e de acordo com a opinião

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 1036/XII. Aprova a Declaração para a abertura e transparência parlamentar

Projeto de Resolução n.º 1036/XII. Aprova a Declaração para a abertura e transparência parlamentar Projeto de Resolução n.º 1036/XII Aprova a Declaração para a abertura e transparência parlamentar Em 29 de agosto de 2012, 76 organizações de cidadãos de 53 países envolvidas na observação, apoio e incentivo

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE. PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE VERSION FINALE PROGRAMA DE TRABALHO PARA 2000 (Nº 2, alínea b), do artigo 5º da Decisão nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União

Leia mais

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG)

Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) Curso de Especialização Tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão (CET-AIG) 1. Plano Curricular do curso O curso de especialização tecnológica em Aplicações Informáticas de Gestão integra as componentes

Leia mais

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Actualmente em Macau, designa-se geralmente por compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Leia mais

O Arquivo Municipal de Lisboa: modelos em prática Inês Morais Viegas

O Arquivo Municipal de Lisboa: modelos em prática Inês Morais Viegas O Arquivo unicipal de Lisboa: modelos em prática Inês orais Viegas I ntrodução: Os Arquivos constituem a memória de uma organização, qualquer que seja a sociedade, empresa ou instituição, a fim de suportar

Leia mais

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010

FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Regulamento n.º 02/2010 Para os efeitos estipulados no artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 305/2009 de 23 de Outubro, torna público que, a Assembleia de Freguesia em reunião

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos.

A parte restante do presente Memorando de Entendimento expõe em pormenor o modo de concretizar esta lista de propósitos. Memorando de Entendimento da Plataforma de Diálogo entre Partes Interessadas da UE sobre o acesso a obras por parte das pessoas com incapacidade de leitura de material impresso Dan Pescod (em nome da União

Leia mais

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Utilizador do IBM SmartCloud Engage e IBM SmartCloud

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

XVI. CCAC Reforça Supervisão e Incentiva a Cooperação CA Fiscaliza a Aplicação do Erário Público

XVI. CCAC Reforça Supervisão e Incentiva a Cooperação CA Fiscaliza a Aplicação do Erário Público Retrospectiva de 2008 XVI. CCAC Reforça Supervisão e Incentiva a Cooperação CA Fiscaliza a Aplicação do Erário Público Em 2008, o Comissariado contra a Corrupção (CCAC) esforçou-se por reforçar a supervisão

Leia mais

A Secretária de Estado dos Transportes. Ana Paula Vitorino

A Secretária de Estado dos Transportes. Ana Paula Vitorino Intervenção de Sua Excelência, A Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de encerramento da apresentação dos novos serviços online do IMTT Lisboa, 18 de Dezembro de 2008 (vale a versão lida) 1/14 Senhor

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014. Média do grau de satisfação 4.

Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014. Média do grau de satisfação 4. Fundo de Segurança Social Resultado do inquérito relativo ao grau de satisfação do serviço do ano 2014 1. Breve apresentação do inquérito De acordo com a disposição relativa a Recolha de opiniões dos destinatários

Leia mais

Martinho André Cerqueira de Oliveira

Martinho André Cerqueira de Oliveira Martinho André Cerqueira de Oliveira O Recurso a Tecnologias Web para Suporte da Gestão do Conhecimento Organizacional Um Exemplo Nacional Orientador: Prof. Doutor Luís Borges Gouveia Universidade Fernando

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2.

SUMÁRIO. Série. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: $ 2.00. Artigo 2. Quarta-Feira, 27 de Julho de 2005 Série1, Série Nº.1 I, N. 13 $ 2.00 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE GOVERNO: SUMÁRIO

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

Notas explicativas Regras de facturação do IVA

Notas explicativas Regras de facturação do IVA Notas explicativas Regras de facturação do IVA (Directiva 2010/45/UE do Conselho) Porquê notas explicativas? O objectivo das notas explicativas é permitir uma melhor compreensão da legislação adoptada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE Artigo 1.º Objectivos da avaliação A avaliação do pessoal não docente visa: a) A avaliação profissional, tendo em conta os conhecimentos, qualidades e

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2013 Número 44 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Semana Dinâmica de Macau realizada na cidade de Jinan da província de Shandong

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Controlo Orçamental 2007/2041(DEC) 5.2.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a quitação pela execução do orçamento geral da União Europeia para o exercício de 2006 (C6-0366/2007

Leia mais

MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015

MINISTÉRIO DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015 N. o 78 3 de Abril de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 3015 Figura 41 Vulnerabilidade dos aquíferos. Figura 42 Infra-estruturas de transporte existentes e previstas. Figura 43 Evolução da população residente

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade Certificação e Acreditação Auditorias Sumário da Aula JN2 Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade 1 Normalização Norma Internacional

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

[CONSTRUÇÃO DO QUAR] linhas de orientação

[CONSTRUÇÃO DO QUAR] linhas de orientação C C A S ConselhoCoordenador deavaliaçãodeserviços [CONSTRUÇÃODOQUAR] Não apresentam apenas um objectivo estratégico mas antes vários objectivos estratégicos, ou são tão vagos que não permitem conhecer

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Setembro de 2014 Número 50 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Setembro de 2014 Número 50 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Setembro de 2014 Número 50 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Reunião Conjunta de Cooperação Macau-Guangdong de 2014, realizada em

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO)

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) PRAIA, 17 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA Sendo globalmente

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português Development Co-operation Report 2010 Summary in Portuguese Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010 Sumário em Português O relatório de Desenvolvimento e Cooperação, emitido pelo Comité de Ajuda

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Centro de Incubação de Negócios para os Jovens

Centro de Incubação de Negócios para os Jovens Centro de Incubação de Negócios para os Jovens Q&A 1. Os serviços prestados pelo Centro de Incubação de Negócios para os Jovens (adiante designado por CINJ) destinam-se apenas para residentes de Macau?

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

As Compras Electrónicas no Grupo Águas de Portugal

As Compras Electrónicas no Grupo Águas de Portugal As Compras Electrónicas no Grupo Águas de Portugal Autores Alberto Martins Coordenador de Compras EPAL (Grupo Águas de Portugal) alberto.martins@epal.pt Nuno Fragoso Gestor de Projecto AdP Serviços (Grupo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187. Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de. Portaria n.

Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187. Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de. Portaria n. Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187 Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados ANEXO AO ROTEIRO DE INTERVENÇÃO EM ARTICULAÇÃO E CONTINUIDADE DE CUIDADOS ANEXO II Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados Autores: Ana Dias (doutoranda da Universidade de Aveiro

Leia mais

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA 1.ª FASE do Projeto (12 meses contados a partir da data de inauguração do espaço) Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Descrição Geral do Portal Global. Centro de Informação Executiva

Descrição Geral do Portal Global. Centro de Informação Executiva Descrição Geral do Centro de Informação Executiva Canais de Compras Online Clientes Comerciais Premier PremierConnect Processo de encomenda simplificado Confirmações pontuais das encomendas Acesso a informações

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de e um compromisso político Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 26 Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1 Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública Março de 2011 14-06-2012 1 Modelo de Gestão em Rede. A Acção Pública deve combinar

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2004 Número 5 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2004 Número 5 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2004 Número 5 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Promoção do investimento no Parque Industrial Transfronteiriço Zhuhai-Macau

Leia mais

Programas de Acção. Page 34

Programas de Acção. Page 34 Page 34 Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas Transposição do novo quadro regulamentar. Acompanhamento da implementação das novas estruturas organizacionais

Leia mais

REGULAMENTO. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

REGULAMENTO. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação REGULAMENTO Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Regulamento Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação A Fundação para a Ciência e a Tecnologia I.P. (FCT I.P.) vai proceder

Leia mais

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro

Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro Decreto-Lei nº 25/91, de 11 de Janeiro O quadro legal das sociedades de desenvolvimento regional foi estabelecido pelo Decreto-Lei nºs 499/80, de 20 de Outubro. Desde a data da sua publicação, o sistema

Leia mais